ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP"

Transcrição

1 ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP Pedro Paes EDP/DSA Direcção de Sustentabilidade Exponor, 26 Setembro 2013

2 Agenda O sector energético desafios e oportunidades A estratégia da EDP Iniciativas relevantes da EDP Os desafios do futuro <<Nome Departaento>> 2

3 O sector energético encontra-se em profunda transformação, enfrentando desafios sem precedentes DESAFIOS OPORTUNIDADES <<Nome Departaento>> 3

4 A longo prazo, a eficiência energética será responsável por mais de metade da redução de emissões de CO 2 Desafios do Desenvolvimento Sustentável* Satisfazer as necessidades de desenvolvimento humano dentro dos limites ecológicos do planeta No sector energético, o desafio consiste no fornecimento seguro e suficiente de energia de baixas emissões de CO2 * Fonte: WBCSD Vision2050 <<Nome Departaento>> 4

5 Os objectivos de política energético-ambiental da UE (pacote energiaclima ) estão alinhados com esta visão 25% em Portugal Emissões de GHG -20% comparativamente com os níveis de 1990 Em Portugal: 31% Energia primária 55% Electricidade 10% Biocombustíveis Eficiência Energética 20% de redução do consumo total de energia primária Energias Renováveis 20% da energia primária proveniente de fontes renováveis Mtep Quota de renováveis na geração de electricidade (%) 34% -20% 14% 21% BaU* Objectivo UE 2020 Business as Usual Fonte: Comissão Europeia, Directiva 2012/27/UE relativa à Eficiência Energética Fonte: Comissão Europeia, An energy policy for Europe, COM (2007)1 <<Nome Departaento>>

6 O PNAER é o instrumento de política energética nacional para cumprimento dos objectivos europeus em Energias Renováveis 1. O PNAER 2020 (RCM 20/2013) prevê os seguintes contributos das fontes renováveis (produção de energia eléctrica) para 2020: Hidroeléctrica MW (5.378 MW em 2012) crescimento de 68% Eólica onshore MW (4.450 MW em 2012) crescimento de 20% Eólica offshore 27 MW (2 MW em 2012) crescimento 13,5x Biomassa 828 MW (734 MW em 2012) crescimento de 13% Solar (PV+CSP) 720 MW (243 MW em 2012) crescimento 3x Ondas, marés, oceanos 6 MW (< 1 MW em 2012) Fonte: DGEG <<Nome Departaento>> 6

7 Agenda O sector energético desafios e oportunidades A estratégia da EDP Iniciativas relevantes da EDP Os desafios do futuro <<Nome Departaento>> 7

8 A estratégia EDP contribui para o desenvolvimento sustentável do sector energético Estratégia da edp -Risco controlado -Eficiência superior -Crescimento orientado Oferta Procura - Investimento em energias renováveis(65% do investimento líquido total em ) e em CCGT(centrais termoeléctricas mais eficientes) - Em 2012, 2/3 da capacidade instalada e mais de 60% da geraçãoa partir de fontes de energia renováveis (sobretudo hídrica e eólica) - Emissões específicas de CO 2 : objectivo de redução para 0,27 tco 2 /MWhem 2012 e para 0,12 tco 2 /MWhem Forte incentivo à melhoria da eficiência no consumo de energia eléctrica Programa - Criação de ESCOpara a prestação de serviços de energia Produção Líquida (GWh) 0,60 Emissões específicas de CO 2 do Grupo EDP (tco 2 /MWh) e objectivos de redução Biomassa Mini-Hídrica Eólica 0,48 0,46 0,39 0,36 0,24 0,29 0,32 Objectivo ,27 Objectivo Hídrica (>10 MW) 0, Termoeléctricas Real Corrigido para IPH=1 <<Nome Departaento>> 8

9 A capacidade instalada em Renováveis do Grupo EDP quase triplicou no período Capacidade Instalada (MW) Variação Termoeléctricas % Hídrica (>10 MW) % Eólica % Mini-Hídrica % Biomassa % Total Renováveis % Total EDP % % Renováveis 48,1% 52,4% 59,2% 61,2% 60,7% 61,2% 63,3% 65,8% <<Nome Departaento>> 9

10 A EDP em números: empresa global de energia, apostando na sustentabilidade e na inovação colaboradores (27 nacionalidades) MW capacidade instalada GWh energia distribuída km de redes eléctricas km de redes de gás 9,7 milhões de clientes electricidade 1,1 milhões de clientes de gás M valor económico gerado M valor económico distribuído M EBITDA Operações em 13 países (54% dos resultados brutos operacionais provenientes de actividades fora de Portugal) <<Nome Departaento>> t%20resultados% pdf

11 A estratégia de inovação da EDP está focada em 4 áreas prioritárias, nas quais se incluem as Energias Renováveis (incluindo offshore) <<Nome Departaento>>

12 Smart Grids : chave para lidar com os desafios energéticos futuros Mais renováveis, geração distribuída, mais eficiência energética e veículos eléctricos Beneficiando os consumidores e proporcionando um salto tecnológico em termos da qualidade de serviço e capacidade das redes de distribuição Impactes no sector eléctrico: Gestão mais eficiente da rede Promoção da sustentabilidade: eficiência energética (DSM), maior integração de renováveis, controlo do carregamento de veículos eléctricos Melhoria da qualidade de serviço Redução dos períodos de falha de fornecimento Facturação com base em leituras reais Projecto inovador (31300 EDP Box - contadores inteligentes), com um investimento total de 15 M ( ), está a ser testado comercialmente em Évora a 1ª InovCityIbérica. Projecto em linha com as tendências tecnológicas mundiais e já uma referência a nível europeu: prémio Utility of the year, concedidono âmbitodos European Smart Metering Awards A plataforma InovGridestá a ser alargado a mais clientes em sete novos locais com diferentes tipologias de redes <<Nome Departaento>>

13 A EDP integra os Índices de Sustentabilidade Dow Jones pelo 6º ano consecutivo Líder do sector eléctrico em 2010 e 2011, igual pontuação do líder em 2012 e líder do sector utilities em 2013 Para a EDP, a avaliação DJSI constitui um referencial de gestão de sustentabilidade. O resultado alcançado nos últimos anos traduz o reconhecimento público de liderança em áreas estratégicas de sustentabilidade e de uma gestão de risco equilibrada, numa perspectiva de longo prazo. <<Nome Departaento>> 13

14 Agenda O sector energético desafios e oportunidades A estratégia da EDP Iniciativas relevantes da EDP Os desafios do futuro <<Nome Departaento>> 14

15 Aproveitamentos hidroeléctricos em Portugal A EDP explora 96% da capacidade hídrica instalada A aposta da EDP na construção de novas barragens (Plano Nacional de Barragens) e reforço de potência de aproveitamentos existentes, é fundamental para diminuir a dependência energética de Portugal. Está em causa aumentar o aproveitamento do potencial hidroeléctrico para 70% (+ 2,7 GW de capacidade), com um investimento total previsto de milhões de. Baixo Sabor (Sabor) Picote II (Douro) Bemposta II (Douro) Ribeiradio Ermida (Vouga) Alqueva II (Guadiana) Fonte: Foz Tua (Tua) Venda Nova III (Rabagão) <<Nome Departaento>> 15

16 Desde há 15 anos que a EDP procura oportunidades visando o aproveitamento energético do mar Central de Energia das Ondas do Pico Análise tecnologias energia das ondas Central OWC na Foz do Douro Estratégia multitecnologia Projeto WINDFLOAT Subestação Aguçadoura <<Nome Departaento>>

17 O contexto tecnológico e as condições existentes no território tornam as aplicações offshore uma oportunidade atractiva para Portugal Contexto tecnológico Energia das Ondas Inexistência de princípio dominante de conversão de energia das ondas(existem 5 tecnologias principais em fase de teste de demonstração do conceito) Eólica Off-Shore Tecnologias de flutuação de geradores offshore apresentam ainda custos elevados, sobretudo em águas profundas (>50M) e semi-profundas (25-50M) Contexto Nacional Condições naturais privilegiadas: boa intensidade energética de ondas(30-40 MW/km de frente de onda) e ventos regulares ao longo de toda a costa Atlântica Elevado potencial técnico: 3-5 GW ondas e >40 GW eólica Infra-estrutura de suporte adequada (rede extensa de portos e estaleiros e rede eléctrica MT/AT ao longo da costa) Conhecimento/know-how significativo : alcançado através de 25 anos de investigação (IST e INETI) e do trabalho desenvolvido pelo WavEC(centro dedicado criado em 2003) Experiênciaconsiderável na produção/ assemblagem de componentes de geradores e manutenção de parques eólicos onshore <<Nome Departaento>> 17

18 Portugal tem constituído um banco de ensaios das diferentes tecnologias de aproveitamento da energia das ondas Colunas de água oscilante Archimedes Wave Swing (AWS) Pelamis Wave Roller Central de Porto Cachorro (Ilha do Pico, Açores), 400 kw, início de funcionamento em 2000 Consórcio IST, INETI, EDP, EDA, Profabril, Efacec, Marques Problemas técnicos e de concepção Última grande reparação em 2013: ½ h de funcionamento Teste de um protótipo de demonstração em 2004 (Póvoa do Varzim, 6 km da costa, 43 m de profundidade, 2 MW) Consórcio: AWS Ocean Energy, TeamWork Technology Projectodescontinuado em Portugal (novo protótipo na Escócia) 3 unidades de 750 kw cada (120m de comprimento por 3,5m de diâmetro), instaladas em 2008 ao largo da Póvoa do Varzim(Aguçadoura) Consórcio: Pelamis Wave Power, EDP, EFACEC Projecto descontinuado (problemas técnicos) Protótipo de 3x100 kw, instalado em 2012 ao largo de Peniche Projecto SURGE (FP7) Consórcio: AW Energy, Eneólica, Estaleiros Navais de Peniche, C.M Peniche, etc. aw-energy.com <<Nome Departaento>> 18

19 Dada a maturidade da tecnologia de eólico offshore, concluiu-se que esta seria prioritária na exploração do recurso energético no mar Desenvolvimento Tecnológico Eólico Offshore flutuante Fase de demonstração full scale Energia das Ondas I&D, prova de conceito e primeiros testes no mar Eólico Offshore flutuante Primeiros projetos comerciais Energia das Ondas Projetos de demonstração no mar em condições reais de operação Foco: Eficácia Eólico Offshore flutuante Fase de crescimento comercial Energia das Ondas Primeiros projetos comerciais Foco: Eficiência Curto Prazo Médio Prazo Longo Prazo Eólico Offshore Flutuante Princípio conversão definido inovação incremental 5 a 8 anos para maturidade Energia das Ondas Princípio conversão por definir inovação disruptiva 10+ anos para maturidade <<Nome Departaento>>

20 A EDP, através da EDP Renováveis, é um dos maiores operadores mundiais de parques eólicos, com portfolio diversificado em 11 países Parques eólicos onshore Cerca de 8 GW de capacidade instalada (dos quais 1 GW em Portugal) e 20 GW em pipeline Representa 26% do EBITDA do Grupo EDP eólico offshore Desenvolvimento de dois projectos no Reino Unido, emparceriacom a RepsolNuevasEnergias, totalizando 1,5 GW de capacidade Projecto-piloto Windfloat em Portugal <<Nome Departaento>> 20

21 Eólica offshore em águas profundas e semi-profundas projecto WindFloat, Aguçadoura(Póvoa de Varzim) <<Nome Departaento>>

22 WindFloat Projecto pioneiro a nível mundial para exploração do recurso eólico em águas profundas Projecto de demonstração de tecnologia eólica offshore para águas profundas -Parceiros: EDP, A. Silva Matos, InovCapital, Vestas, Repsol, PrinciplePower e apoio do Fundo de Apoio à Inovação Investimento de cerca de 23 M Construção e instalação durante 2011 Entrada em operação em Dezembro de Aproximadamente 6 GWhde energia eléctrica já produzida com elevado load factor Estabilidade da plataforma confirmada e resultados de quase 2 anos de operação confirmam confiança nos modelos de engenharia Cerca de 60 fornecedores, 70% nacionais Projeto totalmente construído em Portugal, 50% do investimento foi fornecido por empresas Portuguesas Embrião de um clusterde energia offshore em Portugal

23 Fabricação de componentes na A. Silva Matos Montagem na doca seca (estaleiros navais de Setúbal) Pré instalação das amarrações, em paralelo com a fabricação/montagem Instalação da turbina na doca seca usando o pórtico - grua do estaleiro <<Nome Departaento>> 23

24 Reboque de Setúbal até Aguçadoura (~400 km) usando o mesmo navio que fez a instalação das amarrações Em operação desde Dezembro 2011 <<Nome Departaento>> 24

25 O WindFloat está a funcionar em condições nominais, tendo já produzidocercade 6 GWh <<Nome Departaento>>

26 O solar fotovoltaico como oportunidade de negócio, tanto em sistemas centralizados como em geração distribuída Centrais fotovoltaicas Nova tecnologia no portfolio da EDP Renováveis Parque de 49 MW instalado na Roménia (2012), 12 MW adicionais em construção Procura de oportunidades noutros países Serviços de energia (micro e mini-geração) Sistemas isolados Oferta de soluções tecnológicas de microgeração (clientes e colaboradores) Projectode mini-geraçãocom SONAE: 51 centrais fotovoltaicas nas coberturas das lojas Modelo Continente (4,5 MW, 146 GWhem 25 anos, tco2 evitadas) Programa A2E(Access toenergy) da Fundação EDP Campo de Refugiados no Quénia (Kakuma), em parceria com o ACNUR Aldeia solar de Cabiri(Angola) 500 SHS Outras iniciativas em estudo (Moçambique, Timor, Venezuela, etc.) <<Nome Departaento>> 26

27 Agenda O sector energético desafios e oportunidades A estratégia da EDP Iniciativas relevantes da EDP Os desafios do futuro <<Nome Departaento>> 27

28 Em síntese 1. Os novos investimentos em centrais renováveis (sobretudo hídricas e eólicas) contribuem para a sustentabilidade do sector energético em Portugal -maior quota de renováveis, segurança no abastecimento, redução de importação de combustíveis fósseis e cumprimento dos objectivos nacionais (PNAER) e compromissos europeus assumidos. 2. As aplicações offshore (ondas, vento) constituem uma oportunidade atractiva para Portugal, que tem sido pioneiro na implementação de projectos de demonstração à escala real, mas: 3. O aproveitamento da energia das ondas carece ainda de I&D tecnológico e mais iniciativas de demonstração. 4. O aproveitamento da energia eólica offshore, com maior maturidade tecnológica, será prioritário na exploração do recurso energético no mar a médio prazo. 5. O solar fotovoltaico deverá continuar a crescer com base na micro e minigeração 6. O novo paradigma das redes (inteligentes) é factor chave para lidar com os desafios energéticos futuros (geração distribuída, DSM, veículos eléctricos) <<Nome Departaento>> 28

29 Sustentabilidade do sector energético desafios do futuro O que devemos fazer 1. Explorar o potencial de melhoria da Eficiência Energética 2. Efectivar os investimentos nas Renováveis mais maduras (eólica, hídrica, solar térmica) e promover uma evolução gradual das Renováveis em estádios menos avançados de maturidade mas que se adequam aos recursos naturais em Portugal (p. ex., solar fotovoltaico, eólica offshore) 3. Acompanhar, essencialmente numa base de ID+i, o desenvolvimento das tecnologias menos maduras (outras renováveis, carvão limpo) 4. Atribuir incentivos adequados ao investimento nas redes energéticas do futuro (desenvolvimento das redes inteligentes) 5. Iniciar a discussão sobre as alternativasde nova potência de base pós-2020 (gás, carvão limpo, nuclear?) O que não devemos fazer 1. Investir massivamente em renováveis não maduras 2. Promover novos investimentos em capacidade termoeléctrica adicional nos próximos anos (actual é suficiente, incerteza quanto às tecnologias de base vencedoras no futuro) <<Nome Departaento>> 29

30 Muito obrigado pela vossa atenção <<Nome Departaento>> 30

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal WORKSHOP ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS E BIODIVERSIDADE Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal Energias Renováveis Marinhas e Desenvolvimento Energético Sustentável

Leia mais

Perspectivas e Metas da Energia Renovável Oceânica em Portugal

Perspectivas e Metas da Energia Renovável Oceânica em Portugal Perspectivas e Metas da Energia Renovável Oceânica em Portugal Formação de dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as Energias Renováveis Oceânicas 8 de Fevereiro de 2011 António

Leia mais

Energia das Ondas. Agenda

Energia das Ondas. Agenda Energia das Ondas Rui Barros FEUP - 23 de Março 2004 1 Agenda Historial Recurso Portugal Futuro Dispositivos Onshore Nearshore Offshore FEUP - 23 de Março 2004 2 Historial Antes do 1º choque petrolífero

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL Praça Marquês de Pombal 12 1250 162 Lisboa Portugal www..pt internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL A EDP Internacional desenvolve projetos de consultoria

Leia mais

A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro

A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro Breve nota histórica sobre a electricidade em Portugal Virtualidades e desenvolvimento das energias renováveis Água, a matéria-prima

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Wave Energy: From Demonstration to Commercialization

Wave Energy: From Demonstration to Commercialization : From Demonstration to Commercialization antonio.sarmento@ist.utl.pt Wave Centro de Energia das Ondas Recurso Situação actual da tecnologia Economia Desafios, riscos e barreiras Políticas públicas de

Leia mais

Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável na Região Oeste

Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável na Região Oeste Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável na Região Oeste T. Simões, A. Estanqueiro Departamento de Energias Renováveis Unidade de Energia Eólica e dos Oceanos Caldas da Raínha, 29 de Outubro de 2007

Leia mais

André Croft de Moura Wave Energy Centre GeoForum - André Moura

André Croft de Moura Wave Energy Centre GeoForum - André Moura André Croft de Moura Wave Energy Centre E-mail: andre@wavec.org Hoje vamos falar de... WavEC Centro de Energia das Ondas O recurso: Oceanos Energia das Ondas O recurso Onde estamos Barreiras a ultrapassar

Leia mais

PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto

PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto Livro Offshore Renewable Energy Current Status. Future Perspectives for Portugal AGENDA 1. Porquê investir

Leia mais

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 LIS-143096080926 Evolução (quase) disruptiva do paradigma energético Formas

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

A perspesctiva da energia dos oceanos em Portugal

A perspesctiva da energia dos oceanos em Portugal A perspesctiva da energia dos oceanos em Portugal Portugal Tecnológico 2010 24 de Setembro de 2010 António Sarmento Sumário Ponto de situação internacional A situação em Portugal: iniciativas, projectos

Leia mais

estatísticas rápidas - nº junho de 2014

estatísticas rápidas - nº junho de 2014 estatísticas rápidas - nº 112 - junho de Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica 1 Eólica

Leia mais

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016 URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica 18 de Novembro de 2016 De uma empresa nacional no setor da energia elétrica, a EDP transformou-se numa empresa global com uma forte presença

Leia mais

Centrais Solares Termoeléctricas

Centrais Solares Termoeléctricas Semana da Tecnologia e Design 2012 Instituto Politécnico de Portalegre Aproveitamento de Energia Solar Térmica Centrais Solares Termoeléctricas João Cardoso joao.cardoso@lneg.pt Unidade de Energia Solar,

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica)

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) IV Conferência Anual da RELOP Vitor Santos Brasília, 1 de Julho de 2011 Agenda

Leia mais

A RELEVÂNCIA DOS MATERIAIS NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS

A RELEVÂNCIA DOS MATERIAIS NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS A RELEVÂNCIA DOS MATERIAIS NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS ANTONIO SARMENTO 1 OS MATERIAIS E O MAR 24-04-2014 SUMÁRIO O WAVEC OFFSHORE RENEWABLES PORQUÊ INVESTIR EM ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS? ESTADO

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

Alterações Climáticas

Alterações Climáticas Alterações Climáticas Ponto situação políticas públicas Notas sobre biocombustíveis Junho de 2011 Políticas Nacionais de Clima pré-2012 23 Caminho para cumprir Quioto 100 Emissões estimadas para 2010 (PNAC

Leia mais

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 215 Eletricidade de origem renovável em Portugal Portugal Continental A caminho do fim do Verão, Portugal continental contínua com valores de quantidade de precipitação

Leia mais

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Consumo de Energia no Sector Doméstico 20 Julho de 2011 2010 (1) Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Em Portugal assistiu-se a uma alteração dos hábitos

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios?

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Domingos Santos CICS-UM, 3 de Novembro de 2011 Agenda 1. Novos desafios para os territórios. 2. O que nos dizem as abordagens

Leia mais

edp distribuição em números

edp distribuição em números edp distribuição em números a better energy, a better future, a better world CLIENTES E CONSUMOS EDP DISTRIBUIÇÂO 46 508 GWh 6 137 7,6 MWh/Clientes Porto 10 480 GWh 1 107 9,5 MWh/Clientes Lisboa 12 863

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

Especificidades dos recursos do país - Portugal

Especificidades dos recursos do país - Portugal Especificidades dos recursos do país - Portugal 1. Recurso... 2 2. Desenvolvimento e teste... 3 2.1. Instituições e Instalações de Investigação & Desenvolvimento... 3 2.2. Instalações de teste de tecnologia

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 SEMINÁRIO Pólos e Clusters: Oportunidades e Sinergias com o Setor do Turismo O Mar, um recurso a valorizar nas estratégias de promoção do destino Portugal Coimbra, 23 de Outubro de 2012 Rui Azevedo II

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Curso de Formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Leccionado por Jorge Alberto Mendes de Sousa para Galp Energia Lisboa Abril 2010 1. Enquadramento O presente curso de formação

Leia mais

O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal

O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal O Hidrogénio no Novo Paradigma Energético Oportunidades para Portugal Plano Intervenção Guião Hidrogénio Novo Vector Energético Motores da Economia do Hidrogénio Incursão na Tecnologia Desafios / Oportunidades

Leia mais

Classificação das Fontes de Energia

Classificação das Fontes de Energia BRASIL: FONTES DE ENERGIA Classificação das Fontes de Energia análise dos recursos disponíveis e dos recursos em uso As fontes de energia podem classificar-se em: Primárias - quando ocorrem livremente

Leia mais

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016

Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL. São Paulo, Agosto de 2016 Perspectivas para o Programa de P&D ANEEL São Paulo, Agosto de 2016 Agenda 1 2 3 CONTEXTO SITUAÇÃO ATUAL DA INOVAÇÃO E P&D IDEIAS PARA NOVO MODELO DE P&D+I Privado e Confidencial Anos Anos Estamos a viver

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Energia das ondas. Introdução. Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica. Energia das ondas 02/24/2013

Energia das ondas. Introdução. Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica. Energia das ondas 02/24/2013 Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica Energia das ondas Energia das ondas Alfredo Ferrari Junior Filippo Lorenzini Gilmar dos Santos Correia Leandro Migliard Magalhães Lucas Monteiro

Leia mais

Impacto económico potencial do setor das energias renováveis offshore

Impacto económico potencial do setor das energias renováveis offshore www.pwc.pt Impacto económico potencial do setor das energias renováveis offshore Advisory - Maio 06 Windplus, S.A. Nota prévia e agradecimentos O presente estudo, realizado pela a pedido da Windplus, S.A.

Leia mais

Matriz Energética do Porto

Matriz Energética do Porto Matriz Energética do Porto - Resultados Preliminares - José Eduardo Amorim de Sousa Administrador-Delegado Estratégia e Plano Matriz Energética Definições Oferta Procura Benchmarking Conclusões Estratégia

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho, APREN Índice Enquadramento

Leia mais

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão DGAM AUTORIDADE INSTITUTO DE SOCORROS MARÍTIMA A NÁUFRAGOS NACIONAL DGAM INSTITUTO DE SOCORROS A NÁUFRAGOS Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal Comandante Nuno Leitão Portugal, uma Nação Marítima

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

TORRES EM CONCRETO PREMOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS

TORRES EM CONCRETO PREMOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS ICCX Conference Latin America 2014 25 a 28 Válter de março Lúcio e de Carlos 2014Chastre Universidade NOVA de Lisboa TORRES EM CONCRETO PREMOLDADO PARA GERADORES EÓLICOS Válter J. G. Lúcio e Carlos Chastre

Leia mais

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 TECNOLOGIA NUCLEAR, TECNOLOGIA MINERAL, CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS, MEIO AMBIENTE, SAÚDE MESTRADO E DOUTORADO CONTRIBUIÇÕES ASSOCIADAS

Leia mais

A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) A eficiência energética e o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias Escola Superior Agrária de Coimbra

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Abril 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Abril 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Abril 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Em abril de 2016 as fontes de energias renováveis (FER) mantiveram-se como a principal origem de abastecimento

Leia mais

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011.

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. 2 1) O QUE É ENERGIA EÓLICA? A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico

Leia mais

Biocombustível Marinho

Biocombustível Marinho Biocombustível Marinho 3ªas Jornadas Técnicas do Projeto TRES 11 de Novembro de 2011 Eng.º Aires Henriques Direcção de Estudos e Planeamento PLANO DE ACÇÃO REGIONAL Maximizar o aproveitamento dos recursos

Leia mais

GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO

GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO JAN 10 GESTAO DE ÁGUAS URBANAS NO SECTOR TURÍSTICO PROJECTO ÁGUAS DE PONTA PRETA Contributo das Infra-estruturas ao turismo sustentável 01 CONTEXTO URBANIZAÇÃO DE PONTA PRETA (Santa Maria - Ilha do Sal)

Leia mais

Energia Eólica: a visão dos promotores

Energia Eólica: a visão dos promotores Energia Eólica: a visão dos promotores António Lobo Gonçalves Administrador Delegado da EDP Renováveis Portugal Evolução do Sector Eólico em Portugal A potência eólica instalada em Portugal evoluiu ao

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de agosto caracterizou-se por produtibilidade hidroelétrica, que atingiu temperaturas extremamente

Leia mais

PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto

PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto PROJETO OTEO SESSÃO APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 28 Março 2014 Forte S. João Batista da Foz - Porto Caracterização do Mercado das Energias Renováveis Offshore : Paulo Chainho AGENDA 1. Introdução 2. Caracterização

Leia mais

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010 Disciplina de Geografia 7ºano Portugal Continental localiza-se no extremo Sudoeste da Europa, a Oeste do continente Asiático a Norte do continente

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

Energias Renováveis. Desenvolvimento de Projectos

Energias Renováveis. Desenvolvimento de Projectos Energias Renováveis Desenvolvimento de Projectos MAIO 2011 1. ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL E NACIONAL EFICIÊNCIA ÍNDICE (melhoria contínua) Consolidação 1.- ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL e Valorização E NACIONAL

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Apresentação Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Mafalda Antunes mafaldaa@portugalmail.pt Departamento de Electrónica Industrial O que é a Energia Eólica? E A energia eólica, é a energia

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL MICROGERAÇÃO DISTRIBUIDA Eng. Mec. Egberto Rodrigues Neves SÃO PAULO MAIO 2016 Energia Eólica A Geração eólica : destaque na mídia. Grande porte ou grandes empreendimentos: Parques

Leia mais

A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial

A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial A Cemig e a Sustentabilidade Empresarial Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações O que é desenvolvimento sustentável? Éo desenvolvimento que atende

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

A Cogeraçãoem Portugal

A Cogeraçãoem Portugal A Cogeraçãoem Portugal Desafios e Oportunidades Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com jcosta@dem.isel.pt Seminário Gás Natural Os Desafios do Futuro, Lisboa 11 de Outubro de 2011 A Cogeração

Leia mais

>> Complexo Eólico Brisa Potiguar

>> Complexo Eólico Brisa Potiguar Exercício de 2014 >> Projetos Eólicos Aquisição de 100% dos projetos do Complexo Eólico Santos, pertencentes à Rodrigo Pedroso Energia Ltda RPE Energia, localizados no Estado do Rio Grande do Norte. O

Leia mais

O Papel da Engenharia Mecânica nas Energias Renováveis Energia dos mares e oceanos

O Papel da Engenharia Mecânica nas Energias Renováveis Energia dos mares e oceanos O Papel da Engenharia Mecânica nas Energias Renováveis Energia dos mares e oceanos Turma: 1M01 Equipa: 1M01_04 Ana Filipa Teixeira Salgueirinho João Miguel Roso Miravall Leonardo Miguel Barros Teixeira

Leia mais

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015 Sumário Situação energética mundial e degradação da energia Fontes de energia. Impacte ambiental. Transferências e transformações de energia. Degradação de energia. Rendimento. Energia está em tudo que

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Março 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Março 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Março 2016 Consumo mensal [TWh] Consumo 1º Trimestre [TWh] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O primeiro trimestre de 2016 caracterizou-se do ponto de

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Integração com Cidades Inteligentes Julio Shigeaki Omori Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Convergência Entre Redes e Cidades Inteligentes

Leia mais

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade Perda da biodiversidade Os problemas ambientais Fragmentação e destruição de habitats Sobre exploração de recursos naturais Agricultura intensiva eutrofização, salinização dos solos, bioacumulação Poluição

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016 PNPOT Território e Economia Circular Energia Gabriela Prata Dias Lisboa, 27 outubro 2016 Temas Eficiência energética em Portugal Energia e economia circular Transição energética para um novo paradigma

Leia mais

Jorge Tropa CEO Siemens Angola. Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas. Ccc

Jorge Tropa CEO Siemens Angola. Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas. Ccc Jorge Tropa CEO Siemens Angola Tecnologia como factor determinante para a rentabilidade das infra-estruturas eléctricas Jorge Tropa 15 de Setembro de 2011 Presença em África Primeiras actividades (países

Leia mais

Sistemas de Produção

Sistemas de Produção Sistemas de Produção Portugal assume-se como um país onde pontifica a diversidade. Assim, praticamente todos os sistemas de produção existentes estão representados em Portugal: intensivo em estruturas

Leia mais

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. O impacto das políticas energéticas nas PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. O impacto das políticas energéticas nas PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa O impacto das políticas energéticas nas PME Pedro Neves Ferreira EDP - Diretor de Planeamento Energético O setor elétrico europeu

Leia mais

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA 1 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1) Geração de energia através de Grupos Geradores para operação em Emergência e Horário de Ponta: DIESEL GÁS NATURAL 2) Algumas formas de geração

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Instituições Particulares sem Fins Lucrativos e Associações Desportivas de Utilidade Pública

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região Autónoma dos Açores como Mercado

Leia mais

Presidente da República inaugura Nova Fábrica de Papel do grupo Portucel Soporcel

Presidente da República inaugura Nova Fábrica de Papel do grupo Portucel Soporcel Informação à Imprensa 06.11.09 Cerimónia decorreu hoje com a presença de centenas de convidados Presidente da República inaugura Nova Fábrica de Papel do grupo Portucel Soporcel A nova fábrica é um dos

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica. 3ª Jornadas Electrotécnicas, ISEP - Manuel Azevedo

A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica. 3ª Jornadas Electrotécnicas, ISEP - Manuel Azevedo A Democratização da Energia A Solução Fotovoltaica 1 Índice - Apresentação da Goosun - Situação da energia eléctrica em Portugal - Micro geração em Portugal e objectivos - Soluções fotovoltaicos (ligação

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País

Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País Informação à Imprensa 19 de Março de 2014 Iniciativa Dá a Mão à Floresta Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País Iniciativa assinala, pelo quarto ano consecutivo,

Leia mais

NOVOS CAMINHOS PARA A ÁGUA

NOVOS CAMINHOS PARA A ÁGUA Uso Eficiente da Água no Regadio O Caso do EFMA José Pedro Salema 6 de março de 2015 REDE PRIMÁRIA» TERCIÁRIA PLANEAMENTO» EXPLORAÇÃO Rio Guadiana Alqueva 2800 hm 3 /ano Blocos de Rega 63 500 ha 11 Perímetros

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2014 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

Desenvolver a energia de Moçambique.

Desenvolver a energia de Moçambique. Desenvolver a energia de Moçambique. O engenho para renovar um país inteiro. siemens.co.mz AF_FolhetoFACIM 210x148mm.indd 1 10/08/16 10:14 A história da energia em Moçambique ainda está a ser contada.

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B

FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B FONTES DE ENERGIA PROF. ISRAEL FROIS FRENTES A E B ENERGIA DESIGUAL COMBUSTÍVES FÓSSEIS PETRÓLEO E GÁS Vantagens do Petróleo Alta densidade de energia; Deriva diversos produtos industriais; Domínio

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 4/2005 SACYR- VALLEHERMOSO, S.A-/FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A I - INTRODUÇÃO 1. Em 10 de Janeiro de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

Divulgação de Resultados

Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados Banca, Seguros, Comunicações, Combustíveis, Gás em Garrafa, Gás Natural, Eletricidade, Dual, Transportes de Passageiros e Águas Parceiro no sector dos Seguros Índice Introdução

Leia mais

Apresentação Programas de Apoio Artes e Espectáculos

Apresentação Programas de Apoio Artes e Espectáculos Apresentação Programas de Apoio Artes e Espectáculos Índice Programa MOP APOIO ARTES E ESPECTÁCULOS Introdução Suportes para apoio Redes formatadas Descrição Tabela de custos Outros formatos Descrição

Leia mais

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Geração

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais