Programa de Candidatura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Candidatura"

Transcrição

1 Programa de Candidatura Pela Ortodontia Pelos Especialistas

2 PROGRAMA DE CANDIDATURA Estimados Colegas e Amigos, No final de mais um mandato da Direção do Colégio, impõe-se uma breve reflexão sobre os últimos anos de vivência institucional do nosso Colégio, aproveitando a oportunidade para sedimentar ideias e projetar objetivos e metas para o futuro. Nos últimos anos, a Ortodontia em Portugal atingiu a maturidade plena enquanto especialidade médicodentária. Existe o Colégio de Especialidade, os cursos universitários de pós-graduação em Ortodontia reconhecidos pela OMD têm qualidade e possuem um corpo docente qualificado, o acesso à especialidade fazse segundo padrões internacionalmente aceites e o titulo de especialista em Ortodontia está devidamente reconhecido a nível da União Europeia. Tudo isto se consubstancia num conjunto de profissionais com um elevado grau de competência clínica e científica. Sem pretender enumerar todas as iniciativas e realizações da atual Direção ao longo do último mandato, importa reconhecer que a maioria delas não teria sido possível sem o dedicado e leal contributo dos colegas de Direção, não esquecendo ainda a preciosa 1

3 ajuda dos colegas que aceitaram integrar os júris das provas de especialidade e os vários Grupos de Trabalho Regionais. A todos, o meu reconhecimento, seguindo-se alguns apontamentos daquilo que foi possível, em conjunto, realizar: - Aprovação na Assembleia da República da lei-estatutos da OMD, consubstanciando o estatuto legal dos Colégios, das especialidades e dos títulos de especialista. - Articulação, nos novos estatutos, da informação a disponibilizar pela OMD ao público em geral, através do seu sítio eletrónico na Internet, incluindo, o nome, o domicílio profissional, o número de carteira ou cédula profissionais e designação do título e das especialidades profissionais. - Atualização pelo Coordenador Nacional na Diretiva 2005/36/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, do título de especialista em Ortodontia, no âmbito do sistema de reconhecimento automático das qualificações profissionais nos países da União Europeia. - Realização regular de provas de acesso à especialidade e titulação de especialistas em ortodontia, com a aceitação de 16 candidaturas durante o triénio Existência, pela primeira vez em Portugal, de cursos de pós-graduação em Ortodontia, reconhecidos como idóneos pela OMD, na maioria das instituições de ensino superior que se dedicam ao ensino da medicina dentária. 2

4 - Atualmente, o colégio de ortodontia conta com 65 membros, prevendo-se que o número de especialistas continue a aumentar de forma gradual, atingindo a primeira centena dentro de um horizonte temporal de aproximadamente 7 anos. - Reconhecimento dos cursos pós-graduados de especialização em Ortodontia das Faculdades de Medicina Dentária das Universidades do Porto e Lisboa, da Área de Medicina Dentária da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e do Instituto de Ciências da Saúde - Norte, - Realização de reuniões de trabalho com os coordenadores dos cursos universitários de pósgraduação em ortodontia. - Nomeação anual de júris nacionais de provas de exame de especialidade incluindo a participação de membros exteriores à Direção. - Organização do VI, VII e VII Jantares de Confraternização Anuais. Não obstante estes progressos, a médio prazo, antevêmse alguns desafios (e oportunidades) que a próxima Direção do Colégio terá que saber ultrapassar. Por um lado, a conclusão dos processos de revisão dos estatutos da Ordem dos Médicos Dentistas e de criação de novas especialidades, relançam o desafio do reenquadramento institucional e regulamentar da 3

5 Ortodontia, cujo estatuto passará a ser o de uma entre várias especialidades. Por outro lado, mantém-se o desafio que encontrar novas formas de promover um maior reconhecimento público da Especialidade e dos Especialistas. Para tal será necessário continuar a contar com um Colégio forte e unido e uma abordagem inter-institucional que inclua outras sociedades e associações científicas e sócioprofissionais, na área da ortodontia. Apresentamos assim a nossa candidatura à Direção do Colégio de Ortodontia da OMD para o mandato 2016 / 2020, motivadíssimos e com a disponibilidade necessária para assumir um conjunto de compromissos perante os colegas membros do Colégio. OBJETIVOS PARA O MANDATO Uma Direção representativa de todos os Especialistas em Ortodontia, contando com as ideias e com a participação de todos os membros do Colégio. 2. Defesa intransigente da qualidade do ensino pósgraduado e do exercício profissional da Ortodontia. 3. Apoio de iniciativas tendentes a aumentar a visibilidade da especialidade, dirigidas aos médicos dentistas e à população geral. 4. Divulgação pela OMD ao público em geral, através do seu sítio eletrónico na Internet, do registo atualizado dos 4

6 membros do Colégio de Ortodontia. 5. Dinamização dos grupos regionais de trabalho através do reforço da participação dos colegas especialistas mais jovens nas atividades do Colégio. 6. Realização de duas reuniões plenárias anuais. 7. Publicação de um boletim informativo anual do Colégio de Ortodontia. 8. Realização de uma reunião anual de coordenadores dos cursos de pós-graduação em Ortodontia. 9. Manutenção do compromisso de organização de um Jantar Anual de Confraternização do Colégio. Temos objetivos e uma equipa com experiência e capacidade de os concretizar. Contamos com a participação de todos, Pela nossa Especialidade e pelos Especialistas, Pela Ortodontia e pelos Ortodontistas, Contem connosco, 5

7 Luis Jardim (Candidato a Presidente do Colégio de Ortodontia) 6

8 LISTA DE CANDIDATURA À DIREÇÃO DO COLÉGIO DE ORTODONTIA: PRESIDENTE Luis Jardim 414 SECRETARIADO! Jorge Dias Lopes 57 Armandino Alves 357 Nuno Montezuma Carvalho 359 Francisco Fernandes Vale

Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD. 19 de Setembro h30 Lisboa

Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD. 19 de Setembro h30 Lisboa Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD 19 de Setembro 2016 20h30 Lisboa Saudações Excelentíssimo Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Doutor Orlando Monteiro

Leia mais

Programa de Candidatura 2013/2016

Programa de Candidatura 2013/2016 Programa de Candidatura 2013/2016 Pela Ortodontia Pelos Especialistas PROGRAMA DE CANDIDATURA Caros Colegas e Amigos, No final de mais um mandato da Direção do Colégio, impõe-se uma breve reflexão sobre

Leia mais

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde NÚMERO: 005/2016 DATA: 11/03/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal Centro de Referência Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema

Leia mais

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação U LISBOA / -- IDIRETORI Despacho D-23/2015 Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de, na sua reunião de 1 de julho de 2015, deliberou, por unanimidade, alterar

Leia mais

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia, curso não conferente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos A diversidade e a complexidade dos tratamentos médico-dentários ampliaram a necessidade de habilitar a comunidade de doentes e a população em geral, com a informação segura sobre determinadas

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

DIREÇÃO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO

DIREÇÃO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO 10 de novembro de 2010 (Documento ratificado pela Comissão Executiva da Especialização em 24 outubro

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito Regulamento de Formação CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua Artigo 1.º Conceito A formação profissional contínua compreende um conjunto de atividades para o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Directiva 1/2008. Sobre publicações periódicas autárquicas.

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Directiva 1/2008. Sobre publicações periódicas autárquicas. Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Directiva 1/2008 Sobre publicações periódicas autárquicas Lisboa 24 de Setembro de 2008 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para

Leia mais

Regulamento da Comissão de Avaliação Interna da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento da Comissão de Avaliação Interna da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento da Comissão de Avaliação Interna da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Preâmbulo Nos termos do Art. 12, n.º 1 dos Estatutos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, homologados

Leia mais

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Anexo C Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia O Curso de Especialização/ Estágios em Cardiologia constitui modalidade do

Leia mais

Colégio de Oncologia Médica

Colégio de Oncologia Médica Colégio de Oncologia Médica Critérios de avaliação de idoneidade formativa em Oncologia Médica A avaliação da idoneidade para a formação pós-graduada no internato médico de Oncologia Médica é um pilar

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Cracel Lopes, João Luis Morada(s) Rua da Igreja nº25 Telefone(s) Telefone: 253216220 Correio(s) electrónico(s) cracellopes@gmail.com

Leia mais

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento DESPACHO RT-1/2002 Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento Geral dos Cursos de Doutoramento da Universidade do Minho, anexo ao presente despacho. Universidade do Minho, 4

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO O presente Regimento Interno tem por finalidade regulamentar a subordinação, composição, atuação e competências do Núcleo de Pesquisa e Extensão da Faculdade

Leia mais

Objetivos Operacionais (OO) OE Indicador Resultado 2013 Meta 2014 Peso OE 1 26,00%

Objetivos Operacionais (OO) OE Indicador Resultado 2013 Meta 2014 Peso OE 1 26,00% Eficácia : 50,00% Missão Objetivos Estratégicos (OE) Escola Superior de Enfermagem - Quadro de Avaliação e Responsabilização - 2014 A Escola Superior de Enfermagem (ESE) tem como missão gerar, difundir

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1 o O Curso de pós graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

COORDENADOR DE DISTRITO MÚLTIPLO

COORDENADOR DE DISTRITO MÚLTIPLO PACOTE DE SOLICITAÇÃO AO CARGO DE COORDENADOR DE DISTRITO MÚLTIPLO Os Leões que atendam às qualificações mencionadas abaixo para Coordenador da GMT de DM deverão ser considerados para este cargo. Os candidatos

Leia mais

Resolução 028/99 - CONSEPE

Resolução 028/99 - CONSEPE Resolução 028/99 - CONSEPE Aprova Regulamentação para a admissão de Professores Colaboradores para atuação no Programa Magister. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE da Fundação

Leia mais

Morada(s) Rua da Igreja nº25 Telefone(s) Telefone:

Morada(s) Rua da Igreja nº25 Telefone(s) Telefone: Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Cracel Lopes, João Luis Morada(s) Rua da Igreja nº25 Telefone(s) Telefone: 253216220 Correio(s) electrónico(s) cracellopes@gmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

Competência em Medicina da Dor

Competência em Medicina da Dor Competência em Medicina da Dor INTRODUÇÃO A criação da Competência em Medicina da Dor (CMD) passou por várias etapas. Em Março de 2002, a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED), aprovou em Assembleia

Leia mais

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO DA REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Considerando: Que o 5.º

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

OBJECTIVOS U.PORTO 2010

OBJECTIVOS U.PORTO 2010 OBJECTIVOS U.PORTO 2010 Durante o ano de 2009 foi publicada ou entrou em vigor vária legislação que introduziu inúmeras alterações às disposições legais que enformam a actividade da U.Porto (LVCR, acreditação

Leia mais

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico Comunicado ANEM Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Campus de Gualtar 4710-057 - Braga Tlm. +351 913 446 950 presidente@anem.pt www.anem.pt Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS Relativamente aos comentários e alterações efetuados ao projeto de Estatutos da Ordem dos ROC apresentamse os seguintes comentários

Leia mais

ORDEM DOS BIÓLOGOS. Regulamento Geral dos Colégios de Especialidade

ORDEM DOS BIÓLOGOS. Regulamento Geral dos Colégios de Especialidade ORDEM DOS BIÓLOGOS Regulamento Geral dos Colégios de Especialidade Capitulo I Âmbito, natureza, constituição e objetivos dos Colégios Artigo 1.º Os Colégios de especialidade, doravante designados por Colégios,

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quarta-feira, 19 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA ANO:214 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA Missão: Assegurar ao Governo português consultoria em matéria linguística. Coordenar a sua acção com a Academia Brasileira de Letras

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento

Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde

Leia mais

A - REGULAMENTO GERAL DA ESCOLA EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (ESIM) FEDERAÇÃO EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (EFIM)

A - REGULAMENTO GERAL DA ESCOLA EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (ESIM) FEDERAÇÃO EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (EFIM) A - REGULAMENTO GERAL DA ESCOLA EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (ESIM) FEDERAÇÃO EUROPEIA DE MEDICINA INTERNA (EFIM) A Escola Europeia de Medicina Interna ESIM (European School of Internal Medicine) surgiu

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Resolução Nº 01/2014. Regulamenta as normas para credenciamento de professores no Programa de Pós-graduação em Odontologia da Universidade Federal da Paraíba e dá outras providências. O Colegiado do Programa

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014

EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014 EDITAL PROGRAD Nº 44, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014 A PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE (UFCSPA), no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS //

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013

Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013 Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013 Ementa: Institui o título de especialista profissional farmacêutico, sem caráter acadêmico, dispondo sobre os procedimentos e critérios necessários para a sua

Leia mais

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ENQUADRAMENTO Sessão: ESTRATÉGIA PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS 20 de fevereiro de 2015 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, PT A zona costeira de Portugal continental

Leia mais

A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça

A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça Faculdade de Arquitectura Universidade de Lisboa Presidente Arq. Doutor João Pardal Monteiro A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça 1. Decreto nº 73/73 de 28 de fevereiro Os engenheiros Civis

Leia mais

Os Repositórios. José Carvalho

Os Repositórios. José Carvalho Os Repositórios José Carvalho josekarvalho@gmail.com Tópicos Conceito Relação com Acesso Aberto ituação em Portugal Relação com as Revistas Científicas Novo serviço? Conclusões Conceito de Repositório

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO Aprovado pelo Conselho da Faculdade de Direito em reunião extraordinário de 16/08/2013, Ata n. 11/2013 com as alterações aprovadas na reunião ordinário

Leia mais

ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq

ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq ATUALIZAÇÃO/CADASTRAMENTO DE GRUPOS DE PESQUISA NO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA NO BRASIL CNPq GRUPOS DE PESQUISA: DEFINIÇÃO E CRITÉRIOS ESTABELECIDOS PELA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA PROPe/UNESP a) Definição

Leia mais

CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA

CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA Regiões de Cobertura São consideradas regiões para atendimento aos beneficiários do Plano de Assistência e Saúde - PAS, no Sistema de Escolha Dirigida

Leia mais

Novas leis sobre a auditoria

Novas leis sobre a auditoria Em Foco Novas leis sobre a auditoria Lei n.º 140/2015, de 7 de setembro aprova o novo Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Lei n.º 148/2015, de 9 de setembro aprova o novo Regime de Supervisão

Leia mais

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015.

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015. Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015. Ofício 025DG/2015 Prezado presidente do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional COFFITO, MD Sr. Roberto Mattar Cepeda A Sociedade Brasileira de Geriatria

Leia mais

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS Artigo 1º Missão Os grupos de investigação têm como objetivo a promoção e desenvolvimento de atividades de investigação & desenvolvimento no âmbito das áreas científicas

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

Como resolver Conflitos CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE BARCELOS

Como resolver Conflitos CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE BARCELOS Como resolver Conflitos CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE BARCELOS 1 Como resolver conflitos Como e onde efetuar uma reclamação Quando confrontado com uma situação de conflito perante um fornecedor

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO OBS: ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 024/2006-COU/UNICENTRO. Aprova o Regulamento da eleição para Diretor de Centro de Conhecimento da UNICENTRO. O REITOR

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO PORTARIA IGCE/DTA nº 067/2016, de 10 de junho de 2016. Dispõe sobre normas e calendário para a realização de consulta visando à escolha do Diretor e do Vice- Diretor do Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 09 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Científico do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015 Data entrega

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Regulamento interno do 3º Ciclo de Estudos Conducentes à obtenção do Grau de Doutor em Matemática e Aplicações Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA ORDEM COLÉGIOS ESPECIALIDADE E ATOS DE ENGENHARIA NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ATRIBUIÇÕES DA ORDEM COLÉGIOS ESPECIALIDADE E ATOS DE ENGENHARIA NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ATRIBUIÇÕES DA ORDEM [ Artigo 2.º Atribuições ] São atribuições da Ordem: a) Conceder o título de engenheiro técnico; b) Regular o acesso e exercício da profissão de engenheiro técnico; c) Criar níveis

Leia mais

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do ensino secundário Quem orienta este programa na Escola?

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 A comissão interministerial

Leia mais

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento Objetivos do módulo 1. Conhecer as principais competências e responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º. O Plano de Qualificação Docente tem por objetivo o aprimoramento profissional dos professores da FACULDADE JAUENSE, de modo a promover a melhoria

Leia mais

Principais actividades e responsabilidades Coordenadora de Formação Organização e coordenação dos diversos Cursos e Masters do Centro de Formação

Principais actividades e responsabilidades Coordenadora de Formação Organização e coordenação dos diversos Cursos e Masters do Centro de Formação Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Moura, Filomena Morada(s) Rua Pedro Homem de Melo nº 141 Hab 6.4 Telefone(s) 22 6106350 Telemóvel: 918175190 Correio(s) electrónico(s)

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Porto Alegre RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO. Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática Clínica, que

PROGRAMA DE AÇÃO. Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática Clínica, que PROGRAMA DE AÇÃO Caros e caras colegas, A candidatura "+ Ordem dos Enfermeiros", aos Órgãos da Seção Regional da Madeira da Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática

Leia mais

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17

Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/ /17 /3 Regimento do Observatório da Qualidade da Escola (OQE) para o quadriénio 2013/14 2016/17 outubro de 2013 SECÇÃO I OBJETO E ÂMBITO Artigo 1 Objeto e âmbito 1. O Observatório da Qualidade da Escola (OQE)

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando que compete ao conselho de representantes das unidades orgânicas de ensino

Leia mais

Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1

Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1 Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República no âmbito do Processo de Construção da União Europeia 1 Lei n.º 43/2006, de 25 de agosto (TP), com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO

PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO FINANCIAMENTO COMUNITÁRIO Coimbra, 25 de Novembro POCH www.poch.portugal2020.pt 1 ÍNDICE 1 O passado: os fundos comunitários

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O O QUE É? O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.º ciclos

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 19 de Agosto de Declaração de Maputo

IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 19 de Agosto de Declaração de Maputo IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 19 de Agosto de 2016 Declaração de Maputo Os Ministros das Comunicações da CPLP ou seus representantes, os

Leia mais

ENTREVISTA AO MAGNÍFICO REITOR DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA, PROF. DOUTOR SALVATO TRIGO

ENTREVISTA AO MAGNÍFICO REITOR DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA, PROF. DOUTOR SALVATO TRIGO ENTREVISTA AO MAGNÍFICO REITOR DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA, PROF. DOUTOR SALVATO TRIGO Gestão rigorosa, qualidade dos Recursos Humanos, Instalações construidas de raiz e quipamentos didáticos que não

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016 ASSUNTOS EUROPEUS E COOPERAÇÃO ASSUNTOS EUROPEUS E COOPERAÇÃO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DIREITO ADMINISTRATIVO EUROPEU Identificar o delineamento

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA CLÍNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 16 de junho

Leia mais

Proposta de Resolução

Proposta de Resolução Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de cursos livres para a especialização profissional farmacêutica a serem reconhecidos pelo Conselho Federal de Farmácia. O Conselho Federal de

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

XIII Encontro Estadual de História da ANPUH RS Chamada para candidaturas à Sede para a edição 2016

XIII Encontro Estadual de História da ANPUH RS Chamada para candidaturas à Sede para a edição 2016 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH Seção Regional do Rio Grande do Sul ANPUH-RS XIII Encontro Estadual de História da ANPUH RS Chamada para candidaturas à Sede para a edição 2016 A Diretoria e o Conselho

Leia mais

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares Projeto de Decreto Legislativo Regional Regime dos Requerimentos Parlamentares As perguntas parlamentares constituem um instrumento de fiscalização e controlo parlamentar da atividade governativa cuja

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RECONHECIMENTO DE COLABORADORES, IRMANDADE E VOLUNTÁRIOS

PROCEDIMENTO DE RECONHECIMENTO DE COLABORADORES, IRMANDADE E VOLUNTÁRIOS PROCEDIMENTO DE RECONHECIMENTO DE COLABORADORES, IRMANDADE E VOLUNTÁRIOS O Procedimento de Reconhecimento prende-se sobretudo com a filosofia institucional de motivar três preâmbulos essenciais na organização

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais