MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)"

Transcrição

1 MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados ou cabos unipolares em A1 eletroduto de seção circular embutido em 1 parede termicamente isolante Cabo multipolar em eletroduto de seção circular A embutido em parede termicamente isolante Condutores isolados ou cabos unipolares em B1 eletroduto aparente de seção circular 4 Cabo multipolar em eletroduto aparente de B seção circular A 5 4 Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto aparente de seção não circular B1 6 4A Cabo multipolar em eletroduto aparente de seção não circular B 7 5 Condutores isolados ou cabos unipolares em B1 eletroduto de seção circular embutido em alvenaria 8 5A Cabo multipolar em eletroduto de seção circular B embutido em alvenaria Cabos unipolares ou cabo multipolar sobre C parede 4 11A 11A Cabos unipolares ou cabo multipolar no teto 4 C 1 1 Cabos unipolares ou cabo multipolar em C bandeja não perfurada ou prateleira 1 1 Cabos unipolares ou cabo multipolar em E (multipolar) bandeja perfurada, horizontal ou vertical. F (unipolares) Cabos unipolares ou cabo multipolar sobre E (multipolar) suportes horizontais F (unipolares) 15 Cabos unipolares ou cabo multipolar afastado(s) E (multipolar) da parede ou do teto 5 F (unipolares) Cabos unipolares ou cabo multipolar em leito E (multipolar) 16 F (unipolares) 17 Cabos unipolares ou cabo multipolar E (multipolar) suspenso(s) por cabo de suporte, incorporado 17 F (unipolares) ou não. 1

2 Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição referência a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 18 Condutores nus ou isolados sobre isoladores G Cabos unipolares ou cabo multipolar em espaço B de construção Condutores isolados em eletroduto de seção B circular em espaço de construção A Cabos unipolares ou cabo multipolar em B eletroduto de seção circular em espaço de construção 4 Condutores isolados em eletroduto de seção B não circular em espaço de construção 5 Cabos unipolares ou cabo multipolar em B eletroduto de seção não circular em espaço de construção 6 4A Condutores isolados em eletroduto de seção B não circular embutido em alvenaria 7 4A Cabos unipolares ou cabo multipolar em B eletroduto de seção não circular embutido em alvenaria Condutores isolados ou cabos unipolares em B1 canaleta fechada encaixada no piso ou no solo 4 Cabo multipolar em canaleta fechada encaixada B A no piso ou no solo 5 Condutores isolados ou cabos unipolares em B1 4 canaleta ou perfilado suspensa(o) 6 Cabo multipolar em canaleta suspensa B 4A Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto de seção circular contido em canaleta fechada com percurso horizontal ou vertical 4 4 Condutores isolados em eletroduto de seção B1 circular contido em canaleta ventilada encaixada no piso ou no solo 4 4 Cabos unipolares ou cabo multipolar em B1 canaleta ventilada encaixada no piso ou no solo B

3 Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição referência a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 51 Cabo multipolar embutido diretamente em A1 parede termicamente isolante 51 5 Cabos unipolares ou cabo multipolar C embutido(s) diretamente em alvenaria Cabos unipolares ou cabo multipolar C embutido(s) diretamente em alvenaria com proteção mecânica adicional Cabos unipolares ou cabo multipolar em eletroduto enterrado D 6 Cabos unipolares ou cabo multipolar D diretamente enterrado(s), sem proteção 7 6 mecânica adicional 6 Cabos unipolares ou cabo multipolar D diretamente enterrado(s), com proteção 6 mecânica adicional 71 Condutores isolados ou cabos unipolares em A1 71 moldura 7 Condutores isolados ou cabos unipolares em B1 TV Telecomucanaleta provida de separações sobre parede nicações 7 7A TV Cabo multipolar em canaleta provida de B Telecomuseparações nicações 7 7 Condutores isolados em eletroduto, cabos A1 unipolares ou cabo multipolar embutido(s) em 7 caixilho de porta 74 Condutores isolados em eletroduto, cabos A1 74 unipolares ou cabo multipolar embutido(s) em caixilho de janela NOTAS: 1 Ver da NBR5410/97 O revestimento interno da parede possui condutância térmica de, no mínimo, 10 W/m.K. A distância entre eletroduto e superfície deve ser inferior a 0, vez o diâmetro externo do eletroduto. 4 A distância entre cabo e parede deve ser inferior a 0, vez o diâmetro externo do cabo. 5 A distância entre cabo e parede ou teto deve ser igual ou superior a 0, vez o diâmetro externo do cabo. 6 Deve-se atentar para o fato de que quando os cabos estão instalados na vertical e a ventilação é restrita, a temperatura ambiente no topo do trecho vertical pode aumentar consideravelmente. 7 Os cabos devem ser providos de armação.

4 CAPACIDADES DE CONDUÇÃO DE CORRENTE, EM AMPÈRES, PARA OS MÉTODOS DE REFERÊNCIA A1, A, B1, B, C e D. (Tabela 6 da NBR5410/004). - Condutores e cabos unipolares e multipolares, isolação de PVC; - e condutores carregados; - temperatura de 70 o C no condutor; - temperatura ambiente: 0 o C para linhas não subterrâneas e 0 o C (solo) para linhas subterrâneas. Métodos de instalação definidos na tabela 8 A1 A B1 B C D Seções nominais (mm ) (1) carreg. () carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. carreg. () (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (1) carreg. (1) Cobre 0, , ,5 14,5 1, ,5 15,5 16, ,5 17,5 18,5 19, ,5 17, Alumínio

5 Número de condutores carregados - O número de condutores carregados a ser considerado é o dos condutores efetivamente percorridos por corrente. Nos circuitos trifásicos com neutro, quando puder ser admitido o equilíbrio das correntes nos condutores fase e quando não for prevista a circulação de correntes harmônicas no condutor neutro, este não deve ser computado, considerando-se, portanto, para o circuito, condutores carregados. Assim, temos: a) circuito trifásico sem neutro = condutores carregados; b) circuito trifásico com neutro = 4 condutores carregados; c) circuito monofásico a condutores = condutores carregados; d) circuito monofásico a condutores = condutores carregados; e) circuito bifásico a condutores = condutores carregados; e f) circuito bifásico a condutores = condutores carregados. TEMPERATURAS CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES (Tabela 5 da NBR5410/004) Temperatura máxima Temperatura limite Temperatura limite para serviço contínuo de sobrecarga de curto-circuito Tipo de isolação (condutor) ( o C) o o (condutor) ( C) (condutor) ( C) Cloreto de polivinila (PVC) Borracha etileno-propileno (EPR) Polietileno reticulado (XLPE) FATORES DE CORREÇÃO PARA TEMPERATURAS AMBIENTES DIFERENTES DE 0 O C PARA LINHAS NÃO SUBTERRÂNEAS E DE 0 O C (TEMPERATURA DO SOLO) PARA LINHAS SUBTERRÂNEAS (Tabela 40 da NBR5410/004) Temperatura Isolação ( o C) PVC EPR ou XLPE Ambiente 10 1, 1, ,17 1,1 0 1,1 1,08 5 1,06 1,04 5 0,94 0, ,87 0, ,79 0, ,71 0,8 55 0,61 0, ,50 0, , , , ,41 do solo 10 1,10 1, ,05 1,04 5 0,95 0,96 0 0,89 0,9 5 0,84 0, ,77 0, ,71 0, ,6 0, ,55 0, ,45 0, , ,5 75-0, ,8 5

6 FATORES DE CORREÇÃO PARA AGRUPAMENTO DE CIRCUITOS OU CABOS MULTIPOLARES - a aplicar aos valores de capacidade de condução de corrente dados na tabela 1 da NBR5410/97. (Tabela 4 da NBR5410/004) Item Disposição dos cabos Número de circuitos ou de cabos multipolares Tabelas dos métodos de justapostos instalação Feixe de cabos ao ar livre ou sobre 1 super- fície; 1,00 0,80 0,70 0,65 0,60 0,57 0,54 0,5 0,50 0,45 0,41 0,8 métodos A a F cabos em condutos fechados Camada única sobre parede, piso, ou em 1,00 0,85 0,79 0,75 0,7 0,7 0,7 0,71 0,70 bandeja não Nenhum fator de perfurada ou redução prateleira adicional para método C Camada única no teto 0,95 0,81 0,7 0,68 0,66 0,64 0,6 0,6 0,61 mais de 9 circuitos ou Camada cabos única em multipolares bandeja 4 perfurada, 1,00 0,88 0,8 0,77 0,75 0,7 0,7 0,7 0,7 horizontal ou métodos E e F vertical Camada 5 unida em 1,00 0,87 0,8 0,80 0,80 0,79 0,79 0,78 0,78 leito, suporte SEÇÕES MÍNIMAS DOS CONDUTORES (Tabela 47 da NBR5410/004) Tipo de instalação Utilização do circuito Seção mínima do condutor Circuitos de iluminação (mm ) - material 1,5 Cu 10 Al Cabos isolados Circuito de força,5 Cu 10 Al Instalações Circuitos de sinalização e circuitos 0,5 Cu fixas em geral de controle Condutores nus Ligações flexíveis feitas Circuitos de força Circuitos de sinalização e circuitos de controle Para um equipamento específico 10 Cu 10 Al 4 Cu Como especificado na norma do equipamento com cabos isolados Para qualquer outra aplicação 0,75 Cu Circuitos a extrabaixa tensão para aplicações especiais 0,75 Cu 6

7 SEÇÃO DO CONDUTOR NEUTRO - Para circuitos trifásicos, ligação estrela e equilibrado (*) (Tabela 48 da NBR5410/004) Seção dos condutores fase (mm ) Seção mínima do condutor neutro (mm ) S (*) Para circuitos monofásicos (110V ou 0V) a seção do condutor neutro deve ser igual à seção do condutor fase. SEÇÃO MÍNIMA DO CONDUTOR DE PROTEÇÃO (Tabela 58 da NBR5410/004) Seção dos condutores fase da instalação Seção mínima do condutor de proteção SF (mm²) correspondente SN (mm²) SF < SF 5 SF > 5 SF 16 S F S DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS De acordo com a norma NBR5410, a taxa máxima de ocupação em relação à área da seção transversal dos eletrodutos não deve ser superior a: - 5% para um condutor ou cabo; - 1% para dois condutores ou cabos; - 40% para três ou mais condutores ou cabos. 7

8 Uma das formas de dimensionamento dos eletrodutos segue o seguinte roteiro: a) determinar a seção dos condutores que irão passar no interior do eletroduto; b) determinar a área total de cada condutor (considerando a camada de isolação) na tabela A; c) efetuar a somatória das seções totais, obtida no item anterior; d) com o valor da somatória, determinar na tabela B ou C (na coluna 40% da área) o valor imediatamente superior ao valor da somatória e o respectivo diâmetro do eletroduto a ser utilizado; e) em uma instalação elétrica, o eletroduto deve ter um diâmetro mínimo de 0mm, estes eletrodutos não são cotados na planta. tabela A seção nominal isolação PVC diâmetro área total (mm ) externo (mm) (mm ) FIOS 1,5,5 6,,5,4 9,1 4,9 11,9 6 4,4 15, 10 5,6 4,6 CABOS 1,5,0 7,1,5,7 10,7 4 4, 1,8 6 4,8 18,1 10 5,9 7, 16 6,9 7,4 5 8,5 56,7 5 9,5 71, , , , , , ,5 0 40,5 44 tabela B - eletroduto de PVC rígido tamanho nominal diâmetro externo ocupação máxima 40% da área (mm) (mm ) tabela C - eletroduto de aço galvanizado tamanho nominal diâmetro externo ocupação máxima 40% da área (mm) (mm )

9 Uma outra forma de dimensionamento utiliza a tabela D, onde, em função da quantidade de condutores e a seção nominal do maior condutor no eletroduto determina-se o tamanho nominal do eletroduto. tabela D - dimensionamento de eletrodutos de PVC rígido seção nominal número de condutores no eletroduto (mm ) tamanho nominal do eletroduto (mm) 1, , tabela E - equivalência de padrões de medidas (eletroduto de PVC) tamanho nominal (mm) (pol) /8 1/ / /4 1 1 / 1 / 9

10

11

12

13

14

15

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente Considerações iniciais Neste módulo, apresentaremos os fatores de correção das capacidades de condução de corrente, relativos à temperatura ambiente e o agrupamento de circuitos, de acordo com as prescrições

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

Cabo Fiter Flex 0,6/1kV

Cabo Fiter Flex 0,6/1kV abo Fiter Flex 0,6/1kV São destinados às instalações gerais em eletrodutos ao ar livre (em bandejas, prateleiras ou suporte análogos), perfilados, espaços de construção, bem como sistemas subterrâneos

Leia mais

Fios e cabos elétricos

Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos Fio Sólido BWF 0 V Condutor sólido de cobre nu, têmpera mole. Isolação de PVC/A 0ºC antichama. nominal,, condutor,3,,3, 3,,8 isolação externo nominal, 3,3 3,83,3,,8 33 3 Cabo BWF

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente TBEL TÉCNIC grupamento O numero de condutores a se considerar num circuito é o dos condutores efetivamente percorridos por corrente. ssim temos : > Circuito trifásico sem neutro = 3 condutores carregados

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Dispositivos de Proteção Dimensionamento dos Condutores do Circuito Uma vez feita a divisão dos circuitos... Chega a hora de dimensionar a proteção e os condutores! 2 Dispositivos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO VICTORY - 1697-09/2008 PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO 9ª Edição Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. Av. Alexandre de Gusmão, 145 - CEP 09110-900 - Santo André - SP Central

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010 Capítulo 9 O aquecimento dos condutores e a queda de tensão 2008 by Pearson Education slide 1 9.1 Introdução O dimensionamento correto de condutores e de sua proteção é um problema térmico. Trata-se de

Leia mais

Tabela 33 Tipos de linhas elétricas

Tabela 33 Tipos de linhas elétricas Tabela 33 Tipos de linhas elétricas Método de instalação número Esquema ilustrativo Descrição Método de referência 1) 1 Condutores isolados ou cabos unipolares em eletroduto de seção circular embutido

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque: a construção do condutor, a parte metálica do

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax Compact 105 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII INSTALAÇÃO DE MOTORES Prof. Marcos Fergütz Julho/2013 CAPACIDADE DE CORRENTE DIMENSIONAMENTO DA FIAÇÃO CASO 1: ALIMENTAÇÃO PARA UM MOTOR -RAMAL RAMAL I rm 1,25 xi = nm

Leia mais

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE Volume III e IV INTRODUÇÃO Guia de Aplicação para Cabos Elétricos com Condutores em Cobre Fornecer conceitos

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 07 Esquemas de ligação de eletrodutos Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab07: Eletrodutos Tarefa: Desenhar na planta de residência

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Noflam Antichama BWF Flexível 450/750V 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, atendendo à classe 5 de encordoamento. 2 Isolação: PVC (70 ºC) composto

Leia mais

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²)

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²) Quando o assunto é equipamentos ou processos seguros, contar com uma solução personalizada em cabos elétricos pode ser fundamental para o sucesso de sua empresa, seja para suprir suas necessidades técnicas

Leia mais

Condutores Elétricos

Condutores Elétricos Condutores Elétricos Aspectos construtivos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características:

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

SISTEMAS DE ATERRAMENTO PARA INSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRIAS NBR14039/2005 E

SISTEMAS DE ATERRAMENTO PARA INSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRIAS NBR14039/2005 E SSTEMAS DE ATERRAMENTO PARA NSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRAS NBR14039/005 E-31.000 Prof. Marcos Fergütz setembro/016 Para definir os esquemas de aterramento, deve-se observar a simbologia: - Esquema

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO RESIDENCIAL MÓDULO III Especificação da Fiação, Proteção e Eletrodutos Prof. Marcos Fergütz fev/06 A: b B: A A a b b a b a B a b a b b b b b a 3 3 3 3 3 3 3 3 3 5 6 6 6 5

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Cabos Fibep Média Tensão

Cabos Fibep Média Tensão Cabos Fibep Média Tensão Índice Página Fibep BF 6kV a 35kV - Descrição, características, performance e benefícios 02 - Qualidade assegurada, aplicações 03 - Representação esquemática - tripla extrusão

Leia mais

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1 Cabo Voltalene 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR (2) Camada composto termofixo

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU

CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU Cobre eletrolítico nu, meio duro. Empregado em linhas aéreas para transmissão e distribuição de energia elétrica e sistema de aterramento. NBR 6524: Fios e cabos de cobre

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Definições Materiais Elétricos -Um condutor elétrico é um produto metálico geralmente de forma cilíndrica e de comprimento muito maior do que a maior dimensão transversal, utilizado para transportar energia

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão.

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão. 7.3. Queda de tensão (conforme NBR 5410/97, item 6.2.7) a) A queda de tensão entre a origem da instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores da Tabela 18, dados em relação

Leia mais

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga):

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 23 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 24 Exemplo de aplicação 4.4(3.7): 4(3 Calcular a seção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO Este memorial técnico descritivo tem por finalidade especificar detalhes construtivos para a execução do referente projeto que trata da reforma das instalações

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CURITIBA 2013 FELIPE AUGUSTO PIACENTINI GRABARSKI PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Trabalho apresentado

Leia mais

LUIZ RICARDO SOBENKO PROJETO ELÉTRICO

LUIZ RICARDO SOBENKO PROJETO ELÉTRICO LUIZ RICARDO SOBENKO ROJETO ELÉTRICO CURITIBA 2013 LUIZ RICARDO SOBENKO ROJETO ELÉTRICO Trabalho de graduação apresentado à disciplina de Eletrificação Rural do curso de Agronomia do Setor de Ciências

Leia mais

CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA

CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA 1 A Robba Engenharia é especializada no desenvolvimento de: estudos sistemas computacionais aplicáveis em sistemas elétricos de distribuição da energia. Desenvolveu, dentre

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. espíndola Disjuntores Termomagnéticos CERTIFICAÇÃO INMETRO Obrigatório

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO ANEXO-I Especificação técnica mínimas dos serviços a serem realizados Projeto EDUCAR José Fioravante Schneider 09/09/2014 Página 1 de 14 ANEXO-I Especificação técnica

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 3 Projeto de Instalação Elétrica Prof. Msc. Alex Vilarindo Menezes 1 Cronograma 1. Introdução 2. Simbologia 3. Previsão de carga de iluminação e pontos

Leia mais

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão 9.2.1 Campo de aplicação As prescrições complementares desta subseção são aplicáveis aos

Leia mais

Instala Instalações Elétricas. NOTAS DE AULA

Instala Instalações Elétricas. NOTAS DE AULA Instala Instalações Elétricas. NOTAS DE AULA Aspectos Básicos Definições e conceitos fundamentais Tensões Equipamentos de utilização Estrutura e alimentação Prescrições fundamentais da NBR5410 Tabelas

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA:

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA: 1 de 5 01.00.000 SERVIÇOS TÉCNICOS-PROFISSIONAIS 01.02.000 GEOTECNIA 01.02.107 Medição de resistividade do solo.01 - Ponto de medição com 5 níveis (2, 4, 8, 16 e 32)m un 10,00 01.03.000 ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

Serviços & Treinamentos Técnicos Rua 2, n 233 Conforto Volta Redonda RJ Telefax: (24)

Serviços & Treinamentos Técnicos Rua 2, n 233 Conforto Volta Redonda RJ Telefax: (24) AULA 05/25 DE COMANDOS ELÉTRICOS ASSUNTO: AULA 01/03 DE INSTALAÇÕES PREDIAIS 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS Interruptor de três seções 1.1 SIMBOLOGIA Ponto de luz no teto Interruptor bipolar Luminária Fluorescente

Leia mais

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11)

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11) FIO PLASTICOM ANTICHAMA 450/750 V têmpera mole, isolado com Policloreto de Vinila (PVC), tipo PVC/A para 70 C, antichama (BWF-B). embutidos em eletrodutos, bandejas ou canaletas. ANTICHAMA 450/750 V Normas

Leia mais

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410 CAPACIAE E CONUÇÃO E CORRENTE PARA CABO E BAIXA TENÃO O dimensionamento de uma instalação elétrica alimentada sob tensão nominal igual ou inferior a 00V, em corrente alternada é a 0V em corrente contínua,

Leia mais

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE)

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE) Introdução Este documento técnico tem por objetivo descrever os critérios utilizados nos projetos elétricos e telefônicos do Centro de Referência de Assistência Social CRAS da cidade de Cachoeira de Goiás,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.007 SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2.

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

AF2 Cursos Online AF2 Engenharia e Projetos PROJETO ELÉTRICO

AF2 Cursos Online  AF2 Engenharia e Projetos  PROJETO ELÉTRICO PROJETO ELÉTRICO 1 Sumário Conceitos Básicos... 3 Tensão e Corrente Elétrica... 3 Potência Elétrica... 3 Tipos de Potência... 4 Triângulo das Potências... 6 Fator de Potência... 6 Tipos de Ligação... 7

Leia mais

Condumax Fios e Cabos Elétricos

Condumax Fios e Cabos Elétricos Catálogo Técnico Condumax Fios e Cabos Elétricos História Há 50 anos desenvolvendo e produzindo soluções inteligentes para componentes elétricos, a Incesa se consolidou, juntamente com a Condumax, como

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9.1 RAMAIS ALIMENTADORES 9.1.1 Barramento de cobre Ø5,16mm (0,187kg/m) m 10,00 25,20 252,00 1,69 9.1.2 Chave seccionadora de média tensão, com fusível incorporado, sem carga, uso

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW)

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) 1- Descrição do produto: O Terminal Contrátil a Frio M MR QTIII 7672-S-8 é um produto que atende os requisitos da norma IEEE 48 classe

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE A Empresa... 03 Contato Comercial... 03 Seleção e Instalação de Condutores Elétricos (NBR 5410)... 04 Tabela de Produtos... 09 Métodos de Instalação... 10 Capacidade de Condução

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) Projeto Elétrico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS RTÉROS DE DMENSONAMENTO DE RUTOS 1) RTÉRO DE APADADE DE ONDUÇÃO DE ORRENTE A corrente de dimensionamento será obtida a partir da seguinte equação: dim t n F F a Onde: orrente de dimensionamento; dim F

Leia mais

Procobre Brasil.

Procobre Brasil. Procobre Brasil O PROCOBRE é uma rede de instituições latino-americanas cuja missão é a promoção do uso do cobre, impulsionando a pesquisa e o desenvolvimento de novas aplicações e difundindo sua contribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes António Augusto Araújo Gomes INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS SEGUNDO AS REGRAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO V Índice Nota de abertura... IX Prefácio...

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1- ELEMENTOS COMPONENTES DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA

CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1- ELEMENTOS COMPONENTES DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof.a : CARMINDA CÉLIA M. M. CARVALHO CAPÍTULO 4- INSTALAÇÕES EM RESIDÊNCIAS 4.1-

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

CABOS DE AQUECIMENTO

CABOS DE AQUECIMENTO Fabricados a partir de uma liga resistiva isolada com polímeros com alta resistência a temperatura, intempéries e ataques químicos. Potência Variável Materiais: Resistor: fios resistivos. Isolação: Borracha

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 A nova norma NBR5419 teve com o diretriz a IEC 62305 e se divide em 4 partes bem distintas,

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO

CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO A NEXANS O mundo em que vivemos requer cada vez mais energia para funcionar e se desenvolver. Por mais de um século a Nexans tem desempenhado um papel-chave em proporcionar

Leia mais