Impactos sócio-económicos da conservação do Priolo em São Miguel. Joaquim Teodósio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impactos sócio-económicos da conservação do Priolo em São Miguel. Joaquim Teodósio"

Transcrição

1 Impactos sócio-económicos da conservação do Priolo em São Miguel Joaquim Teodósio 1

2 Quem somos? - Somos uma ONG de ambiente, criada em 1993, que trabalha para o estudo e conservação das aves e seus habitats em Portugal continental, Açores e Madeira (e no estrangeiro) -Temos actualmente mais de 3000 sócios -Temos sedes em Lisboa, São Miguel (Açores) e Funchal (Madeira) - Representantes em Portugal da BirdLife International Os Açores... 2

3 O Priolo Azores Bullfinch - Priolo Pyrrhula murina Godman,

4 O Priolo... no século XIX Priolo uma nova espécie (1866) Séc. XIX 7 4

5 5

6 Zona Proteção Especial Pico da Vara/Ribeira do Guilherme 6

7 7

8 As espécies originais... e as outras! 8

9 9

10 O Priolo... no século XXI

11 ZPE 6000 ha menos de 1500 ha de Floresta Natural LIFE Priolo ( ) 11

12 LIFE Laurissilva Sustentável ( ) Uma floresta, Um futuro Conservação dos habitats naturais existentes na ZPE Pico da Vara/Ribeira do Guilherme. Floresta Laurissilva Turfeiras 12

13 Gestão de Habitat Legislação Monitorização Sensibilização Recuperação de Floresta Natural 13

14 Incenso 14

15 Incenso Incenso 15

16 16

17 Gigante 17

18 18

19 Gestão de Habitat 350ha intervencionados +25km trilhos plantas 19

20 Valor natural e não só... Qualidade e Quantidade de água Proteção contra erosão 20

21 Turismo de Natureza 21

22 Turismo de Natureza 22

23 Impacto Económico e Social 20 empregos média/ano (+4) +2.5M fundos comunitários /ano para o PIB da Região +150 empresas regionais (90%) Voluntários e estagiários 10 pessoas/ano 5 meses/média a ano 23

24 Valor de conservação 4 a TERRAS DO PRIOLO Uma oportunidade de desenvolvimento turístico sustentável baseada numa ave 24

25 As Terras do Priolo Concelhos a leste da ilha de São Miguel (Açores): hectares. Das quais 45% inseridas em áreas protegidas; habitantes (2001) e (2011), Economia rural baseada na agricultura - Os habitats e paisagens Laurissilva dos Açores com mais de 60 espécies endémicas dos Açores. Turfeiras, essenciais para a regulação do ciclo da água. Lagoas, importantes para a biodiversidade e o ciclo da água Falésias costeiras e mar 25

26 O património Grande religiosidade que se traduz em edificações religiosas numerosas e bem cuidadas. Igrejas Triatos Alminhas e nichos Território rural e isolado o que se traduz numa conservação de património ligado a esta actividade Fontanários Forno de Cal Carvoeiros Moinhos As tradições Gastronomia e doçaria tradicional Festas Religiosas: Festas do Espírito Santo e das freguesias Música e folclore Artesanato 26

27 A Carta Europeia de Turismo Sustentável Ferramenta de gestão do turismo em Áreas Protegidas Coordenada pela EUROPARC 107 Áreas protegidas (24)/ 13 países (9) A Carta Europeia de Turismo Sustentável OBJECTIVOS: Gestão do turismo em áreas protegidas; Promoção dos valores naturais e culturais do território como recurso turístico a preservar; Promoção da participação de todos os agentes do território na definição do turismo; Coordenação de esforços e aumento da eficácia. 27

28 PROCESSO Foro Permanente Apresentação da Acção - COMPROMISSO Informação Grupo de Trabalho Apresentação da Acção - COMPROMISSO Informação Proposta inicial de condições para aderir a Marca Priolo Validação do Diagnóstico Propostas para a Estratégia DIAGNÓSTICO ESTRATÉGIA Redacção do Diagnóstico Redacção da Estratégia Validação da Estratégia Propostas de Acções PLANO DE ACÇÃO Redacção do Plano de Acção Validação do Plano de Acção Adesão a Marca Priolo Realização das Acções assumidas Fomento e divulgação da MARCA PRIOLO Realização das Acções assumidas PROCESSO Reuniões em freguesias I Fórum CETS Preparação da Estratégia II Fórum CETS III Fórum CETS 28

29 RESULTADOS Diagnóstico técnico e participado sobre o turismo e a sua sustentabilidade no território Estratégia para o desenvolvimento do turismo Plano de Ação ( ) para o desenvolvimento do turismo sustentável no território Maior coordenação entre entidades Maior colaboração entre privados e instituições PLANO DE AÇÃO O Plano de Ação reúne um total de 55 acções em 7 grupos: 29

30 PLANO DE AÇÃO O Plano de Ação reúne um total de 55 acções em 7 grupos: GRUPO 1 Coordenação e Cooperação GRUPO 2 Percursos Pedestres e Atividades GRUPO 3 Interpretação Ambiental e Cultural GRUPO 4 Conservação da Área Protegida GRUPO 5 Divulgação e Promoção GRUPO 6 Sustentabilidade do Turismo GRUPO 7 Monitorização PLANO DE AÇÃO O Plano de Ação conta com o contributo de todas as entidades participantes da Equipa Técnica Local: Direção Regional de Ambiente Direção Regional de Turismo Direção Regional dos Recursos Florestais Câmara Municipal de Nordeste Associação para a Promoção e o Desenvolvimento Rural (ASDEPR) Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) 30

31 PLANO DE AÇÃO Mas também apresenta contributos de cerca de 25 empresas e associações particulares E poderá incluir contributos de outras entidades no futuro MARCA PRIOLO Actividades relacionadas com o Turismo nas Terras do Priolo: Restauração, Alojamento, Artesanato, Turismo Activo e inclusive Agências de Viagens 1ª Fase com 20 empresas aderentes 31

32 MARCA PRIOLO Obrigações: - melhoria do desempenho ambiental, social ou promoção da conservação dos valores naturais Vantagens: - formação, divulgação, informação - COLABORAÇÃO!! Para saber mais visite o nosso blogue: 32

33 O Priolo agradece! 33

Documento de trabalho para a definição da Marca Priolo: Versão 4.

Documento de trabalho para a definição da Marca Priolo: Versão 4. 2011 Documento de trabalho para a definição da Marca Priolo: Versão 4. Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo 16-04-2012 ÍNDICE RESUMO 03 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade

Leia mais

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas Resultados da Analise de, e Participantes e entidades representadas: GRUPO: ASSOCIAÇÕES Nome Natália Abreu Eva Lima Entidade Agrupamento 720 Nordeste Associação Geoparque Açores 1 Joaquim Teodósio Manuela

Leia mais

Açores é destaque na maior feira de observadores de aves da Europa

Açores é destaque na maior feira de observadores de aves da Europa Açores é destaque na maior feira de observadores de aves da Europa A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), em colaboração com o Turismo dos Açores, vai estar presente mais uma vez em Inglaterra

Leia mais

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias 30 de Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO NQUADRAMENTO / C / CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE LOULÉ CONCELHO DE LOULÉ 764,16 km 2, maior município da região do Algarve; 70 260 habitantes cerca de 15% população

Leia mais

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 1.. REGULAMENTO 2.. PLANTA DE ORDENAMENTO 3.. RELATÓRIO 4.. PLANTA DE CONDICIONANTES

Leia mais

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade Perda da biodiversidade Os problemas ambientais Fragmentação e destruição de habitats Sobre exploração de recursos naturais Agricultura intensiva eutrofização, salinização dos solos, bioacumulação Poluição

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

Relatório da AçãO E2 do Projeto Life Laurissilva

Relatório da AçãO E2 do Projeto Life Laurissilva Relatório da AçãO E2 do Projeto Life Laurissilva São Miguel, março, 2012 Relatório da Ação E2 do Projeto Life Laurissilva São Miguel, março, 2012 O Projeto LIFE/Laurissilva Sustentável (LIFE 07 NAT/PT/000630)

Leia mais

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL NO NORTE NATURAL

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL NO NORTE NATURAL CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL NO NORTE NATURAL 3ª Reunião do Fórum Ponte de Lima, 07 de julho de 2015 Apresentação ICNF/PNAl 1- Turismo de Natureza na Região Norte Estratégias e Marcas 2- Estratégia

Leia mais

ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO NATUREZA. Palmela Setembro de 2011

ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO NATUREZA. Palmela Setembro de 2011 ESTRATÉGIAS de DINAMIZAÇÃO do PRODUTO TURISMO DE NATUREZA Palmela Setembro de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril 2. O desenvolvimento da

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

Relatório da Acção C7 do Projeto Life Laurissilva

Relatório da Acção C7 do Projeto Life Laurissilva Relatório da Acção C7 do Projeto Life Laurissilva São Miguel, março, 2012 Relatório da Acção C7 do Projeto Life Laurissilva São Miguel, março, 2012 O Projeto LIFE/Laurissilva Sustentável (LIFE 07 NAT/PT/000630)

Leia mais

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Nuno fazenda Lisboa, 28 de outubro de 2016 AGENDA ET 27: enquadramento e percurso

Leia mais

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo Santarém, 16 de Outubro - 2008 PENT- Plano Estratégico Nacional do Turismo Uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em

Leia mais

O PRIOLO - AVE ENDÉMICA DOS AÇORES A SUA HISTÓRIA VISTA ATRAVÉS DA FILATELIA

O PRIOLO - AVE ENDÉMICA DOS AÇORES A SUA HISTÓRIA VISTA ATRAVÉS DA FILATELIA O PRIOLO - AVE ENDÉMICA DOS AÇORES A SUA HISTÓRIA VISTA ATRAVÉS DA FILATELIA Sobre o descobrimento do arquipélago dos Açores existem várias versões totalmente diferentes entre si. Segundo algumas, as ilhas

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL O Técnico de Turismo Ambiental e Rural é o profissional que participa na aplicação de medidas de valorização do turismo em espaço rural, executando

Leia mais

- Copyright GRACE Maio 2012 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação

- Copyright GRACE Maio 2012 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação Voluntariado Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação O GIRO 9ª EDIÇÃO GIRO - GRACE, Intervir, Recuperar, Organizar Iniciativa de voluntariado corporativo com maior dimensão nacional

Leia mais

A3 Implementação de uma rede de empresas e instituições para o fomento do turismo na ZPE que contribua à continuidade das medidas de gestão da área.

A3 Implementação de uma rede de empresas e instituições para o fomento do turismo na ZPE que contribua à continuidade das medidas de gestão da área. A3 Implementação de uma rede de empresas e instituições para o fomento do turismo na ZPE que contribua à continuidade das medidas de gestão da área. Relatório Final São Miguel, março, 2012 _1 A3 Implementação

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas Resultados da Analise de, e Participantes e entidades representadas: GRUPO: ALOJAMENTO Nome Emanuel Rego Ricardo Oliveira Cristina Céu Célia Fernandes Carlos Rodrigues Entidade Casas da Madrinha Tradicampo

Leia mais

Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual

Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual Alexandra Lopes, Bragança, 7 Junho 2011 1. Observação de Aves 2. Turismo Ornitológico no Mundo 3. Perfil do Turista Ornitológico 4. Potencialidade

Leia mais

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA

AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA AS PARCERIAS NO PROGRAMA ECO-ESCOLA ESCOLA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO NORDESTE Lília Bergantim [1], Lúcia Carreiro [2] & Natália de Abreu [3] [1] lilia.bergantim@gmail.com [2] lucia_mr_carreiro@hotmail.com

Leia mais

PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PROJETO ECO XXI Ação de Formação 14/02/2012 INDICADOR 20 AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL Indicador 20 Agricultura e Desenvolvimento Rural Sustentável Pontuação Total máxima 3,5 pontos (Válido

Leia mais

Ciclo de Seminários Agenda 21

Ciclo de Seminários Agenda 21 Ciclo de Seminários Agenda 21 Estratégia Integrada de Turismo Sustentável no Nordeste Escola Profissional de Ansiães Cursos na Área do Turismo Identidade e Princípios Gerais A está situada num concelho

Leia mais

ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO

ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO Sustentável no Espaço Rural: Experiências de sucesso em Portugal e na Europa Desafios dos territórios rurais no Século XXI: A importância do Castro Verde,

Leia mais

O Despertar da Natureza na Cidade Industrial

O Despertar da Natureza na Cidade Industrial O Despertar da Natureza na Cidade Industrial Imagens em Ecrã Panorâmico Projecto BioRia 04/05/2012, Beja USUS Turismo & Inovação Abílio Silveira 2 Projecto O Projecto Evolução Objetivos Recursos e Divulgação

Leia mais

Prova de Aptidão Tecnológica

Prova de Aptidão Tecnológica Escola Secundária Jaime Moniz Curso Tecnológico de Ordenamento do Território e Ambiente Prova de Aptidão Tecnológica Isaura Nóbrega 12º 35 O Parque Natural da Madeira Sumário: 1- Parque Natural da Madeira:

Leia mais

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística 11.4 Impactos da atividade turística Na segunda metade do séc. XX, a melhoria do poder de compra das populações dos países desenvolvidos O e, turismo mais recentemente, são as atividades dos países que

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 2 ÁREAS PROTEGIDAS EM PROCESSO DE ADESÃO À CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL PROGRAMA: Quinta-feira, 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Composição e Funcionamento

Leia mais

João Ministro Georg Schreier Seminário: Potencialidades do Turismo Ornitológico para o Desenvolvimento Sustentável de Áreas Rurais de Portugal

João Ministro Georg Schreier Seminário: Potencialidades do Turismo Ornitológico para o Desenvolvimento Sustentável de Áreas Rurais de Portugal Turismo Ornitológico no Sul de Portugal: a experiência da ProActivetur, Lda. João Ministro Georg Schreier RESUMO 1. Breve apresentação 2. Birdwatching: Porquê? Como? 3. O nosso Birdwatcher 4. Para o futuro

Leia mais

Uma campanha multimeios com um objectivo claro: dos portugueses.

Uma campanha multimeios com um objectivo claro: dos portugueses. Campanha de Turismo Interno 9 de Março de 2009 Uma campanha multimeios com um objectivo claro: Colocar Portugal nas prioridadesde destinosde férias Colocar Portugal nas prioridades de destinos de férias

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 5 de Junho de 2006 20 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Relatório de Progresso do Plano de Ação CETS Terras do Priolo

Relatório de Progresso do Plano de Ação CETS Terras do Priolo 2014 Relatório de Progresso do Plano de Ação 2012-2016 CETS Terras do Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo 27-04-2015 ÍNDICE RESUMO 2 INTRODUÇÃO 3 ALTERAÇÕES AO PLANO DE AÇÃO EM

Leia mais

LIFE FUNDOS ESTRUTURAIS FEADER

LIFE FUNDOS ESTRUTURAIS FEADER Workshop sobre Financiamento da Rede Natura 2000 2014-2020 Lisboa, 24.01.2014 LIFE Programa para o Ambiente e Acção Climática Regulamento (EU) nº 1293/2013, de 11 de Dezembro FEADER Mário Silva, ICNF I.P.

Leia mais

Cabeça Aldeia Natal Seia - Serra da Estrela

Cabeça Aldeia Natal Seia - Serra da Estrela Cabeça Aldeia Natal Seia - Serra da Estrela 2 A ALDEIA Cabeça é um pequeno aglomerado localizado em plena montanha, numa das encostas da serra da Estrela, o qual após uma intervenção ao nível da reabilitação

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS FSC : FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O FUTURO Certificação FSC poderá um instrumento de mercado promover a conservação de espaços naturais? Agenda FSC FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O

Leia mais

III Encontro - Agenda 21 Local

III Encontro - Agenda 21 Local III Encontro - Agenda 21 Local Montemor-o-Novo 20 de Novembro Enquadramento Metodologia proposta pela Agência Portuguesa do Ambiente Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos Sistema de Sustentabilidade

Leia mais

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS

Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS Organização: Financiamento: Apoio: PROJETO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: IDENTIFICAÇÃO, PROMOÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS OBJETIVOS DO PROJETO: Com o projeto pretende-se divulgar e sistematizar um conjunto

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 1 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Huambo, Julho 2011 Objectivo & conteúdo da apresentação Esta apresentação é resultado

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Instituto Superior Técnico, 01 de Abril de 2011 Cátia Eira Engenheira do Ambiente (MSc) catia.eira@ist.utl.pt

Leia mais

Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários.

Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários. Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários. São Miguel, Agosto, 2010 Estratégia de Educação Ambiental sobre os Habitats Prioritários São Miguel, Agosto, 2010 O Projecto LIFE/Laurissilva

Leia mais

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação Diário da República, 1.ª série N.º 93 13 de maio de 2016 1565 Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres (n.º de Ordem) Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Leia mais

Censo de Aves Comuns (CAC) e a Criação de um Indicador de Biodiversidade em Portugal

Censo de Aves Comuns (CAC) e a Criação de um Indicador de Biodiversidade em Portugal Censo de Aves Comuns (CAC) e a Criação de um Indicador de Biodiversidade em Portugal 120 100 80 Índice (%) 60 40 20 0 1980 1985 1990 1995 2000 2005 Ricardo Martins, Ana Meirinho, Geoff Hilton, Ricardo

Leia mais

Certificação FSC. Caso do Grupo Portucel Soporcel. Paula Guimarães

Certificação FSC. Caso do Grupo Portucel Soporcel. Paula Guimarães Certificação FSC Caso do Grupo Portucel Soporcel Paula Guimarães 08/03/28 PG001 Seminário APCER Excelência e Distinção com a Certificação Florestal FSC Sta. Maria das Lamas, 2008.03.28 Agenda 1. O Grupo

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Diário da República, 1.ª série N.º 43 3 de março de 2014

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Diário da República, 1.ª série N.º 43 3 de março de 2014 1680 Diário da República, 1.ª série N.º 43 3 de março de 2014 ANEXO IV (a que se refere o artigo 4.º) Planta de localização com representação das zonas de proteção Extrato da Carta Militar de Portugal

Leia mais

Estratégia regional para as florestas Região Autónoma da Madeira

Estratégia regional para as florestas Região Autónoma da Madeira Capítulo 12 Estratégia regional para as florestas Região Autónoma da Madeira M. FILIPE a* a Engenheiro Florestal, Direção Regional de Florestas e Conservação da Natureza, Direção de Serviços de Florestação

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Indicador 10 Conservação da Natureza Biodiversidade e Geodiversidade Conhecer, Educar e Divulgar

Indicador 10 Conservação da Natureza Biodiversidade e Geodiversidade Conhecer, Educar e Divulgar Indicador 10 Conservação da Natureza Biodiversidade e Geodiversidade Conhecer, Educar e Divulgar César Garcia Museu Nacional de História Natural e da Ciência - Universidade de Lisboa Patrícia Tiago BioDiversity4All

Leia mais

Dia da UNESCO. Os Programas Científicos da UNESCO e o seu impacto na sociedade. Elizabeth Silva Responsável pelo Setor das Ciências

Dia da UNESCO. Os Programas Científicos da UNESCO e o seu impacto na sociedade. Elizabeth Silva Responsável pelo Setor das Ciências Dia da UNESCO Os Programas Científicos da UNESCO e o seu impacto na sociedade Elizabeth Silva Responsável pelo Setor das Ciências 1 A UNESCO tem por finalidade: - Contribuir para a manutenção da paz e

Leia mais

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro

Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo da Região Autónoma da Madeira (PSOEM-Madeira) Subárea 2 da ZEE Um Mar com Futuro 1ª Reunião Plenária da Comissão Consultiva da Madeira 8 de abril de

Leia mais

Workshops de Geoturismo destinados a formandos da área de

Workshops de Geoturismo destinados a formandos da área de Newsletter 13 Março 2013 No primeiro trimestre de 2013 desenvolveram-se diversas atividades com a intenção de dar continuidade à valorização e promoção do património geológico e demais património endógeno

Leia mais

Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves www.spea.pt» atualizado em abril 2015 «A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) é uma associação sem fins lucrativos de ambiente, que tem como missão

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO Exposição de motivos A reserva ornitológica do Mindelo tem antecedentes históricos únicos no quadro

Leia mais

LIFE+ Laurissilva Sustentável Relatório inicial

LIFE+ Laurissilva Sustentável Relatório inicial LIFE+ Laurissilva Sustentável Relatório inicial Ponta Delgada, Setembro 2009 LIFE+ Laurissilva Sustentável Relatório inicial Ponta Delgada, Setembro 2009 O Projecto LIFE+ Laurissilva Sustentável é uma

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

projecto LIFE Lince Press-Kit Moura/Barrancos Contactos Coordenação e Equipa técnica

projecto LIFE Lince Press-Kit Moura/Barrancos Contactos  Coordenação e Equipa técnica projecto LIFE Lince Moura/Barrancos http://projectos.lpn.pt/lifelince Contactos Coordenação e Equipa técnica E mail programa.lince@lpn.pt Website projectos.lpn.pt/lifelince Press-Kit Liga para a Protecção

Leia mais

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1.

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1. Exploração Familiar Produção Extensiva Montado 1.900 ha Herdade do Freixo do Meio Montemor-o-Novo Alentejo- Portugal Montado = Eco-Eficiência O Montado é um agro-ecossistema produtivo, que resulta da acção

Leia mais

SEIA NO ECO-ESCOLAS. Seminário Nacional Eco-Escolas 2009 Seia 17 de Janeiro

SEIA NO ECO-ESCOLAS. Seminário Nacional Eco-Escolas 2009 Seia 17 de Janeiro SEIA NO ECO-ESCOLAS Seminário Nacional Eco-Escolas 2009 Seia 17 de Janeiro Serra da Estrela - Área de montanha situada no extremo ocidental do Sistema Central Ibérico - Património geológico, biológico,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2016 Refª: 049 BAIRRO DAS ARTES Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Regulamento Cidade do Vinho 2017

Regulamento Cidade do Vinho 2017 Regulamento Cidade do Vinho 2017 CIDADE DO VINHO 2017 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO A designação de "Cidade do Vinho" tem o objectivo de contribuir para valorizar a riqueza, a diversidade e as características

Leia mais

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP Díli, 18 de maio de 2016 DECLARAÇÃO DE DÍLI Os Ministros dos Assuntos do Mar da CPLP ou seus representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,

Leia mais

5º Congresso APECATE. Contextualização do Turismo Cultural em Portugal ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO. Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017

5º Congresso APECATE. Contextualização do Turismo Cultural em Portugal ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO. Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017 5º Congresso APECATE ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017 Contextualização do Turismo Cultural em Portugal José Maria Lobo de Carvalho 3 de Fevereiro de 2017 ÁREA

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

O Mar Perto de Ti Sistemas Dunares

O Mar Perto de Ti Sistemas Dunares O Mar Perto de Ti Sistemas Dunares Projeto dirigido aos alunos do 2º ciclo e 3º ciclo do ensino básico. Tem como principais objetivos a transmissão de conhecimentos relacionados com a conservação e proteção

Leia mais

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão DGAM AUTORIDADE INSTITUTO DE SOCORROS MARÍTIMA A NÁUFRAGOS NACIONAL DGAM INSTITUTO DE SOCORROS A NÁUFRAGOS Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal Comandante Nuno Leitão Portugal, uma Nação Marítima

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Avaliação dos Serviços dos Ecossitemas em Áreas Marinhas Protegidas. Dois casos de Estudo na Costa Centro de Portugal Continental

Avaliação dos Serviços dos Ecossitemas em Áreas Marinhas Protegidas. Dois casos de Estudo na Costa Centro de Portugal Continental Avaliação dos Serviços dos Ecossitemas em Áreas Marinhas Protegidas Dois casos de Estudo na Costa Centro de Portugal Continental Parceiros Financiamento O projeto As Áreas Protegidas são estabelecidas

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

Concelho de Arcos de Valdevez 1

Concelho de Arcos de Valdevez 1 Trabalho de Informática Básica criado por: Filipa Ramalho, ci05020 Licenciatura em Ciência da Informação Universidade do Porto, Faculdade de Letras/Engenharia 01-02-2006 01-02-2006 Concelho de Arcos de

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição (2009-2011) Ponto de situação 14 de Julho de 2009 Seminário ERSE Enquadramento 1. O PPDA 2009-2011 da EDP D é composto por 8 Medidas (100%

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO

AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO AGENDA 21 LOCAL DE VIMIOSO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 1 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF

Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais Contributos para uma Economia Verde Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF Graça Louro 24 de maio de 2012 Serviços do Ecossistema

Leia mais

LIFE+ Laurissilva Sustentável - Acção E1 Monitorização das acções de controlo de exóticas na Floresta Laurissilva - Ano 2009

LIFE+ Laurissilva Sustentável - Acção E1 Monitorização das acções de controlo de exóticas na Floresta Laurissilva - Ano 2009 LIFE+ Laurissilva Sustentável - Acção E1 Monitorização das acções de controlo de exóticas na Floresta Laurissilva - Ano 2009 Povoação, Outubro 2010 LIFE+ Laurissilva Sustentável - Acção E1 Monitorização

Leia mais

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência - 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo - 1980 FUNDADA EM 18 DE AGOSTO DE

Leia mais

CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR

CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR Corredor Ecológico da Mantiqueira Corredor Ecológico da Mantiqueira Fonte: Conservação Internacional Corredor Ecológico da Mantiqueira Justificativa

Leia mais

Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo

Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo Estratégias Regionais de Especialização Inteligente (EREI) Domínios temáticos EREI Alentejo 1 Alimentação e

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da Lei

Leia mais

Joaquim Ramos Pinto ASPEA

Joaquim Ramos Pinto ASPEA Associação Portuguesa de Educação Ambiental Caretakers of the Environment International - Portugal SEMINÁRIO EDUCAÇÃO E AMBIENTE UMA COOPERAÇÃO PELA CIDADANIA Lisboa 6 de Junho de 2012 Joaquim Ramos Pinto

Leia mais

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas

Resultados da Analise de Potencialidades, Problemas e Propostas Resultados da Analise de, e Participantes e entidades representadas: GRUPO: TURISMO ACTIVO Nome Sara Cabral Diana Ponte Carlos Paulos Luís Correia Ricardo Céu Cátia Cardoso Entidade Observatório Microbiano

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação. Parceiro

Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação. Parceiro PREMIVALOR Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação Parceiro OBJETIVOS Reconhecer e premiar o melhor projeto académico nas áreas de gestão, comunicação e marketing, apresentado por alunos do ensino

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

Económico Ambiental Social

Económico Ambiental Social EUROPA 2020 Desenvolvimento Sustentável Crescimento Inteligente, Sustentável e Inclusivo (CISI) Estratégia Marítima da União Europeia para a Área do Atlântico Estratégias Regionais de Suporte (asseguram

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de 2016 - Évora 1. Diagnóstico síntese - Pontos fortes CLASSIFICAÇÃO UNESCO - ÉVORA PATRIMÓNIO DA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O PROJECTO Projecto de promoção do desenvolvimento local utilizando o turismo como instrumento catalisador de integração e sustentabilidade. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALENTEJO ARAD LAPÓNIA LOMZA TRENTINO

Leia mais