Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito)"

Transcrição

1 Campus de Gualtar Braga P Serviços de Acção Social Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) 1. O objectivo dos Laboratórios de Informática é o de dar apoio informático à Comunidade Académica alojada nas Residências Universitárias, como complemento às actividades lectivas das diversas licenciaturas/mestrados. Para esse fim, os SASUM (Serviços de Acção Social da Universidade do Minho) disponibilizam diversos recursos informáticos e um conjunto de ferramentas e serviços de utilização genérica que devem ser usados apenas no âmbito do ensino e/ou investigação em curso na Universidade do Minho (UM), não sendo autorizada a sua utilização para outros fins, nomeadamente para fins comerciais ou de mero divertimento. Art.º2º (funcionamento) 1. O acesso à internet não é prioritário em relação a outros tipos de trabalhos a desenvolver nos computadores. Se um aluno pretender usar um computador para efectuar trabalhos e não encontrar nenhum disponível porque existem utilizadores a ocupar computadores para actividades de índole não académica, então estes deverão de imediato libertar o computador para o aluno que deseja trabalhar. Caso o computador não for libertado nessa situação, o aluno que pretenda usar esse posto para efeitos de trabalho, deve dirigir-se ao segurança para que este o acompanhe a sala e identifique quem não cumpre com o estipulado no regulamento. 2. Qualquer estrago provocado nos equipamentos disponíveis será registado. Dessa forma TODOS OS ALUNOS PRESENTES na sala de informática naquele instante serão tomados como responsáveis caso não se consiga determinar o(s) responsável(eis) directo(s). 3. É EXPRESSAMENTE proibido, a qualquer utilizador do laboratório de informática: a. Fumar, comer ou beber na área do Laboratório; b. Alterar as ligações dos cabos de rede; c. Remover, trocar, manipular qualquer peça de hardware ou periférico que não seja na sua utilização normal; d. Ligar computadores externos nas fichas destinadas aos PC s da sala; e. Fazer barulho; f. Jogar; g. A utilização indevida de recursos informáticos entende--se como tal, todas as práticas abusivas dos recursos informáticos, tais como: Acesso não autorizado a redes ou sistemas informáticos; Reprodução e divulgação ilegítima de programas; Intercepção, reprodução ou divulgação ilegítima de informação; e Adulteração ou sabotagem de dados, programas e sistemas. 4. As infracções ou tentativas de infracção, para além da responsabilidade criminal associada ao acto praticado estarão sujeitas a um processo disciplinar por parte dos SASUM.

2 5. O não cumprimento destas disposições, para além de prejudicar directamente toda a comunidade que pretende utilizar os recursos desta sala para actividades académicas, ficará sujeito a sanções, que poderão passar pela suspensão dos direitos de utente nas salas de informáticas das Residências Universitárias dos SASUM durante um período de tempo a determinar pelos SASUM, ouvida a Comissão de Residentes e pelos SASUM. Capítulo II Modo de utilização dos equipamentos Art.º3º (manual computadores) 1. Os computadores das salas de informática, ao nível de manutenção, são geridos por um sistema semi-automático de disponibilização de imagens de software através da rede informática local. 2. As imagens de software disponíveis por esse sistema são: a) Windows XP b) Linux Fedora Core 5 Netboot c) Linux Fedora Core 5 Instalação no Disco d) Último Sistema Operativo Art.º4º (contas de utilizadores) 1. Quando necessário, para cada imagem de software, deve usar a seguinte conta de utilizador para ganhar acesso aos recursos do servidor de ficheiros local (filesrv.ru.umiho.pt): Em Linux FC 5 usar conta: Username=root Password=.asterisco31 (ponto asterisco 31) Art.º5º (instalação de software adicional) 1. Usando as credenciais de acesso apresentadas no ponto Contas de utilizadores apropriados para a imagem de software em uso, o utilizador pode instalar outros softwares nos PC s, consoante a sua necessidade de desenvolver os seus trabalhos. 2. O utilizador, deve verificar a pasta partilhada a existência de software adicional em \\filesrv.ru.uminho.pt\software como por exemplo: a) PDF Reader e Writer b) Ferramentas de desenvolvimento (Visual Studio C++, c#, Basic, SQL2005, Java) c) Ferramentas de cálculo (CRAN) d) Messenger (MSN, Skype, ) e) Transferência de dados FTP (bitknex, ) f) Software Mozilla (Firefox & Thunderbird) 2

3 Art.º6º (acesso aos recursos de rede) 1. De modo a evitar falhas de segurança de comunicações, devido a infecções de vírus e ou utilização excessiva de recursos, a rede informática das salas de informática das residências é uma rede informática com acesso condicionado apenas para: a) Web Browsing (http, https e proxy) b) FTP (só permitido para o servidor ftp.di.uminho.pt) c) Art.º7º (acesso a b-on.pt, Infopédia e sdum.uminho.pt) 1. Como as comunicações dentro das salas de informática estão condicionadas, o acesso aos recursos disponíveis pelo SDUM e são acessíveis através do endereço: 2. Qualquer aluno utilizador destas instalações pode e deve propor, sempre que achar útil à comunidade, novas adendas ao software já instalado nos posto de trabalho assim como qualquer observação que achar relevante no funcionamento em geral do laboratório de Informática, de forma a melhorarmos a metodologia e os recursos de trabalho. Capítulo III Serviços Disponibilizados Art.º8º (serviços de impressão) 1. Na Residência Universitária de Sta Tecla os SASUM disponibilizam serviços de impressão, com impressoras laser e jacto tinta, ligadas em rede, digitalização e fotocopiadora. Estes serviços são assegurados por uma equipa de alunos responsáveis nomeados entre os residentes pelos SASUM. 2. O horário de funcionamento destes serviços é de segunda a quinta-feira, das 12.30h às 13.30h e das 21.00h às 23.00h. À sexta-feira está em funcionamento das 12.00h às 13.00h e ao Domingo das 21.00h às 22.00h. 3. Os alunos podem utilizar os serviços impressão de documentos nos laboratórios: a) As impressões devem ser efectuadas no horário previsto para o efeito; b) Devem ser enviadas para as impressoras e, posteriormente, solicita-las ao responsável presente na sala; c) As impressões devem ser feitas apenas nos postos disponíveis na parte externa da sala de informática; d) O não levantamento do trabalho até à hora do fecho implica a anulação do mesmo. 4. Os preços para os serviços de impressão são definidos pelos Serviços de Acção Social e constam do Anexo I. 5. O responsável do laboratório reserva-se o direito de considerar que as impressões são de índole não académica e de tal forma as impressões terão preços diferentes, constante do Anexo I Art.º9º (serviços de digitalização) 1. Os alunos podem usufruir de serviços de digitalização nos laboratórios: a) As digitalizações devem ser efectuadas no horário previsto para o efeito; b) A utilização do scanner é gratuita para os residentes. 3

4 Art.º10º (serviços de cópias) 1. Os alunos podem usufruir de serviços de cópia nos laboratórios: a) A fotocopiadora presente no laboratório informático é para uso de todos os residentes. b) Para esse efeito cada residente deve solicitar um cartão de fotocópias junto dos responsáveis; c) Os preços dos cartões são definidos pelos SASUM 2. É expressamente proibido retirar folhas da fotocopiadora sem autorização. Art.º11º (horário de funcionamento) 1. Os laboratórios estão abertos 24h por dia. 2. No mês de Agosto poderá haver excepções. Nestes casos, os SASUM disponibilizarão informação aos residentes. Em Braga: - Residência Universitária de Sta Tecla, no Bloco E - Residência Universitária Lloyd Braga, no Piso 7 Em Guimarães - Residência Universitária de Azurém, no Bloco G3 Art.º12º (localização dos laboratórios) Aprovado pelo Conselho de Acção Social em 6 de Abril de

5 Campus de Gualtar Braga P Serviços de Acção Social Tabela de Preços nos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias Preços de Impressão (trabalhos Académicos): a. - 1 Página A4 P/B: 0,03 (Três cêntimos); b. - 1 Página A4 Cores: 0,08 (Oito cêntimos); c. - 1 Página A3 Cores: 0,16 (Dezasseis cêntimos); Preços de Impressão (outros trabalhos): a) - 1 Página A4 P/B: 0,15 (Quinze cêntimos); b) - 1 Página A4 Cores: 0,50 (Cinquenta cêntimos). Preço de cartão para utilização na fotocopiadora: a) 2, como caução, pelo cartão (este valor será devolvido se o aluno entregar o cartão em bom estado de funcionamento); b) Cada cópia tem o custo de 0.03 e cada aluno pode carregar o cartão com quantas cópias achar necessário. 5

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1 Preâmbulo O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas (CEDOPORMAR),

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Espaço Internet de Moura define-se como um local destinado aos cidadãos que pretendam utilizar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA SUMÁRIO 1 - DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 3 2 - DOS USUÁRIOS... 3 3 - DAS RESERVAS... 4 4 - DA UTILIZAÇÃO... 5 5 - DA SEGURANÇA... 6 6 - DA DISCIPLINA... 7

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1 Preâmbulo O Centro Municipal de Juventude/Centro de Actividades de Vila do Conde é uma extensão do Centro

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

Estrutura e Funcionamento de um Computador

Estrutura e Funcionamento de um Computador Estrutura e Funcionamento de um Computador ESE Viseu 2009/2010 Docente: Maribel Miranda Pinto O hardware é a parte física do computador, a parte palpável do computador, ou seja, é o conjunto de componentes

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA JUNHO 2014 2 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Adriano Ferraz da Costa Edmar Augusto Yokome Filipe

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático Ano lectivo 2009/2010 Áreas de trabalho individualizadas A utilização dos computadores

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. 2. Entende-se por recursos

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

Título I Dos laboratórios de Informática

Título I Dos laboratórios de Informática Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1 o O Centro de Processamento de Dados - CPD, ao qual os laboratórios de Informática da FAPAN estão subordinados, tem como principal

Leia mais

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A- Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova Preâmbulo A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova constituiu um Espaço Internet no município, ao abrigo do programa operacional

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGRAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho Everton Gonçalves Dias ARACAJU JANEIRO DE 2012 TÍTULO I - DOS HORÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO A Faculdade Eça de Queirós possui dois laboratórios de informática, equipados com 20 computadores cada, todos com Sistema Operacional Linux e Acesso à Internet.

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E DE REDES DE COMPUTADORES Cursos: Superior de Tecnologia/Sistemas de Informação Título I Dos Laboratórios de Informática e Redes de Computadores Capítulo I

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS A Biblioteca Escolar /Centro de Recursos Educativos (BE/CRE), empenhada no desenvolvimento da literacia dos alunos, na sensibilização

Leia mais

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS)

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Este Regulamento aplica-se a todos os utilizadores do Serviço

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ Rua 1º de Maio Nº 2235/N Bairro Primavera Qualidade em Educação Teresina PI Brasil Fone:(86) 2107-2200 www.faespi.com.br/faespi.edu@gmail.com

Leia mais

Instalar o Software da Impressora... 2. Consulte o Manual do Usuário para obter informações e instruções detalhadas não abordadas neste manual.

Instalar o Software da Impressora... 2. Consulte o Manual do Usuário para obter informações e instruções detalhadas não abordadas neste manual. GUIA RÁPIDO para o utilizador do Windows Vista ÍNDICE Capítulo 1: REQUISITOS DO SISTEMA... 1 Capítulo 2:... 2 Instalar o Software da Impressora... 2 Instalar o Software para a Impressão em Rede... 5 Capítulo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013 Manual do Utilizador Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows Versão 1.3, Novembro de 2013 Quaisquer duvidas podem ser esclarecidas através do email: si@esmae-ipp.pt Serviços de Informática, ESMAE

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador 1) Objetivos Os Laboratórios de informática da UNIFACS se destinam à prática do ensino, pesquisa e à elaboração de trabalhos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 2011 / 2012 REGULAMENTO SALA 25 (TIC) A Sala 25 (Sala TIC) destina-se preferencialmente

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ Reguengos de Monsaraz, 21 de Dezembro de 2008 Apartado

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO TELECENTRO 1

REGULAMENTO DO TELECENTRO 1 REGULAMENTO DO TELECENTRO 1 O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Telecentro de Vila do Conde e pretende garantir o bom funcionamento e preservação das instalações, definindo as regras de utilização

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Cópias de Segurança no Akropole Backups

Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança - Backups As Cópias de Segurança são aquela coisa que todos sabemos que são necessárias mas que nunca nos preocupamos até ao dia em que são precisas.

Leia mais

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA RESOLUÇÃO FACULDADE UNEB - DirGeral nº2/2011 T Í T U L O I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral Março 2012 Como o funciona Fluxogramas da visão geral 2012 Visioneer, Inc. (licenciada da marca Xerox) Todos os direitos reservados. XEROX, XEROX and Design e DocToMe são marcas comerciais da Xerox Corporation

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO Capitulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objetivos O objetivo do Espaço Internet de Gouveia é contribuir para a maior divulgação e familiarização dos cidadãos com as novas

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Configuração do computador com o sistema operativo de interface gráfico O Windows permite configurar o computador de várias maneiras, quer através do Painel de controlo

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1 O Laboratório de Informática destina-se aos acadêmicos e professores com prioridade de utilização aos acadêmicos. Art. 2 As atividades desempenhadas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS LABORATÓRIOS NORMAS GERAIS DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS DOS CURSOS DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO, CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DA PONTIFÍCIA

Leia mais

Regimento das Bibliotecas Escolares

Regimento das Bibliotecas Escolares Regimento das Bibliotecas Escolares Escola Básica de Tondela Escola Secundária 3ºciclo de Molelos Escola Básica de Lajeosa do Dão Ano Letivo 2013/2014 Fundar Bibliotecas era construir celeiros públicos,

Leia mais

Equipa de Informática. Manual das impressoras Canon

Equipa de Informática. Manual das impressoras Canon Equipa de Informática Manual das impressoras Canon Conteúdo 1 O que um aluno deve fazer para obter acesso ao serviço a. Conta ESEL..3 b. Carregar o saldo......3 2 Login a. Opções de Log in....4 3 O que

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Serviços básicos da internet

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV: LITORAL NORTE RIO TINTO CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

1. OBJETO 2. PRÉ-REQUISITOS DO SISTEMA

1. OBJETO 2. PRÉ-REQUISITOS DO SISTEMA 1. OBJETO 1.1. O contratante acima, seja ele o próprio beneficiário dos serviços propostos ou o responsável, caso o beneficiário seja menor de idade, será doravante denominado ALUNO. A contratada, a AMÉRICAS

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Regulamento para a Exploração de Barraquinhas da Recepção ao Caloiro Espaço Guimarães 2013

Regulamento para a Exploração de Barraquinhas da Recepção ao Caloiro Espaço Guimarães 2013 Regulamento para a Exploração de Barraquinhas da Recepção ao Caloiro Espaço Guimarães 2013 Comissões de 2.ª matrícula / Núcleos de Curso / Grupos Culturais/ Grupos de Alunos Artigo 1º Natureza e âmbito

Leia mais

Regulamento de utilização da Biblioteca

Regulamento de utilização da Biblioteca Regulamento de utilização da Biblioteca REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA A Biblioteca do atmosfera m é um local dedicado à leitura e consulta de documentos e constitui uma das valências que o Montepio

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2014/2015 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES:

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES: REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATORIOS DE INFORMATICA E DA INTERNET NA FACULDADE REDENTOR POR PARTE DE PROFESSORES E ALUNOS 1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2014/2015 Índice Direção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré requisitos

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259

Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259 Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259 Escola Secundária c/ 3.º Ciclo D. Dinis Ano Lectivo 2008/2009 Grupos Conteúdos Objectivos/Competências

Leia mais

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar.

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. Quais são eles? Vários outros programas 1 Sistema Básico

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO Ao necessitar de algum

Leia mais

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA ATENDIMENTO PRESENCIAL 1. Horário Consulta 2ª-6ª Feira 09h00-17h00 Requisições 2ª-6ª Feira 09h00-16h30 Fotocópias - 09h00-16:30 A DSDA reserva-se no direito de alterar, pontualmente,

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650 Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650...1 3. SELECCIONAR

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º A área de Help Desk de TI executa a organização dos laboratórios de Informática

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

Guia "Web Connect" Versão 0 POR

Guia Web Connect Versão 0 POR Guia "Web Connect" Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500W e ADS-2600W Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Manual de Infraestrutura para Alunos

Manual de Infraestrutura para Alunos Manual de Infraestrutura para Alunos POSI E3 - Pós-Graduação em Sistemas de Informação Especialização em Engenharia Empresarial Linkcom, SA Pág. 1 de 7 Índice Manual de Infraestrutura para Alunos... 1

Leia mais

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Artigo 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos da EB1/JI da Cruz da Areia é constituída

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Centro de Tecnologia da Informação de Ribeirão Preto USP (CeTI-RP) PROGRAMA PRÓ-ALUNO EDITAL 01/2015

SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Centro de Tecnologia da Informação de Ribeirão Preto USP (CeTI-RP) PROGRAMA PRÓ-ALUNO EDITAL 01/2015 SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Centro de Tecnologia da Informação de Ribeirão Preto USP (CeTI-RP) PROGRAMA PRÓ-ALUNO EDITAL 01/2015 1-DA FINALIDADE: DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO DE BOLSISTAS

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão I POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o seguinte estilo de nota: especifica o ambiente operativo,

Leia mais

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem 1. INTERNET OU NET O que é a Internet? A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros

Leia mais