PROJETO PEDAGÓGICO...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO..."

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO

2 SUMÁRIO Apresentação... 1 PROJETO PEDAGÓGICO... 2 I.Histórico... 3 II Objetivos e Missão do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp... 5 III Dados Gerais... 7 IV O Curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp... 8 V Procedimentos Didáticos...13 VI Processos de Avaliação...20 VII Estrutura Pedagógica...21 VII.1 Grade Curricular Catálogo VII.2 Conteúdos Curriculares...26 VII.2.1 Núcleo de Conhecimentos de Fundamentação VII.2.2 Núcleo de Conhecimentos Profissionais VII.2.3 Trabalho de Curso - Trabalho Final de Graduaçao - TFG VII.3 Estágio Supervisionado...40 VII.4 Programa de Formação Ampliada: Arquitetura e Urbanismo / Engenharia Civil...41 VIII.Ementas e Bibliografias CATÁLOGO VIII.1 Núcleo de Conhecimentos de Fundamentação...49 VIII.1.1 Disciplinas Básicas VIII.1.2 Estudos Ambientais VIII.1.3 Desenho e Meios de Representação e Expressão VIII.2 Núcleo de Conhecimentos Profissionais...55 VIII.2.1 Teoria e Projeto de Arquitetura, Projeto de Paisagismo VIII.2.2 Planejamento Urbano e Regional VIII.2.3 Estética, Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo e Estudos Sociais e Econômicos 67 VIII.2.4 Tecnologia do Ambiente Construído VIII.2.5 Sistemas Estruturais VIII.2.6 Técnicas Retrospectivas VIII.2.7 Informática aplicada à Arquitetura e Urbanismo VIII.3 Trabalho de Curso Trabalho Final de Graduação - TFG...79 VIII.4 Disciplinas eletivas...80 IX. Infraestrutura...87 IX.1 Laboratórios...87

3 IX.2 Informática...94 IX.3 Biblioteca...100

4 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Relatório para Renovação de Reconhecimento do curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo - FEC da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, com dados entre os anos de 2007 e Trata-se de um curso noturno, com 6 anos de duração, que teve suas atividades iniciadas em 1999 e a primeira turma formada em Atendendo à Deliberação CEE 99/2010 o Relatório para Renovação de Reconhecimento do curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo - FEC da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, ora denominado curso AU/UNICAMP, é composto de três partes: Projeto Pedagógico, Relatório Síntese e Relatório contendo outras atividades relevantes para renovação do reconhecimento do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp. No Projeto Pedagógico apresentam-se o histórico da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, os objetivos, as justificativas e características do curso de Arquitetura e Urbanismo. São também detalhadas a estrutura pedagógica, as disciplinas e suas ementas, a infraestrutura de apoio e os recursos humanos existentes. No relatório Síntese, apresentam-se os atos legais referentes à criação, reconhecimento e renovação do reconhecimento do curso AU/UNICAMP, a caracterização de sua infraestrutura, corpo docente e técnico. Expõe-se também a demanda do curso nos últimos processos seletivos, matriculados e egressos e sua grade curricular. No Relatório contendo outras atividades relevantes para renovação do reconhecimento do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp detalha-se a produção docente e discente entre os anos 2007 e

5 PROJETO PEDAGÓGICO 2

6 I.HISTÓRICO A Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP foi criada em 1969, na cidade de Limeira, a 50 km do campus central da UNICAMP em Campinas, com o curso de Engenharia Civil. Desde 1989, a Faculdade está instalada em Campinas, junto às demais unidades da área tecnológica da Universidade. Essa mudança foi bastante benéfica, pois estimulou a integração de alunos e professores com a comunidade científica e universitária como um todo e propiciou oportunidade para a implantação do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo, assim como os programas de pós-graduação. Além dos cursos de graduação, atualmente a Faculdade possui dois programas de pós-graduação, ambos com mestrado e doutorado e recomendados pela CAPES: um em Arquitetura, Tecnologia e Cidade, com uma área de concentração; e o de Engenharia Civil, com cinco áreas de concentração. A Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo oferece periodicamente cursos de extensão e especialização nos temas correlatos aos cursos que possui. O conjunto de instalações da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP é integrado por salas de aulas teóricas, ateliês de projeto, auditório, salas de informática, gabinete de docentes, salas de estudo e acervo, administração e diversos laboratórios de ensino e de pesquisa. Conta também com a Coordenadoria de Projetos CProj, que desenvolve projetos de engenharia e de arquitetura para a UNICAMP e comunidades externas, composto por arquitetos, engenheiros, tecnólogos, alunos-estagiários, com a participação e coordenação dos professores da unidade. A estrutura administrativa da Faculdade é composta por cinco departamentos: Arquitetura e Construção, Saneamento e Ambiente, Estruturas, Recursos Hídricos, Geotecnia e Transportes. Sua equipe atual de docentes é formada cerca de 75 professores (97% com titulação mínima de doutor). Possui diversos convênios com empresas (PETROBRÁS, EMBRAER, V&M do Brasil, CETESB, Petrobrás, DAEE, Vulkan do Brasil Ltda, MBT Brasil Indústria e Comércio Ltda., Fitesa Fibras e Filamentos Ltda., Holcim (Brasil) S.A., Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) Piracicaba, SANASA-Campinas, DEGUSSA, Duke Energy International/ANEEL, Usiminas e Cosipa, dentre outras) que investem na FEC, em bolsas de estudos para os alunos e equipamentos para os laboratórios. A FEC já publicou centenas de artigos em periódicos nacionais e internacionais, e em 3

7 congressos nacionais e internacionais, livros e capítulos de livros, além de um grande número de relatórios técnicos de pesquisas realizadas e de softwares com patentes e registros. Destacam-se os convênios, intercâmbios e parcerias com Universidades no Brasil e de vários países como Estados Unidos, México, Argentina, Chile, França, Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido, Turquia, dentre outros, que ampliam oportunidades de reciprocidade intelectual e cultural, especialmente para os estudantes. 4

8 II OBJETIVOS E MISSÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNICAMP Para atender às demandas de diferentes grupos sociais e indivíduos do mundo contemporâneo em permanente mudança o arquiteto e urbanista, além de boa formação técnica, da sensibilidade e criatividade solicitadas à profissão, deve ter compromisso social e referenciar suas práticas em sólidos princípios éticos, de modo a gerar produtos e conhecimentos úteis à humanidade. O Curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP, ora denominado AU/UNICAMP, fundado em 1999, desde seu inicio privilegiou em seu projeto político pedagógico a interrelacão entre o homem e seu ambiente natural e social. Tem como objetivo formar profissionais generalistas, capacitados técnica e teoricamente para o exercício de habilidades específicas de projetos que, em compasso com a agenda do século XXI, propõem-se tanto à construção do espaço e dos sistemas urbanos e ambientais, como à proteção e equilíbrio do meio ambiente, à preservação do patrimônio histórico edificado e à formulação de alternativas físicas e organizacionais para a habitação. Visando propiciar saberes e competências de espectro multidisciplinar, o curso AU/UNICAMP articula no entorno da prática projetual um conjunto de disciplinas que propiciam conhecimentos pertinentes ao campo das ciências sociais aplicadas, das artes e da tecnologia, de modo a congregar aspectos específicos dos diferentes estágios da formação e das demadas da futura prática profissional do arquiteto e urbanista. A proposição de conteúdos inovadores é possibilitada pela interação de faculdades e institutos da Unicamp que atuam no Curso de Arquitetura: a Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC), o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) e o Instituto de Artes (IA), além de outras unidades da Unicamp. Juntos, eles têm assegurado aos alunos a análise e compreensão das diferentes escalas e complexidades do projeto arquitetônico-urbanístico Tem-se como pressuposto que para dominar os recursos necessários ao desenvolvimento de planos e projetos contemporâneos, inovadores, eficientes e sustentáveis o estudante deva ter contato com diversas linguagens e tecnologias, ampliando assim as potencialidades de expressão e comunicação de seus trabalhos. Nesta perspectiva a grade curricular do curso busca congregar conteúdos pertinentes à discussão e análise critica do ambiente construído; à preservação da paisagem; ao conhecimento da teoria e da história da arquitetura e urbanismo e da técnica, consecutivamente ao domínio dos conhecimentos técnicos. O curso tem compromisso social que reflete-se na constante 5

9 busca por novos conhecimentos, estendendo-se para além das salas de aula, alinhando-se às finalidades acadêmicas mais amplas da Universidade, nos trabalhos de pesquisa e extensão, que indiscutívelmente corroboram a formação técnica e humanística dos estudantes. Desse modo, o curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp tem como missão formar profissionais arquitetos e urbanistas atentos às transformações do mundo contemporâneo em seus aspectos sociais, culturais, tecnológicos, ambientais e históricos; capazes de compreender e traduzir as necessidades de indivíduos e grupos sociais com relação à organização, à concepção e à construção do espaço habitado. Em sua conduta profissional, estes futuros profissionais deverão ter como principais fundamentos: a qualidade de vida dos habitantes, a qualidade material do ambiente construído, o uso adequado de tecnologias de pouco impacto ao meio ambiente, o desenvolvimento sustentável dos territórios urbanos, a valorização e a preservação do patrimônio histórico. 6

10 III DADOS GERAIS - Denominação Curso de Arquitetura e Urbanismo - Instituição Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - Unidade responsável Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo - FEC - Unidades participantes - Localização Instituto de Filosofia e Ciências Humanas IFCH Instituto de Artes - IA Rua Saturnino de Brito, 224 Cidade Universitária Zeferino Vaz Campinas / S.P. CEP Diretor da Unidade Prof. Dr. Paulo Sergio Franco Barbosa - Diretora Associada Profª Drª Marina Sangoi de Oliveira Ilha - Coordenadora do curso Profª Drª Ana Maria Reis de Góes Monteiro - Coordenador associado Prof. Dr. Evandro Ziggiatti Monteiro - Atos legais - Início de funcionamento Formatura da 1ª turma Número de vagas 30 vagas anuais - Regime de matrícula Semestral - Período Noturno - Regime de matrícula Semestral - Regime Créditos - Integralização - Número de créditos Total de horas Criação do curso - Deliberação CONSU-A-15/1997, publicado no D.O.E. em 29/07/1997 Reconhecimento - Portaria CEE/GP Nº 443, de 14/11/2002 Renovação reconhecimento - Portaria CEE/GP Nº 236, de 12/06/ semestres mínimo 18 semestres - máximo 4620 horas horas de atividades presenciais e 30 horas de atividades à distância 7

11 IV O CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNICAMP Criado em 1997 através da Deliberação CONSU- A-15/1997, publicada no Diário Oficial do Estado em 29/07/1997, o curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, teve o início das suas atividades em Em 2002 o curso AU/UNICAMP obteve seu reconhecimento, através da Portaria CEE/GP Nº 443, de 14/11/2002 e, em 2007, obteve a renovação do reconhecimento, através da Portaria CEE/GP Nº 236, de 12/06/2007. O curso AU/UNICAMP, desde a sua criação, tem procurado atender à legislação vigente no país, no Estado de São Paulo e às recomendações dos especialistas da área de Arquitetura e Urbanismo no tocante a garantir a qualidade do ensino ministrado. O período de oferecimento do curso AU/UNICAMP é noturno, com aulas entre as 19 horas e 23 horas. Anualmente são oferecidas 30 vagas e o regime de ingresso é via o Vestibular Nacional da Unicamp. O regime da matrícula é semestral. O prazo mínimo para integralização do curso é de 12 semestres e, o máximo é de 18 semestres. Para integralização do curso o aluno deverá cursar 306 créditos, em um total de 4620 horas, das quais 4590 horas são de atividades presenciais e 30 horas de atividades à distância. Desde o início, o curso AU/UNICAMP tem se configurado como um dos mais concorridos do Vestibular Nacional da Unicamp, como evidenciado na Tabela 1. Na ocasião do primeiro vestibular ele foi o segundo curso mais concorrido da Universidade, evidenciando a existência de uma grande demanda 49 candidatos para cada vaga na 1ª fase do vestibular e o acerto da sua criação. No ano seguinte, apesar da alta relação entre candidato/vaga (35,1 candidatos por vaga), houve uma queda na mesma. Na realidade, se considerarmos os anos de 2000 a 2006 pode-se dizer que houve uma estabilização do número de candidatos ao curso. Nesse período, o curso AU/UNICAMP ficou entre o terceiro e o quinto curso mais concorrido da Universidade. A partir de 2007 pode-se verificar o aumento da relação entre candidatos/vaga, chegando ao expressivo número de 71,5 candidatos por vaga no vestibular de Atrás somente do curso de Medicina, o curso AU/UNICAMP é desde 2007 o segundo mais concorrido no vestibular da Universidade. Vale ressaltar que, no período avaliado 1999 a , a média da relação entre candidatos/vaga de toda a Unicamp manteve-se praticamente estável. A alta demanda também está expressa na nota mínima para aprovação na 1ª fase, visto que os candidatos aprovados para a 2ª fase do vestibular acertaram, no mínimo, 50% das questões. 8

12 2º curso mais concorrido 4º curso mais concorrido 4º curso mais concorrido 4º curso mais concorrido 3º curso mais concorrido 5º curso mais concorrido 4º curso mais concorrido 3º curso mais concorrido 2º curso mais concorrido 2º curso mais concorrido 2º curso mais concorrido 2º curso mais concorrido 2º curso mais concorrido Tabela 1 Dados sobre o vestibular do curso de Arquitetura e Urbanismo Ano Inscritos no vestibular da Unicamp Inscritos no curso AU Relação candidato vaga na Unicamp 16,4 17,4 17,8 17,9 16,0 16,8 17,9 16,3 16,6 16,3 14,4 16,1 16,6 (média) - 1ª fase Relação candidato vaga no curso de 49,0 35,1 34,3 32,0 32,9 36,0 37,9 37, ,5 47,7 60,3 71,5 AU 1ª fase Nota* mínima de aprovação 50,00 50,00 54,79 50,63 64,86 69,75 61,41 60,19 60,15 48,0 58,76 48,50 60,0 no curso AU 1ª fase Relação aos demais cursos da Unicamp Fonte: - acesso 14/02/2012 * As notas mínimas de aprovação estão na escala de 0 a 100 nos anos de 1999, 2000, 2001, Na escala de 0 a 120 nos anos de 2002, 2004, 2005, 2006, Na escala de 0 a 96 nos anos de 2008 a 2011.êmic Durante os 13 anos de existência do curso AU/UNICAMP 182 alunos formaram-se como arquitetos e urbanistas, sendo: 12 na 1ª turma, em 2004; 22 na 2ª turma em 2005; 19 na 3ª turma em 2006; 22 na 4ª turma em 2007; 34 na 5ª turma em 2008; 19 na 6ª turma em 2009; 37 na 7ª turma em 2010 e 9

13 17 na 8ª turma em Nesse mesmo período ( ), foram admitidos, via vestibular, um total de 396 alunos. Desses, 55 desistiram do curso por divesas razões: trancaram matrícula, abandonaram, foram transferidos para outro curso. Dessa forma, pode-se dizer que do total de ingressantes, 45,95% formou-se, 39,64% ainda estão ativos e, 13,88% desistiram do curso. A Tabela 2 demonstra tais dados. Tabela 2 Demonstrativo de alunos matriculados e formados Período Matriculados Egressos Ingressantes Demais séries Noturno Noturno Evasão Total Fonte: Diretoria Acadêmica da Unicamp O curso AU/UNICAMP, cujo período de oferecimento é noturno, foi desenvolvido a partir de uma estrutura curricular de seis anos, articulada vertical e horizontalmente. As disciplinas de teoria e projeto, presentes em todos os semestres do curso, são o ambiente de investigação e aplicação desta síntese do conhecimento, através de um processo gradual e integrado de aquisição de conhecimento e de complexidade do projeto arquitetônico e urbanístico. Para formar o profissional de ampla capacidade técnica e teórica que se pretende o projeto pedagógico do curso AU/UNICAMP investe no desenvolvimento de habilidades e domínios em distintos campos do conhecimento acadêmico. Essa formação inter e multidisciplinar é possibilitada, dentre outras maneiras, por meio da interação entre as faculdades e institutos da Unicamp que atuam no curso AU/UNICAMP : a Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC), o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), o Instituto de Artes (IA). A formação promovida pelos docentes destes institutos é complementada por professores vinculados ao Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC). A Tabela 3 apresenta as disciplinas obrigatórias sob a responsabilidade dos respectivos institutos e faculdade. Nela pode-se observar que a Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo 10

14 FEC por meio dos seus departamentos Departamento de Arquitetura e Construção (DAC), Departamento de Estruturas (DES), Departamento de Geotecnia e Transportes (DGT), Departamento de Recursos Hídricos (DRH), Departamento de Saneamento e Ambiente (DAS) é responsável: pelas disciplinas que envolvem a transmissão de conhecimento ligado à criação e desenvolvimento do projeto de arquitetura em todas as suas escalas, do planejamento urbano, do planejamento da paisagem e do projeto do pré-construído; pelas disciplinas voltadas às linguagens de expressão e comunicação, ao desenho, técnicas computacionais de modelagem, animação, protótipos e representação gráfica; pelas disciplinas ligadas à tecnologia da construção, aos materiais, aos sistemas construtivos e estruturais; pelas disciplinas voltadas ao gerenciamento do projeto e a qualidade das obras. Do total de 72 disciplinas obrigatórias, a FEC é responsável por 51, o que representa 70,83% do total de disciplinas. O Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) através do seu Departamento de História, é responsável pelas disciplinas que envolvem a transmissão de conhecimento ligado à história da arquitetura e do urbanismo e aos estudos socioeconômico. Do conjunto de disciplinas obrigatórias, o IFCH é responsável por 8 disciplinas, o que representa 11,11% do total. O Instituto de Artes IA, através do seu Departamento de Artes Plásticas é responsável pelas disciplinas que envolvem a transmissão de conhecimento ligado aos projetos e planos paisagísticos, projeto de programação visual, plástica e desenho artístico. Do conjunto de disciplinas obrigatórias, o IA é responsável por 11, o que representa 15,27% do total. O Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC) é responsável pelas disciplinas que envolvem a transmissão de conhecimento ligado à matemática e à estatística. Isso significa 2 disciplinas, o que representa 2,27% do total. 11

15 Tabela 3 Distribuição das disciplinas obrigatórias do curso AU/UNICAMP Faculdade/Institutos Disciplinas Obrigatórias Departamentos responsáveis AU013 - Metodologia de Projeto III: Humanização AU014 - Metodologia de Projeto IV: Arquitetura de Interesse Social AU015 - Metodologia de Projeto V: Desempenho Térmico AU021 - Metodologia de Projeto VI: Ilum. Natural/Artif. Arq. AU017 - Metodologia de Projeto VII: Acústica na Arquitetura AU018 - Metodologia do Projeto VIII: Complexidade AU019 - Metodologia de Projeto IX: Verticalidade AU022 - Teoria de Projeto X: Integração Colaboração AU023 - Metodologia de Projeto XI: Sistemas Arquitetônicos AU133 - Projeto III: Fatores de Projeto de Arquitetura AU134 - Projeto IV: Arquitetura de Interesse Social AU135 - Projeto V: Arquitetura Bioclimática AU136 - Projeto VI: Iluminação Natural e Artif. na Arquitetura AU137 - Projeto VII: Acústica na Arquitetura AU138 - Projeto VIII: Complexidade AU139 - Projeto IX: Verticalidade AU140 - Projeto X: Projeto Integrado e Colaborativo AU700 - Eficiência Energética no Projeto e na Construção Departamento de Arquitetura e Construção AU701 - Arquitetura Sustentável: Projeto e Construção DAC AU001 - Projeto de Graduação I AU020 - Projeto de Graduação II AU110 - Fundamentos da Teoria da Arquitetura AU212 - Desenho II: Desenho Técnico AU221 - Geometria Aplicada à Arquitetura Faculdade de Engenharia Civil, AU301 - Informática Aplicada I: Introdução à Comunicação Arquitetura e Urbanismo AU302 - Informática Aplicada II: Introdução ao CAD FEC AU303 - Informática Aplicada III: CAD no Processo Criativo AU501 - Física Aplicada à Arquitetura AU601 - Fundamentos do Urbanismo AU612 - Planejamento Urbano II: Planos Urbanos AU613 - Planejamento Urbano III: Desenho Urbano AU914 - Práticas do Projeto Urbano: Desenvolvimento Urbano AU811 Tec. Ambiente Construído I: Materiais de Construção AU814 - Técnicas Retrospectivas AU815 - Tecnologia do Ambiente Construído VI: Gerenciamento AU816 - Sistemas Prediais, Hidráulicos e Sanitários AU225 - Estágio Supervisionado I AU401 - Estruturas I: Introdução Instituto de Filosofia e Ciências Humanas IFCH Instituto de Artes IA Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC) AU402 - Estruturas II: Resistência AU403 - Estruturas III: Estática AU405 - Estruturas V: Concreto AU406 - Estruturas VI: Metálicas e Madeira AU416 - Estruturas VII: Sistemas Estruturais AU404 - Estruturas IV: Fundações AU223 - Topografia e Informações Geográficas para Arquitetura AU502 - Hidráulica AU812 Tec. Ambiente Construído II: Técnicas Construtivas AU504 - Hidrologia Urbana AU817 - Sistemas Elétricos AU713 - Planejamento da Paisagem: Macro Paisagem AU614 - Planejamento Urbano IV: Planejamento Ambiental HH788 - Introdução ao Estudo da Cidade HH789 - Estudos Socioeconômicos Arquitetura e Urbanismo I HH796 - Estudos Socioeconômicos Arquitetura e Urbanismo II HH803 - Estudos Socioeconômicos IV HH804 - História da Arq. e Urbanismo do Clássico ao Barroco HH805 - História da Arquitetura e Urbanismo Moderno HH806 - História da Arquitetura e Urbanismo Contemporâneo HH810 - Metodologia Técnicas Pesquisa Arquitetura e Urbanismo AP111 - Teoria e Projeto I: Introdução AP112 - Teoria e Projeto II: Processo Criativo AP115 - Modelos e Maquetes AP211 - Desenho I: Desenho Artístico AP213 - Desenho III: Plástica Aplicada AP216 - Desenho Industrial I: Introdução à Programação Visual AP217 - Desenho Industrial II: Introdução ao Projeto de Produto AP314 - Informática Aplicada IV: Modelagem e Animação AP741 - Arquitetura Paisagística I: Introdução AP742 - Arquitetura Paisagística II: Projetos AP120 - Teoria e Projeto X: Interiores MS123 - Elementos de Cálculo ME180 - Estatística para Ciências da Terra Departamento de Estruturas DES Departamento de Geotecnia e Transportes - DGT Departamento de Recursos Hídricos DRH Departamento de Saneamento e Ambiente - DSA Departamento de História IFCH Departamento de Artes Plásticas IA IMECC 12

16 V PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS Os procedimentos didáticos no curso AU/UNICAMP são múltiplos e incluem: AULAS TEÓRICAS As aulas teóricas são essencialmente expositivas, apoiam-se sobre seminários, discussões em grupo, estudos programados, leituras, filmes, visitas a campo, para a transmissão dos conteúdos didáticos. São complementadas por palestras programadas pelos docentes responsáveis pelas disciplinas ou pela coordenação do curso. AULAS PRÁTICAS As aulas práticas colaboram para o desenvolvimento e fixação de conceitos, além de permitir que os estudantes aprendam como abordar objetivamente um problema, desenvolvendo soluções para problemas complexos, como é o caso do projeto, seja ele de arquitetura ou urbano. Assim, no curso AU/UNICAMP as aulas práticas podem ocorrer nos laboratórios de ensino ou nos ateliês de projeto. Em ambos os casos, necessitam de um acompanhamento contínuo e próximo do docente e os trabalhos são desenvolvidos individualmente ou em grupos de 2 a 3 alunos. No caso das disciplinas de projeto além dos exercícios de projeto, são utilizadas aula teóricas, seminários, palestras, visitas de campo, construção de modelos para a transmissão dos conteúdos didáticos. TRABALHOS SUPERVISIONADOS Trabalhos supervisionados são atividades práticas vinculadas às disciplinas de cunho teórico ou prático e que permitem aos estudantes desenvolverem, de forma sistemática, habilidades relativas à pesquisa e extensão universitária. Estes podem ser realizados nos laboratórios dos cursos que compõem o curso AU/UNICAMP: FEC, IFCH e IA, bem como na biblioteca, em campo ou ainda em qualquer unidade da Unicamp. ATIVIDADES EXTRA-CLASSE Os alunos são estimulados a participar de atividades extra-classe. Estas acontecem regularmente e podem se caracterizar por: viagens de estudo para conhecimento de obras ou conjuntos arquitetônicos de interesse; visitas a canteiro de obras; levantamento de campo. De forma geral fazem parte dos conteúdos das disciplinas, são organizadas pelos docentes por elas responsáveis e tem o apoio da coordenação de graduação. 13

17 PESQUISA No curso AU/UNICAMP o incentivo à pesquisa, como necessário prolongamento das atividades de ensino se dá de várias maneiras: - Inserção dos estudantes em laboratórios de pesquisa coordenados por professores. Nestes, os alunos participam dos projetos de investigação por eles desenvolvidos; - Participação em atividades de extensão universitária, seja por iniciativa dos docentes, como aquelas de iniciativa dos discentes; - Bolsas de Iniciação Científica A Unicamp, através das principais agências de fomento, especialmente o CNPq, oferece uma série de bolsas de Iniciação Científica. Dentre os principais estão o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas PIBIC/AF, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITT. Todos estes são programas do CNPq através dos quais a Pró-Reitoria de Pesquia da Unicamp obtém anualmente uma quota institucional de Bolsas de Iniciação Científica. Em contrapartida, a Universidade através do Serviço de Apoio ao Estudante SAE concede uma quota de bolsas de Iniciação Científica Bolsas SAE, que segue as mesmas normas do PIBIC. De forma geral, as bolsas desses programas têm período de vigência de doze meses, iniciando-se no mês de agosto de cada ano. A quota é distribuída de acordo com critérios de mérito acadêmico por um Comitê Assessor composto por docentes da Unicamp. Este mesmo Comitê Assessor acompanha o desenvolvimento dos bolsistas através de relatórios semestrais e no Congresso Anual de Iniciação Científica da Unicamp, no qual todos os bolsistas têm a obrigação de apresentar seus trabalhos. Os alunos são também estimulados a solicitar bolsas de iniciação científica que contém com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP. Existe também uma série de convênios entre os docentes do curso AU/UNICAMP e empresas e que prevêm esse tipo de bolsa. A Tabela 4 evidencia o incremento das bolsas de Inicição Científica, tanto aquelas oriundas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC, as do SAE como as da FAPESP. Se em 2000 o curso AU/UNICAMP contava com 4 bolsas de Iniciação Científica, ao final de 2011, tinha 19 bolsas. Ao final deste documento, no Relatório contendo outras atividades relevantes ao curso AU/UNICAMP, é possível visualizar-se a tabela contendo a designação das bolsas de 14

18 Iniciação Científica concedidas aos alunos AU/UNICAMP pelas agências PIBIC / CNPq, SAE e FAPESP. Nesta pode-se observar a distribuição dos alunos por uma ampla gama de orientadores, docentes de vários Institutos e/ou departamentos, o que estimula sobremaneira a interdisciplinaridade que se pretende no curso AU/UNICAMP. Tabela 4 Distribuição das Bolsas de Iniciação Científica do curso AU/UNICAMP Agência Financiadora Ano PIBIC / Total de bolsas SAE FAPESP CNPq 2000 / / / / / / / / / / / Fonte: Pro-Reitoria de Graduação da Unicamp INTEGRAÇÃO ENTRE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO Visando a integração entre graduação e pós-graduação criou-se o Programa de formação integrada entre a graduação e a pós-graduação (PIF). O programa permite a realização simultânea de disciplinas de Graduação e de Pós-Graduação com vistas à obtenção sucessiva de diplomas de Graduação e de Mestrado stricto sensu nas áreas de concentração estabelecidas e aprovadas. Para tanto, os estudantes de graduação devem atender aos seguintes requisitos: possuir coeficiente de progressão igual ou superior a 070; possuir coeficiente de rendimento igual ou superior a 0,55; apresentar uma proposta de Programa de Disciplinas, aprovada por seu futuro orientador; não ter sido reprovado em mais de duas disciplinas durante o curso de graduação. Os créditos obtidos em disciplinas da Pós-Graduação, em que o aluno do Programa PIF tiver sido aprovado, poderão ser convalidadas no momento de seu ingresso como aluno regular de Pós-Graduação. Ao concluir o seu curso de graduação, o aluno que participar do Programa PIF terá direito a um certificado oficial de participação emitido pela Diretoria Acadêmica. MONITORIAS Visando o aprimoramento do ensino de graduação através de monitoria exercida por estudantes regularmente matriculados, criou-se o Programa de Apoio Didático PAD. O exercício do apoio didático se dará por 6 meses e o monitor recebe uma bolsa. Para o aluno ser aprovado no Programa 15

19 PAD deverá preeencher os seguintes requisitos: ter cursado alguma disciplina com conteúdo relacionado ou sua equivalente; não apresentar reprovação na disciplina com conteúdo relacionado ou na sua equivalente; possuir Coeficiente de Rendimento CR acima da média do CR médio de sua turma ou a maior nota na disciplina dentre os candidatos; despender no mínimo, 12 horas semanais para o Programa PAD, sendo que a distribuição dessas horas por semana ficará a critério do projeto de cada disciplina e do professor responsável, de modo a não prejudicar o monitor no seu horário acadêmico. A monitoria só poderá ocorrer sob a orientação e responsabilidade de um docente e, o monitor poderá realizar as seguintes atividades: efetuar pesquisa em fontes diversas que possam contribuir com a disciplina; auxiliar o professor no planejamento das aulas; auxiliar o professor na elaboração e correção dos exercícios de fixação de aprendizagem; auxiliar o professor no gerenciamento de ambientes de suporte ao ensino; auxiliar o professor na organização, supervisão de aulas práticas e aulas em laboratório; auxiliar o professor e alunos na utilização e/ou desenvolvimento de softwares; fazer atendimento extra-classe. INTERCÂMBIOS UNIVERSITÁRIOS Intercâmbios Universitários são convênios firmados pela Unicamp com Instituições de Ensino Superior (IES), nacionais e estrangeiras, a fim de permitir o desenvolvimento de atividades acadêmicas, viagens de estudos, palestras e atividades de pesquisa relacionadas a diferentes áreas. Com as IES nacionais, o aluno pode cursar disciplinas na condição de estudante especial nas Instituições com as quais a Unicamp tem convênio, a saber: Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Após as disciplinas serem cursadas com aprovação, é concedido o aproveitamento de estudos, desde que dentro do limite máximo de 25% do total de créditos do curso de origem. Podem participar do intercâmbio, alunos matriculados a partir do 2º ano de curso, e após ter integralizado no mínimo 20% dos créditos. Criada em 1984, a Coordenadoria de Relações Institucionais e Internacionais - CORI é responsável, dentre outras coisas, pela administração dos intercâmbios universitários internacionais. Atualmente existem mais de 40 Programas Acadêmicos de Mobilidade Estudantil PAME/UDUAL na Unicamp, detalhados na página da CORI: 16

20 Ao final deste documento, no Relatório contendo outras atividades relevantes ao curso AU/UNICAMP, é possível visualizar-se a tabela contendo a designação das bolsas de intercâmbio concedidas aos alunos AU/UNICAMP entre os anos de 2007 e INTEGRAÇÃO COM A PESQUISA E ESTÁGIO DOCENTE A totalidade dos professores do Curso de Arquitetura e Urbanismo também está vinculada aos programas de pós-graduação em suas unidades, possibilitando contato direto dos alunos de graduação com o conteúdo das pesquisas em andamento e seus resultados, assegurando a atualidade dos conteúdos e práticas. Outra atividade importante que interliga pós-graduação com graduação é o Programa de Estágio Docente PED, instituído na UNICAMP desde 1999, coordenado pela Pró- Reitoria de Pós-Graduação, que concentra esforços para o aprimoramento da experiência docente de seus alunos da Pós-Graduação através da participação em diversas disciplinas do curso de graduação. O PED permite que os estudantes de pós-graduação, depois de aprovados numa etapa de seleção, exerçam atividades de apoio à docência (mestrandos e doutorandos), com supervisão do professor responsável. O PED tem sido bem recebido pelos alunos de graduação, pois a presença dos estagiários incentiva maior participação nas atividades práticas e possibilita melhor atendimento extraclasse. Outra forma de integração a se destacar é aquela feita através da realização de projetos de pesquisa e extensão junto com a graduação, como projetos de apoio às comunidades. Este trabalho promove um intercâmbio e uma convivência benéfica a todos, permitindo o exercício da aplicação da teoria no cotidiano e vice-versa aos dois corpos discentes. ATIVIDADES COMPLEMENTARES Atividades complementares são aquelas que atuam como componentes enriquecedores do perfil do formando e incluem: Projetos de pesquisa, monitoria, iniciação científica, seminários, simpósios, conferências, disciplinas em outras Instituições e Unidades, atividades artísticas, exposições, instalações, oficinas, estúdios, monitorias, concursos visitas técnicas, viagens de estudos e outras que vierem a ser definidas pela Comissão de Graduação. Os alunos do curso AU/UNICAMP são estimulados a: - Participar de viagens de estudo organizadas de forma sistemática sob a forma de disciplinas eletivas; 17

21 - Organizar e participar de encontros e seminários. No curso AU/UNICAMP a Semana de Arquitetura é realizada todo 2º semestre pelos estudantes e conta com expressiva participação discente, assim como congressos, como o Congresso Interno de Iniciação Científica. - Atividades culturais organizadas pela FEC, por outros institutos da Universidade, pela Unicamp, ou externas a ela, tais como: exposições, palestras, seminários, congressos, atividades organizadas por docentes orientadores das atividades de iniciação científica, com apoio direto ou não das agências externas de fomento à pesquisa. Dentre essas iniciativas pode-se ressaltar a implataçao do Programa FEC 16hs. Organizado pela coordenação do curso AU/UNICAMP, a iniciativa prevê que sejam realizadas palestras sobre temas diversos, concertos, filmes e atividades relacionadas à arquitetura e urbanismo. Os eventos acontecem uma vez por semana, a partir das 16 horas. Para tanto criou-se um site - https://sites.google.com/a/design.arq.br/16h/ onde a programação é disponibilizada a toda a comunidade da FEC. Outra iniciativa que merece destaque foi a participação da FEC no Programa Artista Residente de 2008 (http://www.gr.unicamp.br/artistaresidente/artista_residente.php). Nesse ano o cuso AU/UNICAMP recebeu ao Prof. Dr Paulo Bruna, o Artista Residente, que permaneceu por 6 meses na FEC (http://www.fec.unicamp.br/~paulobruna/artista.html) Além de palestras abertas a toda a comunidade universitária, o Prof. Dr Paulo Bruna ministrou um curso sobre a História Social da Arquitetura e do Urbanismo Modernos. Participou ainda de um workshop de projeto do qual participaram alunos de todos os anos. Esta experiência foi uma das mais bem sucedidas dentre tantas que acontecem no curso AU/UNICAMP, dado o expressivo envolvimento dos discentes e docentes; - Participar de concursos de arquitetura destinados a estudantes. Ao final deste documento, no Relatório contendo outras atividades relevantes, encontram-se os prêmios recebidos pelos alunos e docentes do curso AU/UNICAMP entre os anos de 2007 e Essas atividades são apoiadas tanto pela coordenação de graduação do curso AU/UNICAMP, como pela diretoria da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo que, no mais das vezes dão apoio financeiro à realização das mesmas. EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 18

22 A extensão na UNICAMP tem como objetivo principal facilitar o contato de professores, funcionários e alunos com as demandas da sociedade, através de cursos, eventos, projetos de ação solidária, difusão dos resultados dos projetos de pesquisa, constituição de disciplinas práticas e estágios. Nesse processo, a Universidade opera em conjunto com as comunidades buscando a superação de problemas e a realização de suas aspirações. Ao mesmo tempo, alunos, professores e funcionários promovem a disseminação do conhecimento gerado na Universidade. 19

23 VI PROCESSOS DE AVALIAÇÃO O curso AU/UNICAMP é alvo de permanentes avaliações. Realizadas em diversas escalas de abrangência, os processos de avaliação vaão daqueles presentes nas disciplinas até os que envolvem o curso como um todo. No interior das disciplinas se dá a avaliação dos alunos. Para tanto, são realizadas provas, seminários, oficinas, desnvolvimento de projetos, exercícios e apresentações dos trabalhos acadêmicos para bancas internas ou externas, como é o caso do Trabalho Final de Graduação TFG. No âmbito do curso são realizadas duas avaliações do curso por ano, uma a cada semestre. Consideram-se esses momentos como extremamente positivos já que são as ocasiões para a reflexão sobre o curso AU/UNICAMP, da qual participam estudantes, docentes e a coordenação do curso. Nessas oportunidades diferentes tópicos são discutidos: disciplinas do semestre em andamento e seus respectivos conteúdos, sobreposição, avaliação e pertinência dos mesmos, bem como o cumprimento ou não da proposta inicial da disciplina; diagnóstico de fragilidades curriculares ou de infraestrutura no curso AU/UNICAMP; proposição e ou sinalização de soluções para as mesmas. A partir dos tópicos levantados ações pertinentes a coordenação do cuso AU/UNICAMP são tomadas, as demais enviadas à diretoria da Faculdade para as devidas providências. No âmbito da Unicamp existe ainda o recém-implantado Programa de Avaliação da Graduação PAG. O programa tem como objetivo ser um instrumento comum para obter dados junto à comunidade discente e docente sobre os cursos e disciplinas de graduação da Unicamp. O processo de avaliação é online, ocorre semestralmente e envolve todas as disciplinas teóricas e práticas, com seus respectivos alunos e docentes. Além das análises sobre as disciplinas os estudantes respondem a questões relativas às condições gerais de oferecimento do curso (bibliotecas, laboratórios, salas de aula, computadores, serviços da Unicamp) e sobre seu próprio perfil (atividades extras, atuação política, vida cultural etc). Como forma de estimular a docência, o Conselho Universitário da Unicamp aprovou, em novembro de 2011, a criação do prêmio Reconhecimento Docente pela Dedicação ao Ensino de Graduação. A partir de 2012, será escolhido para receber a premiação, um docente, de cada uma das 22 unidades de ensino e pesquisa da universidade. 20

24 VII ESTRUTURA PEDAGÓGICA No tocante à proposta pedagógica, o curso AU/UNICAMP visa assegurar a formação de profissionais generalistas, capazes de compreender e traduzir as necessidades da sociedade seja ela caracterizada por um indivíduo ou um grupo, com relação à concepção, à organização e à construção do espaço entendendo-se este como a concepção de um edifício, da paisagem, ou da cidade. Procura também assegurar o entendimento da importância da conservação e valorização do patrimônio construído, bem como a proteção ao equilíbrio do ambiente natural e a utilização racional dos recursos naturais disponíveis. Visando o desenvolvimento de condutas e atitudes com responsabilidade técnica e social por parte de seus alunos, futuros arquitetos e urbanistas, o curso AU/UNICAMP norteia-se pelos princípios presentes na Resolução nº 2 de 17 de junho de 2010, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Arquitetura e Urbanismo, a saber: - a qualidade de vida dos habitantes dos assentamentos humanos e a qualidade material do ambiente construído e sua durabilidade; - o uso da tecnologia em respeito às necessidades sociais, culturais, estéticas e econômicas das comunidades; - o equilíbrio ecológico e o desenvolvimento sustentável do ambiente natural e construído; - a valorização e a preservação da arquitetura, do urbanismo e da paisagem como patrimônio e responsabilidade coletiva. Para atender aos princípios acima mencionados, o curso AU/UNICAMP procura desenvolver ações pedagógicas que garantam: - que seus alunos tenham uma formação crítica, criativa, analítica e tecnológica de forma a realizarem intervenções projetuais que satisfaçam as exigências culturais, econômicas, estéticas, técnicas e ambientais da sociedade brasileira; - a formação de profissionais com ampla visão ambiental e social; - a formação de profissionais que compreendam suas responsabilidades sociais e que saibam avaliar as repercussões sociais, ambientais e urbanas que suas interferências arquitetônicas e urbanísticas terão; 21

25 - o entendimento do projeto, seja ele do edifício, da paisagem ou urbano, como um processo, com caráter multidisciplinar, tanto no seu contexto sócio-cultural como em suas relações com o meio ambiente, integrando técnica, arte e humanidades; - a formação de profissionais que asseverem os aspectos de conforto do ambiente construído em seus projetos; - a capacitação de seus alunos nas ferramentas de informática aplicadas à arquitetura e ao urbanismo. Para tanto, além da interdisciplinaridade entre Institutos e departamentos, presente na sua estruturação original, o curso AU/UNICAMP foi desenvolvido com uma estrutura curricular que se articula horizontal e verticalmente. As disciplinas de projeto, presentes em todos os 12 semestres do curso, são o ambiente de investigação e aplicação desta síntese de conhecimento, através de um processo gradual e integrado de aquisição de conhecimento e de complexidade do projeto arquitetônico e urbanístico. O curso AU/UNICAMP pretende que o aluno, com base no conjunto de conhecimentos adquiridos nas várias disciplinas, desenvolva sua capacidade de assimilação da teoria e das ferramentas de projeto através de uma série de exercícios e estudos de problemas de projeto. Dessa forma, deverá aplicar métodos analíticos, comparar propostas alternativas e desenvolver soluções conceituais com técnicas sofisticadas. As disciplinas de teoria e projeto, presentes em todos os semestres do curso, são o ambiente de investigação e aplicação desta síntese de conhecimento, através de um processo integrado de aquisição de conhecimento e do entendimento da complexidade do projeto arquitetônico e urbanístico. Nestas disciplinas são abordados temas relevantes, envolvendo as diversas variáveis de projeto, inclusive o seu impacto sobre a sociedade e o meio ambiente. Ao mesmo tempo, como parte integrante das atividades didáticas em várias disciplinas do curso são realizadas e previstas visitas técnicas a obras, conjuntos arquitetônicos e sítios urbanos de caráter representativo. São também realizadas viagens de estudo programadas a cidades e/ ou sítios de interesse arquitetônico, paisagístico e urbanístico O elenco das disciplinas de projeto é enfatizado e respaldado pelas demais disciplinas, das quais vale ressaltar as de informática aplicada ao projeto. É sabido que os métodos de representação tridimensional digital vieram se somar às diferentes formas de expressão tradicionalmente utilizadas no processo de projeto, como o desenho, os modelos físicos e a própria representação 22

26 tridimensional do edifício. Estas novas formas de expressão são os atuais instrumentos de ligação entre a concepção formulada pelos arquitetos e urbanistas e a materialização do edifício. Os modelos tridimensionais digitais introduziram outro modo de realizar esta tradução, em que a realidade virtual e os recursos de foto-realismo permitiram a melhor interação e percepção dos espaços a serem construídos. O curso AU/UNICAMP apoia-se também no uso de modelos tridimensionais físicos como um importante instrumento de aprendizagem. Para tanto, faz uso de maquetes produzidas manualmente e também aquelas produzidas através de modernos equipamentos de prototipagem. Vale ressaltar que os conteúdos curriculares são desenvolvidos por meio de aulas teóricas, de laboratório, atividades experimentais e extracurriculares. Os conteúdos didáticos de caráter mais analítico e/ou teórico são estruturados sob a forma de aulas expositivas, exercícios de fixação da aprendizagem, seminários e leituras dirigidas. Tais atividades visam fornecer ao estudante um arcabouço teórico/reflexivo que proporcione a base teórica necessária e desejada para subsidiar suas futuras intervenções projetuais. As aulas de laboratório, além das práticas laboratoriais, de simulação e de experimentação esperadas, trabalham com a relação teoria-prática. Nos espaços didáticos destinados ao ensino do projeto de arquitetura e do urbanismo são desenvolvidas reflexões sobre o ambiente construído, com experimentações e proposições. As propostas são desenvolvidas e representadas por meio: do desenho livre, do desenho técnico, do desenho assistido por computador, do texto, de fotografia, de gráficos. Nas aulas de projeto dá-se especial atenção ao uso de modelos e maquetes, instrumentos comprovadamente eficazes na percepção do espaço por parte dos alunos. As atividades práticas e experimentais são desenvolvidas individualmente ou por grupos de 2 a 3 alunos. Para garantir que tal se dê de maneira satisfatória e garantir a qualidade do curso AU/UNICAMP, mantém-se a seguinte relação entre docentes e discentes: 1:30 nas aulas teóricas; 1:15 nas aulas de projeto e, 1:3 no Trabalho Final de Graduação TFG. Considera-se também que o contato do aluno de um curso noturno com as atividades diurnas da Universidade é também muito importante para enriquecer sua formação e criar a integração acadêmica desejável na Instituição. Este contato é estimulado através da participação do aluno em projetos e pesquisas em desenvolvimento dentro universidade, particularmente na Faculdade e Institutos que compõem o curso AU/UNICAMP: FEC, IFCH e IA, onde o aluno tem a oportunidade de envolver-se em pesquisas de temáticas diversificadas, porém pertinentes à área de conhecimento da arquitetura e urbanismo. O contato do aluno de um curso noturno com as atividades diurnas da 23

27 cidade na qual se insere são também de vital importância. Para estimular esse contato várias atividades são realizadas, das quais vale a pena ressaltar as visitas à cidade de Campinas e ofato que as disciplinas de projeto requerem que o aluno faça visitas periódicas às áreas de estudo selecionadas. Assim, o curso AU/UNICAMP busca atingir um padrão de excelência que permita a contínua melhoria do seu ensino, a formação de arquitetos e urbanistas sensíveis, atentos e capazes de responder às demandas sociais brasileiras. 24

28 VII.1 Grade Curricular Catálogo º ANO 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE DISCIPLINA CRD DISCIPLINA CDR AU110 - Fundamentos da Teoria da Arquitetura 2 AU212 - Desenho II: Desenho Técnico 4 AU221 - Geometria Aplicada à Arquitetura 4 AU223 - Topografia e Informações Geográficas para Arquitetura 4 AU301 - Informática Aplicada I: Introdução à Comunicação 2 AU401 - Estruturas I: Introdução 4 AP111 - Teoria e Projeto I: Introdução 6 AU501 - Física Aplicada à Arquitetura 2 AP211 - Desenho I: Desenho Artístico 4 AP112 - Teoria e Projeto II: Processo Criativo 6 HH788 - Introdução ao Estudo da Cidade 2 HH804 - História da Arq. e Urbanismo do Clássico ao Barroco 4 MS123 - Elementos de Cálculo 4 TOTAL DE CRÉDITOS 24 TOTAL DE CRÉDITOS 24 2º ANO 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE DISCIPLINA CDR DISCIPLINA CDR AU013 - Metodologia de Projeto III: Humanização 2 AU014 - Metodologia de Projeto IV: Arquitetura de Interesse Social 2 AU133 - Projeto III: Fatores de Projeto de Arquitetura 6 AU134 - Projeto IV: Arquitetura de Interesse Social 6 AU302 - Informática Aplicada II: Introdução ao CAD 4 AU403 - Estruturas III: Estática AU403 Estruturas III: Estática 2 AU402 - Estruturas II: Resistência 2 AU601 - Fundamentos do Urbanismo 4 AP115 - Modelos e Maquetes 4 AP213 - Desenho III: Plástica Aplicada 4 HH789 - Estudos Socioeconômicos para Arq. e Urbanismo I 4 AP314 - Informática Aplicada IV: Modelagem e Animação 4 ME180 - Estatística para Ciências da Terra 4 HH805 - História da Arquitetura e Urbanismo Moderno 4 TOTAL DE CRÉDITOS 26 TOTAL DE CRÉDITOS 26 3º ANO 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE DISCIPLINA CDR DISCIPLINA CDR AU015 - Metodologia de Projeto V: Desempenho Térmico 2 AU021 Metodologia de Proj. VI: Iluminação Natural e Artificial na Arquitetura 2 AU135 - Projeto V: Arquitetura Bioclimática 6 AU136 - Projeto VI: Iluminação Natural e Artif. na Arquitetura 6 AU303 - Informática Aplicada III: CAD no Processo Criativo 2 AU405 - Estruturas V: Concreto 4 AU404 - Estruturas IV: Fundações 4 AU613 - Planejamento Urbano III: Desenho Urbano 6 AU416 - Estruturas VII: Sistemas Estruturais 4 AP741 - Arquitetura Paisagística I: Introdução 4 AU612 - Planejamento Urbano II: Planos Urbanos 6 HH806 - História da Arquitetura e Urbanismo Contemporâneo 4 AU811 Tec. Ambiente Construído I: Materiais de Construção 4 Eletiva 2 TOTAL DE CRÉDITOS 28 TOTAL DE CRÉDITOS 28 4º ANO 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE DISCIPLINA CDR DISCIPLINA CDR AU017 - Metodologia de Projeto VII: Acústica na Arquitetura 2 AU018 - Metodologia do Projeto VIII: Complexidade 2 AU137 - Projeto VII: Acústica na Arquitetura 6 AU138 - Projeto VIII: Complexidade 6 AU406 - Estruturas VI: Metálicas e Madeira 4 AU504 - Hidrologia Urbana 2 AU502 - Hidráulica 2 AU713 - Planejamento da Paisagem: Macro Paisagem 4 AU700 - Eficiência Energética no Projeto e na Construção 2 AU812 Tec. Ambiente Construído II: Técnicas Construtivas 4 AP742 - Arquitetura Paisagística II: Projetos 4 AU816 - Sistemas Prediais, Hidráulicos e Sanitários 4 HH796 - Estudos Socioeconômicos para Arq. e Urbanismo II 4 AU817 - Sistemas Elétricos 2 HH803 - Estudos Socioeconômicos IV 2 AP216 - Desenho Industrial I: Introdução à Programação Visual 4 TOTAL DE CRÉDITOS 26 TOTAL DE CRÉDITOS 28 5º ANO 9º SEMESTRE 10º SEMESTRE DISCIPLINA CDR DISCIPLINA CDR AU019 - Metodologia de Projeto IX: Verticalidade 2 AU022 - Teoria de Projeto X: Integração Colaboração 2 AU139 - Projeto IX: Verticalidade 6 AU140 - Projeto X: Projeto Integrado e Colaborativo 6 AU225 - Estágio Supervisionado I 4 AU701 - Arquitetura Sustentável: Projeto e Construção 6 AU614 - Planejamento Urbano IV: Planejamento Ambiental 4 AU914 - Práticas do Projeto Urbano: Desenvolvimento Urbano 4 AU814 - Técnicas Retrospectivas 4 AP120 - Teoria e Projeto X: Interiores 6 AU815 - Tecnologia Ambiente Construído VI: Gerenciamento 6 HH810 - Metodologia Técnicas Pesquisa Arquitetura Urbanismo 6 AP217 - Desenho Industrial II: Introd. ao Projeto de Produto 4 TOTAL DE CRÉDITOS 30 TOTAL DE CRÉDITOS 30 6º ANO 11º SEMESTRE 12º SEMESTRE DISCIPLINA CDR DISCIPLINA CDR AU001 - Projeto de Graduação I 10 AU020 - Projeto de Graduação II 14 AU023 - Metodologia de Projeto XI: Sistemas Arquitetônicos 6 Eletiva 6 TOTAL DE CRÉDITOS 22 TOTAL DE CRÉDITOS 14 TOTAL DE HORAS DO CURSO (4590 hs de atividades presenciais supervisionadas + 30 hs de atividades à distância) 4620 TOTAL DE CRÉDITOS DO CURSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 078, DE 05 DE OUTUBRO DE 2007. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a.

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a. SIC nº 20/2010* Belo Horizonte, 22 de junho de 2010. 1. ARQUITETURA E URBANISMO. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS. ALTERAÇÃO. RESOLIUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 I - NÚCLEO DE CONHECIMENTOS DE FUNDAMENTAÇÃO Estética,

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea

O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea PROF. ALBERTO LUIZ FRANCATO COORDENADOR DO CURSO DE ENG. CIVIL MARÇO/2012 Cenário nacional para a Engenharia Civil: O crescimento da indústria da construção

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia, servindo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT, coordenado

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq CAPÍTULO I DA SEDE E FORO Artigo 1º - O CENTRO DE ENSINO E PESQUISA CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO com sede e foro na cidade de São Paulo, à Avenida João Dias, 2046

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 096/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP I.) Histórico da criação do curso A proposta de criação de uma nova

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus.

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP) AUXÍLIO À PESQUISA: Reserva Técnica Institucional Faculdade de Engenharia Unesp Campus de Bauru Relatório Científico Processo 2013/24395-4

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares Centro de Ciências da Educação, Artes e Humanidades CCEAH-UNISANTOS Atividades Complementares ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA PETRÓLEO ENGENHARIA PORTUÁRIA ENGENHARIA

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Designamos atividades complementares o conjunto de eventos oferecidos aos alunos de

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares do Curso de graduação em Educação Artística,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS - NUCSA DEPARTAMENTO ACADEMICO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1 A Fundação Universidade

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais Apresentação Querido (a) aluno (a) Seja bem vindo (a) à Faculdade de Engenharia da Universidade do Estado

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais