PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia"

Transcrição

1 PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação das ações corretivas e preventivas aplicáveis. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as áreas/processos da BAHIAGÁS. 3. DEFINIÇÕES 3.1. Anomalia: Toda e qualquer situação e/ou ocorrência anormal. Neste contexto, a definição de anomalia engloba: Não Conformidade: Não atendimento a um requisito especificado pelo cliente, pela legislação aplicável e/ou pelo próprio Sistema de Gestão Integrada; Incidente: Todo e qualquer evento não planejado no qual um dano ou lesão ocorreu ou poderia ter ocorrido a Força de Trabalho, comunidade, meio ambiente e/ou patrimônio. Um incidente no qual não ocorre lesão, doença ou fatalidade pode também ser denominado um "quase-acidente"; Nota: um Incidente pode ou não estar combinado a um Dano ao Patrimônio (Dano Material) Acidente: Todo e qualquer evento não planejado que resultou em dano ou lesão a Força de Trabalho, comunidade, ao meio ambiente e/ou patrimônio. Todo acidente é um incidente que resultou em dano ou lesão Acidente de Trabalho: Aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço da empresa, provocando lesão corporal, perturbação funcional ou doença que cause a morte, a perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. O acidente de trabalho pode ser: a) Acidente com Afastamento: É aquele que impede o acidentado de voltar ao trabalho no dia seguinte da sua ocorrência. O acidente com afastamento também pode ser chamado de acidente com dias perdidos. O acidente com afastamento pode ou não tornar-se Acidente com Óbito ou incapacidade parcial ou total, temporária ou permanente. b) Acidente sem Afastamento: É aquele em que o acidentado continua no pleno exercício de suas funções no dia do acidente ou

2 PÁG. 2/12 retorna normalmente para o trabalho no próximo expediente. O acidente sem afastamento pode demandar a restrição da execução de alguma (s) atividade (s) específica (s), exigindo que o acidentado mude de posto de trabalho ou perfil de tarefas temporariamente enquanto se recupera. A restrição de atividade é determinada pelo médico que prestou atendimento ao acidentado Acidente Típico: Acidente decorrente dos riscos inerentes à atividade desempenhada pelo acidentado Acidente de Trajeto: Acidente ocorrido no trajeto da residência ou do local de refeição para o trabalho ou deste para aqueles, independentemente do meio de locomoção, sem alteração ou interrupção por motivo pessoal, do percurso habitualmente realizado pelo colaborador Doença Ocupacional ou do Trabalho: Doença decorrente do exercício continuado ou intermitente de atividade laborativa capaz de provocar lesão por ação mediata Doença Profissional: Doença do trabalho causada pelo exercício de atividade específica, constante de relação oficial Lesão ocupacional: É um dano físico ao corpo, causado por um acidente na área doe trabalho ou decorrente dos fatores ergonômicos da atividade Desvio: Toda e qualquer situação potencial que poderia converter-se em não conformidades, incidentes ou acidentes caso não fossem resolvidos a partir de ação preventiva Ação Imediata (correção/mitigação): Ação tomada sobre o efeito de uma não conformidade, acidente ou incidente Ação Corretiva: Ação tomada sobre a causa (s) geradora (s) de uma não conformidade, acidente ou incidente de modo a não permitir a sua reincidência Ação Preventiva: Ação tomada sobre a causa (s) geradora (s) de um desvio de modo a não permitir a ocorrência de uma não conformidade, incidente ou acidente Força de Trabalho: Constituída pelos colaboradores da BAHIAGÁS, incluindo os empregados e terceiros CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho: Formulário padronizado pelo INSS - Instituto Nacional de Seguro Social para o registro de acidentes do trabalho;

3 PÁG. 3/ CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes: Comissão constituída por representantes indicados pelo empregador e membros eleitos pelos trabalhadores, com a finalidade de prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho de modo a compatibilizar o exercício das atividades laborais com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador Emergência: É toda ocorrência anormal que possa resultar em danos às pessoas, ao meio ambiente, aos equipamentos e/ou ao patrimônio, exigindo para a eliminação de suas causas e o controle de seus efeitos a interrupção imediata das rotinas de trabalho e a adoção de procedimentos especiais Primeiros Socorros: São os atendimentos prestados ao acidentado ou doente, antes da chegada do atendimento médico especializado. 4. EQUIPAMENTOS/SOFTWARE/SISTEMAS Sistema SoftExpert. 5. DESCRIÇÃO 5.1. Identificação e Registro de Anomalias As anomalias podem ser identificadas e registradas por qualquer colaborador que constate situação ou evento indesejável que resulte ou possa resultar em danos ou falhas, que afetem as pessoas, o meio ambiente, os clientes, a imagem, os produtos e/ou os processos da Companhia. A identificação e registro das anomalias possibilita o seu efetivo tratamento além de contribuir para a melhoria contínua dos processos da BAHIAGÁS. O registro e tratamento das anomalias identificadas é feito através do Módulo Problema do sistema SoftExpert, conforme orientações do Anexo I deste procedimento Incidentes/Acidentes de SST Todos os incidentes/acidentes de SST devem ser comunicados imediatamente e registrados através do Sistema SoftExpert, pelo próprio acidentado (quando possível) ou por qualquer pessoa que presencie ou tome conhecimento da sua ocorrência. O Gestor da área/processo onde o incidente/acidente de SST ocorreu é responsável por assegurar a pronta comunicação e o registro em até 24h da sua ocorrência em virtude dos prazos legalmente estabelecidos. Para as anomalias tipo incidente/acidente de SST envolvendo terceiros, cabe ao Fiscal do Contrato correspondente:

4 PÁG. 4/12 Exigir da empresa contratada a comunicação e registro da ocorrência em formulário padrão da BAHIAGÁS (FO ); Comunicar e registrar a ocorrência no Sistema SoftExpert, com base nas informações constantes nos formulários; Monitorar, quando aplicável, a emissão da CAT pela empresa contratada e solicitar cópia da mesma para anexar ao registro correspondente no Softexpert (cópia digital) e à pasta do respectivo contrato (cópia física); Garantir que toda documentação relativa às anomalias tipo incidentes/acidentes de SST envolvendo empresas contratadas esteja disponível na pasta do respectivo contrato, com o objetivo de atender a legislação em vigor e responder as eventuais solicitações de fiscalizações e/ou auditorias; Todos os acidentes de SST caracterizados como emergência médica devem, além do seu registro e comunicação através do Módulo Problema do sistema SoftExpert, ser respondidos conforme determina o Plano de Resposta a Emergências Médicas. Notas: 1. A Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT dos empregados da BAHIAGÁS é de responsabilidade da Gerência de Recursos Humanos, que é notificada automaticamente sobre a necessidade da mesma, através de mensagem emitida pelo Sistema Softexpert. Também compete a Gerência de Recursos Humanos manter os colaboradores informados de quaisquer mudanças de ordem trabalhista e previdenciária relacionadas a acidentes e doenças do trabalho (profissionais e ocupacionais); Sempre que, durante a emissão da Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT, houver dúvida quanto a Classificação Internacional de Doenças - CID, a Gerência de Recursos humanos deve consultar e confirmar o código a ser informado com a Médica do Trabalho Tipos de Anomalia Não Conformidade Consiste no não atendimento a um requisito especificado para o produto/serviço, pela legislação aplicável e/ou pelo próprio Sistema de Gestão Integrada. As não conformidades podem ser: Produto/Serviço Não Conforme O produto/serviço não conforme pode ocorrer no processo de Distribuição do Gás Natural quando do monitoramento e/ou medição dos requisitos estabelecidos para este serviço. Nestes casos, cabe à Gerência de Operação e Manutenção o tratamento do produto/serviço não conforme através de ação imediata, incluindo reclassificação, concessão e/ou reverificação, conforme apropriado. A Gerência de Operação e Manutenção é responsável por definir quando deve ser

5 PÁG. 5/12 registrada uma não conformidade desta natureza no Sistema SoftExpert, em função da frequência e/ou complexidade do produto/serviço não conforme frente aos requisitos estabelecidos; Processo A não conformidade de processo pode ocorrer em qualquer área/processo desenvolvido pela BAHIAGÁS e está relacionada com o não atendimento a requisitos do próprio Sistema de Gestão Integrada. Exemplo: Não cumprimento das determinações dos procedimentos e instruções de trabalho do SGI; Auditoria A não conformidade de auditoria é toda aquela detectada e registrada durante um processo de auditoria do Sistema de Gestão Integrada; Reclamação de Cliente A não conformidade proveniente de reclamação de cliente é detectada a partir dos canais de comunicação disponibilizados ao cliente e tratada através de ação imediata pelos processos de Comercialização de Gás Natural e/ou Ouvidoria. Cabe a estes, a definição sobre quando deve ser registrada uma não conformidade desta natureza no Sistema Softexpert em função da frequência e/ou complexidade da reclamação frente ao atendimento dos requisitos do cliente; Fornecedor A não conformidade de fornecedor está relacionada com o não atendimento aos requisitos estabelecidos para os produtos/serviços críticos conforme o PG Procedimento de Seleção e Avaliação de Fornecedores Críticos para o SGI, detectadas durante a inspeção de recebimento (para materiais críticos) ou durante a fiscalização/medição (para serviços críticos); Requisito Legal A não conformidade por requisito legal relaciona-se com o não atendimento a um requisito legal e/ou outro requisito de meio ambiente, saúde e segurança do trabalho aplicável à BAHIAGÁS Incidente/Acidente de SST Corresponde aos eventos que poderiam ter causado (incidente de SST) ou causaram um acidente de trabalho (acidentes de SST).

6 PÁG. 6/ Incidente/Acidente Ambiental Corresponde aos eventos que poderiam ter causado impacto ambiental adverso e/ou danos à saúde da comunidade (incidente ambiental) ou que o causaram (acidente ambiental) Desvio Corresponde aos eventos que poderiam converter-se em não conformidades, incidentes ou acidentes caso não fossem resolvidos a partir de ação preventiva. Os desvios que podem provocar não conformidades estão relacionados com: Observações e oportunidades de melhoria identificadas durante auditorias que devem, obrigatoriamente, ser registradas através do Sistema Softexpert no momento da sua identificação; Análises de dados coletados a partir do monitoramento e medição dos processos. Nestes casos, cabe a cada uma das áreas onde ocorrem desvios desta natureza, a definição do momento adequado para o seu registro no sistema Softexpert em função da sua frequência e complexidade frente ao requisito do Sistema de Gestão Integrada que pode deixar de ser atendido; Os desvios que podem provocar incidentes/acidentes ambientais e/ou de SST podem ser identificados e tratados diretamente no Sistema SoftExpert ou a partir das Auditorias Comportamentais - Programa Auditgás conforme determina o Procedimento de Auditorias de Saúde Segurança e Meio Ambiente. Nestes casos, cabe à Gerência de Saúde, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente a definição do momento adequado para registro do desvio no sistema Softexpert em função da sua frequência e dos potenciais danos associados Tratamento de Anomalia As anomalias identificadas e registradas através do Módulo Problema do Sistema Softexpert são tratadas a partir das seguintes etapas: Proposição e execução de ação imediata (correção/mitigação); Análise de causa; Proposição de plano de ação corretiva/preventiva e Verificação da eficácia.

7 PÁG. 7/12 Para as anomalias tipo Desvio é dada a possibilidade de tratamento somente a partir da proposição e execução de ação imediata, sempre que o Comitê de Gerenciamento (GPLAN/GESEM) aprove o referido tratamento Proposição e execução de ação imediata (correção/mitigação) A etapa de proposição e execução de ação imediata (correção/mitigação) é de responsabilidade da área/processo onde a anomalia ocorreu e deve ser obrigatoriamente descrita no campo correspondente do Formulário de Registro de Anomalia dentro do Módulo Problema do sistema SoftExpert Aprovação da Anomalia Todas as anomalias identificadas e registradas no sistema Softexpert são verificadas e aprovadas pelo Comitê de Gerenciamento. Esta aprovação é condicionante para a realização da análise de causa. As anomalias somente são reprovadas quando os dados registrados não a caracterizam como situação e/ou ocorrência anormal. Nestes casos, o sistema encerra o registro como improcedente. Quando as informações prestadas no registro da anomalia forem insuficientes e/ou incorretas, o Comitê de Gerenciamento pode ainda retorná-lo para correção por parte do usuário que a registrou. Nesta etapa, também cabe ao Comitê de Gerenciamento a complementação do registro da anomalia a partir do preenchimento dos campos abaixo relacionados: Detalhamento da Forma de Identificação da Anomalia: Escolha de uma ou mais formas de identificação constantes nas listas de valores disponíveis no sistema Softexpert; Determinação do Sistema de gestão afetado: Escolha de um ou mais sistemas de gestão constantes na lista de valores disponível no sistema Softexpert; Referência Documental: Escolha do tipo de documento que contém o requisito que não foi atendido; Tratamento: Determinar se a anomalia é Inicial (não existe registro anterior) ou Reincidente (anomalia já foi registrada anteriormente); Determinação sobre se houve danos ao patrimônio: Sempre que ficar caracterizado um prejuízo ao patrimônio da Companhia, causando dano e perda de material às instalações (equipamentos fixos e móveis, veículos da frota própria), edificações, materiais/insumos, perda de produção e etc.; Determinação se houve comprometimento da segurança do processo;

8 PÁG. 8/12 Determinação da necessidade de comunicação ao COFIC conforme localização geográfica da ocorrência; Determinação da necessidade de comunicação ao órgão ambiental conforme estabelecido na legislação em vigor; Gravidade: Determinar a gravidade da anomalia o Maior: Quando a anomalia está relacionada com falhas sistêmicas do Sistema de Gestão Integrada. Exemplos: um requisito inteiro da norma não é atendido; se trata de anomalia relacionada com entrega de produto não conforme ao cliente; a anomalia coloca em risco a vida de pessoas ou tem alto potencial de causar ou causa impacto ambiental. o Menor: Quando a anomalia está relacionada com falhas pontuais. Normalmente se apresentam pela ausência de registros específicos. Determinação da Classe da Anomalia: Conforme critérios estabelecidos no Anexo II deste procedimento (Tabela de Classificação da Anomalia). A classe da anomalia está associada ao tempo máximo para realização da análise de causas e proposição do plano de ação corretiva/preventiva, que deve ser observado e cumprido por todos. PRAZO PARA ANÁLISE DE CAUSA/ CLASSE PROPOSIÇÃO PLANO DE AÇÃO 0 10 dias 1 7 dias C 2 5 dias o 3 3 dias m 4 2 dias Nota: Cabe ao Comitê de Gerenciamento monitorar, através do Sistema SoftExpert, o cumprimento dos prazos estabelecidos para Análise de Causa e proposição do Plano de Ação Análise de causa A etapa de análise, ou ainda investigação, de causa consiste na coleta e análise de dados com o objetivo de identificar a (s) causa (s) gerador (as) da anomalia. São dados passiveis de análise durante um processo de investigação de causa: Verificação das Condições Ambientais; Depoimentos/Entrevistas do acidentado, ou testemunha, ou qualquer pessoa que presenciou ou tomou conhecimento da anomalia, quando aplicável; Histórico; Evidências: Registros de Ocorrências, Relatórios de monitoramento, Habilitação/ Capacitação do Empregado, cópia da Permissão de Trabalho

9 PÁG. 9/12 referente à data do acidente contemplando o local envolvido (quando aplicável); Registro Fotográfico; Simulações, quando aplicável. Para realização da investigação de causa, também operacionalizada dentro do Módulo Problema do Sistema SoftExpert, são disponibilizadas algumas ferramentas, tais como: teoria dos cinco porquês, árvore de causas (Ishikawa) e árvore de falhas. A responsabilidade pela realização da investigação de causa é do gestor da área/processo onde a anomalia ocorreu, cabendo a ele a disponibilização dos recursos materiais e humanos necessários aos processos. A determinação e convocação da equipe que participará do processo de investigação de causa deve ser feita pelo gestor da área/processo onde a anomalia ocorreu, sendo que, para investigação de causas de anomalias tipo incidentes/acidentes de SST, devem, obrigatoriamente, compor a equipe de investigação: Gestor da área/processo envolvido ou representante por ele designado; Representante da GESEM; Representante da CIPA BAHIAGÁS; Representante da área de segurança da contratada (quando aplicável); Representante da CIPA da contratada (quando aplicável); Responsável pela equipe em que o acidentado trabalhava. O Comitê de Gerenciamento (GPLAN/GESEM) providencia junto à gerência de Recursos Humanos treinamentos específicos nas ferramentas de investigação de causas disponibilizadas pelo sistema SoftExpert, com o objetivo de qualificar os responsáveis pela condução dos processos de investigação. Ainda assim, o gestor da área/processo onde a anomalia ocorreu pode solicitar a participação de membro do Comitê de Gerenciamento durante a realização da investigação para auxiliar na utilização da ferramenta escolhida. Uma vez concluída a investigação de causa, a mesma é submetida, via sistema SoftExpert, à aprovação do Comitê de Gerenciamento (GPLAN/GESEM). O objetivo desta aprovação consiste em avaliar se as causas raízes foram detectadas. Caso a investigação de causa não seja aprovada, o sistema retornará automaticamente uma pendência para o gestor da área/processo onde a anomalia ocorreu para que mesma seja realizada novamente Proposição de plano de ação corretiva/preventiva A etapa de proposição de plano de ação é resultado do processo de investigação de causa e têm por objetivo o efetivo bloqueio da (s) causa (s), a partir da: Execução das ações corretivas definidas, a fim de evitar que as anomalias reais voltem a ocorrer, ou;

10 PÁG. 10/12 Execução das ações preventivas definidas, a fim de evitar que as anomalias potenciais se transformem em reais. Nota: No sistema Softexpert, a definição de ações corretivas está associada à causa raiz e a definição de ações preventivas está associada à causa potencial. A responsabilidade pela determinação dos planos de ação, incluindo o estabelecimento das ações corretivas e/ou preventivas, dos responsáveis e dos prazos para execução é da equipe que participou do processo de investigação de causas. Entretanto, cabe ao gestor da área/processo onde a anomalia ocorreu: Realizar uma análise da adequação das ações propostas frente à anomalia identificada levando em consideração a magnitude da mesma em relação ao não atendimento dos requisitos do cliente, aos impactos ambientais e riscos de SST associados a sua ocorrência; Avaliar a abrangência das ações propostas em relação às atividades similares; Determinar a necessidade de realização de avaliação de riscos antes da execução das ações corretivas e/ou preventivas propostas, em função da identificação de perigos de SST e/ou aspectos ambientais novos ou modificados; Avaliar se a execução das ações propostas implica em revisão das matrizes de identificação e avaliação dos aspectos e impactos ambientais e perigos e riscos de SST, conforme determinado nos procedimentos PG Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais e PG Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST; Registrar as ações, os responsáveis e os prazos para execução no Módulo Problema do Sistema SoftExpert; Aprovar o Planejamento do Plano de Ação e informar sobre a sua Execução no Módulo Plano de Ação do Sistema SoftExpert. O monitoramento da execução das ações é feito pelo Comitê de Gerenciamento (GPLAN/GESEM) que, para tal, gera relatórios e utiliza a ferramenta de envio de s, disponível no sistema Softexpert, conforme aplicável Verificação da eficácia O Comitê de Gerenciamento realiza, com base no monitoramento da execução das ações, a verificação da eficácia das ações corretivas e/ou preventivas. Esta verificação pode incluir a avaliação da documentação e/ou acompanhamento da execução de determinado processo/atividade. Recomendase que a verificação da eficácia seja feita, no mínimo, 15 dias após a data de execução da última ação prevista no plano. Para as anomalias tipo não conformidade de auditoria, cuja forma de identificação foi através de auditoria interna, a verificação de eficácia poderá ser

11 PÁG. 11/12 feita em parceria com o auditor interno que identificou e registrou a respectiva anomalia. A partir desta verificação, o Comitê de Gerenciamento determina: O encerramento dos registros correspondentes no sistema Softexpert, sempre que as ações corretivas e/ou preventivas são consideradas eficazes; A necessidade de definição de novas ações, responsáveis e prazos de execução, caso a eficácia não possa ser comprovada. O Comitê de Gerenciamento é responsável por compilar todas as informações relativas aos resultados das anomalias identificadas e registradas; à apuração e quantificação das perdas associadas aos acidentes e ao status das ações corretivas e preventivas propostas, para reuniões de analise crítica do Sistema de Gestão Integrada. A apuração da estimativa de perdas associadas aos acidentes é feita através do cálculo do valor monetário causado pelos acidentes, envolvendo as despesas com o acidentado e os prejuízos causados em decorrência de danos ao patrimônio ou ao meio ambiente, conforme FO Divulgação dos Incidentes/Acidentes 6. REFERÊNCIAS Cabe à Gerência de Segurança, Saúde e Meio Ambiente realizar Comunicação dos incidentes/acidentes de SST e/ou Ambientais ao Órgão Ambiental e ao COFIC conforme apropriado; Envio das estatísticas dos incidentes/acidentes ao COFIC conforme apropriado; Divulgação mensal de relatórios com estatísticas associadas aos incidentes/acidentes para todos os colaboradores da BAHIAGÁS, CIPA (durante as reuniões) e Acionistas; Divulgação, através dos canais de comunicação interna, de resumo do registro de todos os acidentes de SST ocorridos na BAHIAGÁS, para os colaboradores, incluindo Gestores e Diretores da BAHIAGÁS. Para os acidentes de SST caracterizados com gravidade maior, esta divulgação deve ser feita em até 24 horas da sua ocorrência. Lei Federal nº /77. NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. NR 5 - Comissão Interna de prevenção de Acidentes - CIPA. NR 7 - Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional - PCMSO. NR 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

12 PÁG. 12/12 NR 18 - Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT. NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho. NS 05 - Análise e Estatística de Acidentes e Incidentes - COFIC. O 7. ANEXOS ANEXO I - Orientações para registro de anomalias no Sistema Softexpert. ANEXO II - Tabela de classificação da Anomalia.

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE Página 1 Anexo II.2 PROJETO BÁSICO: SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE 1. CONCEITUAÇÃO O Sistema de Controle da Qualidade do Serviço Público de

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Disciplina: Segurança do Trabalho Alunos: Douglas Jeronymo Serra João Longo Profᵃ. Elizabeth Cox História da CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Relatório de Incidentes

Relatório de Incidentes Relatório de Incidentes Um documento ativo para alavancar mudanças e novas iniciativas no processo de melhoria contínua. Luiz Rodrigues Kisch Engenheiro de Segurança do Trabalho CPFL Energia luizrodrigues@cpfl.com.br

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0 SST - PPP 11.8.x abril de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 4 3 Introdução... 5 4 PPP... 6 4.1 Principais botões do sistema...

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Processo de Não Conformidade, Produto Não Conforme e Melhorias

Processo de Não Conformidade, Produto Não Conforme e Melhorias Dono do Processo Bruno Silva Mendonça Substituto: Marilusa L B Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção 1 OBJETIVOS Estabelecer o mecanismo de identificação

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

ACT 2013 Capítulo VII: SMS

ACT 2013 Capítulo VII: SMS ACT 2013 Capítulo VII: SMS Avanços em relação ao ACT 2011: Destaques 25 e 26/09/2013 1 Exames Periódicos (ACT 2011 Cláusula 107ª) Garantir o direito a todos os Empregados, após a conclusão dos exames ocupacionais,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS 1 de 8 1 OBJETIVOS Definir uma metodologia para planejamento e realização das Auditorias Internas que visam medir grau de implementação e operacionalidade do Sistema de Gestão da Qualidade SGQ, e se o

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Núcleo de Segurança da Informação Código: NO06 Revisão: 0.0 Vigência:

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO Regulamenta as atividades de correição e inspeção no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 MESA REDONDA REQUISITOS LEGAIS 2013: Lei 13577 Áreas Contaminadas / Decreto 59.263 Decreto nº 59.263/2013,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais