Título: Elementos de Constituição do Grupo de Pesquisa estudo de caso: GP Arquitetura e Construção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: Elementos de Constituição do Grupo de Pesquisa estudo de caso: GP Arquitetura e Construção"

Transcrição

1 Título: Elementos de Constituição do Grupo de Pesquisa estudo de caso: GP Arquitetura e Construção Autores * : Profa. Dra. Maria Augusta Justi Pisani Líder Prof. Dr. Paulo Corrêa Prof. Ms. Joan Villà Prof. Ms. João Graziosi Prof. Ms. Valter Caldana "Arquitetura é antes de mais nada construção, mas, construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção. E nesse processo fundamental de ordenar e expressar-se ela se revela igualmente arte plástica, porquanto nos inumeráveis problemas com que se defronta o arquiteto desde a germinação do projeto até a conclusão efetiva da obra, há sempre, para cada caso específico, certa margem final de opção entre os limites - máximo e mínimo - determinados pelo cálculo, preconizados pela técnica, condicionados pelo meio, reclamados pela função ou impostos pelo programa, - cabendo então ao sentimento individual do arquiteto, no que ele tem de artista, portanto, escolher na escala dos valores contidos entre dois valores extremos, a forma plástica apropriada a cada pormenor em função da unidade última da obra idealizada." Lúcio Costa Introdução e exposição dos objetivos O presente artigo tem por finalidade esclarecer, de forma sistematizada, os integrantes do grupo de pesquisa quanto à * Profa. Dra. Maria Augusta Justi Pisani Líder, graduada em 1979, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Farias Brito ; especialista em Patrimônio Histórico em 1982, pela FAUUSP; mestre em 1991 e doutora em 1998 em Engenharia Urbana, pela Escola Politécnica da USP. Prof. Dr. Paulo Corrêa, graduado em 1979, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Brás Cubas ; mestre em 1988, pela Escola de Engenharia de São Carlos/USP; doutor em 1999, pela FAUUSP. Prof. Ms. Joan Villà, graduado em 1968 e mestre em 2002, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Prof. Ms. João Graziosi, graduado em 1981, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Farias Brito ; especialista em Teoria e Projeto na Restauração de Edifícios e Sítios Históricos em 1999, e mestre em 2001, pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Prof. Ms. Valter Caldana, graduado em 1985, mestre em 1994 e doutorando em 2005, pela FAUUSP. forma de procedimento para a definição e fundamentação das características específicas do grupo de pesquisa que ora se constitui como tal, com o objetivo principal de fomentar o conhecimento, no âmbito da Arquitetura e do Urbanismo, bem como se oferecer como possibilidade de reflexão à comunidade de pesquisadores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Norteados por esta premissa inicial, o grupo de pesquisa Arquitetura e Construção, a partir de reflexões conjuntas elaboradas por seus integrantes, propõe-se a implementar estudos que aprofundem as discussões das inúmeras relações existentes entre o fazer arquitetônico, entendido aqui como a etapa projetual, e a materialização deste fazer por meio da sua construtibilidade física, estabelecendo-se, portanto, uma ponte que se alimenta simultaneamente nas duas mãos de direção, isto é, o projeto urbanísticoarquitetônico como fato intelectual, alimentando a obra, e a obra, entendida como a materialização deste fato intelectual, alimentando o projeto urbanísticoarquitetônico. Esta premissa pode parecer óbvia para alguns profissionais que atuam tanto no interior de seus escritórios quanto no interior da academia, no entanto, no entender do grupo de pesquisa Arquitetura e Construção, esta é uma discussão que deve ser retomada, frente à notória incorporação de fatores tecnológicos ao processo de produção da construção civil, tanto no âmbito dos componentes complementares, tais como os atuais instrumentos de automação predial, quanto no âmbito dos sistemas construtivos complexos relacionados aos elementos estruturais, componentes de vedação e de revestimento, entre muitos outros. Esta realidade faz com que os profissionais envolvidos neste processo, necessariamente, tenham uma formação consistente nas questões relacionadas às matérias técnicas e em suas áreas correlatas e, sobretudo, maior consciência e maior controle sobre as interrelações e a interdependência existentes entre o estar e o fazer Arquitetura no seu sentido mais amplo. Este contexto contemporâneo da construção civil exige, portanto, projetos de arquitetura

2 que incorporem um número crescente de condicionantes, sejam estas variáveis ou determinantes, além de níveis de detalhamento amplamente superiores e mais complexos do que os exigidos pelos processos construtivos convencionais, bem como, que resgatem, no intuito de olharmos de forma crítica a nossa produção vernacular, os vários processos construtivos que adotam o uso de técnicas construtivas tradicionais. Isto significa dizer que a incorporação na construção de novos materiais e técnicas, decorrentes do desenvolvimento da indústria da construção civil, é contínua e crescente, apesar da permanência que ainda têm as técnicas artesanais, praticadas de forma difusa no país, e dos diferentes graus de industrialização de que é objeto a construção, fruto, principalmente, das diferenças do desenvolvimento econômico das regiões e dos altos índices de pobreza da população, fatores determinantes nos custos de produção e de distribuição dos bens imobiliários. Contudo, a introdução de produtos acabados e semi-acabados provenientes de outros setores da indústria, que se incorporam à construção ainda que se mantenham materiais e técnicas tradicionais convivendo na mesma obra, vão compondo, gradativamente, o perfil do que entendemos por construção industrializada. Atingida esta etapa, as inovações tecnológicas passam a ter um reflexo cada vez maior nas formas de produção da construção civil. Caracterizada esta situação, que é dinâmica, torna-se necessária uma atitude cada vez mais atenta e crítica, no sentido de identificar os problemas decorrentes da adoção de novas tecnologias, principalmente quando elas têm origem em realidades sócioeconômico-culturais muito diferentes das do meio onde são introduzidas. Os desajustes e distorções, que uma adoção acrítica da tecnologia pode produzir sobre a construção e a arquitetura, são questões mais preocupantes. Frente a esta caracterização exposta acima, este artigo busca sua fundamentação em quatro momentos cronológicos relacionados a seguir: o primeiro momento busca uma breve contextualização histórica que aborde o surgimento dos cursos de engenharia, entendendo ser este o momento em que se dá o início da sistematização científica do cálculo estrutural, como também, que seja este o marco referencial que simboliza o fim do domínio do arquiteto sobre todo o processo de produção relacionado à construção civil; o segundo momento procura resgatar o histórico do surgimento dos cursos de Arquitetura no Brasil procurando enfatizar, de forma mais específica, as origens distintas entre o curso de Arquitetura originado no Rio de Janeiro, que é oriundo da Escola de Belas Artes, e os cursos de Arquitetura originados em São Paulo, que têm suas origens nas escolas de Engenharia; o terceiro momento irá se caracterizar pela elaboração de inferências extraídas das próprias experiências acadêmicas dos membros do grupo de pesquisa, no tocante à forte oposição das disciplinas teóricas em relação às disciplinas projetuais, ou seja, ao fazer projetual propriamente dito; e, no quarto momento, procura-se fechar esta nossa contribuição com a definição dos aspectos metodológicos que irão nortear o desenvolvimento das pesquisas realizadas pelo grupo de pesquisa Arquitetura & Construção. 1 momento O Fim Das Catedrais A segregação entre arte e técnica, no campo da Arquitetura, teria acontecido, segundo alguns autores, em decorrência do desenvolvimento tecnológico da construção, facultado pelas revoluções científicas dos séculos XVI, XVII e XVIII, as quais foram influenciadas, de forma determinante, pelo movimento filosófico e cultural denominado Iluminismo e, culminando, no início do século XVIII, com a Revolução Industrial que acabou por promover uma mudança completa na mentalidade científica, fazendo com que essas investigações assumissem um caráter predominantemente de aplicação prática. (PASSOS: 2002) Segundo E. Graeff, esta visão equivocada dos acontecimentos por parte dos historiadores pode ter suas raízes no fechamento da Academia de Arquitetura de Paris, em 1793, que insistia em manter o ensino da Arquitetura nos moldes academicistas estabelecidos pela Beaux Arts, e da correspondente criação, em 1794, da Escola Politécnica, também em Paris, que

3 estabelecia um programa de estudos elaborado por diversos homens de ciência, liderados pelo matemático Gaspar Monge. (PASSOS: 2002) Em 1806, funda-se em Paris a famosa École de Beaux-Arts, como reação à descaracterização da formação e do exercício do ofício de arquiteto, promovido pela visão equivocada de que a Engenharia, fundamentada em bases tecno-científicas, poderia ocupar e dominar o campo da Arquitetura, como também, na compreensão de que a Arquitetura, frente às novas inovações tecnológicas, poderia se constituir em apenas mais um segmento da área de Engenharia. (PASSOS: 2002) 2 momento As Belas Artes. Os Engenheiros-Arquitetos. Os Arquitetos. O ensino das Belas Artes no Brasil começa com a vinda da Missão Francesa, que acontece em 1816, a convite de Dom Pedro I. Esta Missão, que se caracteriza pela presença expressiva de um grande número de artistas e pesquisadores, e que irá atuar de forma decisiva na organização do ensino acadêmico, funda, neste mesmo ano, na cidade do Rio de Janeiro, a Escola de Artes e Ofícios. Esta Escola se transformaria, mais tarde, após sucessivas mudanças acadêmicas, na Academia de Belas Artes da cidade do Rio de Janeiro. No bojo destas mudanças, em 1826, o arquiteto Grandjean de Montigny cria o curso de Arquitetura, com o ensino voltado, de maneira enfática, à formação artística do arquiteto. Após a criação precursora da Academia de Belas Artes (que em 1890 passa a ser denominada Escola Nacional de Belas Artes), o governo imperial irá continuar firmando sua política de investimentos na expansão do ensino acadêmico, constituindo, durante a década de 1870, as seguintes escolas: Politécnica no Rio de Janeiro, de Belas Artes em Salvador e a de Minas em Ouro Preto. Em São Paulo, o primeiro curso a ter como objetivo a formação do profissional engenheiro-arquiteto, surge a partir de 1894, na Escola Politécnica, juntamente com os cursos de Engenharia Civil, Industrial e Agronomia. Segundo Ficher (2005), a estrutura didática do curso era dividida em duas etapas. A primeira, destinada à fundamentação, e de caráter abrangente, e a segunda etapa, de caráter específico, voltado para a formação de engenheiros-arquitetos, civis e agrônomos, sendo tal estrutura utilizada até Importante salientar que as formações distintas dos dois profissionais responsáveis pela criação dos cursos de Arquitetura e de Engenharia, no âmbito da Escola Politécnica de São Paulo, irão caracterizar as especificidades acadêmicas dos mesmos. Ramos de Azevedo, responsável pela criação do curso de Arquitetura, estudou na Universidade de Gand, Bélgica. Por outro lado, Paula Souza, fundador da Escola Politécnica de São Paulo, teve como influência o modelo germânico, por ter tido sua formação na Politécnica de Karlsüre, na Alemanha. Podemos destacar ainda, a título de complementação, que estes cursos surgiram dentro de um ideário positivista, que valorizava o interesse pela ciência. Segundo Cruz Costa, o positivismo iniciado na Escola Militar do Rio de Janeiro acabou por influenciar, sobremaneira, a educação e instrução dos alunos oriundos da nascente burguesia da época, que objetivava se consolidar como uma nova elite social. Importante destacar, também, que, no transcorrer do século XIX, achava-se que o Brasil tinha vocação apenas para a agricultura e, em decorrência dos novos ideais republicanos que se consolidavam, afirmava-se, tendo em vista que o Império se alimentou da cultura derivada dos bacharéis, que a República deveria investir, como muito bem investiu, em uma cultura mais prática e eficiente. Portanto, acompanhando o ideário exposto anteriormente, a estruturação pedagógica da Politécnica, que era vinculada aos cursos de engenharia alemãs, fazia com que este fato fosse o grande diferenciador do modelo mais conhecido, o da Escola Politécnica de Paris, que abrigava também, naquele momento, o curso de arquitetura que tinha como especificidade o ensino focado nas artes. Desta forma, e de maneira específica, o diferencial entre os cursos de Arquitetura,

4 oriundos tanto das Belas Artes como dos cursos politécnicos, era que, no primeiro, a Arquitetura era considerada como mais uma das artes a ser estudada e, no segundo, a Arquitetura era considerada como mais uma modalidade da engenharia. O segundo curso de formação do profissional engenheiro-arquiteto da cidade de São Paulo foi oferecido pela Escola de Engenharia do Mackenzie College, cujas atividades se iniciaram em 1917, desta forma, acompanha a mesma orientação da sua congênere, a Escola Politécnica. O curso era ainda vinculado, de forma bastante incisiva, ao de engenharia civil, decorrente do oferecimento de grande número de disciplinas desta área, relegando, portanto, somente algumas poucas disciplinas voltadas à realização de projetos arquitetônicos propriamente ditos. Há que se destacar, nesse momento, a importante presença do arquiteto Cristiano Stockler das Neves na organização do futuro curso de Arquitetura, que havia concluído seus estudos na Escola de Belas Artes da Pensilvânia, Estados Unidos, o qual desempenhará, posteriormente, papel análogo ao dos seus colegas Ramos de Azevedo e Paula Souza, ao imprimir características bastante próprias ao conteúdo programático do curso, decorrente das características específicas de sua formação. Observa-se, portanto, pelas características do curso oferecido pelo Mackenzie, a forte influência européia na linguagem arquitetônica, entenda-se aqui a parisiense, atribuída a São Paulo até os anos 30, que era, na verdade, uma influência via Estados Unidos. Cristiano era um profundo admirador e conhecedor do neo-clássico francês e elaborou finos edifícios dentro desta característica estilística. Tinha uma elegante e ao mesmo tempo elitizante postura do que era Arquitetura, conceito este que materializava ao realizar seus edifícios. Como marco da expansão do ensino de Arquitetura no Brasil e do reconhecimento de nossa produção arquitetônica no exterior, podemos adotar, como referência, a exposição Brazil Buildings, realizada no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, em A partir da Segunda Guerra Mundial, a industrialização e o crescimento das áreas urbanas evidenciam-se cada vez mais no Brasil e o aumento da demanda por profissionais arquitetos se faz cada vez mais evidente. Em 1944, é fundada a Escola de Arquitetura em Belo Horizonte, Minas Gerais e, em 1945, são criados os cursos de Arquitetura nas seguintes instituições: no Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul, na Escola de Belas Artes de Pernambuco, na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, (que vem a se tornar a Faculdade Nacional de Arquitetura e Urbanismo do Brasil). Em 1946 são fundadas a Escola de Engenharia de Porto Alegre e a Escola de Belas Artes, na Bahia. Em 1947, tendo ainda à frente da escola a forte presença de seu fundador, o arquiteto Cristiano Stocker das Neves, surge a Faculdade de Arquitetura Mackenzie, desvinculando-se, assim, totalmente, da Escola de Engenharia da mesma instituição. Portanto, um ano após a criação da Faculdade de Arquitetura Mackenzie, em 1948, se dá a fundação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Para que se possa ter uma visão mais geral e contemporânea sobre os surgimentos dos cursos de Arquitetura no país, é importante lembrar que os anos 60 são marcados pela abertura de vários cursos de Arquitetura no âmbito das universidades públicas, fato este alimentado pela Reforma Universitária, instituída pelo Governo Federal, em 1969, o que irá desencadear, dos anos 70 até os dias atuais, a reconhecida proliferação de cursos de Arquitetura, em instituições privadas de ensino. Tal descontrole e total ausência de critérios para a abertura desses cursos, que passam a certificar milhares de profissionais, anualmente, com grande concentração dos mesmos nas grandes cidades, tem gerado uma crise há muito anunciada no mercado profissional, como também, na qualidade da Arquitetura Nacional. Importante registrar a existência, ainda que por pouco tempo, de um terceiro curso de Arquitetura na cidade de São Paulo. Tratase, na verdade, do primeiro curso de Arquitetura totalmente desvinculado dos cursos de Engenharia e com origem embasada nos princípios estéticos estabelecidos pela Beaux Arts. Tal curso,

5 oferecido pela Academia de Belas Artes, surgiu em São Paulo, em Seu principal mentor foi Alexandre Albuquerque, formado pela Escola Politécnica, em 1905, que, ao participar do III Congresso Pan-americano de Arquitetura em 1927, se engajou na tese de que as Escolas de Arquitetura deveriam estar atreladas ao ensino das belas artes e não ao da Engenharia. No tocante à valorização do novo profissional arquiteto, que procurava se consolidar como categoria, podemos afirmar que, logo nas primeiras décadas do século XX, esses profissionais graduados, tanto no Brasil como no exterior, tentam se organizar no sentido de dar um perfil corporativo à atividade profissional, ao mesmo tempo em que se procurava diferenciar da concorrência realizada pelos profissionais ditos práticos ou mestres de obra, via de regra imigrantes italianos e portugueses. Nesse sentido, já no ano de 1911, foi fundada a Sociedade dos Architectos de São Paulo, sociedade esta que reunia a elite dos arquitetos da cidade. Sendo esta primeira substituída, em 1912, pela Sociedade dos Architectos e Engenheiros de São Paulo. Essas duas sociedades, de certa forma, foram trocadas pelo Instituto de Engenharia, constituído em Em meados da década de 20, o Instituto de Engenharia instala, em sua estrutura interna, a Divisão de Arquitetos e, no início dos anos 30, Cristiano Stockler das Neves propõe a criação do IPA- Instituto Paulista de Architectos. A somatória dos esforços desses profissionais e de tantos outros, fizeram culminar em 1921, no Rio de Janeiro, com a criação do IAB Instituto de Arquitetos do Brasil, inicialmente denominado como Instituto Brasileiro de Arquitetos. A luta pela legalização da profissão de arquitetos e engenheiros tem como data simbólica o ano de 1905, ano este no qual foi proferido o discurso do jovem graduando, Alexandre de Albuquerque, a favor da formalização legal das referidas profissões. Este mesmo profissional, que se engajou em alguns momentos como mero participante e em outros na linha de frente de comando, para a efetiva consolidação das Sociedades de arquitetos acima mencionadas, teve seus esforços reconhecidos quando, em 1924, à frente do Instituto de Engenharia, na qualidade de seu presidente, foi promulgada a Lei Estadual que controlava o exercício das profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor. Nesse sentido, São Paulo teve, muito antes que os demais estados da federação, uma lei de regulamentação profissional, o mesmo só vindo a ocorrer, em nível nacional, por meio de uma legislação análoga que só seria promulgada em Como se pode observar, essa geração de profissionais, surgida na primeira metade do século XX, teve notável participação na formação tanto dos cursos de Arquitetura, quanto na regulamentação profissional, e foram imprescindíveis para as elaborações de planos urbanísticos para a cidade, orientados sob forte influência higienista, que depois se tornaram leis; e também na elaboração dos códigos de edificações; no incentivo e apoio a grande número de artistas; nos estudos e na formação de laboratórios de resistência dos materiais, em cursos que tiveram direta participação; e foram responsáveis, também, pelo início da organização de eventos, com o intuito de divulgar as atividades profissionais, assim como a organização do 1º Congresso da Habitação, realizado em São Paulo, em Há que se destacar que a grande preocupação desses profissionais, ao fazer Arquitetura, era a do projetar e do construir como atividades indissociáveis. O profissional deveria ter total domínio do projeto, sempre visando a construção. Tinhase o entendimento da Arquitetura como obra pronta, fato este que se refletia nos valores dos honorários cobrados, já que, proporcionalmente, menores valores eram recebidos pelo projeto, em relação aos valores cobrados pela coordenação da obra, confirmando, desta forma, de maneira enfática, uma tomada de posição por parte dos profissionais daquela época, a respeito da necessidade de se ter total domínio da construção. 3º momento A crise da disciplina de Projeto Como mencionado na introdução deste artigo, o conteúdo registrado neste 3º momento se baseia em inferências dos próprios participantes do grupo de pesquisa, extraídas de experiências vividas na docência e em programas de pós-graduação

6 (como aluno e docente), o que faz com que as mesmas sejam carentes de base científica mais sistematizada e, portanto, não factível de generalizações. No entanto, pensamos ser pertinente apresentá-las, já que esta será, somada aos momentos descritos anteriormente, o elemento norteador do desenvolvimento de uma produção de conhecimento que o grupo de pesquisa Arquitetura e Construção pretende aprofundar. Outro esclarecimento que se faz oportuno é que temos absoluta clareza da visão pontual empregada nesta fundamentação empírica, no entanto, julgamos pertinente lançar o tema para a reflexão de nossa comunidade interna, como também, para o próprio grupo que ora aqui se apresenta. Durante os períodos compreendidos entre fins da década de 80 e meados da década de 90, no interior das escolas de arquitetura (USP Pós Graduação, Unesp, Escola de Engenharia de São Carlos), verificou-se uma forte oposição das disciplinas teóricas em relação às disciplinas projetuais, ou seja, ao fazer projetual propriamente dito. Tal fato fez com que os cursos dessas instituições se distanciassem, ou não valorizassem, as questões afeitas ao fazer projetual e suas áreas correlatas. Isto é, preponderava à idéia do arquiteto artista (aos modos da Renascença), do arquiteto responsável somente pela questão gestual da forma, da sua expressão, distanciando-se cada vez mais da materialidade/concretude inerente ao fazer arquitetônico. O panorama histórico já caracterizado no 2º momento nos permite concluir que a quantidade de disciplinas correlatas ao fazer arquitetônico, entendido aqui como indissociável do construir, era muito mais presente quando comparada às grades curriculares vigentes atualmente, bem como à duração dos próprios cursos. Entendemos que esta diminuição constante das disciplinas afetas à formação mais técnica seja resultado de uma visão equivocada da divisão de trabalho entre o profissional arquiteto e o profissional engenheiro, desenvolvida pelos próprios profissionais que atuavam no interior das academias. Optouse, em verdade, por uma formação mais humanista do que tecnológica, ao invés de se procurar um equilíbrio desejável entre as duas áreas essenciais à formação do arquiteto. Importante reafirmar que não se está dizendo que as disciplinas da área de humanidades são menos importantes do que as disciplinas da área tecnológica, ou vice-versa, pretendese tão somente chamar a atenção para esta visão equivocada e que muito contribuiu, e continua ainda a contribuir, para uma desvalorização cada vez mais acentuada dos profissionais arquitetos. Um dos fatores que nos permite entender este processo contínuo de desvalorização profissional, e que está diretamente relacionado às afirmações expostas no parágrafo acima, é que relegamos aos engenheiros civis campos de atuação antes exclusivos dos arquitetos. Como exemplo, pode-se citar o gerenciamento de projetos e, porque não, a condução e coordenação do andamento da própria obra. Ou seja, como profissionais prestadores de serviço à sociedade, qual é de fato o serviço que estamos oferecendo? Outro fator que julgamos relevante abordar é a inflexibilidade de alguns cursos de pósgraduação em admitir como pesquisa o refletir sistematizado, no seu sentido mais amplo, do fazer projetual. Optou-se por recortes conceituais oriundos da sociologia, da antropologia, da economia, da história, da geografia, etc, e esqueceu-se de que o diferencial entre o arquiteto e os demais profissionais das áreas citadas é o projeto. Isto é, essas áreas têm como objeto de estudo privilegiado o espaço dado, o espaço construído, muitas vezes construído por nós, arquitetos, e o nosso objeto de estudo privilegiado é o espaço a ser construído, portanto, projetado. 4º momento Algumas considerações metodológicas Pelo exposto, opta-se, como pano de fundo metodológico para orientar o desenvolvimento das futuras produções deste grupo de pesquisa, pelos princípios extraídos da fenomenologia. Isto é: a fenomenologia orientando as reflexões do pensar e do fazer arquitetônico.

7 Desta forma, entende-se o papel e a importância do desenho como processo de produção-invenção na elaboração do projeto arquitetônico, mesmo quando seus resultados sugerem freqüentemente a conveniência de avaliar sua eficácia, ou a necessidade de aperfeiçoar seu conhecimento. Entretanto, o mesmo não ocorre com a construção. Entender a construção como fonte de invenção de formas requer tempo: o da aprendizagem, o da experiência e o da reflexão sobre as próprias obras, no quadro mais geral da produção arquitetônica. VARGAS, M. Para uma filosofia da tecnologia. São Paulo: Editora Alfa Omega, VILLÀ, J. A construção com componentes pré-fabricados cerâmicos: sistema construtivo desenvolvido entre 1984 e São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Dissertação de Mestrado, Rastrear, na História da Arquitetura, uma leitura da história da construção da arquitetura, permitirá sempre encontrar exemplos, às vezes notáveis, da síntese imprescindível de dois níveis de exigências projetuais: as construtivas e as compositivas. Este procedimento metodológico, em última análise, procura nortear a recuperação e o desenvolvimento de uma nova cultura da construção. Para tanto, o grupo de pesquisa Arquitetura e Construção tem como perspectiva para o desenvolvimento de pesquisas futuras os seguintes temas: detalhes arquitetônicos, componentes da construção, técnicas vernaculares, arquiteturas em encostas, temas estes entendidos aqui como importantes subsídios para a reflexão da metodologia do projeto. Bibliografia COMAS, C. (organizador). Projeto arquitetônico: disciplina em crise, disciplina em renovação. São Paulo: Projeto Editores e Associados, FICHER, S. Ensino e profissão: o curso de engenheiroarquiteto da Escola Politécnica de São Paulo. São Paulo: USP, Tese de Doutorado, GRAEEF, E. Arte e técnica na formação do arquiteto. São Paulo: Studio Nobel / Fundação Vilanova Artigas, GRAZIOSI, J. A trajetória profissional do engenheiroarquiteto Alexandre Albuquerque, São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Dissertação de Mestrado, PASSOS, Érika M. B. A contribuição da Arquitetura para a formação do profissional engenheiro civil. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Dissertação de Mestrado, 2002.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA Luís Cláudio Symanski (CEPA - Universidade Federal do Paraná) Christiane Lopes Machado (Rheambiente) Roberto Stanchi (Instituto

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil

Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil Simpósio Temático: Pioneiros da habitação social no Brasil Coordenação: Nabil Bonduki FAU-USP (nabilbonduki@usp.br) Os trabalhos reunidos nesta sessão temática tiveram origem num processo de pesquisa que

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico æ ensaios A linguagem ideogrâmica como elemento de intermediação reflexiva entre o programa de necessidades e o estudo preliminar Arquiteto, Prof. Dr. Paulo Corrêa O artigo traz, à discussão sobre metodologia

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO

INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU em Educação Infantil e Ensino Fundamental (Séries Iniciais) EM MONTES CLAROS, NOVO CRUZEIRO, PIRAPORA,

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Arquitetura: escolhas para o futuro

Arquitetura: escolhas para o futuro Arquitetura: escolhas para o futuro Escola da Cidade Veduca 20h Sobre o curso O século XXI traz novos desafios para a Arquitetura. Além de temas tradicionais como forma, função e estrutura, a construção

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais