Boletim Extraordinário. Novo Regulamento de Intermediários da FIFA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Extraordinário. Novo Regulamento de Intermediários da FIFA"

Transcrição

1 Boletim Extraordinário Novo Regulamento de Intermediários da FIFA Nos últimos dias 10 e 11 de junho de 2014 foi realizado na cidade de São Paulo o 64 Congresso da FIFA, em que foram aprovadas as alterações dos estatutos da FIFA, com o intuito de extinguir a atividade dos agentes licenciados da FIFA, que terão sua atuação substituída pela figura dos intermediários. Nesse sentido, consoante o estabelecido no novo Regulamento de Intermediários da FIFA, os intermediários passarão a ser contratados pelos clubes ou jogadores, para atuarem exclusivamente na elaboração e negociação de contratos de trabalho e de transferências de atletas, mediante a celebração de um Contrato de Representação, cujo modelo será fornecido pela própria entidade e deverá ser observado pelos clubes, jogadores e entidades filiadas à FIFA. A grande alteração da atividade dos Agentes FIFA refere-se à emissão de licenças., Para exercer a atividade de um Agente FIFA, atualmente é necessário que o interessado seja aprovado nos exames realizados pelas associações filiadas à FIFA; no entanto, para exercer a atividade dos intermediários, segundo o novo regulamento, o interessado deverá preencher uma série de pré-requisitos e registrar-se perante as associações, sem a necessidade de obter uma licença exclusiva para desempenhar suas atividades profissionais. Em síntese, os principais aspectos do novo Regulamento de Intermediários em relação ao Regulamento de Agentes da FIFA são os seguintes: I. Definição de Intermediário De acordo com os termos estabelecidos no Regulamento de Intermediários da FIFA, considera-se intermediário toda pessoa física ou jurídica que atua como representante de jogadores ou clubes, mediante o pagamento de uma remuneração ou gratuitamente, com o intuito de negociar um contrato de trabalho ou um contrato de transferência. II. Pagamentos dos Intermediários A v. Br ig a d e i r o F a r ia L im a, , 9 º a n d a r c j. 9 4 Tor r e S u l J a r d im P a u l i s ta n o C E P S ã o P a u lo SP T e l F a x w w w. c s m v. c o m. b r

2 Atualmente, o art. 20 do Regulamento dos Agentes de Jogadores da FIFA determina que a remuneração do agente de jogadores que tenha sido contratado para representar um jogador seja calculada sobre a remuneração bruta que o jogador irá receber anualmente de seu novo clube, não estabelecendo um percentual máximo para os pagamentos, mas apenas determinando que, caso as partes não cheguem a um acordo ou não exista previsão expressa do valor pactuado para o pagamento, o agente de jogadores terá direito ao pagamento de uma compensação correspondente a 3% dos vencimentos brutos anuais do atleta, relativos ao contrato negociado ou renegociado pelo agente de jogadores. Por outro lado, o art. 7 do novo Regulamento de Intermediários estabelece o percentual máximo de 3% (três por cento) do valor da transação para pagamento da comissão devida ao intermediário, levando-se em consideração o serviço prestado pelo intermediário, da seguinte forma: (i) (ii) (iii) a remuneração do intermediário contratado para atuar em nome do jogador não poderá ser superior a 3% dos valores brutos relativos ao salário do atleta durante o período de vigência do contrato; a remuneração do intermediário contratado para atuar em nome do clube, com a finalidade de firmar um contrato de trabalho com determinado jogador, não poderá ser superior a 3% dos valores brutos relativos ao salário do atleta durante o período do contrato; e a remuneração do intermediário para atuar em nome do clube, com a finalidade de elaborar um contrato de transferência não poderá ser superior a 3% do valor da transferência. Com relação aos atletas menores de idade, a FIFA incorporou um tratamento mais rígido no novo Regulamento de Intermediários, proibindo expressamente o pagamento de comissões aos intermediários em transações envolvendo atletas menores de idade, nos termos do art. 7, item 7, do referido regulamento. III. Sistema de Registro e Publicação das Informações O art. 13 do atual Regulamento de Agentes FIFA estabelece que as associações devem manter e publicar um cadastro atualizado com a relação de todos os agentes vinculados a ela, encaminhar à FIFA o cadastro atualizado sempre que -2-

3 forem emitidas novas licenças ou quando estas forem devolvidas, além de manter a FIFA informada em relação à qualquer penalidade imposta a um agente. As associações devem ainda enviar anualmente um informativo à FIFA com dados estatísticos relacionados às atividades dos agentes em seus territórios (número de agentes, detalhes sobre o início e término de suas atividades, eventuais sanções impostas, antecedentes criminais, dentre outras informações). Por outro lado, de acordo com os termos do art. 6 do novo Regulamento de Intermediários, os jogadores e os clubes deverão fornecer à sua associação os detalhes de todas as remunerações ou pagamentos de qualquer natureza que foram feitos ou que serão efetuados a um intermediário. O novo Regulamento de Intermediários também irá definir novos dispositivos relativos à lisura nas transferências. Algumas informações como os honorários dos intermediários, bem como os contratos e acordos firmados com eles serão publicadas, com o intuito de contribuir com a transparência nas transferências. O art. 6, item 3, estabelece que as associações filiadas à FIFA deverão publicar anualmente, no final de cada mês de março, os nomes de todos os intermediários que estiverem registrados perante elas. Além disso, as associações deverão fornecer também a quantidade total dos pagamentos efetuados pelos atletas e clubes aos intermediários. IV. Contrato de Representação Consoante o estabelecido pelo art. 5 do novo Regulamento de Intermediários, os intermediários deverão firmar um Contrato de Representação com seus clientes, no qual deverão estar especificadas informações básicas, como o nome das partes, duração da relação jurídica, alcance do serviço, valor da comissão paga, cláusulas de rescisão e assinatura das partes, além da natureza do vínculo jurídico que os intermediários possuem com seus clientes, tais como a busca por emprego ou assessoria de carreira, por exemplo. Ademais, o intermediário deverá assinar um documento denominado Declaração de Intermediário (Anexo 1 do regulamento), para pessoas físicas ou jurídicas, por meio do qual o intermediário estará declarando que tem ciência e observa os termos dos estatutos e das normas da FIFA, confederações e associações, relativas à matéria, sua reputação ilibada, assim como as condições relativas à divulgação das informações inerentes à transação. V. Conflitos de Interesses -3-

4 O art. 8 do novo Regulamento de Intermediários dispõe acerca dos conflitos de interesses que deverão ser evitados entre as partes, funcionando como regra geral. Entretanto, o novo regulamento contemplará a possibilidade de o intermediário revelar, por escrito, qualquer conflito de interesse potencial, relacionado a uma determinada transação que ele venha a fazer parte. Sendo assim, caso se obtenha o acordo por escrito de todas as partes envolvidas, antes do início das tratativas da negociação, especialmente no que tange aos clubes e jogadores, a representação dupla será permitida, ao contrário do que ocorre atualmente, tendo em vista que o art. 19, item 8 do Regulamento de Agentes da FIFA determina que o agente de jogadores somente poderá representar os interesses de uma das partes envolvidas em uma negociação. Ocorrendo referida hipótese de representação dupla, as partes deverão estabelecer no contrato qual parte (clube ou atleta) irá ser responsável pela remuneração do intermediário. VI. Sanções Atualmente, através do art. 32 do Regulamento de Agentes FIFA, referido órgão estabelece que a responsabilidade pela aplicação de sanções relacionadas a transferências nacionais recai sobre a associação, sem prejuízo da competência da Comissão Disciplinar da FIFA estabelecer sanções a agentes que atuarem em transferências nacionais dentro de uma associação distinta daquela que concedeu a licença ao agente. Ademais, nos casos de transferências internacionais, a competência para impor sanções aos agentes é da Comissão Disciplinar da FIFA. Contudo, ocorrendo situações em que haja dúvida em relação ao órgão responsável por sancionar os agentes, a Comissão Disciplinar da FIFA será responsável por decidir quem deverá aplicar as sanções. De acordo com o disposto no art. 9 do novo Regulamento de Intermediários, cairá perante as associações a responsabilidade de sancionar as partes (atletas, clubes e intermediários) que infringirem as disposições do Regulamento de Intermediários. Nada obstante, as associações deverão publicar e informar à FIFA as sanções impostas, sendo que a Comissão Disciplinar da FIFA, por sua vez, irá verificar se as sanções deverão ter alcance mundial, de acordo com o Código Disciplinar da FIFA. -4-

5 VII. Início da Vigência do Novo Regulamento de Intermediários da FIFA O Regulamento de Intermediários da FIFA irá substituir integralmente o Regulamento de Agentes de Jogadores da FIFA e entrará em vigor a partir do dia 1 de abril de Com a entrada em vigor do novo regulamento, o atual sistema de concessão de licenças a agentes irá prescrever, de modo que as licenças perderão sua eficácia e deverão ser devolvidas às associações que as expediram. *.*.*.* Este texto é de autoria de CSMV Advogados e é protegido nos termos da legislação vigente. Sua reprodução total ou parcial depende de autorização expressa de seus autores. -5-

REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS

REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS 1 2 SUMÁRIO Título Página DISPOSIÇÕES PRELIMINARES...4 REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA REGISTRO E CADASTRO DE INTERMEDIÁRIOS...6

Leia mais

Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII

Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII Comentários à Proposta de Lei n.º 119/XII 1- Pensamos que a proposta de alteração que nos merece uma análise crítica é a estabelecida no artigo 3º, nº 3. Esta, refere: O valor amortizável do direito de

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017.

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017. Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de 2017. MEMO nº 01/2017. Assunto: DECRETO QUE ALTERA O DECRETO Nº 6.170 DE 5 DE JULHO DE 2007. Prezados (as) Senhores (as): Dispõe sobre as normas

Leia mais

IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de

IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de IN SRT 16/13 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DE RELAÇÕES DO TRABALHO - SRT nº 16 de 15.10.2013 D.O.U.: 16.10.2013 Dispõe sobre o depósito, registro e arquivo de convenções e acordos coletivos de

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Regulamento da Revista Thema

Regulamento da Revista Thema Regulamento da Revista Thema Capítulo I - Da finalidade e objetivo Art. 1 o - A Revista Thema é publicada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul) através da Pró-Reitoria

Leia mais

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA, CONSULTORIA E INTERMEDIAÇÃO Pelo presente instrumento, são partes, de um lado LOCADORA DE VEICULOS LTDA. LOCADORA RENT, pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL, que entre sim fazem, como. Representada...,e como REPRESENTANTE...,QUALIFICADOS NA FORMA

CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL, que entre sim fazem, como. Representada...,e como REPRESENTANTE...,QUALIFICADOS NA FORMA MODELO DE CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL, que entre sim fazem, como Representada...,e como REPRESENTANTE...,QUALIFICADOS NA FORMA ABAIXO: Pelo presente instrumento

Leia mais

REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS

REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS REGULAMENTO NACIONAL DE INTERMEDIÁRIOS 1 2 SUMÁRIO Título Página DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA REGISTRO E CADASTRO DE INTERMEDIÁRIOS...

Leia mais

REGULAMENTO DE INTERMEDIÁRIOS

REGULAMENTO DE INTERMEDIÁRIOS REGULAMENTO DE INTERMEDIÁRIOS 1 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Norma habilitante e interpretação 1. O presente Regulamento, bem como os anexos 1 e 2, que dele são parte integrante, é adotado ao

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE DIREITO CAPÍTULO III ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS Art. 50. Este Regulamento rege as atividades relativas aos estágios supervisionados do Curso de Direito.

Leia mais

Considerando o disposto na Lei Estadual n /70, que aprovou o Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado do Paraná;

Considerando o disposto na Lei Estadual n /70, que aprovou o Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado do Paraná; RESOLUÇÃO Nº. /2015 UNESPAR Aprova o Regulamento do regime de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva TIDE aos docentes da Universidade Estadual do Paraná. Considerando a necessidade de regulamentação do

Leia mais

FEDERAÇÃO CATARINENSE DE Fundada em 31 de Março de 1995 Filiada a Confederação Brasileira de Basketball

FEDERAÇÃO CATARINENSE DE Fundada em 31 de Março de 1995 Filiada a Confederação Brasileira de Basketball RESOLUÇÃO DE DIRETORIA RD 005/2015 RESOLVE: A Diretoria da Federação Catarinense de Basketball, reunida em 05 de Março de 2015, por proposta do Departamento de Registro, Documentação e Estatística, e no

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICADOS, DECLARAÇÕES E CERTIDÕES DA UTFPR

REGULAMENTO PARA CERTIFICADOS, DECLARAÇÕES E CERTIDÕES DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Relações Empresariais e REGULAMENTO PARA CERTIFICADOS, DECLARAÇÕES E CERTIDÕES DA UTFPR Estabelece Normas para elaboração,

Leia mais

NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR

NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR A Editora da () é um órgão vinculado à, regendo-se pela legislação vigente, pelo Estatuto da Universidade, pelo Regimento Geral e por seu Regulamento,

Leia mais

EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA

EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA Esta edição extraordinária visa esclarecer que, embora este Departamento Sindical - DESIN venha recebendo diversas procurações com a finalidade de representação em diferentes negociações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 Assunto: Estabelece normas para atividades dos representantes de turma. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do

Leia mais

REGULAMENTO DE INDEMNIZAÇÕES POR FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE INDEMNIZAÇÕES POR FORMAÇÃO Aprovado em reunião de Direcção de 17 de Junho de 2010 Alterado o artigo 3º d) em reunião de Direcção de 29 de Julho de 2010 REGULAMENTO DE INDEMNIZAÇÕES POR FORMAÇÃO PREAMBULO Dando comprimento ao seu

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Registros Presencial: 02-dias (certidão) e 15 dias (carteirinha ou certificado). Certidões Imediata Alteração contratual 05 dias úteis Cancelamento de Registro

Leia mais

DECISÃO do Plenário do CFA na 19ª reunião, realizada em 11/12/2003,

DECISÃO do Plenário do CFA na 19ª reunião, realizada em 11/12/2003, RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA N.º 287, DE 14 DE JANEIRO DE 2004 (Revogada pela Resolução Normativa CFA n.º 339, de 5 de junho de 2007) Dispõe sobre o parcelamento de anuidades e outros débitos de exercícios

Leia mais

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL REPRESENTAÇÃO COMERCIAL Copyright Ody & Keller Advocacia e Assessoria Empresarial, 2014. Todos os direitos reservados. Versão: 01 (outubro de 2014) Este material tem caráter informativo, e não deve ser

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO ANTT 3.694/2011 Alterada pela Resolução 4.792/2015

PROPOSIÇÃO DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO ANTT 3.694/2011 Alterada pela Resolução 4.792/2015 USUÁRIO DEPENDENTE DA FERROVIA PROPOSIÇÃO DE ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO ANTT 3.694/2011 Alterada pela Resolução 4.792/2015 OUTUBRO DE 2015 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS DA PROPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMERCIAL MODALIDADE INCENTIVO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMERCIAL MODALIDADE INCENTIVO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMERCIAL MODALIDADE INCENTIVO NOME DA PROMOÇÃO: MULTIASSISTÊNCIA PRATA PERÍODO DA PROMOÇÃO: 01/04/2014 até prazo indeterminado O objetivo desta Promoção Comercial é fomentar as

Leia mais

BOLSA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INDUSTRIAL - DTI

BOLSA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INDUSTRIAL - DTI BOLSA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INDUSTRIAL - DTI APRESENTAÇÃO Modalidade de bolsa destinada a graduados, mestres ou doutores que vão atuar em equipes de execução de projeto de pesquisa, voltadas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS. Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO

CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS. Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA A UTILIZAÇÃO E EXPLORAÇÃO DO BAR DO PÊGO ESCURO - GÓIS Processo nº A1/2015 PROGRAMA DE CONCURSO [1] PROGRAMA DE CONCURSO INDÍCE 3. Identificação e Objeto do Concurso 3. Entidade Adjudicante

Leia mais

A CLT cuidou de definir expressamente o conceito de uma Convenção Coletiva de Trabalho, em seu artigo 611:

A CLT cuidou de definir expressamente o conceito de uma Convenção Coletiva de Trabalho, em seu artigo 611: Conceito Entende-se por Convenção Coletiva de Trabalho como sendo um acordo de caráter normativo, pactuado entre dois ou mais sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais, com o

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 00X Substitui a Resolução 004/2000 do CONSUNI e dá outras providências

RESOLUÇÃO N. 00X Substitui a Resolução 004/2000 do CONSUNI e dá outras providências RESOLUÇÃO N. 00X-2007 Substitui a Resolução 004/2000 do CONSUNI e dá outras providências Normas para Regulamentação de Convênios, Contratos e Prestação de Serviços na UENF Considerando a necessidade de

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 207/2014-14/11/2014 BOLETIM 093/2014 Trabalho temporário tem novas normas de fiscalização definidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Por meio da norma em

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa dos Surdos - 2015. Art.

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE)

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 11/08/2014 Atualizado em: 11/08/2014 APRESENTAÇÃO 1. Este Documento é disponibilizado pela Cetip S.A

Leia mais

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito.

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e revoga dispositivos das Leis 4.595/64 de 31 de dezembro de 1964 e 5.764/71 de 16 de dezembro de 1971. Art. 1º As instituições financeiras constituídas

Leia mais

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017.

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Regulamenta o Estágio Supervisionado Obrigatório dos alunos do Curso de Graduação em Engenharia Agronômica da Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas da Unesp

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2016 Aprova a Sistemática para Registro e Acompanhamento das Atividades de Ensino do IFPE. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Leia mais

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR Aprova o Regulamento do Regime de Trabalho de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva TIDE aos docentes da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR. Considerando a necessidade de regulamentação do regime

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2005 Estabelece normas para o funcionamento de empresas privadas que exploram os serviços de vigilância comunitária de áreas residenciais. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

Termos e condições de uso do site SebosOnline.com

Termos e condições de uso do site SebosOnline.com Termos e condições de uso do site SebosOnline.com Instrumento Particular de Termos de Uso que fazem entre si justa e contratadas de um lado o USUÁRIO-COMPRADOR e de outro SebosOnline.com Serviços de Busca

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS)

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) SUBSTITUTIVO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 14,

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C R I S T A L / RS. LEI nº 1330/2014.

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C R I S T A L / RS. LEI nº 1330/2014. LEI nº 1330/2014. AUTORIZA A PREFEITURA MUNICIPAL DE CRISTAL A FIRMAR CONVÊNIO COM A SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PARA DELEGAÇÃO DE ATRIBUIÇÕES DE FISCALIZAÇÃO, LANÇAMENTO DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS

Leia mais

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes.

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2016-BNDES Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO PRIMEIRA LIGA 2016 1 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º A Primeira Liga 2016 é uma competição organizada pela Primeira Liga, doravante denominada LIGA,

Leia mais

Manual de Normas Letra Financeira

Manual de Normas Letra Financeira Versão: 27/07/2015 Documento Público 2 / 10 MANUAL DE NORMAS LETRA FINANCEIRA SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 4 Seção I Do Registrador de 4 Seção II Das atribuições do Emissor

Leia mais

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 10.05.2017 1. Objetivo: O objetivo deste procedimento é estabelecer as regras e diretrizes das atividades dos Agentes Autônomos de

Leia mais

As tabelas vigentes dos Planos de Cargos e Salários das Empresas serão reajustadas em 6,5% (seis e meio por cento), em 1º de setembro de 2009.

As tabelas vigentes dos Planos de Cargos e Salários das Empresas serão reajustadas em 6,5% (seis e meio por cento), em 1º de setembro de 2009. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que entre si fazem, de um lado o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, CNPJ 33.657.248/0001-89 e suas subsidiárias, a BNDES Participações S/A - BNDESPAR,

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

EDITAL 01/17 4. CONDIÇÕES GERAIS PARA A PARTICIPAÇÃO NO EDITAL INTERNO DE CHAMAMENTO

EDITAL 01/17 4. CONDIÇÕES GERAIS PARA A PARTICIPAÇÃO NO EDITAL INTERNO DE CHAMAMENTO EDITAL 01/17 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares/COPPE/UFRJ ITCP COPPE UFRJ, no uso de suas atribuições funcionais, observando as disposições da Lei nº 12.305,

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Av. Dr. Arnaldo, 455 ATAC Serviço de Pesquisa Fone/Fax: (11) / (11)

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Av. Dr. Arnaldo, 455 ATAC Serviço de Pesquisa Fone/Fax: (11) / (11) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À PRODUTIVIDADE ACADÊMICA PIPA DA FMUSP Art. 1º. O Programa de Incentivo à Produtividade Acadêmica (PIPA), sob gerenciamento e responsabilidade da Comissão de Pesquisa

Leia mais

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas Administrador Judicial O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES R E S O L U Ç Ã O N.º 07/2011 - CONCUR APROVA OS CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS AOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU. (*) O Presidente do Conselho de Curadores,

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 1- Denominação do Fundo: O Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157,

Leia mais

Comissão de Atletas Regulamento

Comissão de Atletas Regulamento Comissão de Atletas Regulamento 1. Missão 1.1. A Comissão de Atletas do COB tem por missão representar os Atletas Olímpicos perante o COB, fortalecendo os laços de comunicação e interação entre as partes.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE JORNADA

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE JORNADA MINUTA PRELIMINAR ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE JORNADA Pelo presente Instrumento e na melhor forma de direito, de um lado o SINDICATO DOS EMPREGADOS, a saber, Sindicato dos Trabalhadores em Empresas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo definir as normas que

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF Fl. 52 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF Solução de Consulta nº 9.019 - Data 30 de maio de 2016 Processo **** Interessado **** CNPJ/CPF **** ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários Flavia Mouta Superintendente de Desenvolvimento do Mercado Waldir Nobre Superintendente de Relações com o Mercado e Intermediários

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Versão 2016.1 Editada em Junho de 2016 1. OBJETIVO Esta Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários define os padrões de condutas internas exigidas

Leia mais

Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento

Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento Versão: 27/07/2015 Documento Público 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DA CONTRATAÇÃO DE ADMINISTRADOR DE CUSTÓDIA E DE DIGITADOR POR ADMINISTRADOR

Leia mais

MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4

MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4 2 / 10 MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4 CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 6 SEÇÃO I DO PROCEDIMENTO

Leia mais

Estágio Curricular. Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios

Estágio Curricular. Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios Estágio Curricular Profa. Dra. Tatiana Renata Garcia Coordenação de estágios Normas gerais Estágio obrigatório: é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação

Leia mais

ATUALIZADA EM 12/12/2013

ATUALIZADA EM 12/12/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 30, DE 5 DE JULHO DE 2013 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal de 1988, Título VIII, Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO RECARGA DISNEY GOGO S

REGULAMENTO PROMOÇÃO RECARGA DISNEY GOGO S REGULAMENTO PROMOÇÃO RECARGA DISNEY GOGO S O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a empresa Realizadora, o Parceiro Comercial e os clientes aderentes a promoção: 1. PARTICIPANTES

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD Aprova o Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Agentes Universitários da Fecilcam. O Diretor da Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - Fecilcam, na qualidade

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016 Dispõe sobre a solicitação de cancelamento do contrato do plano de saúde individual ou familiar, e de exclusão de beneficiário de contrato coletivo

Leia mais

COMO PREENCHER ART DE OBRA E SERVIÇO SISTEMA CREAÁGIL

COMO PREENCHER ART DE OBRA E SERVIÇO SISTEMA CREAÁGIL COMO PREENCHER ART DE OBRA E SERVIÇO SISTEMA CREAÁGIL 1 OBJETIVO: Apresentar procedimentos para o preenchimento de Anotação de Responsabilidade Técnica - ART de Obra e Serviço on-line pelo Portal CreaÁgil.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Atualizado até Fevereiro Diretoria do 3C

REGIMENTO INTERNO Atualizado até Fevereiro Diretoria do 3C REGIMENTO INTERNO Atualizado até Fevereiro 2015. Diretoria do 3C Sumário DISPOSIÇÃO INICIAL... 3 Capitulo I... 3 Disposições Gerais... 3 Capitulo II... 5 Convidados... 5 Capitulo III... 5 Das Penalidades...

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Câmpus Matão

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Câmpus Matão EDITAL Nº 257/2016 CHAMADA PÚBLICA PARA APOIO À REALIZAÇÃO DO 1º DESAFIO DE INOVAÇÃO DO IFSP O Reitor em exercício do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio da

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE TEMPORÁRIOS

CONTRATAÇÃO DE TEMPORÁRIOS CONTRATAÇÃO DE TEMPORÁRIOS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Lei Complementar 1.093 de 16, publ. no DOE de 17/07/2009. Decreto nº 54.682 de 13, publ. no DOE de 14/08/2009. Instrução Normativa UCRH 2 de 21, publ. no

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 376, de 25 de novembro de 2008. Regula a operacionalização, a emissão de autorizações e a fiscalização das operações de distribuição

Leia mais

CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013

CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 CIRCULAR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 Esta circular do segmento VAREJISTA se aplica aos comerciários da base comum dos sindicatos signatários deste documento: SINCOMÉRCIARIOS E SINCOMÉRCIO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP DENOMINAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 1. A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de São Paulo CIESP/FIESP denominar-se-á Câmara

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO - CFT PROJETO DE LEI Nº DE 2009 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO GUILHERME CAMPOS

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO - CFT PROJETO DE LEI Nº DE 2009 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO GUILHERME CAMPOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO - CFT PROJETO DE LEI Nº 6.287 DE 2009 Altera a Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para regular o registro de contrato de transferência de tecnologia. Autor: Deputado

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM 1. OBJETIVOS O objetivo das Normas de Conduta é estabelecer os procedimentos necessários para o exercício das atividades dos Analistas

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento fixa diretrizes e normas

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº , 15 DE SETEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº , 15 DE SETEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001 2014, 15 DE SETEMBRO DE 2014. Versão: 01 Ato de Aprovação: Instrução Normativa SRH nº 001 2014. Unidade Responsável: Diretoria de Recursos Humanos. Dispõe sobre procedimentos

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. A presente Política de Divulgação tem como princípio geral estabelecer o dever da BR TOWERS SPE1 S.A ( Companhia ) de divulgar, de

Leia mais

IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI /2012

IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI /2012 O que é? IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI 12.741/2012 A Lei nº 12.741/2012 estabelece a obrigatoriedade de informação da carga tributária sobre produtos e serviços ao consumidor, seja ele pessoa física ou

Leia mais

CLÁUSULA 1ª. - VIGÊNCIA E DATA-BASE

CLÁUSULA 1ª. - VIGÊNCIA E DATA-BASE PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS DE TELEATENDIMENTO PARA NEGOCIAÇÃO COLETIVA UNIFICADA DOS SINDICATOS FILIADOS À FENATTEL DATA-BASE 1º DE JANEIRO DE 2015. CLÁUSULA 1ª. -

Leia mais

Acordo de Valores de Remuneração de Redes VU-T da NEXTEL VU-M da OPERADORA

Acordo de Valores de Remuneração de Redes VU-T da NEXTEL VU-M da OPERADORA Acordo de Valores de Remuneração de Redes VU-T da NEXTEL VU-M da OPERADORA da CO-ITX-0XX-2006 SME SMP Versão Data V 1.0-2006 19/05/2006 Índice: Acordo de Valores de Remuneração das Redes Móveis da Nextel

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição de serviços para contratação de empresa para prestação de serviços de elaboração,

Leia mais

R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional.

R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. DÚVIDAS FREQÜENTES: 1. QUEM DEVE PAGAR A CONTRIBUIÇÃO R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. 2. EMPRESA NÃO FILIADA

Leia mais

PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de Processo: /

PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de Processo: / PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de 2009 : 23000.091441/2009-33 O Reitor Pro Tempore do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E DE PARCERIA que entre si celebram na melhor forma de direito, ABFMED ASSOCIAÇÃO XXXXXXXX XXXXXXXX XXXXX, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002.

CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002. CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002. CONSOLIDAÇÃO ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 02 E TRAZ NOVAS DIRETRIZES PARA AS CONTRATAÇÕES DE PESSOAL PELA FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos - 2015. Art. 2º

Leia mais