Artigo. Aplicabilidade dos métodos antropométricos não convencionais no paciente hospitalizado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo. Aplicabilidade dos métodos antropométricos não convencionais no paciente hospitalizado"

Transcrição

1 Aplicabilidade dos métodos antropométricos não convencionais no paciente hospitalizado Applicability of unconventional anthropometric methods in hospitalized patients Cristiane Maria de Oliveira 1 Ana Shirley Marinho Araújo 2 Raíssa Dantas dos Santos 3 Daliana Caldas Pessoa da Silva 4 Lidiane de Lima Fernandes 5 Alexandre Coelho Serquiz 6 RESUMO - A avaliação do estado nutricional é essencial no acompanhamento de pacientes internados, pois tem por objetivo verificar as alterações nutricionais, possibilitando uma intervenção adequada para a recuperação e/ou manutenção da saúde dos indivíduos. O presente estudo tem por objetivo avaliar o estado nutricional dos pacientes hospitalizados, utilizando os métodos de Musculatura do Adutor do Polegar, Força da Preensão Manual, Índice de Massa Corporal, Perímetro da Panturrilha e Perímetro do Braço. Trata-se de um estudo transversal, em que foram avaliados oitenta e oito pacientes, de ambos os sexos. Os resultados apontam que a população do estudo foi composta por 53,57% (n=47) de pacientes do sexo masculino. A média de idade da amostra foi de 53, ± 21,23 anos. A eutrofia apresentou-se como o diagnóstico nutricional mais prevalente em todos os métodos, exceto nos Métodos da Musculatora do Adutor do Polegar e da Força de Pressão Manual, em que o maior percentual foi de risco 1 Graduanda em Nutrição pela Universidade Potiguar. 2 Nutricionista graduada pela Universidade Potiguar. 3 Nutricionista graduada pela Universidade Potiguar. 4 Bioquímica graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 5 Nutricionista. Coordenadora do Curso de Nutrição da Laureate International Universities-UnP. 6 Nutricionista. Profº do curso de Medicina e Nutrição da Laureate International Universities-UnP, Doutorando em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 33

2 de depleção. No presente estudo conclui-se que tanto a Musculatura do Adutor do Polegar quanto a Frequência de Pressão Manual representam bons indicadores para detectar complicações atribuídas a riscos de depleções tanto para a população adulta quanto para a população idosa. Palavras-chaves: Avaliação nutricional; Antropometria; Pacientes Internados. ABSTRACT - The assessment of nutritional status is essential in monitoring of hospitalized patients as it has for objective to verify the nutritional changes, allowing an appropriate intervention for the recovery and / or maintaining the health of individuals. This study aims to assess the nutritional status of hospitalized patients using the methods of Musculature thumb adductor, the Trapping Manual Force, Body Mass Index, Perimeter Perimeter Calf and arm. This is a cross-sectional study, which evaluated eighty-eight patients of both sexes. The results indicate that the study population was composed of 53.57% (n = 47) of male patients. The sample mean age was 53. ± years. The eutrophic presented itself as the most prevalent nutritional diagnosis in all methods except the adductor Musculatora Methods of Thumb and Manual Pressure Force, in which the highest percentage was in risk of depletion. In the present study study we concluded that both Musculature thumb adductor as the Manual Pressure Frequency represent good indicators to detect complications attributed to risk depletions both for adults and for the elderly. Keywords: Nutritional assessment; Anthropometry; Inpatients. INTRODUÇÃO A avaliação do estado nutricional é essencial no acompanhamento de pacientes internados, pois tem por objetivo verificar as alterações nutricionais, possibilitando uma intervenção adequada para a recuperação e/ou manutenção da saúde dos indivíduos(1). Os hospitais devem padronizar técnicas de avaliação do estado nutricional e sistematizar sua aplicação, pois detectar o risco de desnutrição hospitalar previne a 34

3 instalação da desnutrição, auxilia no tratamento nutricional e melhora o prognóstico do paciente hospitalizado (2). Ferraz em 213, afirma que, o estudo da prevalência da desnutrição é de grande relevância, já que vários trabalhos nos últimos vinte anos têm demonstrado as suas consequências para pacientes hospitalizados. Estudos comprovam que a desnutrição hospitalar é um grave problema no Brasil (3). A antropometria é um importante instrumento de avaliação nutricional por apresentar os valores de composição corporal, massa magra e tecido adiposo. São várias as medidas antropométricas, porém as mais utilizadas para avaliação da desnutrição entre adultos e idosos, são: Peso, Estatura, Índice de Massa Corporal (IMC), Perímetro do Braço (PB) e Perímetro da Panturrilha (PP) (4). A força de preensão manual vem sendo um marcador de massa muscular bastante valorizado para avaliação em pacientes hospitalizados. Uma das principais vantagens deste método é o fato da mesma não ser influenciada pelo estado de hidratação do paciente (5). Outro método não convencional em uso é a Espessura do Músculo Adutor do Polegar (EMAP), sendo aplicável sem limitações à sua execução, imediatamente após a admissão, sendo possível identificar com rapidez, sensibilidade e fidedignidade pacientes desnutridos ou em risco nutricional, possibilitando à instituição a elaboraçãode um plano nutricional precoce e adequado, e ainda permitindo o monitoramento adequado do estado nutricional dos pacientes. O mesmo constitui um importante indicador de prognóstico em pacientes clínicos, de modo significativo com complicações infecciosas intrahospitalares, tempo de internação e mortalidade (6). 35

4 Desta maneira, o presente estudo tem por objetivo avaliar o estado nutricional dos pacientes internados hospital público, utilizando os métodos de Musculatura do Adutor do Polegar (MAP), Força da Preensão Manual (FPM), Índice de Massa Corporal (IMC), Perímetro da Panturrilha (PP) e Perímetro do Braço (PB). METODOLOGIA Antes da realização da pesquisa, como estabelece o código de ética, o estudo foi submetido ao Comitê da Plataforma Brasil e iniciada com protocolo de aprovação (376/213), obedecendo ao cronograma proposto. Os participantes foraminformados a respeito dos objetivos, riscos e procedimentosenvolvidos na pesquisa e aqueles que aceitaramparticipar assinaram o Termo de ConsentimentoLivre e Esclarecido. Trata-se de um estudo transversal, em que foram avaliados oitenta e oito pacientes, de ambos os sexos, hospitalizados em um hospital público. Os pacientes foram convidados a participar da pesquisa e apos o aceite Para a avaliação objetiva do estado nutricional aplicou-se um questionário estruturado para registro de dados antropométricos (peso, altura, índice de massa corporal, perímetro do braço, perímetro da panturrilha, musculatura do adutor do polegar e força de preensão manual). Este questionário foi aplicado junto ao leito do paciente no momento da visita nutricional na admissão do paciente, ele foi perguntado pela escolha de participar da visita, apos a autorização o paciente ou responsável assinaram o termo de consentimento esclarecido. 36

5 As medidas de peso e estatura foram obtidas através de registro no prontuário do paciente. A partir dos valores de peso e altura calculou-se o Índice de Massa Corporal (IMC), classificado de acordo com a Organização Mundial de Saúde - OMS. O estudo teve como variáveis de identificação o número de ordem e para classificação do estado nutricional foram considerados os indicadores específicos por faixa etária. O critério utilizado para a classificação do perímetro da panturrilha foi>31 adequado (7), para classificação doperímetro do braço foram usados os critérios de percentil<5= magro, 5 a 15= abaixo da média, 16 a 85= média, 86 a 95= acima da média, 95= excesso de gordura (8). Para classificação da EMAP foram utilizados os critérios de <13,4mm= desnutrido e >13,4mm= estrófico (9). Para classificação da Força da Preensão Manual (FPM) foram usados os critérios de percentil < 25= fraco; <25 e <75= mediano; >75= muito bom(). Constam como variáveis independentes o sexo que foi codificado em 1(um) = feminino e 2 (dois)=masculino. Para análise estatística, foi construído um banco de dados no Excel 2. Após este procedimento, os dados foram exportados para o software SPSS, versão 2., para proceder à análise estatística. Para a análise das variáveis categóricas foi verificada as frequências relativas e apresentadas com seus respectivos intervalos de confiança. As medidas em forma de variáveis contínuas foram testadas quanto a natureza de sua distribuição e apresentadas por meio das medidas de tendência central e de dispersão (média/mediana e desvio-padrão). Para a identificação da natureza da distribuição dos dados foi utilizado o teste de Kolmorov-Smirnoff, ao nível de significância de 5%. 37

6 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados apontam que a população do estudo foi composta por53,57% (n=47) de pacientes do sexo masculino e 46,42% (n=41) do feminino. A média de idade da amostra foi de 53, ± 21,23 anos. Estes resultados assemelham-se com o estudo realizado por Bragagnolo em 29, com pacientes internados, os quais apresentaram uma média de idade de 53,8 ± 15,9 anos, no entanto, foi composta de 48,3% (n=42) de homens e51,7% (n=45) de mulheres, sendo inversa ao presente estudo (9), esses dados mostram que o aumento do atendimento na população adulta pode refletir de forma direta na expectativa de vida, tornando a população mais idosa. A média do IMC (Kg/m²) foi de 28,46 ± 7,4, quando analisado a totalidade da amostra. Pesquisa realizada por Leonhardt em 213 apresentou uma média de 24,5 ± 7,8, apontando resultados divergentes com o estudo proposto (11). A partir dos resultados encontrados através do perímetro da panturrilha (cm), pode-se obter uma média total de 35,38 ± 4,37. Já um estudo apresentado por Freitas em 29, mostrou em que a média obtida não se assemelhou com o presente estudo, sendo composta por de 11,3± dos pacientes portadores de câncer (12). Na medida da FPM (mm) foram constatados 17,96 ± 16,21, em valores independentes do sexo. A FPM é utilizada para avaliar a força estática de preensão manual do indivíduo já que a mesma está associada a sua funcionalidade. Neste estudo não foi possível averiguar associação com outras pesquisas já que não há na literatura estes dados oriundos de pacientes internados. 38

7 1. As variáveis da avaliação antropométrica, por sexo, estão apresentadas na tabela TABELA 1 - Perfil antropométricodos pacientes internados no HGU, 214. Variáveis/Categorias Total Masculino Feminino n % n % n % Sexo 88, 47 53, ,42 Idade(Média± DP) 53,±21,23 55,88 ± 21,8 49,69 ± 21,76 Peso (Média ± DP) 77,88 ±2,84,83 ± 22,98 74,92 ±19, IMC (Kg/m²) 28,46 ± 7,4 27,75 ± 6,45 29,17 ± 7, FPM (mm) 17,96 ± 16,21 23,86 ± 18,6 9, ± 6,48 PP (cm) 35,38 ± 4,37 35,69 ± 4,42 35, ± 4,45 Nota: DP=Desvio padrão, Panturrilha FPM= Força de Preensão Manual, PP= Perímetro da A figura abaixo aponta o estado nutricional segundo o IMC. Este se trata de um critério de avaliação para composição corporal, em que a prevalência de eutrofia se destaca na fase adulta havendo um declínio em idosos. Neste estudo foi encontrado o diagnóstico de eutrofia tanto em adultos quanto em idosos. Ressalta-se a importância destes achados em um ambiente de hospitalização. As medidas antropométricas são de grande importância para a avaliação do estado nutricional em indivíduos internados. Pode-se obter a composição dos dois compartimentos da massa corporal, como a massa magra e o tecido adiposo. A avaliação da composição corporal pela antropometria apresenta algumas vantagens como de fácil 39

8 execução, baixo custo, não invasivo, obtenção rápida de resultados e factível a beira do leito. Como desvantagem é incapaz de detectar distúrbios recentes no estado nutricional e identificar deficiências nutricionais específicas. Medidas antropométricas geralmente mais usadas para avaliação da desnutrição são o índice massa corporal (IMC), espessura de dobras cutâneas, perímetro do braço (PB), peso corporal (PC) e estatura. O IMC é um índice antropométrico que está correlacionado com a gordura corporal total. Estudos mostram que o IMC é um bom método de avaliação e concluiu que Baixo IMC > 18,5 kg/m 2 é um preditor de mortalidade e que alto IMC parece estar associado com resultados favoráveis, independente dos preditores convencionais (13) IMC - Adulto 43,8% 31,3% 25,% % BAIXO PESO EUTROFICO SOBREPESO OBESIDADE % BAIXO PESO IMC - Idoso 37,5% 37,5% PESO ADEQUADO SOBREPESO Figura 1:Estado Nutricional Antropométrico utilizando o IMC de pacientes adultos e idosos hospitalizados, 214.

9 O perímetro da panturrilha é um dos parâmetros para avaliação de depleção de massa muscular aguda, muito utilizada em idosos e pacientes críticos (14). Com relação aos dados do perímetro da panturrilha as maiorias dos adultos e idosos apresentaram-se como eutróficos, assim como os dados obtidos pelo IMC. Pode-se observar que o diagnóstico obtido pelo IMC foi semelhante aos resultados oriundos do perímetro da panturrilha.este resultado pode ser verificado na figura abaixo Perimetro da panturrilha - Adulto % EUTROFIA % DESNUTRIÇÃO Perimetro da panturrilha - Idoso % 3% EUTROFIA DESNUTRIÇÃO Figura 2:Estado Nutricional Antropométrico utilizando o Perímetro da Panturrilha de pacientes adultos e idosos hospitalizados, 214. A medida antropométrica do perímetro do Braço, pode ser utilizada em pacientes acamados para estimar o tecido adiposo. É uma medida que representa a soma das áreas constituídas pelos tecidos ósseo, muscular e gorduroso do braço (15). Os resultados obtidos pela presente pesquisa são demonstrados na figura 3. 41

10 ,3%,5%,5% DESNUTRIÇÃO GRAVE DESNUTRIÇÃO MODERADA Perímetro do Braço no adulto DESNUTRIÇÃO LEVE 47,4% 15,8%,5% EUTROFICO SOBREPESO OBESIDADE ,7% 16,7% DESNUTRICAO GRAVE DESNUTRICAO MODERADA Perímetro do Braço no idoso % DESNUTRICAO LEVE % % 16,7% EUTROFICO SOBREPESO OBESIDADE Figura 3:Estado Nutricional Antropométrico utilizando o Perímetro do Braço de pacientes adultos e idosos hospitalizados, 214. Em estudo elaborado por Reis em 29, os dados obtidos para PB resultaram que mais da metade dos pacientes avaliados apresentavam algum tipo de desnutrição (54,5%), 42

11 sendo necessária a avaliação através de outros parâmetros para a classificação do estado nutricional, no intuito de obter resultados mais fidedignos. No presente estudo, os resultados não corroboraram coma pesquisa anteriormente citada, já que a eutrofia foi o diagnóstico mais prevalente entre os pacientes avaliados (16). A avaliação do estado nutricional de idosos na prática clínica ainda não dispõe de muitos estudos para investigar qual o melhor método a ser utilizado, pois esses pacientes são diferenciados devido a uma série de modificações que ocorrem durante a fase de envelhecimento(16).porém, estudos mostrados por Bragagnolo em 29 e Fernandes em 211 apresentam respectivamente, que a EMAP e a FPM são métodos seguros para avaliação do estado nutricional de pacientes hospitalizados tanto para idosos quanto para indivíduos adultos. Tornando-se assim, uma alternativa de avaliação antropométrica nestes pacientes (18). Os resultados do estado nutricional antropométrico por meio da FPM podem ser verificados na figura ,1% AUSÊNCIA DE DEPLEÇÃO EMAP - Adulto,5% DEPLEÇÃO LEVE 42,1% DEPLEÇÃO MODERADA 5,3% DEPLEÇÃO GRAVE % AUSÊNCIA DE DEPLEÇÃO EMAP - Idoso % DEPLEÇÃO LEVE 2% DEPLEÇÃO MODERADA 3% DEPLEÇÃO GRAVE 43

12 Figura 4:Estado Nutricional Antropométrico utilizando a Espessura do Musculo do Adutor do Polegar de pacientes adultos e idosos hospitalizados, 214. Segundo Melo em 214, no paciente, a medida do músculo adutor do polegar reflete a perda da capacidade laborativa devido à limitação na prática de atividade física ou de trabalho por conta de doença de base, interferindo assim na atrofia muscular e consequentemente na espessura do músculo. Oliveira em 28 relata que os estudos, de forma geral, mostram uma boa relação da EMAP com parâmetros antropométricos clássicos como o PB e o IMC, porém, em estudo referenciado por Pereira em 213, o mesmo afirma que não foram observadas associações da EMAP com nenhum destes parâmetros já citados (2,5). Neste estudo pode se verificar que houve semelhança no diagnóstico apresentado pela EMAP, com percentual maior dos pacientes com ausência de depleção, assim como verificado pelo IMC; Perímetro da Panturrilha e Perímetro do Braço. Nas análises especificas para cada sexo e grupo etário apresentadas no estudo de Barbosa em 26, não foram observadas relações mutuas entre IMC e FPM para as mulheres. Para o sexo masculino, houve relação entre o FPM e IMC para os grupos etários acima de anos de idade (). Neste estudo verificou-se que a FPM para adultos mostrou-se com elevado percentual de adequação nutricional, enquanto que no grupo de idosos o maior percentual foi de risco de depleção. Assim, estes achados não se assemelham aos encontrados por Barbosa em 26, pois não houve relação do diagnóstico nutricional do IMC com a FPM na fase idosa, sendo este verificado apenas no grupo de adultos (). Vale salientar que, neste presente estudo, as variáveis antropométricas não foram avaliadas pelo sexo. 44

13 6 3 2 FPM - Adulto 89,5%,5% RISCO DE DEPLEÇÃO ADEQUADO FPM - Idoso 6% % RISCO DE DEPLEÇÃO ADEQUADO Figura 5:Estado Nutricional Antropométrico utilizando a Força de Preensão Manual de pacientes adultos e idosos hospitalizados, 214. Geraldes em 28apresentou em um estudo realizado com idosos, resultado negativo e significativo da idade com a FPM. Dados do estudo de Pereira em 2, também são semelhantes aos resultados verificados em estudo realizado com homens idosos em São Sebastião-DF, em que se verificou relação negativa e significativa da idade com a FPM. Silva em 213, afirma que, essa diferença de resultados entre a FPM e a idade pode ser explicada pelo fato de existir uma relação linear entre o processo desarcopenia e a idade, uma vez que com o aumento da idade há maior redução na massa muscular. Este fato pode explicar o diagnóstico prevalente de risco de depleção nos idosos da pesquisa (21, 22, 23). 45

14 CONCLUSÃO Foi verificado que os pacientes internados no HGU no período de coleta de dados encontram-se eutróficos quando avaliados tanto por métodos convencionais quanto não convencionais, excetuando-se a FPM nos indivíduos idosos. Desta maneira tanto a EMAP quanto a FPM representam um bom indicador para detectar complicações atribuídas ariscos de depleções tanto para a população adulta quanto para a população idosa. Portanto, o teste adequado para triagem e avaliação do estado nutricional do paciente hospitalizado precisa ser selecionado no que diz respeito à capacidade do mesmo para prestar a colaboração necessária, além de ser um método de fácil execução, baixo custo, confiável e que transmite segurança na avaliação. Devido a escassez de estudo na área, sugere-se mais estudos no intuito de averiguar o estado nutricional utilizando os diversos métodos. REFERÊNCIAS 1. Bosco VEF, Sousa KMM, Viana KDAL, Calado IL. Estado nutricional de indivíduos hospitalizados em um hospital universitário de São Luís, Maranhão. RevPesqSaúd 213;14(1):

15 2. Fidelix MSP, de França Santana AF, Gomes J R. Prevalência de desnutrição hospitalar em idosos. Revista da Associação Brasileira de Nutrição-RASBRAN 213;5(1): Ferraz LF. Análise do diagnóstico nutricional de pacientes em assistência hospitalar de infectologia. O mundo da saúde 213; 37(3): Saize MC, Simone CC, Filipe GS. Aplicação de métodos subjetivos e antropométricos na avaliação nutricional de adultos hospitalizados-uma revisão da literatura. Revista rede de cuidados em saúde 213; 7(1). 5. Pereira RA, CaetanoAL. Espessura do músculo adutor do polegar como preditor da força de preensão manual nos pacientes em hemodiálise.j. BrasNefrol, São Paulo 213; 35(3): Papera VK, et. al. Espessura do músculo adutor do polegar na avaliação nutricional de pacientes cirúrgicos. Einstein (167948)213; 14(1). 7. Chumlea WC, Guo S, Roche AF, Steinbaugh ML. Prediction of bodyweight for the non ambulatory elderly from anthropometry. Journal of the American Dietetic Association 1988;88(5):

16 8. Frisancho AR. Anthropometric standards for the assessment of grow than dnutritional status. University of Michigan 19; 189 p. 9. Bragagnolo R. Espessura do músculo adutor do polegar: um método rápido e confiável na avaliação nutricional de pacientes cirúrgicos. Rev. Col. Bras. Cir.Mato Grosso, 29; 5(36): Barbosa AR, Souza JM, Lebrão ML, Marucci MDFN. Relação entre estado nutricional e força de preensão manual em idosos do município de São Paulo, Brasil: dados da pesquisa SABE. RevBrasCineantropom Desempenho Hum 26; 8(1), Leonhardt VK, Paludo J. Identificação do risco nutricional em pacientes hospitalizados através da triagem nutricional 213; Destaques Acadêmicos, 5(3). 12. Freitas BJSA, Mesquita LC. Antropometria clássica e músculo adutor do polegar na determinação do prognóstico nutricional em pacientes oncológicos. Revista brasileira de cancerologia2;4(56): Fontoura CSM; Cruz DO; Londero LG, Vieira RM. Avaliação nutricional de paciente crítico. Rev. Bras. Ter. Intensiva. 26; 18(3):

17 14. Duarte ACG, Borges VLS. Semiologia nutricional. Avaliação nutricional: aspectos clínicos e laboratoriais. São Paulo: Atheneu, 213;2: Meneses TC, etal. Perfil antropométrico dos idosos residentes em Campina Grande-PB. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia 213; 16(1): Reis KS. Prevalência de desnutrição em pacientes internados em um hospital geral. Revista Digital de Nutrição, Ipatinga29; 3(5): Ferreira ACD. Comparação entre métodos de avaliação do estado nutricional em idosos hospitalizados [TCC]. Rio Grande do Sul: Faculdade de enfermagem, nutrição e fisioterapia da pontifícia Universidade Católica do Rio grande do Sul, Fernandes AA. Teste de força de preensão manual: análise metodológica e dados normativos em atletas. Fisioter. Mov. Curitiba211; 24(3): Mello ED. O que significa a avaliação do estado nutricional. Jornal de Pediatria 22; 78 (5):

18 2. Oliveira LML. Avaliação Nutricional em Pacientes Hospitalizados: Uma Responsabilidade Interdisciplinar. Porto Velho. Tcc (Graduação) - Faculdade São Lucas e São Mateus; Geraldes AAR, Oliveira ARM, Albuquerque RB, Carvalho JM, Farinatti PTV, et. al. A força de preensão manual é boa preditora do desempenho funcional de idosos frágeis: um estudo correlacional múltiplo. RevBrasMedEsporte 28;14: Pereira FB, Moraes LFS, Paula AP, et. al. Efeito das variáveis antropométricas e da idade no comportamento da força muscular de homens idosos. Brasília med. 2;47: SilvaNA,Menezes TN,Melo RLP, Pedraza DF. Força de preensão manual e flexibilidade e suas relações com variáveis antropométricas em idosos. Rev. Assoc. Med. Bras. [online] 213;59(2):

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro O que é estado nutricional? É o

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR Rita de Cássia Felix 1 ; Eloísa

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   2 INDICADORES DE QUALIDADE DA TERAPIA NUTRICIONAL EM HOSPITAL DE VIÇOSA Danielli Carvalho de Oliveira 1, Tânia Simone Gama Barros 2, Carla Iamin Gomide 3, Raquel Duarte Moreira Alves 4 Resumo: A mensuração

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Cristina Marques de Almeida Holanda¹, Michele Alexandre da Silva². Universidade Federal da Paraíba - UFPB cristinamahd@gmail.com¹, michelebr@live.com

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MANUAL DE AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ADULTOS PARA ESTUDANTES DE NUTRIÇÃO Sônia Maria Ximenes Gomes Lilian Vasconcelos

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO GERIÁTRICA DE SANTA MARIA-RS¹

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO GERIÁTRICA DE SANTA MARIA-RS¹ Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 69-76, 2008. 69 ISSN 2177-3335 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO GERIÁTRICA DE SANTA MARIA-RS¹ RESUMO NUTRITIONAL PROFILE

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA Omero Francisco Bertol 1,2, Percy Nohama 1, Deborah Ribeiro Carvalho 3

Leia mais

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE Rafaella Italiano Peixoto (1); Manuella Italiano Peixoto (2); Hákylla Rayanne Mota de Almeida

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Cristina Marques de Almeida Holanda 1, Michele Alexandre da Silva 2 cristinamahd@gmail.com 1, michelebr@live.com 2 Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 Curso: Nutrição Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 ANTROPOMETRIA CIRCUNFERÊNCIAS CIRCUNFERÊNCIAS Finalidade das Medidas de Circunferências Podem representar:

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA FERNANDA ROSSATTO LAMEIRA 1 ANGÉLICA DIAS DA ROSA 2 TATIANA VALÉRIA TREVISAN 3 CATI RECKELBERG AZAMBUJA 4 RESUMO Este resumo apresenta o estudo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados Avaliação Nutricional de pacientes Profa. Raquel Simões AN em pacientes Na prática clínica, a realização da avaliação do estado td nutricional tii envolve a utilização de uma série de indicadores nutricionais,

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA

18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA 18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA Autor(es) LARISSA BAUNGARTNER Orientador(es) KELLY CRISTINA PAGOTTO FOGAÇA Apoio Financeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

3. Material e Métodos

3. Material e Métodos Avaliação do estado nutricional de escolares do ensino fundamental, composição química e aceitabilidade da merenda escolar ofertada por escolas públicas do município de Barbacena, MG. Natália Cristina

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Dafiny Rodrigues Silva 1, Laís Gomes Lessa Vasconcelos 1, Maria Cecília Costa Moreira Cardoso

Leia mais

ULTRACAVITAÇÃO NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE AVALIADO POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

ULTRACAVITAÇÃO NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE AVALIADO POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA ULTRACAVITAÇÃO NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE AVALIADO POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA Autora(s) MEYER, Patrícia Froes; SILVA, Mona Lisa Rodrigues INTRODUÇÃO Há varias propostas fisioterapêuticas no mercado

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 Universidade do Vale do Paraíba/Nutrição 1 - Avenida Shishima Hifumi, 2.911 Urbanova

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS Liene Mílcia Ap. Josué Orientadora: Prof. Adj. Tamara Goldberg Co-orientador: Prof. Dr. Milton V. do Prado

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 95-102, 2004. 95 ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   2 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA MÃES E CRIANÇAS EM VIÇOSA, MG Tânia Simone Gama Barros 1, Danielli Carvalho de Oliveira 2, Elisangela Vitoriano Pereira 3, Eliene da Silva Martins 4 Resumo: O objetivo deste estudo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital. público no município de Bebedouro/SP

Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital. público no município de Bebedouro/SP 111 Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital público no município de Bebedouro/SP (Nutritional evaluantion of hospitalized individuals in a public hospital in Bebedouro - Brazil) Ana

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale Veronezzi 2 ; Angela

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO Daniela de Oliveira Cardozo* Carmen Maria Lazzari ** *Estomaterapeuta-Unisinos; Especialista em Enfermagem

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS SOUZA, J. P.; MARIN, T. Resumo O diabetes vem sendo considerado um grave problema de saúde pública. O objetivo do estudo foi

Leia mais

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Muriele Marques Job Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Faculdade

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE O EQUILÍBRIO DINÂMICO E O ESTADO NUTRICIONAL DOS FREQUENTADORES DO PROJETO UNINASF

ASSOCIAÇÃO ENTRE O EQUILÍBRIO DINÂMICO E O ESTADO NUTRICIONAL DOS FREQUENTADORES DO PROJETO UNINASF 116 ASSOCIAÇÃO ENTRE O EQUILÍBRIO DINÂMICO E O ESTADO NUTRICIONAL DOS FREQUENTADORES DO PROJETO UNINASF Lísias Venina Souza Brandão¹, Karina Oliveira Martinho² Resumo: O objetivo deste estudo foi associar

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS Allana Almeida de Souza 1 ; Antônia Imaculada Santos Serafim 1 ; Francisca Averlânia Dutra de Sousa 1 ; Gerema

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ Ligia Silva Marcon 1 ; Sergio

Leia mais

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial

Leia mais

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO Patrícia Lima Queiroz, Florene Vale dos Anjos, Queldilene Pereira Protázio, Caroline Ferreira Farias,

Leia mais

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6 Índice Índice de Figuras iii Índice de Tabelas iv Lista de Abreviaturas v Resumo e Palavras-chave vii 1. Introdução 1 2. Objetivos 6 3. Materiais e Métodos 8 4. Resultados e Discussão 10 5. Conclusão 17

Leia mais

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006)

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) 5/6/217 Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição HNT21 Avaliação Nutricional O roteiro da aula prática 1 atividade:, versão 3 de 211 Aula prática a) Uso do software

Leia mais

DIFERENÇAS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ-TERMO E A TERMO

DIFERENÇAS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ-TERMO E A TERMO Introdução Estudos sobre o desenvolvimento de crianças prematuras têm se destacado há alguns anos e, em alguns deles, o desenvolvimento motor desses bebês tem sido comparado com o desenvolvimento de seus

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI L. C. DE SOUSA E V. P. DO NASCIMENTO¹, S. M. DE VASCONCELOS²

Leia mais

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS Wagner Vitória dos Santos (1); Kamila Ângela Dantas Dias (2); Giulliana Helen de Vasconcelos Gomes

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL

PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL NUTRITIONAL AND SOCIOECONOMIC PROFILE OF INTERNED PATIENTS AT VITAL BRAZIL HOSPITAL AND MATERNITY DÉBORAH

Leia mais

Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients

Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients Artigo Original CIRCUNFERÊNCIA DA PANTURRILHA ASSOCIA-SE COM PIOR DESFECHO CLÍNICO EM IDOSOS INTERNADOS Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients Fernanda Souza

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 Morgana Prá 1 Maria Helena Marin 2 RESUMO Vários fatores influenciam no progresso e no resultado

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 1 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT III VII IX X XI XII 1. INTRODUÇÃO 13 1.1. Pertinência do trabalho 14 1.2. Objectivos e Hipóteses de Estudo

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO

O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO O COMPORTAMENTO ALIMENTAR DO IDOSO ATIVO Tainara Cavalcante Silva¹; Marilia Carolina dos Santos Silva ²; Saulo Victor e Silva³ Universidade Potiguar (UnP), Avenida Senador Salgado Filho, nº 1610, Lagoa

Leia mais

Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira

Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira Taxa Metabólica Basal: é importante medir? Tânia Kadima Magalhães Ferreira Taxa Metabólica Basal (TMB) A TMB é definida como taxa de gasto energético no estado pós-absortivo após um jejum noturno de 12hs.

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASSOCIAÇÃO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DA SAÚDE COM INDICADORES DE COMPOSIÇÃO

Leia mais

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Adriana Servilha Gandolfo Nutricionista Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria da USP Supervisora Unidades de Internação Serviço de Nutrição

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM POPULAÇÃO ATENDIDA DURANTE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO Mariana Melenchon Lopes1 Adriellen Duarte de Moraes2 Jéssica

Leia mais

OBJETIVOS. Delimita a pretensão do pesquisador; abrange as finalidades ou as metas que o investigador espera alcançar

OBJETIVOS. Delimita a pretensão do pesquisador; abrange as finalidades ou as metas que o investigador espera alcançar OBJETIVOS Delimita a pretensão do pesquisador; abrange as finalidades ou as metas que o investigador espera alcançar verbo no infinitivo descobrir...avaliar...descrever..., analisar,...relacionar... OBJETIVO

Leia mais

COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE?

COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE? COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE? Carla Raiane Angelina Silva Graduanda em Nutrição, c.raianesilva@gmail.com Priscila Ferreira Cunha Graduanda em Medicina,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR Flávia Regina Moleiro Acadêmica do curso de Nutrição Centro Universitário de Maringá CESUMAR.

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente RESUMO Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente no início da vida adulta. Comportamentos e características

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER

CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER Joice Silva do Nascimento (1); Aryele Rayana Antunes

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL Emilene Prata de Queiroga Nutricionista 1 Especialista em Nutrição Clínica Definição de TNE (ESPEN, 2006). Terapia Nutricional (TNE): um conjunto de

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA OMERO FRANCISCO BERTOL UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

AVALIAÇÂO NUTRICIONAL DE IDOSOS USUÁRIOS DAS ACADEMIAS PARA A TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE NATAL/RN

AVALIAÇÂO NUTRICIONAL DE IDOSOS USUÁRIOS DAS ACADEMIAS PARA A TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE NATAL/RN AVALIAÇÂO NUTRICIONAL DE IDOSOS USUÁRIOS DAS ACADEMIAS PARA A TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE NATAL/RN Jessica Pinheiro Araújo Cardoso 1, Joseane Nadyne de Assis Silva 2, Cristiane Pinheiro de Sousa 3, Thuany

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB Daiane Veloso de Araújo (1); Larissa Raquel Gonzaga da Silva (1);

Leia mais

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 A construção de um protocolo de prevenção de úlcera por pressão em um hospital estadual que atende portadores de deficiência mental: relato de experiência Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 Introdução:

Leia mais

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA Juliana Campos Rodovalho 1 ; Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 2 ; Lílian Fernanda

Leia mais