Key-words: School of Commerce; Rio de Janeiro; Bahia; Maranhão; Pernambuco.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Key-words: School of Commerce; Rio de Janeiro; Bahia; Maranhão; Pernambuco."

Transcrição

1 TÍTULO: As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. RESUMO Um fato que a literatura no Brasil desconhece é sobre a origem das Aulas do Comércio. Estas Aulas foram de fundamental importância para a difusão da contabilidade no Brasil no século XIX, mas pouco se conhece sobre a sua origem. E então, nos indagamos: Qual o motivo de a literatura não abordar essas Aulas? Consta na literatura que a criação da Aula do Comércio deu-se pelo Alvará 15/09/1809, no Governo de D. João, mas referencia Ricardino (2001) que sobre a criação dessas Aulas permanece uma incógnita sua localização, programa e corpo docente. Este trabalho tem por objetivo mostrar como se deu a criação das Aulas do Comércio no Brasil e quem foram os seus primeiros Lentes (professores) no período do Governo de D. João (1808 a 1821). A pesquisa adotou como metodologia uma abordagem qualitativa baseada em textos e documentos encontrados no Arquivo Nacional, Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro e na Escola Secundária Passos Manoel, em Lisboa, por ser o método possível para remontar uma história com mais de 200 anos de atraso. Como resultado da pesquisa, identificamos que as Aulas foram criadas na cidade do Rio de Janeiro, na província da Bahia, Maranhão e Pernambuco e que os Lentes das Aulas do Rio de Janeiro, Maranhão e Pernambuco estudaram na Aula do Comércio de Lisboa. Outro fato relevante é que as Aulas do Comércio contribuíram na preparação de profissionais para trabalhar tanto nas Repartições públicas como privadas. Foi também por meio dos ensinamentos nas Aulas do Comércio que José Antonio Lisboa contribuiu para difundir a Contabilidade e a Economia Política no Brasil. Palavras-chave: Aula do Comércio; Rio de Janeiro; Bahia; Maranhão; Pernambuco. ABSTRACT: A fact that is unknown to Brazilian literature is the origin of the School of Commerce. Although little is known about its origin, this school was of fundamental importance in the transmission of accounting in Brazil in the XIXth Century. Thus, we end up questioning ourselves: Why haven t there been any studies on this School? Although the School of Commerce was created through the 15/09/1809 Charter, during the reign of D. João, according to Ricardino (2001) its location, programme and faculty is still unknown. This paper seeks to show how the Brazilian School of Commerce was created and who were the first professors during the reign of D. João (1808 until 1821). A qualitative research methodology was used (Silverman 1997), based on texts and documents found in the National Archive, National Library, in the Passos Manoel Highschool in Lisbon, since it is the only possible means of doing research on a subject over 200 years old. As a result of the research it has been concluded that the Schools were created in Rio de Janeiro, in the Bahia province, in Maranhão and Pernambuco and that the Professors in the School of Rio de Janeiro(José Antonio Lisboa), Maranhão and Pernambuco (Francisco Justiniano da Cunha) had studied in the Lisbon School of Commerce. Another relevant fact is that the School of Commerce has contributed to preparing professionals to work both in the Public and Private sector. It was also through the teachings of the School of Commerce that José António Lisboa has contributed to the transmission of Accounting and Political Economics in Brazil. Key-words: School of Commerce; Rio de Janeiro; Bahia; Maranhão; Pernambuco. 1

2 1. Introdução 1 As Aulas do Comércio do Brasil foi o propósito deste trabalho. E para entender e compreender qual foi o contexto em que estas Aulas foram criadas nos questionamos se antes da chegada de D. João ao Brasil já existia na Colônia Brasil profissionais com conhecimentos em práticas contábeis. Encontramos em nossas pesquisas de que já existia sim, na época do Reinado de D. José, determinações feitas pelo Marquês de Pombal para se ter uma administração financeira organizada das receitas e das despesas tanto na Metrópole como nas colônias, conforme referencia o Ministro da Marinha, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, ao Governador Conde da Cunha. Cita ele que: em 17 de Março de 1767 foram expedidos dois peritos em contabilidade e que traziam por incumbência por em arrecadação todos os rendimentos dessa Capitania e da Administração da Junta de Fazenda, pondo tudo na conformidade do que se pratica no Erário Régio (...) (Carnaxide, 1940, p. 109). Outro fato importante e que demonstra ter-se conhecimento sobre escrituração contábil é o Relatório encaminhado pelo Marquês de Lavradio, Vice-Rei do Brasil no período de 1769 a 1779, ao seu sucessor, vice-rei Luiz de Vasconcelos e Sousa onde ele faz um relato sobre a situação do tipo de comércio existente na colônia Brasil. Neste relatório ele faz observação sobre as Aulas do Comércio existente em Portugal: (...) os negociantes que aqui passam por mais ricos, (...) têm constituído a sua riqueza e o seu fundo no maior comércio de comissões, que tem tido, isto é, de fazendas e navios que lhes tem sido consignados. (...) não posso considerar as suas casas como casas de comércio, porque é preciso saber que eles ignoram o que é esta profissão, que eles nem conhecem os livros que lhe são necessários, nem sabem o modo de regular da sua escrituração. Hoje, depois que houve Aula do Comércio, tem aparecido já alguns caixeiros (grifo nosso) que tem pôsto em melhor ordem aqueles livros; porém a maior parte se conservam ainda em grande desordem (Lavradio, 1940, p. 306). A Aula do Comércio à qual o Marquês de Lavradio se refere é a Aula do Comércio de Lisboa, criada em 1759 pelo Marques de Pombal. Podemos, assim, afirmar que antes da chegada do príncipe regente D. João ao Brasil, já existia por parte da autoridade, o vice-rei do Brasil, Marquês de Lavradio, conhecimento da existência da Aula do Comércio e do que nela se ensinava. Pudemos observar no relatório de Lavradio (1940) que já existiam na colônia profissionais com conhecimento em escrituração mercantil (contabilidade) os quais ele 1 Utilizaremos em todo o texto citações conforme a escrita da época. 2

3 denomina de caixeiros. Outro fato interessante que consta no Relatório é a alusão ao fato de que o Tesoureiro Geral do Tribunal da Junta da Fazenda Real tem conhecimento em escrituração contábil: (...) o escrivão é João Carlos Correia Lemos, homem muito inteligente, assim no cálculo como na regularidade da escrituração que deve ter os diferentes livros de que se precisa para uma tão importante administração (...). Referencia Wehling, (1986, p.114) que a contabilização das receitas e despesas na junta de fazenda deveria abandonar-se, por toda a Europa e também em Portugal, as regras antigas da contabilidade, substituindo-as por novos métodos, em especial a partida dobrada. Antes da chegada de D. João ao Brasil, muitos negociantes mandavam seus filhos estudarem na Aula do Comércio de Lisboa (Santana, 1985). Em pesquisa realizada no Arquivo da Escola Secundária Passos Manoel, identificamos quem foram estes alunos, qual o estrato social de seus pais e suas cidades de origem no Brasil. Concluímos que já existiam pessoas com conhecimento em contabilidade na colônia Brasil antes da chegada de D. João para trabalhar tanto na esfera pública como na privada. Diante do exposto, nos questionamos: o número de profissionais com entendimento em práticas contábeis existentes na colônia era suficiente para trabalhar nos novos órgãos públicos criados por D. João e nas novas empresas que iriam surgir após a abertura dos portos? Chegamos à conclusão de que foi levando em conta esta nova demanda é que se foi pensada a abertura das Aulas do Comércio no Brasil. Este trabalho, então, teve por objetivo mostrar como se deu a criação das Aulas do Comércio no Brasil e quem foram os seus primeiros Lentes 2 (professores) no período do Governo de D. João (1808 a 1821), no intuito de preencher uma lacuna ainda pouco explorada na literatura brasileira sobre as Aulas do Comércio. 2. Justificativa A literatura em Portugal é vastíssima sobre a Aula do Comércio, mas o mesmo não acontece no Brasil. A literatura brasileira, quando aborda o tema ensino público criado no Governo de D. João VI, desconhece completamente as Aulas do Comércio. Estas Aulas foram de fundamental importância para a difusão da contabilidade no Brasil no século XIX, mas pouco se conhece sobre a sua origem. As Aulas do Comércio do Brasil ficaram em funcionamento de 1809 até 1845 sendo regida pelos Estatutos da Aula do Comércio de Lisboa, mas sobre a supervisão da Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação do 2 Lente - Equivalente à época para professor. 3

4 Brasil 3. No período citado, a Aula teve 21 Cursos abertos e aproximadamente 900 alunos matriculados (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 01). A primeira desvinculação do Estatuto da Aula de Lisboa ocorreu só no ano de 1846, pelo Decreto nº 456 de 6 de Julho de 1846, quando as Aulas do Comércio passaram a ter seus próprios regulamentos. Em 1856, quando da publicação do Decreto nº 1.763, de 14 de Maio de 1856 e da publicação dos Estatutos da Aula do Comércio, mudando a sua denominação de Aula do Comércio da Côrte para Instituto Comercial do Rio de Janeiro. Estas Aulas duraram 37 anos e, apesar de várias mudanças governamentais (D. João, D. Pedro I, a Regência e Pedro II), elas continuaram em funcionamento preparando pessoas qualificadas para trabalhar tanto nas instituições públicas como privadas. Para este artigo, limitar-nos-emos a estudar o governo de D. João (1808 a 1821), ficando os demais governos para futuras investigações. 3. Metodologia Para alcançarmos o objetivo proposto, este estudo teve um caráter descritivo. Cervo, Bervian e Silva (2007, p. 61) afirmam que este tipo de pesquisa observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los. A pesquisa adotou como metodologia a abordagem qualitativa por ser o método desenhado para ajudar os investigadores a compreender as pessoas e os contextos sociais complexos nos quais as pessoas vivem e interagem (Vieira et al. 2009, p 132). Nesta mesma perspectiva de também compreender a «nova história da contabilidade» que nos permite compreender novos temas, novas formas de escrever a história, destacando os contextos em que a contabilidade opera e a diversidade de atores que atuam sobre a contabilidade e que por ela são influenciados Gomes e Rodrigues (2009, p. 218) foi o propósito deste trabalho. Espera-se com este trabalho tirar do anonimato as instituições e pessoas que contribuíram para a difusão da contabilidade no Brasil através de fontes primárias utilizando textos e documentos Silverman, (1997) encontrados no Arquivo Nacional e Biblioteca Nacional, no Brasil e na Escola Secundária Passos Manoel, em Lisboa, por ser o método possível para remontar uma história com mais de 200 anos de atraso. 4. Antecedentes sobre a criação da Aula do Comércio de Lisboa 3 Onde se lê neste trabalho Junta do Comércio equivale a dizer Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação-JCAFN. 4

5 Antes de entendermos como surgiram as Aulas do Brasil, faz-se necessário entendermos e compreendermos como surgiu a Aula do Comércio de Lisboa, pois foi dela que se originou as Aulas do Brasil. O surgimento da Aula do Comércio de Lisboa deu-se no reinado de D. José ( ) que tinha como primeiro ministro o Marquês de Pombal. Este foi influenciado pelas ideias mercantilistas inglesas e francesas que, de certa forma, influenciaram o surgimento da Aula do Comércio (Rodrigues e Craig, 2004). Outro aspecto que influenciou a criação desta Aula foi o atraso na indústria e a decadência do comércio, que apresentava um número baixíssimo de comerciantes portugueses e incultos (Rodrigues e Gomes, 2002), alguns dos quais sequer sabiam ler ou escrever (Azevedo, 1928). Como então, poderia Portugal concorrer economicamente e financeiramente com os outros países Europeus com este quadro de comerciantes? Referencia Santana (1985) que foi em virtude do período de euforia comercial e integrada ao esforço pombalino de remodelação administrativa e criação de companhias monopolistas a ideia da criação da Aula. Já Rodrigues et al. (2007), por sua vez, asseveram que o Marquês de Pombal criou a Aula do Comércio com o objetivo de melhorar o estado geral da educação em Portugal, nela incluídos os negociantes. Encontramos uma vasta literatura portuguesa sobre a Aula do Comércio de Lisboa na qual embasamos nossa pesquisa, entre elas: Felismino (1960), Martins (1960), Azevedo, (1961), Santana, (1974, 1985 e 1989), Cardoso (1984), Rodrigues e Gomes (2002), Rodrigues et al., 2004), Rodrigues e Craig, (2004 e 2009), Gomes, (2008), Rodrigues et al., (2007) e Gonçalves, (2010 e 2011). Analisar essas investigações nos possibilitou compreender o como e o porquê do surgimento desta Aula e como ela influenciou a criação da Aula do Comércio do Brasil. A Aula do Comércio de Lisboa teve a sua origem no Capítulo XVI dos Estatutos de criação da Junta do Comércio, pelo Decreto de 30 de Setembro de 1755, quando referenciava a necessidade de se criar uma Aula. A Aula surge em 19 de Maio de 1759 e, segundo Rodrigues et al., (2003b), nasce, legalmente, a primeira escola de comércio e de contabilidade, que foi simultaneamente a primeira escola técnica criada em Portugal. A Aula do Comércio de Lisboa ficou em funcionamento de 1759 até 1844 quando perdeu essa designação e tomou a de Escola de Comércio ou Secção Comercial quando foi anexada ao Liceu Nacional de Lisboa após oitenta e cinco anos de labor (Azevedo, 1961, p. 18). A Aula do Comércio tinha tanta importância para aquela época, que D. José e o Marquês de Pombal muitas vezes assistiam aos exames finais e à abertura do Curso. D. João VI, quando príncipe regente após 1799, também por diversas vezes esteve na Aula (Rodrigues et al. (2003b). 5

6 Mesmo com a morte de D. José e a saída do governo do Marquês de Pombal, a Aula continuava a ser criada em outras cidades no Reinado de D. Maria I, na cidade de Faro em 1791, na cidade do Porto em 1803 em Portugal (Santana, 1985). E foi também criada no Brasil, no Governo de D. João VI, na cidade do Rio de Janeiro em 1809, Bahia e Maranhão em 1814 e Pernambuco em 1821 nos mesmos moldes idealizados pelo Marquês de Pombal em Na próxima seção iremos fazer uma pequena contextualização sobre a situação da colônia Brasil antes da chegada de D. João. 5. Contexto histórico antes da chegada de D. João ao Brasil O período que antecede a criação da Aula do Comércio no Brasil é de instabilidade econômica na Europa em virtude do Bloqueio Continental imposto pela França à Inglaterra. Esse bloqueio ocasionou a invasão francesa em Portugal, obrigando a mudança de toda a Família Real e sua Côrte para a colônia Brasil. A Colônia Brasil, antes da chegada de D. João, era governada por Vice-Reis enviados de Portugal, os quais tinham autoridade quase que absoluta. D. João, ao chegar à colônia Brasil, teve que transformá-la em Metrópole e, para isso, uma das primeiras medidas foi abrir os portos do Brasil para estimular o comércio. Outra medida foi a liberação de instalação de fábricas, o que antes era proibido, com o intuito de que o comércio prosperasse e a instalação de vários órgãos administrativos e financeiro. Nas próximas seções, iremos mostrar como surgiram as Aulas do Comércio no Rio de Janeiro, Bahia, Maranhão e Pernambuco. 6. Aulas do Comércio do Brasil A criação da Aula do Comércio deu-se pelo Alvará de 15 de Setembro de 1809, no Governo de D. João. Ricardino (2001) assevera que sobre a criação dessas Aulas permanece uma incógnita sua localização, programa e corpo docente e referencia Santana (1974, p. 4) que algumas Aulas são completamente desconhecidas (...) é o caso de Francisco Justiniano da Cunha e da Aula do Maranhão. Na literatura existe um desencontro de informações quanto à data correta do surgimento das Aulas do Comércio no Brasil, no Rio de Janeiro, na província da Bahia, do Maranhão e de Pernambuco. Referenciam Rodrigues (1989), Ricardino (2001) e Ericeira (2003) que a primeira Aula do Comércio do Maranhão teve início em Referencia Ricardino (2001) que curiosamente, a bibliografia a respeito de tais aulas, especificamente no Rio de Janeiro, é mínima e o primeiro Lente da Aula do Maranhão foi Francisco Justino da Cunha e que teve circunstâncias bastante curiosas. Viveiros (1954) apud Ricardino (2001, 6

7 p. 7) referencia que a Aula do Maranhão foi entregue a um homem incompetente, que durante nove anos usufruiu o cargo, sem nada ensinar (...) ele também referencia que o Lente da Aula era tão inábil para as lições e exercícios da Aula mas até nem sabe Gramática e Ortografia da língua materna (...). Chaves (2007, p. 270) referencia que em Salvador, a Aula do Comércio teve início no ano de 1815, com Genuino Barbosa Bettânio e Rodrigues (1989) referencia que foi em 1813, à provável data de funcionamento da Aula de Comércio na Bahia e em Pernambuco. Silva (1994) referencia que a Aula da Bahia foi criada no dia 8 de Maio de 1811 e que logo em seguida deve ter-se pensado na criação de uma outra em Pernambuco. Para Chaves (2007, p. 269) a Aula de Pernambuco foi criada no ano de 1816 e que o cargo foi preenchido por Manoel Luis da Veiga. Santana (1985, p. 30) referencia que o ensino comercial no Brasil inicia-se no Rio em 1809, amplia-se com as Aulas da Bahia e do Maranhão, que começaram a funcionar em 1814, e, próxima já à separação de Portugal, com a Aula de Pernambuco, criada em Diante de várias informações iremos mostrar, por meio de fontes primárias, a real data de criação destas Aulas no Brasil, bem como elencar seus primeiros Lentes. A Aula do Comércio era considerada de utilidade pública. Os pretendentes ao cargo de Lente deveriam demonstrar ter competência para ocupar o cargo conforme determinava os Estatutos da Aula do Comércio he de tão importante consideração pela utilidade, que delle deve resultar ao Bem commum destes Reynos, que, por si mesmo se faz recommendavel para a eleição de pessoa, que bem o possa servir (...). Mais adiante será relatado como e de que forma foram selecionados os Lentes das Aulas do Comércio do Brasil. Para o lugar de Lente, deveria o candidato ser submetido a exame sobre as matérias ensinadas nas Aulas do Comércio (Aritmética, Câmbio, Peso e Medidas, Seguros e método de escrever os livros por partidas dobradas). O curso era trienal e era regido por um único Lente com ordenado anual de 500$000 mil réis. Os Alunos que pretendiam cursar a Aula do Comércio deveriam fazer um rigoroso exame de admissão demonstrando que sabiam ler, escrever, contar e comprovar ter idade de 14 anos. O Lente, após examinarem os alunos, encaminhava a relação dos alunos aprovados para a Junta do Comércio a qual, automaticamente, mandava passar provisão de matrícula. Ao final de cada ano letivo, os alunos faziam um exame público com uma banca composta por 03 examinadores nomeados pela Junta do Comércio na cidade Rio de Janeiro; nas províncias, a nomeação era de responsabilidade da Mesa de Inspeção. No final do curso, os alunos recebiam uma carta de 7

8 aprovação constando que estava provido para trabalhar em qualquer emprego público ou particular. 6.1 Criação da Aula do Comércio do Rio de Janeiro A primeira Aula do Comércio foi criada na cidade do Rio de Janeiro pelo Alvará 15/09/1809. O primeiro Lente foi José Antonio Lisboa, ex-aluno da Aula do Comércio de Lisboa e grande negociante na colônia Brasil. Devido a sua competência foi convidado para ocupar o cargo de primeiro Lente em virtude da sua larga experiência na área. Ele foi nomeado no dia 19/08/1809, com o ordenado anual de 500$000 (quinhentos mil reis) (BR AN, JCAFN: 7X, Caixa 419), mas só foi confirmada a sua nomeação com a emissão da Resolução de 23/01/1810 (BR AN, JCAFN: 7X, Caixa 452, Pct 02). Ao tomar posse, José Antonio Lisboa foi informado pela Junta do Comércio que deveria seguir os Estatutos da Aula do Comércio de Lisboa, com exceção dos feriados, conforme consta no (...) despacho de 10 de Fevereiro do presente anno [1810] de observar o que está determinado pelos estatutos praticados em Lisboa, e a respeito dos feriados o estilo das Aulas deste Paiz (...) (BR AN,JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 02). O curso iniciou as suas aulas na Rua da Alfândega, nº 15, no 2º andar, no período da manhã. O primeiro curso iniciou as aulas no ano de 1811, com 37 alunos matriculados (BR AN, JCAFN: 7X, Caixa 452, Pct 02) superando desde já o limite de 20 alunos permitido nos Estatutos. No período de 1811 até 1822 foram matriculados 199 alunos, dos quais apenas 72 alunos concluíram o curso. José Antonio Lisboa era um homem muito inteligente tanto na área do comércio como na área financeira e econômica. Em 5 de Março de 1821, o Rei D. João VI nomeia-o para fazer parte de uma comissão para examinar o estado do Banco do Brasil. Neste mesmo ano, o Rei D. João jubila José Antonio Lisboa como primeiro Lente da Aula do Comércio. Após seu jubilamento, ele encaminha um relatório no dia 2 de Julho de 1821, para a Junta do Comércio informando as suas atividades como Lente das Aulas do Comércio. Neste relatório ele informa as matérias que ensinava, os Compêndios e as Postilas utilizados nas aulas. Neste relatório ele faz questão de assinalar que, além de ensinar as disciplinas que era obrigado a ensinar pelos Estatutos: Aritmética, Álgebra, Comércio, e Escrituração de Livros, acrescentou ao ensino os princípios da Geometria plana, da Geografia e de Economia Política. Para o ensino da Escrituração, ele simulava uma Casa de Comércio estabelecida no Rio de Janeiro em giro e correspondência com aquelas Praças e Portos de mar, com quem mais ordinariamente costuma comerciar. No fim de cada uma das matérias ele fazia os alunos 8

9 copiar e decorar um resumo por perguntas e respostas de tudo quanto havia aplicado, para que o aluno memorizasse as doutrinas e as regras que tinha aprendido, mas também para acostumar os Principiantes a exprimir as suas ideias. No final, conclui que diversos alunos que frequentaram a Aula estavam empregados em diversas Repartições públicas, demonstrando a importância que tem dado a Aula do Comércio para o Estado e a Causa Pública. Encerra o seu relatório doando para a Junta do Comercio 03 Compêndios e 26 Postilas muitas destas compostas por ele para suplemento ou recapitulação das matérias (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452 Pct 01). José Antonio Lisboa, quando encaminhou seu Relatório para Junta do Comércio, informou ter utilizado o 2º Tomo de Manoel Teixeira Cabral de Mendonça para o ensino das Partidas Dobradas. O que nos chama a atenção é que o 2º Tomo só foi publicado no ano de 1816, conforme referencia Silva (1862, p. 118). Acreditamos que para o 1º Curso ( ) e 2º Curso ( ) não seria possível a utilização deste Compêndio. Dá-nos a entender que ele poderia ter utilizado para ensinar as Partidas dobradas nestes dois primeiros Cursos duas possibilidades: primeira, a Postila utilizada por ele quando aluno da Aula do Comércio de Lisboa e a segunda, ele poderia ter utilizado para elaboração das suas postilas os livros de contabilidade de Manoel Luis da Veiga, já disponível na época para venda deste 1810, conforme consta na seção de Aviso da Gazeta do Rio de Janeiro, Nº 33, de 25 de Abril de 1810, pg. 4 Na Loja de Paulo Martin, filho, se achão as seguintes obras: (...) Guia de Negociantes, e de guarda livros, ou novo Tratado os Livro de contas em partidas dobradas, com huma instrucção geral para os guarda, segundo o methodo hoje em pratica, por 1280 reis Escola Mercantil sobre o Commercio assim antigo como moderno, por Manoel Luiz da Veiga, por 4800 reis Novo Methodo de Partidas dobradas para uso de quem não tiver frequentado a Aula do Commercio, por Manoel Luiz da Veiga, por reis (BN RJ, PR_SOR_001_749664). Apesar de os livros de Manoel Luis da Veiga já existirem desde o ano de 1810, a Junta do Comércio recusou sua admissão como compêndio de referência nas Aulas do Comércio, como será relatado mais adiante. Após a saída de José Antonio Lisboa, em 16 de Maio de 1821, assume a cadeira de Lente interinamente o Lente substituto João Theodoro Ferreira e, como Inspetor da Aula do Comércio, a Junta nomeia o Deputado da Junta do Comércio José da Silva Lisboa (Futuro Visconde de Cairú) e autor do livro de Economia Política ensinado na Aula do Comércio. Com o cargo de Lente vago, a Junta do Comércio manda divulgar Edital para o preenchimento do cargo vago. A Junta do Comércio recebeu requerimento de três candidatos. 9

10 O primeiro, Domingos Joaquim de Araujo Ozorio, foi ex-aluno aprovado da Aula do Comércio de Lisboa e atualmente aluno do Curso da Academia da Marinha no Rio de Janeiro; o segundo, Joaquim José Gomes da Silva, escriturário da Contadoria do Banco do Brasil e exaluno do 3º Curso ( ) da Aula do Comércio do Rio do Janeiro e o terceiro, Angelo José Saldanha, 3º Escriturário do Tesouro Nacional e ex-aluno do 1º Curso ( ) da Aula do Comércio do Rio de Janeiro. A Junta determinou a data de 20/06/1822 para os exames, sendo os examinadores o Lente jubilado, José Antonio Lisboa e o Lente Substituto, João Theodoro Ferreira. Os exames foram sobre Aritmética, Álgebra, Equação do 2º grau, Escrituração e Geografia comerciante. Dentre as matérias lecionadas na Aula, foram sorteados os seguintes temas de dissertação: Seguro, para o candidato Joaquim José G. da Silva e Câmbio para Domingos Joaquim de Araujo 4. Os dois examinadores chegaram ao seguinte parecer: havendo examinado aos dous Candidatos para a Cadeira do Commercio Joaquim José Gomes da Silva e Domingos Joaquim de Araujo, tanto hum como o outro achamos dignos, e capazes de serem nomeados para Lentes da referida Cadeira (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452 Pct 01). O Inspector da Aula José da Silva Lisboa encaminhou o parecer para a Junta do Comércio que, analisando os dois candidatos, deu despacho no dia 20/08/1822 para que se passasse provisão para assumir o cargo de Lente da cidade do Rio de Janeiro a Joaquim José Gomes da Silva com o ordenado de 500$000 anuais (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452 Pct 01). Esta foi a forma como se deu a criação da primeira Aula do Comércio do Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, quem foram os seus primeiros professores, quais matérias eram ensinadas e os compêndios utilizados. Nas demais províncias, demorou um pouco mais para serem criadas as Aulas do Comércio devido à dificuldade de se encontrarem professores no Brasil. A segunda Aula do Comércio no Brasil foi criada na província da Bahia, como veremos na próxima seção. 6.2 Criação da Aula do Comércio da Bahia A primeira Aula do Comércio foi criada na cidade do Rio de Janeiro, mas a Junta do Comércio também queria que houvesse esse tipo de Aula em outras províncias. E foi no dia 30/10/1810 que a Junta do Comércio mandou que se passasse Provisão para que a Mesa de Inspeção da Bahia divulgasse, por meio de Edital, a abertura de uma Aula do Comércio naquela província se he de crear a beneficio de Instrucção publica huma Aula de Comercio, e 4 Consta no BR AN, JCAFN:7X, CX 452, Pct 01 os dois exames dos candidatos. 10

11 que concorrão a se aprover ao lugar de Lente aquelas pessoas, que tiverem conhecimentos (...) e tirado as informaçoens sobre cada hum delles, remetta com o seo parecer os requerimentos, que apresentarem (...) (BR AN, JCAFN:7X: Caixa 419, Pct 01). Como não houve candidato para preenchimento do cargo, a Junta do Comércio Agricultura, Fábricas e Navegação do Brasil, encaminhou pedido à Junta do Comércio de Lisboa para publicar Edital na esperança de se encontrar pretendentes ao cargo vago na província da Bahia e Pernambuco. Os Editais foram publicados em 1812 e republicados em 1813 (BR AN, JCAFN: 7X, CAIXA 452, Pct 01), mas mesmo assim, não apareceram pretendentes em Lisboa. Genuino Barbosa Bettâmio, vendo que não aparecia pretendente ao cargo de Lente, encaminha requerimento em Ele não tinha conhecimentos em práticas contábeis, ele era Matemático, mesmo assim a Junta do Comércio determinou que ele fizesse os exames para a vaga da Bahia. Um dos seus examinadores foi João Theodoro Ferreira, segundo contador da Contadoria da Junta do Comércio e Lente Substituto, nos impedimentos e moléstia de José Antonio Lisboa. No exame que fez, Genuino B. Bettâmio apresentou um esboço sobre Escrituração por Partida Dobrada, de Edmond Degrange, que deixou os avaliadores impressionados com o modelo apresentado. Ele foi nomeado em 07 de Junho de 1814, como Lente da Aula da Bahia com ordenado anual de 500$000 (quinhentos mil reis). O lº Curso teve início em Não encontramos a quantidade de alunos matriculados para o 1º Curso, só encontramos para o 2º Curso que teve para o 1º ano ( ) 23 alunos matriculados e destes, só 05 aprovados. Devido aos impedimentos e moléstias de Genuino Barbosa Bettâmio, a Mesa de Inspeção da Bahia nomeou para Lente Substituto, em 31/03/1818, Euzébio Vanério. Antes de ter sido nomeado para Lente substituto, Euzébio Vanério era convocado pela Mesa de Inspeção para ser examinador dos exames finais dos alunos da Aula do Comércio da Bahia. Após assumir o cargo de Lente Substituto, Euzébio Vanério entregou vários requerimentos à Mesa de Inspeção da Bahia aviltando a imagem de Genuino Barbosa Bettâmio. Um dos primeiros requerimentos encaminhados foi em 18/06/1818, no qual ele assevera que o "desleixo do Lente Effectivo Genuino Barbosa Betamio, que pela sua irregular conducta, e aparentes moléstias, tem dado causa não só a parar o Curso da mesma Aula, por muitas vezes, mas até mesmo reduzida a hum ponto de discredito tal, que se faz digno de sensura publica" e neste mesmo requerimento ele promete melhorar a Aula do Comércio com 11

12 mais prática de escrituração e o ensino da Língua Viva e junto encaminha outra vez o "Plano de huma aula de commercio theorica e pratica"( BR AN, JCAFN: 7X, Caixa 451- Pct 01). Devido aos vários requerimentos entregues por Euzébio Vanério, a Junta do Comercio decide mandar que a Mesa de Inspeção investigue se as acusações procedem ou não. Em resposta à Mesa de Inspeção sobre as acusações de Euzébio Vanério, Genuino consegue provar a sua inocência e continua na Cadeira. E quem perde o cargo de Lente Substituto é Euzébio Vanério. Em 1820, Genuino Barbosa Bettâmio encaminhou requerimento à Mesa de Inspeção propondo redução do curso de 3 anos para 2 anos, devido a já existirem vários Compêndios que abordavam as matérias ensinadas na Aula do Comércio. Então, ele fez a seguinte proposta para os dois anos: 1º Ano - Aritmética e Álgebra até as equações do 2º grau. 2º Ano Redução das moedas, pesos e medidas estrangeiras; câmbios, uso das Letras, Seguros, Avarias, Escrituração dos Livros e Geografia. O Lente Genuino Barbosa Bettâmio, foi contra a independência do Brasil e voluntariamente alistou-se como soldado junto a Tropa Lusitânia para fazer a guerra ao Brasil. Após expulsão das tropas Lusitânias em 2 de Julho de 1823, Genuino B. Bettâmio foge para Portugal perdendo, assim, o cargo de Lente da Aula do Comércio da Bahia. 6.3 Criação da Aula do Comércio do Maranhão Para a vaga do Maranhão, encaminhou requerimento o candidato Francisco Justiniano da Cunha, natural da cidade de Lisboa, filho de Manoel da Cunha. Foi matriculado, no dia 4 de Junho de 1799, com a idade de 13 anos, para cursar o Undécimo Curso da Aula do Comércio de Lisboa, onde foi plenamente aprovado pelos Estudos da Aula do Comércio conforme Carta de Aprovação datada de 07 de Junho de 1805 (BR NA, RIO, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 02 e Arquivo da Escola Secundária Passos Manoel). No Brasil, ocupou o cargo de escriturário da Real Fazenda da Bahia e foi também funcionário da Repartição do papel Sellado da Bahia. Ao saber dos Editais de criação da Aula do Comércio encaminhou vários requerimentos solicitando o cargo. Inicialmente, encaminhou requerimento para o cargo vago na Bahia (maio/1812). Como surgiram vagas em outras capitanias, encaminhou outro requerimento para os cargos vagos para a Bahia, Pernambuco ou Maranhão (Nov/1812). Como não obteve resposta, encaminhou outro requerimento para o cargo da Bahia e Maranhão (Maio/1813) e, por último, para Bahia e Maranhão (Out/2013). 12

13 Em 07 de Junho de 1814, a Junta do Comércio manda que o mesmo faça os exames, sendo seus examinadores o Deputado Luiz José de Carvalho e Mello, Diretor dos Estudos, o Lente da Aula do Comércio José Antonio Lisboa e José Antonio de Mira (BR NA, JCAFN:7X, Caixa 452 Pct 02). No dia 21 de Julho de 1814 ele fez os exames e foi julgado como suficiente para o cargo de Lente. No dia 19 de Agosto de 1814, Francisco Justiniano é nomeado (...) Lente da Aula do Comercio por seis anos para ter exercício na dita Praça do Maranhão, findo os quais se lhe renovará a Mercê, contanto por informação o seu bom comportamento, applicação, aproveitamento dos Alumnos, vencendo por isso ordenado anual de quinhentos mil reis pagos pelas contribuições estabelecidas para as despesas da minha Junta do Comercio (BN C-0431,041 nº 2). A posse de Francisco Justiniano só ocorreu no dia 02/10/1815 na presença de várias autoridades locais. O 1º Curso iniciou as aulas no ano com 22 alunos matriculados, destes foram aprovados no primeiro ano sete plenamente e quatro pela maior parte. Os demais 11 alunos foram obrigados a sentar praça no Regimento de Melícia e de Linha o que ficou o Lente indignado com a situação, encaminhando requerimento para a Junta do Comércio criticando a atitude do Ouvidor (BR AN, JCAFN:7X,Caixa 456, Pct 01). A bibliografia utilizada pelo Lente da Aula do Comércio do Maranhão foram as Postilas e livros utilizados na Aula do Comércio de Lisboa, como ele mesmo informa no requerimento para o cargo vago, no qual justifica merecer o cargo por ter todas as postillas, Livros, e papeis necessarios para o Estabelecimento da dita Aula de Lente (BR AN, JCAFN:7X; Caixa 452 Pct 02). A Aula do Comércio do Maranhão teve, muitas vezes, as suas despesas custeadas pelo Lente, o qual, em diferentes ocasiões, chegou a levar o seu escravo para trabalhar como porteiro da Aula. Para assistir aos exames finais do 1º Curso, compareceram mais de 200 pessoas (BR AN, JCAFN:7X,CAIXA 452 Pct 01) demonstrando o quanto era importante para aquela província a Aula do Comércio. Apesar dos esforços do Lente em manter a Aula do Comércio do Maranhão, a Aula só funcionou de 1815 a 1820, em virtude de o Lente Francisco Justiniano da Cunha ter sido acusado pelo Ouvidor da Província do Maranhão de não ter competência para exercer o cargo de Lente da Aula do Comércio, como segue: 1. Sendo Lente da Aula do Comercio desta cidade He tão inábil para as liçõens, e exercício da Aula, que ocupa, que ignora não só os rudimentos da Sciencia do Comercio, mas athe nem sabe a Gramatica, e Ortografia da Lingoas Materna, não tendo nem ao menos a habilidade de ocultar a sua inaptidão, que sientes disto os pais de Famílias ninguém lhe confia para esta instrucção e respectiva seus filhos. 13

14 2. Que por este motivo só concorrem para as matriculas da sua Aula a Mocidade, que pelo privilegio de Aulistas procurão escapar-se ao recrutamento do Regimento de linha e melicia; pois que outro fructo não esperão tirar dáquella Aula, onde as liçoens enchem huma só hora do dia, porem por empregar aquelle Lente todo o mais tempo em tirar nas imediaçõens desta Cidade, pedra para vender aos particulares em cujo trafico tem fundado o seu principal modo de vida. 3. Que nos Exames Publicos feitos o anno passado, não havendo Examinadores, foi elle mesmo quem passou a examinar publicamente os seus Discipulos, fazendo-lhes três, ou quatro perguntas triviaes, governano-se por hum caderno, que nunca perdeu dos holhos. Contente com este insignificante, e rediculo exame, em que o Examinante, e o Examinado fizerão igual figura, os deu por aprovados, e correntes nas Materias do terceiro ano, cujas Materias elle igualmente ignorava tanto que exigindo-lhe o Escrivão da Ouvidoria lhe declarasse como havião ser disignadas nos termos dos exames, lho não soube denotar. 4. Que o dito Lente ajuntava a esta sua ignorância hum gênio alteiro, e insubordinado, não querendo seder às advertências, e correcçoens do Ouvidor da Comarca, a quem na conformidade das instrucçõens, e Ordens Regias cumpre, e pretence a inspecção da ditta Aula e a fiscalização do aproveitamento dos Aulistas, e respectivos deveres do seu Lente(BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 02. Foram tantas as acusações contra Francisco Justiniano que o Secretario do Governo, Joaquim José Sabino, mandou averiguar a veracidade dos fatos em 25 de Janeiro de E em 9 de Fevereiro de 1820, a Junta do Comércio considerou Francisco Justiniano da Cunha culpado, suspendendo-o imediatamente do exercício, e sustando-lhe o ordenado após análise do parecer transcrito abaixo. (...) das mesmas testemunhas se verificarão todos os itens com toda a verdade e de maneira tal que não deixão lugar a menor duvida, visto que alguns dèlles são pessoas inteligentes da profissão do dito Lente por terem frequentado as Aulas do Commercio de Lisboa e Porto, (Grifo nosso) Negociante nesta cidade, e tem por (...) algumas dos Exames publicos feitos a seus Discipulos pelo mesmo Lente, e serem outros delles vizinhos da morada em que este habita. Mostra-se pois que o referido Lente não só não possue todas aquelles conhecimentos proprios de sua profissão, que deve ter para bem desempenhar as suas obrigações??? condignamente os (...) que recebe da Real Fazenda e bom aproveitamento de seus Discipulos,??até ignora a mesma Gramatica Portuguesa, resultando da que não querem os Seus Pais de familias mandar matricular na sua Aula seus filhos, por conhecerem a inhabilidade do mesmo (...)BR AN, JCAFN, Fundo 7X, Caixa 452, Pct 02 Inconformado com a decisão da Junta do Comércio, Francisco Justiniano da Cunha faz a sua defesa anexando declarações de várias autoridades da capitania do Maranhão, entre elas: autoridades eclesiásticas, militares, civis e o corpo de comércio, declarações dos pais dos alunos e dos próprios alunos sobre a sua conduta e competência para o cargo de Lente. Informa que da primeira turma formada já estavam trabalhando os alunos na Contadoria da Junta da Fazenda e outros nas Casas Comerciais (BR AN, JCAFN:7X; Caixa 452 Pct 02). Baseada nas informações e nos documentos anexados por Francisco Justiniano da Cunha, a 14

15 Junta do Comércio envia ao Maranhão o Desembargador da Relação Andre Gonçalves de Souza para que, em termos legais, examinasse o procedimento e habilidade do Lente da Aula do Comércio. A conclusão e a seguinte: O referido Lente na verdade he habil para exercer a leitura de huma Aula tão necessaria e proficua nesta cidade, a onde o Commercio mantem entre si e com as mais Naçoens, he o seu trafego Principal, e onde por isso se precisa instrução suficiente das Leis e estilo Mercantil, como tãobem o conhecimento da respectiva escripturação (danificado...) tanto util, quanto necessario ser lida por hum Lente habil e dotado de moralidade, pois que muitas vezes ha de ser chamado para os Laudos?. dos questoens, que se originão, disputão, e precisão ser decididos entre o Commercio: fazendose pois sumamente digno da Real Atenção de Vossa Magestade a escolha de hum Lente habil, que prehencha os seus deveres.parecer 12 de Fevereiro de 1820 e no dia 31 de Março de 1821, a Junta manda nomear Francisco Justiniano da Cunha para Lente da Aula do Comercio de Pernambuco (BR AN, JCAFN:7X; Caixa 452, Pct 02). Francisco Justiniano da Cunha consegue provar ter correspondido à expectação deste Tribunal e solicita que seja removido ao exercício para a Província de Pernambuco por se achar ainda por criar a Cadeira da Aula do Comeércio. Ele então é readmitido no cargo para ir criar na província de Pernambuco a Aula do Comércio. A Aula do Maranhão fica, então, suspensa do ano de 1820 até 1831, quando a Regência, em nome do Imperador o Senhor D. Pedro II, manda reabri-la pelo Decreto de 02 de Agosto de Criação da Aula do Comércio de Pernambuco A Real da Junta do Comércio, em Setembro de 1811, manda que se expeça Provisão para que a Mesa da Inspeção de Pernambuco, por Edital, possa criar uma Aula de Comércio (BR AN, JCAFN, CAIXA 419, Pct 01). Como não apareceu candidato no Brasil para preencher a vaga da Bahia e de Pernambuco, a Junta do Comércio solicitou ajuda à Junta de Lisboa em 1812, na esperança de encontrar algum ex-aluno da Aula do Comércio de Lisboa para as vagas existentes no Brasil, conforme foi relatado acima. No ano de 1816, apareceram dois pretendentes para o cargo vago: o primeiro foi João Ferreira da Silva e o segundo, Manoel Luis da Veiga. Iremos fazer um breve relato sobre estes dois candidatos, pois acreditamos que os dois tinham perfis suficientes para ocupar o cargo, tendo sido, no entanto, recusados. O primeiro candidato foi João Ferreira da Silva 5, ele era morador e Comerciante de Pernambuco. Em seu requerimento ele cita ter (...) aquelles conhecimentos que são necessários, inerentes a este emprego já por ter cursado a Aula do 5 Requerimento encaminhado a Mesa de Inspeção de Pernambuco para a vaga de Lente. Não encontramos que tipo de exame foi submetido. 15

16 Comercio de Praça de Lisboa (Grifo nosso), já por ter frequentado os estudos necessários tanto na Universidade de Coimbra, como nesta Praça, como do documento junto (...) (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 02). O Segundo candidato era Manoel Luis da Veiga 6. Ele nasceu em Braga, Portugal, era versado em direito mercantil e em teorias comerciais e econômicas. Era Negociante da Praça de Pernambuco e publicou no ano de 1803, 03 livros: Novo Methodo de Partidas dobradas para uso de quem não tiver frequentado a Aula do Commercio, Escola Mercantil sobre o Comércio assim antigo como Moderno, entre as Nações Comerciantes dos Velhos Continentes e Reflexões criticas sobre a obra de José da Silva Lisboa, intitulada, Princípios de Direito Mercantil: Feitas por hum homem da mesma profissão (Slemian, 2008). Antes da abertura da Aula do Comércio do Brasil, Manoel Luis da Veiga encaminhou requerimento à Junta do Comércio informando que ele tinha, feito por sua própria custa, as obras Novo Método das Partidas Dobradas e Escola Mercantil e, (...) às ditas Obras do Suplicante deverem ser admitidas, por Compêndios 7, nas Aulas públicas de Comércio de Portugal e suas Colônias, para instrução dos Discípulos das mesmas Aulas, economizando-selhes a estes o trabalho de postilarem suas Liçõens, (...), requer sejam admitidas nas Aulas Públicas, e seus Lentes ou Mestres obrigados a explicarem por elas suas Lições, atendendo ao trabalho e consequências das Apostilas, que por esta admissão se vão evitar. E mais uma vez a Junta do Comércio O Despacho da Junta em, 17 de Fevereiro de 1810, foi que Não tem lugar (...) (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 378 Pct 0). No Plano de Aula de Comércio entregue à Mesa de Inspeção, Manoel Luis da Veiga faz um relato da importância de serem ensinadas não só as disciplinas que constam nos Estatutos, mas também, as disciplinas de Direito Mercantil, Geografia e Línguas Vivas, conforme referencia no seu plano (...) os conhecimentos proprios a hum perfeito negociante, Historia do commercio, e de todas as artes manufactureiras, ramos ou fontes do commercio em geral, Escripturação dobrada e escrituração singella, Cambios, Direito Mercantil, Geografia commerciante, e mesmo Geografia nautica, e prática das Línguas vivas, sobretudo as hoje introduzidas Inglez e Francez: conhecimentos estes que não só convem mais athe passão a ser necessarios os negociantes (...). Neste plano chama-nos atenção a explicação que ele faz sobre a importância dos negociantes conhecerem a escrituração, quando ele referencia que a escrituração he huma Arte indispensável aos Negociantes, seja de grosso ou de retalho, 6 Encontramos o Plano da Aula de Comércio entregue no dia 10/09/1816 como candidaato ao cargo. 7 Compêndio nome referenciado à época para livro. 16

17 ella lhe he recomendada pelas Leis em todas as Naçõens mercantis sempre a escrituração foi condicionada como o primeiro objeto da Aula do Commercio (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 01). O Plano de Aula de Comércio entregue por Manoel Luis da Veiga para a Mesa de Inspeção faz um relato da importância de serem ensinadas não só as disciplinas que constam nos Estatutos, mas também, as disciplinas de Direito Mercantil, Geografia e Línguas Vivas (Inglês e Francês). Neste plano ele também faz uma explicação do que se deveria ensinar nos 3(três) anos do curso. Para o primeiro ano, ele propõe que sejam ensinados Escrituração, Historia do Comércio e de todos os seus ramos, Seguros, Avárias e Letras de Câmbios (...) e que, ao invés de os alunos perderem tempo postilando a escrituração dobrada, e notícia geral do comércio, deveriam usar os compêndios da Escola Mercantil, e o Novo Método das Partidas dobradas, compêndios estes escritos por ele. Ele também sugere que caso não queiram usar os livros portugueses, poderiam usar compêndios estrangeiros entre eles, Mr. Menner e Mr. De La Porte. Para o segundo ano, o ensino do Direito Mercantil, pela obra de José da Silva Lisboa, e Princípios de Direito Mercantil, nos quais se podem colher infinitos conhecimentos sem precisar de mendicar por autores estrangeiros. E para o terceiro ano, o ensino da Geografia, utilizando Mapa Mundi e Cartas Geográficas e para a o ensino do Inglês e do Francês a obra de Mr Peuchet (AN BR, JCAFN:7x, Caixa 452, Pct 02). Este plano entregue por Manoel da Veiga é um avanço muito grande em relação ao que tinha idealizado o Marquês de Pombal, mesmo assim, o plano não foi aceito pela Junta do Comércio. No parecer enviado pela Mesa de Inspeção, em 04 de Novembro de 1816, sobre o perfil dos dois candidatos para a Junta do Comércio, referencia-se que o Negociante Manoel Luis da Veiga, he conhecido pelos seos escritos, e principalmente pela sua obra Escrita Mercantil sobre o Comercio assim antigo como moderno, e novo methodo das partidas dobradas (...) e tem hum gênio bastantemente forte (AN BR, JCAFN:7x, Caixa 452, Pct 02). E que João Ferreira da Silva tem talentos, estudou Gramatica Latina, Rethorica, Logica, Methafisica, e Etica, não versou porem Aulas de Comercio (grifo nosso), e não tem dado provas de habilidade sobre este ramo (AN BR, JCAFN:7x, Caixa 452, Pct 02). Conclui a Mesa de Inspeção informando que há na praça do Rio de Janeiro e de na de Lisboa muitos homens de merecimentos, e conhecimentos especulativos, práticas de commercio, no caso pois de Vossa Magestade não aprovar a hum dos dous, então rogamos a Vossa Majestade se digne nomear algum conhecidamente revestido de todos as qualidades que devem? tornar? hum professor de Commercio (AN BR, JCAFN:7x, Caixa 452, Pct 02). Baseado nas 17

18 informações da Mesa de Inspeção, a Junta do Comércio emite despacho no próprio documento em 22 de Fevereiro de Ponha-se Editaes nesta Corte para comparecer os que se quiserem habilitar por Lentes do Comercio de Pernambuco (AN BR, JCAFN:7x, Caixa 452, Pct 02), concluindo assim que Manoel Luis da Veiga não foi aceito para professor da Aula do Comércio de Pernambuco. Fazendo uma análise do parecer, verificamos que a Mesa de Inspeção informa que João Ferreira da Silva não tinha conhecimentos sobre a Aula do Comércio, quando o mesmo informa em seu requerimento ter cursado a Aula do Comercio da Praça de Lisboa. E sobre Manoel Luis da Veiga, enfatiza ter um gênio bastantemente forte e ter desavenças com o seu sócio naquele Tribunal. Um fato que não está explícito, mas que pode ter originado a não aprovação de Manoel Luis da Veiga é que, em 1803, ele escreveu um livro já referenciado acima criticando o Livro de José da Silva Lisboa, atual Deputado da Junta do Comércio. Então, concluímos que, apesar de todas as qualidades evidenciadas pelos dois candidatos, a Junta do Comércio não aprovou a nomeação deles para Lente da Aula do Comércio do Maranhão. A Aula do Comércio do Maranhão só foi criada no ano de 1821, após o Lente do Maranhão, Francisco Justiniano da Cunha, provar a sua inocência e ser readmitido no cargo em 6 de Abril de 1821, determinado a Junta do Comércio que ele fosse criar na província de Pernambuco a Aula do Comércio com o ordenado anual de quinhentos mil reis (BR AN, JCAFN:7X, Caixa 452, Pct 02). Conclusões Este trabalho Explanatório mostrou como surgiram as Aulas do Comércio e quem foram os seus primeiros Lentes do período de As Aulas do Comércio do Brasil foram criadas na cidade do Rio de Janeiro e nas Províncias da Bahia, Maranhão e Pernambuco. Concluímos que a Aula do Comércio de Lisboa foi de fundamental importância para o surgimento das Aulas do Brasil por ser esta regida até o ano de 1845 pelos Estatutos da Aula do Comércio de Lisboa. Identificamos que todos os Lentes fizeram exame para a Cadeira de Lente e que houve muito rigor na seleção dos Lentes, com exceção de José Antonio Lisboa, que não fez exame para o cargo devido a sua larga experiência na área. Identificamos que os primeiros Lentes das Aulas do Rio de Janeiro, Maranhão e Pernambuco foram ex-alunos da Aula do Comércio de Lisboa e que o Lente que ocupou a vaga de José Antônio Lisboa foi aluno do 3º Curso da Aula do Comércio e que muitos dos alunos formados 18

19 nas Aulas do Comércio já tinham empregas garantidos, após a sua aprovação, em repartições públicas e casas comerciais. Outro ponto que destacamos de fundamental importância a ser observado é que foi na Aula do Comércio do Rio de Janeiro a primeira escola no Brasil a difundir os ensinamentos da Contabilidade e de Economia Política pelo Lente José Antonio Lisboa. Este trabalho mostra que a Aula do Comércio foi uma das primeiras escolas a serem criadas no Governo de D. João, antes mesmo da Academia Real Militar (1810), Academia de Belas Artes (1816), Curso de Direito (1827) e Colégio Pedro II (1837), mas muito pouco se refere a literatura sobre elas. E por fim, esperamos ter contribuído para literatura brasileira preenchendo esta lacuna tão pouco explorada sobre as Aulas do Comércio e seus primeiros professores na cidade do Rio de Janeiro, Maranhão, Bahia e Pernambuco no período de 1808 a REFERENCIAS Fontes Primárias Arquivo Nacional BR AN Fundo da Junta do Comércio Agricultura, Fábricas e Navegação - 7X COD 168, Vol 1; Caixa 378, Pct 01, Caixa 387, Pct 03, Caixa 419, Pct 01, Caixa 451, Pct 01, Caixa 452, Pct 01 e 02; Caixa 457, Pct 01 e 02, Caixa 419, Pct 01. Obras Raras Localização: LIR OR 1988J BIB. Estatutos da Junta do Commercio ordenado por El Rey. Decreto de 30 de Setembro de Collecção das Leys, Decretos, e Alvaras, que comprehende o feliz Reinado Del Rey Fidelissimo D. José o I. Tomo I, Lisboa: Na Officina de Miguel Rodrigues, M.DCC.LVI. Localização: LIR OR 1988J BIB. Estatutos da Aula do Commercio ordenados por Elrey nosso senhor, no capitulo dezaseis dos Estatutos da Junta do Commercio destes Reynos, e seus domínios, e Alvara de sua confirmação. Lisboa: Collecção das Leys, Decretos, e Alvaras, que comprehende o feliz Reinado Del Rey Fidelissimo D. José o I. Tomo II, Lisboa: Na Officina de Miguel Rodrigues, M.DCC.LXII. 19

20 Coleção de Leis do Brasil Alvará de 16 de Dezembro de Estatuto de comprovação dos Estatutos da Junta de Comércio. In Collecção da Legislação Portugueza: desde a última Compilação das Ordenações [Em linha]. Org. António Delgado da Silva. Lisboa: Typografia Maigrense, [ ]. Legislação de 1750 a 1762, p Disponível em: <http://iuslusitaniae.fcsh.unl.pt/verlivro.php?id_parte=105&id_obra=73&pagina=652>. [Consulta 12 Junho 2011]. Decreto de 02 de Agosto de Estabelece uma Aula de Commercio na cidade do Maranhão. Collecção das Leis do Imperio do Brasil de Primeira Parte. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1875, p Decreto Nº 456 de 6 de Julho Manda Executar o Regulamento da Aula do Commercio da Cidade do Rio de Janeiro. Collecção das Leis do Império do Brasil de Tomo IX. Parte II. Rio de Janeiro: Na Typographia Nacional, 1847, p Decreto Nº de 14 de Maio de Dá novos Estatutos á Aula do Commercio da Côrte. Collecção das Leis do Império do Brasil de Tomo XIX, Parte II. Rio de Janeiro: Na Typographia Nacional, 1857, p Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro BN RJ Sessão de Manuscritos - C-0431,041- Doc nº 2 Sessão de periódicos - Rio de Janeiro: Imprensa Régia_PR_SOR_001_ Escola Secundária Passos Manoel - ESPM ESPM_ECSEC/02/09 Fontes Secundárias Azevedo, J. L. de. (1928). Épocas de Portugal Económico (4 ed.). Lisboa: Classica Editora. Cervo, A. L., Bervian, P. A.; Silva, R. da. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, Chaves, C. M. das G. (2007). As Aulas do Comércio no Império Luso-Brasileiro: O Ensino Prático Profissionalizante. VII Jornada Setencentista. Curitiba, Disponível em: <http://people.ufpr.br/~vii_jornada/2textos_vii-j.pdf>. [Consulta29 Maio 2011]. Ericeira, F. J. (2003). O estado da arte da contabilidade no Estado do Maranhão, vis-à-vis o seu desenvolvimento econômico: 1755 a f. Dissertação (Mestrado em 20

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues LISBOA/2013 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL: Mostrar como se deu

Leia mais

Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas - Comissão de História da Contabilidade -

Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas - Comissão de História da Contabilidade - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas - Comissão de História da Contabilidade - VII ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE Oração para a abertura do quinto curso da Aula do Comércio, por Alberto Jaqueri

Leia mais

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda.

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Decreto de 9 de Janeiro de 1825 - Crêa provisoriamente um Curso Jurídico

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 2º SEMESTRE DE 2015 - E D I T A L O Centro Universitário FECAP, mantido

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A SIMILARIDADE DAS AULAS DO COMÉRCIO DE PORTUGAL E BRASIL NO PERÍODO DE 1808 A 1815

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A SIMILARIDADE DAS AULAS DO COMÉRCIO DE PORTUGAL E BRASIL NO PERÍODO DE 1808 A 1815 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A SIMILARIDADE DAS AULAS DO COMÉRCIO DE PORTUGAL E BRASIL NO PERÍODO DE 1808 A 1815 Wilde Gomes Araujo Doutoranda em Contabilidade pela Universidade do Minho e Aveiro - Portugal

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 II SÉRIE Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral da Administração Escolar: Aviso n.º 6472-A/2014: Abertura do concurso externo

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças)

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 1º SEMESTRE DE 2016 - E D I T A L O, mantido pela Fundação Escola

Leia mais

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA MONITOR BOLSISTA

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA MONITOR BOLSISTA EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA MONITOR BOLSISTA O Curso Sapientia, em conformidade com suas disposições estatutárias, torna pública a realização de Processo Seletivo de monitores para os

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos Programa NOSSABOLSA Manual de Procedimentos Instituições de Ensino Superior - IES - 1 1 - Adesão da Mantenedora ao Programa...4 1.1 - Informações preliminares...4 1.2 - Requerimento...4 1.2.1 - Para aderir

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

EDITAL Nº 072/2014. 1.2. O cronograma letivo será desenvolvido, conforme a seguir:

EDITAL Nº 072/2014. 1.2. O cronograma letivo será desenvolvido, conforme a seguir: 1 EDITAL Nº 072/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA (MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA), DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Roteiro de perguntas e respostas sobre estágios Fonte: Portaria EACH 016/06, de junho de 2006

Roteiro de perguntas e respostas sobre estágios Fonte: Portaria EACH 016/06, de junho de 2006 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES Roteiro de perguntas e respostas sobre estágios Fonte: Portaria EACH 016/06, de junho de 2006 1 - Para que serve a realização de estágios

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014. (Do Sr. Izalci)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014. (Do Sr. Izalci) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014 (Do Sr. Izalci) Requer informações ao Ministro da Educação Senhor José Henrique Paim sobre o retorno ao País de bolsistas ligados ao Programa Ciência Sem Fronteiras.

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Perguntas mais frequentes (FAQ) Alunos Internacionais 2015-2016

Perguntas mais frequentes (FAQ) Alunos Internacionais 2015-2016 Perguntas mais frequentes (FAQ) Alunos Internacionais 2015-2016 Nomeações Estudantes que desejarem fazer intercâmbio, durante a graduação ou a pósgraduação, na Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria, no âmbito

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS PARA PROFESSOR-MONITOR DO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL, N 2 DE 03 DE SETEMBRO DE 2012. A Coordenação do Projeto Cursinho

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EDITAL PROPEG Nº 003/2015 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL. Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente no Reino Unido

BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL. Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente no Reino Unido BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente no Reino Unido Fevereiro de 2016 1 1. Apresentação O Grupo IBERDROLA quer reforçar a sua contribuição

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES JUNHO 2015 A CHRONOS JR - EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior do

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL. Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha

BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL. Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha BOLSAS DO INSTITUTO IBERDROLA BRASIL Convocatória para Estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha Fevereiro de 2016 1 1. Apresentação O Grupo IBERDROLA quer reforçar a sua contribuição

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

EDITAL 003/2015 PROCESSO SELETIVO 2016-1

EDITAL 003/2015 PROCESSO SELETIVO 2016-1 EDITAL 003/2015 PROCESSO SELETIVO 2016-1 A FACULDADE DOUTOR LEOCÁDIO JOSÉ CORREIA, mantida pelo Lar Escola Doutor Leocádio José Correia, torna público e declara abertas as inscrições para o Processo Seletivo

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014 1 Roteiro da Apresentação: Grade Curricular em 2014 Apresentação sobre Premiação pelo Desempenho Individual no ENEM de 2014 Programa de Mentoria Formatura em 2014 2 Grade Curricular em 2014 3 Em 2014,

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE Inmetro - 2016

EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE Inmetro - 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO EDITAL Nº 008 SELEÇÃO PÚBLICA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Chamada para a Seleção Pública do Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Desenvolvimento

Chamada para a Seleção Pública do Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Desenvolvimento 1 Chamada para a Seleção Pública do Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Desenvolvimento O Coordenador Acadêmico de Pós-Graduação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, no uso de

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

SELEÇÃO/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS EBA-UFBA EDITAL DOUTORADO

SELEÇÃO/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS EBA-UFBA EDITAL DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS SELEÇÃO/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS EBA-UFBA EDITAL DOUTORADO O Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Bahia

Leia mais

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL Pacto 2014 Documento de Orientação Em 2014, iniciaremos o Ano 2 do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 2014. A principal diferença do programa refere-se aos conteúdos que serão trabalhados

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Educacional da Bahia Ltda. (IEB) UF: BA ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Tecnologia de Valença,

Leia mais

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Yahoo Grupos e Educação Matemática Meios Computacionais no Ensino da Matemática Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Débora Naiure Araujo Costa Mestrado em Ensino da Matemática 2012-2013 Introdução Vendo

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML

CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML Resumo Este trabalho tem como objetivo conhecer a história

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO VESTIBULAR UNIFESP/2002

EDITAL DO CONCURSO VESTIBULAR UNIFESP/2002 EDITAL DO CONCURSO VESTIBULAR UNIFESP/2002 REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO/ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o aprovado pelo Conselho de Graduação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA Claudio Francisco da Costa claud.fc@gmail.com 1977 Paulo Eduardo Ribeiro paeribeiro@hotmail.com Vilma Célia Santana vilmacsantanam@hotmail.com

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, 111/2-5º e 23-34º Andares Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: 20050-901 Brasil Tel.: (21) 3554-8686 - www.cvm.gov.br OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/GNA/n.º 01/2016

Leia mais

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO: INTERESSADO: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC ASSUNTO : AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO E ENSINO FUNDAMENTAL RELATORA : CONSELHEIRA EUGENILDA MARIA LINS COIMBRA PROCESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Normatização nº 01/2010 - CCEF ESTABELECE NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC - DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo.

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo. DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO AUXILIAR ADMINISTRATIVO FUNÇÃO DESIGNER GRÁFICO (Grande São Paulo, Presidente Prudente e S.José do Rio Preto) O presente documento é uma divulgação oficial

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas.

Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas. ATA NÚMERO TRÊS Ao vigésimo sétimo dia do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas dez horas realizou-se, nos termos do artigo 25 dos estatutos da AEFEUP, a Assembleia Geral Extraordinária número dois na

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO

DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE AGENTE DE ATENDIMENTO NAS UNIDADES DO SESC DA GRANDE SÃO PAULO O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos

Leia mais

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE CURSO SUPERIOR EM BACHAREL EM SITEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av. Presidente Wilson, 1013 Centro

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Port. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada no DOU em 12/09/2014) EDITAL 2016/1 - PROCESSO SELETIVO GRADUAÇÃO PRESENCIAL O Diretor Geral da Faculdade de Educação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES. No. 07/2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES. No. 07/2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES No. 07/2015 das atribuições, A Diretora Acadêmica da Faculdade Maria Milza no uso Faz saber que estão abertas as inscrições para o processo seletivo de professores, que

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE -FCJ EDITAL Nº EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS DESTINADOS À REVISTA FCJ SCIENTIA

FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE -FCJ EDITAL Nº EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS DESTINADOS À REVISTA FCJ SCIENTIA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE -FCJ EDITAL Nº EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS DESTINADOS À REVISTA FCJ SCIENTIA 5 a Edição Número 2/2013 A Campanha Nacional de Escolas da Comunidade, pessoa jurídica

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESATRES CEPED/RS CURSO DE EXTENSÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 14/2007 Regulamenta o VESTIBULAR ESPECIAL para ingresso nos cursos de graduação

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar

Leia mais

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ACADÊMICO TURMA 2014

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ACADÊMICO TURMA 2014 Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ACADÊMICO TURMA 2014 O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da da Universidade Federal da

Leia mais

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h - Senhor Secretário de Estado da Saúde; - Senhora Presidente da Escola de Ciências da Saúde; - Senhor Professor José Veiga Simão, (profundamente ligado à criação desta Universidade) - Senhor Professor

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

3. DA SELEÇÃO E DOS CRITÉRIOS: 3.1. A seleção será operacionalizada pela Comissão Coordenadora de Programa do PPG-MATEMÁTICA.

3. DA SELEÇÃO E DOS CRITÉRIOS: 3.1. A seleção será operacionalizada pela Comissão Coordenadora de Programa do PPG-MATEMÁTICA. INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO No 034/2015 PROGRAMA DE MATEMÁTICA DOUTORADO E DOUTORADO DIRETO A Presidente

Leia mais

EDITAL N.º 009/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL N.º 009/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando o Decreto nº 7.485, de 18 de maio de 21,

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

DELIBERAÇÃO JUCESP N.º 04, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2000.

DELIBERAÇÃO JUCESP N.º 04, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2000. DELIBERAÇÃO JUCESP N.º 04, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2000. O Plenário da Junta Comercial do Estado de São Paulo, por proposta de seu Presidente, em sessão do Colégio de Vogais de 01/11/00 de 2000; Considerando

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

STC5 A TECNOLOGIA NOS IMPOSTOS. Maria Antónia Folgado

STC5 A TECNOLOGIA NOS IMPOSTOS. Maria Antónia Folgado STC5 A TECNOLOGIA NOS IMPOSTOS Maria Antónia Folgado ANTES DAS TECNOLOGIAS O IRS, é feito em impresso de papel e as declarações são compradas nas Repartições das Finanças, preenchidas pelos próprios contribuintes,

Leia mais

EDITAL 07/2016 1 DENOMINAÇÃO: Curso: Formação de Agentes de Trânsito. 2 MATRÍCULA: 2.1 REQUISITOS: 2.1.1 Formação em Agentes de Trânsito:

EDITAL 07/2016 1 DENOMINAÇÃO: Curso: Formação de Agentes de Trânsito. 2 MATRÍCULA: 2.1 REQUISITOS: 2.1.1 Formação em Agentes de Trânsito: EDITAL 07/2016 O Diretor do Departamento de Trânsito do Estado de Rondônia - DETRAN/RO, usando de suas atribuições, vêm estabelecer os critérios para a realização do Curso de Formação de Agentes de Trânsito,

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

Exmº Senhor. MIGUEL REIS, advogado, com a cédula profissional nº 5066L, em. seu nome pessoal e em representação da Miguel Reis & Associados

Exmº Senhor. MIGUEL REIS, advogado, com a cédula profissional nº 5066L, em. seu nome pessoal e em representação da Miguel Reis & Associados 1 2 Exmº Senhor Presidente do Instituto dos Registos e do Notariado 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 MIGUEL REIS, advogado, com a cédula profissional nº 5066L, em seu nome

Leia mais

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Em notícias divulgadas nos meios de comunicação o Ministério da Educação informou as mudanças constantes relacionadas ao FIES. Segue abaixo

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE DOCENTES PARA O ENSINO SUPERIOR EDITAL Nº 001/2015 A Faculdade do Vale do Araranguá, pessoa jurídica de direito privado, no uso de suas

Leia mais