RELAÇÃO DE CONCORDÂNCIA ENTRE A AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL E O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO DE CONCORDÂNCIA ENTRE A AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL E O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS"

Transcrição

1 ISSN Alim. Nutr., Araraquara v.18, n.4, p , out./dez RELAÇÃO DE CONCORDÂNCIA ENTRE A AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL E O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS Vânia Aparecida Leandro MERHI* Michele Novaes RAVELLI** Daniela Vicinanza Mônaco FERREIRA*** Maria Rita Marques de OLIVEIRA**** RESUMO: O estado nutricional do paciente hospitalizado vem sendo amplamente discutido ao se considerar os efeitos negativos da desnutrição à saúde desse grupo em particular. O objetivo deste trabalho foi verificar a concordância entre 2 métodos de avaliação do estado nutricional de pacientes hospitalizados: a ASG (Avaliação Subjetiva Global) e o IMC (Índice de Massa Corporal). Realizou-se um estudo com 129 pacientes adultos hospitalizados, os quais foram avaliados pela ASG e pelo IMC para classificação do estado nutricional, sendo os resultados processados pelo programa Epi-Info. A concordância dos dois métodos de classificação da desnutrição foi averiguada pelo coeficiente Kappa ponderado (K), segundo os valores: K>0,75 indicando excelente concordância; 0,75>K>0,40 indicando boa concordância e K<0,40 indicando que não houve concordância. O nível de significância adotado foi 5% (0,05). Na classificação pelo IMC, observou-se que 12,4% dos avaliados apresentavam baixo peso (indicador de desnutrição), enquanto a ASG classificou 3,9% dos indivíduos como desnutridos. O resultado do coeficiente Kappa mostrou que não houve concordância entre os dois métodos de avaliação (K=0,14). Também não houve concordância dos métodos de avaliação entre os pacientes cirúrgicos e entre os pacientes com neoplasias, pois os valores do coeficiente Kappa foram inferiores a 0,40. Os resultados deste estudo indicaram que a ASG é uma ferramenta que apresenta mais especificidade para classificar o estado nutricional de enfermos, levando em conta outros fatores além do peso. Já o IMC é um indicador com maior sensibilidade para este fim. Assim, a associação dos dois métodos de avaliação torna-se importante. PALAVRAS CHAVE: Estado nutricional; avaliação subjetiva global; índice de massa corporal. INTRODUÇÃO A desnutrição pode afetar adversamente a evolução clínica de pacientes hospitalizados aumentando o tempo de permanência hospitalar, a incidência de infecções e complicações pós-operatórias, a mortalidade e retardando a cicatrização de feridas, representando um fator de estresse adicional que pode levar a complicações pós-operatórias ou agravá-las. 10,12,15,18 No Brasil, os casos de desnutrição entre os pacientes hospitalizados foram de 48,1% e os de desnutrição grave foram de 12,5%. 22 A realização do diagnóstico nutricional precoce é importante, para a detecção prévia da desnutrição protéico-energética, favorecendo a correção desta deficiência nutricional e a recuperação do paciente, uma vez que há correlação direta com a sua evolução clínica. 14 Apesar destas constatações, a desnutrição não é diagnosticada freqüentemente e o risco de uma deterioração nutricional futura raramente é reconhecido. A desnutrição intra-hospitalar afeta principalmente a população idosa, uma vez que a desnutrição é uma condição comum nessa faixa etária, porém difícil de ser diagnosticada. 9,19 O idoso desnutrido, além das complicações clínicas, tem grande piora na sua qualidade de vida, com o comprometimento de sua autonomia para a realização das atividades da vida diária (AVD). 10,15 O idoso, com pouca ou nenhuma autonomia para a realização das AVD, muitas vezes preso ao leito, é quem mais se beneficia com os métodos subjetivos de avaliação. Apesar da desnutrição protéico calórica ser uma realidade em nossos hospitais, dados recentes da prevalência da obesidade em adultos no Brasil 25 têm apontado para uma mudança no perfil nutricional da população brasileira, o que pode afetar a prevalência de indivíduos com déficit de peso nos nossos hospitais. Entretanto, a perda de peso não intencional é um fator de grande importância no prognóstico da doença, inclusive na pessoa obesa. 4,8 Frente a estas constatações, diversos métodos e técnicas para a interpretação do estado nutricional vêm sendo adotados para a avaliação do paciente hospitalizado. Na *Faculdade de Nutrição PUC Campinas SP Brasil e UNIMEP Piracicaba SP Brasil. **Nutricionista Curso de Nutrição UNIMEP Piracicaba SP Brasil. ***Nutricionista Clinica Lanc Campinas SP Brasil. ****Instituto de Biociências UNESP Botucatu SP Brasil. 375

2 realidade a avaliação nutricional ideal ainda não está definida, pois existem controvérsias em relação aos métodos mais adequados, sensíveis e específicos para sua realização. Dentre estes métodos destacam-se a Avaliação Subjetiva Global (ASG), desenvolvida por Baker et al. 1 e Detsky et al., 8 método originalmente desenvolvido para pacientes cirúrgicos, 1,8 sendo posteriormente utilizado em outras situações clínicas, com o intuito de identificar grupos de pacientes com algum risco nutricional. 2,3 A Avaliação Subjetiva Global é um método válido para a avaliação nutricional baseada na história de perda de peso, de tecido adiposo e muscular, alteração do consumo dietético, sintomas gastrintestinais que persistem por mais de 2 semanas, alteração da capacidade funcional e exame físico. 3,6,20 É, portanto, um método simples, de baixo custo, não invasivo e que pode ser rotineiramente empregado à beira do leito. 2,3 Outros métodos largamente adotados na prática clínica são os indicadores nutricionais objetivos, tais como: antropometria (peso, altura, Índice de Massa Corporal (IMC), pregas cutâneas) e exames bioquímicos (albumina, pré-albumina, transferrina, hemoglobina, hematócrito, contagem total de linfócitos). 17 Os indicadores bioquímicos do estado nutricional têm sido questionados pelo fato de serem afetados por diversos fatores clínicos apresentados pelos pacientes. 17 Com relação à antropometria, o IMC (em kg/m 2 ), com pontos de corte definidos pela Organização Mundial de Saúde, 23,24 é muito utilizado para classificar o estado nutricional do paciente segundo graus de risco. Na tentativa de contribuir com informações para o aprimoramento do diagnóstico nutricional, o objetivo do presente estudo foi verificar o grau de concordância entre a ASG e o IMC, em uma população de pacientes recentemente hospitalizados. CASUÍSTICA E MÉTODO O estudo foi constituído por 129 pacientes sendo 57 (44,2%) do sexo masculino e 72 (55,8%) do sexo feminino, com idade de 53,4±16,9 anos, internados em um hospital privado, sendo excluídos do estudo aqueles pacientes com doenças que resultam em retenção de líquidos corporais (hipoalbuminemia, ascite, insuficiência renal e cardíaca), em jejum e os internados durante o final de semana. Isso foi feito para garantir que a avaliação fosse realizada nas condições de ingresso no hospital. As informações foram coletadas no ano de 2006, num hospital particular de médio porte da cidade de Campinas SP. O presente estudo fez parte do projeto Evolução dos indicadores do estado nutricional e alimentar de grupos específicos da população de Piracicaba e região, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Metodista de Piracicaba sob o protocolo número 83/05, conforme a Resolução n. 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS. O protocolo de coleta de dados foi aplicado no dia da internação, tendo sido utilizado o IMC 22,23 e a ASG 1,8 como indicadores do estado nutricional. As informações sobre a doença de base foram coletadas no prontuário. Para obtenção das medidas de peso e altura foi utilizada balança Filizola com capacidade para 150kg e com haste vertical de 2 metros. A classificação do estado nutricional pelo IMC foi feita segundo critérios da Organização Mundial de Saúde, 23,24 que define como pontos de corte: eutrofia (E): IMC de 18,50 a 24,99 kg/m 2 ; desnutrição grau I (DI): IMC de 17,0 a 18,49 kg/m 2 ; desnutrição grau II (DII): IMC de 16,00 a 16,99 kg/m 2 ; desnutrição grau III (DIII): IMC < 16,0 kg/m 2 ; pré-obesidade (PO): IMC de 25,00 a 29,99 kg/ m 2 ; obesidade grau I (OI): de 30,00 a 34,99 kg/m 2 ; obesidade grau II (OII): IMC de 35 a 39,6 e; obesidade grau III (OIII): IMC > 40 kg/m 2. Todos os pacientes classificados com desnutrição grau I, II e III foram colocados na categoria de desnutridos e aqueles classificados com pré-obesidade, obesidade grau I, II e III foram colocados na categoria de excesso de peso. Para a ASG foi adotado o modelo proposto por BAKER et al. 1 e Detsky et al., 8 que avalia a perda recente de peso e a qualidade da ingestão alimentar, segundo a percepção do paciente ou acompanhante. Ele ainda avalia o estresse metabólico provocado pela doença, depleção muscular e presença de edema característico de desnutrição protéica, sendo esse conjunto de dados subjetivamente classificados em: adequação nutricional; desnutrição leve, moderada ou grave. Para efeito de análise, os pacientes foram classificados em apenas dois grupos: sem desnutrição ou com desnutrição. Os dados levantados foram processados pelo programa Epi-Info e expressos como média e desvio padrão e a análise estatística para verificar a concordância entre os dois métodos de avaliação nutricional (IMC e ASG), foi realizada pelo coeficiente Kappa ponderado K, segundo os valores: K>ou=0,75, indicando excelente concordância; K entre 0,75-0,40, indicando boa concordância e K<ou=0,40, indicando que não houve concordância entre os dois métodos. O nível de significância adotado foi 5% (0,05). RESULTADOS A doença mais freqüentemente encontrada foi neoplasia, tanto para o sexo feminino (16,2%), quanto para o masculino (17,05%). As demais situações clínicas encontradas foram pacientes internados para procedimentos cirúrgicos, cardiopatias, pneumopatias, diabetes, hepatopatias e outras (Tabela 1). 376

3 Tabela 1 Distribuição da população do estudo por tipo de doenças (n=129). Grupos de doenças Feminino (n=72) Masculino (n=57) Neoplasias 16,2 17,0 Cirurgias 16,2 10,8 Cardiopatias 1,5 4,6 Pneumopatias 3,1 3,2 Diabetes 5,4 1,5 Hepatopatias 0,7 2,3 Outras 12,4 0,7 Total 55,8 44,2 A classificação do estado nutricional por gênero, segundo o IMC, apresentada na Tabela 2, apontou prevalência de 29,5% de obesidade, 12,4% de baixo peso e 58,1 de eutrofia. Enquanto que pela ASG classificou-se somente 3,9% da população com desnutrição e a maioria sem desnutrição (96,1%), conforme apresentado na Tabela 3. Para efeito de análise do IMC em relação à ASG, foram agrupados os pacientes classificados pelo IMC como eutróficos e como obesos numa única categoria (eutrofia). Foi utilizado o coeficiente Kappa para verificar a intensidade da concordância entre os 2 métodos (ASG e IMC). No caso, o IMC mostrou uma maior porcentagem de pacientes desnutridos (Tabela 4), não existindo concordância entre os 2 métodos, conforme coeficiente Kappa de 0,14, pois como se observa na tabela 4, dos 5 indivíduos classificados com desnutrição pela ASG, dois apresentaram baixo peso, um apresentou eutrofia e dois estavam com excesso de peso, enquanto a ASG classificou no grupo sem desnutrição 14 pacientes com baixo peso. Quando o número de pacientes era significativo, o efeito nos resultados da avaliação nutricional foi avaliado calculando-se o coeficiente Kappa, isso foi possível somente para os grupos de pacientes cirúrgicos (n=35) e pacientes com neoplasias (n=43). Verificou-se nos 2 grupos de doenças que não houve evidência de concordância entre os 2 métodos, pois os valores do coeficiente Kappa foram menores que 0,40 (Tabela 5). DISCUSSÃO Os resultados indicaram que a ASG tende a subestimar os achados encontrados pelo método antropométrico. Contudo, apesar desta tendência de subestimar a proporção Tabela 2 Estado nutricional da população do estudo, segundo o IMC. IMC Masculino Feminino Total n % n % n % Baixo peso 9 15,8 7 9, ,4 Eutrofia 30 52, , ,1 Excesso de peso 18 31, , ,5 Total IMC = Índice de Massa corporal Tabela 3 Estado nutricional da população do estudo, segundo a somatória dos pontos da ASG. ASG Masculino Feminino Total n % n % n % Com desnutrição 2 1,5 3 2,3 5 3,9 Sem desnutrição 55 42, , ,1 Total 57 44, , ASG = Avaliação Subjetiva Global 377

4 Tabela 4 Concordância da distribuição da população do estudo, segundo o IMC e a ASG. Classificação segundo a ASG Baixo peso n Classificação segundo o IMC Eutrofia n Excesso de peso n Com desnutrição Sem desnutrição Total * Coefi ciente kappa=0,14; ASG = Avaliação Subjetiva Global; IMC = Índice de Massa Corporal Total N Tabela 5 Distribuição da população do estudo, segundo o IMC e a ASG por doenças. IMC ASG Cardiopatias Diabetes Cirurgias Hepatopatias Neoplasias Pneumopatias Outras BP E EP BP E EP BP E EP BP E EP BP E EP BP E EP BP E EP CD SD Total * Coeficiente kappa < 0,01, para o grupo de cirurgias e Coeficiente kappa=0,05, para o grupo de neoplasias; BP = baixo peso; E = eutrofia; EP = excesso de peso; CD = com desnutrição; SD = sem desnutrição. de indivíduos desnutridos, a ASG apresenta maior especificidade para o diagnóstico da desnutrição, já que identificou esse processo também entre pacientes eutróficos e obesos. Já o IMC, no ponto de corte adotado, pode ser considerado um método mais sensível, pois incluiu maior número de indivíduos entre o grupo de desnutridos (baixo peso). A associação dos dois métodos elevaria para 14,72% o número de pacientes desnutridos, como pode ser computado na Tabela 4, pois a ASG classificou como desnutrido um paciente eutrófico e 2 obesos. A especificidade da ASG será tanto mais importante, quanto maior for a proporção de obesos, de indivíduos com desnutrição protéica e indivíduos com doenças associadas a edemas e retenção de líquidos. Os resultados das avaliações realizadas apontam para a vantagem de associação dos dois métodos, especialmente quando pretende-se a inclusão do maior número de pacientes em situação de risco. Considerando que o peso é um indicador importante no estado nutricional, fortemente relacionado à perda de massa magra, e que na ASG a depleção muscular é subjetivamente avaliada, podemos inferir que a ASG certamente classificará os indivíduos de muito baixo peso no grupo dos desnutridos. Os achados de desnutrição segundo o IMC neste estudo (12,4%) são semelhantes aos encontrados por Landi et al., 13 os quais encontraram 11,1% dos pacientes desnutridos, sendo 3,8% na população masculina e 7,3% na população feminina. Por outro lado, esses números são mais elevados que os encontrados por Hosseini et al., 12 que identificaram 7,0% dos pacientes hospitalizados em estado de desnutrição e desnutrição grave (5,7% e 1,3%, respectivamente). Resultados superiores aos encontrados neste estudo foram obtidos por Cordeiro & Moreira, 6 os quais identificaram 65% dos pacientes com IMC abaixo do proposto pela idade. Os estudos que avaliam a desnutrição nos hospitais apresentam grande diversidade de informações, chegando a prevalência variar de 3% a mais de 50%. 7,16,20,21 Esta variação nos resultados se deve ao tipo de serviço prestado pelo hospital, pois umas doenças são mais debilitantes que outras e também as clientelas de cada hospital deferem nas condições socioeconômicas, mas as diferenças principais podem ser atribuídas à metodologia de avaliação e aos pontos de corte dos indicadores adotados para classificar o estado nutricional. De acordo com Cordeiro & Moreira, 6 há uma diferença de 5% a 10% entre os casos de desnutrição moderada e desnutrição grave pelos métodos antropométricos (IMC) e pela ASG, sugerindo que este último pode ser utilizado como método seletivo e complementar do diagnóstico nutricional. Segundo Coppini et al., 5 há associações estatísticas significantes entre albumina, hemoglobina, prega cutânea triciptal e circunferência muscular do braço (avaliação objetiva) com a presença de desnutrição constatada pela ASG. Em estudo recente, Gurreebun et al. 11 compararam a avaliação nutricional por métodos objetivos e pela ASG, observaram que dos 141 pacientes analisados, 41 foram classificados com desnutrição pelos métodos objetivos, sendo 29 pacientes com albumina inferior a 35g/L, 9 pacientes com IMC menor que 18,5 kg/m 2, e 15 pacientes com perda de peso superior a 10% em 6 meses. Na ASG, apenas 13 pacientes foram classificados com desnutrição 378

5 leve e moderada, estando estes classificados como desnutridos também pelos métodos objetivos. Embora no presente estudo a ASG não tenha sido sensível para identificar todos os indivíduos com IMC inferior a 18,5 kg;m 2, esse método tem algumas vantagens sobre o IMC. Como pode ser constado no estudo de Gurreebun et al., 12 o IMC não identifica a desnutrição protéica, caracterizada pela baixa concentração de albumina sérica e a perda de peso não intencional de indivíduos com reserva de massa corporal; enquanto a ASG leva em conta esse aspecto ao avaliar a presença de edema e a perda recente de peso. Sem contar que ela permite a avaliação sem o uso de equipamentos. Assim, se inferes que a abordagem subjetiva é importante, já que a pesagem do paciente acamado nem sempre é possível de ser realizada na prática hospitalar. CONCLUSÃO Os resultados deste estudo indicaram que não há concordância da avaliação do estado nutricional pela ASG e o IMC. A ASG é uma ferramenta mais específica para classificar o estado nutricional de enfermos, pois leva em conta outros fatores além do peso, já o IMC é um indicador mais sensível, classificando um maior número de indivíduos com o peso abaixo do esperado. Assim, esforços devem ser feitos para a associação das duas ferramentas na rotina hospitalar. MERHI, V. A. L.; RAVELLI, M. N.; FERREIRA, D. V. M.; OLIVEIRA, M. R. M. Relationship of agreement between subjective global assessment and body mass index in hospitalized patients. Alim. Nutr., Araraquara, v.18, n.4, p , out./dez ABSTRACT: The nutritional status of inpatients is being broadly discussed because of the negative effects that malnutrition has in the health of this group in particular. The objective of this study was to verify the agreement between two nutritional assessment methods in inpatients: the SGA (Subjective Global Assessment) and the BMI (Body Mass Index). The study included 129 adult inpatients that were assessed by the SGA and BMI methods to classify their nutritional status and the results were processed by the Epi- Info software. Agreement between the two classification methods was verified by the weighted Kappa coefficient (K) according to the values: K>0.75 indicates excellent agreement; 0.75>K>0.40 indicates good agreement and K<0.40 indicates that there was no agreement. The level of significance adopted was of 5% (0.05). In the BMI classification, 12.4% of the sample presented low weight (indicator of malnutrition) while the SGA classified 3.9% of the sample as undernourished. The result of the kappa coefficient showed that there was no agreement between the two assessment methods (K=0.14). There was also no agreement between these assessment methods when surgical and cancer patients were assessed since the kappa values were below The results of this study indicate that SGA is a tool that is more specific to classify the nutritional status of diseased individuals since it takes into account other factors besides weight. On the other hand, the BMI is more sensitive. Thus, the association between the two assessment methods becomes desirable. KEYWORDS: Nutritional status; subjective global assessment; body mass index. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BAKER, J.P. et al. Nutritional assessment: a comparison of clinical judgment and odjective measurements. N. Engl. J. Med., Massachusetts, v.306, p , BARBOSA-SILVA, M.C.G.; BARROS, A.J.D. Avaliação nutricional subjetiva: parte 1 Revisão de sua validade após duas décadas de uso. Arq. Gastroenterol., São Paulo, v. 39, n. 3, p , BARBOSA-SILVA, M.C.G.; BARROS, A.J.D. Avaliação nutricional subjetiva: parte 2 Revisão de suas adaptações e utilizações nas diversas especialidades clínicas. Arq. Gastroenterol., São Paulo, v. 39, n. 4, p , CAMPBELL, K.L. et al. Critical review of nutrition assessment tools to measure malnutrition in chronic kidney desease. Nutr. Diet., Australia, v. 64, n. 1, p , COPPINI, L.Z. et al. Comparação da avaliação nutricional subjetiva global x avaliação nutricional subjetiva. Rev. Ass. Méd. Brasil., São Paulo, v.41, n. 1, p. 6-10, CORDEIRO, R.G.; MOREIRA, E.A.M. Avaliação nutricional subjetiva global do idoso hospitalizado. Rev. Bras. Nutr. Clin., Porto Alegre, v. 18, n. 3, p , CORREIA, M.I.T.D.; CAMPOS, A.C.L. Prevalence of hospital malnutrition in Latin America: the multicenter ELAN study. Nutrition, Burbank, v. 19, n. 10, p , DETSKY, A.S et al. What is subjective global assessment of nutritional status? J.P.E.N., Stanford, v. 11, p. 8-13, FLEISS, J.L. Statistical methods for rates and proportions. 2 nd ed. New York: Jonh Wiley & Sons, p. 10. GORZONI, M.L.; PIRES, S.L. Idosos asilados em hospitais gerais. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 6, p , GURREEBUN, F. et al. Nutritional screening in patients on hemodialysis: is subjective global assessment an appropriate tool?. J. Renal Nutr., California, v. 17, n. 2, p ,

6 12. HOSSEINI, S. et al. Nutrition status of patients during hospitalization, Tehran, Iran. Nutr. Clin. Pract., Stanford, v. 21, n. 5, p , LANDI, F. et al. Body mass index and mortality among hospitalized patients. Arch. Intern. Med., Chicago, v.160, p , NEHME, M.N. et al. Contribuição da semiologia para o diagnóstico nutricional de pacientes hospitalizados. Arch. Latin. Nutr., Caracas, v. 56, n. 2, Disponível em contribuicao_semiologia.asp#. Acesso em: 16 jul NITENBERG, G.; RAYNARD, B. Nutritional support of the cancer patient: issues and dilemmas. Crit. Rev. Oncol. Hematol., Amsterdam, v.34, p , PHAM, N.V. et al. Application of subjective global assessment as a screening tool for malnutrition in surgical patients in Vietnam. Clin. Nutr., Amsterdam, v. 25, p.2 108, RITTER, L.; GAZZOLA, J. Avaliação nutricional no paciente cirrótico: uma abordagem objetiva, subjetiva ou multicompartimental? Arq. Gastroenterol., São Paulo, v. 43 n. 1, p , SENA, F.G. et al. Estado nutricional de pacientes internados em enfermaria de gastroenterologia. Rev. Nutr., São Paulo, v. 12, n. 3, p , SULLIVAN, D.H.; SUN, S.; WALLS, R.C. Proteinenergy undernutrition among elderly hospitalized patients: a prospective study. J.A.M.A., Chicago, v. 281, n. 21, p , SUNGURTEKIN, H. et al. Comparison of two nutrition assessment techniques in hospitalized patients. Nutrition, Burbank, v. 20, n. 5, p , TSAI, A.C.et al. Assessment of the nutritional risk of > 53 year-old men ond women in Taiwan. Public Health Nutr., Cambridge, v. 7, p , WAITZBERG, D.L.; CAIAFFA, W.T.; CORREIA M.I.T.D. Hospital malnutrition: the brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutrition, Burbank, v. 17, n.7, p , WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva, p. 24. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. Geneve, p. 25. WORLD HEALTH ORGANIZATION. What is the scale of the obesity problem in your country? Disponível em: infobase/web Acesso em: 16 abr

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL Emilene Prata de Queiroga Nutricionista 1 Especialista em Nutrição Clínica Definição de TNE (ESPEN, 2006). Terapia Nutricional (TNE): um conjunto de

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR Rita de Cássia Felix 1 ; Eloísa

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA

18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA 18º Congresso de Iniciação Científica ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA Autor(es) LARISSA BAUNGARTNER Orientador(es) KELLY CRISTINA PAGOTTO FOGAÇA Apoio Financeiro

Leia mais

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6 Índice Índice de Figuras iii Índice de Tabelas iv Lista de Abreviaturas v Resumo e Palavras-chave vii 1. Introdução 1 2. Objetivos 6 3. Materiais e Métodos 8 4. Resultados e Discussão 10 5. Conclusão 17

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL

PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL PERFIL NUTRICIONAL E SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL E MATERNIDADE VITAL BRAZIL NUTRITIONAL AND SOCIOECONOMIC PROFILE OF INTERNED PATIENTS AT VITAL BRAZIL HOSPITAL AND MATERNITY DÉBORAH

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA Omero Francisco Bertol 1,2, Percy Nohama 1, Deborah Ribeiro Carvalho 3

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE Rafaella Italiano Peixoto (1); Manuella Italiano Peixoto (2); Hákylla Rayanne Mota de Almeida

Leia mais

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados

Avaliação Nutricional de pacientes hospitalizados Avaliação Nutricional de pacientes Profa. Raquel Simões AN em pacientes Na prática clínica, a realização da avaliação do estado td nutricional tii envolve a utilização de uma série de indicadores nutricionais,

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital. público no município de Bebedouro/SP

Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital. público no município de Bebedouro/SP 111 Avaliação nutricional de indivíduos internados em hospital público no município de Bebedouro/SP (Nutritional evaluantion of hospitalized individuals in a public hospital in Bebedouro - Brazil) Ana

Leia mais

MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NO DIAGNÓSTICO DO IDOSO HOSPITALIZADO

MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NO DIAGNÓSTICO DO IDOSO HOSPITALIZADO MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NO DIAGNÓSTICO DO IDOSO HOSPITALIZADO Ligia Batiston (Acadêmica Nutrição/UNICENTRO), Ivete Aparecida Rodrigues Ferreira (Orientadora), e-mail: iveteraparecida@ig.com.br Universidade

Leia mais

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Adriana Servilha Gandolfo Nutricionista Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria da USP Supervisora Unidades de Internação Serviço de Nutrição

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 Universidade do Vale do Paraíba/Nutrição 1 - Avenida Shishima Hifumi, 2.911 Urbanova

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS E SUA ASSOCIAÇÃO COM O GRAU DE ESTRESSE DAS ENFERMIDADES

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS E SUA ASSOCIAÇÃO COM O GRAU DE ESTRESSE DAS ENFERMIDADES Resumo Cintra, et al. Estado nutricional de pacientes hospitalizados... ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS E SUA ASSOCIAÇÃO COM O GRAU DE ESTRESSE DAS ENFERMIDADES Renata Maria Galvão de Campos

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE PIRAQUARA NUTRITIONAL PROFILE OF PUBLIC SCHOOL CHILDREN IN THE TOWN OF PIRAQUARA

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE PIRAQUARA NUTRITIONAL PROFILE OF PUBLIC SCHOOL CHILDREN IN THE TOWN OF PIRAQUARA Descritores estado nutricional; merenda escolar; desnutrição infantil Descriptors nutritional status; school feeding; child nutrition disorders Biografia 1. Graduanda em - Faculdades Integradas do Brasil

Leia mais

3. Material e Métodos

3. Material e Métodos Avaliação do estado nutricional de escolares do ensino fundamental, composição química e aceitabilidade da merenda escolar ofertada por escolas públicas do município de Barbacena, MG. Natália Cristina

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ADULTOS E IDOSOS HOSPITALIZADOS

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ADULTOS E IDOSOS HOSPITALIZADOS PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ADULTOS E IDOSOS HOSPITALIZADOS Saúde e Pesquisa, Maringá (PR) DOI: http://dx.doi.org/10.177651/1983-1870.2016v9n1p25-29 Arúquia Souza A zevedo Dayane Cardoso Oliveira Priscilla

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS Liene Mílcia Ap. Josué Orientadora: Prof. Adj. Tamara Goldberg Co-orientador: Prof. Dr. Milton V. do Prado

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA OMERO FRANCISCO BERTOL UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Influência do Câncer no Estado Nutricional UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Caquexia Definição: Síndrome multifatorial caracterizada

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 95-102, 2004. 95 ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

Curso Extensivo em Nutrição. Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco

Curso Extensivo em Nutrição. Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco Curso Extensivo em Nutrição Aula Demo - Avaliação Nutricional no Cardíaco P á g i n a 1 Conteúdo Introdução...3 Importância da avaliação nutricional no cardíaco...3 Aconselhamento nutricional do cardíaco...9

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Cyro Ciari Junior * Iara Lucia Brayner Mattos * Keiko Ogura Buralli * Malaquias Baptista Filho ** Néia Schor*

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro O que é estado nutricional? É o

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   2 INDICADORES DE QUALIDADE DA TERAPIA NUTRICIONAL EM HOSPITAL DE VIÇOSA Danielli Carvalho de Oliveira 1, Tânia Simone Gama Barros 2, Carla Iamin Gomide 3, Raquel Duarte Moreira Alves 4 Resumo: A mensuração

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS IDOSOS ASSISTIDOS EM TERESINA PI ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY PEOPLE ATTENDED IN TERESINA -PI L. C. DE SOUSA E V. P. DO NASCIMENTO¹, S. M. DE VASCONCELOS²

Leia mais

Risco nutricional em pacientes hospitalizados durante o período de internação

Risco nutricional em pacientes hospitalizados durante o período de internação Artículo Original DOI: 10.12873/363duarte Risco nutricional em pacientes hospitalizados durante o período de internação Nutritional risk in hospitalized patients during hospital stay Duarte, Agnis 1 ;

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

Espessura do músculo adutor do polegar como parâmetro antropométrico em pacientes críticos

Espessura do músculo adutor do polegar como parâmetro antropométrico em pacientes críticos Artigo Original Caporassi FS et al. Espessura do músculo adutor do polegar como parâmetro antropométrico em pacientes críticos Thickness of the adductor pollicis muscle as an anthropometric parameter in

Leia mais

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Instituto Nacional de Saúde, IP _ Determinantes de Saúde _Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Influence of socioeconomic factors in overweight

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL UTILIZANDO A MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL (MAN) EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL UTILIZANDO A MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL (MAN) EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL UTILIZANDO A MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL (MAN) EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Nathália Márcia dos Santos 1, João Paulo Bento Córdoba 1, Crislaine Silva Pinto 1, Maria Regina

Leia mais

ALTERAÇÕES DA GLICEMIA DE JEJUM EM NUTRICIONISTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ALTERAÇÕES DA GLICEMIA DE JEJUM EM NUTRICIONISTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO ALTERAÇÕES DA GLICEMIA DE JEJUM EM NUTRICIONISTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO Lídia Laís Gomes Silva 1 ; Poliana Coelho Cabral 2 1 Estudante do Curso de Nutrição- CCS UFPE; E-mail: lidialaisgs@gmail.com 2

Leia mais

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 Nutricional do Paciente Oncológico Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 O conceito de que a qualidade é importante surge em 1970, com o renascimento da indústria japonesa que, seguindo os preceitos do

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MANUAL DE AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ADULTOS PARA ESTUDANTES DE NUTRIÇÃO Sônia Maria Ximenes Gomes Lilian Vasconcelos

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients

Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients Artigo Original CIRCUNFERÊNCIA DA PANTURRILHA ASSOCIA-SE COM PIOR DESFECHO CLÍNICO EM IDOSOS INTERNADOS Calf circumference is associated with the worst clinical outcome in elderly patients Fernanda Souza

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 Morgana Prá 1 Maria Helena Marin 2 RESUMO Vários fatores influenciam no progresso e no resultado

Leia mais

Risco nutricional em pacientes idosos hospitalizados como determinante de desfechos clínicos

Risco nutricional em pacientes idosos hospitalizados como determinante de desfechos clínicos 32 Artigo REVISTA original GERIATRIA & GERONTOLOGIA Risco nutricional em pacientes idosos hospitalizados como determinante de desfechos clínicos Adriane dos Santos da Silva a,ida Cristina Mannarino b,

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DESNUTRIÇÃO CALÓRICO-PROTÉICA 3 / 14

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DESNUTRIÇÃO CALÓRICO-PROTÉICA 3 / 14 APLICAÇÃO DE MÉTODOS SUBJETIVOS E ANTROPOMÉTRICOS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ADULTOS HOSPITALIZADOS - UMA REVISÃO DA LITERATURA APPLICATION OF SUBJECTIVE METHODS IN ANTHROPOMETRIC AND NUTRITIONAL ASSESSMENT

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY RESUMO PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERREIRA 1,Camila da Silva GUIMARÃES, Keyth 2, Sulamitta de Lima

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Muriele Marques Job Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Faculdade

Leia mais

PREVALÊNCIA DE ANEMIA EM GESTANTES ATENDIDAS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB

PREVALÊNCIA DE ANEMIA EM GESTANTES ATENDIDAS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB PREVALÊNCIA DE ANEMIA EM GESTANTES ATENDIDAS NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB PREVALENCE OF ANEMIA IN PREGNANT WOMEN ANSWERED IN BASIC HEALTH UNITS OF THE MUNICIPALITY OF CABEDELO-PB

Leia mais

Diagnóstico nutricional em doenças tropicais na Amazônia brasileira

Diagnóstico nutricional em doenças tropicais na Amazônia brasileira Originais / Originals Diagnóstico nutricional em doenças tropicais na Amazônia brasileira Resumo A influência do estado nutricional sobre a evolução clínica de indivíduos enfermos torna evidente a importância

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

Anthropometric profile of hospitalized patients from a university hospital

Anthropometric profile of hospitalized patients from a university hospital Artigo Original Perfil antropométrico dos pacientes internados em um hospital universitário Anthropometric profile of hospitalized patients from a university hospital Luciane Beitler da Cruz, Nicia Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM MULHERES IDOSAS RESIDENTES EM INSTITUIÇÃO ASILAR Flávia Regina Moleiro Acadêmica do curso de Nutrição Centro Universitário de Maringá CESUMAR.

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT III VII IX X XI XII 1. INTRODUÇÃO 13 1.1. Pertinência do trabalho 14 1.2. Objectivos e Hipóteses de Estudo

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

DIFERENÇAS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES RESUMO

DIFERENÇAS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES RESUMO DIFERENÇAS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES Drielly Lima Valle Folha Salvador Carlos Alexandre Molena Fernandes Enfermeira. Universidade Estadual de Maringá. Departamento

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES EM CIRURGIA RESUMO

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES EM CIRURGIA RESUMO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES EM CIRURGIA 105 Vânia Aparecida LEANDROMERHI 1 Rosa Wanda Diez GARCIA 2 Bruna TAFNER 3 Magda Calheiros FLORENTINO 3 Rosana CASTELI 4 José Luiz Braga de AQUINO 5 RESUMO Com

Leia mais

PREVALENCIA DE DESNUTRIÇÃO EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA GRANDE VITÓRIA ES - BRASIL

PREVALENCIA DE DESNUTRIÇÃO EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA GRANDE VITÓRIA ES - BRASIL PREVALENCIA DE DESNUTRIÇÃO EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA GRANDE VITÓRIA ES - BRASIL Roberta Pereira dos Santos Nutricionista na UNIMED Vitória. E-mail: betaps@ oi.com.br Jaqueline Morete dos Santos Nutricionista

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE RECIFE-PE

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE RECIFE-PE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Revista Destaques Acadêmicos, Lajeado, v. 8, n. 3, 2016. ISSN 2176-3070 DOI: http://dx.doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v8i3a2016.1204 www.univates.br/revistas PERFIL

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO MILENA CAROLINA SILVA CASTRO OLIVEIRA

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO MILENA CAROLINA SILVA CASTRO OLIVEIRA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO MILENA CAROLINA SILVA CASTRO OLIVEIRA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO DE ESCOLARES BAURU 2016 MILENA CAROLINA SILVA CASTRO OLIVEIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Comitê de Ética. Dados do Projeto e do Coordenador do Projeto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Comitê de Ética. Dados do Projeto e do Coordenador do Projeto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Comitê de Ética Dados do Projeto e do Coordenador do Projeto Título do Projeto Avaliação nutricional de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO, CLÍNICO E NUTRICIONAL DE UM GRUPO DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO

PERFIL SOCIOECONÔMICO, CLÍNICO E NUTRICIONAL DE UM GRUPO DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO PERFIL SOCIOECONÔMICO, CLÍNICO E NUTRICIONAL DE UM GRUPO DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO Francisco Régis da Silva¹, Isabela Geísa Nogueira Costa¹, Jaques Luis Casagrande, Luciana de Sousa Santos,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. v LISTA DE TABELAS Página TABELA 1 - Categorias de IMC...13 TABELA 2 - Valores do teste Shapiro Wilks... 20 TABELA 3 - Distribuição dos praticantes e não praticantes de futsal segundo calssificação de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE MULHERES QUE REALIZAM MASSAGENS COM FINALIDADE DE EMAGRECIMENTO SOUZA, P. R.; LOURIVAL, N. B. S. Resumo: Procedimentos estéticos devem estar associados a uma alimentação

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2 Maria Grossi Machado3 Milene Peron Rodrigues Losilla4

Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2 Maria Grossi Machado3 Milene Peron Rodrigues Losilla4 PERFIL ANTROPOMÉTRICO E PREVALÊNCIA DE DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PROFISSIONAIS CAMINHONEIROS E MOTORISTAS ATENDIDOS EM AÇÃO EDUCATIVA Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: UMA RESPONSABILIDADE INTERDISCIPLINAR

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: UMA RESPONSABILIDADE INTERDISCIPLINAR 240 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: UMA RESPONSABILIDADE INTERDISCIPLINAR MSc Luna Mares Lopes de Oliveira 1 Ana Paula Coelho Rocha 2 MSc Jânia Maria Augusta da Silva 3 Resumo: A desnutrição

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA FERNANDA ROSSATTO LAMEIRA 1 ANGÉLICA DIAS DA ROSA 2 TATIANA VALÉRIA TREVISAN 3 CATI RECKELBERG AZAMBUJA 4 RESUMO Este resumo apresenta o estudo

Leia mais

AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS

AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS 1 AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS GONTIJO, Pires Lidia (UNITRI) lpiresgontijo@yahoo.com.br ARAUJO, Thomas Cristina

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES HOSPITALIZADOS RESUMO

DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES HOSPITALIZADOS RESUMO DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES HOSPITALIZADOS Sabrina Jéssica Ferreira de Souza 1 Roberta Mara Cunha Gonçalves 2 Dênio Gonçalves de Carvalho 3 Daniela de Stefani Marquez 4 RESUMO A desnutrição pode ser definida

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Dafiny Rodrigues Silva 1, Laís Gomes Lessa Vasconcelos 1, Maria Cecília Costa Moreira Cardoso

Leia mais

COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE?

COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE? COMO É A PERCEPÇÃO CORPORAL DE USUÁRIOS DE SERVIÇO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA Á SAÚDE? Carla Raiane Angelina Silva Graduanda em Nutrição, c.raianesilva@gmail.com Priscila Ferreira Cunha Graduanda em Medicina,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ

RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE IMC E DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA DE MARINGÁ Ligia Silva Marcon 1 ; Sergio

Leia mais

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INSATISFAÇÃO CORPORAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale Veronezzi 2 ; Angela

Leia mais

ALTERAÇÕES BIOQUÍMICAS EM PACIENTES OBESOS QUE FORAM SUBMETIDOS A TRATAMENTO CIRÚRGICO FOBI-CAPELLA

ALTERAÇÕES BIOQUÍMICAS EM PACIENTES OBESOS QUE FORAM SUBMETIDOS A TRATAMENTO CIRÚRGICO FOBI-CAPELLA 1 ALTERAÇÕES BIOQUÍMICAS EM PACIENTES OBESOS QUE FORAM SUBMETIDOS A TRATAMENTO CIRÚRGICO FOBI-CAPELLA CASTRO, Larissa de Assis (Unitri): larissa_assis_@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (Unitri):

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 CARDOSO, Eduardo Rangel 2 ; PANDA, Maria Denise de Justo 3 ; FIGUEIRÓ, Michele Ferraz

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UTILIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES FÍSICAS PARA DIAGNÓSTICO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ RAFAEL DE PAIVA PEREIRA THIERS VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ, ITAJUBÁ MINAS GERAIS

Leia mais