4 - Seu Curso Informações Específicas sobre o Curso Regime de funcionamento do curso Natureza das disciplinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas"

Transcrição

1 4 - Seu Curso Informações Específicas sobre o Curso O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia, servindo de orientação para o aluno de graduação no transcurso de sua vida acadêmica Regime de funcionamento do curso Será mantido o mesmo regime de curso, ou seja, misto, com algumas disciplinas obrigatórias e optativas semestrais e disciplinas obrigatórias e complementares obrigatórias anuais e semestrais, com funcionamento em tempo integral Natureza das disciplinas As disciplinas do Curso de Arquitetura e Urbanismo podem ser agrupadas em 3 categorias: Obrigatórias: Compõem o Fluxo do Curso referente ao Currículo Mínimo exigido pela Portaria do MEC. Complementares obrigatórias: Constituem-se das disciplinas Cálculo e Analítica para a Arquitetura, Seminário de Leituras Integradas e Prática Profissional. Optativas: Compõem uma lista selecionada de disciplinas, dentre as quais o aluno deverá cursar tantas quantas forem necessárias para atingir um total predeterminado de horas/ aula. Essas disciplinas têm o objetivo de permitir ao aluno a possibilidade da construção de sua formação acadêmica/profissional, a partir de seus próprios interesses, habilidades e conveniências pessoais, ampliando e enriquecendo as possibilidades de sua educação Caracterização do Egresso O Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1996 e visa formar bacharéis aptos a desenvolverem atividades de projetos de arquitetura e de urbanismo. Assim sendo, oferece ao aluno conhecimento na área de metodologia e desenvolvimento de projetos de Arquitetura, de Urbanismo e de paisagismo; Estética e História das Artes, da Arquitetura e do Urbanismo; linguagem gráfica do desenho e da apresentação de projetos, tecnologia da construção (sistemas estruturais e conforto ambiental), desenho e planejamento urbano e estudos sociais e ambientais, afim de que o formato possa exercer sua profissão tendo amplo conhecimento das questões que interferem na atividade projetual do ambiente construído ou urbano, considerada a principal atividade do arquiteto e urbanista. Nesse sentido, busca a formação de um profissional identificado com as questões da localidade na qual participa, estando atento às transformações do homem e seu meio-ambiente natural e cultural, para ser capaz de propor soluções que atendam às reais necessidades da sociedade no seu processo de desenvolvimento. O curso é então norteado para promover a formação de profissionais para atuarem de maneira consoante com os aspectos citados acima, com destaque para a atualização dos conhecimentos técnico-científicos, artísticos e culturais. A ideia central é garantir uma formação que compreenda a arquitetura enquanto manifestação cultural e não apenas construção, desenvolvendo as capacidades para analisar, conceituar, projetar e executar espaços destinados a todos os níveis de interação do homem com o meio ambiente. O Curso de Arquitetura e Urbanismo apresenta um regime anual de estudo. 39

2 Estrutura Curricular a) Currículo mínimo O currículo mínimo é regulamentado pela Portaria do MEC n 1770, de 21/12/1994, que fixa as diretrizes curriculares e o conteúdo mínimo do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo do País. O currículo do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia compõe-se de quatro grandes áreas de concentração de estudos a saber: Projeto - que abrange as sub-áreas de projeto de arquitetura, projeto de urbanismo e projeto paisagístico. Expressão e Representação Gráfica - que engloba as disciplinas de Desenho e Expressão Plástica. Tecnologia - que engloba as sub-áreas de estrutura, construção e conforto ambiental. Teoria e História - que engloba os conteúdos do campo da Estética, Teoria e História da Arte, da Arquitetura e do Urbanismo. b) Currículo pleno De acordo com a Portaria n 1770 do MEC, de 21/12/1994, o curso deverá ser integralizado no prazo mínimo de 5 (cinco) e máximo de 9 (nove) anos, sendo que o aluno deverá cursar no mínimo horas/aula, assim distribuídas: Obrigatórias: horas/aula Complementares obrigatórias: 180 horas/aula Optativas: 150 horas/aula c) Distribuição da carga horária As cargas horárias das disciplinas obrigatórias e complementares obrigatórias são assim distribuídas, segundo a área de concentração: Área de Concentração % Carga Horária Projeto 37,90 Expressão e Representação Gráfica 10,48 Tecnologia 27,42 Teoria e História 24,20 As cargas horárias das disciplinas obrigatórias e complementares obrigatórias são assim distribuídas, quanto à origem da oferta: Faculdade Obrigatórias (%) Arquitetura e Urbanismo 50,59 Matemática 24,42 Engenharia Civil 17,74 Artes, Filosofia e Ciências Sociais 4,03 Ciência da Computação 1,61 Instituto Obrigatórias (%) Geografia 1,61 40

3 4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso Tendo sido alterada a matrícula, ou ocorrendo qualquer fato que torne necessário incluir o nome em formulário de frequência, o aluno deve procurar a autorização apropriada na Coordenação do Curso Normas para segunda época Os alunos do Curso de Arquitetura e Urbanismo, quando reprovados, terão direito a provas de 2 ª época, em até 03 (três) disciplinas: a) Para as provas de 2 ª época, serão admitidos os alunos que, cumprindo o mínimo legal de frequência às aulas, obtiverem, em 1 ª época, nota igual ou superior a 40,0 (quarenta pontos) em cada disciplina em que estiverem matriculados; b) O aluno que for reprovado em mais de 03 (três) disciplinas deverá optar por 03 (três) disciplinas dentre aquelas em que foi reprovado, e sobre as quais prestará provas de 2 ª época, obedecidas as normas do item a ; c) As provas de 2 ª época serão realizadas antes da data fixada para matrícula, devendo haver um interstício de pelo menos 30 (trinta) dias entre o término do período letivo e a realização das provas, cabendo à Coordenação do Curso determinar-lhes as datas; d) As provas de 2 ª época versarão sobre conteúdo ministrado em cada disciplina, durante o ano, considerando-se aprovado o aluno que obtiver a nota mínima exigida para aprovação em 1 ª época; e) O aluno que se julgar prejudicado na prova de 2 ª época terá direito a pedir revisão da mesma. As normas para esta solicitação serão as que regem as avaliações do ano letivo; f) Não haverá 2 ª época nas disciplinas que contiverem carga horária prática, sendo a 2 ª época aplicada somente às disciplinas de carga horária teórica. Obs.: Os casos omissos serão resolvidos pelo Colegiado de Curso Integralização curricular Para integralização curricular, o aluno deverá observar os pré-requisitos expressos no na matriz curricular do Curso Atelier de Projeto Integrado Os Ateliers de Projeto Integrado (APIs) são de regime semestral, em número de 8 (oito), sendo que seis deles se dividem em dois grupos de sequência livre: 1 ª fase com 2 (dois) APIs, e 2 ª fase com 4 (quatro) APIs. Os APIs se iniciam após o aluno ter cursado e sido aprovado no API 1 - Introdução à Prática Projetual e finalizam após o aluno ter realizado o API 8 Introdução ao Trabalho Final que será um trabalho programado e desenvolvido com o orientador do Trabalho Final de Graduação. O aluno só poderá matricular-se no API 8 Introdução ao Trabalho Final após ter cursado todos os APIs obrigatórios e todas as disciplinas obrigatórias anuais. É permitido ao aluno cursar até dois Ateliers de Projeto Integrado por semestre e este deverá escolhê-los entre os 12 (doze) Ateliers/temas possíveis de serem oferecidos pelo Curso, podendo o aluno cursar mais de uma vez um Atelier de mesmo nome, desde que o programa da disciplina seja diferente do já cursado. Isto se justifica em razão de que o aluno poderá orientar sua formação de acordo com sua área de interesse. A 1 ª fase é pré-requisito para a 2 ª fase, na qual o aluno deverá cursar obrigatoriamente 1 (um) Atelier de Projeto Integrado Urbanismo. A sequência de Ateliers de Projetos Integrados deve garantir que cada aluno realize pelo menos 2 (dois) Ateliers de Projeto de Arquitetura e 1 (um) de Urbanismo. 41

4 Trabalho Final de Graduação O Trabalho Final de Graduação - TFG será oferecido em regime semestral no segundo semestre do quinto ano e poderá inscrever-se o aluno que concluiu todas as disciplinas obrigatórias (contando os 8 APIs), em um total de horas/aula, as disciplinas complementares obrigatórias, em um total de 180 horas/aula, e as disciplinas complementares optativas, em um total de 150 horas/aula. De acordo com o disposto na Portaria n 1.770, do MEC, de 21/12/1994, cada aluno deverá ter um professor orientador que se responsabilizará pelo acompanhamento de todo o trabalho. Os temas serão livres, desde que seu resultado final reflita claramente a capacidade do aluno para o exercício profissional. O TFG não deverá ser restrito ao Projeto e será avaliado por uma banca examinadora, com participação de um membro externo à Universidade Federal de Uberlândia Matriz Curricular Relação das disciplinas Obrigatórias e complementares obrigatórias Ano Disciplina CHC Requisitos 1 º Teoria e História da Arquitetura e das Artes Desenho Geométrico e Geometria Descritiva Plástica Cálculo e Analítica para Arquitetura Informática Aplicada à Arquitetura Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente Desenho Arquitetônico e Perspectiva API Introdução à Prática Prjetual º História da Arquitetura Brasileira Teoria e História da Arquitetura e das Artes Semiótica Aplicada à Arquitetura Sociologia da Cultura Urbana Construções Plásticas 90 Plástica Introdução a Sistemas Estruturais 120 Cálc. Anal. Arquit. Topografia º Estética Teoria e Crítica da Arquitetura Teoria do Urbanismo 1 90 Soc. Cult. Urbana Materiais e Técnicas Construtivas Sistemas Estruturais 120 Intr. Sist. Estrut. Conforto Ambiental 90 Cálc. Anal. Arquit. 4 º Teoria do Urbanismo 2 90 Soc. Cult. Urbana Planejamento Urbano e Regional Técnicas Retrospectivas Materiais e Técnicas Construtivas 2 90 Mat. Téc. Constr. 1 Instalações Prediais e Infra-estrutura Urbana 120 Conf. Ambiental Paisagismo

5 Ano Disciplina CHC Requisitos 5 º Seminários de Leituras Integradas Prática Profissional API8 - Introdução ao Trabalho Final de Graduação TFG Trabalho Final de Graduação Relação das disciplinas de Atelier de Projeto Integrado-API Ano Disciplina CHC API Estudos Sócio-econômicos Aplicados à Arquitetura e Urbanismo 120 API Artes e Arquitetura 120 API A Informática na Arquitetura e Urbanismo 120 API Teoria e História da Arquitetura (Teoria e História Aplicada no Projeto de Arquitetura e Urbanismo) 120 API História da Arquitetura e Estética do Projeto 120 API Paisagismo 120 API Arquitetura e Tecnologia Introdução a Sistemas Estruturais e Projetos 120 API Urbanismo 120 API Restauração na Arquitetura (Técnicas Retrospectivas) 120 API Conforto Ambiental 120 API Semiótica da Arquitetura 120 API Planejamento Urbano 120 API Introdução à Prática Prjetual 120 SEQUENCIAÇÃO LIVRE - 1 a FASE SEQUENCIAÇÃO LIVRE - 2 a FASE API API API API API API API API Relação das disciplinas optativas Disciplina CHC Análise, Exercício e Técnicas de Materiais Expressivos 90 Apresentação de Projetos 45 Arte Moderna 30 Arte no Brasil 30 As Artes no Século XIX 60 Atelier de Projeto Integrado 120 Cenografia 45 Ciências do Ambiente 30 Climatologia 1 60 Climatologia 2 60 Crítica de Arte 60 Desenho Arquitetônico 2 45 Elementos Paisagísticos 60 Estética 1 75 Estética 2 85 Estética 3 75 Estudos Alt. em História Contemporânea 60 Evolução das Ideias Sociais 60 Expressão Corporal 1 60 Expressão Gráfica 45 Fotografia 60 Fundamentos Tridimensionais 1 60 Fundamentos Tridimensionais 2 60 História da Arte 60 História do Mobiliário e Interiores 90 História do Objeto 45 Iluminação e Sonoplastia 45 Inglês instrumental 60 Introdução à Crítica da Arte 60 43

6 44 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

7 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

8 46 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

9 Calendário Acadêmico da Graduação para o ano letivo de 2009 Aprovado pelo Conselho de Graduação - RESOLUÇÕES N os 09 e 10/2008, de 21/11/2008. JANEIRO/09 FEVEREIRO/09 MARÇO/09 Seg Seg Seg Feriado 10 a 13 Matríc. Ingres.Proc.Selet 02 Início do Semestre 26 a 30 Matrícula Veteranos via internet Campi Uberlândia 02 a 06 Ajuste de Matrícula 11 e 12 Matrícula Ingres.Proc. Selet. 05 e 06 Matrícula de Transferência Campus Pontal 09 e10 Matrícula Alunos Convênio, Ouvinte 24 Recesso e Especial 12 Término prazo Solic. Matrícula Extemporânea 23 Térm. prazo Sol. Retif.Notas/Faltas 08/2 27 Colação de Grau Especial 30 Término prazo Solicitação Exame de Suficiência ABRIL/09 MAIO/09 JUNHO/09 Seg Seg Seg Feriado 01 Feriado 09 Trancamento Geral Semestral 14 Trancamento Parcial Semestral 11 Término prazo Solicitação de Dilação de Prazo 10 Término prazo Entrega Horários na DIRAC 21 Feriado 27 Término prazo para Solicitação de Opção de 11 Recesso 24 Colação de Grau Especial Curso, Reopção Curso, Mudança Turno e 26 Colação de Grau Especial Permanência Vínculo 28 Trancamento Parcial Anual 29 Colação de Grau Especial JULHO/09 AGOSTO/2009 SETEMBRO/09 Seg Seg Seg Colação de Grau Especial 10 Início do Semestre 07 Feriado 11 Reposição de sexta-feira 10 a 14 Ajuste de Matrícula 10 Término prazo Solicitação Exame de 11 Término do Semestre 13 e 14 Matr.Alunos Conv.,Ouvinte e Especial Suficiência 17 Prazo Limite Envio do Formulário de 15 Feriado 16 Feriado (Somente em Ituiutaba) Registro Resultados à DIRAC via internet 21 Término prazo Solic.Matríc. Extemporânea 24 Trancamento Parcial Semestral 24 a 28 Matrícula Veteranos via internet 28 Colação de Grau Especial 25 Colação de Grau Especial 30/31 Matrícula Ingres.Proc.Selet.Campus 31 Feriado (Somente em Uberlândia) Uberlândia OUTUBRO/09 NOVEMBRO/09 DEZEMBRO/09 Seg Seg Seg Aula de ado e Reposição de 2a.feira 02 Feriado 05 Aula de sábado e Reposição de 05 a 09 - Semana Acadêmica 04 Término prazo para Solicitação de Opção 2a.feira 12 - feriado de Curso, Reopção Curso, Mudança de 18 Colação de Grau Especial 13 - Término prazo Solic.Ret.Notas/Faltas/09-1 Turno e Permanência Vínculo 19 Término do Semestre 16 - Trancamento Geral Anual 07 Aula de ado e Reposição de 2a.Feira 25 Feriado 19 - Término prazo Solic. Dilação Prazo 19 Término prazo Entrega Horários na DIRAC 30 Prazo Limite para Envio do 28 Recesso 20 Recesso Formulário de Registro de 30 Colação de Grau Especial 23 Trancamento Geral Semestral Resultados à DIRAC via internet 27 Colação de Grau Especial 1 o Semestre dias letivos - Segunda 19; ça 18; rta 19; nta 18; ta 18; ado 18 2 o Semestre 110 dias letivos - Segunda 18; ça 19; rta 18; nta 19; ta 18; ado 18 47

4.2 Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 Instruções Específicas de Matrícula no Curso 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1975 e, desde então, visa formar profissionais qualificados

Leia mais

A partir do sétimo período, são oferecidos Tópicos Especiais nas áreas de marketing, finanças, operações, organizações e recursos humanos.

A partir do sétimo período, são oferecidos Tópicos Especiais nas áreas de marketing, finanças, operações, organizações e recursos humanos. 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O Curso de Administração participa, desde 1996, do Exame Nacional de Cursos (PROVÃO), promovido pelo INEP/MEC. Obtivemos o conceito A por sete

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Bacharelado em Relações Internacionais, oferecido pelo IEUFU, tem como objetivo a formação de profissionais capazes

Leia mais

O Curso de Direito da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1963 e é um dos cursos mais tradicionais da UFU.

O Curso de Direito da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1963 e é um dos cursos mais tradicionais da UFU. 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O Curso de Direito da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1963 e é um dos cursos mais tradicionais da UFU. 4.1.1 - Objetivo Os Cursos

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino,

Leia mais

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos Sólida formação nos conceitos da eng. mecânica, eletro-eletrônica, informática e controle; Preparo técnico e psicológico dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002

RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002 RESOLUÇÃO CONSEPE 70/2002 ALTERA A CARGA HORÁRIA DOS CURRÍCULOS DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa

Leia mais

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica.

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. O Curso de Bacharelado

Leia mais

Isto inclui o desenvolvimento de processos condizentes com a elaboração e a obtenção de produtos de interesse para as seguintes áreas:

Isto inclui o desenvolvimento de processos condizentes com a elaboração e a obtenção de produtos de interesse para as seguintes áreas: 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso É apresentada a importância crescente da Biotecnologia e os reflexos no campo de atuação de seus profissionais, em áreas como engenharia genética,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h -

1º SEMESTRE. 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 4. Geometria Descritiva 05 75h - V- MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE 1. Análise e Percepção da Forma da Arquitetura 05 75h - 2. Desenho I 05 75h - 3. Estética e História das Artes 05 75h

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Em 1959, o então Deputado Rondon Pacheco apresentou uma emenda a projeto de lei do Executivo, criando a Escola de Engenharia de Uberlândia.

Em 1959, o então Deputado Rondon Pacheco apresentou uma emenda a projeto de lei do Executivo, criando a Escola de Engenharia de Uberlândia. 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico Em 1959, o então Deputado Rondon Pacheco apresentou uma emenda a projeto de lei do Executivo, criando a Escola de Engenharia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVÇO PÚBLCO FEDERAL UNVERSDADE FEDERAL DE CAMPNA GRANDE CONSELHO UNVERSTÁRO CÂMARA SUPEROR DE ENSNO RESOLUÇÃO Nº 04/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 146 de 30/09/2015 - CAS

RESOLUÇÃO N o 146 de 30/09/2015 - CAS RESOLUÇÃO N o 146 de 30/09/2015 - CAS Disciplina a matrícula e a rematrícula do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014

RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001. RESOLUÇÃO CA Nº 004/2014 Aprovar a alteração da matriz curricular do Curso de Arquitetura

Leia mais

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ

BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ BASE CURRICULAR 2010/1 Noturno CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNICRUZ 1º PERÍODO Introdução à Arquitetura e Urbanismo 04 60 História e Teoria da Arquitetura e do Urbanismo I - Panorama Mundial 04 60

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais

4. Seu Curso. 4.1 Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 Objetivo geral. 4.1.3 - Objetivos específicos

4. Seu Curso. 4.1 Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 Objetivo geral. 4.1.3 - Objetivos específicos 4. Seu Curso 4.1 Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos A gestão das organizações tem sido influenciada por modificações sociais e econômicas decorrentes da globalização do ambiente dos

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05

Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 Aprovado no CONGRAD: 25.09.2007 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 243 - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 05 I - NÚCLEO DE CONHECIMENTOS DE FUNDAMENTAÇÃO Estética,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COMPLEMENTARES São Paulo 2011.1 1 1- Atividades Complementares De acordo com a Lei 9.131 de 1995 e os Pareceres 776/07 de 03/12/97 e 583/2001 as Diretrizes Curriculares dos cursos

Leia mais

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo

Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo Grade Curricular - Arquitetura e Urbanismo SEMESTRE 1 - Obrigatórias SAP0615 Projeto I 12 4 16 SAP0620 Desenho de Arquitetura 6 2 8 SAP0623 Plástica 6 2 8 SAP0645 Informática na Arquitetura 8 2 10 SAP0646

Leia mais

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ O Departamento

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ARQUITETURA E URBANISMO. COORDENADOR Roberto de Almeida Goulart Lopes rgoulart@ufv.br

Currículos dos Cursos UFV ARQUITETURA E URBANISMO. COORDENADOR Roberto de Almeida Goulart Lopes rgoulart@ufv.br 76 Currículos dos Cursos UFV ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADOR Roberto de Almeida Goulart Lopes rgoulart@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 77 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 1 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 A Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 758CONSEPE, de 24 de maio de 2010. Aprova a mudança de denominação do Curso de Desenho Industrial para Design, modalidade Bacharelado, e sua reestruturação pedagógica. O Reitor da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADOR Ítalo Itamar Caixeiro Stephan stephan@ufv.br 154 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Arquitetura e Urbanismo Arquiteto e Urbanista ATUAÇÃO O curso

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA O Prof. Raul Virginio da Silva Filho, Secretário Geral do Centro Universitário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES

INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES INSTITUTO DE ENGENHARIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES Atualização de 30 de outubro de

Leia mais

O Curso de Design de Interiores da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 2006, através da resolução CONSUN/UFU/10/2006.

O Curso de Design de Interiores da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 2006, através da resolução CONSUN/UFU/10/2006. 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivo do Guia O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Design de Interiores da Universidade Federal

Leia mais

EDITAL Nº 010/2012 VESTIBULAR DE VERÃO 2013/1- UCEFF FACULDADES

EDITAL Nº 010/2012 VESTIBULAR DE VERÃO 2013/1- UCEFF FACULDADES EDITAL Nº 010/2012 VESTIBULAR DE VERÃO 2013/1- UCEFF FACULDADES 1. ABERTURA A Faculdade de Empresarial de Chapecó mantida pela Unidade Central de Educação FAEM Faculdade Ldta UCEFF Faculdades, de acordo

Leia mais

EDITAL Nº 005/2010 EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 - UCEFF FACULDADES

EDITAL Nº 005/2010 EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 - UCEFF FACULDADES EDITAL Nº 005/2010 EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 - UCEFF FACULDADES 1. ABERTURA A Faculdade de Empresarial de Chapecó mantida pela Unidade Central de Educação FAEM Faculdade Ldta UCEFF Faculdades, de acordo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED Modelo implantado a partir das mudanças determinadas com a aprovação das Diretrizes Curriculares do Curso Medico do MEC em 2001. COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

EDITAL Nº 008/2013 VESTIBULAR 2013/2 ENGENHARIA MECÂNICA - UCEFF FACULDADES

EDITAL Nº 008/2013 VESTIBULAR 2013/2 ENGENHARIA MECÂNICA - UCEFF FACULDADES EDITAL Nº 008/2013 VESTIBULAR 2013/2 ENGENHARIA MECÂNICA - UCEFF FACULDADES 1. ABERTURA A Faculdade de Empresarial de Chapecó mantida pela Unidade Central de Educação FAEM Faculdade Ltda UCEFF Faculdades,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Informática

Programa de Pós-graduação em Informática Resolução Nº 001/2007 Regula as atividades acadêmicas no Programa de Pós-graduação em Informática ART. 1º - Sobre o curso de nivelamento: 1º - O curso de nivelamento para os novos alunos selecionados no

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 Estrutura Curricular

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 Estrutura Curricular 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos Na medida em que o Contador é levado, por força de suas atribuições nos mais diversos tipos de empresas, a interagir com as

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Jornalismo do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 243/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 243/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 243/2012 Altera a Deliberação CONSEP N o 185/2012, que dispõe sobre o Currículo do Curso de Arquitetura e Urbanismo, em regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 13/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.2 Objetivos. 4.1.3 Caracterização do Egresso

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.2 Objetivos. 4.1.3 Caracterização do Egresso 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico O Curso de Letras Licenciatura Plena em Português/Inglês e respectivas literaturas e Português/Francês e respectivas literaturas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015

EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015 EDITAL DE SELEÇÃO 03-2015 Estabelece as normas e condições para o Processo Seletivo nos Cursos de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Solos e Qualidade de Ecossistemas da UFRB, para ingresso no semestre

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL O Colegiado do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, no uso de suas atribuições, resolve aprovar, com registro

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública MAP Pós Graduação Stricto Sensu FGV/EBAPE REGULAMENTO TÍTULO

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo nº 030.008745/99 Interessado: Escola CETEB de Jovens e Adultos

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo nº 030.008745/99 Interessado: Escola CETEB de Jovens e Adultos CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 10/1/2002, publicado no DODF de 11/1/2002, p. 16. Portaria nº 68, de 8/2/2002, publicada no DODF de 15/2/2002, p.13. Parecer nº 288/2001-CEDF Processo

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES SÃO CARLOS 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2015 Artigo 1 o : As Atividades Complementares (AC) do Curso de Graduação em Administração da Faculdade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 107/2012, que Dispõe sobre o Currículo Pleno do Curso de Pedagogia - Licenciatura, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO. providências.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO. providências. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 09/2013 Altera a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes)

Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Perguntas frequentes 1. ENADE 1.1. Qual a legislação pertinente ao ENADE? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N º 013/2008

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N º 013/2008 DELIBERAÇÃO N º 013/2008 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em PRÓTESE DENTÁRIA. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo 11, parágrafo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 125-CONSUN, de 2 de maio de 20 Aprova o projeto de criação do Curso de Licenciatura em Artes Visuais, em substituição à Habilitação em Artes Plásticas do Curso de Licenciatura em Educação Artística

Leia mais

CST EM DESIGN DE INTERIORES

CST EM DESIGN DE INTERIORES CST EM DESIGN DE INTERIORES Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CST EM DESIGN DE INTERIORES Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO E GEOGRAFIA da Fundação Universidade Federal de Mato

Leia mais

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia - UFU é sucessora da Fundação Universidade de Uberlândia, criada pelo Decreto-Lei 762,

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

Ao final do curso, o egresso terá conhecimentos concernentes à realidade e às necessidades concretas do homem do campo nas regiões onde atua.

Ao final do curso, o egresso terá conhecimentos concernentes à realidade e às necessidades concretas do homem do campo nas regiões onde atua. 4 - Seu Curso 4.1- Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos Tem como objetivo principal, formar um profissional capaz de participar de projetos científicos e de atividades técnicas de produção

Leia mais