DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO"

Transcrição

1 DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO

2 DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO PRINCIPAIS TIPOS - Fluxogramas ( geral - Plantas de arranjo (equipamentos, - Plantas de tubulação - Desenhos isométricos (. etc - Desenhos de detalhes (de fabricação, suportes, ( flexibilidade - Memórias de cálculo (espessura, - Listas de linhas - Folhas de dados - Requisições de material ( projeto - Especificações técnicas (critérios de - Pareceres técnicos

3 IDENTIFICAÇÃO ( N-1522 ) TUBULAÇÕES - DN do tubo - Classe do fluido transportado - Número de ordem da linha - Especificação do material do tubo Exemplo: 8 V Ac DN: 8 polegadas Classe do fluido transportado: 10 kgf/cm 2 N o da linha: 453 ( N-76 da Ac especificação )aço-carbono Material dos tubos: Quando uma tubulação muda de DN, material, área ou classe de fluido transportado, deve receber outra identificação.

4 IDENTIFICAÇÃO EQUIPAMENTOS Letra(s) indicativa(s) do equipamento + número Exemplos: B-501 bomba de n o 1 da área 5 P-903 permutador de calor de n o 3 da área 9 TQ tanque de n o 2 da área 2700 INSTRUMENTOS Exemplos: FC (flow controller) controlador de vazão LI (level indicator) indicador de nível PCV (pressure control valve) válvula controladora de pressão

5 FLUXOGRAMAS Desenhos esquemáticos Sem escala ( tubulações ) Mostram os equipamentos e suas interligações Objetivo: Mostrar o funcionamento do sistema, sem efeito para fabricação, contrução ou montagem Tipos: a) De processo b) De engenharia

6 a) FLUXOGRAMA DE PROCESSO Elaborado na fase inicial do projeto pela equipe de processo, mostrando os elementos essenciais ao funcionamento do sistema Deve conter: - Equipamentos principais com indicação de características básicas - Tubulações principais, com indicação do fluido transportado e sentido do fluxo - Principais válvulas, indicadas segundo suas convenções - Instrumentos principais, indicados segundo suas convenções - Exigências quanto à localização de equipamento para atender necessidade de serviço

7 a) FLUXOGRAMA DE PROCESSO

8 b) FLUXOGRAMA DE ENGENHARIA Desenvolvido a partir do fluxograma de processo pela equipe de processo em fase mais adiantada de projeto, com a colaboração de pessoal de projeto mecânico Deve conter: - todos os equipamentos principais e secundários com identificação e características básicas - todas as tubulações de processo, utilidades e auxiliares, com identificação completa, sentido do fluxo e exigências especiais de serviço ou traçado - todas as válvulas, indicadas segundo convenção - todos os instrumentos, indicando tipo, tamanho, arranjo de válvulas, tubing, etc.

9 b) FLUXOGRAMA DE ENGENHARIA

10 ALGUMAS CONVENÇÕES DE FLUXOGRAMA

11 ALGUMAS CONVENÇÕES DE FLUXOGRAMA

12 Em escala DESENHOS DE TUBULAÇÃO PLANTA DE TUBULAÇÃO ( cima Representada em projeção horizontal (vista de Deve conter, devidamente identificados, e com posições e elevações cotadas: - Todas as tubulações, com válvulas e acessórios - Todas as construções existentes - Todos os suportes - Todos os equipamentos - Todas as plataformas, passarelas, escadas, etc. - Todos os instrumentos - Linhas principais de referência Pode conter também, quando se fizer necessário: ( vertical - Cortes (projeção - Detalhes em escala maior de trechos

13 ALGUMAS CONVENÇÕES DE PLANTA

14 ALGUMAS CONVENÇÕES DE PLANTA

15 DESENHO ISOMÉTRICO 1) Feito em perspectiva isométrica 2) Sem escala 3) Referente em geral a um única tubulação individual, admitindo duas ou três tubulações interligadas 4) Tubulação representada por sua linha de centro 5) Possibilita o levantamento do material a ser utilizado Deve conter: - Identificação completa da tubulação - Todas as peças componentes da tubulação - Todas as válvulas e acessórios (. etc - Equipamentos de tubulação (filtro, purgadores, - Todas as ligações dos tubos, válvulas e acessórios - Equipamentos principais representados pelos bocais e linha de centro

16 ALGUMAS CONVENÇÕES DE ISOMÉTRICO

17 - ALGUMAS CONVENÇÕES DE ISOMÉTRICO

DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO

DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO DOCUMENTOS DE TUBULAÇÃO PRINCIPAIS TIPOS - Fluxogramas ( geral - Plantas de arranjo (equipamentos, - Plantas de tubulação - Desenhos isométricos (. etc - Desenhos de detalhes (de

Leia mais

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Vasos de Pressão Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Etapas do Projeto e Construção Gestão de Projetos Etapas sugeridas, na sequência: Definição dos dados gerais de projeto

Leia mais

Instrumentação Industrial

Instrumentação Industrial Instrumentação Industrial Simbologia e Terminologia da Norma ISA 5.1 Prof.: Welbert Rodrigues Introdução A Norma ISA 5.1 estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo II Aula 02 2. GIA DE TUBULAÇÃO 2.1. REPRENTAÇÃO GRÁFICA O desenho de tubulação pode ser considerado como uma ramificação do desenho técnico mecânico, ele

Leia mais

1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos.

1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos. Perspectiva isométrica 1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos. 2. Complete a frase na linha indicada. O círculo em perspectiva

Leia mais

AULA 8 CONTEÚDO: Capítulo 13. Capítulo 14. Volume I do Livro Texto. Desenhos de Tubulações. Projeto de Tubulações.

AULA 8 CONTEÚDO: Capítulo 13. Capítulo 14. Volume I do Livro Texto. Desenhos de Tubulações. Projeto de Tubulações. AULA 8 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 13 Desenhos de Tubulações Capítulo 14 Projeto de Tubulações. 1 DESENHOS DE TUBULAÇÕES IDENTIFICAÇÃO DAS TUBULAÇÕES, VASOS, EQUIPAMENTOS E INSTRUMENTOS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 022

Norma Técnica Interna SABESP NTS 022 Norma Técnica Interna SABESP NTS 022 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 022 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Workshop de Tubulação

Workshop de Tubulação Workshop de Tubulação Decio V.C. Rocha decrocha@petrobras.com.br Laelson Aparecido Martins laelson@petrobras.com.br Maio/2005 1 Disciplina de Tubulação Fluxograma de Trabalho 2 Roteiro Fases de desenvolvimento

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS QUÍMICOS II PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS DEFINIÇÃO: É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA SIMPLIFICADA POR MEIO DE FIGURAS E LETRAS, DE ESTRUTURA E DO FUNCIONAMENTO DE INSTALAÇÕES DE PROCESSAMENTO. CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 04 MEIOS DE LIGAÇÃO Para que serve? Ligação tubo a tubo, ou a dispositivos, equipamentos tanques

Leia mais

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS Características e Vantagens Tipo vertical, com serpentina dupla e camisa de ar (em lugar de refratários), que evita a formação de incrustações de carvão no fluído..

Leia mais

5 Modelagem do gasoduto Bolívia - Brasil

5 Modelagem do gasoduto Bolívia - Brasil 5 Modelagem do gasoduto Bolívia - Brasil 41 5 Modelagem do gasoduto Bolívia - Brasil O modelo do gasoduto consiste no conjunto de informações relacionadas com todos os seus componentes que influem no escoamento

Leia mais

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25 Laboratório de Sistemas Hidráulicos Aula prática S25 Relação entre áreas Vazão X Velocidade 1ª Verificação Aeração e Cavitação Cavitação Entende-se por cavitação a formação temporária de espaços vazios

Leia mais

FILTROS TEMPORÁRIOS. - Outras aberturas para o cesto são disponíveis. - Diferencial de pressão e vazão máximas através do gráfico na página 04.

FILTROS TEMPORÁRIOS. - Outras aberturas para o cesto são disponíveis. - Diferencial de pressão e vazão máximas através do gráfico na página 04. FILTROS TEMPORÁRIOS CARACTERÍSTICAS - tamanhos de ¾ à 24 - para proteger os equipamentos (bombas, turbinas, etc ) de fragmentos deixados durante a montagem - modificações são disponíveis conforme solicitação

Leia mais

Problema 1 Problema 2

Problema 1 Problema 2 1 Problema 1 7ª Edição Exercício: 2.42 / 8ª Edição Exercício: 1.44 A área da seção transversal da válvula do cilindro mostrado na figura abaixo é igual a 11cm 2. Determine a força necessária para abrir

Leia mais

HIDRÁULICA E HIDROLOGIA Lista 01 Prof. Esp. Flaryston Pimentel de S. Coelho

HIDRÁULICA E HIDROLOGIA Lista 01 Prof. Esp. Flaryston Pimentel de S. Coelho HIDRÁULICA E HIDROLOGIA Lista 01 Prof. Esp. Flaryston Pimentel de S. Coelho 1. Uma tubulação nova de aço com 10 cm de diâmetro conduz 757 m 3 /dia de óleo combustível pesado à temperatura de 33 0 C (ν

Leia mais

PME/EP/USP. Prof. Antonio Luiz Pacífico

PME/EP/USP. Prof. Antonio Luiz Pacífico Exercícios PME 3230 - Mecânica dos Fluidos I PME/EP/USP Prof. Antonio Luiz Pacífico 2 Semestre de 2016 PME 3230 - Mecânica dos Fluidos I (EP-PME) Exercícios 2 Semestre de 2016 1 / 20 Conteúdo da Aula 1

Leia mais

Problemas em Projetos e Instalações de Sistemas de Sprinklers. Felipe Melo

Problemas em Projetos e Instalações de Sistemas de Sprinklers. Felipe Melo Problemas em Projetos e Instalações de Sistemas de Sprinklers Felipe Melo O que é um projeto de Sprinkler? Conjunto de documentos, incluindo, mas não limitado à: ü Plantas em escala com layout definido

Leia mais

P&ID - Piping & Instrument Diagram

P&ID - Piping & Instrument Diagram P&ID - Piping & Instrument Diagram Fluxograma de Engenharia Leitura e interpretação de Fluxogramas e Diagramas de Processo Muitos de nós podemos nos lembrar de experiências na infância, quando se desenhavam

Leia mais

Mais de um corte nas vistas ortográficas

Mais de um corte nas vistas ortográficas Mais de um corte nas vistas ortográficas Introdução Dependendo da complexidade do modelo ou peça, um único corte pode não ser suficiente para mostrar todos os elementos internos que queremos analisar.

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS

ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS 1 ELEMENTOS BÁSICOS MECÃNICA DOS FLUIDOS 1. OBJETIVOS Manusear os diferentes tipos de elementos usualmente empregados em linhas de deslocamento de fluidos (bombas, válvulas, tubulações e acessórios), além

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

00 EMISSÃO INICIAL 25/03/2015 EVARISTO PM. Rev Modificação Data Elaboração Verificação CONSÓRCIO PM

00 EMISSÃO INICIAL 25/03/2015 EVARISTO PM. Rev Modificação Data Elaboração Verificação CONSÓRCIO PM 00 EMISSÃO INICIAL 25/03/2015 EVARISTO PM Rev Modificação Data Elaboração Verificação CONSÓRCIO PM PJJ Malucelli Arquitetura S/S Ltda. MEP Arquitetura e Planejamento Ltda. Empreendimento HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva.

Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva. EXERCICIO 1 Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva. 1. Ordena as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos numerando os quadradinhos de 1 a 5. 2. Completa a frase na

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA E TOP-ENTRY NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

FILTROS CESTO DUPLEX SÉRIE 150 PSI

FILTROS CESTO DUPLEX SÉRIE 150 PSI _ FILTROS CESTO DUPLEX SÉRIE 150 PSI CARACTERÍSTICAS - tamanhos de 2 à 24 - conexões flangeadas ou roscadas ( até 3 BSP fêmea ) - modificações são disponíveis conforme solicitação do cliente - cestos em

Leia mais

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas.

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas. CONJUNTOS MECÂNICOS Tão importante quanto conhecer os elementos de máquinas e projetá-los, é saber representar graficamente e interpretar esses elementos em desenhos técnicos. Máquinas (torno mecânico,

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

SANEAMENTO. Projecto 1: Estudo Prévio de um Sistema Adutor (semana 1) Aula Prática da Semana:

SANEAMENTO. Projecto 1: Estudo Prévio de um Sistema Adutor (semana 1) Aula Prática da Semana: Projecto 1: Estudo Prévio de um Sistema Adutor (semana 1) Constituição do Grupo; Impressão do enunciado; receber o enunciado; receber os dados de base para o cálculo dos caudais de projecto dos aglomerados

Leia mais

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES 1. INTRODUÇÃO Importância: Para o projetista ou Engenheiro a arte de representar um objeto ou fazer sua leitura através do Desenho Técnico é muito importante,

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numérica de instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE

ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE OBJETIVOS Definir a forma de suportação da tubulação de forma a: - Evitar que as tensões atuantes e deformações excedam seus valores admissíveis - Evitar que linhas,

Leia mais

MD-40 / MD-50 AGA-TEC. Medidor de Vazão - Produtos Químicos

MD-40 / MD-50 AGA-TEC. Medidor de Vazão - Produtos Químicos MD-40 / MD-50 INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MANUTENÇÃO LTDA. Os medidores de vazão são projetados para um controle preciso dos volumes de líquidos. Os medidores de vazão são de deslocamento positivo através de

Leia mais

PROJETO RENEST: ARRANJO & TUBULAÇÃO

PROJETO RENEST: ARRANJO & TUBULAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 Florianópolis SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Instalação de Água fria - GABARITO

Instalação de Água fria - GABARITO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários TURMA D Instalação de Água

Leia mais

Desenho Digital. Eng. Civil Fernando Victor Lourenço de Oliveira. Macapá- AP

Desenho Digital. Eng. Civil Fernando Victor Lourenço de Oliveira. Macapá- AP Desenho Digital. Eng. Civil Fernando Victor Lourenço de Oliveira. Macapá- AP Objetivo Uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução e a leitura de

Leia mais

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior Leitura e Interpretaçaão de Projetos Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior osvaldoterra.iff@gmail.com Conteuú do Programaútico Desenho Teúcnico para Informaútica Normas Brasileiras Projeto arquitetônico completo

Leia mais

Curso Tecnólogo em Processos Químicos Apresentação Processos Industriais Inorgânicos. Prof. Fábio C. Caires Contato:

Curso Tecnólogo em Processos Químicos Apresentação Processos Industriais Inorgânicos. Prof. Fábio C. Caires Contato: Apresentação Processos Industriais Inorgânicos Prof. Fábio C. Caires Contato: fabioc@anchieta.br 5º semestre Competências Reconhecer a importância dos processos industriais inorgânicos. Conhecer procedimentos

Leia mais

MODELO Canhão de Controle Remoto. Descrição do Produto. Configuração Standard. Detalhes dos Componentes

MODELO Canhão de Controle Remoto. Descrição do Produto. Configuração Standard. Detalhes dos Componentes Canhão de Controle Remoto MODELO 8394-05 Descrição do Produto O Canhão de Controle Remoto Modelo 8394-05 é o meio mais rápido, seguro e eficaz de combate a incêndio disponível no mercado. Especialmente

Leia mais

ACUMULADOR DE INÉRCIA VERTICAL

ACUMULADOR DE INÉRCIA VERTICAL ACUMULADOR DE INÉRCIA VERTICAL 200L a 1000L CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO: Antes de instalar e utilizar o equipamento, é favor ler com atenção o presente manual de instruções! INTRODUÇÃO

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

VÁLVULA DE ALIVIO E SEGURANÇA SÉRIE 445

VÁLVULA DE ALIVIO E SEGURANÇA SÉRIE 445 A. Introdução Este manual tem por objetivo apresentar as especificações, procedimentos de instalação, operação e manutenção de válvulas de Alívio e Segurança. As válvulas alívio e segurança série 445 Zanardo

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

Introdução. Dimensionamento e Seleção

Introdução. Dimensionamento e Seleção Introdução As válvulas de segurança e alívio Valbrac, de Unidades de Processo de Utilidades, são projetadas para operar como dispositivos automáticos de alívio de pressão, protegendo a integridade física

Leia mais

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instrumentação Instrumentação e CLP Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Andouglas G. da Silva Júnior ( Professor: Instrumentação Andouglas Gonçalves da Silva Júnior 1 / 18 1 Conceito Denição

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma empresa com grande conhecimento e experiência no mercado de aquecimento solar e engenharia de plásticos, sempre buscando inovar através

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico desenho de planta-baixa DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução ao Desenho Técnico Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Técnico Ramos do Desenho Técnico Mecânico Desenho Não-Projetivo: peças máquinas

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01

DESENHO BÁSICO AULA 01 DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução à Unidade Curricular Introdução ao Desenho Técnico 31/07/2008 Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Não-Projetivo: gráficos e diagramas fluxogramas organogramas

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

Sensor multiponto flexível, Flex-R Modelo TC96-R

Sensor multiponto flexível, Flex-R Modelo TC96-R Medição elétrica de temperatura Sensor multiponto flexível, Flex-R Modelo TC96-R WIKA folha de dados TE 70.10 Aplicações Refinarias de petróleo e Industria petroquímica Medição do perfil térmico em reatores,

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

Instale ConfiançaTM. Instale Rain Bird Treinamentos.

Instale ConfiançaTM. Instale Rain Bird Treinamentos. Instale ConfiançaTM. Instale Rain Bird Treinamentos. Treinamentos São aplicados testes e a correção é feita nos EUA e os aprovados recebem certificados de acordo com o módulo cursado. Índice Introdução

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa B30.15.0-P VÁLVULAS DE REGULAÇÃO ULTIJATO Regulação da vazão e pressão Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa A Válvula Regulação ultijato, foi desenvolvida

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

Caldeiras Industriais

Caldeiras Industriais Caldeiras Industriais SUMÁRIO VAPOR 5 O QUE É VAPOR? 5 CALOR 10 QUANTIDADE DE CALOR 10 CALOR ESPECÍFICO 10 TRANSFERÊNCIA DE CALOR 11 CALOR SENSÍVEL 11 CALOR LATENTE 11 CALOR TOTAL 11 TIPOS DE VAPOR 21

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 01 Apresentação da Disciplina Profª Heloise G. Knapik 1 Apresentação Docente Professor: Heloise Garcia

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia aplicada às indústrias, caldeiraria e montagens industriais,

Leia mais

ANEXO III PROJETO BÁSICO

ANEXO III PROJETO BÁSICO ANEXO III PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO Este projeto básico visa orientar a contratação de empresa especializada para projeto e execução de instalação de rede de gases especiais (nitrogênio, ar sintético,

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

MODELO LP. Proporcionador de Linha de Alta Vazão. Descrição do Produto. Especificações. Informações Técnicas. Aplicação

MODELO LP. Proporcionador de Linha de Alta Vazão. Descrição do Produto. Especificações. Informações Técnicas. Aplicação Proporcionador de Linha de Alta Vazão MODELO LP Descrição do Produto Os Proporcionadores de Linha de Alta Vazão Modelo LP, também denominados edutores, são equipamentos simples e de baixo custo, para utilização

Leia mais

Engenharia do silo Putzmeister. Para lamas altamente desidratadas e viscosas

Engenharia do silo Putzmeister. Para lamas altamente desidratadas e viscosas Engenharia do silo Putzmeister Para lamas altamente desidratadas e viscosas Tecnologia do silo Os silos Putzmeister foram desenvolvidos especialmente para lamas altamente desidratadas e viscosas. Vantagens

Leia mais

Instrumentação Aplicada

Instrumentação Aplicada Instrumentação Aplicada Simbologia Não é que eu procure falar difícil, é que as coisas têm nome João Guimarães Rosa Assuntos Conceitos Simbologia Representação Exercícios Assunto Conceitos Conceitos SIMBOLOGIA

Leia mais

Tubo Pitot Modelo FLC-APT-E, versão extraível Modelo FLC-APT-F, versão fixa

Tubo Pitot Modelo FLC-APT-E, versão extraível Modelo FLC-APT-F, versão fixa Medição de vazão Tubo Pitot Modelo FLC-APT-E, versão extraível Modelo FLC-APT-F, versão fixa WIKA folha de dados FL 10.05 FloTec Aplicações Produção de óleo e refino Tratamento e distribuição de água Processamento

Leia mais

Aplicações. DN 15 a 250 PN 16 a 40 Temperaturas até 220 C

Aplicações. DN 15 a 250 PN 16 a 40 Temperaturas até 220 C Válvulas eléctricas de regulação Tipos 3213/5857, 3213/5824, 3213/5757-3, 3213/5757-7, 3213/5724 e 3214/5824, 3214/3374, 3214/3274, 3214/5724 Válvulas pneumáticas de regulação Tipos 3213/2780 e 3214/2780

Leia mais

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE Unidade Intercambiadora de Calor Série YE A unidade intercambiadora de calor Série YE foi desenvolvida para proporcionar o máximo conforto térmico em ambientes. Projetada para atender diferentes demandas

Leia mais

Válvula Pistão Atuada On/Off Tipo PF61G-_NC (Normalmente Fechada)

Válvula Pistão Atuada On/Off Tipo PF61G-_NC (Normalmente Fechada) TI-P373- CH Issue Cert. No. LRQ 93 ISO 9 Válvula Pistão Atuada On/Off Tipo PFG-_NC (Normalmente Fechada) Descrição Válvula On/Off duas vias normalmente fechada em aço inox atuada pneumaticamente, para

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 03 Cortes, hachuras, semi-cortes, corte composto e seções Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

Manual de instalação cartao grafica collors.indd 1 13/07/ :47:38 cartao grafica collors.indd 1 13/07/ :47:38

Manual de instalação cartao grafica collors.indd 1 13/07/ :47:38 cartao grafica collors.indd 1 13/07/ :47:38 Manual de instalação Esquema de instalação Collors Refletores RGB Para interligar os refletores com a caixa de comando utilize os seguintes cabos Até 25 metros cabo PP 4 x 0,5mm Acima de 25 metros cabo

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 05 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil ALIMENTADOR PREDIAL SISTEMA DIRETO Cálculos conforme o das canalizações de água

Leia mais

Manutenção Industrial

Manutenção Industrial Manutenção Industrial Trabalhar com responsabilidade para entregar um futuro mais limpo e sustentável Smartheat Smartheat Serviços de manutenção (em oficina ou em campo) A Smartheat esta capacitada para

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016)

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE Módulo 1 Carga horária total: 400h Unidade Curricular

Leia mais

Teste Avaliação. UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica. Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.)

Teste Avaliação. UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica. Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.) Teste Avaliação UFCD - Desenho Técnico de Aeronáutica Nome formando: Data: / / Formador: Avaliação: Grupo I (5 val.) Classifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmações: 1 - Os desenhos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 10/novembro/2008 a 13/janeiro/2009

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 3/3 (terceiro de três) Período: de 10/novembro/2008 a 13/janeiro/2009 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 1º semestre 2013 Terças de 10 às 12 h Sextas de 13 às 15h Conceito Capítulo 2 Escoamento em Conduto Forçado Simples Condutos

Leia mais

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas 1.0. Especificação Técnica: 1.1. Descrição Funcional O alimentador de fluxantes, que é montado em um carro

Leia mais

VISÃO. Ser reconhecida como empresa. fornecedora de soluções de. Engenharia Multidisciplinar; Atuar nos diversos segmentos.

VISÃO. Ser reconhecida como empresa. fornecedora de soluções de. Engenharia Multidisciplinar; Atuar nos diversos segmentos. VISÃO Ser reconhecida como empresa fornecedora de soluções de Engenharia Multidisciplinar; Atuar nos diversos segmentos industriais; Ser atrativa para os clientes e colaboradores e fornecedores. MISSÃO

Leia mais

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br)

Leia mais

MANUAL DESSUPERAQUECEDOR SÉRIE 700

MANUAL DESSUPERAQUECEDOR SÉRIE 700 A. Introdução Este modelo de dessuperaquecedor de vapor série 700, foi projetado para ser aplicado em linhas de vapor de 6" a 30" com a finalidade de condicionar vapor superaquecido a uma temperatura próxima

Leia mais

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES Sistemas de Aquecimento Solar Sumário Tipos de coletores Sistemas de aquecimento solar com coletor solar de placa plana Qualidade e Normas Projeto e Dimensionamento Coletor reservatório Placa plana sem

Leia mais

Engenharia do silo Putzmeister

Engenharia do silo Putzmeister Engenharia do silo Putzmeister Para lamas altamente desidratadas e viscosas Industrial Technology Mining Energy Environment Oil & Gas Tecnologia do silo Os silos Putzmeister foram desenvolvidos especialmente

Leia mais

Introdução ao DESENHO TÉCNICO

Introdução ao DESENHO TÉCNICO Introdução ao DESENHO TÉCNICO Introdução Comunicação gráfica de idéias remonta a 12000 a.c. A comunicação usando desenhos precede a comunicação usando a escrita. A escrita antiga faz uso de desenhos: Uma

Leia mais

Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO E FINALIDADE São vistas resultantes

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO)

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) 1.20. Quebrador de vácuo Dispositivo destinado a evitar o refluxo por sucção da água

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP Coordenadoria de Suprimentos - CSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP Coordenadoria de Suprimentos - CSU ITEM QTDE. UND DESCRIÇÃO SALDO 1 1 UN.24.000192 - LUVA SOLDÁVEL, MATERIAL PVC, DIÂMETRO 25MM. 2 UN.24.000678 - NIPLE DE FERRO GALVANIZADO 3/4" 3 60 UN.24.000994-LUVA DE CORRER (SOLDAVEL) 40MM 4 UN.24.001159

Leia mais

Desenho Mecânico - Vistas Ortográficas -

Desenho Mecânico - Vistas Ortográficas - 1 Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia de Produção/Mecânica - Vistas Ortográficas - Prof. José Rui Barbosa - UNIFOR - 2006/2 2 Vistas Ortográficas Tem fundamentação

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

Vistas auxiliares. Existem peças que têm uma ou mais faces A U L A. oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos.

Vistas auxiliares. Existem peças que têm uma ou mais faces A U L A. oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos. Vistas auxiliares Introdução Existem peças que têm uma ou mais faces oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos. Você deve estar lembrado que faces oblíquas não são representadas

Leia mais