1 - A articulação entre o direito e os dispositivos de normalização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - A articulação entre o direito e os dispositivos de normalização"

Transcrição

1 Michel Foucault, a figura do sujeito de direito e o domínio da ética PRISCILA PIAZENTINI VIEIRA No curso Nascimento da Biopolítica (FOUCAULT, 2008a), dado entre 1978 e 1979, Foucault reflete sobre a figura do sujeito de direito, que emerge entre os séculos XVIII e XIX. Se, de um lado, ele possuía direitos naturais, por outro lado, essa garantia implicava, ao mesmo tempo, uma renúncia. Sobre essa mecânica do sujeito de direito, Foucault comenta: (...) o sujeito de direito é por definição um sujeito que aceita a negatividade, que aceita a renúncia a si mesmo, que aceita, de certo modo, cindir-se e ser, num certo nível, aquele que aceita o princípio de renunciar a eles e vai com isso se constituir como um outro sujeito de direito superposto ao primeiro. A divisão do sujeito, a existência de uma transcendência do segundo sujeito em relação ao primeiro, uma relação de negatividade, de renúncia, de limitação entre um e outro, é isso que vai caracterizar a dialética ou a mecânica do sujeito de direito, e é aí, nesse movimento, que emergem a lei e a proibição (FOUCAULT, 2008a: 374). Foucault trata desse tema quando estuda a especificidade de uma outra figura, não mais produzida pelos filósofos do direito, mas pelo liberalismo: a do sujeito de interesse. Sobre este último, ele participa de uma mecânica que nunca defenderá a renúncia aos seus interesses. Diferentemente do que ocorre com o sujeito de direito, não há a produção de uma transcendência e a vontade de cada um vai se harmonizar espontaneamente e como que involuntariamente à vontade e ao interesse dos outros (FOUCAULT, 2008a: 375). A problemática do homem econômico, do sujeito de interesse, então, coloca ao exercício do poder uma questão completamente diversa da elaborada pelo homem jurídico, pela figura do sujeito de direito. 1 - A articulação entre o direito e os dispositivos de normalização Outra diferença em relação à teoria do contrato e ao sujeito de direito já havia sido detectada por Foucault em Para entender como o poder se exercia na modernidade, Vigiar e Punir (FOUCAULT, 2005a) indicava as disciplinas como a contrapartida aos códigos jurídicos, que asseguravam os direitos fundamentais aos indivíduos: É pós-doutoranda em História Cultural pelo Departamento de História, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, da Universidade Estadual de Campinas e bolsista da FAPESP.

2 2 O sonho de uma sociedade perfeita é facilmente atribuído pelos historiadores aos filósofos e juristas do século XVIII; mas há também um sonho militar da sociedade; sua referência fundamental era não ao estado da natureza, mas às engrenagens cuidadosamente subordinadas de uma máquina, não ao contrato primitivo, mas às coerções permanentes, não aos direitos fundamentais, mas aos treinamentos indefinidamente progressivos, não à vontade geral, mas à docilidade automática (FOUCAULT, 2005a: 142). O sonho militar de uma sociedade perfeita, portanto, não recorria ao estado da natureza, ao contrato primitivo e à vontade geral, os quais os iluministas defendiam, mas à metáfora da máquina, às coerções permanentes e à docilidade automática. Foucault demarca essas diferenças, pois, o seu objetivo é combater uma determinada concepção de poder sobre a modernidade que se pauta inteiramente pelo problema da soberania jurídica. Não é somente em Vigiar e Punir que essas oposições aparecem, mas também no curso Em Defesa da Sociedade (FOUCAULT, 2005b) e em A Vontade de Saber (FOUCAULT, 2007a). Márcio Alves da Fonseca, em Michel Foucault e o Direito, denomina essa oposição entre o direito e a normalização como a primeira imagem do direito que aparece em Foucault: (...) o que estaria em jogo nos textos aqui referidos seria a pesquisa em torno de uma concepção clássica de poder e a necessidade de sua superação enquanto modelo explicativo das relações entre os campos de saber, os tipos de normatividade e as formas de subjetividade que caracterizam o presente (...) Trata-se da imagem do direito como legalidade, imagem que servirá ao autor para pensar a diferença entre o modelo explicativo do poder representado pela soberania e pelo modelo da normalização (FONSECA, 2002: 29). Ao tratar dos castigos legais e da prisão, Foucault defende que a tecnologia corretiva opera uma requalificação do sujeito de direito (FOUCAULT, 2005a: 184) e o contradireito se torna o conteúdo efetivo e institucionalizado das formas jurídicas (FOUCAULT, 2005a: 184). Nesse sentido, a teoria do contrato opõe-se tanto às disciplinas quanto aos dispositivos de segurança que caracterizam o sujeito de interesse do liberalismo. Apesar dessa primeira oposição, Fonseca lembra que não há incompatibilidade ou contradição entre a soberania e as disciplinas. O seguinte trecho de Foucault alerta para a dupla referência que funda a modernidade: As Luzes que descobriram as liberdades inventaram também as disciplinas (FOUCAULT, 2005a: 195). Entre norma e direito, portanto, não há somente oposição, mas também

3 3 articulações, implicações e colonizações de um pelo outro. Constitui-se aí, ainda segundo Fonseca (FONSECA, 2002: 154), uma segunda imagem do direito em Foucault. Oswaldo Giacoia (GIACOIA JUNIOR, 2008: ) também reflete sobre essa dupla formação da modernidade. Apoiando-se em Foucault, ele mostra como é importante não contrapor de forma simplista o direito de soberania às disciplinas, ao biopoder e à regulamentação previdenciária: Trata-se antes de superar essa oposição pelo reconhecimento da função bio-política do próprio direito de soberania (formal, liberal e burguês) (GIACOIA JUNIOR, 2008: 287). Ele alerta, ainda, que as tentativas realizadas na atualidade para a reconstrução dos direitos humanos não atentam para essa relação. Para tratar dessa discussão fundamental, ele cita uma passagem de Homo Sacer (AGAMBEN, 2002: 127), de Giorgio Agamben: Tudo se passa, portanto, como se, a partir de um certo ponto, todo evento político decisivo tivesse sempre uma dupla face: os espaços, as liberdades e os direitos que os indivíduos adquirem no seu conflito com os poderes centrais simultaneamente preparam, a cada vez, uma tácita porém crescente inscrição de suas vidas na ordem estatal, oferecendo assim uma nova e mais terrível instância ao poder soberano, do qual desejariam liberar-se (GIACOIA JUNIOR, 2008: 287). É, dessa forma, que Giacoia, seguindo Foucault e Agamben, aponta para a contrapartida dos direitos individuais promulgados pelas Declarações dos Direitos do homem e do cidadão: ao lado da função emancipatória das declarações de direitos fundamentais, seria também indispensável perceber que elas integram o dispositivo do abandono da vida nua à violência dos mecanismos de poder (GIACOIA JUNIOR, 2008: 284). Por isso o grande destaque reservado à filosofia de Agamben, já que ela representa uma retomada da crítica à concepção jusnaturalista dos direitos humanos (...) em sua versão talvez mais radical (GIACOIA JUNIOR, 2008: 181). É o próprio Agamben (AGAMBEN, 2000: 170), ainda, que sublinha como pensamentos que tomam a vida como tema de reflexão, como o de Foucault, compartilham sempre com o poder o mesmo objeto, e confrontam-se com suas estratégias. Os estudos de Foucault sobre o biopoder nunca deixaram dúvidas sobre essa dimensão. Para o francês, em A Vontade de Saber, contra esse poder ainda novo no século XIX, forças que resistem se apoiaram exatamente naquilo sobre o que ele investe na vida e no homem enquanto ser vivo. As grandes lutas que questionam o sistema geral de poder, então, já não se fazem mais em nome de um retorno aos antigos direitos. O que foi reivindicado e serve de objetivo é a vida. Desse modo, a vida como

4 4 objeto político foi tomada ao pé da letra e voltada contra o sistema que tentava controlá-la. Ele complementa: Foi a vida, muito mais do que o direito, que se tornou o objeto das lutas políticas, ainda que estas últimas se formulem através de afirmações de direito. O direito à vida, ao corpo, à saúde, à felicidade, à satisfação das necessidades, o direito, acima de todas as opressões e alienações, de encontrar o que se é e tudo o que se pode ser, esse direito tão incompreensível para o sistema jurídico clássico, foi a réplica política a todos esses novos procedimentos de poder que, por sua vez, também não fazem parte do direito tradicional da soberania (FOUCAULT, 2007a: 136). 2 - Por um direito novo Essa réplica política aos procedimentos do biopoder, assim, não está também no campo do direito tradicional da soberania. No curso Em Defesa da Sociedade, Foucault afirma que não se trata de recorrer à soberania para limitar os efeitos do poder disciplinar, mas de propor um direito novo : De fato, soberania e disciplina, legislação, direito da soberania e mecânicas disciplinares são duas peças absolutamente constitutivas dos mecanismos gerais de poder em nossa sociedade. Para dizer a verdade, para lutar contra as disciplinas, ou melhor, contra o poder disciplinar, na busca de um poder não disciplinar, não é na direção do antigo direito de soberania que se deveria ir; seria antes na direção de um direito novo, que seria antidisciplinar, mas que estaria ao mesmo tempo liberto do princípio de soberania (FOUCAULT, 2005b: 47). Fonseca entende essa proposta de um direito novo como a terceira imagem do direito em Foucault (FONSECA, 2002: 241), ou seja, aquela em que reaparece a oposição entre a normalização e o direito, mas para colocar como condição um direito que se liberte dos mecanismos de normalização e do princípio da soberania: A expressão direito novo remete aqui a uma imagem em que o direito aparece como liberado dos mecanismos de normalização e, desse modo, como um direito que se constitui como resistência às disciplinas e aos dispositivos de segurança (FONSECA, 2002: 242).

5 5 No texto Face aux gouvernements, les droits de l homme (FOUCAULT, 1994a: ), escrito em 1981, Foucault fala da situação complicada pela qual os imigrantes ilegais na Europa passavam, principalmente nos traslados feitos em embarcações marítimas clandestinas, e critica a falta de atitude dos governos internacionais para solucionar esse problema grave. Foucault escreve: Existe uma cidadania internacional que tem seus direitos, que tem seus deveres e que se compromete a se levantar contra todo abuso de poder, qualquer que seja o autor, quaisquer que sejam as vítimas. Antes de tudo, somos todos governados e, como tal, solidários (FOUCAULT, 1994a: 708). Sobre esse texto, Fonseca (FONSECA, 2002: 290) atenta para o elo que, segundo Foucault, uniria todos os indivíduos: o fato de todos serem governados. Nessa condição, seria um dever da cidadania internacional denunciar o infortúnio dos homens, assim como seria responsabilidade de todo indivíduo se inquietar. Foucault acrescenta: Deve-se recusar a partilha de tarefas que, muito frequentemente nos propõe: aos indivíduos indignar-se e falar; aos governos refletir e agir (...) A experiência mostra que se deve recusar o papel teatral da pura e simples indignação que nos é proposto (FOUCAULT, 1994a: 708). É nessa mesma ocasião que ele cita algumas organizações não governamentais que ousaram intervir na ordem das políticas e das estratégias internacionais, e acabaram criando um direito novo, como explica a seguir: Anistia Internacional, Terra dos homens, Médicos do mundo são iniciativas que criaram esse direito novo: aquele dos indivíduos proibidos de intervir efetivamente na ordem das políticas e das estratégias internacionais. A vontade dos indivíduos deve se inscrever em uma realidade na qual os governos reservaram-se o monopólio, esse monopólio que deve ser arrancado pouco a pouco e a cada dia (FOUCAULT, 1994a: 708). Para Fonseca, há uma grande dificuldade para se discutir o tema dos Direitos do Homem em Foucault, exatamente pelos pressupostos característicos de sua filosofia, tais como o fim do universal e a morte do

6 6 homem (FONSECA, 2002: 287). Por isso o texto Face aux gouvernements, les droits de l homme é tão importante, pois: (...) a imagem de um direito novo, em Foucault, deve ser procurada em práticas que expressem atitudes que se constituam numa forma de oposição à submissão dos indivíduos e dos grupos às artes de governar apoiadas nos mecanismos de normalização (FONSECA, 2002: 268). Além de Fonseca, Mathieu Potte-Boneville (POTTE-BONEVILLE, 2003) e Philippe Chevallier (CHEVALLIER, 2013) também destacam esse texto para a compreensão de um direito novo em Foucault. Em um quadro no qual as racionalidades jurídica e normativa se encontram e se defrontam, Potte-Boneville alerta para o grande valor que a militância política de Foucault possui para discutir esse tema. Nessa reflexão sobre os novos direitos do homem, Foucault recusa qualquer referência a um direito fundador sem, entretanto, renunciar à retórica do direito como instrumento de luta. Ou seja, mesmo que Foucault denuncie as implicações do direito com os mecanismos de saber-poder modernos, ele, ao mesmo tempo, não o recusa totalmente, pois pensa em um direito que virá ou que ainda nos falta construir (POTTE-BONEVILLE, 2003: 28-29). Ao cruzar os textos de combate de Foucault com os seus cursos, tais como O Poder Psiquiátrico (FOUCAULT, 2006a) e Nascimento da Biopolítica, Chevallier lida com um aparente paradoxo entre um pensamento que recusaria a resistência somente pela conquista de direitos e uma militância política que lutaria pelos direitos dos indivíduos: (...) segundo certas perspectivas sobre o pensamento de Foucault, a resistência ao poder só poderia ser pensada em termos de relações de forças, não em termos de direitos, o que parece contradizer seus próprios engajamentos de militante pelo direito dos indivíduos e contra a violência do Estado (CHEVALLIER, 2013: 01). É, também, na direção de um direito novo e antidisciplinar que Chevallier destaca o uso circunstancial dos direitos por Foucault, o que o faria lutar ativamente dentro dessa estratégia e não ficar esperando pela invenção de um novo código (CHEVALLIER, 2013: 07). Trata-se, portanto, de um uso estratégico (CHEVALLIER, 2013: 08) do direito. Giacoia discute esse uso, lembrando que se as declarações de direitos são a outra face do racismo biopolítico, justamente (...) um combate no campo das

7 7 conquistas representadas pelos direitos humanos justifica-se como um tipo de ação estratégica (GIACOIA JUNIOR, 2008: 296). Potte-Bonneville não encontra na obra de Foucault nenhuma forma teórica acabada sobre essa nova figura do direito, já que ele ultrapassa todo programa ou quadro conceitual prévio. Giacoia encontra o desenvolvimento mais detalhado desse novo direito na filosofia de Agamben, em uma crítica que pretende liberar a política do paradigma do biopoder e separá-la de sua vinculação com o Estado e com o Direito (GIACOIA JUNIOR, 2008: 288). Ele termina sua Aula Inaugural com um convite: aceitar o desafio de continuar a pensar nessa linha de um novo direito (GIACOIA JUNIOR, 2008: 304). Chevallier e Fonseca avançam essa discussão, principalmente quando abordam a presença da subjetividade na revolta dos indivíduos governados por esse direito. Chevallier conclui o seu texto mostrando como a expressão de Foucault não ser governado engloba uma forma refletida de subjetividade, uma relação consigo (CHEVALLIER, 2013: 13), e que a reflexão sobre um direito novo está no cruzamento de uma transformação do mundo e uma transformação de si (CHEVALLIER, 2013: 13). Ao modo de Chevallier, Fonseca relata como os exemplos da imagem de um direito novo em Foucault podem ser encontrados em suas práticas de militância política, as quais se reportam ao domínio (...) da ética (FONSECA, 2002: 268). Mesmo que não tenha a pretensão de discutir detalhadamente o tema da ética, Fonseca sugere a sua importância para compreender a imagem de um direito novo: a imagem de um direito novo presente em Foucault corresponderia, para o autor, a uma forma ética do direito (FONSECA, 2002: 278). Os autores citados anteriormente mostraram a relevância da imagem de um direito novo presente no pensamento de Foucault, que não se associa à soberania jurídica, e nem às disciplinas, ao biopoder ou aos mecanismos de segurança. Se o domínio da ética é fundamental para compreender as transformações produzidas no pensamento de Foucault, ele também pode contribuir para as reflexões sobre a figura do sujeito de direito e a imagem de um direito novo. Essa proposta torna-se possível pela publicação recente dos últimos cursos de Foucault dados no Collège de France, entre 1979 e 1984, tais como A Hermenêutica do Sujeito (FOUCAULT, 2006b), O Governo de Si e dos Outros (FOUCAULT, 2008c), A Coragem da Verdade (FOUCAULT, 2009), Do Governo dos Vivos (FOUCAULT, 2012a), Subjetividade e Verdade (FOUCAULT, 2014), já que nesses cursos as estéticas da existência, o cuidado de si e a coragem da verdade ganham atenção principal, possibilitando-nos compreender de forma mais detalhada os temas trabalhados por Foucault nos estudos sobre a ética.

8 8 3 O domínio da ética É importante considerar os estudos sobre a ética pelos seguintes motivos. A reflexão sobre a figura do sujeito de direito pode avançar bastante se for incorporada a outra discussão fundamental dentro do pensamento de Foucault, a do sujeito, principalmente do modo como ela é realizada no domínio da ética (FOUCAULT, 2006c). O sujeito, para Foucault, não é um dado, mas algo que é constituído. Por isso, Fonseca diz que Foucault realiza, ou promove, a desconstituição da noção de sujeito como um dado preexistente, como uma essência perene e portadora de um sentido, presente indefinidamente na história (FONSECA, 1995: 14). O sujeito moderno é constituído pelas disciplinas, pelo biopoder e pelos mecanismos de segurança. No domínio do poder, como destaca Diogo Sardinha (SARDINHA, 2011: 195), as tecnologias que formam o indivíduo e a produção do sujeito são exteriores a ele. Desse modo, o sujeito ético não pode ser confundido com aquele que o poder e o saber produzem. Percebo aí uma diferença de nomenclatura entre Sardinha e Fonseca. Enquanto o último não utiliza o termo sujeito para tratar da Antiguidade, período histórico no qual Foucault desenvolve seus estudos sobre a ética, afirmando que: Não se fala em constituição de um sujeito na Antiguidade Clássica (FONSECA, 1995: 26), Sardinha mostra que contra uma impotência radical de ação reservada ao sujeito moderno, o estudo da ética abrirá um espaço plenamente ocupado pela livre escolha de um novo sujeito (SARDINHA, 2011: 177). Apesar dessas divergências, ambos concordam que a constituição do sujeito pela ética não depende dos códigos. Isso porque, aponta Sardinha (SARDINHA, 2011: ), no quadro do poder os sujeitos dependiam das tecnologias de uma micropolítica, que davam conta ao mesmo tempo do modo de ser do sujeito e das suas liberdades. Já a ética garante um afastamento em relação ao poder, pois se trata de uma estilística da existência pela qual o sujeito aplica sobre si mesmo suas forças e suas capacidades criativas (SARDINHA, 2011: 198). Por isso a importância da ética no pensamento de Foucault, pois ela permite repensar, sob sua perspectiva específica, os problemas da inclusão e da exclusão, da individualidade e da coletividade, da constituição e da dissolução do sujeito (SARDINHA, 2011: 225). E quais seriam as contribuições que essa nova dissolução do sujeito em Foucault (SARDINHA, 2011: 193), provocada pelo domínio da ética, trouxeram para discutir a problemática do sujeito de direito? Sardinha diferencia os sujeitos de direito do sujeito ético: os sujeitos reclamam e às vezes adquirem os direitos já conferidos a alguns ou inventam novas liberdades. Ao contrário, na ética, eles se impõem

9 9 obrigações que não são comuns a todos (SARDINHA, 2011: 196). Construir uma nova ética na atualidade torna-se fundamental. Foucault defende, ao comentar sobre Kant e o problema da atualidade em O que são as Luzes? (FOUCAULT, 2005c), que a produção de um novo modo de vida também deve ser entendida como uma atitude crítica em relação ao presente, para imaginá-lo de forma diferente, apontando os seus limites e sublinhando o que já não é mais indispensável para a constituição de nós mesmos como seres autônomos. Trata-se, assim, de uma ontologia histórica de nós mesmos, que questiona o que é dado como universal, necessário e obrigatório, revelando como o presente é contingente e fruto de imposições arbitrárias. Ele destaca o caráter de transformação dessa atitude crítica: Trata-se, em suma, de transformar a crítica exercida sob a forma de limitação necessária em uma crítica prática sob a forma de uma ultrapassagem possível (FOUCAULT, 2005c: 347). Essa proposta de criar uma nova ética na atualidade liga-se diretamente àquela da construção de um direito novo, pois, em ambas as discussões, Foucault pretende escapar tanto do modelo da soberania quanto da norma, do bipoder e dos dispositivos de segurança. Daí a importância, como aponta Foucault em 1984, de se criarem as regras de direito, as técnicas de gestão e também a moral, o êthos, a prática de si (FOUCAULT, 1994b: 727). A seguinte passagem sugere duas problematizações fundamentais: primeiro, entender como as reflexões sobre a governamentalidade e a ética escapam de uma concepção jurídica do sujeito e, em segundo lugar, discutir como a ética propõe produzir um novo tipo de sujeito que, ao mesmo tempo, tem de lidar com a autonomia de si e a relação com os outros 1 : (...) se você tenta analisar o poder (...) a partir da instituição política, você só pode considerar o sujeito como sujeito de direito. Temos um sujeito que é dotado de direitos ou que não é, e que, pela instituição da sociedade política, recebeu ou perdeu seus direitos: nós voltamos aí a uma concepção jurídica do sujeito. Ao contrário, a noção de governamentalidade permite, creio eu, fazer valer a liberdade do sujeito e a relação com os outros, ou seja, o que constitui a própria matéria da ética (FOUCAULT, 1995b: 729). 1 Entender a constituição do indivíduo na relação consigo e com os outros é um dos objetivos principais de Foucault no curso O governo de si e dos outros: Gostaria (...) de tentar ver como o dizer verdadeiro, a obrigação e a possibilidade de dizer a verdade nos procedimentos de governo podem mostrar como o indivíduo se constitui como sujeito na relação consigo e na relação com os outros (FOUCAULT, 2008c: 42).

10 10 No texto O Sujeito e o Poder (FOUCAULT, 1995), de 1982, Foucault fala sobre a especificidade dos novos movimentos sociais que emergiram entre as décadas de 1960 e Ele nomeia essas práticas de contestações políticas como batalhas contra o governo da individualização. O intuito fundamental dessas lutas é livrar-se da individualização e da totalização ligadas às estruturas do poder moderno. Ele, então, ressalta novamente o problema crucial de sua atualidade e que ainda permanece urgente para o século XXI o de promover novas formas de subjetividade pela recusa da individualidade moderna: A conclusão seria que o problema político, ético, social e filosófico de nossos dias não consiste em tentar liberar o indivíduo do Estado nem das instituições do Estado, porém nos liberarmos tanto do Estado quanto do tipo de individualização que a ele se liga. Temos que promover novas formas de subjetividade através da recusa deste tipo de individualidade que nos foi imposto há vários séculos (FOUCAULT, 1995: 239). BIBLIOGRAFIA. AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer. O Poder Soberano e a Vida Nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, A Imanência Absoluta. In: ALLIEZ, Eric (Org.). Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34, CHEVALLIER, Philippe. Michel Foucault et la question du droit. In : Raison-publique.fr, 26/10 / Acesso em: 25/03/ FONSECA, Márcio Alves da. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: EDUC, Michel Foucault e o Direito. São Paulo: Max Limonad, FOUCAULT, Michel. «Face aux gouvernements, les droits de l homme». In: Dits et Écrits IV Paris: Gallimard, 1994, pp «L éthique du souci de soi comme pratique de la liberté». In: Dits et Écrits IV Paris: Gallimard, 1994, pp

11 11 O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, H; RABINOW, P. Michel Foucault. Uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, pp Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2005a. (30ª Ed). Em Defesa da Sociedade. Curso no Collège de France ( ). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005b. O que são as Luzes?. Ditos e Escritos II. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005c, pp O Poder Psiquiátrico. Curso dado no Collège de France ( ). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2006a. A Hermenêutica do Sujeito. Curso dado no Collège de France ( ). São Paulo: Martins Fontes, 2006b (2ª Ed). História da Sexualidade II. O uso dos prazeres. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006c. (11ª Ed). História da Sexualidade I. A Vontade de Saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007a. (16ª Ed). Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France ( ). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a. Le gouvernement de soi et des autres. Cours au Collège de France ( ). Paris: Gallimard, 2008c. Le Courage de la Vérité. Le gouvernement de soi et des autres II. Cours au Collège de France Paris: Gallimard, Du gouvernement des vivants. Cours au Collège de France Paris: Gallimard, 2012a. Subjectivité et Vérité. Cours au Collège de France Paris: Gallimard, GIACOIA JUNIOR, Osvaldo. Aula Inaugural. Sobre Direitos Humanos na Era da Bio-Política. In: KRITERION. Belo Horizonte, nº 118. Dez./2008, pp

12 12. POTTE-BONEVILLE, Mathieu. Foucault et le Droit. In: Intervention au groupe d études «La Philosophie au sens large», Acesso em 25/03/ SARDINHA, Diogo. Ordre et temps dans la philosophie de Foucault. Paris: L Harmattan, 2011.

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Não me diga para permanecer o mesmo : o projeto ético-político de Michel Foucault

Não me diga para permanecer o mesmo : o projeto ético-político de Michel Foucault Não me diga para permanecer o mesmo : o projeto ético-político de Michel Foucault Priscila Piazentini Vieira * Os deslocamentos no próprio modo de pensar constituem uma das características fundamentais

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

OS PROGRAMAS "SAÚDE NA ESCOLA" E "SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS": ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES

OS PROGRAMAS SAÚDE NA ESCOLA E SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS: ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES OS PROGRAMAS "SAÚDE NA ESCOLA" E "SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS": ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul rio grandense Câmpus Venâncio

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA 00929 ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA SANTOS, Joaquim Cesar Cunha dos 1 Universidade Federal do Espírito Santo UFES NOGUEIRA, Fernanda dos Santos

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE, CONTRA-CONDUTAS, GOLPE DE ESTADO. Um dos traços inovadores do pensamento político de Foucault, no

GOVERNAMENTALIDADE, CONTRA-CONDUTAS, GOLPE DE ESTADO. Um dos traços inovadores do pensamento político de Foucault, no GOVERNAMENTALIDADE, CONTRA-CONDUTAS, GOLPE DE ESTADO Prof. Dr. Guilherme Castelo Branco Universidade Federal do Rio de Janeiro Um dos traços inovadores do pensamento político de Foucault, no Segurança,

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES Polyana Danielle da Silva Medeiros NCDH UFPB: Universidade Federal da Paraíba E-mail: polyanadaniele@hotmail.com

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA BLOCO I IDENTIFICAÇÃO. Governar pelos corpos: introdução ao pensamento de Foucault

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA BLOCO I IDENTIFICAÇÃO. Governar pelos corpos: introdução ao pensamento de Foucault CURSO DE Oferecida a todos os cursos SÉRIE: - SEMESTRE LETIVO: 2º Semestre PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA BLOCO I IDENTIFICAÇÃO Código da Disciplina: Nome da Disciplina: (não preencher) Governar pelos corpos:

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor Curso: Direito Período: 1º Ano: 2011/02 Disciplina: História e Institutos Jurídicos Carga Horária Semestral:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Movimentos sociais - tentando uma definição

Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais - tentando uma definição Analogicamente podemos dizer que os movimentos sociais são como vulcões em erupção; Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais ocorrem quando

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Assinalar a alternativa correta: A) Com seu giro linguístico hermenêutico, Gadamer mostra que o processo hermenêutico é unitário,

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos B oy1

Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos B oy1 Estética da Existência na Pedagogia Teatral Ms. Profª Tânia Cristina dos Santos Boy 1 Universidade de Sorocaba Palavras-chave: Processo colaborativo, pedagogia teatral, cuidado de si. Neste trabalho nos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

16_critica_da silva_202a207qxd 7/27/07 6:37 PM Page 202

16_critica_da silva_202a207qxd 7/27/07 6:37 PM Page 202 16_critica_da silva_202a207qxd 7/27/07 6:37 PM Page 202 16_critica_da silva_202a207qxd 7/27/07 6:37 PM Page 203 CRÍTICA TEORIA SOCIAL E O RACISMO NO BRASIL DOIS ATLÂNTICOS: TEORIA SOCIAL, ANTI-RACISMO,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença.

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença. CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR Marcelo Valente de Souza (UFPA) RESUMO: O tema da sexualidade masculina toma foco neste estudo por entendermos que ela pouco aparece na literatura. O texto aborda,

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 9. PARTE I Educação e valores... 15 Ulisses F. Araújo Josep Maria Puig

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 9. PARTE I Educação e valores... 15 Ulisses F. Araújo Josep Maria Puig Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes............... 9 PARTE I Educação e valores................... 15 Ulisses F. Araújo Josep Maria Puig A construção social e psicológica dos valores Ulisses F.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

MICHEL FOUCAULT: CINISMO E ARTE NA PERSPECTIVA DA ESTÉTICA DA EXISTÊNCIA

MICHEL FOUCAULT: CINISMO E ARTE NA PERSPECTIVA DA ESTÉTICA DA EXISTÊNCIA 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos MICHEL FOUCAULT: CINISMO E ARTE NA PERSPECTIVA DA ESTÉTICA DA EXISTÊNCIA Stela Maris da Silva 1 Faculdade de Artes do

Leia mais