Estudo Prévio e Estudo de Impacte Ambiental do Terminal do Barreiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Prévio e Estudo de Impacte Ambiental do Terminal do Barreiro"

Transcrição

1 Estudo Prévio e Estudo de Impacte Ambiental do Terminal do Barreiro 21 de outubro de 2016

2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 2. ANTECEDENTES DO EIA 3. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL AÇÕES DE PROJETO ESTADO ATUAL DO AMBIENTE IMPACTES MAIS RELEVANTES CONCLUSÕES

3 ENQUADRAMENTO LEGAL REGIME JURÍDICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Decreto-Lei nº 151-B/2013, de 31 de outubro Decreto-Lei nº 47/2014, de 24 de maio Decreto-Lei nº 179/2015, de 27 de agosto Portos comerciais, cais para carga ou descarga com ligação a terra e portos exteriores (excluindo os cais para ferry-boats) que possam receber embarcações de tonelagem superior a 4000 GT ou a 1350 toneladas alínea b), do nº8 do Anexo I

4 ANTECEDENTES DO EIA Proposta de Definição de Âmbito do EIA (PDA) Procedimento facultativo Visa a minimização da incerteza no procedimento de AIA Apresenta o projeto nas suas linhas gerais e a metodologia a prosseguir na elaboração do EIA

5 ANTECEDENTES DO EIA

6 ANTECEDENTES DO EIA 4 ENTIDADES/EMPRESAS PÚBLICAS 1 EMPRESA PRIVADA Comboios de Portugal,E.P.E. Direção Geral do Território Câmara Municipal do Seixal Baía do Tejo, S.A. CONSULTA PÚBLICA 7 exposições CARGA Logística e Transportes Ferroviários de Mercadorias, S.A. 1 CIDADÃO Eng.º Ricardo Carvalho, Engenheiro Civil Âmbito o EIA Metodologia para a elaboração do EIA 1 ONG QUERCUS Associação Nacional de Conservação da Natureza

7 ANTECEDENTES DO EIA DECISÃO SOBRE A PDA Conteúdos carecem de aprofundamento Parecer da Comissão de Avaliação define requisitos metodológicos para a elaboração do EIA que colmatam as falhas detetadas Todos os requisitos referidos no Parecer da Comissão de Avaliação foram incorporados no Caderno de Encargos para a elaboração do EIA

8 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL EIA elaborado paralelamente ao Estudo de Soluções Alternativas e ao Estudo Prévio

9 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Analisa a potencial interferência do projeto com o ambiente biofísico e socioeconómico Alternativas viáveis Fases de construção, exploração e desativação Impactes cumulativos Propõe medidas para minimizar os impactes negativos que possibilitem a implementação sustentável do projeto

10 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL AÇÕES DE PROJETO FASE DE CONSTRUÇÃO Atividades gerais (obra e funcionamento do estaleiro) Dragagens Eliminação de material dragado excedentário Construção do terrapleno Colocação de retenções marginais Construção da estrutura de acostagem Pavimentação, vedações e sinalização rodoviária e marítima Construção dos edifícios de apoio Instalação das redes técnicas e instrumentação Limpeza, desmobilização e desmontagem do estaleiro

11 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL AÇÕES DE PROJETO FASE DE EXPLORAÇÃO Presença do terminal Tráfego marítimo-fluvial e manobras dos navios Operações de carga/descarga dos contentores Abastecimento a navios Transporte de contentores por ferrovia e/ou rodovia Funcionamento geral do terminal Dragagens de manutenção Imersão de materiais dragados

12 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL ESTADO ATUAL DO AMBIENTE DESCRITORES AMBIENTAIS ESTUDADOS Clima Geologia e Geomorfologia Riscos Geológicos Solo Uso do solo Recursos Hídricos Subterrâneos Recursos Hídricos Superficiais Hidrodinâmica e Regime Sedimentar Qualidade dos Sedimentos Qualidade do Ar Ruido e Vibrações Gestão de Resíduos Sistemas Ecológicos Ordenamento do Território Património Paisagem Socioeconomia

13 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL ESTADO ATUAL DO AMBIENTE CARACTERIZAÇÃO DOS SEDIMENTOS 10 amostras superficiais 34 sondagens geológicas 276 amostras 270 amostras nas Classes 1 e 2 3 amostras na Classe 3 3 amostras na Classe m 3 para deposição confinada Possível de redução de volume com caracterização futura

14 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL ESTADO ATUAL DO AMBIENTE ARQUEOLOGIA SUBAQUÁTICA Sonar de varrimento lateral Levantamento gradiométrico Mergulho para verificação visual de anomalias 10 anomalias detetadas por sonar 72 alvos detetados por gradiómetro 27 anomalias verificadas visualmente 3 arqueosítios Datação provável entre o Séc. XIX e a atualidade Necessita de futura caracterização e arqueografia de pormenor

15 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES CLASSIFICAÇÃO DOS IMPACTES DOS IMPACTES SENTIDO VALORATIVO TIPO DE OCORRÊNCIA PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DURAÇÃO MAGNITUDE SIGNIFICÂNCIA REVERSIBILIDADE DESFASAMENTO NO TEMPO ÂMBITO ESPACIAL TIPO DE INTERAÇÃO Positivo, Negativo ou Nulo Direto ou Indireto Certo, Provável, Improvável ou Probabilidade Desconhecida Temporário ou Permanente Fraca, Média ou Forte Muito Significativo, Significativo ou Pouco Significativo Reversível ou Irreversível Imediato, de Médio Prazo ou de Longo Prazo Local, Regional ou Nacional Cumulativo ou Sinergético

16 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES

17 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES FASE DE CONSTRUÇÃO Perda de uma área de estuário do Tejo (NEGATIVO) USO DO SOLO FASE DE EXPLORAÇÃO Incentivo à concretização dos usos do solo previstos para o Parque Empresarial do Barreiro (POSITIVO) MEDIDA COMPENSATÓRIA Recuperação de áreas degradadas no estuário do Tejo

18 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES HIDRODINÂMICA E REGIME SEDIMENTAR FASE DE CONSTRUÇÃO Aumento da hidrodinâmica e do transporte de sedimentos não coesivos para o canal principal (POSITIVO) Diminuição da hidrodinâmica e aumento da deposição de sedimentos coesivos (NEGATIVO) Dispersão e deposição de sedimentos durante imersão de dragados no estuário interior (NEGATIVO/POSITIVO) FASE DE EXPLORAÇÃO Dispersão e deposição de sedimentos durante imersão de dragados no estuário interior (NEGATIVO)

19 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES HIDRODINÂMICA E REGIME SEDIMENTAR ALGÉS ALCÂNTARA

20 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES HIDRODINÂMICA E REGIME SEDIMENTAR MEDIDAS AMBIENTAIS Estudo de locais de imersão alternativos para os sedimentos das Classes 1 e 2 Utilização do local de imersão de Algés em detrimento de Alcântara

21 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E CONDICIONANTES FASE DE CONSTRUÇÃO Afetação permanente do DPM (NEGATIVO) Afetação permanente da REN (NEGATIVO) FASE DE EXPLORAÇÃO Convergente com modelos de desenvolvimento em programas operacionais e planos estratégicos (POSITIVO) Incompatível com IGT em vigor (NEGATIVO) Em linha com o regime de jurisdição portuária (POSITIVO) MEDIDAS AMBIENTAIS Articulação do projeto com os IGT em revisão Alteração dos IGT que incidem na área de projeto Recuperação de áreas degradadas no estuário do Tejo

22 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES PAISAGEM FASE DE CONSTRUÇÃO Redução da qualidade visual da área por implantação e operação do estaleiro e de parques de materiais e equipamento (NEGATIVO) Ocultação da superfície de água do rio Tejo, alteração da morfologia do terreno e da linha de costa (NEGATIVO) Alterações morfológicas por efeito das pavimentações e construções (NEGATIVO) FASE DE EXPLORAÇÃO Alteração do caráter e qualidade da paisagem (NEGATIVO) MEDIDAS AMBIENTAIS Projeto de integração paisagística para a área do terminal Projeto de recuperação da área entre o terminal e a LBC Tanquipor Manutenção e gestão do aterro do terrapleno destinado à fase 2

23 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES PAISAGEM

24 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES PAISAGEM PASSEIO AUGUSTO CABRITA

25 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES PAISAGEM FRENTE RIO

26 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES PAISAGEM TERREIRO DO PAÇO

27 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL IMPACTES MAIS RELEVANTES SOCIOECONOMIA FASE DE CONSTRUÇÃO Criação de emprego (POSITIVO) Dinamização da atividade económica local (POSITIVO) FASE DE EXPLORAÇÃO Criação de emprego (POSITIVO) Dinamização social e económica (local e regional) (POSITIVO) Reforço da competitividade do Porto de Lisboa (POSITIVO)

28 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CONCLUSÕES 1. ( ) em termos globais e neste primeiro momento de avaliação, que os impactes positivos parecem contrabalançar os impactes negativos mais expressivos. Adicionalmente, e considerando que existe ainda margem para estudos posteriores que possam conduzir a um detalhamento da avaliação de alguns dos aspetos mais desfavoráveis (como a imersão de dragados e as taxas de sedimentação) e à definição de medidas de mitigação de maior eficácia, pensa-se que o cenário geral se equilibra e resulta num balanço favorável à prossecução do projeto.

29 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CONCLUSÕES 2. Em termos da comparação de alternativas de acessibilidade marítimo-fluvial ( ) e estrutura acostável ( ), quer ainda das duas fases de implementação, uma primeira conclusão que resulta é que, em termos de significância, existe um grande equilíbrio.

30 OBRIGADA PELA ATENÇÃO!

ADITAMENTO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL LOTEAMENTO DA QUINTA DE SANTA MARIA

ADITAMENTO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL LOTEAMENTO DA QUINTA DE SANTA MARIA ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL LOTEAMENTO DA QUINTA DE SANTA MARIA FASE DO PROJETO: PROJETO DE EXECUÇÃO DONO DE OBRA: IMOLONDRINA, SOCIEDADE IMOBILIÁRIA, S.A. ENTIDADE RESPOSNSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO ESTUDO

Leia mais

CENTRAL TERMOELÉCTRICA DO RIBATEJO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

CENTRAL TERMOELÉCTRICA DO RIBATEJO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A TER Termoeléctrica do Ribatejo, S.A., detida a 100% pela EDP Electricidade de Portugal, S.A., pretende licenciar a Central Termoeléctrica do Ribatejo (CRJ), constituída por 3 grupos de

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE SINES ATERRO CONTROLADO DE CINZAS DE FUEL-ÓLEO E OUTROS RESÍDUOS CARACTERÍSTICOS DA PRODUÇÃO TERMOELÉCTRICA RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2015

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2015 Licenciamento Ambiental Conservação da Biodiversidade 2015 O que é o licenciamento ambiental? MMA - O licenciamento ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente Apresentação dos Documentos de Referência para Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente EA.G.02.01.00 - Guia Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) Cecília Simões APA, 22 de janeiro de 2013 GUIA

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores Lisboa, 28 de Abril de 2008 1 O sector dos transportes é uma peça fundamental do desenvolvimento económico do país, contribuindo decisivamente

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

Sistema Electroprodutor do Tâmega. Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014

Sistema Electroprodutor do Tâmega. Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014 Sistema Electroprodutor do Tâmega Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014 Sistema Eletroprodutor do Tâmega Índice 1. O projeto 2. A obra e as intervenções em Vila Pouca de Aguiar 3. A Avaliação Ambiental

Leia mais

O FUTURO DO PORTO DE LISBOA. Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária

O FUTURO DO PORTO DE LISBOA. Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária O FUTURO DO PORTO DE LISBOA Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária 17 de março de 2017 Alcântara Cruise Terminal - 15 Terminais Portuários - Porto Multifuncional com uma Oferta Multimodal

Leia mais

O PNSAC e a. Extractiva. Maria Jesus Fernandes. 24.Fevreiro 2010 Porto de Mós

O PNSAC e a. Extractiva. Maria Jesus Fernandes. 24.Fevreiro 2010 Porto de Mós O PNSAC e a Indústria Extractiva Maria Jesus Fernandes 24.Fevreiro 2010 Porto de Mós As competências do ICNB no sector da pesquisa e exploração de massas minerais restringe se às explorações situadas no

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO. Sobre a. Proposta de Definição do Âmbito. do Estudo de Impacte Ambiental do. Terminal de Contentores do Barreiro

PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO. Sobre a. Proposta de Definição do Âmbito. do Estudo de Impacte Ambiental do. Terminal de Contentores do Barreiro PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO Sobre a Proposta de Definição do Âmbito do Estudo de Impacte Ambiental do Terminal de Contentores do Barreiro Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO PÁG 3 2. ANTECEDENTES

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

Sociedade Agrícola da Quinta da Freiria, S.A.

Sociedade Agrícola da Quinta da Freiria, S.A. INSTALAÇÃO EXISTENTE DE PRODUÇÃO AVÍCOLA AVIÁRIO DA QUINTA NOVA DE SÃO JOSÉ SOCIEDADE AGRÍCOLA DA QUINTA DA FREIRIA, S.A. LOCALIZADA NA FREGUESIA DE ALFEIZERÃO CONCELHO DE ALCOBAÇA ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

Leia mais

Estudo de Impacte Ambiental da Fábrica de Cimento de Rio Maior. Parecer conjunto no âmbito da consulta pública

Estudo de Impacte Ambiental da Fábrica de Cimento de Rio Maior. Parecer conjunto no âmbito da consulta pública Estudo de Impacte Ambiental da Fábrica de Cimento de Rio Maior Parecer conjunto no âmbito da consulta pública 27 de Agosto de 2010 INTRODUÇÃO O presente documento constitui o contributo conjunto das ONGA,

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL 2011 EMAP EMPRESA MARANHENSE DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA Empresa pública, criada pela Lei 7.225, de 31 de agosto 1998, com personalidade jurídica de

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Relatório(s) EIA ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL - QUALIDADE DO EIA. O Estudo de Impacte Ambiental é composto por: Resumo Não Técnico (RNT)

Relatório(s) EIA ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL - QUALIDADE DO EIA. O Estudo de Impacte Ambiental é composto por: Resumo Não Técnico (RNT) ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL - QUALIDADE DO Projecto Lacunas Monitorização (s) Projecto Lacunas Monitorização O Estudo de Impacte Ambiental é composto por: Resumo Não Técnico (RNT) ou s Sínteses (RS) s

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

Código: CIVL0039 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 10º Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04

Código: CIVL0039 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 10º Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04 Disciplina: PORTOS 2 Código: CIVL0039 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 10º Carga Horária : 60 HORAS Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: PORTOS 1 Co-Requisito: EMENTA:

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

VOLUME III PROJECTO DO CORREDOR DE NACALA LINHA FÉRREA MOATIZE - MALAWI. Em associação com: Para:

VOLUME III PROJECTO DO CORREDOR DE NACALA LINHA FÉRREA MOATIZE - MALAWI. Em associação com: Para: PROJECTO DO CORREDOR DE NACALA LINHA FÉRREA MOATIZE - MALAWI ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL VOLUME III Em associação com: Para: Submetido por: Aurecon AMEI 65 York Street, George, South Africa Contacto: Andries

Leia mais

O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE CICLO DE DEBATES 14 DE OUTUBRO DE 2016

O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE CICLO DE DEBATES 14 DE OUTUBRO DE 2016 CICLO DE DEBATES O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE 14 DE OUTUBRO DE 2016 Porto Fluvial de Castanheira do Ribatejo e O Transporte Fluvial no Rio Tejo 2 Agenda I. Apresentação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA;

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; FORMULÁRIO CARACTERIZAÇÃO EMPREENDIMENTO; DE DO FORMULÁRIO DE

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

Projetos não abrangidos pelas Portarias n.º 398/2015 e n.º 399/2015, 5 de novembro

Projetos não abrangidos pelas Portarias n.º 398/2015 e n.º 399/2015, 5 de novembro Documento n.º 01/2016/GPF Aprovado em dezembro de 2015 DOCUMENTO ORIENTADOR Normas técnicas para a elaboração de Estudos de Impacte Ambiental e Relatórios de Conformidade Ambiental com o Projeto de Projetos

Leia mais

O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos

O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Biologia Geral Impacto Ambiental O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos Monaliza de Araújo Melo

Leia mais

CIRCULAR TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O DESCRITOR PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO EM ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL ENQUADRAMENTO LEGAL

CIRCULAR TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O DESCRITOR PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO EM ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL ENQUADRAMENTO LEGAL CIRCULAR TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O DESCRITOR PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO EM ESTUDOS DE IMPACTE AMBIENTAL ENQUADRAMENTO LEGAL a) Constituem objectivos primários da política de património cultural o conhecimento,

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística Epígrafe 1.8. Processo genérico n.º

Leia mais

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação Diário da República, 1.ª série N.º 93 13 de maio de 2016 1565 Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres (n.º de Ordem) Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO:

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: TERRITÓRIO E GESTÃO DO AMBIENTE E TECNOLOGIA E GESTÃO DO AMBIENTE MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD

CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD CONTRIBUIÇÃO DA INDÚSTRIA EXTRATIVA NA VALORIZAÇÃO DE RCD ANA ALVES FERREIRA AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE 17 de Junho de 2015 Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora Representa os

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras O caso da Câmara Municipal da Trofa Diagnóstico das Explorações Bovinas no Concelho da Trofa Trofa - Representatividade das explorações

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e 9 de Outubro de 2008 ISEP Recursos Geológicos: Pressupostos Instrumentos Programáticos de Instrumentos Programáticos de Ordenamento Sectorial Acção

Leia mais

Regulamentos Internos e Externos a que a empresa está sujeita

Regulamentos Internos e Externos a que a empresa está sujeita Regulamentos Internos e Externos a que a empresa está sujeita Regulamentos Externos A atividade da APA, S.A. contextualiza-se numa envolvente legal e regulamentar extensa, de que destacamos: Decreto-Lei

Leia mais

Denominação Bacia hidrográfica Sub-bacia. III CARACTERIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO Finalidade.

Denominação Bacia hidrográfica Sub-bacia. III CARACTERIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO Finalidade. ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS OCUPAÇÃO DO DOMÍNIO PÚBLICO HÍDRICO I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS Heberton Júnior dos Santos (*), Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT

1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT 1º Encontro Preparatório da Engenharia e Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água NORMAS TÉCNICAS ABNT Campinas, 23 de Março de 2017 Química Monica Betterelli Diretora de Qualidade da AESAS Associação

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Porto de Niterói Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Histórico O Porto Organizado de Niterói está localizado na área central do município com sua área de influência, ou seja, sua

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho)

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) Diplomas Lei n.º 80/2015, de 3 de agosto Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) A alteração teve como finalidade a atualização da Lei de Bases atendendo à importância

Leia mais

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Relatório de Diagnóstico Diagnóstico de problemas, intenções e projectos Relatório de Objectivos e Conceito de Intervenção Definição de objectivos e escalas

Leia mais

Fonte:

Fonte: Fonte: www.cm-seixal.pt O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Freguesia da Zona Aldeia não de habitacional Paio Pires 3 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 4 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Construído

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento, elaborado em conformidade

Leia mais

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário PRACE Res.Cons.Min. 39/2006 DL 210/2006, 27Out DL 147/2007, 27Abr P 545/2007, 30 Abr. DGTTF INTF DGV (MAI) - Veículos e condutores DGV (MAI) -

Leia mais

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ORIGEM E DIFUSÃO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL Prof. Eduardo Lucena C. de Amorim 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Compatibilizar o desenvolvimento econômico e social com a proteção

Leia mais

ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS MARÍTIMOS:

ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS MARÍTIMOS: 23-04-2015 ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS : ALGUMAS REFLEXÕES SINÓTICAS Nuno Antunes Índice Enquadramento Jurídico Ordenamento dos Espaços Marítimos Instrumentos de Ordenamento Títulos de Utilização Privativa

Leia mais

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional PSOEM

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional PSOEM Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional PSOEM 1ª Reunião Plenária da Comissão Consultiva - 21 de março de 2016 Princípios compatibilização de usos e atividades e de políticas e instrumentos

Leia mais

Planejamento Ambiental

Planejamento Ambiental Universidade de São Paulo PHD2344 Manejo de recursos Naturais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Planejamento Ambiental Aula 2 Prof. Dr. Arisvaldo V. Méllo Júnior Enga. Carla Voltarelli da

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Distalgás, Lda Porquê ler este documento? Este documento

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

Aspectos Ambientais em Obras de Grande Porte na RMSP. Caso: Aprofundamento da Calha do Rio Tietê

Aspectos Ambientais em Obras de Grande Porte na RMSP. Caso: Aprofundamento da Calha do Rio Tietê Aspectos Ambientais em Obras de Grande Porte na RMSP. Caso: Aprofundamento da Calha do Rio Tietê Apresentação efetuada pelo Eng. Dr. Marco Antonio Palermo, na Disciplina PHD 2537- Águas em Ambientes Urbanos

Leia mais

EÓLICA DOS CANDEEIROS PARQUES EÓLICOS, LDA. PARQUE EÓLICO DA SERRA DOS CANDEEIROS/ALCOBAÇA RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

EÓLICA DOS CANDEEIROS PARQUES EÓLICOS, LDA. PARQUE EÓLICO DA SERRA DOS CANDEEIROS/ALCOBAÇA RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO EÓLICA DOS CANDEEIROS PARQUES EÓLICOS, LDA. RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO T362.1.4 DEZEMBRO, 2004 T36214-SUMARIOEXECUTIVO-R0.DOC EÓLICA DOS CANDEEIROS PARQUES EÓLICOS, LDA.

Leia mais

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil ARU Arganil Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil DGU OM Setembro de 2015 2/8 Sumário: Âmbito... 3 Enquadramento Legal... 3 Delimitação e enquadramento

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro 2ª Reunião Plenária da Comissão Consultiva da Madeira 17 de junho de

Leia mais

Um porto de excelência, moderno e competitivo

Um porto de excelência, moderno e competitivo Um porto de excelência, moderno e competitivo Porto de Viana do Castelo O porto de Viana do Castelo tem uma longa história que radica na ocupação romana, se estende pela época dos Descobrimentos e se afirma

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES TERMOS DE REFERÊNCIA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Proposta de

Leia mais

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo Imóvel constituído por duas parcelas de terreno urbano, com vários Armazéns e Edifícios de apoio para demolição localizado na Rua José Mundet, próximo do cruzamento com a Rua José Joaquim Marques, perto

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA - 2014 Índice Santa Catarina 1 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 2 Infraestrutura de Transportes Modal

Leia mais

A importância do Estudo de Impacte Ambiental no contexto de desenvolvimento de Angola

A importância do Estudo de Impacte Ambiental no contexto de desenvolvimento de Angola A importância do Estudo de Impacte Ambiental no contexto de desenvolvimento de Angola 14 Setembro 2011 Hotel de Convenções de Talatona, Luanda - ANGOLA Vladimir Russo Director Técnico Holísticos Angola

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE. Maria José Nunes Diretora de Serviços de Ambiente da CCDR Algarve

ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE. Maria José Nunes Diretora de Serviços de Ambiente da CCDR Algarve ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE SINTESE DA SITUAÇÃO E CONSTRANGIMENTOS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS NO TERRITÓRIO DO ALGARVE Maria José

Leia mais

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO Segundo o DNER (1996) Um Projeto de Engenharia tem sua versão final intitulada Projeto Executivo e visa, além de permitir a perfeita execução da obra, possibilitar

Leia mais

Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 2013

Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 2013 Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 213 16 de Janeiro de 214 Movimento de mercadorias mantém expressivo crescimento nos portos, aumenta no modo rodoviário e recupera na ferrovia Movimento de passageiros

Leia mais

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor 01 de setembro de 2015. Belém - PA Adalberto Tokarski Diretor AGENDA 1. AS HIDROVIAS BRASILEIRAS 2. COMPLEXO HIDROVIÁRIO REGIÃO AMAZÔNICA 3. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE GRÃOS 4. NOVOS INVESTIMENTOS Região

Leia mais

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI MAR O MAIOR E O ÚLTIMO ESPAÇO PÚBLICO DO PLANETA O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI 1 - BREVE HISTÓRICO DOS MOVIMENTOS E AÇÕES AMBIENTAIS NA ORLA MARÍTIMA BRASILEIRA 2 - FONTES

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO

LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO LISBOA, 4 DE NOVEMBRO DE 2014 Exmo. Senhor Secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Dr. Sérgio Monteiro Exmo. Senhor

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE

A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura e sustentável Coesão nacional MELHORAMENTOS

Leia mais

Requisitos gerais para a ocupação do espaço público com suporte publicitário/mobiliário urbano

Requisitos gerais para a ocupação do espaço público com suporte publicitário/mobiliário urbano Requisitos gerais para a ocupação do espaço público com suporte publicitário/mobiliário urbano Permite a instalação de um equipamento com inscrição de mensagens publicitárias de natureza comercial, sem

Leia mais

PROJECTO ENCOSTAS DO DOURO

PROJECTO ENCOSTAS DO DOURO PROJECTO ENCOSTAS DO DOURO Porto 4.150 ha Gondomar 13.500 ha Vila Nova de Gaia 17.000 ha Projecto Encostas do Douro 1.960 ha DA PONTE D. MARIA PIA ATÉ LEVER Missão Definir os mecanismos de planeamento,

Leia mais

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA DESPACHO PC 8/2013 - MANDATO 2013/2017 DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS I - De acordo com o disposto no art.º 36º, n.º 2, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, resolvo delegar nos Vereadores adiante indicados

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

ETC-TERMINAIS MARÍTIMOS

ETC-TERMINAIS MARÍTIMOS Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas ETC-TERMINAIS MARÍTIMOS Porquê ler este documento? Este

Leia mais

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial FÁTIMA LOPES ALVES EDUARDO OLIVEIRA LISA PINTO DE SOUSA TANYA ESTEVES INÊS ANTUNES contacto: malves@ua.pt

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 1.138, DE 2008 Determina a sustação do Decreto nº 6.640, de 7 de novembro de 2008, do Poder Executivo, por exorbitar

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI Seminário: Acessibilidade ao Porto de Santos Agosto de 2010 Agenda 1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes 3. Impacto Rodoanel 4. Situação Atual no SAI 5. Projetos

Leia mais

Cursos de Formação COTHN / SGS

Cursos de Formação COTHN / SGS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação

Leia mais

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro O futuro faz-se hoje Gare Marítima de Alcântara, 21 de outubro de 2016 Mário Fernandes Diretor de Planeamento da IP Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h

Curso Técnico Subsequente em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Desenho Básico 30 Desenho Técnico 30 Fundamentos Químicos e Biológicos 60 Geociências 30 Hidráulica

Leia mais

WEDA Brasil Conferência 2007

WEDA Brasil Conferência 2007 WEDA Brasil Conferência 2007 1ª CONFERÊNCIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DRAGAGEM OPÇÕES DE POLÍTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA DRAGAGEM NO BRASIL PÓS LEI N 11.518/07 Eliane Arêas Fadda, PhD, CENTRAN 9 a

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROCESSO No: 00576/1998 O CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Verificação do Relatório de Conformidade do Projecto de Execução com a DIA (RECAPE)

Verificação do Relatório de Conformidade do Projecto de Execução com a DIA (RECAPE) NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 06 / AM Tramitação dos processos de Verificação do Relatório de Conformidade do Projecto de Execução com a DIA (RECAPE) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento

Leia mais