As novas redes, mais flexíveis e mais inteligentes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As novas redes, mais flexíveis e mais inteligentes."

Transcrição

1

2 As novas redes, mais flexíveis e mais inteligentes. Agenda: Os problemas das redes atuais A tecnologia SDN e NFV Vantagens, Benefícios e Aplicabillidade Cases reais de aplicação Considerações finais

3 Os problemas das redes atuais (exemplos) Mercado de Datacenters Migrar Máquina Virtual (VM) para outra Máquina Física agilmente. Mercado Corporativo Oferecer conectividade diferenciada para um usuário específico fora da regra geral. Mercado de Operadoras Core: Utilizar melhor os recursos dos enlaces redundantes. Acesso: Simplificar o equipamento da casa do assinante para evitar (minimizar) dependência de implementações de fabricantes.

4 Software SDN: Software-Defined Networks Controle no roteador (modelo anterior) Controle Centralizado (SDN) Aplicações Aplicações de controle Aplicações usuário final + Interfaces de alto nível Roteador = Controle + X Controlador de redes centralizado Hardware de comutação Flow table Protocolos abertos Plano de dados

5 Software SDN: Software-Defined Networks Suporta a natureza dinâmica das futuras funções de rede e das aplicações inteligentes (cont.) Controle Centralizado (SDN) Roteamento baseado em fluxos: Roteamento baseado em diversas informações do cabeçalho dos pacotes Intervenção nos pacotes a partir de orientações do controlador (software-defined network) Aplicações de controle Aplicações usuário final Interfaces de alto nível Controlador de redes centralizado Protocolos abertos Hardware de comutação Flow table Plano de dados

6 NFV: Network Function Virtualization (propósito) Separação entre uma função específica e o seu appliance físico Compartilhamento de recursos físicos e computacionais Criação do conceito de farm para funções de redes Versatilidade para criação de novas funções Network Functions Virtualization (NFV) aims to transform the way that network operators architect networks by evolving standard IT virtualization technology to consolidate many network equipment types onto industry standard high volume servers, switches and storage, which could be located in Datacenters, Network Nodes and in the end User Premises. (ETSI, NFV White Paper, Out/2013) O ETSI identifica cenários para NFV com grandes vantagens para a rede de acesso

7 SDN e NFV: Relação e interdependência São Tecnologias Complementares SDN pode ser entendido como um enabler (tecnologia habilitadora) de NFV SDN permite que os pacotes sejam roteados adequadamente para os servidores que executam o software relativo às funções de rede virtualizada (NFV) NFV SDN OpenFlow

8 SDN e NFV: Vantagens Independência de fornecedores Torna as redes abertas, escaláveis e com alta confiabilidade Interfaces abertas Facilidade de programação Velocidade na implantação de novos serviços (aplicativos)

9 SDN e NFV: Benefícios Centralização das configurações: Mais flexibilidade e inteligência Agilidade de resposta à demandas de negócios (Time-to-Market) Aproveitamento de parque existente (desnecessária atualização de elementos de borda) Compartilhamento e otimização de infra estrutura Evolução independente entre as camadas Maior integração da rede com sistemas de Cloud e ferramentas de orquestração

10 CASES NFV Trópico (Exemplos práticos)

11 Case 1: vcpe -> Situação Atual dos CPE s Parque instalado heterogêneo Visitas (custo, tempo) Diagnósticos falhos e mitos operacionais Portfólio de serviços desigual Grande quantidade de equipamentos legados Suporte e operação (alto OPEX) Dificuldade para sustentar novos planos de negócios Qualidade no serviço prestado Terceirização da equipe de campo Dificuldades na capacitação para diagnóstico de problemas Portfólio de serviços Longo ciclo de desenvolvimento de novas funcionalidades Gap entre demandas de novos serviços (Receita) e viabilidade técnica AMBIENTE DE NEGÓCIO DESFAVORÁVEL!

12 Case 1: vcpe (cont.) ( ETSI, NFV White Paper, Out/2013 ) Funções de alta complexidade => Virtualizadas (VNF) Firewall Gerência SBC Retira a inteligência do CPE e coloca-a na rede! L3 Router NAT DHCP (típico, hoje) Firewall L3 Router NAT DHCP Gerência Wireless L2 Switch Voz Modem Wireless L2 Switch Voz Modem Funções exercidas por um CPE CPE simplificado, executando as funções que demandam acesso físico

13 Case 1: vcpe (cont.) ( ETSI, NFV White Paper, Out/2013 ) Redução significativa de Custo (CAPEX, OPEX) Funções de alta complexidade => Virtualizadas (VNF) Firewall Gerência SBC L3 Router NAT DHCP (típico, hoje) Firewall L3 Router NAT DHCP Gerência Wireless L2 Switch Voz Modem Wireless L2 Switch Voz Modem Funções exercidas por um CPE CPE simplificado, executando as funções que demandam acesso físico Redução de CAPEX

14 Case 1: vcpe (cont.) Redução significativa de Custo (CAPEX, OPEX) Funções de alta complexidade => Virtualizadas (VNF) ( ETSI, NFV White Paper, Out/2013 ) Firewall Redução de OPEX Gerência SBC L3 Router NAT DHCP (típico, hoje) Firewall L3 Router NAT DHCP Gerência Wireless L2 Switch Voz Modem Wireless L2 Switch Voz Modem Funções exercidas por um CPE CPE simplificado, executando as funções que demandam acesso físico

15 Case 1: vcpe (cont.) Novo portfólio SVA s! ( ETSI, NFV White Paper, Out/2013 ) Inovação Retira a inteligência do CPE e coloca-a na rede! Aumento de RECEITA Firewall Gerência SBC L3 Router NAT DHCP (típico, hoje) Funções de alta complexidade => Virtualizadas (VNF) Firewall L3 Router NAT DHCP Gerência Wireless L2 Switch Voz Modem Wireless L2 Switch Voz Modem Funções exercidas por um CPE CPE simplificado, executando as funções que demandam acesso físico

16 Case 2: NGN / SoftSwitch (MGCF) virtualizado Função de core de rede hospedada em Datacenter Todos os benefícios e vantagens inerentes à NFV Escalabilidade que permite aplicações desde pequenos à grandes operadoras Case Real VSS Vectura SoftSwitch

17 Outros Cases: aplicações imediatas (demandas) Interfuncionamento IPv4 IPv6 Community WiFi (múltiplo SSID)

18 Considerações finais SDN e NFV: São movimentos transformadores do setor (TIC): sem volta Estão caminhando para a maturidade (padrões e produtos) Permitem às operadoras agregarem valor à sua oferta (ameaça dos OTT s) e diminuírem seus custos (capex, opex) operacionais. Possibilitam a evolução necessária para maior agilidade e economia operacional nos Datacenters: convergência efetiva das TIC s!

19 Empresa Geral 15 anos, mas com história de 40! Grande presença na rede do Brasil Tecnologia Nacional Sistemas de Missão Crítica em Tempo Real Presença em Campinas, Manaus, Bogotá Plataformas de Atendimento Alguns Cases Aplicações Comunicações Unificadas Plataforma de Auto Atendimento >18 Milhões chamadas / mês Melhoria da qualidade do atendimento Portabilidade Numérica > CAPS, 1,3 Bi chamadas/dia Oi, Vivo, GVT, BT, espelhinhos Telefonia sobre IP Plataformas de Gerência Business Inteligence > ramais distribuídos pelo Brasil Grande capacidade instalada Rede Inteligente 600 CAPS 100% da rede da Oi (16 M de acessos) Redes de Telecom

20 Muito Obrigado! Paulo Cabestré Cel: Office: CONFIDENCIAL Este documento contém informações confidenciais, de acesso restrito e de titularidade ou posse da Trópico Telecomunicações da Amazônia Ltda., ou de qualquer de suas controladas ou coligadas, e são protegidas pela legislação aplicável contra revelação. A posse, visualização, revelação, distribuição ou uso não autorizado(a) deste documento é estritamente proibido(a).

21 Slides de Reserva by

22 As novas redes, mais flexíveis e com inteligência distribuída Com a chegada das redes digitais, primeiro centralizou-se a inteligência. Agora, com o avanço tecnológico, assiste-se ao processo inverso, de distribuição da inteligência nos elementos da rede. Nesse cenário, destacam-se duas tecnologias: o SDN, ou redes definidas por software, e o NFV, a virtualização de funções da rede. O objetivo deste painel é debater quais as vantagens das tecnologias SDN e NFV que benefícios trazem em que circunstâncias devem ser utilizadas, se são tecnologias complementares ou excludentes, que demandas podem resolver.

23 Acionista

24 Os problemas das redes atuais A) No Mercado de Datacenters Backbone IP IP Migração para outra Máquina IP Fixo Switch Switch Outro IP Fixo! Máquina Física Máquina Virtual VM VM VM VM VM VM Como migrar a Máquina Virtual para outra Máquina Física agilmente??? VM VM VM Localidade 1 Localidade 2 VM VM

25 Os problemas das redes atuais TBD B) No Mercado Corporativo Internet Firewall Servidores Corporativos Como dar conectividade diferenciada para um usuário fora da regra geral?

26 Os problemas das redes atuais TBD C1) No Mercado de Operadoras (núcleo da rede) Como utilizar melhor os recursos dos enlaces redundantes???

27 Os problemas das redes atuais C2) No Mercado de Operadoras (rede de acesso) Funções implementadas no equipamento Firewall NAT DHCP Gerência SBC L3 router Como simplificar o equipamento da casa do assinante para evitar dependência de implementações de fabricantes?

28 Solução Trópico para Virtualização de CPEs Uso de tecnologia SDN (enabler) Baixa demanda de capacidade de processamento Alta eficiência de comutação Menor tráfego pela rede Ausência de gargalos de banda Maior resiliência para os serviços VVE Vectura Virtual Edge

29 VVE Vectura Virtual Edge IP Backbone Solução agnóstica à tecnologia de roteamento, com grande versatilidade e alta disponibilidade Emula elementos de redes legadas, simplificando sua implantação Plataforma versátil, voltada a inserção de novos serviços Solução analítica embarcada voltada a altos volumes transacionais Otimizações arquiteturais reduzem o investimento necessário Mecanismos de altíssima disponibilidade por meio de redirecionamento de fluxos, utilizando os demais appliances como nós redundantes

30 Visão de Arquitetura

31 Arquitetura Tradicional de Redes Plano de Controle Plano de Dados Plano de Controle Plano de Dados Protocolos tratam problemas bem específicos (ACL, VLAN, QoS, Firewall ) Configuração de equipamento de rede fortemente manual Redes de natureza estática, em contraste com os ambientes diâmicos atuais Forte dependência dos fabricantes para o suporte de novas funções e serviços

32 Arquitetura SDN Aplicações de controle Aplicações para o usuário final Interfaces de alto nível Controlador de redes centralizado Protocolos abertos Dispositivos de comutação Flow table Plano de dados

33 Problemas dos CPEs atuais Grande quantidade e alta pulverização geográfica Muitas funcionalidades Baixa capacidade de processamento e memória Dependência da implementação dos fabricantes Dificuldade para introduzir novos serviços Vulnerabilidade a falhas e fraudes Limitações para gerenciamento remoto Custo com treinamento de técnicos e visitas CPE Customer Premisses Equipment

34 NFV: exemplo CPE Retirar a inteligência do CPE e colocá-la na rede (cloud)! CPE físico somente com funções básicas Funções independentes do fabricante do CPE Novos serviços podem ser facilmente introduzidos Operadora CPE

35 Virtualização de CPE Firewa ll NAT DHC P Software! Gerência SBC L3 Router CPE Frames Nível 2 Pipe da Operadora VVE Vectura Virtual Edge Edge Router

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los O contexto SDN O conceito NFV O conceito Aproximando as duas abordagens Virtualização de acesso Nossa

Leia mais

Trópico está lançando novos produtos e ampliando seu Portfólio

Trópico está lançando novos produtos e ampliando seu Portfólio Trópico está lançando novos produtos e ampliando seu Portfólio Plataforma para Internet das Coisas Monitoração e Controle de Dispositivos Conectados à Internet Contact Center Multicanal Melhoria da Qualidade

Leia mais

Instrumentos de alinhamento do negócio

Instrumentos de alinhamento do negócio Virtualização e Consolidação: Instrumentos de alinhamento do negócio com as TIC José Casinha (Oni Communications) jose.casinha@oni.pt i Alinhamento das TI com o negócio Pessoas Skills Conhecimento Produtividade

Leia mais

Symantec concretiza sua visão estratégica com datacenter seguro de próxima geração distribuído pela Cisco ACI

Symantec concretiza sua visão estratégica com datacenter seguro de próxima geração distribuído pela Cisco ACI DESTAQUE DO IDC ExpertROI Symantec concretiza sua visão estratégica com datacenter seguro de próxima geração distribuído pela Cisco ACI Patrocinado pela: Cisco Matthew Marden Maio de 2015 Brad Casemore

Leia mais

NUVEM NO DNA COM A. pág. 8 NASCIDO PARA NUVEM. FUTURO Sistema operacional vai além da virtualização convencional dos recursos dos servidores

NUVEM NO DNA COM A. pág. 8 NASCIDO PARA NUVEM. FUTURO Sistema operacional vai além da virtualização convencional dos recursos dos servidores NASCIDO PARA NUVEM. INFORME PUBLICITÁRIO Windows Server 2012 março de 2013 COM A NUVEM NO DNA WINDOWS SERVER 2012 É A RESPOSTA DA MICROSOFT PARA O NOVO CENÁRIO DOS DATACENTERS pág. 4 FUTURO Sistema operacional

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Enfrente os atuais desafios de BYOD

Enfrente os atuais desafios de BYOD Folheto Enfrente os atuais desafios de BYOD HP Intelligent Management Center para BYOD Quem é você? Seu dispositivo está em conformidade? Atribuído para redes de aplicativos virtuais de identidade Usuário

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Virtualização: Uma Concepção Alternativa para Sistemas Computacionais Melhorar a utilização dos recursos através da Virtualização de infra-estruturas de TI está se tornando uma prioridade para muitas empresas.

Leia mais

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio ESTRUTURA E ASPECTOS 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio A 3S Networks surgiu com a proposta de oferecer as mais avançadas soluções tecnológicas a empresas dos setores privado e público, atuamos

Leia mais

Redes Definidas por Software

Redes Definidas por Software Redes de Computadores I Redes Definidas por Software Antonio Gonzalez Pastana Lobato Ulisses da Rocha Figueiredo Redes de Computadores I Introdução Introdução Aplicações Atuais Data-Centers Muitas máquinas

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias.

Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias. Pioneirismo não se inventa. Mas pode ser reinventado todos os dias. A velocidade das respostas é cada vez mais decisiva para o sucesso de uma empresa. Se estar conectado já não basta, é preciso sempre

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

2.1 Perímetro com a WAN

2.1 Perímetro com a WAN ANEXO I. Projeto Básico 1 ESCOPO O escopo desse projeto é implementar soluções de switch core, switch de borda, sistema de controle de acesso à rede, access points, sistemas de gerenciamento wireless,

Leia mais

Avaya Virtualization Provisioning Service

Avaya Virtualization Provisioning Service Avaya Virtualization Provisioning Service Uma solução que fornece visibilidade, validação, automatização e geração de relatórios ao longo dos diferentes servidores, aplicações e dispositivos de rede para

Leia mais

Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente

Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente White Paper Visão geral da tecnologia Cisco Unified Access: Acesso convergente Introdução Hoje, menos de um por cento de tudo no mundo físico está conectado em rede. Em um futuro próximo o crescimento

Leia mais

O que há aqui dentro, o que há lá fora

O que há aqui dentro, o que há lá fora Soluções em Gerenciamento Out-of-band REDES O que há aqui dentro, o que há lá fora Neste artigo, as abordagens tradicionais de monitoramento, manutenção e restauração de ativos de TI são questionadas;

Leia mais

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks MUM Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009 Mikrotik e a Computação nas nuvens Oferece serviços de Conectividade IP, Desenvolvimento e Integração de Sistemas. Consultoria `a Provedores de Acesso,

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

SOLUÇÕES DE REDES CORPORATIVAS E DATA CENTERS

SOLUÇÕES DE REDES CORPORATIVAS E DATA CENTERS SOLUÇÕES DE REDES CORPORATIVAS E DATA CENTERS O advento dos meios digitais proporcionou novas opções de modelos de negócios: modelos mais simples, em que arquiteturas inflexíveis e caras deram lugar a

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital.

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Aker FIREWALL UTM Fortaleza Digital Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Ideal para o ambiente corporativo, com o Aker Firewall UTM você tem o controle total das informações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Redes e Internet do Futuro

Redes e Internet do Futuro Redes e Internet do Futuro ::: SDN e NDN ::: Samuel Henrique Bucke Brito Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial (DCA) Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

OPORTUNIDADES DE TRANSFORMAÇÃO COM O ALCATEL-LUCENT OPENTOUCH SUITE OTIMIZANDO A CONVERSAÇÃO EM REDES DE COMUNICAÇÃO CENTRALIZADAS

OPORTUNIDADES DE TRANSFORMAÇÃO COM O ALCATEL-LUCENT OPENTOUCH SUITE OTIMIZANDO A CONVERSAÇÃO EM REDES DE COMUNICAÇÃO CENTRALIZADAS OPORTUNIDADES DE TRANSFORMAÇÃO COM O ALCATEL-LUCENT OPENTOUCH SUITE OTIMIZANDO A CONVERSAÇÃO EM REDES DE COMUNICAÇÃO CENTRALIZADAS ÍNDICE Resumo / Novas Oportunidades para Mudança da Conversação pela Ti

Leia mais

SUA EMPRESA ESTÁ CONSIDERANDO O SAP HANA? A EMC SIMPLIFICA A IMPLEMENTAÇÃO COM A OPÇÃO DE INFRAESTRUTURA SESSÃO 3302

SUA EMPRESA ESTÁ CONSIDERANDO O SAP HANA? A EMC SIMPLIFICA A IMPLEMENTAÇÃO COM A OPÇÃO DE INFRAESTRUTURA SESSÃO 3302 EMC FORUM 2015 1 EMC FORUM 2015 SUA EMPRESA ESTÁ CONSIDERANDO O SAP HANA? A EMC SIMPLIFICA A IMPLEMENTAÇÃO COM A OPÇÃO DE INFRAESTRUTURA SESSÃO 3302 2 PARCERIA EMC E SAP EMC/FEDERAÇÃO GERAM VALOR E SIMPLIFICAÇÃO

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Porque a terceirização da infraestrutura deve ser o primeiro passo para a transformação de TI

Porque a terceirização da infraestrutura deve ser o primeiro passo para a transformação de TI Porque a terceirização da infraestrutura deve ser o primeiro passo para a transformação de TI A Frost & Sullivan White Paper Patrocinado pela Embratel Porque a terceirização da infraestrutura deve ser

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

CASO DE SUCESSO SENAI

CASO DE SUCESSO SENAI Cloud Computing a serviço da Educação Profissional. CASO DE SUCESSO SENAI A indústria do conhecimento. Virtualização de servidores do Data Center Este estudo de caso mostra como as soluções Cisco ajudaram

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Sua voz é essencial. As soluções de telefonia OpenScape Enterprise oferecem o poder da voz

Sua voz é essencial. As soluções de telefonia OpenScape Enterprise oferecem o poder da voz Sua voz é essencial As soluções de telefonia OpenScape Enterprise oferecem o poder da voz A voz confiável e de alta qualidade é essencial para a empresa As conversas envolvem interação em tempo real em

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios IBM Global Technology Services White Paper IBM Resiliency Services Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios Escolha o provedor de serviços gerenciados certo para mitigar riscos à reputação

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

OpenStack. Cloud Software

OpenStack. Cloud Software OpenStack Cloud Software O que é o OpenStack? Concebido como um SO para a nuvem Todo em código aberto Infraestrutura de nuvem como serviço (IaaS) Nuvens públicas ou privadas Composto por um conjunto de

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação

UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação UNIESP Ribeirão Preto Curso de Sistemas de Informação Áreas Temáticas para Trabalho de Conclusão de Curso ( o estudante poderá optar por uma das áreas temáticas sugeridas ou ainda optar por área não contemplada

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

CASO DE SUCESSO MICROWARE

CASO DE SUCESSO MICROWARE CASO DE SUCESSO MICROWARE CLIENTE: Ortobom SEGMENTO: Indústria MAIOR INTEGRAÇÃO E FLUXO DE DADOS GARANTE RESULTADOS ÁREA DE ATUAÇÃO: Datacenter DEMANDA: A empresa buscava maior comunicação e integração

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com

Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O M a x i m i z a n d o S e u A m b i e n t e V i r t u a l p a

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SISTEMAS WIRELESS LAN DANIEL MELO GERENTE DE VENDAS A CANAIS MOTOROLA SOLUTIONS

CARACTERÍSTICAS SISTEMAS WIRELESS LAN DANIEL MELO GERENTE DE VENDAS A CANAIS MOTOROLA SOLUTIONS Julho / 2011 CARACTERÍSTICAS SISTEMAS WIRELESS LAN DANIEL MELO GERENTE DE VENDAS A CANAIS MOTOROLA SOLUTIONS DIFERENCIAIS MOTOROLA PAGE 2 DIFERENCIAIS MOTOROLA Firewall cabeado e Wireless QoS WMM-PS/SIP

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Aceleração da inovação dos negócios em um mundo instável

Aceleração da inovação dos negócios em um mundo instável Aceleração da inovação dos negócios em um mundo instável O caminho: Data Center Definido por Software Fernando Nakamura Setembro de 2015 2014-2015 VMware Inc. Todos os direitos reservados. CONFIDENCIAL

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso A construção de uma rede local que satisfaça às exigências de organizações de médio e grande porte terá mais probabilidade de sucesso se for utilizado

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Engenharia de Negócios 1 Agenda 1 Sobre a TIVIT 2 IT Outsourcing 3 Parceria TIVIT & Symantec 4 Projeto

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Soluções de Voz. Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz.

Soluções de Voz. Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz. Nossas Soluções Soluções de Voz Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz. lâmina_option_voz.indd 1 10/30/13 2:47 PM Soluções de Voz Soluções Integradas

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Brasil ICT - Institucional

Brasil ICT - Institucional Brasil ICT - Institucional Somos uma empresa de tecnologia especializada em serviços e soluções de conectividade e colaboração Buscar inovação e eficiência em conectividade e colaboração para nossos clientes

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP

Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Parceria: Foglight A solução ideal para o gerenciamento de aplicações e serviços SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. Parceria Union e Quest Software... 3 2. Foglight Gerenciando

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais

O Outsourcing de TI que entende o seu negócio. Descomplique!

O Outsourcing de TI que entende o seu negócio. Descomplique! O Outsourcing de TI que entende o seu negócio Descomplique! CENÁRIO ATUAL TI Saúde Suporte processos burocráticos Agências Reguladoras Muito papel e baixa informatização no ecossistema Muito foco em tecnologia

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais