CAPÍTULO I Das disposições preliminares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO I Das disposições preliminares"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ CEL. OCTAYDE JORGE DA SILVA REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I Das disposições preliminares Art. 1º. O presente regulamento disciplinar do corpo discente do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - Campus Cuiabá Cel. Octayde Jorge da Silva tem por objetivo normatizar as disposições gerais, regulamento do regime e das medidas internas, além de: I II subsidiar o corpo discente para a observação da ordem, da disciplina, do respeito e da hierarquia, para o bom desenvolvimento das atividades educativas da Instituição; realimentar o processo constante de orientação ao educando, esclarecendo-lhe os seus direitos e deveres para o cumprimento efetivo das normas que regem a Instituição, baseados em princípios que preservem o respeito ao próximo e aos bens móveis e imóveis da Instituição. CAPÍTULO II Do corpo discente Art. 2º. O corpo discente é constituído por alunos regularmente matriculados ou registrados nos diversos cursos e programas oferecidos pela instituição. Art. 3º. Constituem direitos do corpo discente: I II III IV V VI SEÇÃO I Dos direitos igualdade de condições para ingresso e permanência na instituição; frequentar as dependências do Instituto, observando as normas de acesso e permanência; receber educação de acordo com os princípios constitucionais e da legislação em vigor; ser respeitado pela comunidade interna e externa, nas dependências da Instituição; dar ciência em seus trabalhos, provas e atividades avaliativas devidamente corrigidos nos prazos previstos na Organização Didática; contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias superiores, via Protocolo; Página 1 de 9

2 VII requerer transferência e trancamento de matrícula, de acordo com a Organização Didática; VIII organizar e participar de entidades estudantis, obedecendo o disposto no Art. 4; IX X XI XII XIII XIV ter assegurada sua dignidade e ser resguardado de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor; apresentar aos educadores, ou ao órgão da administração da Instituição, sugestões que visem ao bom andamento do ensino; ter asseguradas as condições necessárias ao desempenho de suas potencialidades na escala social e individual; receber orientação individual ou em grupo sempre que se fizer necessário; ter acesso às informações sobre as atividades desenvolvidas na Instituição, através de murais ou qualquer outro veículo informativo; participar ativamente do processo pedagógico desenvolvido pela Instituição; XV ter assistência médica, psicológica e social nos limites e possibilidades do IFMT - Campus Cuiabá; XVI XVII XVIII XIX XX XXI XXII XXIII XXIV XXV XXVI XXVII solicitar às Áreas Educacionais, auxílio para a solução de problemas ou dificuldades no estudo; ter assegurado o direito às aulas previstas, conforme calendário acadêmico; ter acesso à biblioteca, aos laboratórios, às instalações esportivas e demais unidades da Instituição, desde que sem prejuízo dos trabalhos escolares, segundo normas e horários expressamente estabelecidos pela autoridade competente; organizar reuniões para execução de campanhas de cunho educativo e/ou social, de comum acordo com a Direção Geral do Campus; promover e organizar eventos na Instituição com o devido deferimento das coordenações competentes; pleitear bolsas ofertadas pela Instituição; participar de associações de caráter cívico, esportivo, cultural e científico da Instituição; votar e ser votado para os cargos eletivos das entidades que lhe representa; obter, junto aos órgãos competentes, os documentos pertinentes a sua vida acadêmica; conhecer o registro de infração - Relatório Disciplinar - de eventual penalidade, tendo garantido o direito de defesa; participar dos colegiados, quando eleito pelos seus pares; ter acesso ao plano de ensino do professor. Art. 4º. Os discentes podem se organizar democraticamente, em diferentes formas de representação, desde que devidamente regulamentada por meio de estatuto elaborado pelos discentes interessados. Parágrafo único O estatuto previsto no caput é a regulamentação de uma entidade, que define suas formas de funcionamento, sua sede, a composição da diretoria, a quem cabe às Página 2 de 9

3 decisões, de que forma pode ser tomada e quem representa a entidade. SEÇÃO II Dos deveres Art. 5º. Constituem deveres do Corpo Discente: I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII XIX XX XXI XXII cumprir as normas estabelecidas neste Regime Disciplinar, no Regimento Interno do IFMT, na Organização Didática, nas instruções normativas e portarias emitidas pelos órgãos competentes da Reitoria e do Campus; tratar com urbanidade colegas, educadores e demais servidores do IFMT; usar uniforme, conforme portaria vigente, para acesso e permanência no Campus; manter a guarda e apresentar documento de identificação institucional, quando solicitado; realizar todos os deveres e atividades escolares que lhes forem atribuídos; zelar pela manutenção da limpeza nas dependências do Campus, em especial nas salas de aula, laboratórios e oficinas, bem como de suas máquinas e equipamentos; frequentar com assiduidade e pontualidade as aulas, solenidades e demais atividades curriculares; guardar silêncio nas proximidades das salas de aula, laboratórios, biblioteca, corredores e demais dependências da Instituição; aguardar o docente em sala de aula, não permanecendo nas áreas de circulação; solicitar a permissão do professor, havendo necessidade, para sair do laboratório ou sala durante a aula; solicitar a autorização do Departamento de lotação, havendo necessidade, para sair nos períodos de aula do Campus, consoante o disposto no Art. 6º; frequentar as atividades curriculares munido de material didático específico; manter os celulares desligados, durante o horário de aula, conforme previsto no Art. 7º; obedecer aos prazos estabelecidos no calendário acadêmico do Campus; comparecer, quando convocado, às reuniões de órgãos colegiados, Diretoria, Departamentos e Coordenações, para conhecimento e/ou deliberação de interesse da comunidade escolar; manter seus dados cadastrais atualizados; conferir e solicitar correção de seus documentos acadêmicos; identificar todo o material de uso individual com dados pessoais; indenizar os prejuízos quando produzir danos à Instituição, competindo ao responsável legal quando menor de idade; cumprir ordens advindas de servidores da Instituição, salvo as manifestamente ilegais; comunicar atos de ilegalidade, omissão e abuso de poder; manter-se informado do que ocorre no Campus, através da leitura de quadros de Página 3 de 9

4 XXIII XXIV XXV XXVI XXVII aviso e outros meios de divulgação; comunicar sua ausência por problemas de saúde ou por casos previstos e/ou autorizados por lei à Coordenação de Cursos e de Áreas, via Protocolo, no prazo de 03 (três) dias úteis, anexando o atestado médico (problemas de saúde) ou documento comprobatório (casos previstos por lei); receber cordialmente, sem qualquer tipo de constrangimento, os novos discentes; levar ao conhecimento de autoridade superior qualquer irregularidade que possa prejudicar a si próprio, demais pessoas ou a Instituição; utilizar dos serviços de apoio ao ensino, quando encaminhado, observando horários e normas; zelar pelos bens móveis e imóveis da Instituição, utilizando-os de modo adequado. Art. 6º. O discente menor de idade somente será autorizado a sair da Instituição com prévia anuência do seu responsável, conforme organização do Departamento. Art. 7º. O uso de aparelhos celulares, tablets ou similares, somente será permitido com a autorização dos professores, para fins pedagógicos. Art. 8º. Em caso de perda ou extravio do cartão de identificação, ficará o aluno obrigado a restituir aos cofres da União o valor equivalente ao cartão e sua emissão. Art. 9º. É vetado ao Corpo Discente: I II III IV V VI VII VIII IX X XI SEÇÃO III Das proibições causar danos ao prédio, mobiliário, equipamentos ou materiais, ficando obrigado a indenizar a Instituição pelos eventuais prejuízos causados; incitar os colegas a atos de rebeldia e/ou condutas inadequadas que possam causar danos à estrutura física; faltar coletivamente ou comprometer o regular andamento das atividades educativas desenvolvidas no Campus; empenhar-se em luta corporal, praticar atos turbulentos ou perigosos, participar de algazarras nas dependências da Instituição ou em suas proximidades; trajar vestuários inadequados ao ambiente acadêmico; usar códigos e linguagens impróprios e praticar atos indecorosos inadequados ao convívio social ou que causem constrangimentos; entrar com alimentos nos laboratórios, salas de aula ou outros ambientes laborais; utilizar-se de processo fraudulento na realização de trabalho escolar; comparecer às aulas com atraso, tolerado somente em casos excepcionais; ausentar-se da sala de aula ou do local de trabalho escolar sem autorização do respectivo docente; ausentar-se da Instituição, em horário de aula, mesmo que para visitas técnicas ou ações semelhantes, sem o devido acompanhamento de um docente ou de um servidor designado pela Instituição; Página 4 de 9

5 XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII XIX XX XXI XXII permanecer na sala de aula ou no local de trabalho escolar após o término das atividades escolares normais, sem autorização da Instituição; praticar jogos de azar ou quaisquer jogos que envolvam apostas nas dependências da Instituição ou trajando uniforme escolar; usar, portar ou repassar drogas lícitas ou ilícitas, bem como apresentar-se sob efeito delas; ocupar-se com atividades alheias às da Instituição dentro dos espaços acadêmicos do Campus; portar ou introduzir na Instituição armas, de qualquer natureza, e materiais inflamáveis ou explosivos; utilizar indevidamente equipamentos de prevenção de acidentes e combate a incêndios; ignorar as convocações que receber; tentar ridicularizar pessoas novatas (aplicar trote ) dentro ou fora das dependências da Instituição; usar telefones celulares, aparelhos sonoros ou quaisquer outros aparelhos eletrônicos, ainda que com fone de ouvido, que atrapalhem o desenvolvimento das atividades durante as aulas; praticar bullying; utilizar formas de representação que atestem, divulguem, envolvam ou defendam princípios que afetem a moral; a ética; o direito de cidadania; o desrespeito às diferenças de pensamento, cor, etnia, classe social, gênero, religião e outras características de pessoas e/ou grupos no que se refere às suas origens e vivências sociais; CAPÍTULO III Das infrações e sanções disciplinares Art. 10. No regime disciplinar do IFMT, Campus Cuiabá Cel. Octayde Jorge da Silva, a aplicação das sanções disciplinares dar-se-á de acordo com a gravidade, nas seguintes condições: I primariedade do auto da infração; II dolo ou culpa; III gravidade da infração; IV valor moral, cultural ou material atingido; V direito humano fundamental violado. Parágrafo único. Na aplicação das sanções disciplinares, será levado em consideração, além do rol trazido neste artigo, as circunstâncias agravantes ou atenuantes e os antecedentes do aluno. Art. 11. Serão aplicadas, através de termo específico, ao discente que cometer infrações disciplinares ou transgredir os preceitos deste Regime Disciplinar Discente, as seguintes penalidades: I advertência oral; Página 5 de 9

6 II advertência por escrito; III suspensão por tempo determinado; IV cancelamento de matrícula. 1º São competentes para a aplicação das penalidades: a) o Assistente de Alunos, para a infração disciplinar prevista no inciso I; b) o Coordenador do Curso, para as infrações disciplinares prevista nos incisos I e II; c) o Chefe de Departamento, para as infrações disciplinares previstas nos incisos I, II e III; d) o Diretor de Ensino, para as infrações disciplinares previstas nos incisos I, II e III; e) o Diretor Geral do Campus, para as infrações disciplinares previstas nos incisos I, II, III e IV. 2º A ordem de aplicação das sanções disciplinares previstas neste artigo não está associada à sequência estabelecida no caput. 3º Ao infrator disciplinar, será assegurado amplo direito de defesa. Art. 12. As sanções serão aplicadas de acordo com as infrações disciplinares, observados, além do Art. 9º, os seguintes incisos: I Advertência oral: será aplicada a sanção de advertência oral no caso do não cumprimento de um ou mais dos incisos III, VI, VIII, IX, XII, XIII, XVI, XVIII, XXVI, constantes no Art. 5º, ou na prática de um ou mais incisos V, VII, IX, X, XII, XV, XX, constantes no Art. 8º; II Advertência por escrito: será aplicada a sanção de advertência por escrito no caso do não cumprimento de um ou mais dos incisos IV, V, VII, X, XI, XV, XIX, XX, XXV, XXVII, constantes no Art. 5º, ou na prática de um ou mais incisos II, III, VI, VIII, XI, XIII, XVIII, constantes no Art. 8º, bem como a prática culposa da conduta prevista no inciso I, do Art. 8º; III Suspensão: será aplicada a sanção de suspensão no caso do não cumprimento do inciso III ou mais constante no Art. 5º, ou na prática de um ou mais incisos IV, XIV, XVII, XIX, constantes no Art. 8º, bem como a prática dolosa da conduta prevista no inciso I, do Art. 8º; IV Cancelamento da matrícula: será aplicada a sanção de cancelamento de matrícula no caso do não cumprimento do inciso I ou mais constante no Art. 5º, ou na prática de um ou mais incisos XVI, XXI, XXII, constantes no Art. 8º; 1º A reincidência do ato será caracterizada através do registro da ocorrência. 2º Há possibilidade de aplicação de sanção diversa da prevista nos incisos citados acima (respeitado o Art. 10), visto que devem ser consideradas as circunstâncias previstas no Art. 9º. Desse modo, a autoridade competente para aplicação da sanção, entendendo que à conduta deve ser aplicada sanção diversa da prevista no presente artigo, poderá fazê-la e deverá fundamentar os motivos que agravaram ou atenuaram a aplicação da sanção. Art. 13. Nas infrações que caracterizam advertência escrita, suspensão e cancelamento da matrícula, o discente menor de idade, quando convocado para tomar conhecimento, deve estar acompanhado pelos pais ou responsáveis, que também assinarão os termos. Página 6 de 9

7 Art. 14. O registro das infrações e sanções disciplinares aplicadas a membro do corpo discente será feito em documento próprio, arquivado na pasta deste na Secretaria Geral de Documentação Escolar e no sistema de gestão escolar, não podendo constar no histórico escolar. Parágrafo único. Nos casos em que a sanção aplicável é de advertência oral o registro deverá ser apenas no sistema de gestão escolar. Art. 15. A aplicação das sanções disciplinares de advertência e suspensão dar-se-á imediatamente após a apuração dos fatos. SEÇÃO I Da advertência oral Art. 16. Será aplicada a advertência oral ao discente que praticar uma ou mais ações previstas no Art. 11, inciso I. Parágrafo único. Fica a critério da autoridade competente aplicar a sanção de advertência oral quando se mostrar a medida adequada à conduta praticada, mesmo nos casos em que este Regime Disciplinar for omisso, observando sempre gravidade da infração, a existência de dolo ou culpa, bem como a primariedade do auto da infração Art. 17. Para os alunos menores de idade, os pais serão comunicados através de e/ou contato telefônico. Art. 18. Na reincidência das infrações disciplinares cometidas em que já tenha sido aplicada a sanção disciplinar de advertência oral, o aluno será advertido de forma escrita. Parágrafo Único. Independente da conduta praticada punível com advertência oral, a terceira advertência será aplicada por escrito, mencionando as advertências orais aplicadas anteriormente que contribuíram para a evolução da sanção. SEÇÃO II Da advertência por escrito Art. 19. Será aplicada a advertência por escrito ao discente que praticar uma ou mais ações previstas no Art. 11, inciso II. Art. 20. Independente da conduta praticada punível com advertência por escrito, a segunda advertência será de suspensão. SEÇÃO III Da suspensão por tempo determinado Art. 21. Será aplicada a sanção de suspensão ao discente que praticar uma ou mais ações previstas no art. 11, inciso III. 1º A aplicação da sanção disciplinar de suspensão dar-se-á imediatamente após a apuração dos fatos, assegurada ao discente a ampla defesa, que poderá resultar em: I arquivamento do processo de suspensão; II aplicação de penalidade de suspensão de 03 (três) à 15 (quinze) dias; III instauração de processo administrativo disciplinar. Página 7 de 9

8 2º Da aplicação da infração disciplinar de suspensão cabe recurso à Diretoria de Ensino, no prazo de 02 (dois) dias úteis, a contar da data de notificação. 3º A aplicação de 03 (três) sanções disciplinares de suspensão implicará em cancelamento da matrícula do discente através de sindicância. 4º A sanção de suspensão aplicada ao discente poderá ser transformada em desenvolvimento de atividade didático-pedagógica que deverá ser acompanhada por um docente, pedagogo, psicólogo, técnico em assuntos educacionais ou assistente social. Art. 22. O discente suspenso fica impedido de permanecer nas dependências da Instituição, exceto quando estiver em atividade didático-pedagógica em substituição a sanção disciplinar recebida. Art. 23. O discente que sofrer sanção disciplinar de suspensão não terá direito a reposição de aulas, entretanto, fica garantido o direito às avaliações perdidas no período em que esteve suspenso, após retorno às atividades. SEÇÃO IV Do cancelamento da matrícula Art. 24. A sanção de cancelamento de matrícula será aplicada após a conclusão de processo administrativo disciplinar, garantindo o amplo direito de defesa ao discente. Parágrafo único. O cancelamento da matrícula será de competência do Diretor Geral, mediante parecer da comissão, o qual publicará portaria, expedindo ex officio guia de transferência do discente. Art. 25. Da aplicação das infrações disciplinares de cancelamento de matrícula cabe recurso ao Reitor, no prazo de 05 (cinco) dias úteis, a contar da data de notificação. CAPÍTULO IV Do processo disciplinar Art. 26. O Processo Disciplinar buscará a comprovação da existência dos fatos ou de seus autores, bem como dos graus de responsabilidade na prática da infração punível com cancelamento de matrícula. Art. 27. O Processo Disciplinar será conduzido pela comissão designada pela Direção através de uma portaria interna. 1º A Comissão terá poder para convocar pessoas para esclarecimento dos fatos, bem como os pais ou responsáveis do aluno quando julgar necessário, a qual deverá estabelecer um prazo para a conclusão do processo disciplinar. 2º As decisões deverão ser votadas com quorum mínimo de 50% (cinquenta por cento). A aprovação ocorrerá por maioria simples e o presidente tomará a decisão em caso de empate. Art. 28. O processo disciplinar se desenvolve nas seguintes fases: I instauração, com a publicação do ato que constituir a comissão; II inquérito administrativo, que compreende instrução, defesa e relatório; III julgamento. Página 8 de 9

9 Art. 29. É assegurado ao aluno o direito de acompanhar o Processo Disciplinar, pessoalmente se maior de idade, por intermédio de seu responsável, se menor de idade, ou por procurador legalmente constituído. Art. 30. Os depoimentos serão prestados oralmente e reduzidos a termo, não sendo lícito trazê-los por escrito. Art. 31. Tipificada a infração, será formulada a indiciação do(s) aluno(s), com especificação dos fatos a ele(s) imputado(s) e das respectivas provas. Art. 32. O indiciado será citado por mandado expedido pelo presidente da comissão para apresentar defesa escrita no prazo de 05 (cinco) dias úteis, assegurando-lhe vistas ao processo na Instituição. Art. 33. No Processo Disciplinar deve ser assegurada ampla defesa dos indiciados, com a utilização dos meios e recursos admitidos em direito. Art. 34. A comissão, antes de emitir o relatório final, poderá encaminhar o processo à Procuradoria Jurídica, para pronunciamento acerca dos aspectos processuais. Art. 35. Após o julgamento o aluno terá 05 (cinco) dias úteis, a contar do dia da ciência da sanção para recorrer da decisão. Art. 36. Do Processo Disciplinar poderá resultar: I arquivamento do processo; II aplicação da sanção. Art. 37. O prazo para a conclusão do Processo Disciplinar não excederá 45 (quarenta e cinco) dias corridos, contados da data de publicação do ato que constituir a comissão, admitida uma única prorrogação por igual prazo, quando as circunstâncias o exigirem. Art. 38. O aluno que estiver sob Processo Disciplinar somente poderá solicitar trancamento de matrícula, transferência ou participar de sua imposição de grau, após a conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, se for o caso. CAPÍTULO V Das disposições finais Art. 39. Os casos omissos neste Regime Disciplinar serão resolvidos pelo Colegiado da Diretoria de Ensino, do Campus Cuiabá Cel. Octayde Jorge da Silva. Art. 40. O presente Regime Disciplinar entra em vigor na data de aprovação. Cuiabá/MT, 15 de junho de Página 9 de 9

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MAIO DE 2005 REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

Leia mais

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º O presente Regime tem por objetivo estabelecer as normas disciplinares do corpo discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS 2015 REGIME DISCIPLINAR DISCENTE DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS APROVAÇÃO RECUPERAÇÃO REPROVAÇÃO SEGUNDA CHAMADA DE AVALIAÇÕES REVISÃO DOS RESULTADOS ELOIZA

Leia mais

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R C Ó D I G O D I S C I P L I N A R VIGÊNCIA: 16 DE ABRIL DE 1998 ÍNDICE CÓDIGO DISCIPLINAR Da Identificação... 03 Da Comissão Disciplinar... 03 Do Regime Disciplinar... 03 Das Penalidades e suas aplicações...

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO CUNI Nº 571 Aprova o Regimento do Alojamento Estudantil da UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, Considerando o disposto no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG (APROVADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Instrução Normativa REITORIA nº 01, de 07 de janeiro de

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários Entrada: 7h e 10 minutos Saída: 11h e 55 min (cinco aulas) e 12h e 45 min (seis

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 Assunto: Estabelece normas para atividades dos representantes de turma. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do

Leia mais

Regimento Disciplinar Discente

Regimento Disciplinar Discente Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Regimento Disciplinar Discente Ibirubá,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO Art.lº - O CEU - Centro Esportivo Universitário, Órgão suplementar da

Leia mais

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE 2016. ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA O Diretor-Geral do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2013

RESOLUÇÃO N 008/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 008/2013 Regulamenta as Atividades Acadêmicas Complementares nos cursos de graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM TUPÃ/SP 2016 SUMÁRIO I DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III DO FUNCIONAMENTO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 279 - O Regime Disciplinar da Universidade Federal do Rio de Janeiro é regido pelas normas especificadas neste

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

Instrução Normativa 04/10 PROGRAD

Instrução Normativa 04/10 PROGRAD Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Instrução Normativa 04/10 PROGRAD

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO EMBRATUR - Instituto Brasileiro de Turismo DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 A Diretoria da EMBRATUR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2016 Aprova a Sistemática para Registro e Acompanhamento das Atividades de Ensino do IFPE. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Leia mais

P O R T A R I A. Curitiba, 22 de janeiro de André Luís Gontijo Resende Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO

P O R T A R I A. Curitiba, 22 de janeiro de André Luís Gontijo Resende Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO PORTARIA PROEPE N.º 31/2014 APROVA O REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO, MATRIZ CURRICULAR 2013, DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 2015 I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente Regulamenta as Normas Disciplinares do Corpo Discente da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC. Salvador - Bahia 2016 1 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE Palmas TO Junho 2004 ÍNDICE TÍTULO 1 Introdução... 03 Capítulo I Da Composição...

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Do Direito dos alunos e sua derivação Art. 1º Os direitos dos alunos derivam substancialmente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1º O presente documento contém a Regulamentação que regem e orientam as condições de utilização dos Laboratórios de Informática. Art. 2º Ficam sujeitos a

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL.

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. A Comissão Eleitoral da Fatec Barueri, tendo em vista a instalação

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015)

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários: Manhã (entrada): 7h e 10 min/saída: 12h e 45 min 2ª série na 2ª feira/saída: 13h e

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017.

BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017. BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017. PORTARIA N.º 398, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2017 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA IFBA,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT

Sociedade Brasileira de Matemática Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT Sociedade Brasileira de Matemática Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1 o O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /CS-IFB

RESOLUÇÃO N.º /CS-IFB RESOLUÇÃO N.º 015-2016/CS-IFB Aprova o Regulamento Discente do Instituto Federal de Brasília. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA IFB, nomeado pelo Decreto de 05 de maio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS DA METODOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS DA METODOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL RESOLUÇÃO Nº 37/2008-CONSUNI/UFAL, de 11 de junho de 2008. APROVA O PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO

Leia mais

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos RESOLUÇÃO UNESP Nº 19, DE 07 DE MARÇO DE 1997. Estabelece normas sobre afastamento de docentes e pesquisadores da UNESP. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FI- LHO, no uso de

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES

ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES As Bibliotecas dos campi do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) têm como missão atender os alunos, professores e servidores, fornecendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS PARA QUALIFICAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e PÓS-DOUTORADO.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº. 38, de 22 de novembro de 2006. O CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de 2015

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO I Disposições Gerais Introdução O presente regulamento tem como objetivo, regulamentar o trânsito de veículos de qualquer natureza, máquinas e ciclistas, na área

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Aprovações CONSEPE 2004-01 de 15/20/20014 CONSU 2008-01 de 02/04/2008 CONSU 2010-01 de 25/03/2010 CONSU 2010-052 de 13/12/2010 CONSU 2013-17 de 26/09/2013 Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ RESOLUÇÃO Nº 86/ CONSELHO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ RESOLUÇÃO Nº 86/ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 86/2016 - CONSELHO SUPERIOR Regulamenta o desenvolvimento das atividades complementares em áreas específicas de interesse do estudante dos cursos de Tecnologia e Bacharelados do IFPI. O Presidente

Leia mais

DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO

DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO DIREÇÃO GERAL COORDENAÇÃO DE APOIO ACADÊMICO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO MAIO 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE

Leia mais

REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES

REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES Estabelece os procedimentos para justificativa, abono de faltas e exercícios domiciliares dos estudantes regularmente matriculados

Leia mais

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica.

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica. CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL RESOLUÇÃO NORMATIVA CONCEA No 1, DE 9 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre a instalação e o funcionamento das Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs).

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009 INTERESSADO: Diretoria de Ensino ASSUNTO: REGULAMENTAÇÃO Alteração de Regulamentação de procedimentos operativos do processo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR 2006 1 CAPITULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento visa disciplinar

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 A Comissão Eleitoral Discente do Curso de Direito da UFSM, composta nos termos do art. 45 e do Estatuto

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES

Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES Dispõe sobre os deveres, responsabilidades e proibições referentes

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR SUMÁRIO SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO Página 03 SEÇÃO II DA COMPETÊNCIA Página 04 SEÇÃO III

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013. Revoga ad referendum a Resolução nº 003/2011 que estabelece os procedimentos para justificativa, abono de faltas e exercícios domiciliares dos estudantes regularmente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 Altera o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia - Habilitação Formação do Psicólogo, na forma do Anexo. O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ DISPOSIÇÕES GERAIS

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT Dispõe sobre as normas para o acesso à quadra poliesportiva da Universidade

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

Faculdade Adventista da Bahia CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Faculdade Adventista da Bahia CURSO LICENCIATURA EM Regulamento do TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE Cachoeira Bahia 2013 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE LICENCIATURA EM DA FADBA Página

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Art. 1 - O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento das horas destinadas às

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 2015 I. DOS OBJETIVOS DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas da área das

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 7-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. O 2º, DO ART. 5º, DESTA PORTARIA, ESTÁ ALTERADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2014-CEPE-CAD/UNICENTRO. Aprova o Regulamento do Centro de Línguas do Campus

Leia mais

REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO CAMPUS DIANÓPOLIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS

REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO CAMPUS DIANÓPOLIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Dianópolis - TO Abril 2015 Página 1 de 10 Ementa: Dispõe sobre o regimento disciplinar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE 2016. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 63/CONSUP/IFRO, DE 15 DE JULHO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia de Produção, na forma do Anexo. O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, no uso

Leia mais

Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições contrárias.

Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições contrárias. Resolução n 008/2012-CUni Estabelece normas que regulamentam o funcionamento de Restaurante Universitário - RU na Universidade Federal de Roraima. A REITORA DA, PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n Zona Rural - CP 09 - CEP: 46430000

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Artigo 1º - O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento das horas destinadas

Leia mais

NORMAS PARA REGISTRO DE AUSÊNCIA DOCENTE E REPOSIÇÕES DE AULAS

NORMAS PARA REGISTRO DE AUSÊNCIA DOCENTE E REPOSIÇÕES DE AULAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA NORMAS PARA REGISTRO DE AUSÊNCIA DOCENTE E REPOSIÇÕES DE AULAS Art.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS (minuta do) REGULAMENTO DE MOBILIDADE ACADÊMICA Dispõe sobre as normas e procedimentos para a mobilidade acadêmica, nacional e internacional, de estudantes do Instituto Federal Farroupilha. O Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/2 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/2 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/2 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA Art. 1º. O presente Regulamento disciplina o processo de seleção, concessão, manutenção e acompanhamento

Leia mais

Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV

Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º - O Programa de Iniciação Científica da UNIFEV

Leia mais

ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO São Miguel do Oeste, outubro de 2012 ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE DIREITO MANUAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 Regulamenta as atividades de Estágio Curricular Obrigatório e Não-obrigatório do Curso de Graduação da Escola de Engenharia

Leia mais

A Paz está na boa Educação. Código de Ética dos Discentes

A Paz está na boa Educação. Código de Ética dos Discentes CÓDIGO DE ÉTICA E PEDAGÓGICO DOS DISCENTES DOS OBJETIVOS Art. 1º O Código Disciplinar tem por objetivo: I subsidiar o corpo discente para a observação da ordem, da disciplina, do respeito e da hierarquia,

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO CIÊNCIAS DA NATUREZA LICENCIATURA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO CIÊNCIAS DA NATUREZA LICENCIATURA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO O presente regulamento normatiza o estágio curricular supervisionado do Curso Ciências da Natureza Licenciatura da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO IFMT TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO IFMT TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTITUTO FEDERAL MATO GROSSO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO IFMT TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regimento disciplina a constituição, o funcionamento e as competências

Leia mais

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Estabelece procedimentos para exercer o regime de exercícios domiciliares, faltas por convicções religiosas e faltas coletivas no âmbito do Instituto

Leia mais