MERCOSUL/GMC/RES N 70/98 - Estandar MERCOSUL de Terminologia de Sementes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCOSUL/GMC/RES N 70/98 - Estandar MERCOSUL de Terminologia de Sementes"

Transcrição

1 MERCOSUL/GMC/RES N 70/98 - Estandar MERCOSUL de Terminologia de Sementes TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão N 6/96 do Conselho do Mercado Comum, e a Recomendação N 20/98 do SGT N 8 "Agricultura". CONSIDERANDO: Que para aos fins de facilitar o comércio de sementes entre os Estados Parte do MERCOSUL, é necessário estabelecer um Estandar MERCOSUL de Terminologias de Sementes. O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: Art. 1 - Aprovar o "Estandar MERCOSUL de Terminologias de Sementes", em suas versões em espanhol e português, que consta no Anexo e faz parte da presente Resolução. Art. 2 - Os Estados Parte colocarão em vigência as disposições legislativas, regulamentares e administrativas necessárias para dar cumprimento a presente Resolução através dos seguintes organismos: ARGENTINA: Secretaria de Agricultura, Ganadería, Pesca y Alimentación - SAGPyA Instituto Nacional de Semillas - INASE Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria - SENASA BRASIL: Ministério da Agricultura e do Abastecimento - MA Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA Secretaria de Desenvolvimento Rural - SDR PARAGUAI: Ministerio de Agricultura y Ganadería - MAG Dirección de Defensa Vegetal - DDV Dirección de Semillas - DS URUGUAI: Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca - MGAP Dirección General de Servicios Agrícolas - DGSA Instituto Nacional de Semillas - INASE Art. 3 - Os Estados Partes do MERCOSUL deverão incorporar a presente Resolução a seus ordenamentos jurídicos internos até 12 de março de ANEXO

2 ESTANDAR MERCOSUL DE TERMINOLOGIA DE SEMENTES INTRODUÇÃO 1) ÂMBITO Este standard de terminologia de sementes se aplica no âmbito do Mercosul nas suas etapas de obtenção, produção, certificação e comercialização de sementes. 2) REFERÊNCIA International Seed Testing Association - ISTA Lei de Proteção de Cultivares N 9.456/97. Decreto N 2.366/97 (BRASIL) Lei de Sementes n 6507/77. Decreto Lei /78 - Brasil COSAVE (Atas) Lei de Sementes e Criações Fitogenéticas n de Argentina. Decreto Regulamentar n 2183/91 de 21 de outubro de Argentina. União Internacional para a Proteção de Obtenções Vegetais (UPOV) Ata 1978, Ata Convenção de Diversidade Biológica Lei de Sementes e Proteção de Cultivares. 385/94 - Paraguai Lei de Sementes N Uruguai 3) DESCRIÇÃO O presente standard harmoniza os termos utilizados na obtenção, produção, certificação, proteção, comercialização e qualidade de sementes entre os países de Mercosul. 4) DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS ALOGAMIA: Fenômeno que tem efeito quando o pólem, procedente de outra flor, chega ao estigma. AMOSTRA: Porção representativa de um lote de sementes, obtida por um método prescrito, suficientemente homogênea e corretamente identificada. ANÁLISES DE RISCO DE PRAGAS: Processo de avaliação de trabalhos biológicos, científicos e econômicos para determinar se uma praga deverá ser regulamentada e a intensidade de quaisquer medidas fitossanitárias que tem de adotar-se para combatê-la. ANÁLISES DE SEMENTES: Conjunto de técnicas utilizadas em laboratório para determinar a qualidade de uma amostra de sementes. ÁREA: Um país, parte de um país, ou parte de vários países definidos, oficialmente. ARMAZENAMENTO: Processo de conservação de sementes em condições adequadas que não modifiquem suas características e/ou qualidades. ASPECTOS FÍSICOS: Conjunto de atributos físicos que afetam diretamente a produtividade dos cultivos.

3 ASPECTOS FISIOLÓGICOS: Conjunto de atributos fisiológicos que afetam diretamente a produtividade dos cultivos. ATRIBUTOS: Características e condições de um produto que somados definem a qualidade do mesmo. AUDITORIA: Verificação e controle das entidades e pessoas credenciadas para a execução de determinadas normas e tarefas. AUTOGAMIA: Fenômeno que consiste na polinização de uma flor por meio de seu próprio pólen. BENEFICIAMENTO: Toda operação que através de meios físicos, químicos ou mecânicos, conduzem ao melhoramento da qualidade de um lote de sementes. BIOTECNOLOGIA: Toda aplicação tecnológica que utiliza sistemas biológicos e organismos vivos ou seus derivados, para a criação ou modificação de produtos ou processos para usos específicos. BLOCO/LOTE/CAMPO DE PRODUÇÃO: Conjunto de plantas originadas por multiplicação de Material Inicial e mantidas em condições fitossanitárias e de isolamento tais que permitam garantir as condições fitossanitárias e a identidade genética. BULBOS E TUBÉRCULOS: Órgãos vegetais subterrâneos latentes, destinados ao plantio. CATEGORIA: Classificação dentro de uma classe de semente tendo em vista a origem a qualidade e o número de gerações, quando corresponda. CLASSE: Agrupamento de categorias de sementes dentro de um sistema de produção propriamente definido. CERTIFICAÇÃO: Processo técnico de supervisão e verificação, realizado pela entidade certificadora, destinado a certificar a conformidade com os estandares estabelecidos. CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA: Uso de procedimentos fitossanitários que conduzem à emissão de um certificado fitossanitário. CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO: Certificado confeccionado segundo os modelos da CIPF - Convenção Internacional de Proteção fitossanitária. CLONE: Conjunto de indivíduos procedentes de outro, originado por algum dos procedimentos de multiplicação assexual ou agâmica sem redução cromossômica. COMERCIANTE: Pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, que exerce o comércio de sementes. CONDIÇÃO FITOSSANITÁRIA: Nível em que as pragas regulamentadas se apresentam em um indivíduo ou conjunto de indivíduos ou condições sob as quais foram produzidas..

4 CREDENCIAMENTO: É o reconhecimento de que uma entidade ou pessoa, mediante um processo de qualificação, encontra-se apta para cumprir com determinadas normas e tarefas, desde que devidamente autorizada, orientada e auditada. CRIAÇÃO FITOGENÉTICA: Toda variedade/cultivar, qualquer que seja sua natureza genética, obtida por criação, descobrimento e aplicação de conhecimento científico de melhoramento de plantas. CULTIVAR/VARIEDADE: Conjunto de plantas cultivadas que se distinguem claramente por alguns caracteres morfológicos, fisiológicos ou citológicos de outras e que, quando se reproduzem sexual ou assexuadamente, mantém seus caracteres distintos. CULTIVAR/VARIEDADE ESSENCIALMENTE DERIVADA: Considera-se que uma cultivar/variedade é essencialmente derivada de outra cultivar/variedade denominada posteriormente cultivar/variedade inicial se, deriva-se principalmente de uma cultivar/variedade inicial e conserva ao mesmo tempo as expressões dos caracteres essenciais que resultam dos genótipos ou da combinação de genótipos da cultivar/variedade inicial; se distingue claramente da cultivar/variedade inicial a não ser pelo que representa as diferenças resultantes da derivação, concorda com a cultivar/variedade inicial na expressão dos caracteres essenciais resultantes do genótipo ou da combinação de seus genótipos. DESCOBRIMENTO: Entende-se por tal a aplicação do intelecto humano a toda atividade que tenha por finalidade dar a conhecer características ou propriedades da nova cultivar/variedade ou de uma essencialmente derivada, contanto que esta cumpra com os requerimentos de novidade, distinguibilidade, homogeneidade e estabilidade. DIFERENCIABILIDADE OU DISTINGUIBILIDADE: Condição pela qual uma cultivar/variedade pode distinguir-se claramente por meio de uma ou mais características, de qualquer outra, e que seja viável de ser descrita e reconhecida com precisão. DIREITOS DO OBTENTOR/CRIADOR: Faculdade concedida ao obtentor/criador sobre seu material protegido de limitar/condicionar seu uso à autorização prévia. ENTIDADE CERTIFICADORA: Responsável de conduzir um processo de certificação. ESPÉCIE: Unidade sistemática das classificações por categorias taxonômicas. Hierarquia compreendida entre o gênero ou subgênero e a variedade/cultivar ou subespécie. ESTABILIDADE: Condição de uma cultivar/variedade manter estáveis seus caracteres essenciais hereditários mais relevantes, conforme a sua definição, após reproduções ou multiplicações sucessivas ou, quando o obtentor tenha definido um ciclo particular de reproduções ou multiplicações, ao final de cada ciclo. ESTANDAR: Documento estabelecido por consenso e aprovado por uma organização reconhecida, que estabelece para uso comum e repetido, regras, procedimentos ou características para as atividades ou seus resultados, com o propósito de alcançar um grau ótimo de ordem no contexto. GÊNERO: Unidade sistemática das classificações por categorias taxonômicas. Hierarquia compreendida entre família ou subfamília e uma espécie ou subgênero.

5 HÍBRIDO: Resultado de um ou mais cruzamentos realizados em condições controladas entre progenitores de constituição genética distinta e estável e de pureza varietal definida. HOMOGENEIDADE: Condição de uma cultivar/variedade de ser suficientemente uniforme em seus caracteres essenciais, levando em conta as variações previsíveis, segundo sua forma de multiplicação ou propagação. IDENTIDADE GENÉTICA: Conjunto de caracteres genotípicos e fenotípicos de uma cultivar/variedade, que a diferenciam de outras. INSPEÇÃO: Exame para determinar o cumprimento do estabelecido em um estandar. ISOLAMENTO: Separação mínima em tempo, espaço e/ou física, que deve existir entre os blocos/lotes/campos de produção ou com qualquer outro bloco/lote/campo/planta que possam afetar a pureza varietal e/ou a condição fitossanitária dos materiais. ÍTEM REGULAMENTADO: Qualquer planta, produto vegetal, lugar de armazenamento, lugar de embalagem, meio de transporte, embalagem, solo e qualquer outro organismo, objeto ou material capaz de guardar ou disseminar pragas, que se considere que deve estar sujeito a medidas fitossanitárias, especialmente quando se envolve o transporte internacional. LACRAR: Ato de fechar a embalagem ou embalagens individuais de sementes de tal forma que não possa ser aberto e fechado novamente sem destruir o lacre ou deixando evidências de violação. LOTE DE SEMENTES: Uma quantidade específica de sementes, que contém componentes homogêneos e que está devidamente identificada. MATERIAL CERTIFICADO: Material vegetal produzido dentro de um Sistema de Produção de Material Certificado e que cumpre com os requisitos estabelecidos em um Estandar. MATERIAL DE PROPAGAÇÃO: Todo o órgão vegetal e suas partes que se destinam a multiplicação assexuada dos vegetais. MATERIAL INICIAL: Estrutura vegetal de origem conhecida e que tenha cumprido com as condições de qualidade estabelecidas como base para o início de um sistema de produção de sementes. MEDIDA FITOSSANITÁRIA: Qualquer legislação, regulamento ou procedimento oficial que tenha o propósito de proteger quanto a introdução e disseminação de pragas. NOVIDADE: Requisito de que uma cultivar/variedade não tenha sido oferecida à venda ou comercializada pelo obtentor ou com seu consentimento. OBTENTOR OU CRIADOR: Pessoa que tenha criado ou descoberto e desenvolvido uma cultivar/variedade. ORIGEM GENÉTICA: Conjunto de informações que identifica os progenitores e/ou específica o processo utilizado para obtenção de uma cultivar/variedade. PLÂNTULA: Organismo vegetal superior com suas estruturas essenciais em desenvolvimento.

6 PÓS CONTROLE: Ensaios realizados para ser observados e avaliados logo após colhido o cultivo, com a finalidade de verificar se sua qualidade corresponde com a categoria do lote PRAGA: Qualquer espécie, raça ou biótipo vegetal ou animal ou agente patogênico nocivo para as plantas ou produtos vegetais. PRAGA NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADA: Praga não quarentenária, cuja presença nas plantas para plantação influi no uso proposto para essas plantas com repercussões economicamente inaceitáveis e que, portanto, está regulamentada no território da parte contratante importadora. PRAGA QUARENTENÁRIA: Praga de importância econômica potencial para a área em perigo quando a praga ainda não existe, ou se existe, não está disseminada e se encontra sob controle oficial. PRAGA REGULAMENTADA: Praga quarentenária ou não quarentenária regulamentada. PRÉ CONTROLE: Ensaios realizados para ser observados e avaliados simultaneamente ao desenvolvimento do cultivo originado do lote amostrado, com a finalidade de verificar se sua qualidade corresponde com a categoria definida para o lote PRODUÇÃO: Processo de multiplicação ou propagação de sementes segundo procedimentos e normas técnicas estabelecidas. PROGRAMA DE SANEAMENTO: Conjunto de atividades que conduzem à eliminação de pragas transmissíveis nos materiais de propagação, e á confirmação dos resultados, em função dos padrões correspondentes. PROPRIEDADE INTELECTUAL: Integra-se com todos aqueles direitos de caráter exclusivo referentes a obtenção intelectual, seja no âmbito da tecnologia (patentes, modelos de utilidades, direitos de obtentores vegetais, etc.) os sinais distintos (marca, denominações de origem) ou das expressões artísticas e culturais (obras literárias, musicais, etc.). PUREZA VARIETAL: Grau ou nível no qual um conjunto de plantas se ajustam as características descritivas que definem uma cultivar. QUALIDADE DE SEMENTES: Conjunto de atributos inerentes á semente, que permitam definir a identidade genética e o estado físico, fisiológico e fitossanitário das mesmas. REPRODUÇÃO: Ação ou efeito de reproduzir ou reproduzir-se de forma sexuada ou assexuada. REQUISITO FITOSSANITÁRIO: Exigência sobre a condição fitossanitária de uma remessa, que é estabelecida pelo País importador como condição para o seu ingresso RESPONSÁVEL TÉCNICO: Profissional ou técnico habilitado para assumir a responsabilidade técnica para a obtenção, produção, registro de cultivares/variedades, comércio, beneficiamento, embalagem e análise, nos casos correspondentes.

7 RÓTULO/ETIQUETA: É todo impresso, de qualquer natureza, aderido, estampado ou afixado na embalagem ou recipiente que contém semente ou, individualmente, no material de propagação. SEMENTE: Toda estrutura ou órgão vegetal utilizado na propagação ou multiplicação de uma espécie destinada a semeadura ou plantio, tais como, semente botânica, frutos, bulbos, tubérculos, gemas, estacas, flores cortadas e outras. SEMENTEIRO: Todo estabelecimento que se dedica a multiplicação de semente. SEMENTE BOTÂNICA: Toda estrutura vegetal obtida de uma reprodução sexual destinada a semeadura. SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO: Processo de certificação relacionado a produtos específicos para o qual se aplica um mesmo estandar, regras e procedimentos. SISTEMA DE PRODUÇÃO: Todos aqueles sistemas organizados de produção de sementes que permitam garantir um produto segundo a categoria correspondente. TECNICAMENTE JUSTIFICADO: Justificativa sobre a base de conclusões alcançadas mediante uma apropriada análise de risco de pragas ou, quando realizado outro exame e avaliação, comparável da informação científica disponível. TESTE FITOSSANITÁRIO: Comprovação do estado fitossanitário, mediante técnicas de diagnóstico internacionalmente conhecidas e dos outros atributos de qualidade, mediante metodologias reconhecidas a nível internacional e/ou regional. TRANSGÊNESE: Introdução de gens alheios a um organismo. TRANSGÊNICO: Todo organismo obtido por recombinação de DNA e/ou por distintas técnicas de transformação aplicando-se a chamada engenharia genética. VALOR CULTURAL: Valor resultante da multiplicação da percentagem de pureza pela percentagem de germinação, dividido por cem. VARIEDADE BOTÂNICA DE ESPÉCIE: Taxón [sic.] de categoria inferior à da espécie. VIVEIRISTA: Pessoa física ou jurídica que se dedica a produção, comercialização e introdução de plantas e/ou suas partes destinadas à propagação.

STANDARD MERCOSUL DE TERMINOLOGIA DE SEMENTES

STANDARD MERCOSUL DE TERMINOLOGIA DE SEMENTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 70/98 STANDARD MERCOSUL DE TERMINOLOGIA DE SEMENTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 6/96 do Conselho do Mercado Comum, e a Recomendação

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES Nº 1/00 STANDARD DE CRITÉRIOS E DELINEAMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE STANDARDS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO CERTIFICADOS (REVOGA RES. GMC N 44/96) TENDO EM VISTA: o

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 47/03 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão

Leia mais

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

Que resulta necessário ampliar o sistema de tolerância e amostragem da Resolução GMC N 91/94 que deverá ser aplicado aos produtos pré-medidos.

Que resulta necessário ampliar o sistema de tolerância e amostragem da Resolução GMC N 91/94 que deverá ser aplicado aos produtos pré-medidos. MERCOSUL/GMC/RES. N 58/99 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CONTROLE DE PRODUTOS PRÉ-MEDIDOS COMERCIALIZADOS EM UNIDADES DE MASSA E VOLUME DE CONTEÚDO NOMINAL IGUAL, DE LOTES DE 5 A 49 UNIDADES NO PONTO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE MÉTODOS DE ANÁLISE PARA ÁLCOOL POTÁVEL DE ORIGEM AGRÍCOLA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE MÉTODOS DE ANÁLISE PARA ÁLCOOL POTÁVEL DE ORIGEM AGRÍCOLA MERCOSUL/GMC/RES. Nº 07/02 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE MÉTODOS DE ANÁLISE PARA ÁLCOOL POTÁVEL DE ORIGEM AGRÍCOLA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES N 37/07 SUB-STANDARD 3.7.5. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA LYCOPERSICON ESCULENTUM (TOMATE), SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 92/96) TENDO

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES N 25/99 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS DE POLIETILENO TEREFTALATO - PET - MULTICAMADA DESTINADAS AO ACONDICIONAMENTO DE BEBIDAS NÃO ALCOÓLICAS CARBONATADAS.

Leia mais

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES N 35/07 SUB-STANDARD 3.7.39. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA SECALE CEREALE (CENTEIO), SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 66/98) TENDO EM

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

Que é necessário proceder à atualização dos requisitos antes indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder à atualização dos requisitos antes indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 19/06 SUB-STANDARD 3.7.2. REQUISITOS FITOSANITÁRIOS PARA ALLIUM SATIVUM (ALHO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 90/96)

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão N 06/96 do Conselho do Mercado Comum e a Resolução Nº 52/02 do Grupo Mercado Comum.

O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão N 06/96 do Conselho do Mercado Comum e a Resolução Nº 52/02 do Grupo Mercado Comum. ANEXO MERCOSUL/GMC/RES. N 24/16 SUB-STANDARD 3.7.48. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA PINUS SPP. (PINUS)SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PA RT E S TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção,

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES Nº 58/06 SUB-STANDARD - 3.7.44. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA ACTINIDIA CHINENSIS =ACTINIDIA DELICIOSA (KIWI), SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

SUB- STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

SUB- STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 38/03 SUB- STANDARD 3.7.25 REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 23/07 REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto

Leia mais

SUB-STANDARD Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para Lolium multiflorum (Azevém, Lolium)

SUB-STANDARD Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para Lolium multiflorum (Azevém, Lolium) MERCOSUL/GMC/RES Nº 60/98 SUB-STANDARD 3.7.10 Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para (Azevém, Lolium) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 6/96 do

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. N 56/02 SECRETARÍA DEL MERCOSUR DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE REGULAMENTOS TÉCNICOS MERCOSUL E PROCEDIMENTOS MERCOSUL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC N

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 34/01 CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

SUB-STANDARD Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para Pisum sativum (Ervilha, Arveja)

SUB-STANDARD Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para Pisum sativum (Ervilha, Arveja) MERCOSUL/GMC/RES Nº 61/98 SUB-STANDARD 3.7.41. Requisitos Fitossanitários Gerais e Específicos para Pisum sativum (Ervilha, Arveja) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM Pragas da Cultura

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 26/06 CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 20/02 do Conselho

Leia mais

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada).

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada). MERCOSUL/GMC/RES. N 57/98 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DOMISANITARIOS A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (AGUA LAVANDINA ADITIVADA/ALVEJANTE/AGUA CLORADA ADITIVADA) (REVOGA RES. GMC Nº 46/97) TENDO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO MERCOSUR/GMC/RES. Nº 25/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário CULTIVARES LOCAIS, TRADICIONAIS OU CRIOULAS LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE CULTIVARES, SEMENTES E MUDAS POLÍTICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR E O CADASTRO CRIADO PELA PORTARIA MDA 51/2007 J.C. Zukowski Coordenador

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES. N 07/08 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CONTROLE METROLÓGICO DE PRODUTOS PRÉ-MEDIDOS COMERCIALIZADOS EM UNIDADES DE MASSA E VOLUME DE CONTEÚDO NOMINAL IGUAL (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC

Leia mais

Que é necessário proceder à atualização dos requisitos antes indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder à atualização dos requisitos antes indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 23/06 SUB-STANDARD 3.7.24. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GLYCINE MAX (SOJA) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 108/96)

Leia mais

Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal

Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal MERCOSUL/GMC/RES.Nº145/96 Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº91/93 do Grupo

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 32/04 ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 26/03 do Conselho do Mercado

Leia mais

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 TEMÁRIO: 1 Lei n. 10.711, de 05 de agosto de 2003. Seção 1. LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS DFIA COORDENAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS REGISTRO NACIONAL DE

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC -

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Tópicos Especiais em Proteção de Cultivares e Regulação de Plantas Transgênicas no Brasil REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Virgínia Arantes Ferreira Carpi Fiscal Federal Agropecuário Chefe do SCSM/CSM/DFIA/SDA

Leia mais

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 24/07 REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 06/96 do

Leia mais

RELAÇÃO NOMINAL DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES GMC Nº 49/01)

RELAÇÃO NOMINAL DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES GMC Nº 49/01) MERCOSUL/GMC/RES. Nº 29/07 RELAÇÃO NOMINAL DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES GMC Nº 49/01) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro

Leia mais

RELAÇÃO DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 43/97)

RELAÇÃO DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 43/97) MERCOSUL/GMC/RES. N 49/01 RELAÇÃO DE PONTOS DE FRONTEIRA DE CONTROLES INTEGRADOS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 43/97) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS MERCOSUL/GMC/RES. Nº 41/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Fiscalização de Material Genético Animal

Fiscalização de Material Genético Animal Programa 0375 Qualidade de Insumos e Serviços Agropecuários Objetivo Salvaguardar a produção e a produtividade agropecuária pela garantia de níveis adequados de conformidade e qualidade dos insumos básicos

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA WORKSHOP

Leia mais

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Tópicos - Agricultura e Biotecnologia - Proteção e Apropriação na Agroindústria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 20, DE 2 DE AGOSTO DE 2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 20, DE 2 DE AGOSTO DE 2004 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS - Edifício BARACAT Sala 501 Brasília DF CEP 70309-900 Fones/Fax: (061) 226-9022 / 226-8806 / 226-9990 e-mail: abrasem@abrasemcombr TEMÁRIO: 1

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012)

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS Rosangele Balloni R. Gomes Engª Agrª Fiscal Federal Agropecuário rio Sup. Fed. Agric. Pec.. e Abastecimento em São Paulo SFA/SP LEGISLAÇÃO LEI

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98)

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) MERCOSUL/XLIII SGT N 11/P. RES. N /15 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) Estabelece procedimentos para a remessa, temporária ou definitiva, de amostra de componente

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes.

Que é necessário proceder a atualização dos requisitos acima indicados, tendo em conta a atual situação fitossanitária dos Estados Partes. MERCOSUL/GMC/RES N 56/05 SUB-STANDARD 3. 7. 37 REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA PRUNUS ARMENIACA (DAMASCO) SEGUNDO O PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002)

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) NIMF Nº 16 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) Produzido pela Secretaria da Convenção Internacional para

Leia mais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais AULA 04 UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais Profª. Marcela Carlota Nery PRODUÇÃO E TECNOLOGIA DE SEMENTES Propriedade Intelectual em Plantas (UPOV) Conceito: É o direito de

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais LEGISLAÇÃO Jaeder Lopes Vieira M. Sc. Engenheiro Agrônomo Licenciado em Biologia Analista Ambiental Sênior Instituto Terra Professor da UNIPAC Aimorés/MG

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Líder: Gustavo Rabelo Botrel Miranda Vice-líder: Paulo Sérgio de Souza 1º Tesoureiro: Gustavo José da Silva 2º Tesoureiro: Hugo Baldan Júnior 1º Secretário:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO ATRIBUIÇÃO DE ADITIVOS E SEUS LIMITES MÁXIMOS PARA A CATEGORIA DE ALIMENTOS 19: SOBREMESAS

REGULAMENTO TÉCNICO ATRIBUIÇÃO DE ADITIVOS E SEUS LIMITES MÁXIMOS PARA A CATEGORIA DE ALIMENTOS 19: SOBREMESAS MERCOSUL/GMC/RES N 54/98 REGULAMENTO TÉCNICO ATRIBUIÇÃO DE ADITIVOS E SEUS LIMITES MÁXIMOS PARA A CATEGORIA DE ALIMENTOS 19: SOBREMESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

ALTERAÇOES DA AUTORIZAÇAO DE FUNCIONAMENTO DAS EMPRESAS SOLICITANTES DE REGISTROS DE PRODUTO FARMACEUTICO NO ESTADO-PARTE RECEPTOR.

ALTERAÇOES DA AUTORIZAÇAO DE FUNCIONAMENTO DAS EMPRESAS SOLICITANTES DE REGISTROS DE PRODUTO FARMACEUTICO NO ESTADO-PARTE RECEPTOR. MERCOSUL/GMC/RES.Nº 132/96 ALTERAÇOES DA AUTORIZAÇAO DE FUNCIONAMENTO DAS EMPRESAS SOLICITANTES DE REGISTROS DE PRODUTO FARMACEUTICO NO ESTADO-PARTE RECEPTOR. TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE: MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/95 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO MERCOSUL, EM MATÉRIA DE MARCAS, INDICAÇÕES DE PROCEDÊNCIA E DENOMINAÇÕES DE ORIGEM. TENDO EM VISTA: O Artigo

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 47/02 REQUISITOS PARA A CERTIFICAÇÃO NÃO DEFINITIVA DE LOTES DE SEMENTES BOTÂNICAS DA CLASSE/CATEGORIA CERTIFICADA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SGT Nº 11 SAÚDE / CPS / GAH COSMÉTICOS / Ata Nº 02/10. UNIDO V Fé de errata Res. GMC Nº 35/05

SGT Nº 11 SAÚDE / CPS / GAH COSMÉTICOS / Ata Nº 02/10. UNIDO V Fé de errata Res. GMC Nº 35/05 SGT Nº 11 SAÚDE / CPS / GAH COSMÉTICOS / Ata Nº 02/10 UNIDO V Fé de errata Res. GMC Nº 35/05 Porto Alegre, 20 a 22 de setembro de 2010 1 FÉ DE ERRATAS RESOLUÇÃO MERCOSUL/GMC/RES.Nº 35/05 AUTO INSPEÇÕES

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para a importação de produtos destinados à alimentação animal visando garantir

Leia mais

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015 SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ATO No- 8, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015 Em cumprimento ao disposto no 2, do art. 4º, da Lei n 9.456, de 25 de abril

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Oscar de Aguiar Rosa Filho Fiscal Federal Agropecuário Vigilância Agropecuária Internacional Secretaria de Defesa Agropecuária A agropecuária no Brasil:

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares 29/04/2009 Reginaldo Minaré O Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio ADPIC, mais conhecido

Leia mais

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições, e considerando a Lei nº 9.279 de 14/05/96, que regula os direitos e obrigações relativos

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais