Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013"

Transcrição

1 1 Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013

2 2

3 O Sistema Elétrico Brasileiro em Números Geração Instalada: MW Linhas de Transmissão: km Consumo de Energia Elétrica: 47,8 TWh /mês Perdas: 9,1 TWh /mês Unidades Consumidoras: 73,9 milhões 3 Fonte: MME - Boletim Mensal de Monitoramento Setembro 2013

4 Matriz de Energia Elétrica 4 Fonte: MME - Boletim Mensal de Monitoramento Setembro 2013

5 Sistema de Transmissão 5 Fonte: ONS Mapas

6 A Eletrobras Eletronorte UHE Tucuruí Quatro vezes reconhecida com o prêmio As Empresas Mais Inovadoras, ação da revista Época Negócios e da consultoria internacional AT Kearney 6

7 7

8 Smart Grid: A Rede Elétrica do Futuro Fonte: Siemens Tendência mundial de substituição da tradicional infraestrutura do sistema elétrico por uma configuração associada às recentes tecnologias de informação e comunicação, possibilitando a integração inteligente entre todos os usuários da cadeia do sistema elétrico. 8

9 Alguns Marcos Institucionais no Brasil Portaria MME N o 440/2010: criou Grupo de Trabalho com o objetivo de analisar e identificar ações necessárias para subsidiar o estabelecimento de políticas públicas para implementação de um Programa Brasileiro de Rede Elétrica Inteligente Smart Grid Chamada ANEEL N o 011/2010: torna público as características, os critérios para participação e os procedimentos para elaboração de proposta de Projeto Estratégico Programa Brasileiro de Rede Elétrica Inteligente Plano Inova Energia (2013): iniciativa destinada ao fomento e seleção de planos de negócios relativos a Redes Elétricas Inteligentes (Smart Grids), Transmissão em Ultra-Alta Tensão, Fontes Alternativas de Energia, Veículos Híbridos e Eficiência Energética Veicular, sob condução do BNDES, FINEP e ANEEL 9

10 Projetos-Pilotos no Brasil Minas Gerais Cidades do Futuro (Cemig) Rio de Janeiro Cidade Inteligente Búzios (Ampla / Endesa) Smart Grid Light (Light) Amazonas Parintins (Eletrobras Amazonas Energia) São Paulo Smart Grid (AES Eletropaulo) ImovCity (EDP Bandeirante) Ceará Cidade Inteligente Aquiraz (Coelce / Endesa) Paraná Fazenda Rio Grande (Copel) Pernambuco Arquipélago de Fernando de Noronha (Celpe) 10 Fonte: site da ABRADEE

11 Breve Panorama Mundial China Em 2010 a State Grid Corporation of China delineou um programa piloto visando a implantação de redes inteligentes até São previstos investimentos de pelo menos US$ 96 bilhões até 2020, visando à eficiência energética e à geração de eletricidade a partir de fontes renováveis. Japão A Federation of Electric Power Companies of Japan está desenvolvendo redes inteligentes com foco em energia solar, com investimentos governamentais, até 2020, superiores a US$ 100 milhões. Estados Unidos Desde 2009 foram destinados US$ 4,5 bilhões à modernização das redes elétricas por meio do American Recovery Reinvestiment Act, visando, dentre outras, a rápida integração à rede existente de tecnologias comprovadas. Reino Unido O órgão regulador Office of Gas and Electricity Markets tem uma iniciativa, chamada Zona de Energia, voltada ao desenvolvimento e implementação de soluções inovadoras para conectar às redes geradores distribuídos, cujos recursos, de até 500 milhões, proveem de um fundo para baixa emissão de carbono. Itália O órgão regulador Autorità per I Energia Elettrica ed il Gas aprovou, em 2011, oito projetos para modernização do sistema de distribuição de média tensão, financiados pelas tarifas. 11 Fonte: Technology Roadmap Smart Grids - IEA

12 Requisitos das Redes Inteligentes Confiabilidade Eficiência Segurança Sustentabilidad e 12

13 Evolução das Redes Elétricas Pouca participação do consumidor Dominadas por geração centralizada Muito focadas na expansão dos sistemas Mercados de comercialização de energia limitados e desintegrados Focadas na interrupção da energia O consumidor passa a ser um agente ativo Acomodam todo o tipo de geração e armazenamento Maior busca pela modernização e eficiência energética Mercados de energia integrados e viabilizando novas oportunidades Maior foco nos requisitos de qualidade de energia 13

14 Focando o Segmento de Transmissão A tecnologia proporcionando inteligência na transmissão de energia elétrica SCADA Supervisory Control and Data Acquisition SEP Sistemas Especiais de Proteção FACTS Flexible AC Transmission Systems PMU Phasor Measurement Units 14

15 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; 15

16 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; 16

17 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; 17

18 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; 18

19 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; 19

20 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; Melhorar o planejamento da expansão da rede; 20

21 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; Melhorar o planejamento da expansão da rede; Fomentar a inovação e a indústria tecnológica; 21

22 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; Melhorar o planejamento da expansão da rede; Fomentar a inovação e a indústria tecnológica; Promover a eficiência energética; 22

23 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; Melhorar o planejamento da expansão da rede; Fomentar a inovação e a indústria tecnológica; Promover a eficiência energética; Proporcionar maior integração de geração distribuída e renovável; 23

24 Redes Elétricas Inteligentes: Expectativas Proporcionar maior interatividade com os consumidores; Reduzir as perdas técnicas e comerciais; Melhorar a qualidade do serviço prestado; Melhorar a gestão dos ativos e da carga; Maior envolvimento do mercado e novas oportunidades de negócios; Melhorar o planejamento da expansão da rede; Fomentar a inovação e a indústria tecnológica; Promover a eficiência energética; Proporcionar maior integração de geração distribuída e renovável; Introduzir a topologia de rede de distribuição com fluxos bidirecionais (compra e venda de energia elétrica pelos consumidores). 24

25 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; 25

26 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; 26

27 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; 27

28 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; 28

29 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; 29

30 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; Viabilizar fontes de recursos financeiros; 30

31 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; Viabilizar fontes de recursos financeiros; Superar as grandes diferenças regionais; 31

32 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; Viabilizar fontes de recursos financeiros; Superar as grandes diferenças regionais; Adequar modelos de negócios à nova realidade tecnológica; 32

33 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; Viabilizar fontes de recursos financeiros; Superar as grandes diferenças regionais; Adequar modelos de negócios à nova realidade tecnológica; Reavaliar os procedimentos de recomposição e aperfeiçoar os programas de simulação: garantir condições de estabilidade da rede e o correto funcionamento dos sistemas de proteção com a disseminação da geração distribuída; 33

34 34 Redes Elétricas Inteligentes: Desafios Desenvolver e padronizar as tecnologias e infraestrutura de comunicação para suportar as funcionalidades requeridas; Estabelecer políticas e regulamentação; Evoluir dos tradicionais sistemas de medição para sistemas de medição inteligentes; Garantir a segurança e a privacidade da rede; Capacitar, treinar e qualificar profissionais; Viabilizar fontes de recursos financeiros; Superar as grandes diferenças regionais; Adequar modelos de negócios à nova realidade tecnológica; Reavaliar os procedimentos de recomposição e aperfeiçoar os programas de simulação: garantir condições de estabilidade da rede e o correto funcionamento dos sistemas de proteção com a disseminação da geração distribuída; Lidar com a carga dinâmica a ser abastecida com a utilização de veículos elétricos em larga escala e a utilização de suas baterias como reservatórios de energia.

35 35

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Smart Grid Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Objetivo aumento da confiabilidade e qualidade do fornecimento de energia elétrica, a uma melhor

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE Máximo Luiz Pompermayer Superintendente

Leia mais

Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia

Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia Soluções Tecnológicas S.A. Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia Belo Horizonte, 14 de julho de 2017 Visão de futuro dos sistemas nas grandes empresas

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016

Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 1 Motivação O setor elétrico, em especial o segmento de distribuição de energia, se

Leia mais

Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017

Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017 Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017 1 Quem Somos Uma organização global que integra a disponibilidade de recursos com as oportunidades de um mundo novo, aberto e conectado. Unimos forças e parcerias para

Leia mais

Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL

Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável VISÃO GERAL O futuro começa aqui! Eng. Celso Ribeiro B. de Novais Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável 1 Fatores que contribuíram para decisão Mudança

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Coimbra, 15 de novembro de 2016 GRUPO ENERGISA Visão Geral GRUPO ENERGISA

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori www.copel.com Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Projeto Piloto Fazenda Rio Grande 3) Projeto Paraná Smart Grid Conceito

Leia mais

SMART GRID FORUM/2013

SMART GRID FORUM/2013 SMART GRID FORUM/2013 Smart Grid na América Latina O Desafio da Regulação Fernando Damonte 1 Agenda 1. Situação na América Latina e Caribe 2. Terceira Revolução Industrial 3. Regulação das Redes Inteligentes

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Integração com Cidades Inteligentes Julio Shigeaki Omori Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Convergência Entre Redes e Cidades Inteligentes

Leia mais

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva Andréa Farias Cavalcanti CIDADES INTELIGENTES Não há uma definição consensual em relação ao conceito de cidade inteligente, existindo

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Encontro Nacional do Setor Elétrico ENASE 2017 Rio de Janeiro (RJ) 18/05/2017 Focos Principais Representar

Leia mais

Estudo do setor elétrico brasileiro. SAO _Setor Elétrico Brasileiro_2015_versão para imprensa_v.3.pptx

Estudo do setor elétrico brasileiro. SAO _Setor Elétrico Brasileiro_2015_versão para imprensa_v.3.pptx Estudo do setor elétrico brasileiro 1 A Roland Berger é a consultoria de estratégia líder global no setor de energia Principais clientes Representatividade dos clientes no Brasil por setor Geração [MW

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Smart Grid Fórum 2013

Smart Grid Fórum 2013 Smart Grid Fórum 2013 28.Novembro São Paulo Máximo Pompermayer (ANEEL) Alexandre Siciliano Esposito (BNDES) Caio Torres Mazzi (FINEP) Agenda Formulação Resultados Parciais Etapa de Carta de Manifestação

Leia mais

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA PPE/COPPE/UFRJ 3º Seminário de Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional 20 e 21 de Setembro de 2016 MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016 Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL São Paulo, Agosto de 2016 Agenda 1 2 3 CONTEXTO SITUAÇÃO ATUAL DA INOVAÇÃO E P&D IDEIAS PARA NOVO MODELO DE P&D+I Privado e Confidencial Anos Anos Estamos a viver

Leia mais

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Linhas de Financiamento Veículos Elétricos Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Agenda Indústria Automotiva Drivers para difusão Situação atual Linhas do BNDES Indústria Automotiva

Leia mais

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs.

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. ABDE-BNDES-BID Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. Sessão V: Ampliando a atuação de IFDs no financiamento climático. Painel: O potencial na

Leia mais

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015.

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. A ABRAGEL Associação com foco na defesa de interesses dos empreendedores de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Usinas Hidrelétricas até 50 MW 15 anos de atuação

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EIXO 4 ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VERSÃO PRELIMINAR Contexto O mundo vive atualmente o desafio de seguir com seu processo de desenvolvimento socioeconômico com recursos cada vez mais escassos.

Leia mais

CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS

CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS CASE SAMARCO INOVAÇÕES AMBIENTAIS CRI CENTRO DE REFERÊNCIA DE INOVAÇÃO Denilson Rodrigues de Araujo OUTUBRO/2012 INOVADORA DESDE O BERÇO E LÁ SE VÃO 35 ANOS... Nascida de um projeto inovador e ousado,

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Workshop O hidrogénio na transição para uma economia de baixo carbono: elaboração do roteiro português Lisboa, 13 de março 2017

Leia mais

Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico

Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico Eletrônica de Potência para Redes Ativas de Distribuição Marcelo Lobo Heldwein, Dr. Sc. Cenário da economia (Brasil) EPE, Plano

Leia mais

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda Gestão de Energia pelo Lado da Demanda A participação do Consumo na Gestão Energética Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores Vitória, 27 de novembro de 2015 Marco Antonio Siqueira Necessária maior

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico 8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico Visão Geral do Programa Veículo Elétrico 15 de Junho de 2015 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO Coordenador de P&D - Programa VE Assessoria

Leia mais

Agenda. O que é o Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia. Resultados Parciais. Exemplos de Projetos

Agenda. O que é o Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia. Resultados Parciais. Exemplos de Projetos Agenda O que é o Inova Energia? Linhas Temáticas Etapas do Inova Energia Resultados Parciais Exemplos de Projetos 2 O Inova Energia é parte do Plano Inova Empresa Orçamento esperado: R$ 32 bi............

Leia mais

Telecomunicações: transferência de dados.

Telecomunicações: transferência de dados. CEMIG Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 63 anos em 2015. Principais Atividades Energia: geração, transmissão, distribuição, comercialização

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Associação Brasileira de Energia Solar Térmica. Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Associação Brasileira de Energia Solar Térmica. Marcelo Mesquita Secretário Executivo Associação Brasileira de Energia Solar Térmica Marcelo Mesquita Secretário Executivo Uma história de pioneirismo e de compromisso com o desenvolvimento - 33 empresas associadas - 100% nacionais, algumas

Leia mais

14º Encontro de Energia - FIESP

14º Encontro de Energia - FIESP 14º Encontro de Energia - FIESP Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética A contribuição da norma ISO 50001 para a Eficiência Energética São Paulo, 06 de agosto de 2013 Objetivo Promover a

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016 Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética São Paulo, 28 de outubro de 2016 Combinamos os recursos de nossa organização global com as oportunidades de um mundo novo, aberto

Leia mais

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe 14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe Gustavo Aishemberg Agosto 2013 Energia e desenvolvimento sustentável Alcançar três objetivos simultaneamente

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR

VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR VANTAGENS DA GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA NO BRASIL II CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA SOLAR São Paulo, 17 de Maio de 2017 1 GERAÇÃO HÍBRIDA FOTOVOLTAICA E HIDRELÉTRICA VANTAGENS E PERPECTIVAS

Leia mais

Armazenamento de Energia - Uma Decisão Inadiável.

Armazenamento de Energia - Uma Decisão Inadiável. Armazenamento de Energia - Uma Decisão Inadiável. A politica de geração de energia elétrica vigente no Brasil consiste na permanência do modelo hidrotérmico, prevendo-se essencialmente a adição de novas

Leia mais

APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS. Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011

APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS. Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011 APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011 Fatores Impulsionadores Segurança energética Desenvolvimento tecnológico de componentes (especialmente baterias) Meio ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS 2ª Versão Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Princípios... 4 4 Diretrizes... 5 5 Responsabilidades... 5

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Ministério de Minas e Energia Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Pedro A. M-S. David

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL Praça Marquês de Pombal 12 1250 162 Lisboa Portugal www..pt internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL A EDP Internacional desenvolve projetos de consultoria

Leia mais

Conversores CC-CA e CA-CA

Conversores CC-CA e CA-CA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desen. de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas Conversores

Leia mais

Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil

Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil Smart Grid Rede Inteligente Visão Abinee www.abinee.org.br 10 junho 2010 Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil Fundada em setembro de 1963 Entidade privada sem fins

Leia mais

Redes Elétricas Inteligentes

Redes Elétricas Inteligentes Laboratório de Qualidade da Energia Elétrica Centro de Estudos em Regulação e Qualidade de Energia - ENERQ Redes Elétricas Inteligentes Daniel Perez Duarte daniel.duarte@sinapsisenergia.com ENERQ & Redes

Leia mais

Operação Integrada do Sistema de Distribuição

Operação Integrada do Sistema de Distribuição Operação Integrada do Sistema de Distribuição Centros de Operação Compartilhados Luana Fortes Miranda lfortes@cpfl.com.br Engenheira na Diretoria de Operações da Distribuição Operação Integrada do Sistema

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES ENERGIAS RENOVÁVEIS AVANÇAM Francisco Benedito da Costa Barbosa Sócio Presidente IPADES Na nova conjuntura do século XXI,

Leia mais

V FÓRUM DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

V FÓRUM DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Information Analytics Expertise 28 ABRIL 2014 V FÓRUM DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Automotive Business Paulo Cardamone, Managing Director, Advisory Services IHS Automotive / ALL RIGHTS RESERVED Inovar

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Workshop "ESTADO DA ARTE E NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL"

Workshop ESTADO DA ARTE E NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL Workshop "ESTADO DA ARTE E NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL" Indústria de Módulos M Fotovoltaicos: Experiência da Planta Piloto Prof. Adriano Moehlecke e Profa.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 ACIJS Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Evolução da tarifa de energia elétrica Fonte: Aneel Tarifa de Energia; IBGE

Leia mais

Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica

Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica Workshop Internacional de Armazenamento de Energia: tecnologias, projetos e regulação Brasília, 31 de março de 2016

Leia mais

Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15)

Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15) Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15) Agenda Cemig/Efficientia Histórico regulatório REN 687/15 Processo de adesão Status da GD no Brasil Status da GD em Minas Gerais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Cidade Inteligente Búzios

Cidade Inteligente Búzios smartcities Cidade Inteligente Búzios Setembro de 2012 Agenda: 1. Grupo Enel 2. O projeto Cidade Inteligente 3. Avanços até o momento 4. Convênios com Universidades Nosso Grupo: 5ª maior empresa elétrica

Leia mais

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO Mecanismos de promoção das fontes renováveis RIO DE JANEIRO, 30/04/2014 COPPE/UFRJ 1 Mecanismos de promoção de renováveis TARIFA

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

Programa Estruturado de Treinamento das Equipes de Tempo Real do ONS. Engº Delfim Zaroni - ONS Engº Lucas Thadeu da Luz- LUZCP

Programa Estruturado de Treinamento das Equipes de Tempo Real do ONS. Engº Delfim Zaroni - ONS Engº Lucas Thadeu da Luz- LUZCP Programa Estruturado de Treinamento das Equipes de Tempo Real do ONS Engº Delfim Zaroni - ONS Engº Lucas Thadeu da Luz- LUZCP Plano para Ampliação da Segurança do SIN - PSSIN Propósitos Desenvolver e implementar

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL Entidade proponente: AES Eletropaulo Gerente

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

Smart Grids A Visão da Copel

Smart Grids A Visão da Copel Smart Grids A Visão da Copel Agenda Sobre a Copel Smart Grids As Iniciativas da Copel Oportunidades Conclusões COPEL Distribuição Holding Comercializadora Renováveis Telecomunicações Geração e Transmissão

Leia mais

Nova Era. Nova Energia. 01/Jun/2017

Nova Era. Nova Energia. 01/Jun/2017 Nova Era. Nova Energia. 01/Jun/2017 1 Presença global + 30 países 4 continentes 65 milhões de usuários 84 GW capacidade instalada líquida 2,1 milhões quilômetros de extensão de rede 70,6 bilhões Enel no

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Following up the Brazilian Smart Grid Roadmap Current D&D Smart Grid Projects in Brazil. Nelson Kagan University of Sao Paulo - Brazil

Following up the Brazilian Smart Grid Roadmap Current D&D Smart Grid Projects in Brazil. Nelson Kagan University of Sao Paulo - Brazil 1 Following up the Brazilian Smart Grid Roadmap Current D&D Smart Grid Projects in Brazil Nelson Kagan University of Sao Paulo - Brazil The Brazilian RoadMap The SG Roadmap was finished in 2012. It consisted

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013 Sustentabilidade como alavanca de valor Campinas, 7 novembro de 2013 Visão Energia é essencial ao bem-estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade. Nós acreditamos que produzir e utilizar energia

Leia mais

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010 240 PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES O presente texto tem por objetivo fazer um breve relato da atuação regional recente do BNDES baseado na apresentação realizada no Seminário de Comemoração

Leia mais

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral

Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Inova Mineral Plano de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação do Setor de Mineração e Transformação Mineral Articulação e participação MME, ABDI, MCTI, CETEM, MDIC, empresas e ICT s Crédito e renda

Leia mais

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 05 de julho de 2013 23/10/09 WWW.CARVAOMINERAL.COM.BR O que vamos falar... - O carvão é o maior recurso

Leia mais

CENÁRIO ECONOMICO DE PERNAMBUCO MARÇO DE 2013

CENÁRIO ECONOMICO DE PERNAMBUCO MARÇO DE 2013 CENÁRIO ECONOMICO DE PERNAMBUCO MARÇO DE 2013 ECONOMIA MUNDIAL / CRESCIMENTO DO PIB Área geográfica Mundo 2005 4,8 2006 5,1 2007 5,0 2008 2,8 2009-0,6 2010 4,8 2011 4,2 Estados Unidos 3,1 2,8 2,0 0,0-2,6

Leia mais

Planejamento da transmissão

Planejamento da transmissão MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Fórum: Os Desafios da Transmissão Planejamento da transmissão Thiago Guilherme Ferreira Prado CoordenadorGeral de Planejamento de Energia Elétrica Substituto 14 de abril de

Leia mais

Potencial da Cadeia Produtiva de Energia Fotovoltaica no Ceará. Joaquim Rolim Jurandir Picanço

Potencial da Cadeia Produtiva de Energia Fotovoltaica no Ceará. Joaquim Rolim Jurandir Picanço Potencial da Cadeia Produtiva de Energia Fotovoltaica no Ceará Joaquim Rolim Jurandir Picanço 23 de Abril de 2016 Visão de Futuro no Mundo Visão do Futuro Mundo 2050 MUNDO EM 2050: 100% da MATRIZ ENERGÉTICA

Leia mais