ANÁLISE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Hierarquia Fluvial Análise linear da rede hidrográfica Análise areal das bacias hidrográficas Análise hipsométrica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Hierarquia Fluvial Análise linear da rede hidrográfica Análise areal das bacias hidrográficas Análise hipsométrica"

Transcrição

1

2 ANÁLISE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Hierarquia Fluvial Análise linear da rede hidrográfica Análise areal das bacias hidrográficas Análise hipsométrica

3 Hierarquia Fluvial Consiste no processo de se estabelecer a classificação de determinado curso de água no conjunto total da bacia. Canais de primeira ordem não possuem afluentes; Canais de segunda ordem somente recebem tributários de primeira ordem; Os de terceira ordem podem receber um ou mais tributários de primeira ou segunda ordem. Diferença entre a hierarquia de Horton e Strahler.

4 A quantidade de canais é obtida pela soma dos canais de primeira ordem (classificação de Strahler) e nas diversas ordens (classificação de Horton).

5 Análise linear da rede hidrográfica Comprimento médio dos canais de cada ordem: Comprimento dos canais: L Ordem de canais: u Comprimento dos canais de cada ordem: Lu Comprimento médio dos segmentos fluviais: Lm Número de segmentos encontrados na respectiva ordem: Nu Lm = Lu Nu

6 Comprimento do rio principal: é a distância que se estende ao longo do curso de água desde a desembocadura até determinada nascente. Mas qual é o curso principal? A) Horton: o canal de ordem mais elevada corresponde ao rio principal; B)Shreve: curso de água mais longo

7 Gradiente dos canais: vem a ser a relação entre a diferença máxima de altitude entre o ponto de origem e o término com o comprimento do respectivo segmento fluvial. Sua finalidade é indicar a declividade dos cursos de água.

8 Análise areal das bacias hidrográficas Área da bacia: toda a área drenada pelo conjunto do sistema fluvial, projetada em plano horizontal. Determinado o perímetro, a área pode ser calculada com o auxílio de planímetro, papel milimetrado, pesagem de papel ou com o uso de SIG.

9 Comprimento da bacia: Distância medida em linha reta entre a foz e determinado ponto do perímetro; Maior distância medida em linha reta, entre a foz e determinado ponto situado ao longo do perímetro; Distância medida, em linha reta, entre a foz e o mais alto ponto situado ao longo do perímetro; Distância medida em linha reta acompanhando paralelamente o rio principal.

10 Forma da bacia: índice de circularidade (Miller, 1953): é a relação existente entre a área da bacia e a área do círculo de mesmo perímetro. Ic = A Ac Ic é o índice de circularidade; A é a área da bacia Ac é a área do círculo de perímetro igual ao da bacia considerada. O valor máximo a ser obtido é igual a 1,0 e quanto maior o valor, mais próxima da forma circular estará a bacia de drenagem.

11 Densidade de rios: é a relação existente entre o número de rios ou cursos d água e a área da bacia hidrográfica. Sua finalidade é comparar a frequência ou a quantidade de cursos de água existentes em uma área de tamanho padrão, como o quilômetro quadrado. Dr = N A Dr é a densidade de rios; N é o número de rios A é a área da bacia considerada. Representa o comportamento hidrográfico de determinada área para a capacidade de gerar novos cursos de água.

12 Densidade de drenagem: correlaciona o comprimento total dos canais de escoamento com a área da bacia hidrográfica: Dd = Lt A Dd é a densidade de drenagem; Lt é o comprimento total dos canais A é a área da bacia. Relação do comportamento hidrológico das rochas que repercute na densidade de drenagem. Apresenta relação inversa com o comprimento dos rios. À medida que aumenta o valor numérico da densidade há diminuição quase proporcional do tamanho dos componentes fluviais das bacias de drenagem.

13 Análise hipsométrica Amplitude altimétrica máxima da bacia: corresponde à diferença altimétrica entre a altitude da desembocadura e a altitude do ponto mais alto situado em qualquer lugar da divisória topográfica: a cota máxima seria a média resultante dos pontos mais elevados entre os canais de primeira ordem do trecho superior da bacia considerada.

14 Índice de rugosidade: expressa-se como número adimensional que resulta do produto entre a amplitude altimétrica e a densidade de drenagem. Ir = H. Dd Ex: Se Dd aumenta enquanto o valor de H permanece constante, a distância horizontal média entre a divisória e os canais adjacentes é reduzida, acompanhada de aumento da declividade. Se H aumenta enquanto Dd permanece constante, também aumenta das diferenças altimétricas entre o interflúvio e os canais de declividade das vertentes.

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais U 6 BCI HIDROGRÁFIC Bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de uma seção de um curso d água é a área geográfica coletora de água de chuva que escoa pela superfície do solo e atinge a seção considerada.

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA 1.0. Introdução O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água

Leia mais

Hidrologia e Recursos Hídricos 2008 / 2009

Hidrologia e Recursos Hídricos 2008 / 2009 Hidrologia e Recursos Hídricos 008 / 009 Caracterização geomorfológica de uma bacia hidrográfica Rodrigo Proença de Oliveira Factores que influencia a resposta de uma bacia Área / Dimensão Forma Relevo

Leia mais

Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica

Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica Figura de um pé de milho cuja transpiração vai de 1,3 litros/dia a 3,8 litros/dia 139-1 SUMÁRIO Ordem Assunto Capitulo 139- Características

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Aula 9 META Apresentar a concepção sistêmica de uma bacia hidrográfi ca e as suas características em termos quantitativos, através da análise morfométrica OBJETIVOS

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo CICLO HIDROLÓGICO 1 Ciclo hidrológico médio

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Adaptado do Manual de Cartografia do IBGE Escala e Curva de Nível Objetivos da Aula: - Apresentar as principais características a ser analisadas no

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro

Leia mais

ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE.

ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE. ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE. Autor: Pedro Henrique Balduino de Queiroz - Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- e-mail: pedrobalduino@hotmail.com

Leia mais

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS Braz, A.M.B. 1 ; águas, T.A. 2 ; Costa, K.C.P.C. 3 ; Senis, L.V.S. 4 ; Mirandola Garcia,

Leia mais

Biologia Geral e Experimental

Biologia Geral e Experimental Biologia Geral e Experimental Biol. Geral Exper., 9(1):31-37 30.xii.2009 ANÁLISES MORFOMÉTRICAS EM ESTUDOS GEOMORFOLÓGICOS: A BACIA DO RIO CRIXÁS-MIRIM, ESTADO DE GOIÁS Thaís Moreira Alves 1 Thiago Morato

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? 2. QUAL A IMPORTÂNCIA DA HIDROLOGIA NA ENGENHARIA CIVIL? 3. ASSINALE

Leia mais

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3 Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica Departamento de Eng. Hidráulica e Ambiental Bacias Hidrográficas Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin Garcia Objetivos

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

Estruturas hidráulicas

Estruturas hidráulicas Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas II Estruturas hidráulicas Dimensionamento Hidráulico de Bueiros Renato de Oliveira

Leia mais

Cap. 3 Unidade de Conservação

Cap. 3 Unidade de Conservação Cap. 3 BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira Características das Bacias Hidrográficas Gabriel Rondina Pupo da Silveira O que é uma Bacia Hidrográfica? Fonte: DAEE Definição Conjunto de áreas com declividade no sentido de determinada seção transversal

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Conhecer o

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO CÓRREGO PINHALZINHO SEGUNDO UMUARAMA-PR

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO CÓRREGO PINHALZINHO SEGUNDO UMUARAMA-PR CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO CÓRREGO PINHALZINHO SEGUNDO UMUARAMA-PR ¹Pedro França Junior francapedro2000@yahoo.com.br ²Ordilei Aparecido Gaspar de Melo ordmelo@hotmail.com ³Marta Luzia

Leia mais

Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ

Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ Bruno Dias Cardoso de Carvalho¹ Raphael e Silva Girão² Pedro José Farias Fernandes³ ¹ UFF - Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão. Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2

Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão. Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2 Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2 1 Centro Universitário de Brasília - UNICEUB AOS 01 Bloco E apto. 301-70660-015 Brasília -

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui

CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui cilmaracosta1@hotmail.com MÁRCIO F. GOMES 1 Professor Orientador - UNIESP/Faculdade Birigui Doutorando

Leia mais

Uso do Arc Gis 9.3 na caracterização morfométrica da microbacia do arroio Bíscaro Guaporé - RS

Uso do Arc Gis 9.3 na caracterização morfométrica da microbacia do arroio Bíscaro Guaporé - RS Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1503 Uso do Arc Gis 9.3 na caracterização morfométrica da microbacia do arroio

Leia mais

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil Feltran Filho, Antonio; Fátima de Lima, Eleusa CONSIDERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA BACIA DO RIO UBERABINHA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS NA ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JACARÉ, NOROESTE DO ESTADO DO PARANÁ 1

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS NA ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JACARÉ, NOROESTE DO ESTADO DO PARANÁ 1 UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS NA ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JACARÉ, NOROESTE DO ESTADO DO PARANÁ 1 Andrey Luis BINDA Grupo Multidisciplinar de Estudos Ambientais

Leia mais

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL Thiago BAZZAN 1 Vagner Paz MENGUE 2 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 3 RESUMO Os estudos sobre a dinâmica do relevo em

Leia mais

ANÁLISE DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CORRÉGO LIMO VERDE

ANÁLISE DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CORRÉGO LIMO VERDE ANÁLISE DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CORRÉGO LIMO VERDE GONÇALVES DE CARVALHO, Roger Torquato Quadros - rogesintorquato@hotmail.com; MATOS, Lucas Araújo lucasmatos1000@hotmail.com; COUTINHO, Luciano Melo

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR)

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR) Marcia Regina Gomes de Jesus Soares & Jorge Luiz Moretti de Souza ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR) MORPHOMETRIC ANALYSIS OF THE RIVER PEQUENO WATERSHED

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA, GEOLÓGICA E HIPSOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAQUARUÇU/MS

ANÁLISE MORFOMÉTRICA, GEOLÓGICA E HIPSOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAQUARUÇU/MS ANÁLISE MORFOMÉTRICA, GEOLÓGICA E HIPSOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAQUARUÇU/MS MORPHOMETRIC ANALYSIS, GEOLOGIC AND HYPSOMETRICTHERIVER HYDROGRAPHIC BASIN TAQUARUÇU/MS Angélica Estigarribia São

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

Base Hidrográfica Ottocodificada do Rio Paranaíba versão 1.0. Produtos:

Base Hidrográfica Ottocodificada do Rio Paranaíba versão 1.0. Produtos: Base Hidrográfica Ottocodificada do Rio Paranaíba versão 1.0 Produtos: GEOFT_BHO_TRECHODRENAGEM.shp - representação linear unifilar do fluxo d água principal de um corpo d água sob a forma de trechos de

Leia mais

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Grandezas que se pode obter. Dados altimétricos: amostragem

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Grandezas que se pode obter. Dados altimétricos: amostragem Sistemas de Informação Geográfica Modelação do Relevo. Modelo Digital do Terreno. Representação 3. Declive, Orientação, Curvatura 4. Caracterização morfológica. TIN Redes irregulares trianguladas 6. Isolinhas

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

Configuração. Modo de Cálculo do Programa

Configuração. Modo de Cálculo do Programa Configuração Modo de Cálculo do Programa Define como as reduções dos cálculos de poligonal e irradiações serão efetuadas, de acordo com as opções: Topográfico: Indica que o cálculo será feito sobre um

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Coordenadas Geográficas Coordenadas Geográficas É a posição exata no globo terrestre Intersecção entre latitude e longitude Paralelos Linhas paralelas a Linha do Equador Trópico de Capricórnio Hemisfério

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1 ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1 Enner Herenio Alcântara ennerha@yahoo.com.br Alexsandro de Jesus Amorim aamorim@yahoo.com.br Laboratório de Sensoriamento Remoto,

Leia mais

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES Tipos de drenagem Drenagem de transposição de talvegues Tem por objetivo permitir a passagem das águas que escoam pelo terreno natural, não as interceptando, de um lado

Leia mais

Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM

Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 1106-1115 Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM Murilo Raphael Dias Cardoso¹ Leonardo de Castro Araújo¹ Ricardo

Leia mais

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ NUNES, F. G. 1 1- UFPR Pós Graduação em Geologia Ambiental. e-mail: fabrizia@ufpr.br RIBEIRO, N. C. 2 2-

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL.

CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 307 CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. Luziane Bartoline Alburquerque Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Suscetibilidade de enchentes a partir da análise das variáveis morfométricas na bacia hidrográfica do rio dos Sinos/RS

Suscetibilidade de enchentes a partir da análise das variáveis morfométricas na bacia hidrográfica do rio dos Sinos/RS Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1279 Suscetibilidade de enchentes a partir da análise das variáveis morfométricas

Leia mais

Símbologia. significado

Símbologia. significado Símbologia Símbologia No desenvolvimento do texto é referido o significado de todas as variáveis, contudo considera-se conveniente apresentar a lista das variáveis envolvidas neste estudo e respectivos

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

MÓDULO 1: GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL

MÓDULO 1: GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL MÓDULO : GEOMORFOLOGIA PROCESSUAL. Introdução à Geomorfologia: Processos e Formas.2 Domínio Tropical Úmido: Formas e Processos.3 Processos Fluviais.4 Hidrologia de Encostas.5 Processos Erosivos.6 Movimentos

Leia mais

European Space Education Resource Office - Portugal. Pavilhão do Conhecimento 10 de Maio de ESERO Portugal - O espaço na sala de aula

European Space Education Resource Office - Portugal. Pavilhão do Conhecimento 10 de Maio de ESERO Portugal - O espaço na sala de aula European Space Education Resource Office - Portugal Pavilhão do Conhecimento 10 de Maio de 2014 ESERO Portugal - O espaço na sala de aula ESERO Portugal - O espaço na sala de aula A luz O olho humano só

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE J. L. Fernandes 1 ; N. S. C. Izídio 2 ; M. M. Pereira 3 ; F. E. R. Oliveira 1 ; G. S. Silva 1

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA, DE USO DA TERRA E COBERTURA FLORESTAL DA BACIA DO RIBEIRÃO BOA ESPERANÇA BRASILÂNDIA (MS)

ANÁLISE MORFOMÉTRICA, DE USO DA TERRA E COBERTURA FLORESTAL DA BACIA DO RIBEIRÃO BOA ESPERANÇA BRASILÂNDIA (MS) ANÁLISE MORFOMÉTRICA, DE USO DA TERRA E COBERTURA FLORESTAL DA BACIA DO RIBEIRÃO BOA ESPERANÇA BRASILÂNDIA (MS) SÃO MIGUEL, Angélica Estigarribia¹; MEDEIROS, Rafael Brugnolli²; 4 OLIVEIRA, Wallace de³;

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS

BACIAS HIDROGRÁFICAS UNESP-SOROCABA BACIAS HIDROGRÁFICAS Professores: Roberto W. Lourenço e Darllan Collins SOROCABA, 2012 Ciclo hidrológico global 2 BACIA HIDROGRÁFICA "A bacia hidrográfica é uma área definida topograficamente,

Leia mais

FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA

FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA 4 ANÁLISE C A P Í T U L O II FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA 4.1. CARACTERIZACÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Uma bacia hidrográfica compreende toda a área de captação natural da água da chuva que proporciona

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CATOLÉ GRANDE, BAHIA, BRASIL

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CATOLÉ GRANDE, BAHIA, BRASIL Pesquisas Agrárias e Ambientais doi: 10.14583/2318-7670.v02n04a05 http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa ISSN: 2318-7670 CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CATOLÉ

Leia mais

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência e Natura ISSN: 0100-8307 cienciaenaturarevista@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Krein Rademann, Lucas; Trentin, Romario; de Souza Robaina, Luis Eduardo Análise das formas de

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11 Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas Continentais: Rios,

Leia mais

Condutos livres ou canais Movimento uniforme

Condutos livres ou canais Movimento uniforme Condutos livres ou canais Movimento uniforme São considerados Canais todos os condutos que conduzem àguas com uma superficie livre, com secção aberta ou fechada. Os cursos de aguas naturais constituem

Leia mais

DRENAGEM AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL

DRENAGEM AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL Drenagem Superficial O sistema de drenagem superficial tem por objetivo a captação ou interceptação e remoção das águas precipitadas, sobre as estradas e áreas adjacentes,

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 11 5 semestre - Engenharia Civil ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br INTRODUÇÃO Bacia hidrográfica transforma chuva em vazão Chuva que escoa superficialmente:

Leia mais

A utilização do método de flutuadores na medição da vazão do rio Biguaçu no Estado de Santa Catarina

A utilização do método de flutuadores na medição da vazão do rio Biguaçu no Estado de Santa Catarina A utilização do método de flutuadores na medição da vazão do rio Biguaçu no Estado de Santa Catarina Vicente Rocha Silva Centro Universitário Municipal de São José (SC) USJ E-mail: vicenters@usp.br RESUMO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ.

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. Adriana Xavier da Silva Bello Graduada em Letras - UNIVAG; Graduanda em Gestão Ambiental (IFMT); Mestranda em Educação

Leia mais

Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex

Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex O ANÁLISE SISTEMA MORFOMÉTRICA HIDROGRÁFICO DO DO RIO COMPLEXO MATINHOS: HIDROGRÁFICO UMA ANÁLISE DO MORFOMÉTRICA RIO MATINHOS-PR Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex

Leia mais

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 9941-3300 1 Greide O greide consiste na representação do eixo da rodovia segundo o

Leia mais

Aula 5 Desenho Topográfico

Aula 5 Desenho Topográfico Aula 5 Desenho Topográfico Disciplina: Geometria Descritiva 2CC Prof: Gabriel Liberalquino Soares Lima ESTRADAS ESTRADA: Obra que se destina à circulação de veículos. automóveis = estrada de rodagem trens

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem AULA1 Bacia de Drenagem: Limites e Importância Hierarquização de Rios em Bacias de Drenagem Perfil Longitudinal dos Rios Organização Espacial da Rede de Drenagem

Leia mais

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO.

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. Carina Petsch 1 ; Jéssica Barion Monteiro 1 ; carinapetsch@gmail.com 1 - Universidade Estadual de Maringá;

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO Profa. Daniane Franciesca Vicentini Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Márcia de Andrade Pereira DEFINIÇÕES CORPO ESTRADAL: forma assumida

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

HIDRÁULICA Carga (Energia) específica

HIDRÁULICA Carga (Energia) específica HIDRÁULICA Carga (Energia) específica - Nome dado à soma de alguns fatores contidos na seção transversal do canal durante o escoamento da água. - Entres estes fatores estão: Altura do canal total altura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Decantação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito São unidades

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Medição de vazão e curva-chave. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Medição de vazão e curva-chave. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Medição de vazão e curva-chave Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Conhecer um método analítico de estimar vazão em escoamento

Leia mais

MAPEAMENTO HIDROGRÁFICO DE DETALHE E ANÁLISE MORFOMÉTRICA COMPARATIVA DAS BACIAS DOS RIOS TIJUÍPE E TIJUIPINHO, LITORAL SUL DA BAHIA 1

MAPEAMENTO HIDROGRÁFICO DE DETALHE E ANÁLISE MORFOMÉTRICA COMPARATIVA DAS BACIAS DOS RIOS TIJUÍPE E TIJUIPINHO, LITORAL SUL DA BAHIA 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/ ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia UFU Programa de Pós-graduação em Geografia MAPEAMENTO HIDROGRÁFICO DE

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo

1 01 Mate t máti t c i a e Fí F s í ic i a Prof. Diego Pablo 1 01 Matemática e Prof. Diego Pablo 2 Matemática - Produto: 2 x 4 = 8 - Quociente ou Razão: 18 / 2 = 9 - Quadrado: 7² = 7 x 7 = 49 - Cubo: 4³ = 4 x 4 x 4 = 64 - Raiz Quadrada: 81 = 9 3 Matemática Grandezas

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA Lídia Raíza Sousa Lima Chaves Trindade¹, Mariana Carneiro Viana¹, Alison Silva dos Santos¹, Danilo Paulúcio

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CHÔCO IBAITI - PR

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CHÔCO IBAITI - PR ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CHÔCO IBAITI - PR Gilnei Machado 1 Juliano Oliveira Pinto de Souza 2 1 - INTRODUÇÃO A análise das redes de drenagem é de fundamental importância para a

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

CARTOGRAFIA Escala. Prof. Luiz Rotta

CARTOGRAFIA Escala. Prof. Luiz Rotta CARTOGRAFIA Escala Prof. Luiz Rotta ESCALA Cartas ou mapas são representações da superfície e possuem detalhes naturais e artificiais. Representá-los requer: Reduzir as proporções dos acidentes à representar,

Leia mais

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de MNT Num passado não muito distante: Digitalizava-se as curvas de nível para então gerar imagem sintética

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 PARTE 2

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 PARTE 2 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 PARTE 2 Sérgio Cortizo 1 30 de abril de 2.008 RESUMO: Discute-se a definição de base de morro ou montanha na Resolução CONAMA nº 303, e demonstra-se logicamente

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL E O SISTEMA HIDROGRÁFICO DO CÓRREGO DO PORTO, TRÊS LAGOAS (MS) PARA FINS DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL

ANÁLISE AMBIENTAL E O SISTEMA HIDROGRÁFICO DO CÓRREGO DO PORTO, TRÊS LAGOAS (MS) PARA FINS DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ANÁLISE AMBIENTAL E O SISTEMA HIDROGRÁFICO DO CÓRREGO DO PORTO, TRÊS LAGOAS (MS) PARA FINS DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ENVIRONMENTAL ANALYSIS AND SYSTEM HYDROGRAPHIC STREAM OF PORTO, TRÊS LAGOAS (MS) FOR

Leia mais

Capítulo 3 Morfologia de uma bacia de drenagem. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 3 Morfologia de uma bacia de drenagem. Introdução a Hidrologia de Florestas INPE eprint: sid.inpe.br/eprint@80/006/08.04..54 v 006-08-05 Introdução a Hidrologia de Florestas Setembro 004 João Vianei Soares Capítulo 3 Morfologia de uma bacia de drenagem Introdução a Hidrologia

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP)

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) EDUARDO APARECIDO BONIFÁCIO COSTA 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 Eduardo_bonifacio88@hotmail.com, martafelicia@uol.com.br

Leia mais

ALTIMETRIA. É a parte da topografia que trata dos métodos e instrumentos empregados no estudo e representação do relevo da Terra.

ALTIMETRIA. É a parte da topografia que trata dos métodos e instrumentos empregados no estudo e representação do relevo da Terra. ALTIMETRIA É a parte da topografia que trata dos métodos e instrumentos empregados no estudo e representação do relevo da Terra. Sheila 1 LEVANTAMENTOS ALTIMÉTRICOS Ou simplesmente nivelamento: é a operação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Ana Clara Mendes Caixeta 1 * & Luiz Nishiyama 2 Resumo Este trabalho tem a proposta de

Leia mais

DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE

DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE 1 Doutorando em Meteorologia, UACA/ UFCG-PB. CEP: 58429-140, (83)3310-1202. madson_tavares@hotmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO MEIA PONTE 1

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO MEIA PONTE 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/ ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATURAÇÃO DA AÇUDAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ACARAÚ CEARÁ

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATURAÇÃO DA AÇUDAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ACARAÚ CEARÁ AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATURAÇÃO DA AÇUDAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ACARAÚ CEARÁ Autores: Erika Rocha, Renata Luna, Francisco de Assis de Souza Filho e Ticiana Studart Introdução A u/lização dos recursos

Leia mais

Rio Guaíba. Maio de 2009

Rio Guaíba. Maio de 2009 Rio Guaíba Elírio Ernestino Toldo Jr. Luiz Emílio Sá Brito de Almeida CECO-IG-UFRGS* toldo@ufrgs.br IPH-UFRGS luiz.almeida@ufrgs.br Maio de 2009 *Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica CP 15001

Leia mais

Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA. Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹

Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA. Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹ Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹ ¹Universidade Federal do Oeste da Bahia - UFOB Rua Professor

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Matricial. Declive

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Matricial. Declive Sistemas de Informação Geográfica Modelação do Relevo. Modelo Digital do Terreno. Representação 3. Declive, Orientação, Curvatura 4. Caracterização morfológica. TIN. Isolinhas 7. GRID vs. TIN vs. Isolinhas

Leia mais