MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL"

Transcrição

1 MANUAL DA QUALIDADE AGÊNCIA TRANSFUSIONAL Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 1 de 19

2 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 27/08/2007 Aprovado e liberado por: Hildenete Monteiro Fortes Data da implantação: 27/09/2007 Data da revisão: 18/10/2011 Periodicidade da Revisão: anual Revisado por: Hildenete M. Fortes Tempo de arquivo: Cinco anos Setor: Agência Transfusional Código do documento: MQAT O1 Número da versão atual: 03 Número total de Páginas: 19 Número de cópias-distribuição: Não ESTE É UM DOCUMENTO CONTROLADO Não deve ser copiado ou distribuído sem a autorização do Chefe da Agência transfusional do HUJM. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 2 de 19

3 1. Princípio Este Manual da Qualidade estabelece a política, os objetivos e os procedimentos do sistema da qualidade do Serviço de Hemoterapia/Agência transfusional de acordo com a Portaria N 1353 de 13 de Junho de 2011: tem por objetivo regular a atividade hemoterápica no país, de acordo com os príncipios e diretrizes da Política Nacional de Sangue, Componentes e Hemoderivados, no que se refere à captação, proteção ao doador e ao receptor, a coleta, o processamento, a estocagem, a distribuição e transfusão do sangue, de seus componentes e derivados, originados do sangue humano venoso e arterial, para diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças. Toda transfusão de sangue traz um si um risco, seja imediato ou tardio, devendo, portanto ser criteriosamente indicada. O ATO TRANSFUSIONAL É DE RESPONSABILIDADE MÉDICA. 2. Responsabilidades 2.1 Geral A Chefia do SH encontra-se sob a responsabilidade de Márcia Beatriz Cattini de Mello Bióloga e como responsável técnica e chefe substituta a Drª Hildenete Monteiro Fortes Médica Hemoterapêuta. 2.2 Executiva A Chefia do Serviço de Hemoterapia encontra-se subordinada à Diretoria Clínica. 3. Descrição do Serviço 3.1- Introdução O Serviço de Hemoterapia do HUJM UFMT SH/AT, localizado à Rua Luiz Philippe Pereira Leite s/n Bairro Alvorada CEP: Fone: , Cuiabá MT, com o fim específico de realizar Atividades Hemoterápicas, mantendo sob seu restrito controle todo uso de Sangue e Hemocomponentes no Hospital, cujos procedimentos técnicos estão previstos nos Procedimentos Operacionais Padrões específicos para cada clínica e procedimentos internos do serviço. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 3 de 19

4 3.2 Objetivos Atender toda e qualquer solicitação de transfusão de sangue e hemocomponentes solicitadas no âmbito do HUJM, desde que solicitadas por profissional médico, através de APAC s Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade; Garantir o estoque e adequado armazenamento de sangue e hemocomponentes necessários à hemoterapia, segundo normas da Portaria nº 1353; O sangue e hemocomponentes serão fornecidos pelo MT-Hemocentro, o qual se responsabiliza pela seleção, coleta e liberação do uso das unidades hemoterápicas fornecidas ao SH/AT/HUJM; Garantir sangue e hemocomponentes para um ato transfusional seguro e terapêutico ao paciente; Realizar identificação imunohematológica de rotina dos pacientes, previstas na Portaria nº 1353 tipagem sanguínea, anticorpos irregulares e coombs direto; Realizar todos os testes pré-transfusionais necessários, previstos na Portaria nº 1353 prova cruzada maior; Frente a uma discordância, com relação aos testes imunohematológicos e/ou prétransfusionais, identificar as possíveis causas com utilização dos recursos disponíveis no serviço e, quando não for possível, solicitar tal elucidação ao serviço de referência - MT-Hemocentro; Proceder à escolha de sangue a ser transfundido, segundo normas da RDC nº 153 e, na inexistência do hemocomponente compatível necessário, solicitar o mesmo ao serviço de referência - MT-Hemocentro; Realizar a instalação do hemocomponentes e, proceder ao acompanhamento do ato transfusional, segundo normas técnicas dos procedimentos operacionais específicos para cada clínica; Realizar todos os registros, tanto na prescrição do paciente como no caderno de registro do Serviço de Hemoterapia, a fim de que seja possível o rastreamento de toda e qualquer possível intercorrência relativa ao ato transfusional, segundo normas previstas na RDC nº 153; Realizar a busca ativa dos pacientes transfundidos, para detecção de possíveis Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 4 de 19

5 reações transfusionais; Proceder ao protocolo para reações transfusionais, garantindo os meios para elucidação das possíveis causas das mesmas; Informar ao médico responsável pelo paciente toda e qualquer reação transfusional que venha a ocorrer; É reservado ao médico do serviço de hemoterapia o direito de suspender a transfusão solicitada, se após analise do caso, decidir que o produto é desnecessário ou contra-indicado. A responsabilidade por esta conduta é exclusiva do médico Local e Horário de Funcionamento O SH/AT encontra-se funcionando temporariamente numa sala interna do HUJM, ao lado do Centro Cirúrgico, com identificação do serviço na porta da mesma, com funcionamento ininterrupto, com três turnos: manhã, tarde e noite; Por se tratar de serviço essencial e ininterrupto, a troca dos turnos se dá mediante passagem de plantão para o profissional do turno seguinte, quando toda e qualquer intercorrência durante o turno anterior é comunicada verbalmente e por escrito, em caderno próprio, para a continuidade das atividades do serviço no turno seguinte; Horário de funcionamento: hs / hs / hs Lista de Atividades Próprias 1. Manutenção de estoque e armazenamento de sangue e hemocomponentes no SH, os quais são fornecidos pelo MT-Hemocentro, através de Convênio firmado entre o HUJM e a SES-MT; 2. Coleta amostras de pacientes e realização dos testes pré-transfusionais; 3. Escolha das unidades hemoterápicas compatíveis a serem transfundidas; 4. Instalação das unidades a serem transfundidas; Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 5 de 19

6 5. Registro de todos os procedimentos realizados; 6. Comunicação de toda e qualquer intercorrência ao ato transfusional; 7. Elaboração de relatórios semanais, mensais e anuais das atividades hemoterápicas, com identificação do tipo de hemocomponente e a quantidade transfundida, por paciente e clínica; 8. Elaboração da estimativa de consumo para embasamento de processo licitatório para compra de insumos específicos de uso no SH; 9. Participação em Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Imunohematologia Ministério da Saúde/ANVISA; 10. Colaboração com a conduta hemoterapêutica; 4. Política da qualidade O SH/AT desenvolve suas atividades com competência, eficiência e eficácia de modo a garantir a satisfação do cliente, da comunidade, dos colaboradores e fornecedores. Para o alcance deste objetivo busca: Impulsionar o aprimoramento técnico-científico e adquirir técnicas de vanguarda; Proporcionar atendimento humanizado, respeitando o sigilo e a vontade do cliente; Aperfeiçoar a confiabilidade das atividades hemoterápicas e orientar todas as ações pela ética; Crescer com qualidade, dinâmica e modernidade. A política da qualidade do SH também está refletida em: "Missão, Visão e Valores onde: Missão: "O SH tem como missão: desenvolver suas atividades com competência, eficiência e eficácia de modo a satisfazer as necessidades do cliente Visão: O SH tem como Visão se tomar um "Serviço de Referência na área de Hemoterapia", pela qualidade dos Serviços prestados. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 6 de 19

7 4.1.3 Valores: Cliente Satisfeito Ética e Credibilidade Lealdade e Comprometimento Responsabilidade Social Respeito ao Meio Ambiente Educação Continuada Trabalho em Equipe 5. Recursos Humanos, Responsabilidade e Treinamento Recursos Humanos: O SH/AT tem um corpo técnico em número e quantidade suficientes para atender suas finalidades. Este corpo técnico possui a formação necessária, treinamento e conhecimento técnico profissional para a execução de atividades hemoterápicas. O SH/AT mantém registro de formação e de treinamento interno e externo de cada membro do corpo técnico. A garantia da qualidade é de responsabilidade compartilhada pela chefia e respectivos colaboradores. Profissionais Hildenete Monteiro Fortes Márcia Beatriz Catini de Mello Ana Dionízia Oliveira Marins Augusto César Arruda Taques Aderson Padilha de Amorim Lúcia Gomes da Silva Magna Pereira de Carvalho Manoel Messias Barros Cargos Médica Hemoterapêuta responsável Bióloga chefia do serviço Técnica de Laboratório Laboratorista Agente Administrativo Técnica de Laboratório Técnica de Laboratório Técnico de Laboratório Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 7 de 19

8 Claudiane Aparecida Miguel José dos Santos Rute Ester R. Gusmão Técnica de Laboratório Técnica de Laboratório Técnica de Laboratório 5.2- Responsabilidade e autoridade Em todos os casos, todos os Colaboradores têm a obrigação, a autoridade e a liberdade suficientes para: a) Identificar e documentar problemas da qualidade, planejar e adotar as ações corretivas que previnam a ocorrência de não-conformidades na realização das atividades hemoterápicas; b) Recomendar, iniciar, implementar e verificar medidas para o contínuo aprimoramento da qualidade; c) Avaliar as solicitações e indicações de procedimentos hemoterápicos, visando sempre à qualidade e eficácia da terapêutica Educação Continuada e Treinamento O SH/AT estabelece e mantém procedimento documentado de Treinamento para identificar as necessidades de treinamento e providenciá-lo para todo o pessoal que executa atividades que influenciam na Qualidade. O pessoal que executa tarefas especificamente designadas é qualificado com base na instrução, treinamento e/ou experiência apropriados conforme requerido, sendo avaliado, quando aplicável. Utilizará também como Educação Continuada: Controle externo da qualidade feito pelo Ministério da Saúde - Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Imuno-hematologia. As atividades de treinamento e de educação continuada são comprovadas através de certificados ou lista de presença. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 8 de 19

9 6. Organização 6.1- Organograma Os setores e divisões do SH/AT encontram-se representados no organograma anexado no final deste manual. (anexo) Cargos e Responsabilidades Diretoria Cabe a diretoria do HUJM e a chefia do serviço assegurar que, as atividades hemoterápicas contidas na Portaria N 1353 de 13 de Junho de 2011, sejam cumpridas, garantindo no mínimo que: Pessoal qualificado, instalações apropriadas, equipamentos e insumos estejam disponíveis; Sejam mantidos os registros das qualificações, treinamentos e experiência de cada profissional; Documentos do Sistema da Qualidade Manuais, PQ e POP s sejam estabelecidos e seguidos; O pessoal envolvido na realização da atividade de hemoterápicas entenda claramente as funções que desempenham e que sejam oferecidos treinamentos e educação contínua sempre que necessário; Haja um Responsável Técnico legalmente habilitado. Exista um número suficiente de pessoas para realizar as atividades hemoterápicas; Exista um programa de Garantia da Qualidade e que o SH/AT participe de Programas de Controle da Qualidade; Seja(m) mantido(s) documento(s), registro(s) e amostra(s); Os Laboratórios de apoio sejam qualificados conforme resoluções específicas. Garantia da Qualidade O responsável pelo SH/AT deverá cumprir e assegurar que as atividades hemoterápicas previstas na Portaria N 1353, sejam seguidas, garantindo no mínimo: Que o Sistema da Qualidade seja estabelecido, implantado e mantido; A validade dos dados gerados e a conformidade com os Princípios das BPLC; Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 9 de 19

10 Liderar a análise crítica do Sistema da Qualidade como uma base para melhoria do mesmo; Que após o término dos exames, os dados brutos, laudos e as amostras sejam arquivados por tempo exigidos na PORTARIA Nº 1353; A execução de Programa de Controle Externo e Interno da Qualidade; A preservação dos equipamentos, insumos e instalações do laboratório; Medidas para garantir a confidencialidade dos registros dos procedimentos hemoterápicos; Que as medidas de ordem, higiene e limpeza sejam seguidas e que precauções de saúde, segurança e cuidados com o meio ambiente sejam aplicadas, de acordo com a regulamentação técnica pertinente. Equipe Técnica Deve cumprir e assegurar que as atividades hemoterápicas definidas na PORTARIA Nº 1353 e POP s sejam seguidos, assegurando no mínimo: A identificação da amostra dos pacientes, a sua integridade e a sua conservação em local apropriado por tempo definido na PORTARIA Nº 1353; Realização dos testes pré-transfusionais com amostras de sangue dos pacientes colhidas conforme POP; A concordância dos testes realizados; A identificação, a integridade e a estocagem dos reagentes e materiais de referência, padrões e controles; O registro dos testes imuno-hematológicos, realizados com amostras dos pacientes a serem transfundidos, esteja disponível ao pessoal técnico envolvido; O registro dos dados gerados sob sua responsabilidade; A preservação da integridade dos equipamentos, materiais e instalações do laboratório; Que todos os testes realizados, sua responsabilidade, sejam assinados e datados; O tratamento adequado das não-conformidades; Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 10 de 19

11 A operacionalização dos Programas de Controle da Qualidade de acordo com os Manuais, PQ s e POP s; As medidas que garantam a confidencialidade dos registros dos procedimentos hemoterápicos; Zelar pelo USO dos EPI s. 7. Programa de garantia da qualidade Auditoria interna da qualidade: As auditorias internas da qualidade são realizadas no mínimo semestralmente para verificar o funcionamento do Sistema da Qualidade do SH/AT, assim como para verificar se as atividades da qualidade estão sendo conduzidas como estabelecido nas respectivas normas Responsabilidades pela auditoria interna O chefe do SH é responsável pela organização e coordenação da auditoria interna. Esta responsabilidade inclui as seguintes atividades: 1. Selecionar os auditores, instruindo-os para a abrangência e objetivos particulares de cada auditoria; 2. Preparar a data da auditoria, avisando os técnicos dos setores sobre o programa da auditoria; 3. Monitorizar, investigar, reportar e rastrear atividades para garantir que os procedimentos de auditoria interna sejam seguidos; 4. Manter os registros que indicam que todo o processo foi implementado; 5. Analisar e tratar as não-conformidades encontradas; 6. Fazer acompanhamento, de forma a garantir que as ações corretivas tenham sido satisfatoriamente implementadas e tenham se tornados eficazes Resultados das auditorias internas Os resultados do relatório de auditoria preparado pelo(s) auditor (es) são revisados pelo chefe da agência transfusional. Os resultados da auditoria são distribuídos aos técnicos dos Setores auditados. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 11 de 19

12 Registros e resultados documentados do processo de auditoria interna são mantidos por cinco anos pela chefia da AGÊNCIA TRANSFUSIONAL Documentos da Qualidade A Chefia da AGÊNCIA TRANSFUSIONAL assegura que a coleção de documentos de impacto na qualidade (Manuais e POPs) seja completa, atualizada, revisada por profissional qualificado e contendo conceitos técnicos válidos do ponto de vista científico e relevantes do ponto de vista clínico. As referências bibliográficas pertinentes e atualizadas consultadas são citadas na última parte dos documentos Não-conformidades Identificadas não-conformidades quer no Controle Interno, Controle Externo da Qualidade ou na rotina diária, registros são elaborados e as ações corretivas condizentes são planejadas e implementadas para eliminá-las. Existe um documento específico para este tratamento. 8. Controle Interno da qualidade O Controle Interno da Qualidade (CIQ) está implantando para todos os parâmetros para os quais existem materiais de controle disponíveis. Ele é realizado nos mesmos sistemas e pelos mesmos colaboradores que analisam as amostras dos pacientes e que fazem uma avaliação preliminar do desempenho. O registro do controle interno é feito de acordo com os POPs e é avaliado diariamente pelo responsável do setor. Quando necessário, à luz dos parâmetros estabelecidos são tomadas ações corretivas adequadas para as não-conformidades do controle interno. 9. Controle Externo da Qualidade A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL está inscrito e participa regularmente do PCEQ Programa de Controle Externa da Qualidade em Imuno-hematologia da ANVISA/GGSTO. Os materiais de controle recebidos são processados pelos mesmos sistemas analíticos que processam rotineiramente as amostras dos pacientes. Os resultados do Programa Externo de Controle da Qualidade são avaliados pela chefia, pelo Responsável Técnico e são posteriormente discutidos com o pessoal envolvido. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 12 de 19

13 São traçados planos de ação corretiva em resposta às não-conformidades encontradas e cuja implantação é acompanhada pelo Responsável Técnico ou profissional designado. Estas ações são documentadas e os registros respectivos são mantidos por cinco anos. 10. Documentos e Registros Documentos do Sistema da Qualidade Existem Procedimentos da Qualidade e POP sobre todas as rotinas técnicas e procedimentos da qualidade que garantem a implementação do Sistema da Qualidade da AGÊNCIA TRANSFUSIONAL. A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL mantém arquivados todos os documentos e registros provenientes do seu funcionamento e os POP desativadas. A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL garante que tais registros são mantidos sempre em sigilo e em segurança durante o período apropriado. Os registros permanecem legíveis e adequadamente armazenados e são recuperáveis para permitir demonstrar a conformidade com os requisitos especificados. Os registros são claros, não ambíguos e completos em relação ao desempenho dos testes e permitem a rastreabilidade da operação desde o registro do recém nascido até o laudo e vice-versa. Em caso de alteração dos dados, o dado anterior permanece legível e o responsável pela alteração e entrada de novo dado apõe data e rubrica a mudança. São arquivados: dados brutos; registros de manutenção preventiva e corretiva de equipamentos e instrumentos; relatório de auditorias internas, documentação das não-conformidades encontradas e das ações corretivas tomadas, por cinco anos; registros dos controles da qualidade internos e externos, por cinco anos. 11. Instalações e Meio-ambiente A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL utiliza uma área de... m 2, onde estão distribuídos os diversos setores e equipamentos necessários para a execução de Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 13 de 19

14 todas as atividades técnicas e administrativas do mesmo. A temperatura é controlada nos seguintes setores: nas áreas técnicas e geladeiras Sistema de comunicação interna A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL possui ramais destinado à comunicação interna Sistema de comunicação externa a) Telefone b) Internet 12. Segurança Os procedimentos de segurança incluem treinamento e informação sobre os riscos para todos os colaboradores e a disponibilidade de Equipamentos de Proteção Individual. A segurança contra incêndio é composta de extintores. Estão disponíveis informações de segurança - Manual de Biossegurança. 13. Equipamentos: manutenção, aferição e calibração Equipamentos disponíveis Os equipamentos são dimensionados de forma a permitir o cumprimento dos prazos de realização dos exames Aquisição de Equipamentos Os equipamentos para realização dos exames de imunohematologia foram adquiridos pelo HUJM. Os Técnicos são responsáveis por assegurarem que todos os equipamentos existentes e utilizados em qualquer estágio da realização dos exames sejam controlados, verificados e mantidos em condições ideais de uso, em conformidade com os requisitos especificados. Estes equipamentos são referidos como "equipamentos críticos", que são os de impacto para a qualidade dos exames. Os equipamentos e instrumentos técnicos são submetidos à manutenção e verificação periódicas de acordo com os respectivos procedimentos e estas atividades são registradas na ficha vida individualizadas. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 14 de 19

15 Todos os equipamentos e instrumentos de impacto na qualidade são identificados de forma individual e exclusiva. São mantidos registros dos equipamentos contendo: 1 - Identificação do equipamento; 2- Nome do fabricante, tipo de equipamento, número de série ou outra identificação específica; 3- Data de recebimento e data da colocação em serviço; 4- Localização atual; 5- Condição do equipamento quando recebido; 6- Instruções do fabricante; 7- Cópias de relatórios e certificados de calibração e verificação (datas, resultados, ajustes, critérios de aceitação, data das próximas calibrações/verificações); 8- Manutenções realizadas; 9- Histórico de: dano, defeito, modificação ou reparo realizado; 10-Dados da utilização do equipamento (data, hora, responsável, identificação da amostra examinada e observações); 11-Interdição de equipamento: qualquer equipamento ou parte dele que estiver defeituoso é colocado imediatamente fora de operação e interditado, sinalizado de maneira apropriada. 14. Procedimentos operacionais padrão - POP Princípios O setor técnico da agência transfusional dispõe de POP escritos, aprovados pela chefia. Os POP são submetidos à revisão sempre que é feita alguma modificação ou anualmente para se verificar a necessidade de atualização. As modificações manuscritas são permitidas em casos excepcionais, desde que, autorizados e aprovados pela chefia, através de rubrica e data. Na primeira página das POP encontra-se a aprovação pela chefia. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 15 de 19

16 14.2- Conteúdo dos POPs 1- Nome do Serviço na capa e demais paginas. 2- Título 3- Aprovação e liberação: data e assinatura da chefia 4- Revisão e liberação: data e assinatura do Responsável técnico 5- Número da versão atual (todas as páginas) 6- Código do documento 7- Paginação: Página atual/número total de paginação (todas as páginas) 8- Abrangência 15. Reagentes e Materiais Princípio A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL padroniza as compras para assegurar que materiais de qualidade adequada sejam adquiridos e entregues em tempo para não haver falta nem descartes excessivos devidos ao vencimento de materiais perecíveis. A provisão de insumos e reagentes é realizada regularmente, através de fornecedores qualificados Legislação A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL tem como diretriz prioritária utilizar Insumos e Reagentes, que possuem registro junto ao Ministério da Saúde, quando aplicável, e são descartados depois de decorrido o seu prazo de validade Aquisição Os reagentes e materiais são adquiridos preferencialmente de fornecedores qualificados através de modalidade de registro de preços Rotulagem Os reagentes são rotulados indicando armazenamento e estoque, e devem conter no mínimo: Procedência; Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 16 de 19

17 Identificação; Concentração; Riscos potenciais (podendo ser na forma de símbolo); Estabilidade; Armazenamento; Data de preparação; Validade; Nº do lote; Responsável. 16. Atendimento ao Público Interno Recepção São recebidas e conferidas as solicitações de transfusão com ou sem amostra de sangue Registro de transfusão e exames imunohematológicos em livros especiais e abertos na VISA/Estadual Exames enviados ao MT-HEMOCENTRO Casos em que não é encontrado sangue compatível entre doadores e receptores e na presença de anticorpos irregulares essas amostras são encaminhadas ao hemocentro para resolução dos problemas. 17. Gerenciamento dos exames Amostras A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL tem instruções claras e escritas para a coleta de amostras, como coletá-la, preservá-la e transportá-la. Há instruções específicas para as amostras provenientes das clínicas, visando manter sua identificação correta. Qualquer amostra recebida é prontamente analisada quanto ao correto preenchimento da sua identificação. Estão definidos critérios para aceitação ou rejeição de amostras, no POP de solicitação de Transfusão. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 17 de 19

18 17.2 Transporte das amostras O transporte das amostras de sangue colhido é feita em caixas térmicas FLUXOGRAMA: Amostras Recepção das amostras dos pacientes; Conferência da qualidade das amostras e se estão identificadas corretamente; Encaminhamento para o setor técnico; Armazenar em geladeira antes da realização dos exames nos casos de rotina; Armazenamento das amostras dos pacientes e doadores em geladeira por 3 dias Exames A utilização dos materiais, reagentes e equipamentos se restringem àqueles registrados junto ao Ministério da Saúde. Respeitando as recomendações de uso dos fabricantes e os prazos de validade. Existem Procedimentos (POP), referentes a todas os exames realizados no AGÊNCIA TRANSFUSIONAL. 18. Resíduos O manuseio, transporte e descarte de resíduos é feito de maneira a não colocar em risco a qualidade dos exames, a integridade do pessoal e do meio-ambiente e de modo a cumprir a legislação pertinente de acordo com o Programa de gerenciamento de resíduos serviços de saúde. Este documento fornece instruções claras quanto a estes procedimentos e o pessoal da agência transfusional é orientado quanto ao seu conteúdo. A AGÊNCIA TRANSFUSIONAL tem um sistema de limpeza terceirizado. 19. Serviço de Hemoterapia de apoio O MT-HEMOCENTRO é o serviço de apoio da agencia transfusional do HUJM. Existe um convênio entre a UFMT/SES/HEMOCENTRO onde são definidas as obrigações e deveres de cada instituição. Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 18 de 19

19 20. Informática A agência transfusional não é informatizada Equipamentos As instalações e os equipamentos são mantidos limpos e bem conservados; em condições ambientais apropriadas; com os fios e cabos devidamente instalados e protegidos de tráfego. 21. Anexos Anexo 01 - Organograma Funcional 22. Bibliografia 1. AABB, Technical Manual Committe. 12 th edition Segurança no Laboratório Clínico ABNT Abril/ Ministério de Estado da Saúde Portaria Nº 1353, 13 de Junho Agência Nacional de Vigilância Sanitária RDC Nº 306, 07 de dezembro de 2004 Versão: 03 Código: MQAT 01 paginação: 19 de 19

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS MERCOSUL/GMC/RES. Nº 41/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento Workshop RDC 48 Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para 11. Pessoas & Treinamento 5. Saúde, 1. Considerações Gerais 2. Definições 3. Gestão da Qualidade 4. BPF Higiene, Vestuário e 6.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO ORMAÇOES GERAS Período da nspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da nspeção: nspeção ( )Licença nicial Reinspeção ( )Segmento/Monitoramento

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Ementa: Regulamenta a Lei n.º 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012 Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Celso Borges Zaccaria, Diretor da Garantia da Qualidade

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR.

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR. PÁGINA: 1 de 6 1.0 OBJETIVO: Controlar a documentação aplicável ao SGQ TIVOLITUR, a fim de garantir a padronização dos requisitos internos relacionados aos processos estratégicos, táticos e operacionais

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios 4.2 - Requisitos de documentação 4.2.1 - Generalidades A documentação do SGQ

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 Página 1 de 5 Publicado Portal do Cofen - Conselho Federal de Enfermagem (http://site.portalcofen.gov.br) Início > RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 -

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais