Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC"

Transcrição

1 Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC

2 Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria: 3,3% Média Comércio: 2,3% Média Serviços: 7,4 % Fonte: Pesquisa: FGV/CIA

3 Gastos e Investimentos em -Pesquisa FGV 2,0% 1,9% 2,3% Comércio 2,1% 1,5% 1,0% 1,7% Varejo (Lojas, Drogarias, Supermercados...) 0,5%

4 Principais Setores do Varejo no Brasil Supermercado Confecção Eletrodoméstico Farmácia Material de Construção Fonte: Pesquisa EAESP-NPP

5 Processos Críticos Atendimento ao cliente Compras e negociação com os fornecedores Logística e distribuição Gerenciamento da demanda e do estoque Formação do quadro de pessoal

6 Evolução da no Varejo Evolução e Novas Demandas Back office Automa. Loja Integra Cliente Integr. Fornec. Back office Back office Automa. Loja Automa. Integra Loja Cliente Variável de Acordo com O Setor Ex: Moda Back office Incorporação de novas

7 Evolução das Funcionalidades Funcionalidades Demandadas N1 N1 N2 N2 N2 N3 N3 N3 N4 N4 N4 N1 Tempo

8 Uso da : Processos Frente Loja Automação Frente Loja Informação Administrativo Decisão Integração SCM Onde Uso Administrativo Operacional Crédito Desenvolvimento de Novos Canais Integração Clientes

9 Uso da : Objetivo Atuar Novos Mercados Automação Frente Loja Controle Criar Novos Produtos e Serviços Economia de custo Eficiência Operacional Flexibilidade Imagem Inovadora Inovação Integração com Cliente Integração com Fornecedor Logística e Distribuição Melhorar Competitividade Melhoria Qualidade Novos Negócios Velocidade

10 Avaliação do Uso da no Principais Setores do Varejo Controle Melhorar Competitividade Economia de custo Logística e Distribuição Integração com Fornecedor Velocidade Eficiência Operacional Automação Frente Loja Melhoria Qualidade Imagem Inovadora Flexibilidade Inovação Atuar Novos Mercados Criar Novos Produtos e Serviços Novos Negócios Integração com Cliente Pesquisa NPP - FGV Item Média 4,1 3,7 3,6 3,6 3,4 3,4 3,4 3,2 3,0 2,6 2,6 2,4 2,3 2,2 2,2 2,0

11 Tecnologias Mais Utilizadas Tecnologia Ponto de Venda para Integração Administrativa EDI pata Integração com Fornecedor Sistemas Integrados Delivery Reposição Continua Extranet Loja Virtual Intranet Gerenciamento de Categoria Data Warehouse ECR E-Procurement CRM Data Mining Média 4,2 3,4 3,3 3,3 3,2 2,6 2,6 2,6 2,4 2,3 2,3 2,3 1,9 1,9 1,9 1,4

12 Investimento Em Empresas que mais investem Varejo Alimentício (Supermercados) Empresas que menos investem Varejo de Moda (Confecção)

13 Características dos Investidores Supermercados: acessível a todas as classes, setor bem estruturado, compras com alta freqüência, grandes redes, margens estreitas, ganho no giro, concentrado, competição em preço, grande número de itens, produtos de consumo, logística como aspecto crítico, entre outras características. Confecção: mercado de moda e sazonal, lojas especializadas, pouco profissionalizado, foco em produto, segmentado, poucas lojas com grandes sortimentos, marcas próprias, participação na definição do produto, entre outras características.

14 Motivadores dos Investimentos Setor de Supermercados Empresas de grande porte Setor mais estruturado Setor concentrado Busca de competitividade em função da concorrência Pequenas margens Um setor mais capitalizado Busca por melhor eficiência (estoque, logística e gestão da demanda)

15 Motivadores dos Investimentos O Varejo de confecção Falta de capital Não tem escala para investir Amadorismo do setor Cultura organizacional Grau de informalidade do setor Falta de padronização e características do produto (confecção)

16 Objetivo de Uso Por Ramo Supermercado Confecção Item Média Item Média Economia de Custo 4,7 Controle 3,3 Controle 4,6 Velocidade 2,9 Melhorar Competitividade 4,5 Automação Frente Loja 2,6 Integração com Fornecedor 4,5 Eficiência Operacional 2,5 Velocidade 4,3 Melhorar Competitividade 2,5 Logística e Distribuição 4,3 Integração com Fornecedor 2,3 Eficiência Operacional 4,2 Flexibilidade 2,2 Automação Frente Loja 3,9 Economia de Custo 2,2 Melhoria Qualidade 3,8 Melhoria Qualidade 2,2 Imagem Inovadora 3,5 Logística e Distribuição 2,2 Inovação 3,2 Inovação 1,9 Flexibilidade 3,0 Criar Novos Produtos e Serviços 1,9 Criar Novos Produtos e Serviços 2,8 Imagem Inovadora 1,9 Novos Negócios 2,7 Novos Negócios 1,6 Integração com Cliente 2,7 Integração com Cliente 1,5 Atuar Novos Mercados 2,7 Atuar Novos Mercados 1,4

17 Tecnologias Utilizadas Por Ramo Supermercado Confecção Tecnologia Média Tecnologia Média Ponto de Venda 4,9 Ponto de Venda 3,6 EDI 4,4 para Integração com Fornecedor 3,0 Sistemas Integrados 4,1 para Integração Administrativa 2,9 para Integração Administrativa 3,9 Sistemas Integrados 2,4 Delivery 3,9 Gerenciamento de Categoria 1,9 para Integração com Fornecedor 3,9 EDI 1,8 Reposição Continua 3,7 Extranet 1,7 Gerenciamento de Categoria 3,5 Loja Virtual 1,6 Loja Virtual 3,4 Reposição Continua 1,6 Extranet 3,3 Delivery 1,6 Intranet 3,2 Intranet 1,5 Data Warehouse 3,1 Data Warehouse 1,3 CRM 2,8 Data Mining 1,1 ECR 2,8 E-Procurement 1,1 E-Procurement 2,7 ECR 1,1 Data Mining 1,9 CRM 1,1

18 Algumas Considerações O Foco dos Investimentos de modo geral ainda é o controle e a eficiência operacional: custo, velocidade e automação. Uso da na relação com o cliente, conhecer melhor o cliente ainda encontra-se em fase inicial no Brasil. Ferramentas e Conceitos como: CRM, Data Warehouse, Data Mining e ECR ainda não são amplamente disseminados no mercado.

19 Algumas Considerações Os investimentos são fortemente influenciados por diversos fatores que vão além da própria tecnologia As características de cada ramo e características organizacionais definem o uso e a intensidade de uso das s Ainda existe muito a ser explorado, principalmente no que se refere ao consumidor

20 Algumas Considerações Critérios de Investimento em Quanto custa o investimento Basicamente análise de custo benefício onde o maior benefício esperado é redução de custo. Algumas empresas investem porque o concorrente investiu As empresas fazem pouco uso de métodos de análise e algumas decisões não são racionais.

21 Fatores Que Afetam o Uso da no Varejo Estimula Fatores Externos Desenvol. de Produto Integração SCM Crédito Frente Loja Automação Integração Com Canais Inibe Frente Loja Informação Desenvol. de Novos Canais Administrativo Decisão Administrativo Operacional Integração Clientes Inibe Estimula Uso da Fatores Internos Grau de Informalidade Nível de Competitividade Tecnologia Disponível Tamanho da Organização A Visão de dos Decisores Legislação Poder dos Fornecedores Variáveis Econômicas Poder dos Clientes O Produto Uso de Pelos Concorrentes Custo das Soluções Qualificação da Mão de Obra Visão de Negócio Origem dos Ganhos A Visão de Benefícios da Nível de Maturidade de O Posicionamento Da

22 Obrigado

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES

ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES VAREJISTAS E CLIENTES PESQUISA DE MERCADO - MÉTODO E AMOSTRA 2012 350 entrevistas com gerentes e proprietários de óticas 2014 541 entrevistas com gerentes

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE

SOLUÇÕES DE SOFTWARE SOLUÇÕES DE SOFTWARE Millennium Basic O Millennium Basic é a solução de baixo custo para atender as pequenas empresas do segmento de vestuário, acessórios, calçados e presentes. Com o melhor custo total

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Associação Brasileira de Automação GS1 Brasil

Associação Brasileira de Automação GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação GS1 Brasil Estudo o uso do código de barras no Brasil 30 de junho de 2015 Consumidor e o Código de Barras 2 Consumidor e o Código de Barras - Perfil 45% - HOMENS 55%

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Business Intelligence na área de Compras

Business Intelligence na área de Compras Business Intelligence na área de Compras - Caso de Sucesso DeciLogic - 2007 Agenda Introdução - Business Intelligence Eric Sarzana - Diretor - DeciLogic O projeto de BI da Telhanorte Marcelo Dalbone -

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL O SIAC é a solução integrada de automação comercial da Itautec para frente de loja. Um sistema que integra toda a área de vendas, fazendo com que a loja trabalhe

Leia mais

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma 1 Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de negócios: de recursos

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS. Luis Nassif

A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS. Luis Nassif A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS Luis Nassif Potência Descoberta do país Desenvolvimento Potência Exporta matéria prima Descoberta do país Desenvolvimento Potência Importa produtos Descoberta do

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

A VIRADA NOS RESULTADOS DE SUA EMPRESA. Saiba o que você deve fazer!

A VIRADA NOS RESULTADOS DE SUA EMPRESA. Saiba o que você deve fazer! A VIRADA NOS RESULTADOS DE SUA EMPRESA. Saiba o que você deve fazer! Turnaround ; É muito mais que um método de gestão indicado para empresas em reestruturação; É um estilo de LIDERANÇA capaz de salvar

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 16/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

www.nsclogistica.com.br

www.nsclogistica.com.br www.nsclogistica.com.br A Missão, Visão Valores Infra-Estrutura Nossa Frota Soluções Gris A A NSC logística atua no segmento de logística de telecomunicações desde 1988, estrategicamente situada as margens

Leia mais

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil Melhores Práticas do Varejo em Precificação e Promoção José Roberto Resende Shopping Brasil Julho - 2008 Estratégia de Crediário Participação dos anúncios por prazo de pagamento 100% * Todas as categorias

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistemas de informação Gerencial

Sistemas de informação Gerencial + Sistemas de informação Gerencial Referência: LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de información gerencial. 12. ed. México: Pearson Educación, 2012. + Componentes de um sistema de informações n (LAUDON;LAUDON,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA Palestra Teletrabalho Modelo de Trabalho Home Office Modernização da área de Vendas EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA 1º Movimento 1999/2000 2º Movimento 2001/2002 3º Movimento 2005-2007

Leia mais

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções , diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções A UniSolution atua na área de consultoria e desenvolvimento de sistemas desde 1995, atendendo clientes do segmento industria, comércio e prestadores

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Girafa: SAP Business One leva agilidade ao e-commerce

Girafa: SAP Business One leva agilidade ao e-commerce Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Girafa: SAP Business One leva agilidade ao e-commerce Geral Executiva Nome da Girafa Comércio Eletrônico Indústria Comércio Eletrônico

Leia mais

POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS?

POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS? POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS? SAMUEL GONSALES Analista de Sistemas MBA em Gestão de Negócios PÓS em Sistemas Integrados de Gestão. Gerente de Produtos e-commerce responsável

Leia mais

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985 O cenário inicial: Após 10 anos de sucesso e contínuo crescimento, o Grupo Vital composto das duas unidades de negócio EPIs e AUTOMAÇÃO decidiu estrategicamente trabalhar o Marketing no segmento Automação

Leia mais

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas Este artigo foi publicado originalmente em abril de 2009 por Daniela Ramos Teixeira no portal Meta Análise. Este é o 1º dos artigos da série que Daniela

Leia mais

Varejo de Moda : Estratégia e Diferenciação

Varejo de Moda : Estratégia e Diferenciação Seminário GVcev Varejo de Moda : Estratégia e Diferenciação ASSORTMENT E RANGE PLANNING GESTÃO DE INTELIGÊNCIA E VAREJO Sílvio Cavalcante Introdução AGENDA Visão geral de planejamento de mercadoria Componentes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE - BI

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE - BI ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE - BI APRESENTAÇÃO APLICAÇÃO NO VAREJO SUPERMERCADO Desempenho e Serviço Aparência

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Sobre os autores. Apresentação

Sobre os autores. Apresentação Sobre os autores Apresentação 1 Gestão de marketing, 1 1.1 Estratégia e as forças competitivas, 2 1.1.1 Primeira força: ameaça de entrada de novos concorrentes, 3 1.1.2 Segunda força: pressão dos produtos

Leia mais

Trade Marketing Estratégico ou Tático. Tania Zahar Miné

Trade Marketing Estratégico ou Tático. Tania Zahar Miné Trade Marketing Estratégico ou Tático Tania Zahar Miné Agenda Mercado - Farmácias Trade Marketing Consumidor e shopper Desafios e oportunidades Farma Mercado Farmácias Números do setor Canal em crescimento

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas Painel Organizações e Inteligência competitiva: a ampliação de oportunidades no cenário global Tema "Inteligência competitiva: sua contribuição para a prospecção

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo

Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo Qual o maior desejo do Varejo? VENDER MAIS!!!! A história explica... Meados do séc. XIX 1890-1950 Porta a Porta Armazéns Gerais - Pouco

Leia mais

Alta Tecnologia em. Injeção de Termoplásticos

Alta Tecnologia em. Injeção de Termoplásticos Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos História A Jaguar Embalagens é uma unidade de negócios da Jaguar Plásticos, empresa que tem uma história de inovação que prospera há mais de 30 anos. Iniciou

Leia mais

Farmácias Estratégia e Diferenciação

Farmácias Estratégia e Diferenciação Seminário GVcev Farmácias Estratégia e Diferenciação Varejo multicanal Alternativa de negócio? Lismeri Avila Pesquisa e-commerce Pesquisa feita pelo Provar em 2006 40% dos consumidores pretendem comprar

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor Aula 3 Consolidação do profissional como consultor Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Capítulo 2 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - UNIVERSITAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - UNIVERSITAS Curso de Administração Autorizado pela Portaria nº 2573, de 04 de dezembro de 2001. FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - UNIVERSITAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO PLANO SEMESTRAL DE ENSINO - 2009 Disciplina: Adm. de Sist.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac.

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. 1 APRESENTAÇÃO Com a aproximação do Dia dos Pais, a Fecomércio/Ac,

Leia mais

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos História A Jaguar Embalagens é uma unidade de negócios da Jaguar Plásticos, empresa que tem uma história de inovação que se prospera há mais de 36 anos. Iniciou

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING

CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING EMENTA (2012) Disciplina: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Aspectos introdutórios. Os processos decisórios do consumidor. Diferenças individuais. Processos psicológicos. Influências

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR

EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR O ECR surge em período turbulento e de grandes transformações no quadro socioeconômico mundial. Ele busca coordenar a troca de informações entre indústria e varejo, permitindo

Leia mais

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Supply Chain Management MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Abrange o planejamento e gerenciamento de todas as atividades envolvidas no sourcing &

Leia mais