ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS"

Transcrição

1 ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

2 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem em determinadas operações, independente de desabonar as pessoas quanto à idoneidade ou não. Caso não sejam cumpridas essas normas, o Banco estará sujeito a sanções previstas em lei. RESTRITIVO LEGAL É uma situação do apontamento, prevista em lei, que visa identificar pessoas físicas ou jurídicas que causaram prejuízo a alguma instituição financeira ou comércio e cujo conhecimento pode ser público. ALERTA As ocorrências nessa situação não impedem que sejam efetuadas quaisquer operações com a financiadora. Referem se basicamente a restritivos, ou impedimentos baixados ou liberados, e servem única e exclusivamente para auxiliar o administrador na tomada de decisão, ou influenciar uma pontuação do Scoring.

3 56 STATUS DOS RESTRITIVOS A partir da inclusão do Cliente no sistema BIR Base Integrada de Restritivos, o mesmo passa a ser enquadrado em um dos seguintes status: I Ativo É um apontamento que para o banco tem efeito restritivo ou impeditivo para algumas ou todas as operações a ser realizadas com o cliente. II Baixado É um apontamento que tem efeito de restritivo ou alerta. O restritivo, nessa situação, já foi regularizado pelo cliente, ou houve decurso por prazo. III Liberado É um apontamento que, após uma avaliação administrativa, perde o caráter de restritivo ou impeditivo, ou seja, o Cliente poderá operar normalmente com a instituição financeira. GRAU DE RISCOS DOS RESTRITIVOS I Restritivos Leves São os restritivos considerados de pequeno impacto e que permitem à instituição financeira o exercício de sua alçada. II Restritivos Graves São os restritivos considerados com certo grau de risco ao Banco, portanto não permitem o exercício da alçada do gerente, porém o risco deverá ser avaliado pela Regional de Crédito. III Restritivos Gravíssimos Clientes com esse tipo de restritivos são impedidos de operar com o Banco, inclusive não será permitida a remessa de propostas para as instâncias superiores.

4 57 Conceito dos Restritivos Ações Executivas Processo judicial em que o credor solicita que pratiquem atos de execução contra o devedor, para que sejam penhorados e vendidos seus bens, visando ao pagamento das dívidas. Cheque sem Fundos Cheques sem a necessária provisão de fundos por ocasião de sua apresentação em qualquer unidade bancária, pertencente a outros bancos. Concordata Recurso legal que estabelece regime especial de pagamento dos credores sem garantias reais, podendo ser convertida em falência, caso não seja cumprido o pagamento dentro dos prazos e percentuais fixados. Crédito em Atraso São os créditos de curso anormal, em atraso há mais de 60 dias, considerados de difícil liquidação. Crédito em Liquidação São os créditos de curso anormal, em atraso há mais de 360 dias, considerados de difícil liquidação. Falência É um processo de liquidação judicial de uma empresa, em que todos os bens do falido são arrecadados para uma venda judicial forçada, com a distribuição proporcional do ativo entre todos os credores. Fundos sem Provisão São lançadas em Fundo de Provisão todas as operações que já foram inscritas em CL há mais de 180 dias. Referidos valores são registrados em contas de compensação, sendo que alguns desses créditos ainda apresentam condições de recebimento, por mais que remotas.

5 58 Protesto É a manifestação assegurada a quem deseja prevenir responsabilidade, prover a conservação e ressalva de seus direitos contra os obrigados pelo título, de forma negativa ou positiva, ou manifestar qualquer intenção de modo formal. Declaração feita junto ao Ofício de Protesto de Títulos do domicílio do devedor, ou de seus representantes, que assegura ser verdadeiro um fato, com o objetivo de garantir, assegurar ou defender direitos. Restrições Financeiras Externas (REFIN) Consiste em fator impeditivo para que os Clientes (pessoas físicas ou jurídicas pertencentes a outros bancos) operem com instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional.

6 ANEXO 2 PRINCIPAIS CLASSES DE PESSOAS FÍSICAS E FONTES DE REPAGAMENTO

7 60 PRINCIPAIS CLASSES DE PESSOAS FÍSICAS E FONTES DE REPAGAMENTO Assalariados: estender a análise aos empregadores, quem são, qual o ramo de atividade, porte e estabilidade que oferece ao empregado. Profissionais liberais: nessa classe, concentrar a análise na especialização do profissional e no perfil dos seus clientes ou pacientes. Autônomos: é importante analisar a qualidade e aceitação dos produtos e serviços que oferece ao mercado consumidor, bem como versatilidade e capacidade de adaptação a novas tendências e necessidades do mercado. Funcionários públicos: concentrar a análise na situação do pagador estatal, se existe histórico de atrasos, possibilidade de privatização, política de demissões e outros. Empresários: quando se tratar de empresário cuja fonte de repagamento esteja atrelada exclusivamente à empresa na qual participa, é importante analisar a saúde financeira dessa sociedade e a tradição no mercado. Agricultores e pecuaristas: concentrar a análise na atividade agropecuária cuja receita será empregada para a cobertura do crédito, o qual deve estar vinculado sempre à época de obtenção dessas receitas.

8 ANEXO 3 PRINCIPAIS CLASSES DE PESSOAS FÍSICAS E A CAPACIDADE DE REPAGAMENTO

9 62 PRINCIPAIS CLASSES DE PESSOAS FÍSICAS E A CAPACIDADE DE REPAGAMENTO Assalariados e funcionários públicos: estas classes normalmente têm a renda limitada ao salário mensal, não tendo muita flexibilidade ou elasticidade em assumir dívidas, porém são beneficiados pelos recebimentos mensais regulares. Devem se ainda considerar as habilidades do cliente como profissional, o que pode garantir a ele novas oportunidades de emprego ou não. Empresários: analisar a sua declaração anual de rendimentos e comparar com seu padrão de vida, a qual deverá ser condizente com a geração de recursos da sua fonte pagadora. Comparar a renda mensal com o faturamento da empresa para verificar a coerência entre esses números. Profissionais liberais e autônomos: essas classes dependem muito do esforço e tempo despendido para obter os seus ganhos, ou seja, quanto mais trabalhar, maior será (provavelmente) o seu rendimento. Normalmente, apresentam maior flexibilidade e elasticidade para contrair empréstimos e financiamentos, porém estão suscetíveis a vários fatores que interferem nos seus rendimentos, como a sazonalidade, problemas de saúde, fatores climáticos, aspectos conjunturais da economia e outros, o que torna os seus rendimentos irregulares. Agricultores e pecuaristas: levam em consideração também a receita da atividade agropecuária, os seus custos de produção, reposição (pecuária), gerais, administrativos, bem como as despesas com manutenção familiar e repagamento de outros empréstimos, e a receita líquida resultante. Amparar a decisão em fluxo de caixa em consonância com as épocas de comercialização dos produtos agropecuários. Adotar sempre como cotações para os produtos agropecuários aqueles estimados, de forma conservadora, para a época efetiva de sua venda e como custos de produção montantes capazes de cobrir quaisquer variações nos preços dos insumos empregados.

10 ANEXO 4 CREDIT SCORING MENSAGENS MOSTRADAS E SEUS SIGNIFICADOS

11 64 CREDIT SCORING MENSAGENS MOSTRADAS E SEUS SIGNIFICADOS Aprovado Cliente considerado apto para ser atendido com crédito massificado (baixa probabilidade de inadimplência). Rejeitado Cliente não apto para ser atendido com crédito massificado (maior probabilidade de inadimplência). Não Escorado Ficha incompleta Cliente com ficha cadastral incompleta (faltando dados básicos), não sendo possível calcular o seu escore e atribuir lhe conceito. Rejeitado Ficha vencida Cliente com ficha cadastral vencida. Rejeitado conforme política de crédito do Banco. Rejeitado Tem Restritivo Cliente tem registro de restritivo em seu CPF. Rejeitado conforme política de crédito do Banco. Rejeitado Cônjuge tem Restritivo O cônjuge, que possui CPF próprio, tem registro de restritivo. Rejeitado conforme política de crédito do Banco. Aprovado Restritivo Indisponível Cliente aprovado, porém, com a ressalva de que o sistema de restritivo não pôde ser consultado. A agência deverá, se julgar necessário, consultar o sistema de restritivos antes de conceder crédito ao cliente. Credit Scoring x Valor do Crédito O sistema de Credit Scoring não sugere o valor do crédito que deve ser concedido ao cliente. O valor deve ser definido pelo gerente, com base na renda e/ou outros critérios de julgamento já utilizados.

12 ANEXO 5 SINAIS DE ALERTA À INADIMPLÊNCIA

13 66 SINAIS DE ALERTA À INADIMPLÊNCIA Freqüência em restritivos após a liberação dos recursos; Freqüência de cheques devolvidos sem a devida provisão de fundos, após a liberação dos recursos; Ocorrência de excessos de limites e/ou Adiantamentos a Depositante, após a liberação dos recursos; Necessidade constante de renovação de empréstimos; Aceitação normal de taxas de juros acima do mercado; Solicitações constantes de novos bancos e/ou lojas e/ou fornecedores, visando à ampliação de crédito ao Cliente consultado; Dificuldades em obter informações a respeito das atividades do cliente; Descumprimento de acordos, por parte do cliente, quando da negociação da operação; Redução substancial do volume de movimentação e depósitos em conta corrente; Volume elevado de solicitação de reembolso das duplicatas descontadas; Solicitação freqüente para substituição de duplicatas oferecidas em caução; Pagamento de operações ou parcelas com atrasos; Redução da reciprocidade sem justificativas plausíveis, não cumprindo inclusive o negociado em vendas cruzadas; Uso cheio e contínuo do limite de crédito; Aumento do volume de saques sobre bloqueio, com cheques de origem do próprio cliente, podendo demonstrar jogo de cheques; Pagamento de operações com recebimento de DOC s (Documentos de Crédito) e cheques de emissão de outras instituições financeiras e ou factorings, principalmente no dia do vencimento ou após.

14 67 Perda de emprego por parte do cliente, o qual é sua única fonte de renda; Aumento do consumo de talões de cheques, com justificativas como a emissão de cheques pré datados; Assumir dívidas além da sua capacidade de honrar os compromissos; Atrasos nos pagamentos de despesas correntes do mês, como aluguel, financiamentos imobiliários, condomínios, escolas e outras. É importante notar o fato de que, se o cliente apresentar uma situação isolada, não necessariamente conota a possibilidade de insolvência, porém, com certeza, demanda maior monitoramento e acompanhamento do crédito.

15 GLOSSÁRIO Alçada de Crédito Poder de aprovação de crédito conferido a pessoas específicas da organização. Análise de Crédito Exame objetivo da capacidade de repagamento de um eventual tomador de empréstimos; identificação, quantificação e atenuação dos riscos inerentes às operações de empréstimos. Aval Direito comercial; garantia inserida num título de crédito; devedor solidário ao devedor principal. BACEN Banco Central do Brasil; uma das autoridades monetárias integrantes do sistema financeiro nacional; órgão de normatização e fiscalização das instituições financeiras. Bem Direito civil, contabilidade: coisa; objeto corpóreo e tangível que tem valor intrínseco; objeto de registro das contas patrimoniais e do balanço patrimonial. CDC Crédito Direto ao Consumidor; financiamento de bens de consumo durável; venda à prestação. Crédito Linguagem coloquial, contabilidade: direito, ter ou possuir um direito, lançamento que se faz à direita de uma conta. Débito Linguagem coloquial, contabilidade: obrigação, ter uma obrigação, lançamento que se faz à esquerda de uma conta. Feedback (tradução: realimentação, processo de resposta). Ato de responder a um agente da ação, visando dar lhe algum tipo de resposta em relação a algum ato praticado; desenvolvimento, aprimoramento, treinamento (de recursos humanos). Feeling (tradução: sentido, sentimento, percepção, intuição). Análise de Crédito: decisão de crédito baseada em feeling: o aprovador não apresenta motivos concretos ou palpáveis objetivamente em respaldo (ou como justificativa) de sua decisão.

16 69 Fiança Direito civil, direito comercial: garantia; ato pelo qual o fiador torna se solidário ao devedor principal (afiançado) para o cumprimento de obrigações contratuais deste para com o credor (beneficiário). Ficha Cadastral Análise de Crédito: levantamento de dados pelo emprestador sobre o potencial tomador de crédito, seja por meio de informantes próprios, ou por meio de empresa especializada para tal fim: confirmação de dados informados pelo solicitante de crédito; verificação de antecedentes ou práticas comerciais; verificação de pontualidade em pagamentos de compromissos anteriores. Funding (tradução: fundeamento). Fonte de recursos numa instituição financeira para lastro das operações de empréstimo. Inadimplência Direito civil, direito comercial: descumprimento de disposições contratuais, geralmente relacionado a atraso na liquidação de dívidas; insolvência; impontualidade. Liquidez Finanças, Análise de Crédito: capacidade de pagamento de compromissos em dia; pontualidade. Lucro Contabilidade: diferença entre receitas e despesas de um exercício social. Marketing Toda e qualquer ação voltada para o atendimento e para a satisfação do cliente. Spread (tradução: extensão, largura). Diferencial entre a taxa de captação e de aplicação nos empréstimos; margem de receita sobre o custo. Outstanding pendente, por pagar, dívida, conta. O outstanding da financeira inclui os juros a vencer do total da carteira de financiamentos.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Cheque administrativo ou cheque bancário ou cheque tesouraria (art.9º, III)

Cheque administrativo ou cheque bancário ou cheque tesouraria (art.9º, III) 1 Títulos de Crédito Sala 207 UNIP Títulos de Crédito VIII 29 de outubro Modalidades de Cheque Cheque visado (art.7º) - é o cheque em que o banco sacado a pedido do emitente ou do portador legitimado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2007

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2007 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2007 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA - DIPJ 2007 CNPJ: 50.152.826/0001-44 Ano-Calendário:

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras TEMA 2.1 ESQUEMA CONTABILIZAÇÃO- OPERAÇÕES DE CRÉDITO E PDD Operações de Crédito: Empréstimos,

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas Unidade IV Unidade IV 4 PARTIDAS DOBRADAS DÉBITO E CRÉDITO Método das partidas dobradas Em qualquer operação há um débito e um crédito de igual valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 6215- Código das Contas e Normas Contabilísticas Objetivos Gerais Identificar e movimentar as contas das classes 1 a 8 do Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E G O I Á S (Criada pela Lei n.º 13.456 de 16 de abril de 1999, publicada no DOE - GO de 20 de abril de 1999) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO

EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO EXEMPLOS DE CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES A TERMO, SEM CONSIDERAR CORRETAGENS, EMOLUMENTOS, CUSTÓDIA E TRIBUTAÇÃO Operação de hedge: Com o objetivo de proteção contra oscilações no preço do ouro, o Banco

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

COOPERATIVA DE CAFEICULTORES DA ZONA DE SÃO MANUEL - CAFENOEL Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 (Em Reais)

COOPERATIVA DE CAFEICULTORES DA ZONA DE SÃO MANUEL - CAFENOEL Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 (Em Reais) Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 ATIVO CIRCULANTE Contas 10.1.01 CAIXA 29.733,12 - Caixa... 29.733,12 10.1.02 BANCOS - CONTA CORRENTE 264,20 Bancos... 264,20 10.1.05 CONSÓRCIOS A

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Resultados do 1 Trimestre de 2016

Resultados do 1 Trimestre de 2016 Resultados do 1 Trimestre de 2016 Destaques Lucro líquido ajustado registra R$ 4,113 bilhões, redução de 3,8% em relação ao 1T15 e ROAE (cálculo linear) atinge 17,5%; Margem financeira de juros evolui

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 1º Trimestre 2016 DFS/DEGC/DIRE/DIAN ABRIL/2016 RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAS DATAPREV COMPARATIVO 1T2015 X 1T2016 Responsáveis pela elaboração da apresentação: Jorge Sebastião

Leia mais

PERMANENTE

PERMANENTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2009 E 2008 A T I V O 30.06.2009 30.06.2008 ATIVO CIRCULANTE 62.969 46.291 DISPONIBILIDADES 46 47 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 13.419 593 APLICAÇÕES EM

Leia mais

Release de Resultados

Release de Resultados São Paulo, 14 de novembro de 2016 O Banco Sofisa S.A. (SFSA4), banco múltiplo, especializado na concessão de crédito para empresas de pequeno e médio porte, anuncia hoje seu resultado do 3º trimestre de

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês?

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês? - Pagamento único Resolver todas as questões utilizando: a) critério de juros simples b) critério de juros compostos 1 Uma pessoa empresta R$ 2.640,00 pelo prazo de 5 meses a uma taxa de juros de 4% ao

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016

RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016 Diretoria de Relações com Investidores Gerência de Relações com Investidores Novembro/2016 Participação do BRB no Mercado (DF) 13% dos depósitos a prazo 21%

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas Demonstrações Contábeis Consolidadas Em 31 de Dezembro de 2006 e Em 31 de Dezembro de 2007 e 31 Dezembro de 2006

Demonstrações Contábeis Consolidadas Demonstrações Contábeis Consolidadas Em 31 de Dezembro de 2006 e Em 31 de Dezembro de 2007 e 31 Dezembro de 2006 Demonstrações Contábeis Consolidadas Demonstrações Contábeis Consolidadas Em 31 de Dezembro de 2006 e Em 31 de Dezembro de 2007 e 31 Dezembro de 2006 Parecer dos Auditores Independentes 2007 Insol Intertrading

Leia mais

DIVULGADA EM: 22/05/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 21/06/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 22/05/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 21/06/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição decorrentes

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA - DIPJ 2008 CNPJ: 50.152.826/0001-44 Ano-Calendário:

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016

RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016 Diretoria de Relações com Investidores Gerência de Relações com Investidores Agosto/2016 Participação do BRB no Mercado (DF) 13% dos depósitos a prazo 21% dos

Leia mais

BRADESCO Nicho Educação

BRADESCO Nicho Educação Apresentação Diretoria Executiva BRADESCO Nicho Educação 10 e 11/10/2016 17.set 73 anos de experiência no Setor Financeiro Segmentação Rede de Distribuição e Presença Regional Plataformas de Distribuição

Leia mais

ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS:

ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS: ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS: Título: RENDAS DE ARRENDAMENTOS FINANCEIROS - RECURSOS INTERNOS 7.1.2.10.00-1 Função: Registrar as rendas de arrendamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 Conceito Segundo Cesare Vivante: documento necessário para o exercício do direito, literal e autônomo, nele mencionado. 2 Princípios Cartularidade Literalidade Autonomia

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002

ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002 ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002 Estratégia e Performance Operacional: Durante o ano de 2001, a escassez de linhas de financiamentos e o

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CAPÍTULO 29 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 29.1 CONCEITO A demonstração das origens e aplicações de recursos é de elaboração e publicação obrigatórias para as sociedades anônimas. Entretanto,

Leia mais

1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes.

1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes. 1- Exercícios 1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ 150.000 na conta de clientes. ATIVO Disponibilidades $ 5.000 Clientes $ 150.000 (-) Prov. Devedores Duvidosos

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Ficha cadastral Pessoa Física

Ficha cadastral Pessoa Física Ficha cadastral Pessoa Física INFORMAÇÕES PESSOAIS *Grupo *Cota *Nome completo *CPF *Documento de identificação RG CNH CTPS Entidade de Classe Passaporte RNE RIC *Nº Documento/ Nº da Série *Órgão expedidor

Leia mais

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Disciplina CONTABILIDADE BÁSICA II CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 2º CCN Turno/Horário Noturno ALUNO(A): AULA Apostila nº Atos e Fatos Contabeis ATOS ADMINISTRATIVOS:

Leia mais

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE MENDES JUNIOR

Leia mais

Comissões Acresce Imposto Comissões Valores Sem Imposto Euros (min/máx) Valor Anual. 2. Comissão de Renovação , %

Comissões Acresce Imposto Comissões Valores Sem Imposto Euros (min/máx) Valor Anual. 2. Comissão de Renovação , % Entrada em vigor: 06-janeiro-2017 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes Crédito de Curto Prazo em Conta Corrente 1. Comissão de Abertura 0,75% 250,00 / 4% 2. Comissão de Renovação / Gestão 0,75% 250,00

Leia mais

TABELA DE TARIFAS PF

TABELA DE TARIFAS PF TABELA DE TARIFAS PF DIVULGADA EM: 01/05/2016 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 01/06/2016 O Presidente do Conselho de Administração da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Pérola do Vale

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARANA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2016.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARANA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2016. ATIVO Pág. : 1 Anterior... Débito...... Crédito... 1 ATIVO 43.958.761,78 1.844.249,50 2.782.292,85 43.020.718,43 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 19.160.546,58 1.449.176,24 2.354.991,47 18.254.731,35 D 1.1.1 CAIXA

Leia mais

TARIFAS MÁXIMAS - PESSOA JURÍDICA

TARIFAS MÁXIMAS - PESSOA JURÍDICA CADASTRO Confecção de cadastro para início de relacionamento TAR CADASTRO Elaboração de Ficha Cadastral 38,73 Serviço de proteção ao crédito TAR CONSULTA SPC/SERASA Serviço de proteção ao crédito/atualização

Leia mais

GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO

GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO 1. PESSOA FÍSICA CONSORCIADO / DOCUMENTAÇÃO Ficha Cadastral atualizada*; Cópia de RG e CPF; Comprovante de

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência ética

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III 3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO () UMA PEQUENA INTRODUÇÃO Enquanto o balanço patrimonial nos apresenta a situação econômica e financeira da empresa, demonstrando os saldos

Leia mais

DEMONSTRATIVO RECEITAS DESPESAS

DEMONSTRATIVO RECEITAS DESPESAS DEMONSTRATIVO DE RECEITAS E DESPESAS DESCRIÇÃO VALOR EM R$ % SALDO ANTERIOR 14.172,50 0,00% Receitas Taxa de Condominio - REF. AO MÊS 02/2016. 800,00 3,31% Taxa de Condominio - REF. MÊS 04/2016 1,66% Taxa

Leia mais

D I P J Ficha 01 - Dados Iniciais. Ficha 02 - Dados Cadastrais

D I P J Ficha 01 - Dados Iniciais. Ficha 02 - Dados Cadastrais MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Ficha 01 - Dados Iniciais D I P J 2010 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA CNPJ: 73.631.988/0001-60 Optante pelo

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

Com a leitura ótica não é necessária a digitação dos dados demonstrados no tópico 11. 1

Com a leitura ótica não é necessária a digitação dos dados demonstrados no tópico 11. 1 1. SIAFI ATULF ( Geração da Lista de Fatura ) 1 TIPO DE LISTA: 2 ( EXTRA-SIAFI ) OPÇÃO DE PAGAMENTO: 1 ( CONCESSIONARIAS / TRIBUTOS / CARNES E ASSEMELHADOS ) ENTRADA DE DADOS: 1 ( MANUAL ) 2 BANCO: 001

Leia mais

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1)

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1) 11-Quadro de Estrutura Decisões 2009/1 Criação Aumento Capital 1 500 000 Dividendos Distribuídos Empréstimo 1: Montante Empréstimo 1 : Duração Empréstimo 1: Juros Empréstimo 2: Montante Empréstimo 2: Duração

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

Endividamento e Disponibilidades

Endividamento e Disponibilidades Relatório Endividamento e Disponibilidades MAIO 2015 ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da Dívida a Terceiros 8 Limite da dívida

Leia mais

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00 Comentários Tropa Prof. Celso Fleming Contabilidade 1) Ao se fazer a auditoria da conta Caixa da Empresa Irmãos Metralhas S/C Ltda., forma identificadas as seguintes irregularidades: 1) Houve uma omissão

Leia mais

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES)

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) 16.1. Remessas documentárias Cobranças e descontos de exportação 1. Comissão - Remessas à cobrança 0,26% (67,50 / 270,00) 2. Comissão - Remessas descontadas c/ documentos 0,26% (67,50 / 270,00) 3. Comissão

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

ORDEM DOS ADV. BRASIL - DF - OAB/DF CNPJ: / Siscontw - v

ORDEM DOS ADV. BRASIL - DF - OAB/DF CNPJ: / Siscontw - v Página : 350 2 SISTEMA FINANCEIRO 7.860.041,21C 10.482.757,81 8.350.356,82 5.727.640,22C 2.1 ATIVO FINANCEIRO 11.020.907,81D 8.422.506,35 6.327.754,64 13.115.659,52D 2.1.1 DISPONÍVEL 1.575.253,27D 8.361.434,18

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade III CONTABILIDADE Objetivos Praticar os conceitos até aqui discutidos. Enxergar a aplicação da legislação vigente na prática. Exercício completo Vimos em unidades anteriores

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ é

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Cotistas BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A) (1)

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Resultados R$ Milhões

Resultados R$ Milhões 1 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido 2 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido Ajustado CAGR: 13,6%aa CAGR: 30,1%aa 3 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido Trimestral Recorrente 4 Resultados R$ Milhões Patrimônio

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Aposentados e pensionistas de espécies consignáveis que recebam pelo INSS.

PÚBLICO ALVO: Aposentados e pensionistas de espécies consignáveis que recebam pelo INSS. 08/12/2016 PÚBLICO ALVO: Aposentados e pensionistas de espécies consignáveis que recebam pelo INSS. MARGEM A SER UTILIZADA: Consultar Hiscon ou Detalhamento de Crédito. 30% do salário LIMITE DE IDADE ANALFABETOS,

Leia mais

CDD: 657 AC:

CDD: 657 AC: Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade : revisão balanço patrimonial e DRE / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 17 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

Receita Federal. Contabilidade Lista 2. Prof. Anderson Exercícios:

Receita Federal. Contabilidade Lista 2. Prof. Anderson Exercícios: 5.2 - Exercícios: 01. (AFTE/RN 2005 ESAF) Assinale a opção que responde corretamente à questão. ***AJUSTADA*** São grupos e subgrupos que fazem parte do ativo no balanço patrimonial: a) Circulante, Créditos,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, no uso de suas atribuições legais, expede a seguinte orientação aos CONRE:

O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, no uso de suas atribuições legais, expede a seguinte orientação aos CONRE: INSTRUÇÃO CONFE Nº 23, de 26 de janeiro de 1977 ORIENTA OS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA QUANTO NOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PREVISTOS NA RESOLUÇÃO CONFE Nº 70, DE 06 DE JANEIRO DE 1977. O CONSELHO

Leia mais

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH Prof. Haroldo Vale Mota 2013 A DINÂMICA DO AMBIENTE COMPETITIVO O setor de saúde está passando por um processo de transformação, com destaque demanda ainda

Leia mais

D I P J Ficha 01 - Dados Iniciais. Ficha 02 - Dados Cadastrais

D I P J Ficha 01 - Dados Iniciais. Ficha 02 - Dados Cadastrais MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Ficha 01 - Dados Iniciais D I P J 2011 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA CNPJ: 55.557.193/0001-78 Optante pelo

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt Contas.cnt 01. Com relação à situação patrimonial, assinale a opção INCORRETA. a) A compra de matéria-prima a prazo provoca aumento no Ativo e no Passivo. b) A integralização de capital em dinheiro provoca

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

Unidade II. 4. Compra de automóvel para entrega por R$ 200 a prazo.

Unidade II. 4. Compra de automóvel para entrega por R$ 200 a prazo. Unidade II Unidade II 2 BALANÇOS SUCESSIVOS COM OPERAÇÕES QUE ENVOLVEM CONTAS DE ATIVO, PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Este processo baseia-se no fato de que, após a realização de uma operação, é feito um

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais