COMPARAÇÃO DA EFETIVIDADE DA HIGIENE BUCAL COM ESCOVA MANUAL E ELÉTRICA EM DEFICIENTES VISUAIS EM UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO DA EFETIVIDADE DA HIGIENE BUCAL COM ESCOVA MANUAL E ELÉTRICA EM DEFICIENTES VISUAIS EM UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS"

Transcrição

1 COMPARAÇÃO DA EFETIVIDADE DA HIGIENE BUCAL COM ESCOVA MANUAL E ELÉTRICA EM DEFICIENTES VISUAIS EM UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS MEDEIROS, Camylla Angélica de Oliveira (Unitri) NAVES, Karinne Spirandelli C. (Unitri)

2 Resumo: A deficiência visual consiste na diminuição ou na perda total da visão e pode ser causada por acidentes, ferimentos e doenças congênitas, reduzindo a capacidade do individuo de realizar determinadas atividades sem auxilio (SOUZA FILHO, NOGUEIRA E MARTINS, 2010). No Brasil aproximadamente 1% da população possui deficiência visual (ROSSETI e SAMPAIO, 2005). Considerando que a higiene oral necessita da visão para ser realizada adequadamente a literatura considera que pacientes com deficiência visual apresentam pouca habilidade motora para a execução satisfatória da higiene oral, propiciando o acúmulo de biofilme bacteriano que resulta em processo inflamatório periodontal e doença cárie (CERICATO e FERNANDES, 2008). Este trabalho tem como objetivos avaliar o conhecimento e a efetividade das práticas de saúde bucal da população de deficientes visuais da Associação de Deficientes Visuais de Uberlândia ADEVIUDI, bem como diagnosticar a habilidade de realização de higiene oral utilizando os índices: CPOD e índice de placa; e comparar a eficiência da higiene oral utilizando duas técnicas: escovação com escova manual e com escova elétrica. A pesquisa será realizada na ADEVIUDI (Associação de Deficientes Visuais de Uberlândia), durante o ano de 2011 com associados que se disponibilizarem voluntariamente a participar das avaliações, assinando o termo de consentimento livre e esclarecido. Os questionários para a avaliação dos conhecimentos referentes à saúde e hábitos de higiene oral foram realizados. Um estudo caso controle será realizado para a comparação da efetividade da escovação pela utilização de escovas elétricas e manuais após orientações de saúde bucal. O índice de placa e CPOD serão realizados no momento da orientação e entrega da escova e, o índice de placa repetido após duas semanas de aplicação da técnica de higienização. Os resultados parciais obtidos pela aplicação do questionário para avaliação do grau de conhecimento relacionado à saúde bucal, bem como os hábitos higiênicos revelou que 57% dos avaliados utilizam o fio dental diariamente,75% realizam escovações após as refeições. O índice gengival do grupo que utilizou a escova manual apresentou uma redução de 29%, e o grupo que utilizou a escova elétrica apresentou uma redução de 35,8%. O índice de placa das pessoas que

3 utilizaram a escova manual apresentou uma redução de 24,2% e das pessoas que utilizaram a escova elétrica apresentou uma redução de 52,8% Introdução A deficiência visual consiste na diminuição ou na perda total da visão, ela pode ter como causa acidentes, ferimentos, doenças congênitas, etc., reduzindo a capacidade do individuo de realizar determinadas tarefas sem o auxilio de terceiros. Os indivíduos que possuem a deficiência visual quando não orientados adequadamente apresentam pior higiene oral e quando comparado com indivíduos que possuem a visão ou que receberam uma boa orientação. Esta condição tem como conseqüência o aparecimento de doenças periodontais, cáries, além da halitose, dificultando a inclusão do individuo na sociedade. De acordo com a OMS é no hemisfério norte que se encontra cerca de 90% da população com deficiência visual. No Brasil aproximadamente 1% de sua população possui deficiência visual. Em um de seus estudos, Martins(2010) diz que segundo dados do Censo realizado em 2000 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existiam no Brasil 34,5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual, com aproximadamente indivíduos portadores de cegueira e 2,4 milhões de pessoas apresentando grande dificuldade de enxergar. A cegueira pode ter classificações diferentes, as pessoas que possuem perda de visão total têm a apenas a percepção da luz, porém não possuem visão nenhuma, alguns conseguem distinguir claro de escuro, podendo ate perceber alguns contornos de objetos próximos (HEIMERS,1970). São indivíduos que utilizam de métodos de leitura em braile, meios de comunicação que não necessitam da visão. A cegueira é total quando a capacidade visual é menor ou igual a 0,05 no melhor olho (CERICATO,2008). Outra condição é a perda parcial da visão. que as pessoas com baixa visão possuem diferentes dificuldades visuais, entre elas: dificuldade ou impedimento no campo central, visão embaraçada, e campo visual restrito, a baixa visão tem maior prevalência que a cegueira. Cericato,(2008). Uma boa higiene oral necessita da visão para que possa ser feita

4 adequadamente. A higiene depende de fatores como boas condições biológicas e psicológicas. Segundo Rath et al. (2001), pacientes com deficiência visual apresentam pouca habilidade motora para realizarem uma higiene bucal satisfatória, o que leva ao acumulo de placa bacteriana, resultando em processo inflamatório e/ou doença cárie.(rath et. al., 2001) A inclusão social desses indivíduos deve ser feita utilizando de métodos que utilizem a comunicação. Na higiene bucal os portadores da deficiência necessitam de um processo educativo realizado pelo profissional da área (CERICATO & Fernandes,2008). De acordo com o estudo de (PINTO,1991) devido a essas deficiências, é importante observarmos que há limites e dificuldades em realizar um processo educativo em saúde bucal, e por isso, alguns deles têm falhado por não considerar que as pessoas precisam de atendimento às suas necessidades básicas, para se sentirem motivadas a cuidar de sua saúde bucal. Os portadores da deficiência possuem dificuldades em aprenderem a dinâmica motora da escova e do fio dental, por isso necessitam de um programa especial, onde se utilizem de métodos como o tato e língua para perceber onde pode se encontra placa aderida ao dente, ou métodos que utilizem orientações verbais (STEWART et.al., 1982). Esses programas exigem a presença da motivação para os portadores da deficiência oferecida pelo cirurgião-dentista porque a partir dessa motivação os pacientes se tornam capazes de realizarem a higiene oral independentemente. Nandini2003, relata que o principal objetivo de um programa de instrução de higiene bucal, é tornar esses pacientes capazes de serem independentes para realizarem sua própria higiene pessoal. A falta de programas desse tipo pode ser causada pela dificuldade dos cirurgiões dentistas de repassarem esses tipos de informações para pessoas portadoras da deficiência visual. Os pacientes cegos podem ter boa higiene oral desde que orientações individuais de instrução de higiene bucal sejam fornecidas e supervisionadas pelos cirurgiões dentistas (Rosetti, 2005). Objetivo Geral Avaliar o conhecimento e a efetividade das práticas de saúde bucal da população de deficientes visuais da Associação de Deficientes Visuais de

5 Uberlândia ADEVIUDI Objetivos Específicos Diagnosticar a habilidade de realização de higiene oral utilizando os índices: CPOD e índice de placa. Comparar a eficiência da higiene oral utilizando duas técnicas: escovação com escova manual e com escova elétrica. Materiais e Métodos A pesquisa foi realizada na Associação de Deficientes Visuais de Uberlândia-MG (ADEVIUDI), no período de março de 2011 a fevereiro de Vinte e oito deficientes visuais de ambos os sexos foram incluídos na pesquisa. A avaliação do conhecimento foi realizada por meio de um questionário sobre hábitos de higiene bucal. Os participantes foram informados do conteúdo e dos objetivos da pesquisa através de um documento que foi lido, e assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido permitindo a realização da pesquisa. Posteriormente foi realizado o exame clínico para obtenção dos índices de placa e gengival utilizando espátulas de madeira sob luz natural e os dados anotados em fichas individuais. O índice de placa avaliou a quantidade de placa visível nos dentes nas faces Vestibular, Mesial, Palatina/Lingual, às quais foram atribuídos valores: (0) sem placa visível, (1) com pouca placa visível, (2) quantidade moderada de placa visível (2/3 da coroa) e (3) quantidade expressiva de placa visível (toda a coroa). Da mesma forma que para o índice de placa, o índice gengival avaliou o grau de inflamação gengival e a presença de sangramento, com a atribuição de valores: (0) saudável (1) gengivite leve, (2) reação inflamatória branda sem sangramento espontâneo e (3) reação inflamatória intensa com sangramento à manipulação. Após a avaliação inicial cada participante recebeu orientações quanto à alimentação, uso de fio dental e técnicas de escovação. Entre os 28 participantes da avaliação, 14 receberam escovas manuais e 14 receberam escovas elétricas. Todos receberam um creme dental e um fio dental para

6 serem utilizados durante o período da avaliação. Após um mês, novo exame clínico foi realizado, como anteriormente descrito, para verificar os índices de placa e gengival finais após as orientações em saúde bucal e comparar a utilização das escovas elétricas e manuais. Resultados Foram avaliados 28 deficientes visuais sendo 40% homens e 60% mulheres com uma idade média de 27,07 anos de idade. Entre os 28 entrevistados 49% afirmaram ter dificuldade para realizar escovação, 15 dos 28 avaliados (54%) afirmam ter recebido orientações de higiene bucal de Cirurgião Dentistas (60%) e de familiares (7%) (Tabela 1). Tabela 1. Características da população de deficientes visuais avaliada. Conhecimentosavaliados Nº/Total % Idade Média 27,07 Sexo Masculino Feminino % 60% Dificuldade na escovação 11 40% Orientações sobre higiene oral 15 54% Fonte das orientações recebidas Cirurgião - dentista Familiares Outros % 7% 33% Setenta e cinco por cento dos entrevistados afirmaram realizar a escovação após todas as refeições. Quanto ao uso do fio dental, verificou-se que 57% dos avaliados não o utilizam diariamente, e entre estes 68% utiliza somente quando há alimentos entre os dentes (Tabela 2).

7 Tabela 2. Hábitos de higiene da população de deficientes visuais avaliados. Hábitos de higiene avaliados Nº/ Total % Número de escovações diárias < 2 vezes ao dia > 3 vezes ao dia Freqüência de utilização do fio dental Faz uso diário de fio dental Faz uso do fio apenas na presença de alimento Não utiliza Faz tratamento de rotina Local de tratamento Cirurgião - dentista Particular Unidade de atendimento Integrado (UAI) Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Programa de Saúde da Família (PSF) Preocupa-se com a saúde da boca Avalia a necessidade alguma adaptação para o atendimento do deficiente visual Julga que a formação universitária habilita os Cirurgiões-Dentistas para o atendimento do Deficiente Visual Aproximadamente metade dos entrevistados respondeu que o Cirurgião Dentista não recebe informações específicas durante sua formação universitária para o atendimento do deficiente visual, particularmente, no que se refere à educação em saúde bucal e na adaptação dos materiais educativos para portadores de baixa visão e cegos. Entre os indivíduos que utilizaram a escova manual o índice gengival

8 inicial obteve uma média de 10,63 e uma média final de 7,55; apresentando uma redução de 29%. Para os indivíduos que utilizaram a escova elétrica a média do índice gengival inicial foi de 5,82 e a média final foi de 3,74; resultando em uma redução de 35,8%. O índice de placa inicial para o grupo que utilizou a escova manual apresentou média de 8,97; e o índice final média de 6,8; revelando uma redução de 24,2%. A média do índice de placa inicial para indivíduos que utilizou a escova elétrica foi de 8,48 e a média do índice final foi de 4, com uma redução de 52,8%. Discussão O controle do biofilme feito de forma mecânica é realizado com o auxilio da escova e fio dental. De acordo com Chiapinotto (1998) a remoção do biofilme por escovação dentária adequada associada ao fio dental ainda é considerada o principal, mais efetivo, acessível e difundido meio de prevenção das doenças bucais. Por meio do controle químico e mecânico do biofilme é possível prevenir a doença periodontal e a doença cárie. A orientação realizada nesse estudo foi feita utilizando o tato e a fala, com essa técnica os deficientes visuais apresentaram uma maior facilidade ao realizar a escovação, apresentando uma queda nos índices. De acordo com Nandini (2003) a orientação realizada para o deficiente visual requer paciência e tempo, já que os métodos visuais que são utilizados na educação em saúde bucal não podem ser utilizados, sugerindo ainda, que se aproveite a audição e o tato como formas de compensar a deficiência visual. De acordo com um estudo de Cericato & Fernandes (2008) implicações da deficiência visual na capacidade de controle de placa e na perda dental, concluindo que a condição visual não influenciou significativamente no índice de controle de placa bacteriana, principal fator etiológico, tanto da cárie quanto da doença periodontal, demonstrou-se também que a ausência ou dificuldade de visão não é um fator agravante e preponderante em relação ao índice CPO- D, embora tenham afirmado que existe a necessidade de desenvolvimento de novas formas de ensino que sejam efetivas na motivação e treinamento da habilidade psicomotora para realização de uma higiene bucal adequada pelos deficientes visuais, como foi demonstrado nesse trabalho realizando uma boa orientação o deficiente tem capacidade de realizar sua higiene oral.

9 A escova elétrica surgiu em 1960, e apresentava uma eficiência similar a da escova manual, hoje em dia ela possui movimentos adequados para uma boa escovação e com isso o individuo só realiza a pressão necessária, assim passa a ser indicada para as pessoas que tenham alguma dificuldade motora. Em nosso estudo a população avaliada com a escova elétrica obteve maior redução dos índices de placa e gengival que a avaliada com a escova manual. Weijden et al. (1998) comparou a escova elétrica e a manual em 35 pessoas e concluiu que após 4 semanas a escova elétrica foi mais efetiva havendo 85% de redução de placa e 81% de redução de sangramento. Conclusão O deficiente visual tem capacidade de realizar um controle químicomecânico do biofilme de forma independente, necessitando para isto, como todos os indivíduos, de orientação adequada e educação em saúde bucal; O deficiente visual necessita de um método de orientação e educação em saúde bucal adequado às suas necessidades, utilizando principalmente o tato e a fala; A escova elétrica pode representar um estímulo para a higiene bucal, resultando em maior eficiência no controle mecânico do biofilme. Agradecimentos A aluna de Iniciação Científica agradece à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais-Fapemig a bolsa recebida Referências CERICATO, G. O.; FERNANDES, A. P. S. Implicação da deficiência visual na capacidade de controle de placa bacteriana e na perda dental. RFO, v.13, n. 2, p.17-21, ROSETTI, E. P.; SAMPAIO L. M.; ZUZA, E. P. Controle de placa

10 bacteriana e instrução de higiene oral adaptados a deficientes visuais. Revista de Periodontia, v.15, n.2, p.28-32, SOUZA FILHO, M. D.; NOGUEIRA, S. D. M.; MARTINS, M. C. C. Avaliação da saúde bucal de deficientes visuais em Teresina PI. Arquivos de Odontologia, v. 45, n. 2, p.66-74, Filho Manoel Dias de Souza,Nogueira Sâmara Dantas Marreiros,Martins Maria do Carmo de Carvalho.Avaliacao da saúde bucal de deficientes visuais em Teresina PI.Arquivos de Odontologia 2010;Volume 45 Numero 2:p Cericato Graziela Oro,Fernandes Ana Paula Soares.Implicacao da deficiência visual na capacidade de controle de placa bacteriana e na perda dental.rfo 2008;nº2 Volume 13:p Rath IBS,Bosco VL,Almeida ICS,Moreira EAM.Atendimento odontológico para crianças portadoras de deficiência visual.arq Odontológico 2001;37:8-12 Pinto VG,Saúde bucal:odontologia social e preventiva,3 ed,são Paulo :livraria editora Santos,1991 Nandini NS,New insight sinto improving the orla health of visually impaired children.j Indian Soc Pedod Prev Dent 2003;21: Rosetti Elizabeth Pimentel,Sampaio Luiz Macellaro,Zuza Elizangela Partata.Controle de placa bacteriana e instrução de higiene oral adaptados a deficientes visuais.relato clinico.revista periodontia 2005;nº02 Volume 15:p.28-32

PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA. Saúde Bucal

PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA. Saúde Bucal PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA Saúde Bucal É muito importante manter sua saúde em dia. Um belo sorriso é o único capaz de fazer a diferença em qualquer situação. A saúde bucal não se reflete somente na

Leia mais

Sorria, mostre o que você tem de melhor!

Sorria, mostre o que você tem de melhor! Sorria, mostre o que você tem de melhor! Caro(a) beneficiário(a), a Interodonto apresenta a você algumas orientações sobre saúde bucal, higiene oral e prevenção de doenças bucais. Este guia tem caráter

Leia mais

Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos

Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos 0 Junia Cláudia de Lima Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Minas

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DE 6 A 10 ANOS DE UMA CIDADE SEM FLUORETAÇÃO NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO

PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DE 6 A 10 ANOS DE UMA CIDADE SEM FLUORETAÇÃO NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DE 6 A 10 ANOS DE UMA CIDADE SEM FLUORETAÇÃO NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO Paula Marino Costa 1, Danúbia Calgaro

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca!

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca! ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Periodontite. Sua saúde começa pela boca! O que é doença periodontal ou periodontite? ESMALTE DENTINA GENGIVAS POLPA PERIODONTITE OSSO ALVEOLAR CEMENTO NERVOS E VASOS

Leia mais

saúde bucal no estado de São Paulo

saúde bucal no estado de São Paulo O retrato da saúde bucal no estado de São Paulo Estudo feito com 17.560 pessoas em 162 municípios revela indicadores surpreendentes sobre as condições bucais da população paulista em 2015 24 REVISTA do

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE BUCAL

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE BUCAL MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE BUCAL INÍCIO Nos últimos anos, a busca pela qualidade de vida e os cuidados com a saúde aumentaram significativamente. O acesso mais fácil e rápido à informação foi um dos responsáveis

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO E MECÂNICO DO BIOFILME

CONTROLE QUÍMICO E MECÂNICO DO BIOFILME INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have been corrupted. Restart your computer,

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Como cuidar do sorriso de seus filhos

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Como cuidar do sorriso de seus filhos ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Como cuidar do sorriso de seus filhos A criança que aprende a tratar dos dentes (e da boca) desde cedo, vai manter este hábito por toda a vida. Para fazer o jovem levar

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL CATEGORIA:

Leia mais

Banca: Prof. Dr. Wilson Galhego Garcia- Orientador - (FOA/Unesp) Profa. Dra. Nemre Adas Saliba - Orientadora - FOA/Unesp)

Banca: Prof. Dr. Wilson Galhego Garcia- Orientador - (FOA/Unesp) Profa. Dra. Nemre Adas Saliba - Orientadora - FOA/Unesp) Nome: LUIZA NAKAMA Nível: Doutorado defesa em 12/08/1999 Orientador: Wilson Galhego Garcia Banca: Prof. Dr. Wilson Galhego Garcia- Orientador - (FOA/Unesp) Profa. Dra. Nemre Adas Saliba - Orientadora -

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL. Ficha da Subfunção/Componente Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL. Ficha da Subfunção/Componente Curricular UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL Ficha da Subfunção/Componente Curricular FUNÇÃO: Proteção e Prevenção SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR : Prevenção

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Diga adeus ao mau hálito!

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Diga adeus ao mau hálito! ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Diga adeus ao mau hálito! HALITOSE A halitose ou mau hálito é uma condição anormal do hálito que se altera de forma desagradável. A palavra halitose se origina do latim

Leia mais

SAÚDE BUCAL. Cuidados Problemas Tratamento Dicas

SAÚDE BUCAL. Cuidados Problemas Tratamento Dicas SAÚDE BUCAL Cuidados Problemas Tratamento Dicas A saúde começa pela boca A saúde literalmente começa pela boca. Seja pelo alimento que comemos ou pela forma que cuidamos da higiene bucal. A falta de atenção

Leia mais

O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE

O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE O levantamento de necessidades é um instrumento de vigilância epidemiológica que mensura as necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL. Ficha da Subfunção/Componente Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL. Ficha da Subfunção/Componente Curricular UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL Ficha da Subfunção/Componente Curricular FUNÇÃO: Proteção e Prevenção SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR : Prevenção

Leia mais

Levantamento epidemiológico da doença periodontal em escolares de Vila Canaã, Duque de Caxias.

Levantamento epidemiológico da doença periodontal em escolares de Vila Canaã, Duque de Caxias. Levantamento epidemiológico da doença periodontal em escolares de Vila Canaã, Duque de Caxias. CARLA PIRES 1 ; LIDIANE FIGUEIREDO RANGEL 1 ; JARLEY REMPTO 1 ; RAFAEL RODRIGUES 1 ; BENEDITA NUNES DE AROUCHA

Leia mais

(22) Data do Depósito: 25/02/2015. (43) Data da Publicação: 20/09/2016

(22) Data do Depósito: 25/02/2015. (43) Data da Publicação: 20/09/2016 INPI (21) BR 102015003982-4 A2 (22) Data do Depósito: 25/02/2015 *BR102015003982A República Federativa do Brasil Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Instituto Nacional da Propriedade

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM TRICICLO PARA DEFICIENTES FÍSICOS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM TRICICLO PARA DEFICIENTES FÍSICOS XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica IMPLEMENTAÇÃO DE UM TRICICLO PARA DEFICIENTES FÍSICOS Larissa Watanabe Universidade

Leia mais

Disciplina de Odontologia em Saúde Coletiva I Aula 6 Agentes mecânicos para o controle do biofilme

Disciplina de Odontologia em Saúde Coletiva I Aula 6 Agentes mecânicos para o controle do biofilme Disciplina de Odontologia em Saúde Coletiva I Aula 6 Agentes mecânicos para o controle do biofilme Biofilme pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares,

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

ANSIEDADE FRENTE AO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO EM PSFS DO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA 1

ANSIEDADE FRENTE AO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO EM PSFS DO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA 1 177 ANSIEDADE FRENTE AO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO EM PSFS DO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA 1 Guilherme Saporetti Filho 2, Bernardo Sollar Godoi 2, Daniel Silvério da Silva 2, Augusto Provensani de Almeida da Cunha

Leia mais

- Suas gengivas sangram quando você passa o fio dental, escova os dentes ou quando você mastiga alimentos duros?

- Suas gengivas sangram quando você passa o fio dental, escova os dentes ou quando você mastiga alimentos duros? TESTE Descubra se você tem problemas de gengiva Responda a algumas questões neste teste interativo e descubra se você pode ter algum problema gengival. Em alguns instantes, você irá descobrir se precisa

Leia mais

Sandra Ulinski Aguilera

Sandra Ulinski Aguilera Fluorose dentária em crianças de 12 anos de idade das escolas públicas de Rolândia, Paraná, 2006. ROLÂNDIA O município apresenta 12 equipes de Saúde Bucal. Esta pesquisa foi realizada em todas as escolas

Leia mais

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz 1 2 3 Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz Aumento de Coroa Clínica Qualquer procedimento (cirúrgico ou não-cirúrgico) que vise

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ 1 A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ Luciano Bárbara dos Santos 1 1 Cirurgião-dentista, aluno do curso de pós-graduação

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

O Mau Hálito e a Qualidade de Vida ABPO

O Mau Hálito e a Qualidade de Vida ABPO O Mau Hálito e a Qualidade de Vida- 2008 - ABPO Pesquisa 2008 verificou que quem tem hálito alterado prefere ser avisado. :: Resumo Baseados em informações fornecidas por pacientes durante as avaliações

Leia mais

ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA. Weyne, S.C.

ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA. Weyne, S.C. ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA Weyne, S.C. Doenças Bucais de Maior Prevalência: Doença Cárie, Doença Periodontal e Halitose Desequilíbrios no Ecossistema dos Biofilmes O processo de colonização: aderência

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO 16 TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não induzidas por placa MODIFICADA Associada só a placa Fatores sistêmicos Medicação Má nutrição Classificação

Leia mais

Promoção de Saúde Bucal para Pessoas com Deficiência

Promoção de Saúde Bucal para Pessoas com Deficiência Promoção de Saúde Bucal para Pessoas com Deficiência Mariana da Cruz Menezes (maricmnzs@gmail.com; bolsista de extensão universitária - PROEX), Gabriella Pagioro de Lima (gabriellapdlima@hotmail.com; bolsista

Leia mais

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar!

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! ANEXO I UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade Ciências da Saúde Licenciatura em Medicina Dentária Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! Pesquisador: Rafael Cardoso de Andrade

Leia mais

&CONDIÇÕES DE HIGIENE BUCAL E HÁBITOS

&CONDIÇÕES DE HIGIENE BUCAL E HÁBITOS R e s u m o E x p a n d i d o &CONDIÇÕES DE HIGIENE BUCAL E HÁBITOS EM PACIENTES COM FISSURA LABIOPALATINA Marcos Roberto Tovani Palone 1 Thaieny Ribeiro da Silva 2 Cristiane Denise da Silva Moralejo 3

Leia mais

OdontoPrev. Sorria: você está sendo bem cuidado.

OdontoPrev. Sorria: você está sendo bem cuidado. OdontoPrev Sorria: você está sendo bem cuidado. Dicas OdontoPrev para um sorriso perfeito INTRODUÇÃO Por um sorriso mais saudável e bonito! É A OdontoPrev quer ver você saindo por aí com um sorrisão estampado

Leia mais

Pesquisa ABHA 2013 mau hálito em idosos

Pesquisa ABHA 2013 mau hálito em idosos Pesquisa ABHA 2013 mau hálito em idosos PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto

Leia mais

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período

INTRODUÇÃO. maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período INTRODUÇÃO Nos últimos anos temos assistido a um rápido crescimento da população com idade maior que 50 anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera o período 1975-2025 a Era do Envelhecimento.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA

GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA Isabela Dantas Torres de Araújo; Grasiela Piuvezam; Vilani Medeiros de Araújo Nunes. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, isabeladta@gmail.com; gpiuvezam@yahoo.com.br;

Leia mais

REDE DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

REDE DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS REDE DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ODONTOCLÍNICA UNIDADES Caxias- Av. Rio Branco, 209 Caxias- Pinheiro Machado, 2569 S 21-22 Garibaldi- Rua Borges de Medeiros, 129 Farroupilha - Rua Marechal Floriano Peixoto,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros AS POLITICAS PÚBLICAS condicionam Os determinantes sociais da saúde Inclusão

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS. Universidade da Região de Joinville

ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS. Universidade da Região de Joinville ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS UNIVILLE Campus Joinville Universidade da Região de Joinville ADMINISTRAÇÃO Empresas (146) Noturno 74 Decreto Federal nº 76.148/75 ARQUITETURA E URBANISMO (147) Noturno

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Odontogeriatria. Para você que já completou 60 anos.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Odontogeriatria. Para você que já completou 60 anos. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Odontogeriatria. Para você que já completou 60 anos. Se você já completou 60 anos, como está a saúde de sua boca? A boca é a porta de entrada do seu organismo. A integridade

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho.

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Os cuidados com a higiene pessoal demonstram que a pessoa

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

DECRETO Nº. 075 / 2016 DE 04 DE JULHO DE 2016

DECRETO Nº. 075 / 2016 DE 04 DE JULHO DE 2016 DECRETO Nº. 075 / 2016 DE 04 DE JULHO DE 2016 ALTERA DECRETO Nº 004/2016, DE 04 DE JANEIRO DE 2016, QUE REGULAMENTA O ART. 8º, 1º, DA LEI MUNICIPAL Nº 955, DE 13 DE DEZEMBRO DE 1989. O Prefeito Municipal

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

Fatores de Risco para Doenças Bucais

Fatores de Risco para Doenças Bucais Fatores de Risco para Doenças Bucais Sistema FIRJAN Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira Presidente do Sistema FIRJAN e do Conselho Regional do SESI-RJ Augusto Cesar Franco Alencar Diretor Geral do Sistema FIRJAN

Leia mais

IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE

IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE IMPLANTE COCLEAR EM CRIANÇAS DE 1 A 2 ANOS DE IDADE INTRODUÇÃO O implante coclear em crianças deficientes auditivas pré-linguais tem sido considerado potencialmente o tratamento mais eficaz para assegurar

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS)

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) PSE 68 Relatório de Gestão 200, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) b lanço soci l (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) Relatório

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE ASPECTOS CONTEXTUAIS E INDIVIDUAIS NA DENTIÇÃO FUNCIONAL DE ADULTOS DO SUL DO BRASIL

A INFLUÊNCIA DE ASPECTOS CONTEXTUAIS E INDIVIDUAIS NA DENTIÇÃO FUNCIONAL DE ADULTOS DO SUL DO BRASIL A INFLUÊNCIA DE ASPECTOS CONTEXTUAIS E INDIVIDUAIS NA DENTIÇÃO FUNCIONAL DE ADULTOS DO SUL DO BRASIL Annie Pozeczek Koltermann Jessye Melgarejo do Amaral Giordani Maria Teresa Anselmo Olinto Marcos Pascoal

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA AUTONOMIA FUNCIONAL DO IDOSO Manoel Rogério Freire da Silva roger12edufisi@hotmail.com Centro Universitário Internacional 1. INTRODUÇÃO O envelhecimento quase sempre é marcado

Leia mais

de Odontologia da Universidade do Grande Rio UNIGRANRIO, Campus Duque de Caxias Rio de Janeiro e do Pró-Saúde/UNIGRANRIO.

de Odontologia da Universidade do Grande Rio UNIGRANRIO, Campus Duque de Caxias Rio de Janeiro e do Pró-Saúde/UNIGRANRIO. AVALIAÇÃO DA SAÚDE BUCAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS Aline Bailão Nunes Alves Moraes¹; Amanda Roberta B. Juliasse da Silva¹; Camila Brandão Lobo¹; Marcella Moreira da Silva¹; Maria Eduarda

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE CONHEÇA A POLÍTICA QUE FAZ MUITOS BRASILEIROS VOLTAREM A SORRIR

MINISTÉRIO DA SAÚDE CONHEÇA A POLÍTICA QUE FAZ MUITOS BRASILEIROS VOLTAREM A SORRIR MINISTÉRIO DA SAÚDE CONHEÇA A POLÍTICA QUE FAZ MUITOS BRASILEIROS VOLTAREM A SORRIR Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL BRASIL SORRIDENTE Durante anos, a Odontologia

Leia mais

DICAS DE NOVEMBRO / 2014

DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICA 01 O segurado especial é o único segurado da previdência social que poderá ter sua inscrição feita após sua morte. DICA 02 O benefício de prestação continuada da Assistência

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Cobertura Odontológica

Cobertura Odontológica Uso consciente do plano de saúde AMS Papo de hoje: Cobertura Odontológica A Assistência Médica Supletiva (AMS) contempla plano médico, hospitalar, odontológico e de farmácia, de autogestão criado pela

Leia mais

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde População brasileira, 16 anos ou mais Setembro de 2015 Índice Introdução Planos de saúde SUS X Plano de saúde Perfil da amostra Principais

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA.

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2017.1 CRIANÇA COM MICROCEFALIA. CAMPUS NATAL A Universidade Potiguar UnP, através da Direção da Escola da Saúde, torna público o presente

Leia mais

HIGIENE BUCAL SAIBA A IMPORTÂNCIA E AS VANTAGENS DE UMA BOA HIGIENE ORAL

HIGIENE BUCAL SAIBA A IMPORTÂNCIA E AS VANTAGENS DE UMA BOA HIGIENE ORAL HIGIENE BUCAL SAIBA A IMPORTÂNCIA E AS VANTAGENS DE UMA BOA HIGIENE ORAL A higiene bucal é a prática de manter a boca, dentes e gengivas limpas e saudáveis para, assim, prevenir e evitar problemas na boca

Leia mais

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP 16 TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

Avaliação da presença de placa e sangramento gengival em estudantes de Duque de Caxias

Avaliação da presença de placa e sangramento gengival em estudantes de Duque de Caxias Avaliação da presença de placa e sangramento gengival em estudantes de Duque de Caxias Evaluation of gingival bleeding and bacterial plaque in Duque de Caxias students Alice Bastos 1 ; Vânia Vieira 1 ;

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Compras a prazo por mulheres

Compras a prazo por mulheres Compras a prazo por mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO 16 TÍTULO: PARADOXO DO TRABALHO - DEFICIENTE VISUAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): WELLINGTON PEREIRA DA SILVA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Quem sofre de mau hálito geralmente não percebe. Veja como tratar Beber bastante água e investir em uma alimentação fibrosa ajuda a evitar o problema

Quem sofre de mau hálito geralmente não percebe. Veja como tratar Beber bastante água e investir em uma alimentação fibrosa ajuda a evitar o problema Quem sofre de mau hálito geralmente não percebe. Veja como tratar Beber bastante água e investir em uma alimentação fibrosa ajuda a evitar o problema Matéria publicada em 27 de Abril de 2014 Mau hálito,

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Projeto Consumidor Consciente: Uma análise comparativa dos anos 2006 e 2011

Projeto Consumidor Consciente: Uma análise comparativa dos anos 2006 e 2011 Projeto Consumidor Consciente: Uma análise comparativa dos anos 2006 e 2011 Júlio César BARRIOS 1 Maria Lúcia Ribeiro da COSTA 2 RESUMO: Consumidor Consciente é uma atividade de extensão universitária

Leia mais

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência

A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência A Qualidade de Vida no Indivíduo com Perda Auditiva Segundo o Tipo de Local de Residência Paulo Cardoso do Carmo ESTSP IPP CHTS-UPA, EPE. (Pjq@estsp.ipp.pt) Rui Pimenta ESTSP IPP APNOR (Rep@estsp.ipp.pt)

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CÁRIE DENTÁRIA. Prof.: Urubatan Medeiros Carolina Borges

EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CÁRIE DENTÁRIA. Prof.: Urubatan Medeiros Carolina Borges EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CÁRIE DENTÁRIA Prof.: Urubatan Medeiros Carolina Borges EPI + DEMOS+ LOGOS= EPIDEMIOLOGIA BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Área Temática: Nutrição Renata Leia Demario Vieira (Coordenador da Ação de Extensão)

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO/SMS/ RJ

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO/SMS/ RJ PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: Prevalência de cárie dentária de escolares de 12 anos em uma unidade escolar do município do Rio de Janeiro Pesquisador:

Leia mais

A SAúde bucal dos brasileiros

A SAúde bucal dos brasileiros A Saúde bucal dos brasileiros A saúde bucal dos brasileiros tem sido estudada e analisada desde 1986 pelo Ministério da Saúde, por meio de levantamento epidemiológico. Dessas pesquisas resultou o projeto

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 Danilo Cardoso de Sá dos Santos Profa. Ma. Giseli de Barros Silva Centro Universitário

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem. Educação em Saúde. Período Pós-Parto

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem. Educação em Saúde. Período Pós-Parto 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO CONSULTA

Leia mais

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD.

TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. TRABALHANDO A PREVENÇÃO DOS CÂNCERES DE MAMA, COLO DO ÚTERO E PRÓSTATA COM OS TRABALHADORES DA AGECOLD. Jane Teixeira dos Santos¹; Arino Sales do Amaral². 1Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

Odontologia PADRÃO DE RESPOSTA

Odontologia PADRÃO DE RESPOSTA Odontologia PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

Companhia Dentes Brilhantes

Companhia Dentes Brilhantes Companhia Dentes Brilhantes Camila Cristina Panisello Ferreira, Cristiana Tengan, Carolina Judica Ramos, Symone Cristina Teixeira. UNESP-Instituto de Ciência e Tecnologia-Campus de São José dos Campos,

Leia mais

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) nanda-nutricao@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: Introdução

Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: Introdução Desempenho em prova de Memória de Trabalho Fonológica no adulto, no idoso e na criança Palavras Chaves: memória de trabalho fonológica; teste de repetição de não palavras; envelhecimento. Introdução A

Leia mais