PESQUISA CENSITÁRIA PARA LEVANTAMENTO DE COLETORES E PRODUTORES DE SEMENTES PARA ARTESANATO NO VALE DO RIO ACRE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA CENSITÁRIA PARA LEVANTAMENTO DE COLETORES E PRODUTORES DE SEMENTES PARA ARTESANATO NO VALE DO RIO ACRE."

Transcrição

1 PESQUISA CENSITÁRIA PARA LEVANTAMENTO DE COLETORES E PRODUTORES DE SEMENTES PARA ARTESANATO NO VALE DO RIO ACRE. Consultoria Encomendada pelo SEBRAE/AC Rejane Elize Muxfeldt Engenheira Florestal - FUNTAC Ronei Sant Ana de Menezes Engenheiro Agrônomo. Msc Engenharia Florestal - PESACRE Rio Branco, AC Março, 2005.

2 SUMÁRIO 1.0.Introdução Abrangência e Objeto da pesquisa Área de Abrangência Objeto da pesquisa Plano de Ação Metodologia Resultados Alcançados Grupo de Coletores Caracterização do processo de coleta Grupo Beneficiador Caracterização do processo de beneficiamento Logística de comercialização das sementes beneficiadas Grupo Beneficiador/artesão Produção e comercialização do artesanato Grupos, associações e cooperativas dos municípios do vale do Acre que atuam no mercado de sementes áreas com potencial para fornecimento de sementes manejadas e licenciadas Abordagem do impacto ambiental Abordagem do licenciamento da atividade Análise do processo produtivo Conclusões Plano de ação Bibliografia Anexos 40

3 1. INTRODUÇÃO No Estado do Acre os produtos florestais não madeireiros passaram a ocupar uma posição de destaque no processo de conservação e desenvolvimento local. O governo e as organizações não governamentais têm procurado incentivar o manejo florestal comunitário, buscando mercados, viabilizando crédito e assistência técnica, além de melhorar a extensão rural para o setor florestal. Dentre os produtos que mais vêm crescendo ao longo dos últimos anos destaca-se o de sementes florestais de espécies nativas da região. Sua cadeia produtiva é dividida em três segmentos: Sementes para produção de mudas para reflorestamentos, sementes para óleos essenciais e sementes para confecção de artesanatos. O presente estudo aborda a caracterização deste último segmento. Tal análise busca compreender o processo produtivo desde a coleta e as múltiplas transformações da matéria-prima até a produção final do artesanato. Outro enfoque da pesquisa está voltado para as questões sociais que envolvem esta produção, destacando a quantidade de famílias envolvidas, organizações e processos de capacitação referentes ao tema. Por fim, levantou-se o grau de comprometimento com assuntos relacionados à legislação ambiental, já que o Estado do Acre passou por um longo processo de discussão e elaboração de portaria que regulamenta a exploração dos produtos florestais não madeireiros, buscando combater a biopirataria e garantir a sustentabilidade do ecossistema florestal.

4 2 2. ABRANGÊNCIA E OBJETO DA PESQUISA 2.1 Área de abrangência A área de abrangência do levantamento,compreendeu os municípios: Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia, Xapuri, Capixaba, Senador Guiomard, Porto Acre, Acrelândia, Plácido de Castro, Bujari, Sena Madureira e Rio Branco, localizados no Vale do Acre. 2.2 Objeto da pesquisa Levantamento investigativo visando estruturação de pesquisa de campo por censo, com finalidade de apresentar um conjunto de informações que venham a subsidiar o trabalho de coleta e comercialização de sementes, dentro da legalidade ambiental e diminuir os impactos ambientais, com vistas à obtenção de ganhos mensuráveis mediante a: 1- Pesquisa censitária destinada a coletores/produtores de sementes para o artesanato no Acre; 2- Pesquisa censitária destinada a distribuidores de sementes para artesanato; 3- Pesquisa de identificação e legislação de sementes.

5 3 2.3 Plano de ação Deverá conter sugestões para agregar valor ao produto, ajustar o processo produtivo e incrementar a produção, desenvolver e aperfeiçoar técnicas, apontar nichos de coleta e mercado, ajustar a coleta e a produção às leis vigentes, minimizar os impactos ambientais, elevar a capacidade competitiva, desenvolver logística de comercialização e promover a sustentabilidade desse mercado. 3. Metodologia O presente estudo foi dividido em duas etapas distintas, sendo a primeira coleta de informações através da aplicação direta de questionários e a segunda análise e interpretação dos resultados. As informações referentes aos que praticam exclusivamente a coleta das sementes na floresta foram obtidas através do contato direto e de informanteschaves formados por técnicos de organizações governamentais e não governamentais, além dos próprios artesãos. Foram realizadas 47 entrevistas formais, através de questionários e 20 entrevistas com informantes-chaves. Tal procedimento buscava obter a seguinte base de dados: Perfil do entrevistado; Caracterização da produção e comercialização do artesanato; Caracterização dos processos de colheita e beneficiamento das sementes utilizadas. Em Rio Branco a aplicação dos questionários se deu na Feira das Tribos realizada aos domingos na sede do SEBRAE/AC, Praça Plácido de Castro, em visita a lojas de artesanato e instituições governamentais e não-governamentais de apoio ao artesão, nas residências de artesãos e beneficiadores. Nos demais municípios efetuaram-se levantamento de informações junto às secretarias de Ação Social, Adjunto da Solidariedade e organizações não governamentais que atuam junto a comunidades de extrativistas. Tal

6 4 procedimento visou a identificação de grupos distintos de público a serem entrevistados. Em seguida partiu-se para a aplicação direta de questionários de modo que fosse levantada a seguinte base de dados: Perfil do entrevistado - Identificando dados de grau de escolaridade, nível de renda, envolvimento social; Caracterização dos processos de colheita Identificando método de coleta, legalidade da atividade, espécies coletadas, época, quantidade e onde coleta as sementes, manejo adotado, mão-de-obra envolvida, equipamentos utilizados, tipo de acesso ao local de coleta e linhas de crédito; Beneficiamento do produto Identificando espécies, processo de beneficiamento de produtos e sub-produtos, rendimento da matéria-prima e dificuldades encontradas, mão-de-obra envolvida no processo, quantidade de sementes, mercado consumidor interno e externo, preços praticados, nível tecnológico e de capacitação, origem da matéria-prima, faturamento mensal, dificuldades na comercialização e linhas de crédito; Caracterização da produção e comercialização do artesanato Tipos de artesanato confeccionados, espécies utilizadas, quantidades de peças comercializadas, mercado interno e externo, dificuldades e formas de comercialização (direto ao consumidor, feiras, intermediários), faturamento mensal, apoio de instituições públicas ou privadas, linhas de crédito, nível tecnológico e de capacitação, quantidade de mão-de-obra, gênero, participação em eventos locais e externos.

7 5 4. Resultados Alcançados Em análise preliminar detectaram-se quatro grupos distintos de públicos envolvidos na cadeia produtiva de sementes florestais nativas que atuam no segmento para o artesanato: 1. Coletores; 2. Beneficiadores; 3. Beneficiadores/Artesãos; 4. Artesãos. A tabela 1 apresenta a quantidade de atores envolvidos no segmento da cadeia produtiva de sementes. Apesar das dificuldades na distinção dos mesmos, exatamente porque alguns atuam mesmo que de modo incipiente em algumas das fases do processo, procurou-se enquadrá-los de acordo com as características de maior especialização. Tabela 1 Número de atores identificados na atuação da cadeia produtiva do artesanato com sementes Coletores 1 Beneficiador/artesão Beneficiador Artesão Total Famílias A figura 2 ilustra a participação relativa das categorias identificadas e resume as informações da tabela acima. No grupo de coletores convencionou-se denominá -los famílias em função da dificuldade de realizar o contato direto com a maioria dos mesmos. Grande parte das informações foi obtida a partir de terceiros e não há precisão da quantidade exata do número de membros envolvidos em cada família. Constata-se que os coletores representam a maior quantidade de atores envolvidos na cadeia produtiva, com 58% do total. O segundo maior grupo de atores (21%) pertence àqueles responsáveis pelo beneficiamento das sementes e confecção do artesanato, seguido pelos artesãos (18%) e dos meramente beneficiadores (3%).

8 6 21% Artesão Beneficiador/artesão 58% 3% 18% Beneficiador coletor Figura 2. Distribuição por categorias na cadeia produtiva do artesanato com sementes. 4.1 Grupo de Coletores Atores envolvidos quase exclusivamente com a coleta das sementes na floresta. Apresentam as seguintes características: Os locais de coleta identificados constaram de áreas particulares representadas por reservas legais de médias e grandes fazendas, florestas públicas, terras indígenas, e outras formas de vegetação representados pelas próprias residências, colônias de amigos e cultivos próprios. Ainda nesta categoria estão os coletores de sementes de açaí nas imediações do mercado municipal de Rio Branco, resultantes do processamento do vinho deste fruto Colonos Sendo predominantemente moradores ao longo das estradas BR Senador Guiomard 02 famílias. Em Sena Madureira, ao longo da BR 364 constatou-se a existência de 03 famílias e outras 04 no Bujari (mesma estrada);

9 7 Na estrada AC-10, mais precisamente na comunidade pertencente ao ramal do Vê, município de Porto Acre (Projeto de Assentamento Humaitá) foram identificadas 10 famílias que fazem a coleta. É importante ressaltar que uma grande parte dessas famílias habita as duas vilas que estão em formação nesta localidade. Ao longo da estrada Transacreana, km 58 encontrou-se 01 família de colonos, que vende as sementes para beneficiadores do bairro Floresta. Existem ainda duas comunidades que praticam a Doutrina do Santo Daime, localizadas nos municípios de Capixaba e Rio Branco (sentido Porto Acre). A primeira, conhecida como Alto Santo recebeu treinamento de técnicas de extração ministrado pela Universidade Federal do Acre, mas ainda não iniciou a coleta em escala comercial. Informações levantadas no local dão conta de que aproximadamente 15 famílias demonstraram interesse em explorar as sementes a partir de A segunda comunidade, denominada Colônia 5 Mil faz a coleta há dois anos. A atividade é praticada por 5 famílias. A pesquisa encontrou ainda famílias habitantes das proximidades de Rio Branco e Acrelândia. Este grupo de coletores é responsável por 45,6% do abastecimento do mercado (Figura 3). 31% 5% 9% 9% 46% Colonos Seringueiros Indígenas Ribeirinhos Hab. Zona Urb Figura 3. Participação dos principais atores na coleta de sementes florestais.

10 Seringueiros Os seringueiros envolvidos com a coleta pertencem às Associações das Reservas Extrativistas de Porto Dias e São Luis do Remanso, ambas recebendo incentivos através do Centro do Trabalhadores da Amazônia (CTA). Nestas duas comunidades as atividades de coleta são praticadas por 3 e 8 famílias respectivamente. Reserva Extrativista Chico Mendes, 2 famílias, Floresta Estadual do Antimary, 5 famílias e Floresta Nacional do Macauã, 2 famílias. Há de se ressaltar a Associação Nossa Senhora de Fátima, no km 75 da BR 364 sentido Brasiléia Assis Brasil. Esta última comunidade é a que possui o maior nível de capacitação e de tecnologia para a exploração das sementes. Atualmente 7 famílias estão envolvidas com a coleta, apesar de um total de 25 terem sido capacitadas pela Universidade Federal do Acre. Apesar do grande potencial existente em suas matas, os seringueiros contribuem com apenas 9% do mercado local Indígenas Os índios Apurinã são conhecidos como os principais responsáveis pelo fornecimento das sementes da espécie tucumã. A comunidade está localizada na fronteira do Acre com o Amazonas, BR-317, km 45, e recebem assessoria do Grupo Pesacre. Atualmente 20 famílias estão envolvidas com a exploração e distribuição do produto. Os indígenas representam 9%, e coletam nas próprias reservas Ribeirinhos Habitantes das margens do rio Acre, município de Porto Acre, Rio Branco, e rio Iaco, município de Sena Madureira. Representam 5% do abastecimento local.

11 Habitantes da Zona Urbana São em sua maioria famílias e grupos de coletores, que também fazem algum tipo de beneficiamento à matéria-prima ou mesmo confeccionam o artesanato propriamente dito. Verificou-se esta realidade junto a 03 famílias que moram no bairro Santa Maria, proximidades do canil municipal de Rio Branco, saída para o município de Senador Guiomard. Estas coletam sementes de tucumã das áreas indígenas Apurinã, na estrada de Boca do Acre, km 174, bem como de fazendas das proximidades de Rio Branco. A família que está a mais tempo na atividade (aproximadamente um ano) declarou ter coletado entre 250 e 400 kg de sementes durante os últimos 12 meses. Um grupo de 5 famílias residentes no bairro Floresta também procede a coleta de modo similar, com a diferença de que seus produtos finais possuem um maior grau de beneficiamento (polidos e tingidos). Trabalham principalmente com sementes de açaí, adquirindo-as no período de safra, secando-as e armazenando-as para o período de escassez. Ainda fazem parte destes atores os próprios artesãos, organizados em associações, cooperativas ou de forma individual residentes em Rio Branco, que por sua vez, efetuam coleta da própria matéria-prima em colônias de amigos ou parentes e nas proximidades do município. As Associações de Sena Madureira efetuam coleta na Flona Macauã e do Bujari ao longo do rio Antimary.

12 Caracterização do Processo de Coleta A maioria das sementes coletadas é oriunda de espécies de palmeiras (Tabela 2), através de catação manual no solo, próximo as plantas. Nesta fase, os frutos das espécies arbóreas estão prontos para serem trabalhados. Quanto ao patoá e o açaí, a extração é realizada através da escalada com o uso de peconha. As espécies arbóreas como jatobá, sibipiruna, olho-de-boi, mulungu e outras, são coletadas no solo ou diretamente na árvore. Apenas coletores da Associação Nossa Senhora de Fátima possuem equipamentos apropriados para escalada. O acesso ao local de coleta se dá em veículo próprio, de terceiros ou à pé. A mão-de-obra envolvida na colheita é predominantemente familiar ou, em menor escala, contratada. Neste caso o pagamento identificado foi na forma de diárias a R$ 15,00 (quinze reais). Os entrevistados afirmaram que as formas de manejo são: Deixar sementes nas árvores para manutenção da espécie e fauna local; Respeitar tempo de repouso entre as safras; Colheita de locais distantes e diferentes. Tais procedimentos são devidos aos conhecimentos empíricos, repassados por terceiros ou a partir de capacitação de organizações governamentais e não governamentais. Todavia, percebe-se que há necessidade de maiores informações inerentes a novas práticas de planos de manejo adequados a cada uma das espécies que possam servir de referência para a Portaria Interinstitucional 001/2004 IMAC/IBAMA, cuja finalidade é a regulamentação da exploração de produtos florestais não madeireiros.

13 11 Tabela 2 - Sementes utilizadas na confecção do artesanato por ordem de importância Ordem Nome popular Nome científico Família 1 Açaí Euterpe precatoria e Areacaea Euterpe oleraceae 2 Jarina Phytelephas macrocarpa Areacaea 3 Tucumã Astrocarium aculeatum Areacaea 4 Paxiubão Iriartea deltoidea Areacaea 5 Patoá Oenocarpus bataua Areacaea 6 Inajá Maxiliana regia Areacaea 7 Murmuru Astrocarium murmuru Areacaea 8 Paxiubinha Socratea exorrhiza Areacaea 9 Ouricuri Attalea phalerata Areacaea 10 Sibipiruna ou acácia vermelha Caesalpinia peltophoroides Leguminoseae 11 Mulungu Grande Ormosia coccinea Fagaceae 12 Mulungu pequeno E Parkia multijuga Leguminoseae 13 Faveira Schyzolobium amazonicum Leguminoseae 14 Flanboyant Flanboyant Leguminoseae 15 Olho de boto Mucuna rostrata Phaseoleae 16 Sororoca Heliconia metallica Heliconeaceae 17 Seringueira Hevea brasiliensis Euphorbiaceae 18 Jutaí Hymenaea Sp. Leguminoseae 19 Jatobá Hymenaea courbaril Leguminoseae 20 Lágrima de nossa senhora Coix lacrima-jobi L. Poaceae

14 12 Em se tratando de participação relativa das espécies acima, pode-se observar na figura 4 que a família das Areacaeae, representada pelo açaí (Euterpe sp), predomina entre todas as espécies. Em seguida aparecem as Leguminosea, principalmente sibipiruna (Caesalpinia peltophoroides) e mulungu (Ormosia coccinea) e em último lugar as Poaceae, com a lágrimas-de-nossa-senhora (Coix lacrima-jobi L), cultivada na região de Porto Acre pelas famílias do grupo Pé de Tucano e indígenas. 5% 5% 5% 5% 5% 45% 30% Arecaceae Leguminosae Fagaceae Phaseoleaea Poaceae Euphorbiaceae Heliconeaceae Figura 4. Participação das espécies utilizadas no artesanato. Observou-se ainda que apesar do alto percentual de utilização de jarina (Phytelephas macrocarpa), mulungu (Ormosia coccínea) e sororoca (Heliconia metallica) no artesanato, estas espécies se apresentaram como aquelas de mais difíceis obtenções Comercialização das Sementes in natura Considera-se in natura sementes antes do processo de beneficiamento, a maioria dos coletores comercializa as sementes tendo como referência a lata de 18 litros, onde o preço varia em função da espécie conforme tabela 3. O comércio

15 13 ainda é efetuado por quilo, saco de 50 e 60 quilos ou lata de 1litro. Os coletores trazem as sementes até o município de Rio Branco com uma freqüência mensal, de acordo com a safra das espécies, utilizando veículos próprios ou os ônibus que fazem as linhas intermunicipais. Ao chegarem fazem contato com os beneficiadores que adquirem as sementes. Tabela 3 Preços praticados pelos coletores de sementes in natura das espécies mais utilizadas no artesanato. Espécie UND Preço OBS (R$/kg) Açaí (touceira) Kg 0,50 3,00 Jarina Kg 0,80-2,00 25,00/lata 18L 1 Paxiuba Kg 0,80-2,00 20,00/lata 18 L Paxiubinha Kg 0,80-2,00 10,00/lata 18 L Inajá Kg 0,80-2,00 12,00/lata 18 L Tucumã (inteiro) Saco 50 kg 22,00 Tucumã (cortado) L 5,00 Mulungu grande Kg 5,00 Sibipiruna Kg 5,00 Jatobá Kg 5,00 (1) Nota: Cada lata de sementes pesa aproximadamente 12 Kg.

16 Grupo Beneficiador O beneficiamento das sementes é realizado com a utilização de equipamentos (anexo 2) que vão desde ferramentas manuais como esmeril, arcode-serra, brocas e materiais rústicos adaptados, movidos à eletricidade como polideiras, furadeiras e serra elétrica. A polideira é feita com motor esmeril de bancada (politriz) adaptado em uma mesa de madeira a uma lata redonda (lata manteiga de 5 kg) que se ajusta ao tamanho das lixas. As furadeiras são adaptações feitas com motores de máquina de lavar. As furadeiras industriais (microtec com chicote) são mais eficazes, porém de custo elevado para aquisição. Um dos grandes problemas é a falta de condições de segurança (acidentes com as mãos), barulho das máquinas e pó inalado no polimento. Nas visitas efetuadas às oficinas de beneficiamento não foi observada a utilização de equipamentos de segurança como óculos de proteção, luvas, máscaras ou protetores de ouvido (auriculares). A mão-de-obra envolvida no beneficiamento é a associativa, seguida pela familiar e pela contratada. Quando a mão-de-obra é associativa ou familiar os lucros são divididos em partes iguais. Para a contratada, a forma de pagamento mais indicada foi o pagamento por produção: os valores variam entre R$ 3,00/Kg (para as mais espécies de mais fácil manuseio) e R$ 5,00/Kg (para as mais difíceis de serem trabalhadas). Um beneficiador em oito horas diárias de trabalho processa até 4 kg de sementes das espécies açaí (Euterpe sp), paxiúba e paxiubinha (Socratea exorrhiza) - furo e polimento - para jarina até 9 kg/dia. Considerando-se a média de quatro quilos de sementes beneficiadas por dia, isto corresponde a uma estimativa salarial de (R$ 528,00) quinhentos e vinte e oito reais mensais em jornada de 44 horas semanais. As espécies citadas como mais difíceis de serem trabalhadas são a jarina, o paxiubão e o tucumã (Astrocarium aculeatum), por serem consideradas muito duras. O beneficiador compra preferencialmente dos índios Apurinã as sementes de tucumã cortadas em pedaços pequenos.

17 15 O tucumã é artesanalmente cortado em peças pequenas com a utilização de facão (terçado) e posteriormente furado, quando então recebe formatos variados através da lapidação. As famílias da comunidade São Luís do Remanso estão iniciando um processo de beneficiamento de sementes de jarina através da terceirização à Cooperativa Comuflor. Esta, por sua vez, vem realizando atividades de capacitação às famílias da comunidade citada e dos seringueiros do PAE Porto Dias, com o objetivo de adquirir posteriormente um produto de melhor qualidade para a confecção de seus artesanatos Caracterização do Processo de Beneficiamento O grupo beneficiador/distribuidor atua unicamente no beneficiamento de sementes, adquiridas pela própria coleta (33%) ou, mais significativamente, através da aquisição de terceiros (67%). Os distribuidores se concentram principalmente no município de Rio Branco nos bairros: Floresta, São Francisco, Jardim Vitória, Aviário, Tucumã, Sobral, Mocinha Magalhães e outros. Na capital foi identificada apenas uma cooperativa (Comuflor) possuindo oficina de beneficiamento. A grande maioria da matériaprima é beneficiada em oficinas familiares na própria residência (fundo de quintal), geralmente com poucos equipamentos (anexo 2). Dos atores que atuam nesta etapa da cadeia produtiva 76,67% não fizeram qualquer curso de capacitação. Em conversa informal relataram que aprenderam a trabalhar em outras oficinas de beneficiamento, e principalmente com os índios Apurinã. Os demais 23,33% fizeram algum tipo de capacitação, através de cursos oferecidos pelo SEBRAE/AC, governo estadual através da Secretaria da Mulher, Adjunto da Solidariedade e Centro de Trabalhadores da Amazônia CTA, além do Laboratório de Produtos Naturais da UFAC. Dos entrevistados 78% responderam que acha importante se capacitar e 22% respondeu que não. Vale ressaltar que ao longo da cadeia produtiva esta categoria (beneficiador/distribuidor) vem se tornando uma especialidade, apesar de ter sido

18 16 verificada apenas no município de Rio Branco. Nos demais municípios, as iniciativas das comunidades ou de grupos neste sentido, têm como finalidade colocar no mercado peças artesanais Logística de Comercialização das Sementes Beneficiadas As espécies como: açaí (Euterpe sp), tucumã (Astrocariun aculeatum), jarina (Phytelephas macrocarpa), paxiubinha (Socratea exorrhiza), paxiubão (Iriartea deltoidea), patauá (Oenocarpus bataua), inajá (Maxiliana regia) e murmuru (Astrocarium murmuru), proporcionam ao beneficiador trabalhar um grande número de variações em formas, tamanho e cores de peças. Das espécies beneficiadas, de acordo com a forma de acabamento que é efetuado (tintura, formas de polimento, perfuração) são oferecidos no mercado 87 tipos de produtos. As sementes beneficiadas são comercializadas por quilo ou milheiro (peças pequenas como canutilhos e continhas). Os beneficiadores distribuem no mercado interno junto aos artesãos locais que são abordados nos seus locais de exposição, Feira das Tribos realizada aos domingos pelo Sebrae. Vendem aos logistas ou em suas próprias residências. No mercado externo oferecem pela Internet ou contatos pré-estabelecidos via telefone (encomendas), alguns possuem pontos (pessoas de referência) em outros estados que realizam a distribuição. Dos beneficiadores abordados, 55,5% afirmaram enviar sementes beneficiadas para outros estados e 44,5% responderam que vendem apenas no mercado interno. No mercado externo as cidades mais citadas foram: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Manaus, Porto Velho e Cuiabá. No comércio exterior foram citados os Países: Itália, França, Bélgica, Estados Unidos e Polinésia. A forma mais comum de envio das sementes para outros centros é através de transporte aéreo (serviços de correios) e em segundo lugar através de transportadoras terrestres. Normalmente o produto é encomendado por artesãos e logistas do centro-sul e dos demais países acima citados.

19 17 O faturamento médio mensal declarado é de R$ 458,33 (quatrocentos e cinqüenta e oito reais) líquidos. Varia de acordo com a participação em eventos como feiras locais ou em outros estados. Dos entrevistados, 56% responderam que vendem apenas sementes beneficiadas e 44% afirmaram que vendem tanto sementes beneficiadas como in natura. Quanto à legalidade, 88% afirmaram ainda não ter procurado licenciar a atividade, conforme prevê a Portaria Interinstitucional IMAC/IBAMA 001/2004. Por outro lado, apenas 12% declararam que haviam procurado o Instituto de Meio Ambiente do Acre-IMAC, mas apenas por ocasião de um problema de apreensão pelo IBAMA dos produtos compostos de origem animal. Quanto ao acesso ás linhas de crédito, 78% responderam nunca ter utilizado qualquer uma das disponíveis pelos programas do governo, como FNO, PRONAF e PRODEX. Esta poderia ser uma excelente oportunidade de experimentar as mudanças estabelecidas principalmente na linha PRONAF Florestal, incluindo as famílias entre os beneficiários do Grupo B (microcrédito) que apresenta taxas de juros muito baixas e período de carência compatível com as condições das famílias envolvidas na cadeia produtiva das sementes. A principal dificuldade citada nesta etapa foi a contratação de mão-de-obra qualificada, principalmente furadores com prática. 4.3 Grupo Beneficiador/Artesão Este grupo atua em todas as etapas da cadeia produtiva. Coleta e/ou compra sementes (caso da Comuflor), efetua beneficiamento em sua oficina, confecciona peças e ainda disponibiliza peças e sementes beneficiadas ao mercado local e nacional. O grupo resume todo o processo de agregação de valor e verticalização do segmento de sementes para produção de artesanato. Normalmente possui ligação com os mercados regional, nacional e internacional. A pesquisa identificou que a maioria das pessoas envolvidas nesta fase (56,5%) pertence ao sexo feminino (Figura 5). O direcionamento das políticas deve considerar esta peculiaridade, principalmente no tocante ao crédito, já que

20 18 existe a linha Pronaf Mulher criada com o objetivo de subsidiar este tipo de atividade. 43,5% 56,5% Feminino Masculino Figura 5. Distribuição por gênero na atuação do artesanato com sementes Em se tratando do nível de escolaridade (figura 6) deve-se destacar a grande maioria (47%) que declarou possuir o curso colegial incompleto, seguido daqueles que disseram possuir o curso ginasial incompleto. O surpreendente é a quantidade de pessoas que afirmaram possuir o nível superior (completo ou incompleto). Esta constatação pode ser uma excelente oportunidade para um processo de capacitação tanto na produção como na comercialização do artesanato. 10% 5% 0% 7% 2% 14% Analfab Pri.inc Pri.Cpl Gin.Inc 47% 10% 5% Gin.Cpl Col.Inc Col.Cpl Sup.inc Sup.Cpl Figura 6. Nível de escolaridade dos envolvidas com o artesanato

21 19 Na figura 7 são apresentados períodos de tempo em que os entrevistados atuam no mercado. Percebe-se que 17% dos entrevistados atuam há menos de um ano, repetindo-se este mesmo percentual para aqueles com 1-2 anos. A pesquisa identificou ainda que 13% mantêm-se na atividade há 2-3 anos. Portanto, pode-se constatar que a parcela daqueles envolvidos recentemente com o artesanato é altamente significativa. Tal realidade pode estar associada à rápida expansão da atividade. Constatou-se ainda que 17% dos entrevistados possuem um tempo maior de experiência, desenvolvendo esta prática por um período compreendido entre 4 e 5 anos, e a maioria, ou seja, 36% está nesse mercado há mais de cinco anos. Parcela expressiva desenvolve a prática há 10 anos ou mais. 36% 17% Até 1 ano 1-2 anos 17% 2-3 anos 17% 13% 4-5 anos Mais de 5 anos Figura 7 - Tempo de atuação no mercado beneficiamento de sementes Quanto à distribuição das pessoas envolvidas por idade (figura 8), nota-se que se forem somadas as classes e 30-40, o total será de 54%. Porém, os produtores acima de 40 anos também participam de modo significativo no processo de beneficiamento e confecção de artesanato. Pessoas mais jovens aparecem em último lugar nesta escala de importância, abrindo-se uma lacuna no processo de geração de emprego e renda.

22 20 35% 9% 2% 27% 27% Figura 8. Distribuição por faixa etária na atuação do artesanato com sementes Nota-se que o grau de especialização é razoável. Cerca de 52% dos entrevistados fizeram algum tipo de capacitação na área de confecção de artesanato. No entanto, ainda é bastante expressiva a quantidade daqueles que não participaram de qualquer programa de treinamento (48%). Para complementar a informação, todos os entrevistados ressaltaram que é importante fazer cursos para se capacitar e melhorar a qualidade de seus produtos. O nível de capacitação é mais elevado entre aqueles que participaram de eventos para promover os seus produtos. Constatou-se que esta participação é bastante significativa, com 28% dos entrevistados tendo exposto as suas peças de artesanato em eventos promovidos em outros estados.

23 21 não 48% sim 52% sim não Figura 9. Nível de capacitação dos entrevistados Produção e Comercialização do Artesanato A maioria dos artesãos utiliza sementes para a confecção de artefatos e adornos pessoais (bijuterias) - colares, pulseiras, anéis e brincos. Quando tais peças recebem acabamentos com minerais como ouro e prata vêm sendo ultimamente denominadas jóias da floresta ou biojóias. São confeccionados ainda outros objetos como cintos e bolsas. Os objetos de decoração são pouco representativos, quando comparados aos adornos pessoais. Normalmente são cortinas, lustres, porta-retratos, topiarias, imãs para geladeira, porta-incensos, porta-chaves e outros. Além dos itens citados anteriormente, foram detectadas algumas variações, como as iniciativas de artesãos que utilizam especificamente sementes de jarina para fabricação de biojóias, ou aqueles que confeccionam quadros com a utilização de cascas, folhas, fibras vegetais e sementes. Verificou-se ainda a iniciativa de utilização de sementes para produção de terços. No entanto, nas áreas de exposições visitadas, geralmente não se observou a ocorrência de uma diversificação significativa na forma e design dos objetos. A figura 10 resume os principais fatores listados e reconhecidos como entraves ou problemas na confecção do artesanato. O principal deles é a falta de

24 22 acabamento, com 21,86% das respostas dos entrevistado. A falta de mão-de-obra qualificada apareceu em segundo lugar (18,9%), reforçando a necessidade de capacitação em toda a cadeia produtiva de sementes, e a carência de produtos adequados (13,5%) para o processo de beneficiamento, crucial na elaboração do produto final. O desperdício com a matéria-prima e com a capacidade de conservação das sementes (ambos com 8,1%), sobretudo para aquelas de mais difícil obtenção, também apareceram com alta expressividade. Falta de mat acab 6% 5% 5% 8% 13% 8% 14% 22% 19% Falta MDO Uso equip inadeq Desperd Mat. Prima Conserv sem Prod Inconstante Proc Sec sementes Nenhum Outros Figura 10. Entraves na confecção do artesanato. Dos entrevistados, 56% vendem apenas no mercado local e 44% já enviaram ou enviam mercadorias para outros municípios e/ou estados e países. Todos afirmaram que vendem diretamente ao consumidor, sendo que ainda 28% possuem intermediários na comercialização. Utilizam-se das feiras livres (74%), inclusive a Casa do Artesão, em Rio Branco, lojas de artesanato locais (12%) e lojas de outros municípios (8%). Todas as formas de transporte da mercadoria para outros municípios e estados, foram citadas, como os correios, transportadoras aéreas, transportadoras terrestres e outras formas menos expressivas (levam quando viajam, parentes, amigos, etc). As exportações das peças são direcionadas para aqueles mesmos estados e países citados para o grupo de beneficiadores/distribuidores.

25 Renda Obtida com o Artesanato A renda bruta mensal declarada pelos entrevistados, obtida com a comercialização do artesanato é de R$ 506,00 reais (quinhentos e seis reais). Considerando-se a média de produtos comercializados por mês e os preços praticados, efetuou-se uma estimativa de renda bruta máxima mensal obtida com o comércio de sementes conforme demonstra a figura 11. Observa-se que, apesar de pouco representativo (apenas 6%) dos entrevistados chegam a alcançar uma renda de R$ 5 mil em determinados meses do ano. Seguidos daqueles que afirmaram receber R$ 3,5 mil. A grande maioria, mais de 50%, afirmou atingir uma renda entre R$ 2 mil e R$ 3,5 mil. A renda mínima mensal observada foi de R$ 500, Renda mensal Níveis de renda ,6 5,9 35,3 23,5 11,8 5,9 Percentual de artesãos Figura 11. Renda obtida com o artesanato.

26 Grupos, Associações e Cooperativas dos Municípios no Vale do Acre que atuam no mercado de sementes Rio Branco Apresenta a maior concentração de artesãos (Tabela 4), e entidades que atuam neste mercado. Contatou-se a presença de 11 organizações produzindo diversas formas de artesanato. Rio Branco também possui a característica de reter a maior população regional e estar mais ligada com os mercados regional e internacional. Além disso, a capital favorece maiores condições de acesso à informação, vias de acesso e de comunicação. Senador Guiomard Grupo Mulheres do Quinari Grupo informal composto por 04 de mulheres, que incentivadas por curso realizado através do Adjunto da Solidariedade e Secretaria de ação social do município, passaram a confeccionar bijuterias nas suas próprias casas. Atuam apenas na montagem, as sementes são adquiridas nas lojas em Rio Branco, o comércio é feito diretamente ao consumidor no mercado local. ECOAMAZON 01 Grupo Formal composto por 04 mulheres e 01 homem. Atuam na coleta e beneficiamento de sementes e na montagem de peças. Comercializam a produção no mercado local e externo com o nome de Jóias da Floresta.

27 25 Capixaba Associação do Assentamento Extrativista São Luis do Remanso 8 famílias, atuam na coleta de sementes, beneficiamento e na produção de artesanato. Focados principalmente em objetos com jarina, estão em fase inicial com o apoio do CTA/Fundação o Boticário e Brasilconnects. Vendem sementes in natura. O objetivo é atingir o mercado externo, mas também têm colocado no mercado interno, com a participação em feiras e venda de sementes in natura. Sena Madureira 1. Grupo Jóias do Yaco. Grupo formal composto por 04 mulheres e 01 homem. Atuam na coleta e beneficiamento de sementes e na montagem de peças. Comercializam a produção no mercado local e externo com o nome de Jóias do Yaco. Estão se especializando em biojóias, peças produzidas com jarina, ouro e prata.

28 26 Tabela 4. Grupos/Associações/Cooperativas no artesanato com sementes na área de abrangência da pesquisa. N. Organização Formas de Atuação Município 1 Associação Novo Horizonte Coleta/beneficiamento/montagem Bujari Rio Antimariy 2 Grupo Cipó Coleta/beneficiamento/montagem Bujari 3 Associação Nossa senhora de Fátima Coleta de sementes Brasiléia Ass.de Mulheres Trabalhadoras de Brasiléia e Epitaciolândia Coleta/beneficiamento/montagem Brasiléia /Epitaciolândia 4 5 Associação São Luis do Remanso Coleta/beneficiamento/montagem Capixaba 6 Associação de mulheres e homens de Porto Acre Coleta/beneficiamento/montagem Porto Acre 7 Associação Boa Esperança Coleta/beneficiamento/montagem RESEX Chico Mendes 8 Associação Chico Mendes Coleta/beneficiamento/montagem RESEX Chico Mendes 9 Associação dos artesãos do montanhês Montagem de peças Rio Branco 10 Grupo " Biojóia do Acre" Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 11 Grupo " Arte nas mãos" Montagem de peças Rio Branco 12 Rede Acreana de Jovens em Ação REAJA Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 13 Grupo Mãos de mulheres da Amazônia Montagem de peças Rio Branco 14 Grupo Sementes Vivas Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 15 Grupo Semente Nativa Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 16 Grupo "Aconchego da Arte" Beneficiamento/montagem Rio Branco 17 Grupo Jarina Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 18 Grupo Renascer a Esperança Montagem de peças Rio Branco 19 Associação Jóias do Yaco Coleta/beneficiamento/montagem Sena Madureira 20 Grupo "Jóias da Floresta" Coleta/beneficiamento/montagem Senador Guiomard 21 Grupo de mulheres do Quinari Montagem de peças Senador Guiomard 22 Cooperativa de Mulheres da Floresta - Comuflor Coleta/beneficiamento/montagem Rio Branco 23 Grupo Indígena Apurinã Coleta/beneficiamento/montagem Boca do Acre 24 Grupo Pé de Tucano Coleta/beneficiamento/montagem Boca do Acre

29 27 Bujari 1. Associação Novo Horizonte Rio Antimary, grupo de mulheres foram capacitadas, possuem equipamentos. Apoio da CPT. Produção em baixa escala, comercializam somente em feiras. Brasiléia/Epitaciolândia 1. Associação de Mulheres Trabalhadoras de Epitaciolândia e Brasiléia- AMTREB. Produzem artesanato com sementes em pequena escala e comercializam o produto em feiras, apoio Comissão Pastoral da Terra CPT. 2. Associação Nossa Senhora de Fátima (CAPEB) Venda de sementes in natura Xapuri Reserva Extrativista Chico Mendes 1. Associação Wilson Pinheiro 04 mulheres 2. Associação Filipinas 11 pessoas 3. Associação Chico Mendes - 12 pessoas Com o apoio do Laboratório de Produtos Naturais da Universidade Federal do Acre, foram capacitados em todo processo produtivo do artesanato com sementes. Estão efetuando estudo de viabilidade econômica da atividade, nas localidades.

30 28 Porto Acre Associação de Mulheres e Homens de Porto Acre. Possui grupo de 08 mulheres que produzem artesanato com cascas, sementes, palha e outros. Vendem informalmente no mercado local e quando na participação de Feiras em outros municípios. Também atuam os grupos Apurinã e Pé de Tucano. Acrelândia Associação do Assentamento Extrativista Porto Dias - Atuam na coleta de sementes. As atividades de beneficiamento e produção de artesanato estão em fase inicial com o apoio do CTA/Fundação o Boticário e Brasilconnets. Vendem sementes in natura. 5. Áreas com potencial para fornecimento de sementes manejadas e licenciadas O Centro de Trabalhadores da Amazônia CTA tem apoiado as comunidades das Reservas Extrativistas Porto Dias e São Luis do Remanso, no desenvolvimento do manejo de uso múltiplo. Dentre as atividades desenvolvidas estão a coleta de sementes e a produção de artesanato de jarina. Estas áreas estão em processo de licenciamento nos órgãos ambientais competentes. A Universidade Federal do Acre, através de seu laboratório de produtos naturais tem trabalhado junto a três associações dentro da reserva Chico Mendes, no sentido de que as mesmas desenvolvam a coleta, o beneficiamento e a produção de artefatos com sementes. Estas áreas também serão licenciadas dentro das normas do manejo para produção de sementes. A Funtac dentro do plano de manejo de uso múltiplo da Floresta Estadual do Antimary tem como objetivo apoiar e regularizar as áreas de coleta de sementes, junto a famílias que já desenvolvem esta atividade.

31 29 Outras áreas de reserva legal que vêm sendo citadas como experiências de manejo de recursos madeireiros também apresentam excelente potencial de extração sustentável de sementes florestais. A EMBRAPA desenvolve atividades de pesquisa junto às famílias da associação APRUMA, cujos membros, num total de 20 famílias estão distribuídos em dois ramais do PAD Peixoto, município de Acrelândia, localizado a 100 km de Rio Branco. Para efetivar os planos de manejo, cumprindo as exigências do Código Florestal Brasileiro, áreas privadas devem averbar 80% de suas reservas florestais. Neste caso o denominado manejo comunitário pode diversificar a produção florestal com a exploração das sementes, aumentando a renda das famílias. Esta situação pode se repetir no projeto de assentamento extrativista Chico Mendes, localizado em Epitaciolândia a 180 km de Rio Branco. Todas as comunidades citadas já possuem uma longa caminhada de atividades de organização comunitária voltada para a comercialização de produtos florestais. Em algumas delas, como as comunidades do PAE Chico Mendes, APRUMA e Porto Dias já possuem certificação florestal expedido pelo IMAFLORA.

32 30 6. Abordagem do Impacto Ambiental As espécies que estão sofrendo maior pressão de exploração são as Arecáceas, constituídas por um grupo de nove espécies conforme demonstra a tabela 2. As mesmas representam 80% na preferência para a confecção do artesanato. Estas geralmente possuem polpa comestível apreciada pela fauna, e a exploração excessiva de sementes em algumas áreas, poderá ocasionar concorrência e impacto sobre algumas espécies animais. É necessário que se realize um monitoramento adequado do impacto desta atividade, buscando obter informações da auto-ecologia de cada uma, bem como os aspectos fisiológicos como tempo de maturação dos cachos, tempo entre produções. Nesta perspectiva, existem duas experiências replicáveis: O plano de manejo de produtos florestais não madeireiros da comunidade Apurinã e; o Monitoramento de fauna sendo executado pela comunidade do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do Seringal São Salvador, ambos realizados pelo Grupo Pesacre. A Secretaria de Extrativismo e Produção Familiar Seprof está coordenando a elaboração de manuais de boas práticas. Onde estão reunidas informações técnicas que irão subsidiar o manejo dos principais produtos florestais não-madeireiros extrativos do Acre. Dentre eles: o murmuru, o açaí, as sementes de espécies arbóreas e outros. Para assegurar esses recursos o manejo destas espécies deverá ser implementado nos próximos anos. Na identificação de coletores, observou-se que as áreas de maior pressão de coleta, localizam-se na fronteira dos Estados do Acre e Amazonas, municípios de Porto Acre e Boca do Acre (Amazonas).

33 31 7. Abordagem do Licenciamento da Atividade Referente á coleta No Acre, em função da diversidade de produtos de origem florestal não madeireiros, os órgãos ambientais criaram legislação específica para licenciar as atividades. O licenciamento da exploração de produtos de origem florestal sem a supressão de indivíduos deverá atender á Portaria Interinstitucional n.001 de 12/08/04 IMAC/IBAMA (anexo I). Todos os organismos ou pessoas físicas que trabalham com a exploração de produtos florestais devem efetuar cadastro junto ao Instituto de Meio Ambiente e terão o prazo de três anos a contar da data de publicação da Portaria pra efetivar a regularização da atividade. No plano nacional, o Decreto Nº 4.339, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 institui princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade. Detalha a utilização sustentável dos componentes da biodiversidade, reunindo diretrizes para a utilização sustentável da biodiversidade e da biotecnologia, incluindo o fortalecimento da gestão pública, o estabelecimento de mecanismos e instrumentos econômicos, e o apoio a práticas e negócios sustentáveis que garantam a manutenção da biodiversidade e da funcionalidade dos ecossistemas, considerando não apenas o valor econômico, mas também os valores sociais e culturais da biodiversidade; Referente à comercialização Para o transporte de produtos florestais no território nacional e internacional deve ser emitida pelo IBAMA a ATPF (autorização de transporte de produtos florestais). O documento é emitido mediante a aprovação dos Planos de manejo das espécies. Nenhum dos entrevistados na pesquisa afirmou cumprir estas normas, abrindo uma grande lacuna de orientação e capacitação das comunidades que extraem e comercializam as sementes florestais.

34 32 As exigências relativas á exportação de produtos com sementes ou mesmo sementes beneficiadas está vinculada as exigências de cada País. Alguns países exigem laudos técnicos que comprovem a ausência de fungos e outros parasitas nas sementes. Há aqueles que afirmam a necessidade de regulamentação da comercialização do produto no tocante à forma em que as sementes são vendidas para o mercado nacional e internacional. Segundo eles, é uma temeridade o não estabelecimento de mecanismos que evitem a possibilidade de exportação de produtos beneficiados ou na forma de artesanato, cujas sementes possam germinar no futuro, o que se caracterizaria como biopirataria. 8. Análise do Processo Produtivo Observa-se que o artesanato com sementes é uma atividade em expansão, com várias iniciativas através da formação de grupos, associações e cooperativas tanto na confecção do artesanato como principalmente no processo de beneficiamento de sementes. Entretanto, a maioria dos artesãos ainda produz de forma individual e vende diretamente ao consumidor na própria residência e nas feiras promovidas no estado. Os artesãos que estabeleceram canais de comercialização no mercado externo, no Brasil e em outros países, possuem renda significativamente maior do que a dos artesãos que comercializam somente no mercado local. Porém, mesmo no mercado local a renda obtida através do artesanato com sementes tem sido a principal fonte da maioria dos entrevistados. O abastecimento do mercado com sementes tem se dado de forma aleatória. Constatou-se que a maioria das espécies fornecidas aos beneficiadores ou artesãos não tem origem conhecida. São procurados por índios ou colonos e compram diretamente dos mesmos, por preços que variam entre R$ 2,00/kg e R$ 25,00/lata 18l. O valor agregado pós-beneficiamento é considerável, principalmente para espécies como o açaí (espécie mais utilizada), adquirida gratuitamente nas fábricas de produção de polpas ou vinho (despolpadeiras). A jarina é adquirida em latas de 18 litros, o que equivale a 12 quilos de sementes ao

35 33 preço médio de R$ 25,00 reais a lata. Sendo comercializada ao preço de R$ 25,00/kg de sementes polidas e furadas ou até R$ 0,50 centavos a unidade. Apenas em períodos fora da safra, os beneficiadores recorrem ao açaí de plantio (touceira). Entretanto, informam que o mesmo vem de colônias e é adquirido ao preço de R$ 5,00 (cinco reais) o quilo. Assim, não é possível dimensionar com exatidão o nível de impacto ocasionado pela coleta, ou se os mesmos possuem conhecimento sobre as técnicas de coleta das espécies. O beneficiamento das sementes é realizado de forma artesanal, a maioria produz em oficinas no fundo dos quintais. O processo produtivo artesanal reflete na qualidade dos produtos. Apesar da maioria dos beneficiadores entrevistados acreditar fazer um produto de boa qualidade, os principais problemas relativos á qualidade apontados pelos consumidores foram: o mal posicionamento dos furos, sementes com marcas da lixa (mal polidas), o mofo que se desenvolve em algumas espécies, aparecimento de larvas e gorgulhos (coleópteros). A forma de secagem das sementes é realizada a pleno sol, sobre lonas e telhas, o processo de tintura e polimento ainda é rudimentar como demonstram as fotografias (anexo 2). No processo produtivo, as fragilidades encontram-se principalmente no início da cadeia, com o desconhecimento das técnicas de manejo e colheita das espécies e pelo pouco valor agregado ao produto. Logo após, estão as dificuldades no beneficiamento relacionadas a tecnologias adequadas para conferir qualidade ao produto e otimizar a produção. Na linha de produção, observa-se a necessidade de diversificar e investir em design e na comercialização encontrar nichos de mercado fora do Estado.

36 34 9. Conclusões A cadeia produtiva do segmento sementes para artesanato é complexa, pois grande parte de seus atores participa ao mesmo tempo de diversos elos. As atividades são pouco profissionalizadas na coleta de matéria-prima, carecendo de uma forte intervenção das entidades governamentais e não governamentais para orientação em legislação ambiental; Um número significativo de famílias extrativistas necessita de um processo de capacitação visando pelo menos a comercialização das sementes beneficiadas, agregando valor e melhorando a qualidade do produto final; As linhas de crédito disponíveis, apesar de extremamente subsidiadas, ainda não foram acessadas pelos atores envolvidos com a cadeia produtiva de artesanato com sementes; Apesar de viverem em áreas de alta biodiversidade e concentração de espécies altamente procuradas para a confecção de artesanato, a coleta de sementes ainda é pouco praticada pelas populações extrativistas (seringueiros, índios e ribeirinhos). Há uma significativa carência de equipamentos específicos na linha de beneficiamento das sementes e produção de peças de artesanato; Oferta restrita de recursos humanos qualificados (mão-de-obra pouco qualificada), principalmente no início da cadeia produtiva; O processo de organização dos grupos já vem sendo implementado, ainda que de modo incipiente, na coleta, e forte no beneficiamento das sementes; As legislações federal e estadual carecem de maiores especificidades pertinentes ao processo de coleta, beneficiamento e comercialização das sementes de artesanato, no mercado regional, nacional e internacional;

37 Plano de Ação Agregar Valor ao Produto A Cooperativa Comuflor vem implementando diversos mecanismos para tornar as peças de artesanato com maior qualidade e, por conseguinte, acessar mercados consumidores dispostos a pagar preços melhores. Importa óleos e resinas naturais para dar o acabamento final aos produtos, treina freqüentemente seus cooperados e busca manter-se informada dos padrões de consumo local e regional. Além disso, vem mantendo parceria com as comunidades da Reserva São Luís do Remanso para melhor a qualidade no beneficiamento de sementes de jarina. Estas iniciativas podem perfeitamente ser replicadas pelas intituições governamentais e não governamentais. Capacitação - Foram sugeridas 05 alternativas de cursos de capacitação na área, para o entrevistado escolher se gostaria de participar e obteve-se os seguintes resultados: a. Coleta e manejo de sementes - com 8,3% de preferência; b. Design de bijuterias com sementes com 33,7% de preferência; c. Design de objetos para decoração com sementes com 23% de preferência; e. Processos de beneficiamento com 17% de preferência; f. Técnicas de conservação de sementes com 18% de preferência; A preferência pelos cursos b e c indica uma necessidade em especialização ou diversificação de técnicas e produtos pelos artesãos. Ainda como sugestão de agregar valor ao produto deve-se procurar estabelecer um processo efetivo de certificação como alternativa de diferenciar o produto no mercado. Está sendo finalizada a atividade de certificação comunitária (ACS). Tal condição poderá aumentar o interesse de potenciais compradores. Ajustar a coleta às leis vigentes Ver plano de manejo dos Apurinã do quilômetro 45 da estrada de Boca do Acre, AM. Incentivadas e organizadas pelo Grupo

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Adriana Maria Imperador Lúcia Helena de Oliveira Wadt Silvio Crestana

Adriana Maria Imperador Lúcia Helena de Oliveira Wadt Silvio Crestana Percepções da Associação dos Moradores e Agroextrativistas do Remanso em Capixaba, Acre, a respeito da Certificação Florestal Comunitária de Produtos Florestais Não-madeireiros Adriana Maria Imperador

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

DIAGNÓSTICO ARTESANATO

DIAGNÓSTICO ARTESANATO DIAGNÓSTICO ARTESANATO INTRODUÇÃO SEBRAE/SC e FUNDAÇÃO CULTURAL DE Estimular a reflexão sobre o segmento de artesanato em para que este ganhe o mesmo reconhecimento de outras áreas pelas quais a cidade

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA.

ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA. ANÁLISE DOS DADOS - SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SEMA. Responsável pela Analise: Karina Beatriz Pereira Lopes Nildenes Lages Tabulação: Vinicius Queiroz da Silva.

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ - TERMO DE REFERÊNCIA - CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ 1. ANTECEDENTES O Estado do Amapá possui uma área de 143.453 km², o que representa aproximadamente 2% do território

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATTURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROJETO FLORESTA EM PÉ TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 TÍTULO DO SERVIÇO A SER PRESTADO: Assessoria de natureza financeira

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Título: Coordenador do Projeto CMRV - Acre Local: Rio Branco, Acre 2. Introdução: TERMOS DE REFERÊNCIA Um sistema de monitoramento, relatoria e verificação (MRV) é um componente essencial para o desenvolvimento

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip CASTANHA-DO DO-BRASIL Junho/2006 Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip A castanha-do-brasil é originária exclusivamente da floresta amazônica e se caracteriza pelo extrativismo de coleta.

Leia mais

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense Autora: Aline Viana de Souza O presente trabalho, através da pesquisa realizada com os catadores, tanto de rua como do aterro controlado do município de Campos

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida!

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Mercado Mata Atlântica Reserva da Biosfera da Mata Atlântica O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Apresentação O Programa "Mercado Mata

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO)

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SEDR - DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO APOIO A GRUPOS VULNERÁVEIS SESAN COORDENAÇÃO GERAL DE CARTEIRA DE PROJETOS FOME ZERO

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil)

Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil) Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil) Consulta restrita I. CONTEXTO O Projeto de «Promoção do manejo sustentável das florestas do Estado do Amazonas com enfoque

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 Compradores "Mais compradores devem frequentar os centros de compras no pólo de confecções do Agreste em 2014" Os compradores dos Centros de Compras do Polo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA ENTRAVES E GARGALOS DA PRODUÇÃO DE INSUMOS E PRODUTOS ACABADOS DO SEGMENTO DE

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Relatório referente a Capacitação dos Portais da Madeira. Manejada e Portal do Extrativismo Realizada nos. Municípios da Calha do Rio Madeira.

Relatório referente a Capacitação dos Portais da Madeira. Manejada e Portal do Extrativismo Realizada nos. Municípios da Calha do Rio Madeira. Relatório referente a Capacitação dos Portais da Madeira Manejada e Portal do Extrativismo Realizada nos Municípios da Calha do Rio Madeira. POR: KARINA FERREIRA LIMA ENGENHEIRA FLORESTAL GERENTE DE DIFUSÃO

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais