A MONOPOLIZAÇÃO DO TERRITÓRIO PELO CAPITAL NA AGRICULTURA CAMPONESA EM NOVA FLORESTA NA PARAÍBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MONOPOLIZAÇÃO DO TERRITÓRIO PELO CAPITAL NA AGRICULTURA CAMPONESA EM NOVA FLORESTA NA PARAÍBA"

Transcrição

1 EDP: CAMPO/RURAL A MONOPOLIZAÇÃO DO TERRITÓRIO PELO CAPITAL NA AGRICULTURA CAMPONESA EM NOVA FLORESTA NA PARAÍBA Silvana Cristina Costa Correia Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPB Emília de Rodat Fernandes Moreira Profª Dra. do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPB INTRODUÇÃO O presente trabalho é um subcapítulo da Dissertação de Mestrado Resistência e formas de (re)criação camponesa no semiárido paraibano defendida em 2011 no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPB. Ele tem como objetivo principal analisar a forma de extração da renda da terra pelo capital industrial, financeiro e comercial na agricultura camponesa do município de Nova Floresta na Paraíba. Para tanto, busca-se caracterizar o campesinato municipal através das formas de organização da produção, do calendário agrícola e das etapas do processo produtivo das principais culturas agrícolas do município. O estudo pauta-se em análises bibliográficas sobre os conceitos que fundamentam o estudo (renda da terra, monopolização do território pelo capital, Estado, território, recriação camponesa, além de outros) e na pesquisa de campo que compreendeu visitas em 11 comunidades camponesas e 1 assentamento de reforma agrária, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais e na Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (EMATER-PB). Organizamos o trabalho em três partes além da introdução e das considerações. A primeira parte refere-se à fundamentação teóricoconceitual da pesquisa. A segunda parte aborda a caracterização do campesinato em estudo e a forma de extração da renda da terra pelo capital em suas diferentes formas à

2 luz das formas de organização da produção e do trabalho. A última parte mostra o papel do Estado no processo de recriação do campesinato e no processo de subordinação do campesinato ao capital. 1. MONOPOLIZAÇÃO DO TERRITÓRIO PELO CAPITAL: SUJEIÇÃO DA RENDA DA TERRA E SUBJUGAÇÃO DO TRABALHO Em Agricultura camponesa no Brasil, Oliveira (1996) afirma que o desenvolvimento do capitalismo na agricultura se faz de forma desigual e contraditória, isto significa que para seu desenvolvimento ser possível, ele tem que desenvolver aqueles aspectos aparentemente contraditórios a si mesmo (OLIVEIRA, 1996, p. 18). Ou seja, tem que haver a articulação de relações capitalistas com as relações nãocapitalistas. Nas palavras do autor: Entender o desenvolvimento desigual do modo capitalista de produção na formação social capitalista significa entender que ele supõe sua reprodução ampliada, ou seja, que ela só será possível se articulada com relações sociais não capitalistas. E o campo tem sido um dos lugares privilegiados de reprodução dessas relações não-capitalistas (OLIVEIRA, 1996, P. 11). A citação acima demonstra o caráter contraditório do capitalismo no campo, pois ao mesmo tempo em que expande as relações capitalistas nas médias e grandes propriedades, também expande as relações não-capitalistas baseadas no trabalho familiar do camponês nas pequenas propriedades. De acordo com Oliveira (1996, p.20): (...) o capital não expande de forma absoluta o trabalho assalariado, sua relação de trabalho típica, por todo canto e lugar, destruindo de forma total e absoluta o trabalho familiar camponês. Ao contrário, ele, o capital, o cria e recria para que sua produção seja possível, e com ela possa haver também a criação, de novos capitalistas.

3 Em outras palavras, as relações capitalistas não se estabelecem de forma homogênea no tempo e no espaço, pois o capital na medida em que expropria o camponês em determinados lugares, contraditoriamente, na mesma medida, ele cria condições para sua recriação e para que haja a subjugação da renda da terra ao capital. Conforme Oliveira (2002, p.80): Na agricultura, o capital ora controla a circulação subordinando a produção, ora se instala na produção subordinando a circulação. Aliás, uma engendra a outra. Como conseqüência desse movimento contraditório, temos o monopólio do capital ora na produção, ora na circulação. Esse processo contraditório de desenvolvimento da agricultura ocorre nas formas articuladas pelos próprios capitalistas, que se utilizam de relações de trabalho familiares para não terem que investir, na contratação de mão-de-obra assalariada, uma parte do seu capital. Ao mesmo tempo, utilizando-se dessa relação sem remunerála, recebem uma parte do fruto do trabalho dos camponeses proprietários, parceiros, rendeiros ou posseiros, convertendo-o em mercadoria e, ao vendê-la, convertem-na em dinheiro. Assim, transformam, realizam a metamorfose da renda da terra em capital. Esse processo nada mais é do que o processo de produção do capital, que se faz por meio de relações não capitalistas. Neste caso, o desenvolvimento do capitalismo no campo ocorre com a monopolização do território pelo capital que se define pela sujeição da renda da terra ao capital e pela subjugação do trabalho realizado. Todavia, para compreender o processo contraditório do capital e a recriação camponesa gerada por ele, faz-se necessário destacar o processo de funcionamento da geração da renda da terra. Oliveira (1996), baseado na acumulação primitiva continuada de Rosa Luxemburgo, explica que, no processo produtivo, os capitalistas estão envolvidos em dois processos distintos: na reprodução do capital, através do trabalho assalariado, e na produção do capital com a sujeição da renda da terra gerada através do trabalho familiar camponês. Neste caso, não se trata da sujeição do trabalho ao capital, mas da subordinação da produção ao capital na circulação mercantil. Portanto, não é o trabalho, mas a produção que gera a taxa de lucro (mais-valia) aos capitalistas. Para não confundir a sujeição formal do trabalho ao capital com a sujeição real do trabalho ao

4 capital, achamos por bem buscar em José de Souza Martins a correta adequada definição dos conceitos: A noção de sujeição formal do trabalho ao capital está originalmente relacionada à expropriação dos trabalhadores (...). Essa sujeição não representaria nenhuma mudança no processo de trabalho. Ele continuaria sendo realizado exatamente como era na produção artesanal doméstica. Só que agora o artesão, transformado em trabalhador assalariado, já não trabalha para si mesmo, mas para o capitalista (...). O passo seguinte é o capital se assenhorear não só do resultado do trabalho, mas também do modo de trabalhar (...) na sujeição real do trabalho ao capital, o conhecimento se restringe a um pequeno aspecto da produção (...). Na medida em que o produtor preserva a propriedade da terra e nela trabalha sem o recurso do trabalho assalariado, utilizando unicamente o seu trabalho e o de sua família, ao mesmo tempo que cresce a sua dependência em relação ao capital (...) estamos diante da sujeição da renda da terra ao capital (MARTINS, 1995 apud PAULINO, 2006, p. 110). A renda da terra é gerada pelo trabalho familiar dos camponeses e se faz presente nos produtos que são lançados no mercado. Neste caso, conforme Paulino (2006), o que os camponeses vendem, no capitalismo, é o produto no qual está contido o trabalho da família, uma distinção essencial em relação aos demais trabalhadores, que têm para vender unicamente a mercadoria força de trabalho (p. 108). É na fase da circulação que acontece a transformação da renda da terra em capital, haja vista que, na fase da produção de mercadoria, os camponeses se recriam controlando ao mesmo tempo a força de trabalho e os meios de produção. A apropriação da renda da terra se dá pelo capital comercial, pelo capital industrial e pelo capital financeiro. Uma das formas de transferência da renda da terra ao capital foi apresentada por Paulino (2006) através dos estudos por ela realizados sobre o sistema de integração dos camponeses do Norte do Paraná às indústrias de fumo, de leite, de aves, de suínos e do bicho-da-seda. Para a autora, é nos contratos estabelecidos que ocorre a sujeição da renda da terra pela indústria, que dita o preço da matéria-prima. Essa é uma das investidas do capital para garantir primeiramente a produção e depois a reprodução do capital. Todavia, há uma dupla funcionalidade neste processo que tanto explica a contradição do capitalismo como deixa brecha para a recriação camponesa. Se de um lado o sistema de integração

5 possibilita a monopolização do território pelo capital, de outro garante a recriação camponesa e impede a territorialização do capital. Dito de outra forma, neste caso, a monopolização do território pelo capital ocorre sem a territorialização do capital, dado que, para produzir o capital, os camponeses precisam manter a sua recriação e sua territorialização. 2. AGRICULTURA CAMPONESA DE NOVA FLORESTA: A ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO E A EXTRAÇÃO DA RENDA DA TERRA As unidades de produção camponesa de Nova Floresta que visitamos estão distribuídas em 11 comunidades rurais e 1 assentamento rural, a saber: Canoa do Costa, Morada Nova, Boi Morto, Saco de Milho, Montevidéu, Gamelas, Sítio Novo, Salamantra, Flores de Cima, Estrondo, Flores de Baixo e o Assentamento APROUNI, conhecido como Pororoca. Aplicamos 41 questionários nas diferentes subunidades agro-ecológicas do município de modo a possibilitar a obtenção de uma representatividade da diversidade de formas de extração da renda da terra camponesa ao capital. O tamanho das unidades de produção camponesas das 41 famílias que responderam aos questionários em Nova Floresta varia de 0,5 a 20 hectares, sendo que 83% inserem-se na faixa de 1 a menos de 20 hectares. A organização da produção é bastante diversificada e através dela estudamos as diferentes formas de extração da renda da terra. 2.1 O CALENDÁRIO AGRÍCOLA, AS ETAPAS DO PROCESSO PRODUTIVO E A EXTRAÇÃO DA RENDA DA TERRA O calendário agrícola da microrregião do Curimataú Ocidental está correlacionado às condições climáticas. Estas se caracterizam por apresentar basicamente duas estações: uma chuvosa, que corresponde ao inverno e se estende de

6 março a agosto e outra seca que corresponde ao verão, e se estende de setembro a fevereiro. O município de Nova Floresta e como parte integrante desta microrregião reflete o mesmo quadro climático. Conforme os depoimentos dos camponeses entrevistados é comum ocorrer algumas chuvas esparsas no período do verão. No que se refere às etapas do processo produtivo os camponeses de Nova Floresta realizam as seguintes: a) o preparo do solo para o plantio; b) o plantio; c) os tratos culturais; d) a colheita; e) o beneficiamento de algumas culturas; e) a comercialização dos produtos. Todas são determinadas não somente pela natureza, mas também pelo mercado e pelo Estado como bem nos lembra Shanin (1983): La unidad doméstica campesina funciona como uma pequeña unidad de producción de recursos muy limitados, estando sujeta em gran manera a lãs poderosas fuerzas de la naturaleza, el mercado y el Estado (apud BOMBARDI, 2004, p. 240). Sendo assim, analisaremos o processo de produção realizado nas unidades de produção camponesas do mencionado município a partir dos dois fatores indicados por Shanin: natureza (calendário agrícola) e mercado (comercialização da produção somados aos fatores relacionados a estrutura familiar) conforme assinalou Chayanov (1974), que se dá através da combinação do número dos membros da família e a idade produtiva de cada um deles para saber o quanto se deve produzir. O Estado (políticas públicas), também assinalado por Shanin será objeto de análise no próximo capítulo. Trataremos agora das fases do processo produtivo. O preparo do solo inicia regra geral, com o corte do mato efetuado pelos homens entre os meses de novembro a dezembro, se estendendo entre os meses de janeiro a fevereiro. Então, como a maioria dos camponeses entrevistados são proprietários de suas próprias terras, significa que eles têm liberdade e autonomia total na escolha do mês que deseja iniciar o processo de trabalho. Nesta operação os camponeses utilizam como instrumento agrícola a foice e o enxadeco para cortar os pés de pau existentes

7 em seu roçado, e a capinadeira (também denominada de cultivador), o boi, e os instrumentos de trabalho menores que regra geral os pertencem. Em seguida, existem duas variáveis de atividades cujas práticas vão depender do tipo de roçado que os camponeses desejam montar. Referem-se, justamente, as operações chamadas por eles de gradagem da terra e coivara que neste trabalho merecem ser bem explicadas: Aqui é só destocá a terra, é a mesma coisa de desbrocá, a gente derruba o mato com a foice ou com um enxadeco, e depois manda passar o tratô por cima com a grade de disco. A gente nem sempre faz a coivara, é muito difícil, porque o tratô passa por cima dos pau mais resistente. Agora tem vez, que a gente vê muito pau grosso como a jurubeba, que é um mato muito grosso, sabe? Aí é o jeito queimar, porque o mato grosso o tratô não consegue derrubar, aí faz a coivara antes de alugar o tratô pra fazê a gradagem da terra. A gente faz uma arruma dos mato, juntando tudinho com um gancho de pau, a chibanca, o enxadeco e depois queima. Mas, aqui na região, a gente só faz a coivara uma vez quando se vai montar um roçado, dá um trabalho danado porque se encoivara até duas ou três vez pra poder o terreno ficar limpo (Depoimento do camponês Francinaldo da Silva. Nova Floresta. Julho de 2007). Na maioria dos roçados de Nova Floresta, por se tratar de terrenos que já vêm sendo cultivados anualmente e por isso não possuem vegetação arbustiva, é necessário fazer apenas a gradagem da terra. A prática da coivara não é freqüente entre os camponeses, sendo realizada apenas uma vez ou periodicamente em situações completamente diferentes, como: no início de montagem de um roçado em área de vegetação nativa ou secundária ou em terreno que foi cultivado com o sisal ou quando se trata de um roçado que tenha muitos galhos grossos que o trator no ato da gradagem não consegue derrubar. Nestas situações, a coivara, que são os restos de capina ou montinhos de gravetos a que se põe fogo para limpar terreno de cultura (ORMOND, 2006, p. 76) provavelmente será repetida tantas vezes quanto for suficiente para deixar o terreno limpo. Depois da coivara ficam os restos de tocos e raízes que não foram queimados completamente e serão removidos na destoca para serem encoivarados e queimados de novo. É este processo de encoivarar, que corresponde ao ato de empilhar

8 (os troncos e galhos não queimados de todo), para de novo lançar-lhes fogo (...) (ORMOND, 2006, p. 77) que exige um maior esforço do camponês que tem o objetivo de deixar o terreno limpo e já preparado para o plantio. Depois da gradagem se faz a risca, utilizando tração animal (usam muito o trabalho do boi), para alinhar o solo, facilitando o trabalho do camponês, que encontra a terra preparada, economizando seu tempo para o cultivo. O plantio é uma operação na qual as sementes ou as mudas das plantas são colocadas no solo depois do mesmo ser revolvido com a gradagem. É justamente nesta etapa que existe a participação da forçade-trabalho de todos os membros da família, inclusive, das mulheres e das crianças. As limpas e as colheitas variam conforme o ciclo vegetativo de cada cultura, o que significa que a própria natureza influencia o ritmo de trabalho nas unidades de produção camponesas. O beneficiamento pode ser manual ou através do uso da máquina mecânica que é restrito somente as culturas do feijão, e do milho. A produção do feijão, da fava, do milho, da macaxeira, da mandioca e da batata-doce é destinada em sua maior parte para o consumo da família e quando há excedente é destinada à comercialização. Os animais de pequeno porte e a produção de ovos são usados para o consumo da família. Alguns vendem ovos e outros também comercializam o leite. Os produtos provenientes da horticultura e da fruticultura têm como principal finalidade a comercialização, os camponeses consomem apenas uma pequena parte deixando a maior parte para a venda no intuito de obter recursos financeiros para adquirir outros produtos que não produzem em seus roçados e para investir na produção do ano seguinte. A comercialização, via de regra, é efetuada diretamente na unidade camponesa através dos atravessadores do próprio município ou de municípios vizinhos sendo os mesmos quem determina o preço. A ausência de uma intermediação do Estado no sentido de possibilitar a venda direta dos produtos ao consumidor justifica o fato dos camponeses não terem um maior poder de preço junto aos atravessadores. A tentativa de vender a produção diretamente à Ceasa não tem dado certo nos dias atuais, uma vez que já existem atravessadores que vendem o produto em grande quantidade e com

9 regularidade, o que não é possível para os camponeses que dependem das condições meteorológicas e de outros fatores que as vezes interferem no volume dos produtos e na regularidade da comercialização. Além disso, depois de pago o frete para o transporte da mercadoria, quando os camponeses chegam na Ceasa o preço que conseguem acaba sendo o mesmo ou mais baixo do que aquele que normalmente obtém na venda do produto ao atravessador. Então, de fato, concordamos com Shanin (1983) quando o mesmo afirma que os camponeses não estão apenas sujeitos às condições da natureza, mas também às determinações do mercado e o apoio ou não do Estado. Com efeito, observamos que esses três fatores imbricados entre si definem a forma como se dá a recriação do campesinato de Nova Floresta. A relação que os camponeses mantêm com o mercado se faz de forma subordinada ao capital comercial, industrial e financeiro. Podemos citar como exemplo a produção do maracujá em Nova Floresta cuja renda da terra é apropriada na maioria das vezes pelo capital industrial e comercial. Vejamos: a primeira apropriação ocorre logo no início do processo produtivo através da compra de insumos (fertilizantes químicos), equipamentos para a irrigação e alguns instrumentos de trabalho que sejam necessários para viabilizar a produção. Aqui a renda da terra é apropriada pelo capital industrial, haja vista que a compra de insumos e ferramentas de trabalho não se faz em grandes quantidades e não tem muita freqüência. A segunda apropriação acontece pela relação estabelecida entre os camponeses e os atravessadores na comercialização do maracujá. Aqui a apropriação da renda da terra camponesa se dá pelo capital comercial que subordina a produção. Aliás, esta é uma forma de monopolização do capital na circulação do maracujá que os camponeses não conseguem evitar. Quando os mesmos vendem o maracujá para os atravessadores que o revende para as Ceasas que imediatamente o revende para outros setores antes de chegar ao consumidor, nesta movimentação ambos adicionam uma margem de lucro ao maracujá antes do produto final chegar à sociedade. Neste caso, a renda da terra que foi gerada pelo trabalho familiar dos camponeses de Nova Floresta está contida no maracujá que ao ser lançado ao mercado foi apropriado pelos atravessadores e os demais segmentos que não

10 pagaram aos camponeses pelo seu trabalho efetuado durante a produção do maracujá, mas que ao comprá-lo o transforma em mercadoria que ao ser vendido é convertido em dinheiro. Esse é o processo que Oliveira (2002) denomina de produção de capital feito por meio do trabalho camponês. Não se trata da subordinação do trabalho ao capital, mas da subordinação da produção ao capital durante a sua circulação. Não é o trabalho do camponês, mas o maracujá que gera taxa de lucro (a mais-valia) aos atravessadores e aos demais segmentos na circulação. Este foi um exemplo no qual a renda da terra camponesa foi apropriada somente pelo capital industrial e comercial, porém, existem casos em que os camponeses se endividam com o banco por meio de políticas públicas de crédito agrícola e transferem a renda da terra também ao capital financeiro. A comercialização é entendida neste trabalho como necessária para a recriação dos camponeses, uma vez que os produtos provenientes do roçado não cobrem todo o conjunto de bens reconhecidos socialmente como necessários ao consumo da família, isto é, existem bens que se consomem, mas que não são produzidos por eles, como o café, a carne, o açúcar, o sal, além das roupas, dos calçados, dos materiais escolares entre outros. Portanto, para a aquisição destes produtos é necessária a venda do excedente da produção e das frutas que são produzidas com esta finalidade. Os camponeses analisados estão inseridos na lógica de produção simples de mercadoria, os quais comercializam parcialmente os seus produtos para adquirir bens que são necessários à recriação da família. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em suma, constatamos que a extração da renda da terra do campesinato de Nova Floresta é realizada na comercialização e circulação da produção do maracujá e do excedente do feijão, da fava, da macaxeira, da batata-doce, da mandioca, além de outros produtos. A monopolização do território pelo capital ocorre na sua forma clássica na produção do maracujá uma vez que os camponeses que têm acesso as linhas de créditos do PRONAF, além de transferir a renda da terra ao capital industrial e comercial, se endividam com o banco e acabam transferindo a renda da terra também ao capital

11 financeiro. A comercialização, via de regra, é realizada através dos atravessadores que adquirem a produção dos camponeses em suas unidades de produção para revender na CEASA de Natal RN, na EMPASA de Campina Grande-PB, nas feiras livres de Caicó-RN, Acarí- RN, e numa indústria de polpa de fruta localizada no município de Jaçanã RN. Isso significa que a produção do maracujá passa de mãos em mãos até chegar ao consumidor final, o que explica que vários segmentos da sociedade se apropriam da renda da terra contida no produto feito pelo trabalho dos camponeses. Assim, a relação que os camponeses mantêm com o mercado se faz de forma subordinada ao capital comercial, industrial e financeiro. Contudo, eles mantém a territorialização camponesa através de diferentes formas de resistência que minimiza a subordinação da renda da terra ao capital, como: a) a diversificação da produção evitando a penetração de monoculturas; b) a preferência em cultivar produtos conforme a aptidão dos solos existentes; c) a criação de animais como complemento da renda familiar e articulada a alguma cultura como forma de evitar maiores gastos; d) a migração temporária como forma de manter-se enquanto camponês; e) a autonomia camponesa no processo de trabalho. Todos esses elementos são materializados nas unidades de produção camponesas. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOMBARDI, Larissa Mies. O bairro reforma agrária e o processo de territorialização camponesa. São Paulo, Ed. Annablune, CHAYANOV, Alexander V. La organizacion de la unidad economica campesina. Buenos Aires: Ediciones Nueva Vision, MARTINS, José de Souza. A sujeição da renda da terra ao capital e o novo sentido da luta pela reforma agrária. In: Coleção Encontros com a Civilização Brasileira, Rio de Janeiro: nº 22, OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Agricultura camponesa no Brasil. São Paulo, Ed. Contexto, 1996.

12 A geografia agrária e as transformações territorias recentes no campo brasileiro. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). Novos caminhos da Geografia. São Paulo. Ed. Contexto ORMOND, José Geraldo Pacheco. Glossário de termos usados em atividades agropecuárias, florestais e ciências ambientais. Rio de Janeiro: BNDES, PAULINO, Eliane Tomiasi. Por uma Geografia dos camponeses. São Paulo, Ed. Unesp, SANTOS, José Vicente Tavares dos. Colonos do vinho: estudo sobre a subordinação do trabalho camponês ao capital. São Paulo: Ed. Hucitec, SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituação e desconceituação: o velho e o novo em uma discussão marxista. Estudos Cebrap, Petrópolis, n. 26, p , 1980.

COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS

COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS Martha Benfica do Nascimento 1 martha_benfica@hotmail.com Licenciatura Plena em Geografia Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Modos de Vida Rural e Agricultura Familiar

Modos de Vida Rural e Agricultura Familiar Modos de Vida Rural e Agricultura Familiar Alecio Rodrigues de Oliveira 1 Vera Marisa Henriques de Miranda Costa 2 1. Resumo O presente trabalho contempla um estudo sobre a resistência dos pequenos produtores/proprietários

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP.

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. Fátima Rotundo da Silveira Facultade de Ciências e Tecnologia UNESP- Presidente Prudente 1. INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

As relações capitalistas e não capitalistas de produção e a permanência da agricultura familiar no século XXI

As relações capitalistas e não capitalistas de produção e a permanência da agricultura familiar no século XXI As relações capitalistas e não capitalistas de produção e a permanência da agricultura familiar no século XXI Elisangela Silva Santana Suzane Fernandes Pereira Jeane Pinto Teixeira Graduandos em Geografia

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375 Página 375 MAMONA NA AGRICULTURA FAMILIAR: GERANDO RENDA E PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL 1 José Aderaldo Trajano dos Santos; 1 Djail Santos; 1 Tancredo Augusto Feitosa de Sousa; 2 Hugo Cássio Lima de Souza;

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

AS TRAJETÓRIAS DE MIGRAÇÃO E DIFERENTES INSERÇÕES LABORAIS: O TRABALHO ASSALARIADO COMO ESTRATÉGIA DE RESISTÊNCIA CAMPONESA. 1

AS TRAJETÓRIAS DE MIGRAÇÃO E DIFERENTES INSERÇÕES LABORAIS: O TRABALHO ASSALARIADO COMO ESTRATÉGIA DE RESISTÊNCIA CAMPONESA. 1 AS TRAJETÓRIAS DE MIGRAÇÃO E DIFERENTES INSERÇÕES LABORAIS: O TRABALHO ASSALARIADO COMO ESTRATÉGIA DE RESISTÊNCIA CAMPONESA. 1 Silas Rafael da Fonseca silasrfonseca@hotmail.com Introdução Percebemos que

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

A AGRICULTURA CAMPONESA NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO NO ASSENTAMENTO DE VILA AMAZÔNIA, PARINTINS-AM

A AGRICULTURA CAMPONESA NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO NO ASSENTAMENTO DE VILA AMAZÔNIA, PARINTINS-AM A AGRICULTURA CAMPONESA NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO NO ASSENTAMENTO DE VILA AMAZÔNIA, PARINTINS-AM RESUMO LUÍS FERNANDO BELÉM DA COSTA 1 MANUEL DE JESUS MASULO DA CRUZ 2 RILDO OLIVEIRA MARQUES 3 Este

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 O SISTEMA PAIS (PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA E SUSTENTÁVEL) COMO INDUTOR DA DIVERSIFICAÇÃO PRODUTIVA E DO REDESENHO DO AGROECOSSISTEMA DE UMA PROPRIEDADE RURAL DO

Leia mais

Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas. ... e alternativas

Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas. ... e alternativas Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas... e alternativas EXPEDIENTE Esta cartilha é uma produção do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) do estado do Espírito Santo. Texto:

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS

O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A RECRIAÇÃO DO CAMPONÊS Luiza Santos Alves luizaalves.geo@gmail.com Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia Universidade Federal do Espírito Santo

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Zeke Beze Júnior Aluno do Mestrado do Centro de Desenvolvimento Sustentável-CDS Universidade

Leia mais

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN DADOS DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COOPERATIVA DE ASSESSORIA TÉCNICA E GERENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR TERRA LIVRE - CNPJ: 04.023.765/0001-06 ENDEREÇO: Rua

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Cartilha 2007 Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SEMARH Secretário Juliano Matos Chefe de Gabinete Adolpho Ribeiro Netto Diretor Geral Wesley

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

O PROCESSO DE RECRIAÇÃO CAMPONESA EM SANTA RIA DO PARDO/MS. Resumo

O PROCESSO DE RECRIAÇÃO CAMPONESA EM SANTA RIA DO PARDO/MS. Resumo O PROCESSO DE RECRIAÇÃO CAMPONESA EM SANTA RIA DO PARDO/MS. Eduardo Parro de Oliveira 1 Universidade Estadual de Londrina oliveiraeduardobrpr09@yahoo.com.br Resumo Neste artigo tentamos mostrar a partir

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão CONVIVER - Associação Conviver no Sertão Avenda de produtos à CONAB¹, via PAA: a experiência das mulheres de Mirandiba Mirandiba, localizada no semiárido pernambucano, é um município novo, criado em 1958

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Horta: Fazendo em casa o que se aprende na Entidade

Mostra de Projetos 2011. Horta: Fazendo em casa o que se aprende na Entidade Mostra de Projetos 2011 Horta: Fazendo em casa o que se aprende na Entidade Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Certificação por Auditoria Olhar de cima

Certificação por Auditoria Olhar de cima Certificação por Auditoria Olhar de cima OCS VENDA DIRETA Produto orgânico para venda direta por agricultores familiares organizados não sujeito à certificação de acordo com a Lei n 10.831, de 23 de dezembro

Leia mais

É o programa do BANCO DO NORDESTE, em parceria com o Governo Federal, que oferece serviços microfinanceiros para os(as) produtores(as) rurais de

É o programa do BANCO DO NORDESTE, em parceria com o Governo Federal, que oferece serviços microfinanceiros para os(as) produtores(as) rurais de É o programa do BANCO DO NORDESTE, em parceria com o Governo Federal, que oferece serviços microfinanceiros para os(as) produtores(as) rurais de pequenos negócios, em especial aos(às) agricultores(as)

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM Débora Mota da silva Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Amazonas; e-mail de contato: demotas@gmail.com

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira.

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. Aula PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: entender o conceito

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Brasília, 24 de Agosto de 2010. PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Ao Povo Brasileiro e às organizações do campo e da cidade A questão energética, na

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar Comentários texto, a seguir, procura destacar os principais aspectos da agricultura familiar em 2006, e realiza algumas comparações com os estabelecimentos que não se enquadraram nos parâmetros da Lei

Leia mais

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR AR/SP O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FÁBIO DE SALLES MEIRELLES PRESIDENTE

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC)

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Acordos Comerciais Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Notificações Brasileiras

Leia mais