QUÍMICA DOS COSMÉTICOS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUÍMICA DOS COSMÉTICOS:"

Transcrição

1 QUÍMICA DS CSMÉTICS:

2 Produtos Cosméticos Substâncias ou preparações que são aplicadas externamente sobre o corpo humano e na cavidade oral, inclusive para dentaduras, para limpeza, cuidado, para influenciar a aparência ou o odor do corpo, para conferir odor ao corpo, exceto se eles são interpretados para tratar ou remover doenças, indisposições, ferimentos corpóreos ou aflições de saúde. Exceção: produtos para influenciar a forma do corpo.

3 Classificação dos produtos cosméticos Formas de apresentação: Soluções transparentes alcoólicas e de tensoativos; Óleo Leite Loção Creme Gel Pasta Espuma (mousse) Suspensão Pó

4 Classificação dos produtos cosméticos Direcionamento do produto Pele (corpo e rosto): produtos para banho, sabonetes líquidos, demaquilantes, cremes e loções hidratantes, nutritivos, etc Cabelo: xampus, condicionadores, fixadores, formadores de cachos, tinturas, etc. Cavidade ral: creme dental, produtos para higiene em geral, etc.

5 Composição dos produtos cosméticos Tensoativos, Agentes com propriedades específicas, Estabilizantes, Agentes de atributos estéticos Veículo. Independente do direcionamento da formulação ser para pele ou cabelo, das suas formas de apresentação (líquido, creme, gel) e de suas funções técnicas.

6 Sistemas emulsionados Veículo: água Componentes oleosos: emolientes Emulsionantes Componentes com propriedades específicas: Espessantes/ agentes de consistência Umectantes Princípios ativos e promocionais Agentes de neutralização Estabilizantes da formulação: Seqüestrantes Antioxidantes e fotoantioxidantes Conservantes Modificadores dos caracteres organolépticos: Fragrâncias Corantes Agentes de brilho pérola e pacificantes

7 Xampus e condicionadores Tensoativos primários: Bases detergentes para shampoos Bases quaternizadas para condicionadores. Tensoativos secundários para shampoos e sabonetes: Estabilizantes de espuma Promotores de viscosidade Agentes doadores de propriedades específicas Agentes de consistência e espessantes Agentes de condicionamento e penteabilidade Redutores de irritação e de p Princípios Ativos/ filtros solares Estabilizantes da formulação Seqüestrantes Conservantes Antioxidantes Solubilizantes e emulsionantes Modificadores das caracteres organolépticos e atributos de marketing Corantes Perolizantes Fragrâncias Veículo (água).

8 MATÉRIAS PRIMAS Constituição química idrocarbonetos Álcoois Éteres Aldeídos Cetonas Ácidos carboxílicos Ésteres Aminas Polímeros sintéticos idratos de carbono

9 MATÉRIAS PRIMAS Benefícios ao ser humano e à formulação Tensoativos (emulsionante, limpeza) Agentes com propriedades específicas (emolientes, umectantes, espessante) Estabilizantes da formulação (conservantes, antioxidantes) Agentes de atributos estéticos ou de marketing ou modificadores dos caracteres organolepticos (corantes, fragrâncias, brilho pérola) Veículo ou excipiente (água, sólidos).

10 MATÉRIAS PRIMAS Tensoativo: substância que possui um grupo polar ligado a uma cadeia carbônica (heteropolar). óleo água rientação apolar polar

11 Tensoativos em solução aquosa: Formam micelas Micelas esféricas Micelas cilíndricas Fases hexagonais Fases lamelares

12 Tensoativos: composição Parte apolar: matérias primas graxas Cáprico/Caprílico (C10/C8) Laurílico (C1/ 14 70/30) Mirístico (C14) Cetílico (C16) apolar Estearílico (C18) Cetoestearílico (C16/18 30/70) Behenico (C0) polar Parte Polar ou hidrofílica: Ânions: sulfonato (S 3 ), Sulfato (S 4 ), Carboxilato (C) Cátions: quaternário de amônio (N + ) Não iônico: grupos C C, CN(C C ) Anfóteros: RN + (C 3 ) C C -

13 MATÉRIAS PRIMAS Tensoativos aniônicos Em solução sofrem dissociação, onde a parte hidrofílica da molécula é aniônica. Carboxil: R-C - Na + Sulfato orgânico: R-S 3- Na + Éter sulfato: R-(C -C )S 3- Na + Sulfonato orgânico: R-S 3- Na + Éster de ácido fosfórico: R-P 3= Na +

14 Álcool graxo etoxilado sulfatado Tipos de neutralizantes: hidróxidos de sódio, amônio, trietanolamina. Formas: líquida a 6-8% ou a 70% de ativo. Propriedades: detergência, espuma, alta solubilidade em água, excelente tolerância à dureza de água, excelente resposta ao espessamento com sal, suavidade a pele. Aplicação: bases detergentes para xampus, sabonetes líquidos, banhos de espuma.

15 Éster metílico sulfonado - MES Propriedades: Derivado de fonte renovável vegetal (óleo de coco/ palmiste/ palma) Baixa toxicidade aquática e alta biodegradação Boa detergência, alta espuma e sensorial de maciez a pele Excelente performance em água dura Efeito sinérgico com outros surfactantes Fácil manuseio. Custo próximo ao LESS Aplicações: tensoativo para shampoos e sabonetes

16 Sabão C 3 (C ) 16 C C3 (C ) 16 btenção: reação de saponificação C C C + 3Na 3 NaC(C ) C + C C (C ) 3 16 C C Triestearina Estearato de Sódio Glicerina (Gordura) (Sabão) Propriedades: detergência, baixa solubilidade em água, baixa tolerância à dureza de água, baixa resposta ao espessamento com sal, suavidade a pele. Aplicações: emulsionantes aniônicos para cremes, loções cremosas, bases para sabonetes e cremes de barbear 16 3 C C

17 Sarcosinatos (sabões interrompidos) C 3 R C + N C C + Na Ácido graxo N-metilglicina - C 3 R C N C C - Na + Sarcosinato Aplicação: Agente espumante e de suavidade para xampus, sabonetes em barra e líquidos.

18 Alquil isetionato R C Cl + C C S 3 Na Cloreto de ácido graxo Isetionato de sódio R C C C S 3 Na + Cl Alquilisetionato de sódio Propriedades: hidrolisa em p muito alto ou baixo, bom dispersante de sabão de cálcio, suavidade a pele. Aplicação: Xampus opacos, sabonetes em barra e líquidos opacos.

19 MATÉRIAS PRIMAS Tensoativos catiônicos Em solução sofrem dissociação e a parte hidrofílica da molécula é catiônica. C 3 C 3 -(C ) n -C N + C 3 X - C3

20 Quaternários de amônio: obtenção através de ácidos graxos RC + N RC N 3 + ácido graxo amônia nitrila graxa C / ou C 3 Cl R N R N(C 3) R N + (C 3 ) 3 Cl C 3 Cl alquilamina (1 ) alquildimetilamina (3 ) cloreto de alquiltrimetil amônio C N + R NC C C N (1) C C CN () N-alquil trimetilenodiamina R N dialquilamina ( ) C Cl 3 + R 3 N (C ) Cl cloreto de dialquildimetil amônio Propriedades: São incompatíveis com tensoativos aniônicos. Precipitam com íons de dureza de água, ferro e metais pesados. EDTA potencializa o seu efeito. Aplicação: Condicionadores de cabelo, cremes para pentear.

21 Quaternários de amônio: Aplicação Cadeia graxa Láurica-mirística Cetílica Estearílica Função Bactericida Emoliência e Condicionamento Amaciamento e lubrificação Radical Metila Etila Benzila Função Menor oleosidade Aumenta o efeito bactericida Maior oleosidade e efeito bactericida

22 Polímeros quaternários Poliquaternium 10: obtido da reação do sal polimérico de amônio quaternário da hidroxietil celulose com epóxido substituído do trimetilamônio C C (C C ) 3 C 3 (C CC N C Cl) + C 3 3 n Propriedades: São tolerantes a tensoativos aniônicos. Aplicação: xampus e sabonetes líquidos.

23 MATÉRIAS PRIMAS Tensoativos anfóteros Contem dois diferentes grupos funcionais com caráter aniônico e catiônico (um átomo de N na forma quaternária ou protonizada e um ânion carboxílico). Em meio básico comportam-se como aniônicos, em meio ácido, como catiônicos e na forma de zwitterions em p neutro. R 3 N + C C -

24 Betaínas Cocobetaína RN C C ClC CNa C 3 + R N C C C 3 Cocoamidopropil betaína RC + NC C C N(C 3 ) RCNC C C N(C 3 ) Aplicação: co-tensoativo para aumento da espuma, viscosidade e redução da irritação para xampus, sabonetes líquidos, loções higienizantes. C RCNC C C N C C alquilamido betaína + C 3 3 ClC C Na

25 MATÉRIAS PRIMAS Tensoativos não iônicos Em solução aquosa não sofrem ionização, não possuem carga. C 3 -(C ) m -C --( C C ) n

26 Tensoativos não iônicos: principais grupos hidrófilos Éter poliglicólico: - - álcoois etoxilados idróxi: - ésteres de glicerol e ésteres de sorbitan Éster de ácido carboxílico: -C(C C ) n ésteres de polietilenoglicol Alcanolamidas: RCN C -C alcanolamidas de ácido graxo Óxidos de amina: N

27 Óxidos de amina graxa R + N(C 3 ) R N(C 3 ) Álcool graxo amina secundária amina graxa RN(C 3 ) + RN(C 3 ) + Amina Peróxido Óxido de amina graxa Aplicação: co-tensoativo para aumento da espuma e viscosidade em xampus e sabonetes líquidos.

28 Alcanolamidas de ácido graxo btenção: condensação de ácidos graxos ou óleos vegetais com alcanolaminas primária ou secundária. Fórmula geral: RCNR R MEA gera monoetanolamida DEA gera dietanolamida. Amidação direta do óleo menor pureza Amidação direta do ácido ou éster maior pureza Aplicação: co-tensoativo para xampus e sabonetes líquidos para aumento da espuma, viscosidade e sobreengorduramento à pele e ao cabelo.

29 Alcanolamidas de ácido graxo Monoetanolamidas de coco a partir do óleo vegetal C (C ) 3 n C C C C (C ) 3 n C (C ) 3 n C C C C + 3 N(C C ) 3R C CN(C C ) + C C Composição: 80 a 84% de amida, 8 a 10% de glicerina livre, 1 a % de amina livre Éster de amina graxa (RCC C N )

30 Tensoativos não iônicos derivados de poliois btenção: esterificação de polióis hidrofílicos como glicol, glicerina, poliglicerina, pentaeritritol, ou glucosídeos com ácidos graxos. A parte hidrofílica é representada por grupos, que podem ser etoxilados para dar maior solubilidade ao éster. Exemplos: Ésteres de sorbitan e derivados etoxilados Ésteres de polietilenoglicol Alquilpoliglicosídeos Aplicação: emulsionantes, solubilizantes de essências, redutores de irritação, espessantes e perolizantes em xampus, sabonetes líquidos, cremes e loções.

31 Ésteres de sorbitan btenção: esterificação do ácido graxo (láurico, esteárico, oleico) com sorbitol. Pode posteriormente ser etoxilado. Aplicação: emulsionantes, solubilizantes de essências, redutores de irritação em xampus, sabonetes líquidos, cremes e loções. C C C C C C - RC C C C C C C CC CC C R C C

32 Ésteres de glicerila btenção: esterificação do ácido graxo (láurico, esteárico) com glicerol. Aplicação: co-emulsionantes e espessantes em cremes e loções. C catalisador C 3 (C ) 10 C + C C 3 (C ) 10 C + C C C C

33 Alquilpoliglicosídeos btenção: reação da glicose do milho com álcoois graxos. Aplicação: co-tensoativos para aumento da espuma, viscosidade e redução da irritação em xampus e sabonetes líquidos. C C m C n n+1 n= 4 a 0 m=1,0 a 1,5

34 MATÉRIAS PRIMAS Agentes com propriedades específicas: EMLIENTES

35 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes São insolúveis em água. Conferem espalhamento e lubrificação à pele e ao cabelo e aparência e espessamento às formulações. Exemplos: idrocarbonetos triglicerídeos, álcoois graxos, ésteres de álcoois graxos, álcoois graxos propoxilados e silicones.

36 Emolientes: idrocarbonetos idrocarbonetos saturados Alcanos Alcanos normais: parafinas, óleo mineral Alcanos ramificados: isoparafinas Cicloalcanos idrocarbonetos insaturados Alcenos Alcinos idrocarbonetos aromáticos

37 MATÉRIAS PRIMAS Exemplos: Emolientes: Álcoois graxos C 3 (C ) n C Álcool laurílico (C 1/ 14 70/ 30) Álcool cetílico (C 16 ) Álcool cetoestearílico (C 16/ C18 30/ 70 ou 50/ 50) Álcool estearílico (C 16/ C18 ) Álcool berrênico (C 0/ ) Álcool de Guebert (octildodecanol, -hexildodecanol)

38 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Álcoois graxos Lineares: são sólidos, PF= 30 a 60 C, insolúveis em água e conferem consistência às formulações de cremes. Ramificados: são líquidos, insolúveis em água, conferem excelente espalhamento sobre a pele com toque não oleoso e fornecem emulsões de baixa viscosidade. Usos: cremes, loções, xampus, desodorantes, condicionadores, etc.

39 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Éteres Fórmula geral R--R. Exemplos: PPG-15 estearil éter Éter dicaprílico Monococoato de glicerila com 7 moles de óxido de eteno Perfluoropolimetil isopropil éter

40 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Ácidos carboxílicos Exemplos: Grupo funcional -C Ácido láurico (C 1 ). Ácido mirístico (C 14 ) Ácido esteárico (C 18 ), Ácido palmítico (C 16 ), Intermediários para reação com álcoois formando ésteres que são emolientes e reações de saponificação para produzir emulsionantes para cremes e loções.

41 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Ésteres Exemplos: Palmitato de cetila leato de decila Isonanoato de cetoestearila Miristato ou palmitato de isopropila Adipato de butila Monoestearato de glicerila Monoestearato de etilenoglicol.

42 MATÉRIAS PRIMAS Propriedades: Insolúveis em água. Emolientes: Ésteres de cadeia carbônica longa Excelente capacidade lubrificante e de espalhamento sobre a pele. Conferem consistência às emulsões. álcool de menor cadeia é o isopropílico que fornece ésteres que conferem um toque mais seco na pele, porém são comedogênicos. Álcoois de cadeia longa são idrorepelentes.

43 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Ésteres encontrados na natureza Triglicerídeos Óleos: jojoba, amêndoa, abacate, palma (estearina e oleína), babaçú, maracujá Gorduras: manteigas de cupuaçú, cacau. Cera de abelha(c 16 a C 36 ). Cera de carnaúba (C 16 a C 36 ). Cera de Candelila(C a C 34 ).

44 MATÉRIAS PRIMAS Emolientes: Silicones Moléculas complexas contendo siloxano e que se orientam em substratos polares. 3C C 3 3C C 3 Si Si PLAR SUBSTRATE São emolientes com sensorial desde untuosidade até espalhabilidade e toque sedoso e aveludado sobre a pele

45 MATÉRIAS PRIMAS Umectantes Substâncias higroscópicas Grupos orgânicos funcionais: Poliois ou glicois ou poliglicois hidratos de carbono (sacarídeos e polissacarídeos) derivados de ácidos carboxílicos (ésteres) Ácidos aminocarboxílicos (uréia) Aminoácidos e complexos de aminoácidos Proteínas hidrolisadas Fosfolipídeos

46 Umectantes: Glicóis São álcoois contendo mais de um grupo - (glicóis) C C Propriedades: Líquidos de média a baixa volatilidade Solúveis em água Estáveis em ampla faixa de p e na presença de meio ácido ou alcalino igroscópicos Apresentam toque untuoso sobre apele

47 Umectantes: Glicóis Exemplos Propilenoglicol: C 3 CC Dipropilenoglicol: : C 3 CC C CC 3 Polietilenoglicol C C (C C ) n C C C 3 exilenoglicol: : C 3 CC CC 3

48 Umectantes: Poliois Exemplos Sorbitol C C Glicerina C C C C Glicose C C C C D-(+)-glicose C C D-(-)-frutose

49 Umectantes: Derivados de ácidos carboxílicos Uréia: C + N 3 N 4 C N N CN + Carbamato de amônio Uréia Água Subprodutos da síntese: N 4 C N + (N 4 ) C 3 Carbamato de amônio Carbonato de amônio

50 Umectantes: Derivados de ácidos carboxílicos Proteínas e aminoácidos: Proteínas são compostos de alto peso molecular, constituídos por muitos aminoácidos ligados entre si. Aminoácido é uma molécula bifuncional que possui os grupos amino e ácido carboxílico. C Exemplos de aminoácidos: C C3C C C 3 C C N N C 3 N Glicina Alanina Valina C

51 Umectantes: Derivados de ácidos carboxílicos Proteínas : Ligações peptídicas entre o grupo amino de um aminoácido e o grupo carboxílico de outro. C C C N + C C R C N C C R + R N R N Ligação peptídica Proteínas hidrolisadas penetram umectantes. As proteínas quaternizadas formam filmes agentes de condicionamento ao cabelo e pele.

52 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes Classificados em orgânicos e inorgânicos. s espessantes orgânicos (1)Espessantes de fase oleosa. ()Espessantes de fase aquosa. s espessantes inorgânicos: eletrólitos.

53 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes s espessantes orgânicos Álcoois graxos, Ésteres de álcoois graxos e polióis. Triglicerídeos, Ceras naturais e sintéticas

54 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes rgânicos solúveis em água. C idratos de carbono C C Celulose Aniônica: Carboximetilcelulose Não Iônicas: idroxietilcelulose, hidroxipropilcelulose Utilizadas em géis, cremes, xampus e condicionadores de cabelo.

55 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes rgânicos solúveis em água. Polímeros orgânicos sintéticos Polímeros são constituídos de muitas moléculas pequenas e idênticas (monômeros), ligadas entre si por meio de ligações covalentes. Polímeros carboxivinílicos (carbômero).

56 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes rgânicos solúveis em água. Polímeros orgânicos naturais Goma guar Goma xantana (aniônica e estável em ampla faixa de p) Amido

57 MATÉRIAS PRIMAS Espessantes Inorgânicos. Montmorilonitas modificadas (Veegan) que são argilas naturais de silicatos de alumínio e magnésio, fornecendo soluções opacas e por isso são utilizadas em cremes e loções cremosas e xampus opacos ou perolados. Eletrólitos: cloreto de sódio, cloreto de amônio, fosfato de sódio. São usados para espessamento de soluções aquosas de tensoativos aniônicos.

58 MATÉRIAS PRIMAS Alcalinizantes/ Neutralizantes Bases orgânicas: Aminas e alcanolaminas, Amino metil propanol Bases inorgânicas: idróxido de sódio, idróxido de potássio, idróxido de amônio. Usados para neutralização de ácidos graxos para obter os sabões, neutralização dos carbômeros para obter géis e para corrigir p.

59 MATÉRIAS PRIMAS Acidulantes/ Neutralizantes Ácidos orgânicos: Carboxílicos (esteárico, mirístico) para obtenção de sabões e ésteres (umectantes). Ácidos hidroxicarboxílicos para uso tal qual (glicólico, lático) e para correção de p (cítrico, acético). Ácidos inorgânicos: fosfórico e clorídrico diluídos.

60 Estabilizantes de formulações Antioxidantes Quelantes Conservantes Auxiliam a manter a integridade da formulação.

61 xidação ANTIXIDANTES Qualquer hidrocarboneto pode sofrer autooxidação (rancificação), porém, a presença de insaturação amplia seriamente essa possibilidade. s produtos da rancificação são aldeídos, cetonas e ácidos e podem causar: dor e aspecto desagradáveis, destruindo a imagem do produto. Modificações no sensorial de alguns óleos. Podem produzir subprodutos oxidados tóxicos.

62 ANTIXIDANTES Barram ou retardam a oxidação dos componentes das formulações tais como fragrâncias, corantes, ativos, ceras e óleos vegetais entre outros. São divididos em Clássicos: sofrem redução para evitar a oxidação do componente orgânico (exemplo: metabissulfito de sódio) Não clássicos: captam os radicais livres proveniente da oxidação (BT e vitamina E).

63 ANTIXIDANTES Auto-oxidação Mecanismo simplificado Terminação idroperóxidos decompõem em ácidos, álcoois, aldeídos e cetonas. xidações paralelas destroem vitaminas, corantes, pigmentos e fragrâncias. manifestação dos efeitos da oxidação: odor e sabor desagradáveis formação de resíduos poliméricos modificação de propriedades físicas

64 ANTIXIDANTES Mecanismo de ação dos antioxidantes Exemplo: BT (butilhidroxitolueno) R. + ( 3C) 3 C C(C 3 ) 3 R + estabilizado. ( 3C) 3 C C(C 3 ) 3 C(C 3 ) 3 C(C 3 ) 3

65 ANTIXIDANTES BT (butilhidroxitolueno) ( C) C. 3 3 C(C 3 ) 3. ( C) C C(C 3 ) C(C 3 ) 3 ( 3C) C C(C 3 ) 3. C(C 3 ) 3 C(C 3 ) 3 ( C) C C(C 3 ) ( 3C) C C(C 3 ) 3. C(C 3 ) 3 R. Radical estabilizado R. C(C 3 ) 3 ( C) C 3 3 C(C 3 ) 3 R (o,p) ( C) C C(C ) R (o,p) C(C 3 ) 3 C(C 3 ) 3

66 ANTIXIDANTES Foto-antioxidantes Protegem o produto contra os efeitos da radiação UV Principais produtos suscetíveis a foto-oxidação: polímeros carboxivinílicos, corantes, fragrâncias, óleos. Preferência por filtros com grande coeficiente de absortividade (para serem usados em baixas concentrações). Podem ser hidrossolúveis (Benzofenona 4) ou lipossolúveis (benzofenona 3). Dosagens pequenas: 0,05 a 0,1%.

67 QUELANTES U SEQUESTRANTES Substâncias que complexam íons metálicos (Ca, Mg, Fe, Cu) inativando-os e impedindo sua ação danosa sobre os componentes da formulação. C C C C C C N C C N C ácido etilenodiaminotetracético (EDTA) C

68 QUELANTES U SEQUESTRANTES EDTA e seus sais Reação de complexação do íon cálcio (dureza de água): N C N C C C C C C C C C + Ca + C C Ca C C N C N C C C C C -

69 Quelantes ou seqüestrantes: fatores A ação do seqüestrante é p-dependente: Valores baixos de p o íon hidrogênio atua como receptor de elétrons competindo com o íon metálico Valores de p elevados o íon hidróxido atua como elétron-doador competindo pelo metal e pode causar precipitação. Estabilidade do complexo. Estequiometria da reação: 1 : 1. Qualidade da água. QUELANTES

70 Principais quelantes Ácido cítrico e citratos QUELANTES C C ácido cítrico e seus sais são utilizados como acidulantes ou agentes formadores de sistema tampão como quelante perde para substâncias mais modernas como o EDTA apresenta sinergia de ação com o BT C C C C

71 utros Quelantes QUELANTES Turpinal (ácido fosfônico orgânico) Ácido glicurônico ou glucônico e seus sais EDTA (ácido hidroxietilenodiaminotriacético) DTPA (ácido dietilenotriaminopentaacético) Ciclodextrinas (oligossacarídeos cíclicos obtidos da degradação enzimática do amido) Metafosfato de sódio eptanoato de sódio Metassilicato de sódio

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece inovações que promovem a beleza e o bem-estar por meio de produtos suaves e sustentáveis.

Leia mais

HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE

HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE HOME CARE AND I&I GREENFORMANCE Compromisso com a sustentabilidade O conceito de sustentabilidade vem transformando o comportamento e os hábitos de consumo em todo o mundo. E essa mudança está presente

Leia mais

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS Os produtos cosméticos contêm grande diversidade de matérias-primas, que podem ser naturais, semisintéticas ou sintéticas. Esses materiais apresentam-se em consistências

Leia mais

Química geral 2. possui de arrastar detritos e impurezas de um superfície.

Química geral 2. possui de arrastar detritos e impurezas de um superfície. Química geral 2 CLASSIFICAÇÃO DAS MATÉRIAS-PRIMAS Classificação das matérias-primas de acordo com a função ou efeito cosmético. Elas podem ser tensoativas, emolientes, umectantes, espessantes, hidratantes,

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

Tintas. Compromisso com a qualidade

Tintas. Compromisso com a qualidade s Soluções para melhorar a qualidade dos seus produtos. Tintas Compromisso com a qualidade A Oxiteno produz tensoativos e especialidades químicas que melhoram ou contribuem para a qualidade de produtos

Leia mais

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo HOME CARE AND I&I Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Home Care and I&I, a Oxiteno oferece inovações que promovem praticidade, maior detergência e poder de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES ANEXO : COMPLEMENTAÇÃO TEORIA CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES 1 Antioxidantes para sistemas medicamentosos lipófilos: 1.1 NATURAIS: a) Tocoferóis: São líquidos viscosos de cor amarelada,

Leia mais

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas Professora: ERIKA LIZ Produtos para pele Sequência do Tratamento Cosmético 1º Passo : Limpeza Por que a limpeza diária da pele é importante? Higiene A limpeza é um

Leia mais

FORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS SHAMPOOS

FORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS SHAMPOOS SHAMPOOS SHAMPOO A finalidade de um shampoo é limpar os cabelos e ainda deixá-los reluzentes e maleáveis, com aparência saudável; A necessidade de lavagem freqüente ou não varia de indivíduo para outro;

Leia mais

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO TM PERSONAL CARE Evolution by chemistry Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno

Leia mais

Preparações Tensoativas. Prof. Filipe Dalla

Preparações Tensoativas. Prof. Filipe Dalla Prof. Filipe Dalla Shampoos Sabonetes Conceito Preparações Tensoativas Limpar a pele ou os cabelos (higiene e degermação) significa remover sujidades provenientes de poeira, secreções naturais como a oleosidade

Leia mais

A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo

A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo A. F. Isenmann Princípios Químicos em Produtos Cosméticos e Sanitários Conteúdo 1 Objetivos deste livro no âmbito dos cursos técnicos de química, farmácia e áreas afins... 4 2 Aspecto econômico da indústria

Leia mais

PREPARAÇÕES TENSOATIVAS

PREPARAÇÕES TENSOATIVAS PREPARAÇÕES TENSOATIVAS (Shampoos, Sabonetes) São formulações destinadas a promover a limpeza, condicionamentos dos cabelos e também a higiene e degermação da pele. Podem ter emprego apenas cosmético,

Leia mais

BASES COSMECÊUTICAS. A linha BIOBASE tem a função de facilitar o dia-a-dia da farmácia de manipulação, e estabelecer a padronização das formulações.

BASES COSMECÊUTICAS. A linha BIOBASE tem a função de facilitar o dia-a-dia da farmácia de manipulação, e estabelecer a padronização das formulações. BASES COSMECÊUTICAS 1. Introdução: as bases cosmecêuticas (Biobases) foram desenvolvidas especialmente para incorporação dos princípios ativos freqüentemente utilizados em farmácias de manipulação. Apresentamos

Leia mais

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética.

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética. Acne e Hidratação. Objetivo da Escolha do Tema A hidratação da pele é de fundamental importância para a manutenção dos mecanismos fisiológicos e bioquímicos da pele como os mecanismos celulares de proteção

Leia mais

MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS

MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS PREFÁCIO O presente manual surgiu de um desafio, produzir um texto com informações exatas e confiáveis sem no entanto lançar

Leia mais

QUIMICA EXERCÍCIOS DE LIPÍDIOS

QUIMICA EXERCÍCIOS DE LIPÍDIOS QUIMICA Prof. Borges EXERCÍCIOS DE LIPÍDIOS 1. (Uece) Moléculas altamente reativas como o oxigênio, produzem radicais livres no decorrer das reações bioquímicas. Os radicais livres formados reagem rapidamente

Leia mais

Química E Superintensivo

Química E Superintensivo GABARIT Superintensivo Exercícios 01) 02) B 03) A 04) D a) Errada. A cadeia é mista (uma parte aberta e outra fechada). b) Errada. A cadeia é heterogênea, tem dois heteroátomos: e N. c) erta. Possui uma

Leia mais

A água não molha muito bem as superfícies onde é aplicada e, por isso, não lava eficientemente.

A água não molha muito bem as superfícies onde é aplicada e, por isso, não lava eficientemente. Sabões e Detergentes Tensoativos Classificação Tensoativos sintéticos Componentes dos detergentes Formulação de detergentes Detergentes enzimáticos Sabão e Sabonete POR QUE NECESSITAMOS DE DETERGENTES

Leia mais

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo

Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo HOME CARE AND I&I Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Home Care and I&I, a Oxiteno oferece inovações que promovem praticidade, maior detergência e poder de

Leia mais

SÍNTESE E COMPOSIÇÃO DOS EMULSIFICANTES ALIMENTÍCIOS

SÍNTESE E COMPOSIÇÃO DOS EMULSIFICANTES ALIMENTÍCIOS SÍNTESE E COMPOSIÇÃO DOS EMULSIFICANTES ALIMENTÍCIOS Existem várias famílias de emulsificantes de grau alimentício, os quais podem ser classificados como mono e diglicerídeos, monoésteres de propilenoglicol,

Leia mais

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO.

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Bases Macromoleculares das Células Composição química das células

Leia mais

ÁGUA DE COLÔNIA. Fórmula para 1 Litro. Álcool de Cereais. Propileno Glicol Água Deionizada

ÁGUA DE COLÔNIA. Fórmula para 1 Litro. Álcool de Cereais. Propileno Glicol Água Deionizada ÁGUA DE COLÔNIA Fórmula para 1 Litro COMPONENTES Álcool de Cereais Fixador Propileno Glicol 680 ml 250 ml Misturar os produtos do 1 ao 4 na ordem; Manter a solução em recipiente âmbar; Deixar em maceração

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

Sabonetes líquidos. Sintéticos e naturais

Sabonetes líquidos. Sintéticos e naturais Sabonetes líquidos Sintéticos e naturais Revisã o 2010 Massa base para sabonetes / Ricardo Mercadante e Lucilaine de Assumpçã o. Sabonetes líquidos Sintéticos e naturais Nesta apostila será visto o processo

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Base de dados dos ingredientes dos detergentes (versão 2014.1)

Base de dados dos ingredientes dos detergentes (versão 2014.1) Base de dados dos ingredientes dos detergentes (versão 2014.1) Tensioativos aniónicos 2001 Sulfonatos de alquilbenzeno lineares C10-13 4,1 1000 0,0041 0,69 10 0,069 0,05 R N 2002 Sulfonato de alquilo C14-16

Leia mais

Processo de Avaliação Seriada

Processo de Avaliação Seriada QUÍMICA Considera-se importante que o ensino da Química não promova a necessidade de uma excessiva memorização, mas possibilite ao estudante adquirir a capacidade de observar e descrever fenômenos, de

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Campus de Araraquara

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Campus de Araraquara Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências Farmacêuticas Campus de Araraquara Estudos de pré-formulação e desenvolvimento de cosméticos Dimora Del Sole LARISSA NEMEZIO

Leia mais

Mary Santiago Silva 05/05/2010

Mary Santiago Silva 05/05/2010 Espectrometria de Massas Interpretação do Espectro de Massas Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Departamento de Química - UFS Introdução Fragmentação em espectro de massas por EI oferece importante informação

Leia mais

ÁGUA PARA PERFUMAR LENÇÓIS E TOALHAS. Fórmula para 1 Litro. Álcool de Cereais. Propileno Glicol. Água Deionizada

ÁGUA PARA PERFUMAR LENÇÓIS E TOALHAS. Fórmula para 1 Litro. Álcool de Cereais. Propileno Glicol. Água Deionizada ÁGUA PARA PERFUMAR LENÇÓIS E TOALHAS Fórmula para 1 Litro Álcool de Cereais Nipagim Propileno Glicol Essência Água Deionizada Renex 500 ml 0,5 mg 10 ml 100 ml 380 ml 10 ml Misturar os produtos na ordem

Leia mais

AULA 3 Reagentes: coletores. Prof a Elenice Schons

AULA 3 Reagentes: coletores. Prof a Elenice Schons AULA 3 Reagentes: coletores Prof a Elenice Schons A maioria das espécies minerais é hidrofílica, necessitando uma hidrofobizição de sua superfície. Os coletores são surfactantes que se caracterizam por

Leia mais

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron Prof. Msc. Mayara Peron Brasil é o 2º maior mercado mundial em produtos para cabelos (Franquilino, 2009). CABELO Divisão do cabelo; Composição do cabelo; Tipos de cabelos; Fases de crescimento do cabelo.

Leia mais

BIOQUÍMICA. 3 X + glicerol

BIOQUÍMICA. 3 X + glicerol BIQUÍMIA 1- A fermentação da celulose, em condições de anaerobiose do solo, origina ácidos orgânicos alifáticos e monocarboxílicos de cadeia normal com 2, 3 ou 4 átomos de carbono. As etapas das reações

Leia mais

SURFACTANTES. Prof. Harley P. Martins Filho. Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas.

SURFACTANTES. Prof. Harley P. Martins Filho. Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas. SURFTNTES Prof. Harley P. Martins Filho Surfactantes Sabões, detergentes, álcoois de cadeia longa e outras moléculas relacionadas são anfifílicas. Estrutura básica: Grupo polar hidrófilo (SO 3-, OO -,

Leia mais

Boletim Técnico. M + em que: R = cadeia graxa de álcool laurílico n = número médio de mols de óxido de eteno M = tipo de sal (sódio ou amônio)

Boletim Técnico. M + em que: R = cadeia graxa de álcool laurílico n = número médio de mols de óxido de eteno M = tipo de sal (sódio ou amônio) DESCRIÇÃO A linha de produtos é composta por tensoativos aniônicos obtidos através da reação de álcoois graxos ou álcoois graxos etoxilados com trióxido de enxofre seguido da neutralização com álcalis,

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral QUÍMICA RGÂNICA Teoria Geral Tipos de Carbono Dependendo do número de ligações que o átomo de carbono faz com outros carbonos, podemos classificá-los como:! rimário: ligado diretamente a, no máximo, um

Leia mais

Tratamento cosmetológico da pele

Tratamento cosmetológico da pele A pele Considerada o maior órgão do corpo humano, constituindo 16% do peso corporal. Funções de: Revestir as superfícies externas do corpo protegendo contra: Raios UV; Poluição; Mudanças climáticas controle

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Prof. Jair Alberto. Funções Inorgânicas. Prof. Busato. Química

Prof. Jair Alberto. Funções Inorgânicas. Prof. Busato. Química Prof. Jair Alberto Funções Inorgânicas Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias que apresentam propriedades químicas semelhantes. As substâncias inorgânicas podem ser classificadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Gabarito -Funções Orgânicas 2015

Gabarito -Funções Orgânicas 2015 Gabarito: Resposta da questão 1: [Resposta do ponto de vista da disciplina de Química] As cenouras de coloração laranja podem ter sido trazidas a Pernambuco durante a invasão holandesa e contêm um pigmento

Leia mais

Funções Inorgânicas. Letícia R. Teixeira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Funções Inorgânicas. Letícia R. Teixeira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Letícia R. Teixeira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO ABREVIATURAS

ÍNDICE PREFÁCIO ABREVIATURAS ÍNDICE PREFÁCIO ABREVIATURAS 1 INTRODUÇÃO: CONTEÚDO, ORGANIZAÇÃO E FORMA 1.1 Enquadramento do volume 1.2 Das matérias abordadas 1.3 Da abordagem das matérias e do uso deste livro 1.4 Dos esquemas reacionais

Leia mais

SHAMPOO. 2em1. castanha do pará LINHA. Com extrato de Castanha do Pará Nutrição vigorosa Intensa ação condicionante Secagem rápida USO VETERINÁRIO

SHAMPOO. 2em1. castanha do pará LINHA. Com extrato de Castanha do Pará Nutrição vigorosa Intensa ação condicionante Secagem rápida USO VETERINÁRIO Com extrato de Bergamota Limpeza profunda bergamota Bergamota, a revitalização e energia da Goiaba, a nutrição vigorosa da Castanha do Pará, e a suavidade e delicadeza da Jabuticaba. Unindo qualidade e

Leia mais

Sumário. Unidade 1 O carbono e seus compostos 14. Capítulo 2 Compostos de carbono... 32. Carbono, um elemento muito especial... 16

Sumário. Unidade 1 O carbono e seus compostos 14. Capítulo 2 Compostos de carbono... 32. Carbono, um elemento muito especial... 16 Sumário Unidade 1 O carbono e seus compostos 14 Capítulo 1 Carbono, um elemento muito especial... 16 1. Introdução à Química Orgânica... 17 A Teoria da Força Vital... 18 Nascimento e evolução da Química

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara FABIANA ROSA GRANDE

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara FABIANA ROSA GRANDE Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara FABIANA ROSA GRANDE ESTUDO DE PRÉ-FORMULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COSMÉTICOS: LINHA BELLA

Leia mais

COSMETOLOGIA. Estrutura da Matéria

COSMETOLOGIA. Estrutura da Matéria COSMETOLOGIA Estrutura da Matéria ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA A matéria existe sob três estados físicos: Sólido: possuí forma própria, seu volume não muda à temperatura constante, é formado por partículas

Leia mais

INTRODUÇÃO À COSMETOLOGIA

INTRODUÇÃO À COSMETOLOGIA COSMETOLOGIA - RESUMO HISTÓRICO. Pré-história: pintura do próprio corpo, emprego de resinas e ungüentos de perfumes (rituais tribais). INTRODUÇÃO À COSMETOLOGIA Profa. Ms. Priscila Torres Egito: - uso

Leia mais

Licitação. Relação de Itens da Licitação

Licitação. Relação de Itens da Licitação PREFEITURA MICIPAL DE Relação de Itens da CGCICM : INSCR M : 0000 001 25,00 VASSOURA DE PALHA COM CABO C/ NO MÍNIMO 3 COSTURAS, GRANDE 0000 002 77,00 DESINFETANTE PARA BANHEIRO 2 LITROS 0000 003 30,00

Leia mais

QUESTÕES DISSERTATIVAS

QUESTÕES DISSERTATIVAS QUESTÕES DISSERTATIVAS (Unicamp) A população humana tem crescido inexoravelmente, assim como o padrão de vida Conseqüentemente, as exigências por alimentos e outros produtos agrícolas têm aumentado enormemente

Leia mais

Todas as reações dos Compostos de Grignard

Todas as reações dos Compostos de Grignard Todas as reações dos Compostos de Grignard Primeiramente vamos relembrar os compostos de Gringnard. Compostos de Grignard são os principais compostos organometálicos da química orgânica, onde o metal é

Leia mais

Emulsionantes. Emulmetik Biophilic H Amisol Soft Heliofeel

Emulsionantes. Emulmetik Biophilic H Amisol Soft Heliofeel Emulsionantes Emulmetik Biophilic H Amisol Soft Heliofeel EMULMETIK Emulmetik é composto de lecitina natural e fosfolipídeos com diferentes concentrações de fosfatidilcolina. Emulmetik é utilizado como

Leia mais

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool Unidade 6 Açúcar e álcool Açúcares A sacarose é um dos açúcares presentes na canadeaçúcar. Junto com ele também são encontrados os açúcares glicose e frutose. A diferença é que a sacarose está presente

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. CLORETO DE SÓDIO: Análise de sua função na formulação de xampus para manutenção de cabelos quimicamente tratados.

ARTIGO CIENTÍFICO. CLORETO DE SÓDIO: Análise de sua função na formulação de xampus para manutenção de cabelos quimicamente tratados. ARTIGO CIENTÍFICO CLORETO DE SÓDIO: Análise de sua função na formulação de xampus para manutenção de cabelos quimicamente tratados. Rubia Caleffi¹ - Acadêmica do Curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética,

Leia mais

LIPÍDIOS. Tópico à parte

LIPÍDIOS. Tópico à parte 1 LIPÍDIS - s lipídios são substâncias encontradas nas plantas e nos animais e que se dissolvem em solventes orgânicos não-polares como éter, clorofórmio, benzeno e alcanos e não se dissolvem em solventes

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

Líder global em silicones, tecnologia à base de silício e inovação, a Dow Corning oferece mais de 7.000 produtos e serviços através de suas marcas

Líder global em silicones, tecnologia à base de silício e inovação, a Dow Corning oferece mais de 7.000 produtos e serviços através de suas marcas Líder global em silicones, tecnologia à base de silício e inovação, a Dow Corning oferece mais de 7.000 produtos e serviços através de suas marcas e XIAMETER. As soluções de silicone da Dow Corning ajudam

Leia mais

OXISMOOTH PERSONAL CARE

OXISMOOTH PERSONAL CARE OXMOOTH PERONAL CARE Evolution by chemistry Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece formulações que promovem a beleza e o bem-estar

Leia mais

CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE

CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE Evolution by chemistry Há 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece inovações que promovem a beleza e o bem-estar

Leia mais

Álcoois Graxos Sulfatados Álcoois Graxos Etoxilados Sulfatados

Álcoois Graxos Sulfatados Álcoois Graxos Etoxilados Sulfatados DESCRIÇÃO A linha de produtos ALKOPON é composta por tensoativos aniônicos obtidos através da reação de alcoóis graxos ou alcoóis graxos etoxilados com SO 3, seguida de neutralização com álcalis. A linha

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 4

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 4 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 4 REVISÃO DE QUÍMICA: CONCEITOS DE QUÍMICA ORGÂNICA APLICADOS AOS ESTUDOS DE CONTROLE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos

Leia mais

The Chemistry of Haircolor

The Chemistry of Haircolor The Chemistry of Haircolor John Halal Honors Beauty College 9725 Crosspoint Commons Indianapolis, IN 46256 317.841.6085 john1@honorsbeautycollege.com Não sobrou muito cabelo para mim, mas meu shampoo especial

Leia mais

O cabelo não apresenta qualquer vestígio de função vital. ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS E CROMÁTICAS DO SISTEMA PILOSO Profa. Ms. Priscila Torres Função psicológica para algumas pessoas. Homem x queda de cabelo

Leia mais

XAMPU II SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Local: Centro Universitário São Camilo. Data: 24 de maio de 2014

XAMPU II SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Local: Centro Universitário São Camilo. Data: 24 de maio de 2014 XAMPU AQUINO, Mônica 1, LEME FERREIRA, Lígia C. 1, SANTOS, Nádia L. dos 1 ; FARIA, Luciane Gomes 2. 1 Discente do Curso de Farmácia do Centro Universitário São Camilo, São Paulo, SP. 2 Docente do Curso

Leia mais

Classificação. Emulsão. Emulsão. Emulsão. Emulsões. Emulsão: cremes, leites e loções cremosas

Classificação. Emulsão. Emulsão. Emulsão. Emulsões. Emulsão: cremes, leites e loções cremosas Cosmetologia Luciana Stamm Cosméticos, produtos de higiene e perfumes São preparados constituídos por substâncias naturais e sintéticas ou suas misturas, de uso externo nas diversas partes do corpo humano,

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTUDOS DE PRÉ-FORMULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PREPARAÇÕES COSMÉTICAS JUNIA GUIMARÃES CARVALHO CARDOSO GOMES

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTUDOS DE PRÉ-FORMULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PREPARAÇÕES COSMÉTICAS JUNIA GUIMARÃES CARVALHO CARDOSO GOMES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTUDOS DE PRÉ-FORMULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PREPARAÇÕES COSMÉTICAS JUNIA GUIMARÃES CARVALHO CARDOSO GOMES ARARAQUARA 2011 JUNIA GUIMARÃES CARVALHO CARDOSO GOMES ESTUDOS

Leia mais

2 Lipídeos. - Funções dos lipídeos: Armazenar energia Formar membranas biológicas São co-fatores enzimáticos Hormônios Pigmentos

2 Lipídeos. - Funções dos lipídeos: Armazenar energia Formar membranas biológicas São co-fatores enzimáticos Hormônios Pigmentos 1 2 Lipídeos - São insolúveis em água; - São solúveis em solventes orgânicos como éter, acetona, tetracloreto de carbono - Contêm carbono (C), hidrogênio (H) e oxigênio (), às vezes contêm também nitrogênio

Leia mais

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq)

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq) ÁCIDOS E BASES O conhecimento sobre termodinâmica, particularmente sobre as constantes de equilíbrio é de grande importância na discussão quantitativa das forças de ácidos e bases o que permite desenvolver

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

Assunto: Contempla os itens VIII e XI do programa de química do vestibular.

Assunto: Contempla os itens VIII e XI do programa de química do vestibular. 6RXomR&RPHQWDGD3URYDGH4XtPLFD 01. Uma das ações desejadas para contribuir com a diminuição dos níveis de C 2 da atmosfera terrestre consiste em promover sua utilização em processos limpos. Nesse sentido,

Leia mais

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE QUESTÃO 1 Peso 2 A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

ITTO. Manual de Cosméticos

ITTO. Manual de Cosméticos ITTO Organização Internacional de Madeiras Tropicais Universidade de Brasília UnB Instituto de Química Laboratório de Tecnologia Química LATEQ Fundação de Estudos e Pesquisas em Administração e Desenvolvimento

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

MODIFICADORES DE REOLOGIA:

MODIFICADORES DE REOLOGIA: MODIFICADORES DE REOLOGIA: Os modificadores de reologia ACUSOL oferecem uma série de características e benefícios em produtos saneantes domésticos e institucionais. CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Concedem

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

Dissociação e Ionização. Dissociação iônica

Dissociação e Ionização. Dissociação iônica 2ª Fase - Funções da química inorgânica Investigando caminhos As substâncias sejam da Química Orgânica ou Inorgânica são divididas em grupos denominados funções químicas. As substâncias que pertencem a

Leia mais

Química B Extensivo V. 3

Química B Extensivo V. 3 Química B Extensivo V. 3 01) Alternativa correta: D Exercícios A água pura (destilada ) não é condutora de eletricidade pois não há presença de sais lá, mas a partir do momento que se adiciona alguma substância

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

QUÍMICA. 01. A Coréia do Norte realizou, recentemente, um teste. 03. A Tabela abaixo apresenta a variação da pressão de

QUÍMICA. 01. A Coréia do Norte realizou, recentemente, um teste. 03. A Tabela abaixo apresenta a variação da pressão de QUÍMIA 01. A oréia do Norte realizou, recentemente, um teste nuclear subterrâneo, que foi condenado pelo onselho de Segurança da ONU. Sabe-se que as armas em desenvolvimento por aquele país estão baseadas

Leia mais

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015 MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ 01. Observe na tabela a distribuição percentual dos principais elementos químicos cujos átomos, combinados,

Leia mais

Conteúdo: Substancias e misturas

Conteúdo: Substancias e misturas LISTA 1º. ANO - Substâncias Conteúdo: Substancias e misturas 1- Com relação ao número de fases, os sistemas podem ser classificados como homogêneos ou heterogêneos. As alternativas correlacionam adequadamente

Leia mais

Hidragloss Quat C22. Identificação. Material Técnico. Fórmula Molecular: Não aplicável. Peso molecular: Não aplicável. DCB/ DCI: Não aplicável

Hidragloss Quat C22. Identificação. Material Técnico. Fórmula Molecular: Não aplicável. Peso molecular: Não aplicável. DCB/ DCI: Não aplicável Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: Não aplicável CAS: Não aplicável INCI: Behentrimonium Chloride (and) Cetearyl Alcohol and Astrocaryum

Leia mais

Nossos produtos são livres de: Utilizado para espessar shampoos e sabonetes. Danificam os fios dos cabelos. Sal

Nossos produtos são livres de: Utilizado para espessar shampoos e sabonetes. Danificam os fios dos cabelos. Sal www.arvensis.com.br Experiências naturalmente transformadoras A ARVENSIS inspirou-se em várias culturas ao redor do mundo e desenvolveu produtos naturais enriquecidos com ativos orgânicos exóticos com

Leia mais

Linha de Produtos 2011

Linha de Produtos 2011 Linha de Produtos 2011 Brilhou, é Prin. A Prin é uma das marcas que mais surpreende e cresce no mercado de produtos de limpeza. Produzida pela WA Produtos de Limpeza e Higiene, a linha conta com catálogo

Leia mais

Ligações. III. Todas as ligações em A e B são, predominantemente, iônicas.

Ligações. III. Todas as ligações em A e B são, predominantemente, iônicas. Ligações 1) (UFMG) A curva abaixo mostra a variação da energia potencial Ep em função da distância entre os átomos, durante a formação da molécula 2 a partir de dois átomos de hidrogênio, inicialmente

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto FUNÇÕES INORGÂNICAS Ácido, Base, Sal e Óxido Paulo Migoto Caderno II Frente II ÁCIDOS E BASES (HIDRÓXIDOS) Aulas 10 a 12 Paulo Migoto Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

Sistema Elite de Ensino. Química Orgânica. Testes de identificação de compostos

Sistema Elite de Ensino. Química Orgânica. Testes de identificação de compostos Sistema Elite de Ensino Química Orgânica Testes de identificação de compostos Roberto Rezende 14/09/2008 Introdução Este material tem por finalidade mostrar alguns métodos de identificar qual a função

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

SEI Ensina - MILITAR Química

SEI Ensina - MILITAR Química SEI Ensina - MILITA Química Funções e Nomenclaturas e Química rgânica idrocarbonetos e Derivados alogenados Função aracterística Nomenclatura idrocarbonetos Somente átomos de arbono e idrogênio o Alcanos

Leia mais