GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017"

Transcrição

1 GNT Saúde Suplementar Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

2 Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG e sua aplicabilidade na Saúde Suplementar

3 GOLDETE PRISZKULNIK Executiva Médica em Gestão em Saúde Suplementar Áreas de conhecimento Auditoria Regulação Gestão em Saúde Programas em Saúde Credenciamento

4 GOLDETE PRISZKULNIK Médica com MBA em Gestão de Planos de Saúde Título de Especialista em Administração em Saúde e em Ginecologia e Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira Docente convidada da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo no curso de Especialização lato sensu em Administração Hospitalar Docente convidada da FGV no MBA em Gestão de Clínicas e Hospitais Docente convidada do GV-PEC no Curso de Especialização em Auditoria de Sistemas de Saúde Editora Científica do Jornal Brasileiro de Auditoria em Saúde - JBAS Atuação em S.S. desde 1991 tendo exercido cargos operacionais e de direção em Auditoria e Gestão em Saúde em Medicina de Grupo, Autogestão, Seguradora, Autarquia Municipal e Instituição Hospitalar

5 Sistemas de Saúde Para onde vamos? R U Í N A D E S A S T R E 5

6 SAÚDE SUPLEMENTAR 6

7 Imperfeições de mercado e Regulação XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 ANS Operadoras Prestadores Consumidores ONGs ADVOCACY Farma DMI Equipamentos Farma DMI Equipamentos

8 Imperfeições de mercado e Regulação XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 ANS Operadoras

9 Custos Explosivos XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

10 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Modelos Assistenciais Desejo em relação aos modelos assistenciais Resolutivo Efetivo Racional na utilização dos recursos e tecnologia Oriente os modelos de cuidados

11 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO FEE FOR SERVICE ASSALARIAMENTO PRÉ PAGAMENTO PACOTES PROCEDIMENTOS GERENCIADOS P4P (PAGAMENTO POR PERFORMANCE) DRG GRUPO DE DIAGNÓSTICOS RELACIONADOS

12 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO FEE FOR SERVICE Pagamento é feito baseado na prestação do serviço Pagamento pelo consumo Também chamado de conta aberta

13 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO ASSALARIAMENTO O profissional de saúde recebe pelo serviço prestado através de salário

14 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO PRÉ-PAGAMENTO/CAPITATION Recebimento de uma quantia pré-fixada para cuidar de um grupo populacional

15 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO PACOTES É considerada a média dos preços praticados em um determinado procedimento em uma determinada instituição independente da base técnica que fundamenta o procedimento

16 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO PROCEDIMENTOS GERENCIADOS Considera primeiro a fundamentação técnica de um determinado procedimento, apura os custos relacionados e calcula o preço

17 Procedimentos Gerenciados XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Conceito: Conjunto de ações assistenciais e administrativas necessárias e suficientes para a realização integral de procedimentos cirúrgicos e assistência clínica, contemplando recursos humanos, instalações físicas, equipamentos, instrumentos e materiais de insumo, inerentes ao processo assistencial

18 Procedimentos Gerenciados XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Baseado em diretrizes e protocolos, traz os conhecimentos adquiridos e normatizados para o campo operacional

19 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Diretrizes A utilização da melhor evidência científica para direcionar os cuidados assistenciais Protocolos São as rotinas dos cuidados de um determinado serviço, equipe ou departamento

20 MODELOS DE REMUNERAÇÃO 20 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 PAGAMENTO POR PERFORMANCE (P4P) Leva em consideração a competência dos médicos e dos prestadores de serviços (hospitais, laboratórios etc), pagando por meritocracia. Surge da necessidade de implementar melhores práticas que visam a segurança do paciente e a utilização das melhores evidências clínicas

21 MODELOS DE REMUNERAÇÃO 21 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 PAGAMENTO POR PERFORMANCE (P4P) Uma diversidade de mecanismos desenhados para incrementar o desempenho do sistema de saúde através de pagamentos baseados em incentivos Reduz o desperdício

22 MODELOS DE REMUNERAÇÃO 22 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 PAGAMENTO POR PERFORMANCE (P4P) O Modelo precisa ser centrado no paciente Simples de entender por parte do avaliado Ser estruturante Ser ético Os profissionais que serão avaliados devem estar envolvidos Os gestores devem estar envolvidos

23 MODELOS DE REMUNERAÇÃO 23 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 PAGAMENTO POR PERFORMANCE (P4P) Indicadores de qualidade: Medidas de resultado (mortalidade pós cirurgia de Revascularização do miocárdio) Custo-eficiência (média de permanência pós cirurgia) Estrutura (participação do hospital em programas de segurança do paciente) Segurança do paciente (hemorragia pós-operatória) Experiência do paciente (questionário de satisfação)

24 MODELOS DE REMUNERAÇÃO XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG Diagnosis Related Groups É uma metodologia de gestão da efetividade assistencial estabelecendo a relação de resultados assistenciais e custos através de categorização de pacientes internados em hospitais baseados na metodologia que combina: Diagnóstico principal Comorbidades Idade Procedimentos cirúrgicos O DRG é um Produto assistencial clínico ou cirúrgico que tem um consumo homogêneo de recursos

25 MODELOS DE REMUNERAÇÃO XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG Diagnosis Related Groups Relaciona os tipos de pacientes atendidos pelo hospital com os recursos consumidos durante a internação, criando grupos de pacientes coerentes do ponto de vista clínico e similares ou homogêneos quanto ao consumo dos recursos hospitalares Foi criado com o objetivo original de permitir o monitoramento da qualidade da assistência e da utilização dos serviços hospitalares

26 DRG XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 APLICABILIDADE Identificar o conjunto de recursos consumidos em cada DRG para o tratamento dos pacientes internados; Auxiliar no planejamento para a melhoria da alocação de recursos internamente nos hospitais, como por ex., utilização das salas cirúrgicas, uso dos leitos, fluxo dos pacientes entre regiões ou distritos; Determinar as linhas de produção e cuidados para as quais os hospitais possuam competência e/ou áreas em que necessitam melhorar seu desempenho;

27 DRG XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 APLICABILIDADE Identificar hospitais nos quais o tempo médio de permanência (TMP) dos pacientes ficou excessivamente longo ou curto, sinalizando para uma possível auditoria médica; Comparar o TMP observado em cada DRG, entre hospitais da mesma região, entre regiões ou entre países; Implementar novos modelos de gestão dos serviços hospitalares, baseado em linhas de produção, organizando o hospital na forma matricial, facilitando a avaliação da eficiência e efetividade dos serviços.

28 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 TRADICIONAL TENDÊNCIA MÉDICOS FFS P4P FFS P4P P4P HOSPITAIS FFS DRG FFS P4P EQUIPES DE SAÚDE SAL FFS SAL Modelos mais simples e de rápida implantação

29 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO Tipo de Modelo Monitoramento com indicadores Necessidade de Auditoria Analítica/Contábil Fortes mecanismos de controle Incentivo ao Volume Compartilhamento de risco Fee for service Não Sim Sim Sim Não Assalariamento Não Não Não Não Não Pré Pagamento Sim Não Não Não Sim Pacotes Sim Não Não Não Não/Sim Procedimentos Gerenciados Pagamento por performance P4P Sim Não Não Não Não/Sim Sim Não Não Não Sim Fonte: Modelos de Remuneração - Denizar Vianna - ANS modificado

30 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO Tipo de Modelo Indicadores de Processo Contratualização de Metas Remuneração Variável Risco Moral (incentivo) Incentivo a Seleção adversa Fee for service Não Não Não Sim Não Assalariamento Não Não Não Sim Sim Pré Pagamento Sim Sim Não/Sim no modelo híbrido com bônus Não Sim Pacotes Não Sim Não Não Não Procedimentos Gerenciados Pagamento por performance P4P Não Sim Não Não Não Sim Sim Sim Não Não Fonte: Modelos de Remuneração - Denizar Vianna - ANS modificado

31 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO Tipo de Modelo Melhor evidência Incentivo à produção Incentivo à produtividade Risco de Subutilização dos recursos Uso racional dos recursos Fee for service Não Sim Sim Não Não Assalariamento Não Não Não Talvez Não Pré Pagamento Sim Não Não Sim Sim Pacotes Sim Não Sim Não Sim Procedimentos Gerenciados Pagamento por performance P4P Sim Não Sim Não Sim Sim Não Sim Não Sim Fonte: Modelos de Remuneração - Denizar Vianna - ANS modificado

32 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO Tipo de Modelo Capaz de Avaliar desempenho médico Capaz de Avaliar resultados da atenção Indicadores de Qualidade do cuidado Pré-pagamento Póspagamento Fee for service Não Não Não Não Sim Assalariamento Não Não Não Sim Não Pré Pagamento Sim Sim Sim Sim Não Pacotes Sim Sim Sim Sim Possível Procedimentos Gerenciados Pagamento por performance P4P Sim Sim Sim Sim Possível Sim Sim Sim Mix de pré e pós Mix de pré e pós Fonte: Modelos de Remuneração - Denizar Vianna - ANS modificado

33 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 MODELOS DE REMUNERAÇÃO Tipo de Modelo Estímulo ao Comportamento preventivo Pagamento por procedimento individual TI é condição essencial para implantação Fee for service Não Sim Não Assalariamento Não Não Não Pré Pagamento Sim Não Sim Pacotes Sim Não Parcialmente Procedimentos Gerenciados Pagamento por performance P4P Sim Não Parcialmente Indiferente Não Sim Fonte: Modelos de Remuneração - Denizar Vianna - ANS modificado

34 Criatividade e Eficiência A roda já foi inventada! XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

35 Considerações Agenda A vida como ela é XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

36 O que estamos auditando? XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

37 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Paciente como centro da assistência Desejo de Equilíbrio Custos compatíveis Efetividade/Eficácia Financiamento possível

38 Operadoras X Hospitais É possível uma relação de confiança? XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

39 Adaptar-se aos novos tempos XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

40 Bom Humor e Coragem XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

41 41

42 XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de

43 Obrigado! XI AIDA Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

O Pagamento por Performance Como Viabilizar no Cenário Atual

O Pagamento por Performance Como Viabilizar no Cenário Atual O Pagamento por Performance Como Viabilizar no Cenário Atual Por: Dr. César Abicalaffe cesar.abicalaffe@2im.com.br Desmistificando o P4P Uso de incentivos em Saúde Como implantar um modelo de P4P Alguns

Leia mais

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca Agenda Regulatória ANS Debates GVSaúde João Luis Barroca Secretário Executivo da ANS São Paulo, 05 de novembro de 2012 Evolução do Processo de Regulação Até 1997 1997 1998 1999 2000 Debates no Congresso

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

FÓRUM GESTÃO DE CUSTOS

FÓRUM GESTÃO DE CUSTOS 25º - CONGRESSO ANO 2016 FÓRUM GESTÃO DE CUSTOS DRG DIAGNOSIS RELATED GROUPS Tania Grillo - Diretora DRG Brasil CENÁRIOS Cenários macroeconômicos delineados pelo Banco Central do Brasil, no boletim Focus,

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Sistemáticas de remuneração dos hospitais que atuam na Saúde Suplementar: Diretrizes e Rumos Dr. Jair Monaci Dr. Sérgio Vieira

Sistemáticas de remuneração dos hospitais que atuam na Saúde Suplementar: Diretrizes e Rumos Dr. Jair Monaci Dr. Sérgio Vieira Sistemáticas de remuneração dos hospitais que atuam na Saúde Suplementar: Diretrizes e Rumos Dr. Jair Monaci Dr. Sérgio Vieira 09/03/12 Criação do Grupo Técnico sobre Modelos de Remuneração 28/01/10: ANS

Leia mais

CMB - X Congresso Nacional das Operadoras e Hospitais em Saúde Suplementar Painel: Melhorando a Gestão em Operadoras e Hospitais - Operadoras

CMB - X Congresso Nacional das Operadoras e Hospitais em Saúde Suplementar Painel: Melhorando a Gestão em Operadoras e Hospitais - Operadoras CMB - X Congresso Nacional das Operadoras e Hospitais em Saúde Suplementar Painel: Melhorando a Gestão em Operadoras e Hospitais - Operadoras 22/07/2015 4º no Ranking nacional Medicina de Grupo 1º Empresa

Leia mais

CADEIA DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Avaliação de falhas de mercado e propostas de políticas

CADEIA DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Avaliação de falhas de mercado e propostas de políticas CADEIA DE SAÚDE SUPLEMENTAR Avaliação de falhas de mercado e propostas de políticas 06 de maio de 2016 Síntese do Estudo do Insper Questões Quais são as principais causas de perdas na cadeia de saúde suplementar?

Leia mais

Algumas perguntas e conceitos iniciais. Fundamentação dos programas de incentivo a qualidade assistencial usados na Unimed-BH

Algumas perguntas e conceitos iniciais. Fundamentação dos programas de incentivo a qualidade assistencial usados na Unimed-BH Agenda Algumas perguntas e conceitos iniciais Fundamentação dos programas de incentivo a qualidade assistencial usados na Unimed-BH Experiencias e Programas Algumas perguntas Quais os desafios do pagamento

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

Benchmarking Hospitalar

Benchmarking Hospitalar Seminário Governança e Gestão dos hospitais de atendimento público no Brasil Rio de Janeiro, 20 de Outubro de 2014 Benchmarking Hospitalar Uma ferramenta para a melhoria do desempenho Bernard F. Couttolenc

Leia mais

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos 15/03/2017 Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos Modelo Adotado Grupo São Lucas Ribeirania Ribeirão Preto Dr Pedro Antonio Palocci o Médico Pediatra formado pela XXIIIª Turma da FMRP-USP 1979

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85) COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE nucit@saude.ce.gov.br (85) 3101-5234 SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE E SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS 5 e 6 de Maio de 2009 Fortaleza / CE Gestão

Leia mais

Estratégias Empresariais na Saúde Uma nova agenda para o futuro

Estratégias Empresariais na Saúde Uma nova agenda para o futuro Estratégias Empresariais na Saúde Uma nova agenda para o futuro Bruno Sobral de Carvalho, MsC, MBA Setembro de 2016 Princípios Econômicos do Mercado de Saúde e Hospitalar Princípios Econômicos Assimetria

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar

Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar Principais alternativas para a otimização e a diminuição de falhas no Faturamento Hospitalar AGENDA 1. A Qualirede 2. Cenário das cobranças e dos pagamentos 3. Dificuldades no faturamento hospitalar 4.

Leia mais

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde - SAS Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas - DRAC Coordenação Geral de Regulação e Avaliação - CGRA XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

QUALIDADE, IACS E CUSTOS: UM TRINÔMIO DANADO. Estudos de custos

QUALIDADE, IACS E CUSTOS: UM TRINÔMIO DANADO. Estudos de custos QUALIDADE, IACS E CUSTOS: UM TRINÔMIO DANADO Estudos de custos Antonio Tadeu Fernandes CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS DAS IRAS Custos diretos Durante a hospitalização Gastos para cuidados e tratamento do paciente

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

MODELO DE GESTÃO E DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO HOSPITALAR "Acesso e Regulação"

MODELO DE GESTÃO E DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO HOSPITALAR Acesso e Regulação MODELO DE GESTÃO E DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO HOSPITALAR "Acesso e Regulação" 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Renata Martello Gestora Hospitalar CONTEXTO TRANSIÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004

PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004 PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria 1.169/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção

Leia mais

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Focada na formação intelectual e no desenvolvimento de pessoas para integrarem e inovarem a nova cultura de negócios do XXI, a FAN oferece cursos para graduação e especialização

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) como potencial mediador para avaliar as demandas em saúde

Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) como potencial mediador para avaliar as demandas em saúde Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) como potencial mediador para avaliar as demandas em saúde Prof. Ricardo Kuchenbecker Faculdade de Medicina/UFRGS Chefe do Serviço de Emergência Pesquisador do IATS

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Modelo de Análise do Produto Hospitalar por meio do Sistema de Grupos de Diagnósticos Relacionados (DRGs)

Modelo de Análise do Produto Hospitalar por meio do Sistema de Grupos de Diagnósticos Relacionados (DRGs) Modelo de Análise do Produto Hospitalar por meio do Sistema de Grupos de Diagnósticos Relacionados (DRGs) Uma ferramenta para auxiliar na geração de Valor na Saúde Consultoria em Projetos de Saúde A melhoria

Leia mais

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais

Implantação da Gestão da Qualidade no Serviço de Atenção Domiciliar - Unimed Federação Paraná

Implantação da Gestão da Qualidade no Serviço de Atenção Domiciliar - Unimed Federação Paraná Implantação da Gestão da Qualidade no Serviço de Atenção Domiciliar - Unimed Federação Paraná Roteiro Cenário da Unimed Paraná; Abordar a relevância do Tema; Apresentar algumas Propostas de ações para

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: Estado: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: Estado: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2016 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

Departamento de Saúde Coletiva NESC Laboratório de Análise de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS. Ministério da Saúde

Departamento de Saúde Coletiva NESC Laboratório de Análise de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS. Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães - CPqAM Departamento de Saúde Coletiva - NESC Laboratório de Análises de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS Indicadores em Saúde Departamento

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

A relação entre prestadores de serviços e operadoras de planos de saúde

A relação entre prestadores de serviços e operadoras de planos de saúde A relação entre prestadores de serviços e operadoras de planos de saúde Gerência de Aprimoramento do Relacionamento entre Prestadores e Operadoras Diretoria-Adjunta da Diretoria de Desenvolvimento Setorial

Leia mais

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 Conceito É o conjunto de profissionais e estabelecimentos de saúde, incluindo médicos, consultórios, laboratórios, clínicas e hospitais,

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável Painel Santa Casa SUStentável Em 11 de dezembro de 2013 foi realizado o lançamento do Programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo. O projeto, conhecido como Santa

Leia mais

INOVAÇÃO: ATS AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

INOVAÇÃO: ATS AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE INOVAÇÃO: ATS AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Fernando de Rezende Francisco Consultor Sênior BSI Intelligence e Right Concept Declaração de Conflito de Interesse O apresentador declara não apresentar

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE Clique para editar Marizélia o nome Leão do Moreira autor Gerente da Gerência Executiva de Clique Padronização

Leia mais

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Jacqueline Canuto Gerente de Qualidade e Risco - Hospital São Rafael Consultora da Qualidade Hospital do Subúrbio jaccanuto@gmail.com São Paulo, 22/05/2013

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar. Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo

Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar. Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo Desafios e Oportunidades na Logística Hospitalar Fernando Andreatta Torelly Diretor Executivo O Mercado de Saúde Mudou O Brasil viveu anos de desenvolvimento econômico; Este desenvolvimento gerou melhoria

Leia mais

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia Teresa Magalhães Tertúlias de Anestesia 29 de Outubro de 2011 Sumário ObjecCvo da Troika para a saúde Medidas da Troika com impacto

Leia mais

Variação da Despesa Assistencial

Variação da Despesa Assistencial Por Dentro da saúde suplementar Variação da Despesa Assistencial per capita Um dos maiores desafios para a sustentabilidade do mercado de saúde suplementar é o aumento progressivo dos custos médico-hospitalares

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA 26 o Congresso da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia FINANCIAMENTO DE SERVIÇOS PRIVADOS DE HEMOTERAPIA Maria Cristina Coimbra Lages Balestrin

Leia mais

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 12/5/2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação

Leia mais

TRANSFORMAR PARA AVANÇAR

TRANSFORMAR PARA AVANÇAR TRANSFORMAR PARA AVANÇAR Tema: MUDANÇA PARA O MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Dra. Corina Maria Nina Viana Batista Temas Debatidos MUDANÇA PARA O MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Difusão para adoção

Leia mais

SINDHOSPA I Seminário de Tendências & Riscos da Saúde no Brasil

SINDHOSPA I Seminário de Tendências & Riscos da Saúde no Brasil SINDHOSPA I Seminário de Tendências & Riscos da Saúde no Brasil Novos Modelos de Remuneração Grupo Técnico ANS Procedimentos Gerenciados Ary Ribeiro MD; PhD 1 Agenda O contexto e o direcionamento da reforma

Leia mais

O DESAFIO NA ADOÇÃO DE NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO

O DESAFIO NA ADOÇÃO DE NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO O DESAFIO NA ADOÇÃO DE NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO Sérgio Lopez Bento Maio 2010 O objetivo é ser humano O DESAFIO NA ADOÇÃO DE NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO AGENDA 1. Contexto atual do segmento de saúde

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2015 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO

A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO Prof. Antônio Prates Caldeira Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros

Leia mais

Planejamento Estratégico em Gestão de Pessoas

Planejamento Estratégico em Gestão de Pessoas Planejamento Estratégico em Gestão de Pessoas Prof. Dr. Amarilio Vieira de Macedo Neto PRESIDENTE do HCPA Departamento de Cirurgia da FAMED/UFRGS Serviço de Cirurgia Torácica do HCPA aneto@hcpa.edu.br

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

Gestão em Saúde. Prof. Arruda Bastos (85)

Gestão em Saúde. Prof. Arruda Bastos (85) Gestão em Saúde Prof. Arruda Bastos arrudabastos@gmail.com (85) 9925.1122 1. Gestão da própria imagem; Gestão em Saúde 2. Panorama histórico da Gestão da Saúde; 3. Gestão do SUS Introdução, Regulação e

Leia mais

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Carla Sales Ingressou no sistema Unimed em 1995 Unimed do Brasil; Participou dos processos ligados ao atendimento durante a Criação da Central Nacional

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Luiz Vicente Rizzo Diretor Superintendente Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avaliação de Tecnologia

Leia mais

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Case: Instituto de Nefrologia de Mogi das Cruzes e Instituto de Nefrologia de Suzano Silvana Kesrouani XI Encontro Paulista de Nefrologia 2007 Campos do Jordão

Leia mais

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE ANO 2013 Conforme previsto no art. 36 da Lei Complementar N.º 141/2012, o Relatório Detalhado do Quadrimestral Anterior contém informações

Leia mais

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016 Governança e Gestão das Aquisições Encontro com fornecedores dos Correios Brasília Junho/2016 Agenda Importância do tema para o TCU Criticidade das aquisições O porquê da Governança Governança x Gestão

Leia mais

Líderes e Práticas Especial Filantropia

Líderes e Práticas Especial Filantropia Líderes e Práticas Especial Filantropia 60 healthcaremanagement.com.br edição 42 HEALTHCARE Management Planejamento financeiro Com cerca de 75% dos procedimentos destinados ao SUS, Hospital Márcio Cunha

Leia mais

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 Auditoria Concorrente Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 UNIMED PORTO ALEGRE 40,7% 46 de participação do mercado de planos de saúde no RS (ANS dezembro/2014) Municípios

Leia mais

A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO

A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO A CRISE NA SAÚDE E A REVISÃO DO MODELO DE ATENÇÃO ATUALMENTE... Grave crise do modelo de atenção = incoerência entre a situação epidemiológica (dupla carga de doença com predominância das condições crônicas

Leia mais

( ) O envio de contas como sendo primeira apresentação a fim de realizar a auditoria analítica ao convênio é denominado recurso de glosa

( ) O envio de contas como sendo primeira apresentação a fim de realizar a auditoria analítica ao convênio é denominado recurso de glosa 1) Marque V (verdadeiro) ou F (falso) ( ) Podemos conceituar GLOSA como sendo: A rejeição total ou parcial de recursos financeiros, com conseqüentes cancelamentos de verbas de uma conta ou orçamento. (

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARANAPANEMA

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARANAPANEMA CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARANAPANEMA Consórcio Ato administrativo complexo em que uma entidade pública acorda com outra ou outras entidades públicas, da mesma natureza, o desempenho

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Modelos de remuneração (Fee for Service, Captation, Pacote) para as Operadoras Odontológicas. Antonio Jorge G.Kropf SP,12 abril 2013

Modelos de remuneração (Fee for Service, Captation, Pacote) para as Operadoras Odontológicas. Antonio Jorge G.Kropf SP,12 abril 2013 Modelos de remuneração (Fee for Service, Captation, Pacote) para as Operadoras Odontológicas. Antonio Jorge G.Kropf SP,12 abril 2013 ROTEIRO 1. Dados gerais. 2. Bibliografia : artigos e revisões. 3. Formas

Leia mais

Manual de Instruções TISS

Manual de Instruções TISS Manual de Instruções TISS Introdução A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro e intercâmbio de dados entre operadoras de planos privados de assistência

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO MÉDICA NO ÂMBITO DO SUS

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO MÉDICA NO ÂMBITO DO SUS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE RECOMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO MÉDICA NO ÂMBITO DO SUS Palestrante: Fábio Vilas-Boas Secretário da Saúde do Estado da Bahia CONTEXTO NO SUS O Brasil é o único país com mais

Leia mais

ALTERAÇÃO NAS TABELAS DE HABILITAÇÃO E SERVIÇO/CLASSIFICAÇÃO DO SCNES Diário Oficial da União Nº 178 Seção 1, quinta-feira, 13 de setembro de 2012

ALTERAÇÃO NAS TABELAS DE HABILITAÇÃO E SERVIÇO/CLASSIFICAÇÃO DO SCNES Diário Oficial da União Nº 178 Seção 1, quinta-feira, 13 de setembro de 2012 Circular 365/2012 São Paulo, 14 de setembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ALTERAÇÃO NAS TABELAS DE HABILITAÇÃO E SERVIÇO/CLASSIFICAÇÃO DO SCNES Diário Oficial da União Nº 178 Seção 1, quinta-feira,

Leia mais

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO Enfª Katia Moreira Enfª Maria Cavalcanti Enfª Fabiana Verdan INCA 74 ANOS DE HISTÓRIA INCA DE HOJE O INCA DE AMANHÃ MISSÃO Ações nacionais integradas para

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

PORTARIA Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 3.088/GM/MS, de 23 de dezembro de 2011, que institui a Rede

Leia mais

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores

Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Avaliação de tecnologias em saúde (ATS): um guia prático para Gestores Manual ATS Capa.indd 1 28/5/2010 17:29:44 Manual ATS :: 5 Introdução Segundo o Ministério da Saúde, a Avaliação de Tecnologia em Saúde

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Jose Henrique Germann Diretoria de Consultoria e Gestão Gestão de Suprimentos e Logística CONTEXTO DE SUPRIMENTOS Dilema na Elaboração da Política de

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA/SAS Nº 953, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 3.088/GM/MS,

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Discutir a situação da pediatria no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS e na Saúde Suplementar. Brasília, DF, 27 de maio

Leia mais

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde ABRES 2014 - XI Encontro Nacional de Economia da Saúde & VI Encontro Latino Americano de Economia da Saúde Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Projetos e-saúde e RES. 30 de outubro de 2015

Projetos e-saúde e RES. 30 de outubro de 2015 Projetos e-saúde e RES 30 de outubro de 2015 1 PROJETOS e-saúde e RES Mudanças e desafios do setor da Saúde Suplementar 2 Marizélia Leão Moreira Gerente da Gerência Executiva de Padronização e Interoperabilidade

Leia mais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais PRO-HOSP Conjunto de ações e políticas hospitalares do Estado que visam o fortalecimento e a melhoria das Redes de Atenção à Saúde Prioritárias

Leia mais

DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH

DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH Contextualização do Projeto Avaliação Diagnóstica dos HFRJ - 2010 Resultado crítico em relação aos padrões internacionais de qualidade e segurança,

Leia mais

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO É a probabilidade de uma ocorrência afetar positiva ou negativamente a capacidade de uma organização de atingir seus objetivos. É mensurada pela combinação das consequências

Leia mais