Dulce Maria Ferreira Fernandes. Cosmética capilar: estratégias de veiculação de ingredientes ativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dulce Maria Ferreira Fernandes. Cosmética capilar: estratégias de veiculação de ingredientes ativos"

Transcrição

1 Dulce Maria Ferreira Fernandes Csmética capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Universidade Fernand Pessa Faculdade de Ciências da Saúde Prt,Julh de 2013

2

3 Dulce Maria Ferreira Fernandes Csmética capilar: Estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Universidade Fernand Pessa Faculdade de Ciências da Saúde Prt, Julh de 2013

4 Dulce Maria Ferreira Fernandes Csmética capilar: Estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Trabalh apresentad à Universidade Fernand Pessa cm parte ds requisits para btençã d grau de Mestre em Ciências Farmacêuticas.

5 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Sumári O cabel é uma parte imprtante da aparência física e apresenta uma imprtância psiclógica muit frte, tant para hmens cm para mulheres. O cabel natural pde ter várias frmas e várias cres, e estas variações naturais sã uma parte imprtante da nssa identidade, e pdem ser manipulads através da utilizaçã de diferentes prduts csmétics. Os csmétics capilares sã preparações destinadas a cntact cm cabel e cur cabelud, cm bjetiv de limpar, prmver a atratividade, alterar a aparência, e/u prteger ambs, mantend-s em bas cndições. Embra champô seja a frma de csmétic capilar mais cmum, destinad principalmente à limpeza d cabel e d cur cabelud, s cnsumidres ds dias de hje desejam mais pções. Assim, as atuais frmulações de champôs e ds utrs prduts csmétics capilares, estã adaptads para as variações assciadas à idade, sex, hábits de cuidad capilar, e mesm a prblemas específics relacinads cm cur cabelud, tais cm, caspa u alpécia. O grande númer de variáveis a ter em cnta transfrma a frmulaçã de um prdut csmétic capilar, num desafi que requer investigaçã cntínua. Palavras-chave: cabel; cur cabelud; champô; csmétics capilares. Abstract Hair is an imprtant cmpnent f bdy image and has tremendus psychlgical imprtance fr bth men and wmen. The natural hair can have varius shapes and clrs, and these natural variatins are an imprtant part f ur identity, and can be manipulated by using different types f hair csmetic prducts. Hair csmetic agents are preparatins intend fr placing in cntact with the hair and scalp, with the purpse f cleansing, prmting attractiveness, altering appearance, and/r prtecting them in rder t maintain them in gd cnditin. Althugh shamp has been the mst cmmn frm f csmetic hair treatment, primarily aimed at cleansing the hair and scalp, the present day cnsumer expects mre ptins. Thereby, current shamp frmulatins and thers hair care prducts are tailred t the variatins assciated with age, gender, hair care habit, and specific prblems relating t the cnditin f scalp, such as dandruff r hair lss. The great amunt f variables t be accunted makes adequate prduct frmulatin a challenge and requires cntinuus research. Key wrds: hair; scalp; shamp; hair csmetics. v

6 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Agradeciments É cm satisfaçã que express aqui, s mais sincers agradeciments e prfund recnheciment, a tds s que de alguma frma cntribuíram para a realizaçã e cnclusã deste trabalh. Merece s meus agradeciments, tda a estrutura dcente da Universidade Fernand Pessa, que a lng ds últims ans cntribuiu para meu desenvlviment pessal e prfissinal, trnand ainda mais interessante a realizaçã deste bjetiv. Nã pderia deixar de destacar a Prf. Dutra Rita Oliveira, pela incansável rientaçã científica, pela revisã crítica e prtuna d text, pela cedência e indicaçã de alguma bibligrafia fundamental, pela cmpetência e rigr, pela acessibilidade, crdialidade e simpatia demnstradas, e pela paciência e dispnibilidade que sempre demnstru. vi

7 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Índice I. Intrduçã... 1 II. Desenvlviment A pele d cur cabelud Estrutura mrflógica d cabel Estrutura mlecular d cabel Fases d cicl d cresciment capilar Pigmentaçã natural d cabel Prduts capilares Champôs Cndicinadres Fixadres Tintas e desclrantes Alterações permanentes d cabel: ndulaçã e alisament Afeções dermcsméticas d cabel e cur cabelud Alpécias Trataments alternativs para a queda d cabel Caspa Dermatite sebrreica Sensibilidade e intlerância a prduts capilares Nvas frmas de veiculaçã de ingredientes ativs Lcais alv Administraçã de cmpsts pr via flicular Estratégias para melhrar a absrçã flicular III. Legislaçã ds prduts csmétics IV. Cnclusã V. Referências VI. Anexs vii

8 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Índice de figuras Figura 1 Estrutura da pele humana Figura 2 Estrutura interna das fibras de cabel... 5 Figura 3 Representaçã das diferentes fases d cicl de cresciment capilar. A: anagénese (fase de cresciment); B: Catagénese (fase de degeneraçã); C: Telgénese (fase de repus) Figura 4 (a) Esquematizaçã da estrutura ds surfatantes (parte hidrfílica e parte hidrfóbica) e (b) representaçã d seu cmprtament em mei aqus Figura 5 Cmpsiçã geral de um champô Figura 6 Mecanism de clraçã das tintas temprárias. As mléculas de cr, pr serem demasiad grandes, nã penetram na cutícula, ficand apenas adsrvidas na superfície d cabel Figura 7 Mecanism de açã das clrações permanentes. Os cmpsts de baix pes mlecular penetram para interir da fibra, nde reagem e frmam cmpsts maires que ficam aprisinads, prduzind a cr desejada Figura 8 Reaçã química básica que crre entre s agentes redutres e a queratina d cabel Figura 9 Reaçã de fixaçã Figura 10 Serena repens, planta e bagas Figura 11 Flhas de Ginkg bilba Figura 12 - Rsemarinus fficinalis, tradicinalmente cnhecid pr alecrim viii

9 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Índice de tabelas Tabela 1 Cmpnentes ds champôs cmuns e algumas das suas funções Tabela 2 Classificaçã ds surfatantes e alguns exempls Tabela 3 - Frmulaçã de um champô Tabela 4 - Frmulaçã de uma dispersã cndicinadra Tabela 5 - Frmulaçã de um prdut fixadr, laca em spray Tabela 6 - Frmulaçã de uma tinta para clraçã Tabela 7 - Frmulaçã de um prdut de ndulaçã permanente Tabela 8 - Algumas das causas mais cmuns d eflúvi telégen Tabela 9 - Cmpsts destinads a cntrl ds fatres que pdem desencadear a queda de cabel Tabela 10 - Frmulaçã de amplas de tratament, destinadas a cmbater a alpécia. 30 Tabela 11 Exempls de cmpsts utilizads nas frmulações anticaspa Tabela 12 - Frmulaçã de um champô anticaspa Tabela 13 - Frmulaçã de um champô destinad a cntrl da prduçã de seb Tabela 14 - Exempls de veículs utilizads nalguns estuds científics para a veiculaçã de cmpsts pr via flicular ix

10 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs I. Intrduçã O cabel n cur cabelud, apesar de nã desempenhar uma funçã vital, tem cm funçã prteger a cabeça de traumatisms, da perda de calr, e ainda das agressões d sl (Marieb e Hehn, 2007). Para além diss, é um element muit imprtante d nss crp, e apresenta uma enrme imprtância n bem-estar e na autestima quer ds hmens, cm das mulheres (Harrisn e Sinclair, 2003, Tsti e Gray, 2007, Gray, 2008). Assim, diagnóstic e tratament de patlgias d cabel e d cur cabelud sã de grande imprtância na melhria da qualidade de vida ds dentes (Tsti e Gray, 2007). O cabel é uma das pucas características físicas que pdems facilmente alterar, quer quant à sua frma, cmpriment u cr (Blduc e Shapir, 2001, Harrisn e Sinclair, 2003). Os csmétics capilares sã preparações destinadas a cntact cm cabel e cm cur cabelud, cm bjetiv de limpar, alterar a sua aparência e ainda prteger e manter ambs em bas cndições (Trueb, 2005). N entant, a açã destes prduts está dependente quer da rganizaçã interna, quer da cnstituiçã prteica d cabel, pel que, s diferentes tips de cabel (incluind cabel danificad) apresentam diferentes afinidades para s váris prduts csmétics (Harrisn e Sinclair, 2003). O champô é a frma farmacêutica para us capilar mais usada (Trueb, 2005, Tsti e Gray, 2007). Se inicialmente tinha cm únic bjetiv limpar cabel e cur cabelud, ns dias de hje, cnsumidr espera muit mais destes prduts. A indústria csmética está cnsciente dist, e prcura cada vez mais a incrpraçã de ingredientes csmétics ativs que satisfaçam as exigências ds cnsumidres (Trueb, 2005). Neste trabalh fi realizada uma extensa pesquisa bibligráfica, de md a atingir s seguintes bjetivs: Descrever a anatmia e fisilgia d cabel e d cur-cabelud; Fazer uma revisã bibligráfica ds principais prduts de csmética capilar; Descrever as afeções csméticas d cabel e cur cabelud mais significativas; Abrdar as perspetivas futuras ds nvs veículs de administraçã capilar. 1

11 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs II. Desenvlviment 2.1 A pele d cur cabelud Em 1984, Headingtn publicu um imprtante trabalh, nde descreveu de frma detalhada, a anatmia d cur cabelud, revlucinand assim, a avaliaçã das denças capilares d cur cabelud (Headingtn, 1984, Fltte, 2008). O cur cabelud, e de uma frma geral a pele, pdem ser dividids em três camadas principais: epiderme, derme e hipderme (Michalun, 2009). O filme hidrlipídic, pr vezes é cnsiderad cm uma 4ª camada, a mais externa (Degim, 2006) A hipderme crrespnde à camada mais prfunda da pele, situada debaix da derme, e é cmpsta essencialmente pr tecid cnjuntiv lax e adips (Michalun, 2009, Bhushan, 2010). As suas funções prendem-se cm a regulaçã térmica d crp e a prteçã mecânica ds órgãs interns (Michalun, 2009). A derme situa-se debaix da epiderme, e suprta-a quer estrutural que nutricinalmente. É cnstituída pr tecid cnjuntiv dens, e apresenta vass sanguínes, nervs, flículs pilss, músculs eretres d pel, glândulas sudríparas e glândulas sebáceas. A grande mairia das células da derme sã s fibrblasts, que sintetizam clagéni e a elastina. Para além ds fibrblasts, encntram-se ainda células nervsas especializadas, que transmitem as sensações de pressã e tat (Michalun, 2009). A epiderme crrespnde à camada mais externa da pele, visível a lh nu. É um epitéli paviments estratificad e avascularizad, que está em cnstante renvaçã e que pde ser dividid em cinc subcamadas (Michalun, 2009): Camada basal Camada espinhsa Camada granular Estrat lúcid Estrat córne As principais células da epiderme sã s queratinócits, que cnstituem 95% da camada, crrespndend s restantes 5% as melanócits, células de Langerhans e 2

12 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs células de Merkel (Menn, 2002). Os queratinócits prliferam a partir da camada basal, e sfrem um prcess de diferenciaçã durante qual atravessam as sucessivas camadas da epiderme, até atingirem estrat córne (Marieb e Hehn, 2007, Bhushan, 2010). O estrat córne, send a camada mais externa, é aquela que entra em cntat diret cm s prduts de csmética. O estrat córne é cmpst pr camadas de células mrtas, anucleadas, ricas em queratina e envlvidas pr uma matriz lipídica extracelular, s crneócits (Ldén M., 2006). Ele serve cm uma barreira de prteçã cntra as várias agressões ambientais, prevenind a penetraçã de substâncias estranhas a rganism, a mesm temp que retém seu cnteúd principalmente água, eletrólits e nutrientes (Marieb e Hehn, 2007). A água é de fact essencial para nrmal funcinament d estrat córne (Bhushan, 2010). O cur cabelud é frmad pr unidades anatómicas, que cntêm grups de 1 a 4 fis de cabel, envltas pr um anel de tecid cnjuntiv que as prtege, cm inervaçã e circulaçã próprias, e também cm glândulas sebáceas que dã lesidade natural a cur cabelud (Marieb e Hehn, 2007, Rakwska et al., 2009). Em média, cur cabelud apresenta mais de flículs pilss. Em cada flícul crescem cerca de 20 nvas fibras de cabel durante a vida. Cada fi de cabel cresce durante váris ans, em média 6 ans, antes de cair e ser substituíd pr um nv (Bhushan, 2010, Gummer, 1999). O cresciment é regular, cerca de 1/3 milímetrs pr dia, u seja,1cm pr mês (Barata, 2002). 2.2 Estrutura mrflógica d cabel O cabel é um apêndice que deriva da epiderme, e pde ser dividid em duas partes principais, uma haste (parte visível) e uma raiz. Cada pel encntra-se numa depressã da pele crrespndente a uma invaginaçã de tecid epidérmic na derme, denminad flícul pils. A raiz evidencia-se a partir de uma expansã arredndada d flícul, denminada blb pils, que assenta numa camada germinativa, a papila, nde crre a regeneraçã d pel e seu cresciment (Barata, 2002, Blduc e Shapir, 2001). Para além diss, tds s flículs pilss apresentam uma glândula sebácea anexa (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). O seb prduzid pr estas glândulas está envlvid na 3

13 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs diferenciaçã da epiderme, na manutençã da barreira prtetra, n dr crpral e prteçã cntra a radiaçã ultra vileta (Thibutt et al., 2003, Zubulis, 2003). Figura 1 Estrutura da pele humana (Seeley et al., 2003). A haste d cabel é uma frmaçã epitelial córnea, que apresenta uma estrutura de várias camadas de células sbrepstas que cmpõem as suas três camadas: cutícula, córtex e nalguns cass medula na regiã central (Feughelman, 1997a, Bhushan, 2010, Dawber, 1996, Barata, 2002). Tdas estas camadas sã cmpstas pr células mrtas, preenchidas essencialmente pr queratina (Marieb e Hehn, 2007, Bhushan, 2010). De fact, e dependend da quantidade de água, cabel é cnstituíd aprximadamente entre 65 a 95% pr queratina, send s restantes cnstituintes água, lípids e pigments (Bhushan, 2010). 4

14 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Figura 2 Estrutura interna das fibras de cabel (Seeley et al., 2003). A cutícula é cmpsta pr 6 a 10 camadas de células, sbrepstas umas sbre as utras (cm as telhas num telhad) e dispstas segund eix lngitudinal d fi de cabel (Bhushan, 2010, Dawber, 1996, Blduc e Shapir, 2001, Barata, 2002). Sã translúcidas, sem pigments e ttalmente queratinizadas. A cutícula prtege córtex subjacente e atua cm uma barreira (Barata, 2002). Numa cutícula nrmal, sem estrags, as células estã acnchegadas a eix d cabel, tend pr iss uma aparência macia, que permite a reflecçã da luz e a diminuiçã da fricçã entre s fis de cabel. A cutícula é prtant a respnsável pel brilh e textura d cabel (Draels, 1991). Pr utr lad, num cabel danificad, esta superfície apresenta-se áspera e cm irregularidades, devid às cargas elétricas negativas que se acumulam e fazem levantar as células (Barata, 2002). O córtex é respnsável pela grande resistência ds fis de cabel. Lcaliza-se em vlta da medula (quand presente), e é cmpst pr células crticais alngadas, firmemente cmpactadas, preenchidas cm filaments de queratina que estã rientads paralelamente à fibra d cabel (Blduc e Shapir, 2001, Feughelman, 1997b). 5

15 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs A medula, cm já fi dit, pde u nã estar presente nas fibras de cabel human. De uma frma geral nã cntribui significativamente para a massa d fi d cabel, e acredita-se que a sua cntribuiçã para as prpriedades mecânicas é negligenciável, pel que desempenha um pequen u nenhum papel na csmética (Blduc e Shapir, 2001, Dawber, 1996, Bhushan, 2010). 2.3 Estrutura mlecular d cabel O cabel é assim uma fibra natural, elástica e muit resistente (Barata, 2002). Grande parte destas prpriedades é determinada pela queratina, que cm já fi referid é principal cmpst presente ns fis de cabel. A queratina é uma prteína secundária prduzida pels queratinócits, e cnstituída pela mistura de váris aminácids, send mais imprtante a cistina (Bhushan, 2010). As unidades de cistina pdem ligar s filaments de queratina adjacentes, através de pntes dissulfúricas (-S-S-) (Feughelman, 1997b). Este tip de ligaçã frte é respnsável pela grande estabilidade química e física das fibras de queratina, cntribuind ainda para a frma e textura d cabel (Sinclair, 2007, Blduc e Shapir, 2001). As pntes dissulfúricas permanecem intactas pr exempl, quand cabel é mlhad, permitind que este retrne à sua frma riginal (Sinclair, 2007). Para além destas, utras ligações mais fracas, tais cm a interações de Van der Waals e pntes de hidrgéni, cntribuem para a ligaçã das cadeias plipeptídicas. N entant, a cntrári das anterires, estas sã facilmente quebradas, pr exempl cm aqueciment d cabel (Feughelman, 1997b). 2.4 Fases d cicl d cresciment capilar O cresciment das fibras de cabel n interir d flícul pils nã crre de frma cntínua e ininterrupta (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Assim, a prduçã de nvs fis de cabel crre em cicls de três fases (fig. 3), denminads anagénese (cresciment), catagénese (regressã) e telgénese (repus) (Stenn e Paus, 2001). 6

16 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Figura 3 Representaçã das diferentes fases d cicl de cresciment capilar. A: anagénese (fase de cresciment); B: Catagénese (fase de degeneraçã); C: Telgénese (fase de repus) (Fitzpatrick e Wlff, 2008). A anagénese é a fase ativa, u seja, de rápida prliferaçã a partir das células da matriz da papila dérmica frmada n interir d blb (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Estas células apresentam uma elevada atividade mitótica, que leva à frmaçã d cabel, e a seu cresciment até atingir a maturidade (Alns e Fuchs, 2006, Barata, 2002). A duraçã desta fase (entre 3 a 4 ans) determina cmpriment d fi de cabel (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, Whiting e Dy, 2008). Segue-se a fase catagénica, que crrespnde a uma fase de terminaçã quer da prliferaçã quer da diferenciaçã, pr diminuiçã da mitse nas células da matriz (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, Whiting e Dy, 2008). Durante esta fase, cabel nã sfre alterações significativas d seu aspet, desprende-se da matriz e sbe para flícul pils. A catagénese tem uma duraçã aprximada de 3 a 4 semanas (Barata, 2002, Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Pr últim, durante a telgénese, pel queratinizad prgride até à superfície. Na matriz inicia-se a prduçã de um nv fi, que frça desprendiment final d cabel (Alns e Fuchs, 2006, Barata, 2002). A telgénese tem duraçã média de 3 meses, e uma vez que, entre 5% a 10% ds cabels d cur cabelud se encntram nesta fase, cerca de 100 fis de cabel caem diariamente (Whiting e Dy, 2008). 7

17 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs 2.5 Pigmentaçã natural d cabel A cr d cabel é determinada pela melanina. Ela é prduzida pels melanócits presentes na matriz d blb capilar, send depis transferida em melanssmas para as células d córtex durante a anagénese (Fitzpatrick e Freedberg, 2003, Harrisn e Sinclair, 2003, Feughelman, 1997b, Gray, 2008). Cnsidera-se que a cr d cabel resulta da presença de dis tips principais de melaninas: as eumelaninas e as femelaninas. A eumelanina é em geral mais abundante, e é principal pigment encntrad ns cabels castanhs/prets. A femelanina é mens abundante, e é pigment predminante ns cabels lurs e ruivs (Fitzpatrick e Freedberg, 2003, Ha e Rees, 2002). Assim, a cr natural d cabel é a cnsequência das prprções relativas de eumelanina/femelanina e da quantidade ttal de melanina presente n cabel (Sinclair et al., 1999, Gray, 2008). A clraçã d cabel é cntrlada geneticamente, pr um prcess muit puc cnhecid (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). O cabel cinzent u branc resulta da diminuiçã da prduçã de melanina pels melanócits, e é a manifestaçã mais clássica d envelheciment (Trueb, 2006, Marieb e Hehn, 2007, Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Este prcess é quase sempre irreversível, e s prduts csmétics prcuram cmbate-l das mais diversas frmas (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). 8

18 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs 2.6 Prduts capilares Champôs O champô é prdut mais usad n tratament e manutençã das cndições d cabel e d cur cabelud (Trueb, 2007). Até à intrduçã d primeir champô nã alcalin em 1933, sabã era únic mei dispnível para a limpeza d cabel (Trueb, 2007). N entant, ns dias de hje, espera-se que s champôs sejam muit mais que agentes de limpeza, pel que as crrentes frmulações estã adaptadas as váris tips de cabel, as diferentes hábits de cuidad capilar, e ainda as pssíveis prblemas relacinads cm cur cabelud (Trueb, 2005, Trueb, 2007). Desta frma, é natural que as frmulações atuais sejam cmpstas pr mais de 30 ingredientes (tabela 1), nmeadamente (Draels, 2010): Agentes de limpeza (tensiativs primáris e secundáris) Estabilizadres de espuma Espessantes Opacificantes Agentes quelantes Agentes cndicinadres Tampã Cnservantes Armatizantes Crantes Pdem incluir ainda, ingredientes de cuidads especiais (Trueb, 2007, Trueb, 2005, Shapir e Maddin, 1996). N anex 1 encntra-se uma lista nã exaustiva, cm alguns exempls ds principais cmpsts utilizads em prduts capilares. 9

19 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Tabela 1 Cmpnentes ds champôs cmuns e algumas das suas funções. Cmpnentes ds champôs Agentes de limpeza Estabilizadres de espuma Espessantes Opacificantes Agentes quelantes Cndicinadres Tampã Cnservantes Adjuvantes Ingredientes ativs Funções Emulsinam a grdura e previnem a sua depsiçã Remvem a sujidade e grdura d cabel e cur cabelud Estabilizam a mistura Aumentam a quantidade e a qualidade da espuma. Cntrlam as prpriedades relógicas da frmulaçã Aumentam a viscsidade d champô Alteram as prpriedades óticas d champô sem alterar as suas prpriedades de limpeza Quelatam s iões de cálci e magnési Previnem a depsiçã de cmplexs que trnam cabel baç Diminuem a eletricidade estática Prmvem brilh Desembaraçam cabel Ajustam ph Previnem a decmpsiçã e a cntaminaçã d champô Melhram as prpriedades da frmulaçã (a cr, perfume) Usads n tratament de alterações d cabel/cur cabelud (ex.: caspa; queda de cabel) Agentes de limpeza A capacidade de limpeza d champô depende da presença na sua cmpsiçã de detergentes, também designads pr surfactantes u tensiativs. Tds s tensiativs pssuem brigatriamente uma estrutura anfílica, que cnsiste numa prçã hidrófila, parte plar e slúvel em água, e uma prçã lipófila, slúvel na grdura (fig. 4) (Trueb, 2007, Bhushan, 2010). Dependend da carga da prçã plar, s surfatantes sã classificads em aniónics, catiónics, anftérics, e nã iónics (Builln, 1996, Trueb, 2007, Trueb, 2005, Bhushan, 2010). Na tabela 2 encntra-se a classificaçã ds surfatantes cm base na carga d seu terminal hidrfílic, bem cm alguns exempls utilizads na frmulaçã de champôs. 10

20 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Figura 4 (a) Esquematizaçã da estrutura ds surfatantes (parte hidrfílica e parte hidrfóbica) e (b) representaçã d seu cmprtament em mei aqus. Tabela 2 Classificaçã ds surfatantes e alguns exempls. Classificaçã ds tensiativs Aniónics O terminal hidrfílic tem carga negativa Catiónics O terminal hidrfílic tem carga psitiva Anftérics A carga d terminal hidrfílic depende d ph Nã iónics A parte hidrfílica nã tem iões, e pde ser tã cmprida cm a parte hidrfóbica Exempls Álcis grds sulfurads Alquil-sulfats e s seus análgs plietxilads Ex.: Ddecil Sulfat de sódi (SDS) Derivads de amóni quaternári Ex.: Clret de benzalcóni Betaínas Derivads de sarcsina Álcis grds etxilads Ex.: laureth, ceteth, steareth Óxids de amina Ex.: óxid de lauramina Cada um destes grups pssui diferentes características de limpeza e de cndicinament d cabel, e ainda que pareça um puc cnfus, a cmpreensã ds detergentes é a chave para determinar qual champô mais aprpriad para um paciente cm determinad prblema (Draels, 2010). Tensiativs aniónics derivam ds álcis grds, e sã excecinalmente capazes de remver seb d cabel e cur cabelud. Estes facilitam a remçã da sujidade através da reduçã da tensã superficial entre a sujidade e a água, de md a que a sujidade é suspensa na fase aqusa e é repelida d cabel (Trueb, 2007, Trueb, 2005). Ou seja, devid à estrutura anfílica, s prduts lipsslúveis (seb e a sujidade) sã 11

21 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs aprisinads n centr da micela frmada, cm a prçã hidrfílica (carregada negativamente) vltada para fra (Trueb, 2007). Cm as fibras de cabel sã também elas carregadas negativamente, e cm duas cargas negativas se repelem, as partículas de sujidade sã facilmente remvidas d cabel (Bhushan, 2010, Trueb, 2007, Trueb, 2005, Builln, 1996). Cntud, a remçã ttal de grdura d cabel, nã é bem aceite pel cnsumidr, pis cabel fica sec, ásper, sem brilh, cm eletricidade estática, e difícil de desembaraçar (Draels, 2010). As principais classes químicas ds tensiativs aniónics sã: Laurilsulfats Lauriléter sulfats Sarcsinats Sulfsucinats Tensiativs catiónics em geral, apresentam uma capacidade limitada de remçã d seb, nã prduzem espuma, e sã incmpatíveis cm s detergentes aniónics (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, Draels, 2010). Cntud, pssuem prpriedades humectantes, anti estáticas, e uma imprtante atividade antimicrbiana (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Os surfactantes catiónics sã usads cm tensiativs primáris em frmulações em que é desejável uma capacidade mínima de limpeza, tais cm champôs de us diári para cabels pintads u desclrads (Draels, 2010). N entant, a aplicaçã csmética mais imprtante destes tensiativs é a frmulaçã de emulsões que atuam cm amaciadres. As mléculas mais utilizadas sã s sais de amóni quaternári (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Tensiativs nã iónics apresentam uma capacidade detergente média e sã puc espumss, pel que sã utilizads essencialmente cm tensiativs secundáris em cnjunt cm s tensiativs aniónics (Draels, 2010). Cntud, as mléculas nã iónicas pdem desempenhar uma atividade múltipla, que interfere cm as caraterísticas d prdut final, tais cm, viscsidade, frmaçã de espuma, emliência, efeit cndicinadr, entre utras (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Os principais cmpsts utilizads cm tensiativs nã iónics sã s óxids de amina e derivads etxilads (Pns Gimier e Parra Juez, 2005) 12

22 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Tensiativs anftérics pdem encntrar-se carregads quer psitiva quer negativamente, pel que se cmprtam cm detergentes catiónics a ph baix, e cm detergentes aniónics a ph elevad (Draels, 2010). Assim, partilham as prpriedades de ambs, send em geral, bns humectantes, bns espumantes, pssuem uma ba tlerância cutânea, e nã sã irritantes para s lhs (sã pr iss muit utilizads na frmulaçã de champôs para bebés) (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, Draels, 2010). Os cmpsts mais utilizads cm tensiativs anftérics sã s derivads de betaína e de sulfbetaínas e s derivads d ácid aminprpiónic (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Assim, para alcançarem tds s resultads desejads, as frmulações de champôs utilizam uma mistura de tensiativs (Builln, 1996, Trueb, 2007). Em geral é utilizad um aniónic frte (pr exempl um alquilsulfat de elevad pder detergente, espumante e fácil de espessar) cm tensiativ primári, e um tensiativ secundári frac (pde ser um aniónic, anftéric u mesm um nã iónic) para melhrar as prpriedades ds tensiativs primáris (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Estabilizadres de espuma Uma das características mais imprtantes de um champô, d pnt de vista d cnsumidr, é a sua capacidade de fazer espuma, ainda que ist nã represente a capacidade de limpeza d prdut (Draels, 2010). Assim, para a prduçã de uma espuma abundante, cremsa, e estável, é necessária a incrpraçã de cmpsts estabilizadres, tais cm as aminas grdas e s óxids de amina (tensiativs nã iónics) (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Espessantes e pacificantes Estes cmpsts alteram as prpriedades físicas e óticas ds champôs, sem aumentar a sua capacidade de limpeza (Draels, 2010). Os espessantes aumentam a viscsidade, que muits cnsumidres cnsideram trnar champô melhr, e facilitam a sua aplicaçã, enquant s pacificantes, sã adicinads para alterar as prpriedades óticas, cnferind perlescência a champô (Draels, 2010). 13

23 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Agentes quelantes Os agentes quelantes ainda que nã participem na limpeza d cabel sã essenciais, pis sequestram s iões de cálci e magnési presentes na àgua, prevenind a frmaçã de sais inslúveis que se depsitam n cabel, trnand- baç (Draels, 2010). Cndicinadres Muits champôs têm na sua frmulaçã agentes cndicinadres, cuja funçã é a mesma ds cndicinadres cmplets usads separadamente (Bhushan, 2010). Estes prduts serã discutids em detalhe na secçã seguinte. Outrs adjuvantes Para além de exercerem a sua funçã principal, s champôs devem ser estáveis (quer química, quer micrbilgicamente) e ter um aspet apelativ (cr atrativa, cheir agradável). Assim, as frmulações pdem cnter váris tips de excipientes, tais cm: cnservantes, perfumes e crantes (Bhushan, 2010, Trueb, 2007, Gray, 2001). Substâncias csméticas ativas As substâncias csméticas ativas sã adicinadas as champôs para tratament u cntrl de prblemas que afetam cur cabelud, tais cm caspa, sebrreia, psríase u queda de cabel (Gray, 2001, Shapir e Maddin, 1996, Trueb, 2007). As frmulações e cmpsts destinads a tratament destes prblemas específics serã tratads em detalhe n pnt 2.7: Afeções dermcsméticas d cabel e d cur cabelud. Na figura 5 encntra-se resumida a cmpsiçã de um champô cmum, cm s principais ingredientes, bem cm alguns exempls utilizads nas frmulações atuais. Na tabela 3 está descrita a frmulaçã de um champô. 14

24 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Figura 5 Cmpsiçã geral de um champô. Tabela 3 - Frmulaçã de um champô (adaptad de Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Lauril éter sulfat de sódi (28% m.a.) 55,0% Alquil hemisulfsuccinat de sódi (40% m.a.) 7,0% Ccil dietanlamida 2,0% Clret de sódi 2,0% Ácid cítric 0,1% Cnservante 0,1% Perfume 0,4% Água desmineralizada 33,4% 15

25 Csmética Capilar: estratégias de veiculaçã de ingredientes ativs Cndicinadres A utilizaçã de cndicinadres é um fenómen recente, quand cmparada cm a utilizaçã de prduts para a limpeza d cabel e d cur cabelud (Gray, 2001). Cm já fi dit anterirmente, muits champôs cntêm na sua cmpsiçã agentes cndicinadres (Gray, 2001, Rushtn et al., 1994). Em 1987, a Prcter & Gamble através de uma manbra de marketing, intrduziu primeir champô 2 em 1 (champô + cndicinadr), cm partículas de dimeticne (silicne) suspensas numa mistura de surfactante (Gray, 2001, Rushtn et al., 1994). Hje em dia, quase tds s champôs dispníveis n mercad cntêm agentes cndicinadres, que prcuram reduzir s dans causads pels detergentes frtemente aniónics (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Para além ds champôs, existem ainda prduts destinads à aplicaçã após lavagem d cabel, que assumem imprtância pr diminuírem s dans causads pels prduts alcalins, tais cm desclrantes, tintas e desfrisantes (Blduc e Shapir, 2001, Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Os cmpsts cm prpriedades cndicinadras sã mléculas quimicamente muit díspares. N entant, quer s champôs cndicinadres, quer as emulsões que se aplicam depis da lavagem, sã frmuladas cm as mesmas mléculas, já que se pretendem s mesms efeits: prteger a fibra, aumentar d brilh e facilitar pentead (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, La Trre e Bhushan, 2006). Cm esta finalidade sã utilizadas várias substâncias (anex 1), nmeadamente (Pns Gimier e Parra Juez, 2005, Trueb, 2007): Lípids - especialmente derivads da lanlina, certs ésteres grds, algumas ceras, manteiga de Karité e lecitinas; Cplímers de silicne; Prteínas - principalmente hidrlisads prteics de clagéni, prteínas animais e seda; Tensiativs catiónics - quase sempre cmpsts de amóni quaternári. N entant, a incrpraçã de tensiativs catiónics em champôs, implica prescindir da utilizaçã ds tensiativs aniónics frtes, devid à sua incmpatibilidade. Assim, sã utilizads essencialmente na frmulaçã das emulsões amaciadras, para aplicar após a lavagem (Pns Gimier e Parra Juez, 2005). Estes cmpsts sã bastante 16

Composição química dos seres vivos I

Composição química dos seres vivos I a a a a ã Cmpsi química ds seres vivs I ã a a a ã ã a a a a ã Milhões de espécies cm frmas e tamanhs variads habitam s mais diverss ambientes d nss planeta e tdas elas, ds mais simples micrrganisms até

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Procedimentos Estéticos

Procedimentos Estéticos Abaix estã relacinads s prcediments realizads pel prfissinal bimédic habilitad em bimedicina estética de acrd cm as resluções e nrmativas vigentes d Cnselh Federal de Bimedicina (CFBm) que autrizam, cnfrme

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma?

Glaucoma. O que é glaucoma? Glaucma O que é glaucma? Glaucma é a designaçã genérica de um grup de denças que atingem nerv óptic (ver figura 1) e envlvem a perda de células ganglinares da retina num padrã característic de neurpatia

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Avaliação. Com base nos ensaios realizados, a exposição permanente aos agentes químicos em questão não causa alterações nas propriedades do sistema.

Avaliação. Com base nos ensaios realizados, a exposição permanente aos agentes químicos em questão não causa alterações nas propriedades do sistema. Bebidas Glicerina + Cerveja + Heptan + Cnhaque, aguardente 40% vl. + Hexan + Suc de frutas + Álcl isprpílic Refrigerantes + Quersene + Leite + Água raz + Suc de uva + Metanl - Vinh + Clret de metilen -

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Serviços de Fisioterapia Estética Corporal e Facial. Tratamentos corporais

Serviços de Fisioterapia Estética Corporal e Facial. Tratamentos corporais Serviçs de Fisiterapia Estética Crpral e Facial. Trataments crprais Prtcl Redutr Pacte : 10 sessões R$ 380,00 Manta térmica Ultra-sm u crrente russa Massagem mdeladra R$ 285,00 em 2x Ent/30 u R$ 270,00

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil VERMJCULITA HIDROFOBIZADA PARA O TRATAMENTO DE EFLUENTES DA FLOTAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO. J. MARTINS, L.C.R. MACHADO", S.A. VIEIRA FILHO, V.A. LEÃO" Escla de Minas. ** Escla de Farmácia Universidade Federal

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

Caldas Ecológicas Diversas

Caldas Ecológicas Diversas Caldas Eclógicas Diversas 1. Calda Brdalesa 1% (FUNGICIDA): Para se preparar a calda, utilizar: 1 kg de sulfat de cbre; 1 kg de cal virgem; 100 litrs de água Md de preparar: Para se ter uma calda brdalesa

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander Intervenções Psicfarmaclógicas para Cmprtaments Repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista Psychfarmaclgic Interventins fr Repetitive Behavirs in Autism Spectrum Disrders Child and Adlescent Psychiatric

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Módulo I (Introdutório 32 horas)

Módulo I (Introdutório 32 horas) Módul I (Intrdutóri 32 hras) Data: 31/Outubr - 3/Nvembr/2013 Prgrama: Fundaments de Química, Biquímica, Bilgia Celular e Mlecular Biquímica da Nutriçã e Regulaçã Endócrina d Metablism: Fundaments de Endcrinlgia

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai ems@uevra.pt Departament de Geciências Universidade de Évra 2006 Elsa P. M. Sampai ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ALTERAÇÃO DAS ROCHAS 2.1 PRINCIPAIS

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes Universidade Federal da Paraíba Centr de Ciências Exatas e da Natureza Departament de Química Disciplina: Química Geral Sluções Curs: Química Industrial Prfessra: Liliana Lira Pntes Cnceits Sluções Sluçã

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

FERRO PARA A SAÚDE. Deficiência em ferro: a preocupação. Ferro na alimentação

FERRO PARA A SAÚDE. Deficiência em ferro: a preocupação. Ferro na alimentação FERRO PARA A SAÚDE Licinia de Camps Ferr é um imprtante mineral para a saúde. O ferr faz parte de tdas as células. O ferr (cm parte da prteína hemglbina) carreia xigêni ds pulmões para td rganism. A mairia

Leia mais

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B Questã 31 Os irradiadres de aliments representam hje uma pçã interessante na sua preservaçã. O aliment irradiad, a cntrári d que se imagina, nã se trna radiativ, umavezquearadiaçãquerecebeédtip gama. A

Leia mais

Em qualquer situação é importante que estejamos perante um desconhecido PURO.

Em qualquer situação é importante que estejamos perante um desconhecido PURO. Química Orgânica II Identificaçã de cmpsts. Em qualquer situaçã é imprtante que estejams perante um descnhecid PURO. Se a amstra cntém 1 cmpnente: estad de pureza (F u Eb) + identificaçã sistemática. Se

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA

LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA LIMPEZA E DESINFECÇÃO TÉRMICA Cm avanç da tecnlgia nas ultimas décadas, a Central de Materiais e Esterilizaçã CME, adaptu seus métds de limpeza para acmpanhar desenvlviment ds materiais e artigs médic-dnt-hspitalares,

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 1. NOVARTIS NO MUNDO A Nvartis é uma cmpanhia farmacêutica, líder mundial na investigaçã e desenvlviment de sluções de saúde invadras destinadas a dar respsta às necessidades

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

newsletter IFD Cabelos cuidados Outubro 2012 Informação Técnica para Profissionais de Saúde SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA

newsletter IFD Cabelos cuidados Outubro 2012 Informação Técnica para Profissionais de Saúde SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA newsletter Outubro 2012 Cabelos cuidados Informação Técnica para Profissionais de Saúde IFD SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA 1. O cabelo e a sua fisiologia O cabelo é formado por duas

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação Cmpetências Clínicas para a Prática de Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã (Cnsultres em Amamentaçã) demnstram

Leia mais

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO Objetiv d Manual Este manual bjetiva apresentar a frma de cm se desenvlver um artig científic. Tende a demnstrar as partes que cmpõem um artig e uma

Leia mais

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução Visã pr Cmputadr http://gec.di.uminh.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminh.pt/mcc/vpc LESI / LMCC 5º An Intrduçã Jã Luís Ferreira Sbral Departament d Infrmática Universidade d Minh Setembr 2003 Prgrama Intrduçã

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLÉSTER VF BRANCO 028/04 Data da última revisã: 20.02.2008 Códig Nº: PA32.096 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos.

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos. TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA Catalisadres enzimátics para bidegradações para resídus sólids rgânics. Inici ds testes de labratóri Care Systems: Objetivs Aceleraçã ds prcesss de bidegradaçã. Tratament

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Espécies recomendadas para os relvados do campo de golfe da ADT-3 - Herdade da Comporta

Espécies recomendadas para os relvados do campo de golfe da ADT-3 - Herdade da Comporta Espécies recmendadas para s relvads d camp de glfe da ADT-3 - Herdade da Cmprta Preparad pr: Dr. Charles H. Peacck Senir Agrnmist Audubn Envirnmental 1000 St. Albans Drive, Suite 350 Raleigh, Nrth Carlina

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

Máquinas Eléctricas. b2 D. Sobre dois elementos de circuito dotados de resistência eléctrica ABC e ADC deriva-se um ramo ou ponte BD e

Máquinas Eléctricas. b2 D. Sobre dois elementos de circuito dotados de resistência eléctrica ABC e ADC deriva-se um ramo ou ponte BD e Labratóri de Máquinas léctricas Métd da Pnte de Wheatstne Manuel Vaz uedes Núcle de studs de Máquinas léctricas FUL NNHRI UNIVRSI O PORTO O estud experimental das máquinas eléctricas exige cnheciment d

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

ONLAY/INLAY (Incrustação)

ONLAY/INLAY (Incrustação) ONLAY/INLAY (Incrustaçã) 0 que significa Incrustaçã? A palavra incrustaçã é derivada d verb incrustar, que significa embutir, inserir u fixar-se. Prtant, term incrustaçã é utilizad em Odntlgia para denminar

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-10 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 7 3255 2000 Fax: +55 7 3255 2020

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLASTA F AZUL TITANIUM MET 214 Data: 10.10.2008 Revisã: 0 Códig Nº: PA 38.214. Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais