Medição de Radiações Electromagnéticas em Comunicações Móveis em Luanda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição de Radiações Electromagnéticas em Comunicações Móveis em Luanda"

Transcrição

1 Medição de Radiações Electromagnéticas em Comunicações Móveis em Luanda Prof. Doutor Ricardo Queirós Universidade Agostinho Neto Faculdade de Engenharia Departamento de Electrónica e Electrotecnia 4 a Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia - 11/09/2015 Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 1 / 20

2 Conteúdo 1 Introdução 2 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis 3 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas 4 Procedimento e Equipamento de Medição 5 Resultados 6 Considerações Finais Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 2 / 20

3 Introdução Introdução O presente trabalho resulta de um Projecto de Investigação Científica financiado pela Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto, sendo o IST/UL parceiro; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 3 / 20

4 Introdução Introdução O presente trabalho resulta de um Projecto de Investigação Científica financiado pela Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto, sendo o IST/UL parceiro; Os sistemas de comunicações móveis utilizam ondas electromagnéticas; que não podem ser vistas, cheiradas ou sentidas e portanto o público não se apercebe do seu potencial impacto até que haja uma eventual manifestação na forma de uma desordem biológica; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 3 / 20

5 Introdução Introdução O presente trabalho resulta de um Projecto de Investigação Científica financiado pela Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto, sendo o IST/UL parceiro; Os sistemas de comunicações móveis utilizam ondas electromagnéticas; que não podem ser vistas, cheiradas ou sentidas e portanto o público não se apercebe do seu potencial impacto até que haja uma eventual manifestação na forma de uma desordem biológica; Embora ainda não tenham sido provados efeitos nocivos das radiações electromagnéticas associadas aos sistemas de comunicações móveis, existe preocupação relativamente a este assunto, dada a crescente presença destes sistemas; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 3 / 20

6 Introdução Introdução O presente trabalho resulta de um Projecto de Investigação Científica financiado pela Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto, sendo o IST/UL parceiro; Os sistemas de comunicações móveis utilizam ondas electromagnéticas; que não podem ser vistas, cheiradas ou sentidas e portanto o público não se apercebe do seu potencial impacto até que haja uma eventual manifestação na forma de uma desordem biológica; Embora ainda não tenham sido provados efeitos nocivos das radiações electromagnéticas associadas aos sistemas de comunicações móveis, existe preocupação relativamente a este assunto, dada a crescente presença destes sistemas; Consequentemente, várias organizações desenvolveram normas internacionais relacionadas com a exposição à radiação electromagnética. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 3 / 20

7 Introdução Introdução Objectivo Geral Medir os níveis de radiação electromagnética em comunicações móveis em Luanda e comparar os resultados com os valores presentes nas normas internacionais. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 3 / 20

8 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Ondas Electramagnéticas Uma onda electromagnética é composta por campos eléctrico e magnético. Sempre que uma tensão é aplicada a uma antena, estabelece-se um campo eléctrico. Por sua vez, a aplicação de tensão resulta numa corrente que percorre a antena, produzindo um campo magnético, perpendicular ao eléctrico; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 4 / 20

9 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Ondas Electramagnéticas Uma onda electromagnética é composta por campos eléctrico e magnético. Sempre que uma tensão é aplicada a uma antena, estabelece-se um campo eléctrico. Por sua vez, a aplicação de tensão resulta numa corrente que percorre a antena, produzindo um campo magnético, perpendicular ao eléctrico; O produto destes dois campos resulta na densidade de potência. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 4 / 20

10 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Ondas Electramagnéticas Uma onda electromagnética é composta por campos eléctrico e magnético. Sempre que uma tensão é aplicada a uma antena, estabelece-se um campo eléctrico. Por sua vez, a aplicação de tensão resulta numa corrente que percorre a antena, produzindo um campo magnético, perpendicular ao eléctrico; O produto destes dois campos resulta na densidade de potência. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 4 / 20

11 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Ondas Electramagnéticas Uma onda electromagnética é composta por campos eléctrico e magnético. Sempre que uma tensão é aplicada a uma antena, estabelece-se um campo eléctrico. Por sua vez, a aplicação de tensão resulta numa corrente que percorre a antena, produzindo um campo magnético, perpendicular ao eléctrico; O produto destes dois campos resulta na densidade de potência. Características Amplitude Frequência Comprimento de Onda (λ = c/f) Direcção e velocidade de propagação ( km/s) Polarização (E-> V/H) Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 4 / 20

12 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Espectro Electromagnético Nota: Este trabalho concentra-se na gama de radiofrequência (3 khz a 300 GHz). Rad. Inonizante Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 5 / 20

13 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis Os Sistemas de Comunicações Móveis proporcionam um canal de comunicação entre os utilizadores do sistema; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 6 / 20

14 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis Os Sistemas de Comunicações Móveis proporcionam um canal de comunicação entre os utilizadores do sistema; Os principais elementos são o terminal móvel e a estação de base, que inclui as antenas. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 6 / 20

15 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis Os Sistemas de Comunicações Móveis proporcionam um canal de comunicação entre os utilizadores do sistema; Os principais elementos são o terminal móvel e a estação de base, que inclui as antenas. Antenas Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 6 / 20

16 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis: Antenas As antenas são tipicamente montadas em torres, mastros ou mesmo no topo de edifícios; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 7 / 20

17 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis: Antenas As antenas são tipicamente montadas em torres, mastros ou mesmo no topo de edifícios; Tipicamente não radiam da mesma forma em todas as direcções. Isto é, são directivas. É comum ver-se uma torre com 3 antenas sectoriais cobrindo 120 cada uma; CommsM Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 7 / 20

18 Ondas Electromagnéticas e as Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis: Antenas As antenas são tipicamente montadas em torres, mastros ou mesmo no topo de edifícios; Tipicamente não radiam da mesma forma em todas as direcções. Isto é, são directivas. É comum ver-se uma torre com 3 antenas sectoriais cobrindo 120 cada uma; O nível de radiação depende essencialmente da potência radiada, da directividade da antena e da distância em relação à antena. CommsM Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 7 / 20

19 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação Ionizante vs Não-Ionizante A radiação embora compreendida como um conjunto de ondas electromagnéticas no espaço pode por vezes ser melhor entendida como um fluxo de partículas ou fotões (unidade elementar da onda); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 8 / 20

20 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação Ionizante vs Não-Ionizante A radiação embora compreendida como um conjunto de ondas electromagnéticas no espaço pode por vezes ser melhor entendida como um fluxo de partículas ou fotões (unidade elementar da onda); A energia de um fotão aumenta com a frequência da onda electromagnética. Consequentemente, maior a capacidade de interacção com o material biológico (ex. corpo humano); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 8 / 20

21 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação Ionizante vs Não-Ionizante A radiação embora compreendida como um conjunto de ondas electromagnéticas no espaço pode por vezes ser melhor entendida como um fluxo de partículas ou fotões (unidade elementar da onda); A energia de um fotão aumenta com a frequência da onda electromagnética. Consequentemente, maior a capacidade de interacção com o material biológico (ex. corpo humano); Radiação Ionizante A perda de um electrão por parte de um átomo ou molécula designa-se por ionização; Para que haja ionização deverá existir radiação com níveis altos de energia, ou seja, radiação ionizante. Espectro Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 8 / 20

22 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação de Radiofrequência: Efeitos Biológicos A radiação de radiofrequência envolve fotões com energia insuficiente para causar ionização dos átomos ou moléculas (i.e. radiação não-ionizante); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 9 / 20

23 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação de Radiofrequência: Efeitos Biológicos A radiação de radiofrequência envolve fotões com energia insuficiente para causar ionização dos átomos ou moléculas (i.e. radiação não-ionizante); Um efeito biológico (resposta do organismo) é considerado prejudicial à saúde quando causa alteração detectável à integridade do indivíduo; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 9 / 20

24 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação de Radiofrequência: Efeitos Biológicos A radiação de radiofrequência envolve fotões com energia insuficiente para causar ionização dos átomos ou moléculas (i.e. radiação não-ionizante); Um efeito biológico (resposta do organismo) é considerado prejudicial à saúde quando causa alteração detectável à integridade do indivíduo; Para radiações não-ionizantes, o efeito principal conhecido é o aquecimento do tecido biológico (efeito térmico); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 9 / 20

25 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação de Radiofrequência: Efeitos Biológicos A radiação de radiofrequência envolve fotões com energia insuficiente para causar ionização dos átomos ou moléculas (i.e. radiação não-ionizante); Um efeito biológico (resposta do organismo) é considerado prejudicial à saúde quando causa alteração detectável à integridade do indivíduo; Para radiações não-ionizantes, o efeito principal conhecido é o aquecimento do tecido biológico (efeito térmico); Se a temperatura ultrapassar a capacidade de termo-regulação do organismo, podem ocorrer danos nos tecidos; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 9 / 20

26 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Radiação de Radiofrequência: Efeitos Biológicos A radiação de radiofrequência envolve fotões com energia insuficiente para causar ionização dos átomos ou moléculas (i.e. radiação não-ionizante); Um efeito biológico (resposta do organismo) é considerado prejudicial à saúde quando causa alteração detectável à integridade do indivíduo; Para radiações não-ionizantes, o efeito principal conhecido é o aquecimento do tecido biológico (efeito térmico); Se a temperatura ultrapassar a capacidade de termo-regulação do organismo, podem ocorrer danos nos tecidos; Assim, surgem normas (valores limite) para exposição segura às radiações electromagnéticas, estabelecidas por organizações internacionais; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 9 / 20

27 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Efeitos Biológicos - Normas Internacionais Os efeitos biológicos não térmicos são ainda pouco conhecidos, assim como os efeitos de longo prazo. Contudo, muitos estudos continuam a ser realizados nesta área. A principal dificuldade está na quantificação de efeitos resultantes de causas subjectivas. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 10 / 20

28 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Efeitos Biológicos - Normas Internacionais Os efeitos biológicos não térmicos são ainda pouco conhecidos, assim como os efeitos de longo prazo. Contudo, muitos estudos continuam a ser realizados nesta área. A principal dificuldade está na quantificação de efeitos resultantes de causas subjectivas. Os níveis de exposição do público às radiações associadas às comunicações móveis são inferiores aos associados às estações de radiodifusão. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 10 / 20

29 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Efeitos Biológicos - Normas Internacionais Os efeitos biológicos não térmicos são ainda pouco conhecidos, assim como os efeitos de longo prazo. Contudo, muitos estudos continuam a ser realizados nesta área. A principal dificuldade está na quantificação de efeitos resultantes de causas subjectivas. Os níveis de exposição do público às radiações associadas às comunicações móveis são inferiores aos associados às estações de radiodifusão. Normas Internacionais - Limites de Absorção de Radiação Os limites de segurança são estabelecidos por organizações internacionais como, por exemplo, a Comissão Internacional para a Protecção contra Radiações Não-Ionizantes (ICNIRP), Instituto dos Engenheiros Eléctricos e Electrónicos (IEEE) e Comissão Federal de Comunicações (FCC); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 10 / 20

30 Efeito da Radiação Electromagnética - Normas Normas Internacionais: Limites de Referência As normas estabelecem limites de referência para algumas grandezas electromagnéticas, como por exemplo: o campo eléctrico, o campo magnético e/ou a densidade de potência; Fonte: Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 11 / 20

31 Procedimento e Equipamento de Medição Procedimento e Equipamento de Medição Adoptou-se o procedimento utilizado na Europa. Ou seja, escolher o local de medição, determinar o campo distante (D 2 /λ), sabendo a maior dimensão da antena, localizar o nível máximo e medir o campo eléctrico total durante 6 minutos, a 1.5 m do solo. Caso seja superior à norma, será necessário fazer uma medição detalhada com um Analisador de Espectros. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 12 / 20

32 Procedimento e Equipamento de Medição Procedimento e Equipamento de Medição Adoptou-se o procedimento utilizado na Europa. Ou seja, escolher o local de medição, determinar o campo distante (D 2 /λ), sabendo a maior dimensão da antena, localizar o nível máximo e medir o campo eléctrico total durante 6 minutos, a 1.5 m do solo. Caso seja superior à norma, será necessário fazer uma medição detalhada com um Analisador de Espectros. Narda NBM 550 (100 khz - 60 GHz) Sonda 100 khz - 3 GHz GPS Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 12 / 20

33 Procedimento e Equipamento de Medição Procedimento e Equipamento de Medição Adoptou-se o procedimento utilizado na Europa. Ou seja, escolher o local de medição, determinar o campo distante (D 2 /λ), sabendo a maior dimensão da antena, localizar o nível máximo e medir o campo eléctrico total durante 6 minutos, a 1.5 m do solo. Caso seja superior à norma, será necessário fazer uma medição detalhada com um Analisador de Espectros. Narda NBM 550 (100 khz - 60 GHz) Sonda 100 khz - 3 GHz GPS B&K 2625A 50 khz GHz Sondas: GHz, GHz, GHz Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 12 / 20

34 Procedimento e Equipamento de Medição Locais de Medição SARICO PANGUILA LUANDA PATRIOTA KILAMBA VIANA Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 13 / 20

35 Procedimento e Equipamento de Medição Locais de Medição: Declive Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 14 / 20

36 Resultados Medidor de Campo Vs Analisador de Espectros Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 15 / 20

37 Resultados Medidor de Campo Vs Analisador de Espectros Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 15 / 20

38 Resultados Campo Eléctrico Medido vs Norma ICNIRP E (V/m) Maximo Medio Minimo Sarico U (80.6 m) Patriota U (22.3 m) Viana U (63.5 m) Panguila M (21.7 m) Patriota M (29.6 m) Kilamba M (33.3 m) DEE U M (109.9 m) Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 16 / 20

39 Resultados Campo Eléctrico / Norma ICNIRP Maximo Medio Minimo E m /E N (%) Sarico U (80.6 m) Patriota U (22.3 m) Viana U (63.5 m) Panguila M (21.7 m) Patriota M (29.6 m) Kilamba M (33.3 m) DEE U M (109.9 m) Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 17 / 20

40 Considerações Finais Considerações Finais Considerando os estudos publicados, ainda não se concluiu, que a utilização de telemóveis é prejudicial à saúde; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 18 / 20

41 Considerações Finais Considerações Finais Considerando os estudos publicados, ainda não se concluiu, que a utilização de telemóveis é prejudicial à saúde; Também não foi provada a existência de risco para a saúde das populações que vivem perto das estações de base; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 18 / 20

42 Considerações Finais Considerações Finais Considerando os estudos publicados, ainda não se concluiu, que a utilização de telemóveis é prejudicial à saúde; Também não foi provada a existência de risco para a saúde das populações que vivem perto das estações de base; No presente trabalho, verificou-se que nos 7 locais escolhidos, tanto para a Movicel como para a Unitel, os níveis de radiação estão bem (pelo menos 5 vezes) abaixo da norma mais restritiva; Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 18 / 20

43 Considerações Finais Considerações Finais Considerando os estudos publicados, ainda não se concluiu, que a utilização de telemóveis é prejudicial à saúde; Também não foi provada a existência de risco para a saúde das populações que vivem perto das estações de base; No presente trabalho, verificou-se que nos 7 locais escolhidos, tanto para a Movicel como para a Unitel, os níveis de radiação estão bem (pelo menos 5 vezes) abaixo da norma mais restritiva; No local DEE, observou-se o maior nível de radiação, podendo ser explicado pelo facto de termos duas estações de base (Unitel e Movicel), separadas de aproximadamente 25 m, além de outras fontes (ex. Serviços de Internet - CNTI, MS Telecom, etc.); Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 18 / 20

44 Considerações Finais Considerações Finais Considerando os estudos publicados, ainda não se concluiu, que a utilização de telemóveis é prejudicial à saúde; Também não foi provada a existência de risco para a saúde das populações que vivem perto das estações de base; No presente trabalho, verificou-se que nos 7 locais escolhidos, tanto para a Movicel como para a Unitel, os níveis de radiação estão bem (pelo menos 5 vezes) abaixo da norma mais restritiva; No local DEE, observou-se o maior nível de radiação, podendo ser explicado pelo facto de termos duas estações de base (Unitel e Movicel), separadas de aproximadamente 25 m, além de outras fontes (ex. Serviços de Internet - CNTI, MS Telecom, etc.); Dada a incerteza sobre efeitos não-térmicos e de longo prazo, recomenda-se: o uso de kits mãos livres, a diminuição do tempo de cada chamada, a troca do telemóvel para a outra orelha, o uso do sistema de alta-voz e a utilização em áreas com pouca rede. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 18 / 20

45 Agradecimento Agradecimento Este projecto resultou num Trabalho de Fim de Curso do estudante Jorge Borge a quem muito se agradece; Agradece-se ainda à Movicel pela disponibilização de dados relativos às suas Estações de Base. Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 19 / 20

46 Agradecimento OBRIGADO PELA ATENÇÃO Ricardo Queirós (FE-UAN) Med. Radiações Electromagnéticas. em Comunicações Móveis - Luanda 20 / 20

Efeitos da Radiação Eletromagnética de Sistemas Celulares

Efeitos da Radiação Eletromagnética de Sistemas Celulares Efeitos da Radiação Eletromagnética de Sistemas Celulares Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre radiação eletromagnética de sistemas celulares e os limites estabelecidos pela Anatel para evitar

Leia mais

Utilização de Ondas Ultra-sónicas na Medição da Estatura

Utilização de Ondas Ultra-sónicas na Medição da Estatura Utilização de Ondas Ultra-sónicas na Medição da Estatura Prof. Doutor Ricardo Queirós e António Afonso Departamento de Electrónica e Electrotecnia Faculdade de Engenharia Universidade Agostinho Neto ISTM

Leia mais

Radiação e Ionização. Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA

Radiação e Ionização. Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA Radiação e Ionização Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA Introdução O que é onda? Perturbação em um meio que se propaga transportando energia sem que haja transporte de matéria.

Leia mais

CET em Telecomunicações e Redes Telecomunicações. Lab 13 Antenas

CET em Telecomunicações e Redes Telecomunicações. Lab 13 Antenas CET em e Redes Objectivos Familiarização com o conceito de atenuação em espaço livre entre o transmissor e o receptor; variação do campo radiado com a distância; razão entre a directividade e ganho de

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº

Relatório de Ensaio Nº Relatório de Ensaio Nº 2012.0036.01734 Medição dos Níveis de Intensidade dos Campos Electromagnéticos 1734 RIO MAIOR CENTRO LVP CEM Vodafone Portugal Av. D.João II, Lote 1.04.01, Piso 7, Ponte, Parque

Leia mais

Exposição Humana à Radiação Não-Ionizante Oriunda das Torres de Telecomunicações

Exposição Humana à Radiação Não-Ionizante Oriunda das Torres de Telecomunicações Exposição Humana à Radiação Não-Ionizante Oriunda das Torres de Telecomunicações U F R N C T D C O I I S E M A N A D E E N G E N H A R I A D E T E L E C O M U N I C A Ç Õ E S D A U F R N 0 7 A 1 1 D E

Leia mais

RADIOCOMUNICAÇÃO. 12 de Outubro de 2012

RADIOCOMUNICAÇÃO. 12 de Outubro de 2012 RADIOCOMUNICAÇÃO 12 de Outubro de 2012 Trabalho realizado por: (Grupo 1MIEEC08_03) Diogo Sá Francisco Ferreira Miguel Fonseca Pedro Rafael Ricardo Coimbra ÍNDICE RESUMO... 2 INTRODUÇÃO... 3 RADIOCOMUNICAÇÃO...

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº

Relatório de Ensaio Nº Relatório de Ensaio Nº 2011.0074.08462 Medição dos Níveis de Intensidade dos Campos Electromagnéticos 8462 CENTRO ESTAGIO FCP LVP CEM Vodafone Portugal Av. D.João II, Lote 1.04.01, Piso 8, Ala Sul, Parque

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº

Relatório de Ensaio Nº Relatório de Ensaio Nº 2013.00112.03397 Medição dos Níveis de Intensidade dos Campos Electromagnéticos 3397 CAIS DE GAIA LVP CEM Vodafone Portugal Av. D.João II, Lote 1.04.01, Piso 7, Ponte, Parque das

Leia mais

Resumo e Palavra-chave

Resumo e Palavra-chave Agradecimentos 0 Agradecemos a colaboração e o apoio prestado pelos professores: Miguel de Oliveira, João Mouro, Alexandra Santos, Fernando Martins e a direcção da nossa escola. Resumo e Palavra-chave

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração Módulo: 3779- Agentes Físicos Formadora: Susana Ricardo Agentes Físicos: Entidade, imaterial ou com um mínimo de matéria, capaz de produzir efeitos adversos no organismo. O dano produz sem que haja um

Leia mais

SUMÁRIO: Adopta as restrições básicas e fixa os níveis de referência relativos à exposição da população a campos electromagnéticos TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Adopta as restrições básicas e fixa os níveis de referência relativos à exposição da população a campos electromagnéticos TEXTO INTEGRAL DATA: Terça-feira, 23 de Novembro de 2004 NÚMERO: 275 SÉRIE I-B EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios da Defesa Nacional, das Cidades, Administração Local, Habitação e Desenvolvimento

Leia mais

Elementos sobre Física Atómica

Elementos sobre Física Atómica Elementos sobre Física Atómica Carla Silva Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve 1 ÍNDICE OS MODELOS ATÓMICOS O modelo de Pudim de Passas de Thomson O

Leia mais

3

3 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 1 metro 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 TABELA 1 DIRECTIVAS E DECLARAÇÃO DO FABRICANTE EMISSÕES ELECTROMAGNÉTICAS O HUBER MOTION LAB MD foi concebido para

Leia mais

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas Lista de Problemas Parâmetros fundamentais das antenas 1) Uma antena isotrópica no espaço livre produz um campo eléctrico distante, a 100 m da antena, de 5 V/m. a) Calcule a densidade de potência radiada

Leia mais

Contextualização. O aparecimento da Física Atómica teve o contributo de diversas descobertas. Contam-se: 1) Os espectros de absorção e de emissão.

Contextualização. O aparecimento da Física Atómica teve o contributo de diversas descobertas. Contam-se: 1) Os espectros de absorção e de emissão. Contextualização histórica No século XIX existiam as seguintes áreas da Física bem definidas: Mecânica Clássica Electromagnetismo Termodinâmica Física Estatística (tentava compreender a termodinâmica à

Leia mais

Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Introdução Breve revisão: Questões... O que é uma radiação? E uma partícula? Como elas

Leia mais

Radiação: Considerações gerais

Radiação: Considerações gerais Estuda-se radiação térmica, cujas origens estão ligadas à emissão da matéria a uma temperatura absoluta T>0 A emissão é devida oscilações e transições electrónicas dos muitos electrões que constituem a

Leia mais

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura.

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura. 1 Antenas e Propagação Artur Andrade Moura amoura@fe.up.pt 2 Anel circular curto (perímetro C = 2πa < 0.1λ) Geometria para estudo do campo distante Constante O potencial vector A é Sendo: 3 R, r e a são:

Leia mais

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS. Maria do Anjo Albuquerque RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS Maria do Anjo Albuquerque 19.Outubro.2010 Tínhamos visto que as estrelas são muitas vezes classificadas pela cor e, consequentemente, pelas suas temperaturas, usando uma escala

Leia mais

Teoria da ligação química

Teoria da ligação química FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E FARMÁCIA Caderno de problemas para as aulas teórico-práticas e tutoriais Teoria da ligação química 2009/2010 Radiação Electromagnética. Teoria

Leia mais

Sugestão de resolução do Teste Intermédio de Janeiro de 2008

Sugestão de resolução do Teste Intermédio de Janeiro de 2008 Sugestão de resolução do Teste Intermédio de Janeiro de 008 1. Leia atentamente o seguinte texto. O receptor GPS utilizado nos carros é uma parte do chamado sistema GPS (Global Positioning System), que

Leia mais

Revisão de Conceitos e Fundamentos de Física das Radiações (B)

Revisão de Conceitos e Fundamentos de Física das Radiações (B) Revisão de Conceitos e Fundamentos de Física das Radiações (B) Augusto Oliveira adoliv@ctn.ist.utl.pt PSR WP4 ARIAS 2014 Resumo 1. A radiação 2. Energia 3. O jogo do lego da natureza 4. O átomo 5. Níveis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Telemóvel e a Sociedade 1 de 7 Na minha opinião o uso do telemóvel é indispensável visto que a comunicação instantânea em qualquer lugar e a qualquer hora hoje em dia é imprescindível para a maior parte

Leia mais

Radiofrequências. Grupo 1 Turma: MIEEC08. Relatório do Projecto FEUP MIEEC. Monitor: Jorge Gonçalves Professor responsável: Mário Jorge Leitão

Radiofrequências. Grupo 1 Turma: MIEEC08. Relatório do Projecto FEUP MIEEC. Monitor: Jorge Gonçalves Professor responsável: Mário Jorge Leitão Grupo 1 Turma: MIEEC08 Radiofrequências Monitor: Jorge Gonçalves Professor responsável: Mário Jorge Leitão Trabalho elaborado por: Ana Alice Dias André Pinto António Fontoura António Bessa Gonçalo Carvalho

Leia mais

Estrutura dos átomos

Estrutura dos átomos Estrutura dos átomos O número quântico principal n define o nível energético de base. Os outros números quânticos especificam o tipo de orbitais mas a relação com a energia pode ser complicada. Exemplos:

Leia mais

Caracterização de uma radiação electromagnética

Caracterização de uma radiação electromagnética Caracterização de uma radiação electromagnética Todas as radiações electromagnéticas são caracterizadas pela sua frequência e comprimento de onda. A frequência é o número de vezes que uma onda se repete

Leia mais

Comunicações de Rádio

Comunicações de Rádio Comunicações de Radio EFA Comunicações de Rádio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL EFA SOCIEDADE, TECNOLOGIA E CIÊNCIA HELENA OLIVEIRA Página 1 Índice Comunicações de Rádio... 1 Introdução...

Leia mais

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA Verificação prática de algumas propriedades das ondas electromagnéticas 1. Questão Problema Nas comunicações por telemóvel e via satélite são utilizadas microondas

Leia mais

Aspectos de Compatibilidade Electromagnética na Gestão do Espectro O Caso das Comunicações Powerline (PLC)

Aspectos de Compatibilidade Electromagnética na Gestão do Espectro O Caso das Comunicações Powerline (PLC) Aspectos de Compatibilidade Electromagnética na Gestão do Espectro O Caso das Comunicações Powerline (PLC) 2.º Congresso do Comité Português da URSI Fundação Portuguesa das Comunicações José Pedro Borrego

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 2- Comunicação de informação a longas distâncias. 2.2- Propriedades das ondas. - Reflexão e refração de ondas. - Leis da reflexão e da refração. - Índice de refração de um meio.

Leia mais

1 Propagação em sistemas rádio móveis

1 Propagação em sistemas rádio móveis 1 Propagação em sistemas rádio móveis O canal de comunicação rádio móvel impõe limitações fundamentais ao desempenho dos sistemas de comunicação sem fio. O percurso de transmissão entre transmissor e receptor

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Radiação solar. Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira

CLIMATOLOGIA. Radiação solar. Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira CLIMATOLOGIA Radiação solar Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira Sistema Solar Componente Massa (%) Sol 99,85 Júpiter 0,10 Demais planetas 0,04 Sol x Terra massa 332.900 vezes maior volume

Leia mais

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2 Escola Secundária D. Afonso Sanches Energia do Sol para a Terra Graça Meireles Física -10º ano 1 Variação da Temperatura com a Altitude Física -10º ano 2 1 Sistemas Termodinâmicos Propriedades a ter em

Leia mais

Física II. Capítulo 04 Ondas. Técnico em Edificações (PROEJA) Prof. Márcio T. de Castro 22/05/2017

Física II. Capítulo 04 Ondas. Técnico em Edificações (PROEJA) Prof. Márcio T. de Castro 22/05/2017 Física II Capítulo 04 Ondas Técnico em Edificações (PROEJA) 22/05/2017 Prof. Márcio T. de Castro Parte I 2 Ondas Ondas: é uma perturbação no espaço, periódica no tempo. 3 Classificação quanto à Natureza

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Fuvest 2013) A tabela traz

Leia mais

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes Origens históricas dos raios-x Tubos de Crookes http://www.answers.com/topic/crookes-tube Origens históricas dos raios-x Tubo de Raios-X http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/energianuclear/imagens/energia-nuclear99.jpg

Leia mais

Sumário. Espectros, Radiação e Energia

Sumário. Espectros, Radiação e Energia Sumário Das Estrelas ao átomo Unidade temática 1 Radiação ionizante e radiação não ionizante.. E suas aplicações. APSA 5 Espectro eletromagnético.. Radiação não ionizante São radiações não ionizantes as

Leia mais

Física e Química 11.º ano /12.º ano

Física e Química 11.º ano /12.º ano ísica e Química.º ano /.º ano Proposta de Resolução icha n.º 5 Comunicação a Curtas Distâncias... Uma onda é uma propagação de uma perturbação de uma região para outra do espaço, sem que exista transporte

Leia mais

PROPAGAÇÃO ELETROMAGNÉTICA

PROPAGAÇÃO ELETROMAGNÉTICA PROPAGAÇÃO LTROMAGNÉTICA LONARDO GURRA D RZND GUDS PROF. DR. ONDA LTROMAGNÉTICA As ondas de rádio que se propagam entre as antenas transmissora e receptora são denominadas de ondas eletromagnéticas Transmissor

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III Eercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA Física 3 (EQ) Eercícios TP Índice Índice i Derivadas e integrais

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE EM ADULTOS E CRIANÇAS

ANÁLISE DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE EM ADULTOS E CRIANÇAS ANÁLISE DOS EFEITOS DA RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE EM ADULTOS E CRIANÇAS Joel Rosa de Almeida Júnior 1 Eliézer Alves Teixeira 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás/Campus Jataí/Engenharia

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº

Relatório de Ensaio Nº Relatório de Ensaio Nº 2016.0075.01883 Medição dos Níveis de Intensidade dos Campos Eletromagnéticos 1883 CENTRO COMERCIAL ALGARVE SHOPPING LVP CEM Vodafone Portugal Av. D. João II, Lote 1.04.01, Piso

Leia mais

Níveis de energia do átomo

Níveis de energia do átomo Níveis de energia do átomo Para um átomo de hidrogénio, a energia das orbitas é: 13.6 ev E n = n 2 Quando um eletrão salta de uma órbita para outra absorve ou perde energia: Δ E=E i E j = 13.6 ev ( 1 n

Leia mais

Instrumento Virtual Composto por Osciloscópio, Analisador de Espectros e Gerador de Sinais

Instrumento Virtual Composto por Osciloscópio, Analisador de Espectros e Gerador de Sinais Instrumento Virtual Composto por Osciloscópio, Analisador de Espectros e Gerador de Sinais Prof. Doutor Ricardo Queirós Universidade Agostinho Neto Faculdade de Engenharia Departamento de Electrónica e

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. SAR e Radiação de Terminais Celulares Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre SAR e os efeitos da radiação em terminais celulares. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco

Leia mais

ESPECTROMETRIA DE RAIOS X

ESPECTROMETRIA DE RAIOS X ESPECTROMETRIA DE RAIOS X 1. Resumo Neste trabalho pretende se estudar o espectro de baixa energia essencialmente constituído por raios X de vários isótopos recorrendo a um detector para baixas energias

Leia mais

O presente relatório refere-se as atividades de pesquisa desenvolvidas no período de 01 de janeiro de 2005 até 31 de março de 2005.

O presente relatório refere-se as atividades de pesquisa desenvolvidas no período de 01 de janeiro de 2005 até 31 de março de 2005. DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 1 INTRODUÇÃO O presente relatório refere-se as atividades de pesquisa desenvolvidas no período de 01 de janeiro de 2005 até 31 de março de 2005. Inicialmente apresenta-se neste

Leia mais

INPE eprint: v João Vianei Soares Fundamentos de Radar Página nº 1. Energia

INPE eprint: v João Vianei Soares Fundamentos de Radar Página nº 1. Energia João Vianei Soares Fundamentos de Radar Página nº 1 Energia Energia é medida em Joules (ML 2 T -2 ): Caixa de luz com abertura Energia radiante deixa a caixa a uma taxa de P Joules/segundo, ou P Watts

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO DIAGRAMA DE DISPERSÃO POR INTERFEROMETRIA

DETERMINAÇÃO DO DIAGRAMA DE DISPERSÃO POR INTERFEROMETRIA º SEMESTRE DE 001/00 DETERMINAÇÃO DO DIAGRAMA DE DISPERSÃO POR INTERFEROMETRIA FÍSICA EXPERIMENTAL VII OBJECTIVO O objectivo do presente trabalho é a determinação experimental do diagrama de dispersão

Leia mais

FENÓMENOS CORPUSCULARES E ONDULATÓRIOS

FENÓMENOS CORPUSCULARES E ONDULATÓRIOS FENÓMENOS CORPUSCULARES E ONDULATÓRIOS Interferência de ondas Onda resultante Onda 1 Onda 2 Duas ondas em fase Duas ondas desfasadas de λ/2 Figura de Interferência de ondas DIFRACÇÃO Se o comprimento de

Leia mais

Campos de forças: campos gravítico, magnético e eléctrico... Cargas em movimento e seus efeitos em termos de criação de campos...

Campos de forças: campos gravítico, magnético e eléctrico... Cargas em movimento e seus efeitos em termos de criação de campos... RADIAÇÃO 1 As radiações são ondas electromagnéticas. O que são ondas electromagnéticas? Quais os conceitos fundamentais que os alunos precisam de entender para lhes podermos explicar o que são ondas electromagnéticas?

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio... 5

ÍNDICE. Prefácio... 5 ÍNDICE Prefácio... 5 1. INTRODUÇÃO 1.1. Identificação de Estruturas Moleculares.... 1.2. Radiação Electromagnética. Regiões Características e Tipos de Interacção com a Materia.......... 7 9 2. ESPECTROSCOPIA

Leia mais

Actas das IX Jornadas da Sociedade Portuguesa de Protecção contra Radiações, Lisboa, Nov. 2002

Actas das IX Jornadas da Sociedade Portuguesa de Protecção contra Radiações, Lisboa, Nov. 2002 RESUMO EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA DE ANTENAS DE ESTAÇÃO BASE DE GSM E UMTS Carla Oliveira Gonçalo Carpinteiro Luís Correia Instituto de Telecomunicações / Instituto Superior Técnico, Universidade

Leia mais

Introdução à Física Quântica

Introdução à Física Quântica 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 1 Introdução

Leia mais

SISTEMA DE UNIDADES A ESTRUTURA DO SISTEMA INTERNACIONAL

SISTEMA DE UNIDADES A ESTRUTURA DO SISTEMA INTERNACIONAL SISTEMA DE UNIDADES INTRODUÇÃO: Um sistema de unidades é caracterizado por um conjunto de unidades e regras que as definam. O sistema internacional de unidades (S.I) possui sete unidades de base e, todas

Leia mais

Resumo de Resultados Guarda. Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Gonçalo Carpinteiro

Resumo de Resultados Guarda. Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Gonçalo Carpinteiro Título Editor Autores Resumo de Resultados Guarda Carla Oliveira Data 2005/07/20 Versão 01 Distribuição Documento Sumário Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Gonçalo Carpinteiro Vários Ext_Tec_0300_01_ResResultGA

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA. FÍSICA IV Óptica e Física Moderna. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA. FÍSICA IV Óptica e Física Moderna. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA FÍSICA IV Óptica e Física Moderna Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling O plano de ensino Bibliografia: Geração de ondas eletromagnéticas Propriedades das ondas eletromagnéticas

Leia mais

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t Campos variáveis no tempo e equações de Maxwell - 1 o Funções potenciais A divergência de um campo magnético é zero. 0 podemos escrever: B e sabendo que.( ) 0 B A (A é o vector potencial magnético) ( A)

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU MATRIZ DA PROVA ESCRITA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA E QUÍMICA B FORMAÇÃO CIENTÍFICA CÓDIGO 167 11º Ano de Escolaridade Cursos Tecnológicos Duração da prova escrita: 90 minutos Ano Lectivo:

Leia mais

RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE: UMA INTRODUÇÃO CESET. Mestrandos: Rodrigo Barbosa Dias Sonaly de Lima Silva Orientador: Luiz Bueno da Silva, Dr.

RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE: UMA INTRODUÇÃO CESET. Mestrandos: Rodrigo Barbosa Dias Sonaly de Lima Silva Orientador: Luiz Bueno da Silva, Dr. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DO TRABALHO RADIAÇÃO NÃO IONIZANTE: UMA INTRODUÇÃO Mestrandos: Rodrigo Barbosa Dias Sonaly

Leia mais

INTERFERÊNCIA E DIFRACÇÃO DE LUZ

INTERFERÊNCIA E DIFRACÇÃO DE LUZ INTERFERÊNCIA E DIFRACÇÃO DE LUZ OBJECTIVO Esta experiência consiste em estudar efeitos de interferência de duas fontes luminosas, ou da difracção de luz por fendas ou objectos opacos. Em ambos os casos

Leia mais

Prof. Luis Gomez. Ondas

Prof. Luis Gomez. Ondas Prof. Luis Gomez Ondas Sumário Introdução Classificação das ondas ou tipos de onda. Propagação de ondas. -ondas progresssivas -ondas harmônicas Velocidade transversal de uma partícula Velocidade de uma

Leia mais

Prof. Artur Andrade Moura Daniel Teles / Pedro Moutinho

Prof. Artur Andrade Moura Daniel Teles / Pedro Moutinho !" # $%& ' Orientador DEEC: Prof. Artur Andrade Moura Alunos: Daniel Teles / Pedro Moutinho (ee00085) (ee00052) Julho 2005 Agradecimentos Projecto Final de Curso 2004/2005 Os autores gostariam de agradecer

Leia mais

ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA

ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA Em aplicações médicas, são usados ultra-sons de alta frequência no diagnóstico e tratamento de pacientes. A gama de frequências usada em imagem médica varia de 2-15 MHz. EFEITO

Leia mais

Planeamento de uma Rede sem Fios IEEE e no Concelho da Covilhã

Planeamento de uma Rede sem Fios IEEE e no Concelho da Covilhã Universidade da Beira Interior Planeamento de uma Rede sem Fios IEEE 802.16e no Concelho da Covilhã Rui Marcos Dany Santos Covilhã, 7 de Novembro de 2005 Resumo Objectivo Planeamento Celular Análise de

Leia mais

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento remoto 1 Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Súmula princípios e leis da radiação eletromagnética radiação solar conceito de corpo negro REM e sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista

Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica. Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista Sensoriamento Remoto I Engenharia Cartográfica Prof. Enner Alcântara Departamento de Cartografia Universidade Estadual Paulista 2016 Interações Energia-Matéria na Atmosfera Energia Radiante Ao contrário

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA. Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares. Actividade Laboratorial Física 12º Ano

ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA. Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares. Actividade Laboratorial Física 12º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares Actividade Laboratorial Física 12º Ano Característica de um LED e determinação da constante de Planck (Actividade

Leia mais

Problemas sobre Ondas Electromagnéticas

Problemas sobre Ondas Electromagnéticas Problemas sobre Ondas Electromagnéticas Parte I ÓPTICA E ELECTROMAGNETISMO MIB Maria Inês Barbosa de Carvalho Setembro de 2007 CONCEITOS FUNDAMENTAIS PROBLEMAS PROPOSTOS 1. Determine os fasores das seguintes

Leia mais

EU MEPS Para motores eléctricos de baixa tensão

EU MEPS Para motores eléctricos de baixa tensão EU MEPS Para motores eléctricos de baixa tensão EU MEPS em resumo O esquema EU MEPS (Norma Europeia de Desempenho Mínimo de Energia) define níveis mínimos obrigatórios de eficiência para motores electrónicos

Leia mais

Projecto monit. Monitorização de Radiação Electromagnética em Comunicações Móveis. Luís M. Correia, Carlos Fernandes

Projecto monit. Monitorização de Radiação Electromagnética em Comunicações Móveis. Luís M. Correia, Carlos Fernandes Projecto monit Monitorização de Radiação Electromagnética em Comunicações Móveis Luís M. Correia, Carlos Fernandes Carla Oliveira, Gonçalo Carpinteiro, Lúcio Ferreira, Daniel Sebastião Resumo Quem Somos?

Leia mais

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação).

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. As ondas sonoras são longitudinais. Resultam de compressões

Leia mais

Metrologia de Alta Frequência no Laboratório de Integração e Testes

Metrologia de Alta Frequência no Laboratório de Integração e Testes Metrologia de Alta Frequência no Laboratório de Integração e Testes Alberto de Paula Silva alberto@lit.inpe.br julho de 2017 www.lit.inpe.br www.inpe.br O Laboratório de Integração e Testes (LIT) 30 anos

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Velocidade do som no ar Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

TRABALHO Nº 2 LEI DE MALUS

TRABALHO Nº 2 LEI DE MALUS TRABALHO Nº 2 LEI DE MALUS Este trabalho tem como objectivo principal a verificação experimental da lei de Malus. Além disso vai procurar determinarse o estado de polarização de uma lâmpada de halogéneo

Leia mais

Resumo de Resultados Caldas da Rainha. Autores Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes Data 2007/11/26 Versão 01

Resumo de Resultados Caldas da Rainha. Autores Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes Data 2007/11/26 Versão 01 Título Editor Resumo de Resultados Caldas da Rainha Diana Ladeira Autores Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes Data 2007/11/26 Versão 01 Distribuição Documento Sumário Vários

Leia mais

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é?

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é? Exercícios de Física 1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? a) 15 Hz b) 15 KHz c) 15 MHz d) 17.000 Hz e) 19 KHz 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes

Leia mais

Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial - Taguspark. CADEIRA DE ELECTROMAGNETISMO E ÓPTICA, 1º Sem. 2016/2017.

Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial - Taguspark. CADEIRA DE ELECTROMAGNETISMO E ÓPTICA, 1º Sem. 2016/2017. Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial - Taguspark CADEIRA DE ELECTROMAGNETISMO E ÓPTICA, 1º Sem. 2016/2017 2º teste - 5 de Dezembro de 2016 Docente: João Fonseca Nome: Número: RESOLVA APENAS 4

Leia mais

RECTIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 159 de 30 de Abril de 2004)

RECTIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 159 de 30 de Abril de 2004) 24.5.2004 L 184/1 RECTIFICAÇÕES Rectificação à Directiva 2004/40/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde em matéria de exposição

Leia mais

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Ondulatória Parte 1 Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Ondas mecânicas; Ondas sonoras. INTRODUÇÃO Ondas de vários tipos estão presentes em nossas vidas. Lidamos com os mais diversos

Leia mais

DE ONDE VEM A ENERGIA? Energia eletromagnética, Energia Mecânica e Energia térmica

DE ONDE VEM A ENERGIA? Energia eletromagnética, Energia Mecânica e Energia térmica DE ONDE VEM A ENERGIA? Energia eletromagnética, Energia Mecânica e Energia térmica Energia, o que é? Não há uma definição exata para o conceito de energia, mas podemos dizer que ela está associada à capacidade

Leia mais

Comunicações Móveis: Mitos e Realidades

Comunicações Móveis: Mitos e Realidades Comunicações Móveis: Mitos e Realidades Área de Telecomunicações Departamento de Engenharia Electrotécnica Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Leiria Orador: Doutor Rafael F.

Leia mais

Laboratório 4 Interferência em Microondas GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 4 INTERFERÊNCIA EM MICROONDAS

Laboratório 4 Interferência em Microondas GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 4 INTERFERÊNCIA EM MICROONDAS GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 4 INTERFERÊNCIA EM MICROONDAS 1. RESUMO Utilização de uma corneta rectangular para emissão de uma onda electromagnética em microondas. Estudo do padrão de interferência

Leia mais

Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera. Radiação I Primeiro semestre 2016

Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera. Radiação I Primeiro semestre 2016 Absorção de Radiação por Gases na Atmosfera Radiação I Primeiro semestre 2016 Constituintes gasosos da atmosfera N 2 ~ 78% O 2 ~ 21% ~ 99% da atmosfera seca vapor d água (0 a 4%) Argônio, CO 2, O 3, CH

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 3

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 3 LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 3 Questões 1) Na Figura 1, três longos tubos (A, B e C) são preenchidos com diferentes gases em diferentes pressões. A razão entre o módulo da elasticidade volumar e a densidade

Leia mais

ONDAS. é solução da equação de propagação de onda

ONDAS. é solução da equação de propagação de onda ONDAS 1. Uma estação de rádio emite a uma frequência de 760 khz. A velocidade das ondas de rádio é igual a 3 10 8 m/s. Determine o respectivo comprimento de onda (c.d.o.). 2. Um diapasão oscila com a frequência

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 14 de Outubro de 2003 (16.10) (OR. en) 13428/03 Dossier interinstitucional: 1992/0449/C (COD) ADD 1

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 14 de Outubro de 2003 (16.10) (OR. en) 13428/03 Dossier interinstitucional: 1992/0449/C (COD) ADD 1 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 14 de Outubro de 2003 (16.10) (OR. en) 13428/03 Dossier interinstitucional: 1992/0449/C (COD) ADD 1 SOC 396 CODEC 1358 ADENDA 1 AO RELATÓRIO de: Comité de Representantes

Leia mais

Técnicas de medida. Algumas considerações

Técnicas de medida. Algumas considerações Técnicas de medida Algumas considerações Divisão das grandezas a medir Dimensionais Físicas Eléctricas (DC, baixa e alta frequência) Outras (químicas, ópticas, analíticas e radiação) Tipos de medida Medida

Leia mais

18/Maio/2016 Aula 21. Introdução à Física Nuclear. Estrutura e propriedades do núcleo. 20/Maio/2016 Aula 22

18/Maio/2016 Aula 21. Introdução à Física Nuclear. Estrutura e propriedades do núcleo. 20/Maio/2016 Aula 22 18/Maio/2016 Aula 21 Introdução à Física Nuclear Estrutura e propriedades do núcleo 20/Maio/2016 Aula 22 Radioactividade: Poder de penetração. Regras de conservação. Actividade radioactiva. Tempo de meia

Leia mais

Exercício 1. Exercício 2.

Exercício 1. Exercício 2. Exercício 1. A equação de uma onda transversal se propagando ao longo de uma corda muito longa é, onde e estão expressos em centímetros e em segundos. Determine (a) a amplitude, (b) o comprimento de onda,

Leia mais

Aprender no laboratório

Aprender no laboratório Aprender no laboratório A Ciência é hoje em dia um vasto conjunto de conhecimentos, sobre os quais temos mais ou menos certeza de que sejam verdadeiros. Os cientistas estão habituados a lidar com a ignorância,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 A Química Analítica A divisão tradicional em química analítica

Leia mais

Aula 1 FÍSICA GERAL I

Aula 1 FÍSICA GERAL I Física Geral I 1/25 Aula 1 FÍSICA GERAL I Prof.: MSc. W. L. A. Miranda Ins@tuto Federal da Bahia Estrutura do curso 2/25 Estrutura do curso Ementa Introdução à Física, Vetores; Movimento em 1D, 2D e 3D

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios

Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios a) Reflexão b) Refração c) Absorção Reflexão da onda: a onda é devolvida para o primeiro meio. Transmissão da onda: a onda continua a propagar-se no segundo

Leia mais

Exposição Ocupacional a Campos Electromagnéticos na banda das Radiofrequências. Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes, Luís M.

Exposição Ocupacional a Campos Electromagnéticos na banda das Radiofrequências. Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes, Luís M. Título Editor Autores Exposição Ocupacional a Campos Electromagnéticos na banda das Radiofrequências. Daniel Sebastião/Diana Ladeira Daniel Sebastião, Diana Ladeira, Mónica Antunes, Luís M. Correia Data

Leia mais

PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA

PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA 2012 Componente de Física 1. Mecânica da Partícula 1.1 Cinemática e dinâmica da partícula em movimento

Leia mais

Física. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Física. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Física baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE FÍSICA High School 2 9 th Grade Movimentos: variações e conservações. Grandezas do movimento: identificação,

Leia mais