Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista"

Transcrição

1 direito Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista Dilton Rocha Ferraz Ribeiro 1 Resumo: Este artigo tem por finalidade defender que o direito internacional moderno somente terá um sistema de direitos humanos eficaz com a aceitação plena da personalidade internacional do indivíduo. Essa característica advém de uma negação ao direito positivista-voluntarista e o retorno aos preceitos dos fundadores do direito internacional. Contudo, o direito internacional não é baseado nos mesmos paradigmas do antigo jus gentium, mas sim no sistema moderno que busca atender aos anseios sociais em um mundo pluralista com sujeitos diversos, não apenas centrada nos Estados. Palavras-chave: Proteção Internacional. Direitos Humanos. Direito Internacional Público. Sujeitos de Direito Internacional. Personalidade Internacional dos Indivíduos. Abstract: This article advocates the individual international legal personality as part of modern international law, which, arguably, can only have an effective human rights system with the full acceptance of individuals as subjects of the law of nations. This characteristic represents a denial of the old voluntaristicpositivistic approach and a return of the old concepts crystallized by the 1 Advogado e estudante. Doutorando (PhD Candidate) em Direito pela Queen s University (Canadá); LL.M. (Master of Laws) pela University of Manitoba (Canadá); especialista em Direito Tributário pela Universidade do Sul de Santa Catarina; e bacharel em Direito pela Universidade do Sudoeste da Bahia (UESB). Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas Vitória da Conquista-BA n.13 p

2 34 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro founding fathers of international law. However, the current international law cannot be based on the same paradigms of the old jus gentium. It is a modern system envisaged to give a response to social needs in a pluralistic world, which is comprised of multiple actors, not only States. Keywords: International Protection. Human Rights. International Law. Subjects of International Law. Individual International Personality. Introdução Após a Segunda Guerra Mundial, há uma mudança de paradigma no direito internacional que antes era focado exclusivamente nos interesses estatais e majoritariamente em questões econômicas. Após essa devastadora guerra, os direitos humanos passaram a ser uma preocupação internacional. Diversos tratados internacionais foram elaborados com vistas a melhor proteger os indivíduos contra violações dos Estados e salvaguardar direitos e deveres. Esse novo paradigma cristaliza a personalidade internacional da pessoa humana, pois tem como corolário a necessidade de garantir direitos e deveres aos indivíduos para uma efetiva proteção dos direitos humanos. Contudo, esse novo direito internacional não é tão novo assim. Um direito internacional mais humano, mais aberto a outros sujeitos que não apenas os Estados, que vise um bem comum, já era defendido pelos fundadores do direito internacional como por Hugo Grotius. Essa visão do direito internacional, também conhecido como jus gentium ou direito das gentes, foi interrompida pela ascensão do positivismo internacionalista do Século XIX e começo do Século XX. O positivismo prega o estatocentrismo, ou seja, estabelece um direito infraestatal e focado nos Estados; únicos sujeitos do direito das gentes. Contudo, o positivismo provou ineficaz na proteção dos direitos humanos já que os indivíduos não podem ser unicamente tutelados pelos Estados. O direito internacional dos direitos humanos pressupõe o reconhecimento de um mundo pluralista focado não apenas nos Estados, mas nas organizações internacionais, nas organizações não governamentais e nos indivíduos

3 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 35 visando construir um mundo mais justo baseado em um estado de direito internacional (SOHN, 1983). O direito internacional moderno, dessa forma, deve ser baseado nos anseios sociais que visem tornar o direito mais humano e eficaz, tendo por base os acertos e erros do jus gentium clássico e do direito positivista fundamentado na vontade estatal. Com isso, o presente artigo buscará demonstrar, em uma abordagem filosófica e histórica, que o direito internacional dos direitos humanos desenvolve-se centrado na proteção da pessoa humana, ou seja, no pressuposto que indivíduos são sujeitos de direito internacional. Ademais, sem a personalidade internacional dos indivíduos, o direito internacional dos direitos humanos não existe como área do direito internacional, sendo apenas uma vertente do direito interno. Assim, será inicialmente analisada a evolução do direito internacional dos direitos humanos. Depois, busca-se mostrar que a defesa da personalidade internacional da pessoa humana existe desde a fundação do direito internacional. Por fim, o artigo procurará demonstrar as características da personalidade internacional dos indivíduos apontando que a diferença entre indivíduos e Estados não exclui o status de sujeito de direito internacional da pessoa humana, mas sim ratifica a noção de que o direito internacional é atualmente pluralista, ou seja, é aberto a diversos sujeitos, não sendo apenas um clube exclusivo dos Estados. 1 A internacionalização dos direitos humanos A Primeira e a Segunda Guerras Mundiais são dois grandes marcos no processo de internacionalização dos direitos humanos. As atrocidades cometidas durante as duas guerras mundiais mostraram à humanidade a necessidade de mudar de paradigma. O direito internacional não mais poderia ser fundamentado em um sistema positivista e estatocêntrico; houve a necessidade de incluir a pessoa humana como um dos principais focos de atenção do direito internacional porque direitos tão elementares não poderiam estar apenas sob a tutela do Estado. Dessa forma, o direito internacional, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, evoluiu no sentido de criar direitos e deveres aos indivíduos, garantir a capacidade

4 36 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro internacional da pessoa humana e limitar a atuação do Estado nos casos específicos. Essa internacionalização começou com o desenvolvimento do direito humanitário, a criação da Liga das Nações e da Organização Internacional do Trabalho (MAZZUOLI, 2002). Uma das vertentes da proteção internacional da pessoa humana é o direito internacional humanitário que, originado no século 19, busca proteger membros das forças armadas, não combatentes (feridos, enfermos e prisioneiros) e a população civil localizada em ou perto de áreas de conflitos. O direito humanitário, que é aplicado tanto no caso de guerra interna como internacional, impõe limites à autonomia dos Estados em regular a aplicação da força e da violência nos conflitos armados (LINDGREN, 1994). Após a significativa devastação e perda de vidas causadas pela Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações foi criada visando promover a cooperação internacional, a paz, e a segurança internacional por meio do estabelecimento de relações amigas entre Estados e em um comprometimento dos Estados em não recorrer à guerra. A Liga das Nações, contudo, apenas possuía artigos genéricos sobre os direitos humanos, notadamente o sistema de mandatos, o sistema de minorias e o estabelecimento das normas internacionais do trabalho pelas quais os Estados aceitam assegurar condições de trabalho mínimas aos homens, mulheres e crianças (SMITH, 2007). O Tratado de Versalhes contribuiu para a formação e o fortalecimento dos direitos humanos principalmente pela criação da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que busca proteger todos os trabalhadores de uma forma universal, ou seja, não importando o a nacionalidade da pessoa (MAZZUOLI, 2009). O Sistema de Mandatos, por sua vez, à luz da exposição de Buergenthal et al. (2002), transformou as antigas colônias que pertenciam aos Estados que perderam a Primeira Guerra Mundial no Sistema de Mandatos administrados pelos poderes vitoriosos e supervisionados pela Comissão de Mandatos. Já para Slomanson (2007), o Sistema de Mandatos também procurou implementar tratados visando proteger as minorias dos territórios recém criados ou expandidos.

5 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 37 A Segunda Guerra Mundial ( ) e, em particular, o holocausto judeu, mostrou que a proteção dos direitos humanos não pode permanecer limitada à discricionariedade individual dos Estados. Após a Guerra, segundo Henkin et al. (1993), um grande número de tratados foram elaborados tendo em vista implementar e expandir um sistema internacional de proteção dos direitos humanos e estabelecer obrigações internacionais entre Estados e indivíduos. Dessa forma, para desenvolver uma estrutura de proteção internacional dos direitos humanos (entre outros objetivos), a comunidade internacional formou, em 1945, a União das Nações Unidas e adotou, em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos (SMITH, 2007). Os direitos humanos foram reconstruídos com base em um paradigma que aproximou o direito internacional a valores éticos e morais (SMITH, 2007). A crescente internacionalização dos direitos humanos diminuiu o argumento dos Estados de que a proteção desses direitos se restringia ao direito interno ou que essa proteção ofenderia a soberania estatal. O propósito das Nações Unidas, como indicado no preâmbulo do tratado constitutivo (Carta das Nações Unidas), é respeitar os direitos humanos e liberdades fundamentais baseadas na cooperação internacional e no desenvolvimento de relações amigas entre Estados. Essa meta é desenvolvida pelo artigo 55 da Carta que enumera as seguintes prioridades dessa organização internacional: promover os níveis mais altos de vida; a solução de problemas internacionais sociais, econômicos, de saúde e conexos; e o respeito universal e efetivo dos direitos humanos e liberdades fundamentais de todos sem qualquer distinção. A Carta das Nações Unidas busca estabelecer um sistema internacional de proteção dos direitos humanos universais, porém não os define, ou seja, não conceitua o que seria direitos humanos e liberdades fundamentais (SOHN, 1983, p ). O processo de definição dos direitos humanos começa com a Declaração Universal dos Direitos Humanos em Dessa forma, a principal importância da Carta das Nações Unidas, do ponto de vista dos direitos humanos, foi reconhecer a universalidade dos direitos fundamentais: esses direitos estão agora

6 38 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro protegidos internacionalmente e não apenas restritos a certos tipos de direitos que visavam proteger um grupo determinado de indivíduos. Após a adoção da Declaração Universal de Direitos Humanos, dois instrumentos de direito internacional dos direitos humanos foram adotados: a Convenção Internacional de Direitos Civis e Políticos e a Convenção Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Em contraste com a Declaração Universal, que é uma resolução, essas convenções, que entraram em vigor em 1976, são tratados multilaterais e, consequentemente, juridicamente vinculantes desde a ratificação (SLOMANSON, 2007). Enquanto a Convenção Internacional de Direitos Civis e Políticos estabelece direitos para indivíduos, proibindo que os Estados ajam de uma certa maneira, a Convenção Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais impõe obrigações positivas aos Estados, ou seja, requer que eles implementem e assegurem certos direitos (GODINHO, 2006). A primeira Convenção, dessa forma, é autoaplicável apesar de poder precisar de ação judicial ou legislativa. Já a segunda Convenção requer ação positiva dos Estados para a implementação de seus artigos, o que implicam gastos financeiros e outras medidas necessárias (BUERGENTHAL et al., 2002). O desenvolvimento do sistema de proteção global é complementado pelo sistema regional de proteção dos direitos humanos, que tem a função de desenvolver e aplicar os direitos humanos em uma devida localidade regional tendo em vista as diferenças culturais, sociais e particularidades do local (SMITH, 2007). Dessa forma, no continente Europeu há a Convenção Europeia de Direitos Humanos; no continente americano há o Sistema Interamericano de Direitos Humanos; e no continente Africano há o Sistema Africano de Direitos Humanos capitaneado pela Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos (GODINHO, 2006). Cada uma dessas convenções regionais citadas estabelece um tribunal internacional que tem como objetivos principais suprir dúvidas sobre os referidos tratados e aplicar a convenção regional no caso concreto. A essência do direito internacional dos direitos humanos é a proteção da pessoa humana contra formas de dominação ou do poder

7 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 39 arbitrário (TRINDADE, 1997). Esse ramo do direito internacional tem como objetivo assegurar a dignidade humana por meio instrumentos convencionais e extra convencionais. Consubstancia-se em um conjunto de normas de salvaguarda do ser humano, inclusive, mas não limitado, a violações cometidas pelo próprio Estado de nacionalidade da pessoa. Os indivíduos são, dessa forma, destinatários diretos das normas internacionais de proteção. Esse sistema internacional de proteção é pluralista, ou seja, ele existe e desenvolve com base em uma atuação conjunta dos Estados, principais sujeitos de direito internacional geral, os indivíduos, as organizações internacionais e os tribunais internacionais de direitos humanos. Consequentemente, (esse artigo tem como principal objetivo) buscando esse artigo defender que os indivíduos são, sim, sujeitos de direito internacional, principalmente no que tange o ramo dos direitos humanos, já que são destinatários principais das normas de proteção, investiga que a capacidade internacional dos indivíduos, ou seja, o status de sujeito de direito, não é algo novo, é defendido por doutrinadores desde os primórdios dos estudos sobre o direito internacional e ganhou força após o desenvolvimento do direito internacional dos direitos humanos. Não é a intenção do presente artigo advogar que a pessoa humana possui status de sujeitos absolutos de direito internacional, mas sim que no que concerne a área dos direitos humanos, esse status é fundamental não só para existir uma efetiva proteção, mas também para existir um ramo de direitos humanos para além da esfera interna dos Estados. 2 Sujeitos de direito internacional O conceito de direito internacional está intimamente relacionado com a definição dos seus sujeitos. Franz von Liszt (1929) sustentou que o direito internacional determina os direitos e deveres dos Estados pertencentes a uma sociedade internacional sem limitar suas soberanias. Brierly (1963, p. 1), nessa mesma linha, definiu o direito internacional como um conjunto de regras e princípios de ações vinculantes para os

8 40 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro Estados civilizados em suas relações recíprocas. Durante todo o Século XIX, o centro do conceito de direito internacional era a ideia de que os Estados eram os solitários sujeitos do direito das gentes, o que culminou a expressão Staatenrecht ou direito dos Estados como referência ao direito internacional (SILVA, 2008). Os Estados começaram a possuir um papel relevante no direito internacional depois da Paz de Westphalia em 1648, quando surgiu o conceito dos Estados modernos não sujeitos a religião e guiados pelos princípios da soberania e igualdade, tendo por base uma sociedade internacional fundamentada na pluralidade de Estados independentes sem nenhuma autoridade superior (CASSESE, 2005). Contudo, essa posição onipotente dos Estados nem sempre existiu e, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, não mais persiste. Com o passar do tempo, o restrito grupo de sujeitos de direito internacional, ou seja, de entidades com direitos e deveres no âmbito internacional, foi expandido para incluir as organizações internacionais, caso o tratado constitutivo dessa organização induza essa característica (REZEK, 2002). Criadas na Europa do Século XIX, como apontou Rosenne (1985), as organizações internacionais (ou organizações intergovernamentais) ganharam força no direito internacional apenas no Século XX com a criação da Liga das Nações e, posteriormente, das Nações Unidas. Seyersted (2008, p. 39) definiu essas organizações intergovernamentais como: [ó]rgãos internacionais (por exemplo, órgãos estabelecidos por duas ou mais comunidades soberanas) que não são sujeitas a autoridade de nenhuma outra comunidade organizada (exceto de comunidades participativas atuando em conjunto por meio de seus representantes nesses órgãos), e que não estejam autorizadas a assumir obrigações em nome de (apenas) algumas comunidades participantes (traduzido pelo autor). A definição de Seyersted é bastante salutar, pois o doutrinador evita mencionar a palavra Estado e faz referência, no lugar, à expressão comunidades soberanas, tendo em vista que organizações

9 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 41 internacionais podem possuir outras organizações internacionais como membros e celebrar tratados com outras organizações internacionais. Essas organizações não são Estados e não são sujeitos de direito internacional na mesma medida dos Estados, contudo, não se pode negar que as organizações internacionais podem possuir personalidade internacional. Organizações internacionais não são sujeitos de direito das gentes na mesma medida dos Estados, já que dependem da vontade dos seus membros para existir e dependem de um tratado constitutivo que lhes dê vida. Contudo, organizações internacionais podem celebrar tratados, participar no desenvolvimento do direito internacional, podem atuar nas relações internacionais e podem possuir obrigações e direitos no âmbito internacional. Há, dessa forma, diferenças importantes entre Estados e organizações internacionais. Segundo Brierly (1963), os estados, entidades formadas por população, território e soberania, são, desde o fortalecimento do conceito positivista do direito internacional, entidades principais e com poderes ilimitados. Com a aquisição do status de Estado, não há dúvidas que esse ente é um sujeito soberano de direito internacional com amplos direitos e obrigações internacionais e com capacidade internacional, ou seja, pode postular em tribunais internacionais. Organizações internacionais, conforme já visto, são entes diferentes. São formadas por um tratado constitutivo (já o Estado não precisa de constituição para existir); dependem dos membros para existir como ente internacional; a característica de sujeitos de direito internacional deve, ou estar explicitado no tratado constitutivo, ou ser decorrência de suas atribuições (Opinião Consultiva, 1949, I.C.J. Rep p. 178); e não possuem capacidade processual ampla (normalmente apenas possuindo capacidade de requerer opiniões consultivas). Com isso, observa-se que os Estados e as organizações internacionais possuem apenas dois elementos de equivalência na caracterização de sujeitos de direito internacional: são sujeitos de direitos e obrigações no âmbito internacional.

10 42 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro Não há no direito internacional moderno limitação a quem pode ou não pode ser sujeito de direito das gentes. Deve-se observar se a entidade em pauta possui duas características principais: deveres e obrigações. Os outros possíveis elementos (capacidade de celebrar tratados, soberania e ampla capacidade postulatória) não são imprescindíveis ou não devem necessariamente ser ilimitados. Dessa forma, não existe, no direito das gentes, uma proibição dos indivíduos serem sujeitos de direito internacional. O que existe é uma mentalidade presa ao passado de alguns acadêmicos ligados a ideais positivistas que limitam a personalidade internacional. Contudo, nem sempre foi assim. Os fundadores do direito internacional não excluíam a personalidade internacional dos indivíduos. 3 Os fundadores do direito das gentes e o direito internacional moderno de um mundo pluralista O fim da Segunda Guerra Mundial marcou uma mudança de paradigma no direito internacional que colocou os direitos humanos no centro da preocupação da sociedade internacional. A Organização das Nações Unidas tem um papel fundamental no estabelecimento de novos tratados internacionais de direitos humanos e na consolidação de mecanismos de implementação desses acordos internacionais que concedem direitos e deveres aos indivíduos. Dessa evolução conclui-se que os Estados não são mais os únicos sujeitos de direito das gentes, mas em um mundo pluralístico, as organizações internacionais e os indivíduos também podem ter essa característica. A visão positivista estatocêntrica não está mais de acordo com os avanços do direito internacional. Acadêmicos como, por exemplo, Trindade (2006); busca uma visão mais humanista do direito remetendo aos estudos dos fundadores do direito internacional. O direito internacional (também conhecido como direito das gentes ou jus gentium) dos séculos XVI e XVII estava conectado com a ideia de humanidade e a necessidade de assegurar suas aspirações e necessidades.

11 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 43 Jus gentium, para Tomás de Aquino, busca regular relações humanas pela existência de uma lógica comum de todas as nações baseado na ética voltada a assegurar o bem comum (TRINDADE, 2006). Francisco de Vitoria, em 1538, na mesma linha de raciocínio, apontou que o jus gentium é um direito para todos indivíduos e Estados. Vitoria sustentou que o jus gentium se aplica a todas as pessoas, mesmo sem o elemento do consentimento, já que essa área do direito é estabelecida pelo direito natural (GUGGENHEIM, 1958). Para Vitoria (1995), jus gentium tem por base a primazia da comunidade internacional (totus orbis) sobre a vontade individual dos Estados, tendo em vista que o primeiro deve buscar o bem comum fundamentado na recta ratio, ou seja, na razão inerente à humanidade. Seguindo a linha de Francisco de Vitoria, Alberico Gentili, em 1548, advogou que o direito das gentes é estabelecido por todas as pessoas e observado por toda a humanidade (GENTILI, 1933). Baseado no direito natural, o jus gentium, para Gentili, limita a soberania dos Estados e dos humanos pela existência do princípio da solidariedade conectado ao conceito do bem comum (COVELL, 2009). Francisco Suárez (1944), por sua vez, sustentou que o jus gentium é a expressão de unidade e universalismo da humanidade tendo em vista que é parte do direito humano que nasce pela livre vontade e consentimento das pessoas (COVELL, 2009). Um dos grandes nomes do direito internacional, Hugo Grotius, no seu aclamado De Jure Belli ac Pacis (de 1625) propôs um jus gentium para toda a humanidade, vinculante para os Estados, mas também para pessoas ainda não organizadas em sociedades políticas, indivíduos pertencentes a diferentes nações e piratas (DUMBAULD, 1969). No trabalho de Hugo Grotius, há duas questões importantes sobre a personalidade internacional dos indivíduos. Primeiro, os indivíduos ocupam uma posição central no sistema das relações internacionais. Segundo, os Estados não são superiores ao direito porque a comunidade internacional não pode existir sem um fundamento jurídico. Dessa forma, Grotius sustentou que o jus gentium era o direito da sociedade humana universal primariamente derivada do direito natural, o qual, por sua vez, deriva da

12 44 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro natureza humana e estabelece o indivíduo como fonte e destinatário final do direito das gentes (NIJMAN, 2004). Na linha de Grotius, Christian Wolff, em 1749, defendia que o jus gentium era necessário e não voluntário, tendo em vista que o direito natural controla as ações dos indivíduos e dos Estados por meio de obrigações direcionadas a cada um deles individualmente e em conjunto (WOLFF, 1934). 3.1 As Implicações no Direito Internacional Positivo As teorias dos fundadores do direito internacional procurou demonstrar que Estado era um agregado de pessoas que buscava o bem comum para a sociedade, baseado nos princípios do direito natural. Estados e indivíduos eram parte do direito internacional com direitos e obrigações. Esse paradigma foi rompido em 1758 por Emmerich de Vattel. Para Vattel (1797, p. iv), no momento em que o citado autor assevera que o direito das gentes é a ciência que ensina os direitos subsistentes entre nações ou Estados, e as obrigações correspondentes a esses direitos e sustenta que os modernos geralmente assentem em restringir a denominação direito das gentes ao sistema de direito e justiça que deve prevalecer entre nações ou Estados estrangeiros (p. v). Esta vertente foi aprofundada por Hegel (1991) que afirmou que o direito internacional era um Direito Estatal (Staatsrecht) aplicado em relações entre Estados e dependente das vontades diferentes e soberanas. Na visão de Hegel, Estados possuem poder absoluto e, contrário à posição dos fundadores do direito internacional, ele argumentou a superioridade da idéia de Estado sobre o direito das gentes, afirmando que a relação entre Estados é uma relação de unidades independentes que fazem estipulações mútuas, mas ao mesmo tempo estão acima dessas estipulações (p. 366). Com o predomínio dos conceitos de Vattel e da filosofia do direito de Hegel, o direito internacional perde seus elementos provenientes da moral e do direito natural, submergindo a finalidade do bem comum como meta jurídica e da personalidade internacional dos indivíduos, já que os

13 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 45 Estados tornavam-se os soberanos do direito. Esta posição estatocêntrica do direito internacional pressupõe um direito subordinado ao Estado, como um mero grupo de normas e princípios que os Estados escolhem por interesses particulares. Cristaliza-se, assim, a teoria voluntarista e positivista do direito internacional, que nega a personalidade internacional dos indivíduos e relega o direito das gentes a um direito infraestatal. A teoria voluntarista-positivista do direito internacional permaneceu forte e majoritária do Século XIX até o fim das Guerras Mundiais, principalmente após o término da Segunda Guerra (TRINDADE, 2006). Os horrores das Guerras Mundiais mostraram que o ser humano pode ser transformado em um ente descartável e indesejável. Hobsbawm (2008), comentando a Segunda Guerra Mundial, apontou que a catástrofe por ela desencadeada, infelizmente, contribuiu para um mundo em que mortes, torturas e exílios em massa se tornassem experiências cotidianas não mais notadas pelas pessoas. A comunidade internacional, após a Segunda Guerra, percebeu a necessidade de uma mudança de paradigma jurídico que humanizasse o direito internacional, ou seja, que alçasse a proteção da pessoa humana a ceara internacional sem excluir a responsabilidade interna dos Estados, o que transformou os direitos humanos em um tema global. Lafer (2004, p. 72) comenta que: A conversão dos direitos humanos num tema global e não circunscrito resultou, como diria Miguel Reale, de uma política do Direito e esta foi axiologicamente sensível ao horror erga omnes do mal da descartabilidade do ser humano, produto do ineditismo da violência do racismo nazista. Dessa forma, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, o direito internacional passou a se preocupar com a proteção da pessoa humana. A proteção internacional dos direitos humanos se consolidou como ponto fundamental da política da Organização das Nações Unidas que desencadeou, conforme previamente mencionado, na elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos, no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos e no Pacto Internacional de Direitos

14 46 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro Econômicos, Sociais e Culturais. No plano regional de proteção dos direitos humanos, pode-se citar principalmente a Convenção Europeia de Direitos Humanos (1950) e a Convenção Interamericana de Direitos Humanos (1969), cada qual com sua corte internacional de direitos humanos com competência para interpretar e aplicar a respectiva convenção de direitos humanos no caso de violação desses direitos pelo Estado-parte, tendo em vista que os indivíduos possuem acesso direto à Corte Europeia de Direitos Humanos por meio de reclamações contra o Estado-violador do tratado e acesso indireto à Corte Interamericana de Direitos Humanos, por intermédio da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (GODINHO, 2006). Nota-se, pois, que os indivíduos não só possuem direitos no âmbito internacional, pois são protegidos por inúmeros tratados internacionais, mas também acesso direto ou indireto (via Comissão Interamericana) a cortes internacionais. Não só isso, mas também possuem obrigações internacionais como, por exemplo, as estabelecidas pelo Tratado de Roma (1998) que criou um tribunal penal, o Tribunal Penal Internacional, com a competência para julgar indivíduos que cometem os crimes internacionais definidos no tratado. As mudanças práticas no direito internacional foram influenciadas e influenciaram o conceito de sujeitos do direito internacional. Mesmo antes da Segunda Guerra Mundial, Politis (1928), já criticava a exclusão da personalidade internacional do indivíduo afirmando que a objetificação da pessoa humana impossibilitava um direito internacional com regras e princípios direcionados aos indivíduos e que o futuro do direito das gentes não é ser um direito interestatal, mas sim, um direito interindividual. No entre guerras, Scelle (1932) escreveu que os indivíduos são sujeitos do direito interno e do direito internacional, sustentando que a pessoa humana é sujeito de direito internacional porque é sujeito do direito da coletividade nacional e da coletividade global internacional. Para Schelle, a sociedade global é composta por indivíduos que são os únicos sujeitos do direito internacional (FAVRE, 1974). Após a Segunda Guerra Mundial, o famoso jurista Hersch Lauterpacht (1970), em defesa da personalidade internacional dos

15 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 47 indivíduos e de um direito das gentes mais humano, defendeu que não há nada no direito internacional que pudesse impedir que indivíduos possuíssem personalidade internacional e pudessem ser partes em procedimentos perante tribunais internacionais. Lauterpacht também afirma que mesmo aceitando-se que indivíduos não possam ser sujeitos de direito internacional, haveria inúmeras exceções a essa regra, tendo em vista que a pessoa humana tem diversos direitos e deveres criados por tratados ou costumes internacionais. Para Hersch Lauterpacht, a fonte última do direito é o postulado ético e moral, o direito natural e, consequentemente, os indivíduos seriam os sujeitos finais do direito internacional (NIJMAN, 2004). Marek Korowicz (1959), que procurou refúgio nos Estados Unidos fugindo do sistema socialista da antiga União Soviética, sustentou, em 1959, que os indivíduos são detentores de direitos e deveres no plano internacional com a possibilidade de ter capacidade internacional, e completou que: Parece paradoxal que os menores prospectos relacionados ao reconhecimento da capacidade internacional dos indivíduos para ações legais acorram onde essa capacidade seria mais lógica, ou seja, na proteção dos direitos humanos. Direitos substantivos sem garantias processuais para assegurá-los podem ser reconhecidos, na melhor hipótese, como direitos potenciais; normalmente esses direitos permanecem no papel, já que nenhum meio é providenciado para implementação pela pessoa interessada (KOROWICZ, 1959, p. 389, traduzido pelo autor). Até mesmo no campo do positivismo jurídico, Hans Kelsen (1966), um dos principais nomes dessa corrente, sustenta que das normas do direito internacional aplicadas para a humanidade provêm sanções contra indivíduos e são produzidas por indivíduos. Kelsen (1966, p. 180) conclui que a teoria tradicional que estabelece os Estados como únicos sujeitos do direito internacional e indivíduos como objetos de direito é insustentável. O que se procura mostrar não é que o direito internacional moderno deve voltar ao antigo jus gentium, mas sim que o direito está

16 48 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro sempre em constante evolução que, contudo, deve ser pautada em acertos e erros jurídicos, sociais e históricos passados. Assim, como o mundo atual não é o mesmo dos fundadores do direito internacional, também não é o mesmo dos fundadores do positivismo voluntarista. Apesar de diluída no Século XIX, a vontade de criar um sistema internacional aplicável a Estados e indivíduos buscando uma justiça internacional está novamente em ascensão. Doutrinadores modernos, como o jurista brasileiro Cançado Trindade (2003), buscam uma retomada ao direito natural centrado no indivíduo. Esse eminente jurista pátrio, comentando a incapacidade do positivismo de lidar com os avanços do direito internacional e dos direitos humanos comenta: A tendência voluntarista-positivista, como sua obsessão pela autonomia da vontade dos Estados, na busca da cristalização das suas normas em um dado momento histórico, chegou ao extremo de conceber o direito (positivo) independentemente do tempo: por isso sua incapacidade manifesta de acompanhar as mudanças constantes das estruturas sociais (no nível doméstico e no internacional), por não ter previsto as novas conjunturas reais, estando, dessa forma, incapaz de responder a elas; por isso sua incapacidade de explicar a formação histórica das normas costumeiras do direito internacional. A emergência e a consolidação do corpus juris do direito internacional dos direitos humanos são uma reação da consciência jurídica universal aos abusos constantes contra os seres humanos, comumente autorizados pelo direito positivo: com isso, o Direito (el Derecho) foi ao encontro do ser humano, o último destinatário das suas normas de proteção (Opinião Consultiva OC-16/99, voto concordante do Juiz A.A. Cançado Trindade, tradução do autor). Cançado Trindade, influenciado por juristas como Lauterpacht, volta-se ao direito natural em uma tentativa de sepultar de vez a visão positivista do direito internacional e reafirmar seu aspecto humanista. O direito internacional, para atender aos anseios da sociedade e ser um todo jurídico coerente, deve ter a pessoa humana como destinatário final de suas normas de direitos humanos aceitando a personalidade internacional do indivíduo.

17 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista O Pluralismo Internacional Em um mundo pluralista, com diversos atores internacionais, teorias exclusivistas não mais se sustentam. É impossível negar a importância dos Estados como os principais sujeitos do direito internacional. Estados, levando em consideração seus interesses políticos e econômicos e inclinações filosóficas, desenvolvem relações internacionais e engajam em relações com outros Estados. O direito internacional pode servir como uma língua comum dos Estados na condução de suas relações internacionais. Os idiomas essenciais dessa língua comum são as notas diplomáticas, tratados e normas costumeiras tidas como obrigatórias. Não obstante essa característica, o desenvolvimento recente do direito internacional, principalmente na esfera dos direitos humanos, mostra que o direito internacional não é uma área do direito pertencente exclusivamente aos Estados. Mesmo não adotando uma posição naturalista do direito que tende a ver os indivíduos como principais ou únicos sujeitos do direito internacional, não se pode mais negar que o direito positivista, que rebaixa o direito das gentes a um mero direito inter-estatal, não mais atende à realidade histórica e jurídica atual. Uma revisão histórico-filosófica do direito internacional é importante, pois, por meio dela, pode-se verificar os erros e acertos no desenvolvimento do conceito do direito das gentes e dos seus sujeitos. Os fundadores do direito internacional já preconizavam um mundo pluralista em que o direito era obrigatório, e o Estado não era seu único sujeito. Atualmente, guardada as devidas diferenças históricas, observase que o mundo é pluralista e os indivíduos podem ser destinatários de direitos e obrigações na ceara internacional. A expressão direito internacional pluralista, dessa forma, reconhece a formação aberta da sociedade internacional, tendo em vista que outros atores, que não apenas os Estados, podem ter plenos direitos, deveres e capacidade internacional, ou seja, podem ser partes perante tribunais internacionais. Com isso, o direito internacional deve ser guiado pelo princípio da igualdade

18 50 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro dos sujeitos, ou seja, deve haver uma igualdade jurídica na aplicação e desenvolvimento do direito internacional entre seus sujeitos. Essa visão deve ser observada especialmente no direito internacional dos direitos humanos, já que tem o indivíduo como principal destinatário e os Estados como principais violadores de suas normas. A Conferência das Nações Unidas (Conferência de São Francisco de 1945) representou um grande passo na formação de uma comunidade pluralista. Nessa importante conferência, que teve a participação de vários Estados, foi reforçado o propósito de criar uma organização internacional que fortalecesse o braço da proteção humana. Para alcançar tamanho desafio, é necessária uma ação conjunta da comunidade internacional composta pelos Estados, organizações internacionais e indivíduos. Conforme lembra McGoldric (1991), em 1946, foi confiada a antiga Comissão de Direitos Humanos o papel de elaborar a Declaração Universal de Direitos Humanos e os Pactos de Direitos Civis e Políticos e Econômicos, Sociais e Culturais. Mesmo tendo em vista que o papel dos Estados em elaborar esses instrumentos foi indispensável, as negociações ocorreram no seio de uma organização internacional com a participação de Estados, grupos de trabalhos e consultores jurídicos em um processo que permitiu uma ampla discussão (GODINHO, 2006). No primeiro encontro da Comissão de Direitos Humanos, por exemplo, além dos representantes dos Estados, estavam presentes representantes de agências especializadas, representantes de organizações não-governamentais e o Secretário da Comissão (no encontro era John Peters Humphrey). Apesar do papel predominante dos Estados, a Comissão (hoje o Conselho de Direitos Humanos) já era uma organização pluralística. Principalmente após a Segunda Guerra Mundial, o debate sobre a criação de instrumentos internacionais de direitos humanos e sua aplicação cabe não apenas aos Estados, mas a um grupo de atores internacionais que inclui a pessoa humana que é, conforme já mencionado, um importante destinatário das normas de direitos humanos. Mesmo tendo em vista que a decisão final em adotar ou não instrumentos internacionais cabe aos Estados, não se pode negar que um grupo maior de entidades participa

19 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 51 desse processo. Os indivíduos, dessa forma, além de possuir direitos e deveres no âmbito internacional, participam, junto com organizações internacionais, da elaboração de instrumentos de proteção da pessoa humana. O elemento pluralista do direito internacional cresceu no decorrer no tempo, tendo em vista as demandas sociais por um sistema que efetivamente protegesse os direitos humanos no campo internacional. Segundo Jacobs e White (2006), a Corte Europeia de Direitos Humanos, reconhecendo o aspecto mutável do direito internacional, tem fundamentado o entendimento de que a Convenção Europeia é um instrumento vivo que requer uma interpretação dinâmica. A mutabilidade jurídica é um elemento indispensável ao direito porque não se pode conceber um sistema jurídico que não tenha uma aplicação social, principalmente na seara dos direitos humanos, já que essa área do direito deve estar em constante evolução no sentido de buscar melhor proteger os interesses básicos e a integridade da pessoa humana. Nesse mesmo sentido, a Corte Interamericana de Direitos Humanos, durante a elaboração de suas novas normas processuais, em 2009, considerou as opiniões dos Estados, das organizações internacionais e de indivíduos. A Corte, no seu relatório anual, afirmou que as novas normas processuais foram resultado de participação construtiva e comunicação transparente entre Estados e os diferentes atores e usuários do Sistema Interamericano de Direitos Humanos (OEA, 2009, p. 16) e adicionou que o diálogo com diferentes atores internacionais ocorreu pelo processo de consulta implementado com o convite de todos os Estados-membros e qualquer pessoa ou instituição que quisesse participar (p. 16). As atuações da Corte Europeia e da Corte Interamericana de Direitos Humanos são complementares. As duas cortes reconhecem o aspecto mutável do direito internacional, ou seja, apontam que o direito, como um instrumento vivo, deve evoluir para atender os anseios socais e indicam a necessidade de uma atuação pluralista no desenvolvimento dos direitos humanos, tendo em vista que não mais existe a noção estatocêntrica do direito internacional, mas o contrário,

20 52 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro o direito internacional deve reconhecer uma pluralidade de atores, de sujeitos, com direitos e deveres no âmbito internacional, principalmente os indivíduos porque são os principais destinatários dos instrumentos de direitos humanos e das decisões de suas cortes internacionais. Pode-se observar, dessa forma, que o direito internacional moderno, que não esquece os ensinamentos passados, evolui no sentido de admitir um cenário não mais estatocêntrico, mas pluralista de direito, que confere ao indivíduo a qualidade de sujeito de direito. É inegável que a pessoa humana é, principalmente na seara dos direitos humanos, sujeito de direito internacional com direitos e deveres. Os indivíduos, respeitando suas características próprias, possuem capacidade processual, ou seja, tem acesso a tribunais internacionais de direitos humanos e participa da evolução e desenvolvimento do direito internacional dos direitos humanos. Assim, não mais existe o positivismo cego e estatocêntrico. O direito internacional é vivo, pluralista e, na área dos direitos humanos, centrado nos indivíduos: os principais destinatários de suas normas de proteção. Conclusão Após a Segunda Guerra Mundial, o direito internacional foi ao encontro do paradigma baseado no entendimento de que alguns direitos fundamentais são demasiadamente importantes para serem apenas do interesse dos Estados. Paulatinamente, foi consolidada a ideia de que os Estados não podem ter a única palavra, precisamente objetivando salvaguardar uma verdadeira proteção dos direitos humanos. A Organização das Nações Unidas foi criada para reafirmar a fé nos direitos fundamentais, na dignidade e no valor de todo ser humano. Para atingir esse objetivo, vários tratados foram elaborados visando cristalizar esse entendimento e segurar um comprometimento de toda a sociedade internacional. Dessa forma, se os indivíduos forem vistos como objetos, ou seja, se não houver o reconhecimento da personalidade internacional da pessoa humana, caberá aos Estados ter o controle total sobre os

21 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 53 indivíduos dentro de suas fronteiras, já que só eles possuiriam direitos e obrigações no âmbito internacional. Esse raciocínio, que concede exclusividade estatal no desenvolvimento, aplicação e vinculação das normas internacionais de direitos humanos, enfraquece os objetivos básicos do direito internacional dos direitos humanos. Pode-se dividir o direito internacional em três momentos distintos: o direito internacional clássico (dos fundadores ); o direito internacional positivista e o direito internacional moderno. O direito internacional clássico possuía limitações e foi elaborada em um mundo diferente do atual, tendo em vista que o Século XVIII marcou o início das relações internacionais modernas. Contudo, há conceitos importantes desse direito clássico que podem ser úteis ao direito internacional moderno. Não se pode negar que os fundadores do direito internacional aceitavam a possibilidade de um direito aberto em que não apenas Estados poderiam ser sujeitos, e procuraram consolidar uma ordem jurídica acima do controle Estatal. Buscar aplicar o direito internacional clássico ou jus gentium na mesma forma como concebido pelos fundadores do direito internacional pode não ser a decisão mais balizada. Todavia, não se pode esquecê-lo como se nunca houvesse existido. Os teóricos da origem do direito internacional muito têm a contribuir com o novo direito das gentes, já que o direito, para ter efetividade, deve ser superior ao Estado e deve reconhecer a personalidade internacional dos indivíduos. A contribuição do direito internacional clássico serve, dessa forma, para minimizar e ajudar a sepultar de vez o positivismo exacerbado que concede amplos e ilimitados poderes aos Estados e relega os indivíduos a meros objetos jurídicos sem personalidade alguma. Essa teoria positivista já provou, na prática, sua ineficácia, tendo em vista que não conseguiu impedir a Primeira Guerra Mundial, não conseguiu impedir a Segunda Guerra e nem os sanguinários confrontos que as sucederam. O direito internacional moderno, dessa forma, deve ser pautado pelos erros e acertos passados para evitar novas catástrofes internacionais e para ser efetivamente aplicado na proteção da pessoa humana no

22 54 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro cenário internacional. Para alcançar esses objetivos, é fundamental o reconhecimento da personalidade internacional da pessoa humana já que são os principais destinatários dos direitos humanos. A personalidade internacional pode ter quatro diferentes requisitos: direitos, deveres, capacidade processual e atuação internacional. Os indivíduos possuem direitos no âmbito internacional consubstanciados nos inúmeros tratados internacionais de direitos humanos globais e regionais. A pessoa humana possui deveres que também decorrem desses tratados internacionais, não só de direitos humanos, como também dos tratados em matéria penal. Ademais, os indivíduos possuem capacidade processual porque têm acesso direito ou indireto a tribunais internacionais. Por último, os indivíduos também atuam no desenvolvimento e na elaboração do direito internacional por meio dos fóruns internacionais e dos tribunais internacionais. É, dessa forma, imperioso reconhecer que os indivíduos possuem personalidade internacional, assim como os Estados e as organizações internacionais. Referências BRIERLY, J. L. The law of nations: an introduction to the international law of peace. Oxford: Clarendon Press, BUERGENTHAL, Thomas et al. International human rights in a nutshell. St. Paul: West Group, CASSESE, Antonio. International law. New York: Oxford University Press, CONVENÇÃ americana de direitos humanos. 1969, 1144 U.N.T.S. 123, O.A.S.T.S. nº 36. CONVENÇÃO para a proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. 4 de novembro de U.N.T.S. 221, Eur. T.S. 5. COMISSÃO de direitos humanos. UN ECOSOC, st Mtg., UN Doc. E/CN.4/SR.2/Corr. 1.

23 Indivíduos como sujeitos de direito internacional em um mundo pluralista 55 COVELL, Charles. The law of nations in political thought: a critical survey from vitoria to hegel. New York: Palgrave Macmillan, DECLARAÇÃO universal dos direitos humanos GA Res. 217 (III), UN GAAOR, 3d Sess., Supp. Nº. 13, UN Doc. A\810. DOCUMENTS of the United Nations conference on international organization San Francisco vol. IX, p. 1. Disponível em: <http:// Acesso em: 9 set DUMBAULD, Edward. The life and legal writings of Hugo Grotius. Norman: University of Oklahoma Press, ESTATUTO de Roma do tribunal penal internacional. U.N. Doc. A/ CONF. 183/9 (July 17, 1998) FAVRE, Antoine. Principes du droit de gens. Paris: Librairie de Droit et de Jurisprudence, FINN, Seyersted. Common law of international organizations. Leiden: Martinus Nijhoff Publishers, GENTILI, Alberico. De juri belli libri tres. London: H. Milford, GODINHO, Fabiana de Oliveira. A proteção internacional dos direitos humanos. Belo Horizonte: Del Rey, GUGGENHEIM, Paul. Contribution à l histoire des sources du droit des gens. Rec. des Cours, 1, 94, HEGEL, G. W. F. Elements of the philosophy of right. New York: Cambridge University Press, HENKIN, Louis et al. International law: cases and materials. Minnesota: West Publishing, HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914/1991. São Paulo: Companhia das Letras, JACOBS, Francis; WHITE, Robin. The European convention on human rights. New York: Oxford University Press, 2006.

24 56 Dilton Rocha Ferraz Ribeiro KELSEN, Hans. Principles of international law. New York: Holt. Rinehart and Winston, Inc., KOROWICZ, Marek St. Introduction to international law: present conceptions of international law in theory and in practice. The Hague: Martinus Nijhoff, LAFER, Celso. O caso ellwanger: anti-semitismo como crime da prática do racismo. Pareceres Jurídicos do STF, Brasília, v. 41, n. 162, abr./jun LAUTERPACHT, Hersch, International law, in international law being the collected papers of Hersch Lauterpacht. New York: Cambridge University Press, LINDGREN, José Augusto. Direitos humanos como tema global. São Paulo: Editora Perspectiva & Fundação Alexandre de Gusmão, LISZT, Franz von. Derecho internacional público. Barcelona: Gustavo, MAZZUOLI, Valério. Curso de direito internacional público. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, Direitos humanos e cidadania: à luz do novo direito internacional. Campinas: Minelli, McGOLDRIC, Dominic. The human rights committee: its role in the development of the international covenant on civil and political rights. Oxford: Claredon Press, NIJMAN, Janne Elisabeth. The concept of international legal personality: an inquiry into the history and theory of international law. The Hague: Asser Press, OEA. Inter-American Court of Human Rights. Annual report of the Inter- American Court of Human Rights Disponível em: <http://www. corteidh.or.cr/docs/informes/eng_2009.pdf>. Acesso em: 14 set OEA. Corte Interamericana de Direitos Humanos. The right to information on consular assistance in the framework of the guarantees of the due process of law (Mexico). Opinião Consultiva OC-16/99, voto concordante do juiz A. A. Cançado Trindade.

DH e Educação Aula 04

DH e Educação Aula 04 DH e Educação Aula 04 A tutela internacional dos direitos humanos a) Os precedentes históricos b) O sistema internacional e seus instrumentos de proteção (Carta da ONU, Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS

SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS ERICA.CARVALHO@UCSAL.BR QUEM SÃO OS SUJEITOS INTERNACIONAIS? Todos aqueles entes ou entidades cujas condutas estão diretamente

Leia mais

Direito Internacional Público

Direito Internacional Público Direito Internacional Público Atores de DIP, sujeitos das RI Prof. Dr. José Antônio Tietzmann e Silva jates@uol.com.br DIP Atores e sujeitos Estados OI's intergovernamentais Indivíduos Coletividades não-estatais

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Prof. Ricardo Torques. fb.com/direitoshumanosparaconcursos. periscope.tv/rstorques.

DIREITOS HUMANOS. Prof. Ricardo Torques. fb.com/direitoshumanosparaconcursos. periscope.tv/rstorques. DIREITOS HUMANOS Prof. Ricardo Torques fb.com/direitoshumanosparaconcursos periscope.tv/rstorques rst.estrategia@gmail.com Teoria Geral dos Direitos Humanos Características, Eficácia e Classificação de

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO 7º período: 2h/s Aula: Teórica EMENTA Aspectos preliminares. Relações entre o sistema interno e o externo de Direito. A sociedade internacional. O Estado. Organizações

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Tipo de aula.

Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Tipo de aula. PLANO DE CURSO DISCIPLINA: ORGANIZAÇÕES E TRATADOS INTERNACIONAIS (CÓD. ENEX 60146) ETAPA: 9ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio de 2017 Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa

Leia mais

SUMÁRIO. Siglas e abreviaturas Introdução Teoria Geral dos Direitos Humanos... 25

SUMÁRIO. Siglas e abreviaturas Introdução Teoria Geral dos Direitos Humanos... 25 Siglas e abreviaturas... 19 Introdução... 21 Capítulo 1 Teoria Geral dos Direitos Humanos... 25 1. Conceito de Direitos Humanos... 26 2. Dimensão ética dos Direitos Humanos... 26 3. Direitos do Homem,

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS

NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS 12 QUESTÕES DE PROVAS IBFC POR ASSUNTOS 86 QUESTÕES DE PROVAS DE OUTRAS BANCAS POR ASSUNTOS Edição Maio 2017 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PUBLICO CACD Blenda Lara

DIREITO INTERNACIONAL PUBLICO CACD Blenda Lara DIREITO INTERNACIONAL PUBLICO CACD 2016 Blenda Lara A prova de Noções de Direito e Direito Internacional Público Qual o peso das duas matérias? O que efetivamente é o Direito Internacional SOCIEDADE INTERNACIONAL

Leia mais

CURSO EXTENSIVO ONLINE DE DIREITO INTERNACIONAL PARA A PROVA DE JUIZ SUBSTITUTO TRF - 4

CURSO EXTENSIVO ONLINE DE DIREITO INTERNACIONAL PARA A PROVA DE JUIZ SUBSTITUTO TRF - 4 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E ESTUDOS DE GOVERNO DIREITO INTERNACIONAL PROF. PEDRO SLOBODA CURSO EXTENSIVO ONLINE DE DIREITO INTERNACIONAL PARA A PROVA DE JUIZ SUBSTITUTO TRF - 4 Estrutura do curso: 12

Leia mais

TÍTULO: PRINCIPAIS CLÁUSULAS DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS

TÍTULO: PRINCIPAIS CLÁUSULAS DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS 16 TÍTULO: PRINCIPAIS CLÁUSULAS DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Direitos Humanos em Conflito Armado

Direitos Humanos em Conflito Armado Direitos Humanos em Conflito Armado Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria (...) são e manter-se-ão proibidas, em qualquer ocasião e lugar (...) As ofensas contra a vida e integridade física,

Leia mais

PEDIDO DE PARECER CONSULTIVO DO GOVERNO DA REPÚBLICA DO PANAMÁ

PEDIDO DE PARECER CONSULTIVO DO GOVERNO DA REPÚBLICA DO PANAMÁ 1 PEDIDO DE PARECER CONSULTIVO DO GOVERNO DA REPÚBLICA DO PANAMÁ Panamá, 28 de abril de 2014. Senhor Presidente CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS Presente O Governo da República do Panamá, em sua

Leia mais

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior

MONTESQUIEU. Separação de poderes. Origens da teoria e sua aplicação na atualidade. Prof. Elson Junior MONTESQUIEU Separação de poderes Origens da teoria e sua aplicação na atualidade Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Maio de 2017 1. Primeiras ideias 1.1. Esclarecimentos iniciais Pela definição

Leia mais

Direitos Humanos das Mulheres

Direitos Humanos das Mulheres Direitos Humanos das Mulheres Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direitos Humanos O avanço das mulheres e a conquista da igualdade entre mulheres e homens são uma questão de direitos humanos

Leia mais

Direitos das Minorias

Direitos das Minorias Direitos das Minorias Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direitos das Minorias Nos Estados em que existam minorias étnicas, religiosas ou linguísticas, as pessoas pertencentes a essas minorias

Leia mais

Direito Internacional do Trabalho. Prof.: Konrad Mota

Direito Internacional do Trabalho. Prof.: Konrad Mota Direito Internacional do Trabalho Prof.: Konrad Mota SUMÁRIO 1. Direito internacional 1.1. Divisão 2. Direito internacional público 2.1. Conceito 2.2. Objeto 2.3. Problemática central 3. Fontes formais

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL Raízes & Asas

DIREITO INTERNACIONAL Raízes & Asas Autor Paulo Ferreira da Cunha DIREITO INTERNACIONAL Raízes & Asas Área específica Direito Internacional Público. O Direito Internacional é uma realidade ao mesmo próxima e distante de cada um de nós. Todos

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24 Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de 2010 19:24 Projeto de Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra Elaborado na Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E SEU REFLEXO NO DIREITO BRASILEIRO 1. Mateus Schmidt 2.

A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E SEU REFLEXO NO DIREITO BRASILEIRO 1. Mateus Schmidt 2. A INTERNACIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E SEU REFLEXO NO DIREITO BRASILEIRO 1 Mateus Schmidt 2. 1 Monografia apresentada ao Curso de Graduação em Direito do Instituto Cenecista de Ensino Superior de

Leia mais

Direitos Humanos Noções

Direitos Humanos Noções Professor: Rodrigo Belmonte Matéria DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos Noções Teoria Geral Pacto de São José da Costa Rica Divisão didática necessária para melhor aproveitamento e-mail: rodrigoabelmonte@terra.com.br

Leia mais

1948 Declaração Universal dos Direitos De acordo com a Declaração Universal dos Direitos : Os direitos humanos vêm ganhando força nos últimos tempos

1948 Declaração Universal dos Direitos De acordo com a Declaração Universal dos Direitos : Os direitos humanos vêm ganhando força nos últimos tempos DIREITOS HUMANOS 1948 Declaração Universal dos Direitos De acordo com a Declaração Universal dos Direitos : Os direitos humanos vêm ganhando força nos últimos tempos impulsionados pelos fundamentos da

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO Bernadete Kurtz FERRAMENTAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO DA MULHER NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Documentos Internacionais Legislação Brasileira Uso dos princípios Constitucionais

Leia mais

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas TEMAS ATUAIS DE DIREITOS HUMANOS E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA PROF. HELENA DE SOUZA ROCHA Igualdade e Não discriminação Igualdade = conceito antigo, que pode

Leia mais

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER:

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: http://ilolex.ilo.ch:1567/public/english/docs/convdisp.htm CONVENÇÃO 182, DE 1999, SOBRE AS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REITORIA Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná OBS: Política elaborada pela comissão designada

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL

RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL RESPONSABILIDADE PENAL DOS MENORES NA ORDEM NACIONAL E INTERNACIONAL O XVII Congresso Internacional de Direito Penal, reunido em Beijing, de 12 a 19 de setembro de 2004. Considerando que os menores requerem

Leia mais

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização

CONVENÇÃO N Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização CONVENÇÃO N. 87 1 Liberdade Sindical e Proteção ao Direito de Sindicalização Aprovada na 31ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (São Francisco 1948), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma

Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) O que é? Como é aplicado?

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

Manual de Negociação

Manual de Negociação Disciplina: Processo Decisório Prof. Gustavo Nogueira Manual de Negociação Organizador: Gilberto Sarfati 1º Edição 2010 Clarissa Brandão Clarissa Brandão é advogada, mestre em Direito Internacional e Integração

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. 1ª unidade curricular: Direitos Humanos. Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia. Luanda, 15 e 16 de Abril de 2011

I Curso de Doutoramento em Direito. 1ª unidade curricular: Direitos Humanos. Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia. Luanda, 15 e 16 de Abril de 2011 I Curso de Doutoramento em Direito 1ª unidade curricular: Direitos Humanos Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Luanda, 15 e 16 de Abril de 2011 A) Programa-síntese: 1º Introdução ao Direito Internacional

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF A energia elétrica não é uma mercadoria como outra qualquer. É por isso que sua geração, transmissão, distribuição e comercialização são assuntos do interesse de todos. Desde

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris, na sua 20ª sessão,

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Princípios Fonte: elfactorhumanoburgos.com Direito Constitucional Princípios PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS - Elementos basilares da Constituição. - Eles nos auxiliam a entender

Leia mais

Índice ÍNDICE. Pág. Prefácio... 7 Plano da obra Abreviaturas Bibliografia Geral Parte I CONCEITO DE DIREITO

Índice ÍNDICE. Pág. Prefácio... 7 Plano da obra Abreviaturas Bibliografia Geral Parte I CONCEITO DE DIREITO Índice 609 ÍNDICE Pág. Prefácio... 7 Plano da obra... 11 Abreviaturas... 13 Bibliografia Geral... 15 Parte I CONCEITO DE DIREITO Capítulo 1 A vida do Homem em sociedade 1. Observações preliminares... 23

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO ANO LETIVO SÉRIE TURNO 2017 5ª Série Matutino e Noturno NOME DA DISCIPLINA Direito Internacional Público e Privado CARGA HORÁRIA SEMANAL: horas-aula ANUAL: 100 horas-aula

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito PERÍODO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direito Internacional Público CARGA HORÁRIA SEMANAL: 1,5 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 30 horas/aula I EMENTA Evolução histórica do

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 01. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 01. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 01 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O que é que torna uma política pública? questão que expressa uma polêmica entre duas abordagens: 1- ABORDAGEM ESTATOCÊNTRICA A dimensão pública

Leia mais

Base territorial, Itajaí, Navegantes, CARTILHA DA GREVE

Base territorial, Itajaí, Navegantes, CARTILHA DA GREVE CARTILHA DA GREVE INTRODUÇÃO A greve é um direito inalienável dos trabalhadores, públicos ou privados. O seu exercício envolve uma série de condições e implicações, que devem ser consideradas pelo movimento

Leia mais

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico 1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico Profa. Nina Ranieri 15/09/2017 1 Plano de aula I - Introdução As matrizes clássicas do Estado de Direito

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1 SUMÁRIO Capítulo I Teoria da Constituição...1 1. Constituição...1 1.1 Conceito...1 1.2. Classificação das Constituições...1 1.3. Interpretação das Normas Constitucionais...3 1.4. Preâmbulo Constitucional...5

Leia mais

Reconhecimento do Estado e do governo O reconhecimento do Estado não é ato constitutivo, mas declaratório da qualidade estatal Pode ser expresso ou

Reconhecimento do Estado e do governo O reconhecimento do Estado não é ato constitutivo, mas declaratório da qualidade estatal Pode ser expresso ou Soberania A soberania pressupõe um conjunto de competências que, apesar de não serem ilimitadas, não encontram poder superior no direito internacional 1 Características Reconhecimento do Estado e do governo

Leia mais

Direitos fundamentais supranacionais (O caso da União Europeia)

Direitos fundamentais supranacionais (O caso da União Europeia) Direitos fundamentais supranacionais (O caso da União Europeia) Vital Moreira (IGC-FDUC) São Paulo, 6.2015 1 Plano 1. Direitos fundamentais beyond the state 2. Natureza da UE 3. Direitos fundamentais na

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL. Tratados Internacionais

DIREITO INTERNACIONAL. Tratados Internacionais DIREITO INTERNACIONAL Tratados Internacionais Conceito e nomenclatura Validade no Brasil Estrutura Profª Luciana Romano Morilas 1 Constituição Federal Na CF, há vários dispositivos que remetem aos Tratados

Leia mais

ACORDO-QUADRO ENTRE A REPÚBLICA DE CABO VERDE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE DEFESA

ACORDO-QUADRO ENTRE A REPÚBLICA DE CABO VERDE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE DEFESA ACORDO-QUADRO ENTRE A REPÚBLICA DE CABO VERDE E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE DEFESA ACORDO-QUADRO ENTRE A REPÚBLICA DE CABO VERDE E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes);

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes); ACORDO DE COOPERAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA NIGÉRIA O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República

Leia mais

Tribunal Penal Internacional. Carlos Eduardo Adriano Japiassú

Tribunal Penal Internacional. Carlos Eduardo Adriano Japiassú Tribunal Penal Internacional Carlos Eduardo Adriano Japiassú ABORDAGEM ῆ Introdução ao Direito Penal Internacional Justiça transicional ῆ Jurisdição internacional ῆ O Tribunal Penal Internacional O Estatuto

Leia mais

1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma.

1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma. P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO 1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma. II O valor jurídico

Leia mais

A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS

A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS III Seminário de Articulação Interfederativa - COAP Valéria Lacerda Maria Lacerda Rocha Juíza Auxiliar do 3º Juizado da Fazenda Pública Coordenadora

Leia mais

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições ANEXO III BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO 1 Artigo 14.º Base jurídica Descrição Elementos processuais 1 Artigo 15.º, n. 3 Artigo 16.º, n. 2 Artigo 18.º Artigo 19.º, n. 2 Artigo 21.º,

Leia mais

Convenção Relativa à Liberdade Sindical e à Proteção do Direito de Sindicalização

Convenção Relativa à Liberdade Sindical e à Proteção do Direito de Sindicalização Convenção Relativa à Liberdade Sindical e à Proteção do Direito de Sindicalização Convenção nº 87/OIT A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada em São Francisco pelo Conselho

Leia mais

Direito Internacional Público

Direito Internacional Público Direito Internacional Público Professor Diogo Sens CACD Aula 1: Caráter jurídico do DIP Conceito de DIP Direito das Gentes x Direito Internacional; Ubi societas, ubi ius: sociedade internacional; Tratado

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL JORGE MIRANDA CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL ESTADO E CONSTITUCIONALISMO. CONSTITUIÇÃO. DIREITOS FUNDAMENTAIS. VOL. 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2016 ÍNDICE Explicação 9 Preliminares 1. O fenómeno

Leia mais

1.1.1 A história dos direitos humanos e da Declaração Universal dos Direitos do Homem

1.1.1 A história dos direitos humanos e da Declaração Universal dos Direitos do Homem 1. Conceitos chave da formação Objectivos de aprendizagem Os participantes adquirirão um conhecimento de base sobre: - a ONU e suas instituições internacionais competentes em matéria de deficiências e

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL

DIREITO INTERNACIONAL Prof. Thaysa Prado DIREITO INTERNACIONAL - Introdução e fontes Características da Sociedade Internacional - Universal: abrange todos os entes/sujeitos do direito internacional - Paritária: igualdade jurídica

Leia mais

CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS

CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS CARTA ABERTA DA DELEGAÇÃO DO ACRE E SUDOESTE DO AMAZONAS Carta Aberta nº 001/2016/Delegação De: Delegação do Acre e Sudoeste do Amazonas Para: Poder Legislativo, Executivo e Judiciário Brasília-DF, 21

Leia mais

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1 AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Movimento teórico de revalorização do direito constitucional, de uma nova abordagem do papel da constituição no sistema jurídico 2 Surgiu a partir da segunda metade do

Leia mais

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS Aula 02 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos MAGNA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Bel Santos Mayer Vera Lion Políticas de Promoção da Igualdade de oportunidades e tratamento

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

Pontos fundamentais a serem considerados para qualquer proposta de criação de uma Comissão de Verdade no Brasil

Pontos fundamentais a serem considerados para qualquer proposta de criação de uma Comissão de Verdade no Brasil Pontos fundamentais a serem considerados para qualquer proposta de criação de uma Comissão de Verdade no Brasil A criação de uma Comissão de Verdade pode ter méritos ou pode apresentar riscos para a busca

Leia mais

Direito da Segurança

Direito da Segurança Direito da Segurança Direito Constitucional, Internacional, Europeu, Legal e Regulamentar I DIREITO CONSTITUCIONAL DA SEGURANÇA 1. Constituição da República Portuguesa (artigos) - Artigo 7º - Relações

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL Código da Disciplina: JUR299 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 3 Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de:

Leia mais

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal TRADUÇÃO da versão em francês CONSELHO DA EUROPA Recomendação CM/Rec(2012)11 do Comité de Ministros aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal (adoptada pelo

Leia mais

Liberdade de expressão e liberdade dos meios de informação

Liberdade de expressão e liberdade dos meios de informação Liberdade de expressão e liberdade dos meios de informação Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria 1 Definição Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Teoria Geral dos Direitos Humanos. CAPÍTULO 2 Gênese dos Direitos Humanos

SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Teoria Geral dos Direitos Humanos. CAPÍTULO 2 Gênese dos Direitos Humanos SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Teoria Geral dos Direitos Humanos 2. Definições de direitos humanos 3. Terminologias 3.1 Direitos humanos e direitos fundamentais 4. Fundamento 5. Fundamentação dos Direitos Humanos

Leia mais

Licenciatura

Licenciatura 1 Licenciatura 2014-2015 DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO II 4º ano Turma dia DIREITO INTERNACIONAL DO MAR Regente: Professor Doutor Fernando Loureiro Bastos PARTE I. INTRODUÇÃO CAPITULO I. PRELIMINARES 1.

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/17/00 Tribunal Penal Internacional Ficha de Dados 8 Garantia de justiça às crianças " A UNICEF insiste na necessidade de combater as atrocidades contra as crianças,

Leia mais

XXXVI Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul Cúpula Extraordinária da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) 16 Dezembro 2008 Itamaraty

XXXVI Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul Cúpula Extraordinária da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) 16 Dezembro 2008 Itamaraty XXXVI Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul Cúpula Extraordinária da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) 16 Dezembro 2008 Itamaraty Cúpula Extraordinária da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL)-Costa

Leia mais

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos no Local de Trabalho Valorizamos o relacionamento que temos com os nossos funcionários. O sucesso do nosso negócio depende de cada

Leia mais

PLANO DE ENSINO - CURSO ANUAL 2013

PLANO DE ENSINO - CURSO ANUAL 2013 A, B e D Página 1 de 6 A EMENTA : distinção e histórico. Fundamentos do Direito Internacional Público. Sujeitos de Direito Internacional Público (Estados, Organizações Internacionais e Direito Internacional

Leia mais

Ordenação dos ramos de Direito (tradicional):

Ordenação dos ramos de Direito (tradicional): Ramos do Direito 1 - Ordem jurídica una / demarcação de sectores) - Ramos de Direito objectivo corpos de regras gerais e abstractas que organizam aspectos da vida em sociedade - Critério de delimitação

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO E PRIVADO DOCENTE: Prof. Dr. Manoel Ilson Cordeiro Rocha ANO: 2017 EMENTA: Sociedade internacional e o Direito Internacional. Tratados internacionais

Leia mais

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela

Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Delegado Polícia Federal Direito Internacional Nacionalidade Paulo Portela Nacionalidade Ponto 3.3. População; nacionalidade; tratados multilaterais; estatuto da igualdade. Professor: Paulo Henrique Gonçalves

Leia mais

Preparação da União Europeia para os importantes alargamentos de 1 de Maio de 2004 e 1 de Janeiro de 2007 a Leste e a Sul

Preparação da União Europeia para os importantes alargamentos de 1 de Maio de 2004 e 1 de Janeiro de 2007 a Leste e a Sul 2001 Preparação da União Europeia para os importantes alargamentos de 1 de Maio de 2004 e 1 de Janeiro de 2007 a Leste e a Sul O Tratado foi assinado em 26 de Fevereiro de 2001 e entrou em vigor em 1 de

Leia mais

Modificações no Estatuto das Famílias

Modificações no Estatuto das Famílias Modificações no Estatuto das Famílias Projeto de Lei 2.285/2007, apensado ao PL 675/2007 PROJETO ORIGINAL deputado Sérgio Barradas (PT-BA) Art. 91 Constituindo os pais nova entidade familiar os direitos

Leia mais

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99 Preâmbulo Na elaboração preliminar deste Estatuto colaboraram Juízes de diversos países do mundo. O presente Estatuto é o resultado do seu trabalho e teve o consenso

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos JORGE ALBERTO DE OLIVEIRA MARUM Promotor de Justiça no Estado de São Paulo, mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco) e professor titular

Leia mais

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Chefes de Estado e de Governo de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos

Leia mais

TEORIA GERAL DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS. Organizações Internacionais - UNICURITIBA

TEORIA GERAL DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS. Organizações Internacionais - UNICURITIBA TEORIA GERAL DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Organizações Internacionais - UNICURITIBA ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Foram criadas as organizações internacionais, para facilitar a convivência pacífica através

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Érika Louise Bastos Calazans

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Érika Louise Bastos Calazans PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO Ementa do Grupo de Pesquisa O Direito Internacional Humanitário e as Convenções de Genebra de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia Resolução CP nº 001/2017 Cria o Plano Estadual de Valorização da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Bahia e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

Leia mais

DIREITO DA NACIONALIDADE. TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de²

DIREITO DA NACIONALIDADE. TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de² DIREITO DA NACIONALIDADE TORRES, Hélio Darlan Martins¹ MELO, Ariane Marques de² RESUMO Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a determinado Estado; é a qualidade de nacional,

Leia mais

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS.

Professora de Direito da FTEC - Novo Hamburgo/RS. Assessora Jurídica do PRÓ-SINOS. Orientação sobre a constituição dos Conselhos Municipais de Saneamento Básico para os municípios integrantes do Consórcio PRÓ-SINOS. O Controle Social no Saneamento Básico: constituição dos conselhos municipais,

Leia mais

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Direito ao Trabalho. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Direito ao Trabalho. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direito ao Trabalho Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direito ao Trabalho (...) só se pode fundar uma paz universal e duradoura com base na justiça social (...) Constituição da Organização

Leia mais

ÍNDICE GERAL. apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13

ÍNDICE GERAL. apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13 ÍNDICE GERAL apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13 PARTE I 15 1. Introdução 17 2. A pré-história da integração europeia (as ideias

Leia mais

MATÉRIA PROFESSOR AULA XX. Direito (interno) Philippe Raposo

MATÉRIA PROFESSOR AULA XX. Direito (interno) Philippe Raposo MATÉRIA PROFESSOR AULA XX Direito (interno) Philippe Raposo BIBLIOGRAFIA Constituição Federal (atualizada) http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Comentários à Constituição

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL

TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL TÓPICOS DE CORREÇÃO DO EXAME FINAL DE DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA,TURMA DA NOITE (2.º ANO) DE 7 DE JUNHO DE 2017 Regente: Prof.ª Doutora Ana Maria Guerra Martins NOTA: A hipótese poderia ter sido resolvida

Leia mais