PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO"

Transcrição

1 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO 10ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL Área de Ciências Económico-Jurídicas

2 Ficha Técnica Título Programa de Introdução ao Direito - 10ª Classe Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão, Impressão e Acabamento GestGráfica, S.A. Ano / Edição / Tiragem / N.º de Exemplares 2013 / 2.ª Edição / 1.ª Tiragem / Ex EDITORA MODERNA Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução desta obra por qualquer meio (fotocópia, offset, fotografia, etc.) sem o consentimento escrito da editora, abrangendo esta proibição o texto, as ilustrações e o arranjo gráfico. A violação destas regras será passível de procedimento judicial, de acordo com o estipulado no código dos direitos de autor.

3 ÍNDICE Introdução Geral à Disciplina no 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Objectivos Gerais da Disciplina no 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral -- 6 Conteúdos Programáticos Temas/Conteúdos Sugestões Metodológicas Avaliação Bibliografia

4 10ª CLASSE 4 INTRODUÇÃO GERAL À DISCIPLINA NO 2º Ciclo do Ensino Secundário GERAL A disciplina de Introdução ao Direito surge neste ciclo como uma necessidade específica para os alunos que pretendem, no Ensino Superior, ingressar na Faculdade de Direito. O programa de Introdução ao Direito deverá contribuir para que os alunos do Ensino Secundário Geral possam compreender as principais bases do Direito em geral, o seu surgimento e desenvolvimento em qualquer sociedade. Neste nível, o aluno deverá recordar que quando no seio da organização tribal surgiu a desigualdade social entre os homens como resultado da divisão da sociedade em classes e do aparecimento da propriedade privada, as regras que, de início, eram os costumes e hábitos, converteram-se em lei e não expressavam mais os interesses gerais da comunidade, mas servindo aquele em cujas mãos se encontravam os principais meios de produção e o poder público. Com os hábitos e costumes convertidos em lei, apareceram, com ela, os órgãos necessários para garantir a sua observância como o Estado e os seus respectivos meios de coacção. Deverá ainda compreender que a sociedade de classes não poderia sobreviver sem o Estado e o Direito como produtos da própria sociedade e pertencendo ao seu sistema de direcção. Assim, é importante também compreender que a transição para uma sociedade de classes e o surgimento do Estado e do Direito foi um facto objectivo e inevitável e representavam, acima de tudo, um processo histórico para a humanidade, apesar do carácter antagónico existente entre as classes. A sociedade e o desenvolvimento alcançado por esta necessitavam do Estado e do Direito, porque este contemplava o aparecimento daquele. O Estado, para solucionar e levar a cabo as tarefas, necessitava de uma alavanca, de um instrumento. Este instrumento foi o Direito, que constitui um traço indispensável em cada Estado. O Direito é próprio do Estado, já que numa sociedade sem Direito o Estado não tem lugar. Mas o Estado não pode existir sem o Direito. Por estas e outras razões, o Direito é dinâmico, está em constantes mutações e deve ser dado de acordo com as mudanças que se forem verificando na sociedade, já que o programa em si constitui apenas o ponto de referência inicial para qualquer professor que deseje reflectir sobre o que deve ser o seu trabalho.

5 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO Contudo, o professor não deverá perder de vista os objectivos traçados, quer os gerais, quer os específicos de cada classe e de cada tema, para que os alunos, no fim do nível, possam dominar os temas propostos e não tenham grandes novidades no Ensino Superior, o que não retira que se faça referência de qualquer aspecto que se achar oportuno, de acordo com um dado momento na sociedade e a sua pertinência na actualidade, sem que o programa concedido seja amputado. Em suma, o programa que propomos visa dar uma visão geral aos alunos sobre conhecimentos do Direito, inculcando neles os aspectos essenciais jurídicos que, em níveis anteriores, analisaram fora do contexto jurídico. Assim, é importante que, ao referir-se sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos, do Tribunal dos Direitos do Homem, da Amnistia Internacional, tenha uma abordagem diferente, pois é preciso, nesta altura, que se lhe dê um cunho jurídico em relação à forma como estes assuntos foram tratados em classes ou níveis anteriores. 5

6 10ª CLASSE OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA NO 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Geral Com a disciplina de Introdução ao Direito no 2º Ciclo do Ensino Secundário, pretende-se que, no fim do Ciclo, o aluno possa: Conhecer o papel do homem como ser social; Compreender a essência e o desenvolvimento do Direito; Conhecer as fontes de Direito; Compreender as normas jurídicas; Distinguir os diversos sentidos do termo Direito; Distinguir os vários tipos de Direito existentes; Compreender o exercício do Direito; Compreender e distinguir cada um dos ramos do Direito e a sua importância na sociedade. 6

7 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1º TRIMESTRE Tema 1 - O Direito em Geral aulas Tema 2 - Fontes do Direito aulas Reserva... 3 aulas Subtotal aulas 2º TRIMESTRE Tema 3 - As Normas Jurídicas aulas Tema 4 - O Exercício do Direito aulas Reserva... 6 aulas Subtotal aulas 3º TRIMESTRE Tema 5 - A Prática do Direito aulas Tema 6 - Os Ramos do Direito aulas Reserva... 3 aulas Subtotal aulas Total Anual aulas As horas de reserva de cada trimestre dedicar-se-ão para a orientação de trabalhos de investigação e/ou para reforçar algum tema, por necessidades de aprendizagem dos alunos. 7

8 10ª CLASSE Tema 1 - O Direito em Geral TEMAS/CONTEÚDOS 1.1. O homem, um ser eminentemente social A necessidade de existência do Direito O Direito como ordem social normativa Sociedade e Direito A sociedade e os fins sociais A sociedade e os interesses Os valores de justiça, segurança e equidade O Direito como produto cultural, Direito e ideologia, Direito e evolução social As instituições jurídicas Estado de Direito O Estado como sociedade politicamente organizada Os elementos do Estado. Comunidade, Território e Soberania A hierarquia da comunidade política e estatal Órgãos de soberania: referência e funções O Estado como detentor da criação e aplicação do Direito O Estado social de Direito O Direito Internacional e os Estados. Relações Internacionais Os diversos sentidos do termo Direito O Direito como lei ou conjunto de leis O Direito como faculdade de agir O Direito como ciência Prevalência do termo Direito em sentido técnico-jurídico O Direito e a mudança social (crescente formação e revelação do Direito). 8

9 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO 1.5. Tipos de Direito Direito Objectivo e Direito Subjectivo Direito Positivo e Direito Natural A génese dos Direitos do Homem A Declaração Universal dos Direitos Humanos Direito Público e Direito Privado Direito Interno e Direito Internacional Direito Substantivo e Direito Adjectivo. Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Compreender a natureza social do homem; Compreender o Direito como ordem social normativa; Conhecer os valores de justiça, segurança e equidade assegurados pelo Direito numa sociedade; Compreender o Direito como sociedade politicamente organizada; Conhecer os órgãos de soberania; Compreender o Estado de Direito; Conhecer o Direito Internacional; Compreender o termo Direito em sentido técnico-jurídico; Conhecer os diversos tipos de Direito. Tema 2 - Fontes de Direito 2.1. Os factos normativos e o problema das Fontes do Direito Breve referência à sua evolução histórica O Direito e os Estados actuais A crescente formação e revelação do Direito Os vários sentidos da expressão Fontes do Direito Fontes imediatas e mediatas do Direito. 9

10 10ª CLASSE 2.3. As Fontes de Direito em sentido técnico-jurídico A lei, o costume e a jurisprudência A influência da doutrina A lei Noção Competência Forma Vigência e termo Eficácia Interpretação Integração Hierarquia Aplicação da lei no tempo e no espaço O costume A jurisprudência O controlo da legalidade A inconstitucionalidade: noção Tipos de inconstitucionalidade (por acção e omissão) A fiscalização da constitucionalidade (preventiva e sucessiva, abstracta e concreta) Efeitos jurídicos da insconstitucionalidade (inexistência jurídica ou ineficácia jurídica). Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Compreender a vigência da norma jurídica do facto que a criou; Compreender os vários sentidos da expressão Fontes do Direito ; Conhecer o sentido técnico-jurídico da expressão Fontes do Direito ; 10

11 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO Conhecer a lei; Compreender a importância jurídica do costume; Compreender a jurisprudência; Conhecer o controlo da legalidade. Tema 3 - As Normas Jurídicas 3.1. As normas jurídicas e a ordem jurídica Os sujeitos jurídicos e a relação jurídica Características das normas jurídicas Consequências derivadas do incumprimento das normas jurídicas Imperatividade, liberdade e responsabilidade: sua relação. Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Compreender a relação entre as normas jurídicas e a ordem jurídica; Compreender os sujeitos da relação jurídica; Compreender as características das normas jurídicas; Avaliar as consequências sobre o incumprimento das normas jurídicas; Compreender a inter-relação de imperatividade, liberdade e responsabilidade. Tema 4 - O Exercício do Direito 4.1. A pessoa, fundamento e fim da ordem jurídica Pessoa singular e colectiva Os direitos e deveres jurídicos. 11

12 10ª CLASSE 4.3. Os direitos fundamentais dos cidadãos e os direitos, liberdades e garantias A relação jurídica Elementos da relação jurídica (sujeitos, objecto, facto e garantia). Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Compreender que a pessoa é o fundamento e o fim da ordem jurídica; Conhecer o direito e os deveres jurídicos; Conhecer os direitos fundamentais dos cidadãos; Compreender a relação jurídica e os seus elementos; Conhecer e exemplificar formas de aquisição e de extinção de direitos. Tema 5 - A Prática do Direito 5.1. Os tribunais O acesso ao Direito e aos tribunais A informação jurídica A consulta jurídica O apoio judiciário As custas jurídicas e para-jurídicas A importância da justiça no mundo actual. Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Evidenciar a necessidade de existência dos Tribunais; Compreender a função jurisdicional dos Tribunais; Reconhecer a importância da independência dos Tribunais; Referir as diversas categorias de tribunais previstos na Lei 20/88; 12

13 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO Descrever a hierarquia dos tribunais judiciais; Identificar o acesso ao direito como uma das características dos Estados Democráticos; Distinguir informação jurídica de protecção jurídica; Definir custas judiciais; Conhecer as profissões jurídicas e para-jurídicas; Associar o papel da justiça no mundo actual, ao facto de o direito ser uma realidade viva e progressiva. Tema 6 - Os Ramos do Direito 6.1. Ramos do Direito Público O Direito Constitucional O Direito Fiscal O Direito Administrativo O Direito Financeiro O Direito Penal O Direito Processual O Direito Económico Ramos do Direito Privado O Direito Civil Parte geral O Direito das Obrigações O Direito das Coisas O Direito da Família O Direito das Sucessões O Direito do Trabalho Higiene e Segurança no Trabalho O Direito Comercial O Direito do Consumo O Direito da Informação. 13

14 10ª CLASSE O Direito do Ambiente O Direito Agrário O Direito Comunitário (especificidade). objectivos, principais instituições e instrumentos jurídicos. Objectivos: Pretende-se que, no fim do tema, o aluno possa: Compreender a necessidade da existência de vários ramos no Direito; Enumerar os ramos de Direito Público no Direito Interno; Referir o objecto de cada um dos ramos do Direito Público Interno; Referir o objecto do Direito Civil; Referir a estrutura do Código Civil e o objecto de cada um dos livros; Referir cada um dos restantes ramos do Direito Privado Interno; Compreender a natureza pública e privada do Direito Comunitário enquanto Direito Internacional; Definir o Direito Comunitário e o seu objectivo; Conhecer as principais instituições e instrumentos jurídicos do Direito Comunitário. 14

15 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO SUGESTÕES METODOLÓGICAS Tema 1 - O Direito em Geral Subtema 1.1. O homem, um ser eminentemente social A necessidade de existência de Direito O Direito como ordem social normativo. Pretende-se, neste tema, consciencializar os alunos da importância do estudo do Direito para a sua formação e melhor compreensão da realidade que o rodeia. É necessário, através de debates, fazer entender ao aluno como é que o Homem é eminentemente social, demonstrando-lhe a necessidade de existência do Direito. O professor deverá enfatizar como a sociedade não pode permanecer sem o Direito, assim como os interesses e os fins sociais são perseguidos pela sociedade. É importante ressaltar ainda neste tema, os valores de justiça, segurança e equidade, bem como sublinhar o papel da cultura no desenvolvimento do Direito. Pretende-se, ainda, que os alunos fiquem com a noção de que a sociedade cria várias instituições jurídicas que são grandes instrumentos para assegurar o desenvolvimento de distintos sectores da própria sociedade, devendo distinguirse a instituição ou institutos na linguagem comum e a instituição na linguagem jurídica. Subtema 1.2. Estado de Direito O Estado como sociedade politicamente organizada Os elementos do Estado: comunidade, território e soberania A hierarquia da comunidade política e estatal Órgãos de soberania: função. O professor deverá começar por recordar algumas formas de organização da sociedade já estudadas, como por exemplo, a tribo, os impérios antigos, etc., concluindo em afirmar que o Estado é uma das outras formas possíveis. Os alunos, com auxílio do professor, deverão definir o Estado de forma a que, neste conceito, estejam presentes os três elementos essenciais para que sejam analisados um por um. 15

16 10ª CLASSE É fundamental a análise da hierarquia da Comunidade Política e Estatal, dos Órgãos da Soberania e as respectivas funções através da leitura do texto constitucional actualizado. Relativamente à matéria sobre os Órgãos de Soberania, o importante é que os alunos conheçam quais são, pois a análise das funções de cada um fica reservada para a classe seguinte, embora se possa dar algumas noções, se a abordagem do assunto assim o exigir. Por outro lado, deverá ser analisado, como base no caso concreto de Angola, como o Estado é detentor da criação de aplicações do Direito, demonstrando que o próprio Estado constitui para isso órgãos próprios destinados à criação de normas jurídicas, possuindo outros aptos a garantir o seu cumprimento. Quanto ao Direito Internacional e o Estado, o importante é que o aluno tome conhecimento das relações internacionais que cada Estado estabelece com outros Estados da ordem internacional, podendo dar como exemplo a intervenção da ONU em Angola, na conjugação de esforços a nível internacional para a manutenção da paz e segurança no Mundo. Pretende-se ainda que o aluno conheça algumas Organizações Internacionais. Subtema 1.3. Os diversos sentidos do termo Direito O Direito como lei ou conjuntos de leis O Direito como faculdade de agir. Com o tratamento deste subtema, pretende-se que o aluno tenha conhecimento dos diversos sentidos do termo Direito, devendo realçar aquele que representa o conjunto de normas de conduta social, criadas pelo Estado e garantidas pelo seu poder coactivo. O aluno deverá compreender que o ritmo de desenvolvimento económico das sociedades modernas determinam transformações sociais, económicas e culturais a que o Direito nada podia manter estável, pois graças à sua dinâmica, deu origem a novos ramos de Direito, como, por exemplo, o Direito do Ambiente, o Direito do Consumo, o Direito da Informação. 16

17 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO Subtema 1.4. Tipos de Direito O Direito Substantivo e o Direito Adjectivo. Para este subtema, torna-se necessário que, no fim do mesmo, o aluno possa conhecer os vários tipos de Direito, através de análise comparativo de cada grupo. Por exemplo, ao proceder o estudo do Direito Objectivo e do Direito Subjectivo, dever-se-á salientar que quando nos referimos ao Direito como norma ou conjunto de normas, estamos perante o Direito Objectivo, mas se atendermos à faculdade conferida pelo sujeito, utilizamos o Direito Subjectivo. Para ilustrar tal afirmação, poder-se-á analisar os artigos 1287º e 1348º do Código Civil. Ao abordar-se a questão do Direito Positivo e do Direito Natural, o professor deverá fazer alusão à génese dos Direitos do Homen, incluindo alguns apectos jurídicos sobre a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Tema 2 - Fontes do Direito Subtema 2.1. Os factores normativos e o problema das Fontes do Direito Breve referência à sua evolução histórica O Direito e os Estados Actuais. Subtema 2.2. A lei Noção. Com este tema, é necessário que o aluno compreenda as várias formas de revelação e formação do Direito. Assim, o professor deverá recordar o que foi dado em relação à necessidade do Direito na sociedade para que se possa concluir sobre a origem do Direito, quer dizer, como se criam as normas que disciplinam os seres humanos nas suas relações sociais. É preciso apresentar exemplos concretos para se chegar à conclusão do que são fontes de problemas, fontes de informação para se falar das várias formas que se pode empregar a expressão Fontes de Direito. Analisar sumariamente cada uma das Fontes de Direito, com maior relevância a lei e a sua supremacia perante as outras fontes. O professor poderá construir uma pirâmide para exemplificar a hierarquia das leis, colocando a Lei Constitucional no topo. 17

18 10ª CLASSE Pretende-se que os alunos compreendam o controlo da lei pelos órgãos encarregues pelo controlo da legalidade e quais os efeitos jurídicos da inconstitucionalidade. Tema 3 - As Normas Jurídicas Subtema 3.1. As normas jurídicas e a ordem jurídica. Subtema 3.2. Os sujeitos jurídicos e a relação jurídica. Subtema 3.3. Características das normas jurídicas. Neste tema, pretende-se que os alunos compreendam o que são normas jurídicas, relacionando com a ordem jurídica e quem são os sujeitos da relação jurídica. Os alunos deverão analisar a relação jurídica no sentido amplo e no sentido restrito, bem como as características fundamentais das normas jurídicas. Dever-se-á analisar também as consequências resultantes do incumprimento das normas jurídicas, fazendo referência às sanções civis, penais, disciplinares e os meios compulsivos, ressaltando a relação existente entre a imperatividade, liberdade e responsabilidade das normas jurídicas. Tema 4 - O Exercício do Direito Subtema 4.1. A pessoa, fundamento e fim de ordem jurídica Pessoas singulares e colectivas. De acordo com os objectivos traçados para este tema, é preciso a análise do exercício de direitos, e como tal, dever-se-á começar por se referir a pessoa como fundamento e fim da ordem jurídica, destacando-se o papel das pessoas singulares. Os alunos deverão analisar os direitos e deveres jurídicos, assim como os direitos fundamentais dos cidadãos e os direitos, liberdades e as suas garantias. Sugere-se que o professor recorde os aspectos analisados no ponto 3.2. sobre os sujeitos jurídicos e a relação jurídica para abordar o ponto 4.4, fazendo referência aos elementos desta que deverão ser analisados um por um. 18

19 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO Tema 5 - A Prática do Direito Subtema 5.1. Os tribunais O acesso ao Direito e aos tribunais A informação jurídica. Para este tema, pretende-se que se analise a prática do Direito através da existência de um conjunto de órgãos aptos que garante o seu cumprimento. O aluno deverá tomar conhecimento da importância dos órgãos judiciais, de registo e notariais, assim como a independência daqueles e as diversas categorias. É preciso analisar o acesso dos cidadãos ao Direito, aos tribunais, o direito à informação jurídica, à consulta jurídica e ao apoio judiciário. Finalmente, é necessário analisar a importância do jurista no mundo actual, nomeadamente Magistrados (Judiciais e do Ministério Público), Advogados, Notários e Conservadores. Tema 6 - Os Ramos do Direito Subtema 6.1. Ramos do Direito Público O Direito Constitucional O Direito Fiscal. Subtema 6.2. Ramos do Direito Privado O Direito Civil Parte Geral O Direito das Obrigações. O professor poderá provocar uma discussão para que os alunos sejam encaminhados a enumerar alguns direitos que conhecem. O professor deverá, utilizando os critérios do interesse da qualidade dos sujeitos e o da posição dos sujeitos, dar a conhecer as duas grandes divisões dos Ramos do Direito. Dever-se-á analisar sumariamente cada um dos Direitos dos dois ramos (Direito Público e Direito Privado), fundamentalmente quanto aos seus respectivos conceitos. É de salientar aqui a necessidade de se ressaltar alguns 19

20 10ª CLASSE ramos do Direito que não serão objecto de estudo isolado, como por exemplo, o Direito Comunitário, em que o professor deverá fazer referência para além do conceito, os seus objectivos principais, suas instituições e instrumentos jurídicos. Convém que o professor não aprofunde o tratamento dos ramos do Direito que não constituem temas neste programa por se tratar de matéria específica e muito técnica, reservando-se o seu tratamento para o ensino superior. 20

21 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO AVALIAÇÃO O ensino, como um processo educativo e sistemático, deve ter como objectivo primordial contribuir para mudanças de comportamento que constituiem os objectivos da educação e a avaliação deve estar sempre presente neste processo de aprendizagem. Assim, a avaliação consistirá em determinar em que medida os objectivos foram atingidos, comprovando os resultados obtidos com os propostos inicialmente, quer dizer, fornecer informações ricas sobre a marcha do processo docente educativo. Para poder organizar um plano de avaliação, é necessário ter em conta os seguintes aspectos: Ter presente exactamente o que se vai avaliar; Determinar em concreto e de forma clara os objectivos que se pretendem atingir; Determinar os parâmetros de avaliação e área onde se vão observar os comportamentos indicadores; Definir os processos de avaliação; Estabelecer os critérios de avaliação. O que se vai avaliar? O nível de conhecimento observado nos alunos no início da realização das actividades; As alterações do rendimento observado após dadas algumas aulas; O grau de participação demonstrado pelos alunos durante a realização das aulas; As atitudes apresentadas pelos alunos durante as actividades escolares. 21

22 10ª CLASSE Parâmetros de avaliação Com o intuito de facilitar a observação, sugere-se ter em conta três aspectos ou parâmetros que estão directamente relacionados com os seus objectivos, que são: a) Nível cognitivo: área do saber; b) Nível psicomotor: área do saber fazer; c) Nível social: área do ser. Quanto ao aspecto cognitivo, o comportamento indicador dos objectivos desta área, aprendizagem no âmbito do conhecimento, que abarca actividades que visam de maneira predominante alargar o leque de informações. No que se refere ao aspecto psico-motor, observa-se o comportamento indicador de aprendizagem de habilidades (aquisição e/ou melhorias das aptidões físicas gerais). Relativamente ao aspecto social, observam-se as atitudes, a forma, a qualidade e o nível de participação no trabalho. Quando avaliar: É necessário ter em conta que a avaliação, como sistema e processo, deve estar presente em qualquer fase da lição e, por esta razão, aparece: No início do ano lectivo, assim como no início duma actividade didáctica avaliação diagnóstica; No desenvolvimento da actividade avaliação formativa; No fim de uma actividade didáctica, isto é, no fim de um trimestre e no fim do ano lectivo avaliação sumática. Na disciplina de Introdução ao Direito, deve dar-se grande relevância à avaliação contínua, obrigando o aluno à sua participação activa como forma de preparação para os futuros temas, não só, mas também para a sua preparação como futuro Jurista. 22

23 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO BIBLIOGRAFIA ANTUNES VARELA - Direito da Família. CRUZ, Rui Colectânea de Legislação Fiscal Angolana. PEREIRA, João Manuel Esteves Fiscalidade, Tomo 1, Plátano Editora. FREITAS DO AMARAL Curso de Direito Administrativo. Lei Constitucional Angolana. Lei de Bases do Ambiente Lei nº5/98, D.R. 27. MEDINA, Maria do Carmo Código da Família Anotado. PEREIRA COELHO Curso de Direito de Família. REBELO DE SOUSA, Marcelo; GALVÃO, Sofia Introdução ao Estudo do Direito, Publicação Europa-América. ROCHA, Isabel; BATALHÃO, Carlos José; ARAGÃO, Luís Livro de Apoio, Porto Editora. RODRIGUES, Roberto; VALÉRIO, Luís Novo Programa, Plátano Editora. SANTOS, Eduardo dos - Direito da Família. 23

N.º 21 1995 2004 Ficha Informativa O Direito Humano a uma Habitação Condigna

N.º 21 1995 2004 Ficha Informativa O Direito Humano a uma Habitação Condigna N.º 21 Ficha Informativa Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 O Direito Humano a uma Habitação Condigna A colecção Fichas Informativas sobre Direitos Humanos

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO E ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO Projecto de Desenvolvimento do Currículo do 3º Ciclo da Educação Básica em Timor-Leste (CEB3-TL) [Agreement UNICEF/Universidade do Minho SSA/IDSM/2009/00000315-0] PLANO CURRICULAR DO 3º CICLO DO ENSINO

Leia mais

Segurança Social: Um novo consenso

Segurança Social: Um novo consenso Segurança Social: Um novo consenso DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO DE PORTUGAL 1 2 A edição original desta obra foi publicada pelo Bureau Internacional do Trabalho

Leia mais

Guia AGENDA 21 Local

Guia AGENDA 21 Local MANUAL Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos GUIA AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO PARA TODOS Manual Novembro de 2007 Título: Guia Agenda 21 Local Um desafio para todos Autoria: Equipa da TTerra Auditoria,

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR EDUCAÇÃO. p a r a a E d u c a ç ã o P r é - E s c o l a r M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O

PRÉ-ESCOLAR EDUCAÇÃO. p a r a a E d u c a ç ã o P r é - E s c o l a r M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O PRÉ-ESCOLAR EDUCAÇÃO O r i e n t a ç õ e s C u r r i c u l a r e s p a r a a E d u c a ç ã o P r é - E s c o l a r M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O Departamento da Educação Básica Núcleo de Educação

Leia mais

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Manuel Pinto (coordenador) Sara Pereira Luís Pereira Tiago Dias

Leia mais

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06 Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos GENEBRA Série de Formação Profissional n. º 06 Formação em Direitos Humanos MANUAL SOBRE A METODOLOGIA DA FORMAÇÃO O EM DIREITOS HUMANOS Alto

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIDADANIA E CIRCULAÇÃO NO ESPAÇO DA CPLP

ESTUDO SOBRE CIDADANIA E CIRCULAÇÃO NO ESPAÇO DA CPLP ESTUDO SOBRE CIDADANIA E CIRCULAÇÃO NO ESPAÇO DA CPLP José Leitão ÍNDICE 1 - A CIRCULAÇÃO E A CIDADANIA NO PROJECTO DA CPLP 2 - AVANÇOS EM MATÉRIA DE CIRCULAÇÃO NO ESPAÇO DA CPLP: PONTO DA SITUAÇÃO 2.1

Leia mais

Número 31 Dezembro 2008 www.ordemenfermeiros.pt ISSN 1646-2629. 10 Anos de Deontologia Profissional 60 Anos de Direitos Humanos

Número 31 Dezembro 2008 www.ordemenfermeiros.pt ISSN 1646-2629. 10 Anos de Deontologia Profissional 60 Anos de Direitos Humanos Número 31 Dezembro 2008 www.ordemenfermeiros.pt ISSN 1646-2629 IX Seminário de Ética 10 Anos de Deontologia Profissional 60 Anos de Direitos Humanos 2 0 0 0 2 0 0 7 8.45H Abertura do Secretariado 9.00H

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

O Plano de Emergência: a sua importância

O Plano de Emergência: a sua importância Isabel Cristina Guimarães Ferreira O Plano de Emergência: a sua importância Universidade Fernando Pessoa Porto 2006/2007 Isabel Cristina Guimarães Ferreira O Plano de Emergência: a sua importância Universidade

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Preâmbulo Os Estados Partes na presente Convenção: a) Relembrando os princípios proclamados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILISTICA PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILISTICA PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS O SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILISTICA PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GUILHERMINA FREITAS 1 Nota: Não é permitida a utilização deste trabalho, para qualquer outro fim que não o indicado, sem

Leia mais

Colectânea de Legislação do Ensino Superior

Colectânea de Legislação do Ensino Superior REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO PARA A COORDENAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Colectânea de Legislação do Ensino Superior EDIÇÃO REVISTA Maputo, Setembro de 2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Sobre as Características Fundamentais do Princípio Um País, Dois Sistemas

Sobre as Características Fundamentais do Princípio Um País, Dois Sistemas Sobre as Características Fundamentais do Princípio Um País, Dois Sistemas LENG Tiexun* O princípio Um País, Dois Sistemas constitui uma orientação básica com a fuel o governo chinês vem tratar os assuntos

Leia mais

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 CONTEÚDO 1. Introdução... 3 2. Glossário de termos... 4 3. Análise Geral do Quadro Constitucional e Estatutário... 5 4.

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TRABALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Ser Professor Dissertação orientada por: Professora Doutora Maria Manuela

Leia mais

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, DIRECÇÃO DE PLANIFICAÇÃO MINERVA CENTRAL 1500 EXEMPLARES PROGRAMA

Leia mais

SUMÁRIO ASSEMBLEIA NACIONAL. o o CONSELHO DE MINISTROS. Secretaria-Geral 220 I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE MARÇO DE 1999

SUMÁRIO ASSEMBLEIA NACIONAL. o o CONSELHO DE MINISTROS. Secretaria-Geral 220 I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE MARÇO DE 1999 220 I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE MARÇO DE 1999 SUMÁRIO ASSEMBLEIA NACIONAL: Rectificação: À Lei nº 91/V/98, de 31 de Dezembro CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Legislativo nº 3/99:

Leia mais

a CONSTITUIção Figura em Destaque Pág. 07 Entrevista Pág. 12 Reflectindo Pág. 18

a CONSTITUIção Figura em Destaque Pág. 07 Entrevista Pág. 12 Reflectindo Pág. 18 13 INFORMAÇÃO SOBRE OS DIREITOS HUMANOS E O TRABALHO DO MOSAIKO INSTITUTO PARA A CIDADANIA a CONSTITUIção e o Direito à Informação Maria josé Ferreira Figura em Destaque Pág. 07 Joaquim pedro joão Entrevista

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE SEE/AL PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MEC-PNUD-SEE/AL REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

Leia mais

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS

Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS Colecção INOVAÇÃO E GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS F I C H A? T É C N I C A Título A GOVERNAÇÃO NAS AUTARQUIAS LOCAIS Autor João Bilhim Editor SPI Sociedade Portuguesa de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Diário da República, 1.ª série N.º 20 29 de Janeiro de 2008 753

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Diário da República, 1.ª série N.º 20 29 de Janeiro de 2008 753 Diário da República, 1.ª série N.º 20 29 de Janeiro de 2008 753 ANEXO IV MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto-Lei n.º 18/2008 de 29 de Janeiro 1 O presente decreto -lei aprova

Leia mais

2242 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 60 24 de Março de 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

2242 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 60 24 de Março de 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 2242 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 60 24 de Março de 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 74/2006 de 24 de Março O Programa do XVII Governo estabeleceu como um

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Diário da República, 1.ª série N.º 121 25 de Junho de 2008 3835

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Diário da República, 1.ª série N.º 121 25 de Junho de 2008 3835 Diário da República, 1.ª série N.º 121 25 de Junho de 2008 3835 2 A organização interna da Fundação rege-se por regulamentos próprios, aprovados pelo conselho de administração, nos quais se estabelece

Leia mais

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001.

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho

Leia mais

A Convenção sobre os Direitos da Criança

A Convenção sobre os Direitos da Criança A Convenção sobre os Direitos da Criança A Convenção sobre os Direitos da Criança Adoptada pela Assembleia Geral nas Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 e ratificada por Portugal em 21 de Setembro

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE CONSENTIMENTO INFORMADO RELATÓRIO FINAL MAIO DE 2009 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1, L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092 350

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SANTARÉM OS INSTRUMENTOS BÁSICOS NA CONSTRUÇÃO DA DISCIPLINA DE ENFERMAGEM EXPRESSÕES E SIGNIFICADOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SANTARÉM OS INSTRUMENTOS BÁSICOS NA CONSTRUÇÃO DA DISCIPLINA DE ENFERMAGEM EXPRESSÕES E SIGNIFICADOS ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SANTARÉM OS INSTRUMENTOS BÁSICOS NA CONSTRUÇÃO DA DISCIPLINA DE ENFERMAGEM EXPRESSÕES E SIGNIFICADOS SANTARÉM 2003 CONSTITUIÇÃO DO GIDEA José Amendoeira, Professor Coordenador

Leia mais