Curso: LEGISLAÇÃO DO MPU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso: LEGISLAÇÃO DO MPU"

Transcrição

1 Curso: LEGISLAÇÃO DO MPU Profª Lidiane Coutinho MÓDULO II: O MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - LC 75/93: COMPARATIVO DOS RAMOS

2 LEI COMPLEMENTAR Nº 75/93- MPU MPU MPF MPT MPM MPDFT

3 LEI COMPLEMENTAR Nº 75/93- MPU LEI COMPLEMENTAR 75/93: Art. 1º O Ministério Público da União, organizado por esta lei Complementar, é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático, dos interesses sociais e dos interesses individuais indisponíveis.

4 LC Nº 75/93- MPU LEI COMPLEMENTAR 75/93: Art. 2º Incumbem ao Ministério Público as medidas necessárias para garantir o respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados pela Constituição Federal.

5 ESTRUTURA DO MINISTÉRIO PUBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Chefe:PGR MPF MPT MPM MPDFT Subprocurador Geral da República Subprocurador Geral do Trabalho Subprocurador Geral da Justiça Militar r Procurador de Justiça Procurador Regional da República Procurador Regional do Trabalho Procurador da Justiça Militar Promotor de Justiça Procurador da República Procurador do Trabalho Promotor da Justiça Milita Promotor de Justiça Adjunto

6 DO MPU E SEUS RAMOS MPU: PGR (CHEFE) MPF MPT MPM MPDFT PGR (Chefe) PGT (Chefe) PGJM (Chefe) PGJ do DFT (Chefe) Subprocuradores da República Procuradores Regionais da República Procuradores da República Subprocuradores do Trabalho Procuradores Regionais do Trabalho Procuradores do Trabalho Subprocuradores da Justiça Militar Procuradores da Justiça Militar Promotores da Justiça Militar Procuradores de Justiça Promotores de Justiça Promotores de Justiça Adjuntos

7 MPU- DO PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA O PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA ATUAÇÃO Chefe do MPU; Chefe do MPF; Procurador Geral Eleitoral; Presidente do CNMP; Presidente do Conselho de Assessoramento do MPU; Presidente do Colégio de Procuradores da República; Presidente do Conselho Superior do MPF; Presidente das Comissões de concurso do MPF.

8 CHEFE DO MPU E CHEFE DE CADA RAMO: PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA É o chefe do MPU e também é chefe do MPF - Nomeação: Presidente da República + aprovação pela maioria absoluta do Senado. - Requisitos: ser membro da carreira, ter mais de 35 anos. -Mandato: 2 anos, permitida a recondução (precedida de nova decisão do Senado). -Destituição(exoneração): iniciativa do Presidente da República + aprovação da maioria absoluta do Senado. PROCURADOR GERAL DO TRABALHO PROCURADOR GERAL DA JUSTIÇA MILITAR PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA É o chefe do MPT É o chefe do MPM. É o chefe do MPDFT. -Nomeação: lista tríplice feita pelo Colégio de Procuradores + PGR. - Requisitos: integrantes da instituição, mais de 35 anos e 5 anos na carreira ( se não tiver nº suficiente de candidatos, poderá concorrer quem tiver mais de 2 anos na carreira). - Mandato: 2 anos, permitida uma recondução(observado o mesmo processo). - Exoneração- proposta do Conselho(2/3 dos votos) ao PGR. -Nomeação: lista tríplice feita pelo Colégio de Procuradores + PGR. - Requisitos: integrantes da instituição, mais de 35 anos e 5 anos na carreira( se não tiver nº suficiente de candidatos, poderá concorrer quem tiver mais de 2 anos na carreira). - Mandato: 2 anos, permitida uma recondução(observado o mesmo processo). - Exoneração - proposta do Conselho(2/3 dos votos) ao PGR. - Nomeação: lista tríplice feita pelo Colégio + Presidente da República - Requisitos: ser membro do MPDFT, ter mais de 5 anos na carreira e não ter sofrido, nos últimos 4 anos, qualquer condenação definitiva, nem esteja respondendo a processo penal ou administrativo. -Mandato: 2anos, permitida uma recondução (precedida de nova lista tríplice). -Destituição: representação do Presidente da República + aprovação da maioria absoluta do Senado.

9 CHEFE DO MPU E CHEFE DE CADA RAMO: PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA (PGR) PROCURADOR GERAL DO TRABALHO (PGT) PROCURADOR GERAL DA JUSTIÇA MILITAR (PGJM) PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA (PGJ) -Atua no STF, STJ, TSE (art. 73) e no CNJ (art. 103-B, 6º). -Atua no plenário do TST (art. 90). -Atua STM (art. 123), propondo as ações cabíveis e manifestandose nos processos de sua competência. -Atua NO PLENÁRIO no TJ do DFT (art. 123), propondo as ações cabíveis e manifestando-se nos processos de sua competência.

10 MPT- PGT (ART. 88- LC 75/93) Nomeado pelo Procurador-Geral da República, dentre integrantes da instituição, com mais de trinta e cinco anos de idade e de cinco anos na carreira, integrante de lista tríplice escolhida mediante voto plurinominal, facultativo e secreto, pelo Colégio de Procuradores para um mandato de dois anos, permitida uma recondução, observado o mesmo processo. MPM- PGJM (ART.121) Nomeado pelo Procurador-Geral da República, dentre integrantes da instituição, com mais de trinta e cinco anos de idade e de cinco anos na carreira, integrante de lista tríplice escolhida mediante voto plurinominal, facultativo e secreto, pelo Colégio de Procuradores para um mandato de dois anos, permitida uma recondução, observado o mesmo processo. MPDFT- PGJ (ART.156) Será nomeado pelo Presidente da República dentre integrantes de lista tríplice elaborada pelo Colégio de Procuradores e Promotores de Justiça, para mandato de dois anos, permitida uma recondução, precedida de nova lista tríplice

11 ÓRGÃOS COLEGIADOS DO MPU E DOS DIVERSOS RAMOS: CONSELHO DE ASSESSORAMENTO SUPERIOR DO MPU (composto pelo PGR, vice PGR, PGT, PGJM e PGJDFT) -As reuniões convocadas pelo PGR. - Opina sobre matérias de interesse geral da Instituição, especialmente sobre: a) projetos de lei de interesse comum do MPU e b) organização e funcionamento da Diretoria-Geral e dos serviços da Secretaria do MPU. MPF MPT MPM MPDFT Colégio de Procuradores do MPF Conselho Superior do MPF Câmara de Coordenação e Revisão do MPF Colégio de Procuradores do Trabalho Conselho Superior do MPT Câmara de Coordenação e Revisão do MPT Colégio de Procuradores da Justiça Militar Conselho Superior do MPM Câmara de Coordenação e Revisão do MPM Colégio de Proc. e Promotores do MPDFT Conselho Superior do MPDFT Câmara de Coordenação e Revisão do MPDFT Corregedoria do MPF Corregedoria do MPT Corregedoria do MPM Corregedoria do MPDFT

12 DA ESTRUTURA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MPU SECRETARIA DO MPU PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO DE ASSESSORAMENTO SUPERIOR DO MPU MPF MPT MPM MPDFT

13 DO CONSELHO DE ASSESSORAMENTO SUPERIOR DO MPU 05 membros PGR Presidente do Conselho Vice Procurador- Geral da República Procurador Geral do Trabalho Procurador Geral da Justiça Militar Procurador Geral de Justiça do DFT O Conselho de Assessoramento Superior poderá propor aos Conselhos Superiores dos diferentes ramos do Ministério Público da União medidas para uniformizar os atos decorrentes de seu poder normativo.

14 Do Conselho de Assessoramento Superior do MPU O Conselho de Assessoramento Superior do Ministério Público da União deverá opinar sobre as matérias de interesse geral da Instituição, e em especial sobre: - Projetos de lei de interesse comum do Ministério Público da União, neles incluídos: a) os que visem a alterar normas gerais da Lei Orgânica do Ministério Público da União; b) a proposta de orçamento do Ministério Público da União; c) os que proponham a fixação dos vencimentos nas carreiras e nos serviços auxiliares; - A organização e o funcionamento da Diretoria-Geral e dos Serviços da Secretaria do Ministério Público da União.

15 DOS RAMOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Organograma do Ministério Público Federal -MPF MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Colégio de Procuradores da República Procurador Geral da República Conselho Superior do MPF Procuradores da República Câmaras de Coordenação e Revisão do MPF Procuradores Regionais da República Corregedoria do MPF Subprocuradores Gerais da República Procuradoria Federal dos Direitos dos cidadãos 15

16 DOS RAMOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO- O MPT(ART. 85) MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Colégio de Procuradores do Trabalho Procurador Geral do Trabalho Conselho Superior do MPT Subprocuradores Gerais do Trabalho Procurador Regional do Trabalho Câmaras de Coordenação e Revisão do MPT Corregedoria do MPT Procurador do Trabalho

17 Organograma do Ministério Público Militar- MPM (Art. 118) MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Colégio de Procuradores da Justiça Militar Procurador Geral da Justiça Militar Conselho Superior do MPM Subprocuradores Gerais da Justiça Militar Procuradores da Justiça Militar Câmara de Coordenação e Revisão do MPM Corregedoria do MPM Promotores da Justiça Militar

18 Organograma do Ministério Público do DFT - MPDFT MINISTÉRIO PÚBLICO DO DFT Colégio de Procuradores e Promotores de Justiça Procurador Geral de Justiça Conselho Superior do MPDFT Procurador de Justiça Câmaras de Coordenação e Revisão do MPDFT Promotor de Justiça Corregedoria do MPDFT Promotor de Justiça Adjunto Procuradoria Distrital dos Direitos do cidadão

19 DO COLÉGIO DE PROCURADORES DOS RAMOS: O voto dos membros para elaborar as listas é plurinominal, facultativo e secreto. Membros elegíveis: para TST e STJ: 35 a 65 anos, mais de 10 anos de carreira; para o TRF: 30 a 65 anos, mais de 10 anos de carreira; para o TRT: + 10 anos na carreira. RI: disporá sobre seu funcionamento. MPDFT: Colégio de Procuradores e de Promotores do MPDFT MPF MPT MPM MPDFT PGR (PRESIDENTE) e todos os seus membros em atividade Elaborar lista sêxtupla p/ o STJ 3.Elaborar lista sêxtupla p/ os TRF 4. Eleger 4 Subprocuradores p/ o Conselho Superior do MPF 5. Opinar sobre assuntos diversos da Instituição PGT (PRESIDENTE) e todos os seus membros em atividade 1. Elaborar lista tríplice p/ escolha do PGT 2. Elaborar lista sêxtupla para o TST 3.Elaborar lista sêxtupla para os TRT 4. Eleger 4 Subprocuradores p/ o Conselho Superior do MPT PGJM (PRESIDENTE) e todos os seus membros em atividade 1. Elaborar lista tríplice p/ escolha do PGJM Opinar sobre assuntos diversos da Instituição PGJ do DFT (PRESIDENTE) e todos os seus membros em atividade 1. Elaborar lista tríplice p/ escolha do PGJDFT 2. Elaborar lista sêxtupla para o STJ 3.Elaborar lista sêxtupla p/ o TJDFT 4. Eleger 4 Procuradores p/ o Conselho Superior do MPDFT 5. Opinar sobre assuntos diversos da Instituição

20 DO CONSELHO SUPERIOR DOS RAMOS: Subprocuradores Gerais do MPF e do MPT e Procuradores de Justiça do MPDFT que fazem parte do Conselho Superior (exceção- Subprocuradores Gerais do MPM): mandato de 2 anos, permitida uma 1 reeleição; Vice-Presidente: será eleito pelo Conselho, substituindo o Presidente em caso de impedimento e vacância. Reunião: Ordinária: uma vez por mês (dia previamente fixado). Extraordinária: convocação pelo Procurador Geral de cada ramo ou pela maioria de seus membros (maioria simples- MPF e maioria absoluta MPT,MPM e MPDFT) Deliberações do Conselho Superior: maioria dos votos, presente a maioria absoluta dos membros. Casos de empate: prevalece voto do Presidente (exceção: matéria de sanção, onde prevalece a solução mais favorável ao acusado). Esse critério não aparece nos artigos relacionados ao CSMPDFT. Publicações: no Diário de Justiça. Exceção; sigilo determinado pelo RI. Esse critério não aparece nos artigos relacionados ao CSMPDFT. MPF MPT MPM MPDFT 10 membros -PGR (presidente) -Vice PGR -4 subprocuradores eleitos pelo Colégio de Procuradores -4 subprocuradores eleitos pelos seus pares 10 membros -PGT (presidente) -Vice PGT -4 subprocuradores eleitos pelo Colégio de Procuradores -4 subprocuradores eleitos pelos seus pares Membros: -PGJM (presidente) -Vice PGJM -Todos os subprocuradores 10 membros -PGJ do DFT (presidente) -Vice PGJ do DFT -4 procuradores de justiça eleitos pelo Colégio de Procuradores e Promotores -4 procuradores de justiça eleitos pelos seus pares

21 DAS CÂMARAS DE COORDENAÇÃO E REVISÃO(CCR) DOS RAMOS: As Câmaras de Coordenação e Revisão são órgãos setoriais de coordenação, integração e de revisão do exercício funcional na Instituição. RI: elaborado pelo Conselho Superior. Organizadas por função ou matéria, através de ato normativo. MPF- 7 Câmaras : MPT e MPM- 1 Câmara. MPDFT- 8 Câmaras- 6 cíveis especializadas e 2 criminais. Componentes: 3 membros- 1 dos membros será o Coordenador(tem que ser do último nível da carreira), indicado pelo PG, Mandato dos membros: 2 anos. MPF MPT MPM MPDFT 1 membro indicado pelo PGR -2 membros indicados pelo CSMPF (mais seus suplentes) 1 membro indicado pelo PGT -2 membros indicados pelo CSMPT (mais seus suplentes) 1 membro indicado pelo PGJM -2 membros indicados pelo CSMPM (mais seus suplentes) -1 membro indicado pelo PGJDFT -2 membros indicados pelo CSMPDFT (mais seus suplentes)

22 DA CORREGEDORIA DOS RAMOS: Corregedoria: é o órgão fiscalizador das atividades funcionais e da conduta dos membros do MP. Corregedor Geral: nomeado pelo Procurador Geral dentre membros do último grau da carreira, integrantes de lista tríplice elaborada pelo Conselho Superior, para mandato de 2 anos, renovável 1 vez. Lista tríplice: não pode ser integrada por membros do Conselho Superior, exceto no MPM. Suplentes; demais integrantes da lista tríplice, na ordem designada pelo Procurador Geral. Destituição do Corregedor antes do término do mandato: pelo Procurador Geral e por 2/3 dos membros do Conselho Superior. MPF MPT MPM MPDFT Corregedor (e 2 suplentes) Corregedor (e 2 suplentes) Corregedor (e 2 suplentes) Corregedor (e 2 suplentes)

23 DO JULGAMENTO DOS MEMBROS DO MPU: PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA(PGR): por crime comum é julgado no STF(art.102, b, CF) por crime de responsabilidade pelo Senado (art. 52, II, CF). MPF MPT MPM MPDFT - SUBPROCURADORES GERAIS DA REPÚBLICA: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) - SUBPROCURADORES GERAIS DO TRABALHO: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) - SUBPROCURADORES GERAIS DA JUSTIÇA MILITAR: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) - PROCURADORES DE JUSTIÇA: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) PROCURADORES REGIONAIS DA REPÚBLICA: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) PROCURADORES REGIONAIS DO TRABALHO: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo STJ (art. 105, I,a, CF) PROCURADORES DA JUSTIÇA MILITAR: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo TRF (art. 108, I,a, CF) PROMOTORES DE JUSTIÇA: são julgados nos crimes comuns e nos de responsabilidade pelo TRF (art. 108, I,a, CF)

Procuradoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro Professora Raquel Tinoco 1 Organização Professora Raquel Tinoco 2 1 Art. 176 da CERJ: A representação judicial e a consultoria jurídica do Estado, ressalvados

Leia mais

Supremo Tribunal Federal STF Artigo 101

Supremo Tribunal Federal STF Artigo 101 Supremo Tribunal Federal STF Artigo 101 Composto por 11 Ministros de Justiça vitalícios - Taxativamente 11 - Exclusivamente natos - Cidadãos - Mais de 35 e menos de 65 anos de idade - Notável saber jurídico

Leia mais

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal

Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal BuscaLegis.ccj.ufsc.br Organograma do exercício da Jurisdição no ordenamento pátrio segundo os parâmetros vigentes na Constituição Federal João Fernando Vieira da Silva salermolima@hotmail.com O exercício

Leia mais

MPE - RJ. https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques

MPE - RJ. https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques https://www.pontodosconcursos.com.br Prof. Karina Jaques CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O Ministério Público na Constituição Federal de 1988: princípios, garantias, vedações, estrutura e funções institucionais;

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013

LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL 2013 21. A função estabelecida constitucionalmente à Defensoria Pública consiste em (a) defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis.

Leia mais

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA Cód.: DFG Nº: 44 Versão: 10 Data: 13/07/2016 DEFINIÇÃO Ato de investidura do servidor no exercício de função de confiança integrante do quadro de chefias da

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 75, DE 20 DE MAIO DE 1993

LEI COMPLEMENTAR Nº 75, DE 20 DE MAIO DE 1993 LEI COMPLEMENTAR Nº 75, DE 20 DE MAIO DE 1993 ESTATUTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União. Faço

Leia mais

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA - IMPA - OS Regimento Interno Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação

Leia mais

Poder Judiciário Brasileiro

Poder Judiciário Brasileiro Poder Judiciário Brasileiro TSE TST STF STJ CNJ STM TU TRE S TRT S TR TRF S TJ S TR TME JUÍZES JUNTA JUÍZES JEF JUÍZES JÚRI JUÍZES JÚRI JEC CJM CJM Poder Judiciário Brasileiro TSE TST STF STJ CNJ STM TU

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013, DE Altera a redação do 1º do art. 128 da Constituição Federal, para dispor sobre a nomeação do Procurador-Geral da República a partir de lista tríplice encaminhada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função

Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função 2016 Quadro Sinótico Competência por Prerrogativa de Função Lucas Rodrigues de Ávila Prova da Ordem 2016 O que é competência por prerrogativa de função? "Um dos critérios determinadores da competência

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Professora Susanna Schwantes

Professora Susanna Schwantes 1) São Órgãos do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul: (a) Tribunal de Alçada e Tribunal de Justiça. (b) Pretores e Conselho da Magistratura. (c) Tribunal do Júri e Juizes de Paz. (d) Juizes de Direito

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo LEI N 4006 De 15 de dezembro de 2009 (Reorganiza o CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÂO DE RIO CLARO COMERC, criado pelo artigo 261 da Lei Orgânica do Município e dá outras providências) Artigo 1º - O Conselho

Leia mais

Tribunais Regionais Federais e. Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais

Tribunais Regionais Federais e. Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais S Art. 106. São órgãos da Justiça Federal: I - os Tribunais Regionais Federais; II - os. 1 2 Art. 107. Os Tribunais Regionais Federais compõemse de, no mínimo, sete juízes, recrutados, quando possível,

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

MPU MPF MPT MPM MPDFT Conselho de Ass. Superior do MPU

MPU MPF MPT MPM MPDFT Conselho de Ass. Superior do MPU 1 Estrutura de Carreira PGR PGT PGJM PGJDFT Sub PGR Sub PGT Sub PGM Procurador de Justiça Proc. Regional da República Proc. Regional do Trabalho Procurador Militar Promotor de Justiça Procurador da República

Leia mais

- Historicamente, o MP nasceu no Antigo Egito no cargo do MAGIAÍ encarregado pelo Faraó de acusar quem desobedecesse a seu sistema.

- Historicamente, o MP nasceu no Antigo Egito no cargo do MAGIAÍ encarregado pelo Faraó de acusar quem desobedecesse a seu sistema. LEGISLAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO Prof. Clever Vasconcelos SP, 17/02/2011 - Historicamente, o MP nasceu no Antigo Egito no cargo do MAGIAÍ encarregado pelo Faraó de acusar quem desobedecesse a seu sistema.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Órgão constitucional autônomo, incumbido de promover a ação penal e fiscalizar a execução da lei perante a jurisdição penal e exercer, ante

Leia mais

Artigo de Adriano Alves Marreiros

Artigo de Adriano Alves Marreiros Sobre a ordem de precedência no caso de membros do MPU e e juízes da Justiça Militar, Federal, do e do DF: desfazendo os equívocos do derrogado Decreto 70.274 de 1972 Adriano Alves Marreiros I. Introdução

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann

As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann reichmann@usp.br Sistemas jurídicos Sistemas nacionais Portugal Brasil Comparação dos sistemas jurídicos e dos termos jurídicos Organização

Leia mais

Professora Susanna Scwantess

Professora Susanna Scwantess 1) São Órgãos do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul: (a) Tribunal de Alçada e Tribunal de Justiça. (b) Pretores e Conselho da Magistratura. (c) Tribunal do Júri e Juizes de Paz. (d) Juizes de Direito

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

Art. 92 ÓRGÃOS: Tribunais Superiores Tribunais de 2º grau (2ª instância) 1º grau (1ª instância) facebook.com/prof.rodrigomenezes Justiça Estadual / DFT Justiça Federal O STF, o CNJ e os Trib. Sup. têm

Leia mais

Rodada #1 Legislação Aplicada ao MPU e ao CNMP

Rodada #1 Legislação Aplicada ao MPU e ao CNMP Rodada #1 Legislação Aplicada ao MPU e ao CNMP Professor Ricardo Gomes Assunto da Rodada LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU E AO CNMP: 1 Ministério Público da União. 1.1 Lei Orgânica do Ministério Público da União

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ELEITORAL

ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ELEITORAL ÓRGÃOS (art.118, CF e art. 12, CE) 1. Tribunal Superior Eleitoral: órgão máximo da Justiça Eleitoral, com sede na capital federal e jurisdição em todo o território nacional. 2. Tribunais Regionais Eleitorais:

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal

PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal ASSESSORIA PARLAMENTAR INFORMATIVO 08 a 10 de JANEIRO de 2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal Pela proposta, a indicação dos ministros da Corte

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS AULA 1 EXERCÍCIOS DEFINIÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO 1)Ao tratar das funções essenciais à justiça, estabelece a Constituição Federal, com relação ao Ministério Público, que: A) incumbe-lhe a defesa da ordem

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr.

Prof. Raul de Mello Franco Jr. - UNIARA PODER EXECUTIVO. 3ª aula. Prof. Raul de Mello Franco Jr. PODER EXECUTIVO 3ª aula Prof. Raul de Mello Franco Jr. SUBSÍDIOS do PRESIDENTE, do VICE e dos MINISTROS São fixados pelo CN, por decreto-legislativo (art. 49, VIII, CF). Devem ser fixados em parcela única.

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU. Ministério Público na CF/88. MPU LC 75/93 art. 1º. Princípios na LC 75/93. Princípios institucionais do MP

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU. Ministério Público na CF/88. MPU LC 75/93 art. 1º. Princípios na LC 75/93. Princípios institucionais do MP Conteúdo programático LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU Profª Breezy Vizeu MP na CF/88; Lei complementar 75/93; Lei n.º 8.112/1990 (Regime Jurídico); Lei nº 11.415/2006 (carreiras dos servidores públicos do MPU);

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO 1.VARAs DO TRABALHO ÓRGÃO DE 1ª INSTÂNCIA. A Vara do Trabalho é a primeira instância das ações de competência da Justiça do Trabalho, sendo competente para julgar conflitos

Leia mais

Lei nº de 17 de outubro de 2001.

Lei nº de 17 de outubro de 2001. Lei nº 3.103 de 17 de outubro de 2001. Estabelece normas para a escolha de diretores e vice-diretores nas escolas da rede municipal e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Faço saber,

Leia mais

Organização do Ministério Público I) Conceito: Instituição permanente, essencial à função jurisdicional, incumbidadadefesadaordemjurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS SIMULADOS DE DIREITO 5º Simulado de ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ! PROFESSOR: RICARDO GOMES

PONTO DOS CONCURSOS SIMULADOS DE DIREITO 5º Simulado de ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ TODOS OS CARGOS DIREITO PROCESSUAL PARA O TCU TEORIA E EXERCÍCIOS REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO

Leia mais

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO -

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Trabalho finalizado em julho/2015.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016. RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016. O COLÉGIO ELEITORAL ESPECIAL DA FUNDAÇÃO, CONSTITUÍDO DA REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO,

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23. Srs. Acionistas, Visando alcançar:

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23. Srs. Acionistas, Visando alcançar: ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23 Srs. Acionistas, Visando alcançar: a) maior equilíbrio na vinculação de Unidades Estratégicas aos membros do Conselho Diretor; b) maior flexibilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Poder Legislativo Estadual Unicameralismo Assembleia Legislativa Deputados Estaduais: Prerrogativas Poder Legislativo Municipal Unicameralismo Câmara dos Vereadores

Leia mais

DECISÃO Nº 163/2004 D E C I D E

DECISÃO Nº 163/2004 D E C I D E DECISÃO Nº 163/2004 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessões de 12.12.2003 e 20.08.2004, tendo em vista o constante no processo nº 23078.201510/03-75, de acordo com os pareceres nº 142/2003 e 17/2004 da Comissão

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula: 11/12 UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº 14788

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº 14788 LEI Nº 14788 A CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: Art. 1º A Lei nº 12.313, de 3 de julho de 2007, passa a vigorar com

Leia mais

Organização dos Poderes do Estado

Organização dos Poderes do Estado Organização dos Poderes do Estado DO PODER JUDICIÁRIO TEMAS BÁSICOS FUNÇÕES TÍPICAS E ATÍPICAS Típica: julgar ( jus dicere ). Atípicas: administrar e normatizar (função regimental; SV; Resoluções do TSE;

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI Nº 3.244, DE 6 DE JULHO DE 2006. Dispõe sobre a eleição de diretores, diretores-adjuntos e do colegiado escolar da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 004, DE 8 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Módulo Especial

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Módulo Especial LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Módulo Especial CONCURSO: Ministério Público da União CARGO: Técnico e Analista do MPU PROFESSOR: Rodolpho Bacchi Este curso é protegido por direitos

Leia mais

PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO)

PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO) PROVA ESCRITA PRELIMINAR PARA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO - RJ (PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO) PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO 89. Considerando os princípios institucionais

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

Temas Controversos de Processo do Trabalho

Temas Controversos de Processo do Trabalho Coordenação Eduardo Fontes Temas Controversos de Processo do Trabalho Guilherme de Luca Rogério Renzetti Recife PE 2017 TC processo do trab.indd 5 09/11/2016 11:12:54 Da organização da Justiça do Trabalho

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A ATUALIZAÇÃO ESTRUTURAL E ADMINISTRATIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE NOBRES CMAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. SEBASTIÃO

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU TÉCNICO MPU 2017 PROFESSORA CRISTIANE COSTA. LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU 2017 Profa. Cristiane Costa Aula 00

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU TÉCNICO MPU 2017 PROFESSORA CRISTIANE COSTA. LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU 2017 Profa. Cristiane Costa Aula 00 00 LEGISLAÇÃO APLICADA AO MPU TÉCNICO MPU 2017 PROFESSORA CRISTIANE COSTA 1 CURRÍCULO DA PROFESSORA Cristiane Costa Advogada; Pós-graduada em Direito Constitucional; Pedagoga; APRESENTAÇÃO Olá, tudo bem?

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PROF. ELYESLEY SILVA. Módulo introdutório para concursos

ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PROF. ELYESLEY SILVA. Módulo introdutório para concursos ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PROF. ELYESLEY SILVA Módulo introdutório para concursos www.econcursos.net 1. ENTIDADES POLÍTICAS Entidade = pessoa jurídica (capacidade de contrair direitos e obrigações na

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES

REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES Em regra, os candidatos diplomados deputados federais prestam compromisso em sessão preparatória e podem ser empossados por intermédio de procurador.

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a participação popular no processo de escolha dos administradores regionais e a constituição dos Conselhos de Representantes Comunitários

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

EC 7/77 (Congresso fechado) falta de um perfil nacional previsão de uma lei complementar regras gerais preparação da LC 40/81

EC 7/77 (Congresso fechado) falta de um perfil nacional previsão de uma lei complementar regras gerais preparação da LC 40/81 Escola Superior do Ministério Público SP O Promotor de Justiça como agente político Hugo Nigro Mazzilli Antecedentes históricos Origem ligada à defesa do rei e à acusação penal Fins do Séc. XIII instituição

Leia mais

ww.concursovirtual.com.b

ww.concursovirtual.com.b MP RJ PROFESSORA RAQUEL TINOCO EDITAL: ORGANIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público na Constituição Federal de 1988: princípios, garantias, vedações, estrutura e funções institucionais; Conselho

Leia mais

TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Estatuto DO ESTATUTO O Estatuto vigente do Fórum de Assessorias das Universidades Brasileiras para Assuntos Internacionais FAUBAI foi descrito e aprovado por ocasião da V Reunião Anual, ocorrida no Auditório

Leia mais

200 Questões Fundamentadas Da LC 75/93 (Lei Orgânica do MPU).

200 Questões Fundamentadas Da LC 75/93 (Lei Orgânica do MPU). 1 APOSTILA AMOSTRA Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas Da (Lei Orgânica do Ministério Público da União). acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3

Leia mais

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo:

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo: Regimento Interno Regimento Interno do Comitê Gestor de Investimento do Plano de Suplementação de Aposentadoria e Pensão da Bandeirante Energia S.A. PSAP/Bandeirante 26/2/2015 CAPÍTULO I - DA FINALIDADE

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014

EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014 EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014 A PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE (UFCSPA), no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais

Leia mais

LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL. Professor Rodrigo Francelino

LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL. Professor Rodrigo Francelino LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL Professor Rodrigo Francelino 1.4 LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL (3 QUESTÕES) Título I Dos Fundamentos da Organização dos Poderes e do Distrito Federal. Título II Da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM.

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM. REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado de Biomedicina da Faculdade AUM. REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM. CAPÍTULO

Leia mais

NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Proposição Ementa Explicação da Ementa Autoria Relator Art. 1º

NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Proposição Ementa Explicação da Ementa Autoria Relator Art. 1º NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Ref. Proc. nº 5236/13 Proposição: PEC 412/2009 Ementa: Altera o 1º do art. 144 da Constituição Federal, dispondo sobre a organização da Polícia Federal. Explicação da Ementa:

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade CAMPUS Capítulo 5 Administração Pública e Servidores Públicos Disposições Constitucionais 189 Servidor público em sentido estrito (regime estatutário) Cargo efetivo Cargo em comissão Adm. Direta, autárquica

Leia mais

Material para PERISCOPE Composição e Competência dos Órgãos da Justiça Eleitoral

Material para PERISCOPE Composição e Competência dos Órgãos da Justiça Eleitoral Material para PERISCOPE Composição e Competência dos Órgãos da Justiça Eleitoral Questão 1 O Tribunal Regional Eleitoral de um Estado da Federação foi assim constituído: dois Desembargadores do Tribunal

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Escola de Engenharia REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 (Definição) O Departamento de Engenharia Mecânica, a seguir designado por

Leia mais

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock Série Provas e Concursos Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock ELSEVIER 5.6. Resumo AGENTES PÚBLICOS (segundo Hely Lopes Meirelles): 1. Agentes políticos Aqueles no alto escalão dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE JOVENS ADVOGADOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO -- AASP Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Comissão de Jovens Advogados da Associação

Leia mais

OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS.

OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS. PROVIMENTO DA PGM N. 007/2014 OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS. Considerando a necessidade de acompanhamento das funções institucionais

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP. Weslei Machado

Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP. Weslei Machado Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP Weslei Machado (FCC/TRE-AM/Analista Judiciário/2010) Compete aos TREs processar e julgar originariamente a) os crimes eleitorais cometidos pelos seus próprios

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 Nome do Candidato: Nome do pai: Nome da mãe: Partido Político ou Coligação: Cargo a que concorre: ( ) Prefeito ( ) Vice-Prefeito ( ) Vereador Município: Declaro,

Leia mais