Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 2 Plano de Segurança. Maj. QOBM Fernando"

Transcrição

1 Comando do Corpo de Bombeiros Mód 2 Plano de Segurança Maj. QOBM Fernando

2 Introdução; Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico SUMÁRIO Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico; Medidas de Segurança, composição, apresentação, prazos e cassação. Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico para Instalação de Ocupação Temporária - IOT; Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico para Ocupação Temporária em Edificação Permanente OTEP. 2

3 Introdução O que é o Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico (PSCIP)? Conjunto de medidas de segurança contra incêndio e pânico que devem ser apresentadas ao Corpo de Bombeiros, procurando identificar todos os riscos da edificação. 3

4 Apresentação Deve ser apresentados ao Corpo de Bombeiros: Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico (PSCIP); Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico para Instalação e Ocupação Temporária (PSCIP-IOT); Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico para Ocupação Temporária em Edificação Permanente (PSCIP-OTEP). 4

5 Quando se exige o PSCIP? Deve ser utilizado para apresentação das medidas de Segurança Contra Incêndio e Pânico das seguintes edificações e áreas de risco: Edificações novas com área maior ou igual 100m² (exceto residências unifamiliares); Edificações antigas ou existentes de Risco Leve cuja área seja maior ou igual a 1.500m² ou com mais de 4 pavimentos; Edificação antiga: edificação construída anteriormente ao ano de 1.976; Edificação existente: edificação construída ou possua alvará de construção emitido e aprovado anteriormente a vigência deste Código. 5

6 Quando se exige o PSCIP? Edificações antigas ou existentes de Risco Moderado ou Elevado, área maior ou igual a m² ou que possua mais de 3 pavimentos; Edificações que forem submetidas a mudança de ocupação, reforma estrutural ou ampliação de área construída (desde que implique em novas medidas de segurança); Edificações e áreas de risco cuja ocupação pertencem aos Grupos L e M. (Tabela 1 dos anexos do código). Edificações e áreas de risco cuja ocupação pertencem aos Grupos E, F e H, independentemente da área e/ou número de pavimentos; Edificações e áreas de risco que necessitem de proteção por sistemas fixos tais como: hidrantes, chuveiros automáticos, alarme e detecção de incêndio, dentre outros, independentemente da área e/ou número de pavimentos. 6

7 Como ficou o Arquitetônico? De acordo com o CSCIP não é obrigatória a apresentação do projeto arquitetônico para obtenção da aprovação do PSCIP, portanto, agora o Responsável Técnico deve apresentar direto o PSCIP para obtenção do Alvará de Construção junto a Prefeitura Municipal local. 7

8 Composição do PSCIP Pasta do PSCIP; Ofício de apresentação do PSCIP; Procuração do proprietário; ART do responsável técnico pelo PSCIP; Documentos complementares, quando necessário; Planta de risco e quadro de estatística da obra; Planta das medidas de segurança contra incêndio e pânico. 8

9 Composição do PSCIP Pasta do PSCIP: Pasta plástica ofício, com elástico, vermelha, que acondiciona todos os documentos do PSCI, organizados na sequência estabelecida na norma, com as dimensões de 240mm x 330mm e altura conforme a quantidade de documentos. Havendo a necessidade de mais de uma pasta, deverão ser numeradas conforme sequência em norma. 9

10 Composição do PSCIP Ofício de apresentação do PSCIP: O Responsável Técnico deve enviar ofício encaminhado ao Serviço de Prevenção Contra Incêndio e Pânico, solicitando análise e aprovação do PSCIP, contendo informações básicas da edificação ou área de risco, com assinatura do responsável técnico pelo PSCIP (anexo C): Nome da obra Nome do proprietário CNPJ/CPF do proprietário Endereço da obra Inscrição fiscal ou imobiliária Ocupação (conf. anexo 1 do CSCIP) Área total da obra 10

11 Composição do PSCIP Procuração do proprietário: Deve ser apresentada, sempre que terceiro assine documentação do PSCIP pelo proprietário. 11

12 Composição do PSCIP ART do responsável técnico pelo PSCIP: Deve ser anexada a ART do responsável técnico pelo PSCIP e, se houver, as ARTs dos responsáveis técnicos pelos projetos específicos. 12

13 Composição do PSCIP Documentos complementares, quando necessário; Memorial industrial de segurança contra incêndio e pânico (anexo D); Memorial de cálculo; Memorial do sistema fixo de gases para combate a incêndio; Autorização da Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (DEAM); Documentos referentes ao comércio de fogos de artifício (NPT 030); Memorial de dimensionamento da carga de incêndio (NPT 014); Documento comprobatório (área construída, ocupação, data da edif. e riscos existentes); Memorial de cálculo de dimensionamento de lotação e saídas de emergência em centros esportivos e de exibição (NPT 012); 13

14 Composição do PSCIP Documentos complementares, quando necessário: Cálculo de dimensionamento de lotação e saídas de emergência em locais de reunião de Público (NPT 011); Planilha de informações operacionais ( PECI); Licença de funcionamento para instalações radioativas, nucleares, ou de radiografia industrial, ou qualquer instalação que trabalhe com fonte radioativas; Memorial básico de construção (Anexo E); Memorial de dimensionamento e descritivo da lógica de funcionamento do sistema de controle de fumaça (NPT 015); Memorial de cálculo de pressurização de escada (NPT 013); Memorial de cálculo de isolamento de risco (NPT 07). 14

15 Composição do PSCIP Planta de risco e quadro de estatística da obra (Anexo A): Folha única no formato A4, A3, A2 ou A1 em escala padronizada, contendo representação gráfica de todas as edificações e áreas de riscos com suas respectivas cotas e afastamentos, indicando a localização das medidas de segurança contra incêndio, bem como os riscos existentes e quadro estatístico da edificação. 15

16 Composição do PSCIP Planta das medidas de segurança contra incêndio e pânico: Apresentação da planta das medidas de segurança contra incêndio (PDF, papel, escala, etc.) ; Conteúdo da planta das medidas de segurança contra incêndio; Símbolos, legendas, indicação equipamentos, áreas construídas, resumo de medidas de segurança (Anexo F); 16

17 Composição do PSCIP Planta das medidas de segurança contra incêndio e pânico: Detalhes Genéricos: Legenda, isométrico, detalhes degraus, registros, etc.). Detalhes Específicos: Acesso de viatura na edificação e área de risco (NPT 006). Separação entre edificações (NPT 007); Segurança estrutural nas edificações (NPT 008), etc... 17

18 Apresentação para verificação de Conformidade do PSCIP Apresentação do PSCIP para verificação de conformidade: Para obtenção do Certificado de Conformidade (aprovação), deve ser protocolado junto ao CBPR o PSCIP em no mínimo duas vias; Recolher a GR para retirada da análise do PSCIP; O valor da taxa de análise é calculado com base na Lei Estadual de 2002 (Anexo G). 18

19 Prazo de análise do PSCIP O Serviço de Prevenção Contra Incêndio e Pânico, tem o prazo máximo de 30 (trinta) dias para analisar o PSCIP, contados a partir de cada entrada; O PSCIP deve ser analisado conforme ordem cronológica de entrada; A ordem do item anterior pode ser alterada para o atendimento das ocupações ou atividades temporárias ou interesse da administração pública, conforme cada caso. 19

20 Cassação do PSCIP A qualquer tempo o CBMPR pode anular o PSCIP que não tenha atendido todas as exigências da legislação vigente à época da aprovação. Constatada a inabilitação técnica do responsável técnico que atuou no PSCIP para o ato praticado, ao tempo da aprovação, deve ser procedida a anulação do PSCIP; Havendo indício de crime, o responsável pelo Serviço de Prevenção Contra Incêndio e Pânico deve comunicar o fato ao Ministério Público. 20

21 Substituição do PSCIP O PSCIP deve ser substituído quando se enquadrar em algumas das medidas abaixo: Ampliação de área construída que implique em novos redimensionamentos, adoção de novas medidas de segurança, mudança de ocupação, leiaute ou aumento da altura. Observação: Caso a execução da obra não seja iniciada no período de 2 (dois) anos após a aprovação, o Plano deverá ser atualizado e substituído de acordo com a norma vigente na época da atualização. 21

22 Atualização do PSCIP É a complementação de informações ou alterações técnicas relativas ao PSCIP aprovado; Quando se tratar de área ampliada que represente riscos isolados em relação à edificação existente, desde que possua as mesmas medidas de segurança contra incêndio, deve, a área ampliada, atender à legislação atual, e ser regularizada por meio de plantas. 22

23 PSCIP Instalações de Ocupação Temporária - IOT Deve ser apresentadas ao Corpo de Bombeiros: Instalações como circos, parques de diversão, feiras de exposições, feiras agropecuárias, rodeios, shows artísticos, entre outros, devem ser desmontadas e transferidas para outros locais após o prazo máximo de 6 (seis) meses, e após este prazo a edificação e áreas de risco passam a ser regidas do PSCIP. 23

24 Composição do PSCIP IOT Pasta do PSCIP; Ofício de apresentação do PSCIP-IOT; Procuração do proprietário quando este transferir seu poder de signatário; Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do responsável técnico Elaboração do PSCIP-IOT; Instalação das medidas de segurança contra incêndio e pânico; Lona de cobertura de material específico, conforme determinado na NPT 010 para ocupação com lotação superior a 100 pessoas; Instalação e estabilidade das arquibancadas e arenas desmontáveis; 24

25 Composição do PSCIP IOT Instalações de brinquedos de parques de diversão; Instalação e estabilidade de palcos; Instalação e estabilidade das armações de circos; Instalações elétricas; Grupo motogerador; Outras montagens mecânicas ou eletromecânicas; Planta de risco e estatística (anexo A); Planta das medidas de segurança contra incêndio e pânico ou planta de instalação e ocupação Temporária. 25

26 Apresentação para Avaliação do PSCIP IOT A pasta contendo a documentação deve ser formada quando do início das atividades ou quando da primeira vez que houver presença no Estado do Paraná; A pasta do interessado deve acompanhar a instalação ou a ocupação em todo o Estado do Paraná e deve ser apresentada no Serviço de Prevenção Contra Incêndio e Pânico em toda solicitação de nova vistoria; 26

27 Apresentação para Avaliação do PSCIP IOT Depois de instalada toda a proteção exigida, deve ser realizada a vistoria e emitido o respectivo Certificado de Vistoria em Instalação e Ocupação Temporária; Nos demais municípios, em cada vez que for montada a instalação ou ocupação, não há necessidade de se refazer a documentação, exceto o pedido de vistoria e a ART; Devido à peculiaridade do tipo de instalação ou ocupação, o PSCIP-IOT deve ser protocolado no setor de análise do Corpo de Bombeiros com o prazo mínimo de 07 (sete) dias de antecedência. 27

28 PSCIP Ocupação Temporária em Edificação Permanente - OTEP Deve atender algumas exigências: O evento temporário deve possuir o prazo máximo de 6 (seis) meses; A edificação e áreas de risco permanente devem atender às medidas de segurança contra incêndio previstas no Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico, juntamente com as exigências para a atividade temporária que se pretende nela desenvolver; A edificação e áreas de risco permanente devem estar devidamente regularizadas junto ao CBMPR; 28

29 PSCIP Ocupação Temporária em Edificação Permanente - OTEP Deve atender algumas exigências: Se for acrescida uma instalação temporária em área externa junto da edificação e áreas de risco permanente, esta instalação deve estar regularizada de acordo com o item 5.1; Se no interior da edificação e áreas de risco permanente for acrescida instalação temporária, tais como boxe, estande, entre outros, prevalece a proteção da edificação e áreas de risco permanente, desde que atenda aos requisitos para a atividade temporária em questão. 29

30 Resumo Tente Responder as seguintes questões? O que é um PSCIP? Quais Planos devem ser apresentados ao Corpo de Bombeiros? Qual a diferença de edificação antiga e edificação existente? Quais os documentos que compõem um PSCIP? Cite 05 documentos complementares que podem compor um PSCIP? 30

31 Referências Bibliográficas Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico do CB-PMPR-2012; Norma de Procedimento Técnico 001 Parte 2. CB-PMPR; 31

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Análise e Vistoria

Leia mais

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 2 Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico PSCIP

Procedimentos administrativos Parte 2 Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico PSCIP 01/03/15 Vigência: 01 março 2015 NPT 001 Procedimentos administrativos Parte 2 Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico PSCIP CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 39 páginas

Leia mais

NPT 001 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PARTE 2

NPT 001 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PARTE 2 Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 001 Procedimentos administrativos Parte 2 Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico - PSCIP CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 01/2008 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 01/2008 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SERVIÇOS TÉCNICOS NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 01/2008 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS IT 01 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos ANEXOS A Cartão de identificação do Projeto Técnico B Formulário

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 1 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

NORMA TÉCNICA N o 1 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS ANEXO I AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 1 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios para apresentação de processos de segurança contra incêndio

Leia mais

IT-33 EVENTOS TEMPORÁRIOS BOMBEIRO: O AMIGO CERTO NAS HORAS INCERTAS

IT-33 EVENTOS TEMPORÁRIOS BOMBEIRO: O AMIGO CERTO NAS HORAS INCERTAS IT-33 EVENTOS TEMPORÁRIOS AXÉ 2010 MINEIRÃO (DOIS DIAS) SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definição de Evento Temporário 5 Procedimentos 6 Prescrições Diversas 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 001/2010 EM REVISÃO Procedimentos Administrativos SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

NORMA TÉCNICA 01/2014

NORMA TÉCNICA 01/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 01/2014 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Medidas de Segurança

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS

NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS ANEXO XXVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 26 EVENTOS TEMPORÁRIOS 1. OBJETIVOS 1.1 Estabelecer os requisitos mínimos necessários para a realização de eventos temporários

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Aula 1 - Introdução Cap. QOBM Amarildo Prevenção de Incêndios Introdução SUMÁRIO História e evolução da prevenção Código de Prevenção Conceitos

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

IT 01 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

IT 01 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS IT 01 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Medidas de segurança contra incêndio e pânico 6 Procedimentos ANEXOS A Medidas

Leia mais

PORTARIA Nº 004/05/CAT CBMAP

PORTARIA Nº 004/05/CAT CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 004/05/CAT CBMAP Aprova Norma Técnica nº 003/2005 CBMAP, sobre os procedimentos administrativos relativos

Leia mais

PORTARIA Nº 09 DE 09 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 09 DE 09 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 09 DE 09 DE JULHO DE 2008. Aprova as modificações na Instrução Técnica 01 atendendo ao Decreto Estadual nº 44. 746/08 - Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Estabelecer requisitos e exigências para o Credenciamento de Empresas Revendedoras, Instaladoras e Conservadoras de Sistemas de Proteção Contra Incêndio e Pânico, complementando o Art. 9º do

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Procedimentos Administrativos

Procedimentos Administrativos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 01/2004 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 01/2011 Procedimentos administrativos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

PORTARIA Nº 11, DE 04 DE FEVREIRO DE 2011

PORTARIA Nº 11, DE 04 DE FEVREIRO DE 2011 PORTARIA Nº 11, DE 04 DE FEVREIRO DE 2011 Aprova as modificações na Instrução Técnica 01, visando à implementação dos programas informatizados do Serviço de Segurança Contra Incêndio e Pânico do CBMMG.

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CREA 01/03/2012 Segurança em Parques de Diversões: Legalização junto ao CBMERJ Palestrante: Ten Cel BM Leonardo TUPAN Introdução Índice: Histórico

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

Instruções Técnicas - 2011

Instruções Técnicas - 2011 Instrução Técnica nº 01/2011 - Procedimentos administrativos 39 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instruções Técnicas - 2011

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (A. V. C. B.)

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (A. V. C. B.) Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (A. V. C. B.) Página 1 / 4 O que é AVCB? O AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) é o documento emitido pelo Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO CGSIM Nº 29, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre recomendação da adoção de diretrizes para integração do processo de licenciamento pelos Corpos de Bombeiros Militares pertinente à prevenção

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 CADERNO TÉCNICO SÃO PAULO, JANEIRO DE 2015 ALVARA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança contra Incêndio REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 PRESENÇA DO CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS

CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS CORPO DE BOMBEIROS RJ DIRETORIA DE DIVERSÕES PÚBLICAS Segurança em Parques de Diversão: Papel da Defesa Civil Estadual Palestrante: Major BM Leonardo TUPAN FILME ILUSTRATIVO INTRODUÇÃO Índice: Histórico

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 001/2008

NORMA TÉCNICA N. O 001/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 001/2008 PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO FORTALEZA CEARÁ FEVEREIRO/2010

Leia mais

NORMA TÉCNICA N 01/2014. Procedimentos Administrativos

NORMA TÉCNICA N 01/2014. Procedimentos Administrativos Norma Técnica nº 01/2014 - Procedimentos Administrativos 1 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 01/2014 Procedimentos

Leia mais

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município,

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município, DECRETO Nº 18.250, de 15 de setembro de 2011. Regulamenta o processo administrativo de aprovação de projetos, alvará para construção, reforma, ampliação, demolição, e vistoria final de edificações, uniformizando

Leia mais

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V.

CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V. CBMMG - 1o BBM 5a Cia P.V..Data: JÍ-jMjjã- 4 I ENTRADAZ)i P^W^ I Kl SAÍDA yfíf^l^f^x^^ LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO N 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ^ 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS Adilson Antonio da Silva Tenente- Coronel do Corpo de Bombeiros Departamento de Prevenção ccbdsci@policiamilitar.sp.gov.br O CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60.

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60. ANEXO XII LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1.0 TERRENO R$ 1.0.1 Análise de terreno referente a desmembramento, remembramento e demarcação, com 163,89 área até 5.000m². 1.0.2 Análise

Leia mais

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Cor padrão para a identificação dos hidrantes públicos 2 Aplicação B - Esquema de instalação do hidrante público e relação de seus componentes 3 Referências

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR APARELHOS EXTINTORES

Leia mais

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS.

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. DECRETO Nº 16.785, DATA: 5 de outubro de 2005. REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. O Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO ANEXO XXX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece a regulamentação das condições mínimas para a instalação de hidrante

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ. Memorando nº 19/2010 Circ. BM/7 CURITIBA, PR., 16 de agosto de 2010

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ. Memorando nº 19/2010 Circ. BM/7 CURITIBA, PR., 16 de agosto de 2010 Memorando nº 19/2010 Circ. BM/7 CURITIBA, PR., 16 de agosto de 2010 Do: Chefe do Estado Maior. Ao(s): Comandantes do 1º ao 6ºGB, e 1º e 2ºSGBI. Assunto: Padronização de Procedimentos B/7. Senhores Comandantes,

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação DIRETORIA DE APROVAÇÃO DE PROJETOS Onde requerer: Praça de Atendimento 2 - Centro Administrativo Térreo Endereço: Avenida

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS Em atendimento à determinação da Juíza de Direito e Diretora do Foro do Juizado da Infância e Adolescência Portaria Nº005/2003/COORD/JIA, a equipe constituída

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Aprovações necessárias Copel, Sanepar, Prefeitura, Bombeiros Descubra

Leia mais

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO A Ficha objetiva apresentação de SINOPSE do laudo, padronizada, a fim de auxiliar a análise e encaminhamento do mesmo para os interessados. Conforme modelo que segue, o

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura.

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura. CARTILHA DE ALVARÁ Este pequeno manual abordará, de maneira simplificada, os requisitos para obtenção de alvará de licenciamento para a abertura de casa noturna ou boate. Para que um estabelecimento esteja

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Planilha de levantamento de dados 2 Aplicação B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários MEMORIAL DESCRITIVO Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários FINALIDADE O presente memorial tem por finalidade orientar a elaboração do projeto de programação visual

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 05 - PARTE 03 PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO SIMPLIFICADO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 05 - PARTE 03 PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO SIMPLIFICADO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 05 - PARTE 03 PROCESSO DE SEGURANÇA

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO NOME DO EVENTO OU FESTA: LOCAL: DATA: TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO RESPONSÁVEL PELA ORGANIZAÇÃO: ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIACIDADE: FONE: CPF: ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MINAS GERAIS COMANDO-GERAL

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MINAS GERAIS COMANDO-GERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MINAS GERAIS COMANDO-GERAL MEMORANDO Nº 1.048 /2004 CBMMG (Taxa de Segurança Pública - TSP) A promulgação da Lei nº 14.938, de 29 de Dezembro de 2003, alterando a Lei nº 6.763,

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais