ARQUITETURA E URBANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA E URBANISMO"

Transcrição

1 ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS

2 Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como missão integrar científica, cultural, técnica e filosoficamente sua área de abrangência, sendo agente geradora do desenvolvimento nacional sustentável e de inserção e emancipação social, colaborando para a construção de uma nação brasileira soberana e justa, por meio da formação de profissionais competentes e comprometidos com o contexto socioeconômico e cultural brasileiro e regional. Assim, sem deixar de atender ao conjunto das áreas de conhecimentos universais, ocupa-se, em particular, de temáticas brasileiras regionais, quais sejam: Meio Ambiente, Planejamento e Gestão, Ecoturismo, Integração Regional, Programas de Desenvolvimento e Implantação de Serviços, Programas de Saneamento e Saúde Pública, Programas de Educação, incluindo Educação à Distância, Programas de Informatização, dentre outros. O Centro de Ensino Superior Prof. Plínio Mendes dos Santos (CESUP), foi criado em 1974, e implantou, de acordo com o previsto em seu projeto educacional, ainda em 1974, cursos de graduação, realizou pesquisas e implementou projetos de extensão. Em 1989, ampliou a sua atuação com uma nova unidade em Rio Verde de Mato Grosso-MS, para atender a demanda daquela região e sua área de influência. Como parte do seu desenvolvimento, em 1990, o CESUP solicitou ao então Conselho Federal de Educação, autorização para a transformação do Centro de Ensino Superior Prof. Plínio Mendes dos Santos na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (). O reconhecimento da Universidade, pelo atual Conselho Nacional de Educação, deu-se pelo Parecer n.º 153/96, de 02 de dezembro de 1996, homologado por Decreto Presidencial de 18/12/1996. No ano de 2005, a Universidade, após sua larga experiência em ofertar cursos de pós-graduação lato sensu a distância (visto ter sido autorizada pela Portaria nº , de 19/09/2002), decidiu-se pela ampliação da oferta de 2

3 cursos a distância, no âmbito da graduação, sendo Credenciada pela Portaria nº , de 29/11/2005. Mantenedora Base legal da Mantenedora A Anhanguera Educacional S/A (AESA) assumiu o controle acionário do Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda., mantenedor da, em outubro de 2007, em outubro de 2008, o Conselho Universitário decidiu, por unanimidade, pelo novo texto do Estatuto, aprovado, em seguida, pelo Ministério da Educação, por meio da Portaria MEC nº. 879, de 18 de novembro de 2008, veiculada no D.O.U. nº. 225, de 19 de novembro de A partir desta data a Universidade passou a denominar-se Universidade Anhanguera- Uniderp, mantida pelo Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda - CESUP. A Anhanguera Educacional S/A. - AESA incorporou o Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda.-CESUP, em 30 de abril de 2009, conforme Assembleia Geral Extraordinária AGE realizada na mesma data e registrada na JUCESP (NIRE n.º ), em 30 de setembro de 2009, sob o n.º /09-9, e pela Portaria MEC n , de 13 de novembro de 2009, publicada no D.O.U. nº 218, de 16 de novembro de 2009, a mantença da Universidade Anhanguera-Uniderp foi transferida do Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda.-CESUP, para a Anhanguera Educacional S/A - AESA. A AESA transformou sua natureza social de sociedade anônima para sociedade empresária ltda., em 06 de setembro de 2010, passando a denominar-se Anhanguera Educacional Ltda. - AELTDA., consoante atos registrados na JUCESP (NIRE n.º ), sob o n.º /10-8, em 25 de outubro de Dirigente Presidente: CEO Rodrigo Calvo Galindo 3

4 Mantida Nome: Universidade Anhanguera-Uniderp Código e Nome da IES: 671 Organização Acadêmica: Universidade Categoria Administrativa: Instituição privada com fins lucrativos Portaria de (Credenciamento ou Recredenciamento): Portaria Nº 4.069, de 29 de novembro de 2005 Unidade Ceará / Matriz (Sede) CNPJ: / Rua Ceará, nº333/bairro: Miguel Couto/Campo Grande-MS/CEP: / Fone:(67) Home Page: Unidade Agrárias CNPJ: / Rua Alexandre Herculano, nº1.400/bairro:jardim Veraneio/Campo Grande- MS/CEP: / Fone:(67) Home Page: Unidade Rio Verde de Mato Grosso CNPJ: / Av. Eurico Sebastião Ferreira, nº 930/Centro/Rio Verde de Mato Grosso- MS/CEP: / Fone:(67) Dirigentes Reitora: Leocádia Aglaé Petry Leme Pró-Reitor Administrativo: Evaldo Tadeu Gomes Rosa Pró- Reitor de Extensão: Ivo Arcangelo Vendrusculo Busato 4

5 Pró-Reitora de Graduação, Pesquisa e Pós-Graduação: Luciana P. de Andrade Diretora Acadêmica da Unidade: Eugênia Aparecida dos Santos Histórico do Curso O curso de.arquitetura e Urbanismo foi criado no ano de 1980, por meio do Decreto Federal nº /80 de 24 de Setembro de 1980, publicada em 25/09/1980 e foi reconhecido pela Portaria Ministerial nº 408, de junho de 1985, e é oferecido na Universidade Anhanguera-Uniderp, Unidade Matriz ou Agrárias, situada a Rua Ceará Nº 333, Bairro Miguel Couto, Campo Grande - MS. A renovação de reconhecimento do curso foi publicada na Portaria Ministerial nº3, de 1º de junho de 2011, publicada em 02/06/2011 o regime de matrícula é seriado, e atualmente é oferecido nos turnos Matutino, Vespertino e Noturno, com 520 vagas, sendo 210 no matutino, 100 no vespertino, e 210 no noturno, com integralização em 10 semestres. Formas de Acesso O acesso ao curso ocorre mediante Processo Seletivo é realizado por Concurso Vestibular sob a responsabilidade da Comissão Permanente do Processo Seletivo, que divulga em edital próprio os cursos, os requisitos de ingresso e matrícula, o número de vagas e demais informações. Há dois processos seletivos: o Concurso Principal e o Processo Seletivo Continuado. O ingresso também é possível pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), conforme o desempenho e a classificação do candidato, nos termos dos dispositivos especificados pela Instituição, de acordo com as especificidades de cada curso, registradas nos editais. O Programa Universidade para Todos (PROUNI), criado pelo Ministério da Educação, por meio da MP nº. 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº , de 13/01/2005, tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e 5

6 tecnológico. A adesão da instituição ao Programa segue as recomendações do Governo Federal. Os portadores de diploma de nível superior, devidamente registrado, poderão utilizar este documento para análise e ingresso, no período vigente do processo seletivo, desde que haja vagas remanescentes, ou de acordo com os editais publicados especificamente para o curso de Medicina. O aproveitamento de estudos é concedido com base no requerimento do estudante e as adaptações ao currículo em vigor são determinadas no Plano de Estudos de Adaptação que é elaborado pelo Coordenador do Curso, de acordo com as normas aprovadas pelos Conselhos Superiores e legislação pertinente. Coordenação de Curso As decisões referentes ao curso, sua execução e supervisão são da competência da Coordenação de Curso, grupo gestor composto pelo Coordenador, Colegiado de Curso e Núcleo Docente Estruturante, de acordo com o disposto no Estatuto, Regimento Geral, Normas Acadêmicas, e demais legislações pertinentes em vigor. Tácia Carolina Prado de Souza Barbosa Ronda: Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Especialista em Reabilitação Ambiental Sustentável Arquitetônica e Urbanística pela Universidade de Brasília, profissional atuante no mercado de trabalho, com experiência em diferentes segmentos econômicos, sociais e ambientais, tais como participação em projetos de Estudos de Impacto Ambiental para implantação de grandes empreendimentos no Estado de Mato Grosso do Sul,, Analista Pericial em processos judiciais na empresa Instituto de Perícias Científicas de Mato Grosso do Sul (IPCMS), além de atuar na elaboração de projetos arquitetônicos e execução de obras na empresa Exacta Engenharia, em Campo grande. 6

7 A Coordenadora, Tácia Carolina Prado de Souza Barbosa Ronda, que possui 10 anos de experiência profissional, 08 anos de experiência de magistério e 3 anos de gestão acadêmica. O Colegiado de Curso em 2015 é composto pelos seguintes representantes: Coordenador do Curso: Profa. Tácia Carolina Prado de Souza Barbosa Ronda Profa. Liliane Carvalho Rosa Prof. Ronaldo Braga Magalhães Prof. Rubens Costa Marques Prof. Alex Maymone Silva Prof. João Pedro Figueiró D Ornellas Aluno: Rhauane Azambuja O Núcleo Docente Estruturante atual do curso possui a composição relacionada a seguir: Coordenador do Curso: Profa. Tácia Carolina Prado de Souza Barbosa Ronda Profa. Liliane Carvalho Rosa Prof. Ronaldo Braga Magalhães Prof. Rubens Costa Marques Prof. João Pedro Figueiró D Ornellas Corpo Docente O corpo docente possui experiência no magistério superior e experiência profissional não acadêmica. A contratação de novos docentes decorre de processo de seleção, no qual especial atenção é dedicada à tarefa de empregar profissionais com trajetória consolidada, aliada a uma formação sólida com aderência as disciplinas que irá ministrar. A divulgação de vagas é pública e os candidatos são selecionados por provas de títulos, didática, experiência acadêmica e não acadêmica. Ressaltase que a contratação do candidato selecionado é feita nos termos da 7

8 Consolidação das Leis do Trabalho, do Plano de Carreira Docente e de diretrizes emanadas da Entidade Mantenedora. A relação dos Docentes que ministram as disciplinas em cada semestre letivo consta registrada na Coordenação do Curso, indicada nos Planos de Ensino e Aprendizagem, e demais documentos complementares a esse Projeto Pedagógico que norteiam a ofertas das disciplinas. Objetivos Gerais do Curso O Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhanguera- Uniderp busca a excelência do ensino, por meio do aprimoramento da formação do arquiteto e urbanista e do ensino do projeto arquitetônico e urbanístico. E, para tanto, fez extensa reflexão teórico-metodológica, sobre o moderno ensino de Arquitetura e do Urbanismo, que atendesse à tétrade, que estrutura o processo criativo do estudante. Buscando trazer a Teoria da Arquitetura e do Urbanismo para mais perto da prática e do ensino de projeto, é que o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhanguera-Uniderp cumpre a sua finalidade, por meio de duas linhas de atuação: o ensino da Teoria da Arquitetura e do Urbanismo e o ensino da metodologia projetual. O primeiro caso constitui o conjunto de conhecimentos baseados na Teoria da Arquitetura e do Urbanismo, e cujo conteúdo formalizado, contempla campo cognitivo sistematizado, que caracteriza a disciplina arquitetônica, dando ênfase às abordagens morfológica, historicista, prospectiva, estruturalista e tecnológica. O segundo caso consiste em ensinar a metodologia de trabalho, diferente das outras existentes e ministradas em disciplinas teóricas, por meio da qual se buscam aperfeiçoar suas práticas pedagógicas; ao saber arquitetura e urbanismo, ao saber-fazer arquitetura e urbanismo e o saberensinar arquitetura e urbanismo. 8

9 Trata-se, portanto, de um ensino de caráter complexo, ministrado, nos dois casos citados, de forma simultânea e acumulativa, à medida que os semestres se sucedem. As disciplinas de desenho e de projeto, por exemplo, representam uma síntese de todo esse conhecimento adquirido, quer seja no campo teórico da Arquitetura e do Urbanismo, ou no campo cognitivo sistematizado, desenvolvido por meio de método de trabalho, ou metodologia projetual, ou do próprio desenho. A prática de simulação do ambiente de escritório em sala de aula, aplicada na década de 80, vem sendo substituída por novas metodologias de ensino: o enfoque no processo de projeto e não no produto final é uma tônica predominante nos Cursos de Arquitetura e Urbanismo nacionais e internacionais. As disciplinas de caráter prático e projetual no Curso são, portanto, avaliadas sob a ótica de um processo, que evolui desde a apresentação e conhecimento de determinado tema, adquirido por meio de pesquisa; passando pela fundamentação teórica, responsável pela sustentabilidade do projeto; pelas sucessivas aproximações do desenho, até se atingir o resultado final que atenda, com propriedade, à hipótese inicialmente formulada, quer seja no âmbito do objeto, do edifício, da cidade, ou da região. É por meio desse processo que se consegue formar profissionais competentes e competitivos para atuar no mercado de trabalho cada vez mais exigente tanto nacionalmente quanto mundialmente. O Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Anhanguera- Uniderp foi concebido de modo a integrar o desenvolvimento econômico e social da região de influência da Universidade. Tal é a concepção que norteia o currículo do Curso em pauta, o qual possibilita uma formação acadêmica voltada, sobretudo, ao atendimento das vocações locais e regionais, com destaque para as questões relativas ao meio ambiente e para as relações internacionais de Mato Grosso do Sul com os países membros do Mercosul. Desse modo, o profissional formado pelo nosso Curso deve estar apto para desempenhar suas funções como técnico, planejador, pesquisador e 9

10 docente; como profissional liberal ou vinculado à instituições, empresas públicas ou privadas, governamentais ou não-governamentais; instituições de serviços, entre outros. O curso de Arquitetura e Urbanismo proposto formará profissionais aptos a atuar nos setores relacionados à produção e serviços ou desenvolver atividades autônomas como profissionais liberais ou empreendedores. Este profissional atuará na concepção, planejamento, projeto, construção, operação e manutenção de edificações e de infraestruturas, bem como executará trabalhos de consultoria técnica (vistoria, perícia, avaliação), emitindo laudos e pareceres nestas áreas. Objetivos Específicos do Curso Os objetivos específicos do Curso de Arquitetura e Urbanismo são os seguintes: Conhecimento dos fatores sociais, econômicos, culturais e políticos da vida do país, fundamentais à cidadania e à prática profissional; Compreensão das questões ambientais, visando o desenvolvimento sustentável e o equilíbrio ecológico; conhecimentos necessários às ações de preservação ambiental e de avaliação de impactos ambientais; Habilidade para resolver problemas e conceber projetos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo; conhecimentos para realizar construções que satisfaçam as exigências estéticas, técnicas, ambientais e de acessibilidade dos usuários das construções, dos objetos, paisagens, cidades e regiões, considerando os fatores de custo, de manutenção, de especificações e de regulamentos; Conhecimento dos materiais, das técnicas e sistemas construtivos, das instalações elétricas e hidro-sanitárias, dos equipamentos prediais e instalações especiais, da infra-estrutura urbana, da organização da obra e do canteiro; 10

11 Conhecimento das Teorias e da História da Arquitetura, do Urbanismo e do Paisagismo, considerando o contexto da produção teórica, tecnológica e projetual da área, nos seus aspectos de fundamentação, conceituação, metodologia e resolução; Conhecimento das condições térmicas, acústicas, lumínicas e energéticas, dos fenômenos físicos e das técnicas apropriadas a eles associadas, como condicionantes da forma e da organização do espaço; Habilidade para a concepção de estudos, análises e planos de intervenção no espaço urbano, metropolitano e regional, considerando o domínio das técnicas de planejamento urbano e regional, de urbanismo e de desenho urbano e a compreensão dos sistemas e fluxos de infra-estrutura urbana, metropolitana, regional e de trânsito; Conhecimento da teoria, do projeto e da resolução tecnológica, para conservação, restauro, reestruturação, reabilitação e reconstrução de edifícios, conjuntos e cidades; Conhecimento da História das Artes, das Belas Artes e da Estética enquanto fatores suscetíveis de influenciar a qualidade da concepção e prática de Arquitetura, de Urbanismo e de Paisagismo; Habilidade e conhecimento do Desenho, da Geometria e suas aplicações, e de outros meios de Expressão e Representação, como Perspectiva e Plástica, Maquetes, Protótipos e Modelos; Compreensão dos Sistemas Estruturais, considerando os estudos de Resistência dos Materiais, Estabilidade das Construções e Fundações. Domínio da concepção estrutural, do projeto estrutural e de seus fundamentos; Habilidade na elaboração e interpretação de Estudos Topográficos, utilizando os recursos de Aerofotogrametria, Topologia e Fotointerpretação, necessários à organização do espaço em projetos de Arquitetura e Urbanismo e no Planejamento Urbano e Regional; 11

12 Conhecimento do instrumental da informática, dos sistemas de tratamento da informação e representação do objeto e suas aplicações à Arquitetura e Urbanismo. Ao concluir o Curso de Arquitetura e Urbanismo, o profissional deverá estar apto ao seu exercício, fundamentado na compreensão da organização dos seres humanos; suas relações de interdependência; interações com as condições físicas do meio e do modo de vida e da sua organização no interior dos diversos contextos socioeconômicos e culturais. Perfil de Egresso O Curso de Arquitetura e Urbanismo tem como perfil do egresso, atuar no âmbito da iniciativa privada e do Estado, buscando o emprego racional dos recursos e o alcance da missão e dos objetivos organizacionais, em consonância com as demandas da sociedade. O Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhanguera-Uniderp objetiva formar um profissional capaz de organizar e dirigir o conjunto de atividades relativas à Arquitetura e ao Urbanismo, incluindo: capacidade de elaboração de projetos, com soluções técnicas economicamente viáveis e culturalmente responsáveis; capacidade de absorver novas tecnologias e de visualizar, com criatividade, novas aplicações; capacidade de análise de problemas e síntese de soluções; desenvolvimento de liderança e de trabalho em equipes multidisciplinares; consciência da necessidade de contínua atualização profissional; capacidade de resolver problemas concretos, modelando situações reais, levando em conta os aspectos humanísticos, sociais, éticos e ambientais. Para tanto, o perfil do egresso desejado contempla conhecimentos multidisciplinares e vivências das rotinas ligadas à Arquitetura e ao Urbanismo, e de suas realidades locais e regionais. O profissional dela egresso deve ser capaz de planejar, coordenar, controlar e avaliar as funções inerentes à sua área de atuação profissional. 12

13 Assim, com formação generalista, vários campos de atuação profissional podem ser buscados pelo arquiteto, no qual, entre outros, com interesse no Urbanismo, poderá aplicar conhecimentos da evolução urbana, do uso e ocupação do solo, de novas intervenções urbanísticas, de ecologia, de morfologia da paisagem, de preservação e recuperação de paisagens. Esta formação generalista está garantida através de disciplinas de carácter complementar (Seminário Integrador) e de caráter de valorização interpessoal e de iniciativa própria para o desenvolvimento de trabalhos, além de conteúdos de conhecimento geral. O trabalho voltado à comunidade é efetuado através da disciplina Projeto de Extensão à Comunidade, onde os acadêmicos desenvolvem trabalhos de ordem social, individualmente ou em equipes. Se o interesse do arquiteto for pela tecnologia, poderá desenvolver estudos desde novas técnicas construtivas e de materiais, à racionalidade estrutural de edificações e de cálculo estrutural; aos aspectos de conforto do ambiente construído, até o gerenciamento e execução de obras. Há o arquiteto que tem interesse no desenvolvimento de projeto de edificações para atender o contexto sociocultural e as suas relações com o meio ambiente. Neste sentido a formação do arquiteto e urbanista, proposta pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhanguera-Uniderp, pretende que o aluno, com base no conjunto de conhecimentos adquiridos nas várias disciplinas, desenvolva sua capacidade de assimilação da teoria e dos instrumentos de projeto, por meio de uma série de exercícios e estudos de problemas de projeto. Assim, o aluno deverá partir do aprendizado da teoria, com métodos analíticos, e desenvolver soluções práticas com técnicas sofisticadas. As disciplinas de projeto, presentes em todos os semestres do curso e ministradas em atelier integrado, simulam situações reais, possibilitando a investigação, para futura aplicação da síntese do conhecimento, por meio de processo gradual para a aquisição de conhecimento. 13

14 A formação que capacita o profissional de Arquitetura e Urbanismo ao exercício das atividades explicitadas acima, requer uma preparação didáticopedagógica adequada, obtida via integração de conhecimentos pertinentes às áreas básica, profissional e complementar através das quais se estrutura o Curso. Área de Atuação A área de atuação, que não deve ser confundida com local de trabalho, é definida neste modelo acadêmico como o campo de trabalho e de ocupação do profissional. Definir as áreas de atuação do curso permite selecionar as competências e habilidades necessárias para um profissional com formação generalista e abrangente. Como o curso Arquitetura e Urbanismo oferece uma formação básica geral,é comum que alguns profissionais atuem em outros campos diferentemente de sua formação. Como atribuições do profissional de Arquitetura e Urbanismo, o Conselho de Arquitetura e urbanismo, em sua determina em sua Resolução nº 25, de 5 de abril de 2012, as seguintes: Supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; Coleta de dados, estudo, planejamento, projeto e especificação; Estudo de viabilidade técnica e ambiental; Assistência técnica, assessoria e consultoria; Direção de obras e de serviço técnico; Vistoria, perícia, avaliação, monitoramento, laudo, parecer técnico, auditoria e arbitragem; Desempenho de cargo e função técnica; Treinamento, ensino, pesquisa e extensão universitária; Desenvolvimento, análise, experimentação, ensaio, padronização, mensuração e controle dequalidade; Elaboração de orçamento; Produção e divulgação técnica especializada; e Execução, fiscalização e condução de obra, instalação e serviço técnico. 14

15 Esta Resolução prevê que tais atribuições se enquadram nos seguintes campos de atuação do profissional de Arquitetura e Urbanismo: De Arquitetura e Urbanismo, concepção e execução de projetos; De Arquitetura de Interiores, concepção e execução de projetos; De Arquitetura Paisagística, concepção e execução de projetos para espaços externos, livres e abertos, privados ou públicos, como parques e praças, considerados isoladamente ou em sistemas, dentro de várias escalas, inclusive a territorial; Do Patrimônio Histórico Cultural e Artístico, arquitetônico, urbanístico, paisagístico,monumentos, restauro, práticas de projeto e soluções tecnológicas para reutilização, reabilitação,reconstrução, preservação, conservação, restauro e valorização de edificações, conjuntos e cidades; Do Planejamento Urbano e Regional, planejamento físico-territorial, planos de intervenção no espaço urbano, metropolitano e regional fundamentados nos sistemas de infraestrutura, saneamento básico e ambiental, sistema viário, sinalização, tráfego e trânsito urbano e rural, acessibilidade, gestão territorial e ambiental, parcelamento do solo, loteamento,desmembramento, remembramento, arruamento, planejamento urbano, plano diretor, traçado de cidades, desenho urbano, inventário urbano e regional, assentamentos humanos e requalificação em áreas urbanas e rurais; De Topografia, elaboração e interpretação de levantamentos topográficos cadastrais para a realização de projetos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo, foto-interpretação, leitura, interpretação e análise de dados e informações topográficas e sensoriamento remoto; Da Tecnologia e resistência dos materiais, dos elementos e produtos de construção,patologias e recuperações; Dos sistemas construtivos e estruturais, estruturas, desenvolvimento de estruturas e aplicação tecnológica de estruturas; De instalações e equipamentos referentes à Arquitetura e Urbanismo; 15

16 Do Conforto Ambiental, técnicas referentes ao estabelecimento de condições climáticas, acústicas, lumínicas e ergonômicas, para a concepção, organização e construção dos espaços; Do Meio Ambiente, estudo e avaliação dos impactos ambientais, licenciamento ambiental,utilização racional dos recursos disponíveis e desenvolvimento sustentável. Matriz Curricular A matriz curricular está estruturada por disciplinas de área e de curso, cumprindo as determinações legais e as Diretrizes Curriculares do curso, e organizadas com aulas expositivas, atividades práticas, atividades supervisionadas, tais como laboratórios, atividades em biblioteca, trabalhos individuais e em grupo etc. Nas disciplinas que requerem práticas, as atividades presenciais são divididas em atividades teóricas-práticas em laboratórios específicos, sempre respeitando os critérios legais do número máximo de alunos em aulas práticas, no caso das que demandam esse tipo de prática, ou através de desenvolvimento de trabalhos em equipe e discussão de temáticas de interesse da própria matéria/conteúdo ou de enfoque interdisciplinar. A seguir são apresentadas as disciplinas que compõe a matriz curricular do curso: 1 o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Ergonomia e Acessibilidade 60 2 Legislação e Normas Profissionais 40 3 Geometria Descritiva 60 4 Tópicos Aplicados a Arquitetura e Urbanismo 60 5 Segurança e Organização do Trabalho 40 6 Desenvolvimento Pessoal e Profissional 40 16

17 Atividade Complementar 60 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Meios de Expressão e Representação I 60 2 Estética e História da Arte I 60 3 Desenho de Arquitetura I 80 4 Estudos Sociais, Econômicos e Ambientais I 40 5 Computação Gráfica 40 6 Topografia 40 7 Responsabilidade Social e Meio Ambiente 40 Atividade Complementar 60 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Introdução ao Projeto 60 2 Estética e História da Arte II 40 3 Desenho de Arquitetura II 80 4 Conforto Ambiental I 40 5 Meios de Expressão e Representação II 60 6 Estudos Sociais Econômicos e Ambientais II 40 7 Direito e Legislação 40 Atividade Complementar 60 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo I 80 2 Tecnologia e Arquitetura I 40 3 Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo I 40 4 Conforto Ambiental II 40 5 Comunicação Visual 40 17

18 6 Perspectiva 60 7 Direitos Humanos 40 Atividade Complementar 60 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo II 80 2 Sistemas Estruturais I 40 3 Tecnologia e Arquitetura II 40 4 Geoprocessamento e Georreferenciamento 40 5 Instalações Hidrossanitárias 80 6 Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo II 40 7 Desenvolvimento Econômico 40 Atividade Complementar 60 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo III 80 2 Planejamento Urbano e Regional I 60 3 Sistemas Estruturais II 40 4 Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo III 40 5 Tecnologia e Arquitetura III 40 6 Arquitetura Contemporânea 60 7 Instalações Elétricas e Especiais 60 Atividade Complementar 40 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo IV 80 2 Planejamento Urbano e Regional II 80 3 Sistemas Estruturais III 40 18

19 4 Desenho do Produto Industrial 40 5 Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo IV 40 6 Projeto de Extensão e Comunidade Estágio Supervisionado I 80 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo V 80 2 Planejamento Urbano e Regional III 80 3 Paisagismo I 40 4 Sistemas Estruturais IV 40 5 Arquitetura Brasileira 40 6 Estágio Supervisionado II 100 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo VI Planejamento Urbano e Regional IV 80 3 Técnicas Retrospectivas 60 4 Paisagismo II 40 5 Planejamento, Gerenciamento e Controle de Obras 40 6 Competências Profissionais 20 7 Estágio Supervisionado III Trabalho de Conclusão de Curso I 160 Subtotal º Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Trabalho de Conclusão de Curso II Estágio Supervisionado IV 100 Subtotal 260 Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e Inclusão 40 19

20 Aulas ou Atividades Carga Horária Aulas Teóricas Aulas Práticas Estágios Supervisionados 380 Atividades Complementares 340 TCC 320 Carga Horária Total Disciplinas e Ementas 1º semestre Ergonomia e Acessibilidade Ementa: Ergonomia: Conceito, O Ergonomista, Significado social e valor econômico da ergonomia, Aplicações coletivas e individuais. Postura e movimento: Bases biomecânicas, fisiológicas e antropométricas; Postura - Trabalho sentado, em pé, Mudança de postura, Postura das mãos; Movimentos de levantamento, transporte e movimentação de cargas. Mobiliário e Equipamentos dos Postos de Trabalho: Aspectos da NR 17. Fatores ambientais: Ruídos; Vibrações; iluminação; Clima - Conforto térmico; Substâncias químicas - Ventilação e exaustão; Proteção individual. Métodos ergonômicos. Conceito de Acessibilidade. NBR 9050/ Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Decreto Nº de 02/12/2004. Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida. Edificações: Edificações de uso privado; Edificações de uso coletivo/público. Entradas e Saídas. Circulação Horizontal: Pisos, Sinalização Tátil do Piso, Áreas de rotação, Área de Aproximação à porta. Circulação vertical: Rampas, Escadas fixas e degraus, Corrimãos, Equipamentos Eletromecânicos. Portas, janelas e dispositivos. Sanitários e Vestiários. Mobiliários Internos. Estacionamentos. Legislação e Normas Profissionais 20

21 Ementa: Introdução à legislação profissional. Noções de Direito Privado e de Direito Público para arquitetos: conjuntos das normas jurídicas vigentes nos níveis federal, estadual e municipal. Código de Defesa do Consumidor e a construção civil e arquitetura. Legislação profissional referente ao arquiteto. Responsabilidades do arquiteto no exercício da profissão; atribuições profissionais. A profissão do arquiteto a partir da Legislação que regula o exercício da atividade profissional. Estudo das leis referentes à propriedade e às legislações urbanísticas e de construção civil: leis de parcelamento, uso e ocupação do solo, código de edificação, meio ambiente e sanitário; planejamento urbano, loteamentos, condomínios e incorporações imobiliárias. A função social do arquiteto. O exercício da profissão do arquiteto e do urbanista, atribuições profissionais e responsabilidade. O Sistema Profissional. Entidades de classe. Código de Ética. Direito autoral. Relacionamento profissional, Remuneração dos serviços de projeto de arquitetura de edificações, Contratos. Atividades do escritório de arquitetura. Atividades do profissional frente aos novos desafios, suas responsabilidades, a atuação nos diversos mercados de trabalho, em particular no Mercosul.Concursos, concorrências públicas e privadas. Formas de contratação dos servidores de arquitetura. Estrutura de um escritório de Arquitetura. Geometria Descritiva Ementa: Geometria Descritiva associada a normalização de desenho técnico e normas técnicas aplicadas ao sistema Mongeano e Projeções ortogonais; projeções do ponto, reta, planos; métodos descritivos; traçado técnico. Tópicos Aplicados a Arquitetura e Urbanismo Ementa: Relacionar conceitualmente a Arquitetura à produção artística forma x função. Estabelecer uma reação entre as teorias arquitetônicas e a produção arquitetônica e urbana. Proporcionar ferramentas conceituais para a análise crítica da Arquitetura e do Urbanismo. Arquitetura como empreendimento e o papel do arquiteto como empreendedor. 21

22 Segurança e Organização do Trabalho Ementa: Ergonomia e segurança do trabalho. Equipamentos dos Postos de Trabalho. Organização do Trabalho. SESMT. CIPA. Segurança do Trabalho. Gerenciamento e Controle de Risco, acidentes do Trabalho. Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho, normas e regulamentos. Sistema de Políticas e programas em Segurança e Saúde no Trabalho. Desenvolvimento Pessoal e Profissional Ementa: Estudo das questões que envolvem a inserção do sujeito no mundo do trabalho. Estabelecimento de projeto de vida. Competência social. Competência interpessoal. Características do processo seletivo. Independência financeira. Miscigenação étnico-racial, diversidade cultural e sua influência na construção social do Brasil. História e cultura afro-brasileira e indígena. Desigualdades que atingem historicamente determinados grupos sociais, em especial: afrodescendentes e indígenas. As definições étnico-raciais e as políticas de ação afirmativa. Atividades Complementares Ementa: Atividades de complementação da formação social, humana e profissional; de natureza científica, cultural e acadêmica, desenvolvidas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo - Resolução CNE/CES Nº 02, de 17/06/ Artigo 8º e seu 1º; conforme previsto no Projeto Pedagógico do Curso e em regulamentação própria da Faculdade. Participação em atividades formacionais de incentivo à busca do auto aprendizado, com responsabilidade pessoal, social e intelectual. Exercício de atividades de enriquecimento científico, profissional e cultural; podendo incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. 22

23 2º semestre Meios de Expressão e Representação I Ementa: Introdução ao conhecimento teórico-prático da linguagem visual, do processo criativo e da criação de imagens. Experimentação do Desenho como linguagem, comunicação e conhecimento. Percepção das formas. Desenho artístico. Composição, desenho de observação e de memória. Criação bi e tridimensional no plano e no espaço, através de diversas linguagens gráficas, procedimentos e materiais. Técnicas de desenho: utilização de instrumentos, luz e sombra, noções de perspectiva e desenho da Figura Humana e da natureza. Estética e História da Arte I Ementa: Elementos e conceitos básicos para a compreensão do fenômeno artístico no contexto cultural dos diferentes períodos históricos. Relações interdisciplinares entre a Estética e a História da Arte. As vanguardas do início do século XX. Novas tendências. Arte contemporânea. Propaganda e Arte. Desenho de Arquitetura I Ementa: Técnicas de desenho. Percepção, memória e representação das formas através dos recursos gráficos. Normas do desenho técnico. Desenho arquitetônico. Projetos arquitetônicos. Estudos Sociais, Econômicos e Ambientais I Ementa: Sociedade economia e ambiente. Projetos de arquitetura considerando sob os aspectos sociais e ambientais. Noções de sociologia, economia e desenvolvimento sustentável. Interações arquitetura sociedade e meio ambiente. Computação Gráfica 23

24 Ementa: Fundamentos da computação gráfica, Primitivas geométricas, Transformações geométricas, Visualização bidimensional, Definição de objetos 3D, Definição de uma câmera virtual, Realismo e Biblioteca OpenGl. Topografia Ementa: Instrumentos topográficos. Poligonais topográficas. Cálculo de áreas das poligonais topográficas e áreas extra poligonais por triangulação. Definições de rumo e azimute. Compensação de poligonais topográficas, cálculo de coordenadas parciais e totais dos vértices poligonais e cálculo de área. Desenho da planta topográfica. Levantamento topográfico planimétrico cadastral (inclui pontos de detalhe pelo processo de irradiação). Altimetria: definições de cotas e altitudes. Nivelamento hidrostático, geométrico e trigonométrico. Representação do perfil do terreno. Taqueometria, levantamento planialtimétrico. Demarcação de curvas de nível (terraços). Responsabilidade Social e Meio Ambiente Ementa: Panorama mundial da questão ambiental. Fundamentos da sustentabilidade. Preparando-se para a nova economia. Sustentabilidade no mundo corporativo. Atividades Complementares Ementa: Atividades de complementação da formação social, humana e profissional; de natureza científica, cultural e acadêmica, desenvolvidas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo - Resolução CNE/CES Nº 02, de 17/06/ Artigo 8º e seu 1º; conforme previsto no Projeto Pedagógico do Curso e em regulamentação própria da Faculdade. Participação em atividades formacionais de incentivo à busca do auto aprendizado, com responsabilidade pessoal, social e intelectual. Exercício de atividades de enriquecimento científico, profissional e cultural; podendo incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, 24

25 congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. 3º semestre Introdução ao Projeto Ementa: Identificação e aplicação das condições essenciais para a composição de um projeto arquitetônico unifamiliar, através dos elementos, configurações e formas. Organização dos espaços arquitetônicos internos com fundamentos na modulação e no seu inter-relacionamento básico. Análise e desenvolvimento de projeto arquitetônico na produção do espaço ambiental interior e exterior, seguindo as normas e legislações pertinentes para a realização do projeto. Estética e História da Arte II Ementa: História da arte, aprofundamento do conhecimento estético, escolas artísticas, a arte do século XX, as crises da arte, a arte e conhecimento, arte e história, arte como expressão, arte e realidade. Desenho de Arquitetura II Ementa: Desenho técnico de arquitetura. Desenvolvimento das representações gráficas de Projeto. Estudos preliminares e anteprojetos. O desenho livre de arquitetura. Desenho de equipamentos e objetos. Detalhes arquitetônicos Conforto Ambiental I Ementa: Ótica: Luz, velocidade da luz, fotometria, refração e reflexão. Insolação nos edifícios. Calor: Dilatação nos sólidos; tensões térmicas; trocas de calor entre as edificações e o meio ambiente. Controle térmico das edificações. A energia solar. Meios de Expressão e Representação II Ementa: Introdução ao conhecimento teórico-prático da linguagem visual, do processo criativo e da criação de imagens. Experimentação do Desenho como 25

26 linguagem, comunicação e conhecimento. Percepção das formas. Desenho artístico. Composição, desenho de observação e de memória. Criação bi e tridimensional no plano e no espaço, através de diversas linguagens gráficas, procedimentos e materiais. Técnicas de desenho: utilização de instrumentos, luz e sombra, noções de perspectiva e desenho da Figura Humana e da natureza. Estudos Sociais Econômicos e Ambientais II Ementa: Urbanização e meio ambiente. Densidades populacionais, habitação operária, movimentos sociais e intervenções urbanas. Cidade capitalista contemporânea. Pensamento ecossistêmico. Conceito de sustentabilidade socioambiental. A função ambiental da arquitetura e do urbanismo. Conceito de Ecossistema Urbano. Economia e sustentabilidade. Segregação urbana. Estatuto da Cidade e Plano Diretor. Legislação ambiental. Direito e Legislação Ementa: Introdução ao Estudo do Direito. Teoria Geral do Estado. Direito Constitucional. Direito Tributário. Direito Civil. Direito de Família e das Sucessões. Direito do Consumidor. Direito Empresarial. Direito do Trabalho. Atividades Complementares Ementa: Atividades de complementação da formação social, humana e profissional; de natureza científica, cultural e acadêmica, desenvolvidas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo - Resolução CNE/CES Nº 02, de 17/06/ Artigo 8º e seu 1º; conforme previsto no Projeto Pedagógico do Curso e em regulamentação própria da Faculdade. Participação em atividades formacionais de incentivo à busca do auto aprendizado, com responsabilidade pessoal, social e intelectual. Exercício de atividades de enriquecimento científico, profissional e cultural; podendo incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, 26

27 congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. 4º semestre Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo I Ementa: Abordagem unificada no processo do projeto, onde as especificidades do edifício, da paisagem e da cidade são consideradas como manifestações de um único ato. A visão holística do ato de projetar. Relações entre o objeto e os espaços interiores, o edifício, o lote e a vizinhança. Elaboração de projetos de baixa complexidade com ênfase nos aspectos metodológicos. O partido arquitetônico como resposta às necessidades programáticas e demonstração da viabilidade das soluções. O projeto como proposta de intervenção no ambiente pré-existente, em atendimento às necessidades funcionais, ambientais e culturais do ser humano. Necessidades de preservação de valores e desenvolvimento da qualidade de vida. Tecnologia e Arquitetura I Ementa: Terraplenagem e obras complementares; Serviços preliminares; Projetos, Documentos e licenças; Limpeza do terreno; Instalações provisórias; canteiro de obra; Locação de obra; Fundação, contenção, embasamentos; impermeabilizações. Supra-estrutura e alvenarias; Cobertura: Vãos e esquadrias: Instalações: hidrossanitárias; energia elétrica; gás; eletromecânicos; segurança e vigia; comunicação e lazer.revestimentos / paramentos; pisos; paredes; vidros; pintura. Limpeza final. Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo I Ementa: Teorias que explicam a produção arquitetônica e urbanística dos assentamentos autóctones e vernáculos. Teorias que fundamentam a produção da arquitetura até o século XVIII. Princípios de composição espacial e estética. Análise da forma, função e tecnologia da obra arquitetônica relativa aos estilos ou movimentos. 27

28 Conforto Ambiental II Ementa: Conceituação. A conservação de energia em Acústica arquitetônica. Suporte teórico e prático para o projeto de sistemas naturais de condicionamento e isolamento acústicos, aplicados ao espaço arquitetônico. Identificação e conhecimento de diferentes tipologias, materiais e novas tecnologias, referentes aos projetos de Acústica arquitetônica. Acústica urbana. Legislações e normas; aparelhos, metodologias e softwares de medição/avaliação/ simulação. Comunicação Visual Ementa: Entender os fundamentos de linguagem utilizados em projetos gráficos. Expressão visual de ideia através da utilização de recursos gráficos e tipográficos. Experimentar estratégias e procedimentos criativos no desenvolvimento do projeto. Perspectiva Ementa: Tipos de perspectivas. Movimentos e mudanças de planos. Rotação e rebatimento. Épura. Perspectiva paralela e cônica de composições geométricas. Projeção de sombras. Perspectiva interna com um e dois pontos de fuga. Humanização das composições com elementos gráficos complementares. Direitos Humanos Ementa: Estado Constitucional; Fontes e Antecedentes dos Direitos Humanos; Declaração dos Direitos Humanos; Evolução Histórica dos Direitos Econômicos e Sociais; Direitos Sociais na Constituição de Weimar; Proteções do indivíduo contra o Estado. Atividades Complementares Ementa: Atividades de complementação da formação social, humana e profissional; de natureza científica, cultural e acadêmica, desenvolvidas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo - Resolução CNE/CES Nº 02, de 17/06/ Artigo 28

29 8º e seu 1º; conforme previsto no Projeto Pedagógico do Curso e em regulamentação própria da Faculdade. Participação em atividades formacionais de incentivo à busca do auto aprendizado, com responsabilidade pessoal, social e intelectual. Exercício de atividades de enriquecimento científico, profissional e cultural; podendo incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. 5º semestre Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo II Ementa: Identificação e aplicação das condições essenciais para a composição de um projeto arquitetônico Residencial Multifamiliar, através dos elementos, configurações e formas. Organização dos espaços arquitetônicos internos com fundamentos na modulação e no seu inter-relacionamento básico. Análise e desenvolvimento de projeto arquitetônico na produção do espaço ambiental interior e exterior, seguindo as normas e legislações pertinentes para a realização do projeto. Sistemas Estruturais I Ementa: Estrutura e suas funções. Requisitos de uma estrutura. Evolução das estruturas. Estática: equações universais; sistema de forças; apoios, transmissões e ligações; reações de apoio. Isostática: sistemas de cargas concentradas e distribuídas; diagrama de esforços normais, esforços cortantes e momentos fletores. Tecnologia e Arquitetura II Ementa: A disciplina desenvolve conteúdo das Tecnologias das Construções interligadas á Arquitetura com ênfase nas técnicas relacionadas a Acústica, Térmica, Estruturas, Revestimentos, Madeira, Metálicas,Vidros e Polímeros. 29

30 Geoprocessamento e Georreferenciamento Ementa: Introdução ao geoprocessamento. Cartografia aplicada a SIG. Formação da base de dados para SIG com uso de GPS de navegação. Fundamentos de sensoriamento remoto em ambiente de geoprocessamento. Banco de dados geográficos. Sistemas de informações. Projeto cartográfico. Estruturação de SIG. Treinamento em software. Instalações Hidrossanitárias Ementa: Instalações hidráulicas Prediais: Água fria e quente; Esgotos sanitários; Águas pluviais. As instalações hidráulicas e suas interfaces com o projeto arquitetônico com adequações para portadores de necessidades especiais. Novos conceitos e tecnologias. Método e processos de utilização das Instalações hidráulicas: Dry Wall; Alvenaria estrutural; Steel frame. Normas técnicas e simbologia das utilizadas em projetos. Noções sobre Segurança contra incêndio. Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo II Ementa: Teorias que fundamentam a produção arquitetônica no século XX a partir do advento do Modernismo na Europa e Norte América, que conduziram à internacionalização das suas propostas. A Influencia da Arquitetura Brasileira no Mundo através das obras de Oscar Niemeyer e o surgimento de uma identidade da Arquitetura Brasileira. A difusão dos ideais do Modernismo sob a luz das ideias políticas e econômicas que transcorreram no Pós Guerra. A transformação da Estrutura em expressão plástica da arquitetura. A critica e o fim do modernismo. Desenvolvimento Econômico Ementa: Conceitos de desenvolvimento e subdesenvolvimento; as medidas do Desenvolvimento Econômico; O modelo de desenvolvimento econômico do Pós Guerra. A globalização econômica e a crise econômica global; O surgimento dos BRICS e o desenvolvimento econômico da: China, Índia, 30

31 Rússia, Brasil e África do Sul; Organizações multilaterais de desenvolvimento econômico. Atividades Complementares Ementa: Atividades de complementação da formação social, humana e profissional; de natureza científica, cultural e acadêmica, desenvolvidas de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo - Resolução CNE/CES Nº 02, de 17/06/ Artigo 8º e seu 1º; conforme previsto no Projeto Pedagógico do Curso e em regulamentação própria da Faculdade. Participação em atividades formacionais de incentivo à busca do auto aprendizado, com responsabilidade pessoal, social e intelectual. Exercício de atividades de enriquecimento científico, profissional e cultural; podendo incluir projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos, seminários, simpósios, congressos, conferências, até disciplinas oferecidas por outras instituições de educação. 6º semestre Projeto de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo III Ementa: Habilidades projetuais. Espaços arquitetônicos com programas de média complexidade funcional e estrutural. Detalhamento construtivo básico da edificação e dos sistemas de instalações prediais. Desenvolvimento de projetos de edificação destinada à cultura e ao lazer, com base no programa arquitetônico. Planejamento e projeto da paisagem nos espaços livres de edificações Planejamento Urbano e Regional I Ementa: Cidades e Redes de Cidades. A Cidade e sua Interação na Rede Urbana e Regional. Hierarquias de Cidades. Funções urbanas e infraestrutura urbana. O Planejamento e a Organização Administrativa Brasileira. Planejamento urbano, desenho urbano e morfologia urbana: conceitos e 31

32 definições. Distribuição espacial da população; crescimento urbano. Projeções futuras; elaboração de cenários. Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano. Plano Diretor, Planos Setoriais, Instrumentos de Planejamento. Parcelamento, uso e ocupação do solo, zoneamento e suas funções, metropolização. Legislação urbana, mecanismos e instrumentos de implantação, controle e fiscalização de planos urbanos. Projetos de intervenção urbana de média complexidade. Análise ambiental urbana e regional através de sistema de explicação descritivo, interpretativo e propositivo para a região e a cidade a serem investigadas. Sistemas Estruturais II Ementa: Dimensionamento e detalhamento de lajes maciças de concreto armado; dimensionamento de seções à flexão composta; noções sobre flambagem e carga crítica; dimensionamento e detalhamento de pilares de concreto armado; torção no concreto armado. Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo III Ementa: Teorias que fundamentam a produção arquitetônica no século XX a partir do advento do Modernismo na Europa e Norte América, que conduziram à internacionalização das suas propostas. A Influencia da Arquitetura Brasileira no Mundo através das obras de Oscar Niemeyer e o surgimento de uma identidade da Arquitetura Brasileira. A difusão dos ideais do Modernismo sob a luz das ideias políticas e econômicas que transcorreram no Pós Guerra. A transformação da Estrutura em expressão plástica da arquitetura. A crítica e o fim do Modernismo. Tecnologia e Arquitetura III Ementa: Tecnologias das Construções interligadas á Arquitetura com ênfase nas técnicas relacionadas ao revestimento, infraestrutura urbana, Iluminação e a elaboração do cronograma físico-financeiro referente aos processos da obra. Arquitetura Contemporânea 32

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

CST EM DESIGN DE INTERIORES

CST EM DESIGN DE INTERIORES CST EM DESIGN DE INTERIORES Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CST EM DESIGN DE INTERIORES Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ARQUITETURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 05 (CINCO) ANOS LETIVOS MÍNIMO: 05 (CINCO) ANOS LETIVOS A) TEMPO TOTAL:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 NÍVEL I 4111W - 04 Matemática para Arquitetura Ementa: Fundamentos do Cálculo Diferencial, Cálculo Integral e Geometria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a.

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a. SIC nº 20/2010* Belo Horizonte, 22 de junho de 2010. 1. ARQUITETURA E URBANISMO. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS. ALTERAÇÃO. RESOLIUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Fase Cod. Disciplina I Matriz Curricular vigente Carga Horária Teórica Prática Total

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 I - NÚCLEO DE CONHECIMENTOS DE FUNDAMENTAÇÃO Estética,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo

A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo Comissão Especial de evisão e Atualização da Legislação de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Deputado Estadual

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Universidade de Cuiabá Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO 132 ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADORA DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Aline Werneck Barbosa de Carvalho abarbosa@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h -

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h - V- MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 3. Estética e História das Artes 05 75h

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADOR Ítalo Itamar Caixeiro Stephan stephan@ufv.br 154 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Arquitetura e Urbanismo Arquiteto e Urbanista ATUAÇÃO O curso

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ 1º PERÍODO Introdução à Arquitetura e Urbanismo 04 60 História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo I - Panorama Mundial 04 60

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais