- PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene. Operacional. 1º Módulo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene. Operacional. 1º Módulo."

Transcrição

1 - PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene Operacional 1º Módulo

2 Bem-vindos ao curso PROGRAMA - PPHO processo interativo orientações teóricas metodologia elaboração e implantação do programa PPHO

3 Objetivos do curso Capacitar RTs- Responsáveis Técnicos, gestores de qualidade, e demais profissionais na elaboração e redação de PPHOs e do Programa para indústrias de produtos de origem animal.

4 Público alvo Responsáveis pela manipulação e/ou controle de qualidade como, Médicos Veterinários, Engenheiros de Alimentos, Técnicos em Nutrição, Engenheiros Agrônomos, Nutricionistas, fiscais, estudantes de graduação e demais Profissionais da Área de controle de qualidade de produtos de origem animal.

5 Metodologia do curso Interativo e de auto-aprendizagem; Módulos; Vídeo-aulas; Avaliação; Certificado; Fórum.

6 Conteúdo do curso Glossário Legislação Finalidade do Programa de PPHO Objetivo do PPHO Importância da padronização Responsabilidades O que é o Programa e o PPHO? O que é padrão? O que é procedimento padronizado? Por que padronizar? Conseqüências da falta de padronização Analogia entre BPF e PPHO PPHO procedimento padrão de higiene operacional PSO Procedimento sanitário das operações Ferramentas de gestão

7 Conteúdo do curso Programas de autocontrole PPHO (pré-operacional) PPHO (operacional) Elaboração e implementação do programa Ação corretiva Ação preventiva Monitoramento do programa Supervisão/verificação pela empresa Verificação pelo serviço de inspeção oficial Registros Como elaborar um PPHO Linguagem Formatação Conteúdo mínimo Modelos Monitoramento Ação corretiva Supervisão Registro

8 Glossário Higienização = Limpeza + Sanitização

9 Glossário Manual de Boas Práticas: Documento; Operações realizadas; Conteúdo.

10 Glossário PPHO Procedimento Padrão de Higiene Operacional procedimentos descritos; Implantados; Monitorizados; Rotina (padrão) Resolução nº 10/2003 MAPA/DIPOA

11 Glossário Registro Consiste de anotação em planilha e ou documento, devendo ser datados e assinados pelo funcionário responsável pelo seu preenchimento.

12 Objetivo do PPHO Evitar a contaminação direta ou cruzada ou a adulteração dos produtos por meio das superfícies dos equipamentos, utensílios, instrumentos de processo e manipuladores de alimentos. (Resolução nº 10/2003 MAPA/DIPOA)

13 Responsabilidade Resolução nº 10/2003 MAPA/DIPOA Circular nº 175/2005 MAPA Programa PPHO; Compromisso higiene; Administração geral; RT.

14 Legislação Legislações gerais e específicas.

15 Resolução nº 10/03 MAPA/DIPOA Legislação Circular nº 175/05 MAPA/DIPOA Circular nº 176/05 MAPA/DIPOA Circular nº 272/97 MAPA/DIPOA Circular nº 369/03 MAPA/DIPOA.

16 O que é o PPHO? É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade de higienização (limpeza + sanitização), ou seja, é um roteiro padronizado para realizar esta atividade.

17 O que é o PPHO? Foi conceituado como: Descrição detalhada; Higienização; Padronizado; Adaptado de Colenghi, 1997.

18 O que é o padrão? Padrão Aquilo que serve de base ou norma...

19 Procedimento padrão Procedimento Padrão (PP), descreve cada passo seqüencial que deverá ser dado pelo operador para garantir o resultado esperado da tarefa.

20 Por que padronizar? =

21 A falta de padronização Desorganização do serviços; diferentes resultados; processo não está sob controle.

22 Faça agora sua avaliação!!! Aguarde o próximo módulo!!!

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BPF Conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos Garantir a qualidade sanitária

Leia mais

PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE. Introdução

PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE. Introdução 251 PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE Henrique Alves Ribeiro Macedo 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2 Resumo: Esta revisão bibliográfica objetivou

Leia mais

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Procedimento Padrão de Higiene Operacional SSOP ( Standard Sanitizing Operating Procedures ) Circular nº 369/2003-DCI/DIPOA Elaboração e implantação dos sistemas

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Introdução Deve retratar a política da empresa; produção de alimento seguro; empresas terceirizadas; Deve retratar a política da empresa

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (2ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (2ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (2ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Identificação da empresa - Recursos humanos - Informações Gerais Identificação da empresa

Leia mais

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04 Ventilação PAC 04 Página 2 de 7 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03 2.

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS

CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS Número de vagas: mínimo 20 e máximo 40 alunos Carga Horária: 20 horas (sendo 15 horas teórico-prático e 05 horas

Leia mais

Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1

Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1 375 Elaboração de POPs e Manual de Boas Práticas de Fabricação em um supermercado no município de Viçosa 1 Maria Aparecida Resende Marques 2, Viviane Gomes Lelis 3, Eliene da Silva Martins Viana 4 Resumo:

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE INSPEÇÃO

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE INSPEÇÃO Aprovado ' Elaborado por Michelle Martin/BRA/VERITAS em 29/07/2013 Verificado por Sidney Santos em 29/07/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 29/07/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Técnica Número

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (5ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (5ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (5ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Condições ambientais - Controle de Potabilidade da Água O controle da qualidade da água;

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (6ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (6ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (6ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Condições ambientais Controle integrado de pragas Conjunto de ações preventivas e corretivas

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE UM PEQUENO FRIGORÍFICO LOCALIZADO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS?

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO BPHM GOOD MANUFACTURING

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUT333 Higiene dos Alimentos

Programa Analítico de Disciplina NUT333 Higiene dos Alimentos 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Nutrição e Saúde - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES 19.09.16 São procedimentos higiênicos, sanitários e operacionais aplicados em todo o fluxo de produção, desde a obtenção dos

Leia mais

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de controle higiênico-sanitário dos vestiários, sanitários e barreiras

Leia mais

Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina

Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina I Simpósio Brasileiro de Inspeção e Tecnologia de Produtos de Origem Animal Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina Michel Tavares Quinteiro Milcent Assis Médico Veterinário MSc. Auditor Fiscal Federal

Leia mais

ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE.

ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE. ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE. Apresentação: Pôster Gabriela Araujo de Oliveira Maia 1 ; Clemilson Elpidio

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: Melhorar hábitos de higiene. Diminuir índices de contaminação em alimentos PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS Importância do controle de tempos e temperaturas.

Leia mais

Nome da empresa PLANO DE MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

Nome da empresa PLANO DE MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Definições Nome da empresa PLANO DE MANUTENÇÃO DE Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o planejamento (elaboração,

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Gordura (g/100g) Mínimo de 3,0. Sólidos Não-Gordurosos (g/100g) Mínimo de 8,4. Acidez em ácido lático (g/100ml) 0,14 a 0,18

Gordura (g/100g) Mínimo de 3,0. Sólidos Não-Gordurosos (g/100g) Mínimo de 8,4. Acidez em ácido lático (g/100ml) 0,14 a 0,18 1. INTRODUÇÃO Atualmente se compreende como leite de qualidade os que seguem os parâmetros de composição química eigidos pela Instrução Normativa Nº62 (IN 62) do MAPA e que sejam seguidos procedimentos

Leia mais

Aula 9: PPHO e APPCC. Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos

Aula 9: PPHO e APPCC. Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos Aula 9: PPHO e Disciplina: Higiene, Vigilância e Controle de Alimentos Objetivo da Aula: Conhecer o conceito de PPHO e ; Conhecer os pré-requisitos e as vantagens para implementaçao do sistema. PPHO Procedimento

Leia mais

SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO PARANÁ/PRODUTOS DE. Gerência de Inspeção de Produtos de Origem Animal - GIPOA

SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO PARANÁ/PRODUTOS DE. Gerência de Inspeção de Produtos de Origem Animal - GIPOA SERVIÇO DE INSPEÇÃO DO PARANÁ/PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Gerência de Inspeção de Produtos de Origem Animal - GIPOA GIPOA PROGRAMA REGISTRO DE ESTABELECIMENTOS PROGRAMA FISCALIZAÇÃO DA INSPEÇÃO PROGRAMA

Leia mais

PLANO PPHO OPERACIONAL / /

PLANO PPHO OPERACIONAL / / Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação PLANO PPHO OPERACIONAL / / Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/8 Identificação Descrever todos os procedimentos de limpeza e sanitização

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE INSPEÇÃO

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE INSPEÇÃO Aprovado ' Elaborado por Michelle Martin/BRA/VERITAS em 26/07/2013 Verificado por Sidney Santos em 26/07/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 29/07/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Técnica Número

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS/ DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Nº DA VISITA VISITA AGENDADA

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Espumante de Caju Fernando Antônio Pinto de Abreu Embrapa Informação Tecnológica

Leia mais

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s):

órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária alcance do ato: federal - Brasil relacionamento(s): título: Resolução RDC nº 81, de 14 de abril de 2003 ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade de identificação do fabricante do produto palmito em conserva, litografada na parte lateral da tampa metálica

Leia mais

PED BRASIL INOVAÇÃO EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PAULA LOUZANO

PED BRASIL INOVAÇÃO EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PAULA LOUZANO PED BRASIL INOVAÇÃO EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PAULA LOUZANO PED BRASIL: O QUE É? PED Brasil é um programa piloto de formação de professores com foco no ensino de matemática desenvolvido pelo Centro Lemann

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Boas práticas de manipulação, Monitoramento, Manual de Boas Práticas.

RESUMO. Palavras-chave: Boas práticas de manipulação, Monitoramento, Manual de Boas Práticas. AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE APLICADAS AS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS NA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS /CAMPUS SATUBA. Viviane

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Páginas: 1 a 9 Código: 06 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

Background. Background profissional: Trabalhos em andamento:

Background. Background profissional: Trabalhos em andamento: Background Background profissional: Trabalhos em andamento: Gerando Competitividade no Agronegócio Sumário Histórico Base técnica e legal Processo de Abate de Bovinos Layout da planta de abate com vistas

Leia mais

A Busca pela Qualidade Total em Organizações do Setor Alimentício Maria Cristina Rubim Camargo

A Busca pela Qualidade Total em Organizações do Setor Alimentício Maria Cristina Rubim Camargo A Busca pela Qualidade Total em Organizações do Setor Alimentício Maria Cristina Rubim Camargo Ohomem, ao longo dos tempos, aprendeu a transformar os alimentos, a conservar, a congelar e a industrializar.

Leia mais

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Fernando Bandeira 2016 Introdução Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Leia mais

CHECK LIST DE VERIFICAÇÃO DAS GRANJAS

CHECK LIST DE VERIFICAÇÃO DAS GRANJAS PROJETO OVOS RS CHECK LIST DE VERIFICAÇÃO DAS GRANJAS Nome do avaliador Data Avaliação ( ) 1ª ( )2ª( ) 3ª ( ) 4ª Nome do estabelecimento: Endereço: Responsável por acompanhar a visita: Responsável Técnico

Leia mais

APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1

APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 193 APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COMO REQUISITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR EM UM SUPERMERCADO, NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA 1 Maria Aparecida Resende Marques 2, Viviane Gomes Lelis 3, Eliene da Silva

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto Inventário 2014 Termo de Abertura do Projeto 1 Aprovação do projeto Elaborado por Responsável Data Assinatura Vanessa Godoy Kinoshita Aprovado por Responsável Data Assinatura David Dutkievicz 2 1. Dados

Leia mais

ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO

ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO ANVISA BPF, PROCESSO DE FABRICAÇÃO E SISTEMA DE CODIFICAÇÃO Artur J. Gradim ANVISA BRASÍLIA 14 DE Agosto de 2006 PORQUE BOAS PRÁTICAS E NÃO SÓ PRÁTICAS BOAS: (Plural feminino do adjetivo bom) Bom: que

Leia mais

Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários

Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários Profa. Marta Valentim Marília

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Tecnologia de Alimentos

Leia mais

(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2009) (BRASIL, 2005) (BRASIL, 2002)

(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2009) (BRASIL, 2005) (BRASIL, 2002) MINISTÉRIO DA SAÚDE CGPAN A fortificação sob a ótica de um programa sanitário: monitoração das Boas Práticas de Fabricação de farinhas em moinhos de trigo WILLIAM CESAR LATORRE CVS / SES / SP USP / PRONUT

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene, Legislação e FASE: 7ª (HLSA) Segurança Alimentar CARGA HORÁRIA 60 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS:

Leia mais

Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS

Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS Criação da OMC em 1995 Redução de barreiras tarifárias Ampliação da importância

Leia mais

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL A área de competência esta dividida em: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL A área de competência esta dividida em: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PANORAMA DA LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL A área de competência esta dividida em: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Produtos de origem animal: carnes, ovos, leite, pescado e mel;

Leia mais

CIRCULAR Nº 176 DE 16 DE MAIO DE 2005 DCI/ DIPOA/ MAPA

CIRCULAR Nº 176 DE 16 DE MAIO DE 2005 DCI/ DIPOA/ MAPA CIRCULAR Nº 176 DE 16 DE MAIO DE 2005 DCI/ DIPOA/ MAPA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SDA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Inspeção Sanitária de Alimentos de Origem Animal Código da Disciplina:VET227 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 9 p Faculdade responsável:medicina

Leia mais

Fiscalização baseada em elementos de. Mercado Internacional. Organo grama MAPA

Fiscalização baseada em elementos de. Mercado Internacional. Organo grama MAPA Fiscalização baseada em elementos de inspeção Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (Circulares do MAPA 175/2005, 176/2005, 294/2006 e 1/2008) Adriano da Silva Guahyba Formação: 1997: Médico

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO NOME DO ALUNO Jaguariúna 2010 REGISTRO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÁGUAS ENVASADAS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÁGUAS ENVASADAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÁGUAS ENVASADAS BOAS PRÁTICAS-OBJETIVO GARANTIR CONDIÇÕES HIGIÊNICO SANITÁRIAS AOS PRODUTOS GARANTIR A CONFORMIDADE

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII Prof.: Alessandra Miranda Substâncias Detergentes e Sanitizantes Substâncias Detergentes Uso geral Alcalinos ou clorados

Leia mais

A evolução da RDC 47/2013

A evolução da RDC 47/2013 Boas Práticas de Fabricação para Produtos Saneantes Assesio Fachini Junior CRQ 04164030 Produtos Saneantes Os produtos saneantes são substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (7ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (7ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (7ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Condições ambientais Manejo de resíduos Observação: Em Observação: algumas empresas

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 2 Seja um Especialista Lean Manufacturing O pacote de Formação de Especialista em Lean Manufacturing une a filosofia

Leia mais

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos.

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos. NOME DO X 1/6 // 1 INTRODUÇÃO O passo seguinte à aprovação de um documento do sistema de qualidade, para que ele possa realmente se tornar efetivo, é o treinamento de todos os envolvidos na execução das

Leia mais

1.2 - Nome e endereço do órgão central responsável pelo controle veterinário/sanitário do estabelecimento produtor:

1.2 - Nome e endereço do órgão central responsável pelo controle veterinário/sanitário do estabelecimento produtor: 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 - Nº de controle veterinário/sanitário do estabelecimento produtor no país de origem: 1.2 - Nome e endereço do órgão central responsável pelo controle veterinário/sanitário do estabelecimento

Leia mais

Fundamentos do Turismo 60 Gestão de Meios de Hospedagem. Linguagem e Comunicação 20. Relações Interpessoais 20. Informátiva Básica 40.

Fundamentos do Turismo 60 Gestão de Meios de Hospedagem. Linguagem e Comunicação 20. Relações Interpessoais 20. Informátiva Básica 40. Curso Técnico (Concomitante/Subsequente) em Hospedagem Nome do Curso Técnico em Hospedagem CÂMPUS GAROPABA MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 260 Fundamentos do Turismo 60 Gestão

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL Juliana Magalhães da Cunha Rêgo Nutricionista - UECE Especialista em Nutrição Clínica - UGF Pós-Graduanda em Nutrição e Exercício

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial ATO, VSC, LAS 1 Objetivo Estabelecer uma comissão e um fluxo de trabalho para

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação para a Indústria de Alimentos e Bebidas

Boas Práticas de Fabricação para a Indústria de Alimentos e Bebidas Fábio Avelino Bublitz Ferreira Mestre em Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) Químico de Alimentos formado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) Boas Práticas de Fabricação

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene e Legislação de FASE: 6ª (6HGLA) Alimentos CARGA HORÁRIA 36 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS: 02

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA IGAMAOT NO CONTEXTO DO MERCADO ÚNICO DE BENS. Nuno Miguel S. Banza 22 de março de 2017

A INTERVENÇÃO DA IGAMAOT NO CONTEXTO DO MERCADO ÚNICO DE BENS. Nuno Miguel S. Banza 22 de março de 2017 A INTERVENÇÃO DA IGAMAOT NO CONTEXTO DO MERCADO ÚNICO DE BENS Nuno Miguel S. Banza 22 de março de 2017 Em resumo Enquadramento Legal da Intervenção Planeamento das Ações O que é uma Inspeção Ambiental

Leia mais

Legislação relacionada a atividade e prática da fiscalização

Legislação relacionada a atividade e prática da fiscalização VII Ciclo de Palestras Depart. de Zootecnia PUC Goiás Legislação relacionada a atividade e prática da fiscalização Rogério dos Santos Lopes Zootecnista Fiscal Federal Agropecuário www.agricultura.gov.br

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS - 2017 Data Dia Horário Disciplina Duração Instrutor 02/09 sábado 08:30 / 09:00 1ª SEMANA

Leia mais

11 -r. . -t- RELATÓRIO DE INSPEÇÃO N º 154/2017 -_.

11 -r. . -t- RELATÓRIO DE INSPEÇÃO N º 154/2017 -_. . " m\-. -t- 11 -r 1 /._ SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DEPARTAMENTO DE REGISTRO, FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE PRODUTOS RELACIONADOS Ã SAÚDE RELATÓRIO DE INSPEÇÃO N º 154/2017 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA CRONOGRAMA DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - 2013 CUSTO LOCAL INSCRIÇÕES INFORMAÇÕES Gratuitos.

Leia mais

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro

A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro A importância do Controle e eliminação de microrganismos na manutenção da Qualidade no Processo Cervejeiro Julho 2016 Graduação: Bióloga Especialista: Microbiologia Mestre e doutoranda: Engenharia Biomédica

Leia mais

Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança

Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Aula Norma NR 12 Eletromecânica Módulo 1 Professor: Sergio Luis Brockveld Junior Objetivo da aula Informar, formar e orientar Engenheiros e técnicos no que diz

Leia mais

Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto CATARINA, PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ATENÇÃO À 0 IT INSTRUÇÃO TRABALHO PROGRAMAS DE AUTOCONTROLE Páginas: 1 a 57 Código: 07 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016

Leia mais

Elaborando o Manual de Boas Práticas

Elaborando o Manual de Boas Práticas Elaborando o Manual de Boas Práticas 1º Ciclo 2016-Responsabilidade Técnica na área Pet Renato B. Miracca 23/03/2016 Quem sou... Médico Veterinário Bacharel em Direito MBA em gestão de Empresas e Marketing

Leia mais

Instrumentalização para as Boas Práticas na Alimentação Escolar

Instrumentalização para as Boas Práticas na Alimentação Escolar Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar UFRGS e UNIFESP ENCONTRO TÉCNICO DE NUTRICIONISTAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR- ARACAJÚ - SE Instrumentalização para as Boas Práticas na Alimentação Escolar

Leia mais

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO A PRODUÇÃO AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO PARÁ ADEPARÁ DIRETORIA TECNICA AGROPECUARAIA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário Data: 3/3/ Rev.: 4 1 Contratação de empresa realização de serviços limpeza de caixa SAO Para evitar transbordamento/cont aminação Contratação - licitação 2 de CFTV Monitoramento e vigilância Contratado

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS PERÍCIA AGRONÔMICA IMPORTÂNCIA PERÍCIA AGRONÔMICA Atuação como perito judicial; Ação de desapropriação de imóvel rural; Ação de inventário de imóvel rural; VALORAÇÃO DA INDENIZAÇÃO

Leia mais

INSPEÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Agradecimentos à Prof. Luciana Neves pela Concepção da apresentação original

INSPEÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Agradecimentos à Prof. Luciana Neves pela Concepção da apresentação original INSPEÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Agradecimentos à Prof. Luciana Neves pela Concepção da apresentação original 1 INSPEÇÃO Quando e por quê? Motivações Concessão de licença; Certificação; denúncias; notificações

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA

SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA INTRODUÇÃO SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA Nos dias de hoje, é indiscutível a necessidade do controle da presença de microrganismos nas rações de aves, devido principalmente às mudanças recentes nas

Leia mais

MARIANA CAROLINA DE AZEVEDO KAUST

MARIANA CAROLINA DE AZEVEDO KAUST UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ALIMENTOS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ALIMENTOS MARIANA CAROLINA DE AZEVEDO KAUST READEQUAÇÃO DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE (PAC)

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB

IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB LIMA, Rosana Luís de (1) ; NUNES, Pedro Germano Antonino (2) ; ATHAÍDE, Celene dos Santos (4) ; JÚNIOR, Daniel

Leia mais

Uso de boas práticas agrícolas e produção integrada de maracujá

Uso de boas práticas agrícolas e produção integrada de maracujá Uso de boas práticas agrícolas e produção integrada de maracujá O que são Boas Práticas Agrícolas? Fábio Gelape Faleiro Por que utilizar as BPA na propriedade? Exemplos de Boas Práticas Agrícolas Princípios

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS ARAPIRACA PÓLO PENEDO CURSO: ENGENHARIA DE PESCA BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Professora: Talita Espósito A IMPORTÂNCIA DA FUNÇÃO CONTROLE PARA A GESTÃO ORGANIZACIONAL

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE INTRODUÇÃO A doença de maior relevância para o criador de bovino leiteiro é a mastite (figura 1), hoje considerada a doença de maior importância em todo o mundo quando

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 6-01 Nome Roteiro: Licença Prévia para comércio varejista de produtos farmacêuticos sem manipulação de fórmulas Objetivo: Requerer a Licença Prévia para comércio

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA MONITORIA NOS ESTUDOS DA MICROBIOLOGIA E SEGURANÇA ALIMENTAR DO CURSO DE GASTRONOMIA

RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA MONITORIA NOS ESTUDOS DA MICROBIOLOGIA E SEGURANÇA ALIMENTAR DO CURSO DE GASTRONOMIA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA MONITORIA NOS ESTUDOS DA MICROBIOLOGIA E SEGURANÇA ALIMENTAR DO CURSO DE GASTRONOMIA

Leia mais

Procedimentos Operacionais para Laboratório de enfermagem

Procedimentos Operacionais para Laboratório de enfermagem Procedimentos Operacionais para Laboratório de enfermagem 1 Objetivo Os Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s) tem como objetivo estabelecer critérios técnicos para a correta utilização de equipamentos,

Leia mais

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DOS ALIMENTOS INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Boas práticas A segurança de alimentos tem por objetivo principal garantir que o consumo de um alimento não cause prejuízo de nenhuma forma ao consumidor. Sua prática

Leia mais