Ciclo do Projeto MDL Validação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo do Projeto MDL Validação"

Transcrição

1 Brasil e o MDL

2 MDL Baseado na proposta brasileira de 1997 de estabelecimento de um Fundo de Desenvolvimento Limpo, adotada pelo G77 e China e, modificada como mecanismo, adotada em Quioto Brasil foi o primeiro país a estabelecer uma Autoridade Nacional Designada (AND) Uma metodologia de projeto brasileira foi uma das primeiras aprovadas pelo Conselho Executivo do MDL (Aterros Sanitários Salvador da Bahia) Um projeto brasileiro foi o primeiro projeto registrado como MDL (Nova Gerar)

3 Ciclo do Projeto MDL Validação Documento de Concepção do Projeto uso de metodologia aprovada de linha de base e de plano de monitoramento aprovação de nova metodologia pelo Conselho Executivo Validação conformidade com a regulação Aprovado pela Autoridade Nacional Designada participação voluntária contribuição ao desenvolvimento sustentável Submissão ao Conselho Executivo para Registro verifica PDD e relatório de validação verifica adicionalidade

4 Ciclo do Projeto MDL Verificação Periodicamente Monitorar Verificar/Certificar Emissão de unidades para os registros de acordo com o Acordo do Projeto

5 Quadro Institucional Nacional Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima designada como AND Composta de representantes de 11 Ministérios Presidente Ministro de Ciência e Tecnologia Secretário Executivo MCT Vice-presidente Ministra de Meio Ambiente MMA Comissão se reúne a cada 2 meses Decreto Presidencial Julho de 1999

6 Representantes na Comissão Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério de Transporte; Ministério de Minas e Energia; Ministério do Meio Ambiente; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Ministério das Cidades; Ministério de Relações Exteriores; Ministério de Ciência e Tecnologia; Ministério de Planejamento, Orçamento e Administração; Ministério da Fazenda Casa Civil da Presidência da República;

7 Atribuições emitir parecer, sempre que demandado, sobre propostas de políticas setoriais, instrumentos legais e normas que contenham componente relevante para a mitigação da mudança global do clima e para adaptação do País aos seus impactos; fornecer subsídios às posições do Governo nas negociações da Convenção sobre Mudança do Clima e instrumentos subsidiários de que o Brasil seja parte; realizar articulação com entidades representativas da sociedade civil, no sentido de promover as ações dos órgãos governamentais e privados, em cumprimento aos compromissos assumidos pelo Brasil perante a Convenção sobre Mudança do Clima e instrumentos subsidiários de que o Brasil seja parte;

8 Atribuições definir critérios de elegibilidade adicionais àqueles considerados pelos Organismos da Convenção, encarregados do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), previsto no Artigo 12 do protocolo de Quioto da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, conforme estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável; apreciar pareceres sobre projetos que resultem em redução de emissões e que sejam considerados elegíveis para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), a que se refere o inciso anterior, e aprová-los, se for o caso;

9 Resolução nº 1 de 11 de setembro de 2003 Procedimentos para submissão e aprovação de projetos Descrição de como o projeto assiste o Brasil na obtenção do desenvolvimento sustentável (Anexo III): Contribuição para a sustentabilidade ambiental local; Contribuição para o desenvolvimento de condições de trabalho e criação de empregos; Contribuição à distribuição de renda; Contribuição para a capacitação e o desenvolvimento tecnológico; Contribuição para a integração regional e para as relações setoriais. Convite obrigatório aos seguintes stakeholders : Prefeitura, Câmara de Vereadores, Governo Estadual e Assembléia; Órgãos Ambientais Federal, Estadual e Municipal; Fórum Brasileiro de ONG s e Movimentos Sociais; Associações Comunitárias e Entidades Nacionais; Ministério Público Estadual e Federal; Prazo de aprovação: 60 dias depois da 1ª reunião da Comissão após à submissão da documentação

10 Resolução n º 2 de 10 de agosto de 2005 Procedimentos para projetos florestamento & reflorestamento Incorporação da Decisão 19/CP.9 e 14/CP.10 e do DCP (PDD) do CE/MDL no marco legal brasileiro Definição de florestas para as condições brasileiras Cobertura mínima de copa de árvores (30%), Área mínima (1 ha), e Altura mínima de árvore (5 m)

11 Resolução nº 3 (24 março 2006) Comunidade de baixa renda (projetos de pequena escala florestamento e reflorestamento): membros envolvidos com renda mensal per capita de até meio salário mínimo. Resolução nº 4 (6 dezembro 2006) Em caso de ilegalidade ou atos contrários, a Comissão pode anular ou revogar a carta. Resolução nº 5 (11 abril 2007) Novas definições para projetos de pequena escala e prazos para entrega de documentação. Resolução nº 6 (6 de junho 2007) Incorpora a versão nº 3 do DCP. Resolução nº 7 (5 março 2008) Dá providências em relação aos convites de comentários dos stakeholders.

12 Total de Atividades de Projeto do MDL no Mundo 3297 Malásia 3% México 5% Brasil 9% Índia 28% China 34% China Índia Brasil México Malásia Indonésia Filipinas Chile Coréia do Sul Tailândia Israel Colômbia Peru Honduras Argentina África do Sul Equador Guatemala Sri Lanka Vietnam Panamá Paquistão Costa Rica Egito Armênia Uzbequistão Moldávia El Salvador Bolívia Quênia Marrocos Emirados Árabes Chipre Mongólia Bangladesh Cuba Nicarágua Uruguai Rep. Dominicana Nepal Camboja Butão Uganda Paraguai Azerbaijão Tunísia Tanzania Nigéria Georgia Jamaica Costa do Marfim Congo Jordânia Tadjiquistão Senegal Mali Quirguistão Qatar P. N. Guiné Malta Laos Guiné Equatorial Guiana Moçambique Fiji Cingapura Maurício 5/5/08

13 Nº de Atividades de Projeto do MDL 284 China Índia Brasil México Malásia Indonésia Filipinas Chile Coréia do Sul Tailândia Israel Colômbia Peru Honduras África do Sul Argentina Equador Sri Lanka Vietnam Guatemala Panamá Paquistão Costa Rica Egito Armênia Uzbequistão Moldávia El Salvador Bolívia Quênia Marrocos Emirados Árabes Chipre Mongólia Bangladesh Cuba Nicarágua Uruguai Rep. Dominicana Nepal Camboja Butão Uganda Paraguai Azerbaijão Tunísia Tanzania Nigéria Georgia Jamaica Costa do Marfim Congo Jordânia Tadjiquistão Senegal Mali Quirguistão Qatar P. N. Guiné Malta Laos Guiné Equatorial Guiana Moçambique Fiji Cingapura Maurício

14 Reduções de Emissões para o Primeiro Período de Obtenção de Crédito (4.371 milhões t CO2eq) Coréia do Sul 3% México 3% China 46% Brasil 6% Índia 24% China Índia Brasil México Coréia do Sul Malásia Indonésia Chile Argentina Nigéria Colômbia África do Sul Butão Tailândia Israel Peru Filipinas Guiné Equatorial Paquistão Vietnam Egito Chipre Guatemala Qatar Congo Azerbaijão Tanzania Costa do Marfim Tunísia Cuba Moldávia Bolívia Sri Lanka Honduras Equador Panamá Costa Rica Nicarágua Rep. Dominicana Jordânia Quênia Marrocos El Salvador Georgia Emirados Árabes Nepal Armênia Jamaica P. N. Guiné Bangladesh Maurício Uruguai Mongólia Senegal Mali Camboja Uganda Paraguai Quirguistão Tadjiquistão Uzbequistão Guiana Moçambique Malta Fiji Cingapura Laos 5/5/08

15 t CO2e Reduções de Emissões de CO2e (1º período de obtenção de crédito) China Índia Brasil México Coréia do Sul Malásia Indonésia Chile Argentina Nigéria Colômbia África do Sul Butão Tailândia Israel Peru Filipinas Guiné Equatorial Paquistão Vietnam Egito Chipre Guatemala Qatar Congo Azerbaijão Tanzania Costa do Marfim Tunísia Cuba Moldávia Bolívia Sri Lanka Honduras Equador Panamá Costa Rica Nicarágua Rep. Dominicana Jordânia Quênia Marrocos El Salvador Georgia Emirados Árabes Nepal Armênia Jamaica P. N. Guiné Bangladesh Maurício Uruguai Mongólia Senegal Mali Camboja Uganda Paraguai Quirguistão Tadjiquistão Uzbequistão Guiana Moçambique Malta Fiji Cingapura Laos

16 Coréia do Sul 3% Reduções de Emissões do Começo do Período de Obtenção de Crédito a 31 de Dezembro de 2012 (3.318 milhões t CO2eq) México 3% Brasil 7% Índia 31% China 41% China Índia Brasil Coréia do Sul México Malásia Chile Indonésia Argentina Guiné Equatorial Colômbia África do Sul Nigéria Tailândia Butão Peru Paquistão Filipinas Egito Chipre Vietnam Israel Guatemala Qatar Costa do Marfim Uzbequistão Cuba Equador Tanzania Panamá Bolívia Honduras Tunísia Nicarágua Sri Lanka Azerbaijão El Salvador Costa Rica Moldávia Congo Armênia Marrocos Nepal Bangladesh Rep. Dominicana Quênia P. N. Guiné Georgia Jordânia Maurício Uruguai Jamaica U A Emirates Mongólia Uganda Senegal Camboja Quirguistão Tadjiquistão Mali Moçambique Guiana Fiji Paraguai Malta Cingapura Laos 5/5/08

17 CO2e Redução de Emissiões do Início da Obtenção de Créditos a 31 de Dezembro de China Índia Brasil Coréia do Sul México Malásia Chile Indonésia Argentina Guiné Colômbia África do Sul Nigéria Tailândia Butão Peru Paquistão Filipinas Egito Chipre Vietnam Israel Guatemala Qatar Costa do Uzbequistão Cuba Equador Tanzania Panamá Bolívia Honduras Tunísia Nicarágua Sri Lanka Azerbaijão El Salvador Costa Rica Moldávia Congo Armênia Marrocos Nepal Bangladesh Rep. Quênia P. N. Guiné Georgia Jordânia Maurício Uruguai Jamaica U A Emirates Mongólia Uganda Senegal Camboja Quirguistão Tadjiquistão Mali Moçambique Guiana Fiji Paraguai Malta Cingapura Laos

18 Reduções de Emissões Anuais (540 milhões t CO2eq) México Coréia 3% do Sul 4% Brasil 7% Índia 20% China 50% China Índia Brasil Coréia do Sul México Malásia Indonésia Chile África do Sul Argentina Colômbia Tailândia Nigéria Butão Peru Paquistão Israel Filipinas Egito Chipre Guiné Equatorial Vietnam Guatemala Qatar Costa do Marfim Equador Azerbaijão Cuba Tunísia Bolívia Panamá Honduras Sri Lanka Congo Nicarágua El Salvador Rep. Dominicana Quênia Costa Rica Moldávia Tanzania Armênia Georgia Jordânia Marrocos Bangladesh Nepal Emirados Árabes Maurício Jamaica P. N. Guiné Uruguai Mongólia Mali Senegal Camboja Uganda Paraguai Quirguistão Uzbequistão Tadjiquistão Guiana Moçambique Fiji Malta Cingapura Laos 5/5/08

19 t CO2e Reduções de Emissões Anuais (CO2e) China Índia Brasil Coréia do Sul México Malásia Indonésia Chile África do Sul Argentina Colômbia Tailândia Nigéria Butão Peru Paquistão Israel Filipinas Egito Chipre Guiné Equatorial Vietnam Guatemala Qatar Costa do Marfim Equador Azerbaijão Cuba Tunísia Bolívia Panamá Honduras Sri Lanka Congo Nicarágua El Salvador Rep. Dominicana Quênia Costa Rica Moldávia Tanzania Armênia Georgia Jordânia Marrocos Bangladesh Nepal Emirados Árabes Maurício Jamaica P. N. Guiné Uruguai Mongólia Mali Senegal Camboja Uganda Paraguai Quirguistão Uzbequistão Tadjiquistão Guiana Moçambique Fiji Malta Cingapura Laos

20 Atividades de Projeto do MDL no Brasil fev/04 mar/04 abr/04 mai/04 jun/04 jul/04 ago/04 set/04 out/04 nov/04 dez/04 jan/05 fev/05 mar/05 abr/05 mai/05 jun/05 jul/05 ago/05 set/05 out/05 nov/05 dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mês Validação Registro nº de projetos

21 Número de projetos Posição do país em número de projetos Total de CO2eq a ser reduzido Posição do país em ém total de CO2eq a ser reduzido Gases Setores EOD / EC* Projetos MDL no Brasil anual Resíduos 284 3º no mundo 1º período de crédito inicío do projeto até 31/12/2012 anual 1º período de crédito CO2 CH4 N2O PFC Energia renovável Aterro Sanitário Suinocultura Eficiência energética Processos industriais Redução de N2O Troca de combustível fóssil Emissões fugitivas DNV TUV SUD SGS TUV NORD BVQI AENOR º no mundo 3º no mundo

22 Metodologias Projetos MDL no Brasil ACM ACM ACM ACM ACM ACM0002 / ACM ACM ACM ACM ACM AM AM Larga Escala AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM AM I.A 1 I.C 24 I.D 38 I.B 1 Pequena Escala I.D / III.E 14 II.D III.B 8 III.D 23 II.E 8 III.E 4 II.F 1

23 Escopo Setorial dos Projetos Brasileiros Projetos em Validação/Aprovação Número de projetos Redução anual de emissão Redução de emissão no 1º período de obtenção de crédito Número de projetos Redução anual de emissão Redução de emissão no 1º período de obtenção de crédito Energia renovável % 41% 38% Suinocultura % 6% 8% Aterro Sanitário % 24% 23% Processos industriais % 1% 1% Eficiência Energética % 2% 2% Resíduos % 2% 3% Redução de N2O % 17% 16% Troca de combustível fóssil % 8% 9% Emissões fugitivas % 0% 0% Total % 100% 100%

24 Número de Projetos Brasileiros por Escopo Setorial Energia renovável 47% Energia renovável Suinocultura Troca de combustível fóssil Aterro Sanitário Eficiência energética Resíduos Troca de combustível fóssil 14% Suinocultura 17% Processos industriais Redução de N2O Emissões fugitivas

25 Redução de Emissões durante o 1º Período de Obtenção de Créditos por Escopo Setorial no Brasil Troca de combustível fóssil 9% Redução de N2O 16% Aterro sanitário 23% Energia renovável 38% Energia renovável Aterro sanitário Redução de N2O Troca de combustível fóssil Suinocultura Resíduos Eficiência energética Processos industrais Emissões fugitivas

26 Capacidade instalada (MW) das atividades de projeto aprovadas na CIMGC Total: 2900MW PROINFA: 415MW Hidrelétrica Bagaço PCH PCH 20% Hidrelétrica 35% Eólica Outras biomassas Biogás Bagaço 33%

27 Capacidade instalada (MW) das atividades de projeto aprovadas na CIMGC Total: 2900MW ,1 771,2 509,5 6,6 109,67 178,5 62, ,32 12,3 Hidrelétrica Bagaço PCH Eólica Outras Biogás biomassas Proinfa Capacidade instalada (MW)

28 MS 5% GO 5% Número de atividades de projeto do MDL no Brasil por estado PR 7% SC 8% MT 9% SP 22% RS 10% MG 13% SP MG RS MT SC PR GO MS RJ BA ES CE PE PA PB AL RO AM RN SE

29 Número de atividades de projeto do MDL por região Nordeste 10% Norte 3% Centro-Oeste 18% Sudeste 47% Sul 22%

30 Número de atividades de projeto do MDL no Brasil por países partes 169 Unilateral Reino Unido Holanda Japão Alemanha Espanha França Suécia Canadá Suiça

31 Número de Atividades de Projeto do MDL no Brasil por Países Partes Holanda 10% Reino Unido 19% UNILATERAL 56% Unilateral Reino Unido Holanda Japão Alemanha Espanha França Suécia Canadá Suiça

32 Status atual dos projetos (AND brasileira) Aprovados 180 Aprovados com ressalvas 9 Em revisão 12 Novos projetos submetidos 2 Total DNA 202 A ser submetido 84 Total 286

33 Status atual dos projetos brasileiros (Conselho Executivo) Registrados 132 Requerendo Registro 15 Total 147 Outros já aprovados (AND) 42 Ainda em validação/aprovação 97 Total 286

34 No. de Projetos Registrados Índia China Brasil México Malásia Chile Coréia do Filipinas Honduras África do Indonésia Argentina Chipre Colômbia Equador Peru Tailândia Guatemala Sri Lanka Panamá Costa Rica El Salvador Tunísia Marrocos Nicarágua Mongólia Moldávia Egito Uruguai Chipre Bangladesh Israel Bolívia Armênia Vietnam Uganda Tanzania Qatar Paquistão P. N. Guiné Nigéria Laos Jamaica Georgia Fiji Dominican Cuba Camboja Butão 5/5/08

35 Malásia 3% México 10% No. de Projetos Registrados no Conselho Executivo do MDL Brasil 13% 1039 China 20% Índia 32% Índia China Brasil México Malásia Chile Coréia do Sul Filipinas Honduras África do Sul Indonésia Argentina Chipre Colômbia Equador Peru Tailândia Guatemala Sri Lanka Panamá Costa Rica El Salvador Tunísia Marrocos Nicarágua Mongólia Moldávia Egito Uruguai Chipre Bangladesh Israel Bolívia Armênia Vietnam Uganda Tanzania Qatar Paquistão P. N. Guiné Nigéria Laos Jamaica Georgia Fiji Dominican Rep. Cuba Camboja Butão

36 Coréia do Sul 8% Emissões a serem Reduzidas durante o 1º Período de Obtenção de Créditos dos Projetos Registrados (1.769 milhões de t CO2 eq) México 5% Brasil; % Índia 22% China 43% China Índia Brasil Coréia do Sul México Argentina Chile África do Sul Malásia Indonésia Nigéria Egito Colômbia Qatar Israel Paquistão Vietnam Tunísia Peru Tailândia Guatemala Filipinas Nicarágua Equador El Salvador Costa Rica P. N. Guiné Cuba Marrocos Honduras Uruguai Bangladesh Armênia Bolívia Sri Lanka Rep. Dominicana Tanzania Panamá Georgia Uganda Mongólia Jamaica Chipre Moldávia Nepal Camboja Fiji L

37 Vietnam Brasil; 3% ; 14% Coréia do Sul 18% Unidades Emitidas (RCEs) t CO2eq Índia 30% China 27% Índia China Coréia do Sul Brasil Vietnam México Chile Egito Malásia Argentina Equador Nicarágua Guatemala Colômbia Sri Lanka Jamaica Peru El Salvador Hoduras P. N. Guiné Filipinas Marrocos Fiji Butão

38 Número de Projetos com RCEs Emitidas 325 Índia Brasil China México Equador Chile Malásia Honduras Argentina Coréia do Sul Colômbia Guatemala Sri Lanka Nicarágua Peru Vietnam P. N. Guiné Jamaica Filipinas El Salvador Marrocos Egito Fiji Butão

39

40

41 Demanda por RCEs A maior parte dos países da Europa Ocidental aumentaram suas emissões acima das metas de Quioto Exceções: Alemanha e Reino Unido A maior parte dos países da Europa Oriental têm metas em Quioto maiores que as emissões atuais ( hot air ) Exceção: Eslovênia Difícil politicamente usar hot air Preferência para projetos de Implementação Conjunta Emissões podem aumentar até 2012 se medidas adicionais não são estabelecidas

42 Diferença entre as emissões em 2003 e as metas do Protocolo de Quioto em 2012 ( t CO2 eq) Incluindo Estados Unidos da América ( t CO2 eq) Federação Russa Ucrânia Suécia França Hungria Latvia Eslováquia Estônia Lituânia República Checa Belarus Reino Unido Bulgária Romênia P olônia Canadá Japão Itália Espanha Austrália Turquia Alemanha Áustria Dinamarca Finlândia Holanda Nova Zelândia Bélgica P ortugal 7424 Irlanda 5788 Noruega 4083 Suíça 4000 Luxemburgo 2298 Eslovênia 977 Liechtenstein 52 Mônaco 13 Islândia -228 Croácia -376 Grécia -673 Estados Unidos da América

43 Diferença entre as emissões em 2004 e as metas do Protocolo de Quioto em 2012 ( t CO2 eq) Incluindo Estados Unidos da América ( t CO2 eq) Fedração Russa Ucrânia Islândia -9 Croácia -136 Grécia -324 França Suécia Latvia Hungria Eslováquia Estônia Lithuania República Checa Belarus Bulgária Reino Unido Romênia P olônia Canadá Japão Itália Espanha Turquia Austrália Alemanha Áustria Holanda Dinamarca Nova Zelândia Bélgica Finlândia 9896 P ortugal 8402 Irlanda 6086 Noruega 4643 Suíça 4507 Luxemburgo 3654 Eslovênia 1294 Liechtenstein 58 Mônaco 6 Estados Unidos da América

44 Diferença entre as emissões em 2005 e as metas do Protocolo de Quioto em 2012 ( t CO2 eq) Incluindo Estados Unidos da América ( t CO2 eq) Ucrânia Federação Russa França Suécia Latvia Hungria Estônia Eslováquia Lituânia República Checa Belarus Bulgária Reino Unido Romênia P olônia Canadá Japão Espanha Itália Turquia Austrália Alemanha Áustria Nova Zelândia Holanda Dinamarca 9452 P ortugal 9282 Bélgica 8476 Irlanda 7372 Suíça 5107 Noruega 3904 Luxemburgo 3603 Eslovênia 1702 Liechtenstein 59 Is lâ ndia 18 Mônaco 6 Croácia -136 Grécia -324 Finlândia Estados Unidos da América

45 Percentual das Emissões de 2003 em relação as metas do Protocolo de Quioto Grécia -0,49% França -1,09% Croácia -1,27% Islândia -6,19% Suécia -7,04% Reino Unido -10,32% Hungria -11,72% República Checa -18,24% Eslováquia -22,92% P olônia -27,86% Federação Russa -32,38% Romênia -39,01% Belarus -40,42% Estônia -45,46% Bulgária -53,13% Ucrânia -54,97% Latvia -55,99% Lituânia -62,08% Dinamarca 34,81% Canadá 34,55% Turquia 31,56% Áustria 31,26% Luxemburgo 25,16% Liechtenstein 24,76% Espanha 22,51% Nova Zelândia 22,14% Itália 21,17% Filândia 20,65% Estados Unidos da América 19,58% Austrália 15,16% Mônaco 12,76% Japão 12,25% P ortugal 9,74% Irlanda 9,25% Bélgica 8,98% Suíça 8,24% Noruega 8,13% Holanda 7,06% Alemanha 5,37% Eslovênia 5,23%

46 Percentual das Emissões de 2004 em relação as metas do Protocolo de Quioto Grécia -0,23% Islândia -0,25% Croácia -0,46% França -1,11% Suécia -8,63% Reino Unido -10,87% Hungria -17,12% República Checa -18,49% P olônia -25,22% Eslováquia -26,69% Federação Russa -30,22% Romênia -34,32% Belarus -36,58% Estônia -45,28% Lituânia -52,11% Bulgária -52,19% Ucrânia -55,25% Latvia -55,95% Luxemburgo 40,01% Turquia 37,33% Canadá 33,41% Áustria 29,37% Espanha 27,63% Liechtenstein 27,60% Dinamarca 24,49% Estados Unidos da América 23,66% Nova Zelândia 21,35% Itália 21,26% Aus trália 15,91% Finlândia 13,94% Japão 12,14% P ortugal 11,02% Irlanda 9,73% Suíça 9,29% Noruega 9,24% Bélgica 9,07% Holanda 8,43% Eslovênia 6,92% Mônaco 5,65% Alemanha 5,43%

47 Percentual das Emissões de 2005 em relação as metas do Protocolo de Quioto Finlândia -0,23% Croácia -0,46% França -1,57% Grécia -2,48% P olônia -11,28% Suécia -12,22% Hungria -16,03% República Checa -19,33% Romênia -24,79% Eslováquia -27,79% Federação Rus s a -28,67% Belarus -35,49% Reino Unido -36,95% Estônia -46,60% Lituânia -50,06% Bulgária -51,57% Ucrânia -54,65% Latvia -55,28% Luxemburgo 39,45% Turquia 37,33% Canadá 33,33% Áustria 32,36% Espanha 32,25% Liechtens tein 28,07% Nova Zelândia 24,65% Es tados Unidos da América 24,55% Itália 21,62% P ortugal 16,87% Aus trália 16,31% J apão 12,38% Dinamarca 12,17% Irlanda 11,78% Suíça 10,52% Eslovênia 9,11% Noruega 7,77% Bélgica 6,26% Mônaco 5,65% Holanda 5,29% Alemanha 3,01% Islândia 0,48%

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008 Brasil e o MDL Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo Britcham São Paulo 30 de setembro de 2008 Gustavo Mozzer Ministério da Ciência e Tecnologia Assessor Técnico da Secretária Executiva da Comissão

Leia mais

Emissões de CO 2 na geração de energia

Emissões de CO 2 na geração de energia Emissões de CO 2 na geração de energia São Paulo, 03 de junho de 2008 Danielle Magalhães Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação-Geral de Mudança Global de Clima Compromissos dos Países na Convenção-Quadro

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Status atual das atividades de projeto no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Última versão: 24 de julho de 2007

Status atual das atividades de projeto no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Última versão: 24 de julho de 2007 Status atual das atividades de projeto no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no e no mundo Última versão: 24 de julho de 2007 O Protocolo de Quioto consiste na possibilidade de utilização

Leia mais

Brasil e o MDL. MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos. Brasília, 13 de agosto de 2008

Brasil e o MDL. MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos. Brasília, 13 de agosto de 2008 Brasil e o MDL MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos Brasília, 13 de agosto de 2008 Bruno Kerlakian Sabbag, Advogado Ministério da Ciência e Tecnologia Compromissos dos Países na Convenção-Quadro

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO 2014 Resultados RESULTADOS DE LA da ENCUESTA Pesquisa GLOBAL Global SOBRE de ALIMENTO Alimentação BALANCEADO da DE Alltech ALLTECH 2014 2014 RESUMO No final de

Leia mais

Normas jurídicas federais diretamente relacionadas à implementação do MDL

Normas jurídicas federais diretamente relacionadas à implementação do MDL Trâmite e institucionalidade Curitiba 18 e 19 de fevereiro de 2009 Normas jurídicas federais diretamente relacionadas à implementação do MDL Quadro Institucional Nacional Comissão Interministerial de Mudança

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Anexo estatístico do desenvolvimento humano

Anexo estatístico do desenvolvimento humano Anexo Estatístico Anexo estatístico do desenvolvimento humano Guia do leitor 129 Legenda dos países e classificações do IDH, 2011 132 Tabelas estatísticas 133 Notas técnicas Cálculo dos índices de desenvolvimento

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009 Embargado para 24 de Março de 2009 Público AMNISTIA INTERNACIONAL LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) 24 de Março de 2009 ACT 50/002/2009 SECRETARIADO INTERNACIONAL,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade 19.01.2015 Objetivo O objetivo do escopo geográfico da Fairtrade International é determinar em quais países as

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço.

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço. UNIÃO INTERPARLAMENTAR A União Interparlamentar foi criada em 1894 mas as suas origens remontam a 1889, quando, por iniciativa do Reino Unido e da França, se celebrou a primeira Conferência Interparlamentar

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

Principais Descobertas e Recomendações

Principais Descobertas e Recomendações Principais Descobertas e Recomendações A Pesquisa do Orçamento Aberto 2008, uma avaliação compreensiva da transparência orçamentária em 85 países, revela que o estado da transparência orçamentária ao redor

Leia mais

Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol)

Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol) Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol) 1. Fluxo do debate 1.1. No debate formal, o tempo limite para discurso será de 2 (dois) minutos. 1.2. Nos

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas Administração Pública e Saúde Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Ministério dos Negócios Estrangeiros Os casos de estudo Consulado Virtual e Sistema de Localização de Portugueses como

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

"# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -..

# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -.. ! "# $%%& ' ( $) $%%& * +!, -.. Emissões de CO 2-1994 Queima de Combustíveis Indústria 7% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações

Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações Edital n. 07/2016 SRI Para concessão de apoio à participação de Docentes da UFRN em atividades docentes no exterior A Secretaria de Relações Internacionais e Interinstitucionais da Universidade Federal

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL

REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL Oi Móvel S/A, com sede no Setor Comercial Norte, Quadra 03, Bloco A, Edifício Estação Telefônica, Térreo, Parte 2, em Brasília, no Distrito Federal, inscrita

Leia mais

TABELA INTERNACIONAL DE DESTINOS TABELA PADRÃO SP

TABELA INTERNACIONAL DE DESTINOS TABELA PADRÃO SP Afeganistão R$ 0,64 Bangladesh, Chittagong R$ 1,41 Catar R$ 0,97 África do Sul R$ 0,64 Bangladesh, Dhaka R$ 1,41 Cazaquistão R$ 0,64 África do Sul Celular R$ 1,30 Bangladesh, Sylhet R$ 1,41 Chad R$ 4,26

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores ÁFRICA DO SUL Martins Soares África 31/10/04 ANGOLA Soltrópico Turismo em Português31/10/04 BOTSWANA CABO VERDE Club 1840 Cabo Verde 30/04/05 Entre Mares Cabo Verde 31/10/04 Lusanova Tours Cabo Verde 31/10/04

Leia mais

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil:

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: ÁFRICA DO SUL www.africadosulemb.org.br SES - Av. das Nações, quadra 801, lote 6 CEP: 70406-900 Brasília DF Telefone(s): (061) 312-9500

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou Experts em EB-5 Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou americanos) Especializada no desenvolvimento

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016 I. COMUNICAÇÕES REALIZADAS EM TELEFONE PÚBLICO... 2 I.1. Comunicações Fixo-Fixo (de telefone público) 2 I.2. Comunicações Fixo PT-Prestador de serviço de voz através da internet [PT-VoIP] (de telefone

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

O quadro estanque de referência

O quadro estanque de referência PASSION FOR POWER. O quadro estanque de referência Quadros de distribuição eléctrica KV de 3 a 54 módulos Descrição Geral da Gama Quadros estanques KV Os quadros de distribuição eléctrica do tipo KV são

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 Elsa de Morais Sarmento 2 Joaquim Reis 3 1. Introdução A economia mundial não poderia existir sem a interdependência entre os Estados. Este facto

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Apoio à Participação em Eventos para Discentes

Apoio à Participação em Eventos para Discentes Apoio à Participação em Eventos para Discentes O PPGEdu/UFRGS oferece aos estudantes regularmente matriculados nos Cursos de Mestrado e Doutorado do Programa e vinculados a projeto de pesquisa em desenvolvimento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro O Jornal na Educação e a Educomunicação Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro CONTATO Talita Moretto talitamoretto@hotmail.com vamosler@jmnews.com.br Site do

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)*

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)* 16 de maio de 22 As exportações brasileiras têm crescido substancialmente desde 1981 com diversificação observada no período de 1995 a 2. Baseado em dados anuais obtidos da aliceweb (http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br/default.asp),

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Jacqueline Barboza Mariano Superintendência de Planejamento e Pesquisa III Seminário de ARIAE Junho de 2008, Cartagena de Índias, Colômbia O Papel

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 146 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Grupo de segurança de produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Cód. cat. 20A, inversor CA PowerFlex

Leia mais

AVISO DO PRODUTO. Anomalia na pré-carga de inversores CA PowerFlex 753 e 755

AVISO DO PRODUTO. Anomalia na pré-carga de inversores CA PowerFlex 753 e 755 Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre possível problema com o produto A Rockwell Automation emite um Aviso do

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta

um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta RAFAEL MORALEZ um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta retornarmos a nossa casa, daí o nome do projeto de Volte ao Mundo, um convite para voltar ao seu mundo, voltar para

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.643, DE 26 DE OUTUBRO DE 2000. Dispõe sobre diárias do pessoal civil da Administração Pública Federal direta, indireta e fundacional,

Leia mais

Painel 2 Transparência governamental e dados abertos Profa. Ana Malin FACC PPGCI/UFRJ

Painel 2 Transparência governamental e dados abertos Profa. Ana Malin FACC PPGCI/UFRJ Painel 2 Transparência governamental e dados abertos Profa. Ana Malin FACC PPGCI/UFRJ 4º SEMINÁRIO SOBRE INFORMAÇÃO NA INTERNET III CONGRESSO IBERO AMERICANO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global.

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 70 países, presentes

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone Rua Francisco Leitão 339 cj 122 05414-025 São Paulo SP Brasil Tel: 55 11 30623436 e-mail: tbrasil@transparencia.org.br www.transparência.org.br Presidente: Eduardo Ribeiro Capobianco Vice-presidente: Neissan

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 007, DE 08 DE JUNHO DE 2009

R E S O L U Ç Ã O N.º 007, DE 08 DE JUNHO DE 2009 R E S O L U Ç Ã O N.º 007, DE 08 DE JUNHO DE 2009 Normatiza critérios e define procedimentos relativos a autorização de viagem, ao adiantamento de numerário e à prestação de contas com deslocamento à serviço

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

PRINCIPAIS RESULTADOS

PRINCIPAIS RESULTADOS PRINCIPAIS RESULTADOS O Relatório Monitor de Minas Terrestres 2005 revela que o Tratado de Erradicação das Minas Terrestres e o movimento pelo banimento das minas continua a obter bons progressos no caminho

Leia mais