Do gatekeeping ao gatewatcher: o papel das redes sociais no ecossistema mediático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do gatekeeping ao gatewatcher: o papel das redes sociais no ecossistema mediático"

Transcrição

1 Do gatekeeping ao gatewatcher: o papel das redes sociais no ecossistema mediático Prof. Doutor João Canavilhas Universidade da Beira Interior Covilhã, Portugal Curriculum Vitae : João Canavilhas es licenciado en Comunicação Social (Universidade da Beira Interior) y doctor por la Universidad de Salamanca. (España). Actualmente es profesor en la Universidade da Beira Interior donde imparte clases de webperiodismo, periodismo radiofónico e infografia multimedia para periodistas. Además de las funciones docentes, es Director de periódico online URBI, el primer periódico universitario portugués en la web y coordinador de radio y televisión de UBI. Es miembro del Centro de Investigación Labcom-UBI (evaluación FCT: Very Good) donde investiga temas conectados con nuevas tecnologías y periodismo. ABSTRACT (n.b.: En el idioma original de la Comunicación, Español, Inglés, Portugués o Francés, 250 palabras máximo) A massificação da Internet está a redefinir as relações entre o jornalismo e os leitores. O modelo de difusão característico da primeira época dos media ( um para muito ) deu lugar aos modelos descentralizados e bidireccionais da segunda era dos media (Poster, 2000) em que a informação circula de muitos para muitos, de muitos para um e de um para um. A mudança no ecossistema mediático foi acelerada pelo aparecimento dos media sociais (blogues, microblogues e redes sociais) com o aumento do número de fontes e, consequentemente, da quantidade de informação em circulação. As consequências desta oferta excessiva sentem-se na actividade jornalística, mas também na forma como os leitores se relacionam as notícias: enquanto os media aperfeiçoam formas de distribuição que os diferencie da concorrência e os aproxime da audiência, os leitores procuram processos que lhes permitam triar a avalanche de informação recebida diariamente pela Web. Se a blogosfera contribui sobretudo para aumentar a oferta informativa, influenciando fundamentalmente o lado da emissão, as redes sociais têm mais preponderância ao nível da recepção, estando a funcionar como um segundo nível de seriação de notícias. Trata-se de um novo tipo de gatekeeping desenvolvido pelos media nos seus canais sociais, mas também por cidadãos com prestígio (gatewatchers) em torno dos quais se constroem comunidades virtuais. Neste trabalho analisa-se o potencial das redes sociais na redistribuição de notícias, nomeadamente no que concerne ao aumento do número de leitores e à transformação das audiências em comunidades com maior intervenção no ecossistema mediático. 1 ABSTRACT (Inglés, siempre debe existir un abstract en inglés, 250 words máx) Internet massification is redefining the connections between journalism and its readers. The diffusion model, characteristic of the first media era ( from one to many ) gave place to decentralised and bidirectional models, in the second media era (Poster, 2000), where the information runs from many to many, from many to one and from one to one. The changes in the media ecosystem were accelerated by the social media (blogs, microblogs and social networks) multiplying the number of sources, thus the quantity of information. The consequences of this excessive offer of information can be felt in the way readers relate themselves with the news: as the media perfect forms of distribution that distinguish them from

2 their competitors and bring them close to their audience, readers look for processes that allow them select the information storm received daily over the web. If the blogosphere contributes essentially to increase the offer of information, with particular influence upon the emitting side, social networks have higher weight on the reception level, as a news selector of a second degree. It is a new kind of gatekeeping, developed by the media themselves in their social channels or by prestigious citizens (gatewatchers) within the networks around which virtual communities are created. In this paper it is analysed the potential of the social networks in the redistributing of the news, especially concerning the increasing number of readers and the transformation of audiences in communities who can participate more in the media ecosystem. PALABRAS CLAVE Redes Sociais, jornalismo, gatekeeping, KEY WORDS Social Networks, journalism, gatekeeping 2 Grupo temático 4: Comunicación y Periodismo: blogs, wikis, redes sociales, Web 3.0 y telefonía en Internet. Introdução A evolução do jornalismo está umbilicalmente ligada ao aparecimento de novas tecnologias. A imprensa de caracteres móveis, o telefone ou os computadores são apenas três exemplos de tecnologias que alteraram as rotinas de produção noticiosa em diferentes momentos da história do jornalismo. Na última década, as grandes mudanças no campo do jornalismo estão relacionadas com uma tecnologia que se transformou num novo meio, a Internet, com particular destaque para um dos seus serviços: a World Wide Web. Criada no início da década de 90, no CERN, a Web parecia ser apenas mais um serviço da Internet, como o correio electrónico e o FTP, mas a realidade mostrou algo diferente: apenas cinco anos após o seu aparecimento, o número de utilizadores da Web crescia a um ritmo superior a 100%. O aumento exponencial de conteúdos disponíveis, o desenvolvimento de browsers mais intuitivos e o aparecimento do Blogger (1999), do Facebook (2004), do Youtube

3 (2005) e do Twitter (2006) transformaram a Web no grande motor da Internet que passou de16 milhões de utilizadores, em Dezembro de 1995, para cerca de 1,8 mil milhões, em Dezembro de 2009 (Internet World Stats). As aplicações que alavancaram a sucesso da Web são também as mais utilizadas pelos jornalistas no seu dia a dia. Algumas delas, como as redes sociais e os blogues, alteraram profundamente as rotinas de produção noticiosa, estando hoje perfeitamente integradas na actividade profissional jornalística, sobretudo em duas fases cruciais do processo de produção jornalístico: a recolha de informação e a distribuição de notícias. Enquanto fontes, os blogues e as redes sociais suscitam cada vez mais atenção dos jornalistas nas suas rotinas diárias de pesquisa. O caso da licenciatura do primeiro-ministro português José Sócrates é um bom exemplo do potencial destas aplicações, com o blogue Portugal Profundo a estar na origem de uma polémica que dominou as primeiras páginas dos jornais durante semanas. Mais recentemente, o anúncio de que Cristiano Ronaldo tinha sido pai, efectuada pelo próprio no Twitter e Facebook, deu origem a milhares de notícias em todo o mundo. Estes são apenas dois exemplos portugueses da forma como estas aplicações se transformaram numa importante fonte de informações, aumentando o leque de opções dos jornalistas. 3 Também no campo da distribuição de notícias se registam alterações, com blogues e redes sociais transformados em verdadeiros canais de distribuição instantânea. Para além dos próprios media utilizarem estes canais, os leitores chamaram a si esta actividade, funcionando como uma espécie de novos gatekeepers que comentam e seleccionam as notícias mais interessantes para os seus amigos (Facebook) ou seguidores (Twitter). Desta forma, the people formerly known as the audience, na feliz expressão de Jay Rosen (2006), coloca-se no centro de um novo ecossistema mediático, aproximando os dois extremos do processo de produção de notícias: a recolha de informação e a distribuição dos conteúdos. Como refere Rosental Alves, pasamos del sistema media-céntrico al yo-céntrico, donde el individuo se transforma en un microorganismo al tener el poder de comunicarse, de intercambiar información, de redistribuir (1). Esta mudança está a provocar rupturas num ecossistema que ainda procura agora novos equilíbrios. 1. Do gatekeeping ao gatewatching O relatório Understanding the Participatory News Consumer (The Pew Internet & American Life Project, 2010) confirmou uma tendência: os americanos estão a usar cada vez mais as redes

4 sociais para filtrar a informação que lhes interessa. A confirmar-se este comportamento, o percurso da informação passa a ter dois níveis de gatekeeping. No primeiro nível, os jornalistas seleccionam os acontecimentos que reúnem condições para se transformarem em notícia, um processo motivado pela escassez de espaço nas páginas dos jornais e nos serviços informativos radiofónicos e televisivos (Bruns, 2003). No decorrer deste processo, subordinado à aplicação de critérios profissionais e organizativos, são combinados os diferentes valores-notícia relacionados com as características do próprio acontecimento, com o processo produtivo de cada meio de comunicação, com as características do público ao qual se destina a informação e com a concorrência do meio em questão (Wolf, 1987). Para além desta seriação dos acontecimentos a tratar, o jornalista recorre ainda a diversas técnicas para reduzir a sua informação ao espaço que o editor lhe atribuiu. No caso das publicações na Web esta situação altera-se. Sem limitações espaciais, o jornalista pode publicar uma maior quantidade de notícias nos mais variados formatos e com possibilidade de ligação a outras fontes e documentos através de links. Esta disponibilidade espacial tendencialmente infinita acaba por se transformar num potencial obstáculo para os leitores, pois a cada segundo que passa são disponibilizadas milhares de notícias na Web. Aos meios de comunicação juntam-se ainda os conteúdos produzidos por empresas, instituições e utilizadores que alimentam sites, blogues e redes sociais, gerando-se um caudal informativo que os utilizadores não conseguem acompanhar. Esta realidade criou a necessidade de mecanismos de triagem, tendo surgido os leitores de feeders, as tags, etc. Ainda assim, a quantidade de informação na Web é tal que os consumidores continuam à procura de novos mecanismos de selecção. 4 David Sasaki (2), vencedor do Knight News Challenge Winner em 2007 e Director da Rising Voices, diz que uma das queixas mais ouvidas nas conferências está relacionada com a baixa qualidade dos filtros. Sasaki considera que a solução pode passar por aplicações como o StumbleUpon, Digg, Google Reader, NewsTrust, baseadas em algoritmos, ou outras mediadas por voluntários, como o True/Slant, The Daily Beast ou Global Voices. No seu dia-a-dia, Sasaki confirma a tendência evidenciada no estudo da PEW (2010): For many of us, Twitter is becoming the front page of our morning newspaper., conclui Sasaki. Um estudo da Retrevo (2010) confirma que 42% dos americanos começam o dia a consultar as redes sociais (Facebook e Twitter), e 16% dizem ser nestas aplicações que procuram as notícias da manhã. O já referido relatório do PEW (2010) aponta no mesmo sentido: cerca de metade dos americanos optam pela leitura das notícias nas redes sociais porque confiam na selecção

5 noticiosa que os seus amigos fazem. O estudo revela ainda que 75% dos consumidores de notícias online recebem links para essas notícias via ou redes sociais, e 52% partilha igualmente notícias por esta via. Por fim, o estudo refere que 51% dos utilizadores de redes sociais, como o Facebook, dizem que todos os dias lêem notícias disponibilizadas por algum dos seus amigos, e 23% seguem notícias disponibilizadas nestas redes por media tradicionais ou jornalistas. Esta realidade permite verificar que à primeira acção de gatekeeping dos jornalistas, segue-se uma segunda protagonizada por utilizadores de referência, porém esta segunda acção de selecção apresenta características diferentes da anterior: já não se trata de seleccionar/resumir informação, mas sim de indicar pistas de leitura. Bruns (2003) chamou a esta actividade Gatewatching referindo que ela completes the shift from a focus on summarising the information contributed to a news story by a variety of news sources ( ) In other words, gatewatchers fundamentally publicise news (by pointing to sources) rather than publish it (by compiling an apparently complete report from the available sources) (Bruns, 2003, s/n). O gatewacher emerge assim como um elemento central num ecossistema mediático onde a fragmentação motivada pela multiplicação de fontes e o excesso de informação obrigam os media a disputarem a atenção dos leitores. If scarcity is a main motivator of the type of organized activity that could possibly be labeled an economy, then the scarcity of attention is an especially good one (Goldhaber, 1997, s/n). Nesta economia da atenção, o gatewatcher funciona com um analista de mercados financeiros que aconselha os seus seguidores/amigos a investirem a sua atenção neste ou naquele tema, publicando os links para as notícias : The World Wide Web's key feature, the hyperlink, more or less automates this redirection of the flow of attention making it easy to pass attention further up the chain, helping to unify the world wide flow of attention into one complex free-standing system (Goldhaber, 1997, s/n). Este fluxo de atenção cresce à medida que a notícia é partilhada e comentada pelos leitores, gerandose novas ligações entre leitores. A estabilização destas ligações tende a transformar um grupo de leitores numa comunidade, algo que, curiosamente, é coincidente com uma missão do jornalismo: ajudar as comunidades a definirem-se, encontrando uma cultura comum enraizada na realidade (Kovach & Rosenstiel, 2001) Comunidades online e audiências O número de utilizadores de redes sociais não pára de crescer. O Facebook, com cerca de 500 milhões de utilizadores, é a maior rede social, mas juntamente com Myspace, QQ, Orkut,

6 Ozone, Vkontakte e CyWorld, ultrapassam os mil milhões de utilizadores. A blogosfera, que em 2006 crescia à razão de um blogue por cada meio segundo, já passou a sua fase áurea, no entanto há milhões de blogues que continuam a ser actualizados. Quanto ao Twitter, uma plataforma de microblogues, os números apontam para cerca de 190 milhões de utilizadores. Com os media sociais em acelerado crescimento, os meios de comunicação procuram adaptar-se a este ecossistema mediático em rápida mutação, optimizando os sites para a partilha das notícias (SMO - Social Media Optimization) e oferecendo espaços para comentários. O objectivo é envolver mais os leitores, criando comunidades virtuais, agregados sociais surgidos na Rede, quando os intervenientes de um debate o levam por diante em número e sentimento suficientes para formarem teias de relações pessoais no ciberespaço. (Rheigold, 1993,18). O sucesso do SMO e a emergência dos gatewatchers levou ao nascimento de comunidades virtuais que permitem aos media cumprir uma das suas missões: a criação de espaços de debate. Journalism must provide a forum for public criticism and comment (Kovach & Rosenstiel 2001, 134). O estudo do PEW (2010) confirma que 72% dos americanos consomem notícias nas redes sociais porque gostam de falar com outros consumidores acerca do conteúdo das notícias, um comportamento que justifica a necessidade de integrar as redes no ecossistema como forma de envolver mais os leitores. News consumption is a socially-engaging and socially-driven activity, especially online. The public is clearly part of the news process now. Participation comes more through sharing than through contributing news themselves. (PEW, 2010, 10). Cientes desta nova realidade, os media criaram contas nas redes sociais, efectuando um segundo nível de gatekeeping e funcionado eles próprios como dinamizadores do grupo. Esta aposta em contas próprias nas redes sociais e o SMO têm o mesmo objectivo aumentar o número de leitores - mas os resultados podem ser distintos. Enquanto no primeiro caso a acção é dirigida directamente aos leitores, no segundo caso o contacto é indirecto, pois são os gatewatcher que redistribuem a informação para a sua comunidade. Estamos assim perante dois conceitos distintos: comunidade e audiência 6 Uma audiência caracteriza-se por uma relação unidireccional entre emissor e receptor (de um para muitos) e pela inexistência de relações entre os receptores. Este tipo de relacionamento é o modelo característico nos media tradicionais. No caso das comunidades regista-se uma comunicação bidireccional (muitos para muitos), existindo algum tipo de relação de proximidade entre os seus membros (Shirky, 2002a). Neste caso estamos perante um modelo característico dos novos meios interactivos. Com o desenvolvimento das telecomunicações e a emergência da Internet, os media tradicionais procuraram juntar comunicação massiva e interactividade (Palácios, 1996), explorando melhor

7 as novas possibilidades dos receptores interagirem com os media. Porém, o processo de transformação de audiências em comunidades não depende apenas da abertura de canais de retorno do receptor para o emissor. Para além das questões técnicas, a existência de uma comunidade implica a existência de algum tipo de relação horizontal entre receptores que reforce os laços que os unem: a comunidade virtual parece enfatizar uma comunidade de interesses relacionada com o assunto em discussão que pode conduzir ao fortalecimento do espírito comunitário (Correia, 2002, 4). Não se trata apenas da passagem do sistema de um para muitos para outro de muitos para um : é preciso que exista também a alternativa de muitos para muitos. Para além disso, o conceito de comunidade está relacionado com a tensão entre dois elementos: dimensão e especialização. Como refere Shirky (2002b), é possível ter uma grande comunidade não muito focalizada, ter uma comunidade focalizada mas não muito grande, ou um grande número de pessoas focalizadas nalgum tema, mas jamais será uma comunidade. Os mainstream media enquadram-se nesta última opção, mas regista-se um movimento no sentido de evoluírem para um modelo comunitário em que as relações são mais fortes e duradouras. A utilização de ferramentas próprias, como o Eskup (3) do jornal El Pais, e a contratação de gestores de novos media, são exemplos da aposta que os media estão a fazer nesta transformação das audiências em comunidades virtuais Metodologia e problema de investigação O aumento da informação na Web está a obrigar o ecossistema mediático a passar de um ambiente pull, em que os receptores procuram as notícias, para um ambiente push, em que as notícias vão ter com os receptores. Neste novo ambiente, as redes sociais são um canal de selecção onde os gatewatchers emergem como elementos dinamizadores de comunidades virtuais, pelo que a sua acção dever ter efeitos no consumo de notícias. Ao seleccionar uma notícia colocando um link na sua página, o gatewatcher está a dar uma indicação de leitura, pelo que deverá ocorrer um aumento no número de leitores dessa mesma notícia. Na primeira parte do trabalho empírico procuramos verificar se existe uma relação entre a publicação do link para uma notícia e o aumento do número de leitores. Nos capítulos anteriores estabeleceu-se a diferença entre audiências e comunidades, distinguindo-as pela dimensão/especialização, mas também pelo facto das segundas privilegiarem a bidireccionalidade e horizontalidade no processo de comunicação. Na segunda

8 parte do trabalho procuramos avaliar a dinâmica comunicacional gerada em torno dos gatewatchers, observando as alterações verificadas no número de comentários à notícia e comparando a actividade dos utilizadores no site do jornal e nas redes sociais. 3.1 Participantes Participaram como gatewatchers os jornalistas António Granado 1 (725 amigos no Facebook e 4104 seguidores no Twitter), José Manuel Fernandes 2 (5185 no Facebook e 7204 no Twitter) e Paulo Querido 3 (4937 no Facebook e no Twitter) Desenho e procedimento Entre os dias 27 de Agosto e 14 de Setembro foram seleccionadas 12 notícias Web dos jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Ionline e Público. Apenas em 4 casos foi escolhida uma notícia pertencente à edição do dia, mas nestes casos o gatewatcher só publicou o link no final da tarde. O objectivo era anular o efeito de outras referências sem ligação ao nosso trabalho. Embora na maior parte dos casos exista um registo de tráfego directo, isto é, do número de leitores que chegou à notícia a partir do link publicado pelo gatewatcher, optámos por contar todas as leituras efectuadas após a referência, medindo também as leituras resultantes dos chamados retuites motivados pela referência inicial. Devido a erros relacionados com os tempos de publicação foram anuladas duas notícias. Para responder à primeira pergunta de investigação foi registado o número de visitas antes e depois das referências efectuadas pelos gatewatchers nas duas redes sociais testadas (Twitter e Facebook). Para responder à segunda foram registados os comentários à notícia antes e depois das referências. Contaram-se ainda os comentários e os gostos no Facebook para avaliar este nível de interactividade Resultados 4.1 Os primeiros números estão relacionados com o número de visitas motivado pela indicação da notícia na rede social do gatewatcher. Optou-se pela apresentação dos resultados em percentagem porque existe uma grande variação no número de visitas, o que poderia induzir em erro. 1 Ex-coordenador do Público Online, professor na Univ. Nova de Lisboa e dinamizador do blogue Ponto Media 2 Ex-director do Jornal Público e professor na Univ. Católica 3 Consultor de New Media e dinamizador de vários projectos online, entre os quais o Certamente que Sim 4 Dados recolhidos no dia 28 de Agosto de 2010

9 Gatewatcher Jornal Aplicação % Público Facebook 23% António Granado JN Twitter 24% JN Facebook 16% JN Facebook 14% Paulo Querido José Manuel Fernandes Ionline Twitter 12% Público Facebook 21% DN Facebook + T 35% DN Facebook 58% Público Facebook 22% DN Facebook 32% Os resultados permitem concluir que, em média, a acção dos gatewatchers representa 26% das leituras registadas numa notícia referenciada. Os outliers (12 e 58%) resultam de duas situações especiais: no primeiro caso foram consideradas apenas as leituras directas (o jornal em causa não disponibiliza estatísticas na sua página) e no segundo trata-se de uma notícia que registava um baixo número de visitas pelo que a referência teve um peso acima do habitual. Dado que visitas foram registadas em quatro períodos (1, 3, 6 e 24 horas depois da referência) foi possível verificar que não existe um aumento brusco do número de visitas, mas uma progressão linear. Esta constatação permite dizer que as leituras não resultam de visitas de impulso resultantes do surgimento da referência no mural, mas de uma pesquisa dos amigos/seguidores no perfil do gatewatcher. Refira-se ainda que não se verificou a existência de uma proporcionalidade directa entre o número de amigos/seguidores do gatewatcher e o número de leituras induzidas pela sua acção A redistribuição de notícias usando as redes sociais tem igualmente efeitos ao nível da interacção. Das dez notícias observadas, 3 aumentaram o número de comentários após a referência. Verifica-se ainda que a interacção no Facebook é superior à que ocorre no espaço de comentários da notícia. No total, as notícias registaram 32 comentários enquanto no Facebook foram recebidos 83 comentários. Este dado é particularmente interessante porque confirma as redes sociais como um ambiente mais favorável à interactividade. Os dados apurados permitem ainda concluir que as referências suscitam mais comentários quando o gatewatcher assume alguma posição em relação ao teor da notícia. Conclusões Embora se trate de um estudo preliminar que deve ser aprofundado e replicado com amostras maiores, podemos dizer que a utilização das redes sociais na distribuição de notícias aumenta o

10 número de leitores. Com a oferta mediática em contínuo crescimento, os media são obrigados a disputar a atenção dos consumidores, procurando gerar tráfego nos seus sites e, desta forma, aumentar as receitas publicitárias. Para além deste efeito catalisador, as redes sociais facilitam uma transmutação na forma como os leitores se relacionam com os media, gerando um maior envolvimento e fortalecendo os laços entre media e leitores. Esta aproximação potencia a transformação das audiências em comunidades, uma situação que tende a gerar a fidelização dos consumidores por estes reconhecerem que a pertença à comunidade é uma mais-valia. A intensificação do relacionamento, por via da interacção com o gatewatcher e com os restantes leitores, aumenta o valor da participação, reforçando a fidelidade dos leitores. Neste nível de relacionamento, os media estão melhor posicionados para cobrar o acesso aos conteúdos uma vez que o leitor reconhece valor à informação que lhe é fornecida por via da participação na comunidade. Bibliografia Bolter, J. D. y Grusin, R. (1999). Remediation. Understanding New Media. Cambridge: The MIT Press. 10 Bruns, A. (2003). Gatewatching, not gatekeeping: Collaborative online news. Media International Australia Incorporating Culture and Policy: Quarterly Journal of Media Research and Resources, 107, pp Correia, J. (2002). Novo jornalismo, CMC e esfera pública. Disponível em acedido a 9 de Agosto de 2010 Goldhaber, M. H. (1997). The Attention Economy and the Net. Disponível em acedido a 21 de Agosto de 2010 Jones, S. G. (1998). Cybersociety 2.0: Revisiting Computer-Mediated Communication and Community. Sage: London Kovach, B & Rosenstiel, T. (2001). The Elements of Journalism: What Newspeople Should Know and the Public Should Expect. New York: Three Rivers Express

11 Palácios, M. (1996). Cotidiano e Sociabilidade no Ciberespaço: Apontamentos para Discussão. Em António Fausto Neto e José Milton Pinto (Orgs), O Indivíduo e as Mídias, Rio de Janeiro: Diadorim Pavlik, J. V. (2001). Journalism and New Media. New York: Columbia University Press: Poster, M. (2000). A Segunda Era dos Média. Oeiras: Celta Editora Reichheld, F. (1996). The Loyalty Effect. Boston. Harvard Business School Press Rheingold, H. (1993). A Comunidade Virtual. Lisboa: Gradiva. Retrevo (2010). Is Social Media a New Addiction?Disponível em acedido a 18 de Agosto Rosen, J. (2006). The people formerly known as the audience. Disponível em acedido a 17 de Agosto de Shirky, C. (2002a). Communities, Audiences, and Scale. Disponível em acedido a 12 de Agosto de Shirky, C. (2002b). Broadcast Institutions, Community Values. Disponível em acedido a 12 de Agosto de The Pew Internet & American Life Project. (2010). Understanding the Participatory News Consumer. Disponível em acedido a 23 de Julho de Notas: 1. Entrevista ao Jornal El País de 5 de Setembro de 2010 (http://www.elpais.com/articulo/reportajes/medios/deben/aparcar/arrogancia/elpepusocdmg/ elpdmgrep_5/Tes)

12

A Comunicação Política na Era da Internet

A Comunicação Política na Era da Internet A Comunicação Política na Era da Internet João Canavilhas Universidade da Beira Interior Índice Introdução 1 1 Comunicação política 2 2 Dispositivos 4 2.1 Dispositivos Tradicionais.... 5 2.2 Novos dispositivos.......

Leia mais

Os media e a blogosfera (II)

Os media e a blogosfera (II) JJ é uma edição do Clube de Jornalistas >> nº 42 Abr/Jun2010 >> 2,50 Euros TEMAS Jornalismo Público 2.0 O fim dos tempos ou a reinvenção do Jornalismo? Os media e a blogosfera (II) ENTREVISTA Carlos Camponez

Leia mais

Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS. Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes

Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS. Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes 1 Título: Redes Sociais para Cientistas Autores: Ana Sanchez, António Granado, Joana Lobo Antunes

Leia mais

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Manuel Pinto (coordenador) Sara Pereira Luís Pereira Tiago Dias

Leia mais

JEFFERSON BASSETTO. MÍDIAS SOCIAIS ON-LINE: o consumidor fala, mas quem escuta?

JEFFERSON BASSETTO. MÍDIAS SOCIAIS ON-LINE: o consumidor fala, mas quem escuta? JEFFERSON BASSETTO MÍDIAS SOCIAIS ON-LINE: o consumidor fala, mas quem escuta? Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social São Bernardo do Campo-SP, 2013 JEFFERSON

Leia mais

O admirável Mundo das Notícias

O admirável Mundo das Notícias João Carlos Correia O admirável Mundo das Notícias Teorias e Métodos LabCom Books 2011 Livros LabCom www.livroslabcom.ubi.pt Série: Estudos em Comunicação Direcção: António Fidalgo Design da Capa: Madalena

Leia mais

Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores

Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores 1 1 Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores

Leia mais

Faculdade de Ciências. Universidade do Porto. Projecto SER MAIS. Educação para a Sexualidade Online. Arménio Martins Fernandes

Faculdade de Ciências. Universidade do Porto. Projecto SER MAIS. Educação para a Sexualidade Online. Arménio Martins Fernandes Faculdade de Ciências Universidade do Porto Projecto SER MAIS Educação para a Sexualidade Online Arménio Martins Fernandes PORTO Junho 2006 Faculdade de Ciências Universidade do Porto Projecto SER MAIS

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA T E S E S 17 DEZEMBRO 2008 CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Professores e Alunos em Contexto Intercultural S Ó N I A A L M E I D A A R A Ú J O PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS CONTRIBUTOS

Leia mais

Utilização das TIC nas Empresas de Intermediação Financeira, de Telecomunicações e de Informática SETEMBRO DE 2003

Utilização das TIC nas Empresas de Intermediação Financeira, de Telecomunicações e de Informática SETEMBRO DE 2003 Utilização das TIC nas Empresas de Intermediação Financeira, de Telecomunicações e de Informática SETEMBRO DE 2003 Utilização das Tecnologias de Informação e de Comunicação nas Empresas Financeiras, de

Leia mais

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING?

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? Recebido em: 18/11/2012 Aprovado em: 21/02/2013 Avaliado

Leia mais

A Internet em Portugal

A Internet em Portugal A Internet em Portugal Sociedade em Rede 2014 Publicações OberCom ISSN 2182-6722 1 Índice Sumário Executivo... 4 Análise de Indicadores... 5 Utilização de Internet... 5 Os Internautas portugueses - Caracterização...

Leia mais

Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão

Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão Raquel Recuero Resumo: O presente artigo visa discutir algumas intersecções dos processos de difusão de informações

Leia mais

Como planificar e gerir um serviço de referência

Como planificar e gerir um serviço de referência No.28, Abr Jun. 2007 Como planificar e gerir um serviço de referência Sérgio Filipe Agostinho Mangas Bibliotecário responsável pela Biblioteca Municipal de Figueiró dos Vinhos, Portugal sergiomangas@gmail.com

Leia mais

Estratégias de Marketing Online nas Empresas Direcionadas à Classe C

Estratégias de Marketing Online nas Empresas Direcionadas à Classe C UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LUCIANA SILVA DE OLIVEIRA Estratégias de Marketing Online nas Empresas Direcionadas à Classe C São Paulo Junho de 2011 LUCIANA SILVA DE OLIVEIRA Estratégias de Marketing Online

Leia mais

O conceito de commons na cibercultura *

O conceito de commons na cibercultura * 49 O conceito de commons na cibercultura * Sergio Amadeu da Silveira Mestre e doutor em Ciência Política (USP) Professor titular do Programa de Pós-graduação da Faculdade Cásper Líbero E-mail: sergioamadeu@uol.com.br

Leia mais

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados.

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. AGRADECIMENTOS A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. Gostaríamos de agradecer ao Dr. Jorge Cortez por nos ter recebido

Leia mais

Os putos também fazem filmes?

Os putos também fazem filmes? e d u c a ç ã o / f o r m a ç ã o Maria do Rosário Rodrigues & João Grácio Os putos também fazem filmes? Os putos também fazem filmes? Maria do Rosário Rodrigues Escola Superior de Educação - Instituto

Leia mais

Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem

Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem COG132A.QXD 09-01-2008 10:23 Page 169 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO, 2007, VOL. 13, N.º 2, 169-189 Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem Mário José Batista Franco Universidade da

Leia mais

O EDUCADOR DE INFÂNCIA E O JOGO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

O EDUCADOR DE INFÂNCIA E O JOGO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO O EDUCADOR DE INFÂNCIA E O JOGO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA Emília Maria Freitas Lopes Serrão MESTRADO EM EDUCAÇÃO (Formação Pessoal

Leia mais

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001.

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho

Leia mais

Inovadora e democrática. Mas e aí? Uma análise da primeira fase da consulta online sobre o Marco Civil da Internet 1

Inovadora e democrática. Mas e aí? Uma análise da primeira fase da consulta online sobre o Marco Civil da Internet 1 Inovadora e democrática. Mas e aí? Uma análise da primeira fase da consulta online sobre o Marco Civil da Internet 1 Rafael Cardoso Sampaio 2 Rachel Callai Bragatto 3 Maria Alejandra Nicolás 4 Resumo:

Leia mais

Jornada nas Escol@s: A nova geração de professores e alunos

Jornada nas Escol@s: A nova geração de professores e alunos vol. 1, n. 1, nov/2013 artigo Jornada nas Escol@s: A nova geração de professores e alunos Lucia M. M. Giraffa (FACIN/PGEDU/PUCRS) 1 Resumo Este artigo apresenta reflexões acerca da questão da formação

Leia mais

THE PORTUGUESE LANGUAGE IN THE DIGITAL AGE A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL

THE PORTUGUESE LANGUAGE IN THE DIGITAL AGE A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL White Paper Series Coleção Livros Brancos THE PORTUGUESE LANGUAGE IN THE DIGITAL AGE A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL António Branco Amália Mendes Sílvia Pereira Paulo Henriques Thomas Pellegrini Hugo

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH)

CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) CONSELHO CIENTÍFICO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DAS HUMANIDADES (CCCSH) Ciências Sociais e Humanidades: mais excelência, maior impacte Internacionalização, pluralismo, pluridisciplinaridade, avaliação, disseminação

Leia mais

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Maestros en línea: Demandas de formación contínua para la

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE PAIS E PROFESSORES: Uma construção de proximidade para uma escola de sucesso

A RELAÇÃO ENTRE PAIS E PROFESSORES: Uma construção de proximidade para uma escola de sucesso Doutoramento em Educação Infantil e Familiar Investigação e Intervenção Psicopedagógica Universidade de Málaga e E.S.E. João de Deus A RELAÇÃO ENTRE PAIS E PROFESSORES: Uma construção de proximidade para

Leia mais

Em busca das redes que importam : * redes sociais e capital social no Twitter

Em busca das redes que importam : * redes sociais e capital social no Twitter 81 Em busca das redes que importam : * redes sociais e capital social no Twitter Raquel Recuero Doutora em Comunicação e Informação (UFRGS) Professora de Pós-graduação em Letras da UCPel E-mail: raquel@pontomidia.com.br

Leia mais

Ser cuidador: um estudo sobre a satisfação do cuidador formal de idosos

Ser cuidador: um estudo sobre a satisfação do cuidador formal de idosos Ser cuidador: um estudo sobre a satisfação do cuidador formal de idosos Maria Eduarda Machado Melo Ferreira Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação de Bragança para a obtenção do Grau de

Leia mais

O que as organizações precisam fazer para serem bem vistas nas mídias sociais sob a ótica da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas

O que as organizações precisam fazer para serem bem vistas nas mídias sociais sob a ótica da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas O que as organizações precisam fazer para serem bem vistas nas mídias sociais sob a ótica da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas Carolina Frazon Terra 1 Resumo: Este artigo objetiva entender

Leia mais