DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGI P POJETO DE EMBLGENS ENFTIZNDO SPECTOS ESTÉTICOS P TTIVIDDE Mônica Stein Mestre em Engenharia de Produção/FSC - Produto e Processo. nita Garibaldi 136/208 - Florianópolis, S.C - Miguel Fiod Neto, Dr. EPS/CTC/FSC - Campus niversitário Florianópolis, S.C - BSTCT This paper shows a packaging methodology project using the aesthetics aspects to conquest the consumers like a estrategy in the market competition. Keywords: products design, packaging, packaging design. 1. Introdução embalagem é, muitas vezes, o meio de comunicação entre produtos e consumidores, podendo servir de estratégia mercadológica para diferenciação de produtos, ao utilizar seus atributos estético-formais expressivos (forma/cor) para atrair o consumidor no ato da compra. Visto que a concorrência mercadológica está cada vez maior, em competição acirrada, torna-se necessária uma metodologia na qual as informações sobre esses atributos possam ser utilizadas de maneira produtiva. Para que isto seja acessível aos projetistas de embalagens, procurou-se adaptar uma metodologia de projeto de produtos industriais, que tende a classificar a embalagem como um complemento do produto, para projetá-la simultaneamente, desde a fase de concepção, com o produto que embalará. 2. ma Metodologia Observando a realidade das metodologias utilizadas em projetos de produtos, é possível se destacar a de BCK (1983), que detalha todas as etapas do processo de planejamento e desenvolvimento de produtos industriais, preocupando-se bastante com a fase de planejamento conceitual. De forma simplificada, o processo metodológico ocorre da seguinte forma: 1. Planejamento Conceitual - Fase I; 2. Projeto Preliminar - Fase II; 3. Projeto Detalhado Construção e Testes do Protótipo - Fase III; 4. Planejamento do Processo de Manufatura Fase IV; 5. Planejamento para Distribuição - Fase V;

2 6. Planejamento para Consumo e Manutenção - Fase VI; 7. Planejamento para etirada - Descarte - fase VII. Para que a embalagem seja abordada com todo potencial que pode oferecer a um produto, torna-se interessante que no momento do planejamento conceitual ela seja colocada como fator importante da concepção, como esquematiza o quadro 1: empresa tem interesse em utilizar a embalagem como estratégia mercadológica? Não Sim Projeto de Produto Projeto de Produto + Projeto de Embalagem tradicional priorizando requisitos fases I até VII * fases I até III estético-formais Fase IV Planejamento do Processo de Manufatura Fase V - Distribuição Fase VI - Consumo/Manutenção Fase VII - Descarte/etirada * Projeto Conceitual - análise demanda - requisitos - função síntese - princípios solução * Projeto Preliminar * Projeto Detalhado e * Testes/evisão 3. Planejamento Conceitual Quadro 1 - Proposta Metodológica para o Projeto de Embalagens Enriquecendo este processo, pode-se acrescentar informações importantes de outras metodologias. Para este caso, julgou-se adequado utilizar, no processo conceitual, a áfis [SEGINI, 1980], que é um esboço do projeto já na fase de finalização de sua conceitualização, e o processo de interatividade proposto por BONSIEPE (1992), explorando-se mais os princípios de solução. Dentro do processo conceitual, o projeto inicia-se por explicitar: O Objetivo: identifica-se de forma simples e breve o problema e sua natureza, o qual será solucionado pela embalagem; nálise das necessidades: serve de base, ou justificativa, para o prosseguimento da atenção e esforços que serão aplicados ao desenvolvimento do projeto, tanto do produto quanto da embalagem. s necessidades devem ser claras para que se possa estruturar uma seqüência de decisões sobre os aspectos do problema que serão levantados; Identificação do problema: identifica-se o problema para limitar as necessidades ou requisitos que devem ser considerados. Para isto, usa-se um esquema em que se identificam descritores de entrada e saída, desejadas ou não, nas fases do ciclo produçãoconsumo do produto e de sua embalagem. Para que prossiga a fase conceitual, necessita-se explicitar os requisitos a que a embalagem deve satisfazer. Para isto, dentro de uma pesquisa mercadológica, que pode ser feita por um questionário aplicado direto ao consumidor alvo, busca-se detectar necessidades.

3 É importante lembrar que, para que a embalagem não seja utópica, preocupando-se somente com os interesses do consumidor, deve-se conhecer também as necessidades da empresa que vai utilizá-la, e ainda as exigências do meio ambiente, já que a consciência ecológica está em fase ascendente, principalmente no que diz respeito aos problemas de descarte de produtos. Muitos destes requisitos, conforme a embalagem, serão obrigatórios, enquanto outros serão desejáveis. Para descobrir esta hierarquia, pode-se utilizar a ferramenta QFD, que relaciona os requisitos dos clientes com requisitos técnicos mensuráveis. De posse destas necessidades apresentadas sob forma de requisitos de projeto, obtêm-se as especificações de projeto [HENÁNDEZ, 1996], conforme quadro 2: Especificações de Projeto tributos da Embalagem equisitos Objetivos Sensor Saídas Indesejadas Observ./ estrições Função so Produção e Montagem Ergonomia e Estética Comercial Manutenção/eparos Econômico/Financeiro Segurança mbiental/descarte Legal/Normatização Quadro 2.- Especificações de Projeto - Fonte: HENNDÉS, De acordo com as especificações, pode-se a seguir procurar princípios de solução, utilizando o método da Função Síntese, [BCK, 1983], conforme quadro 3. Entrada Caixa Preta Saída Função Global:condicionar Produtos com tratividade Quadro3 Diagrama da Caixa Preta brindo a caixa-preta têm-se as sub-funções, ou funções parciais, desta função global, conforme quadro 4: condicionar Produto com tratividade Especificações trair Proteger Informar Segurança Embalagem Material Praticidade Descartar Sistema Quadro 4 - Subfunções partir das funções parciais obtidas na estrutura de funções, monta-se a matriz morfológica para embalagens, partindo-se de uma matriz mais genérica, e outra direcionada aos aspectos estético-formais expressivos, conforme os quadros 5 e 6, respectivamente.

4 lternativas Funções Parciais Opação 1 Opção 2 Opção 3 trair Proteger Informar Segurança Praticidade Descartar Quadro 5 - Matriz Morfológica das Subfunções.. matriz do quadro 6 aborda aspectos específicos relacionados à função atrair, transformada em subfunção, dependente diretamente de atributos ergonômicos e estéticos. Isto permite que a embalagem, desde a fase conceitual, seja direcionada ao objetivo de persuasão formal como estratégia mercadológica. S B F N Ç Ã O T I Forma Ergonomia e Estética Cor Proporção Cores Público Grafismo Particularidades Quadro 6 - Matriz Morfológica da Subfunção trair Escolhem-se, dentre as opções oferecidas nas matrizes morfológicas anteriores, as que serão levadas adiante para estruturar a embalagem. Inicia-se então o projeto preliminar, a partir de uma ou mais áfis da embalagem, mostrando a composição das formas, cores e materiais, entre outros, escolhidos e genericamente especificados. Mais adiante, no processo de finalização desta fase, realiza-se um mock up, que é uma espécie de modelo ou protótipo, o qual permite visualizar a embalagem de maneira mais real. s outras etapas que complementam o processo de projeto da embalagem acontecem em conjunto com o produto para o qual a embalagem está sendo direcionada. 4. plicação da Metodologia para uma Embalagem de Shampoo: m Estudo de Caso plicou-se a metodologia para uma embalagem de shampoo que pretendia ser inserida no mercado de higiene e beleza, de alta concorrência mercadológica, para a classe média, sendo neste mercado um fato constante a tentativa de se mexer com a vaidade do consumidor pelo visual estético. O projeto da embalagem foi submetido a todo o processo descrito anteriormente expondo-se, muito resumidamente, neste artigo, algumas partes importantes do planejamento, ráfis e mock-up final para concluir a aplicabilidade da metodologia. O processo como um todo pode ser visto em STEIN (1997). 5. Conclusão competitividade mercadológica está aí e não se pode negar. Logo, todo artifício que possa ser utilizado para conquistar consumidores torna-se muito importante. Olhar a embalagem como estratégia de marketing é buscar ser competitivo e interagir de frente com o que de melhor o ser humano tem: suas emoções. Para isto, não se permite mais que as empresas projetem seu produtos e embalagens sem saber quais são as

5 necessidades de seus consumidores. Isto quer dizer que, se a embalagem é um meio de contato entre empresa e consumidor, vale a pena utilizar seus recursos para conquistá-lo. Portanto, este artigo aborda uma metodologia que busca, nos aspectos estéticos, a interação com seu cliente sem perder de vista o avanço da tecnologia, do mercado e a preocupação com as questões ecológico-ambientais. Objetivo: Planejamento de uma embalagem atrativa para shampoo de 200 ml; nálise das necessidades ou demanda: Partiu-se do pressuposto de que a empresa entraria no mercado com uma linha nova de shampoos para cabelos. Garantindo-se com uma boa qualidade do produto, seu objetivo baseouse em representá-la na embalagem, atraindo o consumidor frente às concorrentes como estratégia. Para isto foi necessário definir: * a classe social que se desejava atingir: pretendeu-se atingir a classe B, ou média, sendo que, de acordo com a forma estética e planejamento gráfico, deveria haver possibilidades de se chamar a atenção da classe ; * saber como se comportava a concorrência: verificou-se que embalagens se destacavam e estavam tendo boa aceitação no mercado dentro da classe social escolhida. Dentre algumas, para fazer parte do processo de exemplificação neste estudo de caso, escolheram-se as de maior destaque após um levantamento nos supermercados de Florianópolis, sendo: Shampoo Pantene, da empresa Protecter & Gamble; Shampoo Organics, da empresa Gessy Lever; Shampoo Wellapon, da empresa Wella; * saber os requisitos dos clientes relacionados: o que esperavam de uma embalagem, utilizando-os de forma estratégica para conquista, bem como aproveitar-se de conhecimentos estético-formais para impressionar no momento da compra. Identificação do problema: Verificaram-se, em relação à embalagem, as necessidades e requisitos a serem considerados. Num primeiro plano foi feito um esquema de entradas e saídas desejáveis e indesejáveis do projeto da embalagem, partindo-se num segundo plano para o uso de QFD(s) que relacionaram as necessidades dos consumidores, empresa e meio-ambiente, transformadas em requisitos, com os requisitos técnicos. Isso permitiu sua ordenação em obrigatórios e desejáveis, sendo estes dados transferidos para o quadro de especificações de projeto. Iniciou-se posteriormente a função síntese, descobrindo as função parciais e subfunções, partindo-se então para as matrizes morfológicas, onde descreve-se, na figura 1, a última, relacionada diretamente à ergonomia e estética, que definiram, conceitualmente, como seria a embalagem visualmente. Ergonomia e Estética Forma Escolha Proporção Cores Público Grafismo S B - 1 etângulo Série Fibonacci 3 conjuntos de 3x5 sobrepostos verticalmente Plástico PP transparente Classe social B (média) Não Particularidades escolha do retângulo nestas proporções baseiase nos valores do público alvo F N Ç Ã O T I 2 Triângulo 3 etângulo + Triângulo Equilátero, isósceles ou escaleno Série Fibonacci + um tipo de triângulo espeitar somente posição vertical a Equilíbrio Somar a alternativa 1 + alternativa 2 Plástico transparente PP Plático transparente PP Classe social B Não escolha do triângulo é livre, conforme estudos futuros, porém respeitando o efeito psíquico Classe B Não mistura das duas formas permite mais dinamismo, diferenciação, e utilização do equilíbrio do triângulo com a ascensão do retângulo + Figura 1 - Matriz Morfológica para Ergonomia e Estética Passando pelo projeto preliminar e posteriormente detalhado, chegou-se à melhor definição da embalagem.

6 Como conclusão, tem-se que a combinação dos elementos escolhidos na matriz morfológica gerou a solução conceitual que poderá ser, em seguida, direcionada ao projeto preliminar. eferências Bibliográficas [1] IID, I. Ergonomia - Projeto e Produção. Editora Edgard Blücher Ltda., São Paulo, [2] BCK, Nelson. Metodologia de Projeto de Produtos Industriais. Editora Guanabara Dois - io de Janeiro, [3] BONSIEPE, G.. Teoria y Práctica del Diseño Industrial. Centro Português de Design, [4] DFO, C.. - Estudo do Processo e das Ferramentas de Projeto de Produtos Industriais, como vantagem Competitiva e Estratégia de Melhoria de Constante. Dissertação de mestrado, FSC, 1996 [5] HENÁNDEZ, F.. J. Desenvolvimento de ma Sistemática para a Obtenção das Especificações de Projeto de Produtos Industriais. Dissertação de Mestrado,. FSC, [6] STEIN, M. Desenvolvimento de Metodologia Para Projeto de Embalagens Enfatizando spectos Estéticos para tratividade do Produto. Dissertação de Mestrado, FSC, [7] SEGINI, Lincoln. Fundamentos de Embalagem. Fundação Carlos Vanzolini, São Paulo, 1980.

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO 50 3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO O Processo de Desenvolvimento de Produtos é um dos processos mais importantes e vitais para o negócio de

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

Projeto Informacional (Capítulo 6)

Projeto Informacional (Capítulo 6) Projeto Informacional (Capítulo 6) Henrique Rozenfeld Fernando Antônio Forcellini Daniel Capaldo Amaral José Carlos Toledo Sergio Luis da Silva Dário Henrique Alliprandini Régis Kovacs Scalice Localização

Leia mais

MONICA STEIN DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE DO PRODUTO

MONICA STEIN DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE DO PRODUTO MONICA STEIN DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE DO PRODUTO i í I Dissertação Apresentada Como Requisito Parcial À Obtenção De Grau

Leia mais

Aplicação de metodologias de projeto de produtos industriais no processo de desenvolvimento de produtos na indústria de alimentos.

Aplicação de metodologias de projeto de produtos industriais no processo de desenvolvimento de produtos na indústria de alimentos. Aplicação de metodologias de projeto de produtos industriais no processo de desenvolvimento de produtos na indústria de alimentos. Cíntia Carla Penso (UFSC) cintiacarla@hotmail.com Fernando Antônio Forcellini

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano DESENHO INDUSTRIAL Carla Laureano CASTELNOU O QUE É DESIGN? O Desenho Industrial é uma atividade projetual responsável pela determinação das características funcionais, estruturais e estético-formais de

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Usability Evaluation in Product Design: a case study in the design of

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO:

Leia mais

Professor Bruno Silva Olher

Professor Bruno Silva Olher Bruno Silva Olher O MERCADO Todo o cliente tem o direito de escolher a cor do carro, desde que seja a cor preta - Henry Ford. Fase do Product out colocar o produto no mercado. 1 INTRODUÇÃO Na definição

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Critérios gerais de classificação da prova

Critérios gerais de classificação da prova 06 DESENHO Critérios de correção PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano: 0 ª fase - Julho 0º, º e º ano Critérios gerais de classificação da prova A classificação a atribuir a cada resposta resulta da

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

QFD (Quality Function Deployment)

QFD (Quality Function Deployment) (Quality Function Deployment) (Desdobramento da Função Qualidade) O é uma técnica que pode ser empregada durante todo o processo de desenvolvimento de produto e que tem por objetivo auxiliar o time de

Leia mais

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Nilton Luiz Menegon menegon@power.ufscar.br Miguel Antonio Bueno da Costa mbcosta@power.ufscar.br

Leia mais

Prova Prática de Desenho A

Prova Prática de Desenho A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 9/, de de julho Prova Prática de Desenho A.º Ano de Escolaridade Prova 706/.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas COTAÇÕES GRUPO I Representação

Leia mais

Prova Prática de Desenho A

Prova Prática de Desenho A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/0, de 6 de março Prova Prática de Desenho A.º Ano de Escolaridade Prova 706/.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas COTAÇÕES GRUPO I Representação

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Representações do Corpo na Cultura Midiática

Representações do Corpo na Cultura Midiática Representações do Corpo na Cultura Midiática A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A crescente procura por práticas

Leia mais

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5 Por que é importante um bom projeto de produtos e serviços? rojeto de produtos e serviços Quais são os estágios no projeto de produtos e serviços?

Leia mais

Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1

Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1 Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1 Tiago José PACE 2 Vitória Teodoro Gerlach SILVA 3 Vitor Felipe de Oliveira QUEIROZ

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição

Caso de uma Central de distribuição Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com 4. Princípios de Design JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com Design é projetar A partir de uma necessidade Para contribuir na soluçāo de um problema Focado em um público específico Através de um processo

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases C A T E G O R I A S D E S E T O R D E M E R C A D O E C A T E G O R I A S E S P E C I A I S ROTEIRO ORIENTADOR PARA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Processo de transformação das necessidades dos clientes em especificações de um produto

Processo de transformação das necessidades dos clientes em especificações de um produto Processo de transformação das necessidades dos clientes em especificações de um produto Alexandre Medeiros Heirich (FAHOR) ah000878@fahor.com.br Cleber Roberto Chitolina (FAHOR) cc000465@fahor.com.br Jeferson

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTO: DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO AO ORÇAMENTO PÚBLICO P E À CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL Nelson Machado Sec Executivo do MF Brasília, Outubro de 2008 DIVERSIDADE DE PONTOS DE VISTA

Leia mais

CARLOS HENRIQUE FÓRNEAS LIMA RAMOS MARCELLO RIGO ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS: UM ESTUDO COMPARADO EM UMA PEQUENA EMPRESA

CARLOS HENRIQUE FÓRNEAS LIMA RAMOS MARCELLO RIGO ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS: UM ESTUDO COMPARADO EM UMA PEQUENA EMPRESA CARLOS HENRIQUE FÓRNEAS LIMA RAMOS MARCELLO RIGO ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS: UM ESTUDO COMPARADO EM UMA PEQUENA EMPRESA Trabalho apresentado ao Departamento de Engenharia

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

MARKETING PESSOAL. Professor Victor Sotero

MARKETING PESSOAL. Professor Victor Sotero MARKETING PESSOAL Professor Victor Sotero Você esta fazendo o que gosta? O que estará fazendo daqui a 5,10 ou 15 anos? Você esta preparado para fazer o que quer e gosta? Como fazer para estar preparado

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software SQFD Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução A necessidade de vantagem competitiva, tem levado as empresas de desenvolvimento

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto 5. Gerenciamento do escopo do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 5.1 Iniciação *** Reescrita e transferida para o capítulo 4 5.2 Planejamento do escopo

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Design de Embalagens: Caracterização de Tendências de Consumo e Percepção dos Consumidores em Relação às Embalagens de Refrigerantes

Design de Embalagens: Caracterização de Tendências de Consumo e Percepção dos Consumidores em Relação às Embalagens de Refrigerantes Design de Embalagens: Caracterização de Tendências de Consumo e Percepção dos Consumidores em Relação Packaging Design: Characterization of Consumption Trends and Consumer Perception in Relation to Soft

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto:

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto: Projeto em gestão de produção Segundo Sir Monty Finneston (1987), projeto é o processo conceitual através do qual algumas exigências funcionais de pessoas, individualmente ou em massa, são satisfeitas

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas.

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas. QFD Quality Function Deployment Aplicações Desenvolvimento de Produtos Gestão da Qualidade Total Gerenciamento pelas Diretrizes Alinhamento de Estratégias Balanced ScoreCard Seis Sigma Direção ou Meta

Leia mais

ENDOMARKETING DESIGN DE INFORMAÇÃO

ENDOMARKETING DESIGN DE INFORMAÇÃO A Píbola Comunicação é uma empresa jovem, conectada com as tendências atuais da comunicação com algumas habilidades especiais em foco: Branding Endomarketing esign de Informação Ilustração e esign Gráfico

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Sitegrama e Fluxo das Transações

Sitegrama e Fluxo das Transações Sitegrama e Fluxo das Transações Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Sitegrama Diagrama que representa a organização hierárquica de um website. Contém todas as páginas de conteúdo e a entrada

Leia mais

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web Rodrigo S. Prudente de Aquino rodrigo@wpage.com.br É bacharel em Ciência da Computação pela PUC-SP e MBA em Engenharia de Software pela USP. Foi analista

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS Fundada em 1970, a 3RHO Interruptores Automotivos tem como principal objetivo, atender o mercado de reposição (Aftermarket), oferecendo aos seus clientes produtos com

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático

Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático Sandro Bertotti 1, Mirian de Luca S. Caetano 1, Paulo S. S. Borges 2 1 Curso de Pós Graduação em Ciências da Computação

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

(RoadMap) Guia de Utilização dos Recursos de Competitividade

(RoadMap) Guia de Utilização dos Recursos de Competitividade (RoadMap) Guia de Utilização dos Recursos de Competitividade Notas de enquadramento O presente Roadmap surge no âmbito do projeto de Recursos de Competitividade, tendo como objectivo a facilitação da utilização

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Etapas de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos SEGMENTO COSMÉTICO SEGMENTO COSMÉTICO Características Dinâmico Crescimento constante Necessidade de lançamentos

Leia mais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais A U L A 5 Pesquisas quantitativas etapas iniciais Metas da aula Apresentar as condições para realização de pesquisas quantitativas; estabelecer os procedimentos que norteiam as pesquisas de mercado com

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

Criatividade e Brainstorm no Design

Criatividade e Brainstorm no Design João Gomes - Doutor em arquitetura e urbanismo pela USP. Mestre em estruturas ambientais urbanas pela USP e designer industrial pela FAAP. Professor de cursos de graduação e Pós-graduação em design. Consultor

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ENGENHARIA DO PRODUTO FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA JOELSON

Leia mais

ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 4 Que é projeto em gestão de produção? Quais objetivos a atividade de projeto deveria ter? Projeto

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Identidade Visual Manual de Aplicação

Identidade Visual Manual de Aplicação Identidade Visual Manual de Aplicação Apresentação Aqui estão dispostas em breves linhas algumas indicações sobre a nova identidade da SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, elaborada com a finalidade de

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste. 1032 MODELO CRIATIVO E AVALIAÇÃO NO DESIGN Marcelo José da Mota Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.br

Leia mais

Análise de Metodologias de Desenvolvimento de Novos Produtos (DNP) para a Adoção desta nas Indústrias Têxteis Brasileiras.

Análise de Metodologias de Desenvolvimento de Novos Produtos (DNP) para a Adoção desta nas Indústrias Têxteis Brasileiras. Análise de Metodologias de Desenvolvimento de Novos Produtos (DNP) para a Adoção desta nas Indústrias Têxteis Brasileiras. Analyses about the methodologies of new products development (NPD) of the Adoption

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

Introdução ao Mundo da Embalagem

Introdução ao Mundo da Embalagem Introdução ao Mundo da Embalagem Desenhar embalagens que realmente contribuam para o sucesso do produto na competição de mercado não é uma tarefa fácil. A embalagem é hoje um importante componente da atividade

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Dicas para seu Cartão de Visita

Dicas para seu Cartão de Visita O Cartão de Visita O cartão de visita é um pequeno cartão contendo os dados de contato de uma pessoa ou corporação. Para muitos, ele é a primeira ferramenta de marketing. Após um contato profissional,

Leia mais

Automação de Medição: Mesa Posicionadora

Automação de Medição: Mesa Posicionadora UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EMC 5301 INTRODUÇÃO AO PROJETO E MANUFATURA ASSISTIDOS POR COMP. TURMA 730 Automação de Medição: Mesa Posicionadora César Augusto

Leia mais

Design Thinking O que é?

Design Thinking O que é? DESIGN THINKING O que é? É o conjunto de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Como uma abordagem, é considerada

Leia mais

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento ... Cadernos FUNDAP n. 22, 2001, p. 111-116 Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento Sandra Lúcia Fernandes Marinho SINOPSE A Portaria n. 42, de 14 de abril de 1999, do Ministério de Planejamento,

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Cerveja Heineken 1. PALAVRAS-CHAVE: Heineken; Fotografia; Latinhas; Festa; Diversão.

Cerveja Heineken 1. PALAVRAS-CHAVE: Heineken; Fotografia; Latinhas; Festa; Diversão. Cerveja Heineken 1 Lais Eloara Nunes 2 Camila Roberta Fernandes 3 Paulo Oliveira 4 Mérsia Alvarinho Casimiro 5 Thayne Cristina dos Santos 6 Cristiane Peixoto Nabarretti. 7 Faculdade Anhanguera de Limeira,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO PROJETO CONCEITO DESENVOLVIMENTO PRODUTO + = Todo projeto inicia-se com a necessária clareza sobre seu escopo e os documentos: o termo de abertura a declaração do

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Opção Profissional. Design Gráfico. Design Produto. Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010

Opção Profissional. Design Gráfico. Design Produto. Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010 Opção Profissional? Design Gráfico ou Design Produto Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010 CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL MEC Ensino Superior Desenho Industrial / Habilitações Projeto do Produto PP (Objetos

Leia mais

TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste folheto pode ser reproduzida de

Leia mais

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos 15 2. METODOLOGIA CIENTÍFICA Metodologia científica é a disciplina que estuda os caminhos do saber, aonde método significa caminho, logia estudo e ciência saber. De forma simplificada, então, a metodologia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Metodologia de projeto de Bruno Munari aplicada ao design de superfície de moda. Bruno Munari s Design methodology applied in surface design fashion

Metodologia de projeto de Bruno Munari aplicada ao design de superfície de moda. Bruno Munari s Design methodology applied in surface design fashion Metodologia de projeto de Bruno Munari aplicada ao design de superfície de moda Bruno Munari s Design methodology applied in surface design fashion Cilene Estol Cardoso Centro Univesitário Metodista -

Leia mais

http://secon.udesc.br/consepe/resol/2010/004-2010-cpe.htm

http://secon.udesc.br/consepe/resol/2010/004-2010-cpe.htm Page 1 of 6 RESOLUÇÃO Nº 4/2010 CONSEPE Aprova alterações no currículo do curso de Engenharia de Produção e Sistemas, do Centro de Ciências Tecnológicas CCT, da Fundação Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Cosméticos para a Terceira Idade

Cosméticos para a Terceira Idade Cosméticos para a Terceira Idade Fevereiro de 2014 1 Introdução 2 Apresentação do Estudo Objetivos Compreender o significado do tema Beleza para as mulheres da classe BC acima de 60 anos; Entender as necessidades

Leia mais