Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia 25-02-2014."

Transcrição

1 JUSTIFICAÇÕES AOS INCUMPRIMENTOS OCORRIDOS NO 25º TRIMESTRE DE ATIVIDADE JANEIRO A MARÇO DE ETAR da Fonte Quente ETAR da Fonte Quente Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, determinaram-se 54 parâmetros ao efluente tratado da ETAR, previstos no programa de autocontrolo da licença de descarga, tendo-se verificado o cumprimento de todos os VLE aplicáveis. Durante o período em análise é relevante destacar a elevada pluviosidade ocorrida, a qual contribui para a significativa afluência de caudais à ETAR. A concessionária pretende obter aprovação para a realização do aumento da capacidade nominal da instalação ao abrigo do plano de investimentos revisto da concessão, com vista a dar resposta a esta condição. Apesar da instalação se encontrar subdimensionada, com um regime de funcionamento exigente, o tratamento das águas residuais tem conseguido responder aos critérios de descarga definidos na licença. Destaca-se que a instalação tratou um caudal médio de 259 m3/hora neste trimestre, sendo o caudal de horizonte de projeto da instalação de 135 m 3 /h. A licença de descarga da instalação não define VLE para os parâmetros azoto total e fosforo total, no entanto destaca-se o cumprimento dos mesmos considerando o disposto na legislação em vigor. ETAR da Margem Sul ETAR da Margem Sul Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 6% 0% % Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia No trimestre em enfoque e até à data de entrega do presente relatório foram analisados 40 parâmetros. Verificouse o cumprimento dos VLE aplicáveis, exceto o único mencionado, e para os parâmetros não abrangidos pela mesma, foi cumprido o estipulado na legislação em vigor. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 1

2 O incumprimento dos CF, com o valor de NMP/100 ml, deveu-se à insuficiência de dosagem de hipoclorito de sódio. Salientam-se os elevados caudais afluentes neste período, que perturbam o funcionamento desta fase de tratamento. As concentrações de azoto e fósforo total no efluente tratado apresentaram-se baixas relativamente ao estipulado na legislação em vigor, destacando-se deste modo os níveis adequados de nitrificação e de desnitrificação conseguidos na instalação. ETAR do Pego ETAR do Pego Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 5% 10% % No presente trimestre foram realizadas 50 determinações analíticas, tendo-se verificado o incumprimento de dois parâmetros, os Coliformes Fecais, no dia 11 de Fevereiro e o Fosforo Total no dia 11 de Março. Os valores de Coliformes Totais justificam-se pela elevada precipitação que ocorreu na véspera e no dia da recolha da amostra, não tendo sido a adição de hipoclorito de sódio suficiente para responder ao elevado caudal afluente e efluente à instalação. O Fosforo Total apresentou o valor de 3mg/L quando a licença de descarga estabelece o limite de 2mg/l. Esta alteração foi consequência da dosagem insuficiente de Cloreto de Ferro, situação já solucionada pela Abrantaqua, uma vez que foi ajustado o valor a dosear de reagente. Nas restantes análises é importante destacar o bom desempenho da instalação na remoção dos restantes parâmetros CQO, CBO5, SST, Óleos gorduras, Azoto amoniacal, Óleos Minerais e dos Detergentes. ETAR de Tramagal ETAR de Tramagal Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 0% 7% % Neste trimestre realizaram-se 42 análises, tendo-se verificado um incumprimento no parâmetro Azoto Total. O valor Azoto Total acima dos limites de descarga é resultado de um processo de desnitrificação incompleto. A desnitrificação necessita de algumas condições para se desenvolver completamente, isto é, para dar origem a azoto molecular (fase gasosa), destacando-se a concentração de oxigénio dissolvido e a carga orgânica disponível. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 2

3 Neste sentido e considerando a existência de colmatação na obra de entrada, entende-se que o processo de desnitrificação não de desenvolveu da melhor forma por falta de carga orgânica. Para solucionar a situação a Abrantaqua alterou a obra de entrada colocando um tamisador para remover os gradados automaticamente e assim permitir ao afluente ser encaminhado de forma continuada para as seguintes fases de tratamento biológico. Apesar dos fatos mencionados, foram cumpridos os valores de descarga do fósforo total e em 2 das 3 determinações ao azoto total. ETAR de Rio de Moinhos ETAR de Rio de Moinhos Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, em 30 determinações realizadas, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis. Apesar da época do ano em questão, de menor incidência solar, e não sendo a instalação dotada de órgãos de referência para desinfeção total das águas residuais tratadas, salienta-se o desempenho da desinfeção ocorrida nas lagoas de maturação. ETAR de Paúl ETAR de Paúl Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No presente trimestre a ETAR cumpriu todos os VLE aplicáveis, tendo-se verificado portanto uma melhoria no desempenho em relação ao trimestre anterior. No entanto, salientamos, que neste período observou-se a afluência de um significativo caudal de origem pluvial, o que causou alguns distúrbios, como sejam a redução da biomassa no tratamento biológico. A Abrantaqua têm exposto na análise de desempenho das ETAR compactas condicionantes de funcionamento para este tipo de instalações, conforme referido no último documento apresentado relativo à análise das condicionantes e soluções de tratamento para as ETAR do Município de Abrantes, que se subscrevem a título suporte de eventuais resultados negativos que possam ocorrer nos sistemas de tratamento compactos, não obstante do controlo obtido sobre as presentes instalações estar a ser bastante positivo. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 3

4 ETAR de Abrançalha de Baixo ETAR de Abrançalha de Cima Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No presente trimestre e relativamente aos resultados analíticos recebidos, verificou-se que a instalação cumpriu todos VLE aplicáveis. Tratando-se de uma ETAR compacta, é de salientar o seu adequado desempenho. Contudo reconhecem-se ainda oportunidades de melhoria no tratamento, estando previsto a substituição da rede de difusores com o objetivo de beneficiar a oxigenação no tratamento biológico, melhorando assim o processo de oxidação da matéria orgânica e de nitrificação, e de otimização dos consumos energéticos. ETAR de Abrançalha de Cima ETAR de Abrançalha de Baixo Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis, destacando-se portanto o desempenho bastante positivo, especialmente se for considerado que se trata de uma ETAR do tipo compacto. Destaca-se a manutenção das concentrações adequadas de SST e SSV no tratamento biológico, apesar de neste período terem afluído elevados caudais de origem pluvial. Subscreve-se também as condicionantes subscritas acima para a ETAR do Paúl, do tipo compacto, com referência ao documento apresentado relativo à análise das condicionantes e soluções de tratamento para as ETAR do Município de Abrantes. ETAR de Concavada ETAR de Concavada Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 4

5 ETAR de Casa Branca ETAR de Casa Branca Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 10% 10% 10% % No trimestre em análise, a ETAR apresentou incumprimento do parâmetro ph em três amostragens ao efluente, sendo a média descarregada no trimestre de 6,0, sendo o intervalo de descarga estipulado para o referido parâmetro de 6 e 9, na escala de Sorensen. Conforme anteriormente comunicado, os valores ligeiramente reduzidos de ph devem-se ao consumo da alcalinidade no processo de redução da matéria orgânica e nitrificação pelos microrganismos, a qual não é reposta no processo de desnitrificação. Esta situação deve-se à condicionante da reduzida carga orgânica afluente à ETAR, assim como do contributo da menores temperaturas verificadas neste período que influência a velocidade de desnitrificação. A Abrantaqua já estabeleceu medidas para evitar este incumprimento, tendo definido intervalos de arejamento com base em menores concentrações de OD nas lamas ativadas, com o intuito de evitar o excessivo consumo de alcalinidade e procurar promover a ocorrência de desnitrificação. Subscreve-se também as condicionantes subscritas acima para a ETAR do Paúl, do tipo compacto, com referência ao documento apresentado relativo à análise das condicionantes e soluções de tratamento para as ETAR do Município de Abrantes. ETAR de Martinchel ETAR de Martinchel Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis, apresentando um bom desempenho no tratamento de águas residuais. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 5

6 ETAR de Bemposta ETAR de Bemposta Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No presente trimestre, em 6 amostragens realizadas ao efluente tratado, foram cumpridos os VLE aplicáveis. ETAR de Carvalhal ETAR de Carvalhal Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No trimestre em análise, a ETAR cumpriu os todos VLE. Destaca-se que o efluente evidencia, expeditamente, um aspeto de boa estabilização apresentando uma cor verde devido à presença de biomassa maioritariamente constituída por algas. A presente instalação será em breve alvo de beneficiação do processo de tratamento, com vista a dar efetivo comprimento dos critérios de descarga, conforme caracterizado nas comunicações dos relatórios anteriores e como consta no documento apresentado relativo à análise das condicionantes e soluções de tratamento para as ETAR do Município de Abrantes. ETAR de Casais Revelhos ETAR de Casais Revelhos Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis, tendo sido realizadas 6 amostragens, a que lhe correspondem a determinação de 30 parâmetros. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 6

7 ETAR de Sentieiras ETAR de Sentieiras Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No trimestre em estudo, foram determinados 16 parâmetros tendo-se verificado o cumprimento dos VLE aplicáveis a todos eles. ETAR de Crucifixo 1 e 2 ETAR de Crucifixo 1 Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas ETAR de Crucifixo 2 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 0% 0% % Durante o trimestre em análise, tanto a ETAR de Crucifixo 1 como a ETAR de Crucifixo 2 cumpriram todos os VLE aplicáveis. A ETAR do Crucifixo 2 não apresenta um tratamento secundário de referência que possibilite o cumprimento das condições de descarga. Nesta instalação, em vez de se prover o aumento do nível de tratamento, entendeu-se antes proceder a elevação das águas residuais pré-tratadas para a ETAR 1. Estes trabalhos ainda não se encontram executados. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 7

8 ETAR de Souto 1 e 2 ETAR de Souto 1 Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas ETAR de Souto 2 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos ETAR de Souto 1: Neste trimestre, a ETAR cumpriu os VLE para os parâmetros aplicáveis. ETAR de Souto2: Desde o período de arranque da concessão que nas visitas efectuadas à ETAR não se tem observado condições de afluência que permitam a recolha de amostras. A ETAR serve um conjunto de cerca de 5 habitações, que porventura apenas servem população flutuante. ETAR de São Miguel do Rio Torto ETAR de S. M. do Rio Torto Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Neste trimestre, a ETAR cumpriu todos os VLE aplicáveis. ETAR de Barrada ETAR de Barrada Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No trimestre em estudo a ETAR cumpriu todos os VLE para os parâmetros aplicáveis. Desde o trimestre anterior que se verificou uma estabilização do parâmetro ph, encontrando-se os resultados dentro dos limites de descarga. Esta situação foi consequente do acerto da oxigenação do tratamento biológico adotada, conforme exposto nos comentários dos trimestres anteriores. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 8

9 ETAR de São Facundo ETAR de São Facundo Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 13% 0% % No presente trimestre, em 6 amostragens realizadas, verificou-se um incumprimento do parâmetro de ph, relativo à amostra do dia , que apresentou o valor 5,7. O referido valor de ph foi consequência de elevada nitrificação que consumiu a alcalinidade do meio e que, por sua vez, não foi reposta de forma suficiente no processo de desnitrificação. No sentido de corrigir a situação, a Abrantaqua reajustou o regime de oxigenação de forma a promover uma relação equilibrada entre o processo de nitrificação e desnitrificação. Em resultado do trabalho de parametrização das condições de arejamento no tratamento biológico adotado nesta ETAR e em outras, espera-se obter o cumprimento efetivo do parâmetro ph e da remoção do azoto total. ETAR de Vale das Mós ETAR de Vale das Mós Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 0% 14% % Neste trimestre, a ETAR cumpriu as condições de descarga aplicáveis, com exceção do parâmetro SST relativamente à amostra recolhida no dia , uma vez que apresentou uma concentração de 65mg/l, sendo o valor limite de 60 mg/l. Considerando o valor apresentado e o fato de não se ter verificado alterações (incidências anteriores) aos resultados dos parâmetros nos meses transatos, interpreta-se esta situação como sendo pontual. ETAR de Mouriscas ETAR de Mouriscas Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-13 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas Durante o presente trimestre, a ETAR cumpriu as condições de descarga aplicáveis em todas a análises realizadas, manifestando um bom desempenho no tratamento de águas residuais. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 9

10 ETAR de Carril ETAR de Carril Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 17% 17% 33% % Neste trimestre, não foi cumprido o VLE por três vezes para o azoto total e por uma vez para o fósforo total. A ETAR de Carril arrancou em Janeiro de 2013, estando portanto a operar há mais de 1 ano. Durante este período verificou a afluência de um caudal médio de 1,2 m 3 /dia, o que correspondem 50 l/hora, sendo o caudal de HP de 800 L/h. O parâmetro ph descarregado, ao contrário do acontecido nos primeiros trimestres de funcionamento, já apresenta valores em conformidade com o VLE, contudo, ainda se observam concentrações descarregadores ligeiramente acima dos VLE para o azoto e fosforo total. A remoção insuficiente de Azoto na instalação tem duas origens, excesso de concentração de oxigénio dissolvido no meio, fator que inibe a fase anóxica da desnitrificação e quantidade insuficiente de carbono solúvel disponível, devido à carga reduzida que chega à ETAR. Assim sendo, o processo de desnitrificação não é completo, sendo descarregado o azoto maioritariamente sob a forma de nitrato, em vez da sua extração via azoto molecular (N 2 ) que é um composto gasoso e portanto quando formado difunde-se para a atmosfera. O processo de remoção de fósforo por via biológica é realizado por bactérias que assimilam o fósforo. Existem vários fatores que o influenciam, nomeadamente o oxigénio dissolvido, sendo que a absorção do fosforo ocorre da simultaneidade dos processos anaeróbios, anóxicos e aeróbios, nos quais se procurar maximizar a capacidade de absorção molecular, sintonizada com a fase de decantação e extração de lamas. Contudo, este processo biológico pode não ser passível para a remoção do fósforo até ao VLE estipulado, de 2 mg Ptotal/L. Neste sentido, a Abrantaqua está a proceder a um reajustamento do processo de oxigenação do meio, de forma a promover adequadamente a ocorrência das fases mencionadas, a fim de otimizar os processos de desnitrificação e remoção do fosforo. Complementarmente, foi iniciada a dosagem de cloreto de ferro, remoção por via físico-química, como adjuvante à remoção do fosforo por forma a cumprir o VLE. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 10

11 ETAR de Fontes ETAR de Fontes Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 N.º Incumprimentos Análises realizadas % Incumprimentos 0% 0% 25% % Neste trimestre a ETAR de Fonte não cumpriu por uma vez o ph, dia No presente trimestre, foram realizadas 3 amostras de efluente final, tendo sido analisados 12 parâmetros. Verificou-se que o parâmetro ph não cumpriu o VLE na amostra recolhida a 25 de Março. Subscrevem-se os comentários apresentados acima para a ETAR de São Facundo. ETAR de Alvega ETAR de Alvega Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14 Nov-14 Dez-14 Análises realizadas No presente trimestre, a ETAR cumpriu os VLE aplicáveis. Salienta-se que na segunda semana de Fevereiro não foi possível recolher amostras, uma vez que neste período o Rio Tejo inundou sistematicamente a EE final de Alvega. Destacam-se ainda o desenrolar das obras de requalificação da EN118 em Alvega, que tornarão possível uma rede de drenagem separativa, melhorando as condições de afluência, com relevância para a eliminação da origem das eventuais contribuições dos sistemas de rega, que no passado Verão condicionaram o funcionamento da EE e ETAR. Anexo IV - Observações aos incumprimentos dos VLE nos efluentes tratados_janeiro a Março 11

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico Tratamento Secundário Tratamento Biológico Tratamentos Biológicos O 2, Elizabeth Duarte Tratamento Secundário Remoção de matéria orgânica biodegradável por processos biológicos 1- Decomposição da matéria

Leia mais

TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO

TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO IX ENCONTRO TÉCNICO ECOATLÂNTICO - FUNCHAL TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO João Ferreira da Silva 22 de Novembro de 2007 TRATAMENTO SECUNDÁRIO LEGISLAÇÃO Decreto-Lei

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt FUNCIONAMENTO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS LIXIVIANTES E ACÇÕES PARA A SUA BENEFICIAÇÃO Levy 1, João de Quinhones; Santana 2, Carla levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt 1 Professor

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL ÉVORA 2012 Who we are CASO PRÁTICO 1 (piloto) REUTILIZAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Serviço de Águas Residuais Urbanas do Município de Abrantes, SA. 8.º Relatório Anual de Atividade

Serviço de Águas Residuais Urbanas do Município de Abrantes, SA. 8.º Relatório Anual de Atividade Serviço de Águas Residuais Urbanas do Município de Abrantes, SA 8.º Relatório Anual de Atividade Ano de 2 Índice 1. Âmbito... 3 2. Atividade de Concessão Desenvolvida... 3 2.1 Águas residuais tratadas...

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Afonso M. P. R. BARBOSA; Eng.º Civil, Águas do Minho e Lima S.A., Ed. do Instituto dos Socorros a Náufragos, 4900-370, Viana do Castelo, 258810401,

Leia mais

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO 1. CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS... 1 1.1 - Identificação... 1 1.2 - Determinação...2 1.3 - Notas importantes

Leia mais

Intelligent Regulation. oxigenação em ETAR

Intelligent Regulation. oxigenação em ETAR Ferramentas inovadoras para a optimização e eficiência energética em tratamento e transporte de águas e águas residuais 2011.03.25 Fernando Coelho Sumário 1. Breve enquadramento 2. OPIR - Optimal Production

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA REMOÇÃO DE RESIDUAIS DE CARBONO EM FILTROS BIOLÓGICOS DE LEITO IMERSO E FLUXO DESCENDENTE António João Carvalho

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA Ivo BRAGA 1 RESUMO Desde 1987, a AQUAPOR / LUSÁGUA é um dos principais players do mercado na Gestão de Concessões

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

avançado de águas pluviais: soluções, problemas, oportunidades.

avançado de águas pluviais: soluções, problemas, oportunidades. Tratamento físico químico avançado de águas pluviais: soluções, problemas, oportunidades. Nuno Saraiva Aguilar Director Comercial Encontro Técnico Controlo de Descargas de Águas Residuais Urbanas nos Meios

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES DE MATADOUROS E DE UNIDADES DE PRODUÇÃO DE FARINHA DE PEIXE E DE SUB-PRODUTOS

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Condições SMQVU Ambientais

Condições SMQVU Ambientais Condições SMQVU Ambientais O estado do ambiente condiciona decisivamente a qualidade de vida das pessoas. No inquérito realizado à população residente no Porto, em 23, foi pedido aos entrevistados que

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG I Identificação do Utilizador Industrial Designação: Processo nº: N.º de Cliente AdG: Nº Contribuinte: Morada da Unidade Industrial: Código Postal: - Nome do Proprietário: Telefone: ; Fax: ; e-mail: II

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL Regulamento Municipal de Descargas de Águas Residuais na Rede de Colectores da ZIL NOTA JUSTIFICATIVA O artigo 116º do Código do Código

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos

Leia mais

TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES UTILIZANDO LAGOAS. Antonio Celso Rossini WasserLink Soluções Ambientais Ltda

TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES UTILIZANDO LAGOAS. Antonio Celso Rossini WasserLink Soluções Ambientais Ltda Página1 TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES UTILIZANDO LAGOAS Antonio Celso Rossini WasserLink Soluções Ambientais Ltda Sistemas de tratamento de águas residuarias à base de lagoa são populares

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 27º Trimestre 2014

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 27º Trimestre 2014 277 Rede Residual 1-7-14 EN 118 - coletor que passa nas instalações da Baral Pego Desobstrução de Coletor 278 EE 1-7-14 EE Alferrarede Velha - EN3 Alferrarede Velha Desobstrução da entrada da elevatória

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Luciano dos Santos Rodrigues Professor Adjunto - Controle Ambiental e Saneamento Escola de Veterinária UFMG e-mail: lsantosrodrigues@gmail.com

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência 28 Hydro Agosto 29 Equipamentos Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência Marcelo Pohlmann, da Brasworld Consultoria Ambiental, Josué Tadeu Leite França, Carlos

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 21º Trimestre 2013

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 21º Trimestre 2013 1 1-1-13 Travessa da Escola, n.º1 Martinchel Desobstrução de Ramal de Ligação 2 3-1-13 Urbanização Vale de Rãs, lote C10 Abrantes Obstrução interna 3 4-1-13 Tecnopolo do Vale do Alferrarede 4 4-1-13 Rua

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PRINCIPAIS DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS NO ESTUÁRIO DO TEJO

PRINCIPAIS DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS NO ESTUÁRIO DO TEJO PRINCIPAIS DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS NO ESTUÁRIO DO TEJO CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E RADIOLÓGICA 2003 2013 Fevereiro 2014 Câmara Municipal de Lisboa Direção Municipal de Ambiente Urbano

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 28º Trimestre 2014

Descrição cronológica de intervenções no Sistema de Drenagem de Águas Residuais e Pluviais 28º Trimestre 2014 398 Rede Pluvial 3-10-14 Rua Cidade das Caldas da Rainha Abrantes Limpeza de sarjetas 399 Rede Residual de 27-6-14 a 10-07-14 Várias Ruas no Pego Pego preventiva de coletor A. R. de 01-10-14 a 400 Rede

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04 Ensaio de Aptidão Águas Residuais 2016 Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados 1. Introdução Este Programa de Ensaios de Aptidão de Águas Residuais 2016, consiste na determinação de um conjunto

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA Chia-Yau CHENG (1) ; Irina RIBAROVA (2) ; Assunção ABREU (3) RESUMO Apresentam-se nesta

Leia mais

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Rita de Cascia Avelino Suassuna Apoio: CNPq, FAPEAL e UFAL Objetivo Estudar

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES 1 -Zolair Gaspar Fritsch, 2 Patrice Aquim 1 TFL do Brasil Indústria Química Ltda. ²Universidade Feevale -Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL. João de Quinhones Levy ( * )

2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL. João de Quinhones Levy ( * ) 2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 26 de Maio de 1999 O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL João de Quinhones Levy ( * ) 1 PROCESSOS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

Leia mais

REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015

REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015 REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015 EM VIGOR A PARTIR DE 2015-05-05 Regulamento de Descargas Industriais do Município

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais