PROJETO PEDAGÓGICO 2014 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO 2014 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO BAURU-SP 2014

2 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA REITORA Dr.ª Ir. Susana de Jesus Fadel PRÓ-REITORA ACADÊMICA Prof.ª Dr.ª Ir. Ilda Basso DIRETORA DO CENTRO DE EXATAS E SOCIAIS APLICADAS Profª Me. Daniela Luchesi PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 2 SECRETÁRIA GERAL Prof.ª Dr.ª Gesiane Monteiro Branco Folkis PESQUISADORA INSTITUCIONAL Sônia Gandara da Silva Minutti COORDENADORA PEDAGÓGICA Prof.ª Dr.ª Rosilene Frederico Rocha Bombini COORDENADORA DO CURSO Profª Me. Tatiana Ribeiro de Carvalho Luppi Luppi

3 PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 3 Educar é obra de amor Madre Clélia Merloni ( ) Fundadora do Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração

4 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Projeto Pedagógico do Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade do Sagrado Coração (USC), elaborado pelo seu Núcleo Docente Estruturante, tendo como base as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso, conservando a filosofia humanista cristã que norteia o Projeto Pedagógico Institucional (PPI/USC). A proposta se apresenta em consonância com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI ), definindo os objetivos do curso, perfil desejado dos formandos, competências e habilidades, conteúdos curriculares, regulamentações para as atividades de trabalho de curso, estágio curricular supervisionado e atividades complementares, bem como as políticas, metas e ações pretendidas para conceber ao formando o título de Bacharel em Arquitetura e Urbanismo. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 4 Este projeto não é um documento conclusivo. As revisões deverão ser realizadas tendo em vista a realidade universitária, as exigências do mercado de trabalho, da sociedade e dos conselhos profissionais e das diretrizes educacionais. É uma proposta em construção, aberta às contribuições dos Conselhos da Instituição de Ensino e da Comissão de Especialistas para reconhecimento do curso. COORDENAÇÃO DO CURSO

5 LISTA DE FIGURAS E ILUSTRAÇÕES Figura 1- Localização-USC Figura 2 - Quantidade de Arquitetos e Urbanista por região brasileira Figura 3 - Quantidade de Arquitetos por cidades da Região Administrativa Figura 4 - Empregos na construção no Brasil e no Estado de São Paulo Figura 5 - Distribuição da Carga Horária do Curso de Arquitetura e Urbanismo-USC Figura 6 - Eixos do Curso de Arquitetura e Urbanismo-USC Figura 7 - Distribuição de carga horária teórica x prática por eixos no Curso de Arquitetura e Urbanismo-USC Figura 8 - Distribuição da carga horária teórico e prática por eixos e por disciplina Figura 9 - Ementário - Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 10 - Campos de Estágio não-obrigatório no Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 11 - Campos de Estágio não-obrigatório no Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 12 - Atividades e Projetos de Extensão do Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 13 - Temas de Trabalho de Curso (TFG) Figura 14 - Composição do NDE- Curso Arquitetura e Urbanismo - USC Figura 15 - Titulação dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo - USC Figura 16 - Regime de Trabalho dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo - USC Figura 17 - Experiência profissional dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo - USC Figura 18 - Área de formação dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo - USC 76 Figura 19 - Experiência no magistério superior dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo Coordenadora do Curso Figura 20 - Conselho de Curso-Arquitetura e Urbanismo da USC Figura 21 - Produção acadêmica dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 5

6 Figura 22 - Detalhe da Produção acadêmica dos Docentes do Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 23 - Projetos de Iniciação Científica do Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 24 - Bibliografia e do Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 25 - Períodicos utilizados pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 26 - Laboratórios do Curso de Arquitetura e Urbanismo Figura 27 - Biblioteca Figura 28 - Horário de Funcionamento da Biblioteca PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 6

7 SUMÁRIO DIMENSÃO 1 - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 1 CONTEXTO EDUCACIONAL Contextualização da IES Contextualização do Curso Políticas Institucionais no âmbito do curso Objetivos do curso Perfil profissional do egresso Estrutura curricular Conteúdos curriculares Metodologia Estágio curricular supervisionado Atividades complementares Trabalho de conclusão de curso (TCC) Apoio ao discente Ações decorrentes dos processos de avaliação do curso Tecnologias de informação e comunicação TICs no processo ensinoaprendizagem Procedimentos de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem Número de vagas PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 7 DIMENSÃO 2 - CORPO DOCENTE 2 CORPO DOCENTE Atuação do Núcleo Docente Estruturante NDE Atuação da coordenadora... 68

8 2.3 Experiência profissional, de magistério superior e de gestão acadêmica da coordenadora Regime de trabalho da coordenadora do curso Titulação do corpo docente do curso Titulação do corpo docente do curso percentual de doutores Regime de trabalho do corpo docente do curso Experiência profissional do corpo docente Experiência de magistério superior do corpo docente Funcionamento do colegiado de curso ou equivalente Produção científica, cultural, artística ou tecnológica DIMENSÃO 3 INFRAESTRUTURA PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 8 3 INFRAESTRUTURA Política de Acessibilidade aos Portadores de Necessidades Especiais Gabinetes de trabalho para professores Tempo Integral TI Espaço de trabalho para coordenação do curso e serviços acadêmicos Sala de professores / sala de reuniões Salas de aula Acesso dos alunos a equipamentos de informática Bibliografia básica Bibliografia complementar Periódicos especializados Laboratórios didáticos especializados: quantidade Laboratórios didáticos especializados: qualidade Laboratórios didáticos especializados: serviços Biblioteca Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais - N.I.D.B

9 DIMENSÃO 1 - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 1 CONTEXTO EDUCACIONAL 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES O curso de Arquitetura e Urbanismo insere-se administrativamente no Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas da USC. A instituição é mantida pelo Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração (IASCJ), localizado na Província de São Paulo, com sede, administração e foro no Município e Comarca de São Paulo, Rua Coronel Melo de Oliveira, 221, Vila Pompéia, CEP Associação civil, sem fins lucrativos, fundada em 23/08/1935, com Estatuto Social primitivo registrado em 18/09/1942, n. 128, Livro A-n. 01 do Registro Civil de Pessoas Jurídicas, 4º Cartório de Títulos e Documentos da Comarca de SP. Reconhecido de utilidade pública federal pelo Decreto , de 12/04/1965, DOU de 12/ A Mantenedora é declarada de utilidade pública estadual pela Lei de 27/10/1961, publicada no D.O.E de São Paulo de 27/10/1961. Declarada de utilidade pública municipal (artigo 4º da Lei 4.819/1955). Inscrito no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, do Ministério da Fazenda, n / Inscrita no Conselho Municipal de Assistência Social de São Paulo (COMAS-SP)n. 627/2007. Declarada como entidade de fins filantrópicos (Decreto /2008, de 15/01/2008) pelo Conselho Nacional de Assistência Social (C.N.A.S.). A USC nasceu com a Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Sagrado Coração de Jesus FAFIL (Decreto Federal , 20/11/1956). Foi reconhecida pela Portaria Ministerial n. 296, de 29/ Com limite territorial de atuação circunscrito ao município de Bauru, S.P., está estabelecida na R. Irmã Arminda n , Jardim Brasil, CEP e CNPJ n / Entidade privada, comunitária, confessional, católica. Foi recredenciada pela Portaria n. 692, de 28/05/2012 (D.O.U. de 29/05/2012, p. 48). PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 9

10 PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 10 Figura 1- Localização-USC Fonte: ASSECOM-USC A USC tem como MISSÃO oferecer formação humana integral fundamentada nos princípios católicos, concretizada na excelência do ensino, da pesquisa e extensão, expressa no compromisso social e na disseminação da ciência e do saber para o bem da sociedade. O cumprimento da sua MISSÃO institucional fundamenta-se em princípios da educação, pesquisa e serviço à comunidade, como uma presença de qualidade e transformadora; realizar a ação educativa que articula os valores humanos e cristãos, com a excelência na formação científica, no crescimento pessoal e na produção cultural. Como VISÃO de Futuro, pretende tornar-se, cada vez mais, uma instituição inovadora e de excelência acadêmica pela qualidade de seu ensino, relevância nas pesquisas e atividades de extensão, com inserção transformadora da sociedade. A história de Bauru inicia com o cultivo do café e com a chegada das companhias ferroviárias. Localiza-se a 345 km da capital do Estado; área territorial de 673, 49 km2 (IBGE, 2011); população de habitantes (SEADE, 2013), cidade sede de uma região

11 administrativa comércio e a prestação de serviços com 72%, prevalecendo essa média na região. Na composição dessa porcentagem, a indústria contribui com 22% e a agricultura com 4%. Sua participação no PIB corresponde 35% e a taxa de emprego cresce na medida da economia. A maioria das ofertas está no setor de serviços, com 50% de vínculos empregatícios (SEADE, 2012). Bauru está em plena expansão, com um grau de urbanização na faixa de 94,51%, destacando-se os setores de comércio, prestação de serviços e educação. É conhecida também como polo educacional e aglutinador de conhecimento CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO O curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Sagrado Coração, cujo endereço situa-se à Rua Irmã Arminda, 10-50, CEP , Jardim Brasil, Bauru-SP, tem como mantida o Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração (IASCJ). O curso foi aprovado pelo Conselho Universitário CONSU/USC-Parecer nº 02, em 28/01/2008 e reconhecido pelo MEC pela Portaria 189 de 01/10/2012, com oferta de 160 vagas, no período noturno, com carga horária de horas, distribuída em 10 semestres, com tempo mínimo de integralização de 5 anos e máximo de 8 anos. O curso não possui, ainda, conceito preliminar (CPC), pelo fato de não ter passado pela avaliação do ENADE 2012, em razão de não apresentar concluintes nesse ano, além dos ingressantes que foram dispensados da prova. O curso de Arquitetura e Urbanismo da USC tem relevância em virtude do posicionamento geográfico e as características que a cidade de Bauru apresenta. A Região Administrativa de Bauru é uma das quinze regiões administrativas do estado de São Paulo. É formada pela união de 39 municípios distribuídos em três regiões de governo (Bauru, Lins e Jaú). O município de Bauru é considerado polo regional do centro-oeste do Estado de São Paulo, tem um dos maiores centros universitários do Estado e é a 17ª cidade mais populosa do estado de São Paulo, segundo dados do IBGE (2011) e segundo dados do PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 11

12 SEADE(2010). O município encontra-se em plena expansão com alto grau de urbanização e possui uma população essencialmente urbana. O desenvolvimento acelerado de Bauru favoreceu não só a implantação de grandes empreendimentos, mas também a demanda por habitação, a necessidade de melhorias na infraestrutura, nos sistemas de abastecimento de água e de geração de energia, na mobilidade urbana e na gestão dos impactos gerados da exploração dos recursos naturais, da geração de resíduos. Bauru tem recebido cada vez mais investimentos do setor público e privado, com construção de avenidas, duplicação de rodovias, construção de novos equipamentos públicos e empreendimentos imobiliários, especialmente edifícios residenciais, condomínios horizontais e novas moradias no Programa Minha Casa Minha Vida. O raio de influência de Bauru vai além da sua região administrativa e todo esse desenvolvimento tem ofertado mercado de trabalho para arquitetos, fato que já se comprova com a facilidade de inserção dos estudantes de Arquitetura e Urbanismo da USC nos campos de estágio, na área pública e privada. Em 2012, o CAU- Conselho de Arquitetura e Urbanismo - realizou um Censo que possibilitou identificar a demanda por arquitetos e urbanistas em cada região do país. O número de arquitetos urbanistas ativos no Brasil já é de A maioria deles vive na Região Sudeste conforme indicado na Figura 2, apresentada a seguir: PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 12 Regiões Número % Sudeste ,27 Sul ,83 Centro-Oeste ,04 Norte ,46 Nordeste ,40 TOTAL Figura 2 - Quantidade de Arquitetos e Urbanista por região brasileira Fonte: Adaptada de CAU-BR (http://www.caubr.org.br/?s=censo&x=0&y=0)

13 Segundo dados do CAU-BR (2013), o Brasil registra hoje um índice de 0,55 arquiteto por cada grupo de mil habitantes, relação semelhante aos países desenvolvidos. No entanto os profissionais estão presentes em 38% dos municípios brasileiros. Esse fato pode ser comprovado também ao analisar a Região Administrativa de Bauru: o município de Bauru agrega 61,68% % dos arquitetos da região, ou seja, 300 dos 488 arquitetos. Há municípios da região que ainda não têm arquitetos, conforme indicado na Figura 3. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 13 Figura 3 - Quantidade de Arquitetos por cidades da Região Administrativa Fonte: Adaptada de CAU-BR (http://www.caubr.org.br/?s=censo&x=0&y=0) A região administrativa de Bauru possui uma população total de (SEADE, 2013) e ainda carece de profissionais com formação em Arquitetura e Urbanismo,

14 pois há um índice de 0,454 arquiteto por cada grupo de mil habitantes, inferior à média nacional de 0,55. Entre as áreas de atuação para o arquiteto e urbanista está o mercado da construção civil. Os números de empregos apontam um cenário nacional e estadual favorável do setor nos últimos meses, conforme indica a Figura 4, a seguir: PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 14 Figura 4 - Empregos na construção no Brasil e no Estado de São Paulo Fonte: Nos próximos anos os investimentos em infraestrutura urbana prometem crescer em função da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, sendo indícios da demanda crescente por profissionais especializados da área de construção civil e urbanismo no Brasil. Portanto, analisando-se a importância, a variedade e o alcance das atividades desenvolvidas na região de Bauru, sobretudo no seu município-sede, bem como seu potencial de crescimento no contexto econômico nacional e internacional, justifica-se a oferta do curso na USC. Além disso, são realizadas ações institucionais como a Feira de Profissões em que é possível verificar o interesse de candidatos oriundos do ensino médio em relação à área de Arquitetura e Urbanismo.

15 1.2 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO A proposta do curso estabelece como concepção de modelo pedagógico o ensino presencial com o foco na teoria e prática acadêmica mediada pelo planejamento e avaliação do programa de ensino, mantendo fidelidade às exigências da legislação educacional e o direito do estudante ao acesso à formação profissional nos padrões de um perfil universitário de qualidade. O curso segue a política institucional definida no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI, ), que promove a interação no relacionamento entre Equipe Diretiva e Coordenadores de Cursos no atendimento às normativas institucionais, a fim de manter ativo o processo de revitalização do ensino e da aprendizagem, fazendo da gestão caminhos para a formação integral e desenvolvimento de conhecimentos básicos e específicos para o mercado de trabalho. Além disso, existe participação no gerenciamento e implantação de mecanismos de apoio ao aprofundamento das práticas que estimulem a formação continuada dos estudantes e docentes, integrando a graduação e a pós-graduação na produção e participação de reflexão, discussão, compartilhamento de ideias; fortalecimento de estratégias e publicação das produções acadêmicas, viabilizando eventos, encontros e estabelecendo condições para o planejamento acadêmico participativo; fortalecimento do crescimento pessoal, de talentos; desenvolvimento artístico-culturais e cuidados com a pessoa humana nas relações interpessoais da comunidade interna e externa. A USC tem como MISSÃO oferecer formação humana integral fundamentada nos princípios católicos, concretizada na excelência do ensino, da pesquisa e extensão, expressa no compromisso social e na disseminação da ciência e do saber para o bem da sociedade. Na área de Arquitetura e Urbanismo, as políticas institucionais de ensino, pesquisa e extensão qualificam o egresso para o trabalho, desenvolvendo as seguintes competências: a) Concepção e execução de projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo representando as necessidades, aspirações e expectativas individuais e coletivas e ponderando fatores como custos, qualidade, durabilidade, manutenção, acessibilidade, PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 15

16 sustentabilidade, higiene, segurança, especificações técnicas e regulamentos legais, considerando ainda aspectos sociais, econômicos, antropológicos e estéticos. b) Concepção e execução de projetos de organização, intervenção, revitalização, reabilitação, reestruturação, preservação, conservação, valorização, restauro, reconstrução das estruturas internas dos ambientes e dos seus respectivos equipamentos, objetos e mobiliários, visando favorecer as atividades neles realizadas, respeitando o patrimônio arquitetônico, urbanístico, paisagístico, histórico, tecnológico, artístico de edificações, conjuntos, monumentos e cidades. 1.4 OBJETIVOS DO CURSO O Curso de Arquitetura e Urbanismo, em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais (Resolução CNE/CES n. 2, de 17 de junho de 2010), tem como objetivo geral promover a formação de profissionais generalistas, aptos a compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidade, com relação à concepção, organização e construção do espaço interior e exterior, abrangendo o urbanismo, a edificação, o paisagismo, bem como a conservação e a valorização do patrimônio construído, a proteção do equilíbrio do ambiente natural e a utilização racional dos recursos disponíveis. Para que esses objetivos possam ser alcançados a estrutura curricular do curso é baseada em três grandes eixos de formação, ou seja, eixo de fundamentação, profissional e trabalho de curso. Além disso, tem como fator norteador não só o conhecimento técnico e científico, mas os valores culturais, éticos e cristãos e o compromisso com a sociedade. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O perfil do egresso em Arquitetura e Urbanismo, formado pela USC, é o de profissional generalista, autônomo, reflexivo, crítico, apto a atuar em diferentes campos de saberes da arquitetura e em diferentes escalas, capaz de compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidades, com relação à concepção, organização e construção do espaço interior e exterior, capaz de promover a conservação e

17 valorização do patrimônio construído e comprometido com a proteção do equilíbrio do ambiente natural e utilização racional dos recursos disponíveis, com domínio das competências profissionais, aberto à formação continuada e com as seguintes habilidades: compreensão da complexidade socioespacial e atuação profissional humanista e cidadã, aprendizagem focada nas vivências de situações concretas, autonomia na formação e atualização profissional, em face das inovações tecnológicas da área, capacidade de trabalhar em equipe, respeitando e valorizando as diferenças em prol da coletividade, domínio nos campos de saber da arquitetura (edificações, urbanismo e paisagismo) em diferentes escalas. Insere-se nesse contexto o conhecimento técnico e científico, a oportunidade de mergulhar nas riquezas da cultura, o que lhe permite aspirar por uma vida orientada pela verdade, bondade e beleza; aliada a princípios éticos e aos valores cristãos, especialmente à solidariedade e ao compromisso social, honestidade, respeito ao pluralismo e ao meio ambiente, à proatividade, fraternidade universal, ternura e, como coroamento, ao amor. Os egressos do curso de Arquitetura e Urbanismo encontram-se na sua maioria, atuando como autônomos ou prestando serviços em construtoras e escritórios de arquitetos de Bauru e região. Ao concluir o curso, os egressos foram devidamente cadastrados no SICCAU (Sistema de Comunicação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo) para obtenção do Registro Profissional. O perfil do egresso baseia-se nas premissas da Resolução CNE/CES nº 2, de 17 de junho de 2010 e a partir de 2011, com a Lei nº , de 31 de dezembro de 2010, que instituiu o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil CAU/BR e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal CAU/UF regulamentando o exercício da Arquitetura e Urbanismo no país e na Resolução nº 21, de 5 de abril de 2012, que dispõe sobre as atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista, bem como a Resolução CAU-BR nº51, de 12 de julho de 2013, que dispõe sobre as áreas privativas de arquitetura e urbanismo e as áreas de atuação compartilhada com outras profissões regulamentadas. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 17

18 1.6 ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura curricular busca atender os objetivos e o perfil estabelecido para o curso, por meio dos conteúdos que se interligam em eixos de formação em conformidade com as diretrizes curriculares nacionais do curso de Arquitetura e Urbanismo, apoiando-se nos pressupostos do PDI/USC ( ). O curso foi aprovado pelo Parecer nº 02 ( Conselho Universitário CONSU/USC, em 28/01/2008), preparado conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais e reconhecido pelo MEC pela Portaria 189 de 01/10/2012, com oferta de 160 vagas, no período noturno, com carga horária de horas, distribuída em 10 semestres, com tempo mínimo de integralização de 5 anos e máximo de 8 anos. A figura 5 apresenta a distribuição da carga horária, entre disciplinas específicas, eletivas, trabalho de curso, estágio e atividades complementares. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 18 Figura 5 - Distribuição da Carga Horária do Curso de Arquitetura e Urbanismo-USC Fonte: Coordenação do Curso Observando a figura 5, conclui-se que a carga horária do curso é de 3600 horas e que, dessa carga horária, são 2736 horas de disciplinas específicas do curso e 144 horas de Trabalho de Curso.

19 Os conteúdos curriculares do curso de Arquitetura e Urbanismo foram estruturados seguindo a Resolução CNE/CES n. 2, de 17 de junho de 2010, dividindo-os em conhecimentos de fundamentação (estudos relacionados à Estética e História da Arte, Estudos Sociais e Econômicos, Estudos Ambientais e Desenho e Meios de Representação e Expressão), conhecimentos profissionais (estudos relacionados à Teoria e História da Arquitetura, do Urbanismo e do Paisagismo, Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo, Planejamento Urbano e Regional, Tecnologia da Construção, Sistemas Estruturais, Técnicas Retrospectivas, Informática aplicada à Arquitetura e Urbanismo, Topografia) e Trabalho de Curso. Assim sendo, foram criados 11 eixos no curso, a saber (Figura 6) : EIXOS TIPO DESCRIÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Estudos de Expressão e Representação, Estética e História da Arte e dos Estudos Socioeconômicos e Ambientais. 2 PROFISSIONAL Estudo da Teoria e História da Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo e das Técnicas Retrospectivas. 3 PROFISSIONAL Estudo do Planejamento Urbano e Regional. 4 PROFISSIONAL Estudo de Projetos de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo. 5 PROFISSIONAL Estudos das Instalações e das Tecnologias da Construção. 6 PROFISSIONAL Estudo dos Sistemas Estruturais. 7 PROFISSIONAL Estudo do Conforto Ambiental. 8 PROFISSIONAL Estudo da Informática Aplicada. 9 PROFISSIONAL Estudos Topográficos. 10 PROFISSIONAL 11 TRABALHO DE CURSO Figura 6 - Eixos do Curso de Arquitetura e Urbanismo-USC Fonte: Coordenação do Curso Estágios, Disciplinas e Atividade Curriculares es. Trabalho Final de Graduação. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 19 A carga horária teórica do curso de Arquitetura e Urbanismo da USC é de 1555 horas, ou seja, 54% e 1325 horas de carga horária prática, ou seja, 46%. A distribuição da carga horária em relação aos eixos do curso é apresentada na Figura 5. O eixo 10 é composto por disciplinas que orientam o estágio obrigatório, atividades complementares, e

20 disciplinas eletivas. Assim sendo, para análise da carga horária teórica x prática, na Figura 5 foram consideradas apenas as disciplinas específicas presentes no eixo 10. A Figura 7 também considera a carga horária do Trabalho de Curso. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 20 Figura 7 - Distribuição de carga horária teórica x prática por eixos no Curso de Arquitetura e Urbanismo- USC. Fonte: Coordenação do Curso Na Figura 8, representada abaixo, apresenta-se a distribuição da carga horária teórica e prática por eixo e por disciplina. Disciplina Sem Eixo 1 C.H. Total Desenho Técnico 1º C.H. Teórica Meios de expressão e representação 1º Comunicação e Expressão 2º Estudos Socioeconômicos e Ambientais 2º FUNDAMENTAÇÃO Imagem e Representação Fotográfica 2º Estudos de Expressão e Representação, Políticas de Habitação e 2º Estética e História da Assentamentos Humanos Arte e dos Estudos Modelos e Maquetes 3º Socioeconômicos e Sociologia da Responsabilidade Ambientais C.H. Prática

21 Social Ética e Cultura Religiosa 6º Total do EIXO % ,63 45,37 Disciplina Sem Eixo 2 C.H. Total C.H. Teórica Estética e História da Arte 2º Teoria e História: Arquitetura, 3º PROFISIONAIS Urbanismo e Paisagismo Estudo da Teoria e Patrimônio Cultural 3º História da Arquitetura Brasileira 4º Arquitetura, Urbanismo e Arquitetura Contemporânea 4º Paisagismo e das Técnicas Retrospectivas 9º Técnicas Retrospectivas C.H. Prática Total do EIXO % ,43 28,57 PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 21 Disciplina Sem Eixo 3 C.H. Total C.H. Teórica Fundamentos da Estatística 3º Planejamento Urbano e Regional I 8º PROFISIONAIS C.H. Prática Planejamento Urbano e Regional II 9º Estudo do Planejamento Urbano e Regional Total do EIXO % ,00 20,00 Disciplina Sem Eixo 4 C.H. Total C.H. Teórica Fundamentos da Arquitetura das Edificações 1º Fundamentos da Arquitetura 1º Paisagística LAUP I 1º Projeto de Edificações 2º LAUP II 2º Arquitetura de Interiores 2º LAUP III 3º Projetos de Fragmentos Urbanos 3º LAUP IV 4º PROFISIONAIS Projeto de Revitalização Urbana e 4º Estudo de Projetos de Paisagística Arquitetura, LAUP V 5º Urbanismo e C.H. Prática

22 Projeto Urbano 5º Paisagismo LAUP VI 6º Projetos de infraestrutura e 6º sustentabilidade urbana LAUP VII 7º Projeto da Paisagem 7º LAUP VIII 8º Projetos complexos e inovações tecnológicas 8º Total do EIXO % ,44 59,56 Disciplina Sem Eixo 5 C.H. Total C.H. Teórica Materiais e Sistemas Construtivos 3º Instalações Prediais: Hidráulicas 6º PROFISIONAIS C.H. Prática Instalações Prediais: Elétricas e 7º Estudos das Especiais Instalações e das Gestão de Obras 10º Tecnologias da Construção Total do EIXO % ,89 41,11 PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 22 Disciplina Sem Eixo 6 C.H. Total C.H. Teórica Fundamento dos Sistemas Estruturais 3º Estabilidade das Estruturas 4º PROFISIONAIS C.H. Prática Mecânica dos Solos 5º Estudo dos Sistemas Estruturais Sistemas Estruturais: Concreto 6º Sistemas Estruturais: Metálicas e 7º Madeiras Total do EIXO % ,44 35,56 Disciplina Sem Eixo 7 C.H. Total C.H. Teórica Conforto Térmico 3º Conforto Acústico e Lumínico 4º PROFISIONAIS C.H. Prática Avaliação Pós-ocupacional 5º Estudo do Conforto Ambiental Acessibilidade e Segurança das 6º Edificações Total do EIXO % ,17 45,83

23 Disciplina Sem Eixo 8 C.H. Total Informática aplicada à Arquitetura 1º PROFISSIONAIS: C.H. Teórica C.H. Prática Informática aplicada ao Urbanismo 8º Estudo da Informática Aplicada Total do EIXO % ,56 69,44 Disciplina Sem Eixo 9 C.H. Total Topografia 8º PROFISIONAIS C.H. Teórica C.H. Prática Estudos Topográficos Total do EIXO % ,22 27,78 PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 23 Disciplina Sem Eixo 10 C.H. Total C.H. Teórica Pesquisa da Prática em Arquitetura, 6º Urbanismo e Paisagismo I Pesquisa da Prática em Arquitetura, 7º PROFISSIONAIS Urbanismo e Paisagismo II Pesquisa da Prática em Arquitetura, 8º Estágios, Disciplinas Urbanismo e Paisagismo III e Atividade Empreendedorismo 7º Curriculares es Total do EIXO (parcial) C.H. Prática %(parcial) ,89 41,11 AACC I 6º 24 AACC I 7º 24 AACC I 8º 24 Eletiva 1 3º 72 Eletiva 2 4º 72 Eletiva 3 9º 72 Eletiva 4 10º 72 Libras 10º 36 Total do EIXO 504 Disciplina Sem Eixo 11 C.H. Total C.H. Teórica Métodos e Técnicas da Pesquisa 1º C.H. Prática

24 Trabalho Final de Graduação I 9º TRABALHO DE Trabalho Final de Graduação II 10º CURSO Total do EIXO % ,63 45,37 TOTAL LEGENDA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL HISTÓRIA. E CULTURA. AFRO- BRASILEIRA E INDÍGENA Figura 8 - Distribuição da carga horária teórico e prática por eixos e por disciplina Fonte: Coordenação A proposta do curso valoriza a teoria e a prática, as especificidades no desenvolvimento de projetos e ao mesmo tempo uma formação generalista. A estrutura curricular exercita o potencial inovador e criativo, com liberdade e flexibilidade, oferecendo ao estudante de Arquitetura e Urbanismo uma sequência equilibrada e lógica, integrando os objetivos à luz das competências comportamentais, cognitivas e pragmáticas. A proposta é ofertar a formação num processo contínuo, autônomo e permanente. Abrange a sólida formação básica e profissional, fundamentada na competência teórico-prática e na flexibilidade curricular para o atendimento das contínuas e emergentes mudanças. O Curso teve início no ano de 2008, em regime seriado semestral. A estrutura curricular permite visualizar a linearidade nas ações e projetos interdisciplinares a partir dos eixos de formação e das diretrizes curriculares. O estudo teórico busca fornecer o embasamento necessário para o estudante realizar reflexões sobre a vida profissional, além de vivências e simulações de casos reais visando aproximá-lo dos desafios que farão parte da rotina no mercado de trabalho. A vivência da prática profissional na área é realizada pelas disciplinas projetuais e pelos trabalhos práticos realizados nas disciplinas que fazem parte do eixo dos estudos de projetos de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo, essenciais para a formação profissional. Na organização da estrutura curricular há a possibilidade de o aluno escolher disciplinas eletivas a partir do 4 semestre e, como optativa, a disciplina LIBRAS, nos termos da Lei , de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 24

25 Sinais, e Decreto n , de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei /2002 e artigo. 18 da Lei /2000, a partir do ano de 2010, como componente curricular optativo para o aluno. A disciplina tem, no âmbito dos cursos da Universidade, uma carga horária de 36 horas. A disciplina SOCIOLOGIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL oferece dentre os seus conteúdos o tratamento de questões e temáticas referentes aos afrodescendentes (Parecer CNE/CP nº 03 de 10 de março de 2004); dessa forma promove o atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro- brasileira e Africana (Resolução CNE/CP nº 01 de 17 de junho de 2004). As disciplinas ÉTICA E CULTURA RELIGIOSA e SOCIOLOGIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL inserem dentre os seus conteúdos estudos sobre a Educação Ambiental de modo transversal, contínuo e permanente, de acordo com as Políticas de Educação Ambiental (Lei n º 9.795, de 27 de abril de 1999 e Decreto nº de 25 de junho de 2002). A estrutura curricular permite a aplicação nas disciplinas de MÉTODOS E TÉCNICAS DA PESQUISA e SOCIOLOGIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL da modalidade semipresencial, conforme concede a Portaria MEC nº 4.059/2004. No Curso, a integração da estrutura curricular com a extensão universitária proporciona aos estudantes uma forma de complementação acadêmica, potencializando o seu comprometimento com a sociedade e realidade do mercado de trabalho. Os Projetos de Extensão, organizados pela Pró-Reitoria de Extensão e Ação Comunitária permitem aos estudantes contribuir com a sociedade de forma prática através dos conhecimentos adquiridos na vida acadêmica. A participação de discentes de diversos cursos em um mesmo projeto facilita a integração e a interdisciplinaridade de múltiplos conteúdos. São oferecidas aos estudantes atividades e projetos de extensão desde 2008, ano da implantação do curso de Arquitetura e Urbanismo. A formação do estudante é complementada também pela participação em projetos de Iniciação Científica vinculados à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação e da participação nos grupos de pesquisa como: Canteiro Vivo e BioEner (CNPq). A partir de PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 25

26 2012 foi crescente também o número de estudantes participando de projetos das seguintes modalidades: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq), Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio - PIBIC-EM, a IC/Fapesp, Fundo de Amparo pertencente à USC (FAP/USC) e o Programa Voluntário de Iniciação Científica (PIVIC/USC) CONTEÚDOS CURRICULARES O curso de Arquitetura e Urbanismo da USC abrange as áreas de edificações, interiores, paisagismo e urbanismo, divididas na matriz curricular em três grandes eixos de formação, ou seja, eixo de fundamentação, profissional e trabalho de curso O eixo de fundamentação engloba os meios de expressão e representação, estudos de estética e história da arte, estudos socioeconômicos e ambientais. No eixo profissional encontram-se as especificidades do curso, com estudos teóricos e históricos de arquitetura, urbanismo e paisagismo, estudos projetuais, estudos de planejamento urbano e regional, estudos das instalações prediais, tecnologia da construção e sistemas estruturais, estudos de conforto ambiental, informática e topografia, além das disciplinas que orientam estágios curriculares obrigatórios, eletivas e optativas. Os estudos projetuais são desenvolvidos principalmente nas disciplinas denominadas Laboratório de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo (LAUP), com uma sequência na matriz curricular com oito semestres de práticas projetuais em laboratórios, com pré-requisitos em função do grau de complexidade e da escala de projeto (escala do lote, do bairro, da cidade e da região). A interdisciplinaridade é garantida com a correlação dos conteúdos das disciplinas teóricas ou teórico/prática que apoia o LAUP semestralmente, a saber: Fundamentos da Arquitetura das Edificações (1º semestre), Projeto de edificações (2º semestre), Projeto de fragmentos urbanos (3º semestre), Projeto de revitalização urbana e paisagística (4º semestre), Projeto urbano (5º semestre), Projeto de infraestrutura e sustentabilidade urbana (6º semestre), Projeto da paisagem (7º semestre), Projetos complexos e inovações tecnológicas (8º semestre). PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 26

27 O Trabalho de Curso está presente nos 9º e 10º semestres do curso, identificado na matriz curricular como Trabalho Final de Graduação (TFG); momento em que o estudante deverá realizar um trabalho interdisciplinar que envolva o conhecimento adquirido ao longo do curso, de natureza projetual com temática livre, com orientador escolhido no quadro de professores do Curso e submetido a uma banca de qualificação intermediária (1 semestre) e banca final (2 semestre) com obrigatoriedade de um profissional de arquitetura e urbanismo, externo à instituição. O tratamento de questões e temáticas que dizem respeito à cultura afro-brasileira e indígena, as relacionadas à educação ambiental, história e cultura afro-brasileira e indígena e relações étnico-raciais e segregação social está contextualizado nas disciplinas de SOCIOLOGIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL, em ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS e PATRIMÔNIO CULTURAL promovendo o atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena, como determina a Lei n de 10/03/2008. Atendendo às Diretrizes Curriculares Nacionais há a integração das Políticas de Educação Ambiental de modo transversal e contínuo no curso de Arquitetura e Urbanismo, desenvolvendo ações teórico-práticas respeitando a biodiversidade, a ecologia, os elementos do espaço natural, a sustentabilidade, inseridos nos conteúdos de disciplinas como ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS, POLÍTICA DE HABITAÇÃO E ASSENTAMENTOS HUMANOS, FUNDAMENTOS DA ARQUITETURA PAISAGÍSTICA, PROJETO DE REVITALIZAÇÃO URBANA E PAISAGÍSTICA, PROJETO DE INFRAESTRUTURA E SUSTENTABILIDADE URBANA E PROJETO DA PAISAGEM, e articulados na prática nas disciplinas de PESQUISA DA PRÁTICA EM ARQUITETURA, URBANISMO E PAISAGISMO e nas disciplinas de LABORATÓRIOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA, URBANISMO E PAISAGISMO. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 27

28 A integração das competências dos três eixos cria uma conexão que busca formar um estudante capaz de desenvolver a ação prática profissional por meio dos diversos temas e situações absorvidos no decorrer do curso. 9): 1º semestre Disciplina Desenho Técnico (72h) Fundamentos da Arquitetura das Edificações (36h) Métodos e técnicas da pesquisa (72h) Fundamentos da arquitetura paisagística (36h) Meios de expressão e representação (72h) Informática aplicada à Arquitetura (36h) LAUP I (36h) 2º semestre Apresenta-se, a seguir, o ementário do Curso de Arquitetura e Urbanismo (Figura Ementa Estudo sobre a fundamentação da linguagem do desenho como meio de representação e expressão gráfica, relacionando a Geometria com as normas técnicas do desenho para desenvolvimento de projetos. O conceito de Arquitetura. A atividade profissional e o campo de atuação. As etapas de um projeto de Arquitetura. Os produtos de um projeto de edificações. As dimensões mínimas dos compartimentos. As normas que regem as edificações. A Iluminação e a ventilação natural nas edificações. O cálculo de área construída, área livre, taxa de ocupação e coeficiente de aproveitamento. O dimensionamento de escadas. Noções das etapas construtivas de uma edificação. Conhecimento científico e o papel de metodologia científica dentro do mundo acadêmico, projeto de pesquisa em consonância com as normas vigentes da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas). Reflexão sobre alterações ambientais de origem natural e antrópica. Conceito de ecogênese. Identificação de espécies vegetais. Aspectos morfológicos de interesse paisagístico. Critérios de seleção de plantas para fins paisagísticos. Análise dos componentes da ecologia da paisagem e fluxo de energia. Diversidade de espécies vegetais na área urbana. A importância do desenho como meio de expressão, representação e percepção dos espaços arquitetônicos, urbanísticos e paisagísticos. Familiarização com os materiais, técnicas e instrumentos de desenho. Estudo de formas e organização espacial. Desenvolvimento de desenhos bidimensionais e tridimensionais. Representação gráfica de projetos. Desenho universal. Introdução aos softwares AutoCAD e SkecthUP. Utilização da ferramenta computacional como meio representação gráfica de arquitetura. Elaboração de Desenhos Técnicos na plataforma digital. Impressão de pranchas. Utilização dos softwares para construção de modelos virtuais (maquetes 3D). Sensibilização plástica e processo criativo em projetos. Identificação das simbologias e representações gráficas em projetos. Metodologias para concepção de projetos. Fatores condicionantes de projetos. Produtos projetuais em edificações. Aplicações dos códigos de edificações e leis urbanas. Projetos de unidade de habitação unifamiliar, com base em simulação da situação arquiteto-cliente. Projetos paisagísticos em unidade de habitação unifamiliar. Projetos de desmembramento e unificações de lotes urbanos. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 28 Disciplina Arquitetura de interiores (72h) Comunicação e Expressão (72h) Estética e História da arte (36h) Estudos socioeconômicos e ambientais (36h) Imagem e representação fotográfica (36h) Ementa Design e sociedade. Design como meio de expressão. Design e as mudanças comportamentais. Interiores Residenciais. Interiores Comerciais e Clínico-Hospitalares. Estudo de estratégias para uma adequada comunicação oral, bem como da relação entre normas gramaticais e produção textual eficiente, reconhecimento e aplicação dos mecanismos de coerência e coesão textuais em atividades de leitura, decodificação, resumo e produção de diferentes gêneros do discurso. Confronto das obras de arte entre si e das diferentes artes tais como a arquitetura, a pintura, o desenho, a dança, a poesia, o teatro e a música, bem como dos gostos, estilos e funções artísticas no período da pré-história à Modernidade, com base na compreensão da extensão do termo estética, e da diferenciação de conceitos filosóficos e estéticos. Estudo do espaço, organização e fenômenos socioeconômicos e ambientais contemporâneos que orientam a produção, e reflexão sobre o papel social e ético do profissional diante da globalização e segregação social. Conceitos básicos de captação de imagens fotográficas digitais, com filmes em preto-e-branco e coloridos; revelação e ampliação de fotografias em preto-e-branco. Estudo dos principais fotógrafos de arquitetura. Aplicação em projetos de estudo arquitetônico.

29 LAUP II (36h) Políticas de habitação e assentamentos humanos (36h) Projetos de edificações (36h) 3º semestre Disciplina Fundamentos da estatística (36h) Fundamentos dos sistemas estruturais (36h) LAUP III (72h) Modelos e maquetes (72h) Patrimônio Cultural (36h) Projetos de fragmentos urbanos (36 h) Teoria e História: arquitetura, urbanismo e paisagismo (72 h) 4º semestre Propostas projetuais que convergem os conteúdos das disciplinas abordadas no semestre. Interferências dos elementos urbanos e paisagísticos no projeto do edifício. Desenvolvimento de projetos habitacionais, comerciais, institucionais e espaços multiusos. Abrigos temporários de caráter emergencial. Definição do conceito de \'habitar\'. Critérios e Parâmetros que definem as diversas tipologias de habitação. A habitação e o fator da sua localização. Fatores para Humanização do Habitat. A evolução da habitação - uma mutação de um paradigma: 'morar'. Formas de habitação pelo mundo (fator geográfico e cultural). Habitação: espaço e percepção (forma e ambiente). Habitação na cidade. Habitação e suas políticas. O Futuro da habitação. Definição do 'projetar'. O pensamento projetual e a problematização em projeto. Métodos e ferramentas de projeto. O partido arquitetônico e a definição do conceito em projeto. Linguagem de Projeto. Forma e/ou Função. O processo de projeto. Gestão de Projetos e o gerenciamento de requisitos de clientes. A adoção do Desenho Universal e outros recursos de acessibilidade. Projeto e o Produto (edificação). Ementa Desenvolvimento teórico-prático dos conhecimentos aplicados à resolução de situações do cotidiano, através de conceitos básicos da estatística descritiva, indutiva, da amostragem, representação gráfica, medidas de posição-dispersão e noções de probabilidade. Revisão da geometria plana e espacial. Critérios para se calcular áreas, volumes, centro geométrico, centro de massa e centro de gravidade de figuras geométricas usuais em projetos arquitetônicos. Conceitos de força no plano. Tipos de forças que atuam nos sistemas estruturais. Representação gráfica de uma força. Composição e decomposição de forças no plano. Tipos de vínculos e cálculo de reações em sistemas estruturais isostáticos. Prática projetual do espaço aberto/fechado e do espaço público/privado. Constituição e morfologia dos espaços públicos: lote, quarteirão, rua e espaços livres de edificações e de urbanização. O edifício público voltado aos bairros: análise/síntese. A praça e a arborização urbana. Análise, diagnóstico e intervenções projetuais de um fragmento urbano. Meios de expressão e representação no projeto arquitetônico. Representação físico-tridimensional como forma de comunicação, estudo e registro para o projeto das edificações, urbanismo e modelos. Estudo sobre o Patrimônio Cultural (material e imaterial) nacional e local e a legislação especifica, com enfoque nas instituições de guarda de documentos, de preservação do patrimônio arquitetônico urbano em especial a arquitetura ferroviária. Habitante, identidade e lugar. Espaço aberto/fechado e espaço público/privado. Constituição e morfologia dos espaços públicos: lote, quarteirão, rua e espaços livres de edificações e de urbanização. A unidade de vizinhança. O sistema viário: hierarquização de vias, esquema da rede viária e cruzamentos. Os equipamentos urbanos. O edifício público voltado aos bairros: análise/síntese. A praça e a arborização urbana. Análise, diagnóstico e intervenções de um fragmento urbano. Reflexão sobre a evolução histórica da Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo como disciplina humana responsável pela manipulação intencional do espaço. Análise das primeiras formas de concepção arquitetônica da pré-história, o mundo clássico, a Idade média, a idade do humanismo, a revolução industrial, o movimento moderno e o início da contemporaneidade. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 29 Disciplina Arquitetura brasileira (36h) Conforto térmico (36h) Eletiva I ( 72h) Ementa A ocupação territorial brasileira e a colonização portuguesa. Características dos primeiros núcleos urbanos e das primeiras edificações. Tipologia da arquitetura em diferentes regiões do Brasil. Tendências dos principais movimentos, escolas, obras e tratados da História da Arquitetura Brasileira. Clima. Aplicação dos princípios bioclimáticos em projetos. Mecanismos humanos termorreguladores. Materiais de Construção com propriedades térmicas. Normas, legislação e diretrizes para procedimentos projetuais. Disciplinas que permitem o aprofundamento de conhecimentos de determinadas áreas e são eleitas pelos estudantes em um rol de disciplinas definidas semestralmente pelo Colegiado do Conselho de Curso. Exemplos: 1. SEMIÓTICA: Textos midiáticos como objeto de estudo da Semiótica. A importância das funções e das figuras da linguagem nas várias mídias. Noções fundamentais da Semiótica da Cultura, da Semiótica Peirceana e da Semiótica Greimasiana aplicadas ao verbal e ao não verbal, na construção de significados.

30 Estabilidade das Estruturas (36h) LAUP IV(72h) Materiais e Sistemas Construtivos (72h) Projeto de revitalização urbana e paisagística(36h) 5º semestre Disciplina Arquitetura contemporânea (36h) Conforto acústico e lumínico (36h) Eletiva II (72h) LAUP V (72 h) Projeto urbano (36h) Mecânica dos solos (36h) Sociologia da responsabilidade social (72h) 6º semestre 2. AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE:Elementos envolvidos na prática agrícola. Impactos ambientais gerados pela agricultura. Medidas mitigadoras de recuperação de áreas degradadas. 3. CONSERVAÇÃO DOS SOLOS:Explicação da dinâmica da natureza e a ação humana. A água no planeta, suas utilizações e conservação. Os solos no planeta, processos de formação e erosão e práticas de conservação. Cargas pontuais e cargas distribuídas em estruturas retilíneas; cálculo das reações nos apoios e dos esforços internos nas estruturas Intervenção projetual e revitalização/requalificação de um fragmento urbano. Levantamento de um fragmento urbano deteriorado. Desenvolvimento de propostas projetuais de requalifiquação urbana. Caracterização das propriedades físico-mecânicas dos materiais de construção. Técnicas e sistemas construtivos. Normalizações nas construções. Análise de patologias nas edificações. Análise de projetos de revitalização/requalificação: edifícios tombados, áreas livres. Conceitos de sustentabilidade urbana a partir de uma visão sistêmica da cidade e sua influência nos projetos de fragmentos urbanos. Ementa Teorias, manifestações e projetos de arquitetura do início do século XX ao momento contemporâneo. Análise crítica dos conceitos e abordagens projetuais, da relação com a natureza, a cultura, sociedade e, principalmente, com a cidade. Análise das relações contextuais com o pensamento contemporâneo na ciência e na arte. Revisão de conforto térmico. Estudo de iluminação natural e artificial. Noções de tratamento acústico. Percepção do meio ambiente e adequação da edificação ao clima. Disciplinas que permitem o aprofundamento de conhecimentos de determinadas áreas e são eleitas pelos estudantes em um rol de disciplinas definidas semestralmente pelo Colegiado do Conselho de Curso. 1 ANTROPOLOGIA: Estudo dos princípios e conceitos básicos da abordagem antropológica em torno de temas referentes ao relativismo cultural, à diversidade cultural brasileira em suas matrizes culturais indígena e africana, bem como a crítica dos valores etnocêntricos e do papel da Escola brasileira na educação para a diversidade e no combate aos preconceitos em relação às minorias étnicas. 2 GEOMETRIA PLANA: Noções e proposições primitivas; Segmento de reta e semirreta; Paralelismo e Perpendicularismo; Ângulos e Triângulos; Quadriláteros Notáveis; Circunferência e Círculo; Polígonos Regulares; Lugares Geométricos e Áreas de Superfícies Planas. 3 HISTÓRIA DO DESIGN: Estudo da sequência histórica dos movimentos e fatos relacionados com a História do Design. Influência das cores. Estabelecimento da visão crítica da realidade, relacionando o design com a sociedade e sua época. Principais correntes e artistas. O design e a moda. Intervenção urbana de médio porte. Projetos de parceria público-privada. Relação paisagem-edifício-urbano. Projeto de mobilidade urbana. Estudo morfológico do espaço urbano. Redes e sistemas estruturadores do projeto urbano. Análise do uso e ocupação do solo urbano e seus impactos sociais, econômicos e territoriais. Projetos urbanos contemporâneos. Estudo da cidade como fator econômico, político, social e cultural. Estudo dos principais modelos de urbanização e de organização das cidades. O processo de urbanização e as cidades brasileiras. As principais legislações urbanísticas, seus objetivos, conteúdos e implicações. Políticas territoriais contemporâneas e participação da sociedade. Características geométricas de figuras planas, centro geométrico, centro de massa e centro de gravidade, tipos de vínculos e cálculo de reações em sistemas estruturais isostáticos (vigas e pórticos), treliças isostáticas e tensões e deformações. Estudo dos aspectos socioeconômicos e políticos das sociedades atuais com enfoque na desigualdade social, e na construção da cidadania - Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999 e Decreto nº 4.281, de 25 de junho de 2002; políticas de educação ambiental, análise de fenômenos socioculturais e educação das relações étnico-raciais, emergentes e formas de participação em projetos sociais com vistas ao exercício da responsabilidade; Resolução - CNE/CP 1/2004. Lei /08. Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 30 Disciplina AACC I ( 24h) Ementa Aproveitamento de atividades de ensino (monitorias, cursos de informática, cursos de idioma, ministrar cursos ou proferir palestras, cursar com aprovação disciplinas optativas; outras atividades relevantes), de pesquisa (iniciação científica ou equivalente; apresentação de trabalho oral em eventos científicos e culturais; apresentação pôster banner em eventos científicos culturais; publicação de artigos e estudos em revistas e

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROJETO PEDAGÓGICO PPC ARQUITETURA E URBANISMO - USC 1 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO BAURU-SP 2015 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA REITORA Dr.ª Ir. Susana de Jesus Fadel PRÓ-REITORA ACADÊMICA Prof.ª Dr.ª

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a.

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a. SIC nº 20/2010* Belo Horizonte, 22 de junho de 2010. 1. ARQUITETURA E URBANISMO. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS. ALTERAÇÃO. RESOLIUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CST EM DESIGN DE INTERIORES

CST EM DESIGN DE INTERIORES CST EM DESIGN DE INTERIORES Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CST EM DESIGN DE INTERIORES Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed.

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação Profª. Drª. Amélia Rota Borges de Bastos Coordenadora de Avaliação Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Avaliação Março de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS - INGLÊS

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS - INGLÊS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS - INGLÊS Bauru-SP 2015 ORGANIZAÇÃO ADMINSTRATIVA REITORIA Dr.ª Ir. Susana de Jesus Fadel PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Prof.ª Dr.ª Ir. Ilda Basso DIRETORIA DO CENTRO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h -

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h - V- MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 3. Estética e História das Artes 05 75h

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN Matriz Curricular do Curso de Design Fase Cód. Disciplina Créditos Carga Horária 01

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2014 1.ª SÉRIE MEIOS DE EXPRESSÃO VISUAL EM ARQUITETURA E URBANISMO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2014 1.ª SÉRIE MEIOS DE EXPRESSÃO VISUAL EM ARQUITETURA E URBANISMO Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS LETIVOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Fase Cod. Disciplina I Matriz Curricular vigente Carga Horária Teórica Prática Total

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001. RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Aprovar a alteração da matriz curricular do Curso de Arquitetura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI

PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI AGENDA Considerações conceituais Características Fundamentos legais Elementos do PPC Implementação e avaliação do PPC CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS PROJETO

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design)

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR DESIGN DE MODA (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 NÍVEL I 4111W - 04 Matemática para Arquitetura Ementa: Fundamentos do Cálculo Diferencial, Cálculo Integral e Geometria

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 125-CONSUN, de 2 de maio de 20 Aprova o projeto de criação do Curso de Licenciatura em Artes Visuais, em substituição à Habilitação em Artes Plásticas do Curso de Licenciatura em Educação Artística

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual, de oferta especial, na modalidade

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais