Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL"

Transcrição

1 Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Regionais Dados referentes a outubro de 2014 Release de Imprensa 2 Resumo - Comparativo entre Regiões 4 Região Nordeste 11 Região Centro-Oeste 13 Região Sudeste 15 Região Sul 17 Metodologia dos Indicadores 19 Informações Relevantes 23 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Data de Publicação: 18 de novembro de 2014

2 Brasil Centro-Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 4,43% 5,09% 3,84% 3,95% 4,94% 6,35% 4,75% 5,58% 4,73% 4,23% 2,98% 3,15% 5,07% 4,57% 4,01% 2,89% 5,32% 6,72% 5,63% 5,60% 4,85% 5,54% 3,91% 4,06% Release de Imprensa Crescimento da inadimplência nas regiões Norte e Nordeste é menor do que na média nacional, diz SPC Seguindo a tendência observada nos últimos meses, a região Sudeste foi a que apresentou, em outubro, o maior crescimento no número de pessoas inadimplentes O indicador regional de inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que o número de consumidores com dívidas em atraso nas regiões Norte (+2,89%) e Nordeste (+3,15%) cresceu em ritmo menor do que o apresentado na média nacional, que foi de +3,95%. Os dados comparam a quantidade de inadimplentes em outubro deste ano em relação a outubro do ano passado. Seguindo a tendência observada nos últimos meses, o Sudeste apresentou o maior crescimento anual de consumidores inadimplentes (5,60%) entre as cinco regiões pesquisadas, no mês de outubro. A região Sudeste foi acompanhada de perto pelo Centro- Oeste, cuja variação foi a segunda maior: um aumento de 5,58% no número de CPFs inadimplentes em relação a outubro do ano passado. Já o Sul mostrou o terceiro maior avanço (4,06%) e se manteve com um crescimento ligeiramente superior ao da média nacional. Crescimento de Pessoas Inadimplentes Gráfico 1- anual (mesmo mês do ano anterior) 07/ / / /2014 Contribuição de cada região Além de apresentar a maior alta, a região Sudeste possui também a maior participação junto ao total de consumidores inadimplentes no Brasil (40,34%). Dessa forma, podemos observar que o Sudeste contribuiu com 2,23 p.p para a alta nacional anual de 3,95% observada em outubro. A região Sudeste é sem dúvida a mais ativa do país e responde pela maior parte do PIB brasileiro. Portanto é natural que concentre a maior fatia de consumidores inadimplentes do país, explica a economista do SPC Brasil, Marcela Kawauti. 2

3 Pessoas Inadimplentes Gráfico 2 Participação de cada região no total (em outubro de 2014) Tabela 1 Ranking com o impacto de cada região sobre a variação anual do Brasil (em p.p) Total: 3,95% 3,95 Sudeste: 2,23 2,23 Nordeste: 0,82 Sul: 0,53 Centro-Oeste: 0,43 Norte: 0,26 0,82 0,53 0,43 0,26 A segunda maior contribuição veio da região Nordeste (0,82 p.p.) que, apesar de apresentar uma variação modesta em comparação com as demais regiões (+3,15%), possui a segunda maior participação junto ao total de inadimplentes brasileiros, concentrando 25,93% destes. Metodologia O novo indicador SPC Brasil e CNDL de inadimplência do consumidor tem nacional e calcula tanto o número de brasileiros inadimplentes quanto o de dívidas atrasadas. Baixe o material completo e a série histórica em Informações à imprensa: Guilherme de Almeida (61) (61)

4 Brasil Centro- Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 4,43% 3,84% 2,98% 3,95% 3,15% 2,89% 5,09% 4,94% 4,75% 4,73% 4,23% 5,07% 4,57% 4,01% 5,32% 4,85% 3,91% 4,06% 6,35% 5,58% 5,63% 5,60% 5,54% 6,72% Resumo - Comparativo entre Regiões Em outubro de 2014, o indicador de pessoas inadimplentes mostrou leve aceleração do crescimento anual frente a setembro. Comparando as regiões do país, tanto o Norte (+2,89%) quanto o Nordeste (+3,15%) mostraram uma alta inferior à nacional (+3,95%) para o período. O Sudeste foi destaque, já que apresentou o maior crescimento (+5,60%) do número de inadimplentes entre as regiões, seguindo a tendência observada nos últimos meses. A região foi acompanhada de perto pelo Centro-Oeste, cuja variação foi a segunda maior (+5,58%). O Sul, por sua vez, mostrou o terceiro maior avanço (+4,06%), que se manteve levemente superior à média nacional. Crescimento de Pessoas Inadimplentes Gráfico 1- anual (mesmo mês do ano anterior) 07/ / / /2014 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. Além de mostrar a maior alta, o Sudeste possui também a maior participação junto ao total de inadimplentes do país (40,34%). A partir do cruzamento entre variação e participação, é possível ponderar os dois efeitos e chegar ao impacto que cada região teve sobre a alta do Brasil para o período (tabela 1). Dessa forma, podemos observar que o Sudeste contribuiu com 2,23 p.p para a alta nacional anual de 3,95% observada em outubro. A segunda maior contribuição adveio do Nordeste (0,82 p.p.) que, apesar de apresentar uma variação modesta em comparação com as demais regiões (+3,15%), possui a segunda maior participação junto ao total de inadimplentes brasileiros, concentrando 25,93% destes. 4

5 Brasil Centro- Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 3,93% 3,18% 5,29% 5,07% 5,48% 5,37% 4,62% 6,13% 5,81% 4,93% 4,63% 4,42% 4,08% 5,84% 7,16% 6,45% 6,19% 5,66% 7,70% 7,68% 7,05% 6,73% 5,83% 6,29% Pessoas Inadimplentes Gráfico 2 Participação de cada região no total (em outubro de 2014) Tabela 1 Impacto sobre variação anual regional (em p.p) Total: 3,95% Centro-Oeste: 0,43 Nordeste: 0,82 Norte: 0,26 Sudeste: 2,23 Sul: 0,53 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. O indicador de dívidas em atraso mostrou uma desaceleração do crescimento anual pelo segundo mês consecutivo. A análise das regiões revela que o Nordeste, com uma variação do número de pendências de +3,18%, foi a única a apresentar uma alta menor do que a média nacional (3,93%). Assim como no indicador de pessoas inadimplentes, o Sudeste apresentou o maior crescimento anual do número de dívidas, em comparação com as demais regiões (+6,29%). Aqui também o Centro-Oeste ocupa a segunda posição (+5,84%), seguido dessa vez pelo Norte (+4,63%). Crescimento da Quantidade de Dívidas Gráfico 3- anual (mesmo mês do ano anterior) 07/ / / /2014 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. 5

6 Da mesma forma que no indicador de pessoas inadimplentes, o Sudeste mostrou a maior participação frente ao total de dívidas do Brasil, representando 41,04% deste. Assim, a partir do cálculo da contribuição, mais uma vez a região respondeu pelo maior impacto (2,52 p.p.) junto à alta anual nacional de 3,93% em outubro. A segunda maior contribuição também veio do Nordeste, apesar de a região ter apresentado o menor crescimento anual do indicador. Isso se deve à sua participação representativa frente ao total de dívidas (24,59%). Quantidade de Dívidas Gráfico 4 Participação de cada região no total (em outubro de 2014) Tabela 2 Impacto sobre variação anual regional (em p.p) Total: 3,93% Centro-Oeste: 0,47 Nordeste: 0,79 Norte: 0,39 Sudeste: 2,52 Sul: 0,59 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. Os percentuais não somam 100% devido à exclusão de residentes de regiões não determinadas. Com relação ao número médio de dívidas por pessoa física inadimplente, o destaque ficou por conta da região Sul, com um resultado médio de 2,340 dívidas por devedor. As únicas regiões que registraram um número médio inferior ao nacional (2,088) foram o Nordeste (1,981) e Norte (1,991). Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente Gráfico 5 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes set/14 2,354 2,340 2,221 2,201 2,113 2,088 2,115 2,124 2,014 2,011 1,981 1,991 BRASIL Centro-Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 6

7 Tabela 3 Região Norte Pessoas Físicas Inadimplentes Mensal Anual Quantidade de Dívidas em Atraso Mensal Anual Número Médio de Dívidas em Atraso Valor no período Out/13 0,20% 5,39% 1,24% 4,91% 1,958 Set/14-0,34% 4,01% -0,39% 7,05% 2,011 Out/14-0,05% 2,89% -1,05% 4,63% 1,991 Tabela 4 Região Nordeste Pessoas Físicas Inadimplentes Mensal Anual Quantidade de Dívidas em Atraso Mensal Anual Número Médio de Dívidas em Atraso Valor no período Out/13 0,89% 5,38% 1,06% 3,94% 1,980 Set/14-0,86% 2,98% -0,98% 4,93% 2,014 Out/14 1,06% 3,15% -0,62% 3,18% 1,981 Tabela 5 Região Centro-Oeste Pessoas Físicas Inadimplentes Mensal Anual Quantidade de Dívidas em Atraso Mensal Anual Número Médio de Dívidas em Atraso Valor no período Out/13 0,89% 3,15% 0,75% 2,19% 2,196 Set/14-0,84% 4,75% -0,91% 5,81% 2,221 Out/14 1,69% 5,58% 0,77% 5,84% 2,201 7

8 Tabela 6 Região Sudeste Pessoas Físicas Inadimplentes Quantidade de Dívidas em Atraso Número Médio de Dívidas em Atraso Mensal Anual Mensal Anual Valor no período Out/13 1,33% 3,03% 1,28% 1,88% 2,110 Set/14-1,25% 5,63% -1,31% 5,83% 2,115 Out/14 1,31% 5,60% 1,72% 6,29% 2,124 Tabela 7 Região Sul Pessoas Físicas Inadimplentes Quantidade de Dívidas em Atraso Número Médio de Dívidas em Atraso Mensal Anual Mensal Anual Valor no período Out/13 1,53% 3,91% 1,38% 3,12% 2,340 Set/14-1,64% 3,91% -1,50% 4,42% 2,354 Out/14 1,67% 4,06% 1,05% 4,08% 2,340 8

9 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Região Norte Pessoas físicas inadimplentes na base do SPC Brasil Em outubro de 2014, o número de devedores na região Norte cresceu 2,89%, na base de comparação anual. A alta foi a menor para o mês de toda a série histórica, se mantendo também abaixo da média nacional para o período, de 3,95%. Na passagem de setembro para outubro, por sua vez, o número de inadimplentes se manteve praticamente inalterado, apresentando uma retração ínfima de 0,05%. Inadimplentes na Região Norte Gráfico 6 - anual (mesmo mês do ano anterior) 6,46% 8,51% 9,31% 8,18% 5,57% 5,39% 4,01% 2,89% Gráfico 7 - anual (mesmo mês do ano anterior) 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% TOTAL Norte 3,95% 2,89% Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Dívidas em atraso na base do SPC Brasil Em outubro, o número de dívidas em atraso na região Norte avançou 4,63%, o que representou uma desaceleração do crescimento. Essa taxa, que ficou acima da média nacional de 3,93%, correspondeu a menor alta desde o início de 2012 para a região. Na passagem de setembro para outubro, foi observado um recuo de -1,05%, o que correspondeu à queda mensal mais intensa de

10 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Quantidade de Dívidas na Região Norte Gráfico 8 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 9- anual (mesmo mês do ano anterior) 8,15% 12% 7,32% 7,27% 7,05% 10% 5,38% 5,24% 4,91% 4,63% 8% 6% 4,63% 4% 3,93% 2% Norte 0% TOTAL Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Número Médio de Dívidas em Atraso Cada pessoa inadimplente do Norte tinha, em média, 1,991 dívidas em atraso, em outubro de Apesar de ser menor do que o número médio registrado em setembro (2,011), é o maior para o mês de outubro na região desde o início da série histórica. O resultado de outubro reflete o fato de que o número de dívidas se contraiu de forma mais expressiva do que o número e inadimplentes, no mês. Em comparação com a média nacional, o indicador ficou abaixo do número médio de dívidas registrado para o Brasil como um todo, de 2,09 dívidas. Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente no Norte Gráfico 10 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes 2,011 1,982 1,983 1,991 1,961 1,967 1,954 1,958 set/11 set/12 set/13 set/14 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor. 10

11 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Região Nordeste Pessoas físicas inadimplentes na base do SPC Brasil O número de inadimplentes do Nordeste cresceu 3,15% em outubro, na base de comparação anual. A alta foi a segunda menor para a região de toda a série histórica, sendo maior apenas do que o aumento de 2,98% apresentado no mês anterior. A variação foi menor, ainda, do que aquela apresentada para o país como um todo no período, de 3,95%. Em se tratando da comparação com setembro de 2014, por sua vez, o Nordeste mostrou um aumento de inadimplentes registrados nas bases às quais o SPC Brasil tem acesso de 1,06%. O resultado representa a primeira alta mensal do indicador após quatro meses consecutivos de retração. Inadimplentes na Região Nordeste Gráfico 11- anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 12 - anual (mesmo mês do ano anterior) 8,95% 10,20% 12% 10% 6,36% 5,38% 4,12% 4,84% 2,98% 3,15% 8% 6% 4% 2% 0% TOTAL Nordeste 3,95% 3,15% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Dívidas em atraso na base do SPC Brasil A quantidade de dívidas em atraso registradas nas bases às quais o SPC Brasil tem acesso mostrou alta de 3,18% em outubro, na base de comparação anual. A alta mostrada pelo Nordeste foi levemente inferior àquela apresentada para o Brasil como um todo no período (+3,93%), bem como ao aumento de 4,93% visto para a região no último mês. O aumento foi, ainda, o menor desde agosto do último ano. Já na comparação com o último mês, houve retração de 0,62% do número de dívidas registradas. A queda das dívidas foi menor do que a apresentada em setembro, quando a variação do indicador foi de -0,98%, na base de comparação mensal. 11

12 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Número de Dívidas na Região Nordeste Gráfico 13 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 14 - anual (mesmo mês do ano anterior) 7,46% 8,72% 12% 10% 8% TOTAL Nordeste 2,58% 3,56% 3,94% 4,93% 3,18% 6% 4% 2% 3,93% 3,18% 0,76% 0% -2% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Número Médio de Dívidas em Atraso Em outubro de 2014, cada devedor do Nordeste tinha, em média, 1,981 pendências em atraso. O número é menor do que o registrado em setembro, além de ser o segundo menor para o mês de toda a série histórica. Além disso, o resultado é inferior àquele registrado para o Brasil como um todo no período, de 2,088 dívidas em média. O fato reflete o crescimento do número de inadimplentes na região em setembro, frente à retração da quantidade de dívidas na região no mesmo período. Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente no Nordeste Gráfico 15 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes 2,075 2,074 2,001 2,008 1,977 1,980 2,014 1,981 set/11 set/12 set/13 set/14 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor 12

13 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Região Centro-Oeste Pessoas físicas inadimplentes na base do SPC Brasil Em outubro, o número de pessoas inadimplentes registradas nas bases às quais o SPC Brasil tem acesso cresceu 5,58%, em comparação com o mesmo mês do último ano. A alta foi superior à apresentada em setembro, bem como do que aquela apresentada para o país como um todo no período, de 3,95%. Na passagem de setembro para outubro, por sua vez, houve aumento de 1,69% do número de pessoas inadimplentes, a maior alta mensal desde maio de Inadimplentes na Região Centro-Oeste Gráfico 16 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 17 - anual (mesmo mês do ano anterior) 4,94% 6,04% 5,18% 4,00% 3,15% 2,62% 4,75% 5,58% 12% 10% 8% 6% TOTAL Centro-Oeste 5,58% 4% 3,95% 2% 0% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Dívidas em atraso na base do SPC Brasil A região Centro-Oeste mostrou alta anual da quantidade de dívidas em atraso de 5,84%, superior ao crescimento registrado para o Brasil como um todo no período (+3,93%). A variação foi, ainda, a segunda maior para o mês de outubro de toda a série histórica. Já na passagem de setembro para outubro, o indicador apresentou alta de 0,77% no período, compensando a retração mensal de -0,91% apresentada na região em setembro, também na base de comparação mensal. 13

14 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Número de Dívidas na Região Centro-Oeste Gráfico 18 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 19 - anual (mesmo mês do ano anterior) 5,14% 6,19% 4,28% 5,81% 5,84% 10% 8% 6% TOTAL Centro-Oeste 5,84% 2,17% 2,19% 4% 2% 3,93% 0,88% 0% -2% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Número Médio de Dívidas em Atraso Em outubro, cada pessoa inadimplente tinha em média 2,201 dívidas em atraso no Centro-Oeste. Mais uma vez, o número médio de dívidas da região se manteve superior à média de dívidas para o Brasil como um todo (2,088 dívidas, em outubro) como aconteceu em todos os meses, desde o início da série histórica. Apesar de maior do que a média nacional, o resultado de outubro da região se manteve abaixo daquele apresentado em setembro (2,221 dívidas), além de ser o segundo menor para o mês de toda a série histórica. Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente no Centro-Oeste Gráfico 20 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes 2,256 2,256 2,237 2,216 2,199 2,196 2,221 2,201 set/11 set/12 set/13 set/14 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor 14

15 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Região Sudeste Pessoas físicas inadimplentes na base do SPC Brasil A região Sudeste mostrou alta de 5,60% do número de inadimplentes, em outubro de Apesar de esse aumento ter sido levemente inferior ao de setembro (+5,63%), foi bem superior ao mostrado para o Brasil como um todo no período (+3,95%). O mesmo aconteceu na base de comparação mensal, cujo aumento de inadimplentes foi de 1,31%, superando a média do país (+1,26%). A alta mostrada na margem foi, ainda, a maior para a região dos últimos 5 meses. Inadimplentes na Região Sudeste Gráfico 21- anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 22 - anual (mesmo mês do ano anterior) 5,75% 6,70% 5,72% 5,63% 5,60% 12% 10% 4,26% 3,03% 8% 6% 5,60% 1,44% 4% 2% 0% TOTAL Sudeste 3,95% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Dívidas em atraso na base do SPC Brasil O número de dívidas em atraso na região Sudeste registrou alta anual de 6,29% em outubro, o que representou uma aceleração do crescimento frente à taxa registrada no mês anterior. Vale pontuar que o avanço foi superior à média nacional, 3,93%. Na passagem de setembro para outubro, o indicador variou 1,72%, maior alta mensal observada para os meses de outubro desde o início da série histórica. 15

16 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Número de Dívidas na Região Sudeste Gráfico 23 - anual (mesmo mês do ano anterior) 5,05% 6,96% 5,92% 5,83% 6,29% Gráfico 24 - anual (mesmo mês do ano anterior) 10% 8% 6% TOTAL Sudeste 6,29% 3,88% 1,88% 4% 2% 3,93% 0,51% 0% -2% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Número Médio de Dívidas em Atraso Cada pessoa física inadimplente tinha, em média, 2,124 dívidas no Sudeste em outubro. O número é superior àquele apresentado em setembro, refletindo o aumento mais expressivo do número de pendências do que de inadimplentes da região, no período. O número médio de dívidas do Sudeste foi, ainda, superior ao registrado para o Brasil como um todo, de 2,088 dívidas. Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente no Sudeste Gráfico 25 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes 2,131 2,134 2,124 2,106 2,101 2,111 2,110 2,115 set/11 set/12 set/13 set/14 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor 16

17 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Região Sul Pessoas físicas inadimplentes na base do SPC Brasil Em outubro de 2014, o número de inadimplentes da região Sul mostrou alta de 4,06%. A alta foi superior à registrada no último mês para o indicador, além de maior do que a média anual mostrada para o país como um todo no período, de 3,95%. Na passagem de setembro para outubro, por outro lado, houve aumento de 1,67% do número de pessoas com registro na base, a maior alta mensal desde maio deste ano, bem como a maior para o mês de outubro desde o início da série histórica. Inadimplentes na Região Sul Gráfico 26 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 27 - anual (mesmo mês do ano anterior) 8,49% 7,55% 12% 10% 5,65% 4,70% 3,91% 3,91% 4,06% 3,05% 8% 6% 4% 4,06% 3,95% 2% 0% TOTAL Sul Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Dívidas em atraso na base do SPC Brasil As dívidas em atraso de moradores da região Sul cresceram 4,08% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. O avanço registrado, superior à média nacional de 3,93%, foi ligeiramente menos intenso do que o registrado no mês anterior, quando o indicador avançou 4,42%. Na margem, a variação também foi positiva (1,05%), após recuo em setembro. 17

18 set/11 set/12 set/13 set/14 abr/11 abr/12 abr/13 abr/14 Número de Dívidas na Região Sul Gráfico 28 - anual (mesmo mês do ano anterior) Gráfico 29 - anual (mesmo mês do ano anterior) 12% 8,29% 9,86% 8,60% 7,43% 10% 8% TOTAL Sul 6% 3,12% 2,54% 4,42% 4,08% 4% 2% 4,08% 3,93% 0% Fonte: SPC Brasil. Os dados não refletem apenas o aumento do número de pessoas físicas inadimplentes no Brasil, mas também o aumento do registro das pessoas inadimplentes nas bases de dados do SPC Brasil. Número Médio de Dívidas em Atraso Cada pessoa inadimplente da região Sul tinha, em média, 2,340 dívidas em atraso em outubro. O indicador se manteve constante frente ao resultado do mesmo mês do último ano, mas foi menor do que o registrado em setembro. O fato de o resultado ter sido menor no período reflete o crescimento mais acelerado do número de pessoas inadimplentes do que de pendências. A comparação com a média nacional mostra que a região teve um número médio de dívidas maior do que o Brasil de forma geral (2,088 dívidas) em outubro, tendência observada em todos os meses, desde o início da série histórica. Número médio de dívidas por pessoa física inadimplente no Sul Gráfico 30 Dívidas em atraso/pessoas físicas inadimplentes 2,355 2,358 2,343 2,340 2,354 2,340 2,291 2,298 set/11 set/12 set/13 set/14 Fonte: SPC Brasil. A região considerada é a de moradia do devedor 18

19 Metodologia dos Indicadores Os indicadores de inadimplência apresentados neste material sumarizam todas as informações disponíveis nas bases de dados a que o SPC Brasil tem acesso (simplificadamente chamados de "Bases de dados do SPC Brasil"). A abrangência dos dados é nacional, com informações de capitais e interior de todos os 26 estados da federação, além do Distrito Federal. Quando um consumidor deixa de pagar um título, seja ele uma fatura de cartão de crédito, uma conta de água ou um boleto de uma compra parcelada em uma loja, a empresa associada ao SPC Brasil pode (mas não é obrigada a) registrar essa inadimplência junto ao SPC Brasil. Em geral, as empresas credoras costumam registrar a inadimplência depois de verificar que o pagamento não ocorre mesmo após 30 dias após o vencimento. Entretanto, não há regra, e o registro pode ocorrer no dia seguinte ao vencimento ou mais de um ano após o vencimento. O consumidor é informado via correspondência sobre o registro e poderá, a qualquer momento, pagar a dívida ou renegociá-la. Em ambos os casos, o registro referente àquela pendência será retirado da base do SPC Brasil, mas o consumidor ainda pode constar como inadimplente ( negativado ) se tiver outras pendências. Para todos os indicadores abaixo, o SPC Brasil considera que uma dívida é a relação de um credor com um devedor, mesmo que esse credor tenha registrado várias pendências desse devedor junto ao SPC Brasil. Assim, se o consumidor deixa de pagar quatro parcelas de uma mesma compra e tem por isso quatro registros no SPC Brasil, os indicadores abaixo assumem que esse consumidor tem apenas uma dívida, já que os registros foram, todos, feitos pela mesma empresa credora associada (mesmo CNPJ). Cada pessoa física inadimplente é classificada, mensalmente, de acordo com sua idade no último dia do mês de referência (data de extração dos dados que embasam os indicadores do SPC Brasil). Por exemplo, suponha que o consumidor inadimplente João tinha 24 anos em fevereiro e completa 25 anos no começo de março. Tudo o mais constante, a faixa etária 18 a 24 anos mostrará queda do número de inadimplentes entre fevereiro e março, enquanto a faixa 25 a 29 anos mostrará alta. Para cerca de 4% dos CPFs, o SPC Brasil não tem informação sobre a data de nascimento. No futuro, se um cliente do SPC Brasil cadastrar essa informação na base de dados, as séries históricas com abertura por faixa etária podem sofrer revisões. Nesse caso, a categoria faixa etária ignorada sofrerá redução e a faixa etária correspondente sofrerá aumento do número de CPFs. Esse processo visa aumentar continuamente a acurácia da informação. As séries históricas relativas aos dados comentados nesse texto estão disponíveis para download em Indicador 1: Pessoas físicas Inadimplentes na base de dados do SPC Brasil Este indicador mostra a variação mês a mês do número de pessoas físicas registradas na base do SPC Brasil. Cada pessoa física inadimplente é contada apenas uma vez, independente do número de dívidas que tenha em atraso. Exemplo: na tabela abaixo, duas pessoas físicas, João e Pedro, intercalam meses em que aparecem inadimplentes na base do SPC Brasil. Pode-se classificar João e Pedro, mês a mês, da seguinte forma: jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 João Inadimplente Inadimplente Inadimplente Inadimplente Inadimplente Pedro Inadimplente Inadimplente Inadimplente Inadimplente Inadimplente Número de pessoas físicas inadimplentes Indicador "pessoas inadimplentes PF" - variação mensal % -50% 0% 100% 0% 19

20 É importante notar que a variação no número de pessoas inadimplentes registradas na base do SPC Brasil não representa, exatamente, o número de pessoas inadimplentes no Brasil, por três motivos. A base de dados do SPC Brasil é a que tem a maior capilaridade nacional, mas existem outros serviços de proteção ao crédito, cujos dados não são considerados para este indicador. Há empresas que, eventualmente ou sempre, decidem não registrar o atraso de seus clientes. Isso pode ocorrer, por exemplo, porque o cliente tem uma relação de longa data com a empresa. Há empresas que só registram o atraso de seus clientes muito tempo após o vencimento da fatura, possivelmente após esgotarem todas as tentativas de negociação. Por isso, pode ocorrer que a inadimplência tenha aumentado em janeiro, mas o aumento do número de devedores só ocorra em março na base do SPC Brasil. As pessoas físicas inadimplentes são classificadas de acordo com: Sua faixa etária no último dia do mês de referência (data de extração dos dados que embasam os indicadores do SPC Brasil). Sua faixa de tempo de atraso, que é igual ao atraso da dívida em atraso mais antiga registrada no SPC. Por exemplo, suponha que: o A empresa B registre o consumidor João em janeiro de 2013 por dívida vencida em dezembro. Ao final de janeiro, a dívida estará atrasada 40 dias. Se a dívida não for paga em fevereiro, ao final de fevereiro ela estará atrasada 68 dias (=40+28 dias de fevereiro). o A empresa A registre o consumidor João em fevereiro de 2013, por dívida vencida há bastante tempo (seis meses antes). Tentou negociar com o consumidor, mas não conseguiu, e por isso decidiu registrar a inadimplência. Ao fim de fevereiro, a dívida estava atrasada 181 dias. Dias em atraso (intervalo entre data de vencimento e o último dia do mês de referência) jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 Credor A Adimplente 181 dias Adimplente Adimplente Adimplente 20 dias Credor Credor B 40 dias 68 dias 99 dias Adimplente Adimplente 25 dias Credor C Adimplente Adimplente Adimplente Adimplente 361 dias Adimplente Vencimento mais antigo 40 dias 181 dias 99 dias dias 25 dias Faixa de tempo de atraso De 31 a 60 dias De 181 a 360 dias De 91 a 180 dias Nenhuma De 361 dias a 2 anos De 14 a 30 dias Indicador 2: Dívidas em atraso na base do SPC Brasil Este indicador mostra a variação mês a mês da quantidade total de dívidas em atraso de pessoas físicas. Exemplo: Os credores A, B e C são as empresas para quem João e Pedro, as duas pessoas físicas do exemplo do indicador 1, devem. Os credores podem ser lojistas, empresas de serviços, como telefonia, energia, fornecimento de água, etc. A soma das dívidas de todos os devedores resulta na quantidade total de dívidas da base do SPC Brasil. Devedor Credor Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho credor A Inadimplente Inadimplente João credor B Inadimplente Inadimplente Inadimplente Inadimplente credor C Inadimplente Total de dívidas em atraso Pedro credor A Inadimplente Inadimplente Inadimplente credor B Inadimplente Inadimplente Inadimplente credor C Inadimplente Inadimplente Total de dívidas em atraso Quantidade de dívidas em atraso (João + Pedro) Indicador "Dívidas em atraso PF" - variação mensal % -75% 200% -33% 50% 20

21 As dívidas em atraso são classificadas de acordo com: A faixa etária do devedor no último dia do mês de referência (data de extração dos dados que embasam os indicadores do SPC Brasil). A faixa de atraso da dívida, que é igual a diferença entre a data de vencimento e o último dia do mês de referência. Por exemplo, se a dívida venceu em 1º de março, o resultado de março, extraído no dia 31, informará que essa dívida está vencida há 30 dias. Setor credor, identificado de acordo com a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). As empresas credoras foram classificadas pelas seções CNAE (identificadas por letras), conforme tabela abaixo. Seção Descrição da seção CNAE Classificação utilizada no texto e nos A Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura Outros B Indústrias extrativas Outros C iindústrias de transformação Outros D Eletricidade e gás Água e luz E Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminaçãágua e luz F Construção Outros G Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Comércio H Transporte, armazenagem e correio Outros I Alojamento e alimentação Outros J Informação e comunicação Comunicação K Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Bancos L Atividades imobiliárias Contador, advogado, arquiteto etc M Atividades profissionais, científicas e técnicas Outros N Atividades administrativas e serviços complementares Outros O Administração pública, defesa e seguridade social Outros P Educação Outros Q Saúde humana e serviços sociais Outros R Artes, cultura, esporte e recreação Outros S Outras atividades de serviços Outros T Serviços domésticos Outros U Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais Outros? Empresa sem CNAE classificado Outros Indicador 3: Número médio de dívidas em atraso de pessoas físicas Este indicador mostra o número médio de dívidas em atraso, calculado através da divisão da quantidade total de dívidas em atraso de pessoas físicas pela quantidade total de pessoas físicas inadimplentes no mês de referência. Exemplo: ainda usando o exemplo inicial e dividindo-se o total de dívidas em atraso pela quantidade de pessoas inadimplentes, mês a mês, tem-se que o número médio de dívidas mensalmente. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Quantidade de dívidas em atraso Quantidade de pessoas físicas inadiplentes Numero médio de dívidas em atraso por pessoa inadimplente ,000 2,000 1,000 3,000 1,000 1,500 As pessoas inadimplentes e as dívidas são classificadas de acordo com a faixa etária do inadimplente, de maneira a permitir uma abertura desse indicador por faixa etária. 21

22 Indicador 4:Estimativa mensal do número de inadimplentes no Brasil O que mostra: estimativa mensal do número de pessoas físicas com dívidas em atraso no país A estimativa parte da base de dados do SPC Brasil. Em seguida, toma-se uma amostra aleatória de 600 CPFs regulares de pessoas de 18 a 90 anos, inadimplentes ou não. Esses CPFs são consultados no SPC Brasil e em outros serviços de proteção ao crédito. Com isso, verifica-se a proporção de inadimplentes em pelo menos uma das bases. Esse resultado é aplicado sobre o número de adultos na população brasileira em 2014 (projeção do IBGE). Como não há informação pública e consolidada sobre quais CPFs pertencem a pessoas já falecidas, aplicou-se um redutor de CPFs, com base na expectativa de mortalidade e nas informações do DataSUS. 22

23 Informações Relevantes Este material foi elaborado e publicado pelo SPC Brasil e tem como único objetivo prover informações sobre os indicadores econômicos produzidos pela Organização. Todos os dados desta publicação foram apurados criteriosamente por profissionais qualificados, a partir de fontes públicas e privadas, não tendo o SPC Brasil qualquer gerência e/ou responsabilidade sobre tais informações. O conteúdo deste documento, eventualmente, poderá apresentar opiniões e análises realizadas pelos profissionais responsáveis no momento da divulgação e poderá estar sujeito a alterações, a qualquer momento, sem aviso prévio. Os dados apresentados neste material poderão representar projeções de variáveis econômicas, elaboradas criteriosamente a partir de dados disponíveis no momento de sua elaboração, tendo em vista o cenário econômico atual macroeconômico. O SPC Brasil não se responsabiliza por eventuais alterações em suas projeções, análises e/ou por desvios de suas projeções em relação às fontes consultadas. Todos os dados apresentados nesse relatório têm caráter meramente informativo, sendo que o SPC Brasil não concede nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, pela utilização dos mesmos para fins de avaliação ou tomada de decisão por seu consulente. Desta forma, o SPC Brasil não se responsabiliza por nenhuma consequência ou perda, patrimonial ou extrapatrimonial, decorrentes do uso de quaisquer dados ou análises desta publicação, sendo isento de todas as responsabilidades decorrentes do uso deste material. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta publicação, sob as penas da lei, exceto com autorização prévia e expressa do SPC Brasil ou com a citação integral da fonte. Sobre a CNDL Fundada em 1960, a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), é a mais antiga entidade representativa do comércio lojista. Reunindo as federações (representação local nos Estados) e câmaras de dirigentes lojistas (representação local nos municípios), a instituição tem como missão a defesa e o fortalecimento da livre iniciativa. Sobre o SPC Brasil O SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) é o sistema de informações da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), constituindo-se no maior banco de dados da América Latina em informações creditícias sobre pessoas físicas e jurídicas. A capilaridade alcançada pelo SPC Brasil é a mais representativa do setor. Sua base de dados reúne informações de todos os segmentos da economia nas 27 unidades da Federação. O SPC Brasil reúne informações creditícias de praticamente todos os CPFs do Brasil, estejam eles em situação de inadimplência ou não. Os serviços e soluções oferecidos pelo SPC Brasil auxiliam empresas a proteger-se de prejuízos, maximizar seus lucros e a promover ações de vendas e recuperação de crédito, incluindo prospecção de negócios e gestão de carteira. 23

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Regionais Dados referentes a junho de 2015 Presidentes Honório Pinheiro (CNDL) Roque Pellizzaro Junior (SPC Brasil) Data de Publicação: 25 de maio de 2015

Leia mais

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a março de 2016 SUMÁRIO Tabelas Resumo 2 Metodologia dos Indicadores 16 Informações Relevantes 21 Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a abril de 2016 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a fevereiro de 2017 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a novembro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a dezembro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a junho de 2016 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a outubro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014 Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a novembro de 2014 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA Pessoas jurídicas inadimplentes

Leia mais

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a janeiro de 2017

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a janeiro de 2017 Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a janeiro de 2017 Presidentes Honório Pinheiro (CNDL) Roque Pellizzaro Junior (SPC Brasil) Tabelas Resumo Devedores Região Variação

Leia mais

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a fevereiro de 2017

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a fevereiro de 2017 Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a fevereiro de 2017 Presidentes Honório Pinheiro (CNDL) Roque Pellizzaro Junior (SPC Brasil) Tabelas Resumo Devedores Região (em

Leia mais

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a dezembro de 2015 SUMÁRIO Tabelas Resumo 5 Metodologia dos Indicadores 15 Informações Relevantes 20 Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL

Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Indicadores Econômicos SPC Brasil e CNDL Dados Nacionais Dados referentes a julho de 2015 SUMÁRIO Release Pg. 2 Inadimplência do Consumidor Pg. 7 Inadimplência Regional Pg. 14 Indicador de Vendas a prazo

Leia mais

Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH. Abril/2016

Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH. Abril/2016 Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH Abril/2016 Equipe Técnica: Ana Paula Bastos Economista Sarah Ribeiro Estatística André Correia Analista de Economia Amanda Santos Técnico de Pesquisa

Leia mais

Indicador de Inadimplência de Pessoas Jurídicas Belo Horizonte SPC CDL/BH. Abril/2016

Indicador de Inadimplência de Pessoas Jurídicas Belo Horizonte SPC CDL/BH. Abril/2016 Indicador de Inadimplência de Pessoas Jurídicas Belo Horizonte SPC CDL/BH Abril/2016 Elaborado: Economia - Pesquisa & Mercado Equipe Técnica: Ana Paula Bastos Economista Sarah Ribeiro Estatística André

Leia mais

Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH. Novembro

Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH. Novembro 1. Indicador de Dívidas em Atraso Minas Gerais SPC CDL/BH Novembro 2016 Equipe Técnica: Simone Montenegro - Gerente Ana Paula Bastos Economista Sarah Ribeiro Estatística André Correia Analista de Economia

Leia mais

Indicadores econômicos SPC Brasil e CNDL

Indicadores econômicos SPC Brasil e CNDL Indicadores econômicos SPC Brasil e CNDL Dados referentes a fevereiro de 2014 SUMÁRIO RELEASE DE IMPRENSA...2 ANÁLISE ECONÔMICA...5 Resumo....5 Indicador 1: Dívidas em atraso na base do SPC Brasil Pessoa

Leia mais

Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico

Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico Resumo Regiões Norte e Sudeste apresentam aumento expressivo de dívidas atrasadas e menor crescimento econômico A alta do número de dívidas em atraso em fevereiro no Brasil (0,80% na comparação com janeiro)

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 *

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2013, mostram crescimento do nível de ocupação,

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego Nível de ocupação diminui nos Serviços, na Indústria de Transformação e na Construção e se eleva

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Número especial 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2014 2 As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2014, mostram relativa estabilidade

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nota metodológica da série retropolada 2002-2009 PIB dos Municípios - Referência 2010 (versão para informação e comentários) Versão 1 outubro

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2014 Ano 7 Número especial MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2014 Os resultados aqui apresentados referem-se

Leia mais

VILÕES DA INADIMPLÊNCIA Setembro/15

VILÕES DA INADIMPLÊNCIA Setembro/15 VILÕES DA INADIMPLÊNCIA Setembro/15 Empréstimo e cartão de loja são os principais instrumentos financeiros que levam à inadimplência O estudo conduzido pelo SPC Brasil e Meu Bolso Feliz, tem como objetivo

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Taxa de desemprego aumenta, em comportamento típico para o período

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Resultados de janeiro de 2015 Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

ÍNDICE ASCENSÃO DAS MULHERES NO SETOR EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE ASCENSÃO DAS MULHERES NO SETOR EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 04 ABRIL 2016 1 ÍNDICE ASCENSÃO DAS MULHERES NO SETOR... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2 SALDO ANUAL

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Abril/2013 Para abril de 2013, taxa de desemprego apresenta redução 1. Em abril, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram redução na

Leia mais

Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil. Rio de Janeiro, 31/01/2017

Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil. Rio de Janeiro, 31/01/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro Retrospectiva 2012 a 2016 Brasil 1 Rio de Janeiro, 31/01/2017 Observação: Os indicadores para retrospectiva foram construídos através da média aritmética dos quatro trimestres

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO EM 2015 A taxa de participação das mulheres no mercado

Leia mais

Indicadores Socioeconômicos. Página 1

Indicadores Socioeconômicos. Página 1 Pessoas Empregadas por Subsetores 2. Ind. 3. Ind. 5. Agua, Nome do Indicador 1.Agricultura Extrativa Transformação 4. Eletrecidade Esgoto 6. Construção 7. Comércio 8. Transporte 9. Alojamento 10. Informação

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Taxa de desemprego permanece estável

Taxa de desemprego permanece estável PESQUISA DE EMRPEGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC¹ 1 Resultados de novembro 2 de 2014 Taxa de desemprego permanece estável 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais

Indicador de vendas e de inadimplência

Indicador de vendas e de inadimplência Indicador de vendas e de inadimplência CNDL SPC Brasil Maio de 2013 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Junho de 2013 1 Inflação puxa inadimplência e vendas

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1

MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 (nova série com a RM Fortaleza) SETEMBRo 2 DE 2012 RELATIVA ESTABILIDADE DA TAXA DE DESEMPREGO Divulgação N o 68 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Indicador de Vendas e Inadimplência CNDL - SPCBrasil

Indicador de Vendas e Inadimplência CNDL - SPCBrasil Indicador de Vendas e Inadimplência CNDL - SPCBrasil Junho 2012 Presidentes CNDL - Roque Pellizzaro Junior SPC Brasil Roberto Alfeu Pena Gomes SPC Brasil registra queda de 0,27% na inadimplência em junho

Leia mais

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA.

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA. Os Registros de Inadimplência no SCPC apresentaram comportamento dissonante entre RS e Porto Alegre em outubro. Os indicadores medem o crescimento da entrada (Inclusões) e saída (Exclusões) de registros

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Ano 25 - Número Especial DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Em 2016, de acordo com as

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Maio de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Retrospectiva 2003-2011 9 anos 1 1, 26/01/2012 1 Produz indicadores mensais sobre a força de trabalho que permitem avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos,

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 SETEMBRO DE 2013 2 LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação Resumo * A produção industrial voltou a registrar fraco desempenho em junho. * Com o resultado de junho, completam-se quatorze meses

Leia mais

Agosto Município de Anápolis - Goiás

Agosto Município de Anápolis - Goiás Agosto 2012 Município de Anápolis - Goiás Prezados, A ASBAN está sistematizando dados sobre a atividade econômica e financeira na sua região de abrangência com o objetivo de subsidiar as demandas de informações

Leia mais

Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões

Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões Taxa de desemprego continua ascendente em três regiões MAIO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu no Distrito Federal, em Salvador

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED fevereiro DE 2016 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 375 Taxa de desemprego aumenta, após quatro meses em relativa estabilidade Nível de ocupação diminui

Leia mais

Agosto Município de Rio Verde - Goiás

Agosto Município de Rio Verde - Goiás Agosto 2012 Município de Rio Verde - Goiás Prezados, A ASBAN está sistematizando dados sobre a atividade econômica e financeira na sua região de abrangência com o objetivo de subsidiar as demandas de informações

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/10 63,0% 27,3% 8,7% fev/11 65,3%

Leia mais

Agosto Divulgado em 15 de setembro de 2015.

Agosto Divulgado em 15 de setembro de 2015. Agosto - 2015 Divulgado em 15 de setembro de 2015. ICVA REGISTRA RETRAÇÃO DE 2,8% PARA O VAREJO EM AGOSTO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em comparação com agosto

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2017 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 Em 2015, a taxa de participação

Leia mais

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013 CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013 PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar out/12 59,2% 20,5%

Leia mais

SONDAGEM DO SETOR SERVIÇOS. Agosto, 2015

SONDAGEM DO SETOR SERVIÇOS. Agosto, 2015 SONDAGEM DO SETOR SERVIÇOS Agosto, 2015 RESULTADOS DA PESQUISA Empresas informantes: 2.102 Pessoal Ocupado: 621 mil Período de coleta: 05 a 26/08/2015 Obs.: Todos os dados desta apresentação são ajustados

Leia mais

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2015

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2015 Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços Junho de 2015 Definições A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP com base em dados do sistema RAIS- CAGED do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Setembro/2013 registra a sua menor taxa de desemprego 1. Conforme as informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em, a taxa

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2014 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente presença feminina

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO

AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 04 Resultados de abril de 2015 AUMENTA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria de Estado

Leia mais

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015.

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015. Setembro - 2015 Divulgado em 15 de outubro de 2015. ICVA APONTA RETRAÇÃO DE 3,4% PARA O VAREJO EM SETEMBRO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em comparação com setembro

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC 21 de fevereiro de 2013 Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC A PEIC é uma pesquisa realizada pela CNC e divulgada regionalmente pela Fecomércio-RS. Apesar de, muitas vezes, ser

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 13 de março de 2017 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 Índice de Volume de Negócios nos Serviços 1 desacelerou O índice de volume de negócios

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012 SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 10, outubro

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED ABRIL DE 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 365 Taxa de desemprego mantém tendência de crescimento Nível de ocupação diminui na Indústria de Transformação

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE

Leia mais

Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões

Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões Taxa de desemprego cresce nas cinco regiões Março DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu, pelo segundo mês consecutivo no Distrito

Leia mais

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016.

Fevereiro Divulgado em 15 de março de 2016. Fevereiro - 2016 Divulgado em 15 de março de 2016. ICVA: BENEFICIADO PELO CALENDÁRIO, VAREJO AMPLIADO REGISTRA RETRAÇÃO DE 3,4% EM FEVEREIRO Indicador considera a receita deflacionada de vendas do varejo

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Expectativas continuam melhorando. Índices de expectativas Índices de difusão (0 a 100)*

SONDAGEM INDUSTRIAL. Expectativas continuam melhorando. Índices de expectativas Índices de difusão (0 a 100)* Indicadores CNI ISSN 1676-0212 Ano 19 Número 7 julho de SONDAGEM INDUSTRIAL Expectativas continuam melhorando O desempenho da indústria em julho pouco se alterou na comparação com os meses anteriores.

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 9 setembro de 2012 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Desempenho menos negativo ainda não aponta

Leia mais

Março Divulgado em 14 de abril de 2015.

Março Divulgado em 14 de abril de 2015. Março - 2015 Divulgado em 14 de abril de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 3,3% EM MARÇO, APONTA ICVA O comércio varejista brasileiro apresentou alta de 3,3% em março em relação ao mesmo período do ano passado,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais

CONTAS REGIONAIS. Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais Governo do Estado do Amapá Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais - CONAC Secretaria de Estado do Planejamento Coordenadoria de Pesquisas, Estratégias Socioeconômicas e Fiscais CONTAS REGIONAIS

Leia mais

DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009

DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2016 Ano 9 Divulgação Nº 08 DESEMPREGO TEM A MAIOR TAXA PARA AGOSTO DESDE 2009 As informações da Pesquisa de Emprego e

Leia mais

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t dezembro 6 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para,8% t/t Myriam Montañez O crescimento da economia portuguesa durante o 3T de 6 alcançou os,8% t/t, um nível consideravelmente

Leia mais

Açúcar e tomate encarecem a Cesta Básica

Açúcar e tomate encarecem a Cesta Básica 1 São Paulo, 06 de outubro de 2009. NOTA À IMPRENSA Açúcar e tomate encarecem a Cesta Básica Das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos realiza

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Setembro de 2016

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Setembro de 2016 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Setembro de 2016 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar set/15 63,5% 23,1%

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MARÇO DE 2011 Em comportamento típico para o período, taxa de desemprego assinala aumento Em março, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou crescimento

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL ABRIL DE 2011 Ocupação cresce ligeiramente e taxa de desemprego permanece praticamente estável De acordo com as informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Agosto de 2015 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar ago/14 63,6% 19,2%

Leia mais