Aspectos Higiênico-sanitários em serviços de estética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos Higiênico-sanitários em serviços de estética"

Transcrição

1 Aspectos Higiênico-sanitários em serviços de estética sem RESPONSABILIDADE MÉDICA

2

3 Fiscalização e observação de fatos Licenciamento de estabelecimentos Julgamento de irregularidades Aplicação de penalidades Funções decorrentes do seu poder de polícia

4 Características : normativa e educativa POLÍTICA DE SAÚDE Defesa do direito do consumidor e da cidadania USUÁRIO passa a ser um vigilante voluntário CIDADANIA

5 AÇÕES Fiscalizar Regulamentar Lavrar autos monitorar o cumprimento da legislação educar e orientar aplicar penalidades ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE E DE INTERESSE DA SAÚDE visando proteção e promoção à saúde

6 ESTABELECIMENTO DE INTERESSE DA SAÚDE Estabelecimento que exerça atividade que possa provocar danos ou agravos à saúde Farmácias com manipulação, drogarias, distribuidoras de produtos para a saúde, creches, escolas, clubes recreativos, desinsetizadoras, cemitérios, hotéis, rodoviária, lavanderia, SALÃO DE BELEZA, asilos, óticas, laboratórios analíticos, banco de leite, supermercados, bares, etc.

7 Documento expedido pelo órgão sanitário competente Municipal, Estadual ou Federal, que libera o funcionamento dos estabelecimentos que exerçam atividades sob regime de vigilância sanitária

8

9 Cadastrados no DVISA : 139

10 EDUCAÇÃO EM SAÚDE

11 Recomenda-se área mínima de 10 m², com largura mínima de 2,5 m para o máximo de 02 cadeiras (5 m² por cadeira)

12 Manual de normas e rotinas Boas práticas Treinamento de pessoal Equipamentos de proteção individual e coletiva

13

14

15

16 Mobiliário ergonômico para os profissionais e clientes

17 ESTRUTURA FÍSICO-FUNCIONAL

18 Registrar em livro próprio a realização dos treinamentos com data, conteúdo e assinatura do participante. Luvas máscaras, gorro e jaleco/avental.

19 Não é permitido fumar nas dependências do estabelecimento, A alimentação deverá se restringir ao local de copa quando houver;

20 SAÚDE OCUPACIONAL É recomendada a retirada de adornos (brincos, pulseiras, relógios...) durante os procedimentos; Objetos perfurocortantes como agulhas e giletes devem obrigatoriamente ser descartados após o uso único em recipiente coletor adequado para o descarte. - Solicitar a coleta pela rota branca do DEMLURB.

21 OS EQUIPAMENTOS DEVEM POSSUIR SELO DO INMETRO OU REGISTRO NO MINISTÉRIO DA SAÚDE, QUANDO APLICÁVEL OS MOBILIÁRIOS DEVEM SER DE MATERIAL RESISTENTE À LIMPEZA E DESINFECÇÃO; DEVEM ESTAR COM O REVESTIMENTO ÍNTEGRO

22 Cadeiras, armários, macas, colchões, travesseiros, etc, devem ser revestidos de material que possam se submetidos a processos de limpeza e desinfecção.

23 Os instrumentais devem ser higienizados, desinfectados ou esterilizados de acordo com as finalidades propostas e legislação vigente; Artigos quando em contato com sangue e outras secreções e fluidos corpóreos devem ser esterilizados ou descartáveis

24 Usados em procedimentos invasivos, com penetração: Pele Mucosas adjacentes Tecidos sub-epiteliais Sistema vascular Pele não íntegra Mucosas íntegras ESTERILIZAÇÃO

25 Artigos destinados ao contato com a pele íntegra do paciente. D E S C A R T E LIMPEZA OU DESINFECÇÃO MÉDIO OU BAIXO NÍVEL D E S C A R T E!!!!

26 A IMPORTÂNCIA DA LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO NESTAS ATIVIDADES Como podem ser realizados? Para que servem? Quem deve executar estes procedimentos? Quando e como fazer?

27 Procedimento fundamental que deve ser realizado várias vezes ao dia e especialmente, antes e após o atendimento de cada cliente e o manuseio de materiais usados, como: toalhas, lençóis protetores e objetos em geral, bem como antes das refeições e após o uso do sanitário. O material necessário para a correta lavagem das mãos é simples: Água e Sabão, realizando movimentos firmes de fricção!

28 LIMPEZA Reduzir a carga microbiana Remoção de sujidades visíveis e detritos dos artigos, realizada com água + sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada, por ação mecânica. Pia exclusiva Tendência - dependendo da dimensão da clínica: Central de esterilização (fora da área de atendimento)

29 DESINFECÇÃO Processo físico ou químico que elimina a MAIORIA dos germes patogênicos, de objetos inanimados e superfícies. Devem ser observados prazo de validade e tempo de imersão Três níveis de alcance: baixo, médio e alto nível de desinfecção ESTERILIZAÇÃO Processo físico ou químico que elimina TODAS as formas de vida microbiana, incluindo os esporos bacterianos. Um objeto está ou não esterilizado. Não existe meio estéril!!!!!

30 Itens PRODUTO NÍVEL DE DESINFECÇÃO ALCANCE DO PROCESSO Escovas Pentes Piso HIPOCLORITO DE SÓDIO A 1% MÉDIO destrói todos os microorganismos na forma vegetativa, exceto os esporulados, inativa o bacilo da tuberculose, a maioria dos vírus e fungos. Superfícies (cadeiras, macas, bancadas, etc) ÁLCOOL A 70% MÉDIO destrói todos os microorganismos na forma vegetativa, exceto os esporulados, inativa o bacilo da tuberculose, a maioria dos vírus e fungos.

31 PRODUTO NÍVEL DE DESINFECÇÃO TEMPO DE EXPOSIÇÃO RESTRIÇÕES DE USO EPI HIPOCLORITO DE SÓDIO A 1% MÉDIO 30 minutos Danifica metais e mármore Avental impermeável, luva de borracha cano longo,botas, óculos ÁLCOOL A 70% MÉDIO 30 segundos Danifica acrílico e borracha Luva de borracha IMPORTANTE: realizar a limpeza antes do processo de desinfecção

32 A estufa é um aparelho que, a partir de calor seco, destrói todas as formas microbianas. É necessário que o material a ser esterilizado permaneça por : 1h à 170º ou 2h à 160º. Vantagens : Pode ser utilizada para materiais que não podem ser molhados. Cuidados: Deve possuir um termômetro acessório no orifício superior, para ser verificada a temperatura interna e validar o processo de esterilização.

33 ESTUFA T ºC RECOMENDAÇÕES : NÃO ABRIR A ESTUFA DURANTE O CICLO USAR RECIPIENTES DE ALUMÍNIO CARREGAR A ESTUFA ANTES DE LIGAR O EQUIPAMENTO PREPARAR AS CAIXAS COM POUCAS PEÇAS PONTO FRIO

34 ESTUFA?????

35 A RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA JAMAIS PODE SER UTILIZADA PARA DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE OBJETOS E INSTRUMENTOS É um método utilizado para desinfecção de centros cirúrgicos e salas assépticas. Não é efetivo para materiais Possui pouco poder de penetração resistência de vírus e bactérias esporuladas Faces do instrumental

36 Autoclave é um aparelho que, a partir de calor úmido, destrói todas as formas microbianas. É necessário que o material a ser esterilizado permaneça pelo tempo e temperatura determinados pelo fabricante do aparelho. Vantagens : *Esterilização mais eficiente e confiável *Baixo custo e capacidade de operação Cuidados e desvantagens: Oxidação de materiais metálicos, prejudicando o corte e promovendo a ferrugem Observar relação tempo e temperatura área de circulação interna necessidade de manutenção

37 Rápido, 11 minutos, 126 C = ciclo esterilizador

38 Lavagem Secagem Acondicionamento Monitoramento do método Validação Acondicionamento

39 Envoltório, recipiente ou qualquer forma de acondicionamento destinado a cobrir, empacotar, envasar, proteger ou manter os produtos.

40

41

42 Kits individuais que possuam: 1 lixa (descartável após o único uso) 1 palito (descartável após o único uso) 1 toalha Amolecedores de cutícula: Algodão embebido em água, cremes específicos, luvas plásticas ou protetor plástico para cuba (DESCARTÁVEIS!!!) Kit do cliente: estimular o usuário do serviço a manter um kit identificado com alicate, espátula, etc

43

44 Lei Federal N 8.078, de que aprova Código de Proteção e Defesa do Consumidor Um dos direitos básicos do consumidor é a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços, sendo obrigação do prestador informar de forma clara, e por escrito, sobre os riscos que envolvem os procedimentos

45

46 Classificação definida em função da: Probabilidade de ocorrência de efeitos não desejados devido ao uso inadequado do produto, Formulação, composição, Finalidade de uso, Áreas do corpo a que se destinam e cuidados a serem observados quando de sua utilização.

47 Apresentam risco mínimo ao usuário Exemplos: shampoos, condicionadores, hidratantes. NOTIFICAÇÃO: - Res. 343/05 - Autorização de Funcionamento: 2.xxxxx-x

48 Apresentam risco potencial ao usuário Exemplos: filtros solares, tinturas, alisantes REGISTRO: - M.S. Nº 2.xxxx.xxxx.xxx-x Início do Registro com 2 = Cosméticos 13 Dígitos, pode ser comercializado com 9

49 Qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o indivíduo ou a coletividade de pessoas a respeito da natureza, finalidade, característica, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre serviços ou produtos.

50 NORMAS DE ROTULAGEM PARA PRODUTOS COSMÉTICOS Art. 4º do Decreto /77 Os produtos de que trata este Regulamento não poderão ter nome ou designação que induza a erro quanto à sua composição, finalidade, indicação, aplicação, modo de usar e procedência.

51 NORMAS DE ROTULAGEM PARA PRODUTOS COSMÉTICOS Art. 1º do Dec /79 (Altera o Art. 93-único, do Dec /77) Não poderão constar da rotulagem, designações, nomes geográficos, símbolos, figuras ou quaisquer indicações que possibilitem interpretação falsa, erro ou confusão quanto à origem, natureza, composição ou qualidade, ou que atribuam ao produto, finalidades ou características diferentes daquelas que realmente possua.

52

53 PROGRAMA ESTADUAL DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE COSMÉTICOS ANO % 27% 70% Cosméticos aprovados Cosméticos reprovados Cosméticos em análise Fonte: Fundação Ezequiel Dias FUNED/MG

54 RESULTADOS

55

56 Todos os alisantes devem ser registrados na Anvisa. Os procedimentos ou métodos para o alisamento capilar não são registrados pela Anvisa, somente os produtos. Todos os salões de beleza devem ser licenciados pela vigilância sanitária local. Os alisantes possuem substâncias ativas que podem ser empregadas em sua composição, tais como: Ácido Tioglicólico, Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Potássio, Hidróxido de Cálcio, Hidróxido de Lítio, Hidróxido de Guanidina, entre outras (Thioglycolic acid, Sodium hydroxide, Potassium hydroxide, Calcium hydroxide, Lithium hydroxide, Guanidine hydroxide).

57

58 Uso de formol ESCOVA PROGRESSIVA: PORQUE É PROIBIDO? Pode causar sérios danos. COMO IDENTIFICAR? Deverá ser verificada a procedência ROTULAGEM O QUE FAZER QUANDO ENCONTRAR?

59 Sinônimos: formaldeído, formalina ou aldeído fórmico, Permissão para uso: conservante (0,2%) endurecedor de unhas. Observação: nos casos permitidos o formol é adicionada no processo de fabricação Adicionar formol ou qualquer outra substância a produtos sujeitos à vigilância sanitária é infração sanitária (adulteração ou falsificação) e crime hediondo pela legislação brasileira, de acordo com o art. 273 do Código Penal

60 irritação, coceira, queimadura, inchaço, descamação e vermelhidão do couro cabeludo, queda do cabelo, ardência e lacrimejamento dos olhos, falta de ar, tosse, dor de cabeça, ardência e coceira no nariz Várias exposições podem causar também: boca amarga, dores de barriga, enjôos, vômitos, desmaios, feridas na boca, narina e olhos, câncer nas vias aéreas superiores (nariz, faringe, laringe, traquéia e brônquios), morte

61 Notificações de danos causados por produtos para alisamento capilar: Triplicaram no 1º semestre de 2009 em comparação com todo o ano de 2008, Na maioria dos casos há suspeita do uso indevido de formol (e também de glutaraldeído) como substâncias alisantes.

62 Resolução RDC 36, de 17 de junho de 2009, proíbe a comercialização do formol em estabelecimentos como drogarias, farmácias, supermercados, empórios, lojas de conveniências e drugstores. Finalidade: restringir o acesso da população ao formol, coibindo o desvio de uso do formol como alisante capilar, protegendo a saúde de profissionais cabeleireiros e consumidores.

63 Uso de glutaraldeído como alisante capilar PORQUE É PROIBIDO? O QUE FAZER QUANDO ENCONTRAR?

64

65 Operação Saúde - Cuiabá/MT ASEGI/ANVISA

66 Operação Saúde - Cuiabá/MT ASEGI/ANVISA

67 Operação Saúde - Cuiabá/MT ASEGI/ANVISA

68 ASEGI/ANVISA

69 ASEGI/ANVISA

70 ASEGI/ANVISA

71

72 É possível consultar os produtos cosméticos registrados acessando o link uto/consulta_cosmetico.asp Em caso de dúvidas ou denúncias, entre em contato conosco pelo Em caso de suspeita de reações adversas causadas pelo uso de cosméticos, envie o relato para o

73 Legislação municipal específica DECRETO N.º 8441, de 30 /12/2004 LEI MUNICIPAL nº10.727, de 12/05/2004 REGULAMENTO QUE DISPÕE SOBRE A FISCALIZAÇÃO E VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM LOCAIS QUE REALIZEM TATUAGENS E ADORNOS SEDIADOS NO MUNICIPIO DE JUIZ DE FORA

74 Serviços de depilação: Utilizar ceras frias ou quentes SEMPRE descartáveis de USO ÚNICO Realizar esterilização de pinças ou outros instrumentais utilizados nestes serviços Utilizar lençóis descartáveis de papel ou TNT

75 As câmaras de bronzeamento artificial não podem mais ser utilizadas para fins estéticos no país. (RDC 59 / 09) Proíbe, além do uso, a importação, o recebimento em doação, aluguel e a comercialização desses equipamentos. As empresas que não cumprirem a decisão estão sujeitas a penalidades que vão de advertência, interdição até multas de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão

76 Medicamento é usado no tratamento de gordura localizada O Lipostabil, nome comercial da fosfatidilcolina, medicamento injetável que vem sendo utilizado para a redução de gordura localizada, teve sua venda e utilização proibidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A Anvisa alerta que o medicamento Lipostabil não está registrado na Anvisa e por isso não existe autorização para fabricação, importação, distribuição, venda e uso desse produto no país. O medicamento vem sendo usado em diversas clínicas brasileiras com uma indicação não comprovada de redução de gorduras localizadas e tratamento estético.

77 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO - RE Nº 2.473, DE 16 DE AGOSTO DE 2007 Art. 1º Como medida de interesse sanitário, a suspensão da fabricação, distribuição, comércio e uso, em todo o território nacional, dos produtos LIPOSTABIL (fosfatidilcolina), WINSTROL (stanozolol), NABOLIC STRONG (stanozolol) e DECA VET (princípio ativo desconhecido) fabricado por empresa desconhecida e comercializado em sítios eletrônicos na rede mundial de internet por estar sem registro perante esta Agência Nacional de Vigilância Sanitária

78

79

80 METODOLOGIA: APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO Certificado de habilitação Recursos humanos Câmaras de bronzeamento artificial Processos de desinfecção e esterilização Treinamentos de funcionários Equipamentos de proteção individual Vacinas ocupacionais Comércio de cosméticos Alisamentos com formol

81 Executa procedimentos com câmaras de bronzeamento = 04 (3,77%) Realiza processos de desinfecção e esterilização Estufa = 57 (53,77%) Autoclave = 16 - (15,09%) Meios químicos = 1 - (0,94%) Não possui nenhum = 5 - (4,71%) Funcionários com EPI s = 79 (74,53%)

82

83 DVISA/Juiz de Fora Endereço: Rua Antônio José Martins, nº 100 Centro Tel: (32)

NOVEMBRO/2013 - Estatísticas Mensais

NOVEMBRO/2013 - Estatísticas Mensais NOVEMBRO/2013 - Estatísticas Mensais Com o objetivo de divulgar informações sucintas e relevantes que subsidiem as ações da Anvisa, a Ouvidoria apresenta mensalmente, neste Boletim, os dados quantitativos

Leia mais

Análise de Impacto Regulatório

Análise de Impacto Regulatório Análise de Impacto Regulatório nas relações de consumo Agosto de 2015 Gustavo Cunha Garcia Coordenação de Análise de Impacto Regulatório e Assessoramento Econômico CO Gerência-Geral Geral de Análise de

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná.

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná. Resolução Estadual n 18, 21 de março de 1994. O Secretário de Estado de Saúde do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XVI da Lei Estadual n 8485 de 03 de junho de 1987

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIVS/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIVS/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIVS/2013 Estabelece critérios para o desenvolvimento das atividades profissionais de Cabeleireiro, Barbeiro, Esteticista, Manicure, Pedicure, Depilador, Maquiador e Massagista.

Leia mais

Exigência da Vigilância Sanitária para SALÃO DE BELEZA BELEZA COM SEGURANÇA. Sandra Regina Bruno Fiorentini Consultora Jurídica SEBRAE-SP

Exigência da Vigilância Sanitária para SALÃO DE BELEZA BELEZA COM SEGURANÇA. Sandra Regina Bruno Fiorentini Consultora Jurídica SEBRAE-SP Exigência da Vigilância Sanitária para SALÃO DE BELEZA BELEZA COM SEGURANÇA Sandra Regina Bruno Fiorentini Consultora Jurídica SEBRAE-SP Lei No. 8.080/90 Instituiu o Sistema Único de Saúde - SUS; Lei No.

Leia mais

Orientações de Biossegurança aos Profissionais de Beleza. Apresentação

Orientações de Biossegurança aos Profissionais de Beleza. Apresentação Sumário Apresentação Prevenção contra doenças Estabelecimentos regularizados Como elaborar o Manual de Rotinas e Procedimentos Higienização do Ambiente Produtos e Equipamentos Esterilização Serviços Cabelereiros

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento dos serviços de estética e embelezamento sem responsabilidade médica no Município do Natal. A PREFEITA

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFFISSIONAIS CABELEIREIROS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS ALISANTES DA HASTE CAPILAR

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFFISSIONAIS CABELEIREIROS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS ALISANTES DA HASTE CAPILAR AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFFISSIONAIS CABELEIREIROS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS ALISANTES DA HASTE CAPILAR Karoline Tisolin 1 ; Karine Zanoli 2 RESUMO: Os cabelos revelam aspectos da personalidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades

Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades Virus AIOS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) é a forma mais grave da infecção causada pelo Vírus da Irnunodeficiência Humana (HIV) que

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

REFERÊNCIA TÉCNICA PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE ESTÉTICA E EMBELEZAMENTO SEM RESPONSABILIDADE MÉDICA

REFERÊNCIA TÉCNICA PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE ESTÉTICA E EMBELEZAMENTO SEM RESPONSABILIDADE MÉDICA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Título título título Texto em REFERÊNCIA TÉCNICA PARA O FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE ESTÉTICA E EMBELEZAMENTO SEM RESPONSABILIDADE MÉDICA Brasília, dezembro de

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

RESOLUÇÃO SMS Nº 2801 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMS Nº 2801 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMS Nº 2801 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe Sobre o Licenciamento Sanitário a que estão sujeitos os estabelecimentos de embelezamento e de esteticismo e os congêneres de interesse à saúde; estabelece

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

capa_final_ok.pdf 13/10/2009 17:32:22 CMY

capa_final_ok.pdf 13/10/2009 17:32:22 CMY capa_final_ok.pdf 13/10/2009 17:32:22 C M Y CM MY CY CMY K guiabeleza.indd 1 Gilberto Kassab Prefeito do Município de São Paulo Januario Montone Secretário de Saúde do Município de São Paulo Inês Suares

Leia mais

BOAS PRÁTICAS de funcionamento para institutos e salões de beleza, estética, cabeleireiro e similares

BOAS PRÁTICAS de funcionamento para institutos e salões de beleza, estética, cabeleireiro e similares BOAS PRÁTICAS de funcionamento para institutos e salões de beleza, estética, cabeleireiro e similares Apoio Realização BOAS PRÁTICAS de funcionamento para institutos e salões de beleza, estética, cabeleireiro

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

DECRETO Nº. 9.228 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº. 9.228 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº. 9.228 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento dos estabelecimentos que realizam procedimentos de pigmentação artificial permanente da pele e

Leia mais

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. O DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, DA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE, DA SECRETARIA

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007

PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007 Acrescenta dispositivos aos artigos 27 e 33 da Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976. Autor: Deputado CARLOS BEZERRA Relator:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

Art. 2º - Aprovar o ROTEIRO DE INSPEÇÃO na forma do Anexo II, o qual faz parte integrante da presente Resolução.

Art. 2º - Aprovar o ROTEIRO DE INSPEÇÃO na forma do Anexo II, o qual faz parte integrante da presente Resolução. 1 RESOLUÇÃO SESA Nº 700/2013 (Publicada no Diário Oficial nº 9101, de 06/12/13) Dispõe sobre as condições para instalação e funcionamento dos Estabelecimentos de Salão de Beleza, Barbearia e/ou Depilação

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 Dispõe sobre as condições para instalação e funcionamento dos Estabelecimentos de Podologia. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS Gerência Geral de Cosméticos ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS NORMAS DE ROTULAGEM REFERÊNCIAS LEGAIS DECRETO 79.094/77 (Art. 4º e 93-111) DECRETO 83.239/79 (Altera os Art. 17, 93, 94 e 96 do Decreto 79.094/77)

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA Foram inseridas as definições pertinentes ao PROCESSAMENTO da RE 2606/2006 e da RDC 6/2013, mantendo a numeração presente nas respectivas

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: BIOSSEGURANÇA EM LABORATORIOS ANALITICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005 I. INTRODUÇÃO: A Clínica Escola de Fisioterapia da UNIFAE está vinculada ao curso de Fisioterapia, com o

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

BIO EXTRATUS TRANSFORMAÇÃO TRATAMENTO DISCIPLINADOR

BIO EXTRATUS TRANSFORMAÇÃO TRATAMENTO DISCIPLINADOR BIO EXTRATUS TRANSFORMAÇÃO TRATAMENTO DISCIPLINADOR Limpeza profunda, redução de volume e proteção térmica. INDICAÇÃO Todos os tipos de cabelo. FUNÇÃO Diminuir o volume, eliminar o frizz, realinhar e alisar

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

NORMAS PARA BIOSSEGURANÇA EM ESTABELECIMENTOS ODONTOLÓGICOS

NORMAS PARA BIOSSEGURANÇA EM ESTABELECIMENTOS ODONTOLÓGICOS Equipe de Serviços de Interesse à Saúde / CVS NORMAS PARA BIOSSEGURANÇA EM ESTABELECIMENTOS ODONTOLÓGICOS Prefeitura Municipal de Porto Alegre 1 Secretaria Municipal da Saúde Porto Alegre 1998 Prefeitura

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL 10.03.003 1/09 1. FINALIDADE Garantir que os princípios e normas de Biossegurança sejam implementados e seguidos permanentemente nos laboratórios e instalações do Hospital de Clínicas HC. 2. ÂMBITO DE

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento 1 Cuidados necessários recomendados aos membros do setor e estudantes Conhecer a

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC Nº 6, DE 1O- DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC Nº 6, DE 1O- DE MARÇO DE 2013 Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC Nº 6, DE 1O- DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre os requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os serviços de endoscopia com

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

Norma Técnica de Biossegurança em Estabelecimentos Odontológicos e Laboratórios de Prótese Dentária no RS

Norma Técnica de Biossegurança em Estabelecimentos Odontológicos e Laboratórios de Prótese Dentária no RS Norma Técnica de Biossegurança em Estabelecimentos Odontológicos e Laboratórios de Prótese Dentária no RS Apresentação Para efeito desta Norma, as expressões técnicas serão assim definidas : Anti-sepsia

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Diretoria Geral de Odontologia CEPO PEC-ASB BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Processamento de artigos e superfícies. Ao final desta aula você deverá estar apto a: Conhecer os métodos e os produtos

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF PROTOCOLO DE USO DE EPI Orientações sobre a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI s) para os serviços de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados. Gerência-Geral

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 017 DE 03 DE MARÇO DE 1999

PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 017 DE 03 DE MARÇO DE 1999 1 PORTARIA SMSA-SUS/BH Nº 017 DE 03 DE MARÇO DE 1999 NORMATIZA A FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE ÍNDICE DE CONTEÚDO ANEXO I - NORMA TÉCNICA ESPECIAL

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais