EDP GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA, S.A. CME CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO ELECTROMECÂNICA, SA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDP GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA, S.A. CME CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO ELECTROMECÂNICA, SA"

Transcrição

1 EDP GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA, S.A. CME CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO ELECTROMECÂNICA, SA Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Vlume 1 Resum Nã Técnic Plan Design Enable

2 EDP GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA, S.A. CME CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO ELECTROMECÂNICA, S.A. Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Históric d Dcument Trabalh/Prpsta Nº JRB0687 Refª d Dcument: Vl1-RNT_FzTua_vf Revisã Descriçã Editad Verificad Autrizad Data 00 Ediçã 1 Ana Luísa Ferreira Cristina Reis Júli Mita 27/03/2015 Imp 5007_R4A

3 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Índice Capítul 1. Intrduçã Antecedentes d prcess de Avaliaçã de Impacte Ambiental Descriçã d prjet Lcalizaçã d prjet Características d prjet Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) Metdlgia Demnstraçã da cnfrmidade cm a DIA Tabelas Tabela 3.1 Quantificaçã ds apis nvs a implantar e a desmntar) ns cncelhs e freguesias atravessads pel traçad da Linha Fz Tua Armamar e Mdificações de Linhas Existentes... 6 Tabela 3.2 Interferência d prjet cm Alt Dur Vinhateir e respetiva Zna Especial de Prteçã... 7 Tabela 3.3 Resum das principais características técnicas d prjet Figuras Figura 3.1 Enquadrament Administrativ d prjet... 5 Figura 3.2 Áreas sensíveis atravessadas pel prjet... 7 Figura 3.3 Esquema simplificad da ligaçã Fz Tua Armamar a 400 kv e ds trçs envlvids em apis cmuns das linhas a 220 kv Mgadur Valeira e Valeira Armamar 1 e Anexs Anex A: Desenh 1 Implantaçã d prjet... A-1 Imp 5007_R4A Página i

4 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Intrduçã 1. Intrduçã O presente Relatóri de Cnfrmidade d Prjet de Execuçã RECAPE) incide sbre a Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT), para permitir escament da energia prduzida. A ligaçã à rede é feita pr uma linha aérea de transprte de energia a 400 kv, entre AHFT e a subestaçã SE) de Armamar, numa extensã de 39,7 km. Este prjet decrre d Estud Prévi da Linha que fi submetid a prcediment de Avaliaçã de Impacte Ambiental AIA), prcess de AIA nº 2735, para qual fi emitida, em 12 de setembr de 2014, uma Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) favrável cndicinada para Crredr 2SM e que fixu um cnjunt de cndicinantes, medidas e estuds cmplementares. Refira-se que, na sequência ds requisits expsts nas Cndicinantes 9 e 10 da DIA emitida, presente prjet de execuçã cntempla, ainda, a mdificaçã das seguintes linhas em explraçã e desmntagem de apis nas prximidades d ri Dur: Linha Mgadur Valeira, a 220 kv, em cerca de 4,9 km de traçad; Linha Valeira Armamar 1/2, a 220 kv, em cerca de 7,3 km de traçad. A realizaçã deste empreendiment é da respnsabilidade da EDP - Gestã da Prduçã de Energia, S.A., que, para efeits d presente RECAPE, assume papel de Prpnente. A entidade licenciadra é a Direçã-Geral de Energia e Gelgia DGEG). A Agência Prtuguesa de Ambiente APA) é a Autridade de Avaliaçã de Impacte Ambiental AIA). A EDP Gestã da Prduçã de Energia, S.A. adjudicu a elabraçã d prjet técnic e ds estuds ambientais à CME Cnstruçã e Manutençã Eletrmecânica, S.A. que, pr sua vez, recrreu à EGSP - Energia e Sistemas de Ptência, Lda. para desenvlver prjet técnic da linha. O RECAPE é da respnsabilidade da ATKINS Prtugal), pr adjudicaçã da CME Cnstruçã e Manutençã Electrmecânica, SA, e fi elabrad n períd entre setembr de 2014 e març de De acrd cm Regime Geral de Avaliaçã de Impacte Ambiental AIA), cnstante d Decret-Lei n.º 151- B/2013, de 31 de utubr, sempre que um prjet seja submetid a prcess de AIA na fase de Estud Prévi, cm é presente cas, Prpnente deverá apresentar crrespndente Prjet de Execuçã à entidade licenciadra u cmpetente para autrizaçã, acmpanhad de um Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE). O principal bjetiv d RECAPE será, assim, dar cumpriment a estabelecid n n.º 1 d art.º 20.º d Decret-Lei n.º 151-B/2013, de 31 de utubr, u seja, verificar se Prjet de Execuçã das linhas elétricas bedece as critéris e cndições estabelecids na DIA, a qual cnsubstancia Parecer Final da Cmissã de Avaliaçã CA). A rganizaçã e cnteúd d RECAPE fram definids de acrd cm as dispsições d Anex IV da Prtaria n.º 330/2001, de 2 de abril, da DIA e d Parecer da Cmissã de Avaliaçã, send cnstituíd, na sua ttalidade, pr 7 vlumes. O Resum nã técnic RNT), exigível n âmbit d RECAPE, é um dcument de que tem pr bjetiv servir de suprte à participaçã pública, descrevend, de frma cerente e sintética, numa linguagem e cm uma apresentaçã acessível a generalidade d públic, as infrmações cnstantes n RECAPE. Para efeit, presente RNT está rganizad nas seguintes secções: Intrduçã, Antecedentes d Prcess de Avaliaçã de Impacte Ambiental, Descriçã d Prjet, Análise da Cnfrmidade cm a DIA. Imp 5007_R4A Página 1

5 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Antecedentes d prcess de Avaliaçã de Impacte Ambiental 2. Antecedentes d prcess de Avaliaçã de Impacte Ambiental De acrd cm Regime Jurídic de Avaliaçã de Impacte Ambiental RJAIA) estabelecid pel Decret- Lei nº 151-B/2013, de 31 de utubr, alterad pel Decret-Lei nº 47/2014, de 24 de març, estã sujeits a avaliaçã de impacte ambiental AIA) s prjets de cnstruçã de linhas aéreas de transprte de eletricidade cm uma tensã igual a superir a 220 kv e cuj cmpriment seja superir a 15 km. O Estud Prévi da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) fi alv de um Estud de Impacte Ambiental EIA), realizad pela ECOBASE Estuds e Sluções Sustentáveis, Lda, cncluíd em dezembr de 2013, n âmbit d nv RJAIA, na sequência de uma Prpsta de Definiçã de Âmbit PDA) nº181, apresentada pel prpnente em nvembr de 2012 e bjet de decisã da autridade de AIA em 26 de març de A versã final d EIA prduzid cntemplu a delimitaçã e avaliaçã de quatr sluções alternativas para a implantaçã da linha elétrica, algumas cm diferentes variantes pntuais, traduzind-se num ttal de it crredres alternativs identificads cm: 1, 2SI, 2SM, 2NI, 2NM, 3S, 3N e 4. A 10 de janeir de 2014, este EIA fi enviad pela DGEG, na qualidade de entidade licenciadra, à Agência Prtuguesa d Ambiente APA), para efeits de prcediment de Avaliaçã de Impacte Ambiental AIA), ns terms d Decret-Lei n.º 151-B/2013, de 31 de utubr. O prcediment de AIA nº 2735 seguiu seguinte faseament metdlógic cnsultável na DIA, dispnível, pr exempl, n site da APA em Cnstituiçã da Cmissã de Avaliaçã CA), frmada pr representantes da APA, Institut de Cnservaçã da Natureza e Flrestas, I.P. ICNF, I.P.), Direçã Geral d Patrimóni Cultural DGPC), Labratóri Nacinal de Energia e Gelgia, I.P. LNEG, I.P.), Cmissã de Crdenaçã e Desenvlviment Reginal d Nrte CCDRN), Direçã Geral de Energia e Gelgia DGEG), Institut de Agrnmia/Centr de Eclgia Aplicada Prf. Baeta Neves ISA/CEABN) e Faculdade de Engenharia da Universidade d Prt FEUP). Análise da cnfrmidade d EIA, que incidiu também na apresentaçã de elements adicinais a estud apresentad, cnfrme Ofíci Ref. S DAIA.DAP, de 21 de fevereir de 2014, nas seguintes áreas: Fatres ambientais situaçã de referência, avaliaçã de impactes, medidas de minimizaçã, plans de mnitrizaçã ambiente snr, paisagem, patrimóni cultural); Cmparaçã de alternativas; Refrmulaçã d Resum Nã Técnic. Emissã da Declaraçã de Cnfrmidade d EIA, a 26 de març de Slicitaçã de esclareciments e elements adicinais, relativs as fatres ambientais Paisagem, Patrimóni Cultural e Ambiente Snr, respndids através d dcument Elements cmplementares, datad de abril de Slicitaçã de pareceres específics a entidades externas à CA, cm relevância para prjet: Fram slicitads pareceres à Rede Ferrviária Nacinal REFER), EP - Estradas de Prtugal, Estad-Mair General das Frças Armadas - Divisã de Cmunicações e Sistemas de Infrmaçã EMGFA/DCSI), Direçã Reginal de Cultura d Nrte DRC Nrte), Direçã Reginal de Agricultura e Pescas d Nrte DRAP Nrte) e EDP - Distribuiçã. Imp 5007_R4A Página 2

6 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Antecedentes d prcess de Avaliaçã de Impacte Ambiental Cnsulta Pública: O prcess de cnsulta pública decrreu durante um períd de 20 dias úteis, entre 2 de abril e 2 de mai de N cntext da cnsulta pública, fram recebids pareceres de entidades da administraçã central, entidades da administraçã lcal câmaras municipais e juntas de freguesia), rganizações nã gvernamentais, assciações e utrs mviments da sciedade civil, cidadãs a títul individual e empresas. Visita técnica a lcal de implantaçã d prjet, nas várias alternativas de crredres. Análise técnica d EIA, d Aditament a EIA e ds Elements Cmplementares: Esta análise incluiu: a seleçã ds fatres ambientais tend em cnsideraçã as características d prjet e da área de implantaçã para cada um ds crredres em avaliaçã; a integraçã das diferentes análises setriais e específicas, ds resultads da Cnsulta Pública e ds cntributs das entidades externas cnsultadas; a prpsta de decisã sbre a alternativa cnsiderada ambientalmente mens desfavrável. Elabraçã d Parecer Final da CA. Emissã da Declaraçã de Impacte Ambiental DIA): em 12 de setembr de 2014 fi emitida uma DIA favrável cndicinada à sluçã 2SM, cm fixaçã de um cnjunt de dispsições a assegurar em fase de RECAPE: Desenvlviment d prjet de execuçã em cumpriment das cndicinantes listadas na DIA e à sua demnstraçã em sede de RECAPE; Apresentaçã de infrmaçã adicinal, designada pr Elements a apresentar em sede de RECAPE ; Cncretizaçã, n RECAPE, de utras cndições para licenciament u autrizaçã d prjet, nmeadamente, das medidas de minimizaçã, prgramas de mnitrizaçã e prgramas de cmpensaçã descrits na DIA. Na sequência da emissã da DIA, fi desenvlvid Prjet de Execuçã da linha elétrica n interir d crredr aprvad, n estrit cumpriment das cndicinantes e demais medidas estabelecidas na DIA, send a respetiva demnstraçã da cnfrmidade apresentada n presente RECAPE. Imp 5007_R4A Página 3

7 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet 3. Descriçã d prjet 3.1. Lcalizaçã d prjet De acrd cm as divisões territriais de Prtugal, traçad da linha de eletricidade atravessa, segund a divisã administrativa em NUTS II 1, a regiã Nrte, e em NUTS III, a sub-regiã d Dur. Segund a divisã administrativa, traçad da linha atravessa distrit de Vila Real, n cncelh de Alijó freguesia de Sã Mamede de Ribatua), distrit de Bragança, n cncelh de Carrazeda de Ansiães Uniã das freguesias de Castanheir d Nrte e Ribalnga e freguesia de Linhares) e distrit de Viseu, ns cncelhs de Sã Jã da Pesqueira Uniã das freguesias de Sã Jã da Pesqueira e Várzea de Trevões, freguesia de Ervedsa d Dur e freguesia de Castanheir d Sul), Tabuaç freguesia de Tabuaç, Uniã das freguesias de Pinheirs e Vale de Figueira e Uniã das freguesias de Barcs e Santa Lecádia) e Armamar freguesia de Armamar e Uniã das freguesias de Aricera e Gujim). Na Figura 3.1 pdem bservar-se estas delimitações e na Tabela 3.1 apresenta-se a quantificaçã ds apis nvs a implantar e a desmntar), de acrd cm a sua lcalizaçã ns cncelhs e freguesias atravessadas pel traçad. 1 NUT é a sigla utilizada ficialmente para designar a Nmenclatura de Unidades Territriais para Fins Estatístics, criada pel INE Institut Nacinal de Estatística). De acrd cm esta Nmenclatura, territóri fi dividid em Cntinente, NUTS II e NUTS III, send que as NUTS II crrespndem às Regiões e as NUTS III às Sub-Regiões. O nível abaix é cnstituíd pels Cncelhs. Imp 5007_R4A Página 4

8 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Figura 3.1 Enquadrament Administrativ d prjet Imp 5007_R4A Página 5

9 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Tabela 3.1 Quantificaçã ds apis nvs a implantar e a desmntar) ns cncelhs e freguesias atravessads pel traçad da Linha Fz Tua Armamar e Mdificações de Linhas Existentes Cncelh de Alij Cncelhs/Freguesias Apis nvs a implantar Apis a desmntar Freguesia de S. Mamede de Ribatua 3 apis - Cncelh de Carrazeda de Ansiães Uniã das freguesias de Castanheir d Nrte e Ribalnga 10 apis - Freguesia de Linhares 26 apis 13 apis Cncelh de S. Jã da Pesqueira Uniã das freguesias de Sã Jã da Pesqueira e Várzea de Trevões 18 apis 16 apis Freguesia de Ervedsa d Dur 11 apis 2 apis Freguesia de Castanheir d Sul 14 apis - Cncelh de Tabuaç Freguesia de Tabuaç 13 apis - Uniã das freguesias de Pinheirs e Vale de Figueira Uniã das freguesias de Barcs e Santa Lecádia Cncelh de Armamar 4 apis - 2 apis - Freguesia de Armamar 5 apis - Uniã das freguesias de Aricera e Gujim 4 apis - Cnsidera-se relevante referir que presente prjet garantiu um afastament de 100 m em relaçã a tdas as habitações existentes nas pvações próximas d traçad, nmeadamente Ribalnga, Linhares, Sã Jã da Pesqueira, Campels, Carrapatsa, Tabuaç e Aricera. Já n que se refere as trçs de linhas a desmntar, verifica-se que s mesms atravessam, atualmente, a pvaçã de Carrapatsa e implantam-se na prximidade de S. Jã da Pesqueira, a grande prximidade de habitações, cnstatand-se que prjet irá desmntar um ttal de 22 apis que atualmente estã a mens de 100 m de casas, 12 ds quais a mens de 50 m, e 5 apis cujs cabs sbrepassam, atualmente, habitações. Na Figura 3.2 apresentam-se as áreas sensíveis atravessadas pel prjet. Cnsideram-se cm áreas sensíveis, de acrd cm estabelecid ns terms da alínea a) d artig 2.º d Decret-Lei n.º 151- B/2013, de 31 de utubr, as seguintes Áreas: i) as Áreas Prtegidas, classificadas a abrig d Decret-Lei n.º 142/2008, de 24 de julh; ii) iii) s Sítis da Rede Natura 2000, definids ns terms d Decret-Lei n.º 140/99, de 24 de abril, cm a redaçã dada pel Decret-Lei n.º 49/2005, de 24 de fevereir e alterad pel Decret- Lei n.º 156-A/2013, de 8 de nvembr, diplma que revê a transpsiçã para a rdem jurídica interna da Diretiva n.º 79/409/CEE, d Cnselh, de 2 de abril relativa à cnservaçã das aves selvagens), e da Diretiva n.º 92/43/CEE, d Cnselh, de 21 de mai relativa à preservaçã ds habitats naturais e da fauna e da flra selvagens); e as znas de prteçã ds bens imóveis classificads u em vias de classificaçã, definidas na Lei n.º 107/2001, de 8 de setembr, que estabelece as bases da plítica e d regime de prteçã e valrizaçã d patrimóni cultural. Imp 5007_R4A Página 6

10 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Cnstata-se que prjet em avaliaçã atravessa, em dis pequens trçs, a área classificada d Alt Dur Vinhateir ADV) e, em grande parte da sua extensã, a respetiva Zna Especial de Prteçã ZEP), afastand-se das restantes áreas sensíveis identificadas, incluind as znas de prteçã de bens imóveis classificads u em vias de classificaçã. Identifica-se seguidamente a interferência d prjet cm ADV e respetiva ZEP, quer n que se refere a apis nvs a implantar quer n tcante a apis a desmntar. Tabela 3.2 Interferência d prjet cm Alt Dur Vinhateir e respetiva Zna Especial de Prteçã Tip de apis Apis a instalar Área classificada d Alt Dur Vinhateir ADV) nºs 1, 35/175, 36/176, 37/177, 38/178 e 39/2. Zna Especial de Prteçã ZEP) Tds s apis cm exceçã ds apis em área ADV e s seguintes nºs: 86, 87, 91, 92, 93, 94, 95, 98, 99, 100, 101, 102, 103, 104, 105 e 106. Apis a desmntar nºs 172, 174, 175 e 176. nºs 164, 165, 166, 167, 168, 169, 170, 171, 173, 2/2 a 19/19. Cnstata-se, assim, que prjet implica um acréscim de apenas 2 apis implantads n interir d ADV relativamente à situaçã atual. Figura 3.2 Áreas sensíveis atravessadas pel prjet Imp 5007_R4A Página 7

11 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet 3.2. Características d prjet O prjet em avaliaçã n RECAPE, Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT), cnstitui um prjet cmplementar e indissciável d referid aprveitament hidrelétric, qual se encntra em fase adiantada de cnstruçã e cm previsã de cnclusã em setembr de O AHFT enquadra-se n âmbit d Prgrama Nacinal de Barragens de Elevad Ptencial Hidrelétric PNBEPH), que visa cumpriment ds bjetivs referentes às qutas de energias prduzidas a partir de fntes renváveis, cntribuind para s bjetivs estratégics definids a nível nacinal e cmunitári. A nva linha elétrica servirá igualmente para frnecer, a partir da rede elétrica para a central, a energia elétrica para clcar s seus dis grups reversíveis em funcinament em md de bmbagem, cm relevante interesse para sistema elétric e para a gestã da água na bacia d ri Dur. A dispnibilizaçã desta linha, para realizar a funçã prjetada, deveria crrer, em situaçã inicialmente prgramada, até final d crrente an de 2015, visand permitir subsequente desenvlviment, escalnad e atempad, das fases de cmissinament das instalações e a entrada em explraçã dentr d praz previst n cntrat de cncessã d AHFT assinad cm Estad prtuguês e na respetiva licença de prduçã da central. O prpnente desenvlveu até agra tds s esfrçs a seu alcance para timizar s prazs de elabraçã deste prjet e d respetiv RECAPE. N âmbit d presente Resum Nã Técnic, e para melhr perceçã d que se vai expr, imprta cmeçar pr referir que a cnceçã desta linha nã é diferente das utras linhas aéreas de eletricidade em muit alta tensã que se pdem ver em funcinament n nss país, e mesm na regiã nde sevai inserir este prjet. Basicamente, estas infraestruturas elétricas sã cnstituídas pels cndutres de eletricidade cabs de aç, pr exempl), s apis pstes em estrutura reticulada, para diminuir pes, garantind a resistência as esfrçs, cm pes ds cabs, vent, gel, e nde se encntra a ligaçã à terra nas respetivas fundações), s cabs de guarda cabs clcads acima ds cndutres de uma linha aérea e ligad à terra ns apis) e pr um cnjunt de acessóris isladres, pr exempl). Cntud, presente prjet tem características próprias que decrrem de requisits técnics e das cndicinantes impstas na DIA, que vã muit para além d esquema básic acima descrit. Cm adiante se referirá, trata-se d primeir prjet que cnsidera a utilizaçã de apis para linhas duplas e triplas cm apenas três plans de clisã, a cntrári ds habituais quatr plans. Tal respnsabilidade implica que há váris prjets dentr deste prjet, desde lg prjet desses nvs apis, tip DV2 e DV3, e prjet das mdificações da rede de linhas existentes a 220 kv, que pdem ser adtadas n prjet principal de ligaçã entre AHFT e a subestaçã de Armamar, qual apresenta uma extensã ttal de 39,7 km. Pde-se afirmar-se que, pesand tds s fatres em jg, se está na presença de um cas paradigmátic em terms de prjet de LMAT. N seguiment da Declaraçã de Impacte Ambiental DIA), que prevê a junçã da nva linha a 400 kv cm as linhas a 220 kv atualmente em explraçã na zna d crredr aprvad na DIA, prjet em avaliaçã n presente RECAPE inclui: A cnstruçã de uma nva linha aérea de transprte de energia - Linha Fz Tua Armamar, a 400 kv LFZT.AMM) - cuj traçad, cm uma extensã ttal de 39,7 km, pde ser dividid em 4 trçs: Trç 1 Trç inicial de linha simples, entre Fz Tua e a linha Mgadur Valeira 220 kv), cm 8,5 km; Imp 5007_R4A Página 8

12 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Trç 2 Segund trç, em linha dupla, entre a cnfluência das duas linhas e a zna d Pst de Crte da Valeira PCVR), cm 4,4 km. Os apis que suprtam circuit a 400 kv Fz Tua Armamar também cmprtam circuit Mgadur Valeira, a 220 kv; Trç 3 Terceir trç, em linha tripla, cm iníci na zna d PCVR e a extensã de 6,7 km. Os apis que suprtam circuit a 400 kv Fz Tua Armamar também cmprtam s dis circuits a 220 kv Valeira Armamar 1 e 2; Trç 4 Quart trç, em linha simples, cm uma extensã de 20,1 km, entre final d terceir trç e a subestaçã de Armamar, cmprtand apenas circuit Fz Tua Armamar. A mdificaçã de duas linhas de 220 kv existentes, atualmente em explraçã, implicand a desmntagem de alguns apis das mesmas: Linha Mgadur-Valeira, a 220 kv LMG.VR), entre s apis P163 e P179 e Linhas Valeira-Armamar 1/2, a 220 kv LVR.AMM), entre s apis P1/1 e P20/20. Na Figura 3.3 apresenta-se uma representaçã esquemática d prjet em análise n presente RECAPE. Figura 3.3 Esquema simplificad da ligaçã Fz Tua Armamar a 400 kv e ds trçs envlvids em apis cmuns das linhas a 220 kv Mgadur Valeira e Valeira Armamar 1 e 2 Na Tabela 3.3 apresenta-se um resum das características técnicas principais d prjet. Imp 5007_R4A Página 9

13 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Tabela 3.3 Resum das principais características técnicas d prjet Apis Linha e Mdificações a cnstruir Extensã Apis nvs a implantar Apis a desmntar Características técnicas d prjet Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv LFZT.AMM) - 14 apis sã cmuns cm a linha Mgadur-Valeira, a 220 kv, cnstituindse um trç em linha dupla. - 3 apis sã cmuns às linhas Valeira- Armamar 1/2, a 220 kv, criand-se uma linha tripla cm 3 circuits. 39,7 km Apis da família Q; YD, DL e DV2, DV3 estes últims dimensinads especificamente para este prjet). Cab de guarda ACSR 153 DORKING) e OPGW e dis cabs cndutres pr fase d tip ACSR 595 ZAMBEZE). Mdificaçã da linha Mgadur-Valeira, 4,965 km 4,416 a 220 kv LMG.VR), entre s apis P163 km cmuns à e P179 LFZT.AMM) Mdificaçã das linhas Valeira-Armamar 7,297 km 6,007 1/2, a 220 kv LVR.AMM), entre s apis km cmuns à P1/1 e P20/2 LFZT.AMM) 1 14 cmuns cm a LFZT.AMM) 3 19 cmuns cm a LFZT.AMM), Apis d tip MTG Cab de guarda ACSR 130 GUINEA) e OPGW e dis cabs cndutres pr fase d tip ACSR 485 ZEBRA). Apis ds tips CWR, CWT e YDA, Cab de guarda ACSR 130 GUINEA) e OPGW e dis cabs cndutres pr fase d tip ACSR 485 ZEBRA) Em síntese, prjet em avaliaçã cntempla: A cnstruçã de 110 apis nvs e a desmntagem de 31 apis existentes, crrespndend em terms glbais, a um acréscim de apis de 79 face as apis existentes atualmente; A cnstruçã de um ttal de 39,7 km de linha elétrica nva e a desmntagem de cerca de 11 km de linhas elétricas existentes, crrespndend, em terms glbais, a um acréscim de cerca de 28,7 km de linha elétrica face à situaçã existente. Em terms gerais, a cnstruçã da linha será desenvlvida em 4 fases distintas, algumas delas tempralmente sbrepstas: Execuçã de fundações; Mntagem de apis; Desenrlament e mntagem de cabs; Desmntagem de apis e linha. A calendarizaçã detalhada da bra apenas será definida pela Entidade Executante. É pssível, cntud, nesta fase, descrever as atividades que cmpõem prcess cnstrutiv da linha elétrica, cnsistind estas n desenvlviment sequencial das seguintes ações: Instalaçã ds estaleirs e parques de material; Recnheciment, sinalizaçã e abertura ds acesss; Imp 5007_R4A Página 10

14 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet Desmataçã e abate de arvred; Abertura da faixa de prteçã da linha 45 m de largura máxima, centrada pel eix d traçad da linha); Transprte e depósit temprári; Trabalhs de tpgrafia nde se inclui a piquetagem e marcaçã de cabucs ds apis); Abertura de cabucs para as fundações ds apis; Cnstruçã ds maciçs de fundaçã e mntagem das bases; Mntagem u clcaçã ds apis e isladres nde se inclui transprte, assemblagem e levantament das estruturas metálicas, reapert de parafuss e mntagem de cnjunts sinalétics); Clcaçã ds cabs e mntagem de acessóris nde se inclui desenrlament, regulaçã, fixaçã e amarraçã ds cabs cndutres e de guarda). N que se refere à desmntagem de apis, a bra cmprta as seguintes atividades sequenciais, nã se prevend, nesta fase, qualquer calendarizaçã específica: Desmntagem ds cabs de guarda e ds cndutres; Desmntagem das cadeias ds isladres; Desmntagem ds apis e respetivas fundações. Assciads à cnstruçã há a cnsiderar, cm atividades passíveis de induzir impactes ambientais: A instalaçã ds estaleirs e parques de máquinas. Desde já se refere que n âmbit d RECAPE fram estudadas e prpstas 3 lcalizações pssíveis para znas de estaleirs implantads em áreas industriais e/u antigs estaleirs. Estes lcais pderã ser substituíds pr utrs cm características idênticas e integral respeit pelas dispsições da DIA), desde que devidamente aprvads pela autridade de AIA. Assim, a lcalizaçã exata ds estaleirs será definida pel adjudicatári da cnstruçã, devend estar de acrd cm as dispsições d RECAPE e eventuais alterações cnstantes d Parecer da CA a RECAPE; O estabeleciment, quand necessári, de acesss prvisóris as lcais de mntagem ds apis. Desde já se refere que, n âmbit d RECAPE, fi elabrad Plan de Acesss, a abrig ds requisits da DIA; A abertura da faixa de prteçã, na qual se realiza abate u decte d arvred suscetível de interferir cm funcinament das linhas. Durante a cnstruçã das linhas é expectável que venham a ser utilizads s seguintes tips de materiais send referidas, sempre que dispníveis, as quantidades previstas pel prjet executiv): Materiais relacinads cm s apis e cabs da linha: aç para s apis estimand-se um pes ttal ds apis de cerca de tn); zinc para a galvanizaçã ds apis; cbre da malha de terra ds apis; alumíni ds cabs; aç ds cabs; Imp 5007_R4A Página 11

15 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Descriçã d prjet alumíni ds acessóris; aç ds acessóris. Materiais habitualmente utilizads em bras de cnstruçã civil, nmeadamente betã prnt para s maciçs m 3 ), aç das armaduras ds maciçs kg); Escavaçã para execuçã ds cabucs terras) m 3. Os cnsums energétics durante a fase de cnstruçã estã relacinads cm a eventual utilizaçã de eletricidade para iluminaçã da área de trabalh e funcinament ds equipaments e cm cmbustíveis, essencialmente gasóle, para funcinament ds veículs e maquinaria de api à bra. Imp 5007_R4A Página 12

16 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) 4. Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) 4.1. Metdlgia Tend pr base a delimitaçã d crredr aprvad na DIA, crredr 2SM, a metdlgia de definiçã d traçad da linha a nível de prjet de execuçã assentu numa série de etapas de trabalh que implicaram a cperaçã estreita entre a equipa d RECAPE e a equipa prjetista, n sentid de assegurar que prjet de execuçã respeita as recmendações da DIA e que essa cnfrmidade é devidamente explicada e justificada. Numa primeira fase, analisu-se cnteúd da DIA emitida e fram identificadas tdas as cndicinantes, rientações u medidas cm ptenciais implicações e/u rientações relevantes para a definiçã d traçad, de frma a apiar a equipa prjetista na elabraçã d Prjet de Execuçã. Para assegurar que a representaçã das cndicinantes era crreta e exaustiva, prcedeu-se à atualizaçã da infrmaçã dispnível da fase de EIA para crredr 2SM, cm base em levantaments de camp e cntact cm entidades, designadamente cm as Autarquias abrangidas pel prjet Ainda nesta fase, fram realizads estuds cmplementares, necessáris para dar respsta a alguns pnts da DIA. Cm base na ttalidade de infrmaçã btida, fi, assim, prduzida cartgrafia integrada de tdas as restrições a serem cnsideradas na definiçã d traçad da linha dentr d crredr aprvad, que pssibilitu apiar a equipa prjetista cm um cnjunt de recmendações para a definiçã d traçad, lcalizaçã e altura de apis. Numa segunda fase de análise, fi prduzida uma versã preliminar de traçad cnsiderand apenas s vértices da linha), que fi alv de uma avaliaçã ambiental preliminar e prpsta de retificações de traçad que, pr sua vez, fram alv de validaçã técnica pr parte da equipa prjetista. Cm base nas recmendações prcedeu-se à definiçã de uma versã de traçad cmplet, incluind a distribuiçã de apis, para qual se realizaram s trabalhs de camp prevists na DIA dirigids a estud particular ds apis das linhas. Cm base ns nvs estuds e infrmações dispníveis, fi pssível fazer uma avaliaçã ambiental deste traçad intermédi e intrduzir, ainda, algumas recmendações e rientações. Pr fim, fi desenvlvid traçad final que se apresenta n prjet e n respetiv RECAPE e que resultu das sucessivas timizações ambientais descritas ns pnts anterires Demnstraçã da cnfrmidade cm a DIA Enquant aspet enquadradr, imprta demnstrar que a definiçã d prjet de execuçã da linha fi realizada n interir d crredr aprvad pela DIA crredr 2SM. Essa demnstraçã cnsta d Desenh 1 Implantaçã d prjet, integrad n Anex A deste Resum nã técnic. Tal cm referid anterirmente, na sequência ds requisits expsts nas Cndicinantes 9 e 10 da DIA emitida, presente Prjet de Execuçã cntempla, ainda, a mdificaçã de duas linhas elétricas existentes e em explraçã incluind desmntagem de apis): Linha Mgadur Valeira, a 220 kv, entre s apis 164 e 180; Linha Valeira Armamar 1/2, a 220 kv, entre s apis 1/1 e 20/20. A DIA fixu as designadas Cndicinantes C ), cuj cumpriment deve ser assegurad na elabraçã d Prjet de Execuçã da linha e cuja demnstraçã deve ser apresentada n RECAPE, que n presente cas pdem ser integradas nas seguintes categrias: Imp 5007_R4A Página 13

17 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) Necessidade de cmpatibilizaçã territrial d traçad e da clcaçã de apis cm as Cndicinantes 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 13, 14, 17, 18 e 19 N Prjet de Execuçã que se apresenta demnstra-se que traçad da linha assegura a cnfrmidade cm as 3 primeiras cndicinantes da DIA C1, C2 e C3), nã afetand quaisquer recurss gelógics ptenciais e/u em explraçã. As cndicinantes C4 e C5 estã relacinadas cm s recurss hídrics, demnstrand-se que prjet nã interfere cm massas de água superficiais de mair dimensã, nem cm captações de água subterrânea. Em cumpriment da Cndicinante C6, demnstra-se que traçad da linha e mdificações de linhas existentes assciadas encntra-se a mais de 100 m da ttalidade ds recetres sensíveis lcalizads na sua envlvente, nã se prevend efeits negativs em terms de ruíd. Relativamente à cndicinante C7 e C13, relacinadas cm Alt Dur Vinhateir ADV), cnsideru-se que traçad minimiza a afetaçã d ADV e da respetiva ZEP e nã interfere, direta u indiretamente, cm s restantes bens imóveis classificads existentes na sua envlvente. Dand respsta à Cndicinante C14, prjet prevê a implantaçã ds 4 apis iniciais da linha Fz Tua Armamar na área de estaleir delimitada para as bras d Aprveitament Hidrelétric d Fz Tua. A Cndicinante C18 é cumprida pel prjet, já que traçad da linha garante a defesa das znas de prteçã alargada ds pnts de água de api a cmbate a incêndis flrestais lcalizads na envlvente. O traçad da linha garante, ainda, cumpriment da Cndicinante C19, já que garante distância suficiente às infraestruturas de abasteciment de água e de drenagem, acauteland ainda a salvaguarda destas infraestruturas em fase de cnstruçã, através da definiçã de medidas específicas. Necessidade de btençã de pareceres de entidades e da cncretizaçã ds mesms n prjet n cntext das Cndicinantes 15 e 16 Fram slicitads pareceres a um cnjunt de entidades definid pela DIA, send que, na sequência das respetivas respstas, é pssível afirmar que prjet de execuçã dá cumpriment à Cndicinante C15 e C16. Refere-se que as entidades cntactadas a abrig da C15 Entidade Reginal da RAN, Rede Ferrviária Nacinal REFER), Direçã-Geral de Armament e Infraestruturas de Defesa e Entidades gestras ds meis afets a cmbate a incêndis flrestais) nã bstam a desenvlviment d prjet, nã registand interferências d mesm cm as suas infraestruturas e/u atividades. Para dar cumpriment à Cndicinante C16, prcuru-se incrprar as recmendações de um cnjunt de entidades EP Estradas de Prtugal, DGT Direçã Geral d Territóri e ANA Aerprts de Prtugal) n traçad da linha, tend em cnsideraçã a sua viabilidade técnica. Cm a versã final d traçad prcedeu-se à cnsulta final destas entidades, n sentid de bter a sua aprvaçã. Cncretizaçã técnica n prjet d expst nas Cndicinantes 8, 9, 10, 11 e 12 A cndicinante C8 cnsidera-se cumprida pel prjet, uma vez que a UNESCO nã apresentu, durante períd de elabraçã d RECAPE, qualquer recmendaçã. As Cndicinantes C9, C10 e C11 dizem respeit a estud de sluções técnicas de traçad. N âmbit d presente Prjet de Execuçã e para respnder a C10), estudu-se a junçã da linha Fz Tua Armamar, a 400 kv, cm as linhas Mgadur-Valeira, a 220 kv, e Valeira-Armamar 1/2, a 220 kv, ns trçs de linhas em que crredr aprvad na DIA se aprximava ds traçads destas linhas existentes. Esta fi a sluçã final d traçad cuj Prjet de Execuçã agra se apresenta, em cnfrmidade cm requerid na DIA. Para dar respsta simultânea a C9 fi, ainda, necessári dimensinar, especificamente para efeit, uma nva tiplgia de pstes, a tiplgia DV, para linhas duplas e triplas, que vem permitir a junçã da nva linha a 400 kv cm as linhas a 220 kv existentes, ns trçs em que as mesmas apresentavam paralelism. Esta sluçã técnica crrespnde a primeir prjet de linhas multi-circuit linhas duplas u triplas) em Prtugal, que Imp 5007_R4A Página 14

18 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) reduz s habituais quatr plans de clisã para três, seja n trç cm dis circuits, seja n trç cm três circuits. A Cndicinante C11 cnsiderava estud da hipótese de unir, num únic traçad, a linha Fz Tua Armamar e a linha Armamar Lagaça, ambas a 400 kv, tend-se cnsultad a REN - Rede Elétrica Nacinal, S.A., enquant cncessinária da Rede Nacinal de Transprte, n sentid de identificar a viabilidade e cndicinalisms assciads a esta sluçã técnica prpsta dana DIA. A REN, S.A. alertu para elevad grau de risc assciad a aspets de segurança e fiabilidade da rede que esta sluçã pderia implicar, que levu a cnsiderar a mesma cm inviável. Nã fi pssível bservar a Cndicinante C12, atendend a parecer da ANA - Aerprts de Prtugal, S.A., relativamente às implicações da mesma para a segurança da circulaçã aernáutica, pel que se apresenta prjet cm balizagem aérea na travessia da albufeira de Fz Tua. A DIA da Linha Fz Tua Armamar inclui, também, a necessidade de respsta as designads Elements E ) a apresentar em sede de RECAPE que pdem ser integrads nas seguintes categrias: Estud e prpsta da lcalizaçã de estaleirs e acesss N âmbit d RECAPE fram apresentadas prpstas de lcalizaçã de estaleirs que cumprem s requisits da DIA e desenvlvid um Plan de Acesss Vlume 3 d RECAPE), dand respsta a Element 1 e assegurand a cnfrmidade da DIA. Precupações u rientações para a definiçã d traçad N âmbit d RECAPE fram realizads s estuds e levantaments de camp necessáris para dar respsta as Elements da DIA mais relacinads cm precupações u rientações para traçad, em resultad de estuds mais aprfundads de determinadas cmpnentes: Realizu-se um estud aprfundad de avaliaçã ds Habitats n terren dand respsta a Element E3). Prcedeu-se à reavaliaçã d impacte snr d prjet dand respsta a Element E10). Realizu-se uma prspeçã arquelógica sistemática dand respsta a Element E13). Salienta-se que s resultads ds estuds realizads n âmbit ds Elements E3 e E14 permitiram minimizar a afetaçã ds valres eclógics e patrimniais pel traçad agra em análise. Prspeções, estuds cmplementares e reavaliações de impactes a efetuar N âmbit d RECAPE fram realizadas prspeções e levantaments de camp, estuds cmplementares e reavaliações de impactes que permitiram dar respsta as requisits da DIA e assegurar a cnfrmidade d Prjet de Execuçã, n que se refere a: Estud de lcalizaçã das captações de águas subterrâneas E2).); Prspeçã de abrigs de mrcegs E4).); Prspeçã de espécies da flra prtegidas nas áreas de implantaçã ds apis, acesss e estaleirs E5); Trabalhs de Prspeçã Arquelógica e prduçã d Relatóri crrespndente E13); Levantament exaustiv de atributs que cnferem VUE a ADV E15). Imp 5007_R4A Página 15

19 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) Prpsta de plans u prgramas de medidas cmpensatórias/valrizaçã N âmbit d RECAPE fram desenvlvids s seguintes plans, que dã respsta a estes requisits da DIA e asseguram a cnfrmidade d prjet de execuçã: Prpsta de Medidas Cmpensatórias para recriar, restaurar e apiar a regeneraçã natural ds habitats naturais cmpatíveis cm a Águia de Bnelli e utras espécies afetadas E6).); Prgrama de Medidas de Cmpensaçã/Valrizaçã Ambiental E16). Estud de pssíveis sluções alternativas N âmbit d RECAPE estudu-se a viabilidade de uma sluçã técnica prpsta na DIA - sluçã de linha dupla cm menr númer de plans de clisã e a menr altura a sl n atravessament d ri Dur - n âmbit d Element 7. Cnstatu-se nã ser tecnicamente viável uma sluçã cm númer de plans de clisã inferires à sluçã d prjet, reiterand-se, cntud, que a sluçã adtada n presente prjet reduz númer de plans de clisã de quatr sluçã até agra única na RNT para linhas multi-circuit) para três, quer na linha cm dis circuits, quer na linha cm três circuits. Cnstatu-se, ainda, que as alturas ds apis nã pdem ser inferires às precnizadas n prjet em análise, sb pena de se vilarem as Especificações Técnicas da Cncessinária da RNT, resultand na diminuiçã da segurança para a instalaçã e para as pessas. Elabraçã de prgramas de mnitrizaçã N âmbit d RECAPE fram desenvlvids s Prgramas de Mnitrizaçã da Avifauna E8), d Ambiente Snr E11) e da Paisagem E18), dand respsta as requisits da DIA relativamente a estes Elements e assegurand a cnfrmidade d Prjet de Execuçã. Prjets e prpstas de medidas de minimizaçã n ambiente snr e na paisagem N âmbit d RECAPE fram prpstas medidas de minimizaçã para ambiente snr e fi elabrad Prjet de Recuperaçã e Integraçã Paisagística PRIP), dand respsta as requisits da DIA relativamente as Elements 12 e 13, respetivamente, e assegurand a cnfrmidade d Prjet de Execuçã. A DIA inclui, ainda, as designadas Medidas de minimizaçã de caráter específic aplicáveis à fase de desenvlviment d Prjet de Execuçã que, embra nã sejam cndicinadras da cnfrmidade d prjet, crrespndem a rientações a serem seguidas na definiçã d traçad e das sluções técnicas d Prjet de Execuçã. Relativamente a estas medidas, cnsidera-se que Prjet de Execuçã que se apresenta: Dá integral cumpriment às medidas para a fase de desenvlviment d prjet n.º 28, 29, 30 e 31; Minimiza a afetaçã ds valres descrits nas medidas n.º 24, 34, 35, 36, 40, 44 e 45; Apresenta medidas de minimizaçã cmplementares para s restantes efeits d prjet que nã fi pssível evitar. Pr últim, referem-se as Medidas de Minimizaçã de caráter geral e de caráter específic aplicáveis às fases de desenvlviment de pré-cnstruçã e de cnstruçã d prjet, para as quais a DIA estipula que devem cnstar d cadern de encargs da empreitada e ds cntrats de adjudicaçã para a cnstruçã d prjet. N âmbit d presente RECAPE, fi integrada a ttalidade destas medidas na Matriz de Acmpanhament Ambiental MAA), que faz parte integrante d Plan de Acmpanhament Ambiental PAA), bem cm n Plan de Acesss. Assim, cumpriment destas mesmas será assegurad em fase de bra, através da implementaçã ds referids plans. Imp 5007_R4A Página 16

20 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Cnfrmidade cm a Declaraçã de Impacte Ambiental DIA) Pel expst, julga-se que a incrpraçã e cumpriment das cndicinantes n traçad da linha Fz Tua Armamar, s estuds e prspeções realizadas nesta fase d prjet, s plans e prgramas desenvlvids e as medidas de minimizaçã de impacte prpstas para a fase prévia à bra e para a fase de cnstruçã se ajustam e evidenciam a cnfrmidade d Prjet de Execuçã cm as cndições estabelecidas na DIA. Imp 5007_R4A Página 17

21 Relatóri de Cnfrmidade Ambiental d Prjet de Execuçã RECAPE) da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua AHFT) Anex A:Desenh 1 Implantaçã d prjet Anex A: Desenh 1 Implantaçã d prjet Imp 5007_R4A Página A-1

22 [ Simblgia E E E E Cncelhs E E Prjet em avaliaçã Linha a cnstruir Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv ALIJÓ Linhas REN mdificadas Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv CARRAZEDA DE ANSIÃES 6 Trçs de linhas a desmntar Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv 7 Linha Valeira - Armamar, a 220 kv 8 Apis Estaleir A Pórtic Fz Tua Nvs Existente a manter) Existente a desmntar) Outrs elements de prjet 18 Acess a cnstruir Acess a melhrar 19 Estaleir 20 Elements cmplementares 21 Crredr em Estud Subestações Albufeiras existentes e prevista 22 Barragem de Fz Tua Alt Dur Vinhateir Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv kv 25/ / kv temprariamente fra de tensã) 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE /167 Re v. 167 Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. 28/ /170 SÃO JOÃO DA PESQUEIRA / /171 Data RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

23 166 [ 27/ / / /170 SÃO JOÃO DA PESQUEIRA Simblgia /172 E Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv Linhas REN mdificadas Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Cncelhs Prjet em avaliaçã Linha a cnstruir 172 E E 31/171 E E E 33/173 34/174 Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv Trçs de linhas a desmntar Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linha Valeira - Armamar, a 220 kv 175 Apis 35/175 36/176 37/177 49/12/12 48/11/11 51/14/14 54/17/17 53/16/16 52/15/15 15/15 14/14 11/11 13/13 12/12 45/8/8 46/9/9 9/9 50/13/13 47/10/10 44/7/7 42/5/5 43/6/6 8/8 7/7 4/4 6/6 5/5 40/3/3 3/3 2/2 1/1 Acess a melhrar 179 Estaleir Pórtic Pórtic Valeira Existente a desmntar) Acess a cnstruir 38/178 41/4/4 Existente a manter) Outrs elements de prjet /2/2 Nvs Elements cmplementares Crredr em Estud CARRAZEDA DE ANSIÃES Subestações Albufeiras existentes e prevista Barragem de Fz Tua Alt Dur Vinhateir Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) 10/10 Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv 400 kv temprariamente fra de tensã) 220 kv 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE Re v. Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. Data 1 RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

24 [ Simblgia E E E E Cncelhs E E Prjet em avaliaçã Linha a cnstruir Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv Linhas REN mdificadas 56/19/19 57/19A/19A 58 20/ /19 54/17/17 53/16/16 19B/19B 16/16 15/15 17/17 14/14 Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv 50/13/13 Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv Trçs de linhas a desmntar 18/18 52/15/ C/19C 19D/19D 55/18/18 51/14/14 13/13 11/11 Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv 12/12 Linha Valeira - Armamar, a 220 kv Apis Nvs Existente a manter) Existente a desmntar) Outrs elements de prjet Acess a cnstruir Acess a melhrar Estaleir 63 Elements cmplementares Crredr em Estud Subestações Albufeiras existentes e prevista 64 Barragem de Fz Tua Alt Dur Vinhateir Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) 65 Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) 66 Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv 220 kv kv temprariamente fra de tensã) 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA Re v. Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. Data 1 RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

25 [ Simblgia E E E E Cncelhs E E Prjet em avaliaçã TABUAÇO Linha a cnstruir Linhas REN mdificadas Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv Trçs de linhas a desmntar Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv Linha Valeira - Armamar, a 220 kv Apis Nvs Existente a manter) Existente a desmntar) Outrs elements de prjet Acess a cnstruir 76 Acess a melhrar Estaleir Elements cmplementares Crredr em Estud 79 Subestações Albufeiras existentes e prevista Barragem de Fz Tua Alt Dur Vinhateir Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) 86 Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv 400 kv temprariamente fra de tensã) 220 kv 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE Re v. Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. Data 1 RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

26 5 TABUAÇO Simblgia E E E E E E Cncelhs Prjet em avaliaçã Linha a cnstruir Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv Linhas REN mdificadas Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv Trçs de linhas a desmntar Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linha Valeira - Armamar, a 220 kv Apis Armamar Pórtic 104 Existente a manter) Existente a desmntar) Acess a cnstruir 89 Acess a melhrar 88 Nvs Outrs elements de prjet [ 1 87 Estaleir Elements cmplementares Crredr em Estud 103 Subestações Albufeiras existentes e prevista Barragem de Fz Tua 105 Alt Dur Vinhateir 106 Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv 400 kv temprariamente fra de tensã) 220 kv 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar ARMAMAR Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE Re v. Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. Data 1 RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

27 [ Simblgia E E E E Cncelhs E E Prjet em avaliaçã Linha a cnstruir Linha Fz Tua - Armamar, a 400 kv Linhas REN mdificadas Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linhas Valeira - Armamar 1/2, a 220 kv Trçs de linhas a desmntar Linha Mgadur - Valeira, a 220 kv Linha Valeira - Armamar, a 220 kv Apis Nvs Existente a manter) Existente a desmntar) Outrs elements de prjet Acess a cnstruir Acess a melhrar Estaleir Elements cmplementares Crredr em Estud Subestações Albufeiras existentes e prevista Barragem de Fz Tua Alt Dur Vinhateir Limite d Alt Dur Vinhateir ADV) Estaleir B Limite da Zna Especial de Prteçã ZEP d ADV) Rede Nacinal de Transprte RNT) - utras linhas 400 kv 400 kv temprariamente fra de tensã) 220 kv 150 kv Sistema de Crdenadas: Lisba/ Hayfrd Gauss - Militar Divisã Administrativa: DGTerritóri - CA OP 2014 Base Cartgráfica: Carta Militar de Prtugal - 1/25000 Flhas 115, 116, 117, 127, 128, 129, 138, 139 e 140), IGE OE Re v. Alteraçõe s C.Prj. Prj. Des. Data 1 Estaleir C RECAPE da Ligaçã à Rede Nacinal de Transprte de Eletricidade, a 400 kv, d Aprveitament Hidrelétric de Fz Tua Desenhu: Vist s: Nº Arqui v : Nº Flhas: Escalas: IMPLANTAÇÃO DO PROJETO CNR Prje ctu: Data: Ficheir: CP HMF CNR 0687 DP JPM /6 1:25000 Mar mxd

28 A Atkins é um ds líderes mundiais frnecedres de cnsultria prfissinal, multidisciplinar e serviçs cmplementares, baseada ns mais avançads desenvlviments tecnlógics. Ns últims ans evluíms de uma perspectiva histórica e tradicinal de cnsultres de engenharia, cnsultria de gestã e serviçs imbiliáris para a cnsultria de base tecnlógica e para a gestã especializada de instalações. Cm mais de clabradres em td mund, a Atkins pssui uma larguíssima experiência, dispnibilizand s seus mais vasts e prfunds cnheciments numa variada gama de disciplinas e valências. Os nsss clientes sã diversificads e incluem rgãs da administraçã pública, autridades reginais e lcais, instituições e agências financeiras e empresas cmerciais e industriais. Ajudams s nsss clientes a atingir s respectivs bjectivs, desenvlvend e prprcinand sluções práticas e adicinand valr as seus negócis, através da aplicaçã da nssa experiência, ds nsss cnheciments invadres e da mais avançada tecnlgia. WS Atkins Prtugal), Cnsultres e Prjectistas Internacinais, Unipessal, Lda. Trre Ocidente Centr Clmb Trre B Rua Galileu Galilei, Nº2 2ºA/D Lisba Prtugal Telefne: Fax: Atkins Ltd except nde fr mencinad cntrári. O lgótip Atkins, Carbn Critical Design e Plan Design Enable sã marcas registadas da Atkins Ltd.

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Data: 17 de Outubro de 2011

Data: 17 de Outubro de 2011 Títul: AIA2442 Linhas de Muit Alta Tensã a 400 kv e Psts de Crte da Iberdrla na regiã d Alt Tâmega Autria: Agência Prtuguesa d Ambiente Gabinete de Avaliaçã de Impactes Ambientais August Serran Data: 17

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

DECLARA çã o DE.IMP A CTE AMBIENT AL

DECLARA çã o DE.IMP A CTE AMBIENT AL Anex: MINIsTÉRIO DAS CrnADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete d Secretári de Estad d Ambiente e Ordenament d Tern"tóri DECLARA çã DE.IMP A CTE AMBIENT AL "LINHA ALQUEV A -FRONTEIRA ESPANHOLA,

Leia mais

IARC. - Anexo 3 - Procedimentos de Gestão de Pedidos. Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 3 - Procedimentos de Gestão de Pedidos. Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 3 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Prcediments de Gestã de Pedids Índice 1. Intrduçã 3 2. Prcediments 3 2.1 Pedids de Infrmaçã de cndutas

Leia mais

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI)

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI) Desafis e Oprtunidades. Os Plans de Gestã de Riscs de Inundações (PGRI) Cláudia Brandã e Jsé Salvad Divisã d Estad das Dispnibilidades Hídricas 5/02/2015 O QUE SE COMENTA SOBRE AS CHEIAS OU INUNDAÇÕES

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA

QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO PARTICIPAÇÃO PÚBLICA Janeir, 2009 Cnhece a Directiva Quadr da Água e a Lei da Água? A Directiva 2000/60/CE, d Parlament Eurpeu e d

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

REN Rede Eléctrica Nacional, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A.

REN Rede Eléctrica Nacional, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A. REN Rede Eléctrica Nacinal, S.A. MAXIPRO Engenharia, S.A. EIA d Eix da RNT entre Carrapatel, Fridã, Ribeira de Pena e Vila Puca de Aguiar, a 400kV - Refrmulaçã ds trçs 4, 5, 6 e 10 e das lcalizações para

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.1 AGRICULTURA BIOLÓGICA Enquadrament Regulamentar Artig 29º - Agricultura bilógica d Regulament

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais