Rev: 12. Data: Pág: 1 de 28. Manual de Gestão. Elaborado por: Filipa Pereira Aprovado por: Eng. Pinto Barriga. Mod.01A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rev: 12. Data: 27-01-2014 Pág: 1 de 28. Manual de Gestão. Elaborado por: Filipa Pereira Aprovado por: Eng. Pinto Barriga. Mod.01A"

Transcrição

1 Rev: 12 Pág: 1 de 28 MANUAL DE GESTÃO DA CITRUP Elaborado por: Filipa Pereira Aprovado por: Eng. Pinto Barriga

2 Rev: 12 Pág: 2 de 28 1 PROMULGAÇÃO A CITRUP orienta a sua atividade na procura permanente da melhoria do desempenho das suas atividades e satisfação do seu cliente, recorrendo à realização de um Sistema Integrado de Gestão, que engloba as componentes da qualidade, ambiente, saúde e segurança e responsabilidade social, adequado e eficaz, em que estão envolvidos todos os seus colaboradores. A Gerência da CITRUP declara que o define de uma forma consistente o Sistema Integrado de Gestão implementado e determina a sua aplicação como requisito mandatário. O Sistema Integrado de Gestão (SIG) permite a todos os colaboradores da empresa, ao nosso cliente e aos nossos fornecedores, bem como às restantes partes interessadas, actuarem eficazmente para que os objetivos da qualidade, ambiente, segurança e responsabilidade social sejam alcançados. A Gerência da CITRUP nomeia o Responsável de Exploração e Monitorização () como seu representante para o Sistema Integrado de Gestão e o Responsável de Operações e Logística () como seu representante para a SA 8000, delegando-lhes a responsabilidade da sua implementação, seguimento e controlo. O representante dos trabalhadores para a responsabilidade social foi eleito pelos trabalhadores por voto directo e secreto. No cumprimento deste desiderato, foi votado no dia 20 de Setembro de 2013 o Domingos Novo Eira. / / A Gerência,

3 Rev: 12 Pág: 3 de 28 2 ÂMBITO E OBJECTIVOS O Manual e o Sistema Integrado de Gestão aplica-se a todos os processos, produtos e serviços realizados na empresa. Assim sendo, o âmbito do SIG é aplicado à deposição controlada em aterro de resíduos sólidos provenientes da Central de Valorização Energética e de resíduos sólidos urbanos, durante os períodos de paragem da mesma, assim como todas as operações relacionadas com estas actividades. O Manual descreve os princípios adoptados para o SIG e para a concretização da Política correspondente e objectivos da CITRUP e aplica-se a toda a estrutura funcional e organizacional, às atividades e serviços, sendo as suas directrizes e recomendações de cumprimento vinculativo. As disposições apresentadas pretendem potenciar a garantia da satisfação de todas as partes interessadas relativamente às atividades exercidas pela CITRUP. Através deste Manual, poderá conhecer-se a CITRUP a sua Política e o seu empenhamento face aos requisitos da Qualidade, do Ambiente, da Segurança e da Responsabilidade Social de acordo com as Normas de referência utilizadas e respetivas atualizações. Internamente, este Manual pretende também ser uma fonte de informação sobre os aspectos relevantes para a Gestão. O SIG não possui os requisitos de Concepção e Desenvolvimento, descritos nos pontos 7.3 da norma de referência NP EN ISO 9001, pois os nossos processos e atividades mantêm-se constantes, reagindo só pelo planeamento da qualidade a novas especificações de produto ou de serviço. Estas, são na sua totalidade, especificadas pelo nosso cliente devido ao facto de possuirmos processos em que a saída não pode ser verificada por subsequente monitorização ou medição. As deficiências apenas se manifestam após o serviço ter sido prestado.

4 Rev: 12 Pág: 4 de 28 POLÍTICA 3 A CITRUP foi constituída com o objectivo de explorar o aterro sanitário de apoio à Central de Valorização Energética da LIPOR II. A atividade da CITRUP traduz-se na deposição controlada em aterro de resíduos sólidos provenientes da Central de Valorização Energética e de resíduos sólidos urbanos, durante os períodos de paragem da mesma, assim como todas as operações relacionadas com estas atividades. No exercício das nossas funções, cumprimos todos os requisitos legais aplicáveis em termos sociais, ambientais de segurança e saúde no trabalho. O cumprimento dos requisitos contratuais estabelecidos com a LIPOR e a satisfação das partes interessadas são as nossas prioridades. Pretendemos também melhorar continuamente o nosso sistema integrado de gestão, monitorização e verificação, aplicando métodos de prevenção e gestão do risco cada vez mais eficientes, na salvaguarda do ambiente e da saúde dos nossos colaboradores, numa perspectiva do desenvolvimento socialmente sustentado das nossas atividades. Somos particularmente sensíveis e atentos ao impato que as nossas atividades podem provocar, pelo que entendemos adotar e manter, sempre que economicamente e socialmente sustentáveis, as melhores soluções operativas e de controlo, assegurando a protecção do ambiente e dos nossos colaboradores a curto e sobretudo, a longo prazo. Para tal: Promovemos a todos as pessoas que trabalhem para a CITRUP ou em seu nome uma particular sensibilização e consciencialização, quer para a sua saúde e segurança, quer para os aspetos ambientais, promoção da qualidade e práticas socialmente responsáveis; Revemos periodicamente o nosso comportamento através de um processo de medição e análise permanente e de um programa com objetivos e metas, numa base de melhoria contínua; Reunimos os recursos necessários para se atingirem os objetivos e metas estabelecidos, tendo sempre presente a prevenção e minimização de impactes ambientais, de riscos na saúde e segurança no trabalho e na prevenção de ferimentos e danos; Dotamo-nos de um sistema integrado de gestão e instrumentos processuais, de modo a controlar e medir o nosso comportamento, assim como intervir para a resolução de situações de não conformidades detetadas; Colocamos esta política à disposição de todas as partes interessadas, prestando todos os esclarecimentos pertinentes relativos ao sistema integrado de gestão.

5 Rev: 12 Pág: 5 de 28 MISSÃO 3 MISSÃO, VALORES E VISÃO Deposição controlada em aterro de resíduos sólidos provenientes da Central de Valorização Energética da LIPOR II e de resíduos sólidos urbanos, durante os períodos de paragem da mesma. Assim como todas as operações relacionadas as actividades referidas, estabelecendo relações a longo prazo com os nossos colaboradores, clientes e fornecedores, de forma a garantir a satisfação de todos os stakeholders. VALORES Cumprir todos os requisitos legais aplicáveis e outros que a organização subscreva; Orientação para o Cliente; Melhorar continuamente o nosso desempenho inovando, aplicando métodos de prevenção e gestão do risco cada vez mais eficientes, na salvaguarda do ambiente e da saúde dos nossos colaboradores, numa perspectiva do desenvolvimento socialmente sustentado das nossas actividades; Promover, a todos as pessoas que trabalhem para a CITRUP ou em seu nome, sensibilização e consciencialização, quer para a sua saúde e segurança, quer para os aspetos ambientais, promoção da qualidade e práticas socialmente responsáveis; Divulgar todos os aspetos pertinentes relativos à nossa actividade. VISÃO Sermos um parceiro estratégico da LIPOR e alcançar um lugar de destaque na deposição de resíduos a nível nacional.

6 Rev: 12 Pág: 6 de A CITRUP 4 ORGANIZAÇÃO A CITRUP Centro Integrado de Resíduos, Lda. resultou de um consórcio internacional que teve início da sua actividade em Junho de O objectivo da CITRUP é explorar o aterro sanitário da Maia que se destina fundamentalmente a receber os subprodutos resultantes do processo térmico de tratamento e valorização energética de resíduos da LIPOR, designadamente cinzas inertizadas e escórias, e resíduos em bruto (Resíduos Sólidos Urbanos), resultantes de momentos de impossibilidade de tratamento em qualquer um dos processos implementados pela LIPOR. Esta infra-estrutura caracteriza-se como sendo um aterro para resíduos não perigosos, constituído por dois alvéolos: Alvéolo Norte com uma capacidade instalada de toneladas destinado à deposição de cinzas inertizadas e escórias (após triagem), provenientes da laboração da Central de Incineração, bem como de resíduos urbanos após esgotamento do Novo Alvéolo Sul. Alvéolo Sul com uma capacidade instalada de toneladas, destinado à deposição de resíduos urbanos (RU). A CITRUP fica localizada na freguesia de Moreira da Maia, no lugar de Crestins e ocupa uma área aproximada de 8 hectares de terreno, sendo uma infra-estrutura imprescindível ao funcionamento de todo o sistema integrado de gestão de resíduos sólidos urbanos da LIPOR.

7 Rev: 12 Pág: 7 de ORGANOGRAMA Todos os colaboradores, com excepção das Responsáveis de Higiene e Segurança no Trabalho têm responsabilidades ambientais dentro da organização. 4.3 DESCRIÇÃO AL DE FUNÇÕES Direcções/Áreas Organizacionais Responsável Gerência / Direcção Técnica Eng. Pinto Barriga Dra. Ana Bela Carvalho Exploração e Monitorização Eng. Filipa Pereira Exploração Adriano Faria Operações e Logística Eng. Mónica Fonseca Condutor Manobrador (Principal) / Operador de ETAR Domingos Eira Operador de Aterro Fernando Sequeira Cantoneiro de Limpeza Nuno Sousa A Gerência é responsável pela elaboração e colocação em prática do plano estratégico, pela rentabilidade da empresa, pela aprovação do programa de formação dos colaboradores e por analisar as sugestões efectuadas pelos mesmos. As responsabilidades no SIG são definidas pela Gerência, assumidas e postas em prática por cada um dos colaboradores da empresa, em termos de dar resposta aos requisitos decorrentes da Política ao aplicarem os procedimentos que lhe dizem respeito.

8 Rev: 12 Pág: 8 de 28 As responsabilidades, funções e autoridades estão descritas na matriz Abordagem por processos e responsabilidades. As funções e responsabilidades de cada colaborador são definidas, em pormenor, no momento da sua integração pelo respectivo responsável da área, por recurso aos documentos que descrevem as respectivas actividades ou processos. A Gerência indigitou o Responsável de Exploração e Monitorização (), como seu representante nos assuntos relacionados e relevantes para o SIG e o Responsável de Operações e Logística () como seu representante nos assuntos relacionados e relevantes para a SA 8000, e tem perante a Gerência um conjunto de responsabilidades, nomeadamente: Implementar e manter o SIG e SA 8000; Manter a Gerência informada sobre a adequabilidade e a eficácia do SIG e SA 8000, bem como a necessidade de melhoria de desempenho; Avaliar a compreensão da Política e promover a divulgação dos Objetivos de desempenho definidos; Representar a empresa para assuntos relacionados com o SIG e SA 8000, junto de fornecedores e cliente; Assegurar a promoção da consciencialização dos colaboradores para com os requisitos da prestação do serviço; Assegurar que os processos do são estabelecidos, implementados e mantidos; Zelar pelo cumprimento de todas as regras de higiene e segurança em todas as atividades efectuadas na CITRUP.

9 Rev: 12 Pág: 9 de 28 5 SIG E A RESPONSABILIDADE SOCIAL 5.1 GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Representante dos trabalhadores O representante dos trabalhadores para a responsabilidade social foi eleito pelos trabalhadores por voto directo e secreto. No cumprimento deste desiderato, foi votado no dia 20 de Setembro de 2013 o Domingos Novo Eira. A consulta aos trabalhadores no domínio da segurança e responsabilidade social, faz-se integralmente a todos os colaboradores em reuniões periódicas. O representante deverá cooperar para a melhoria do sistema integrado, responsabilidade social e apresentar propostas de melhoria. No exercício das funções como representante dos trabalhadores, terá de assegurar a confidencialidade da informação transmitida dos trabalhadores à Gerência da CITRUP Princípios O processo desenvolvido tem como base fundamental a melhoria contínua do desempenho do SIG e Responsabilidade Social, recorrendo às Normas de referência seguintes e respectivas atualizações: Norma NP EN ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos; Norma NP EN ISO Sistemas de gestão ambiental Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização; OSHAS Occupational health and safety management systems Specification; Norma NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Especificações; Norma SA 8000 Responsabilidade Social. O princípio comum que torna compatível a integração destas normas e a implementação do SIG baseia-se no processo de melhoria contínua inerente a todas as atividades, produtos e serviços realizados pela empresa. Este processo está organizado segundo o ciclo de Deming 1 (Ciclo PDCA, Plan, Do, Check, Act ) com o qual se pretende criar sinergias sistemáticas entre os processos de gestão e planeamento, processos de execução, processos de verificação e de melhoria e processos de suporte à actividade, o que proporcionará a melhoria contínua (Figura 1). 1 O ciclo de Deming, ciclo PDCA ou ciclo de Shewhart, é um ciclo de desenvolvimento que tem foco na melhoria contínua.

10 Pág: 10 de 28 POLÍTICA DA QUALIDADE Planeamento, revisão e melhoria. OBJETIVOS E METAS Planeamento, revisão e melhoria; Avaliação do desempenho; Não conformidades, reclamações e acidentes. Planeamento, revisão e melhoria; Gestão documental; Comunicação; Compras e subcontratação; Recursos humanos e formação; Gestão das infra-estruturas; Higiene, saúde, segurança e emergência; Gestão de resíduos. Planeamento, revisão e melhoria; Avaliação do desempenho. ATUAR PLANEAR / DOTAR DE RECURSOS CLIENTE VERIFICAR / ANALISAR REALIZAR Exploração de RSU s e cinzas; Tratamento e monitorização ambiental; Comunicação; Compras e subcontratação; Higiene, saúde, segurança e emergência; Gestão de resíduos; Avaliação do desempenho; Gestão das infra-estruturas; Não conformidades, reclamações e acidentes. Planeamento, revisão e melhoria; Tratamento e monitorização ambiental; Avaliação do desempenho. Figura 1 - Processo de melhoria contínua aplicado à CITRUP O Processo da Melhoria Contínua PLANEAR O planeamento do SIG é estabelecido de modo a cumprir a política da qualidade, ambiente, segurança e saúde do trabalho e responsabilidade social e é consistente com todos os outros requisitos operacionais da CITRUP. Foram criados e mantêm-se operacionais os processos que promovem a sistematização de práticas e a melhoria contínua do serviço prestado, com o objectivo de determinar os que possam ter influência no cumprimento dos requisitos dos serviços prestados pela CITRUP e na satisfação do seu cliente.

11 Rev: 12 Pág: 11 de 28 Foram estabelecidos e mantêm-se atualizados os processos para identificar e ter acesso a requisitos legais 2 ou outros, que possam aplicar-se às actividades serviços prestados pela CITRUP. Foram estabelecidos e estão documentados os objetivos e as metas a atingir no âmbito do SIG. É intuito da CITRUP que estes sejam consistentes e compatíveis com as intenções e orientações descritas na política da qualidade, ambiente, segurança e saúde do trabalho e responsabilidade social. REALIZAR Para a implementação do SIG, desenvolveram-se as competências e os recursos adequados para verificar a política da qualidade, ambiente e segurança, saúde do trabalho e responsabilidade social, os objetivos e as metas. Foram estabelecidas, estão documentadas e foram comunicadas as funções e responsabilidades com o objectivo de facilitar uma gestão eficaz do SIG. As necessidades de formação apropriadas às funções desempenhadas por cada colaborador estão identificadas e documentadas, assim como foram implementadas ações de formação para que todos os colaboradores estejam conscientes da sua importância e contribuição para o atingir dos resultados esperados. Adotou-se uma estrutura de controlo documental com o objectivo de controlar a emissão, receção, aprovação e revisão de todos os documentos relevantes para o SIG, garantindo a sua eficácia, que se apresentará no capítulo seguinte. Relativamente ao controlo operacional e execução das atividades, os procedimentos desenvolvidos encontram-se referidos neste Manual, em documentos do SIG e estão repartidos por um conjunto de processos e práticas operacionais da CITRUP. A prioridade é pela implementação eficaz e aplicação de boas práticas, suportadas por uma estrutura documental que se pretende de fácil interpretação, clara e objectiva. A Gerência apoia todas as medidas relacionadas com a melhoria do SIG, de modo a garantir a sua continuidade. VERIFICAR Desenvolveu-se um sistema de registos que pretende evidenciar que o SIG encontra-se em execução de uma forma equilibrada. As ações de monitorização e medição são exemplos de práticas com registos correspondentes, com análise de resultados e identificação de medidas preventivas, de melhoria ou acções 2 Os requisitos legais aplicáveis à atividade desenvolvida pela CITRUP encontram-se compilados pela ferramenta informática ASQ v.4.0 da SIA Sociedade de Inovação Ambiental, Lda.

12 Rev: 12 Pág: 12 de 28 corretivas. Simplicidade, consistência, continuidade, reprodutibilidade e comunicação são atributos das atividades de verificação. A realização de auditorias completa esta fase e é elaborado um plano anual de auditorias. As auditorias permitem avaliar o estado de conformidade do SIG com os requisitos normativos, com as práticas de gestão da CITRUP e se foi implementado e é mantido com eficácia. Constituem uma fonte de informação importante para a Gerência e proporcionam progressos do SIG através da identificação de oportunidades de melhoria. Neste caso, foi estabelecido um sistema de auditorias internas, realizadas quer por auditores externos independentes, devidamente habilitados. ATUAR Decorrente da realização do plano de actividades de análise, verificações sistemáticas e monitorização do SIG, desenvolveu-se uma metodologia para promover a melhoria contínua, avaliar a eficácia do SIG, promover a prevenção, a saúde dos colaboradores e a melhoria do desempenho ambiental. É neste sentido que se definiu o processo de Planeamento, Revisão e Melhoria. Entende-se que este processo é também uma oportunidade para garantir a eficácia do SIG a um nível sustentável, e modificações circunstanciais que o poderão afetar. Modificações essas que poderão ser internas à CITRUP (ex. materiais novos, alterações de operações efetuadas) ou externas (ex. legislação nova, tecnologias/produtos inovadores, alterações na envolvente). É tomada especial atenção para que a melhoria numa das vertentes (ambiente, qualidade segurança, saúde do trabalho e responsabilidade social) não seja obtida à custa das outras ou não provoque perturbações negativas na outra ESTRUTURA DOCUMENTAL O SIG, é composto pelo conjunto de documentos que se enquadram em quatro níveis, hierarquicamente distintos da estrutura documental (Figura 2):

13 Rev: 12 Pág: 13 de 28 Figura 2 Estrutura hierárquica documental O acesso aos registos arquivados é permitido a qualquer colaborador da empresa, após autorização do responsável pelo arquivo. Estes podem existir sob a forma de papel ou estarem armazenados informaticamente. A verificação da conformidade do manuseamento, conservação e manutenção dos registos é efectuada durante as auditorias.

14 Pág: 14 de TABELA DE CORRESPONDÊNCIA ENTRE AS NORMAS NP EN ISO 9001, NP EN ISO 14001, NP 4397, NORMA SA 8000 E O SIG Processos Planeamento, Revisão e Melhoria Gestão da Informação Exploração de RSU e Cinzas Tratamento e Monitorização Ambiental Compras e Subcontratação Higiene, Saúde, Segurança e Emergência Gestão das Infraestruturas Gestão de Resíduos Não Conformidades, Reclamações e Acidentes Avaliação do Desemprenho Gestão Documental Recursos Humanos e Formação Requisitos Normativos NP EN ISO Requisitos gerais X 4.2 Requisitos da documentação X 5.1 Comprometimento da gestão X X 5.2 Focalização no cliente X X X 5.3 Política da qualidade X 5.4 Planeamento X 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação X 5.6 Revisão pela gestão X 6.1 Provisão de recursos X X X 6.2 Recursos humanos X 6.3 Infra-estruturas X 6.4 Ambiente de trabalho X X X 7.1 Planeamento da realização do produto X X 7.2 Processos relacionados com o cliente X X 7.3 Conceção e desenvolvimento N/A 7.4 Compras X X X X 7.5 Produção e fornecimento do serviço X X X 7.6 Controlo do equipamento de monitorização e medição X 8.1 Generalidades X X X X 8.2 Monitorização e medição X X 8.3 Controlo do produto não conforme X 8.4 Análise de dados X 8.5 Melhoria X X NP EN ISO Requisitos gerais X 4.2 Política ambiental X 4.3 Planeamento X Aspectos ambientais X Requisitos legais e outros requisitos X Objectivos e metas X Programa de gestão ambiental X

15 Pág: 15 de 28 Processos Planeamento, Revisão e Melhoria Gestão da Informação Exploração de RSU e Cinzas Tratamento e Monitorização Ambiental Compras e Subcontratação Higiene, Saúde, Segurança e Emergência Gestão das Infraestruturas Gestão de Resíduos Não Conformidades, Reclamações e Acidentes Avaliação do Desemprenho Gestão Documental Recursos Humanos e Formação Requisitos Normativos 4.4 Implementação e funcionamento X X X X X X X Estrutura e responsabilidade X X X X X X X Formação, sensibilização e competência X Comunicação X Documentação do sistema de gestão ambiental X Controlo de documentos X Controlo operacional X X X X X Prevenção e capacidade de resposta a emergências X 4.5 Verificação e ações correctivas X X X Monitorização e medição X X X Não conformidade, ações correctivas e preventiva X X X Registos X Auditoria do sistema de gestão ambiental X 4.6 Revisão pela Gestão X NP Requisitos gerais X X X X X X X 4.2 Política da SST X X X 4.3 Planeamento X Identificação dos perigos, apreciação do risco e definição de controlos X X Requisitos legais e outros requisitos X Objectivos e programas X X 4.4 Implementação e funcionamento X X X X X X X Recursos, funções, responsabilidades, responsabilidades e autoridade X X X X X X X Competência, formação e sensibilização X Comunicação, participação e consulta X X X Comunicação X X Participação e consulta X X X X Documentação X Controlo dos documentos X Controlo operacional X X X X X X X Preparação e resposta a emergências X 4.5 Verificação X X X Monitorização e medição de desempenho X X X Avaliação da conformidade X X X X X X

16 Pág: 16 de 28 Processos Planeamento, Revisão e Melhoria Gestão da Informação Exploração de RSU e Cinzas Tratamento e Monitorização Ambiental Compras e Subcontratação Higiene, Saúde, Segurança e Emergência Gestão das Infraestruturas Gestão de Resíduos Não Conformidades, Reclamações e Acidentes Avaliação do Desemprenho Gestão Documental Recursos Humanos e Formação Requisitos Normativos Investigação de Incidentes, Não-Confromidades, Ações Correctivas e Preventivas X X X X Investigação de incidentes X X X X Não conformidades, ações correctivas e acções preventivas X X X Controlo de Registos X Auditoria Interna X X 4.6 Revisão pela Gestão X SA 8000 IV.1 Trabalho Infantil X X X X X X X X X IV.2 Trabalho Forçado e Compulsório X X X X X X X X X IV.3 Saúde e Segurança X X X X X X X X X IV.4 Liberdade de Associação e Direito à Negociação Colectiva X X X X X X X X X IV.5 Discriminação X X X X X X X X X IV.6 Práticas Disciplinares X X X X X X X X X IV.7 Horário de Trabalho X X X X X X X X X IV.8 Remuneração X X X X X X X X X IV.9.1 Política X X X X X IV.9.2 Representante da Alta Administração X X X X X IV.9.3 Representante dos Trabalhadores para a SA 8000 X X X X IV.9.4 Análise Crítica pela Alta Administração IV.9.5 Planeamento e Implementação X X X X IV.9.7 Controlo de Fornecedores / Subcontratados e Sub-fornecedores X X X X IV.9.11 Tratamento das NC e Ações Correctivas X X X X X IV.9.13 Comunicação Externa e Comprometimento das Partes Interessadas X X X IV.9.15 Acesso para Verificação X X X IV.9.16 Registos X X X X

17 Pág: 17 de REDE DE PROCESSOS E ABORDAGEM PROCESSUAL Após identificação dos processos essenciais à consolidação do SIG, criou-se uma rede de processos segundo o ciclo PDCA para proporcionar a melhoria contínua do desempenho da CITRUP, representada na seguinte tabela: Processos Planeamento, Revisão e Melhoria Gestão da Informação Exploração de RSU e Cinzas Tratamento e Monitorização Ambiental Compras e Subcontratação Higiene, Saúde, Segurança e Emergência Gestão das Infra-estruturas Gestão de Resíduos Não Conformidades, Reclamações e Acidentes Avaliação do Desempenho Gestão Documental Recursos Humanos e Formação Classificação Estratégicos x x Fundamentais x x x x x x Suporte x x x x Os objectivos do SIG distribuem-se em quatro níveis e interligam-se da seguinte forma: Numa perspetiva de integração processual e colocando em ênfase os fluxos de entrada e saída dos processos, o SIG correlacciona-se da seguinte forma:

18 Rev: 12 Pág: 18 de 28

19 Pág: 19 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 1 Gestão Documental Gestão Documental Requisitos Legais Este documento tem como finalidade definir e documentar o método de gestão dos documentos relevantes para o SIG, de modo a garantir a disponibilidade de informações actualizadas e adequadas nos locais em que são necessários. Define também o processo de controlo dos registos de modo a garantir que os mesmos são prontamente identificáveis e recuperáveis de forma a proporcionar evidências da conformidade do Sistema para com os requisitos. O presente procedimento tem por objectivo definir uma metodologia para identificar e analisar requisitos legais e outros na área do ambiente, da qualidade, segurança e saúde no trabalho e responsabilidade social aplicáveis às actividades da CITRUP. Responsabilidades Decide Executa Colabora Programas Documentos e Registos Impresso base Registo de verificação de certificados Controlo e distribuição de documentos Gestão de Arquivos Controlo de impressos Controlo de documentos e registos armazenados informaticamente Contacto de organização Registo de backup s Importância dos requisitos legais Gestão Documental Requisitos legais e outros Resumo mensal dos requistos legais aplicáveis à CITRUP (SIAWISE) Aplicação informática SIAWISE

20 Pág: 20 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 2 - Compras e Subcontratação Controlo de Fornecedores e Subcontratdos Assegurar que os produtos e serviços adquiridos, estejam disponíveis quando necessários e nas condições pré definidas. Assegurar que os fornecedores e subcontratados cumprem as directrizes e evitar a ocorrência de não conformidades. Responsabilidades Decide Executa Colabora RE Programas RE Documentos e Registos Fichas de segurança Contratos Requisições Auto-Diagnóstico Fornecedores Compras e subcontratação Compras e subcontratação Controlo de fornecedores e subcontratados Controlo de fornecedores e subcontratados Requisições Checklist de Responsabilidade Social para Fornecedores Compromisso para Fornecedores e Subcontratados Controlo do Envolvimento dos Fornecedores e Subcontratados Directrizes para Fornecedores e Subcontratados Registo de Fornecedores aprovados e seleccionados Registo de Verificação de Fornecedores SA 8000 Relatório de Auditoria de 2ª parte Registo de NC e reclamações Avaliação de fornecedores Controlo documental de fornecedores e subcontratados Controlo de envolvimento de fornencedores e subcontratados Formulário de adjudicação Autodiagnóstico Social

21 Pág: 21 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 3 - Não Conformidades, Reclamações e Acidentes 4 - Planeamento, revisão e Melhoria Planeamento, Revisão e Melhoria Objectivos e Metas Assegurar o tratamento aetempado dos manifestos de insatisfação do cliente e evitar a sua recorrência. Assegurar que perante as Não Conformidades detectadas se garante que os serviços/sub produtos NC são corrigidos ou tratados repondo a conformidade com os requisitos pré-definidos, garantindo que estes não são involuntariamente ou indevidamente utilizados/emitidos/descarregados. Assegurar que todos os requisitos de responsabilidade social são cumpridos internamente e por todos os fornecedores e subcontratados. Assegurar que qualquer acidente/incidente ou não conformidade sejam detectados, analisados/investigados de forma a prevenir a re-ocorrência de tais situações identificando e eliminando na origem as causas destas. Assegurar um conjunto de momentos e actividades que garantam que perante os resultados decorrentes dos processos de análise de dados sobre o desempenho da CITRUP, se estabeleçam e avaliem objectivos e metas para a melhoria e se garanta a adequação e eficácia contínua do Sistema Integrado de Gestão implementado. Definir a metodologia para a identificação dos objectivos e metas, e um conjunto de critérios para a elaboração do programa de gestão, de modo a se atingirem os compromissos estabelecidos na Política. Responsabilidades Decide Executa Colabora RE RHST Programas Programa de Gestão Documentos e Registos Registo de não conformidades e reclamações Registo de acidente de trabalho Relatório de investigação de acidentes e emergência Não-conformidades, reclamações e acidentes Missão, Valores e Visão Actas de Revisão Actas de reunião com colaboradores, representante dos colaboradores e entidades externas Programa de Gestão Matriz Aspectos ambientais, objectivos e metas Mapa estratégico Mapa de processos Balanced Scorecard Relatório de Revisão SIG Planeamento, Revisão e Melhoria Objectivos, Metas e Indicadores Minimização de Impactos Ambientais Este documento pretende definir a metodologia para a caracterização qualitativa e quantitativa dos processos mais adequados para controlar e minimizar os efeitos ambientais resultantes de operações ou processos novos, utilização de produtos químicos novos e alterações nas actividades existentes na CITRUP, que possam causar impactos ambientais. Programa de Verificação Matriz de identificação de opções de controlo Avaliação e Minimização de Impactes Ambientais

22 Pág: 22 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 5 - Gestão das Infra-estruturas 6 - Gestão da Informação Calibração e Manutenção Assegurar que os Equipamentos de Medição e Monitorização (EMM) utilizados na execução dos serviços prestados pela CITRUP estão devidamente identificados, em perfeitas condições de utilização e calibrados/ensaiados/verificados em tempo útil de forma a permitir um controlo eficaz da conformidade do serviço Assegurar que as máquinas e ferramentas se encontram aptas ao uso de forma a garantir a conformidade do produto/serviço e a gestão económica das infra-estruturas. Este documento pretende assegurar a metodologia para a CITRUP comunicar aos seus colaboradores e a todas as partes envolvidas as suas atividades, assim como o tratamento e resposta a solicitações externas. Responsabilidades Decide Executa Colabora RE SUB RE Programas Programa de Calibração e Manutenção (PCM) Programa de Verificação do PCM Programa de Comunicação Externa Documentos e Registos Programa de Calibração e Manutenção Registo das horas das máquinas e consumo de gasóleo Ficha individual de EMM Ficha Individual do Equipamento Operações não Programadas Registo de calibração Gestão das Infra-Estruturas - Manutenção Especificações de referência para o PCM Registo da verificação da resistência de contactos dos eléctrodos de terra IT Calibração de sondas Recepção de relatórios de ensaio ou certificados de calibração de entidades externas e validação do equipamento Comunicação de Riscos Registo de Comunicação Panfletos e Brochuras Gestão da Informação Sítio da CITRUP Programa de comunicação externa

23 Pág: 23 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 7 Tratamento e Monitorização Ambiental Vigilância e Monitorização Ambiental O plano de vigilância e monitorização ambiental instituído tem por finalidade determinar o eventual impacto que o Aterro Sanitário Anexo à Central de Valorização Energética da LIPOR possa provocar no meio envolvente, contribuindo igualmente para um melhor conhecimento dos descritores ambientais. Responsabilidades Decide Executa Colabora Cliente SUB Programas Programa de Verificação Documentos e Registos Programa de verificação Vigilancia a monitorização ambiental Especificações de Referência para o Programa de Verificação Contagens Registo do queimador Parâmetros ETAR Agentes Refrigerantes e extintores Plano de monitorização interno Registo de agentes refrigerantes e extintores Contagens Registo de horas do gerador Registo do plano de monitorização interno IT ETAR IT Biogás IT Prevenção e controlo de derrames de óleos e produtos químicos Plano de Gestão Ambiental em Obra IT Transporte de Salmouras IT Fossa e Separador de Hidrocarbonetos IT Procedimento do laboratório Registo de monititorização 8 - Exploração RSU e Cinzas Guia de Boas Práticas RSU Descrever o modo como se processa a exploração do aterro de RSU. RE RE RE Plano de Encaixe IT Definição de Plano de Encaixe IT Preparação das Células para a Recepção de Resíduos

24 Pág: 24 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 9 - Gestão de Resíduos Guia de Boas Práticas Cinzas Descrever o modo como se processa a exploração do aterro de cinzas. Definir a metodologia de gestão de resíduos decorrentes das atividades da empresa e assegurar a correcta gestão dos resíduos produzidos. Responsabilidades Decide Executa Colabora Programas Documentos e Registos IT Separação hidráulica IT Construção de dreno periférico IT Salmouras IT Construção de poços de biogás IT Colocação de telas verdes Registo de viaturas Guia de boas práticas cinzas Guia de boas práticas RSU Lista de Resíduos admissíveis e não admissíveis no aterro da LIPOR Procedimento para descarga de RSU e normas de segurança Registo de deposição de cinzas Registo de deposição de salmouras IT Manuseamento de resíduos produzidos Entrega de resíduos Registo de limpeza das instalações Etiqueta de resíduos Limpeza da fossa e do separador de HC Gestão de resíduos

25 Pág: 25 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 10 - Recursos Humanos e Formação Recursos Humanos e Formação Gestão da discriminação Gestão das Práticas de Remuneração Assegurar que todos os colaboradores e pessoas que trabalham para a CITRUP ou em seu nome sejam dotados da experiência, formação e competências necessárias ao bom desempenho das suas funções. Assegurar que a CITRUP não se envolva ou apoie a discriminação na contratação, remuneração, acesso a formação, promoções, término de contrato, ou reforma, com base, nomeadamente, na ascendência, idade, sexo, orientação sexual, estado civil, situação familiar, património genético, capacidade de trabalho reduzida, deficiência ou doença crónica, nacionalidade, origem étnica, religião, convicções políticas ou ideológicas e filiação sindical. A CITRUP não deve permitir comportamentos, gestos, linguagem ou contacto físico que sejam coercivos, ameaçadores, abusivos ou exploratórios. Assegurar que as práticas salariais da CITRUP satisfaçam no mínimo os padrões legais relativos à actividade industrial da CITRUP de modo a que sejam sempre suficientes para atender às necessidades básicas dos trabalhadores garantindo ainda que uma parte do rendimento seja utilizada livremente. A CITRUP deve assegurar que as deduções dos salários não sejam feitas por razões disciplinares e que a composição dos salários e benefícios seja clara, objetiva e regularmente detalhada para os trabalhadores. Deve ainda assegurar que os salários sejam pagos atempadamente aos trabalhadores. A CITRUP deve assegurar que os esquemas de contratação por trabalho executado e os estágios não sejam uma tentativa deixar de cumprir com as suas obrigações para com os trabalhadores de acordo com a legislação aplicável e convenções laborais. Responsabilidades Decide Executa Colabora Programas Programa de Formação Documentos e Registos Gestão da formação Fichas individuais de colaboradores Questionário sobre a formação Ficha de admissão Programa de formação Avaliação da formação Registo de acção de formação interna Dados Trabalhadores Conteúdos programáticos de formações Recursos humanos e formação Direitos e deveres dos trabalhadores Avaliação da formação CV Controlo documental de Fornecedores Gestão da formação Caixa de sugestões Dados Trabalhadores Controlo documental de Fornecedores Cálculo BNW Controlo documental de Fornecedores Cálculo salarial Folha de registo de horas de trabalho extraordinário Folha de ponto Mapa de férias

26 Pág: 26 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo Responsabilidades Decide Executa Colabora Programas Documentos e Registos Gestão do Horário de Trabalho Assegurar que os horários de trabalho praticados respeitam a legislação aplicável bem como as normas e padrões do sector de actividade industrial. Assegurar que o trabalho extraordinário não ultrapasse os valores de duas horas por dia, não seja obrigatório excepto por motivos de força maior e de curta duração, sendo sempre remunerado conforme legislação aplicável. Folhas de ponto Fichas de trabalho suplementar Controlo documental de Fornecedores Mapa de férias Gestão do Trabalho Forçado Assegurar que não seja utilizado ou apoiado qualquer tipo ou forma de trabalho forçado. Assegurar que quando existam evidências de trabalho forçado seja providenciado suporte adequado interno ou externo aos trabalhadores afectados. Avaliação de satisfação dos colaboradores Controlo documental de Fornecedores Gestão de Trabalho Infantil Assegurar que não seja utilizado ou apoiado a aplicação de mão-de-obra infantil. Assegurar que quando existam evidências de trabalho infantil seja providenciado suporte adequado interno ou externo aos trabalhadores menores. Fichas individuais de colaboradores Avaliação de Desempenho Dados Trabalhadores Controlo documental de Fornecedores Práticas Disciplinares A empresa não deverá envolver-se ou apoiar a utilização de punições corporais, coação física ou moral nem ofensas verbais, assegure o, respeito pela integridade física e moral dos trabalhadores no desempenho do seu trabalho. Os processos disciplinares são definindo procedimentos não arbitrários e efectivos de averiguação de infracções e de comunicação relativa ao desempenho dos trabalhadores e estabilidade nas funções. Avaliação de satisfação dos colaboradores Controlo documental de Fornecedores Liberdade de Associação e Negociação Colectiva Assegurar a liberdade do direito de todos os trabalhadores formarem ou associarem-se a sindicatos da sua escolha e de participarem em negociações coletivas sem fomentar, promover ou privilegiar organizações de trabalhadores concorrentes ou procurar controlar as suas actividades. Assegurar que os representantes dos trabalhadores tenham acesso aos seus representados no local de trabalho e não sejam objecto de práticas discriminatórias. GE Avaliação de satisfação dos colaboradores Dados Trabalhadores Controlo documental de Fornecedores Direitos e deveres dos trabalhadores

27 Pág: 27 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo 11 - Higiene, Saúde, Segurança e Emergência Vigilância Médica Resposta a Emergências Assegurar as actividades de acompanhamento médico de forma a prevenir doenças profissionais derivadas dos componentes de trabalho, como potenciais acidentes de trabalho por falta de aptidão profissional. Indicar a metodologia para minimizar os impactos resultantes de situações de emergência, nos colaboradores da CITRUP, no público, no ambiente e nas instalações. Definir os requisitos mínimos que qualquer Plano de Segurança deverá verificar. Indicar acções a considerar no Plano de Segurança Interno durante uma situação de emergência. Responsabilidades Decide Executa Colabora RHST RHST Programas Documentos e Registos Instruções de Segurança Registo de distribuição de EPI s Registo de distribuição de vestuário de trabalho Instruções de Trabalho Fichas de informação Plano de Segurança e Saúde Manual de Segurança, Higiene, Saúde no Trabalho e Ambiente Registo de NC e reclamações Fichas de aptidão médica Relatório da Avaliação da operacionalidade de simulacro Plano de Segurança Interno Plano de Recuperação de Desastre Relatório de investigação de acidentes e emergência Registo da informação das FDS de produtos químicos Registo de entrada de visitantes no aterro Tabela de EPI por tarefa 12 Avaliação de Desempenho Avaliação do Desempenho Organizacional Análise da Satisfação dos Colaboradores Assegurar um conjunto de metodologias que permitam com periodicidades adequadas conhecer o desempenho da CITRUP e das entidades com quem a mesma se relaciona. Assegurar a aplicação eficaz de medidas correctivas e de controlo de riscos operacionais não toleráveis de forma a cumprir a política e objectivos de Qualidade, Ambiente, Segurança, Saúde do Trabalho e Responsabilidade Social assim como com os requisitos legais e outros. Obter um conjunto de dados que potenciem o estabelecimento da melhoria contínua. Assegurar um conjunto de actividades que permitam à CITRUP a recolha de dados representativos sobre a satisfação dos colaboradores. Potenciar a recolha de sugestões e orientações externas para a melhoria. RE Programa de Auditorias Programa de Auditorias Relatório de Revisão SIG Listas de verificação Relatórios de inspecção SST Relatórios de auditorias Inquérito de Avaliação de Satisfação dos Colaboradores Sugestões de melhoria Avaliação de desempenho dos colaboradores

28 Pág: 28 de 28 Processo Sub-Processos Objectivo Responsabilidades Decide Executa Colabora Programas Documentos e Registos Análise do Desempenho com o Cliente Assegurar um conjunto de atividades que permitam à CITRUP a recolha de dados representativos sobre a satisfação dos serviços prestados. Assegurar a recolha de um conjunto de dados que permita a percepção da imagem e credibilidade da CITRUP perante o cliente e outras entidades que se definam. Potenciar a recolha de sugestões/orientações externas para a melhoria. Inquérito de Avaliação de Satisfação do Cliente Análise do Desempenho dos Fornecedores Identifiacção de Impactes Ambientais e Avaliação de Riscos Assegurar que em intervalos considerados adequados são analisados os desempenhos dos fornecedores e perante os mesmos, sempre que considerado pertinente, se proporcione a melhoria para a CITRUP, através de sugestões de melhoria aos fornecedores. Assegurar que sejam realizadas, na periodicidade definida, a identificação de perigos, avaliação, valoração e hierarquização dos riscos, assim como a identificação e interpretação de aspectos ambientais e a caracterização e classificação da significância ambiental associados às actividades e processos de forma a determinar as medidas de controlo, obedecendo aos princípios da prevenção. RHST Programa de identificação de perigos, avaliação e controlo de riscos Inquérito de Avaliação de Fornecedores Avaliação de satisfação dos fornecedores sobre a CITRUP Avaliação de riscos e impactes Ambientais Tipos de aspectos e impactes ambientais Registo de aspectos ambientais (indirectos, Poluição e Recursos) e Riscos Listas de verificação Classificação de impactes ambientais Avaliação de riscos (trabalhos de rotina e extraordinários) Autorização de Trabalho de equipamentos móveis externos Legenda da tabela: Responsável de Exploração e Monitorização Responsável de Operações e Logística RE Responsável de Exploração RHST Responsável de Higiene e Segurança no Trabalho Colaboradores Gerência SUB Subcontratados IT Instrução de trabalho

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Certificação de Sistemas de Gestão ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2008); 2. Certificação

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NP EN ISO 9001:2008 CAPITULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES ÍNDICE 1. ESTRUTURA

Leia mais

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001 4 Sistemas de gestão da qualidade 4.1 Requisitos gerais A organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA 2003 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA APCER - Associação Portuguesa de Certificação Carlos Rodrigues Júlio Faceira Guedes Revisto pela

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Capítulo 0 Índice Ref.: MGA.C00 Rev.: 00 1. Índice 1. Índice... 1 2. Registo de Alterações... 1 3. Capítulo 0 Índice... 1 4. Capítulo 1 Apresentação da Empresa... 1 5. Capítulo 2 Requisitos do Sistema

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos Actualizado em: 81121 P5 - Gestão Estratégica Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos SP3 Planeamento e Revisão do Sistema IT 9 Planeamento e Análise 4 Programa de Objectivos

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA ENTIDADE AUDITADA: ESE, ESS, ESTG, ESCE e ESA NORMA DE REFERÊNCIA: NP EN ISO 9001.2008 DATA (S) DA AUDITORIA: 15.04..2011 ÂMBITO: Sub-processo Biblioteca DURAÇÃO: 1dia REQUISITO VERIFICADO NÃO CONFORMIDADE

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008 Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Curso de Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Objectivos: Os formandos no fim do curso devem: Dispor de conhecimentos técnicos e metodológicos sobre o modo de desenvolvimento de uma Auditoria da

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por: Carla Latas nº 3501 Rui Soares nº 3508 Ana Lopes nº 3512 Coimbra, 02 de Junho de 2005.

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO MANUAL DE GESTÃO FERNANDES & PÁGINA 2 / 18 ÍNDICE PÁG. 1. PROMULGAÇÃO 3 2. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 4 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 11 4. POLÍTICA DA FERNANDES & 12 5. SISTEMA DE GESTÃO 13 FERNANDES & PÁGINA

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental SGA

Sistema de Gestão Ambiental SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO Um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) constitui uma parte do sistema global de gestão de uma organização que visa o controlo dos seus aspectos ambientais, através

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO SETEMBRO 2013 - REVISÃO 23

MANUAL DE GESTÃO SETEMBRO 2013 - REVISÃO 23 MANUAL DE GESTÃO SETEMBRO 2013 - REVISÃO 23 MANUAL DE GESTÃO - ÍNDICE ÍNDICE 1 ÂMBITO E OBJETIVOS 1/1 5.2 Orientações do Sistema de Gestão LIPOR 2/12 2 PROMULGAÇÃO 1/1 5.2.1 Planear 2/12 3 MISSÃO, VISÃO,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO SGQ IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_2600204_ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página

Leia mais

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Bureau Veritas Certification Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco A introdução da gestão do risco na ISO

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais