UNIMINAS DATA WAREHOUSE E CRM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO CLEDSON SOUSA MALAQUIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIMINAS DATA WAREHOUSE E CRM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO CLEDSON SOUSA MALAQUIAS"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000. BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DATA WAREHOUSE E CRM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO CLEDSON SOUSA MALAQUIAS UBERLÂNDIA 2008

2 CLEDSON SOUSA MALAQUIAS DATA WAREHOUSE E CRM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO Trabalho de Final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: MsC. Luiz Cláudio Theodoro Uberlândia - MG

3 CLEDSON SOUSA MALAQUIAS DATA WAREHOUSE E CRM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA Banca Examinadora: TOMADA DE DECISÃO Trabalho de Final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: MsC. Luiz Cláudio Theodoro Uberlândia, 07 de Abril de Prof. M.Sc. Luiz Cláudio Theodoro (Orientador) Prof. M.Sc. Francisco José Muller Prof Esp. Carlos Barros Uberlândia - MG

4 Dedico esta monografia especialmente a meus pais, irmãos, meu filho minha esposa ao Grupo de Jovens Semente do amanha, aos grandes Doutores, Mestres e Especialistas da Uniminas. 4

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por me capacitar e oferecer condições para concluir mais essa etapa na minha vida. A minha esposa, filho, meus Pais e familiares que sempre me apoiaram e incentivaram. Aos meus amigos que compartilharam os momentos de estudos e superação. E aos Professores amigos Luiz Cláudio Theodoro e Kátia Lopes pela confiança, incentivo, paciência, compreensão e apoio. 5

6 RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer um estudo sobre a integração das tecnologias DW e CRM para tomada de decisão. Devido à acirrada concorrência, com concorrentes cada vez mais bem preparados para competir na manutenção e aquisição de clientes, torna-se imprescindível à utilização de recursos tecnológicos capazes de agregar valor às informações fornecidas para tomada de decisão. Este trabalho demonstra os fundamentos de DW e CRM bem como os benefícios que a integração dessas tecnologias pode oferecer às empresas, de forma que se possam transformar os dados em informações valiosas para o estreitamento da relação com os clientes direcionando os gestores com dados sólidos capazes de maximizar os resultados das empresas. 6

7 ABSTRACT The present work has an objective to make a study about the integration of technologies DW and CRM for decision taking process. Due the incited competition, with each time most prepared competitors to compete in the maintenance and acquisition of customers, becomes essential the use of technological resources capable to add value on supplied information for decision taking process. This work demonstrates the beddings of DW and CRM as the benefits the integration of these technologies can offer the companies. The way that it can transform the data into valuable information for the nip of the relation with the customers directing the managers with solid data capable to maximize the results of the companies 7

8 ACRÔNIMOS CRM - Customer Relationship Management ou Gerência de Relacionamento com o Cliente DW - Data Warehouse OLAP - On Line Analytical Processing ETL - Extração, Transformação e Carga (Extract, Transform and Load). TI - Tecnologia da Informação ROI - Retorno sobre o investimento ERP - Enterprise Resource Planning ou Sistema de Gestão Integrada CSF - Critical Success Factors KDD - Knowledge Discovery in Databases ou Prospecção de Conhecimento em Banco de Dados IA - Inteligência Artificial ILT - Identificação, localização e tratamento ODBC - Open Database Conncetivity 8

9 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Exemplo de modelo estrela...18 Figura 2.2 Exemplo do modelo floco de neve

10 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO CENÁRIO ATUAL MOTIVAÇÃO OBJETIVO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DATA WAREHOUSE INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO MODELAGEM MULTIDIMENSIONAL O MODELO MULTIDIMENSIONAL MODELO ESTRELA O MODELO FLOCO DE NEVE PROJETO DE DATA WAREHOUSE GRANULARIDADE PARTICIONAMENTO DE DADOS PROJETO APROPRIADO ARQUITETURA DATA MARTS DATA MINING APLICAÇÕES DE DATA MINING OLAP QUALIDADE DE DADOS NO DATA WAREHOUSE CONCLUSÃO GERÊNCIAS DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE INTRODUÇÃO CRM OBJETIVOS DO CRM O MARKETING UM PARA UM NÚMERO DE CLIENTES X VALOR DO CLIENTE CRM: UMA DECISÃO ESTRATÉGICA IMPLEMENTAÇÃO DA FILOSOFIA CRM RELAÇÃO EMPRESA X CLIENTE OBSTÁCULOS NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS CRM BENEFÍCIOS DO CRM CRM OPERACIONAL, COLABORATIVO E ANALÍTICO DESAFIO DA INTEGRAÇÃO DE DADOS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS E CULTURAIS CONCLUSÃO DATA WAREHOUSE E CRM INTRODUÇÃO OS ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO DE CRM E DOS DATA WAREHOUSES

11 4.3 CARACTERÍSTICAS DE DATA WAREHOUSES E SUPORTE À DECISÃO DE CRM MADUROS: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE CRM E DW VISÃO ESTRATÉGICA DE DATA WAREHOUSE E CRM A ESTRATÉGIA DA MARÉ ASCENDENTE CONCLUSÃO CASOS DE SUCESSO COMO AS EMPRESAS OBTÊM SUCESSO UTILIZANDO CRM E DW SETOR DE SERVIÇOS FINANCEIROS BANK OF AMERICA SETOR DE MANUFATURA E DISTRIBUIÇÃO WESTERN DIGITAL SETOR DE VAREJO MIGROS SETOR DE TRANSPORTE AÉREO E TURISMO ONE WORLD BRITISH AIRWAYS, AMERICAN AIRLINES E QANTAS SETOR DE TRANSPORTE TERRESTRE BURLINGTON NORTHERN SANTA FE RAILWAY SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES PELE-PHONE COMMUNICATIONS DE ISRAEL SETOR DE SEGUROS DE SAÚDE DCB ACTUARIES AND CONSULTANTS SETOR DE ENTRETENIMENTO HARRAH S ENTERTAINMENT, INC CONCLUSÃO CONCLUSÃO...59 BIBLIOGRAFIA

12 1 - INTRODUÇÃO Cenário Atual A acirrada competitividade no mercado impos às empresas uma nova forma de elaborar e vender seus produtos. Haja vista, que não basta apenas fabricar e vender. É preciso fazer um estudo minucioso de mercado identificando as tendências, necessidades dos clientes e seus concorrentes. O mercado tecnológico dispõe de alguns recursos que facilitam essa análise de mercado como por exemplo o Data Warehouse. Essa ferramenta integrada ao CRM tornaram fortes aliados na tomada de decisão, tendo em vista, que as mesmas propiciam às empresas um refinamento de informações, que podem direcionar o caminho a ser seguido pelos tomadores de decisão. Data Warehouse é um banco de dados especializado, que utiliza dados da base operacional da empresa e dados externos necessários à análise, a fim de gerar uma nova base de dados onde serão armazenados, com o objetivo de que seja possível aos tomadores de decisões obter informações concretas e verdadeiras para posterior análise e tomada de decisão. O Data Warehouse fornece suporte para que as empresas se tornem altamente competitivas, aumentando a eficiência e eficácia das decisões tomadas com relação aos processos, buscando novas oportunidades, novos clientes, podendo atender melhor os clientes da empresa, oferecendo produtos e serviços de maior qualidade assim como a criação de novos produtos e serviços, direcionando os recursos da empresa para setores de maior necessidade, entre outros inúmeros benefícios. Devido a enorme concorrência de mercado, o cliente tem mais opções de escolha. Assim sendo, ao efetuar suas compras o mesmo toma sua decisão não somente no produto, preço mas sim na experiência geral, ou seja, no produto, no preço, na venda, no serviço, na imagem percebida, no suporte e no atendimento. Se as companhias puderem atender todos estes requisitos de uma maneira correta, estas obterão um cliente rentável e fiel. 12

13 CRM é a sigla utilizada para a Gerência do Relacionamento com o Cliente. CRM é essencialmente a maneira como as companhias se comunicam com os clientes, como vendem, como lhes prestam serviços de atendimento, suporte ou manutenção. Sendo assim, o principal objetivo é obter a fidelização dos clientes. O objetivo do CRM é estreitar os relacionamentos com seus clientes e mantêlos fidelizados. Isso implica concentrar todos os setores da empresa, sejam eles de marketing, vendas, operações ou serviços, para estabelecer e sustentar relações com os clientes que sejam mutuamente benéficas. Para tanto, a empresa precisa desenvolver uma visão integrada e exclusiva de cada cliente. O CRM é, essencialmente, um termo para estratégias, metodologias e software voltado para uma organização com foco no Cliente. Do ponto de vista tecnológico, CRM envolve a captura dos dados dos clientes adquiridos durante a interação entre as partes, o armazenamento, a análise e consolidação dessas informações a fim de distribuí-las aos vários pontos de contato da empresa usando informações para estabelecer um relacionamento que antecipe as necessidades do cliente e gere resultado para a empresa. 1.2 Motivação O motivo da escolha de Data Warehouse e CRM para a presente pesquisa é devido ao fato de que estas ferramentas serem atuais no campo de tecnologia da informação, além de ocuparem uma posição de destaque quando falamos de tomada de decisão. Além de que as informações geradas por essas ferramentas serem vitais para as empresas que querem destacar-se nesse mercado cada vez mais competitivo. 1.3 Objetivo O trabalho tem como objetivo demonstrar os benefícios ao utilizar Data Warehouse integrado com CRM para a tomada de decisão. 1.4 Organização do Trabalho Este trabalho está organizado em seis capítulos, incluindo essa introdução. 13

14 O capítulo 2, Data Warehouse, descreve esse banco de dados especializado enfatizando suas características, além de seus benefícios no auxílio da tomada de decisões. Também são apresentados o conceito de modelagem multidimensional e suas derivações. Além disso, são demonstradas características do projeto e arquitetura de um Data Warehouse, conceitos sobre Data Marts, Data Mining, ferramentas OLAP, e qualidade de dados no Data Warehouse. O capítulo 3, Customer Relationship Management - CRM, apresenta a importância da utilização de CRM nas empresas, conceitos dessa filosofia, relacionando os objetivos de sua utilização, além de apresentar o marketing um para um, CRM operacional, colaborativo e analítico, a relação número de clientes x valor do cliente, a utilização de CRM como uma decisão estratégica, a implementação da filosofia nas empresas, o desafio da integração de dados, a relação empresa cliente além dos benefícios na implementação e utilização de CRM e finalmente as mudanças organizacionais de culturais. O capítulo 4, Data Warehouse e CRM, define a importância da utilização destas tecnologias nas empresas. Também são descritos seus estágios de crescimento. Como pontos importantes, são definidos características de Data Warehouse e suporte à decisão de CRM, fatores críticos para o sucesso de sua utilização. O capítulo 5 demonstra alguns estudos de caso com a utilização das tecnologias DW e CRM pelas empresas. O capítulo 6 apresenta a conclusão do trabalho. 14

15 2 Data Warehouse Introdução A fim de utilizar todas as informações armazenadas nos bancos de dados da empresa, e devido ao fato destes dados não estarem integrados, surge o Data Warehouse. Com o objetivo de obter um banco de dados onde fosse possível extrair informações úteis agilizando o processo de tomada de decisão. Neste capítulo são apresentados os conceitos relacionados a Data Warehouse, Data Mining, OLAP e qualidade de dados. 2.2 Definição Devido a grande necessidade dos tomadores de decisão de fazerem a escolha certa, com informações consistentes e de maneira rápida, o conceito de Data Warehouse (DW) veio para auxiliar a transformação de simples dados em informações úteis e dar suporte às decisões referentes aos processos das empresas. O Data Warehouse possui como objetivo centralizar as informações, organizando-as de forma que possam tomar decisões baseadas em fatos concretos, e não somente em experiências anteriormente vividas pelo administrador. Segundo Inmon (1997), o DW é uma coleção de dados que tem por objetivo dar suporte aos processos de tomada de decisão e possui as seguintes características: Orientado por assuntos: o DW armazena informações sobre temas ou assuntos que são de importância para o negócio da empresa. Como exemplos podem ser citados clientes, funcionários, produtos, etc; Integrado: o DW tem a responsabilidade de sincronizar os dados de todos os sistemas da empresa e externos a esta, e padronizá-los para que estes se tornem consistentes. Uma aplicação pode codificar o sexo como M/F, uma outra como 1/0 ou H/M, e isto geraria problemas na hora da análise. Porém, conforme os dados são trazidos para o DW, eles são padronizados e então carregados para o DW, eliminando problemas de inconsistência; 15

16 Variante no tempo: um dado em um DW refere-se a algum espaço de tempo, a fim de possibilitar que seja traçada uma análise histórica e comparativa de fatos. Sem a manutenção do histórico dos dados, a análise histórica e comparativa destes seria inviável. Em um DW os dados não são atualizados, a cada nova carga de dados, uma nova entrada é criada; Um dos benefícios proporcionados pelo Data Warehouse é a diminuição do tempo que os gerentes levam para obter as informações necessárias aos seus processos decisórios, com a eliminação de tarefas operacionais, como pesquisa e identificação dos dados necessários. A sua grande vantagem é permitir a tomada de decisão baseada em fatos (TAURION, 1998). O Data Warehouse é uma ferramenta que dá suporte para que as empresas se tornem altamente competitivas, aumentando a eficiência e eficácia das decisões tomadas com relação aos processos da empresa, buscando novas oportunidades, novos clientes, podendo atender melhor os clientes da empresa, oferecer produtos e serviços de maior qualidade, assim como a criação de novos produtos e serviços, direcionar os recursos da empresa para setores de maior necessidade, entre outros benefícios (TAURION, 1998). 2.3 Modelagem Multidimensional Para responder a questões relacionadas à análise de negócios de uma empresa é muitas vezes necessária uma visão dos dados sob diferentes perspectivas. O modelo multidimensional é o mais adequado para se analisar os dados no ambiente gerencial, haja vista que é mais fácil para consultas e análises, sem mencionar o fato de que produz um banco de dados com menos tabelas e índices, apresenta os dados em um padrão, possui uma estrutura intuitiva e permite o acesso aos dados com alto desempenho (KIMBALL1998). Um dado isoladamente não tem valor, mas a consolidação com outros dados gera informações desejáveis. A modelagem multidimensional, baseada nos seus conceitos, possibilita a visualização dos dados sob várias óticas conforme a necessidade, gerando informações valiosas (KIMBALL, 1998). 16

17 2.3.1 O Modelo Multidimensional O modelo multidimensional usa os conceitos de fatos e dimensões (MACHADO, 2000). Fatos são as medidas que são usadas para realizar análises e as chaves que ligam as dimensões. Um fato representa um evento relevante para o funcionamento da empresa e reflete a evolução dos negócios no dia-a-dia. A principal característica de um fato é que ele é representado por valores numéricos. (MACHADO, 2000). Exemplo: a consolidação do total de vendas de leite desnatado em Juiz de Fora no mês de agosto foi 2000 litros. Dimensões são as diferentes perspectivas envolvidas em um caso, por exemplo, cliente, loja, produto, tempo e etc. As tabelas de dimensão se relacionam com as tabelas de fatos e geralmente possuem muitas colunas ou atributos. Os atributos das tabelas de dimensão funcionam como fonte primária de restrições de consultas, agrupamentos e rótulos de relatórios, tendo assim a necessidade de serem nomeados de forma que o usuário não sinta dificuldade de compreender seus significados (KIMBALL, 2002). As tabelas de dimensões qualificam os fatos (MACHADO, 2000). No exemplo anterior, as dimensões são produto (leite desnatado), tempo (mês de agosto) e cidade (Juiz de Fora) Modelo Estrela A construção básica do modelo estrela comumente chamado de Star é uma entidade contendo os fatos e um conjunto de entidades menores ao redor denominadas dimensões (CAMPOS, 2005). O relacionamento das dimensões é expresso com uma simples ligação entre elas, o que resulta em um modelo de diagramação extremamente simétrico, de fácil leitura e compreensão. A figura 2.1 apresenta um exemplo do modelo estrela. A tabela de fatos contém as chaves de todas as dimensões, a quantidade de produtos vendidos, o valor total da venda, o valor de desconto sobre a venda e o total por unidades de cada produto que são as medidas que apóiam o processo de tomada de decisão. As tabelas de dimensão são tempo, cliente, vendedor, loja e produto. 17

18 Figura 2.1 Exemplo de modelo estrela O Modelo Floco de Neve O modelo floco de neve comumente chamado de Snow Flake é uma extensão do modelo estrela, onde cada uma das pontas da estrela passa a ser o centro de outras estrelas. Cada tabela de dimensão é normalizada; quebrando-se a tabela original ao longo de hierarquias existentes em seus atributos (CAMPOS, 2005). A figura 2.2 apresenta um exemplo do modelo floco de neve de forma normalizada, onde a dimensão produto possui uma hierarquia definida, a categoria do produto é uma subdivisão de marca e marca é uma subdivisão de produtos. Da mesma forma, a dimensão tempo possui ano que possui uma subdivisão mês e mês é subdividido em dia do mês. Cada um destes relacionamentos muitos-para-1 gera uma nova tabela em um esquema floco de neve. 18

19 Figura 2.2 Exemplo do modelo floco de neve 2.4 Projeto de Data Warehouse Projetar um DW que sirva para dar apoio ao gerenciamento dos negócios, não é fácil, devido ao fato de envolver vários conceitos e tecnologias, que precisam ser integradas para que trabalhem em harmonia. Mesmo com toda a evolução tecnológica, existem muitas limitações que devem ser respeitadas e adequadas, durante a fase da elaboração do projeto (BISPO e CAZARINI, 1998). Não existe uma fórmula para que o DW seja projetado, contudo podem-se encontrar algumas ferramentas que auxiliam desde as etapas de extração e análise de dados até a construção e o gerenciamento do DW (OLIVEIRA, 2002). Um DW não pode ser projetado da mesma forma que são projetados os sistemas transacionais. Deve possuir uma arquitetura que lhe permita coletar, manipular e apresentar os dados de forma eficiente e rápida. Para tal, devem-se aplicar filtros sobre os dados antes de passá-los para o Data Warehouse, a fim de reduzir a redundância sobre estes (INMON, 1998). As principais questões de projeto de DW são granularidade, particionamento e projeto apropriado (INMON, 1998) Granularidade Granularidade diz respeito ao nível de detalhe ou de resumo contido nas unidades de dados existentes em um banco multidimensional; quanto mais detalhe, mais baixo o nível de granularidade. Quanto menos detalhe, mais alto o nível de granularidade (INMON, 1998). 19

20 O ponto principal da definição de um DW é descobrir o equilíbrio entre a necessidade real dos níveis de granularidade do usuário final do projeto e o custo envolvido nesta implantação. Deve-se sempre ter em mente o tempo de vida útil do DW, contra o elevado custo de processamento de grandes quantidades de dados. O custo de armazenamento de dados pode ser praticamente desprezado visto o decréscimo ocorrido nos últimos anos (KIMBALL, 1998). Deve-se sempre escolher os usuários mais experientes para auxiliar na definição do nível de granularidade e utilizar algumas técnicas já conhecidas, como prototipação, reuniões de feedback e analisar os dados disponíveis na empresa, entre outras (KIMBALL, 1998). No projeto de DW, uma atenção especial deve ser dedicada à definição dos níveis de granularidade. Uma definição errada pode ocasionar uma inviabilidade do projeto, devido à elevação extrema dos custos ou simplesmente torná-lo não útil para a empresa (INMON, 1998) Particionamento de Dados O particionamento de dados é importante, uma vez que um dos objetivos de um DW é o acesso flexível aos dados. No entanto, com um volume grande torna-se complicada o seu acesso. Uma solução é particionar os dados, dividindo-os em mais de uma unidade física, proporcionando maior flexibilidade no seu gerenciamento (INMON, 1998). O particionamento dos dados proporciona ao pessoal de operação e ao projetista muito mais flexibilidade no gerenciamento dos dados (INMON, 1998) Projeto Apropriado Muitas vezes é necessária uma completa reavaliação dos sistemas transacionais, para que somente então seja possível construir um projeto de DW (KIMBALL, 1998). De certa forma os projetos de sistemas de apoio à tomada de decisão não fogem ao modo tradicional de se implementar e implantar sistemas de informação. Deve ser feita uma análise do sistema como um todo se utilizando inclusive da 20

21 realização de diversas reuniões com os gerentes, funcionários e outros colaboradores envolvidos no tema. Segundo Kimball (1998), os projetos de DW devem ser inicialmente simples e úteis para que possam atingir seus objetivos de forma rápida e clara. Não é desejável para uma empresa investir uma quantia em dinheiro e tempo de seus funcionários em um projeto que pode levar meses para ser concluído e que durante o processo de implantação possa terminar por gerar controvérsias e até mesmo problemas para os setores. Após a conclusão de um projeto inicial bem implantado, com certeza surgem outros projetos a partir de novas idéias dos próprios usuários, e também dos projetistas, em função da experiência adquirida durante o projeto do sistema inicial. 2.5 Arquitetura O DW pode ter uma estrutura centralizada em um único local ou então ser implementado de forma distribuída. No primeiro modelo, o centralizado, tem-se um DW consolidado, integrado. Definindo o projeto desta forma, pode-se maximizar o poder de processamento e acelerar os processos de busca por informações analíticas. Definindo-se uma arquitetura distribuída, pode-se disseminar a informação por função, separando os dados dos diferentes setores da empresa. (CAMPOS, 1997). Existe ainda uma terceira metodologia, na qual se considera uma arquitetura de DW separada por camadas, armazenando os dados mais resumidos em um servidor dispondo os dados um pouco mais detalhados, em nível de detalhe intermediário, em um segundo servidor, e por fim os dados mais detalhados (atômicos) em um terceiro servidor. O primeiro servidor geralmente atende à maior parte das consultas, sendo que se têm um menor número de pedidos de acesso solicitados para as camadas 2 e 3 (CAMPOS, 1997). O dimensionamento dos servidores é o seguinte: na primeira camada é possível ter uma configuração para suportar um grande número de usuários que realizam diversas consultas, as quais trabalham com um volume relativamente pequeno de dados. Já os servidores das outras duas camadas devem ser configurados para permitir processamento de grandes volumes de dados, porém, não é necessária uma preocupação em configurar o sistema para suportar o acesso 21

22 de um número maior de usuários. Isto é explicado pelo fato de que a maioria dos usuários tem suas perguntas respondidas pelas consultas iniciais da camada 1. Se algum usuário não se satisfizer com o nível de detalhe das respostas da camada 1, pode buscar maiores informações na 2 e até mesmo na 3. Conclui-se então que poucos usuários fazem acessos regulares à última camada, sendo que alguns nunca o farão além do nível inicial (CAMPOS, 1997). 2.6 Data Marts Uma vez que um DW exige grande esforço, custo e tempo de implantação é possível dividí-lo em partes menores, distribuídas por departamentos ou áreas de atuação da empresa. Esta divisão é conhecida como Data Mart (BARBALHO, 2005). Os Data Marts (DMs) são subconjuntos de dados, projetados para dar suporte a negócios de organizações específicas (NIMER, 1998). Algumas organizações são atraídas aos Data Marts não apenas por causa do custo mais baixo e tempo menor de implementação, mas também por causa dos correntes avanços tecnológicos. São eles que fornecem um sistema de apoio à decisão customizado para grupos pequenos de tal modo que um sistema centralizado pode não estar apto a fornecer. Data Marts pode servir como veículo de teste para companhias que desejam explorar os benefícios do DW (SOUZA, 2003b). Os problemas são essencialmente os mesmos para DW e DM, a diferença básica entre os dois se dá apenas com relação ao tamanho e ao escopo do problema abordado. DM aborda problemas departamentais, ou seja, atendem as necessidades de unidades específicas de negócio e o DW envolve toda a empresa, afim de que o suporte às decisões atinja todos os níveis da empresa, com a diferença que o tempo e os investimentos empregados, são muito maiores (JULIO, 2005). 2.7 Data Mining Data Mining ou mineração de dados é o processo de extrair informação válida, previamente desconhecida e de máxima abrangência a partir de grandes bases de dados, usando-as para efetuar decisões cruciais. O Data Mining vai muito além de uma simples consulta a um banco de dados, no sentido que permite aos 22

23 usuários explorar e inferir informação útil a partir dos dados, descobrindo relacionamentos escondidos no banco de dados (KIMBALL, 1998). O acúmulo de dados pelas companhias em seus bancos de dados trouxe como conseqüência, que estes bancos de dados passassem a conter verdadeiros tesouros de informação sobre vários dos procedimentos dessas companhias. Toda esta informação pode ser usada para melhorar seus procedimentos, permitindo que a empresa detecte tendências e características, e reaja rapidamente a um evento que ainda pode estar por vir. No entanto, apesar do enorme valor desses dados, a maioria das organizações é incapaz de aproveitar totalmente o que está armazenado em seus arquivos. Estas preciosas informações estão implicitamente escondidas sob uma montanha de dados, e não pode ser descoberta utilizando-se sistemas de gerenciamento de banco de dados convencionais (GIMENES, 2000). Uma das necessidades das empresas modernas é direcionar os seus negócios para os clientes. Como estas já possuem em seus bancos de dados, históricos contendo as transações de seus clientes, é necessário ter uma ferramenta que estude estes dados a fim de conhecer melhor os clientes e direcionar melhor os negócios para estes. Para isso, foi desenvolvido o Data Mining, através do qual podem ser realizadas análises em grandes volumes de dados armazenados, podendo, por exemplo, descobrir tendências e padrões de consumo (GIMENES, 2000). A promessa do Data Mining é o acesso ao dado bruto, podendo pesquisar e procurar por padrões e/ou tentar descobrir relações entre os dados pesquisados. Pode obter informações, descobrir fatos, usando como matéria prima uma grande base de dados que expresse uma situação ou acontecimento em uma empresa. O DW é uma boa fonte de dados para o Data Mining em função da formatação dos dados, facilitando o processo de extração das informações (SOUZA, 2003). Data Mining pode ser considerado uma fase do processo descoberta de conhecimento em bancos de dados (KDD - Knowledge Discovery in Databases ou Prospecção de Conhecimento em Banco de Dados), área de pesquisa de bastante evidência, envolvendo Inteligência Artificial (IA) e Banco de Dados (KIMBALL, 1998). 23

24 Aplicações de Data Mining Algumas áreas-chave em que se espera que o Data Mining represente um papel importante nos negócios são (MENCONI, 1998): Marketing: algumas empresas gastam milhões de dólares para localizarem os clientes potenciais por meio de campanhas de marketing como anúncios e correspondências enviadas aos clientes. As empresas podem aperfeiçoar suas campanhas de marketing para obterem um maior retorno de investimento, usando o Data Mining para definir entre os seus clientes, quais são os mais prováveis a adquirirem um novo produto ou serviço. Atendimento ao consumidor: freqüentemente o único fator que diferencia os fornecedores é a qualidade no atendimento ao consumidor. Entender melhor as exigências dos clientes e ajudar as empresas a desenvolverem um serviço mais atraente é uma das funções do Data Mining. Descoberta de fraude: as empresas perdem uma parte significante da rentabilidade, através de práticas fraudulentas. As habilidades automatizadas de reconhecimento de padrões e exceções do Data Mining provêem uma alternativa poderosa para a descoberta de fraudes. Se recursos de Data Mining forem usados para se conhecer melhor os hábitos dos clientes atuais, pode-se tornar mais fácil a tarefa de descobrir-se um perfil de potenciais compradores de um novo produto entre os não clientes da empresa (MENCONI, 1998). As informações levantadas com o uso desta ferramenta podem revelar não somente os bons clientes, como também quais consumidores estão propensos a deixar de ser clientes da empresa, isto antes mesmo de o fato acontecer, possibilitando que os contatos necessários possam ser feitos antes da perda dos referidos clientes (FREEDMAN, 1995). Com base nos dados a respeito dos hábitos de consumo dos clientes, seus hobbies e nos dados sobre suas transações comerciais e financeiras, é possível se traçar associações que revelem grandes oportunidades de mercado (MENCONI, 1998). 24

25 Nenhuma técnica de análise pode substituir a experiência e o conhecimento nos negócios e seus mercados, ao contrário, a mineração de dados torna este conhecimento e esta experiência mais importantes que nunca. Através do Data Mining, passa-se a conhecer melhor os negócios e os clientes e melhores estratégias para gerenciá-los podem ser criadas OLAP O termo OLAP (On-Line Analytical Processing) está relacionado com a manipulação multidimensional dos dados. É uma ferramenta utilizada para o acesso, a visualização e a análise interativa dos dados de um Data Warehouse. (CARVALHO, 1997). A ferramenta OLAP apresenta informações para o usuário via um modelo de dados natural e intuitivo, com alta flexibilidade e desempenho. As informações obtidas podem ser mostradas em tabelas 2D e 3D, mapas gráficos, com fácil modificação dos eixos e dimensões, assim os usuários ganham perspicácia nas consultas, análise dos dados e na obtenção de relatórios dinâmicos (FORSMAN, 2000). A possibilidade de visualizar com maior facilidade a grande quantidade de dados históricos, aliada ao ganho de tempo nas consultas e a redundância controlada são algumas das grandes vantagens da ferramenta OLAP. É uma ferramenta dinâmica, mesmo que não seja um programador experiente, o usuário consegue montar um relatório e assim fica independente da equipe de desenvolvimento. E o fato de o usuário final (cliente) interagir diretamente com a ferramenta formulando as consultas e fazendo comparações dos dados, torna a análise mais sofisticada, mais fácil e com menor chance de erros. Além disso, as consultas podem ser feitas baseadas nas prioridades do usuário, no momento em que surge a necessidade (MICROSOFT, 2005). São vários os motivos para se usar as ferramentas OLAP, entre os mais importantes pode-se citar (JULIO, 2005): Prover aos usuários uma melhoria na qualidade de suas previsões, disponibilizando uma série de visões diferenciadas; Prover uma interativa visão sobre uma variedade de informações: o usuário pode interagir com o sistema e avaliar estes dados sobre formas diferenciadas; 25

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

CRM - Customer Relationship Management

CRM - Customer Relationship Management Profª Carla Mota UCB 2014 Unid 2 aula1 CRM - Customer Relationship Management Estratégia de negócio voltada ao entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa.

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas.

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Customer Relationship Management CRM ou Gestão de Relacionamento com o Cliente é uma abordagem que coloca o cliente no centro dos processos do negócio, sendo desenhado

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente O mundo passou por profundas e importantes transformações, sobretudo nos últimos cinco anos, impulsionadas pelo crescimento

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

SAD. Paulo Silva, Rodolfo Ribeiro, Vinicius Tavares

SAD. Paulo Silva, Rodolfo Ribeiro, Vinicius Tavares SAD Paulo Silva, Rodolfo Ribeiro, Vinicius Tavares DataWarehouse Armazena informações relativas a uma organização em BD Facilita tomada de decisões Dados são coletados de OLTP(séries históricas) Dados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais