A Sociologia no vestibular: o caminho da legitimidade pelo enquadramento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Sociologia no vestibular: o caminho da legitimidade pelo enquadramento"

Transcrição

1 A Sociologia no vestibular: o caminho da legitimidade pelo enquadramento Alexandre Barbosa Fraga PPGSA-IFCS/UFRJ 1 Thiago Oliveira Lima Matiolli PPGS/USP 2 1. Introdução A Sociologia é caracterizada, desde a sua gênese, por uma diversidade metodológica, que fica evidente quando se analisa a produção de seus pais fundadores: método comparativo, baseado nas idéias positivistas (Durkheim), método compreensivo (Weber) e método dialético (Marx). Essa heterogeneidade, ao longo da história dessa ciência, não foi reduzida a uma síntese metodológica. Pelo contrário, a multiplicidade de caminhos possíveis de serem tomados para estudar a sociedade é ainda apanágio da Sociologia conforme vivenciada e ensinada atualmente. O mesmo vale para conceitos e teorias, amplamente diversificados e com particularidades em relação às demais ciências. A maior delas é a convivência possível entre esquemas explicativos que não necessariamente se auto-excluem, mas, em alguns aspectos, contrapõem-se e complementam-se. Diferentemente da Sociologia, em muitas áreas, a batalha pela explicação de um fenômeno forja um vencedor, considerado legítimo e cuja explanação goza de uma quase unanimidade. Esse é o caso, na Biologia, por exemplo, da explicação sobre a evolução. Para Lamarck, o alongamento do pescoço da girafa é resultado do hábito que esse animal, que antes teria o pescoço curto, desenvolveu por muito tempo ao se esticar para conseguir alcançar, por necessidade, as folhas no alto das árvores. Já para Darwin, as girafas ancestrais apresentavam pescoços de comprimentos variáveis. Com a mudança do ambiente, houve uma seleção natural das mais bem adaptadas, no caso as de pescoço longo, que passaram essa característica às próximas gerações. Duas teorias da evolução. 1 Doutorando em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ. Mestre em Sociologia pelo mesmo Programa. Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pelo IFCS/UFRJ. 2 Doutorando em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP. Mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-Graduação do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da UFRJ. Bacharel em Ciências Sociais pelo IFCS/UFRJ. Professor de Sociologia em instituições privadas de ensino. 1

2 A segunda, como é de conhecimento geral, substituiu a primeira como a única explicação válida. Uma teoria se impôs à outra e tomou o seu lugar. Na Sociologia, as batalhas também existem, o embate é constante, mas parece ser sem fim e sem vencedores. Voltando a alguns de seus autores clássicos, tanto Marx quanto Weber produziram análises consideradas centrais no estudo do capitalismo. Cada qual enfocando o que acreditava ser a essência, a característica distintiva dele. Quem estava certo? Por mais que se tome partido de um ou de outro, não há unanimidade formada quanto a isso. Uma das interpretações não é necessariamente inválida. Os aspectos levantados podem corresponder a duas facetas diferentes do que é o capitalismo. Nesse sentido, o limite de qualquer explicação na Sociologia é menos o de novas teorias derrubarem as anteriores e tomarem seu lugar, como em outras ciências, e mais o de sua força ou fraqueza argumentativa e de sua capacidade de dar conta da realidade empírica. As mudanças permanentes na sociedade trazem aos sociólogos o desafio de buscar novos instrumentais teóricos que as expliquem. Outros fenômenos surgem e também se transformam, dando origem a novos embates teóricos e metodológicos, que, por conta de suas especificidades, não chegam a um método de pesquisa científico único e padronizado e nem a uma interpretação por excelência para cada fenômeno. Para alguns, isso é um problema que acaba por comprometer o seu status científico. Mas, para muitos, essa é uma grande qualidade, que não a descaracteriza como ciência. Pelo contrário, torna-a mais capaz de dar conta da riqueza e complexidade de uma realidade sempre multifacetada. Na educação básica, não ter um corpus consensualmente definido e consagrado, pelo menos não como as demais disciplinas escolares, aparentemente uma desvantagem, pode se revelar uma vantagem (BRASIL, OCNEM, 2006). Por um lado, há perda de legitimidade, por conta da indefinição das fronteiras de seus conteúdos, e dúvidas quanto à sua cientificidade, em vista da diversidade de métodos. Por outro, há maior liberdade, para os professores, na escolha de perspectivas teóricas e no encaminhamento dos conteúdos, mesmo que haja um programa concebido de maneira mais ou menos exógena. Se parece consenso que, na Biologia, não se poder ensinar evolução sem passar por Darwin e a sua teoria da seleção natural; na Sociologia, é possível, de muitas maneiras e com diferentes autores, ensinar temas como cultura, desigualdade e trabalho. No contexto dessa diversidade empírica, metodológica e teórica, e das singularidades citadas, os sociólogos estão acostumados a observar a Sociologia no 2

3 front, no campo de disputas explicativas, exprimindo-se em teses, pontos de vista, argumentações e contra-argumentações, nas idéias sendo defendidas, provadas e rechaçadas. Nesse sentido, causa certo estranhamento ver toda essa imaginação sociológica, essa vocação discursiva, enquadrada na forma de questões de múltipla escolha, cobradas em vestibulares de universidades públicas brasileiras. De fato, as demais disciplinas também têm seus conteúdos enquadrados de diferentes formas, ao serem cobrados no vestibular, mas essa questão já é vivenciada por elas há mais tempo. No caso da Sociologia, não. É um susto observar como um livro inteiro, com suas múltiplas dimensões, transforma-se em uma questão na qual apenas uma alternativa é dada como certa. Esse susto não é a reação pelo reconhecimento de uma impossibilidade. Nem vermelho, nem verde, é um sinal amarelo. Indica que é preciso refletir sobre os limites desse enquadramento. É justamente esse o objetivo deste artigo. Verificar-se-á como a Sociologia vem sendo cobrada nas provas do vestibular, situação que já é realidade em, pelo menos, dezesseis universidades públicas brasileiras e no Exame Nacional do Ensino Médio ENEM. O que estará sendo discutido é qual é o impacto de a Sociologia ser cobrada no vestibular; como isso altera a relação que essa disciplina estabelece com a escola e com os alunos; e qual é o efeito no processo de sua legitimação. Nesse sentido, a título de ilustração, vale a pena narrar o caso que nos fez refletir sobre essas questões. Em um colégio particular da cidade do Rio de Janeiro, a mãe de um aluno da 1ª série do Ensino Médio enviou uma carta à supervisão e ao professor de Sociologia da turma de seu filho para pedir a anulação de uma questão do simulado, com a justificativa de que estaria errada a resposta dada como correta pelo gabarito oficial da avaliação. Segundo ela, as respostas para essa disciplina deveriam ser discursivas, pois ser social abrange muita coisa, e assinalar uma única resposta certa é muito limitante. A questão era a seguinte: Os avanços tecnológicos influenciam os hábitos sociais e morais da família. De que forma é possível perceber essa influência? (A) Os avanços tecnológicos diminuem as distâncias entre os indivíduos, propiciando novos contatos e fazendo a família não ter mais importância na transmissão de valores. (B) Ao diminuir as distâncias e aumentar o fluxo de informações, os avanços tecnológicos acabam por reforçar o preconceito e a rigidez moral das famílias. (C) Os avanços tecnológicos encurtam as distâncias, propiciando o contato com pessoas e hábitos distintos, o que faz da família moderna menos rígida moralmente e a leva a repensar valores antigos. (D) Os avanços tecnológicos enfraquecem o fluxo de informações no mundo e fortalecem a rigidez moral e os antigos valores que regiam a família há um século. 3

4 A opção correta é a letra C. Para a mãe do aluno, essa não poderia ser a resposta, pois nem todas as famílias modernas são menos rígidas moralmente. Algumas continuariam sendo. Mas a alternativa certa não fala em todas as famílias. O que está escrito é que "faz da família moderna menos rígida moralmente". Encontra-se aí uma especificidade do modo de pensar sociológico, por ser uma ciência generalizadora. O problema é que a mãe interpretou família moderna como o somatório de todas as famílias individualmente. A Sociologia trabalha de maneira diferente, compreende a família moderna como um tipo ideal 3 de configuração de família, que não existe na realidade em forma "pura", no entanto serve para entendê-la. É uma forma abstrata de acentuar a realidade. Em vista dessa concepção, a letra C torna-se correta. Esse caso é bom para pensar as particularidades da Sociologia e os limites desse enquadramento no vestibular. 2. Entre a liberdade e o enquadramento Seja no período de reinserção gradativa da Sociologia no Ensino Médio, seja após o seu retorno como disciplina obrigatória, a liberdade na escolha dos conteúdos e do aporte teórico e metodológico, por parte dos professores, sempre foi muito grande, confirmando a diversidade presente na área, vivenciada também em sala de aula. As próprias Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (OCNEM) chamaram a atenção para isso: Fica claro que, diferentemente das outras disciplinas escolares, a Sociologia não chegou a um conjunto mínimo de conteúdos sobre os quais haja unanimidade, pois sequer há consenso sobre alguns tópicos ou perspectivas. Se forem considerados uns 10 casos de propostas programáticas de 10 professores, certamente se encontrarão uns dois tópicos comuns, ainda assim não idênticos. (BRASIL, OCNEM, 2006). Se, por um lado, sempre houve uma liberdade maior do que nas demais disciplinas já amplamente consolidadas na educação básica; por outro, isso foi acompanhado pela percepção de uma falta de legitimidade. Desde a obrigatoriedade, o caminho seguido tem sido o da legitimação, para além da lei. O que significa, na prática, uma busca por reconhecimento, da qual faz parte, entre as muitas formas possíveis, a necessária constatação, pela comunidade escolar como um todo, de que a 3 O tipo ideal fornece um caso limitado com o qual os fenômenos concretos podem ser contrastados, facilitando a comparação. Pela própria razão de isto ser assim, não é quase nunca, em nenhuma oportunidade, provável que se possa encontrar um fenômeno real que corresponda exatamente a um destes tipos idealmente construídos" (WEBER, 2002: 33). 4

5 Sociologia agrega algo de específico à formação discente. Não ser cobrada no vestibular, por exemplo, parece, aos olhos dos alunos, da direção e dos demais professores, uma prova de sua menor importância em relação às outras disciplinas. Esse quadro de liberdade e legitimidade veio, de diversas formas, sendo alterado nos últimos anos, por conta de, pelo menos, quatro medidas que contribuíram para um enquadramento, isto é, para a Sociologia ser pensada e ensinada de determinadas maneiras entre as muitas possíveis. Esse enquadramento, em diferentes níveis, passou a indicar o que a Sociologia deve ensinar e como. Uma primeira medida nesse sentido foi a elaboração de documentos oficiais, como os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1999), as Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+ Ensino Médio) (2002) e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio (2006), nos quais a Sociologia aparece de maneiras específicas. Uma segunda medida foi a preparação e divulgação, pelas secretarias estaduais de educação de alguns estados, de propostas curriculares a serem seguidas, definindo os conteúdos a estarem presentes nas aulas 4. Já uma terceira foi a inclusão, em 2012, pela primeira vez, da Sociologia no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), ao permitir a distribuição não de todos, mas de determinados livros, aprovados segundo diferentes critérios, às escolas públicas brasileiras. E uma quarta medida foi a cobrança da Sociologia em alguns vestibulares, o que acaba impondo conteúdos e formas de ensino à educação básica. Essas quatro possibilidades de enquadramento têm um impacto sobre a legitimação da Sociologia na educação básica, caminho que vem sendo percorrido por meio dessas e de outras medidas, mas que depende, sobretudo, da qualidade dos professores, verdadeiros responsáveis pela Sociologia que, de fato, chega aos alunos. A presença dessa disciplina no vestibular altera, mesmo que de maneira utilitária, a relação que ela estabelece com a escola e com os alunos, pois a coloca no mesmo patamar que as demais disciplinas, no sentido de também desfrutar de uma importância para o ingresso no ensino superior. Se, por ser cobrada no vestibular, há um ganho em legitimidade, há, também, um preço a se pagar: a imposição de conteúdos. Não há uma proposta programática única para o país, discutida e aprovada por professores. Todavia, Santos (2012), analisando as diretrizes curriculares de quatorze estados brasileiros, indica a existência de uma base 4 Para uma análise das propostas curriculares de cinco estados do Sudeste e do Sul, ver Moraes (2012). Para uma análise da proposta do estado do Rio de Janeiro, ver Paiva, Campos e Pereira (2012). 5

6 comum entre elas, que poderia servir como ponto de partida para um programa curricular nacional. Isso depende, para ser possível, da necessária consolidação do ensino de Sociologia na educação básica, e demanda tempo, para que consensos possam ser estabelecidos. No entanto, ainda com esse processo em andamento, diferentes universidades incluíram a Sociologia em suas seleções de alunos, estabelecendo, para isso, listagens de conteúdos obrigatórios. Isso acaba formando uma via de mão dupla: temas, conceitos e teorias, por estarem presentes em sala de aula, passam a ser cobrados no vestibular, mas, principalmente, temas, conceitos e teorias, por serem cobrados no vestibular, passam a estar presentes em sala de aula. Esse segundo caminho tem o potencial de influenciar os currículos escolares, seja por meio de diferentes políticas de avaliação, entre as quais o ENEM (SOUSA, 2003; SOUSA e ARCAS, 2010), seja por meio dos vestibulares (CUNHA e NETO, 2003), por conta de a necessidade de preparação dos candidatos para essas provas muitas vezes monopolizar a formação, sobretudo no Ensino Médio. Isso apresenta dois reflexos práticos, intimamente relacionados: um mais individual, de alteração da liberdade do professor de Sociologia no seu trabalho cotidiano em sala de aula, especialmente nas escolas particulares; e outro mais coletivo e institucional, de modificação do projeto pedagógico e dos materiais didáticos, adaptados e orientados para a preparação dos alunos às exigências específicas de acesso a cada universidade. Dessa forma, ser exigida no vestibular pode ser interpretado como uma troca, por meio de um enquadramento, de liberdade por legitimidade. Mas a questão a ser pensada é se essa legitimidade vem da simples presença da Sociologia nas provas das universidades ou se está mais relacionada à forma como é cobrada em cada uma delas. No caso de essa segunda hipótese ser a mais acertada, torna-se necessário analisar de que maneira essa disciplina passa a figurar nos vestibulares brasileiros e no ENEM, assunto a ser investigado nos próximos pontos. 3. A Sociologia nos vestibulares brasileiros É preciso recorrer à história, para que se possa perceber que a participação, hoje, da Sociologia no vestibular é menos uma chegada e mais um retorno. A presença inicial ocorreu com a Reforma Francisco Campos, em 1931, que a incluiu como disciplina obrigatória no ciclo complementar do ensino secundário, nas três opções de curso, ou 6

7 seja, na preparação ao ingresso nas Faculdades de Direito, de Ciências Médicas e de Engenharia e Arquitetura, e, também, no curso Normal, para formação de professores (SANTOS, 2004). Nesse contexto, a Sociologia, como parte desse ciclo complementar, era preparatória para o vestibular, sendo cobrada nesses exames, segundo Meucci (2000), em uma prova específica, por meio de questões escritas e de uma arguição oral sobre um ponto sorteado no momento, privilegiando-se a retórica verbal e o domínio de uma lista de conceitos sociológicos 5. A Reforma Capanema, em 1942, dividiu o ensino secundário em dois ciclos, o ginasial e o colegial, e terminou com os cursos complementares. Com isso, a Sociologia perdeu o seu caráter de disciplina obrigatória e deixou de ser cobrada nos exames de admissão aos cursos superiores, exigência esta que ficou restrita, então, ao período de 1931 a O seu retorno aconteceu apenas em 1997, quando foi incluída no vestibular da Federal de Uberlândia (UFU), mudança possível, segundo Guimarães (2004), por conta de um fator legal, o ensino de Sociologia no Ensino Médio estar previsto na Constituição Mineira, promulgada em 1989, e de um fator científico/acadêmico, a discussão sobre a importância do conhecimento que o aluno deve trazer consigo para a universidade. Com exceção da UFU, a volta da Sociologia ao vestibular ocorreu na década seguinte e está ligada às discussões que levaram à aprovação, em 2006, de sua obrigatoriedade na educação básica, e, em 2008, de sua inclusão em todas as séries do Ensino Médio. Como conseqüência disso, é de meados ao final dos anos 2000 que essa disciplina passa a ser incluída no acesso a algumas universidades públicas brasileiras e no ENEM. Atualmente, segundo levantamento realizado em dezenas de sites de processos seletivos, ela está presente diretamente no vestibular de dezesseis universidades, além de em todas as instituições que utilizam o ENEM como, pelo menos, uma das etapas de seleção. Para determinar isso, o critério utilizado foi a clara indicação da presença da Sociologia no edital ou manual do candidato do concurso. Conforme pode ser consultado em anexo ao artigo, as universidades que cobram Sociologia no vestibular estão divididas entre as regiões brasileiras da seguinte forma: na região Norte, são duas: a do Estado do Amapá (UEAP) e a Federal do Pará (UFPA). A Região Nordeste conta com três: a de Pernambuco (UPE), a Estadual do Maranhão (UEMA) e 5 Para uma consulta às provas de Sociologia dos exames vestibulares do Rio de Janeiro nos anos de 1938 e 1940, ver o anexo 3 de Meucci (2000). 7

8 a Federal do Maranhão (UFMA). Já na Região Centro-Oeste, há mais duas: a de Brasília (UnB) e a Estadual de Goiás (UEG). Na Região Sudeste, por sua vez, são quatro: a Estadual de Campinas (UNICAMP), a Estadual de Montes Claros (Unimontes), a Federal de Uberlândia (UFU) e a do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). E, para finalizar, na Região Sul, são cinco, todas do estado do Paraná: a Estadual de Londrina (UEL), a Estadual de Maringá (UEM), a Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO), a Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e a Federal do Paraná (UFPR). Definidas as instituições nas quais os conhecimentos de Sociologia estão sendo exigidos para o ingresso no ensino superior, o segundo passo é compreender como isso está sendo feito. O que precisa ser explorado é se a forma como as questões são formuladas é a mesma entre esse conjunto de universidades ou se há diferenças importantes de serem ressaltadas. Nesse sentido, a análise realizada aqui será uma comparação mais geral, deixando abertas outras possibilidades, como a de estudos sobre as mudanças e as continuidades da cobrança dessa disciplina em cada um desses vestibulares específicos ao longo do tempo. Uma primeira diferença que pode ser notada é quanto ao modelo de organização da avaliação. Na maioria desses dezesseis vestibulares, a Sociologia é um conjunto de questões claramente definido enquanto tal. Há uma divisão nítida entre as áreas. Seguese o modelo mais tradicional, de compartimentação do saber, de forma que os alunos identificam exatamente onde termina a prova de uma disciplina e começa a de outra. No entanto, em seis vestibulares, UnB, UEG, UNICAMP, UERJ, UEL (1ª fase) e UEM (1ª fase), não há essa separação. Uma perspectiva mais interdisciplinar, ou seja, de diálogo entre as disciplinas, faz com que a Sociologia apareça na parte de ciências humanas, sem uma delimitação rígida de fronteiras disciplinares. A Sociologia aparece majoritariamente sob a forma de questões objetivas, sobretudo de múltipla escolha. Apenas em quatro vestibulares se apresenta de maneira discursiva. Isso ocorre, com a participação de todos os candidatos, na UNICAMP, em uma prova interdisciplinar de Ciências Humanas, e na UFU, em uma prova específica dessa disciplina. Há também as provas específicas discursivas da UEL (para os candidatos a um conjunto de determinados cursos) e da UFPR (unicamente para quem deseja cursar Ciências Sociais). 8

9 Com exceção da UNICAMP, para a qual ainda não é possível, no momento, discriminar os conteúdos a serem cobrados na Sociologia, que vêm incorporados à História e à Geografia, os demais quinze vestibulares definiram o programa das provas dessa disciplina, mesmo que alguns de maneira interdisciplinar (UERJ) ou apontando as Diretrizes Curriculares Nacionais (UnB). Percebe-se que em metade dessas instituições, pelo menos, a prova poderia ser entendida como de Ciências Sociais, já que envolve não apenas Sociologia, mas também Antropologia e Ciência Política. Uma análise global das provas dessas universidades permite perceber que, seja de forma objetiva ou discursiva, a Sociologia vem sendo cobrada por três caminhos: dialogando principalmente com a História, a Geografia e a Filosofia, de maneira interdisciplinar; exigindo que os candidatos dominem conceitos e teorias pela interpretação de pensadores específicos da área; e demandando conhecimento do pensamento sociológico geral sobre determinados temas, sem que para isso seja preciso identificar autores. Todas as provas não interdisciplinares, ou seja, específicas de Sociologia, seguem os dois últimos caminhos simultaneamente, ora com questões de um tipo, ora com questões do outro. O primeiro caminho é o mais delicado do ponto de vista da legitimação da Sociologia, pois o fato de ela ser cobrada sob os auspícios da interdisciplinaridade, sem ter tido o mesmo tempo que as outras áreas para estabelecer a sua disciplinaridade na educação básica, pode representar uma presença apenas formal, restrita ao edital, sem que seja mobilizada de fato para a resolução da prova. No entanto, há vestibulares em que a Sociologia apresenta uma relação produtiva com as demais disciplinas, configurando-se, de fato, um diálogo interdisciplinar. É o caso das seguintes questões 6 : (UEG 2012/2) A abordagem marxista explica a sociedade com base nas estruturas socioeconômicas. Considerando-se essa perspectiva, o fim da escravidão no Brasil, em 1988, foi conseqüência da (A) coragem política da princesa Isabel em extinguir o trabalho escravo. (B) influência dos valores humanitários iluministas na sociedade brasileira. (C) mobilização da Igreja Católica, pela observância dos princípios cristãos. (D) pressão comercial da Inglaterra para expandir o seu mercado consumidor. (UEG 2008/1) A letra da canção acima 7, de Max Gonzaga, traz vários elementos comuns tanto para a reflexão sociológica quanto filosófica, entre outras conexões com várias disciplinas. Temas sociológicos, como violência, classe social, consciência, meios de comunicação, e filosóficos, como ética, consciência, projeto e responsabilidade, estão presentes no texto. A concepção do texto sobre consciência corresponde à seguinte proposição: 6 7 Os gabaritos das questões citadas no texto estarão marcados em itálico. Por limitação de espaço, não é possível apresentar a letra da canção utilizada na questão. Tratase da música Classe Média, de Max Gonzaga. 9

10 (A) A teoria da consciência de Karl Marx, segundo a qual não é a consciência que determina a vida, mas, ao contrário, é a vida que determina a consciência. Assim, o ser social, tal como a situação de classe, determina a consciência dos indivíduos, que é uma consciência de classe. (B) A teoria das representações coletivas de Durkheim, que são compartilhadas por todos os indivíduos de uma sociedade e expressam a supremacia da sociedade sobre o indivíduo. (C) A abordagem fenomenológica do filósofo Husserl, para quem existem proposições universais e necessárias, derivadas da experiência de classe. (D) A teoria do pensador Descartes, que dá início ao movimento político que mais tarde vai se chamar de liberalismo, no qual se depositava no Estado o poder de defesa dos interesses dos indivíduos. A diferença entre as duas questões interdisciplinares, centradas na teoria marxista, é a da necessidade ou não de conhecimentos sociológicos anteriores. Na primeira questão, a Sociologia dialoga com a História, mas não se exigiu que o aluno soubesse que a abordagem marxista é mais econômica do que cultural e política, pois o próprio enunciado informava isso. Já na segunda questão, a Sociologia dialoga com a Filosofia, a partir da interpretação de um texto, mas exige-se o conhecimento prévio sobre a teoria de autores dessas disciplinas. O segundo caminho, amplamente utilizado em grande parte desses vestibulares, coloca como centro da questão o domínio de conceitos e teorias que fazem parte do pensamento sociológico, principalmente de seus autores clássicos. Muitas vezes não há a preocupação em fazer uma contextualização, de forma que o aspecto mais acentuado fica sendo a memorização. Nesse sentido, essa forma de cobrar a Sociologia seria muito similar aos primeiros modelos adotados, por exemplo, no exame vestibular da do Brasil, no Rio de Janeiro, em 1940, no qual era pedida, entre outras definições, a de fato social 8. Algumas questões, objetivas e discursivas, com esse perfil: (UFMA 2009) Durkheim expõe três características fundamentais para distinguir o fato social. São elas: (A) legitimidade, coerção social, individualidade. (B) coercitividade, exterioridade, generalidade. (C) identidade, universalismo, humanismo. (D) generalidade, solidariedade, anomia. (E) universalismo, legitimidade, generalidade. (UFU 2001/1) A solidariedade tem que existir minimamente para que a sociedade exista. Discuta os conceitos de solidariedade mecânica e orgânica para Durkheim. (UEMA PASES 2004) Os clássicos de Sociologia (Durkheim, Weber e Marx) desenvolveram um aparato conceitual analítico para a interpretação das Sociedades Capitalistas. Dentre as alternativas abaixo, identifique os conceitos básicos que caracterizam, respectivamente, a teorização desses clássicos: (A) Alienação, Anomia, Racionalização. (B) Racionalização, Alienação, Anomia. (C) Anomia, Racionalização, Alienação. (D) Dialética, Classe Social, Interação Social. (E) Classe Social, Consciência Coletiva, Tipo Ideal. 8 Anexo 3 de Meucci (2000). 10

11 Se, na concepção anterior, o importante são os conceitos e as teorias de sociólogos específicos, o terceiro caminho, tão amplamente utilizado quanto aquele, vai enfatizar os temas. É cobrado dos candidatos que saibam como a Sociologia concebe, no geral, determinados objetos, sem que para isso seja preciso identificar autores. Nesse conjunto de questões, aparecem também conceitos que, de tão utilizados e sob tantas perspectivas, perderam a ligação com um autor definido e passam a ser cobrados quase como temas, de forma a exigir menos a memorização de definições exatas. São temas/conceitos gerais tais como: surgimento da Sociologia, processo de socialização, cidadania, movimentos sociais, mudanças no mundo do trabalho, preconceito e discriminação, grupos e instituições sociais, características do capitalismo e uma infinidade de outros. É o caso das seguintes questões: (UNICENTRO 2011/2) A respeito dos estudos sobre socialização, está correto o que se afirma em (A) O primeiro grupo social fundamental na socialização é o religioso, representado pela Igreja. (B) O processo de maturação biológica e o desenvolvimento infantil necessitavam de intervenções de adultos, o que sempre será igual, independente das diferenças culturais. (C) O processo de socialização termina quando o indivíduo atinge a maioridade e entra no mercado de trabalho. (D) A sociologia postula a existência de uma natureza infantil que explica a igualdade nas condições de ser criança. (E) A internalização do social e a sua percepção da realidade, como a primeira socialização, ocorrem dentro do grupo familiar, sendo, assim, decorrentes da classe social da família. (UFPR 2009) Quais foram os efeitos da onda do neoliberalismo na década de 90 do século XX sobre o sindicalismo? (UEL 2010) O desenvolvimento industrial posterior à II Guerra Mundial, a ameaça nuclear no período da Guerra Fria e o crescimento dos problemas ambientais explicam, em parte, o destaque alcançado pelo movimento ecologista, o qual se insere em mobilizações identificadas pelo pensamento sociológico sob a terminologia geral de novos movimentos sociais. Sobre os novos movimentos sociais, é correto afirmar: I. Constituem suas demandas em oposição à lógica dos aparelhos de dominação, priorizando, em particular, as lutas centrais coletivas. II. Lutam, basicamente, pela conquista de direitos, isto é, avanços institucionais capazes de aportar mudanças relevantes na sociedade. III. Substituíram o movimento operário, que perdeu sua importância histórica diante da redução numérica mundial da classe trabalhadora. IV. Têm como elemento típico a sua subordinação aos partidos políticos e sindicatos, visando controlar o aparelho de Estado. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas II e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas. Do ponto de vista da legitimação em troca de liberdade, os três caminhos podem desempenhar um papel importante, ao submeterem a Sociologia a enquadramentos específicos. O diálogo interdisciplinar contribui para o reconhecimento da Sociologia, 11

12 desde que as fronteiras não fiquem tão diluídas a ponto de ela nem ser distinguida pelo candidato. O segundo e o terceiro caminhos também ajudam em sua legitimação, pois os alunos reconhecem conceitos, teorias e temas vistos em sala de aula. Mas talvez o terceiro seja o mais adequado, pois ao mesmo tempo em que a Sociologia pode ser identificada enquanto tal, ela aparece mais afastada da memorização e mais contextualizada. Em algumas universidades, esse ciclo de inclusão da Sociologia em provas específicas, embora tão recente, parece estar chegando ao fim, por conta da adoção integral ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), como é o caso da UFMA, por exemplo. Portanto, torna-se de suma importância, pensando para frente, analisar a forma como a Sociologia vem sendo cobrada no Enem, requisito cada vez mais fundamental para garantir vaga em uma das instituições públicas de Ensino Superior. 4. A Sociologia no ENEM Neste ponto, seguem-se dois momentos. Primeiro, uma breve apreciação sobre o ENEM, seguido de análise das suas provas nos anos de 2009 a 2011, para entender a forma como a Sociologia vem sendo cobrada no exame. 4.1 O ENEM Não é o objetivo aqui resgatar a história do ENEM, desde 1998, quando o Exame foi criado, nem analisar as alterações na sua estrutura ao longo de mais de uma década ou ainda a sua funcionalidade e papel dentro da política educacional brasileira. Busca-se apenas desenhar a concepção do ENEM tal como tomada a partir dos seus editais, ou demais documentos, como o Manual do Inscrito e a Matriz de Referências para o ENEM de 2009, que orientou também as provas dos anos seguintes, até hoje. O ENEM, de 1998 a 2008, apresenta-se não como um exame de conhecimentos adquiridos pelos alunos ao longo do Ensino Médio, tampouco se assemelha com avaliações aplicadas em sala de aula. Ele se propõe a ser tomado como uma autoavaliação, que indicaria os melhores caminhos a seguir no Ensino Superior e/ou no mundo do trabalho. Se esses objetivos são contemplados, de fato, dando conta da complexidade que traduz, não será respondido aqui. Uma outra característica do ENEM 12

13 a ser ressaltada é o fato de, desde então, o exame estar se consolidando como meio de acesso ao ensino público superior. Na sua concepção, o conhecimento será avaliado a partir de cinco competências: dominar linguagens, compreender fenômenos, enfrentar situações-problema, construir argumentações e elaborar propostas, que compreendem 21 habilidades. O ano de 2009 é um momento chave, por dois motivos, para o presente trabalho: primeiro por ser um ano de mudança na forma do próprio exame e também por ser o ano em que, como previsto pelo Parecer 22/2008 do CNE/CEB, efetivamente a sociologia passa a ser obrigatória em, pelo menos, um dos anos do Ensino Médio. Nesse ano, a concepção mais geral do ENEM parece não se alterar. As cinco competências continuam orientando a avaliação, agora chamadas de eixos cognitivos. Cada Matriz de Referência (ciências da natureza, ciências humanas, linguagens e seus códigos, e matemática) tem 6 competências específicas, que se dividem em 5 habilidades cada. Mas a sua organização enquanto avaliação foi alterada. Até 2008, a prova consistia em 63 questões objetivas, mais redação, realizada em um único dia e sem classificação das questões por área ou matriz de referência. No ano seguinte, a prova passou a ser composta por 180 questões, divididas em 2 dias, o primeiro com as de ciências da natureza e ciências humanas e suas tecnologias, e o segundo com linguagens, códigos e a matemática e suas tecnologias, mais a redação. 4.2 A sociologia no ENEM A Sociologia aparece no ENEM sob quatro formas diferentes: a primeira, de modo indireto ou contingente, para a realização da redação; a segunda, como pano de fundo ou contextualização para questões de outras matérias, como Geografia, História ou Filosofia; a terceira, ainda de modo interdisciplinar, aplicada em questões que ficam na intersecção da Sociologia com outra disciplina; e ainda, a quarta, como uma questão fechada em torno de um tema sociológico. No primeiro caso, no uso indireto ou contingente do conhecimento sociológico, pode-se sugerir que a Sociologia esteja subentendida como uma fonte possível de conceitos para a redação, como está prescrito no Manual de 2008, retomado no edital de 2009, como uma das competências para realizar a redação: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. Se assim for, é 13

14 possível dizer que a Sociologia aparece dessa forma desde o início do ENEM, em 1998, e mesmo em provas de redação do vestibular. De modo que, para os alunos que já tivessem aula de Sociologia, antes da obrigatoriedade, os conceitos sociológicos puderam ter contribuído para a realização da redação. Nesse sentido, a Sociologia pode auxiliar os alunos na construção desse texto, ao despertar sua imaginação sociológica, entendida como uma série de dispositivos postos em prática pelos alunos frente a um determinado fenômeno social ou tema sugerido, que lhe permite superar o senso comum ao refletir e escrever sobre o que lhe é pedido. Assim, na redação de 2007 (antes ainda do período tomado aqui como ruptura), após duas letras de música e uma definição de cultura, o tema era o seguinte: (ENEM 2007) Todos reconhecem a riqueza da diversidade no planeta. Mil aromas, cores, sabores, texturas, sons encantam as pessoas no mundo todo; nem todas, entretanto, conseguem conviver com as diferenças individuais e culturais. Nesse sentido, ser diferente já não parece tão encantador. Considerando a figura e os textos acima como motivadores, redija um texto dissertativo-argumentativo a respeito do seguinte tema: O desafio de se conviver com a diferença. Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Já em 2011, o tema foi: (ENEM 2011) Com base na leitura dos textos motivadores seguintes e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema VIVER EM REDE NO SÉCULO XXI: OS LIMITES ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO, apresentando proposta de conscientização social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista. Partindo do livro de Tomazi 9 (2008), o tema da diferença e da cultura, como o da tecnologia e o seu papel na vida cotidiana dos indivíduos, são abordados no Ensino Médio, de modo que aqueles alunos que tiveram algum contato com a Sociologia puderam lançar mão desse conhecimento para realizar de modo satisfatório a redação. A contribuição da Sociologia para a redação não é pequena, tendo em vista os temas sugeridos. Mas pensar que a Sociologia é inserida no ENEM apenas como pano de fundo para a redação não é suficiente para a reflexão que está sendo proposta neste texto. Assim, tomando o ponto de ruptura citado acima, serão apresentadas as formas 9 Tomar como parâmetro o livro de Nelson Tomazi foi uma escolha baseada em dois princípios: primeiro, não se quer aqui discutir os conteúdos da Sociologia para o Ensino Médio, mas pensar a forma como ela já é, formal e concretamente, cobrada no ENEM, de modo que em outros exercícios, outros parâmetros podem ser tomados. Infelizmente, como não há espaço aqui para elaborar uma reflexão mais sofisticada, a decisão foi puramente operacional. Segundo, ele foi um dos livros de Sociologia recomendados pelo PNLD 2012, escolhido entre os outros recomendados, novamente, por questões operacionais. O que se faz aqui é um exercício, não se quer estabelecer normativamente critérios para análises do ENEM. 14

15 como ela passou a ser cobrada nas questões objetivas, a partir do momento em que fica explícito que a Sociologia é um componente curricular presente na prova do ENEM. Com relação a questões objetivas, há três outras formas de cobrança, como exposto acima. A primeira, como um pano de fundo para o desenvolvimento de uma questão de outra disciplina que seja componente do eixo cognitivo das ciências humanas: História, Geografia ou Filosofia. É o exemplo da questão número 30 do caderno azul do ENEM de QUESTÃO 30 (ENEM 2011) Os três tipos de poder representam três diversos tipos de motivações: no poder tradicional, o motivo da obediência é a crença na sacralidade da pessoa do soberano; no poder racional, o motivo da obediência deriva da crença na racionalidade do comportamento conforme a lei; no poder carismático, deriva da crença nos dotes extraordinários do chefe. BOBBIO, N. Estado, Governo, Sociedade: para uma teoria geral da política. São Paulo: Paz e Terra, 1999 (adaptado). O texto apresenta três tipos de poder que podem ser identificados em momentos históricos distintos. Identifique o período em que a obediência esteve associada predominantemente ao poder carismático: (A) República Federalista Norte-Americana. (B) República Fascista Italiana no século XX. (C) Monarquia Teocrática do Egito Antigo. (D) Monarquia Absoluta Francesa no século XVII. (E) Monarquia Constitucional Brasileira no século XIX. Talvez, em um primeiro momento, possa se pensar que esta seja uma questão de cunho apenas sociológico, afinal há referência às formas de dominação tal como classificadas por Weber, ainda que, no texto citado, haja referência não aos tipos de dominação, mas ao conceito de poder 11. Porém, olhando com mais cuidado, é possível perceber que esta é muito mais uma questão de história do que de sociologia e, indo mais além, não parece mesmo uma questão interdisciplinar, pois não há o uso do conhecimento produzido por duas disciplinas diferentes para a resolução da questão (FIORIN, 2008). O que há é um texto introdutório à questão, que versa sobre um tema da Sociologia, em que pese não faça referência direta a Weber. Porém, o conhecimento prévio que está sendo acionado para a resolução da mesma é o de História, e não de Sociologia. Poder-se-ia pensar que se está acionando também conhecimentos sociológicos pelo texto introdutório, mas este não pede um saber prévio destes conteúdos, pois o próprio texto os explica o suficiente para que se resolva a questão. O que o aluno está precisando conhecer é o funcionamento das repúblicas e monarquias citadas, para aí sim identificá-las segundo um dos poderes citados Os gabaritos das questões citadas no texto estarão marcados em itálico. No site html (consultado em 14 de maio de 2012), que faz análise de provas do ENEM, a questão foi classificada como de Sociologia. 15

16 Então, a questão acima pode mais ser classificada como uma questão de História do que de Sociologia, ainda que esta esteja sendo um pano de fundo, um ponto de partida para a contextualização desta questão. Nesse sentido, pode-se ir mais longe também e imaginar que até questões de Matemática ou de Química podem ser introduzidas por um texto sociológico. Não se quer, aqui, dizer que isso é ruim ou que é um reducionismo da Sociologia, mas apenas apontar que ela é cobrada de maneira heterogênea, sendo a função de contextualização de uma questão apenas uma das possibilidades. Outra forma possível é a cobrança da Sociologia em um contexto interdisciplinar, no qual o tema ou objeto da questão faz referência a duas ou mais disciplinas. Neste sentido, há muita proximidade entre Sociologia e Geografia em questões que envolvem o mundo do trabalho, o meio ambiente ou a influência da tecnologia na dinâmica social, como, por exemplo, na questão 16 do caderno azul de 2011: Questão 16 (ENEM 2011) Estamos testemunhando o reverso da tendência histórica da assalariação do trabalho e socialização da produção, que foi característica predominante na era industrial. A nova organização social e econômica baseada nas tecnologias da informação visa à administração descentralizadora, ao trabalho individualizante e aos mercados personalizados. As novas tecnologias da informação possibilitam, ao mesmo tempo, a descentralização das tarefas e sua coordenação em uma rede interativa de comunicação em tempo real, seja entre continentes, seja entre os andares de um mesmo edifício. CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2006 (adaptado). No contexto descrito, as sociedades vivenciam mudanças constantes nas ferramentas de comunicação que afetam os processos produtivos nas empresas. Na esfera do trabalho, tais mudanças têm provocado (A) o aprofundamento dos vínculos dos operários com as linhas de montagem sob modelos orientais de gestão. (B) o aumento das formas de teletrabalho como solução de larga escala para o problema do desemprego crônico. (C) o avanço do trabalho flexível e da terceirização como respostas às demandas por inovação e com vistas à mobilidade dos investimentos. (D) a autonomização crescente das máquinas e computadores em substituição ao trabalho dos especialistas técnicos e gestores. (E) o fortalecimento do diálogo entre operários, gerentes, executivos e clientes com a garantia de harmonização das relações de trabalho. Pode-se dizer que a Geografia foi a grande disciplina responsável por trabalhar sobre o tema do mundo trabalho no Ensino Médio até a consolidação da obrigatoriedade da Sociologia nesse nível de ensino. A intersecção dessas duas disciplinas na análise do tema também se realiza no mundo acadêmico. De modo que não há por que não se aceitar que o aluno possa responder à questão acima lançando mão dos conhecimentos de Sociologia ou Geografia, ou mesmo de ambas. O mesmo parece ocorrer com a questão número dois da mesma prova. 16

17 Questão 02 (ENEM 2011) O brasileiro tem noção clara dos comportamentos éticos e morais adequados, mas vive sob o espectro da corrupção, revela pesquisa. Se o país fosse resultado dos padrões morais que as pessoas dizem aprovar, pareceria mais com a Escandinávia do que com Bruzundanga. FRAGA, P. Ninguém é inocente. Folha de S. Paulo. 4 out (adaptado). O distanciamento entre reconhecer e cumprir efetivamente o que é moral constitui uma ambigüidade inerente ao humano, porque as normas morais são (A) decorrentes da vontade divina e, por esse motivo, utópicas. (B) parâmetros idealizados, cujo cumprimento é destituído de obrigação. (C) amplas e vão além da capacidade de o indivíduo conseguir cumpri-las integralmente. (D) criadas pelo homem, que concede a si mesmo a lei à qual deve se submeter. (E) cumpridas por aqueles que se dedicam inteiramente a observar as normas jurídicas. Sem entrar na definição estrita do que seria conteúdo de Filosofia, a questão acima poderia ser respondida seja lançando mão da reflexão sobre cultura ou mesmo socialização do indivíduo, por parte da Sociologia, seja da reflexão sobre ética e moral pela qual passa a Filosofia. Indo mais além na relação entre essas duas disciplinas, questões que façam referência a pensadores como Maquiavel, Hobbes, Locke ou Rousseau podem requerer conhecimentos da filosofia política, em uma intersecção entre Filosofia, Sociologia (ciência política) e mesmo História 12. Por fim, há questões que seriam apenas referentes a conteúdos de Sociologia, isto é, aquelas que, entre questões interdisciplinares, fossem elaboradas de modo que o aluno respondesse acionando apenas conteúdos sociológicos, como há questões passíveis de serem respondidas apenas com conhecimento estritamente histórico, geográfico ou filosófico. Se bem que definir os conceitos estritamente sociológicos não é tarefa fácil, sem acesso ao que se entende por Sociologia por quem concebe o ENEM. Assim, partindo de 2000 até 2009, talvez não haja nenhuma questão de Sociologia na prova do ENEM 13. Em 2010, há pelo menos uma que trata da homossexualidade e da forma que sua condenação toma na sociedade. Há também uma que se refere à importância das leis para a formação das sociedades a partir de Foucault, apresentado como filósofo (tal como ele é), e foi considerada como uma questão de 12 A questão 28 da prova amarela de 2010 é sobre o pensamento de Maquiavel; a questão 58 da prova azul de 2009 é sobre o conceito de cidadania em Aristóteles, talvez nem essa seja uma questão apenas de Filosofia, devido ao conteúdo de Ciência Política estudado na formação em Ciências Sociais e que pode ser lecionado em alguns momentos do Ensino Médio, indo além do parâmetro da pesquisa que é o livro do Tomazi. 13 Há duas questões sobre Tocqueville e tradição democrática estadunidense, mas neste caso parecem mais questões de História do que de Ciência Política/Sociologia. Em uma delas, há um texto introdutório que é de Tocqueville, mas não necessariamente a reflexão seja sociológica, e o texto se apresenta mais como um registro de seu tempo, mais que uma reflexão política. E uma outra sobre a formação das cidades no Brasil e na América Latina, que poderiam ser contempladas como questões de Sociologia. 17

18 Sociologia e Filosofia 14. Em 2011, há a questão 30 do caderno azul, apresentada acima, a questão 21, sobre o papel dos meios de comunicação para uma democracia, e as duas que seguem: Questão 18 (ENEM 2011) Na década de 1990, os movimentos sociais camponeses e as ONGs tiveram destaque, ao lado de outros sujeitos coletivos. Na sociedade brasileira, a ação dos movimentos sociais vem construindo lentamente um conjunto de práticas democráticas no interior das escolas, das comunidades, dos grupos organizados e na interface da sociedade civil com o Estado. O diálogo, o conflito e o confronto têm sido o motor do processo de construção democrática. SOUZA, M. A. Movimentos sociais no Brasil contemporâneo: participação e possibilidades daspráticas democráticas. Disponível em: Acesso em: 30 abr (adaptado). Segundo o texto, os movimentos sociais contribuem para o processo de construção democrática, porque (A) determinam o papel do Estado nas transformações socioeconômicas. (B) aumentam o clima de tensão social na sociedade civil. (C) pressionam o Estado para o atendimento das demandas da sociedade. (D) privilegiam determinadas parcelas da sociedade em detrimento das demais. (E) propiciam a adoção de valores éticos pelos órgãos do Estado. Questão 27 (ENEM 2011) Um volume imenso de pesquisas tem sido produzido para tentar avaliar os efeitos dos programas de televisão. A maioria destes estudos dizem respeito às crianças - o que é bastante compreensível pela quantidade de tempo que elas passam em frente ao aparelho e pelas possíveis implicações desse comportamento para a socialização. Dois dos tópicos mais pesquisados são o impacto da televisão no âmbito do crime e da violência e a natureza das notícias exibidas na televisão. GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, O texto indica que existe uma significativa produção científica sobre os impactos socioculturais da televisão na vida do ser humano. E as crianças, em particular, são as mais vulneráveis a estas influências porque (A) Codificam informações transmitidas nos programas infantis por meio da observação. (B) adquirem conhecimentos variados que incentivam o processo de interação social. (C) interiorizam padrões de comportamento e papéis sociais com menor visão crítica. (D) observam formas de convivência social baseadas na tolerância e no respeito. (E) apreendem modelos de sociedade pautados na observância das leis. O que chama a atenção para as duas questões citadas é que versam sobre conteúdos sociológicos, mas não requerem o uso de um conhecimento prévio da Sociologia para a sua resolução, tal como na questão 30 citada (o que fez com que fosse classificada como de história); mas diferente das provas de vestibular vistas no ponto anterior. Elas se configuram como questões de interpretação de texto, mas de textos especificamente sociológicos. Com relação à análise das questões puramente sociológicas, é preciso esclarecer que, ainda que sejam poucas, apenas 5 de 135 questões de ciências humanas nos últimos três anos, a Sociologia está presente de modo mais forte quando surge na intersecção com outras disciplinas na resolução das questões, isto é, de um modo mais interdisciplinar. 14 Neste ano, também há questões que descrevem tradições indígenas e pedem respostas sobre o tema, que poderiam ser consideradas de Sociologia/Antropologia, mas pelos motivos expostos na nota anterior, não foram consideradas aqui. 18

19 Ao fim da análise sobre a Sociologia no ENEM, nota-se que ela aparece de modo heterogêneo, primeiramente como apoio e recurso para a construção das redações, levando, de maneira livre, o aluno a exercitar sua imaginação sociológica. No entanto, ficar só neste papel não é suficiente para a consolidação e legitimidade da Sociologia no exame e no Ensino Médio. Nesse sentido, na prova objetiva, ela também pode ser cobrada meramente como contextualização para questões de outras disciplinas, quando seu papel ainda é reduzido. Mas ganha força e legitimidade nas questões interdisciplinares e nas puramente sociológicas. O problema é que nas questões específicas de Sociologia não é cobrado um conhecimento prévio estritamente sociológico para a sua resolução. Tornam-se questões de interpretação de textos sociológicos, e não questões nas quais o aluno tem de acionar saberes pretéritos vistos em sala de aula. 5. Conclusão Como visto ao longo do artigo, a discussão sobre a inclusão da Sociologia como um conjunto de conteúdos e competências a ser cobrado no vestibular não pode deixar de levar em consideração quatro aspectos de suma importância: 1) A Sociologia tem especificidades em relação às outras disciplinas, quanto à multiplicidade de métodos e à falta de uma unidade paradigmática; 2) Não há um conjunto consensual de conteúdos da Sociologia na educação básica; 3) As demais disciplinas passaram por longos processos de críticas à maneira como são cobradas e de reformulações para se tornarem os saberes que são hoje nos processos seletivos. Esse enquadramento é muito recente para a Sociologia, o que causa um estranhamento inicial; 4) A Sociologia chega ao vestibular em meio à interdisciplinaridade sem ter tido o mesmo tempo que as outras áreas para estabelecer a sua disciplinaridade. Esses quatro aspectos não inviabilizam a Sociologia ser cobrada, mas pedem uma reflexão sobre a melhor maneira de isso ser feito. Nos vestibulares, três caminhos estão sendo efetivamente seguidos: o primeiro é o da interdisciplinaridade, em um diálogo entre diferentes disciplinas, o qual nem sempre torna a Sociologia visível; o segundo pede aos alunos que dominem conceitos e teorias pela interpretação de pensadores específicos; e o terceiro que seja conhecido o pensamento sociológico sobre determinados temas ou conceitos mais gerais, sem que para isso seja preciso identificar autores. 19

20 No Enem, excluindo a redação, três caminhos também foram encontrados: o primeiro opta por fazer a Sociologia dialogar com outra disciplina, mas sem necessidade de um conhecimento prévio dos temas, teorias ou conceitos sociológicos; o segundo escolhe, da mesma forma, fazer a Sociologia dialogar com outra disciplina, mas com a necessidade de conhecimentos prévios de ambas; e o terceiro apresenta um tema mais sociológico, às vezes na forma de um texto a ser interpretado. Portanto, se nesse enquadramento há uma troca de liberdade por legitimidade, é preciso definir bem a sua configuração definitiva, para que não reste dúvida de que o saldo foi, de fato, positivo. Referências bibliográficas: BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, BRASIL, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+ Ensino Médio). Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: MEC, SEMTEC, BRASIL, MEC, SEB. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Conhecimentos de Sociologia. Brasília: MEC, SEB, BRASIL. Guia de livros didáticos: PNLD 2012: Sociologia. Brasília. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, CUNHA, André Victor C. S. da; NETO, José Batista. Os conteúdos e as competências requeridos pela disciplina História nos vestibulares das universidades públicas federais de Pernambuco. VI Encontro Nacional de Pesquisadores de Ensino de História. Londrina-PR: UEL, setembro de FIORIN, José Luiz. Linguagem e interdisciplinaridade. Revista ALEA, v. 10, nº.1. Jan- Jun, GUIMARÃES, Elisabeth da Fonseca. Sociologia no vestibular: experiência da Federal de Uberlândia. In: CARVALHO, Lejeune Mato Grosso de (Org.). Sociologia e ensino em debate: experiências e discussão de sociologia no ensino médio. Ijuí: Unijuí, MEUCCI, Simone. A institucionalização da Sociologia no Brasil: os primeiros manuais e cursos. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Campinas: UNICAMP, MORAES, Amaury Cesar. Propostas Curriculares de Sociologia para o Ensino Médio: um estudo preliminar. In: HANDFAS, Anita; MAÇAIRA, Julia Polessa. Dilemas e Perspectivas da Sociologia na Educação Básica. Rio de Janeiro: E-papers, 2012 (no prelo). 20

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MOHAMED HABIB* & GIOVANNA FAGUNDES** * Professor Titular, IB, UNICAMP ** Aluna

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008.

ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008. ROCHA, Ronai Pires da. Ensino de Filosofia e Currículo. Petrópolis: Vozes, 2008. Jaqueline Engelmann O cenário de discussão a respeito do ensino das mais diversas disciplinas escolares no Nível Médio e,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

ORIENTADOR EDUCACIONAL

ORIENTADOR EDUCACIONAL ORIENTADOR EDUCACIONAL 01. A discussão sobre a Organização do Trabalho na Escola permitiu que fosse determinada uma das atribuições inerentes à Orientação Educacional que é: (A) organizar as turmas homogêneas,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2014 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I... 5 2.2

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE

PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE AMPARO JUNHO/2010 CAPACITAÇÃO DOCENTE INTRODUÇÃO O caráter da busca incessante pelo conhecimento caracteriza

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OFICINA DE PRODUÇÃO ACADÊMICA Material de apoio à construção do TCC Prezados,

Leia mais

Análise dos Vestibulares

Análise dos Vestibulares Análise dos Vestibulares

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP EDITAL 02/2015 Curso de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática Esse Edital refere-se ao Curso de Doutorado em

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3.

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3. TRADUÇÃO E INTÉRPRETAÇÃO DE LIBRAS EM PROCESSOS SELETIVOS: O CASO DA UEPA. 1 ANDRÉ LUIZ SILVA DANTAS 2 Resumo: A proposta deste artigo é, de maneira inicial e exploratória, discutir como a tradução/interpretação

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DE GOIÁS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SANTA BÁRBARA DE GOIÁS. O Mascote da Turma

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DE GOIÁS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SANTA BÁRBARA DE GOIÁS. O Mascote da Turma ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DE GOIÁS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SANTA BÁRBARA DE GOIÁS O Mascote da Turma SANTA BÁRBARA DE GOIÁS JANEIRO 2013 ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR GUIA DE ESTUDOS DA SALA AMBIENTE PROJETO VIVENCIAL 2014-2015 PARÁ-2014 Vamos

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais