UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINAVETERINÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINAVETERINÁRIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINAVETERINÁRIA DETECÇÃO E BIOCONTROLE DE Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli v ar. fuscans (Smith) Dye EM SEMENTES DE FEIJOEIRO COMUM (Phaseolus vulgaris L.) VANESSA ANDRÉIA AGOSTINI Dissertação apresentada à Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da UPF, para obtenção do título de Mestre em Agronomia - Área de Concentração Fitopatologia. Passo Fundo, setembro de 2004.

2 2 UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINAVETERINÁRIA

3 3 DETECÇÃO E BIOCONTROLE DE Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Smith) Dye EM SEMENTES DE FEIJOEIRO COMUM (Phaseolus vulgarisl.) VANESSA ANDRÉIA AGOSTINI ORIENTADORA: Prof. Dra. NORIMAR DÁVILA DENARDIN CO-ORIENTADOR: Prof. PhD. CARLOS A FORCELINI Dissertação apresentada à Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da UPF, para obtenção do título de Mestre em Agronomia - Área de Concentração Fitopatologia. Passo Fundo, setembro de 2004.

4 4 A275d Agostini, Vanessa Andréia Detecção e biocontrole de Xanthomonas axonopodis fuscans (Smith) Dye em sementes de pv. phaseoli var. feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.) / Vanessa Andréia Agostini ; orientado por Norimar Dávila Denardin f. Dissertação (mestrado) Universidade de Passo Fundo, Feijoeiro 2. Patologia da semente 3. Fitopatologia 4. Phaseolus vulgaris I. Denardin, Norimar Dávila, orient. II. Título CDU: Catalogação na fonte: bibliotecária Daiane Citadin Raupp - CRB 14/887

5 5 AGRADECIMENTOS À Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Passo Fundo, pela oportunidade de ter realizado o curso e pelo aprimoramento profissional alcançado. À Capes pela concessão da bolsa. À professora orientadora, Dra. Norimar D'Ávila Denardin, pela amizade, carinho e total dedicação e apoio durante os trabalhos e, acima de tudo pelo exemplo de integridade e profissionalismo. Ao professor co-orientador, Dr. Carlos Alberto Forcelini, pela amizade e incondicional apoio e incentivo durante a iniciação científica na graduação e durante o mestrado. Ao professor Dr. Erlei Melo Reis, pela confiança que primeiramente depositou em mim, grande incentivo e apoio, fundamentais para a realização do curso e pela oportunidade para iniciar na Fitopatologia. Ao professor Dr. Florindo Luiz Castoldi, pelo auxílio nos trabalhos de análise estatística. A todos os professores do Curso que contribuíram para a minha formação.

6 6 Aos funcionários da FAMV-UPF, em especial aos funcionários do Laboratório de Solos, pelo auxílio prestado. Aos meus colegas pela amizade e carinho. Em especial à colega Jucenara Soares, pela colaboração, amizade e dedicação durante os trabalhos de laboratório À colega Andréia Iraci Tumelero, pela amizade, apoio e incansável disponibilidade para auxiliar durante todo o curso. Aos alunos do curso de Agronomia, Tiago Antonio Webber e, em especial ao Reginaldo Mateus Giongo pela grande colaboração para a execução dos trabalhos e amizade. À Deus, pela oportunidade de poder estar aqui e proteção constante durante este caminho. Aos meus pais, que não pouparam esforços para a minha formação, especialmente pelo carinho, apoio e incentivo constante.

7 7 SUMÁRIO Lista de Tabelas... xii Lista de Figuras... xiii RESUMO... 1 SUMMARY INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Crestamento Bacteriano Comum do Feijoeiro Etiologia Taxonomia Variante "fuscans" Características Morfologicas, Fisiológicas e bioquímicas Sintomatologia causada por Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans no feijoeiro Aspéctos epidemiológicos Condições de ambiente e doença Fontes de inóculo e sobrevivência a. Sementes b. Hospedeiros secundários e alternativos c. Restos de cultura Transmissão... 14

8 Disseminação Danos Controle Práticas culturais Resistência genética Controle químico Controle biológico Actinomicetos Controle por métodos físicos "Termoterapia" Certificação de sementes Detecção de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans em sementes CAPITULO I DETECÇÃO DE Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans EM SEMENTES DE FEIJOEIRO COMUM Phaseolus vulgaris L RESUMO SUMMARY INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Técnicas de extração de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans em sementes de feijoeiro comum Tratamentos Preparo das amostras Procedimento... 32

9 Quantificações e análise estatística Performance de meios de cultura para os processos de detecção e de quantificação de Xapf Preparo das amostras Procedimento Quantificação e análise estatística Caracterização dos isolados de Xapf obtidos de sementes de feijoeiro Preservação dos isolados obtidos das sementes RESULTADOS E DISCUSSÃO Técnicas de extração e meios de cultura para detecção de Xapf em sementes de feijoeiro comum CONCLUSÕES CAPITULO II BIOCONTROLE DE Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Smith) Dye EM SEMENTES DE FEIJOEIRO COMUM (Phaseolus vulgaris L.) RESUMO SUMMARY INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Preparo do inóculo de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans Inoculação de sementes com Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans Preparo do biocontrolador em

10 10 "Formulação Microbiolização de sementes Tratamentos Instalação dos ensaios na casa-de-vegetação Ensaio de casa-de-vegetação, em substrato esterilizado Ensaio de casa-de-vegetação, em vasos com solo Instalação do ensaio de campo Correção de solo e instalação do ensaio Controle de doenças e pragas Avaliações do CBCF no inicio do ciclo Ensaio de casa-de-vegetação, com substrato esterilizado Avaliações da emergência de plântulas Avaliações da incidência do CBCF nas folhas cotiledonares Avaliações da incidência do CBCF nas folhas primárias Ensaio de casa-de-vegetação, em vasos com solo Avaliações da incidência do CBCF nas folhas cotiledonares Avaliação da severidade do CBCF nas folhas primárias Ensaio a campo Avaliação da incidência nas folhas cotiledonares

11 Avaliação da incidência do CBCF, nas folhas primárias Avaliação da incidência do CBCF, no primeiro trifólio Avaliação da severidade do CBCF, no primeiro trifólio Avaliações da evolução do CBCF ao longo do ciclo da cultura Ensaio de casa-de-vegetação, em vasos com solo Avaliações da severidade do CBCF nas folhas primárias Avaliações da severidade do CBCF nas folhas trifolioladas Massa de matéria seca da parte aérea, nitrogênio total e massa seca de raízes Ensaio a campo Avaliações da incidência e severidade do CBCF Rendimento de grãos e peso de mil sementes Detecção e quantificação de Xapf nas sementes produzidas em ensaio de campo RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Avaliações do CBCF no início do ciclo Ensaio de casa-de-vegetação, com substrato esterilizado

12 Avaliações da emergência das plântulas Avaliações da incidência do CBCF nas folhas cotiledonares Avaliações da incidência do CBCF nas folhas primárias Ensaio de casa-de-vegetação, em vasos com solo Avaliações da incidência do CBCF nas folhas cotiledonares Avaliação da severidade do CBCF nas folhas primárias Ensaio a campo Avaliações da incidência do CBCF, no primeiro trifólio Avaliações da severidade do CBCF, no primeiro trifólio Estudo da evolução da doença ao longo do ciclo da cultura Ensaio de casa-de-vegetação, em vasos com solo Avaliações da severidade do CBCF nas folhas primárias Avaliações da severidade do CBCF nas folhas trifolioladas Massa de matéria seca da parte aérea, nitrogênio total e massa de matéria seca de raízes Ensaio a campo

13 Avaliações de incidência do CBCF Avaliações de severidade do CBCF Rendimento de grãos e peso de mil sementes Detecção e quantificação de Xapf na sementes produzidas em ensaio de campo CONCLUSÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 92

14 14 LISTA DE TABELAS Tabela Página CAPÍTULO I Detecção de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans em sementes defeijoeiro comum Phaseolus vulgaris L. Tabela 1. Eficiência das técnicas de extração de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans em sementes de feijoeiro comum e contagem das UFCs ml -1 em meio de cultura... 38

15 15 LISTA DE FIGURAS Figura Página CAPÍTULO I Detecção de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans em sementes defeijoeiro comum Phaseolus vulgaris L. 1. Quantificação de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var fuscans (UFC ml -1 ) em quatro meios de cultura a partir de três lotes sementes de feijoeiro com diferentes níveis de infecção CAPÍTULO II Biocontrole de Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Smith) Dye em sementes de feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.). Experimento Incidência (%) do Crestamento bacteriano comum do

16 16 feijoeiro nas folhas primárias de plântulas de feijoeiro comum cultivadas em substrato estéril em casa-devegetação Experimento Severidade (%) do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro nas folhas primárias de plântulas de feijoeiro comum cultivadas em vasos contendo solo em casa-devegetação Incidência (%) do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro no primeiro trifólio em plântulas de feijoeiro comum cultivado a campo Severidade (%) do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro no primeiro trifólio em plântulas de feijoeiro comum cultivado a campo Severidade do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro nas folhas primárias de feijoeiro comum em ensaio realizado em casa-de-vegetação Área abaixo da curva de progresso da doença nas folhas primárias em ensaio realizado em casa-devegetação... 74

17 17 7 Severidade do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro nas folhas trifolioladas em ensaio realizado em casa-de-vegetação Área abaixo da curva de progresso da doença nas folhas trifolioladas em ensaio realizado em casa-devegetação Incidência do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro em plantas de feijoeiro comum Incidência (%) do Crestamento bacteriano comum do feijoiro em plantas de feijoeiro comum cultivada à campos, aos 40 dias após a emergência Severidade (%) do Crestamento bacteriano comum do feijoeiro em plantas de feijoeiro comum cultivada a campo Rendimento de grãos de plantas de feijoeiro em ensaio realizado à campo Peso de mil sementes de feijoeiro comum em ensaio realizado à campo Quantificação de Xapf (UFC ml -1 ) nas sementes

18 18 produzidas de plantas de feijoeiro comum em ensaio realizado à campo... 88

19 19 DETECÇÃO E BIOCONTROLE DE Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Smith) Dye EM SEMENTES DE FEIJOEIRO COMUM (Phaseolus vulgaris L.) Autora: VANESSA ANDRÉIA AGOSTINI Orientadora: NORIMAR D'ÁVILA DENARDIN Co-orientador: CARLOS ALBERTO FORCELINI RESUMO - O crestamento bacteriano comum do feijoeiro (CBCF), incitado pela bactéria Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Xapf), é responsável por grandes reduções no rendimento e na qualidade de grãos. A principal forma de disseminação dessa bactéria é através das sementes. Nesse contexto, o trabalho teve por objetivos consolidar técnicas de detecção de Xapf e determinar o potencial de biocontrole do CBCF, pela microbiolização de sementes com actinomiceto, veiculado em polímeros, na incidência e severidade do CBCF no inicio do ciclo, e na evolução do CBCF ao longo do ciclo da cultura de feijoeiro, bem como a detecção e quantificação de Xapf nas sementes produzidas. O estudo foi estruturado em atividades de laboratório, de casa-de-vegetação e de campo. Em laboratório, avaliou-se quatro métodos de detecção, técnicas de extração e a performance de quatro meios de cultura, empregando-se três amostras de semente de feijoeiro. A extração foi constituída por dois tempos de incubação, com e sem centrifugação e associados aos meios de cultura 523 de kado e MXP. Para o estudo de performance de meios de cultura avaliou-se os meios de cultura 523 de Kado, GYCA, NSA e PTSA. Para

20 20 determinar o potencial biocontrolador do actinomiceto foram conduzidos ensaios constituídos de quatro tratamentos: sementes infectadas naturalmente com Xapf; sementes naturalmente infectadas com Xapf e microbiolizadas com biocontrolador; sementes naturalmente infectadas e inoculadas com Xapf; e sementes naturalmente infectadas e inoculadas com Xapf e microbilizadas com biocontrolador. Avaliou-se emergência, incidência e severidade do CBCF, nos ensaios em casa-de-vegetação e a campo, e rendimento de grãos, peso de mil sementes e detecção de Xapf nas sementes produzidas no ensaio a campo. O melhor método de extração de Xapf foi incubação por uma noite, seguida de centrifugação, empregando o meio de cultura 523 de Kado. As avaliações mostraram que o melhor método de extração de Xapf foi incubação por uma noite, seguida de centrifugação, empregando o meio de cultura 523 de Kado. Quanto a performance dos meios de cultura, nos processos de detecção e de quantificação de Xapf o melhor meio foi PTSA, facilitando a identificação e a enumeração de colônias típicas, permitindo determinar níveis de infecção do patógeno nas amostras de sementes. No ensaio com substrato esterilizado, a emergência foi de apenas 57% para sementes inoculadas artificialmente com Xapf, diferindo-se, das inoculadas com Xapf e microbilizadas com biocontrolador, com 80% de emergência e para o tratamento com infecção natural e desinfestação superficial das sementes, de 91%. Pelas análises realizadas, no ensaio de casa-de-vegetação, tanto de regressão linear do progresso da doença, como para, a área abaixo da curva do progresso da doença (AACPD) verificou-se o potencial de biocontrole sobre a Xapf, sendo significativamente efetivo o controle do CBCF, no inicio e ao longo do ciclo da cultura pela menor incidência e severidade, tanto em casa-de-vegetação como no campo. Houve o aumento no rendimento de grãos e menores níveis do patógeno nas sementes produzidas à campo.

21 21 Palavras chave: Phaseolus vulgaris, patologia de sementes, meios de cultura, antagonismo, controle biológico. DETECTION AND BIOCONTROL OF Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Smith) Dye IN COMMON BEAN SEEDS (Phaseolus vulgaris L.) Author: VANESSA ANDRÉIA AGOSTINI Adviser: NORIMAR D AVILA DENARDIN Co-Adviser: CARLOS ALBERTO FORCELINI SUMMARY - The common bacterial blight of common beans (CBCF), a disease caused by Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Xapf), reduces grain yield and quality significantly. Because this bacterium is mainly disseminated through infected seeds, efficient detection of Xapf is important to assure productivity and quality for the crop. In this study, various techniques that included different extraction protocols (two times of incubation, with or without centrifugation) and four culture media (Kado 523, GYCA, NSA, and PTSA) were tested for the detection of the seed-borne inoculum, using three seed samples. Overnight incubation of the seeds, followed by centrifugation and incubation in Kado 523 provided the highest extraction of Xapf. Among the culture media, PTSA allowed better identification and counting of the bacterial colonies. Additional studies were performed to evaluate the biocontrol of CBCF by microbiolization of the seeds with an isolate of Actinomycete, named "Formulation". These studies included greenhouse and field trials, with Xapf naturally infected or artificially inoculated seeds, with or without microbiolization. The percent of plant emergence, CBCF incidence, and CBCF severity were assessed in the greenhouse, while grain yield, thousand kernel weight, and the percent of seed

22 22 infection were evaluated in the field. Plant emergence was 57% for seeds inoculated with Xapf, 80% for seeds inoculated and microbiolized, and 91% for those only microbiolized. The microbiolization also resulted in higher grain yield e lower seed infection in the field. Lower disease incidence and severity were observed on plants from microbiolized seeds, in both greenhouse and field trials. Such results indicate the potential of this technique for controlling Xapf and reducing CBCF. Key words: Phaseolus vulgaris, biological control, seed pathology, culture media, biological control, antagonism.

23 23 1. INTRODUÇÃO O feijoeiro comum, Phaseolus vulgaris L., é cultivado em cerca de 100 países (IBGE, 1996) e produz grãos de alto valor nutritivo como fonte de proteína vegetal (20 a 22%), energia (341 cal/100g), fibras, vitaminas, ferro e baixo teor de gordura para a alimentação humana e, ainda, efeito medicinal protetor e terapêutico a doenças coronarianas e oncológicas (Cnpaf, 2002). O Brasil é o maior consumidor mundial de feijão. Contudo, nos últimos 40 anos, houve queda no consumo per capita em, aproximadamente, 1% ao ano. Atualmente, o consumo é de 16 kg per capita/ano. A importação do produto e a preferência do consumidor por produtos semi-prontos têm contribuído para a elevação do preço do produto (Famato, 2003). A produtividade no país é baixa e a média situa-se em torno de 776 kg ha -1. Cerca de 90% da produção nacional é oriunda de pequenas e médias propriedades rurais, resultantes da aplicação de baixo nível tecnológico. Os 10% restantes da produção provém da safra de inverno, sob irrigação, nos cerrados brasileiros, conduzida em grandes propriedades rurais que empregam elevado nível tecnológico, que atingem produtividade média superior a kg ha -1 (Cnpaf, 2002). A instabilidade produtiva e os baixos rendimentos da cultura são decorrentes, principalmente, da incidência de doenças com potencial de danos de até 100% ( Neto & Fancelli, 2000). O Crestamento Bacteriano Comum do Feijoeiro (CBCF), incitado por Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli var. fuscans (Xapf) (Smith, 1901; Vauterin et al., 1995; 1996) é uma das principais doenças da cultura, ocorrendo, em todas as regiões do mundo, principalmente devido à temperatura e à umidade elevadas (Mohan & Mohan, 1983;

24 24 Saettler, 1991; Gilbertson & Maxwell, 1992; Kersters & Swings, 1995;), sendo responsável pela redução de qualidade dos grãos (Valarini et al., 1996). A semente constitui-se na principal forma de disseminação do patógeno (Balardin, 1992; Zapata et al., 1985; Weller & Saettler, 1980;), sendo facilmente transportada pelo homem, além de aumentar o potencial de inóculo a cada ciclo da cultura (Halfeld-Vieira, et al, 2000). Portanto, o controle da doença baseia-se, fundamentalmente, na produção de sementes sadias. Tendo em vista o impacto do CBCF no rendimento e na qualidade dos grãos de feijoeiro e o potencial de disseminação de Xapf nas sementes, o presente trabalho teve como objetivos: a) comparar técnicas de extração de Xapf de sementes de feijoeiro; b) comparar meios de cultura, para os processos de detecção e de quantificação de Xapf, em sementes de feijoeiro; c) determinar o potencial de biocontrole do CBCF, pela microbiolização de sementes com actinomicetos, na "Formulação", na emergência das plântulas, a incidência e severidade do CBCF no inicio do ciclo d) determinar o potencial de biocontrole do CBCF, pela microbiolização de sementes com actinomicetos, na "Formulação" na evolução dessa doença ao longo do ciclo da cultura de feijoeiro; e e) determinar o potencial de biocontrole do CBCF, pela microbiolização de sementes com actinomicetos, na "Formulação", na detecção e quantificação de Xapf nas sementes produzidas.

25 25 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Crestamento Bacteriano Comum do Feijoeiro (CBCF) De acordo com Bianchini et al., apud Kimati (1997), o Crestamento Bacteriano Comum do Feijoeiro (CBCF) é considerado uma das doenças de maior importância entre as de etiologia bacteriana da cultura do feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.). A ocorrência é generalizada nas regiões de clima quente e úmido (Sartorato & Rava, 1994). Foi reconhecida pela primeira vez em 1892, nos Estados Unidos, por Beach (1892), e descrita, em 1897, por Smith (1901). No Brasil, foi relatada pela primeira vez por Robbs (1954), em materiais provenientes do estado do Rio de Janeiro. Encontra-se disseminada em todas as regiões brasileiras onde o feijoeiro é cultivado, sendo mais problemática na região norte do estado do Paraná, no estado do Rio de Janeiro e na região do Brasil Central, bem como no estado de Minas Gerais no plantio das águas (Vieira, 1983) Etiologia O agente causal do CBCF é a fitobactéria Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli (Xap), (Smith, 1901; Vauterin et al., 1995; 1996) e a variante fuscans (Dye et al., 1980), conforme a nova nomenclatura proposta por Vauterin et al. (1995; 1996) Taxonomia Segundo Agrios (1997), Xapf incitadora do CBCF é uma bactéria pertencente ao Reino Procariótico, Divisão Gracilicutes, Classe Proteobacteria, Família Pseudomonadaceae e Gênero Xanthomonas.

26 26 Desde a primeira descrição de Xap e da variante fuscans (Xapf), ocorreram diversas revisões taxonômicas (Bradbury, 1986). O gênero Xanthomonas foi recentemente reclassificado com base em estudos de hibridação DNA-DNA. O agente causal do CBCF, anteriormente classificado como Xanthomonas campestris pv. phaseoli, foi reposicionado como Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli (Vauterin et al., 1995; 1996). Em estudos realizados por Schuster & Coyne (1974) e Schuster et al. (1979), foi verificado que isolados de X. campestris pv. phaseoli provenientes da Colômbia e Uganda, apresentaram maior agressividade que o isolado americano Nebraska Xps. Também verificou-se o mesmo para outros isolados da Colômbia e do Brasil (Rava, 1984), demonstrando que os isolados das regiões tropicais são mais agressivo que os isolados das regiões temperadas Variante "fuscans" Uma variante de Xap denominada fuscans, que produz um pigmento marrom em meio de cultura, foi descrita pela primeira vez por Bulkholder, em 1930 (Gilbertson & Maxwell, 1992). A capacidade de produzir pigmento melanóide está relacionada, segundo Basú & Wallen (1966), com a fonte de carbono do meio de cultura. Contudo, conforme Bradbury (1986), a variante fuscans produz esse pigmento, "in vitro", na presença do aminoácido tirosina. Diferenças genéticas entre Xap e Xapf têm sido relatadas por meio de isoenzimas (El-sharkawy & Huisingh, 1971), por polimorfismo de comprimentos de fragmentos de restrição - RFLP (Lazo et al., 1987), por caracterização de plasmídeos (Lazo & Gabriel, 1987), por hibridação DNA-DNA (Hildbrand et al., 1990), por polimorfismo de DNA

27 27 amplificado-adp (Xue & Goodwin, 1994) e por polimorfismo de DNA amplificado ao acaso-radp (Birch et al., 1997). Xue & Goodwin (1994), estudando a região do genoma de Xapf, relacionaram os genes que controlam um sistema regulatório de resposta a estímulos do ambiente pela bactéria e encontraram fragmentos amplificados no genoma de Xapf, tanto a 470 bp quanto a 610 bp, as quais permitiram diferenciar Xapf de Xap. Birch et al. (1997), utilizando a técnica de RAPD ("Random amplified polimorfic DNA"), obtiveram um oligonucleotídeo (OPG-11) capaz de amplificar uma banda de 820 bp somente em isolados de Xapf, mostrando a existência de diferenças genéticas entre os isolados. Utilizando sondas de DNA de seqüência repetitiva obtidas do genoma de Xap, concluíram que os padrões de bandas formados para Xap e Xapf permitiram separar esses isolados em dois grupos distintos. Todavia, essa variante não foi reconhecida pelo Código Internacional de Nomenclatura de Bactérias e nem pelos padrões internacionais utilizados para nomear patovares de fitobactérias (Young et al., 1996). As diferenças entre Xap e Xapf também foram demonstradas por Maringoni & Bach (1998), quando compararam o perfil eletroforético de proteínas totais de 20 isolados de Xap e Xapf. Por meio de uma análise de grupamento, foi possível separar os isolados em três grupos distintos, sendo o primeiro constituído de isolados de Xapf, o segundo de isolados de Xap e Xapf e o terceiro formado somente por isolados de Xap. Em estudo sobre a variabilidade do patógeno, Watson (1970) não encontrou diferenças consistentes em patogenicidade entre isolados com e sem habilidade para produzir pigmento. Em trabalhos conduzidos por Vieira & Souza (2000), com isolados de Xap e Xapf inoculados em

28 28 plantas de feijoeiro comum (P. vulgaris L.) cv. Carioca, não observaram relações entre virulência em plantas de feijoeiro e capacidade de produzir pigmento escuro em meio de cultura Características morfológicas, fisiológicas e bioquímicas Segundo o Manual de Bergey's (Willians et al., 1994), Xanthomonas axonopodis apresentam como característica fisiológica reação com o oxigênio e nutricional o uso de compostos como o CO 2, aminoácidos, fontes de carbono e fontes de nitrogênio, entre outras. Dentre as características bioquímicas, destacam-se, a liquefação da gelatina, hidrólise da esculina, do amido, da caseína e do H 2 S de peptona, redução de nitratos, fermentação de carboidratos e hidrólise lipídica(schaad & Stall, 2001). Do ponto de vista morfológico, as células possuem um flagelo polar, em nutriente ágar + glicose a 5% apresenta produção de xanthomonadinas, característico dessa bactéria. Possui máximo crescimento em temperatura de 35 a 37 C, tolerância ao NaCl a 1% e produção de ácido trehalose. Não usa asparagina como única fonte de carbono, é oxidase negativa, catalase positiva, aeróbia estrita e a reação de Gram é negativa. Em meio BDA as colônias são amarelo claras, elevadas e brilhantes, com bordos regulares (Romeiro, 1995) Sintomatologia causada por Xapf no feijoeiro Os sintomas do CBCF incitado por Xapf, nas folhas, iniciamse como manchas encharcadas, que gradualmente aumentam de tamanho, posteriormente secam, formando lesões necróticas, freqüentemente margeadas por uma pequena zona de tecido amarelo-limão (Saettler, 1991). No caule, podem surgir lesões deprimidas iniciando como

29 29 manchas aquosas, que aumentam com o tempo, ocorrendo normalmente em plantas novas, e ao longo do caule aparecem riscos vermelhos, podendo rachá-lo, o que ocasiona um acúmulo de exsudado bacteriano na lesão (Sartorato & Rava, 1994). Nas vagens, os sintomas são lesões circulares, ligeiramente deprimidas e vermelho-escuras (Saettler, 1991). A infecção da vagem freqüentemente ocorre pelo sistema vascular da sutura dorsal, alcançando a semente geralmente através do funículo; quando a infecção é menos severa as sementes apresentam-se enrugadas e manchadas, nos casos de infecção severa, podem ser observadas a seca e a morte das vagens e sementes (Gilbertson & Maxwell, 1992). Wallen & Sutton (1965) verificaram que Xapf pode se localizar tanto externa como internamente à semente. Agarwal & Sinclair (1987) demonstraram que os sintoma da infecção da semente são evidenciados pela presença de uma descoloração amarelada no hilo. Estudo realizado por Gilbertson & Maxwell (1992) indicou a possibilidade da ocorrência de sementes contaminadas assintomáticas Aspéctos epidemiológicos Condições de ambiente e doença De acordo com Chupp & Sherf (1960), apud Gilbertson & Maxwell (1992), as temperaturas entre 24 e 32º C são ótimas para o desenvolvimento da doença. Em conformidade, Saettler et al. (1995), relataram também como ótima a faixa de temperatura entre 28 e 32º C. O ótimo de temperatura, aliado à períodos com alta intensidade de chuvas, são necessários para a multiplicação da bactéria incitadora do CBCF. Segundo Webster et al. (1983), Kaiser & Vakili (1978) e Rava (1994),

30 30 respingos de chuva, através de aerosóis (pequenas gotícolas de água que contém bactérias em suspensão associadas com o vento) favorecem a disseminação Fontes de inóculo e sobrevivência a. Sementes A semente constitui-se no principal modo de introdução do patógeno em novas áreas até então livres da doença (Watson, 1970), considerada a principal fonte de inóculo primário (Neergard, 1979; Velásquez & Trujillo, 1984). O patógeno pode estar tanto infestando ou infectando as sementes (Webster et al., 1983, Kaiser & Vakili, 1978; Sartorato & Rava, 1994), com capacidade de sobrevivência na parte interna da semente, por um período de até 15 anos (Schuster & Sayre, 1967). Santos et al. (2001), em observações quanto à sobrevivência (longevidade) e a viabilidade (poder infectivo) de Xapf em um lote de sementes de feijoeiro comum contaminado e armazenado por um período de 30 meses, demonstraram que o ótimo para a conservação das sementes é de -18 C a 5 C, sendo esta temperatura também favorável para a manutenção da longevidade de Xapf em sementes de feijão. O êxito da sobrevivência depende, em parte, da quantidade de inóculo produzida e da continuidade de plantas hospedeiras (Schuster & Coyne, 1977). O alto nível de infecção das sementes resultam em taxas reduzidas de germinação, além de produzir plântulas deformadas (Schuster et al., 1979). Esse fato foi confirmado posteriormente por Valarini & Menten (1991) em testes de laboratório o patógeno nas sementes promoveu uma redução significativa na germinação e no peso de 1000 sementes. Esses mesmos autores demonstraram ainda que o

31 31 armazenamento provocou uma redução na incidência do patógeno nas sementes. Portanto, a infecção das sementes pela fitobactéria como meio mais importante para a sua difusão, justifica a necessidade da utilização de sementes sadias (Neto & Fancelli, 2000). b. Hospedeiros secundários e alternativos. A sobrevivência de Xapf também é garantida por populações residentes em plantas não hospedeiras ou em outras plantas hospedeiras. O patógeno apresenta uma ampla gama de hospedeiros: feijão comum, soja, mucuna, outras espécies de Phaseolus, várias espécies de Vignia (Bradbury, 1986). Dentre os hospedeiros conhecidos de Xap e Xapf citam-se Calopogonium sp., Dolichos lablab L., Macroptilium lathyroides, Phaseolus lunsatus L., Phaseolus vulgaris L., Pisum sativum L., Pueraria sp., Vigna aconitifolia, V. angularis (Willd.), V. mungo, V. radiata (L.) (Wilczek), V. umbellata, Strophostyles helvola, Helianthus annuus, Lupinus polyphyllus, Phaseolus acutifolius var. acutifolius, P. acutifolius var. latifolius e P. coccineus, Mucuna deeringiansa Bort. e V. unguiculata (L.) e Glycine max (Bradbury, 1986; Saettler, 1991; Vidaver, 1993). A bactéria Xapf também apresenta como hospedeiro o caruru (Amaranthus sp) e a língua-de-vaca (Rumex sp), bem como inúmeros outros patógenos são hospedados pelas principais espécies de plantas daninhas presentes em lavouras de feijoeiro (Neto & Fancelli, 2000). c. Restos de cultura Estudos sobre sobrevivência de Xapf em restos culturais, nas condições tropicais são limitados, em comparação com os realizados em zonas temperadas. Wimalajeewa & Nancarrow (1980) apud Saetler et al. (1986), não conseguiram recuperar isolados patogênicos de Xapf, a partir

32 32 de tecidos infectados deixados na superfície do solo por onze semanas, ou enterrados por três semanas, em Victoria, Austrália, o trabalho foi realizado em condições de clima que se assemelham às condições do Sul do Brasil, ou seja, clima subtropical. Schuster & Coyne (1977) já apontavam sobre este fato em sua revisão e mais tarde, Gilbertson & Maxwell (1992) também relataram a necessidade de se estudar melhor a sobrevivência deste patógeno em condições tropicais Transmissão O sucesso ou não de uma fitobactéria causar uma doença pode estar relacionado com a quantidade de inóculo e também com o potencial com que esse inóculo é transmitido ao hospedeiro suscetível (Schuster & Coyne, 1977). Valarini et al. (1996) verificaram que a taxa de transmissão de Xapf via semente é alta, variando de 16 a 50,8 % em função da suscetibilidade da cultivar empregada, e que até o nível de 10% de sementes contaminadas (portadoras) com a referida bactéria não afeta a emergência em campo. Porém, níveis a partir de 10% afetam significativamente a produção de grãos de feijão Romeiro et al.(1993), identificaram nas cultivares de feijoeiro Emgopa 201 Ouro e Emgopa 202 Rubi taxas de transmissão de Xapf para a parte aérea de 13,5% e 24% respectivamente. Valarini et al. (1992), evidenciaram que quanto maior a incidência da bacteriose no campo, maior será a sua incidência na semente produzida, ou seja, maior será a transmissão da planta mãe - sementes Disseminação

33 33 A disseminação de Xapf é favorecida pela água da chuva ou pelos respingos da irrigação, eficiente também na disseminação de outros patógenos bacterianos do feijoeiro. (Menzies, 1954; Grogan & Kimble, (1967); Trujillo-Pinto & Verde, (1986); Saettler, (1991). Weller & Saettler (1980) demonstraram que gotas de água de chuva podem remover 10% da população epífita desta bactéria. Segundo Trujillo-Pinto & Verde (1986), a disseminação ocorre a uma distância de até 1,40 m da fonte de inóculo. Insetos como Bemisia tabaci (Sabet & Ishag, 1969; Saettler, 1991), Diabrotica spciosa, Empoasca sp. e Nezara viridula (Kaiser & Vakili, 1978), podem contribuir para a disseminação do agente causal do CBCF. A semente constitui-se no meio mais eficiente de transporte e disseminação Xapf, determinando focos de infecção na mesma área, em áreas vizinhas ou em diferentes áreas e quando em condições climáticas propícias, desencadeia a epidemia do CBCF (Menten & Bueno, 1987). Wallen & Sutton (1965), verificaram, em Otawa, Canadá, que 0,5% de sementes com o patógeno foi suficiente para desencadear uma epidemia da doença. Mais tarde, Waller & Saettler (1980), em ensaio conduzido, demonstraram que a população mínima de 10 3 e 10 4 UFC de Xap por semente foi suficiente para originar plantas doentes em condições de campo. A disseminação primária de Xapf é caracterizada por ocorrer à grandes distâncias, realizada pelo homem através das máquinas agrícolas e pela semente infestada ou infectada com o patógeno, em condições ambientais de chuva intensa, é rapidamente disseminada por respingos de chuva, caracterizando a disseminação secundária (Webster et al., 1983, Kaiser & Vakili, 1978; Sartorato & Rava, 1994) Danos

34 34 Os danos observados em condições de epidemia severa do CBCF são referentes a reduções no rendimento e os danos mais importantes são expressos na redução da qualidade, devido à presença de lesões nas vagens afetando o valor comercial das sementes produzidas. Nos EUA, a classificação comercial das sementes é realizada com base nos sintomas; aceita-se apenas 1% de vagens seriamente manchadas para a classificação do Tipo A ; acima desse valor são classificados em sub-classes; quando exceder a 4% esses campos são impedidos de serem colhidos (Webster et al., 1983). No Canadá, os danos observados foram de até 38% (Wallen & Jacson, 1975). Campos de produção bastante comprometidos nos Estados Unidos, foram observados em 1967, onde 75% da área semeada com feijão foi afetada, levando a uma redução de 10 a 20% no rendimento (Oliveira et al., 1993). No Norte da Dakota, EUA em 1998, foi relatado danos na cultura do feijoeiro devido ao CBCF por desfolha, descoloração e enrugamento de sementes, em caracter epidêmico provocando uma redução de 75% no rendimento (Venette & Lamey, 1998). Em todas as regiões produtoras de feijão do mundo, a doença encontrando-se largamente distribuída tendo provocado redução na colheita de, 10 a 30% (Martins et al., 2001) Controle O CBCF é uma doença de difícil controle, em função do plantio ser efetuado em mais de uma época do ano em mesma área, da dificuldade de obtenção de cultivares comerciais resistentes e da baixa eficiência do controle químico (Valarini & Menten, 1992). O controle do CBCF consiste no uso de sementes livres do patógeno, rotação de culturas com três anos sem o cultivo de feijoeiro na área e pulverizações

35 35 com fungicidas (Agrios, 1997); inclui-se às práticas o tratamento de sementes ou aplicação foliar de bactericida e o emprego de cultivares tolerantes ou resistentes (Kimati, 1975; Vieira & Sartorato, 1984; Kulik & Stanwood, 1984; Athayde & Pacova, 1985). Mais recentemente a pesquisa tem dado ênfase ao emprego do controle biológico e produtos naturais (Cnpaf, 2002) Práticas culturais As práticas culturais são medidas integradas como o uso de sementes sadias, cultivares tolerantes ou resistentes em sistema de rotação de culturas, no mínimo com intervalo de 2 anos sem cultivo do feijoeiro, práticas essas empregadas com sucesso no controle de doenças como o CBCF (Saettler, 1971; Neto & Fancelli, 2000). Em áreas com histórico de ocorrência da doença, o sistema de rotação, baseado nas culturas de milho, trigo, arroz, aveia, centeio, pastagens e adubação verde, concomitante com a eliminação de plantas daninhas e hospedeiras alternativos da bactéria, auxiliam na redução das fontes de inóculo para o controle da doença (Saettler, 1991; Sartorato & Rava, 1994) Resistência genética A menor taxa de infecção na parte aérea e nas sementes de cultivares tolerantes, indicam que o melhoramento de cultivares pode constituir-se em uma técnica satisfatória. Porém, o patógeno pode persistir ou multiplicar-se mesmo em hospedeiros resistentes ou imunes (Schuster et al., 1979). Conforme (Van Der Plank (1963; 1984), a resistência genética do feijoeiro à X. campestris pv. phaseoli é do tipo horizontal. Os mecanismos de defesa do hospedeiro estão além da capacidade microevolucionária do patógeno. Este tipo de resistência

36 36 dificulta o desenvolvimento do patógeno no tecido do hospedeiro, pois quando poligênica, e em alguns casos oligogência, de efeito aditivo quantitativo, é afetada pelo ambiente. Os genótipos considerados resistentes apresentam baixa severidade da doença (Maringoni et al., 1992), e o efeito da resistência é aditivo controlado por poucos genes (Rava, 1985). Pela natureza genética complexa do feijoeiro, verifica-se a dificuldade de obtenção de cultivares resistentes à Xapf (Rava, 1984). Estudos realizados com as cultivares GN Tara e GN Jules, derivados da cultivar GN Nebraska 1 Sel 27, mostram que a natureza desta resistência é do tipo quantitativa, com o envolvimento de vários genes (Gilbertson & Maxwell, 1992). Em conformidade, Zapata et al. (1985) observaram a resistência de linhagens de feijão à Xap e concluíram que, para algumas linhagens, pode haver muitos genes envolvidos na resistência. Porém, em contrapartida, em outras evidenciou-se o caráter oligogênico, em que alguns poucos genes de efeito maior estariam envolvidos na resistência. A diferença de patogenicidade de isolados de Xap e a reação diferencial entre folhas e vagens do feijoeiro contribuem para dificultar o sucesso dos trabalhos que visam a obtenção de cultivares resistentes (Oliveira et al., 1993). Outras espécies de Phaseolus podem apresentar fontes de resistência ao patógeno em questão, tais como P. acutifolius e P. coccineus. Portanto, é dificultada a obtenção de uma cultivar que apresente a resistência genética à doença e ao mesmo tempo as características agronômicas desejáveis como adaptação ao ambiente e a qualidade do grão para o consumo (Sartorato & Rava, 1994). Segundo Bianchini et al., apud Kimati (1997), atualmente estão disponíveis as cultivares IAPAR 14, IAPAR 16, IAPAR 31 e Diamante negro. A base genética empregada pela maioria dos

37 37 melhoristas são os genótipos GN Nebrasca 1 sel. 27 e PI , que apresentam resistência poligênica. Kobayast et al. (1999), em estudos conduzidos na UFLA, avaliaram alguns materiais os quais foram classificados como resistente, em campo, tais como: H 4-22, H 4-9, CI 164-2, CI257-1, IAPAR 14, CI 107-4, CI 140, CI 164-4, RELAV e CI 107-6, e como suscetíveis: CARIOCA, ANPAT 8.12, ANLAV 8.28 e OURO NEGRO. Em casa-devegetação, os que se destacaram como resistentes foram: LP 91-22, CI e CI 107-4, e como suscetíveis: CI 257, ANPAT 8.12, MILIONÁRIO, CARIOCA MG, CI 128, CI 164-3, CI e CARIOCA, H Os valores obtidos para a herdabilidade no sentido amplo para reação em folhas, no campo e casa-de-vegetação, foram, respectivamente, 61,7% e 74,4%, já para a reação de vagens, não houve diferenças significativas entre os materiais. Conforme Torres & Maringoni (2002), em estudos sobre a reação foliar das cultivares Aysó, Carioca 80, Catu, G. N. Nebraska 1 sel. 27, IAC Carioca, IAPAR 14, IAPAR 16, IAPAR 31, Jamapa, Moruna 80, Pijao, Rio Negro, Rio Tibagi e Rio Vermelho a esta bactéria, evidenciaram resistência foliar à Xap nas cultivares IAPAR 14, IAPAR 16 e G. N. Nebraska 1 sel Controle químico O controle químico deve ser usado como uma ferramenta que, somada a outras medidas de controle, como o uso de cultivares resistentes, impeça o desenvolvimento da doença sob condições favoráveis, uma vez que ele não é capaz de um completo controle (Gilberson & Maxwell, 1992). Conforme Velásquez & Trujillo (1984), tanto a contaminação externa como interna da semente é difícil de

38 38 erradicar, o que é confirmado por Reis et al. (2001) que afirmam que o tratamento de sementes para o controle de bactérias, em geral, apresenta maior dificuldade, embora existam recomendações de antibióticos como Auromicina e Terramicina. Os antibióticos podem erradicar a infestação por Xapf, mas sem sucesso na erradicação da infecção da sementes pelo patógeno (Sartorato & Rava, 1994). Bianchini et al., apud Kimati, (1997), desenvolveram pesquisas no Estado do Paraná e evidenciaram a ineficácia de três pulverizações dos produtos oxicloreto de cobre, sulfato de estreptomicina + oxitetraciclina, oxicloreto de cobre + maneb e oxicloreto de cobre + zineb no controle da doença nas folhas e vagens e na redução da transmissão da bactéria por semente. São recomendadas também pulverizações com óxido cúprico e a estreptomicina (Dickens & Oshima, 1969; Agarwal & Sinclair, 1996); porém, foi verificado a ineficiência no controle do CBCF pela utilização de produtos cúpricos (Maringoni, 1988). Portanto os hidróxidos de cobre e os fungicidas raramente evidenciam controle satisfatório sobre a doença quando as condições ambientais são favoráveis ao desenvolvimento e expansão do patógeno (Agrios, 1997) Controle biológico O controle biológico de doenças, substituindo os agroquímicos, é uma das formas de produção que buscam reduzir ao máximo a dependência de energias não-renováveis (insumos industriais). Questões referentes à contaminação do solo e da água e principalmente dos alimentos, preocupam uma parcela cada vez maior da população, o que favorece ainda a expansão de uma agricultura "limpa" (Meirelles, 2001).

39 39 Um biocontrolador aplicado em sementes pode eliminar ou impedir o desenvolvimento de patógenos transportados pelas sementes ou presentes no solo, tendo ação de antagonismo, hiperparasitismo e/ou competição contra o mesmo (Menten, 1996). O antagonismo pode ser pela produção de bacteriocinas, metabólitos ácidos ou tóxicos, todos incompatíveis com a vida do patógeno, bem como pela competição trófica de elementos essenciais ao desenvolvimento do patógeno tanto "in vitro" (Konde, 1984) como "in vivo" (Turhan, 1981). O controle poderá ser pelo estímulo do hospedeiro por microrganismos, não necessariamente antagônicos, mas por que ativam mecanismos de indução de resistência (Romeiro, 1995; Wei et al., 1991; Chen et al., 1996). Os procariotos podem provocar o aumento do crescimento e o desenvolvimento de plantas por induzirem o aumento de reguladores de crescimento vegetal. (El-Abyad et al., 1993). A possibilidade de serem endofíticos e produzirem metabólitos, promoverem o aumento da absorção de nutrientes (Saracchi et al., 1992) e, ainda, quando introduzidos previamente, a partir de seu estabelecimento, podem reduzir a microflora deletéria pela produção de compostos inibitórios (El-abyad et al., 1993). O uso de procaritotos no controle de bactérias fitopatogênicas vem sendo estudado e, embora os trabalhos existentes sejam em número infinitamente menor do que aqueles visando controle de fungos, os resultados são promissores. Konde (1984) constatou antibiose em relação a espécies de Xanthomonas, Pseudomonas e Rhizobium. Alguns fungos, bactérias e actinomicetos têm sido envolvido no controle de fitopatógenos. Têm-se descrito como potenciais agentes de biocontrole os seguintes fungos: Tricoderma sp., Gliocladium roseum, Gliocladium virens, Coniothyrium minitrans, Talaromyces flavus, Pythium oligandrum, Sporidesmium sclorotivorum, Peniophora gigantea,

40 40 Ampelomyces quisqualis, Penicillium spp.; e as bactérias biocontroladoras: Bacillus subtilis, Pseudomonas putida, P. fluorescens, Agrobacterium radiobacter e Streptomyces spp. (Melo & Azevedo, 1998). Beux & Denardin (2001), em estudo com o uso das bactérias Bacillus subtilis e Actinomcetos, in vitro e "in vivo" obtiveram resultados positivos no controle de Xapf Actinomicetos As bactérias de ordem Actinomicetales, são denominadas genericamente de actinomicetos. Apresentam células procariontes, sensibilidade às lisoenzimas e agentes antibacterianos, crescimento cúbico, formando grúmulos em meio de cultura líquido, filamentos finos semelhante às hifas fúngicas com diâmetro entre 0,5 a 2,0 µm, tipicamente ramificados e denominados micélios, e reprodução por fragmentação das hifas ou por produção de esporos assexuados em áreas especializadas do micélio. Em preparações jovens são gram (+). Constituem entre 10 a 50% da comunidade microbiana do solo. Atuam na decomposição da matéria orgânica, contribuem na estruturação do solo, através de ligações de suas hifas com partículas do solo, produzem antibióticos, cuja ação é evidenciada principalmente em meio de cultura, através das produção de halos de inibição, onde se forma uma zona livre de crescimento microbiano, em torno da colônia do actinomiceto que sintetiza o antibiótico. Os metabólitos dos actinomicetos são empregados na produção de diversas substâncias farmacológica e industrial, incluindo antibióticos, enzimas, inibidores enzimáticos e agentes imunomoduladores (Pereira, 2002).

41 41 Em estudo conduzido por Romeiro (1995), a partir do isolamento de trezentos e vinte e quatro isolados de actinomicetos do solo, observou "in vitro" a antibiose desse organismo contra Agrobacterium tumefaciens. Esse mesmo pesquisador, verificou que cinco dos isolados de actinomicetos, tiveram ação de biocontole "in vivo" de 81,5 a 91,3 % sobre A. tumefaciens. O potencial dos actinomicetos, através da antibiose à Ralstonia solanacearum foi verificado "in vitro ", e também "in vivo", através da microbiolização de sementes de tomate com actinomicetos, em condições de casa-de-vegetação e de campo Romeiro et al. (1998). Esse mesmo autor testou oito isolados previamente selecionados por Moura (1996), obtendo resultados positivos no biocontrole de R. solancearum em tomate e a indução de resistência da planta contra Pseudomonas syringae pv. tomato Controle por métodos físicos - termoterapia Métodos físicos podem ser empregados para erradicar bactéria em sementes como a termoterapia, através do uso de calor seco ou úmido; porém, esta técnica pode causar prejuízos como retardamento ou diminuição da germinação e do vigor. As sementes podem ser submetidas à pré-imersão em solução de polietilenoglicol a 30% para amenizar estes efeitos. Existem outras técnicas, tais como, energia solar, e as mais modernas, como micro-ondas e ultra som, sobre as mesmas (Menten, 1996). O uso da radiação, na maioria dos casos, apenas têm sido aplicado em caracter experimental, sem uma direta aplicação prática (Romeiro, 1995) Certificação de sementes

42 42 Segundo Velásquez & Trujillo (1984), em Michigan, Estados Unidos, o controle do CBCF baseia-se na certificação de sementes para manter lotes dessas livres de infecção. Para isso são seguidas metodologias de laboratório consideradas viáveis e eficientes para a detecção do patógeno, e a produção de sementes livres do patógeno é feita em regiões áridas, onde a doença não existe ou se apresenta em níveis baixos (Gilbertson & Maxwell, 1992). No Brasil a certificação de sementes baseia-se, nas inspeções sanitárias em nível de campo. Vieira et al. (1993), apud por Oliveira & Souza (1997), relatam que em Minas Gerais a tolerância de Xapf em campos de produção de sementes básicas é de 0,5% de plantas com sintomas do CBCF e de 1,0% para sementes certificadas. Em São Paulo e no Paraná, tal tolerância chega a 20% de plantas com sintomas da doença para a produção de sementes certificadas (Valarini et al., 1996) Detecção de Xapf em sementes A análise fitopatológica das sementes em laboratório é mais segura para determinar se as sementes estão transportando bactérias (Landaeta, 1968). Os teste de sanidade de semente constituem ferramenta no controle de bactérias, fornecendo informações para a expedição de certificados de sanidade sobre a necessidade de um tratamento para erradicar um patógeno específico, bem como a necessidade de quarentena. Além disso, devem ser reproduzíveis, econômicos, rápidos, específicos (Schaad et al., 2001) e de alta sensibilidade (Valarini & Menten, 1991; Rat, 1988). Muitas técnicas têm sido utilizadas para a detecção de bactérias em sementes na indicação da presença ou ausência do patógeno. Contudo, poucas são quantitativas ao nível de contaminação ou infecção

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110)

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) Resistência Genética a Doenças em Plantas Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) 1807 Prevost doenças: agente causal carvão do trigo - fungo Fins do séc. XIX Smith doenças - bactérias O que é DOENÇA?

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zoldan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Vânia Bianchin 3 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2 ) Universidade

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS 131 INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS Paulo Roberto Ribeiro Rocha (1), Trazilbo José de Paula Júnior (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG,

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Msc. Martha Maria Passador Novembro/2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF Doenças em eucalipto Doenças foliares Mancha de micosferela Mycosphaerella

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens,

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam.

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Heat Treatment on the Physiological and Sanitary Quality of Lolium multiflorum Lam. Seeds GIRARDI, Leonita

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA Saulo Alves Santos de Oliveira 1, Juan Paulo Xavier de Freitas 2, Fabiana Ferraz Aud

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

Nematóides. Número aproximado de solo) Biomassa (libras/acre) Animais. mais numerosos no solo. 100 mil 50 milhões. Auxiliam

Nematóides. Número aproximado de solo) Biomassa (libras/acre) Animais. mais numerosos no solo. 100 mil 50 milhões. Auxiliam Nematóides Animais mais numerosos no solo Auxiliam outros microrganismos na decomposição da matéria orgânica Número aproximado (porção de solo) 100 mil 50 milhões Biomassa (libras/acre) 50-100 Macro e

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Código 302 Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da

Leia mais

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Norimar D Ávila Denardin Carlos Alberto Forcelini XIX - CONGRESSO BRASILEIRO DE

Leia mais

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares;

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares; 6 CULTIVARES MUNDO - Elevado número de cultivares; -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra BRASIL - Mantidas coleções de linhagens e cultivares

Leia mais

Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses.

Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses. Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses. Jairo V. Vieira 1 ; Antonio C. de Ávila 1 ; Marcelo N. Pinto 2 ; Beatriz M. da Silva 2 ; Cristiane L. Borges

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA I. A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta.

PROVA DE BIOLOGIA I. A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta. 26 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 40 A charge refere-se a um problema que afeta cada vez mais pessoas em várias regiões do nosso planeta. Vai um baldinho aí? Fonte: conexaoambiental.zip.net/arch2007-11-01_2007-.

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis Apresentação O agronegócio brasileiro tem passado por profundas modificações, as quais aumentaram a competitividade de seus produtos e subprodutos na economia interna e externa. Neste contexto, a soja

Leia mais

4 Monitoramento ambiental

4 Monitoramento ambiental 4 Monitoramento ambiental O monitoramento ambiental é uma importante ferramenta para a administração dos recursos naturais. Este oferece conhecimento e informações básicas para avaliar a presença de contaminantes,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PATOGENICIDADE DE Colletotrichum gloeosporioides PENZ, AGENTE ETIOLÓGICO DA MANCHA-MANTEIGOSA, EM HIPOCÓTILOS DE CULTIVARES DE CAFEEIROS HEBE PEREZ DE CARVALHO 1, MATHEUS BORNELLI DE CASTRO 2 ; ANA PAULA

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome:

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome: PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA 13/06/2011 Nome: 1. Classifique as afirmações seguintes como verdadeira (V) ou falsa (F): a) A espermatogénese é um processo contínuo, com inicio

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG DENSIDADE DE SEMEADURA DE FEIJÃO-DE-PORCO Canavalia ensiformis. Mário Guilherme de Biagi Cava 1 ; Bruce James Santos 1 ; Vinícius André Pereira 1 ; Paulo César Timossi 2 1 Graduando do Curso de Agronomia,

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Comunicado78 Técnico ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Foto: Carlos A. Lopes Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira Ailton Reis 1 Importância A requeima é a doença mais

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. Equipe técnica: Dra Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, Pesquisadora Vanderlei

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento Elisangela Schardong 1 Elvis Calabresi 1 Paulo Zwick 1 Tais Colombo 1

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 05/04/2015 Prof. Associado,

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais