Fone(0xx47) , Fax (0xx47)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fone(0xx47) , Fax (0xx47)"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DA JANELA DE PROCESSO DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO (ADI) SEM ADIÇÃO DE ELEMENTOS DE LIGA ATRAVÉS DE ENSAIOS MECÂNICOS E METALOGRÁFICOS Marcos E. Balzer 1 e C. A. S. Oliveira 2 1 Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Tratamento Térmico, Joinville/SC, Brasil, Fone(0xx47) , Fax (0xx47) Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Universitário - Trindade LabConf, Florianópolis/SC, Brasil, Fone (0xx48) O presente trabalho apresenta a influência do tempo de austêmpera na microestrutura e nas propriedades mecânicas de um ferro fundido nodular austemperado sem adição de elementos de liga. A temperatura de austêmpera foi de 370ºC e os tempos no patamar isotérmico (austêmpera) variaram de 3 a 225 minutos. Os resultados dos ensaios de tração e dureza evidenciaram que para uma faixa de tempo entre 15 e 180 minutos se obtém os maiores valores de resistência mecânica. As micrografias obtidas por microscopia eletrônica de varredura mostraram que para tempos curtos de austêmpera (3 a 15 minutos) já existe formação de ferrita acicular nucleada a partir dos contornos de grão da austenita e dos nódulos de grafita. Em tempos intermediários (15 a 180 minutos) observou-se a predominância de estrutura ausferrítica, e para tempos longos (acima de 180 minutos) observou-se uma estrutura mais refinada, indicando uma possível formação de carbonetos. Nas análises de fratura observou-se comportamento frágil e dúctil-frágil para tempos muito curtos e muito longos de austêmpera, respectivamente. Para tempos intermediários (entre 15 e 180 minutos) observou-se a predominância de comportamento dúctil. Palavras-chave: Austêmpera, Ferro Fundido Nodular, Ferrita Acicular, Austenita Retida de Alto Carbono. INTRODUÇÃO O desenvolvimento do ADI (Austempered Ductile Iron) é uma das maiores realizações em tecnologia de ferro fundido nodular (1). O tratamento térmico de austêmpera possibilita que esse material retenha austenita de alto carbono e ferrita acicular na temperatura ambiente possibilitando a combinação de uma série de propriedades mecânicas dentre as quais se destacam a resistência à tração, tenacidade e resistência a abrasão (1,20). É importante não confundir os mecanismos de austêmpera dos aços e dos ferros fundidos. Nos aços, a reação de austêmpera ocorre em apenas uma etapa, ou seja, a austenita transforma - se em ferrita e carbonetos precipitados (bainita) (2). Já nos ferros fundidos nodulares a reação de austêmpera ocorre em dois estágios. No primeiro estágio a austenita se transforma em ferrita acicular e austenita retida de alto carbono, por nucleação e crescimento a partir dos nódulos de grafita e dos contornos de grão da austenita. No segundo estágio, a austenita retida de alto carbono transforma-se em bainita (2,3). Durante a formação de ferrita acicular ocorre o particionamento do carbono da ferrita que difunde-se para a austenita por diferença de solubilidade dos dois microconstituintes. A tendência a 3115

2 formação de carbonetos nesta etapa (como ocorre nos aços) é inibida pela ação do silício que aumenta a difusividade do carbono para o interior da austenita (2,4,10). O tratamento térmico de austêmpera para ferros fundidos nodulares é mostrado na Figura 1. Primeiramente, o material é aquecido e mantido em temperatura de austenitização (825 a 950ºC) durante um tempo suficiente para saturar a austenita de carbono. Em seguida faz-se um resfriamento rápido até a temperatura de austêmpera (230 a 400ºC) e permanece por um tempo suficiente para que ocorra formação da ferrita acicular e austenita retida de alto carbono sem a precipitação de carbonetos. A seguir resfria-se o material ao ar até a temperatura ambiente (1,5,6,9). T E M P E R A T U R A PERLITA FERRITA e AUSTENITA BAINITA TEMPO Figura 1: Esquema mostrando o ciclo térmico de austêmpera para um ADI (1). A medida que aumenta-se o tempo de austêmpera aumenta-se o teor de austenita retida de alto carbono até um determinado patamar quando então cessa o primeiro estágio da reação. Após um determinado tempo inicia-se a segunda etapa da reação através da formação de carbonetos pela liberação de carbono da austenita. O tempo entre o primeiro e o segundo estágio é chamado de janela de processo (6,7). Durante as etapas de austenitização e austêmpera ocorre a difusão de carbono pela austenita. É, portanto fundamental que o ferro fundido tenha condições metalúrgicas favoráveis a esse mecanismo. Os procedimentos, durante a fundição, para obter um ADI são os mesmos que se devem ter para obter um ferro nodular de qualidade, ou seja, é necessário uma ampla distribuição e uma alta contagem de nódulos de grafita, assim como um baixo nível de segregação dos elementos de liga (1,7,8). Existem várias normas que especificam o ADI de acordo com as propriedades mecânicas. No Brasil a norma mais aceita é a ASTM 897M (1990) conforme a Tabela I. Tabela I: Classes do ADI segundo ASTM 897M (1990) Classe Propriedades mínimas especificadas Dureza LR (MPa) LE (Mpa) A (%) I (J) (HB) De modo geral, as classes do ADI são alcançadas de acordo com as temperaturas de austêmpera empregadas. Temperaturas altas (em torno dos 400ºC) provocarão o aparecimento de ausferrita grosseira, com aproximadamente 60% de ferrita acicular e 40% de austenita retida de 3116

3 alto carbono, como conseqüências obtêm-se altos valores de alongamento (acima de 10%) e limite de resistência em torno de 850 MPa. Temperaturas baixas (em torno de 250ºC) provocarão aparecimento de ausferrita refinada, com aproximadamente 85% de ferrita acicular e 15% de austenita retida de alto carbono, como conseqüência obtém-se baixos valores de alongamento (abaixo de 2%) e limite de resistência em torno de 1600 MPa (1,8). O objetivo deste trabalho é verificar através de ensaios de tração, dureza e microscopia eletrônica de varredura os tempos de austêmpera onde está situada a janela de processo de um ADI sem adição de elementos de liga. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Primeiramente foram moldados blocos em Y de 25 mm de espessura de acordo com a norma ABNT-MBR A fusão foi realizada em forno elétrico a indução de média freqüência com capacidade para 300 Kg de material. A análise da composição final da liga foi realizada por espectrômetro de emissão ótica a partir de moedas coquilhadas. Os resultados são apresentados na Tabela II. Tabela II: Composição química obtida. Elemento C Si Mn Mg P S Teor (%) 4,4 2,39 0,11 0,05 0,061 0,012 Os corpos de prova de tração foram usinados a partir dos blocos Y de acordo com a norma DIN Os tratamentos térmicos de austêmpera nos corpos de prova foram realizados da seguinte forma: Pré-aquecimento a 450ºC durante 1hora em forno tipo câmara aberto; austenitização a 890ºC durante 1 hora e 25 minutos em forno de banho de sais neutro; transferência para forno de austêmpera em banho de sais a 370º C. Inicialmente, os corpos de prova foram retirados do banho de austêmpera a cada três minutos até completar 15 minutos, e a seguir foram retirados a cada 15 minutos até completar 225 minutos. Foram utilizados três corpos de prova por condição. A seguir foi realizado ensaio de tração a temperatura ambiente em máquina universal de ensaios conforme a norma NBR 5152 e o ensaio de dureza Brinell segundo a norma NM 187-1:99. A análise microestrutural, por microscópio eletrônico de varredura (MEV), foi realizada de modo a evidenciar as diferentes etapas da reação de austêmpera. As fraturas obtidas nos corpos de prova de tração foram analisadas por MEV. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados dos ensaios mecânicos são apresentados na Tabela III e representados graficamente na figura 2. Observou-se para tempos curtos de austêmpera (até o intervalo 12 minutos) menores valores de limite de escoamento (de 581 a 740 MPa), Figura 2(a), e limite de resistência (de MPa), Figura 2(b). Devido ao pequeno tempo de austêmpera a formação de ferrita acicular é interrompida e parte da austenita que permanece, durante o resfriamento, se transforma em martensita. Esta martensita é responsável pela fragilização parcial do material, conforme pode ser evidenciado pelo valor do alongamento, Figura 2(c). A fratura da amostra com 3 minutos de austêmpera, figura 3(d), também evidencia alguns planos de clivagem, característicos de fratura frágil. 3117

4 Tabela III: Resultados dos ensaios de tração e dureza Tempo (min) LR (MPa) LE (MPa) Alongamento (%) Dureza (HB) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Limite de Escoamento Limite de Resistência (Mpa) (a) Tempo em minutos (b) Tempo em minutos Alongamento Tempo em minutos Figura 2: Representação gráfica dos resultados obtidos no ensaio de tração. (a) limite de escoamento; (b) Limite de resistência; (c) alongamento 3118

5 Os valores de limite de resistência, limite de escoamento e dureza mostrados respectivamente na Figura II (b) e (a) e na tabela III não evidenciaram o início do segundo estágio da reação de austêmpera. Porém analisando os valores de alongamento na Figura II (c) e Tabela III pode-se observar uma tendência a queda após o intervalo de tempo entre 180 e 195 minutos, indicando uma possível formação de carbonetos neste intervalo. Comparando-se as micrografias da figura 3 (b) e (c) observa-se que para tempos mais longos de austêmpera (225 minutos) a microestrutura se apresenta mais refinada. Segundo Baumer e Guedes (5) não é possível evidenciar, por microscopia eletrônica de varredura, a diferença entre uma estrutura mista ferrítica-bainítica de uma estrutura totalmente ausferrítica, porém o refino da microestrutura é uma evidência de que o segundo estágio da reação já iniciou. Observando a Figura 3 (e) e (f) notou-se que a fratura para 150 minutos de austêmpera apresenta-se com aspecto dúctil. Já para tempo de 225 minutos a fratura apresenta um aspecto misto, ou seja, parcialmente dúctil, o que serve como mais uma evidência de que para esse tempo de austêmpera já iniciou-se o segundo estágio da reação. (a) (b) (c) (d) (e) (f) Figura 3: Aspectos microestruturais e de fratura do ADI para as seguintes condições: (a) microestrutura após 3 minutos de austêmpera (MEV 1000X); (b) microestrutura após 150 minutos de austêmpera (MEV 1000X); (c) microestrutura após 225 minutos de austêmpera (MEV 1000X); (d) fratura após 3 minutos de austêmpera (MEV 500x); (e) fratura após 150 minutos de austêmpera (MEV 500X); (f) fratura após 225 minutos de austêmpera (MEV 500x) CONCLUSÕES Os resultados dos ensaios mecânicos e metalográfico mostram que para um ADI sem adição de elementos de liga o início da janela de processo se dá após o tempo de 15 minutos de austêmpera. 3119

6 Os resultados de dureza, limite de resistência e limite de escoamento não são suficientes para determinar o final da janela de processo de austêmpera de um ADI sem adição de elementos de liga. Já os resultados de alongamento evidenciam o final da janela de processo e início do segundo estágio da reação. O aparecimento de uma estrutura mais refinada, assim como o aspecto misto da fratura (dúctil e frágil) também são evidências de que para longos tempos de austêmpera (225 minutos) já existem precipitações de carbonetos resultantes do início do segundo estágio da reação. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a empresa Schulz S.A. pela realização dos ensaios mecânicos, a Universidade Federal de Santa Catarina pelas análises metalográficas, a Fundição da SOCIESC pelos materiais e equipamentos para fundição da liga, ao Laboratório de Materiais da SOCIESC pelas análises químicas e ao Tratamento Térmico da SOCIESC em especial aos colegas Luiz Fernando Bublitz, Durval Böge e Jair Petry pelo apoio técnico na realização dos tratamentos térmicos. REFERÂNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. D.J. Carmo, J.F. Dias, Ferro Fundido Nodular Austemperado ADI, L.C. Chang, Scripta Materialia, Vol. 39, No.1, pp , A. Trudel, M. Gagne, Canadian Metallurgical Quartely, Vol. 36, No. 5, pp , J. Tartera, M. Marsal, J. Símon, Fundición, Barcelona, Nov./Dez., I. Baumer, L.C. Guedes, Metalurgia-ABM, Vol. 45, No. 383, outubro J.A. Vaccari, MM/Fundição e Serviços, outubro B.V. Kovacs, Modern Casting. Des Plaines, V. 80, No. 3, p , mar B.V. Kovacs, Word Conference on Austempered Ductile Iron. Des Plaines, AFS, V.1, p , il. Chicago, L.C. Guedes, W.L. Guesser, P.V.Duran, A.B.S.Santos, Metalurgia&Materiais-ABM, Vol.49, No. 420, agosto A. Kutsov, Y. Taran, K.Uzlov, A.Krimmel, M.Evsyukov, Materials Science&Engineering A (1999)

7 THE WINDOW PROCESS DETERMINATION OF AN AUSTEMPERED DUCTILE IRON WITHOUT ALLOY ADITIONS BY MICROSTRUCTURE AND MECHANICAL TESTS Marcos E. Balzer 1 e C. A. S. Oliveira 2 1 Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Tratamento Térmico, Joinville/SC, Brasil, Fone(0xx47) , Fax (0xx47) Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Universitário - Trindade LabConf, Florianópolis/SC, Brasil, Fone (0xx48) This work aimed about the effect of austempering time on the microstructure and mechanical properties of autempered ductile iron without alloy additions. The austempering temperature was C and time was between 3 and 225 minutes. The mechanical tests and the microstructure showed the window process was between 15 and 180 minutes. Keywords: Austempered ductile iron, acicular ferrite, retained austenite 3121

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS 59 5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS O processo de austenitização dentro da zona crítica produz microestruturas com ilhas de ferrita proeutetóide e uma matriz de austenita,

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo 2.1%-4% C e 1%-3% Si - composição torna-os excelentes para fundição - a fabricação de ferros fundidos é várias vezes superior a de qualquer outro metal

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PARTIÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR SUBMETIDO AO PROCESSO DE TÊMPERA E PARTIÇÃO

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PARTIÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR SUBMETIDO AO PROCESSO DE TÊMPERA E PARTIÇÃO INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PARTIÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR SUBMETIDO AO PROCESSO DE TÊMPERA E PARTIÇÃO A. C. MELADO 1,2 ; E. A. VIEIRA 1 ; A. NISHIKAWA 2 ; H. GOLDENSTEIN 2

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo comumente de 2.1%-4% C e 1%-3% Si Ferros fundidos com mais de 4%-4.5%C não são interessantes comercialmente devido à alta fragilidade; São considerados

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1

Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1 Ferro nodular austemperado a partir da zona crítica 1 Wilson Luiz Guesser 2 Eliana Franco 3 Clarissa Lussoli 4 Cesar Edil da Costa 5 Resumo Os ferros nodulares austemperados apresentam excelente combinação

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM OXIACETILÊNICA UTILIZADOS NO REPARO DE FERROS FUNDIDOS NODULARES FE-50007 TRANSFORMÁVEIS EM FERROS FUNDIDOS AUSTEMPERADOS E. K. Tomoike ; R. J. Lussoli; D. Bond Rua

Leia mais

Beneficiamento de Aços [21]

Beneficiamento de Aços [21] [21] Tratamentos para beneficiamento de aços: Têmpera: aumento de resistência i mecânica e dureza dos aços causado pela formação da martensita, um microconstituinte que usualmente apresenta um comportamento

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS C.G. Guimarães, C.A.Siqueira, A. L. M. Costa* Faculdade de Engenharia de

Leia mais

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC)

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) [5] Alotropia do ferro puro: Líquido 1538 C 1394 C Ferro δ (CCC) Cúbico de corpo centrado 912 C 770 C Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) a o = 2,93 Å (δ) a o = 2,86 Å (α) Cúbico de face centrada Temperatura ambiente

Leia mais

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA UNIDADE DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO 1 CONTEÚDO DESTA UNIDADE Introdução. Definições: Aços Carbono. Aços Liga. Ferro Fundido Diagrama de Equilíbrio Fe-C: Reações na

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

AUSTÊMPERA DE TIRAS DE AÇO CARBONO EM FORNO CONTÍNUO

AUSTÊMPERA DE TIRAS DE AÇO CARBONO EM FORNO CONTÍNUO AUSTÊMPERA DE TIRAS DE AÇO CARBONO EM FORNO CONTÍNUO Bruno Geoffroy Scuracchio Engenheiro de Pesquisa e Desenvolvimento da Mangels Divisão Aços b.scuracchio@mangels.com.br Carlos Roberto Gianini Jr Supervisor

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRO FUNDIDO AUSTEMPERADO (ADI) EM BANHO DE ZINCO-ALUMÍNIO

DESENVOLVIMENTO DE FERRO FUNDIDO AUSTEMPERADO (ADI) EM BANHO DE ZINCO-ALUMÍNIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE FERRO FUNDIDO AUSTEMPERADO (ADI) EM BANHO DE ZINCO-ALUMÍNIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS FÁBIO EDSON MARIANI

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS FÁBIO EDSON MARIANI UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS FÁBIO EDSON MARIANI Tratamentos térmicos e termoquímicos de boroaustêmpera em ferros fundidos nodulares

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Sistema Ferro - Carbono

Sistema Ferro - Carbono Sistema Fe-C Sistema Ferro - Carbono Diagrama de equilíbrio Fe-C Ferro comercialmente puro - < 0,008% Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de C Ferro alfa dissolve

Leia mais

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio T. R. Paula 1, C. R. Serantoni 2, A. V. Correa 1 1 Laboratório de Fundição,

Leia mais

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica.

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica. Caracterização Mecânica e Microestrutural de um Aço AISI 1060 submetido a diferentes Meios de Resfriamentos Angela de Jesus Vasconcelos 1, Daniele Cristina de Brito Lima Soares 1, Adriano Matos Mendes

Leia mais

Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados

Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados doi: 10.4013/ete.2010.63.03 ISSN 1808-7310 Estudo comparativo de ferros fundidos nodulares temperados e austemperados Comparative study of quenched and austempered ductile cast irons Paulo Henrique Sanchez

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO TRATAMENTO TÉRMICO DE AUSTÊMPERA NO FERRO FUNDIDO NODULAR

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO TRATAMENTO TÉRMICO DE AUSTÊMPERA NO FERRO FUNDIDO NODULAR SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO TRATAMENTO TÉRMICO DE AUSTÊMPERA NO FERRO FUNDIDO NODULAR Vinícius José de Carvalho Menezes Gláucio Soares da Fonseca viniciusjcm@hotmail.com glaucio@metal.eeimvr.uff.br Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 Laura Rodrigues de Novaes 1 ; Susana M. Giampietri Lebrão 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR

Fundição Continua RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR RSCP/LABATS/DEMEC/UFPR Fundição contínua O processo de fundição contínua consiste em fundir e conformar o produto final numa única operação, eliminando tempos intermediários de esfriamento em moldes, garantindo

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Ramos Stein, Cristiano; Hermenegildo, Tahiana Francisca; Silva Araújo, Fernando Gabriel da; Barros Cota, André Efeito

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES Prof. Dr. Anael Krelling 1 São mapas que permitem prever a microestrutura de um material em função da temperatura e composição de cada componente; Informações sobre fenômenos de fusão,

Leia mais

5 Discussão Desempenho da soldagem

5 Discussão Desempenho da soldagem 5 Discussão 5.1. Desempenho da soldagem Na etapa experimental foram realizados testes para treinamento dos soldadores antes de executar a junta soldada com a finalidade de se adequar melhor ao material

Leia mais

Capítulo 10 Ferro e aço

Capítulo 10 Ferro e aço Capítulo 10 Ferro e aço 1. Considere o diagrama de equilíbrio (metaestável) de fases Fe-Fe 3 C. (a) Qual a composição do aço que apresenta na sua microestrutura de equilíbrio, à temperatura ambiente, uma

Leia mais

Capítulo 10 Ferro e aço

Capítulo 10 Ferro e aço Capítulo 10 Ferro e aço 1. Considere o diagrama de equilíbrio (metaestável) de fases Fe-Fe 3 C. (a) Qual a composição do aço que apresenta na sua microestrutura de equilíbrio, à temperatura ambiente, uma

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Ferreira Hupalo, Marcio; da Silva Ramos, Daniele; Rabelo, Alexsandro; Batista de Lima, Nelson Aspectos cinéticos e

Leia mais

DANIELE DA SILVA RAMOS ESTUDO DE ASPECTOS CINÉTICOS DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA INCOMPLETA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS

DANIELE DA SILVA RAMOS ESTUDO DE ASPECTOS CINÉTICOS DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA INCOMPLETA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS DANIELE DA SILVA RAMOS ESTUDO DE ASPECTOS CINÉTICOS DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA INCOMPLETA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS Dissertação apresentada ao Instituto Superior Tupy como pré-requisito

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO METALÚRGICO DE FABRICAÇÃO DE RODETES DE MOENDA

ESTUDO DO PROCESSO METALÚRGICO DE FABRICAÇÃO DE RODETES DE MOENDA 142 ESTUDO DO PROCESSO METALÚRGICO DE FABRICAÇÃO DE RODETES DE MOENDA STUDY OF METALLURGICAL PROCESS OF MILLING RODETES MANUFACTURE Lucas Alessio Roncasalia 1 Paulo Sérgio Barbosa dos Santos RESUMO: Este

Leia mais

ANÁLISE DA USINABILIDADE DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS COMO FUNÇÃO DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E MICROESTRUTURAS

ANÁLISE DA USINABILIDADE DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS COMO FUNÇÃO DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E MICROESTRUTURAS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS ANÁLISE DA USINABILIDADE DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

Frederico A.P. Fernandes

Frederico A.P. Fernandes Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de Eng. Mecânica Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica Disciplina: Ciência dos Materiais de Engenharia

Leia mais

PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços. Prof. Scheid

PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços. Prof. Scheid PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços Prof. Scheid 1- Revisão Aços: Ligas contendo ferro e carbono entre 0 e 2.11% em peso, podendo conter elementos de ligas adicionados intencionalmente e ainda impurezas.

Leia mais

Coletores de Escape em Nodular SiMo

Coletores de Escape em Nodular SiMo Coletores de Escape em Nodular SiMo Eitan Melleras Tupy Fundições Ltda. Joinville/SC Pedro A. N. Bernardini UFSC Florianópolis/SC Wilson L. Guesser Tupy Fundições Ltda. e UDESC Joinville/SC Resumo O presente

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A VARIAÇÃO MICROESTRUTURAL E AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 1045 ESFEROIDIZADO

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A VARIAÇÃO MICROESTRUTURAL E AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 1045 ESFEROIDIZADO ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE A VARIAÇÃO MICROESTRUTURAL E AS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 1045 ESFEROIDIZADO Carlos Augusto Silva de Oliveira Marcio Roberto da Rocha Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE IMPACTO NA ENERGIA ABSORVIDA EM ENSAIO CHARPY DE AÇOS COM ESTRUTURA FERRITA-MARTENSITA.

INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE IMPACTO NA ENERGIA ABSORVIDA EM ENSAIO CHARPY DE AÇOS COM ESTRUTURA FERRITA-MARTENSITA. INFLUÊNCIA DA ENERGIA DE IMPACTO NA ENERGIA ABSORVIDA EM ENSAIO CHARPY DE AÇOS COM ESTRUTURA FERRITA-MARTENSITA. MAGNABOSCO, R. 1 BERGAMO, M. G. V. 2 RESUMO O presente trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

ESTUDO DA RECRISTALIZAÇÃO DO AÇO ABNT 1010 COM DIFERENTES GRAUS DE DEFORMAÇÃO

ESTUDO DA RECRISTALIZAÇÃO DO AÇO ABNT 1010 COM DIFERENTES GRAUS DE DEFORMAÇÃO 1361 ESTUDO DA RECRISTALIZAÇÃO DO AÇO ABNT 1010 COM DIFERENTES GRAUS DE DEFORMAÇÃO H.G.Mathias (1), W. A.Monteiro (2), V.A. Rodrigues (2). (1)Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie, Rua Itambé,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DOS AÇOS 4340 E 300M APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS ISOTÉRMICOS E INTERCRÍTICOS

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DOS AÇOS 4340 E 300M APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS ISOTÉRMICOS E INTERCRÍTICOS CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E MECÂNICA DOS AÇOS 4340 E 300M APÓS TRATAMENTOS TÉRMICOS ISOTÉRMICOS E INTERCRÍTICOS R.M. Anazawa 1 ; A.J. Abdalla 1 ; T.M. Hashimoto 2 ; M.S. Pereira 2 IEAv/DCTA Trevo

Leia mais

EQUACIONAMENTO E AUTOMATIZAÇÃO DA NORMA SAE J 1397 PARA AÇOS CARBONO

EQUACIONAMENTO E AUTOMATIZAÇÃO DA NORMA SAE J 1397 PARA AÇOS CARBONO EQUACIONAMENTO E AUTOMATIZAÇÃO DA NORMA SAE J 1397 PARA AÇOS CARBONO AUTORES Alunos de Graduação em Eng a Mecânica UNISANTA Ger Serviços de Oficinas RAFAEL CINTRA MATHIAS TÚLIO BRAZ COMITRE Dir Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE METALÚRGICA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES E CINZENTOS 1

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE METALÚRGICA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES E CINZENTOS 1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE METALÚRGICA EM FERROS FUNDIDOS NODULARES E CINZENTOS 1 Resumo Wilson Luiz Guesser² Eitan Melleras³ Carlos de Souza Cabezas 4 Isaias Masiero 5 É discutida a aplicação de parâmetros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA RAFAEL MARCIO OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE COBRE E MANGANÊS NAS PROPRIEDADES DE FERROS FUNDIDOS NODULARES FLORIANÓPOLIS 2005 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Figura 10.1. Indicação das temperaturas recomendadas em aços carbonos, para austenitização e efetivação dos tratamentos térmicos de Normalização

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA Iberê Roberto Duarte, MSc(1) Carlos Augusto Silva de Oliveira, DSc(2) (1)Sociedade Educacional

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale Transformação de fase em metais Tratamento térmico (tempo/temperatura) Microestrutura

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI)

CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI) INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 60 2.2.4.1 - CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI) Esta norma classifica os aços em dois grandes grupos de forma distinta: Aços-ao-carbono

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Materiais de Construção Aços

Materiais de Construção Aços Materiais de Construção José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt O que é o aço? O aço é uma liga Ferro Carbono (liga FE C), cujo teor em carbono varia entre 0.03 e 2,06%. Uma propriedade característica

Leia mais

EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR

EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR EFEITO DO ANTIMÔNIO NA MATRIZ E PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR Adriano Luis Koerich 1, adriano_l_koerich@embraco.com.br Juliano Manoel Mendes 2, juliano.mendes@ppefios.com.br Guido Warmling

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS E TENACIDADE À FRATURA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS (ADI)

PROPRIEDADES MECÂNICAS E TENACIDADE À FRATURA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS (ADI) PROPRIEDADES MECÂNICAS E TENACIDADE À FRATURA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS (ADI) Albéria Cavalcanti de Albuquerque Universidade Federal da Paraíba PPGEM/CCT/UFPB e-mail: alberia@openline.com.br

Leia mais

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5 O tratamento térmico de têmpera e revenimento a vácuo de um bloco de aço AISI H13, dimensões 300x300x300 mm, monitorado com quatro termopares de contato João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS EFEITO DA ADIÇÃO DE COBRE E DA SEÇÃO DA PEÇA SOBRE AS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TAXA DE RESFRIAMENTO NA SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NAS LIGAS DE MAGNÉSIO Mg-Al-Zn e Mg-Al-Ca-La

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TAXA DE RESFRIAMENTO NA SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NAS LIGAS DE MAGNÉSIO Mg-Al-Zn e Mg-Al-Ca-La INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TAXA DE RESFRIAMENTO NA SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NAS LIGAS DE MAGNÉSIO Mg-Al-Zn e Mg-Al-Ca-La S.L.T. Bartex¹ A.O. Encarnação¹ T. Bocorny¹ V.K. de Barcellos¹ ¹UFRGS Universidade

Leia mais

Estudo comparativo das propriedades mecânicas em aços 4340 e 300M submetidos a tratamentos térmicos isotérmicos e intercríticos

Estudo comparativo das propriedades mecânicas em aços 4340 e 300M submetidos a tratamentos térmicos isotérmicos e intercríticos doi: 10.17563/rbav.v31i1-2.918 Estudo comparativo das propriedades mecânicas em aços 4340 e 300M submetidos a tratamentos térmicos isotérmicos e intercríticos Comparative study of mechanical properties

Leia mais

EFEITO DO REVENIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO

EFEITO DO REVENIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO EFEITO DO REVENIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO André Bragança Carvalho França, andre.braganca@sga.pucminas.br 1 Ernane Rodrigues da Silva, ernanerodrigues@gmail.com

Leia mais

TM343 Materiais de Engenharia

TM343 Materiais de Engenharia Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM343 Materiais de Engenharia Capítulo 9 Revisão - Diagramas de Fase e Sistema Fe-C Prof. Rodrigo Perito Cardoso Onde

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DE LIGA Cu-Ni-Mo NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA AUSTEMPERABILIDADE DO ADI.

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DE LIGA Cu-Ni-Mo NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA AUSTEMPERABILIDADE DO ADI. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE FISICA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE QUIMICA DE SÃO CARLOS ARISTIDES RODRIGUES MATTAR JÚNIOR INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DE LIGA Cu-Ni-Mo

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual

Leia mais

EFEITO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA NA CINÉTICA E MORFOLOGIA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CARBONO CONTENDO TEORES VARIÁVEIS DE Si, Mn e Ni

EFEITO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA NA CINÉTICA E MORFOLOGIA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CARBONO CONTENDO TEORES VARIÁVEIS DE Si, Mn e Ni EFEITO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA NA CINÉTICA E MORFOLOGIA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CARBONO CONTENDO TEORES VARIÁVEIS DE Si, Mn e Ni D. S. Ramos (1) ; C. A. S. Oliveira (2) ; M. H. Ferrer

Leia mais

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991).

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991). INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 81 2.3.3 TEMPERABILIDADE A temperabilidade de um aço pode ser entendida como a capacidade de endurecimento ou a capacidade que o aço possui de obter

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas Dissertação de Mestrado " Desenvolvimento do processo tecnológico de fabricação de peças em ferro fundido

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1

Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1 Estudo do tratamento térmico de têmpera do aço-ferramenta VMO sob duas diferentes condições de resfriamento 1 Resumo J.C.Vendramim 2 Mario L.Nunes 3 Gilberto Munhoz 4 O aço-ferramenta DIN 1.2714, ou VMO

Leia mais

Metalurgia & Materiais

Metalurgia & Materiais Metalurgia & Materiais Influência da temperatura de austenitização sobre a cinética de formação da ferrita em um aço microligado com Nb André Barros Cota Professor Adjunto do DEFIS/ICEB/UFOP e da REDEMAT/UFOP

Leia mais

Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1)

Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1) Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1) Arthur Camanho (2) Um dos desafios da simulação de processos é a disponibilidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais

Leia mais

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex Departamento de Tecnologia Mecânica E Materiais Coordenação de Área de Materiais Projeto de Pesquisa Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox

Leia mais

USINA SIDERÚRGICA BRASILEIRA

USINA SIDERÚRGICA BRASILEIRA FUNDIÇÃO CONTÍNUA TARUGO MANUAL TÉCNICO www.usibras.com.br tarugo@usibras.com.br 1 de 29 2 de 29 Índice Introdução. Definição de ferro fundido... 02 Vantagens da Fundição Contínua... 03 Aplicações Típicas

Leia mais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais 3 aula Aços ligados e ferros fundidos Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Para que servem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa de cada fase presente em

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E MECÂNICA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES E FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS COM ADIÇÃO DE NIÓBIO

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E MECÂNICA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES E FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS COM ADIÇÃO DE NIÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E MECÂNICA DE FERROS FUNDIDOS NODULARES E FERROS FUNDIDOS NODULARES AUSTEMPERADOS

Leia mais

UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO

UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO Este texto é parte do material didático utilizado na disciplina ES333 Laboratório

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Estudo do efeito da adição de cobre sobre a dureza de um pinhão de ferro fundido nodular temperado superficialmente ARTHUR SCHMITZ SAMPAIO arthurschmitz@gmail.com ALFREDO LEONARDO PENZ alfredo.penz@sc.senai.br

Leia mais

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci SOLDAGEM DO FERRO FUNDDO CNZENTO FC-200 UTLZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci Autores: Elson Arnaldo N. de Medeiros 1, Carlos Eduardo A. Lima Rodrigues 1, Francisco Antônio Vieira 2, Demmys Kelsen

Leia mais

Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC

Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC Diagramas de fase não incluem o fator tempo mas as transformações de fase são dependentes do tempo (Fenômenos de difusão estão envolvidos) O tempo necessário

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO CA15

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO CA15 CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DO AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO CA15 Neide A. Mariano* Jefferson Fonseca* Eloy Strobel Filho* *Universidade São Francisco - USF Rua Alexandre R. Barbosa, 45, Itatiba, SP,

Leia mais

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio.

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Definições: Componentes: São elementos químicos e/ou

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES ELÉTRICAS DE LIGAS Al-Mg-Th E Al-Mg-Nb

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES ELÉTRICAS DE LIGAS Al-Mg-Th E Al-Mg-Nb INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NAS PROPRIEDADES ELÉTRICAS DE LIGAS Al-Mg-Th E Al-Mg-Nb A. de Almeida Filho (1), S. J. Buso (1,2), W. A. Monteiro (2) Rua Voluntários da Pátria, 257 São Paulo SP CEP 02011-000

Leia mais

Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu

Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu Filipi Damasceno Vianna filipi@pucrs.br Edison Luis Ribeiro zetur@zetur.com.br Lucas Luiz Reckziegel lucakzlz@hotmail.com Porto Alegre,

Leia mais

FORMAÇÃO DA FASE BAINÍTICA EM AÇOS DE BAIXO CARBONO

FORMAÇÃO DA FASE BAINÍTICA EM AÇOS DE BAIXO CARBONO Revista Brasileira de Aplicações de Vácuo, v. 25, n. 3, 175-181, 2006. 2006 FORMAÇÃO DA FASE BAINÍTICA EM AÇOS DE BAIXO CARBONO A.J. Abdalla 1* ; T.M. Hashimoto 2 ; M.S. Pereira 2 ; R.M. Anazawa 1,2 1

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico Ronaldo Paranhos Esta é uma aplicação muito comum na indústria. Os motivos para esta grande utilização incluem, do lado dos aços carbono e C-Mn de grau estrutural, o seu menor custo em relação aos aços

Leia mais